SlideShare uma empresa Scribd logo
GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL
SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE NA AMÉRICA LATINA
SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE – CUBA
COMPONENTES
DISCENTES:
Filipe Neri
Jasleidy Solorzano
DOCENTE:
Juliana Domingues
DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL
EPIDEMIOLÓGICO
• População majoritariamente
jovem em idade reprodutiva
com tendência a padecer de
doenças crônicas respiratórias,
câncer, problemas
cardiovasculares e tumores.
Población total (2015) 11,390,000
Território 109.884 km²
Ingreso nacional bruto per
cápita (en dólares
internacionales, 2011)
18,520
Esperanza de vida al nacer h/m
(años, 2015)
77/81
Probabilidad de morir entre los
15 y los 60 años, h/m (por 1000
habitantes, 2013)
115/73
Gasto total en salud por
habitante ($int, 2013)
1,828
Gasto total en salud como
porcentaje del PIB (2013)
11.1 %
PIB 68,23 bilhões USD (2011)
OMS. Perfil Epidemiológico. 2013
Banco Mundial
DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL
EPIDEMIOLÓGICO
• Constitução de 1901 - inspirada na
Constitução dos Estados Unidos
• Enmenta Platt
• Constitução de 1940
• Constitução Cubana de 1976
Fonte: Anuario Nacional de salud 2015
DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL
EPIDEMIOLÓGICO
• A população cubana está composta por 11.390.000 habitantes,
distribuídos em 15 estados e 168 municipios.
• A relação de masculindade – biológica – é de 993 homens para 1.000
mulheres. Em números absolutos são 36.853 mulheres a mais que
homens
• A porcentagem de urbanização é de 76,8%, sendo que 19,4% das
pessoas tem 60 anos ou mais de idade.
Fonte: Anuario Nacional de salud 2015
DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL
EPIDEMIOLÓGICO
• O nível de reprodução da população é baixo, em 2015 aumentaram
os números de nacimentos em 2.421 em ralação ao ano de 2014.
• A taxa de natalidade é de 11.1 nascidos vivos por 1.000 habitantes –
aumento de 1.8 em ralação aos anos anterioresla.
• A taxa de fecundidade geral é de 45.1 nascidos vivos para 1.000
mulheres entre 15 a 49 anos
Fonte: Anuario Nacional de salud 2015
DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL
EPIDEMIOLÓGICO
Expectativa de vida: 78 anos
4 anos superior à brasileira
14 anos superior à haitiana
DETERMINANTES SOCIAIS DE SAÚDE
• Os estudos sobre os Determinantes Sociais de Saúde Pública em Cuba
servem para encaminhar ações sanitárias eficazes no país.
• Não existe um modelo de Determinante Social de Saúde em Cuba,
pois cada espaço influi nas condições diferentes que devem conhecer
os médicos da família, pois são os que atuam localmente.
Fonte: Anuario Nacional de salud 2015
CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE CUBANO
O QUE É O SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE?
“Art. 5º. El Sistema Nacional de Salud es el conjunto
de unidades administrativas, de servicios, producción
docencia e investigación responsabilizadas con la
atención integral de la salud de la población. 3 Estas
unidades se encuentran relacionadas entre sí, de
acuerdo con el principio de la doble subordinación
cuando se trate de unidades dependientes de los
órganos locales del Poder Popular, además se
relacionan con las organizaciones sociales y de masas.”
Fonte: Lei da Saúde Pública – Nº 41, de 13 de julho de 1983
PREVISÃO DO DIREITO À SAÚDE
O acesso ao sistema de saúde cubano é um direito fundamental do ser humano,
sendo dever inalienável do Estado assegura-lo, conforme garante a
Constituição da República de Cuba, de 24 de fevereiro de 1976.
Artigo 50º - Todos tem direito a que se atenda e proteja sua saúde. O Estado
garantirá este direito:
1. Com a prestação de assistência médica e hospitalar gratuita, mediante a
rede de instalações de serviços médicos rural, das policlínicas, hospitais,
centros preventivos e de tratamento especializado;
2. Com a prestação de assistência estomatológica gratuita; e
3. Com o desenvolvimento dos planos de divulgação sanitária e educação
para a saúde, exames médicos periódicos, vacinação geral e outras
medidas preventivas das enfermidades. Nestes planos e atividades coopera
toda a população através das organizações de massas e sociais.
PREVISÃO DO DIREITO À SAÚDE
Lei da Saúde Pública – Nº 41, de 13 de julho de 1983.
 ART 1º - Estabelece os princípios básicos para a regulação das relações
sociais no campo da saúde pública, com o fim de contribuir e garantir a
promoção da saúde, a prevenção de enfermidades, o reestabelecimento
da saúde, a reabilitação social dos pacientes e a assistência social.
 ART 2º - A organização da saúde pública e a prestação dos serviços são
realizados pelo Estado cubano através do Ministério de Saúde Pública.
PREVISÃO DO DIREITO À SAÚDE
 ART 4º - A organização da saúde pública e a prestação dos serviços que
a ela correspondem na sociedade cubana se baseiam em nove
princípios:
No reconhecimento e garantia do direito a saúde pública de toda a
população a que se atenda e proteja adequadamente sua saúde em
qualquer lugar do território nacional;
No caráter estatal das instituições, na gratuidade dos serviços de saúde
e da assistência médica, se acordo com as regulações estabelecidas;
PREVISÃO DO DIREITO À SAÚDE
No caráter social do exercício da medicina, de acordo com os princípios da
moral socialista e da ética médica;
Na orientação preventiva como uma função altamente priorizada nas ações
de saúde;
No planejamento socialista;
Na correta aplicação dos avanços na ciência e na tecnologia médica global;
Na participação ativa e organizada da população nos planejamentos de
atividades de saúde pública;
Na colaboração internacional no campo da saúde; e
Na prestação de ajuda no campo da saúde como um dever internacionalista.
POLÍTICAS DE SAÚDE
• Cuba conta com 495.609 trabalhadores na área da saúde, que
representam 6,8% da população em idade laboral, sendo que 70,6%
são mulheres.
• A taxa de habitantes por médico é de 127, sendo 28.4 médicos para
cada 10 mil habitantes.
POLÍTICAS DE SAÚDE
• A atenção médica, preventivo-curativa à população se garante e se ofrece atraves
das instituições do Sistema Nacional de Saúde, organizadoa por níveis de atenção,
de forma ambulatorial e hospitalar, de acordó com o lugar de residência, trabalho
ou estudo e necesidades da população.
• A atenção médica de urgência se realiza pelos centros assistenciais .
POLÍTICA DE SAÚDE
• Cuba presta colaboração internacional em
saúde para 65 países, inclusive Brasil,
sustentando projetos de cooperação e
serviços médicos cubanos.
• No Brasil o Programa Mais Médicos foi
instituído através da Lei 12.871, de 22 de
outubro de 2013.
SAÚDE DO ESTRANGEIRO
A Lei da Saúde Pública de Cuba postula que os cidadãos estrangeiros
que residem permanentemente, temporariamente, em trânsito ou visita
no território nacional recebem os mesmos cuidados preventivos e
curativos que os cidadãos cubanos.
CONTROLE SOCIAL
A Lei da Saúde Pública de Cuba preconiza que as organizações sociais e de
massas, bem como a sociedade científica participem do cuidado da saúde do
povo.
Existem Comitês de saúde liderados por promotoras comunitárias de saúde,
sendo as representantes dos usuários. As quais fazem seguimento aos centros de
saúde.
Garante ainda que os trabalhadores da saúde participem da elaboração de
programas, campanhas, planos ou projetos de saúde, assim como nas atividades
de prestação de serviços.
PRINCIPAIS AÇÕES E SERVIÇOS
• Art. 15 º - As instituições que conformam o Sistema Nacional de Saúde, realizam
atividades de educação para a saúde, exames médicos preventivos e periódicos aos
trabalhadores submetidos a riscos, que podem ser transmissores de enfermidades pelo
tipo de trabalho que realizam.
• Art. 18º - Os métodos de diagnóstico que impliquem riscos, se realizram com a
aprovação dos pacientes, exceto nos menores de idade ou incapacidade mental, cujos
casos requerem a autorização do representante legal.
• Fonte: Lei da Saúde Pública – Nº 41, de 13 de julho de 1983
PRINCIPAIS AÇÕES E SERVIÇOS
• Existem 151 hospitais, sendo que 18% possuem 400 ou mais leitos; 64% possuem entre 100 e 399
leitos; e 18% com menos de 99 leitos.
• O Sistema Nacional de Saúde Cubano dispõe de 109 salas de terapia intensiva; 120 áreas intesivas
municipais; 451 policlínicas; 110 clínicas estomatológicas; 136 maternidades; 12 institutos de
pesquisa; 707 bibliotecas médicas; 147 lares para idosos; 265 casa de avós; 49 serviços de
geriatría e 30 centros sociopedagógicos. Além dos serviços de reabilitação integral em todos os
níveis de atenção, contando com 420 salas de atenção primária em saúde.
• Fonte: Anuário da Saúde 2015.
ORGANIZAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE
O Sistema de Saúde Cubano – SSC, está estruturado em 4 níveis:
1. Nível Primário – Possui ampla cobertura e baixa complexidade ,
composto por Equipes de Saúde Básica responsáveis por
implementar o Programa de Médico de Família, sendo composta
por um médico e um enfermeiro, que trabalham em um consultório
responsável por cerca de 800 pessoas residentes nos quarteirões
vizinhos.
2. Nível Secundário – Menor cobertura com maior complexidade,
fazem parte os hospitais regionais e municipais, para onde os
doentes são encaminhados, quando o Nível Primário é insuficiente
para a resolução do seu problema
ORGANIZAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE
3. Nível Terciário – Quando o internamento acontece para diagnóstico
e/ou tratamento.
4. Nível Quaternário – quando a condição do usuário requer Unidade
de Tratamentos Intensivos.
Os níveis Terciário e Quaternário, da cobertura mínima a complexidade
máxima, ocorrem quando há necessidade de internamento.
Fonte: www.infomed.sld.cu
MORTALIDADE – DADOS GERAIS
MORTES E TAXAS DE MORTALIDADE SEGUNDO GRUPO DE IDADE
2005/20158293
7681
7743
7760
7840
7790
7379
7605
7563
7281
7400
14153
13829
14146
14339
14397
14830
14168
14943
15512
16091
16889
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
15-49 ANOS 50-64 ANOS
Fonte: Anuário Estatístico de Saúde - 2015
MORTES E TAXAS DE MORTALIDADE SEGUNDO SEXO
2005 – 201545878
43875
44033
46271
46626
49080
46554
48348
49706
51918
53810
38946
36956
37894
40152
40314
41985
40490
41024
42567
44412
45884
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
HOMEM MULHER
Fonte: Anuário Estatístico de Saúde - 2015
MORTES E TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL DO MENOR DE 1 ANO SEGUNDO
SEXO 2005 – 2015/ 1.000 NV6.6
5.7
5.7
5.1
5.2
5.3
5.5
5.2
4.5
4.9
4.6
5.7
4.9
4.8
4.3
4.4
3.7
4.3
4
3.9
3.5
3.9
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
MASCULINO FEMININO
Fonte: Anuário Estatístico de Saúde - 2015
MORTES E TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL DO MENOR DE 5 ANOS SEGUNDO
SEXO 2005 – 2015/ 1.000 NV8.7
7.5
7.2
6.6
6.8
6.7
6.6
6.6
6.4
6.5
6.2
7.3
6.6
6.2
5.7
5.3
4.7
5.4
5.2
5
4.9
5.2
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
MASCULINO FEMININO
Fonte: Anuário Estatístico de Saúde - 2015
MORTES E TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL DO MENOR DE 5 ANOS SEGUNDO
SEXO 2005 – 2015/ 1.000 NV
Fonte: Anuário Estatístico de Saúde – 2015
Fonte: IBGE, Projeção da População do Brasil – 2013
Fonte: CIA World Factbook
• Sobre a taxa de mortalidade infantil, podemos observar que nas
crianças do sexo masculino o índice é superior ao feminino.
• O índice de mortalidade infantil é menos de cinco a cada mil
nascimentos. No Brasil, o índice chega a 13.82, nos Estados Unidos
6,17.
PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EM TODAS AS IDADES
2000 – 2014 – 2015
CAUSA 2000 2014 2015
ENFERMIDADES DO CORAÇÃO 20.258 23.919 24.497
TUMORES MALÍGNOS 16.426 23.848 24.131
ENFERMIDADES CEREBROVASCULARES 8.143 9.324 9.276
ENFLUENZA E PNEUMONIA 5.735 5.874 7.096
ACIDENTES 4.955 5.359 5.421
ENFERMIDADES CRÔNICAS DAS VIAS RESPIRATÓRIAS INFERIORES 2.347 3.977 4.217
ENFERMIDADES DAS ARTÉRIAS, ARTERÍOLAS E VASOS CAPILARES 3.687 2.796 2.863
DIABETES MELLITOS 1.490 2.274 2.254
CIRROSES E OUTRAS ENFERMIDADES CRÔNICAS DO FÍGADO 988 1.433 1.506
LESÕES AUTO-INFLIGIDAS INTENSIONALMENTE 1.845 1454 1.492
PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EM TODAS AS IDADES
2000 – 2014 – 2015
• Em 10 dos 16 territórios do país, se mantém a morte por tumores malígnos como
primeira causa de morte. Aumentaram as taxas de mortalidade para todas as
causas, exceto para a diabetes millitus e as enfermedades cerebrovasculares.
• Segundo sexo, a taxa de mortalidade masculina é quatro vezes superior a feminina
para morte por lesões auto-infligidas intencionalmente; 3,7 vezes maior para a
cirrose e outras enfermidades crônicas do fígado; 1,4 vezes superior para os
tumores malígnos; 1,2 vezes maior para as enfermidades crônicas das vías
respiratórias inferiores; e 1,1 vezes superior nas enfermidades do coração.
PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EM TODAS AS IDADES
2000 – 2014 – 2015
• Igualam-se as taxas de mortalidade por sexo para as enfermidades
cerebrovasculares, a influenza e pneumonia e as enfermidades das
artérias, arteríolas e vasos capilares.
• Há um excesso de mortalidade para o sexo feminino na morte por
diabetes mellitus.
MORTALIDADE - MATERNA
• A taxa de mortalidade materna no ano de 2015 foi de 41,6 mortes
para cada 100 mil nascidos vivos.
• As taxas de mortalidade materna por suas causas diretas e indiretas
aumentaram e decresceram as taxas de mortalidade materna tardia.
• Definição de maternidade tardia: É a morte de uma mulher por causas diretas ou indiretas,
depois de 42 días, porém antes de um ano de término do parto.
FORMAÇÃO PROFISIONAL
• A formação na área da saúde ocorre em 13 universidades e 25
faculdades de ciências médicas; 4 faculdades de estomatología; 1 de
enfermagem; 1 de tecnología da saúde; 3 de tecnologia e
enfermagem; 15 filiáis de ciências médicas; 1 Escola Latino-Americana
de Medicina; e 1 Escola Nacional de Saúde Pública.
VIDEO
¡GRACIAS!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Saude do homem
Saude do homem Saude do homem
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Proqualis
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
luzienne moraes
 
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticosAula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
mariacristinasn
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Felipe Assan Remondi
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
Viviane da Silva
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Angelica Reis Angel
 
Fios e suturas
Fios e suturasFios e suturas
Fios e suturas
Danilo Modesto
 
Opióides
OpióidesOpióides
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
blogped1
 
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor RobsonCasos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Professor Robson
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
HIURYGOMES
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
Renato Santos
 
Estudo de caso clinico
Estudo de caso clinicoEstudo de caso clinico
Estudo de caso clinico
Grupo Ivan Ervilha
 
Política Nacional de Vigilância em Saúde - PNVS
Política Nacional de Vigilância em Saúde - PNVSPolítica Nacional de Vigilância em Saúde - PNVS
Política Nacional de Vigilância em Saúde - PNVS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 

Mais procurados (20)

SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Saude do homem
Saude do homem Saude do homem
Saude do homem
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticosAula de disturbios hidroeletrolíticos
Aula de disturbios hidroeletrolíticos
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
Calculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassioCalculo permanganato de potassio
Calculo permanganato de potassio
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Fios e suturas
Fios e suturasFios e suturas
Fios e suturas
 
Opióides
OpióidesOpióides
Opióides
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor RobsonCasos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
 
Antibióticos
AntibióticosAntibióticos
Antibióticos
 
Estudo de caso clinico
Estudo de caso clinicoEstudo de caso clinico
Estudo de caso clinico
 
Política Nacional de Vigilância em Saúde - PNVS
Política Nacional de Vigilância em Saúde - PNVSPolítica Nacional de Vigilância em Saúde - PNVS
Política Nacional de Vigilância em Saúde - PNVS
 

Destaque

16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
Caroline Augusta
 
A saude em cuba
A saude em cubaA saude em cuba
A saude em cuba
Miro Mendonza
 
Cuba
CubaCuba
Cuba Power Point
Cuba Power PointCuba Power Point
Cuba Power Point
rduran3
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
ANDRESSA-LOPES
 
CUBA
CUBACUBA
Cuba, um modelo diferente de atenção médica .
Cuba, um modelo diferente de atenção médica .Cuba, um modelo diferente de atenção médica .
Cuba, um modelo diferente de atenção médica .
Dailyn Sordo Pelaez
 
Cuba
CubaCuba
Cuba powerpoint
Cuba powerpointCuba powerpoint
Cuba powerpoint
Bonnie Hamlett
 
Boletim (1)
Boletim (1)Boletim (1)
Boletim (1)
Gabriela Rodrigues
 
Menú de ajustes en word press
Menú de ajustes en word pressMenú de ajustes en word press
Menú de ajustes en word press
dopamina mexico
 
外匯交易簡介
外匯交易簡介外匯交易簡介
外匯交易簡介
samlincnyes
 
Grafico diario del dax perfomance index para el 12 04-2013
Grafico diario del dax perfomance index para el 12 04-2013Grafico diario del dax perfomance index para el 12 04-2013
Grafico diario del dax perfomance index para el 12 04-2013
Experiencia Trading
 
Entrepreneurial learning carltonbolling
Entrepreneurial learning carltonbollingEntrepreneurial learning carltonbolling
Entrepreneurial learning carltonbolling
circle1315
 
Jessie j analysis
Jessie j analysisJessie j analysis
Jessie j analysis
SophieFinnigan
 
El Community Manager de hoy
El Community Manager de hoyEl Community Manager de hoy
El Community Manager de hoy
Adriana Alban
 
SEGUIMOS CELEBRANDO!
SEGUIMOS CELEBRANDO!SEGUIMOS CELEBRANDO!
SEGUIMOS CELEBRANDO!
Sagrada Familia Urgell
 
5° básico a semana 25 al 29 abril
5° básico a  semana 25 al  29 abril5° básico a  semana 25 al  29 abril
5° básico a semana 25 al 29 abril
Colegio Camilo Henríquez
 
Redefining realness for brands on Twitter - SXSW 2015
Redefining realness for brands on Twitter - SXSW 2015Redefining realness for brands on Twitter - SXSW 2015
Redefining realness for brands on Twitter - SXSW 2015
John Colucci
 
Eight Signs Your Marketing Content Is Being Wasted, Ignored, Exploited...Or W...
Eight Signs Your Marketing Content Is Being Wasted, Ignored, Exploited...Or W...Eight Signs Your Marketing Content Is Being Wasted, Ignored, Exploited...Or W...
Eight Signs Your Marketing Content Is Being Wasted, Ignored, Exploited...Or W...
Heinz Marketing Inc
 

Destaque (20)

16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba16996275 sistema-de-saude-em-cuba
16996275 sistema-de-saude-em-cuba
 
A saude em cuba
A saude em cubaA saude em cuba
A saude em cuba
 
Cuba
CubaCuba
Cuba
 
Cuba Power Point
Cuba Power PointCuba Power Point
Cuba Power Point
 
Saúde pública
Saúde públicaSaúde pública
Saúde pública
 
CUBA
CUBACUBA
CUBA
 
Cuba, um modelo diferente de atenção médica .
Cuba, um modelo diferente de atenção médica .Cuba, um modelo diferente de atenção médica .
Cuba, um modelo diferente de atenção médica .
 
Cuba
CubaCuba
Cuba
 
Cuba powerpoint
Cuba powerpointCuba powerpoint
Cuba powerpoint
 
Boletim (1)
Boletim (1)Boletim (1)
Boletim (1)
 
Menú de ajustes en word press
Menú de ajustes en word pressMenú de ajustes en word press
Menú de ajustes en word press
 
外匯交易簡介
外匯交易簡介外匯交易簡介
外匯交易簡介
 
Grafico diario del dax perfomance index para el 12 04-2013
Grafico diario del dax perfomance index para el 12 04-2013Grafico diario del dax perfomance index para el 12 04-2013
Grafico diario del dax perfomance index para el 12 04-2013
 
Entrepreneurial learning carltonbolling
Entrepreneurial learning carltonbollingEntrepreneurial learning carltonbolling
Entrepreneurial learning carltonbolling
 
Jessie j analysis
Jessie j analysisJessie j analysis
Jessie j analysis
 
El Community Manager de hoy
El Community Manager de hoyEl Community Manager de hoy
El Community Manager de hoy
 
SEGUIMOS CELEBRANDO!
SEGUIMOS CELEBRANDO!SEGUIMOS CELEBRANDO!
SEGUIMOS CELEBRANDO!
 
5° básico a semana 25 al 29 abril
5° básico a  semana 25 al  29 abril5° básico a  semana 25 al  29 abril
5° básico a semana 25 al 29 abril
 
Redefining realness for brands on Twitter - SXSW 2015
Redefining realness for brands on Twitter - SXSW 2015Redefining realness for brands on Twitter - SXSW 2015
Redefining realness for brands on Twitter - SXSW 2015
 
Eight Signs Your Marketing Content Is Being Wasted, Ignored, Exploited...Or W...
Eight Signs Your Marketing Content Is Being Wasted, Ignored, Exploited...Or W...Eight Signs Your Marketing Content Is Being Wasted, Ignored, Exploited...Or W...
Eight Signs Your Marketing Content Is Being Wasted, Ignored, Exploited...Or W...
 

Semelhante a SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA

AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxAULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
CarlaAlves362153
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
triagemneonatalce
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
DboraCatarina3
 
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITAPromoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
MAURILIO LUIELE
 
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEsÉtica profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Jamessonjr Leite Junior
 
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
SUS
SUSSUS
Sus pas-2013
Sus pas-2013Sus pas-2013
Sus pas-2013
Fabio Junqueira
 
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
AlexsandraFabre1
 
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUSPRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
Fisioterapeuta
 
Cartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministaCartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feminista
deborawilbert
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
JessiellyGuimares
 
Bases legais na saúde pública
Bases legais na saúde públicaBases legais na saúde pública
Bases legais na saúde pública
bel_c
 
SUS
SUSSUS
TextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdfTextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdf
MarrhySilvaSantos
 
Politicas de saude bucal
Politicas de saude bucalPoliticas de saude bucal
Politicas de saude bucal
Lucas Almeida Sá
 
AULA 2.pptx
AULA 2.pptxAULA 2.pptx
AULA 2.pptx
IzabellaCristina23
 
Politicas de saude
Politicas de saudePoliticas de saude
Politicas de saude
Instituto Consciência GO
 
Apostila do SUS
Apostila do SUSApostila do SUS
Apostila do SUS
Alice Sodré
 
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principiosAbc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Isabela Sousa
 

Semelhante a SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA (20)

AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxAULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITAPromoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
 
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEsÉtica profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
Ética profissional: Direitos e deveres dos ACS e ACEs
 
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
Sus pas-2013
Sus pas-2013Sus pas-2013
Sus pas-2013
 
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
 
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUSPRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
PRINCIPIOS E DOUTRINAS OPERACIONAIS DO SUS
 
Cartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministaCartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feminista
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
 
Bases legais na saúde pública
Bases legais na saúde públicaBases legais na saúde pública
Bases legais na saúde pública
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
TextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdfTextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdf
 
Politicas de saude bucal
Politicas de saude bucalPoliticas de saude bucal
Politicas de saude bucal
 
AULA 2.pptx
AULA 2.pptxAULA 2.pptx
AULA 2.pptx
 
Politicas de saude
Politicas de saudePoliticas de saude
Politicas de saude
 
Apostila do SUS
Apostila do SUSApostila do SUS
Apostila do SUS
 
Abc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principiosAbc do sus_doutrinas_e_principios
Abc do sus_doutrinas_e_principios
 

Mais de FILIPE NERI

RESENHA - A condição humana HANNAH ARENDT
RESENHA - A condição humana HANNAH ARENDTRESENHA - A condição humana HANNAH ARENDT
RESENHA - A condição humana HANNAH ARENDT
FILIPE NERI
 
Código ética profissional do Serviço Social 1965
Código ética profissional do Serviço Social 1965Código ética profissional do Serviço Social 1965
Código ética profissional do Serviço Social 1965
FILIPE NERI
 
Parecer jurídico normativo 36 2011 CFESS
Parecer jurídico normativo 36 2011 CFESSParecer jurídico normativo 36 2011 CFESS
Parecer jurídico normativo 36 2011 CFESS
FILIPE NERI
 
Parecer jurídico CFESS 12/98
Parecer jurídico CFESS 12/98Parecer jurídico CFESS 12/98
Parecer jurídico CFESS 12/98
FILIPE NERI
 
O Serviço Social e a tradição Marxista - José Paulo Netto
O Serviço Social e a tradição Marxista - José Paulo NettoO Serviço Social e a tradição Marxista - José Paulo Netto
O Serviço Social e a tradição Marxista - José Paulo Netto
FILIPE NERI
 
APLICABILIDADE DA RESOLUÇÃO CFESS 533/2008
APLICABILIDADE DA RESOLUÇÃO CFESS 533/2008APLICABILIDADE DA RESOLUÇÃO CFESS 533/2008
APLICABILIDADE DA RESOLUÇÃO CFESS 533/2008
FILIPE NERI
 
Serviço social em cuba
Serviço social  em cubaServiço social  em cuba
Serviço social em cuba
FILIPE NERI
 
UNAM/UNILA
UNAM/UNILAUNAM/UNILA
UNAM/UNILA
FILIPE NERI
 
O trabalho do assistente social no centro de referência especializado de assi...
O trabalho do assistente social no centro de referência especializado de assi...O trabalho do assistente social no centro de referência especializado de assi...
O trabalho do assistente social no centro de referência especializado de assi...
FILIPE NERI
 
Germinal - Análise Crítica
Germinal - Análise CríticaGerminal - Análise Crítica
Germinal - Análise Crítica
FILIPE NERI
 
Soy cuba - Análise crítica
Soy cuba - Análise críticaSoy cuba - Análise crítica
Soy cuba - Análise crítica
FILIPE NERI
 
O trabalho do assistente social no poder judiciário
O trabalho do assistente social no poder judiciárioO trabalho do assistente social no poder judiciário
O trabalho do assistente social no poder judiciário
FILIPE NERI
 
Jornada de Trabalho e Condições de Trabalho
Jornada de Trabalho e Condições de TrabalhoJornada de Trabalho e Condições de Trabalho
Jornada de Trabalho e Condições de Trabalho
FILIPE NERI
 
Movimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasilMovimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasil
FILIPE NERI
 
Movimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasilMovimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasil
FILIPE NERI
 
Acessibilidade à pessoa com deficiência - Foz do Iguaçu-PR
Acessibilidade à pessoa com deficiência - Foz do Iguaçu-PRAcessibilidade à pessoa com deficiência - Foz do Iguaçu-PR
Acessibilidade à pessoa com deficiência - Foz do Iguaçu-PR
FILIPE NERI
 
Plano de Educação em Direitos Humanos de Fortaleza- Pedhfor
Plano de Educação em Direitos Humanos de Fortaleza- Pedhfor  Plano de Educação em Direitos Humanos de Fortaleza- Pedhfor
Plano de Educação em Direitos Humanos de Fortaleza- Pedhfor
FILIPE NERI
 
Conae2014
Conae2014Conae2014
Conae2014
FILIPE NERI
 
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de MoçambiqueSistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
FILIPE NERI
 

Mais de FILIPE NERI (19)

RESENHA - A condição humana HANNAH ARENDT
RESENHA - A condição humana HANNAH ARENDTRESENHA - A condição humana HANNAH ARENDT
RESENHA - A condição humana HANNAH ARENDT
 
Código ética profissional do Serviço Social 1965
Código ética profissional do Serviço Social 1965Código ética profissional do Serviço Social 1965
Código ética profissional do Serviço Social 1965
 
Parecer jurídico normativo 36 2011 CFESS
Parecer jurídico normativo 36 2011 CFESSParecer jurídico normativo 36 2011 CFESS
Parecer jurídico normativo 36 2011 CFESS
 
Parecer jurídico CFESS 12/98
Parecer jurídico CFESS 12/98Parecer jurídico CFESS 12/98
Parecer jurídico CFESS 12/98
 
O Serviço Social e a tradição Marxista - José Paulo Netto
O Serviço Social e a tradição Marxista - José Paulo NettoO Serviço Social e a tradição Marxista - José Paulo Netto
O Serviço Social e a tradição Marxista - José Paulo Netto
 
APLICABILIDADE DA RESOLUÇÃO CFESS 533/2008
APLICABILIDADE DA RESOLUÇÃO CFESS 533/2008APLICABILIDADE DA RESOLUÇÃO CFESS 533/2008
APLICABILIDADE DA RESOLUÇÃO CFESS 533/2008
 
Serviço social em cuba
Serviço social  em cubaServiço social  em cuba
Serviço social em cuba
 
UNAM/UNILA
UNAM/UNILAUNAM/UNILA
UNAM/UNILA
 
O trabalho do assistente social no centro de referência especializado de assi...
O trabalho do assistente social no centro de referência especializado de assi...O trabalho do assistente social no centro de referência especializado de assi...
O trabalho do assistente social no centro de referência especializado de assi...
 
Germinal - Análise Crítica
Germinal - Análise CríticaGerminal - Análise Crítica
Germinal - Análise Crítica
 
Soy cuba - Análise crítica
Soy cuba - Análise críticaSoy cuba - Análise crítica
Soy cuba - Análise crítica
 
O trabalho do assistente social no poder judiciário
O trabalho do assistente social no poder judiciárioO trabalho do assistente social no poder judiciário
O trabalho do assistente social no poder judiciário
 
Jornada de Trabalho e Condições de Trabalho
Jornada de Trabalho e Condições de TrabalhoJornada de Trabalho e Condições de Trabalho
Jornada de Trabalho e Condições de Trabalho
 
Movimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasilMovimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasil
 
Movimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasilMovimentos de vanguarda no brasil
Movimentos de vanguarda no brasil
 
Acessibilidade à pessoa com deficiência - Foz do Iguaçu-PR
Acessibilidade à pessoa com deficiência - Foz do Iguaçu-PRAcessibilidade à pessoa com deficiência - Foz do Iguaçu-PR
Acessibilidade à pessoa com deficiência - Foz do Iguaçu-PR
 
Plano de Educação em Direitos Humanos de Fortaleza- Pedhfor
Plano de Educação em Direitos Humanos de Fortaleza- Pedhfor  Plano de Educação em Direitos Humanos de Fortaleza- Pedhfor
Plano de Educação em Direitos Humanos de Fortaleza- Pedhfor
 
Conae2014
Conae2014Conae2014
Conae2014
 
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de MoçambiqueSistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
 

Último

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 

Último (20)

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 

SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA

  • 1. GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE NA AMÉRICA LATINA SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE – CUBA
  • 3. DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL EPIDEMIOLÓGICO • População majoritariamente jovem em idade reprodutiva com tendência a padecer de doenças crônicas respiratórias, câncer, problemas cardiovasculares e tumores. Población total (2015) 11,390,000 Território 109.884 km² Ingreso nacional bruto per cápita (en dólares internacionales, 2011) 18,520 Esperanza de vida al nacer h/m (años, 2015) 77/81 Probabilidad de morir entre los 15 y los 60 años, h/m (por 1000 habitantes, 2013) 115/73 Gasto total en salud por habitante ($int, 2013) 1,828 Gasto total en salud como porcentaje del PIB (2013) 11.1 % PIB 68,23 bilhões USD (2011) OMS. Perfil Epidemiológico. 2013 Banco Mundial
  • 4. DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL EPIDEMIOLÓGICO • Constitução de 1901 - inspirada na Constitução dos Estados Unidos • Enmenta Platt • Constitução de 1940 • Constitução Cubana de 1976 Fonte: Anuario Nacional de salud 2015
  • 5. DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL EPIDEMIOLÓGICO • A população cubana está composta por 11.390.000 habitantes, distribuídos em 15 estados e 168 municipios. • A relação de masculindade – biológica – é de 993 homens para 1.000 mulheres. Em números absolutos são 36.853 mulheres a mais que homens • A porcentagem de urbanização é de 76,8%, sendo que 19,4% das pessoas tem 60 anos ou mais de idade. Fonte: Anuario Nacional de salud 2015
  • 6. DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL EPIDEMIOLÓGICO • O nível de reprodução da população é baixo, em 2015 aumentaram os números de nacimentos em 2.421 em ralação ao ano de 2014. • A taxa de natalidade é de 11.1 nascidos vivos por 1.000 habitantes – aumento de 1.8 em ralação aos anos anterioresla. • A taxa de fecundidade geral é de 45.1 nascidos vivos para 1.000 mulheres entre 15 a 49 anos Fonte: Anuario Nacional de salud 2015
  • 7. DADOS DEMOGRÁFICOS/ PERFIL EPIDEMIOLÓGICO Expectativa de vida: 78 anos 4 anos superior à brasileira 14 anos superior à haitiana
  • 8. DETERMINANTES SOCIAIS DE SAÚDE • Os estudos sobre os Determinantes Sociais de Saúde Pública em Cuba servem para encaminhar ações sanitárias eficazes no país. • Não existe um modelo de Determinante Social de Saúde em Cuba, pois cada espaço influi nas condições diferentes que devem conhecer os médicos da família, pois são os que atuam localmente. Fonte: Anuario Nacional de salud 2015
  • 9. CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE CUBANO O QUE É O SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE? “Art. 5º. El Sistema Nacional de Salud es el conjunto de unidades administrativas, de servicios, producción docencia e investigación responsabilizadas con la atención integral de la salud de la población. 3 Estas unidades se encuentran relacionadas entre sí, de acuerdo con el principio de la doble subordinación cuando se trate de unidades dependientes de los órganos locales del Poder Popular, además se relacionan con las organizaciones sociales y de masas.” Fonte: Lei da Saúde Pública – Nº 41, de 13 de julho de 1983
  • 10. PREVISÃO DO DIREITO À SAÚDE O acesso ao sistema de saúde cubano é um direito fundamental do ser humano, sendo dever inalienável do Estado assegura-lo, conforme garante a Constituição da República de Cuba, de 24 de fevereiro de 1976. Artigo 50º - Todos tem direito a que se atenda e proteja sua saúde. O Estado garantirá este direito: 1. Com a prestação de assistência médica e hospitalar gratuita, mediante a rede de instalações de serviços médicos rural, das policlínicas, hospitais, centros preventivos e de tratamento especializado; 2. Com a prestação de assistência estomatológica gratuita; e 3. Com o desenvolvimento dos planos de divulgação sanitária e educação para a saúde, exames médicos periódicos, vacinação geral e outras medidas preventivas das enfermidades. Nestes planos e atividades coopera toda a população através das organizações de massas e sociais.
  • 11. PREVISÃO DO DIREITO À SAÚDE Lei da Saúde Pública – Nº 41, de 13 de julho de 1983.  ART 1º - Estabelece os princípios básicos para a regulação das relações sociais no campo da saúde pública, com o fim de contribuir e garantir a promoção da saúde, a prevenção de enfermidades, o reestabelecimento da saúde, a reabilitação social dos pacientes e a assistência social.  ART 2º - A organização da saúde pública e a prestação dos serviços são realizados pelo Estado cubano através do Ministério de Saúde Pública.
  • 12. PREVISÃO DO DIREITO À SAÚDE  ART 4º - A organização da saúde pública e a prestação dos serviços que a ela correspondem na sociedade cubana se baseiam em nove princípios: No reconhecimento e garantia do direito a saúde pública de toda a população a que se atenda e proteja adequadamente sua saúde em qualquer lugar do território nacional; No caráter estatal das instituições, na gratuidade dos serviços de saúde e da assistência médica, se acordo com as regulações estabelecidas;
  • 13. PREVISÃO DO DIREITO À SAÚDE No caráter social do exercício da medicina, de acordo com os princípios da moral socialista e da ética médica; Na orientação preventiva como uma função altamente priorizada nas ações de saúde; No planejamento socialista; Na correta aplicação dos avanços na ciência e na tecnologia médica global; Na participação ativa e organizada da população nos planejamentos de atividades de saúde pública; Na colaboração internacional no campo da saúde; e Na prestação de ajuda no campo da saúde como um dever internacionalista.
  • 14. POLÍTICAS DE SAÚDE • Cuba conta com 495.609 trabalhadores na área da saúde, que representam 6,8% da população em idade laboral, sendo que 70,6% são mulheres. • A taxa de habitantes por médico é de 127, sendo 28.4 médicos para cada 10 mil habitantes.
  • 15. POLÍTICAS DE SAÚDE • A atenção médica, preventivo-curativa à população se garante e se ofrece atraves das instituições do Sistema Nacional de Saúde, organizadoa por níveis de atenção, de forma ambulatorial e hospitalar, de acordó com o lugar de residência, trabalho ou estudo e necesidades da população. • A atenção médica de urgência se realiza pelos centros assistenciais .
  • 16. POLÍTICA DE SAÚDE • Cuba presta colaboração internacional em saúde para 65 países, inclusive Brasil, sustentando projetos de cooperação e serviços médicos cubanos. • No Brasil o Programa Mais Médicos foi instituído através da Lei 12.871, de 22 de outubro de 2013.
  • 17. SAÚDE DO ESTRANGEIRO A Lei da Saúde Pública de Cuba postula que os cidadãos estrangeiros que residem permanentemente, temporariamente, em trânsito ou visita no território nacional recebem os mesmos cuidados preventivos e curativos que os cidadãos cubanos.
  • 18. CONTROLE SOCIAL A Lei da Saúde Pública de Cuba preconiza que as organizações sociais e de massas, bem como a sociedade científica participem do cuidado da saúde do povo. Existem Comitês de saúde liderados por promotoras comunitárias de saúde, sendo as representantes dos usuários. As quais fazem seguimento aos centros de saúde. Garante ainda que os trabalhadores da saúde participem da elaboração de programas, campanhas, planos ou projetos de saúde, assim como nas atividades de prestação de serviços.
  • 19. PRINCIPAIS AÇÕES E SERVIÇOS • Art. 15 º - As instituições que conformam o Sistema Nacional de Saúde, realizam atividades de educação para a saúde, exames médicos preventivos e periódicos aos trabalhadores submetidos a riscos, que podem ser transmissores de enfermidades pelo tipo de trabalho que realizam. • Art. 18º - Os métodos de diagnóstico que impliquem riscos, se realizram com a aprovação dos pacientes, exceto nos menores de idade ou incapacidade mental, cujos casos requerem a autorização do representante legal. • Fonte: Lei da Saúde Pública – Nº 41, de 13 de julho de 1983
  • 20. PRINCIPAIS AÇÕES E SERVIÇOS • Existem 151 hospitais, sendo que 18% possuem 400 ou mais leitos; 64% possuem entre 100 e 399 leitos; e 18% com menos de 99 leitos. • O Sistema Nacional de Saúde Cubano dispõe de 109 salas de terapia intensiva; 120 áreas intesivas municipais; 451 policlínicas; 110 clínicas estomatológicas; 136 maternidades; 12 institutos de pesquisa; 707 bibliotecas médicas; 147 lares para idosos; 265 casa de avós; 49 serviços de geriatría e 30 centros sociopedagógicos. Além dos serviços de reabilitação integral em todos os níveis de atenção, contando com 420 salas de atenção primária em saúde. • Fonte: Anuário da Saúde 2015.
  • 21. ORGANIZAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE O Sistema de Saúde Cubano – SSC, está estruturado em 4 níveis: 1. Nível Primário – Possui ampla cobertura e baixa complexidade , composto por Equipes de Saúde Básica responsáveis por implementar o Programa de Médico de Família, sendo composta por um médico e um enfermeiro, que trabalham em um consultório responsável por cerca de 800 pessoas residentes nos quarteirões vizinhos. 2. Nível Secundário – Menor cobertura com maior complexidade, fazem parte os hospitais regionais e municipais, para onde os doentes são encaminhados, quando o Nível Primário é insuficiente para a resolução do seu problema
  • 22. ORGANIZAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE 3. Nível Terciário – Quando o internamento acontece para diagnóstico e/ou tratamento. 4. Nível Quaternário – quando a condição do usuário requer Unidade de Tratamentos Intensivos. Os níveis Terciário e Quaternário, da cobertura mínima a complexidade máxima, ocorrem quando há necessidade de internamento. Fonte: www.infomed.sld.cu
  • 24. MORTES E TAXAS DE MORTALIDADE SEGUNDO GRUPO DE IDADE 2005/20158293 7681 7743 7760 7840 7790 7379 7605 7563 7281 7400 14153 13829 14146 14339 14397 14830 14168 14943 15512 16091 16889 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 15-49 ANOS 50-64 ANOS Fonte: Anuário Estatístico de Saúde - 2015
  • 25. MORTES E TAXAS DE MORTALIDADE SEGUNDO SEXO 2005 – 201545878 43875 44033 46271 46626 49080 46554 48348 49706 51918 53810 38946 36956 37894 40152 40314 41985 40490 41024 42567 44412 45884 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 HOMEM MULHER Fonte: Anuário Estatístico de Saúde - 2015
  • 26. MORTES E TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL DO MENOR DE 1 ANO SEGUNDO SEXO 2005 – 2015/ 1.000 NV6.6 5.7 5.7 5.1 5.2 5.3 5.5 5.2 4.5 4.9 4.6 5.7 4.9 4.8 4.3 4.4 3.7 4.3 4 3.9 3.5 3.9 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 MASCULINO FEMININO Fonte: Anuário Estatístico de Saúde - 2015
  • 27. MORTES E TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL DO MENOR DE 5 ANOS SEGUNDO SEXO 2005 – 2015/ 1.000 NV8.7 7.5 7.2 6.6 6.8 6.7 6.6 6.6 6.4 6.5 6.2 7.3 6.6 6.2 5.7 5.3 4.7 5.4 5.2 5 4.9 5.2 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 MASCULINO FEMININO Fonte: Anuário Estatístico de Saúde - 2015
  • 28. MORTES E TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL DO MENOR DE 5 ANOS SEGUNDO SEXO 2005 – 2015/ 1.000 NV Fonte: Anuário Estatístico de Saúde – 2015 Fonte: IBGE, Projeção da População do Brasil – 2013 Fonte: CIA World Factbook • Sobre a taxa de mortalidade infantil, podemos observar que nas crianças do sexo masculino o índice é superior ao feminino. • O índice de mortalidade infantil é menos de cinco a cada mil nascimentos. No Brasil, o índice chega a 13.82, nos Estados Unidos 6,17.
  • 29. PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EM TODAS AS IDADES 2000 – 2014 – 2015 CAUSA 2000 2014 2015 ENFERMIDADES DO CORAÇÃO 20.258 23.919 24.497 TUMORES MALÍGNOS 16.426 23.848 24.131 ENFERMIDADES CEREBROVASCULARES 8.143 9.324 9.276 ENFLUENZA E PNEUMONIA 5.735 5.874 7.096 ACIDENTES 4.955 5.359 5.421 ENFERMIDADES CRÔNICAS DAS VIAS RESPIRATÓRIAS INFERIORES 2.347 3.977 4.217 ENFERMIDADES DAS ARTÉRIAS, ARTERÍOLAS E VASOS CAPILARES 3.687 2.796 2.863 DIABETES MELLITOS 1.490 2.274 2.254 CIRROSES E OUTRAS ENFERMIDADES CRÔNICAS DO FÍGADO 988 1.433 1.506 LESÕES AUTO-INFLIGIDAS INTENSIONALMENTE 1.845 1454 1.492
  • 30. PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EM TODAS AS IDADES 2000 – 2014 – 2015 • Em 10 dos 16 territórios do país, se mantém a morte por tumores malígnos como primeira causa de morte. Aumentaram as taxas de mortalidade para todas as causas, exceto para a diabetes millitus e as enfermedades cerebrovasculares. • Segundo sexo, a taxa de mortalidade masculina é quatro vezes superior a feminina para morte por lesões auto-infligidas intencionalmente; 3,7 vezes maior para a cirrose e outras enfermidades crônicas do fígado; 1,4 vezes superior para os tumores malígnos; 1,2 vezes maior para as enfermidades crônicas das vías respiratórias inferiores; e 1,1 vezes superior nas enfermidades do coração.
  • 31. PRINCIPAIS CAUSAS DE MORTE EM TODAS AS IDADES 2000 – 2014 – 2015 • Igualam-se as taxas de mortalidade por sexo para as enfermidades cerebrovasculares, a influenza e pneumonia e as enfermidades das artérias, arteríolas e vasos capilares. • Há um excesso de mortalidade para o sexo feminino na morte por diabetes mellitus.
  • 32. MORTALIDADE - MATERNA • A taxa de mortalidade materna no ano de 2015 foi de 41,6 mortes para cada 100 mil nascidos vivos. • As taxas de mortalidade materna por suas causas diretas e indiretas aumentaram e decresceram as taxas de mortalidade materna tardia. • Definição de maternidade tardia: É a morte de uma mulher por causas diretas ou indiretas, depois de 42 días, porém antes de um ano de término do parto.
  • 33. FORMAÇÃO PROFISIONAL • A formação na área da saúde ocorre em 13 universidades e 25 faculdades de ciências médicas; 4 faculdades de estomatología; 1 de enfermagem; 1 de tecnología da saúde; 3 de tecnologia e enfermagem; 15 filiáis de ciências médicas; 1 Escola Latino-Americana de Medicina; e 1 Escola Nacional de Saúde Pública.
  • 34. VIDEO