SlideShare uma empresa Scribd logo
TERMODINÂMICAwww.fisicaatual.com.br
INTRODUÇÃOwww.fisicaatual.com.brUm gás, contido num cilindro provido de êmbolo, ao ser aquecido age com uma força  F   sobre o embolo, deslocando-o:      dFO sistema recebe calor do meio exterior( ΔQ) e a força aplicada pelo sistema (gás)  realiza trabalho  (W) sobre o meio exterior.O trabalho, do mesmo modo que o calor, também se relaciona com transferência de energia. No entanto, o trabalho corresponde a trocas energéticas sem influência de diferenças de temperaturas e nisto se distingue do calor.
TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSAConsidere um sistema gasoso que executa uma transformação isobárica, na qual o volume varia de V1 para V2:Otrabalho pode ser obtido multiplicando a pressão do gás pela variação do seu volume:W = P. ΔV O trabalho é uma grandeza escalar que no SI é dado em joules (J).www.fisicaatual.com.br
PextPextPintPintΔVΔVNuma expansão, a variação de volume é positiva e, portanto, o trabalho realizado é positivo. Como o trabalho representa uma transferência de energia, o gás, ao se expandir, está perdendo energia.PextPext< PintPintNuma compressão, a variação de volume é negativa, e, portanto, o trabalho realizado é negativo. Assim, quando um gás é comprimido, está recebendo energia do meio exterior.PextPext> PintPintÉ usual dizer que na expansão trabalho é realizado pelo gás e, na compressão, trabalho é realizado sobre o gás. www.fisicaatual.com.br
Representando essa transformação num diagrama da pressão em função do volume, esse produto P.ΔV ( que corresponde ao trabalho), é igual à área sob o gráfico pressão em função do volume:PressãoPÁrea = WVfinalVinicialVolumeEXPANSÃO: W > 0PressãoPÁrea = WVinicialVfinalVolumeCOMPRESSÃO: W < 0www.fisicaatual.com.br
www.fisicaatual.com.brPodemos generalizar e afirmar que para qualquer tipo de  transformação,o trabalho realizado pelo sistema é igual à área delimitada entre a curva e o eixo horizontal do gráfico pressão em função do volume:
 Uma transformação é cíclica quando o estado final do gás coincide com o estado inicial. A figura abaixo representa a transformação cíclica de certa massa de um gás ideal:W = WAB + WBC + WCD + WDANesse ciclo, os trabalhos WAB e WCD são nulos, pois nessas transformações isocóricas os volumes são constantes (ΔV = 0).www.fisicaatual.com.br
O trabalho WBC, realizado na transformação BC, é positivo e tem seu módulo dado numericamente pela área sombreada da figura abaixo: WBCO trabalho WDA, realizado na transformação DA, é negativo e seu módulo é medido numericamente pela área sombreada da figura abaixo:WADwww.fisicaatual.com.br
Wwww.fisicaatual.com.br  A comparação das duas áreas e, portanto, dos módulos dos dois trabalhos mostra que, na expansão BC, o gás realiza trabalho sobre o exterior maior que o trabalho realizado sobre o gás pelo exterior, na contração DA. Conseqüentemente, o trabalho resultante W é positivo, uma vez que o trabalho na expansão (positivo) tem módulo maior que o trabalho na compressão (negativo). O módulo desse trabalho é dado numericamente pela área interna do ciclo:  Se o ciclo for realizado no sentido horário, o trabalho realizado na expansão tem módulo maior que o trabalho realizado na contração. Em consequência, o trabalho resultante é positivo. O fato do trabalho resultante ser positivo significa que o gás, ao realizar o ciclo de transformações referido, está fornecendo energia mecânica para o meio ambiente.
Wwww.fisicaatual.com.brQuando o gás realiza o ciclo no sentido anti-horário, o trabalho realizado na expansão AB tem módulo menor que o trabalho realizado na contração CD. Em conseqüência, o trabalho resultante, cujo módulo é dado pela área sombreada no gráfico é negativo ( W< 0). Portanto, o gás recebe energia mecânica do ambiente.
ENERGIA INTERNAwww.fisicaatual.com.brA energia interna ( U ) de um sistema é a soma de todos os tipos de energia           (energia cinética média das moléculas, energia potencial de configuração, energias cinéticas de rotação das moléculas, dos movimentos das partículas elementares nos átomos, etc. ) possuída pelas partículas que compõem o sistema. A medição direta dessa energia não costuma ser realizada.Durante os processos termodinâmicos, pode ocorrer variação da energia interna  ( ΔU) do gás. Verifica-se que só ocorre essa variação no caso de haver variação na temperatura do gás. A energia interna de determinada quantidade de gás ideal depende exclusivamente da temperatura:onde: n = número de moles           R = constante universal dos gasesΔT = variação de temperatura.
+ΔUTRABALHO REALIZADO SOBRE O GÁS (W<0)www.fisicaatual.com.brDuas maneira de aumentar a energia interna , Δ U:CALOR RECEBIDO PELO SISTEMA (ΔQ>0)
www.fisicaatual.com.brDuas maneira de diminuir a energia interna , Δ U:ΔQ CEDIDO-ΔUQUENTEQUENTETRABALHO REALIZADO PELO GÁS AO EXPANDIR (W>0)CALOR  É CEDIDO PELO GÁS (ΔQ<0)
1a  LEI DA TERMODINÂMICAwww.fisicaatual.com.brCerta quantidade de gás é colocada num sistema formado por um cilindro com êmbolo. Acoplado ao sistema temos uma escala, um manômetro e um termômetro. Pondo o sistema em banho-maria, verifica-se, através do movimento do êmbolo, que o volume do gás varia. A escala, o manômetro e o termômetro permitem, respectivamente, a leitura da variação do volume, da pressão e da temperatura do gás. Fornecendo calor ao gás (ΔQ), o volume e a temperatura do gás aumentam. Medindo o aumento de temperatura, determinamos a variação de energia interna (ΔU). Medindo a pressão e a variação de volume, calculamos o trabalho realizado pelo gás ( W ). Verificamos que: ΔU  = ΔQ - W Essa fórmula traduz analiticamente a primeira Lei da Termodinâmica ou Princípio da Conservação da Energia nas transformações termodinâmicas.
1a LeiΔU = ΔQ - Wwww.fisicaatual.com.brW > 0 -> energia mecânica que sai do sistemaW < 0-> energia mecânica que entra no sistemaΔQ > 0 -> calor que entra no sistemaΔQ < 0-> calor que sai do sistemaΔQΔU = U2 – U1Variação da Energia Interna
CASOS PARTICULARESa) TRANSFORMAÇÃO ISOBÁRICAT1T2Calor é fornecido ao gás, que aumentando sua temperatura apresenta um aumento na sua energia interna. Como o gás aumenta de volume, trabalho é realizado pelo gás.T2 > T1ISÓBARA   P2  = P1PRESSÃOPodemos utilizar:ΔU  = ΔQ – WVOLUMEΔQW = P (V2  - V1)www.fisicaatual.com.br
www.fisicaatual.com.brB) TRANSFORMAÇÃO ISOTÉRMICAΔT = 0 -> ΔU = 0ΔU  = ΔQ – W            ↓0 = ΔQ – W            ↓IsotermaT 1 = T2Isoterma: T1 = T2PressãoΔQ = WTodo calor fornecido ao gás é transformado em energia mecânica. Não sobra energia para variar a energia interna do gás.VolumeΔQ       As transformações isotérmicas devem ser lentas, para que o gás troque calor na mesma medida que troca trabalho.
www.fisicaatual.com.brC) TRANSFORMAÇÃO ISOVOLUMÉTRICAComo não há variação de volume, não há a realização de trabalho. Calor não é transformado em energia mecânica.PRESSÃOISOVOLUMÉTRICAV1 = V2ΔU  = ΔQ – W            ↓ΔU = ΔQ - 0            ↓T2ΔU = ΔQT 2 >  T1T1VOLUMETodo calor fornecia ao gás é armazenado pelas usas partículas, causando um aumento da sua energia interna.
C) TRANSFORMAÇÃO ADIABÁTICAOcorrem sem que haja trocas de calor entre o sistema e o meio externo. Isto geralmente é obtido num processo rápido.ΔQ = O        ↓ΔU  = ΔQ – W        ↓ΔU = 0 - W         ↓PRESSÃOADIABÁTICAT1T1  >  T2ΔU = - WT2VOLUMEΔQ =0ΔU = - Wwww.fisicaatual.com.br
 Na compressão rápida de um gás, o trabalho realizado sobre o sistema corresponde aumento da energia interna do sistema. No caso da bomba de bicicleta, uma compressão rápida do gás acarreta um aumento da energia interna e, por consequencia , da temperatura. Havendo uma expansão muito rápida do gás, o sistema realiza trabalho sobre o ambiente, utilizando sua própria energia interna; aí a temperatura diminui. É o que ocorre quando apertamos a válvula de um aerossol.AT>isotermasBT<processo adiabáticoTrabalho realizadoAB -> Expansão Adiabática => W> 0 => U = - W => U < 0  => T diminui BA ->Compressão Adiabática => W <0 => U= - W => U>0=> T aumenta www.fisicaatual.com.br
2a  LEI DA TERMODNÂMICAwww.fisicaatual.com.brUma forma improvável dos tijolos caírem.Uma forma  mais provável dos caírem.
www.fisicaatual.com.brAlgumas coisas não acontecem porque violam a conservação da energia. Porém, nem tudo que respeita a lei da conservação da energia   pode acontecer!Falta uma lei que diga o que pode e o que não pode acontecer, que diga em que sentido energia prefere fluir...Algo que indique a seta do tempo!
 A Primeira Lei da Termodinâmica reafirma a idéia da conservação da energia em todos os processos naturais, isto é, energia não é criada nem destruída nas transformações termodinâmicas. No entanto, essa primeira lei não diz a respeito da probabilidade ou possibilidade de ocorrência de determinado evento. A Segunda Lei da Termodinâmica tem um caráter estatístico, estabelecendo que os processos naturais apresentam um sentido preferencial de ocorrência, tendendo o sistema espontaneamente para um estado de equilíbrio. Na verdade, a segunda lei não estabelece, entre duas transformações possíveis que obedecem à primeira lei, qual que certamente acontece, mas sim qual a que tem maior probabilidade de acontecer. Na verdade a natureza apresenta um comportamento assimétrico. Observe os exemplos: 1o) Se dois corpos em temperaturas diferentes forem colocados em contato, há passagem espontânea de calor do corpo de maior temperatura para o corpo de menor temperatura, tendendo par uma temperatura de equilíbrio. A passagem de calor em sentido contrário não é espontânea, exigindo, para que ela se realiza, uma intervenção externa com fornecimento adicional de energia.2o) As energias mecânica, elétrica, química, nuclear, etc. tendem a se degradar, espontaneamente e integralmente, em calor. No entanto, a conversão inversa, de calor em energia mecânica, por exemplo, é difícil e nunca integral. 3o)  Se uma gota de tinta for colocada num líquido, as partículas dessa gota se espalham espontaneamente, até que todo o líquido fique uniformemente tingido. Não é impossível, mas altamente improvável, que as moléculas da substância da tinta se reúnam de modo espontâneo para restaurar a gota original.
www.fisicaatual.com.brAs transformações não alteram  a quantidade de energia do Universo. Embora permaneça inalterada, ...... em cada transformação, a parcela da energia disponível  torna-se cada vez menor.Na maioria das transformações parte da energia converte em calor...... que ao se dissipar caoticamente pela vizinhança torna-se , cada vez menos disponível,  para realização de trabalho.A energia total do Universo não muda, mas a parcela disponível para realização de trabalho, torna-se cada vez menor.
www.fisicaatual.com.br2ª Lei da Termodinâmica:      É impossível construir uma máquina térmica que, trabalhando entre duas fontes térmicas, transforme integralmente calor em trabalho.Enunciado de Claussius da 2ª LeiO calor não flui espontaneamenteda fonte fria para a fonte quente.
MÁQUINAS TÉRMICASwww.fisicaatual.com.br Chamamos de máquina térmica todo dispositivo que transforma continuamente calor em trabalho, através de uma substância, realizando ciclos entre duas temperaturas que se mantém constantes. A temperatura mais elevada corresponde à chamada fonte quente da máquina e a temperatura mais baixa corresponde à chamada fonte fria. A máquina recebe, em cada ciclo, uma quantidade de calor  ΔQ1 da fonte quente, transforma uma parte dessa energia em trabalho (W) e rejeita a quantidade de calor ΔQ2  , não transformada em trabalho, para a fonte fria.As fontes térmica, quente e fria, são sistemas que podem trocar calor sem que sua temperatura varie. São frentes frias comuns o ar atmosférico, a água do oceano, a água de mares ou lagos, Conforme a máquina térmica, a fonte quente é variável: é a caldeira da máquina a vapor, é a câmara de combustão nos motores a explosão, utilizados em automóveis, aviões e motocicletas.
REPRESENTAÇÃOA energia útil obtida por ciclo da máquina térmica (trabalho), corresponde à diferença entre a energia total recebida em cada ciclo ( quantidade de calor ΔQ1  retirada da fonte quente ) e a energia não transformada ( quantidade de calor ΔQ2  rejeitada para fonte fria: W = ΔQ 1 – ΔQ2www.fisicaatual.com.br
www.fisicaatual.com.brPodemos calcular o rendimento de uma máquina térmica se sabemos o quanto de trabalho ela produz (W) e o quanto de calor foi fornecido pela fonte quente (ΔQ1):Nenhuma máquina térmica transforma todo calor retirado da fonte quente em  energia mecânica . Sempre: ΔQ 1 < W. Logo, o rendimento de qualquer máquina térmica é menor que 1 (menor que 100%). Como Q = ΔQ1 – ΔQ 2 , teremos:                                 O rendimento de um motor a gasolina é de cerca de vinte por cento, quer dizer: por cada litro de gasolina queimada no motor, contendo uma energia calorífica de cerca de seis milhões de calorias, somente cerca de um milhão de calorias são utilizáveis para impulsionar o carro. Dos restantes oitenta por cento, cerca de três oitavos são absorvidos pelo sistema de arrefecimento e cinco oitavos perdidos como calor nos gases de escape e por atrito nos rolamentos.
MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNAQuase todos os carros atualmente usam o que é chamado de ciclo de combustão de 4 tempos para converter a gasolina em movimento. Ele também é conhecido como ciclo Otto, em homenagem a Nikolaus Otto, que o inventou em 1867. Os 4 tempos são: 1 - Admissão 2 – Compressão3 – Explosão e expansão   4 -  Escapamento www.fisicaatual.com.br
www.fisicaatual.com.br10 Tempo – ADMISSÃO: O pistão desce enquanto aspira uma mistura gasosa de ar e combustível que pode ser gasolina, gás ou álcool, que entra no cilindro através da válvula de admissão (os motores a diesel admitem apenas ar). Durante esse tempo a válvula de escape permanece fechada para que a mistura não saia. A pressão máxima atingida é menor que               1 atmosfera, mantendo-se constante (processo isobárico) e a temperatura fica entre 340 e 400K.2o Tempo: COMPRESSÃO: A válvula de admissão se fecha enquanto o pistão se move para cima, devido a inércia do virabrequim, comprimindo a mistura gasosa. Nesse tempo, além do aumento de pressão que fica entre 8 e 15 atm, há um aumento de temperatura que fica entre 600 e 750K, porém é um processo adiabático, pois não há transferência de calor nem para fora nem para dentro da mistura.
3o Tempo: EXPLOSÃO E EXPANSÃO: Quando ocorre a máxima compressão uma centelha elétrica na vela de ignição provoca uma explosão que causa um aumento de temperatura, de 2300 a 2700K, nos gases resultantes e um aumento de pressão que fica entre 30 e 50 atm, no interior do cilindro, resultando na expansão da mistura gasosa. Também é um processo adiabático.4o Tempo: ESCAPAMENTO: No final da expansão a temperatura fica na faixa de 900 a 1100 K e a pressão fica na faixa de 4 a 6 atm. Abre-se então a válvula de escape e praticamente sem variar o volume, o gás que se encontra no interior do cilindro escapa para a atmosfera, reduzindo-se a pressão a 1 atm. A seguir, ainda com a válvula aberta, o pistão sobe, retomando o volume mínimo, expulsando quase todo o gás restante para a atmosfera. Assim se completou o ciclo, pois o volume e a pressão no interior do cilindro voltaram aos seus valores no início do 1o tempo. Então, a válvula de admissão novamente se abre, reiniciando-se um novo ciclo.www.fisicaatual.com.br
 Há conservação de energia nesses motores. No quarto tempo a mistura gasosa é eliminada pelo escapamento com temperatura maior do que antes da explosão. Logo, parte do calor de combustão é transformado em energia interna dos gases, além da troca de calor que ocorre entre a carcaça do motor e o ambiente. A parte restante do calor de combustão é devida a energia de movimento do pistão.
 No motor de combustão interna o trabalho (W) é realizado apenas no 3o tempo, quando os gases empurram o pistão para baixo. Nos demais tempos o pistão se movimenta devido a inércia do sistema ligado ao virabrequim.
 A 1a Lei da termodinâmica também é obedecida. Uma parte da energia do combustível é utilizada na realização de trabalho e a outra parte é transferida ao meio ambiente, em cada ciclo, sendo necessário, a cada reinício, uma nova dose de combustível, ou seja, de energia.
 O cálculo de rendimento para esses motores incluem as capacidades térmicas, pressão, volume, taxa de compressão, entre outros parâmetros. Para motores Otto, o rendimento real situa-se entre 22 a 30%, enquanto que para os motores Diesel situa-se na faixa de 30 a 38%. As perdas térmicas se devem aos gases que escapam a altas temperaturas, à troca de calor entre o motor e o meio ambiente feita pelo sistema de refrigeração e ao atrito entre as peças.www.fisicaatual.com.br
Motor a dieselO motor a diesel não é muito diferente. Só que o combustível não é misturado ao ar durante a admissão. Somente o ar é comprimido na fase de compressão. Em geral, a taxa de compressão chega a 22.5 para 1, elevando a pressão para 500 psi no final da fase de compressão. O óleo diesel é injetado no cilindro no final da fase de compressão. No processo de compressão o ar chega a temperaturas de 500 graus Celsius. A temperatura é alta o suficiente para espontaneamente iniciar a combustão do óleo injetado. A alta pressão na explosão força o pistão para baixo como no motor a gasolina.
Motor de 2 temposwww.fisicaatual.com.brNas motos o  motor é, geralmente, de 2 tempos, pois ocorre apenas dois movimentos do pistão Mas também ocorrem a admissão, a compressão, a expansão e a exaustão. Esse motores, normalmente, não possuem válvulas e sim duas janelas laterais ( de admissão e de escape) que são abertas e fechadas pelo próprio pistão. A cada movimento do pistão, há uma explosão e os gases resultantes são expelidos pela janela de escape.O ciclo de dois tempos compõe-se de dois movimentos do êmbolo: um ascendente e outro descendente. No primeiro, o êmbolo cria uma depressão no cárter, admitindo a mistura ar/combustível. Essa mistura vem do carburador, entra pela janela de admissão e dirige-se para o cárter. Ao mesmo tempo o êmbolo comprime a mistura que está na câmara de combustão.
Um pouco antes de o êmbolo atingir o ponto mais alto, salta uma centelha na vela, provocando a combustão da mistura. Os gases produzidos expandem-se e arremessam o êmbolo para baixo, iniciando seu movimento descendente. No movimento descendente do êmbolo, os gases da combustão são expelidos pela janela de escape. Em seguida, abre-se a janela de transferência e a mistura do cárter é forçada a se dirigir para o interior do cilindroUma vez que a mistura passa pelo cárter o mesmo tem que ser seco, isto é, não pode ter óleo e é por este motivo que nos motores a 2 tempos o lubrificante tem que ser diluído no combustível.www.fisicaatual.com.br
CICLO DE CARNOTDenominamos máquina de Carnot a máquina térmica teórica que realiza o ciclo ideal proposto por Sadi Carnot em 1824. Na figura abaixo apresentamos uma seqüência de processos a que um gás ideal deve ser submetido para que realize o ciclo de Carnot:expansão        T1isotérmicaccexpansãoadiabáticaccompressãoadiabáticaCompressão    T2isotérmicawww.fisicaatual.com.brc
www.fisicaatual.com.brV = volumep  pressãoT = temperatura W = trabalhoexpansão isotérmica 1 -> 2compressão adiabática 4 -> 1compressão isotérmica 3 -> 4expansão adiabática 2 -> 3
www.fisicaatual.com.br1;AB: expansão isotérmica: o gás está em contato com um sistema de temperatura constante T1 (fonte quente), recebendo dele uma quantidade de calor  ΔQ 1;BC: expansão adiabática: o gás não recebe nem cede calor ao ambiente, sua temperatura diminui pois o gás realiza trabalho;CD: compressão isotérmica: o gás está em contato com um sistema de temperatura constante T2 (fonte fria), cedendo a ele uma quantidade de calor  ΔQ 2;DA: compressão adiabática: o gás não recebe nem cede calor ao ambiente, sua temperatura aumenta pois o trabalho é realizado sobre o gás;A  B: 	U = 0, W > 0	B  C: 	ΔQ   = 0, W > 0	C  D: 	U = 0, W < 0	D  A: 	ΔQ   = 0, W < 0ΔQ1T2WT1ΔQ2V
www.fisicaatual.com.brPrincípio de Carnot"Nenhumamáquinatérmica real, operando entre 2 reservatóriostérmicos T1 e T2 , pode ser maiseficiente que a "máquina de Carnot" operando entre osmesmosreservatórios"
MÁQUINAS FRIGORÍFICAS O calor não passa espontaneamente de um corpo para outro mais quente. No entanto, há dispositivos, denominados máquinas frigoríficas, nas quais essa passagem se verifica, mas não espontaneamente, sendo necessário que o ambiente forneça energia para o sistema. A figura abaixo representa uma máquina frigorífica:ΔQ1ΔQ2www.fisicaatual.com.br
www.fisicaatual.com.brEm cada ciclo é retirada uma quantidade de calor ΔQ 2 da fonte fria ( o congelador da geladeira) que, juntamente com o trabalho externo W (trabalho do compressor, nas geladeiras) é rejeitado para a fonte quente(ar atmosférico) ΔQ2 . Na máquinas frigoríficas ocorre conversão de trabalho em calor       O rendimento de uma máquina frigorífica é dado pela relação entre a quantidade de calor ΔQ2 retirada da fonte fria e o trabalho externo necessário para essa transferência:
GELADEIRAwww.fisicaatual.com.brExistem cinco partes básicas em qualquer geladeira: compressor, tubos para a troca de calor (serpentina ou conjunto de tubos fixados na  parte de fora), válvula de expansão, tubos para troca de calor fixados na parte de dentro e fluido refrigerante. Muitas instalações industriais usam amônia pura como refrigerante. Amônia pura evapora a -32º C (27º F).O mecanismo básico de uma geladeira funciona assim: O compressor comprime o gás refrigerante. Isto eleva a pressão e temperatura do fluido refrigerante (laranja), de modo que as serpentinas externas de troca de calor da geladeira permitem que o fluido refrigerante dissipe o calor devido à pressurização; À medida que esfria, o fluido refrigerante se condensa em forma líquida (roxo) e flui pela válvula de expansão; Quando passa pela válvula de expansão, o líquido refrigerante se move da zona de alta pressão para a zona de baixa pressão, e se expande e evapora (azul claro); As serpentinas dentro da geladeira permitem que o fluido refrigerante absorva calor, fazendo com que a parte interna da geladeira fique fria. Então, o ciclo se repete.ABCdentro da geladeiracompressorválvula de expansão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Propagação de Calor
Propagação de CalorPropagação de Calor
Propagação de Calor
Bruno De Siqueira Costa
 
Ondulatoria
OndulatoriaOndulatoria
Ondulatoria
Rildo Borges
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
Micaela Neiva
 
Física optica
Física opticaFísica optica
Física optica
Adrianne Mendonça
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
Arthur Carlos de Oliveira
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
Bruno De Siqueira Costa
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
João André
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Física
fismatromulo
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
O mundo da FÍSICA
 
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Impulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de MovimentoImpulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de Movimento
Marco Antonio Sanches
 
Segunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaSegunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMica
Cristiane Tavolaro
 
Sistema Internacional de Unidades
Sistema Internacional de UnidadesSistema Internacional de Unidades
Sistema Internacional de Unidades
O mundo da FÍSICA
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
Paulo Filho
 
Trabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia SlideTrabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia Slide
Vlamir Gama Rocha
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
ReinaldoMassayuki1
 
MU e MUV
MU e MUVMU e MUV
MU e MUV
paolazeroum
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
O mundo da FÍSICA
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
Warlle1992
 

Mais procurados (20)

Propagação de Calor
Propagação de CalorPropagação de Calor
Propagação de Calor
 
Ondulatoria
OndulatoriaOndulatoria
Ondulatoria
 
Estudo dos gases slides
Estudo dos gases   slidesEstudo dos gases   slides
Estudo dos gases slides
 
Física optica
Física opticaFísica optica
Física optica
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
 
Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Introdução a Física
Introdução a FísicaIntrodução a Física
Introdução a Física
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
 
Impulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de MovimentoImpulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de Movimento
 
Segunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaSegunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMica
 
Sistema Internacional de Unidades
Sistema Internacional de UnidadesSistema Internacional de Unidades
Sistema Internacional de Unidades
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Trabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia SlideTrabalho e Energia Slide
Trabalho e Energia Slide
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
 
MU e MUV
MU e MUVMU e MUV
MU e MUV
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
 

Destaque

Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
Rildo Borges
 
Seminário de Física - Estática do Ponto Material
Seminário de Física - Estática do Ponto MaterialSeminário de Física - Estática do Ponto Material
Seminário de Física - Estática do Ponto Material
Sabrina Alves
 
5.2. equilíbrio estático de um ponto material
5.2. equilíbrio estático de um ponto material5.2. equilíbrio estático de um ponto material
5.2. equilíbrio estático de um ponto material
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Apostila estatica
Apostila estaticaApostila estatica
Apostila estatica
lucianogaldino
 
Segunda ley de la termodinámica
Segunda ley de la termodinámicaSegunda ley de la termodinámica
Segunda ley de la termodinámica
Axel Mérida
 
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto MaterialFísica - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Joana Figueredo
 
Estatica
EstaticaEstatica
Estatica
julio ulacio
 
Estatica i
Estatica iEstatica i
Termodinámica
TermodinámicaTermodinámica
Termodinámica
Ramón Olivares
 
2 y 3 ley de la termodinámica
2 y 3 ley de la termodinámica2 y 3 ley de la termodinámica
2 y 3 ley de la termodinámica
Roberto Gutiérrez Pretel
 
Presentacion Termodinamica 5
Presentacion Termodinamica 5Presentacion Termodinamica 5
Presentacion Termodinamica 5
guestdfc67
 
Leyes De La Termodinamica
Leyes De La TermodinamicaLeyes De La Termodinamica
Leyes De La Termodinamica
guest4dd91e
 
leyes de la termodinamica (0,1 y 2
leyes de la termodinamica (0,1 y 2leyes de la termodinamica (0,1 y 2
leyes de la termodinamica (0,1 y 2
Erick Ar Ag
 
Tercera ley de la termodinamica
Tercera   ley de la termodinamicaTercera   ley de la termodinamica
Tercera ley de la termodinamica
Ramon Lop-Mi
 
Leyes de la Termodinámica
Leyes de la TermodinámicaLeyes de la Termodinámica
Leyes de la Termodinámica
Enrique Posada
 
Leyes de la termodinámica
Leyes de la termodinámicaLeyes de la termodinámica
Leyes de la termodinámica
Ignacio Espinoza
 

Destaque (16)

Termodinamica
TermodinamicaTermodinamica
Termodinamica
 
Seminário de Física - Estática do Ponto Material
Seminário de Física - Estática do Ponto MaterialSeminário de Física - Estática do Ponto Material
Seminário de Física - Estática do Ponto Material
 
5.2. equilíbrio estático de um ponto material
5.2. equilíbrio estático de um ponto material5.2. equilíbrio estático de um ponto material
5.2. equilíbrio estático de um ponto material
 
Apostila estatica
Apostila estaticaApostila estatica
Apostila estatica
 
Segunda ley de la termodinámica
Segunda ley de la termodinámicaSegunda ley de la termodinámica
Segunda ley de la termodinámica
 
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto MaterialFísica - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
 
Estatica
EstaticaEstatica
Estatica
 
Estatica i
Estatica iEstatica i
Estatica i
 
Termodinámica
TermodinámicaTermodinámica
Termodinámica
 
2 y 3 ley de la termodinámica
2 y 3 ley de la termodinámica2 y 3 ley de la termodinámica
2 y 3 ley de la termodinámica
 
Presentacion Termodinamica 5
Presentacion Termodinamica 5Presentacion Termodinamica 5
Presentacion Termodinamica 5
 
Leyes De La Termodinamica
Leyes De La TermodinamicaLeyes De La Termodinamica
Leyes De La Termodinamica
 
leyes de la termodinamica (0,1 y 2
leyes de la termodinamica (0,1 y 2leyes de la termodinamica (0,1 y 2
leyes de la termodinamica (0,1 y 2
 
Tercera ley de la termodinamica
Tercera   ley de la termodinamicaTercera   ley de la termodinamica
Tercera ley de la termodinamica
 
Leyes de la Termodinámica
Leyes de la TermodinámicaLeyes de la Termodinámica
Leyes de la Termodinámica
 
Leyes de la termodinámica
Leyes de la termodinámicaLeyes de la termodinámica
Leyes de la termodinámica
 

Semelhante a Termodinâmica

Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)
Marco Antonio Sanches
 
1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt
Leonardo Menezes
 
Termodinamica joanesantana
Termodinamica   joanesantanaTermodinamica   joanesantana
Termodinamica joanesantana
Joane Santana
 
Termodinamica joanesantana
Termodinamica   joanesantanaTermodinamica   joanesantana
Termodinamica joanesantana
Joane Santana
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
Marco Antonio Sanches
 
16 Termodinâmica
16 Termodinâmica16 Termodinâmica
16 Termodinâmica
Eletrons
 
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdfaula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
MarcosPaulo734507
 
Aula 16 termoedinâmica
Aula 16   termoedinâmicaAula 16   termoedinâmica
Aula 16 termoedinâmica
Jonatas Carlos
 
Termologiaresumo
TermologiaresumoTermologiaresumo
Termologiaresumo
AulasParticulares
 
Ap 06 termodinamica-cap - 2017
Ap 06   termodinamica-cap - 2017Ap 06   termodinamica-cap - 2017
Ap 06 termodinamica-cap - 2017
Ronaldo Da Costa Cunha
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmicawww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
Anna Paula
 
Transformações cíclicas
Transformações cíclicasTransformações cíclicas
Transformações cíclicas
Cleverthon Rubick
 
www.CentroApoio.com - Física - Temodinâmica - Exercícios Resolvidos - Vídeo ...
www.CentroApoio.com - Física - Temodinâmica - Exercícios Resolvidos -  Vídeo ...www.CentroApoio.com - Física - Temodinâmica - Exercícios Resolvidos -  Vídeo ...
www.CentroApoio.com - Física - Temodinâmica - Exercícios Resolvidos - Vídeo ...
Vídeo Aulas Apoio
 
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdfPrimeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
CarlosFilho631276
 
Slide de fisica
Slide de fisicaSlide de fisica
Slide de fisica
Laerciolns12
 
Slide de fisica
Slide de fisicaSlide de fisica
Slide de fisica
Laerciolns12
 
Termodinâmica resolvido
Termodinâmica resolvidoTermodinâmica resolvido
Termodinâmica resolvido
flavio moura
 
Termodinâmica primeira lei
Termodinâmica   primeira leiTermodinâmica   primeira lei
Termodinâmica primeira lei
Paula Fabiana
 
Apresentação ana cristina(1)
Apresentação ana cristina(1)Apresentação ana cristina(1)
Apresentação ana cristina(1)
Matheus Henrique
 
Primeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmicaPrimeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmica
Jamilly Andrade
 

Semelhante a Termodinâmica (20)

Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)
 
1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt
 
Termodinamica joanesantana
Termodinamica   joanesantanaTermodinamica   joanesantana
Termodinamica joanesantana
 
Termodinamica joanesantana
Termodinamica   joanesantanaTermodinamica   joanesantana
Termodinamica joanesantana
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
16 Termodinâmica
16 Termodinâmica16 Termodinâmica
16 Termodinâmica
 
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdfaula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
aula_2_primeira_lei_termodinamica_2.pdf
 
Aula 16 termoedinâmica
Aula 16   termoedinâmicaAula 16   termoedinâmica
Aula 16 termoedinâmica
 
Termologiaresumo
TermologiaresumoTermologiaresumo
Termologiaresumo
 
Ap 06 termodinamica-cap - 2017
Ap 06   termodinamica-cap - 2017Ap 06   termodinamica-cap - 2017
Ap 06 termodinamica-cap - 2017
 
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmicawww.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
www.AulasParticularesApoio.Com.Br - Física – Termodinâmica
 
Transformações cíclicas
Transformações cíclicasTransformações cíclicas
Transformações cíclicas
 
www.CentroApoio.com - Física - Temodinâmica - Exercícios Resolvidos - Vídeo ...
www.CentroApoio.com - Física - Temodinâmica - Exercícios Resolvidos -  Vídeo ...www.CentroApoio.com - Física - Temodinâmica - Exercícios Resolvidos -  Vídeo ...
www.CentroApoio.com - Física - Temodinâmica - Exercícios Resolvidos - Vídeo ...
 
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdfPrimeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
Primeira Lei da Termodinâmica - slides da aula.pdf
 
Slide de fisica
Slide de fisicaSlide de fisica
Slide de fisica
 
Slide de fisica
Slide de fisicaSlide de fisica
Slide de fisica
 
Termodinâmica resolvido
Termodinâmica resolvidoTermodinâmica resolvido
Termodinâmica resolvido
 
Termodinâmica primeira lei
Termodinâmica   primeira leiTermodinâmica   primeira lei
Termodinâmica primeira lei
 
Apresentação ana cristina(1)
Apresentação ana cristina(1)Apresentação ana cristina(1)
Apresentação ana cristina(1)
 
Primeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmicaPrimeira lei da termodinâmica
Primeira lei da termodinâmica
 

Mais de fisicaatual

Estudo dos gases site
Estudo dos gases siteEstudo dos gases site
Estudo dos gases site
fisicaatual
 
Ondas
OndasOndas
Ondas
OndasOndas
Ondas site
Ondas siteOndas site
Ondas site
fisicaatual
 
Lentes site
Lentes siteLentes site
Lentes site
fisicaatual
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
fisicaatual
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
fisicaatual
 
Indução eletromagnética
Indução eletromagnéticaIndução eletromagnética
Indução eletromagnética
fisicaatual
 
Campo magnético produzido por corrente site
Campo magnético produzido por corrente siteCampo magnético produzido por corrente site
Campo magnético produzido por corrente site
fisicaatual
 
Campo magnético
Campo magnéticoCampo magnético
Campo magnético
fisicaatual
 
Impulso
ImpulsoImpulso
Impulso
fisicaatual
 
Trabalho e energia site
Trabalho e energia siteTrabalho e energia site
Trabalho e energia site
fisicaatual
 
Trabalho e Energia
Trabalho e Energia Trabalho e Energia
Trabalho e Energia
fisicaatual
 
Capacitor site
Capacitor siteCapacitor site
Capacitor site
fisicaatual
 
Gravitação site
Gravitação siteGravitação site
Gravitação site
fisicaatual
 
Geradores e receptores
Geradores e receptoresGeradores e receptores
Geradores e receptores
fisicaatual
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
fisicaatual
 
Espelhos esféricos 03
Espelhos esféricos 03Espelhos esféricos 03
Espelhos esféricos 03
fisicaatual
 
Espelho plano
Espelho planoEspelho plano
Espelho plano
fisicaatual
 
Mudanças de fase 03
Mudanças de fase 03Mudanças de fase 03
Mudanças de fase 03
fisicaatual
 

Mais de fisicaatual (20)

Estudo dos gases site
Estudo dos gases siteEstudo dos gases site
Estudo dos gases site
 
Ondas
OndasOndas
Ondas
 
Ondas
OndasOndas
Ondas
 
Ondas site
Ondas siteOndas site
Ondas site
 
Lentes site
Lentes siteLentes site
Lentes site
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Indução eletromagnética
Indução eletromagnéticaIndução eletromagnética
Indução eletromagnética
 
Campo magnético produzido por corrente site
Campo magnético produzido por corrente siteCampo magnético produzido por corrente site
Campo magnético produzido por corrente site
 
Campo magnético
Campo magnéticoCampo magnético
Campo magnético
 
Impulso
ImpulsoImpulso
Impulso
 
Trabalho e energia site
Trabalho e energia siteTrabalho e energia site
Trabalho e energia site
 
Trabalho e Energia
Trabalho e Energia Trabalho e Energia
Trabalho e Energia
 
Capacitor site
Capacitor siteCapacitor site
Capacitor site
 
Gravitação site
Gravitação siteGravitação site
Gravitação site
 
Geradores e receptores
Geradores e receptoresGeradores e receptores
Geradores e receptores
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Espelhos esféricos 03
Espelhos esféricos 03Espelhos esféricos 03
Espelhos esféricos 03
 
Espelho plano
Espelho planoEspelho plano
Espelho plano
 
Mudanças de fase 03
Mudanças de fase 03Mudanças de fase 03
Mudanças de fase 03
 

Termodinâmica

  • 2. INTRODUÇÃOwww.fisicaatual.com.brUm gás, contido num cilindro provido de êmbolo, ao ser aquecido age com uma força F sobre o embolo, deslocando-o: dFO sistema recebe calor do meio exterior( ΔQ) e a força aplicada pelo sistema (gás) realiza trabalho (W) sobre o meio exterior.O trabalho, do mesmo modo que o calor, também se relaciona com transferência de energia. No entanto, o trabalho corresponde a trocas energéticas sem influência de diferenças de temperaturas e nisto se distingue do calor.
  • 3. TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSAConsidere um sistema gasoso que executa uma transformação isobárica, na qual o volume varia de V1 para V2:Otrabalho pode ser obtido multiplicando a pressão do gás pela variação do seu volume:W = P. ΔV O trabalho é uma grandeza escalar que no SI é dado em joules (J).www.fisicaatual.com.br
  • 4. PextPextPintPintΔVΔVNuma expansão, a variação de volume é positiva e, portanto, o trabalho realizado é positivo. Como o trabalho representa uma transferência de energia, o gás, ao se expandir, está perdendo energia.PextPext< PintPintNuma compressão, a variação de volume é negativa, e, portanto, o trabalho realizado é negativo. Assim, quando um gás é comprimido, está recebendo energia do meio exterior.PextPext> PintPintÉ usual dizer que na expansão trabalho é realizado pelo gás e, na compressão, trabalho é realizado sobre o gás. www.fisicaatual.com.br
  • 5. Representando essa transformação num diagrama da pressão em função do volume, esse produto P.ΔV ( que corresponde ao trabalho), é igual à área sob o gráfico pressão em função do volume:PressãoPÁrea = WVfinalVinicialVolumeEXPANSÃO: W > 0PressãoPÁrea = WVinicialVfinalVolumeCOMPRESSÃO: W < 0www.fisicaatual.com.br
  • 6. www.fisicaatual.com.brPodemos generalizar e afirmar que para qualquer tipo de transformação,o trabalho realizado pelo sistema é igual à área delimitada entre a curva e o eixo horizontal do gráfico pressão em função do volume:
  • 7. Uma transformação é cíclica quando o estado final do gás coincide com o estado inicial. A figura abaixo representa a transformação cíclica de certa massa de um gás ideal:W = WAB + WBC + WCD + WDANesse ciclo, os trabalhos WAB e WCD são nulos, pois nessas transformações isocóricas os volumes são constantes (ΔV = 0).www.fisicaatual.com.br
  • 8. O trabalho WBC, realizado na transformação BC, é positivo e tem seu módulo dado numericamente pela área sombreada da figura abaixo: WBCO trabalho WDA, realizado na transformação DA, é negativo e seu módulo é medido numericamente pela área sombreada da figura abaixo:WADwww.fisicaatual.com.br
  • 9. Wwww.fisicaatual.com.br A comparação das duas áreas e, portanto, dos módulos dos dois trabalhos mostra que, na expansão BC, o gás realiza trabalho sobre o exterior maior que o trabalho realizado sobre o gás pelo exterior, na contração DA. Conseqüentemente, o trabalho resultante W é positivo, uma vez que o trabalho na expansão (positivo) tem módulo maior que o trabalho na compressão (negativo). O módulo desse trabalho é dado numericamente pela área interna do ciclo: Se o ciclo for realizado no sentido horário, o trabalho realizado na expansão tem módulo maior que o trabalho realizado na contração. Em consequência, o trabalho resultante é positivo. O fato do trabalho resultante ser positivo significa que o gás, ao realizar o ciclo de transformações referido, está fornecendo energia mecânica para o meio ambiente.
  • 10. Wwww.fisicaatual.com.brQuando o gás realiza o ciclo no sentido anti-horário, o trabalho realizado na expansão AB tem módulo menor que o trabalho realizado na contração CD. Em conseqüência, o trabalho resultante, cujo módulo é dado pela área sombreada no gráfico é negativo ( W< 0). Portanto, o gás recebe energia mecânica do ambiente.
  • 11. ENERGIA INTERNAwww.fisicaatual.com.brA energia interna ( U ) de um sistema é a soma de todos os tipos de energia (energia cinética média das moléculas, energia potencial de configuração, energias cinéticas de rotação das moléculas, dos movimentos das partículas elementares nos átomos, etc. ) possuída pelas partículas que compõem o sistema. A medição direta dessa energia não costuma ser realizada.Durante os processos termodinâmicos, pode ocorrer variação da energia interna ( ΔU) do gás. Verifica-se que só ocorre essa variação no caso de haver variação na temperatura do gás. A energia interna de determinada quantidade de gás ideal depende exclusivamente da temperatura:onde: n = número de moles R = constante universal dos gasesΔT = variação de temperatura.
  • 12. +ΔUTRABALHO REALIZADO SOBRE O GÁS (W<0)www.fisicaatual.com.brDuas maneira de aumentar a energia interna , Δ U:CALOR RECEBIDO PELO SISTEMA (ΔQ>0)
  • 13. www.fisicaatual.com.brDuas maneira de diminuir a energia interna , Δ U:ΔQ CEDIDO-ΔUQUENTEQUENTETRABALHO REALIZADO PELO GÁS AO EXPANDIR (W>0)CALOR É CEDIDO PELO GÁS (ΔQ<0)
  • 14. 1a LEI DA TERMODINÂMICAwww.fisicaatual.com.brCerta quantidade de gás é colocada num sistema formado por um cilindro com êmbolo. Acoplado ao sistema temos uma escala, um manômetro e um termômetro. Pondo o sistema em banho-maria, verifica-se, através do movimento do êmbolo, que o volume do gás varia. A escala, o manômetro e o termômetro permitem, respectivamente, a leitura da variação do volume, da pressão e da temperatura do gás. Fornecendo calor ao gás (ΔQ), o volume e a temperatura do gás aumentam. Medindo o aumento de temperatura, determinamos a variação de energia interna (ΔU). Medindo a pressão e a variação de volume, calculamos o trabalho realizado pelo gás ( W ). Verificamos que: ΔU = ΔQ - W Essa fórmula traduz analiticamente a primeira Lei da Termodinâmica ou Princípio da Conservação da Energia nas transformações termodinâmicas.
  • 15. 1a LeiΔU = ΔQ - Wwww.fisicaatual.com.brW > 0 -> energia mecânica que sai do sistemaW < 0-> energia mecânica que entra no sistemaΔQ > 0 -> calor que entra no sistemaΔQ < 0-> calor que sai do sistemaΔQΔU = U2 – U1Variação da Energia Interna
  • 16. CASOS PARTICULARESa) TRANSFORMAÇÃO ISOBÁRICAT1T2Calor é fornecido ao gás, que aumentando sua temperatura apresenta um aumento na sua energia interna. Como o gás aumenta de volume, trabalho é realizado pelo gás.T2 > T1ISÓBARA P2 = P1PRESSÃOPodemos utilizar:ΔU = ΔQ – WVOLUMEΔQW = P (V2 - V1)www.fisicaatual.com.br
  • 17. www.fisicaatual.com.brB) TRANSFORMAÇÃO ISOTÉRMICAΔT = 0 -> ΔU = 0ΔU = ΔQ – W ↓0 = ΔQ – W ↓IsotermaT 1 = T2Isoterma: T1 = T2PressãoΔQ = WTodo calor fornecido ao gás é transformado em energia mecânica. Não sobra energia para variar a energia interna do gás.VolumeΔQ As transformações isotérmicas devem ser lentas, para que o gás troque calor na mesma medida que troca trabalho.
  • 18. www.fisicaatual.com.brC) TRANSFORMAÇÃO ISOVOLUMÉTRICAComo não há variação de volume, não há a realização de trabalho. Calor não é transformado em energia mecânica.PRESSÃOISOVOLUMÉTRICAV1 = V2ΔU = ΔQ – W ↓ΔU = ΔQ - 0 ↓T2ΔU = ΔQT 2 > T1T1VOLUMETodo calor fornecia ao gás é armazenado pelas usas partículas, causando um aumento da sua energia interna.
  • 19. C) TRANSFORMAÇÃO ADIABÁTICAOcorrem sem que haja trocas de calor entre o sistema e o meio externo. Isto geralmente é obtido num processo rápido.ΔQ = O ↓ΔU = ΔQ – W ↓ΔU = 0 - W ↓PRESSÃOADIABÁTICAT1T1 > T2ΔU = - WT2VOLUMEΔQ =0ΔU = - Wwww.fisicaatual.com.br
  • 20. Na compressão rápida de um gás, o trabalho realizado sobre o sistema corresponde aumento da energia interna do sistema. No caso da bomba de bicicleta, uma compressão rápida do gás acarreta um aumento da energia interna e, por consequencia , da temperatura. Havendo uma expansão muito rápida do gás, o sistema realiza trabalho sobre o ambiente, utilizando sua própria energia interna; aí a temperatura diminui. É o que ocorre quando apertamos a válvula de um aerossol.AT>isotermasBT<processo adiabáticoTrabalho realizadoAB -> Expansão Adiabática => W> 0 => U = - W => U < 0 => T diminui BA ->Compressão Adiabática => W <0 => U= - W => U>0=> T aumenta www.fisicaatual.com.br
  • 21. 2a LEI DA TERMODNÂMICAwww.fisicaatual.com.brUma forma improvável dos tijolos caírem.Uma forma mais provável dos caírem.
  • 22. www.fisicaatual.com.brAlgumas coisas não acontecem porque violam a conservação da energia. Porém, nem tudo que respeita a lei da conservação da energia pode acontecer!Falta uma lei que diga o que pode e o que não pode acontecer, que diga em que sentido energia prefere fluir...Algo que indique a seta do tempo!
  • 23. A Primeira Lei da Termodinâmica reafirma a idéia da conservação da energia em todos os processos naturais, isto é, energia não é criada nem destruída nas transformações termodinâmicas. No entanto, essa primeira lei não diz a respeito da probabilidade ou possibilidade de ocorrência de determinado evento. A Segunda Lei da Termodinâmica tem um caráter estatístico, estabelecendo que os processos naturais apresentam um sentido preferencial de ocorrência, tendendo o sistema espontaneamente para um estado de equilíbrio. Na verdade, a segunda lei não estabelece, entre duas transformações possíveis que obedecem à primeira lei, qual que certamente acontece, mas sim qual a que tem maior probabilidade de acontecer. Na verdade a natureza apresenta um comportamento assimétrico. Observe os exemplos: 1o) Se dois corpos em temperaturas diferentes forem colocados em contato, há passagem espontânea de calor do corpo de maior temperatura para o corpo de menor temperatura, tendendo par uma temperatura de equilíbrio. A passagem de calor em sentido contrário não é espontânea, exigindo, para que ela se realiza, uma intervenção externa com fornecimento adicional de energia.2o) As energias mecânica, elétrica, química, nuclear, etc. tendem a se degradar, espontaneamente e integralmente, em calor. No entanto, a conversão inversa, de calor em energia mecânica, por exemplo, é difícil e nunca integral. 3o) Se uma gota de tinta for colocada num líquido, as partículas dessa gota se espalham espontaneamente, até que todo o líquido fique uniformemente tingido. Não é impossível, mas altamente improvável, que as moléculas da substância da tinta se reúnam de modo espontâneo para restaurar a gota original.
  • 24. www.fisicaatual.com.brAs transformações não alteram a quantidade de energia do Universo. Embora permaneça inalterada, ...... em cada transformação, a parcela da energia disponível torna-se cada vez menor.Na maioria das transformações parte da energia converte em calor...... que ao se dissipar caoticamente pela vizinhança torna-se , cada vez menos disponível, para realização de trabalho.A energia total do Universo não muda, mas a parcela disponível para realização de trabalho, torna-se cada vez menor.
  • 25. www.fisicaatual.com.br2ª Lei da Termodinâmica: É impossível construir uma máquina térmica que, trabalhando entre duas fontes térmicas, transforme integralmente calor em trabalho.Enunciado de Claussius da 2ª LeiO calor não flui espontaneamenteda fonte fria para a fonte quente.
  • 26. MÁQUINAS TÉRMICASwww.fisicaatual.com.br Chamamos de máquina térmica todo dispositivo que transforma continuamente calor em trabalho, através de uma substância, realizando ciclos entre duas temperaturas que se mantém constantes. A temperatura mais elevada corresponde à chamada fonte quente da máquina e a temperatura mais baixa corresponde à chamada fonte fria. A máquina recebe, em cada ciclo, uma quantidade de calor ΔQ1 da fonte quente, transforma uma parte dessa energia em trabalho (W) e rejeita a quantidade de calor ΔQ2 , não transformada em trabalho, para a fonte fria.As fontes térmica, quente e fria, são sistemas que podem trocar calor sem que sua temperatura varie. São frentes frias comuns o ar atmosférico, a água do oceano, a água de mares ou lagos, Conforme a máquina térmica, a fonte quente é variável: é a caldeira da máquina a vapor, é a câmara de combustão nos motores a explosão, utilizados em automóveis, aviões e motocicletas.
  • 27. REPRESENTAÇÃOA energia útil obtida por ciclo da máquina térmica (trabalho), corresponde à diferença entre a energia total recebida em cada ciclo ( quantidade de calor ΔQ1 retirada da fonte quente ) e a energia não transformada ( quantidade de calor ΔQ2 rejeitada para fonte fria: W = ΔQ 1 – ΔQ2www.fisicaatual.com.br
  • 28. www.fisicaatual.com.brPodemos calcular o rendimento de uma máquina térmica se sabemos o quanto de trabalho ela produz (W) e o quanto de calor foi fornecido pela fonte quente (ΔQ1):Nenhuma máquina térmica transforma todo calor retirado da fonte quente em energia mecânica . Sempre: ΔQ 1 < W. Logo, o rendimento de qualquer máquina térmica é menor que 1 (menor que 100%). Como Q = ΔQ1 – ΔQ 2 , teremos: O rendimento de um motor a gasolina é de cerca de vinte por cento, quer dizer: por cada litro de gasolina queimada no motor, contendo uma energia calorífica de cerca de seis milhões de calorias, somente cerca de um milhão de calorias são utilizáveis para impulsionar o carro. Dos restantes oitenta por cento, cerca de três oitavos são absorvidos pelo sistema de arrefecimento e cinco oitavos perdidos como calor nos gases de escape e por atrito nos rolamentos.
  • 29. MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNAQuase todos os carros atualmente usam o que é chamado de ciclo de combustão de 4 tempos para converter a gasolina em movimento. Ele também é conhecido como ciclo Otto, em homenagem a Nikolaus Otto, que o inventou em 1867. Os 4 tempos são: 1 - Admissão 2 – Compressão3 – Explosão e expansão 4 - Escapamento www.fisicaatual.com.br
  • 30. www.fisicaatual.com.br10 Tempo – ADMISSÃO: O pistão desce enquanto aspira uma mistura gasosa de ar e combustível que pode ser gasolina, gás ou álcool, que entra no cilindro através da válvula de admissão (os motores a diesel admitem apenas ar). Durante esse tempo a válvula de escape permanece fechada para que a mistura não saia. A pressão máxima atingida é menor que 1 atmosfera, mantendo-se constante (processo isobárico) e a temperatura fica entre 340 e 400K.2o Tempo: COMPRESSÃO: A válvula de admissão se fecha enquanto o pistão se move para cima, devido a inércia do virabrequim, comprimindo a mistura gasosa. Nesse tempo, além do aumento de pressão que fica entre 8 e 15 atm, há um aumento de temperatura que fica entre 600 e 750K, porém é um processo adiabático, pois não há transferência de calor nem para fora nem para dentro da mistura.
  • 31. 3o Tempo: EXPLOSÃO E EXPANSÃO: Quando ocorre a máxima compressão uma centelha elétrica na vela de ignição provoca uma explosão que causa um aumento de temperatura, de 2300 a 2700K, nos gases resultantes e um aumento de pressão que fica entre 30 e 50 atm, no interior do cilindro, resultando na expansão da mistura gasosa. Também é um processo adiabático.4o Tempo: ESCAPAMENTO: No final da expansão a temperatura fica na faixa de 900 a 1100 K e a pressão fica na faixa de 4 a 6 atm. Abre-se então a válvula de escape e praticamente sem variar o volume, o gás que se encontra no interior do cilindro escapa para a atmosfera, reduzindo-se a pressão a 1 atm. A seguir, ainda com a válvula aberta, o pistão sobe, retomando o volume mínimo, expulsando quase todo o gás restante para a atmosfera. Assim se completou o ciclo, pois o volume e a pressão no interior do cilindro voltaram aos seus valores no início do 1o tempo. Então, a válvula de admissão novamente se abre, reiniciando-se um novo ciclo.www.fisicaatual.com.br
  • 32. Há conservação de energia nesses motores. No quarto tempo a mistura gasosa é eliminada pelo escapamento com temperatura maior do que antes da explosão. Logo, parte do calor de combustão é transformado em energia interna dos gases, além da troca de calor que ocorre entre a carcaça do motor e o ambiente. A parte restante do calor de combustão é devida a energia de movimento do pistão.
  • 33. No motor de combustão interna o trabalho (W) é realizado apenas no 3o tempo, quando os gases empurram o pistão para baixo. Nos demais tempos o pistão se movimenta devido a inércia do sistema ligado ao virabrequim.
  • 34. A 1a Lei da termodinâmica também é obedecida. Uma parte da energia do combustível é utilizada na realização de trabalho e a outra parte é transferida ao meio ambiente, em cada ciclo, sendo necessário, a cada reinício, uma nova dose de combustível, ou seja, de energia.
  • 35. O cálculo de rendimento para esses motores incluem as capacidades térmicas, pressão, volume, taxa de compressão, entre outros parâmetros. Para motores Otto, o rendimento real situa-se entre 22 a 30%, enquanto que para os motores Diesel situa-se na faixa de 30 a 38%. As perdas térmicas se devem aos gases que escapam a altas temperaturas, à troca de calor entre o motor e o meio ambiente feita pelo sistema de refrigeração e ao atrito entre as peças.www.fisicaatual.com.br
  • 36. Motor a dieselO motor a diesel não é muito diferente. Só que o combustível não é misturado ao ar durante a admissão. Somente o ar é comprimido na fase de compressão. Em geral, a taxa de compressão chega a 22.5 para 1, elevando a pressão para 500 psi no final da fase de compressão. O óleo diesel é injetado no cilindro no final da fase de compressão. No processo de compressão o ar chega a temperaturas de 500 graus Celsius. A temperatura é alta o suficiente para espontaneamente iniciar a combustão do óleo injetado. A alta pressão na explosão força o pistão para baixo como no motor a gasolina.
  • 37. Motor de 2 temposwww.fisicaatual.com.brNas motos o motor é, geralmente, de 2 tempos, pois ocorre apenas dois movimentos do pistão Mas também ocorrem a admissão, a compressão, a expansão e a exaustão. Esse motores, normalmente, não possuem válvulas e sim duas janelas laterais ( de admissão e de escape) que são abertas e fechadas pelo próprio pistão. A cada movimento do pistão, há uma explosão e os gases resultantes são expelidos pela janela de escape.O ciclo de dois tempos compõe-se de dois movimentos do êmbolo: um ascendente e outro descendente. No primeiro, o êmbolo cria uma depressão no cárter, admitindo a mistura ar/combustível. Essa mistura vem do carburador, entra pela janela de admissão e dirige-se para o cárter. Ao mesmo tempo o êmbolo comprime a mistura que está na câmara de combustão.
  • 38. Um pouco antes de o êmbolo atingir o ponto mais alto, salta uma centelha na vela, provocando a combustão da mistura. Os gases produzidos expandem-se e arremessam o êmbolo para baixo, iniciando seu movimento descendente. No movimento descendente do êmbolo, os gases da combustão são expelidos pela janela de escape. Em seguida, abre-se a janela de transferência e a mistura do cárter é forçada a se dirigir para o interior do cilindroUma vez que a mistura passa pelo cárter o mesmo tem que ser seco, isto é, não pode ter óleo e é por este motivo que nos motores a 2 tempos o lubrificante tem que ser diluído no combustível.www.fisicaatual.com.br
  • 39. CICLO DE CARNOTDenominamos máquina de Carnot a máquina térmica teórica que realiza o ciclo ideal proposto por Sadi Carnot em 1824. Na figura abaixo apresentamos uma seqüência de processos a que um gás ideal deve ser submetido para que realize o ciclo de Carnot:expansão T1isotérmicaccexpansãoadiabáticaccompressãoadiabáticaCompressão T2isotérmicawww.fisicaatual.com.brc
  • 40. www.fisicaatual.com.brV = volumep pressãoT = temperatura W = trabalhoexpansão isotérmica 1 -> 2compressão adiabática 4 -> 1compressão isotérmica 3 -> 4expansão adiabática 2 -> 3
  • 41. www.fisicaatual.com.br1;AB: expansão isotérmica: o gás está em contato com um sistema de temperatura constante T1 (fonte quente), recebendo dele uma quantidade de calor ΔQ 1;BC: expansão adiabática: o gás não recebe nem cede calor ao ambiente, sua temperatura diminui pois o gás realiza trabalho;CD: compressão isotérmica: o gás está em contato com um sistema de temperatura constante T2 (fonte fria), cedendo a ele uma quantidade de calor ΔQ 2;DA: compressão adiabática: o gás não recebe nem cede calor ao ambiente, sua temperatura aumenta pois o trabalho é realizado sobre o gás;A  B: U = 0, W > 0 B  C: ΔQ = 0, W > 0 C  D: U = 0, W < 0 D  A: ΔQ = 0, W < 0ΔQ1T2WT1ΔQ2V
  • 42. www.fisicaatual.com.brPrincípio de Carnot"Nenhumamáquinatérmica real, operando entre 2 reservatóriostérmicos T1 e T2 , pode ser maiseficiente que a "máquina de Carnot" operando entre osmesmosreservatórios"
  • 43. MÁQUINAS FRIGORÍFICAS O calor não passa espontaneamente de um corpo para outro mais quente. No entanto, há dispositivos, denominados máquinas frigoríficas, nas quais essa passagem se verifica, mas não espontaneamente, sendo necessário que o ambiente forneça energia para o sistema. A figura abaixo representa uma máquina frigorífica:ΔQ1ΔQ2www.fisicaatual.com.br
  • 44. www.fisicaatual.com.brEm cada ciclo é retirada uma quantidade de calor ΔQ 2 da fonte fria ( o congelador da geladeira) que, juntamente com o trabalho externo W (trabalho do compressor, nas geladeiras) é rejeitado para a fonte quente(ar atmosférico) ΔQ2 . Na máquinas frigoríficas ocorre conversão de trabalho em calor O rendimento de uma máquina frigorífica é dado pela relação entre a quantidade de calor ΔQ2 retirada da fonte fria e o trabalho externo necessário para essa transferência:
  • 45. GELADEIRAwww.fisicaatual.com.brExistem cinco partes básicas em qualquer geladeira: compressor, tubos para a troca de calor (serpentina ou conjunto de tubos fixados na parte de fora), válvula de expansão, tubos para troca de calor fixados na parte de dentro e fluido refrigerante. Muitas instalações industriais usam amônia pura como refrigerante. Amônia pura evapora a -32º C (27º F).O mecanismo básico de uma geladeira funciona assim: O compressor comprime o gás refrigerante. Isto eleva a pressão e temperatura do fluido refrigerante (laranja), de modo que as serpentinas externas de troca de calor da geladeira permitem que o fluido refrigerante dissipe o calor devido à pressurização; À medida que esfria, o fluido refrigerante se condensa em forma líquida (roxo) e flui pela válvula de expansão; Quando passa pela válvula de expansão, o líquido refrigerante se move da zona de alta pressão para a zona de baixa pressão, e se expande e evapora (azul claro); As serpentinas dentro da geladeira permitem que o fluido refrigerante absorva calor, fazendo com que a parte interna da geladeira fique fria. Então, o ciclo se repete.ABCdentro da geladeiracompressorválvula de expansão
  • 46. AR CONDICIONADOUm ar condicionado é basicamente uma geladeira sem seu gabinete. Ele usa a evaporação de um fluido refrigerante para fornecer refrigeração. Os mecanismos do ciclo de refrigeração são os mesmos da geladeira e do ar condicionado. O termo Fréon é genericamente usado para qualquer dos vários fluorcarbonos não inflamáveis utilizados como refrigerantes e combustíveis nos aerossóis. ABVálvula de expansãoCompressor1 - O compressor comprime o gás frio, fazendo com que ele se torne gás quente de alta pressão (em vermelho no diagrama acima). 2 - Este gás quente corre através de um trocador de calor para dissipar o calor e se condensa para o estado líquido.3 - O líquido escoa através de uma válvula de expansão e no processo ele vaporiza para se tornar gás frio de baixa pressão (em azul claro no diagrama acima). 4 - Este gás frio corre através de trocador de calor que permite que o gás absorva calor e esfrie o ar de dentro do prédio. www.fisicaatual.com.br
  • 47. Aparelho de janelaUm aparelho de ar condicionado de janela constitui um sistema completo de condicionamento de ar para locais pequenos. Estas unidades são fabricadas em tamanhos suficientemente pequenos, para que se encaixem em uma janela padrão. Se você abrir o compartimento de um ar condicionado de janela, verá que ele contém um compressor, uma válvula de expansão, um condensador (do lado de fora), um evaporador (do lado de dentro), dois ventiladores e uma unidade de controle. Os ventiladores sopram ar sobre os trocadores de calor para melhorar a sua capacidade de dissipar calor (para o ar exterior) e frio (para o ambiente ser resfriado). www.fisicaatual.com.br
  • 48. A maioria dos condicionadores de ar têm a sua capacidade classificada em Unidade de Calor Britânica (BTU). De forma geral, uma BTU é a quantidade de calor necessária para aumentar a temperatura de 0,45 kg de água em 0,56º C. Especificamente, 1 BTU é igual a 1,055 Joules. Em termos de aquecimento e refrigeração, uma tonelada de refrigeração equivale a 12 mil BTU.Um ar condicionado normal de janela pode ter uma capacidade de 10 mil BTU. Para comparação: uma casa de 185 m2 pode ter um sistema de ar condicionado de 5 toneladas (60 mil BTU) de refrigeração, supondo que você precise de cerca de 300 BTU por m2. A classificação da eficiência enérgica (EER) de um ar condicionado é a sua capacidade em BTU dividida pelo seu consumo. Se, por exemplo, um ar condicionado de 10 mil BTU consome 1.200 watts, o seu EER é de 8,3 (10 mil BTU/1.200 watts). Obviamente, você vai querer que o EER seja o mais alto possível, mas normalmente um EER maior é acompanhado de um preço também maior.