SlideShare uma empresa Scribd logo
› Termodinâmica é o estudo das transformações entre calor e trabalho.
› Termodinâmica é o estudo das
transformações entre calor e
trabalho.
I- Conceitos-chave:
- Calor: energia térmica em
trânsito de um corpo para outro
em razão da diferença de
temperatura entre eles.
- Trabalho: energia em trânsito
entre dois corpos devido à ação de
uma força.
- Sistema: toda região do espaço
que é objeto de estudo.
Do ponto de vista das trocas de
calor, um sistema pode ser:
• Isolado: não troca energia nem
matéria com o meio externo. Ex:
Garrafa térmica.
• Fechado: troca energia, mas não
matéria com o meio externo. Ex:
latinha de refrigerante.
• Aberto: troca energia e /ou matéria
com o meio externo. Ex: a mesma
latinha de refrigerante, agora aberta.
• Termicamente isolado (adiabático):
não troca calor com a vizinhança. As
paredes de um recipiente
termicamente isolado são chamadas
de adiabáticas. Ex: paredes de uma
garrafa térmica.
II- Trabalho numa transformação gasosa
Considere um gás contido num cilindro cujo êmbolo pode se movimentar
livremente e sobre o qual há um peso de massa m.
› Observe que, a pressão se
mantém constante, pois a
massa do peso colocado sobre
o êmbolo não varia.
› Fornecendo calor Q ao
sistema, o gás se expande,
deslocando o êmbolo em uma
distância d.
II- Trabalho numa transformação gasosa
Considere um gás contido num cilindro cujo êmbolo pode se movimentar
livremente e sobre o qual há um peso de massa m.
› Assim, o gás exerce uma força
F sobre o êmbolo, fazendo que
ele se deslocasse uma distância
d, e realizando um trabalho τ
(tau)
𝜏 = 𝑝. ∆𝑉
Portanto, para uma transformação isobárica, teremos:
onde ΔV é a variação de volume do gás
II- Trabalho numa transformação gasosa
O trabalho é uma grandeza escalar que assume o mesmo sinal da variação
de volume, uma vez que a pressão p é sempre positiva. Assim:
 Numa expansão, a variação de volume é positiva e, portanto, o trabalho
realizado é positivo.
 Numa compressão, a variação de volume é negativa e, portanto, o
trabalho realizado é negativo.
 Em uma transformação que ocorre sem variação de volume não há
realização de trabalho.
Resumidamente:
II- Trabalho numa transformação gasosa
Observe que, num diagrama pressão x volume, o trabalho realizado pela
força que o gás exerce sobre o êmbolo é numericamente igual à área sob a
curva:
𝜏 = 𝐴
II- Trabalho numa transformação gasosa
Observe que, num diagrama pressão x volume, o trabalho realizado pela
força que o gás exerce sobre o êmbolo é numericamente igual à área sob a
curva:
𝜏 = 𝐴
• Se ∆V > 0  τ > 0: o gás realiza
trabalho sobre o meio (expansão
gasosa)
• Se ∆V < 0  τ < 0: o meio realiza
trabalho sobre o gás (compressão
gasosa)
II- Trabalho numa transformação gasosa
II- Trabalho numa transformação gasosa
• Se ∆V = 0  τ = 0: o sistema não
troca trabalho (transformação
isométrica = o volume não se
altera)
R.49 Cinco mols de um gás ideal se encontram à temperatura de 600 K,
ocupando um volume de 0,5 m³. Mediante um processo isobárico, o gás é
submetido à transformação indicada no gráfico.
a) Determine a pressão exercida pelo gás
durante o processo.
b) Qual é a temperatura final do gás?
c) Calcule o trabalho realizado na
transformação, indicando como esse
cálculo pode ser feito por meio do gráfico.
d) O trabalho nesse processo isobárico é
realizado pelo gás ou sobre o gás?
Explique.
[Dado: R=8,31 J/(mol.K)]
R.50 Certa massa de um gás ideal sofre o processo termodinâmico indicado
no gráfico abaixo. Sendo T1 = 200 K a temperatura inicial do gás no processo
e T2 = 900 K a temperatura final, calcule:
a) o volume final da massa gasosa;
b) o trabalho realizado no processo,
indicando se ele é realizado pelo gás ou
sobre o gás.
III- Energia interna:
 A energia total de um sistema é composta de duas parcelas: a energia
externa e a energia interna.
 A energia interna do sistema relaciona-se com suas condições intrínsecas,
como a energia térmica, associada ao movimento de agitação térmica das
moléculas.
 Na prática não se mede
diretamente a energia interna
U do sistema, no entanto,
para os gases ideais
monoatômicos, vamos
determinar a variação da
energia interna ΔU, por meio
variação da energia cinética
de translação das moléculas
que constituem o sistema.
III- Energia interna:
É a soma das energias cinéticas médias de todas as moléculas de um gás
perfeito e é função exclusiva de sua temperatura.
∆𝑈 =
3
2
𝑛. 𝑅. 𝑇
Onde:
• ∆U é a variação da energia interna associada
à transformação
• n é o número de mols de partículas do gás.
Fazendo m = massa de gás e M = massa
molecular, temos que n é dado pela
expressão:
n=
m
M
• R é a constante universal dos gases ideais:
R = 0,082 atm.L/mol.K
• T é a temperatura absoluta (K)
Quando um sistema (gás) recebe uma determinada quantidade de calor (Q),
sofre um aumento de sua energia interna (∆U) e, consequentemente, um
aumento de temperatura (∆T):
• Se ∆T > 0  ∆U > 0: a energia interna aumenta.
• Se ∆T < 0  ∆U < 0: a energia interna diminui.
• Se ∆T = 0  ∆U = 0: a energia interna não varia.
III- Energia interna:
A Energia interna de uma certa massa de gás ideal é função exclusiva de sua
temperatura
Quando fornecemos a um sistema certa quantidade de energia Q, esta
energia pode ser usada de duas maneiras:
1. Uma parte da energia pode ser
usada para o sistema realizar
um trabalho (𝜏), expandindo-se ou
contraindo-se.
2. A outra parte pode ser absorvida
pelo sistema, virando energia
interna, ou seja, essa outra parte de
energia é igual à variação de
energia (ΔU) do sistema.
Resumidamente: num processo
termodinâmico sofrido por um gás, há
dois tipos de trocas energéticas com o
meio exterior: o calor trocado Q e o
trabalho realizado τ. Veja o exemplo:
∆𝑈 = 𝑄 − 𝜏
Definição: a variação de energia interna ΔU de um sistema é igual à diferença
entre o calor Q trocado com o meio externo e o trabalho τ por ele realizado
durante uma transformação.
∆𝑈 = 𝑄 − 𝜏
A primeira lei da Termodinâmica é uma reafirmação do princípio da
conservação da energia e é válida para qualquer processo termodinâmico
natural que envolva trocas energéticas.
Resumidamente, teremos que:
Quantidadedecalortrocadocomomeio Q > 0 (positivo) o gás recebeu calor.
Q < 0 (negativo) o gás perdeu calor.
Q = 0 (nulo) o gás não trocou calor com o meio exterior
(transformação adiabática) todo o trabalho trocado
converteu-se em energia interna.
Resumidamente, teremos que:
Variaçãodaenergiainternadogás
ΔU > 0 (positivo) a energia interna aumentou, portanto,
sua temperatura aumentou
ΔU < 0 (negativo) a energia interna diminuiu, portanto, sua
temperatura diminuiu
ΔU = 0 (nulo) o processo é isotérmico, qualquer que tenha
sido a troca com o exterior, a temperatura manteve-se
constante.
Aplicação
1- Ao receber uma quantidade de calor Q=50J, um gás realiza um trabalho
igual a 12J, sabendo que a Energia interna do sistema antes de receber calor
era U=100J, qual será esta energia após o recebimento?
2- Certa massa de gás perfeito recebeu 300 J de energia do meio exterior e
realizou um trabalho de 500 J. Nessas condições, responda:
a) qual foi a variação de energia interna sofrida pelo gás?
b) a temperatura do sistema aumentou ou diminuiu nesse processo?
Justifique.
Aplicação
3- O diagrama representa uma transformação isobárica do estado 1 para o
estado 2, em que o gás perdeu 200 J de energia para o meio externo.
a) Que trabalho foi realizado na
compressão?
b) Qual foi a variação de energia interna
do gás?
4- O diagrama mostra a transformação de uma massa gasosa do estado X
para o estado Y.
a) Determine o módulo do trabalho
realizado sobre o gás.
b) Sabendo-se que a temperatura inicial
do gás era de 600 K, qual sua
temperatura final.
c) O trabalho foi realizado pelo gás ou
sobre o gás? Justifique.
R.51 Seis mols de um gás ideal monoatômico sofrem o processo
termodinâmico AB indicado no gráfico. Sendo R = 8,31 J/(mol.K), determine:
a) as temperaturas inicial (TA) e final (TB) do
gás;
b) a variação de energia interna do gás no
processo AB;
c) o trabalho realizado pelo gás ao passar do
estado A para o estado B;
d) a quantidade de calor trocada pelo gás na
transformação de A para B.
Transformação Isotérmica:
Como não há variação de temperatura
(ΔU = 0), a quantidade de calor trocada
pelo sistema com o exterior converte-se
integralmente em trabalho:
Q = τ
Na expansão isotérmica, o gás, sem
variar sua energia interna, tem a pressão
reduzida, recebe calor e realiza trabalho
Aplicação:
R.52 Numa transformação isotérmica de um gás ideal monoatômico, o
produto pV é constante e vale 33.240 J. A constante dos gases ideais é R =
8,31 J(mol.K) e o número de mols do gás é 5 mol. Durante o processo, o gás
recebe 2.000 J de calor do meio exterior. Determine:
a) se o gás está sofrendo expansão ou compressão;
b) a temperatura do processo;
c) a variação da energia interna do gás;
d) o trabalho realizado na transformação.
Transformação Isobárica:
O trabalho pode ser calculado
usando-se a expressão:
τ = p. ∆V onde que p = p1 = p2.
Na expansão isobárica, o gás tem sua
energia interna aumentada, recebe
calor e realiza trabalho (Q > τ)
Transformação Isobárica:
O trabalho pode ser calculado
usando-se a expressão:
τ = p. ∆V onde que p = p1 = p2.
Na compressão isobárica, diminuem
o volume (ΔV<0) e a temperatura
(ΔT<0); concluimos que o calor
cedido (Q) pelo sistema é menor
(algebricamente) que o trabalho (τ)
realizado sobre o sistema.
Transformação Isobárica:
A quantidade de calor trocada pelo gás, ao sofrer a variação de temperatura
ΔT numa transformação isobárica, é dada por:
Onde:
- cp é o calor específico à pressão constante
- ΔT é a variação de temperatura (K)
- m é a massa de gás
- Q é a quantidade de calor trocada
Aplicação:
O gráfico representa uma compressão isobárica de uma massa de 200 g de
um gás sob pressão de 2.105 N/m².
Sendo cp = 1,25 cal/(g.K) o calor
específico do hélio sob pressão constante
e 1 cal = 4,2 J, determine:
a) a quantidade de calor, em joule, que o
gás recebe durante o processo;
b) o trabalho realizado pelo gás nessa
dilatação;
c) a variação de energia interna do gás.
Transformação Isométrica:
O sistema não realiza nem recebe
trabalho e, portanto, a variação da
energia interna do sistema é igual à
quantidade de calor trocada por ele
com o meio externo:
ΔU = Q
Transformação Isométrica:
A quantidade de calor trocada pelo
gás, ao sofrer a variação de
temperatura ΔT numa transformação
isobárica, é dada por:
Onde:
- cV é o calor específico à volume constante
- ΔT é a variação de temperatura (K)
- m é a massa de gás
- Q é a quantidade de calor trocada
Aplicação:
Em uma transformação a volume constante, 200 g de gás ideal sofrem uma
variação de temperatura de 200 K para 600 K. Considerando o calor especí-
fico do gás a volume constante cv = 1,25 cal/g.K e 1 cal = 4,2 J, determine:
a) a quantidade de calor trocada pelo gás na transformação;
b) o trabalho realizado no processo;
c) a variação da energia interna sofrida pelo gás.
Transformação Adiabática:
Não há troca de calor entre o sistema e
o meio externo. Desta forma, toda
energia recebida ou cedida pelo
sistema ocorre por meio de trabalho.
Observe que:
- De 1 para 2: o gás realizou
trabalho às custas de sua
própria energia interna:
- De 2 para 3: o sistema recebe
trabalho do meio externo,
havendo uma elevação da
energia interna do gás:
−ΔU = τ
τ = ΔU
Transformação Adiabática:
Não há troca de calor entre o sistema e
o meio externo. Desta forma, toda
energia recebida ou cedida pelo
sistema ocorre por meio de trabalho.
Observe que:
- De 1 para 2: o gás realizou
trabalho às custas de sua
própria energia interna:
−ΔU = τ
Transformação Adiabática:
Não há troca de calor entre o sistema e
o meio externo. Desta forma, toda
energia recebida ou cedida pelo
sistema ocorre por meio de trabalho.
Observe que:
- De 2 para 3: o sistema recebe
trabalho do meio externo,
havendo uma elevação da
energia interna do gás:
τ = ΔU
Transformação Adiabática:
Não há troca de calor entre o sistema e
o meio externo. Desta forma, toda
energia recebida ou cedida pelo
sistema ocorre por meio de trabalho.
Graficamente, temos:
Transformação Adiabática:
R.56- Um gás perfeito sofre um processo adiabático no qual realiza um
trabalho de 300 J.
a) O gás está se expandindo ou comprimindo? Por que?
b) Qual é a quantidade de calor que o gás está trocando com o ambiente?
c) De quanto é a variação de energia interna do gás nesse processo?
d) Explique como se modificam as variáveis de estado (volume, temperatura
e pressão) do gás nessa transformação.
Transformação Adiabática:
R.58- Certa quantidade de gás ideal pode
passar de um estado A para um estado B por
dois “caminhos” possíveis:
transformação isocórica seguida de uma
isobárica;
transformação isobárica seguida de uma
isocórica.
Responda:
a) A que estado, A ou B, corresponde maior temperatura?
b) Qual é a variação de energia interna do gás no “caminho” 1 e no “caminho” 2?
c) Em qual dos “caminhos” é maior o trabalho realizado pelo gás? Calcule esses
trabalhos.
d) Em qual dos “caminhos” é maior a quantidade de calor trocada pelo gás?
Calcule essas quantidades de calor.
Transformação Cíclica:
É aquela em que certa massa de gás
ideal sofre uma série de
transformações após as quais volta ao
estado inicial de pressão, volume e
temperatura.
• Em um ciclo, o estado final é igual
ao estado inicial e, portanto, é nula
a variação da energia interna:
• Na transformação cíclica há
equivalência entre o calor total
trocado Q e o trabalho total
realizado τ.
ΔU = 0
τ = Q
Transformação Cíclica:
Ciclo em sentido horário: ocorre
conversão de calor em trabalho
Ciclo em sentido anti-horário: ocorre
conversão de trabalho em calor
Transformação Cíclica:
Chamamos de transformação útil aquela
na qual o gás absorve calor e executa
trabalho sobre o exterior: grosso modo,
uma máquina a vapor trabalha segundo
um ciclo em sentido horário, pois o calor
fornecido ao vapor transforma-se em
trabalho.
• De modo geral, dispositivos que
transformam calor em trabalho
recebem o nome de máquinas
térmicas.
Transformação Cíclica:
R.60 O gráfico representa a transformação cíclica sofrida por um gás ideal no
sentido ABCDA.
Pergunta-se:
a) Há conversão de calor em
trabalho ou de trabalho em
calor? Por quê?
b) Qual é a quantidade de calor
trocada no ciclo em questão? E o
trabalho realizado?
São aquelas que podem ocorrer em
ambos os sentidos, passando por todas
as etapas intermediárias, sem que isso
cause modificações definitivas ao meio
externo.
Transformações reversíveis:
Levando em conta as perdas de
energia por atrito e pela resistência
do ar, para fazer o bloco retornar à
posição primitiva, seria necessário
um fornecimento exterior de
energia. Nesse caso, a descida seria
irreversível.
Considere um bloco de massa m no
alto de um plano inclinado e, na
base do plano, uma mola
considerada ideal. Se deslizar sem
nenhuma resistência plano abaixo, o
bloco irá se chocar elasticamente
com a mola e voltará a subir pelo
plano até alcançar novamente sua
posição inicial.
São aquelas em que um sistema,
uma vez atingido o estado final de
equilíbrio, não retorna ao estado
inicial ou a quaisquer estados
intermediários sem a ação de
agentes externos.
Transformações irreversíveis:
Estabelece as condições nas quais é
possível a transformação de calor em
trabalho.
• Completa o primeiro princípio, que
trata apenas do balanço energético
e a equivalência entre calor e
trabalho.
O calor flui espontaneamente da
fonte mais quente para a fonte
fria. No entanto, a passagem
contrária não ocorre.
O calor passa espontaneamente do corpo de maior temperatura para o
corpo de menor temperatura.
Uma gota de tinta coloca num líquido
espalha-se uniformemente por ele, de
modo espontâneo
Porém, praticamente inexiste a
possibilidade das moléculas de tinta
se reagruparem para formar a gota
de tinta inicial!!!!
É impossível construir uma máquina
térmica, operando em ciclos, cujo
único efeito seja retirar calor de uma
fonte e convertê-lo integralmente em
trabalho.
Máquinas térmicas – Conversão de calor em trabalho
Para que uma máquina térmica converta
calor em trabalho de modo contínuo,
deve operar em ciclo entre duas fontes
térmicas, uma quente e outra fria:
- retira calor da fonte quente (Q1)
- converte-o parcialmente em trabalho
- transfere o restante (Q2) para a fonte
fria
É impossível construir uma máquina
térmica, operando em ciclos, cujo
único efeito seja retirar calor de uma
fonte e convertê-lo integralmente em
trabalho.
Máquinas térmicas – Conversão de calor em trabalho
𝜏 = 𝑄1 − 𝑄2
• Q1 é a quantidade total de calor
retirada da fonte quente.
• Q2 é a quantidade de calor
dissipada para a fonte fria.
Máquinas térmicas – Conversão de calor em trabalho
O rendimento (η) de uma máquina
térmica é expresso pela razão entre a
quantidade útil (trabalho) e a
quantidade total de energia (fonte
quente).
𝜂 =
𝜏
𝑄1
𝜂 =
𝐸𝑛𝑒𝑟𝑔𝑖𝑎 ú𝑡𝑖𝑙
𝐸𝑛𝑒𝑟𝑔𝑖𝑎 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙
Como τ = Q1 – Q2, temos que:
𝜂 = 1 −
𝑄2
𝑄1
ATENÇÃO!! O rendimento de uma máquina térmica é
expresso em porcentagem (%).
R.61 Uma caldeira, à temperatura de 600 K (fonte quente), fornece vapor
correspondente a 1.000 kcal em cada segundo a uma turbina. O vapor, depois
de passar pela turbina, cede ao condensador (fonte fria) 800 kcal por
segundo a uma temperatura de 293 K. Considerando 1 cal = 4 J, determine a
potência produzida por essa máquina em kW e calcule seu rendimento.
Máquinas frigoríficas são dispositivos
que convertem trabalho em calor.
Refrigerador – Conversão de trabalho em calor
A eficiência (e) de uma máquina
frigorífica é expressa pela quantidade
de calor retirada da fonte fria (Q2) e o
trabalho externo envolvido na
transferência (τ).
𝑒 =
𝑄2
𝜏
R.62 Numa máquina frigorífica, em cada ciclo do gás utilizado, são retirados
120 J do congelador. No processo a atmosfera (fonte quente) recebe 150 J.
Determine:
a) o trabalho do compressor em cada ciclo;
b) a eficiência dessa máquina térmica.
Estabelece as condições em que uma
máquina térmica realiza um ciclo de
rendimento teórico máximo.
Ciclo de Carnot
O rendimento no ciclo de Carnot é
função exclusiva das temperaturas
absolutas das fontes quente (T1) e
fria (T2), não dependendo,
portanto, da substância
“trabalhante” utilizada.
Estabelece as condições em que uma
máquina térmica realiza um ciclo de
rendimento teórico máximo.
Ciclo de Carnot O teorema de Carnot divide-se em
duas partes:
• A máquina de Carnot tem
rendimento maior que qualquer
outro tipo de máquina,
operando com as mesmas
fontes.
• Todas as máquinas de Carnot
têm o mesmo rendimento,
desde que operem entre as
mesmas fontes.
𝜂 = 1 −
𝑇2
𝑇1
Máximo rendimento de
uma máquina térmica
Ciclo de Carnot
R.63 Certa máquina térmica ideal funciona realizando o ciclo de Carnot. Em
cada ciclo, o trabalho útil fornecido pela máquina é de 1.000 J. Sendo as
temperaturas das fontes térmicas 127 °C e 27 °C, respectivamente,
determine:
a) o rendimento dessa máquina;
b) a quantidade de calor retirada da fonte quente;
c) a quantidade de calor rejeitada para a fonte fria.
Termodinâmica (2017)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Isabele Félix
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
ReinaldoMassayuki1
 
1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt
Leonardo Menezes
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
fisicaatual
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Introdução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaIntrodução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmica
Helder Guerreiro
 
Física (calorimetria)
Física (calorimetria)Física (calorimetria)
Física (calorimetria)
Adrianne Mendonça
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Edinei Chagas
 
Hidrostática - Física
Hidrostática - FísicaHidrostática - Física
Hidrostática - Física
Slides de Tudo
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
Polo UAB de Alagoinhas
 
Estudo dos gases power point
Estudo dos gases power pointEstudo dos gases power point
Estudo dos gases power point
WelltonSybalde
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
Marco Antonio Sanches
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completoEquilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Rosbergue Lúcio
 
Segunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaSegunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMica
Cristiane Tavolaro
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
loirissimavivi
 
Movimento retilíneo uniforme - MRU
Movimento retilíneo uniforme - MRUMovimento retilíneo uniforme - MRU
Movimento retilíneo uniforme - MRU
O mundo da FÍSICA
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
Rildo Borges
 
Aula 2 equilíbrio químico
Aula 2  equilíbrio químicoAula 2  equilíbrio químico
Aula 2 equilíbrio químico
Adrianne Mendonça
 

Mais procurados (20)

Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
 
1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Introdução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaIntrodução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmica
 
Física (calorimetria)
Física (calorimetria)Física (calorimetria)
Física (calorimetria)
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Hidrostática - Física
Hidrostática - FísicaHidrostática - Física
Hidrostática - Física
 
Reações Químicas
Reações QuímicasReações Químicas
Reações Químicas
 
Estudo dos gases power point
Estudo dos gases power pointEstudo dos gases power point
Estudo dos gases power point
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completoEquilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
 
Segunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaSegunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMica
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Movimento retilíneo uniforme - MRU
Movimento retilíneo uniforme - MRUMovimento retilíneo uniforme - MRU
Movimento retilíneo uniforme - MRU
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Aula 2 equilíbrio químico
Aula 2  equilíbrio químicoAula 2  equilíbrio químico
Aula 2 equilíbrio químico
 

Semelhante a Termodinâmica (2017)

Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
Marco Antonio Sanches
 
Aula 16 termoedinâmica
Aula 16   termoedinâmicaAula 16   termoedinâmica
Aula 16 termoedinâmica
Jonatas Carlos
 
16 Termodinâmica
16 Termodinâmica16 Termodinâmica
16 Termodinâmica
Eletrons
 
Termologiaresumo
TermologiaresumoTermologiaresumo
Termologiaresumo
AulasParticulares
 
Ap 06 termodinamica-cap - 2017
Ap 06   termodinamica-cap - 2017Ap 06   termodinamica-cap - 2017
Ap 06 termodinamica-cap - 2017
Ronaldo Da Costa Cunha
 
Termodinamica joanesantana
Termodinamica   joanesantanaTermodinamica   joanesantana
Termodinamica joanesantana
Joane Santana
 
Termodinamica joanesantana
Termodinamica   joanesantanaTermodinamica   joanesantana
Termodinamica joanesantana
Joane Santana
 
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdfPrimeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
CarlosFilho631276
 
Termodinâmica - Física - Conceitos e exemplos
Termodinâmica - Física - Conceitos e exemplosTermodinâmica - Física - Conceitos e exemplos
Termodinâmica - Física - Conceitos e exemplos
Pamella Woodson
 
Física
FísicaFísica
Leis da termodinamica pdf (1)
Leis da termodinamica   pdf (1)Leis da termodinamica   pdf (1)
Leis da termodinamica pdf (1)
PEDRO FRANCO NOLETO NETO
 
Leis da termodinamica pdf (1)
Leis da termodinamica   pdf (1)Leis da termodinamica   pdf (1)
Leis da termodinamica pdf (1)
PEDRO FRANCO NOLETO NETO
 
FíSica Aula 4 Primeira Lei Da TermodinâMica
FíSica Aula 4   Primeira Lei Da TermodinâMicaFíSica Aula 4   Primeira Lei Da TermodinâMica
FíSica Aula 4 Primeira Lei Da TermodinâMica
educacao f
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
Cleber1965
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmicawww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
Anna Paula
 
Questões resolvidas de vestibulares de termodinâmica
Questões resolvidas de vestibulares de termodinâmicaQuestões resolvidas de vestibulares de termodinâmica
Questões resolvidas de vestibulares de termodinâmica
Lazaro Silva
 
Termodinâmica primeira lei
Termodinâmica   primeira leiTermodinâmica   primeira lei
Termodinâmica primeira lei
Paula Fabiana
 
Exercícios de física
Exercícios de físicaExercícios de física
Exercícios de física
Fabiana Gonçalves
 
Questoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicaQuestoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmica
sjfnet
 
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdfaula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
MarcosPaulo734507
 

Semelhante a Termodinâmica (2017) (20)

Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Aula 16 termoedinâmica
Aula 16   termoedinâmicaAula 16   termoedinâmica
Aula 16 termoedinâmica
 
16 Termodinâmica
16 Termodinâmica16 Termodinâmica
16 Termodinâmica
 
Termologiaresumo
TermologiaresumoTermologiaresumo
Termologiaresumo
 
Ap 06 termodinamica-cap - 2017
Ap 06   termodinamica-cap - 2017Ap 06   termodinamica-cap - 2017
Ap 06 termodinamica-cap - 2017
 
Termodinamica joanesantana
Termodinamica   joanesantanaTermodinamica   joanesantana
Termodinamica joanesantana
 
Termodinamica joanesantana
Termodinamica   joanesantanaTermodinamica   joanesantana
Termodinamica joanesantana
 
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdfPrimeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
 
Termodinâmica - Física - Conceitos e exemplos
Termodinâmica - Física - Conceitos e exemplosTermodinâmica - Física - Conceitos e exemplos
Termodinâmica - Física - Conceitos e exemplos
 
Física
FísicaFísica
Física
 
Leis da termodinamica pdf (1)
Leis da termodinamica   pdf (1)Leis da termodinamica   pdf (1)
Leis da termodinamica pdf (1)
 
Leis da termodinamica pdf (1)
Leis da termodinamica   pdf (1)Leis da termodinamica   pdf (1)
Leis da termodinamica pdf (1)
 
FíSica Aula 4 Primeira Lei Da TermodinâMica
FíSica Aula 4   Primeira Lei Da TermodinâMicaFíSica Aula 4   Primeira Lei Da TermodinâMica
FíSica Aula 4 Primeira Lei Da TermodinâMica
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmicawww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
 
Questões resolvidas de vestibulares de termodinâmica
Questões resolvidas de vestibulares de termodinâmicaQuestões resolvidas de vestibulares de termodinâmica
Questões resolvidas de vestibulares de termodinâmica
 
Termodinâmica primeira lei
Termodinâmica   primeira leiTermodinâmica   primeira lei
Termodinâmica primeira lei
 
Exercícios de física
Exercícios de físicaExercícios de física
Exercícios de física
 
Questoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmicaQuestoes resolvidas de termodinmica
Questoes resolvidas de termodinmica
 
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdfaula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
 

Mais de Marco Antonio Sanches

Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
Marco Antonio Sanches
 
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Marco Antonio Sanches
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
Marco Antonio Sanches
 
Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Primeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da TermodinâmicaPrimeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da Termodinâmica
Marco Antonio Sanches
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
Marco Antonio Sanches
 
Ondulatória
OndulatóriaOndulatória
Ondulatória
Marco Antonio Sanches
 
Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
Marco Antonio Sanches
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
Marco Antonio Sanches
 
Apostila eletrostática
Apostila eletrostáticaApostila eletrostática
Apostila eletrostática
Marco Antonio Sanches
 
Oficina App Inventor
Oficina App InventorOficina App Inventor
Oficina App Inventor
Marco Antonio Sanches
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
Marco Antonio Sanches
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
Marco Antonio Sanches
 
Calorimetria I
Calorimetria ICalorimetria I
Calorimetria I
Marco Antonio Sanches
 

Mais de Marco Antonio Sanches (20)

Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
 
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
 
Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)
 
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
 
Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)
 
Primeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da TermodinâmicaPrimeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da Termodinâmica
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Ondulatória
OndulatóriaOndulatória
Ondulatória
 
Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
 
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
 
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Apostila eletrostática
Apostila eletrostáticaApostila eletrostática
Apostila eletrostática
 
Oficina App Inventor
Oficina App InventorOficina App Inventor
Oficina App Inventor
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
 
Calorimetria I
Calorimetria ICalorimetria I
Calorimetria I
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

Termodinâmica (2017)

  • 1.
  • 2. › Termodinâmica é o estudo das transformações entre calor e trabalho.
  • 3. › Termodinâmica é o estudo das transformações entre calor e trabalho. I- Conceitos-chave: - Calor: energia térmica em trânsito de um corpo para outro em razão da diferença de temperatura entre eles. - Trabalho: energia em trânsito entre dois corpos devido à ação de uma força. - Sistema: toda região do espaço que é objeto de estudo. Do ponto de vista das trocas de calor, um sistema pode ser: • Isolado: não troca energia nem matéria com o meio externo. Ex: Garrafa térmica. • Fechado: troca energia, mas não matéria com o meio externo. Ex: latinha de refrigerante. • Aberto: troca energia e /ou matéria com o meio externo. Ex: a mesma latinha de refrigerante, agora aberta. • Termicamente isolado (adiabático): não troca calor com a vizinhança. As paredes de um recipiente termicamente isolado são chamadas de adiabáticas. Ex: paredes de uma garrafa térmica.
  • 4. II- Trabalho numa transformação gasosa Considere um gás contido num cilindro cujo êmbolo pode se movimentar livremente e sobre o qual há um peso de massa m. › Observe que, a pressão se mantém constante, pois a massa do peso colocado sobre o êmbolo não varia. › Fornecendo calor Q ao sistema, o gás se expande, deslocando o êmbolo em uma distância d.
  • 5. II- Trabalho numa transformação gasosa Considere um gás contido num cilindro cujo êmbolo pode se movimentar livremente e sobre o qual há um peso de massa m. › Assim, o gás exerce uma força F sobre o êmbolo, fazendo que ele se deslocasse uma distância d, e realizando um trabalho τ (tau) 𝜏 = 𝑝. ∆𝑉 Portanto, para uma transformação isobárica, teremos: onde ΔV é a variação de volume do gás
  • 6. II- Trabalho numa transformação gasosa O trabalho é uma grandeza escalar que assume o mesmo sinal da variação de volume, uma vez que a pressão p é sempre positiva. Assim:  Numa expansão, a variação de volume é positiva e, portanto, o trabalho realizado é positivo.  Numa compressão, a variação de volume é negativa e, portanto, o trabalho realizado é negativo.  Em uma transformação que ocorre sem variação de volume não há realização de trabalho. Resumidamente:
  • 7. II- Trabalho numa transformação gasosa Observe que, num diagrama pressão x volume, o trabalho realizado pela força que o gás exerce sobre o êmbolo é numericamente igual à área sob a curva: 𝜏 = 𝐴
  • 8. II- Trabalho numa transformação gasosa Observe que, num diagrama pressão x volume, o trabalho realizado pela força que o gás exerce sobre o êmbolo é numericamente igual à área sob a curva: 𝜏 = 𝐴
  • 9. • Se ∆V > 0  τ > 0: o gás realiza trabalho sobre o meio (expansão gasosa) • Se ∆V < 0  τ < 0: o meio realiza trabalho sobre o gás (compressão gasosa) II- Trabalho numa transformação gasosa
  • 10. II- Trabalho numa transformação gasosa • Se ∆V = 0  τ = 0: o sistema não troca trabalho (transformação isométrica = o volume não se altera)
  • 11. R.49 Cinco mols de um gás ideal se encontram à temperatura de 600 K, ocupando um volume de 0,5 m³. Mediante um processo isobárico, o gás é submetido à transformação indicada no gráfico. a) Determine a pressão exercida pelo gás durante o processo. b) Qual é a temperatura final do gás? c) Calcule o trabalho realizado na transformação, indicando como esse cálculo pode ser feito por meio do gráfico. d) O trabalho nesse processo isobárico é realizado pelo gás ou sobre o gás? Explique. [Dado: R=8,31 J/(mol.K)]
  • 12. R.50 Certa massa de um gás ideal sofre o processo termodinâmico indicado no gráfico abaixo. Sendo T1 = 200 K a temperatura inicial do gás no processo e T2 = 900 K a temperatura final, calcule: a) o volume final da massa gasosa; b) o trabalho realizado no processo, indicando se ele é realizado pelo gás ou sobre o gás.
  • 13. III- Energia interna:  A energia total de um sistema é composta de duas parcelas: a energia externa e a energia interna.  A energia interna do sistema relaciona-se com suas condições intrínsecas, como a energia térmica, associada ao movimento de agitação térmica das moléculas.  Na prática não se mede diretamente a energia interna U do sistema, no entanto, para os gases ideais monoatômicos, vamos determinar a variação da energia interna ΔU, por meio variação da energia cinética de translação das moléculas que constituem o sistema.
  • 14. III- Energia interna: É a soma das energias cinéticas médias de todas as moléculas de um gás perfeito e é função exclusiva de sua temperatura. ∆𝑈 = 3 2 𝑛. 𝑅. 𝑇 Onde: • ∆U é a variação da energia interna associada à transformação • n é o número de mols de partículas do gás. Fazendo m = massa de gás e M = massa molecular, temos que n é dado pela expressão: n= m M • R é a constante universal dos gases ideais: R = 0,082 atm.L/mol.K • T é a temperatura absoluta (K)
  • 15.
  • 16. Quando um sistema (gás) recebe uma determinada quantidade de calor (Q), sofre um aumento de sua energia interna (∆U) e, consequentemente, um aumento de temperatura (∆T): • Se ∆T > 0  ∆U > 0: a energia interna aumenta. • Se ∆T < 0  ∆U < 0: a energia interna diminui. • Se ∆T = 0  ∆U = 0: a energia interna não varia. III- Energia interna: A Energia interna de uma certa massa de gás ideal é função exclusiva de sua temperatura
  • 17.
  • 18. Quando fornecemos a um sistema certa quantidade de energia Q, esta energia pode ser usada de duas maneiras: 1. Uma parte da energia pode ser usada para o sistema realizar um trabalho (𝜏), expandindo-se ou contraindo-se. 2. A outra parte pode ser absorvida pelo sistema, virando energia interna, ou seja, essa outra parte de energia é igual à variação de energia (ΔU) do sistema. Resumidamente: num processo termodinâmico sofrido por um gás, há dois tipos de trocas energéticas com o meio exterior: o calor trocado Q e o trabalho realizado τ. Veja o exemplo: ∆𝑈 = 𝑄 − 𝜏
  • 19. Definição: a variação de energia interna ΔU de um sistema é igual à diferença entre o calor Q trocado com o meio externo e o trabalho τ por ele realizado durante uma transformação. ∆𝑈 = 𝑄 − 𝜏 A primeira lei da Termodinâmica é uma reafirmação do princípio da conservação da energia e é válida para qualquer processo termodinâmico natural que envolva trocas energéticas.
  • 20. Resumidamente, teremos que: Quantidadedecalortrocadocomomeio Q > 0 (positivo) o gás recebeu calor. Q < 0 (negativo) o gás perdeu calor. Q = 0 (nulo) o gás não trocou calor com o meio exterior (transformação adiabática) todo o trabalho trocado converteu-se em energia interna.
  • 21. Resumidamente, teremos que: Variaçãodaenergiainternadogás ΔU > 0 (positivo) a energia interna aumentou, portanto, sua temperatura aumentou ΔU < 0 (negativo) a energia interna diminuiu, portanto, sua temperatura diminuiu ΔU = 0 (nulo) o processo é isotérmico, qualquer que tenha sido a troca com o exterior, a temperatura manteve-se constante.
  • 22. Aplicação 1- Ao receber uma quantidade de calor Q=50J, um gás realiza um trabalho igual a 12J, sabendo que a Energia interna do sistema antes de receber calor era U=100J, qual será esta energia após o recebimento? 2- Certa massa de gás perfeito recebeu 300 J de energia do meio exterior e realizou um trabalho de 500 J. Nessas condições, responda: a) qual foi a variação de energia interna sofrida pelo gás? b) a temperatura do sistema aumentou ou diminuiu nesse processo? Justifique.
  • 23. Aplicação 3- O diagrama representa uma transformação isobárica do estado 1 para o estado 2, em que o gás perdeu 200 J de energia para o meio externo. a) Que trabalho foi realizado na compressão? b) Qual foi a variação de energia interna do gás?
  • 24. 4- O diagrama mostra a transformação de uma massa gasosa do estado X para o estado Y. a) Determine o módulo do trabalho realizado sobre o gás. b) Sabendo-se que a temperatura inicial do gás era de 600 K, qual sua temperatura final. c) O trabalho foi realizado pelo gás ou sobre o gás? Justifique.
  • 25. R.51 Seis mols de um gás ideal monoatômico sofrem o processo termodinâmico AB indicado no gráfico. Sendo R = 8,31 J/(mol.K), determine: a) as temperaturas inicial (TA) e final (TB) do gás; b) a variação de energia interna do gás no processo AB; c) o trabalho realizado pelo gás ao passar do estado A para o estado B; d) a quantidade de calor trocada pelo gás na transformação de A para B.
  • 26. Transformação Isotérmica: Como não há variação de temperatura (ΔU = 0), a quantidade de calor trocada pelo sistema com o exterior converte-se integralmente em trabalho: Q = τ Na expansão isotérmica, o gás, sem variar sua energia interna, tem a pressão reduzida, recebe calor e realiza trabalho
  • 27. Aplicação: R.52 Numa transformação isotérmica de um gás ideal monoatômico, o produto pV é constante e vale 33.240 J. A constante dos gases ideais é R = 8,31 J(mol.K) e o número de mols do gás é 5 mol. Durante o processo, o gás recebe 2.000 J de calor do meio exterior. Determine: a) se o gás está sofrendo expansão ou compressão; b) a temperatura do processo; c) a variação da energia interna do gás; d) o trabalho realizado na transformação.
  • 28. Transformação Isobárica: O trabalho pode ser calculado usando-se a expressão: τ = p. ∆V onde que p = p1 = p2. Na expansão isobárica, o gás tem sua energia interna aumentada, recebe calor e realiza trabalho (Q > τ)
  • 29. Transformação Isobárica: O trabalho pode ser calculado usando-se a expressão: τ = p. ∆V onde que p = p1 = p2. Na compressão isobárica, diminuem o volume (ΔV<0) e a temperatura (ΔT<0); concluimos que o calor cedido (Q) pelo sistema é menor (algebricamente) que o trabalho (τ) realizado sobre o sistema.
  • 30. Transformação Isobárica: A quantidade de calor trocada pelo gás, ao sofrer a variação de temperatura ΔT numa transformação isobárica, é dada por: Onde: - cp é o calor específico à pressão constante - ΔT é a variação de temperatura (K) - m é a massa de gás - Q é a quantidade de calor trocada
  • 31. Aplicação: O gráfico representa uma compressão isobárica de uma massa de 200 g de um gás sob pressão de 2.105 N/m². Sendo cp = 1,25 cal/(g.K) o calor específico do hélio sob pressão constante e 1 cal = 4,2 J, determine: a) a quantidade de calor, em joule, que o gás recebe durante o processo; b) o trabalho realizado pelo gás nessa dilatação; c) a variação de energia interna do gás.
  • 32. Transformação Isométrica: O sistema não realiza nem recebe trabalho e, portanto, a variação da energia interna do sistema é igual à quantidade de calor trocada por ele com o meio externo: ΔU = Q
  • 33. Transformação Isométrica: A quantidade de calor trocada pelo gás, ao sofrer a variação de temperatura ΔT numa transformação isobárica, é dada por: Onde: - cV é o calor específico à volume constante - ΔT é a variação de temperatura (K) - m é a massa de gás - Q é a quantidade de calor trocada
  • 34. Aplicação: Em uma transformação a volume constante, 200 g de gás ideal sofrem uma variação de temperatura de 200 K para 600 K. Considerando o calor especí- fico do gás a volume constante cv = 1,25 cal/g.K e 1 cal = 4,2 J, determine: a) a quantidade de calor trocada pelo gás na transformação; b) o trabalho realizado no processo; c) a variação da energia interna sofrida pelo gás.
  • 35. Transformação Adiabática: Não há troca de calor entre o sistema e o meio externo. Desta forma, toda energia recebida ou cedida pelo sistema ocorre por meio de trabalho. Observe que: - De 1 para 2: o gás realizou trabalho às custas de sua própria energia interna: - De 2 para 3: o sistema recebe trabalho do meio externo, havendo uma elevação da energia interna do gás: −ΔU = τ τ = ΔU
  • 36. Transformação Adiabática: Não há troca de calor entre o sistema e o meio externo. Desta forma, toda energia recebida ou cedida pelo sistema ocorre por meio de trabalho. Observe que: - De 1 para 2: o gás realizou trabalho às custas de sua própria energia interna: −ΔU = τ
  • 37. Transformação Adiabática: Não há troca de calor entre o sistema e o meio externo. Desta forma, toda energia recebida ou cedida pelo sistema ocorre por meio de trabalho. Observe que: - De 2 para 3: o sistema recebe trabalho do meio externo, havendo uma elevação da energia interna do gás: τ = ΔU
  • 38. Transformação Adiabática: Não há troca de calor entre o sistema e o meio externo. Desta forma, toda energia recebida ou cedida pelo sistema ocorre por meio de trabalho. Graficamente, temos:
  • 39. Transformação Adiabática: R.56- Um gás perfeito sofre um processo adiabático no qual realiza um trabalho de 300 J. a) O gás está se expandindo ou comprimindo? Por que? b) Qual é a quantidade de calor que o gás está trocando com o ambiente? c) De quanto é a variação de energia interna do gás nesse processo? d) Explique como se modificam as variáveis de estado (volume, temperatura e pressão) do gás nessa transformação.
  • 40. Transformação Adiabática: R.58- Certa quantidade de gás ideal pode passar de um estado A para um estado B por dois “caminhos” possíveis: transformação isocórica seguida de uma isobárica; transformação isobárica seguida de uma isocórica. Responda: a) A que estado, A ou B, corresponde maior temperatura? b) Qual é a variação de energia interna do gás no “caminho” 1 e no “caminho” 2? c) Em qual dos “caminhos” é maior o trabalho realizado pelo gás? Calcule esses trabalhos. d) Em qual dos “caminhos” é maior a quantidade de calor trocada pelo gás? Calcule essas quantidades de calor.
  • 41. Transformação Cíclica: É aquela em que certa massa de gás ideal sofre uma série de transformações após as quais volta ao estado inicial de pressão, volume e temperatura. • Em um ciclo, o estado final é igual ao estado inicial e, portanto, é nula a variação da energia interna: • Na transformação cíclica há equivalência entre o calor total trocado Q e o trabalho total realizado τ. ΔU = 0 τ = Q
  • 42. Transformação Cíclica: Ciclo em sentido horário: ocorre conversão de calor em trabalho Ciclo em sentido anti-horário: ocorre conversão de trabalho em calor
  • 43. Transformação Cíclica: Chamamos de transformação útil aquela na qual o gás absorve calor e executa trabalho sobre o exterior: grosso modo, uma máquina a vapor trabalha segundo um ciclo em sentido horário, pois o calor fornecido ao vapor transforma-se em trabalho. • De modo geral, dispositivos que transformam calor em trabalho recebem o nome de máquinas térmicas.
  • 44. Transformação Cíclica: R.60 O gráfico representa a transformação cíclica sofrida por um gás ideal no sentido ABCDA. Pergunta-se: a) Há conversão de calor em trabalho ou de trabalho em calor? Por quê? b) Qual é a quantidade de calor trocada no ciclo em questão? E o trabalho realizado?
  • 45.
  • 46. São aquelas que podem ocorrer em ambos os sentidos, passando por todas as etapas intermediárias, sem que isso cause modificações definitivas ao meio externo. Transformações reversíveis: Levando em conta as perdas de energia por atrito e pela resistência do ar, para fazer o bloco retornar à posição primitiva, seria necessário um fornecimento exterior de energia. Nesse caso, a descida seria irreversível.
  • 47. Considere um bloco de massa m no alto de um plano inclinado e, na base do plano, uma mola considerada ideal. Se deslizar sem nenhuma resistência plano abaixo, o bloco irá se chocar elasticamente com a mola e voltará a subir pelo plano até alcançar novamente sua posição inicial. São aquelas em que um sistema, uma vez atingido o estado final de equilíbrio, não retorna ao estado inicial ou a quaisquer estados intermediários sem a ação de agentes externos. Transformações irreversíveis:
  • 48. Estabelece as condições nas quais é possível a transformação de calor em trabalho. • Completa o primeiro princípio, que trata apenas do balanço energético e a equivalência entre calor e trabalho. O calor flui espontaneamente da fonte mais quente para a fonte fria. No entanto, a passagem contrária não ocorre. O calor passa espontaneamente do corpo de maior temperatura para o corpo de menor temperatura.
  • 49. Uma gota de tinta coloca num líquido espalha-se uniformemente por ele, de modo espontâneo Porém, praticamente inexiste a possibilidade das moléculas de tinta se reagruparem para formar a gota de tinta inicial!!!!
  • 50. É impossível construir uma máquina térmica, operando em ciclos, cujo único efeito seja retirar calor de uma fonte e convertê-lo integralmente em trabalho. Máquinas térmicas – Conversão de calor em trabalho Para que uma máquina térmica converta calor em trabalho de modo contínuo, deve operar em ciclo entre duas fontes térmicas, uma quente e outra fria: - retira calor da fonte quente (Q1) - converte-o parcialmente em trabalho - transfere o restante (Q2) para a fonte fria
  • 51. É impossível construir uma máquina térmica, operando em ciclos, cujo único efeito seja retirar calor de uma fonte e convertê-lo integralmente em trabalho. Máquinas térmicas – Conversão de calor em trabalho 𝜏 = 𝑄1 − 𝑄2 • Q1 é a quantidade total de calor retirada da fonte quente. • Q2 é a quantidade de calor dissipada para a fonte fria.
  • 52. Máquinas térmicas – Conversão de calor em trabalho O rendimento (η) de uma máquina térmica é expresso pela razão entre a quantidade útil (trabalho) e a quantidade total de energia (fonte quente). 𝜂 = 𝜏 𝑄1 𝜂 = 𝐸𝑛𝑒𝑟𝑔𝑖𝑎 ú𝑡𝑖𝑙 𝐸𝑛𝑒𝑟𝑔𝑖𝑎 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 Como τ = Q1 – Q2, temos que: 𝜂 = 1 − 𝑄2 𝑄1 ATENÇÃO!! O rendimento de uma máquina térmica é expresso em porcentagem (%).
  • 53. R.61 Uma caldeira, à temperatura de 600 K (fonte quente), fornece vapor correspondente a 1.000 kcal em cada segundo a uma turbina. O vapor, depois de passar pela turbina, cede ao condensador (fonte fria) 800 kcal por segundo a uma temperatura de 293 K. Considerando 1 cal = 4 J, determine a potência produzida por essa máquina em kW e calcule seu rendimento.
  • 54. Máquinas frigoríficas são dispositivos que convertem trabalho em calor. Refrigerador – Conversão de trabalho em calor A eficiência (e) de uma máquina frigorífica é expressa pela quantidade de calor retirada da fonte fria (Q2) e o trabalho externo envolvido na transferência (τ). 𝑒 = 𝑄2 𝜏
  • 55. R.62 Numa máquina frigorífica, em cada ciclo do gás utilizado, são retirados 120 J do congelador. No processo a atmosfera (fonte quente) recebe 150 J. Determine: a) o trabalho do compressor em cada ciclo; b) a eficiência dessa máquina térmica.
  • 56. Estabelece as condições em que uma máquina térmica realiza um ciclo de rendimento teórico máximo. Ciclo de Carnot O rendimento no ciclo de Carnot é função exclusiva das temperaturas absolutas das fontes quente (T1) e fria (T2), não dependendo, portanto, da substância “trabalhante” utilizada.
  • 57. Estabelece as condições em que uma máquina térmica realiza um ciclo de rendimento teórico máximo. Ciclo de Carnot O teorema de Carnot divide-se em duas partes: • A máquina de Carnot tem rendimento maior que qualquer outro tipo de máquina, operando com as mesmas fontes. • Todas as máquinas de Carnot têm o mesmo rendimento, desde que operem entre as mesmas fontes. 𝜂 = 1 − 𝑇2 𝑇1 Máximo rendimento de uma máquina térmica
  • 58. Ciclo de Carnot R.63 Certa máquina térmica ideal funciona realizando o ciclo de Carnot. Em cada ciclo, o trabalho útil fornecido pela máquina é de 1.000 J. Sendo as temperaturas das fontes térmicas 127 °C e 27 °C, respectivamente, determine: a) o rendimento dessa máquina; b) a quantidade de calor retirada da fonte quente; c) a quantidade de calor rejeitada para a fonte fria.