SlideShare uma empresa Scribd logo
Associação de resistores
Uma associação de resistores consiste de
resistores ligados ao mesmo circuito, como em
uma residência, onde os diversos aparelhos
elétricos formam uma associação.
I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma
intensidade de corrente elétrica.
Porém, cada resistor possui uma ddp parcial a ele associada.
U = U1 + U2+U3
𝑅 𝑠 = R1 + R2+R3
i = i1 = i2 = i3
U = U1 + U2+U3
𝑅 𝑠 = R1 + R2+R3
i = i1 = i2 = i3
I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma
intensidade de corrente elétrica.
i = i1 = i2=0
I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma
intensidade de corrente elétrica.
i = i1 = i2=0
I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma
intensidade de corrente elétrica.
i = i1 = i2=0
I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma
intensidade de corrente elétrica.
R.55 Um resistor de 5Ω e um resistor de 20Ω são associados em série e à
associação aplica-se uma ddp de 100 V.
a) Qual é a resistência equivalente da associação?
b) Qual é a intensidade de corrente elétrica na associação?
c) Qual é a ddp em cada resistor associado?
Denominamos reostatos os resistores cuja resistência elétrica pode ser
ajustada.
(A) Reostato de cursor
(B) Representação usual de um reostato de cursor
(C) Símbolo do reostato
R.56 Entre os pontos 1 e 2 do circuito da figura abaixo mantém-se a ddp de
110 V. O cursor C está no ponto médio entre os pontos 3 e 4; a intensidade
da corrente elétrica que passa pela lâmpada é de 0,5 A. Calcule a
resistência elétrica RL da lâmpada.
 são dispositivos que têm a finalidade de proteger circuitos elétricos de
correntes com intensidade elevada.
 devem ser colocados em série com os aparelhos do circuito, de modo
que, ao ocorrer a fusão de seu condutor, haja interrupção da passagem
da corrente elétrica.
 é constituída de um fio de tungstênio denominado filamento, cuja
temperatura de fusão é cerca de 3.400 °C.
 ao ser atravessado por uma corrente elétrica o filamento aquece e
torna-se incandescente, começando a emitir luz.
O brilho de uma lâmpada está relacionado
com a ddp à qual for ligada:
 quando ligada em ddp menor que a
nominal, seu brilho é menor que o
normal;
 já em ddp acima da nominal, a lâmpada
dissipa potência maior que a nominal e
queima.
II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma
diferença de potencial elétrico (ddp).
Porém, cada resistor possui uma intensidade de corrente parcial a ele
associada.
U = U1 = U2=U3
Porém, cada resistor possui uma intensidade de corrente parcial a ele
associada.
U = U1 = U2=U3
II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma
diferença de potencial elétrico (ddp).
Porém, cada resistor possui uma intensidade de corrente parcial a ele
associada.
U = U1 = U2=U3
II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma
diferença de potencial elétrico (ddp).
Casos particulares:
1
𝑅 𝑝
=
1
𝑅1
+
1
𝑅2
+
1
𝑅3
+ ⋯
I- Para dois resistores R1 e R2, temos:
𝑅 𝑝 =
𝑅1. 𝑅2
𝑅1 + 𝑅2
𝑅 𝑝 =
𝑃𝑟𝑜𝑑𝑢𝑡𝑜
𝑆𝑜𝑚𝑎
II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma
diferença de potencial elétrico (ddp).
Casos particulares:
1
𝑅 𝑝
=
1
𝑅1
+
1
𝑅2
+
1
𝑅3
+ ⋯
II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma
diferença de potencial elétrico (ddp).
II- Para n resistores iguais, temos:
𝑅 𝑝 =
𝑅
𝑛
onde n é o número de resistores da
associação.
R.59 Um resistor de 5Ω e um resistor de 20Ω são associados em
paralelo e a essa associação aplica-se uma ddp de 100 V.
a) Qual é a resistência equivalente da associação?
b) Quais são as intensidades de corrente elétrica em cada resistor?
c) Qual é a intensidade de corrente elétrica na associação?
R.60 Na associação abaixo, A é um aquecedor no qual está gravado (200 W
- 100 V) e f é um fusível de resistência elétrica desprezível e que suporta
uma corrente elétrica máxima de 3 A. Calcule o menor valor da resistência
elétrica de um resistor R que pode ser ligado em paralelo com o aquecedor
sem queimar o fusível.
III- Associação mista: o circuito é contituído de tal forma a conter
associações em série e em paralelo.
 Para isso é muito útil designar seus nós e terminais por letras.
 Os nós são os pontos em que a corrente elétrica se divide;
 Os terminais são os pontos entre os quais se quer determinar a
resistência equivalente.
Para calcularmos a resistência equivalente
da associação, vamos simplificar por
etapas a associação dado, até chegarmos
ao resistor equivalente final!!!
R.62 Dada a associação na figura a seguir, calcule a resistência equivalente
entre os pontos A e B.
R.63 No circuito elétrico
esquematizado ao lado, tem-se i2 =
2,0A. Determine:
a) a intensidade da corrente elétrica i1;
b) a diferença de potencial entre os
pontos A e B.
R.64 No circuito esquematizado ao lado, a
ddp entre os terminais A e B vale 100 V.
Determine:
a) a resistência equivalente entre os pontos
A e B;
b) a intensidade de corrente elétrica no
resistor de 7,5 Ω;
c) a intensidade de corrente elétrica em
cada um dos resistores de 5 Ω.
R.65 O resistor de 4Ω do circuito esquematizado ao lado é percorrido por
corrente elétrica de intensidade 3 A.
Determine:
a) a resistência equivalente entre os pontos A e B;
b) a ddp entre os terminais A e B do circuito;
c) a intensidade da corrente elétrica em cada um dos resistores de 6Ω e 3Ω
IV- Curto-circuito em um resistor: ocorre quando associamos em paralelo
outro resistor com resistência elétrica desprezível (R = 0) – fio condutor
qualquer.
Perceba que a corrente elétrica que
inicialmente atravessava o resistor é
totalmente desviada, anulando o resistor!!
R.66 Dada a associação na figura abaixo, calcule a resistência equivalente
entre os terminais A e B.
R67 Para a associação esquematizada,
determine a resistência equivalente
entre os terminais A e B.
R.68 Têm-se três resistores iguais, de resistência 11 Ω, uma fonte que
mantém entre A e B a ddp de 110 V e fios de resistência nula. Qual é a
intensidade de corrente elétrica em cada resistor nas situações
esquematizadas abaixo, segundo as colocações dos fios de resistência nula?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo dos resistores
Estudo dos resistoresEstudo dos resistores
Estudo dos resistores
Marco Antonio Sanches
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
Bruno De Siqueira Costa
 
Aula 11 associação de resistores
Aula 11   associação de resistoresAula 11   associação de resistores
Aula 11 associação de resistores
Montenegro Física
 
ELETRICIDADE BÁSICA - POTÊNCIA ELÉTRICA
ELETRICIDADE BÁSICA - POTÊNCIA ELÉTRICAELETRICIDADE BÁSICA - POTÊNCIA ELÉTRICA
ELETRICIDADE BÁSICA - POTÊNCIA ELÉTRICA
MSGAMA GESTÃO&EMPRESAS
 
Trocas de calor
Trocas de calorTrocas de calor
Trocas de calor
Cristiane Ruas
 
condutores e isolantes
condutores e isolantescondutores e isolantes
condutores e isolantes
Daniela Lana
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
Marco Antonio Sanches
 
TERMOLOGIA
TERMOLOGIATERMOLOGIA
02 geradores e receptores eletricos
02  geradores e receptores eletricos02  geradores e receptores eletricos
02 geradores e receptores eletricos
Bruno De Siqueira Costa
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
O mundo da FÍSICA
 
Aula 1 história da eletricidade
Aula 1   história da eletricidadeAula 1   história da eletricidade
Aula 1 história da eletricidade
Daniel Bonamin
 
Associação de resistores - série e paralelo
Associação de resistores - série e paraleloAssociação de resistores - série e paralelo
Associação de resistores - série e paralelo
Adilson Nakamura
 
Cinemática Escalar
Cinemática EscalarCinemática Escalar
Cinemática Escalar
Marco Antonio Sanches
 
Introdução à eletrostática
Introdução à eletrostáticaIntrodução à eletrostática
Introdução à eletrostática
O mundo da FÍSICA
 
Potência e energia
Potência e energiaPotência e energia
Potência e energia
O mundo da FÍSICA
 
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF) Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Ronaldo Santana
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
FÍSICA PROFESSOR TELMO
 
Revisão ENEM-FÍSICA
Revisão ENEM-FÍSICARevisão ENEM-FÍSICA
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
Fabricio Scheffer
 
Ondas estacionárias
Ondas estacionáriasOndas estacionárias
Ondas estacionárias
Leonardo Silva Costa
 

Mais procurados (20)

Estudo dos resistores
Estudo dos resistoresEstudo dos resistores
Estudo dos resistores
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
 
Aula 11 associação de resistores
Aula 11   associação de resistoresAula 11   associação de resistores
Aula 11 associação de resistores
 
ELETRICIDADE BÁSICA - POTÊNCIA ELÉTRICA
ELETRICIDADE BÁSICA - POTÊNCIA ELÉTRICAELETRICIDADE BÁSICA - POTÊNCIA ELÉTRICA
ELETRICIDADE BÁSICA - POTÊNCIA ELÉTRICA
 
Trocas de calor
Trocas de calorTrocas de calor
Trocas de calor
 
condutores e isolantes
condutores e isolantescondutores e isolantes
condutores e isolantes
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
TERMOLOGIA
TERMOLOGIATERMOLOGIA
TERMOLOGIA
 
02 geradores e receptores eletricos
02  geradores e receptores eletricos02  geradores e receptores eletricos
02 geradores e receptores eletricos
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Aula 1 história da eletricidade
Aula 1   história da eletricidadeAula 1   história da eletricidade
Aula 1 história da eletricidade
 
Associação de resistores - série e paralelo
Associação de resistores - série e paraleloAssociação de resistores - série e paralelo
Associação de resistores - série e paralelo
 
Cinemática Escalar
Cinemática EscalarCinemática Escalar
Cinemática Escalar
 
Introdução à eletrostática
Introdução à eletrostáticaIntrodução à eletrostática
Introdução à eletrostática
 
Potência e energia
Potência e energiaPotência e energia
Potência e energia
 
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF) Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Revisão ENEM-FÍSICA
Revisão ENEM-FÍSICARevisão ENEM-FÍSICA
Revisão ENEM-FÍSICA
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Ondas estacionárias
Ondas estacionáriasOndas estacionárias
Ondas estacionárias
 

Semelhante a Associação de resistores

Associação de Resistores.pdf
Associação de Resistores.pdfAssociação de Resistores.pdf
Associação de Resistores.pdf
Carlos Fernando Oliveira
 
Exercícios de física eletricidade - 1º bim2014
Exercícios de física   eletricidade - 1º bim2014Exercícios de física   eletricidade - 1º bim2014
Exercícios de física eletricidade - 1º bim2014
Paulo Cezar Rangel de Lima
 
Física 3º ano ensino médio associação de resistores
Física 3º ano ensino médio   associação de resistoresFísica 3º ano ensino médio   associação de resistores
Física 3º ano ensino médio associação de resistores
Tiago Gomes da Silva
 
ASSOCIACAO-DE-RESISTORES-ELETRICOS_6d1fb4d230b14fd9bfa6f4c40a9fdae7.pptx
ASSOCIACAO-DE-RESISTORES-ELETRICOS_6d1fb4d230b14fd9bfa6f4c40a9fdae7.pptxASSOCIACAO-DE-RESISTORES-ELETRICOS_6d1fb4d230b14fd9bfa6f4c40a9fdae7.pptx
ASSOCIACAO-DE-RESISTORES-ELETRICOS_6d1fb4d230b14fd9bfa6f4c40a9fdae7.pptx
ArnaldoBraga12
 
Aula 3 eletroeletrônica
Aula 3  eletroeletrônica Aula 3  eletroeletrônica
Aula 3 eletroeletrônica
GIGLLIARA SEGANTINI DE MENEZES
 
Aula03
Aula03Aula03
Aula03
cristbarb
 
Corrente aula2
Corrente aula2Corrente aula2
Corrente aula2
ISJ
 
Corrente aula2
Corrente aula2Corrente aula2
Corrente aula2
ISJ
 
Aula02
Aula02Aula02
Aula02
cristbarb
 
1293122060 aula02
1293122060 aula021293122060 aula02
1293122060 aula02
Pelo Siro
 
1278
12781278
1278
Pelo Siro
 
Resistores elétricos.
Resistores elétricos.Resistores elétricos.
Resistores elétricos.
Ajudar Pessoas
 
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
Cris Santos Tutores
 
Eletricidade básica
Eletricidade básicaEletricidade básica
Eletricidade básica
Allan Almeida de Araújo
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
RonaldoAlves153492
 
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente AlternadaEletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
PanteraNegra21
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
ElizeuCalandriniNett
 
Lei de ohm
Lei de ohmLei de ohm
Lei de ohm
acaraufisica
 
exercicios de electricidade
exercicios de electricidadeexercicios de electricidade
exercicios de electricidade
pinhata
 
Associação de resistores.ppt
Associação de resistores.pptAssociação de resistores.ppt
Associação de resistores.ppt
Renato Estevam
 

Semelhante a Associação de resistores (20)

Associação de Resistores.pdf
Associação de Resistores.pdfAssociação de Resistores.pdf
Associação de Resistores.pdf
 
Exercícios de física eletricidade - 1º bim2014
Exercícios de física   eletricidade - 1º bim2014Exercícios de física   eletricidade - 1º bim2014
Exercícios de física eletricidade - 1º bim2014
 
Física 3º ano ensino médio associação de resistores
Física 3º ano ensino médio   associação de resistoresFísica 3º ano ensino médio   associação de resistores
Física 3º ano ensino médio associação de resistores
 
ASSOCIACAO-DE-RESISTORES-ELETRICOS_6d1fb4d230b14fd9bfa6f4c40a9fdae7.pptx
ASSOCIACAO-DE-RESISTORES-ELETRICOS_6d1fb4d230b14fd9bfa6f4c40a9fdae7.pptxASSOCIACAO-DE-RESISTORES-ELETRICOS_6d1fb4d230b14fd9bfa6f4c40a9fdae7.pptx
ASSOCIACAO-DE-RESISTORES-ELETRICOS_6d1fb4d230b14fd9bfa6f4c40a9fdae7.pptx
 
Aula 3 eletroeletrônica
Aula 3  eletroeletrônica Aula 3  eletroeletrônica
Aula 3 eletroeletrônica
 
Aula03
Aula03Aula03
Aula03
 
Corrente aula2
Corrente aula2Corrente aula2
Corrente aula2
 
Corrente aula2
Corrente aula2Corrente aula2
Corrente aula2
 
Aula02
Aula02Aula02
Aula02
 
1293122060 aula02
1293122060 aula021293122060 aula02
1293122060 aula02
 
1278
12781278
1278
 
Resistores elétricos.
Resistores elétricos.Resistores elétricos.
Resistores elétricos.
 
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica www.TutoresNaWebCom.Br - Física -  Eletrodinâmica
www.TutoresNaWebCom.Br - Física - Eletrodinâmica
 
Eletricidade básica
Eletricidade básicaEletricidade básica
Eletricidade básica
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
 
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente AlternadaEletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
 
Lei de ohm
Lei de ohmLei de ohm
Lei de ohm
 
exercicios de electricidade
exercicios de electricidadeexercicios de electricidade
exercicios de electricidade
 
Associação de resistores.ppt
Associação de resistores.pptAssociação de resistores.ppt
Associação de resistores.ppt
 

Mais de Marco Antonio Sanches

Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
Marco Antonio Sanches
 
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Marco Antonio Sanches
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
Marco Antonio Sanches
 
Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Primeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da TermodinâmicaPrimeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da Termodinâmica
Marco Antonio Sanches
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
Marco Antonio Sanches
 
Ondulatória
OndulatóriaOndulatória
Ondulatória
Marco Antonio Sanches
 
Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
Marco Antonio Sanches
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
Marco Antonio Sanches
 
Apostila eletrostática
Apostila eletrostáticaApostila eletrostática
Apostila eletrostática
Marco Antonio Sanches
 
Oficina App Inventor
Oficina App InventorOficina App Inventor
Oficina App Inventor
Marco Antonio Sanches
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
Marco Antonio Sanches
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
Marco Antonio Sanches
 

Mais de Marco Antonio Sanches (20)

Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
 
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
 
Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)
 
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
 
Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)
 
Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)
 
Primeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da TermodinâmicaPrimeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da Termodinâmica
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Ondulatória
OndulatóriaOndulatória
Ondulatória
 
Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
 
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
 
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Apostila eletrostática
Apostila eletrostáticaApostila eletrostática
Apostila eletrostática
 
Oficina App Inventor
Oficina App InventorOficina App Inventor
Oficina App Inventor
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

Associação de resistores

  • 2. Uma associação de resistores consiste de resistores ligados ao mesmo circuito, como em uma residência, onde os diversos aparelhos elétricos formam uma associação.
  • 3. I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma intensidade de corrente elétrica. Porém, cada resistor possui uma ddp parcial a ele associada. U = U1 + U2+U3 𝑅 𝑠 = R1 + R2+R3 i = i1 = i2 = i3
  • 4. U = U1 + U2+U3 𝑅 𝑠 = R1 + R2+R3 i = i1 = i2 = i3 I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma intensidade de corrente elétrica.
  • 5. i = i1 = i2=0 I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma intensidade de corrente elétrica.
  • 6. i = i1 = i2=0 I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma intensidade de corrente elétrica.
  • 7. i = i1 = i2=0 I- Associação em série: todos os resistores são percorridos pela mesma intensidade de corrente elétrica.
  • 8. R.55 Um resistor de 5Ω e um resistor de 20Ω são associados em série e à associação aplica-se uma ddp de 100 V. a) Qual é a resistência equivalente da associação? b) Qual é a intensidade de corrente elétrica na associação? c) Qual é a ddp em cada resistor associado?
  • 9. Denominamos reostatos os resistores cuja resistência elétrica pode ser ajustada. (A) Reostato de cursor (B) Representação usual de um reostato de cursor (C) Símbolo do reostato
  • 10. R.56 Entre os pontos 1 e 2 do circuito da figura abaixo mantém-se a ddp de 110 V. O cursor C está no ponto médio entre os pontos 3 e 4; a intensidade da corrente elétrica que passa pela lâmpada é de 0,5 A. Calcule a resistência elétrica RL da lâmpada.
  • 11.  são dispositivos que têm a finalidade de proteger circuitos elétricos de correntes com intensidade elevada.  devem ser colocados em série com os aparelhos do circuito, de modo que, ao ocorrer a fusão de seu condutor, haja interrupção da passagem da corrente elétrica.
  • 12.  é constituída de um fio de tungstênio denominado filamento, cuja temperatura de fusão é cerca de 3.400 °C.  ao ser atravessado por uma corrente elétrica o filamento aquece e torna-se incandescente, começando a emitir luz. O brilho de uma lâmpada está relacionado com a ddp à qual for ligada:  quando ligada em ddp menor que a nominal, seu brilho é menor que o normal;  já em ddp acima da nominal, a lâmpada dissipa potência maior que a nominal e queima.
  • 13. II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma diferença de potencial elétrico (ddp). Porém, cada resistor possui uma intensidade de corrente parcial a ele associada. U = U1 = U2=U3
  • 14. Porém, cada resistor possui uma intensidade de corrente parcial a ele associada. U = U1 = U2=U3 II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma diferença de potencial elétrico (ddp).
  • 15. Porém, cada resistor possui uma intensidade de corrente parcial a ele associada. U = U1 = U2=U3 II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma diferença de potencial elétrico (ddp).
  • 16. Casos particulares: 1 𝑅 𝑝 = 1 𝑅1 + 1 𝑅2 + 1 𝑅3 + ⋯ I- Para dois resistores R1 e R2, temos: 𝑅 𝑝 = 𝑅1. 𝑅2 𝑅1 + 𝑅2 𝑅 𝑝 = 𝑃𝑟𝑜𝑑𝑢𝑡𝑜 𝑆𝑜𝑚𝑎 II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma diferença de potencial elétrico (ddp).
  • 17. Casos particulares: 1 𝑅 𝑝 = 1 𝑅1 + 1 𝑅2 + 1 𝑅3 + ⋯ II- Associação em paralelo: todos os resistores estão submetidos a mesma diferença de potencial elétrico (ddp). II- Para n resistores iguais, temos: 𝑅 𝑝 = 𝑅 𝑛 onde n é o número de resistores da associação.
  • 18. R.59 Um resistor de 5Ω e um resistor de 20Ω são associados em paralelo e a essa associação aplica-se uma ddp de 100 V. a) Qual é a resistência equivalente da associação? b) Quais são as intensidades de corrente elétrica em cada resistor? c) Qual é a intensidade de corrente elétrica na associação?
  • 19. R.60 Na associação abaixo, A é um aquecedor no qual está gravado (200 W - 100 V) e f é um fusível de resistência elétrica desprezível e que suporta uma corrente elétrica máxima de 3 A. Calcule o menor valor da resistência elétrica de um resistor R que pode ser ligado em paralelo com o aquecedor sem queimar o fusível.
  • 20. III- Associação mista: o circuito é contituído de tal forma a conter associações em série e em paralelo.  Para isso é muito útil designar seus nós e terminais por letras.  Os nós são os pontos em que a corrente elétrica se divide;  Os terminais são os pontos entre os quais se quer determinar a resistência equivalente. Para calcularmos a resistência equivalente da associação, vamos simplificar por etapas a associação dado, até chegarmos ao resistor equivalente final!!!
  • 21. R.62 Dada a associação na figura a seguir, calcule a resistência equivalente entre os pontos A e B. R.63 No circuito elétrico esquematizado ao lado, tem-se i2 = 2,0A. Determine: a) a intensidade da corrente elétrica i1; b) a diferença de potencial entre os pontos A e B.
  • 22. R.64 No circuito esquematizado ao lado, a ddp entre os terminais A e B vale 100 V. Determine: a) a resistência equivalente entre os pontos A e B; b) a intensidade de corrente elétrica no resistor de 7,5 Ω; c) a intensidade de corrente elétrica em cada um dos resistores de 5 Ω.
  • 23. R.65 O resistor de 4Ω do circuito esquematizado ao lado é percorrido por corrente elétrica de intensidade 3 A. Determine: a) a resistência equivalente entre os pontos A e B; b) a ddp entre os terminais A e B do circuito; c) a intensidade da corrente elétrica em cada um dos resistores de 6Ω e 3Ω
  • 24. IV- Curto-circuito em um resistor: ocorre quando associamos em paralelo outro resistor com resistência elétrica desprezível (R = 0) – fio condutor qualquer. Perceba que a corrente elétrica que inicialmente atravessava o resistor é totalmente desviada, anulando o resistor!!
  • 25. R.66 Dada a associação na figura abaixo, calcule a resistência equivalente entre os terminais A e B. R67 Para a associação esquematizada, determine a resistência equivalente entre os terminais A e B.
  • 26. R.68 Têm-se três resistores iguais, de resistência 11 Ω, uma fonte que mantém entre A e B a ddp de 110 V e fios de resistência nula. Qual é a intensidade de corrente elétrica em cada resistor nas situações esquematizadas abaixo, segundo as colocações dos fios de resistência nula?