SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Professor Marco Antonio
Conceitosiniciais
Estudo do conjunto de fenômenos
associados à interação entre a
eletricidade e o magnetismo.
Osímãs
Imãs: são materiais ferromagnéticos
sujeitos à presença de um campo
magnético.
Todos os ímãs possuem dois polos:
o norte (N) e o sul (S).
São nessas regiões onde as
propriedades magnéticas se tornam
mais intensas
Osímãs
Os polos interagem entre si por
meio de uma força magnética, que
pode ser de atração (polos
diferentes) ou repulsão (polos
iguais)
Quando aproximamos dois ímãs,
verificamos que os polos
magnéticos de mesmo nome se
repelem e polos magnéticos de
nomes diferentes se atraem
Osímãs
Isso ocorre pois um ímã é
constituído de ímãs elementares ou
moleculares que estão previamente
orientados com os respectivos
pares norte (N) e sul (S).Se um ímã for partido, cada
pedaço terá seus próprios polos
norte e sul.
Os polos magnéticos de um ímã
são inseparáveis, ou seja, não
existem polos isolados.
Osímãs
• se um material ferromagnético é
aproximado de um ímã, ele se
tornará magnetizado
(magnetização por indução)
• agora, se atritarmos um material
ferromagnético sempre no
mesmo sentido ele se tornará
um ímã (magnetização por
imantação)
Osímãs
Observe que a imantação é a
ordenação dos ímãs elementares
que constituem o corpo
ferromagnético!!!
Osímãs
Observe que a imantação é a
ordenação dos ímãs elementares
que constituem o corpo
ferromagnético!!!
Osímãs
A Terra comporta-se como um
grande ímã.
CUIDADO!!!
Os polos geográficos e
magnéticos da Terra não
coincidem entre si.
CampoMagnético
Região do espaço ao redor de um
ímã na qual se manifesta um efeito
magnético.
Unidade: no SI, a unidade de
intensidade do vetor campo
magnético B denomina-se tesla
(T).
No interior de um ímã, as linhas de
campo vão do polo sul para o polo
norte.
Externamente, as linhas de indução
saem do polo norte e chegam ao
polo sul do ímã.
CampoMagnético
Observe que as linhas de força
magnética nunca se cruzam umas
com as outras.
Quando dois ímãs interagem entre
si, as linhas de força magnética são
reconfiguradas.
CampoMagnético
No caso de um ímã em forma de U
(ou ferradura), observamos que,
entre os ramos paralelos do ímã,
as linhas de indução são
praticamente paralelas, originando,
nessa região, um campo
magnético que pode ser
considerado uniforme.
Campo magnético uniforme é aquele
no qual, em todos os pontos, o
vetor tem a mesma direção, o
mesmo sentido e a mesma
intensidade. No campo magnético
uniforme, as linhas de indução são
retas paralelas igualmente espaçadas
e orientadas.
CampoMagnéticoTerrestre
CampoMagnético
Lembre-se que polos magnéticos
de mesmo nome se repelem e de
nomes contrários se atraem.
Mas um material ferromagnético,
como um prego, por exemplo,
sempre será atraído por um ímã!!
Neste caso, nem o imã atrai o ferro
e nem o ferro atrai o imã. Ambos
se atraem simultaneamente. (3ª Lei
de Newton)
CampoMagnético
Aplicação: (FUVEST-SP) A Figura I
representa um ímã permanente
em forma de barra. N e S indicam,
respectivamente, polos norte e sul.
Suponha que a barra seja dividida
em três pedaços, como mostra a
Figura II. Colocando lado a lado os
dois pedaços extremos, como
indicado na figura III, é correto
afirmar que eles:
a) se atrairão, pois A é o polo norte e B é o polo sul.
b) se atrairão, pois A é o polo sul e B é o polo norte.
c) não serão atraídos nem repelidos.
d) se repelirão, pois A é o polo norte e B é o polo sul.
e) se repelirão, pois A é o polo sul e B é o polo norte.
CampoMagnético
A Lei de Ampére é aplicada aos
campos magnéticos gerados por
uma corrente elétrica ao redor de
um condutor retilíneo longo.
B =
μo. i
2. π. r
onde:
• B é o vetor campo magnético
• μo é a permeabilidade
magnética no vácuo
• i é a corrente elétrica
• r é o raio do condutor
Representação do campo
magnético ao redor do condutor
CampoMagnético
O sentido do
campo magnético
é dado pela regra
da mão direita.
CampoMagnético
Segure o condutor com a mão direita, envolvendo-o com
os dedos e mantendo o polegar apontando o sentido da
corrente. O sentido das linhas de campo é dado pela
indicação dos dedos que evolvem o condutor.
CampoMagnético
Segure o condutor com a mão direita, envolvendo-o com
os dedos e mantendo o polegar apontando o sentido da
corrente. O sentido das linhas de campo é dado pela
indicação dos dedos que evolvem o condutor.
CampoMagnético
Observe que:
• As linhas de campo são circulares e concêntricas ao fio por onde
passa a corrente elétrica e estão contidas num plano perpendicular
ao fio.
• A direção do vetor campo magnético B é sempre tangente às linhas
de campo em cada ponto considerado e sempre no mesmo sentido
delas.
CampoMagnético
Regra da mão direita
CampoMagnético
ER1. Um fio retilíneo longo e em
posição vertical é percorrido por
uma corrente elétrica de
intensidade igual a 3 A e sentido
convencional ascendente.
Determine:
a) a direção e o sentido do vetor
indução magnética num ponto
localizado à direita do fio;
b) a intensidade do campo
magnético num ponto que se
situa a 50 cm do fio, dado
µ=4π.10-7 T.m/A
CampoMagnético
ER2. Dois fios retilíneos, longos e
paralelos, são atravessados por
correntes elétricas de intensidades
iguais, respectivamente, a 1 A e 2
A. Os sentidos de tráfego das
correntes são opostos e os fios
estão distanciados 2 m. Determine
a intensidade do vetor campo
magnético resultante num ponto
equidistante dos fios, no plano
formado por eles. Dado:
µ=4π.10-7 T.m/A
CampoMagnético
ER3. A agulha de uma bússola é
colocada em um campo
magnético cujas linhas de força
estão representadas na figura.
Então responda:
a) com que sentido de rotação a
agulha iniciará o movimento?
b) em que posição ela ficará em
equilíbrio?
CampoMagnético
1- Represente o vetor indução
magnética B no ponto P, gerado
pela corrente elétrica que atravessa
o conduto retilíneo, nos casos a
seguir:
CampoMagnético
2- Caracterize o vetor indução
magnética B no ponto P da figura
a seguir. Considere a intensidade
da corrente elétrica i igual a 20 A,
a distância r igual a 5,0 cm e a
permeabilidade magnética do
meio µ = 4Π.10-7 T.m/A.
3- Leia atentamente as afirmativas
que seguem e assinale
V(verdadeiro) ou F (falso):
I. ( ) O polo Norte geográfico é
um polo sul magnético.
II. ( ) Em um ímã permanente,
as linhas de indução saem do
polo norte e vão para o polo
sul, independentemente de
estarem na parte interna ou
externa do ímã.
III. ( ) Considerando a agulha de
uma bússola, a extremidade
que aponta para o Norte
geográfico é o polo norte
magnético da agulha.
CampoMagnético
EP10. Um fio retilíneo, longo e em posição horizontal, é percorrido por uma
corrente elétrica de intensidade igual a 0,5 A. Determine a intensidade do
campo magnético num ponto que se situa a 20 cm do fio. É dado: μ =
4π.10-7 T.m/A
EP11. Dois fios muito longos e retilíneos estão dispostos paralelamente. Eles
são percorridos por correntes elétricas, respectivamente, de 6 e 8 A de
intensidade. Os sentidos das correntes são iguais e os fios estão distantes 4
m. Qual é a intensidade do vetor campo magnético resultante num ponto
equidistante dos fios, sobre o plano formado por eles? É dado: μ = 4π.10-7
T.m/A
CampoMagnético
4- Dois condutores retilíneos,
paralelos e extensos são
percorridos por corrente elétrica
de mesma intensidade i = 10A.
Determine a intensidade do vetor
indução magnética B no ponto P,
nos casos indicados a seguir. É
dado: μ = 4π.10-7 T.m/A
a)
b)
CampoMagnético
5- Na figura ao lado, têm-se as
seções transversais de dois
condutores retos, A e B, paralelos
e extensos. Cada condutor é
percorrido por uma corrente
elétrica de intensidade 5,0 A no
sentido indicado.
a) Determine a intensidade do
vetor indução magnética,
resultante no ponto P, que dista 20
cm de cada condutor.
b) Como se orienta uma pequena
agulha magnética colocada em P?
É dado: μ = 4π.10-7 T.m/A
Forçamagnética
I- Força magnética sobre uma carga
móvel imersa em um campo
magnético uniforme
• Quando uma carga elétrica se
move no interior de um campo
magnético, experimenta a ação
de uma força magnética!
• Inicialmente as características
dessa força foram
determinadas pelo físico
holandês Hendrik A. Lorentz
Onde:
• α é o ângulo formado entre o
vetor campo magnético B e a
velocidade v.
• q é a carga elétrica (em módulo).
• A direção é perpendicular ao
plano formado pelos vetores B e v.
• O sentido é dado pela REGRA DA
MÃO ESQUERDA.
Fm = q . v. B. senα
Forçamagnética
Regra da mão esquerda
A direção é perpendicular ao
plano formado pelos vetores B e v.
Achou difícil? Acompanhe no
desenho!!!
Forçamagnética
Regra da mão esquerda
Esta regra vale apenas para
uma carga positiva. Se a
carga for negativa, o sentido
da Fm será o oposto daquele
indicado pelo polegar pelo
polegar.
Forçamagnética
Regra da mão esquerda
Represente a força magnética que
age sobre a carga elétrica q
lançada no campo magnético de
indução B nos seguintes casos:
a) b)
Forçamagnética
Casos particulares importantes:
I. Partícula eletrizada abandonada
em repouso no interior de um
campo magnético:
II. Partícula eletrizada lançada
paralelamente às linhas de indução
de um campo magnético uniforme:
CONCLUSÃO:
Cargas elétricas em repouso ou lançadas na mesma direção do campo
magnético, não sofrem ação da força magnética (Fmag = 0).
Nesse caso, v = 0 e, portanto, a
força magnética é nula (Fmag = 0).
Nesse caso, como sen 0º = sen 180º
= 0, concluímos que a força
magnética também é nula (Fmag = 0).
Forçamagnética
Casos particulares importantes:
III. Partícula eletrizada lançada
perpendicularmente às linhas de
indução de um campo magnético
uniforme
Assim, quando lançada
perpendicularmente às linhas de
indução de um campo magnético
uniforme, a partícula realiza um
movimento circular e uniforme
(MCU), em um plano perpendicular
às linhas de indução.
Nesse caso, como sen 90º = 1,
então:
Fm = q . v. B
Forçamagnética
ER2. Uma partícula eletrizada, de
carga positiva q de 3 μC, está em
movimento com velocidade
instantânea de 5 m/s, num ponto
de um campo magnético cujo vetor
indução tem intensidade de 2.10-5 T.
Observe a figura a seguir, em que o
ângulo entre os vetores B e v é de
30º:
Determine o vetor força magnética,
dando a direção, o sentido e seu
módulo.
Forçamagnética
ER3. Uma partícula iônica, de carga
positiva q, desloca-se numa região
do espaço. Nela, coexistem um
campo elétrico vertical E e um
campo magnético horizontal B,
ambos uniformes. Suas intensidades
são: E = 3.102 N/C e B = 5.10-1T.
Então, com que velocidade a
partícula (cuja massa é desprezível)
deve movimentar-se para que a
força resultante (entre a elétrica e a
magnética) seja nula sobre ela?
Forçamagnética
EP1. Se uma partícula eletrizada com
carga de 5.10-3 C for abandonada
(em repouso) no interior de um
campo magnético uniforme, cuja
intensidade é 6.10-2 T, qual será o
módulo da força magnética atuante
nessa partícula? Justifique sua
resposta.
ER5. Uma partícula eletrizada, com
quantidade de carga elétrica q =
0,02 μC e massa m = 2.10-11 g,
move-se perpendicularmente às
linhas de força de um campo
magnético uniforme, com
velocidade de 3.106 m/s. A figura
ilustra a situação e mostra o raio da
trajetória, que é R = 3 cm.
Desprezando-se a influência de
outros campos, qual a intensidade
desse campo magnético?
• Várias cargas percorrendo um fio condutor num
mesmo sentido constituem uma corrente elétrica.
• Assim, quando um segmento retilíneo desse
condutor é travessado por essa corrente i, no
interior de um campo magnético B, sofre a ação de
uma força magnética Fm.
Forçamagnética
II- Força magnética sobre um
condutor retilíneo imerso em um
campo magnético uniforme
Fm = B. i. 𝓁. senα
Forçamagnética
II- Força magnética sobre um
condutor retilíneo imerso em um
campo magnético uniforme
Onde:
• i é a intensidade da corrente
elétrica (ampère).
• ℓ é o comprimento do condutor
(metros).
• A direção é perpendicular ao
plano formado pelos vetores B e i.
• O sentido é dado pela REGRA DA
MÃO ESQUERDA.
Fm = B. i. 𝓁. senα
Forçamagnética
Regra da mão esquerda
Observe que na Regra da Mão
Esquerda, a velocidade v agora
é substituída pela corrente i.
Forçamagnética
1- Aplicando a regra da mão direita número 2, represente a força
magnética que age no condutor percorrido por corrente elétrica, nos casos
indicados abaixo:
Forçamagnética
ER6. Um fio condutor retilíneo é
percorrido por uma corrente
elétrica de intensidade 1 A. Ele
está mergulhado num campo
magnético uniforme de 0,8 T. O
ângulo formado pelas direções do
condutor e das linhas de força
magnética é de 30°. Qual é o
módulo da força magnética que
atua num trecho de 10 cm desse
condutor elétrico?
Forçamagnética
ER8. Que tipo de interação
magnética (de atração ou
repulsão) ocorre quando dois
condutores retilíneos e paralelos
são percorridos por correntes
elétricas de:
a) mesmo sentido?
b) sentidos opostos?
Forçamagnética
2- Um condutor reto e horizontal
de comprimento L = 40 cm e
massa m = 2,0 g, percorrido por
corrente elétrica de intensidade i
= 10 A, encontra-se em equilíbrio
sob ação exclusiva do campo de
gravidade e de um campo
magnético uniforme de indução B,
conforme esquematizado na
figura abaixo.
Sendo o módulo do campo de
gravidade igual a 10 N/kg,
determine:
a) a intensidade do vetor B;
b) o sentido da corrente elétrica i
que atravessa o condutor.
Eletromagnetismo
Eletromagnetismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticasOndas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas
 
Campo magnético
Campo magnéticoCampo magnético
Campo magnético
 
Força elétrica parte 1
Força elétrica parte 1Força elétrica parte 1
Força elétrica parte 1
 
Leis De Newton
Leis De NewtonLeis De Newton
Leis De Newton
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
 
Magnetismo 9°ano
Magnetismo 9°anoMagnetismo 9°ano
Magnetismo 9°ano
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Força elétrica
Força elétricaForça elétrica
Força elétrica
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Ondas
OndasOndas
Ondas
 
9 eletrostática
9 eletrostática9 eletrostática
9 eletrostática
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
 
Motor elétrico
Motor elétrico Motor elétrico
Motor elétrico
 
Aula estatica
Aula estaticaAula estatica
Aula estatica
 
Leis newton
Leis newtonLeis newton
Leis newton
 
9 ano leis de newton
9 ano leis de newton9 ano leis de newton
9 ano leis de newton
 
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
 
Trabalho e potência
Trabalho e potênciaTrabalho e potência
Trabalho e potência
 
Física - Lançamento Vertical
Física - Lançamento VerticalFísica - Lançamento Vertical
Física - Lançamento Vertical
 
Primeira lei de ohm
Primeira lei de ohmPrimeira lei de ohm
Primeira lei de ohm
 

Semelhante a Eletromagnetismo

Campo magnético reginaldo
Campo magnético reginaldoCampo magnético reginaldo
Campo magnético reginaldorodrigoslernesto
 
PPT_Eletromagnetismo.ppt
PPT_Eletromagnetismo.pptPPT_Eletromagnetismo.ppt
PPT_Eletromagnetismo.ppt5jvnzpgndw
 
Magnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptxMagnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptxLuizCsar13
 
Electrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismoElectrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismoMario Trigo
 
Eletromagnetismo 1 2006
Eletromagnetismo 1 2006Eletromagnetismo 1 2006
Eletromagnetismo 1 2006saulo321
 
Electricidade magnetismo
Electricidade magnetismoElectricidade magnetismo
Electricidade magnetismoRicardo Antunes
 
Campo magnético trabalho
Campo magnético trabalhoCampo magnético trabalho
Campo magnético trabalhoThiago Almeida
 
eletromagnetismo.pptx
eletromagnetismo.pptxeletromagnetismo.pptx
eletromagnetismo.pptx5jvnzpgndw
 
(20161112030631)Eletromagnetismo 2 (1).pdf
(20161112030631)Eletromagnetismo 2 (1).pdf(20161112030631)Eletromagnetismo 2 (1).pdf
(20161112030631)Eletromagnetismo 2 (1).pdfPatriciaDonatelli
 
ef11_em1_ppt_modulo_12.pptx
ef11_em1_ppt_modulo_12.pptxef11_em1_ppt_modulo_12.pptx
ef11_em1_ppt_modulo_12.pptxCatarina169234
 
Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.albertaratri
 
Aula 02 campo magnético
Aula 02   campo magnéticoAula 02   campo magnético
Aula 02 campo magnéticocristbarb
 
Electrotecnia e magnetismo
Electrotecnia e magnetismoElectrotecnia e magnetismo
Electrotecnia e magnetismoeqeqe
 
Estudo sobre Campo Magnético
Estudo sobre Campo MagnéticoEstudo sobre Campo Magnético
Estudo sobre Campo MagnéticoPe Gil Medeiros
 
10 campo magnetico eletrico
10  campo magnetico eletrico10  campo magnetico eletrico
10 campo magnetico eletricodaniela pinto
 
Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01Wanderson Batista
 

Semelhante a Eletromagnetismo (20)

Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Campo magnético reginaldo
Campo magnético reginaldoCampo magnético reginaldo
Campo magnético reginaldo
 
PPT_Eletromagnetismo.ppt
PPT_Eletromagnetismo.pptPPT_Eletromagnetismo.ppt
PPT_Eletromagnetismo.ppt
 
Magnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptxMagnetismo 2020.pptx
Magnetismo 2020.pptx
 
Electrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismoElectrotecnia magnetismo
Electrotecnia magnetismo
 
Eletromagnetismo 1 2006
Eletromagnetismo 1 2006Eletromagnetismo 1 2006
Eletromagnetismo 1 2006
 
Electricidade magnetismo
Electricidade magnetismoElectricidade magnetismo
Electricidade magnetismo
 
Campo magnético trabalho
Campo magnético trabalhoCampo magnético trabalho
Campo magnético trabalho
 
eletromagnetismo.pptx
eletromagnetismo.pptxeletromagnetismo.pptx
eletromagnetismo.pptx
 
Franciane[1]
Franciane[1]Franciane[1]
Franciane[1]
 
(20161112030631)Eletromagnetismo 2 (1).pdf
(20161112030631)Eletromagnetismo 2 (1).pdf(20161112030631)Eletromagnetismo 2 (1).pdf
(20161112030631)Eletromagnetismo 2 (1).pdf
 
ef11_em1_ppt_modulo_12.pptx
ef11_em1_ppt_modulo_12.pptxef11_em1_ppt_modulo_12.pptx
ef11_em1_ppt_modulo_12.pptx
 
Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.
 
Aula 02 campo magnético
Aula 02   campo magnéticoAula 02   campo magnético
Aula 02 campo magnético
 
Electrotecnia e magnetismo
Electrotecnia e magnetismoElectrotecnia e magnetismo
Electrotecnia e magnetismo
 
Estudo sobre Campo Magnético
Estudo sobre Campo MagnéticoEstudo sobre Campo Magnético
Estudo sobre Campo Magnético
 
Campo Magnético
Campo MagnéticoCampo Magnético
Campo Magnético
 
Magmetismo
MagmetismoMagmetismo
Magmetismo
 
10 campo magnetico eletrico
10  campo magnetico eletrico10  campo magnetico eletrico
10 campo magnetico eletrico
 
Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01
 

Mais de Marco Antonio Sanches (20)

Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
 
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
Refração da luz e espelhos planos (versão 2018)
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
 
Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)Estudo dos receptores (2017)
Estudo dos receptores (2017)
 
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
 
Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)Estudo dos Geradores (2017)
Estudo dos Geradores (2017)
 
Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)Termodinâmica (2017)
Termodinâmica (2017)
 
Primeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da TermodinâmicaPrimeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da Termodinâmica
 
Associação de resistores
Associação de resistoresAssociação de resistores
Associação de resistores
 
Diagrama de fases
Diagrama de fasesDiagrama de fases
Diagrama de fases
 
Ondulatória
OndulatóriaOndulatória
Ondulatória
 
Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)Mudança de fase (2017)
Mudança de fase (2017)
 
Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)Calorimetria (2017)
Calorimetria (2017)
 
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
Óptica geométrica - Revisão 3º EM (2017)
 
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
Hidrostática - revisão 2º EM (2017)
 
Estudo dos gases
Estudo dos gasesEstudo dos gases
Estudo dos gases
 
Apostila eletrostática
Apostila eletrostáticaApostila eletrostática
Apostila eletrostática
 
Oficina App Inventor
Oficina App InventorOficina App Inventor
Oficina App Inventor
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Mudança de fase
Mudança de faseMudança de fase
Mudança de fase
 

Último

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfEversonFerreira20
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 

Eletromagnetismo

  • 2.
  • 3. Conceitosiniciais Estudo do conjunto de fenômenos associados à interação entre a eletricidade e o magnetismo.
  • 4. Osímãs Imãs: são materiais ferromagnéticos sujeitos à presença de um campo magnético. Todos os ímãs possuem dois polos: o norte (N) e o sul (S). São nessas regiões onde as propriedades magnéticas se tornam mais intensas
  • 5. Osímãs Os polos interagem entre si por meio de uma força magnética, que pode ser de atração (polos diferentes) ou repulsão (polos iguais) Quando aproximamos dois ímãs, verificamos que os polos magnéticos de mesmo nome se repelem e polos magnéticos de nomes diferentes se atraem
  • 6. Osímãs Isso ocorre pois um ímã é constituído de ímãs elementares ou moleculares que estão previamente orientados com os respectivos pares norte (N) e sul (S).Se um ímã for partido, cada pedaço terá seus próprios polos norte e sul. Os polos magnéticos de um ímã são inseparáveis, ou seja, não existem polos isolados.
  • 7. Osímãs • se um material ferromagnético é aproximado de um ímã, ele se tornará magnetizado (magnetização por indução) • agora, se atritarmos um material ferromagnético sempre no mesmo sentido ele se tornará um ímã (magnetização por imantação)
  • 8. Osímãs Observe que a imantação é a ordenação dos ímãs elementares que constituem o corpo ferromagnético!!!
  • 9. Osímãs Observe que a imantação é a ordenação dos ímãs elementares que constituem o corpo ferromagnético!!!
  • 10. Osímãs A Terra comporta-se como um grande ímã. CUIDADO!!! Os polos geográficos e magnéticos da Terra não coincidem entre si.
  • 11.
  • 12. CampoMagnético Região do espaço ao redor de um ímã na qual se manifesta um efeito magnético. Unidade: no SI, a unidade de intensidade do vetor campo magnético B denomina-se tesla (T). No interior de um ímã, as linhas de campo vão do polo sul para o polo norte. Externamente, as linhas de indução saem do polo norte e chegam ao polo sul do ímã.
  • 13. CampoMagnético Observe que as linhas de força magnética nunca se cruzam umas com as outras. Quando dois ímãs interagem entre si, as linhas de força magnética são reconfiguradas.
  • 14. CampoMagnético No caso de um ímã em forma de U (ou ferradura), observamos que, entre os ramos paralelos do ímã, as linhas de indução são praticamente paralelas, originando, nessa região, um campo magnético que pode ser considerado uniforme. Campo magnético uniforme é aquele no qual, em todos os pontos, o vetor tem a mesma direção, o mesmo sentido e a mesma intensidade. No campo magnético uniforme, as linhas de indução são retas paralelas igualmente espaçadas e orientadas.
  • 16. CampoMagnético Lembre-se que polos magnéticos de mesmo nome se repelem e de nomes contrários se atraem. Mas um material ferromagnético, como um prego, por exemplo, sempre será atraído por um ímã!! Neste caso, nem o imã atrai o ferro e nem o ferro atrai o imã. Ambos se atraem simultaneamente. (3ª Lei de Newton)
  • 17. CampoMagnético Aplicação: (FUVEST-SP) A Figura I representa um ímã permanente em forma de barra. N e S indicam, respectivamente, polos norte e sul. Suponha que a barra seja dividida em três pedaços, como mostra a Figura II. Colocando lado a lado os dois pedaços extremos, como indicado na figura III, é correto afirmar que eles: a) se atrairão, pois A é o polo norte e B é o polo sul. b) se atrairão, pois A é o polo sul e B é o polo norte. c) não serão atraídos nem repelidos. d) se repelirão, pois A é o polo norte e B é o polo sul. e) se repelirão, pois A é o polo sul e B é o polo norte.
  • 18. CampoMagnético A Lei de Ampére é aplicada aos campos magnéticos gerados por uma corrente elétrica ao redor de um condutor retilíneo longo. B = μo. i 2. π. r onde: • B é o vetor campo magnético • μo é a permeabilidade magnética no vácuo • i é a corrente elétrica • r é o raio do condutor Representação do campo magnético ao redor do condutor
  • 19. CampoMagnético O sentido do campo magnético é dado pela regra da mão direita.
  • 20. CampoMagnético Segure o condutor com a mão direita, envolvendo-o com os dedos e mantendo o polegar apontando o sentido da corrente. O sentido das linhas de campo é dado pela indicação dos dedos que evolvem o condutor.
  • 21. CampoMagnético Segure o condutor com a mão direita, envolvendo-o com os dedos e mantendo o polegar apontando o sentido da corrente. O sentido das linhas de campo é dado pela indicação dos dedos que evolvem o condutor.
  • 22. CampoMagnético Observe que: • As linhas de campo são circulares e concêntricas ao fio por onde passa a corrente elétrica e estão contidas num plano perpendicular ao fio. • A direção do vetor campo magnético B é sempre tangente às linhas de campo em cada ponto considerado e sempre no mesmo sentido delas.
  • 24. CampoMagnético ER1. Um fio retilíneo longo e em posição vertical é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade igual a 3 A e sentido convencional ascendente. Determine: a) a direção e o sentido do vetor indução magnética num ponto localizado à direita do fio; b) a intensidade do campo magnético num ponto que se situa a 50 cm do fio, dado µ=4π.10-7 T.m/A
  • 25. CampoMagnético ER2. Dois fios retilíneos, longos e paralelos, são atravessados por correntes elétricas de intensidades iguais, respectivamente, a 1 A e 2 A. Os sentidos de tráfego das correntes são opostos e os fios estão distanciados 2 m. Determine a intensidade do vetor campo magnético resultante num ponto equidistante dos fios, no plano formado por eles. Dado: µ=4π.10-7 T.m/A
  • 26. CampoMagnético ER3. A agulha de uma bússola é colocada em um campo magnético cujas linhas de força estão representadas na figura. Então responda: a) com que sentido de rotação a agulha iniciará o movimento? b) em que posição ela ficará em equilíbrio?
  • 27. CampoMagnético 1- Represente o vetor indução magnética B no ponto P, gerado pela corrente elétrica que atravessa o conduto retilíneo, nos casos a seguir:
  • 28. CampoMagnético 2- Caracterize o vetor indução magnética B no ponto P da figura a seguir. Considere a intensidade da corrente elétrica i igual a 20 A, a distância r igual a 5,0 cm e a permeabilidade magnética do meio µ = 4Π.10-7 T.m/A. 3- Leia atentamente as afirmativas que seguem e assinale V(verdadeiro) ou F (falso): I. ( ) O polo Norte geográfico é um polo sul magnético. II. ( ) Em um ímã permanente, as linhas de indução saem do polo norte e vão para o polo sul, independentemente de estarem na parte interna ou externa do ímã. III. ( ) Considerando a agulha de uma bússola, a extremidade que aponta para o Norte geográfico é o polo norte magnético da agulha.
  • 29. CampoMagnético EP10. Um fio retilíneo, longo e em posição horizontal, é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade igual a 0,5 A. Determine a intensidade do campo magnético num ponto que se situa a 20 cm do fio. É dado: μ = 4π.10-7 T.m/A EP11. Dois fios muito longos e retilíneos estão dispostos paralelamente. Eles são percorridos por correntes elétricas, respectivamente, de 6 e 8 A de intensidade. Os sentidos das correntes são iguais e os fios estão distantes 4 m. Qual é a intensidade do vetor campo magnético resultante num ponto equidistante dos fios, sobre o plano formado por eles? É dado: μ = 4π.10-7 T.m/A
  • 30. CampoMagnético 4- Dois condutores retilíneos, paralelos e extensos são percorridos por corrente elétrica de mesma intensidade i = 10A. Determine a intensidade do vetor indução magnética B no ponto P, nos casos indicados a seguir. É dado: μ = 4π.10-7 T.m/A a) b)
  • 31. CampoMagnético 5- Na figura ao lado, têm-se as seções transversais de dois condutores retos, A e B, paralelos e extensos. Cada condutor é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade 5,0 A no sentido indicado. a) Determine a intensidade do vetor indução magnética, resultante no ponto P, que dista 20 cm de cada condutor. b) Como se orienta uma pequena agulha magnética colocada em P? É dado: μ = 4π.10-7 T.m/A
  • 32.
  • 33. Forçamagnética I- Força magnética sobre uma carga móvel imersa em um campo magnético uniforme • Quando uma carga elétrica se move no interior de um campo magnético, experimenta a ação de uma força magnética! • Inicialmente as características dessa força foram determinadas pelo físico holandês Hendrik A. Lorentz Onde: • α é o ângulo formado entre o vetor campo magnético B e a velocidade v. • q é a carga elétrica (em módulo). • A direção é perpendicular ao plano formado pelos vetores B e v. • O sentido é dado pela REGRA DA MÃO ESQUERDA. Fm = q . v. B. senα
  • 34. Forçamagnética Regra da mão esquerda A direção é perpendicular ao plano formado pelos vetores B e v. Achou difícil? Acompanhe no desenho!!!
  • 35. Forçamagnética Regra da mão esquerda Esta regra vale apenas para uma carga positiva. Se a carga for negativa, o sentido da Fm será o oposto daquele indicado pelo polegar pelo polegar.
  • 36. Forçamagnética Regra da mão esquerda Represente a força magnética que age sobre a carga elétrica q lançada no campo magnético de indução B nos seguintes casos: a) b)
  • 37. Forçamagnética Casos particulares importantes: I. Partícula eletrizada abandonada em repouso no interior de um campo magnético: II. Partícula eletrizada lançada paralelamente às linhas de indução de um campo magnético uniforme: CONCLUSÃO: Cargas elétricas em repouso ou lançadas na mesma direção do campo magnético, não sofrem ação da força magnética (Fmag = 0). Nesse caso, v = 0 e, portanto, a força magnética é nula (Fmag = 0). Nesse caso, como sen 0º = sen 180º = 0, concluímos que a força magnética também é nula (Fmag = 0).
  • 38. Forçamagnética Casos particulares importantes: III. Partícula eletrizada lançada perpendicularmente às linhas de indução de um campo magnético uniforme Assim, quando lançada perpendicularmente às linhas de indução de um campo magnético uniforme, a partícula realiza um movimento circular e uniforme (MCU), em um plano perpendicular às linhas de indução. Nesse caso, como sen 90º = 1, então: Fm = q . v. B
  • 39. Forçamagnética ER2. Uma partícula eletrizada, de carga positiva q de 3 μC, está em movimento com velocidade instantânea de 5 m/s, num ponto de um campo magnético cujo vetor indução tem intensidade de 2.10-5 T. Observe a figura a seguir, em que o ângulo entre os vetores B e v é de 30º: Determine o vetor força magnética, dando a direção, o sentido e seu módulo.
  • 40. Forçamagnética ER3. Uma partícula iônica, de carga positiva q, desloca-se numa região do espaço. Nela, coexistem um campo elétrico vertical E e um campo magnético horizontal B, ambos uniformes. Suas intensidades são: E = 3.102 N/C e B = 5.10-1T. Então, com que velocidade a partícula (cuja massa é desprezível) deve movimentar-se para que a força resultante (entre a elétrica e a magnética) seja nula sobre ela?
  • 41. Forçamagnética EP1. Se uma partícula eletrizada com carga de 5.10-3 C for abandonada (em repouso) no interior de um campo magnético uniforme, cuja intensidade é 6.10-2 T, qual será o módulo da força magnética atuante nessa partícula? Justifique sua resposta. ER5. Uma partícula eletrizada, com quantidade de carga elétrica q = 0,02 μC e massa m = 2.10-11 g, move-se perpendicularmente às linhas de força de um campo magnético uniforme, com velocidade de 3.106 m/s. A figura ilustra a situação e mostra o raio da trajetória, que é R = 3 cm. Desprezando-se a influência de outros campos, qual a intensidade desse campo magnético?
  • 42. • Várias cargas percorrendo um fio condutor num mesmo sentido constituem uma corrente elétrica. • Assim, quando um segmento retilíneo desse condutor é travessado por essa corrente i, no interior de um campo magnético B, sofre a ação de uma força magnética Fm. Forçamagnética II- Força magnética sobre um condutor retilíneo imerso em um campo magnético uniforme Fm = B. i. 𝓁. senα
  • 43. Forçamagnética II- Força magnética sobre um condutor retilíneo imerso em um campo magnético uniforme Onde: • i é a intensidade da corrente elétrica (ampère). • ℓ é o comprimento do condutor (metros). • A direção é perpendicular ao plano formado pelos vetores B e i. • O sentido é dado pela REGRA DA MÃO ESQUERDA. Fm = B. i. 𝓁. senα
  • 44. Forçamagnética Regra da mão esquerda Observe que na Regra da Mão Esquerda, a velocidade v agora é substituída pela corrente i.
  • 45. Forçamagnética 1- Aplicando a regra da mão direita número 2, represente a força magnética que age no condutor percorrido por corrente elétrica, nos casos indicados abaixo:
  • 46. Forçamagnética ER6. Um fio condutor retilíneo é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade 1 A. Ele está mergulhado num campo magnético uniforme de 0,8 T. O ângulo formado pelas direções do condutor e das linhas de força magnética é de 30°. Qual é o módulo da força magnética que atua num trecho de 10 cm desse condutor elétrico?
  • 47. Forçamagnética ER8. Que tipo de interação magnética (de atração ou repulsão) ocorre quando dois condutores retilíneos e paralelos são percorridos por correntes elétricas de: a) mesmo sentido? b) sentidos opostos?
  • 48. Forçamagnética 2- Um condutor reto e horizontal de comprimento L = 40 cm e massa m = 2,0 g, percorrido por corrente elétrica de intensidade i = 10 A, encontra-se em equilíbrio sob ação exclusiva do campo de gravidade e de um campo magnético uniforme de indução B, conforme esquematizado na figura abaixo. Sendo o módulo do campo de gravidade igual a 10 N/kg, determine: a) a intensidade do vetor B; b) o sentido da corrente elétrica i que atravessa o condutor.