SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor Marco Antonio
RECEPTOR ELÉTRICO: é todo aparelho que transforma energia elétrica em outra
forma de energia, não exclusivamente térmica.
RECEPTOR ELÉTRICO: é todo aparelho que transforma energia elétrica em outra
forma de energia, não exclusivamente térmica.
Exemplos:
As pilhas e baterias recarregáveis durante o processo de
recarga transformam energia elétrica em energia
química.
Os motores transformam energia elétrica em energia mecânica.
BASEL101658/SHUTTERSTOCK
YURYKOSOUROV/SHUTTERSTOCK
SERGGOD/SHUTTERSTOCK
Perceba que todo receptor é caracterizado por duas grandezas físicas:
sua força contraeletromotriz (fcem) E’, medida em volt (V), que indica a quantidade
de energia elétrica que será convertida em energia não elétrica.
sua resistência elétrica interna r’, medida em ohm (Ω).
Equação do Receptor
A equação característica do Receptor é:
Símbolo do Receptor
Em um circuito elétrico, os receptores serão representados pelo símbolo abaixo.
Obs: Perceba que no receptor, a corrente elétrica circula em sentido oposto ao
sentido que ela circularia em um gerador.
Pelo princípio da conservação da energia, a Energia total é igual à soma da Energia
Dissipada com a Energia utilizada, ou seja:
Balanço energético no Receptor:
onde:
Potência Total: Potência Útil: Potência Dissipada: Rendimento:
CUIDADO!!
Observe que o receptor é exatamente o contrário do gerador.
Portanto, fique ligado nas potências e no rendimento, que são
invertidos, quando comparados ao do gerador.
Aplicação
R.98 Um motor elétrico, percorrido pela corrente elétrica de intensidade 10 A,
transforma a potência elétrica fornecida a ele em 80 W de potência mecânica.
Calcule a fcem desse motor.
R.99 Um motor elétrico recebe de um circuito a potência de 800 W, sob ddp de
100 V, e dissipa internamente uma potência elétrica de 320 W. Calcule a fcem E’ e
a resistência interna r’ desse motor.
R.100 Um motor elétrico está ligado sob uma ddp de 110 V. Verifica-se que ele é
percorrido por corrente de intensidade 55 A com o eixo bloqueado e de intensidade
20 A em rotação plena. Determine a fcem E' e a resistência interna r' do motor.
Observação importante:
 Nos motores elétricos em geral, a potência mecânica é obtida pela rotação do
eixo.
 Nesse caso, se a rotação do eixo do motor for bloqueada, por exemplo, por um
freio, não haverá transformação de energia elétrica em energia mecânica
 Assim, o motor passa a comporta-se como um resistor de resistência r’.
Curva característica do Receptor
O gráfico U x i é uma reta inclinada crescente em relação aos eixos U e i. Observe
que quando i = 0, resulta U = E.
Aplicação
R101 A curva característica de um motor elétrico é representada no gráfico a
seguir.
a) Calcule a fcem e a resistência interna desse motor.
b) Para o motor funcionando nas condições do ponto P, determine, em quilowatt-
hora (kWh), a energia elétrica que o motor consome em 10 horas.
Circuito gerador-receptor-resistor
Considere um circuito simples formado por um gerador (E, r), um receptor (E’, r’) e
um resistor (R), ligados por fios de resistência elétrica desprezível.
Circuito gerador-receptor-resistor
Considere um circuito simples formado por um gerador (E, r), um receptor (E’, r’) e
um resistor (R), ligados por fios de resistência elétrica desprezível.
Neste caso e somente neste
caso, como temos um gerador e
um receptor, o maior valor de E
será sempre o gerador!!!!
Circuito gerador-receptor-resistor
Considere um circuito simples formado por um gerador (E, r), um receptor (E’, r’) e
um resistor (R), ligados por fios de resistência elétrica desprezível.
Aplicação
R.103 No circuito da figura, A é um
gerador e B, um receptor. Calcule a
intensidade da corrente elétrica que
atravessa o gerador.
R.104 O circuito simples a seguir
apresenta duas baterias, B1 e B2, e
um resistor.
Determine:
a) a intensidade da corrente elétrica
que atravessa o circuito;
b) a ddp entre os pontos A e B.
1- Temos um motor elétrico, de fcem 20 V e resistência interna 2 Ω, atravessado
por corrente elétrica de 10 A. Nessas condições, calcule:
a) a ddp em seus terminais;
b) o rendimento do motor.
2- A figura mostra a curva característica de um receptor elétrico.
Determine:
a) sua fcem;
b) sua resistência interna;
c) seu rendimento quando percorrido por uma
corrente de intensidade 8 A.
3- Uma bateria, quando recebe do circuito externo a potência de 120 W, é
atravessada pela corrente i = 8 A. Invertendo-se seus terminais, a bateria passa a
entregar ao circuito externo a potência de 40 W e a corrente passa a ser i' = 4 A.
Determine a fem (ou fcem) e a resistência interna da bateria.
4- Temos um motor elétrico de fcem 80 V e resistência interna 5 Ω que é
atravessado por uma corrente elétrica de 8 A. Nessas condições, calcule:
a) a ddp em seus terminais;
b) o rendimento do motor.
5- A figura mostra a curva característica de um
receptor elétrico. Determine:
a) sua fcem;
b) sua resistência interna;
c) seu rendimento quando percorrido por uma cor-
rente de intensidade 12 A
6- No esquema apresentado, temos duas baterias ligadas em paralelo:
a) Qual a intensidade da corrente do circuito?
b) Qual a diferença de potencial entre os polos
A e B e qual o polo de maior potencial?
c) Qual das duas baterias está funcionando
como receptor?
7- O circuito representado na figura é constituído por uma pilha, um motor e uma
lâmpada. Considerando os dados indicados, determine:
a) a intensidade da corrente do circuito.
b) a diferença de potencial nos terminais da lâmpada.
c) a diferença de potencial nos terminais da pilha.
d) a diferença de potencial nos terminais do motor.
8- A um receptor de resistência interna 1 Ω aplica-se uma tensão de 12 V e a
corrente elétrica que o atravessa tem intensidade de 3 A. Determine a força contra
eletromotriz do receptor.
9- Um motor elétrico tem força contra eletromotriz de 120 V. Quando ligado a uma
tomada 127 V é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade 3,5 A. Qual é a
resistência interna do motor?
10- É dada a curva característica de um receptor elétrico. Determine a força contra
eletromotriz e a resistência interna do receptor.
11- Determinar o sentido e as intensidades da corrente elétrica nos circuitos das
figuras:
12- Uma bateria, quando recebe do circuito externo a potência de 120 W, é
atravessada pela corrente uma corrente de intensidade 8 A. Invertendo-se seus
terminais, a bateria passa a entregar ao circuito externo a potência de 40 W e a
corrente passa a ser i' = 4 A. Determine a fem (ou fcem) e a resistência interna da
bateria.
13- Temos um motor elétrico de fcem 80 V e resistência interna 5 Ω, que é
atravessado por uma corrente elétrica de 8 A. Nessas condições, calcule:
a) a ddp em seus terminais;
b) o rendimento do motor.
14- É dado o circuito abaixo, onde um gerador é ligado a um receptor.
a) Identifique cada elemento.
b)Determine o sentido e a inten-
sidade da corrente elétrica.
c) Determine a d.d.p. entre os
pontos A e B.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF) Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Ronaldo Santana
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
O mundo da FÍSICA
 
Força magnética
Força magnéticaForça magnética
Força magnética
Marco Antonio Sanches
 
"Somos Físicos" Leis de Ohm
"Somos Físicos" Leis de Ohm"Somos Físicos" Leis de Ohm
"Somos Físicos" Leis de Ohm
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
fisicaatual
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
fisicaatual
 
Geradores
GeradoresGeradores
Geradores
fisico.dersa
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
Marco Antonio Sanches
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
FÍSICA PROFESSOR TELMO
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
O mundo da FÍSICA
 
Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
Vlamir Gama Rocha
 
Primeira lei de ohm
Primeira lei de ohmPrimeira lei de ohm
Primeira lei de ohm
Maick Goulart
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
Marco Antonio Sanches
 
Resumo Eletrodinâmica
Resumo EletrodinâmicaResumo Eletrodinâmica
Resumo Eletrodinâmica
Gabriel Siqueira
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
Warlle1992
 
Magnetismo e eletromagnetismo
Magnetismo e eletromagnetismoMagnetismo e eletromagnetismo
Magnetismo e eletromagnetismo
Armando Ferreira Alvferreira
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
fisicaatual
 
Aula 02 campo magnético
Aula 02   campo magnéticoAula 02   campo magnético
Aula 02 campo magnético
cristbarb
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
O mundo da FÍSICA
 
Potência Elétrica-Exercícios
Potência Elétrica-ExercíciosPotência Elétrica-Exercícios
Potência Elétrica-Exercícios
jucimarpeixoto
 

Mais procurados (20)

Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF) Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
Aula de Eletricidade 9º Ano (FÍSICA - Ensino Fundamental EF)
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Força magnética
Força magnéticaForça magnética
Força magnética
 
"Somos Físicos" Leis de Ohm
"Somos Físicos" Leis de Ohm"Somos Físicos" Leis de Ohm
"Somos Físicos" Leis de Ohm
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Geradores
GeradoresGeradores
Geradores
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Eletrização
EletrizaçãoEletrização
Eletrização
 
Primeira lei de ohm
Primeira lei de ohmPrimeira lei de ohm
Primeira lei de ohm
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Resumo Eletrodinâmica
Resumo EletrodinâmicaResumo Eletrodinâmica
Resumo Eletrodinâmica
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
 
Magnetismo e eletromagnetismo
Magnetismo e eletromagnetismoMagnetismo e eletromagnetismo
Magnetismo e eletromagnetismo
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Aula 02 campo magnético
Aula 02   campo magnéticoAula 02   campo magnético
Aula 02 campo magnético
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Potência Elétrica-Exercícios
Potência Elétrica-ExercíciosPotência Elétrica-Exercícios
Potência Elétrica-Exercícios
 

Semelhante a Estudo dos receptores (2017)

Estudo dos receptores
Estudo dos receptoresEstudo dos receptores
Estudo dos receptores
Marco Antonio Sanches
 
CIRCUITOS ELÉTRICOS.pptx
CIRCUITOS ELÉTRICOS.pptxCIRCUITOS ELÉTRICOS.pptx
CIRCUITOS ELÉTRICOS.pptx
CamillyMarcato1
 
Física – eletricidade geradores e receptores 01 – 2013
Física – eletricidade geradores e receptores 01 – 2013Física – eletricidade geradores e receptores 01 – 2013
Física – eletricidade geradores e receptores 01 – 2013
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Estudo dos geradores
Estudo dos geradoresEstudo dos geradores
Estudo dos geradores
Marco Antonio Sanches
 
Lista 20 eletrodinamica 3
Lista 20 eletrodinamica 3Lista 20 eletrodinamica 3
Lista 20 eletrodinamica 3
rodrigoateneu
 
Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01
Adriano Silva
 
Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01
Adriano Silva
 
Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01
Adriano Silva
 
Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01
Adriano Silva
 
Atividade avaliativa de física e química 9º ano prof waldir montenegro
Atividade avaliativa de física e química 9º ano prof waldir montenegroAtividade avaliativa de física e química 9º ano prof waldir montenegro
Atividade avaliativa de física e química 9º ano prof waldir montenegro
Waldir Montenegro
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
RonaldoAlves153492
 
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente AlternadaEletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
PanteraNegra21
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
ElizeuCalandriniNett
 
Tensao alternada (1)
Tensao alternada (1)Tensao alternada (1)
Tensao alternada (1)
admilson bezerra
 
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
Emerson Assis
 
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
Emerson Assis
 
Lista 7 geradores e receptores
Lista 7   geradores e receptoresLista 7   geradores e receptores
Lista 7 geradores e receptores
Gustavo Mendonça
 
Geradores E Receptores
Geradores E ReceptoresGeradores E Receptores
Geradores E Receptores
Secretaria da Educação Bahia
 
Elementos do circuito electrico
Elementos do circuito electricoElementos do circuito electrico
Elementos do circuito electrico
Crisolito O Valente
 
Geradores eletricos
Geradores eletricosGeradores eletricos
Geradores eletricos
Jailson Silva
 

Semelhante a Estudo dos receptores (2017) (20)

Estudo dos receptores
Estudo dos receptoresEstudo dos receptores
Estudo dos receptores
 
CIRCUITOS ELÉTRICOS.pptx
CIRCUITOS ELÉTRICOS.pptxCIRCUITOS ELÉTRICOS.pptx
CIRCUITOS ELÉTRICOS.pptx
 
Física – eletricidade geradores e receptores 01 – 2013
Física – eletricidade geradores e receptores 01 – 2013Física – eletricidade geradores e receptores 01 – 2013
Física – eletricidade geradores e receptores 01 – 2013
 
Estudo dos geradores
Estudo dos geradoresEstudo dos geradores
Estudo dos geradores
 
Lista 20 eletrodinamica 3
Lista 20 eletrodinamica 3Lista 20 eletrodinamica 3
Lista 20 eletrodinamica 3
 
Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01
 
Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01
 
Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01
 
Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01Circuitos eletricos 01
Circuitos eletricos 01
 
Atividade avaliativa de física e química 9º ano prof waldir montenegro
Atividade avaliativa de física e química 9º ano prof waldir montenegroAtividade avaliativa de física e química 9º ano prof waldir montenegro
Atividade avaliativa de física e química 9º ano prof waldir montenegro
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
 
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente AlternadaEletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua,  Corrente Alternada
Eletrodinmica. Corrente elétrica, Corrente Contínua, Corrente Alternada
 
_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt_eletrodinmica.ppt
_eletrodinmica.ppt
 
Tensao alternada (1)
Tensao alternada (1)Tensao alternada (1)
Tensao alternada (1)
 
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
 
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
03_Circuitos Elétricos em CC.pdf
 
Lista 7 geradores e receptores
Lista 7   geradores e receptoresLista 7   geradores e receptores
Lista 7 geradores e receptores
 
Geradores E Receptores
Geradores E ReceptoresGeradores E Receptores
Geradores E Receptores
 
Elementos do circuito electrico
Elementos do circuito electricoElementos do circuito electrico
Elementos do circuito electrico
 
Geradores eletricos
Geradores eletricosGeradores eletricos
Geradores eletricos
 

Mais de Marco Antonio Sanches

Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
Marco Antonio Sanches
 
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Marco Antonio Sanches
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
Marco Antonio Sanches
 
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Primeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da TermodinâmicaPrimeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da Termodinâmica
Marco Antonio Sanches
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
Marco Antonio Sanches
 
Ondulatória
OndulatóriaOndulatória
Ondulatória
Marco Antonio Sanches
 
Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Marco Antonio Sanches
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
Marco Antonio Sanches
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
Marco Antonio Sanches
 
Apostila eletrostática
Apostila eletrostáticaApostila eletrostática
Apostila eletrostática
Marco Antonio Sanches
 
Oficina App Inventor
Oficina App InventorOficina App Inventor
Oficina App Inventor
Marco Antonio Sanches
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
Marco Antonio Sanches
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
Marco Antonio Sanches
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
Marco Antonio Sanches
 
Calorimetria I
Calorimetria ICalorimetria I
Calorimetria I
Marco Antonio Sanches
 

Mais de Marco Antonio Sanches (20)

Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
 
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
 
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
 
Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)
 
Primeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da TermodinâmicaPrimeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da Termodinâmica
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Ondulatória
OndulatóriaOndulatória
Ondulatória
 
Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
 
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
 
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Apostila eletrostática
Apostila eletrostáticaApostila eletrostática
Apostila eletrostática
 
Oficina App Inventor
Oficina App InventorOficina App Inventor
Oficina App Inventor
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
 
Calorimetria I
Calorimetria ICalorimetria I
Calorimetria I
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 

Estudo dos receptores (2017)

  • 2. RECEPTOR ELÉTRICO: é todo aparelho que transforma energia elétrica em outra forma de energia, não exclusivamente térmica.
  • 3. RECEPTOR ELÉTRICO: é todo aparelho que transforma energia elétrica em outra forma de energia, não exclusivamente térmica.
  • 4. Exemplos: As pilhas e baterias recarregáveis durante o processo de recarga transformam energia elétrica em energia química. Os motores transformam energia elétrica em energia mecânica. BASEL101658/SHUTTERSTOCK YURYKOSOUROV/SHUTTERSTOCK SERGGOD/SHUTTERSTOCK
  • 5. Perceba que todo receptor é caracterizado por duas grandezas físicas: sua força contraeletromotriz (fcem) E’, medida em volt (V), que indica a quantidade de energia elétrica que será convertida em energia não elétrica. sua resistência elétrica interna r’, medida em ohm (Ω). Equação do Receptor A equação característica do Receptor é:
  • 6. Símbolo do Receptor Em um circuito elétrico, os receptores serão representados pelo símbolo abaixo. Obs: Perceba que no receptor, a corrente elétrica circula em sentido oposto ao sentido que ela circularia em um gerador.
  • 7. Pelo princípio da conservação da energia, a Energia total é igual à soma da Energia Dissipada com a Energia utilizada, ou seja: Balanço energético no Receptor: onde: Potência Total: Potência Útil: Potência Dissipada: Rendimento:
  • 8. CUIDADO!! Observe que o receptor é exatamente o contrário do gerador. Portanto, fique ligado nas potências e no rendimento, que são invertidos, quando comparados ao do gerador.
  • 9. Aplicação R.98 Um motor elétrico, percorrido pela corrente elétrica de intensidade 10 A, transforma a potência elétrica fornecida a ele em 80 W de potência mecânica. Calcule a fcem desse motor. R.99 Um motor elétrico recebe de um circuito a potência de 800 W, sob ddp de 100 V, e dissipa internamente uma potência elétrica de 320 W. Calcule a fcem E’ e a resistência interna r’ desse motor. R.100 Um motor elétrico está ligado sob uma ddp de 110 V. Verifica-se que ele é percorrido por corrente de intensidade 55 A com o eixo bloqueado e de intensidade 20 A em rotação plena. Determine a fcem E' e a resistência interna r' do motor.
  • 10. Observação importante:  Nos motores elétricos em geral, a potência mecânica é obtida pela rotação do eixo.  Nesse caso, se a rotação do eixo do motor for bloqueada, por exemplo, por um freio, não haverá transformação de energia elétrica em energia mecânica  Assim, o motor passa a comporta-se como um resistor de resistência r’.
  • 11. Curva característica do Receptor O gráfico U x i é uma reta inclinada crescente em relação aos eixos U e i. Observe que quando i = 0, resulta U = E.
  • 12. Aplicação R101 A curva característica de um motor elétrico é representada no gráfico a seguir. a) Calcule a fcem e a resistência interna desse motor. b) Para o motor funcionando nas condições do ponto P, determine, em quilowatt- hora (kWh), a energia elétrica que o motor consome em 10 horas.
  • 13. Circuito gerador-receptor-resistor Considere um circuito simples formado por um gerador (E, r), um receptor (E’, r’) e um resistor (R), ligados por fios de resistência elétrica desprezível.
  • 14. Circuito gerador-receptor-resistor Considere um circuito simples formado por um gerador (E, r), um receptor (E’, r’) e um resistor (R), ligados por fios de resistência elétrica desprezível. Neste caso e somente neste caso, como temos um gerador e um receptor, o maior valor de E será sempre o gerador!!!!
  • 15. Circuito gerador-receptor-resistor Considere um circuito simples formado por um gerador (E, r), um receptor (E’, r’) e um resistor (R), ligados por fios de resistência elétrica desprezível.
  • 16. Aplicação R.103 No circuito da figura, A é um gerador e B, um receptor. Calcule a intensidade da corrente elétrica que atravessa o gerador. R.104 O circuito simples a seguir apresenta duas baterias, B1 e B2, e um resistor. Determine: a) a intensidade da corrente elétrica que atravessa o circuito; b) a ddp entre os pontos A e B.
  • 17. 1- Temos um motor elétrico, de fcem 20 V e resistência interna 2 Ω, atravessado por corrente elétrica de 10 A. Nessas condições, calcule: a) a ddp em seus terminais; b) o rendimento do motor. 2- A figura mostra a curva característica de um receptor elétrico. Determine: a) sua fcem; b) sua resistência interna; c) seu rendimento quando percorrido por uma corrente de intensidade 8 A.
  • 18. 3- Uma bateria, quando recebe do circuito externo a potência de 120 W, é atravessada pela corrente i = 8 A. Invertendo-se seus terminais, a bateria passa a entregar ao circuito externo a potência de 40 W e a corrente passa a ser i' = 4 A. Determine a fem (ou fcem) e a resistência interna da bateria. 4- Temos um motor elétrico de fcem 80 V e resistência interna 5 Ω que é atravessado por uma corrente elétrica de 8 A. Nessas condições, calcule: a) a ddp em seus terminais; b) o rendimento do motor. 5- A figura mostra a curva característica de um receptor elétrico. Determine: a) sua fcem; b) sua resistência interna; c) seu rendimento quando percorrido por uma cor- rente de intensidade 12 A
  • 19. 6- No esquema apresentado, temos duas baterias ligadas em paralelo: a) Qual a intensidade da corrente do circuito? b) Qual a diferença de potencial entre os polos A e B e qual o polo de maior potencial? c) Qual das duas baterias está funcionando como receptor?
  • 20. 7- O circuito representado na figura é constituído por uma pilha, um motor e uma lâmpada. Considerando os dados indicados, determine: a) a intensidade da corrente do circuito. b) a diferença de potencial nos terminais da lâmpada. c) a diferença de potencial nos terminais da pilha. d) a diferença de potencial nos terminais do motor.
  • 21. 8- A um receptor de resistência interna 1 Ω aplica-se uma tensão de 12 V e a corrente elétrica que o atravessa tem intensidade de 3 A. Determine a força contra eletromotriz do receptor. 9- Um motor elétrico tem força contra eletromotriz de 120 V. Quando ligado a uma tomada 127 V é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade 3,5 A. Qual é a resistência interna do motor? 10- É dada a curva característica de um receptor elétrico. Determine a força contra eletromotriz e a resistência interna do receptor.
  • 22. 11- Determinar o sentido e as intensidades da corrente elétrica nos circuitos das figuras:
  • 23. 12- Uma bateria, quando recebe do circuito externo a potência de 120 W, é atravessada pela corrente uma corrente de intensidade 8 A. Invertendo-se seus terminais, a bateria passa a entregar ao circuito externo a potência de 40 W e a corrente passa a ser i' = 4 A. Determine a fem (ou fcem) e a resistência interna da bateria. 13- Temos um motor elétrico de fcem 80 V e resistência interna 5 Ω, que é atravessado por uma corrente elétrica de 8 A. Nessas condições, calcule: a) a ddp em seus terminais; b) o rendimento do motor.
  • 24. 14- É dado o circuito abaixo, onde um gerador é ligado a um receptor. a) Identifique cada elemento. b)Determine o sentido e a inten- sidade da corrente elétrica. c) Determine a d.d.p. entre os pontos A e B.

Notas do Editor

  1. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  2. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  3. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  4. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  5. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  6. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  7. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  8. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  9. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  10. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  11. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  12. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  13. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  14. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  15. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  16. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  17. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  18. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  19. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  20. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  21. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  22. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  23. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.