SlideShare uma empresa Scribd logo
SAÚDE DE QUALIDADE: A PROMOÇÃO
DA SAÚDE NA PERSPECTIVA DA UNITA
Artigo 25°
1. Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe
assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente
quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência
médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito
à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na
velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por
circunstâncias independentes da sua vontade.
2. A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência
especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio,
gozam da mesma proteção social.
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
Artigo 12
§1. Os Estados-partes no presente Pacto reconhecem o direito de toda pessoa de desfrutar o
mais elevado nível de saúde física e mental.
§2. As medidas que os Estados-partes no presente Pacto deverão adotar, com o fim de
assegurar o pleno exercício desse direito, incluirão as medidas que se faç am necessárias para
assegurar:
1. A diminuiç ão da mortinatalidade e da mortalidade infantil, bem como o
desenvolvimento são das crianç as.
2. A melhoria de todos os aspectos de higiene do trabalho e do meio ambiente.
3. A prevenç ão e o tratamento das doenç as epidêmicas, endêmicas, profissionais
e outras, bem como a luta contra essas doenç as.
4. A criaç ão de condiç ões que assegurem a todos assistência médica e serviç os
médicos em caso de enfermidade.
Pacto Internacional dos Direitos Econômicos,
Sociais e Culturais
A Conferência de Alma-Ata (1978)reafirmou enfaticamente que a
saúde – estado de completo bem-estar físico, mental e social, e
não simplesmente a ausência de doença ou enfermidade – é um
direito humano fundamental, e a consecução do mais elevado
nível de saúde é a mais importante meta social mundial, e
conclamou os Estados a juntos trabalharem no sentido de
assegurar
SAÚDE PARA TODOS NO ANO 2000
A promoção e protecção da saúde dos
povos é essencial para o contínuo
desenvolvimento económico e social e
contribui para a melhor qualidade da
vida e para a paz mundial.
Os governos têm responsabilidade pela saúde da sua
população,
implicando a adopção de medidas sanitárias e sociais
adequadas para alcançar um nível de saúde que lhes permita
levar uma vida social e economicamente produtiva.
Os cuidados de saúde primários constituem a chave para
que essa meta seja atingida, através do desenvolvimento
e do espírito da justiça social.
DECLARAÇÃO DE ALMA - ATA
Os cuidados primários de saúde :
Reflectem, e a partir delas evoluem, as condições
económicas e as características socioculturais e políticas do
país e suas comunidades, e baseiam-se na aplicação de
resultados relevantes de pesquisa social, biomédica e de
serviços da saúde, e da experiência em saúde pública.
Têm em vista os problemas de saúde da comunidade,
proporcionando serviços de promoção, prevenção, cura e
reabilitação, conforme as necessidades.
Os Cuidados Primários incluem:
●
Educação em relação a problemas
prevalecentes de saúde e a métodos para sua prevenção e controlo,
●
Promoção da distribuição de alimentos e da nutrição apropriada,
●
Provisão adequada de água de boa qualidade e saneamento básico,
●
Cuidados de saúde materna e infantil, incluindo o planeamento familiar,
●
Imunização contra as principais doenças infecciosas, prevenção e
●
Controlo de doenças endémicas, tratamento adequado de doenças e
lesões comuns, e fornecimento de medicamentos essenciais.
CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE
Todos os governos devem formular políticas, estratégias e
planos nacionais de acção, para lançar e sustentar os
cuidados de saúde primários em coordenação com outros
sectores.
Isso implica, acima de tudo, agir com vontade política,
mobilizar os recursos do país e utilizar racionalmente os
recursos externos disponíveis.
A saúde é um recurso da maior importância para o
desenvolvimento social, económico e pessoal e uma dimensão
importante da qualidade de vida.
No seu conjunto, os factores políticos, económicos, sociais,
culturais, ambientais, comportamentais e biológicos podem ser
favoráveis ou nocivos à saúde. A promoção da saúde visa tornar
estes factores favoráveis à saúde, por meio da advocacia da
saúde.
CARTA DE OTTAWA, 1986
A promoção da saúde centra-se na procura da equidade em saúde.
A promoção da saúde pretende reduzir as desigualdades existentes
nos níveis de saúde das populações e assegurar a igualdade de
oportunidades e recursos, com vista a capacitá-las para a completa
realização do seu potencial de saúde. Para atingir este objectivo,
torna-se necessária uma sólida implantação num meio favorável,
acesso à informação, estilos de vida e oportunidades que permitam
opções saudáveis. As populações não podem realizar totalmente o
seu potencial de saúde sem que sejam capazes de controlar os
factores que a determinam
Artigo 77.º
(Saúde e protecção social)
1. O Estado promove e garante as medidas necessárias para assegurar a todos o direito à
assistência médica e sanitária, bem como o direito à assistência na infância, na
maternidade, na invalidez, na deficiência, na velhice e em qualquer situação de
incapacidade para o trabalho, nos termos da lei.
2. Para garantir o direito à assistência médica e sanitária incumbe ao Estado:
a) Desenvolver e assegurar a funcionalidade de um serviço de saúde em
todo o território nacional;
b) Regular a produção, distribuição, comércio e o uso dos produtos
químicos, biológicos, farmacêuticos e outros meios de tratamento e
diagnóstico;
c) Incentivar o desenvolvimento do ensino médico-cirúrgico e da
investigação médica e de saúde.
3. A iniciativa particular e cooperativa nos domínios da saúde, previdência e
segurança social é fiscalizada pelo Estado e exerce-se nas condições previstas
por lei.
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA 2010
• Elevada taxa de mortalidade infantil, impulsionada, na maior
parte dos casos, por doenças passíveis de prevenção como as
doenças diarreicas agudas e doenças respiratórias agudas.
• Elevada taxa de mortalidade materna, por inadequada assistência
à gravidez e ao parto. O parto domiciliar é ainda muito comum e
as consultas pré-natais não são acessíveis a muitas mulheres,
por ineficácia do programa de saúde reprodutiva.
• Elevada morbilidade e mortalidade por doenças infecciosas, em
especial a malária, fruto, sobretudo, do deficiente saneamento
básico e acesso à água potável.
Grandes Questões de Saúde em Angola
Grandes Questões de Saúde em Angola
• O número de doentes com HIV/SIDA continua a crescer
sugerindo uma inadequação do Programa Nacional de Luta
contra o SIDA (PNLS).
• As doenças não infecciosas como a Hipertensão Arterial e
outras doenças cardiovasculares, Diabetes Mellitus e doenças
cancerígenas, afectam um número cada vez maior de
angolanos provocando mortes e incapacidades que
representam um peso enorme para a sociedade.
• Não existe um programa específico para abordagem destas
patologias como problema de saúde pública.
• A rede sanitária do país (postos médicos, centros de saúde,
hospitais) é limitada do ponto de vista estrutural e funcional e está
mal distribuída do ponto de vista geográfico. Isto dificulta o acesso
à saúde para a maioria da população que dela necessita.
• A ineficácia da rede faz com que o recurso ao estrangeiro para
tratamento e diagnóstico seja frequente, acarretando elevados
custos para os cofres públicos. O recurso ao estrangeiro levanta
sérias questões de equidade, pois, poucas pessoas têm acesso à
Junta de Saúde para o efeito.
• O modelo de gestão das unidades hospitalares é arcaico, favorece
a ineficácia e a corrupção e deve, por isso, ser repensado.
Grandes Questões de Saúde em Angola
• Recursos humanos insuficientes e a carecerem de formação
especializada. Existem ainda sérios problemas na definição das
carreiras em saúde, sobretudo no que diz respeito à
enfermagem e outras carreiras técnicas em saúde.
• Além da escassez de quadros técnicos, observa-se uma
distribuição desigual destes pelo território nacional. Por
exemplo, em relação aos médicos sabe-se que 85% estão
colocados em Luanda e nas capitais de província e só 15%
norestante território.
• A política remuneratória do sector é ainda ineficaz obrigando os
profissionais a prestarem serviço simultaneamente no sector
privado, o que compromete, em muitos casos, o seu
desempenho.
Grandes Questões de Saúde em Angola
Financiamento da Saúde:
Angola gasta aproximadamente US$ 72 per capita em saúde, o que é
mais ou menos igual à média regional.
Diferentemente do resto da região o financiamento público domina
com 80% e Angola depende menos do financiamento de doadores
(apenas 7% dos gastos totais na saúde, enquanto que a média
regional é de 22%).
O financiamento público da atenção primária à saúde aumentou
dramaticamente (415%) de 2000 a 2005. Porém o gasto público na
saúde em geral ainda encontra-se a níveis baixos, 5% do gasto
público, muito inferior à média regional de 9.6%.
Abordagem holística no âmbito do combate à pobreza,
aperfeiçoamento dos sistemas de previdência e segurança social
e ampliação e massificação do acesso à saúde.
É necessário ampliar significativamente a actual taxa de
cobertura dos serviços de saúde que anda a volta de 45%
A estratégia deve privilegiar os cuidados primários de saúde tal
como preconiza a Declaração de Alma Ata
Propostas de Solução das Questões em Saúde
• É necessário repensar o Sistema Nacional de Saúde de maneira
a tornar a rede primária, secundária e terciária do sector público
eficiente e, sobretudo facilmente acessível a todos os cidadãos
angolanos.
(As melhores clínicas devem ser os hospitais públicos)
• Deve ser considerada a necessidade de elevação da quota
orçamental para o sector de saúde assim como a criação de
fundos especializados para o fomento da saúde. A meta de 15%
assumida em Abuja tem que ser alcançada.
• No âmbito da reforma do sistema de segurança social, conceber
formas de coparticipação dos cidadãos nos custos com a saúde
sem que isso represente um peso adicional ao orçamento
familiar.
Propostas de Solução das Questões em Saúde
• Investir na ampliação da rede sanitária do país numa perspectiva
geográfica que permita o acesso a serviços diferenciados de saúde a todos
os cidadãos angolanos.
• É possível reduzir gastos com a saúde no exterior operacionalizando a
abertura de serviços diferenciados nas unidades hospitalares públicas. Um
exemplo disso é a hemodiálise. Com a abertura de serviços de hemodiálise
em Luanda reduziram-se, com certeza, os gastos com saúde no exterior.
É possível abrir outros serviços e estendê-los as províncias.
• Uma das questões a ter em conta é o modelo de gestão das unidades
hospitalares. Será necessário optar por modelos que garantam eficácia e
evitem a corrupção.
• Investir fortemente na formação de pessoal diferenciado e estabelecer um
sistema remuneratório especial que dignifique e estimule as diferentes
carreiras em saúde.
• Aperfeiçoar o sistema de formação, particularmente a formação
continuada
Propostas de Solução das Questões em Saúde
• Incentivar a investigação científica em problemas de saúde
reforçando programas especializados e estimulando as instituições
académicas.
• Definir como prioridade nacional o combate às grandes endemias
particularmente a malária, a tuberculose e a tripanossomíase
(doença do sono) alocando os recursos necessários para alcançar
este objectivo.
• Definir como prioridade nacional o combate ao VIH/SIDA
reavaliando o programa nacional de luta contra o SIDA (PNLS) com
vista a torná-lo mais eficaz e abrangente.
• Implantar um programa de abordagem de doenças crónicas não
infecciosas, devendo considerar-se a possibilidade de subsídios aos
medicamentos necessários para o tratamento dessas doenças.
Propostas de Solução das Questões em Saúde
• Definir como prioridade a assistência materna e infantil,
implantando um programa eficaz de saúde reprodutiva e
assistência à infância.
• Reforçar os programas de vacinação ampliando a cobertura e
introduzindo algumas novas vacinas, como por exemplo a
hepatite B e C
Propostas de Solução das Questões em Saúde
A UNITA entende que as reformas urgentes que o sector de
saúde reclama só podem ser conduzidas com sucesso no
âmbito de uma mudança mais ampla que inclui o regime
político vigente e que seja capaz de resgatar o processo
democrático em Angola que assiste presentemente graves
retrocessos.
As reformas com as quais a UNITA se compromete para
reverter a crise actual que o sector de saúde experimenta
devem ser vistas nesta perspectiva mais ampla de mudança
e/ou alternância de poder, pois só desse modo se pode repor
nos carris o processo democrático.
A democratização efectiva do país é condição imprescendível para
ampliação da participação cidadã nos problemas comunitários,
incisivamente defendida pela filosofia dos cuidados de saúde
primários.
Particularmmente, o estabelecimento das autarquias, se
concebidas de forma genuína, permitiria uma descentralização
administrativa mais ampla e uma autonomização mais alargada
das comunidades em aspectos fulcrais de saúde pública o que
ajudaria a debelar a presente crise do sector.
Assim, em nosso entender, as propostas aqui resumidas só podem
ser eficazes se implementadas em ambiente político apropriado,
isto é, num clima em que o pluralismo político seja uma
realidade insofismável, de plena participação dos cidadãos na
abordagem das questões que lhes dizem respeito o que
pressupõe, desde já, a afirmação do poder local consubstanciado
nas autarquias.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilPolíticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Marciane Missio
 
Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1
mariagoretisilva
 
Plano feminização versão revisada 2011
Plano feminização versão revisada 2011Plano feminização versão revisada 2011
Plano feminização versão revisada 2011
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Joana9.4
Joana9.4Joana9.4
Joana9.4
Mayjö .
 
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSSAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
Valdirene1977
 
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencasPromocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
karol_ribeiro
 
Promocaosaude políticas
Promocaosaude políticasPromocaosaude políticas
Promocaosaude políticas
Marcos Nery
 
12.2.8. #2 santana_etal_
12.2.8. #2 santana_etal_12.2.8. #2 santana_etal_
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBASISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
FILIPE NERI
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
Tereza Cristina
 
Política nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homemPolítica nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homem
eriiclima
 
Política nacional de promoção da saúde trabalho pronto
Política nacional de promoção da saúde trabalho prontoPolítica nacional de promoção da saúde trabalho pronto
Política nacional de promoção da saúde trabalho pronto
samuelcostaful
 
Indicadores do estado de saude de uma população
Indicadores do estado de saude de uma populaçãoIndicadores do estado de saude de uma população
Indicadores do estado de saude de uma população
Carla Brites
 
La cus un derecho de todos y todas, experiencia en brasil
La cus un derecho de todos y todas, experiencia en brasilLa cus un derecho de todos y todas, experiencia en brasil
La cus un derecho de todos y todas, experiencia en brasil
Leticia Dionizio
 
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Faculdade União das Américas
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
Taísa Vilela
 
Desigualdades no acesso a saúde
Desigualdades no acesso a saúde Desigualdades no acesso a saúde
Desigualdades no acesso a saúde
Fundação de Economia e Estatística
 
Políticas de saúde do homem
Políticas de saúde do homemPolíticas de saúde do homem
Políticas de saúde do homem
Eduardo Jorge Sant'Ana Honorato
 
Politicas de saude bucal
Politicas de saude bucalPoliticas de saude bucal
Politicas de saude bucal
Lucas Almeida Sá
 

Mais procurados (20)

Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no BrasilPolíticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
Políticas Públicas de Saúde da Mulher no Brasil
 
Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1
 
Plano feminização versão revisada 2011
Plano feminização versão revisada 2011Plano feminização versão revisada 2011
Plano feminização versão revisada 2011
 
Joana9.4
Joana9.4Joana9.4
Joana9.4
 
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOSSAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
SAÚDE INFANTIL: INCLUSÃO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS
 
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
Política Nacional de Atenção Integral à SAÚDE do HOMEM
 
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencasPromocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
 
Promocaosaude políticas
Promocaosaude políticasPromocaosaude políticas
Promocaosaude políticas
 
12.2.8. #2 santana_etal_
12.2.8. #2 santana_etal_12.2.8. #2 santana_etal_
12.2.8. #2 santana_etal_
 
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBASISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
 
Política nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homemPolítica nacional de atenção à saúde do homem
Política nacional de atenção à saúde do homem
 
Política nacional de promoção da saúde trabalho pronto
Política nacional de promoção da saúde trabalho prontoPolítica nacional de promoção da saúde trabalho pronto
Política nacional de promoção da saúde trabalho pronto
 
Indicadores do estado de saude de uma população
Indicadores do estado de saude de uma populaçãoIndicadores do estado de saude de uma população
Indicadores do estado de saude de uma população
 
La cus un derecho de todos y todas, experiencia en brasil
La cus un derecho de todos y todas, experiencia en brasilLa cus un derecho de todos y todas, experiencia en brasil
La cus un derecho de todos y todas, experiencia en brasil
 
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
Trabalho sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Desigualdades no acesso a saúde
Desigualdades no acesso a saúde Desigualdades no acesso a saúde
Desigualdades no acesso a saúde
 
Políticas de saúde do homem
Políticas de saúde do homemPolíticas de saúde do homem
Políticas de saúde do homem
 
Politicas de saude bucal
Politicas de saude bucalPoliticas de saude bucal
Politicas de saude bucal
 

Destaque

Boletim Maio 2013
Boletim Maio 2013Boletim Maio 2013
Boletim Maio 2013
willams
 
Apresentação das palestras da FECOMÉRCIO sobre E-Commerce
Apresentação das palestras da FECOMÉRCIO sobre E-CommerceApresentação das palestras da FECOMÉRCIO sobre E-Commerce
Apresentação das palestras da FECOMÉRCIO sobre E-Commerce
Priscila Stuani
 
Apostila ms project 2007 - pet eng. civil ufpr
Apostila   ms project 2007 - pet eng. civil ufprApostila   ms project 2007 - pet eng. civil ufpr
Apostila ms project 2007 - pet eng. civil ufpr
David Pericles Bitencourt
 
Servicios Integrales de Salud para Adolescentes (referencia y contrareferencia)
Servicios Integrales de Salud para Adolescentes (referencia y contrareferencia)Servicios Integrales de Salud para Adolescentes (referencia y contrareferencia)
Servicios Integrales de Salud para Adolescentes (referencia y contrareferencia)
INPPARES / Perú
 
Boletim Dezembro 2012
Boletim Dezembro 2012Boletim Dezembro 2012
Boletim Dezembro 2012
willams
 
Campaña Nacional de Salud en Planificación Familiar. Paquetes de Clínica Central
Campaña Nacional de Salud en Planificación Familiar. Paquetes de Clínica CentralCampaña Nacional de Salud en Planificación Familiar. Paquetes de Clínica Central
Campaña Nacional de Salud en Planificación Familiar. Paquetes de Clínica Central
INPPARES / Perú
 
Boletim Janeiro 2013
Boletim Janeiro 2013Boletim Janeiro 2013
Boletim Janeiro 2013
willams
 
InternPosterPresent
InternPosterPresentInternPosterPresent
InternPosterPresent
Jason Kanowitz
 
Descenso del rio sella y el deva
Descenso del rio sella y el devaDescenso del rio sella y el deva
Descenso del rio sella y el deva
marcos diaz
 
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - ObesidadeTranstornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
MAURILIO LUIELE
 
Tafseerefuraat1
Tafseerefuraat1Tafseerefuraat1
Tafseerefuraat1
Sarkash Tehri
 
Género y Respuesta al VIH - Sra. Terhi Aaltonen (ONUSIDA - Perú)
Género y Respuesta al VIH - Sra. Terhi Aaltonen (ONUSIDA - Perú)Género y Respuesta al VIH - Sra. Terhi Aaltonen (ONUSIDA - Perú)
Género y Respuesta al VIH - Sra. Terhi Aaltonen (ONUSIDA - Perú)
INPPARES / Perú
 
Boletim Abril 2014
Boletim Abril 2014Boletim Abril 2014
Boletim Abril 2014
willams
 
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerraColóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
MAURILIO LUIELE
 
Sesión 5
Sesión 5Sesión 5
Sesión 5
robertomv
 
Sheikh sadooq ilalul sharaie - volume i
Sheikh sadooq   ilalul sharaie - volume iSheikh sadooq   ilalul sharaie - volume i
Sheikh sadooq ilalul sharaie - volume iSarkash Tehri
 
Cracking Biz PowerPoint
Cracking Biz PowerPointCracking Biz PowerPoint
Cracking Biz PowerPoint
Zhenzhong (Marc) Yan
 
SOPHIE&SAM 14AW LOOKBOOK
SOPHIE&SAM 14AW LOOKBOOKSOPHIE&SAM 14AW LOOKBOOK
SOPHIE&SAM 14AW LOOKBOOK
SophieSam SophieSam
 
Syene Corporate - O Primeiro Green Building Corporativo do Norte e Nordeste.
Syene Corporate - O Primeiro Green Building Corporativo do Norte e Nordeste.Syene Corporate - O Primeiro Green Building Corporativo do Norte e Nordeste.
Syene Corporate - O Primeiro Green Building Corporativo do Norte e Nordeste.
Syene Empreendimentos
 

Destaque (20)

Boletim Maio 2013
Boletim Maio 2013Boletim Maio 2013
Boletim Maio 2013
 
Apresentação das palestras da FECOMÉRCIO sobre E-Commerce
Apresentação das palestras da FECOMÉRCIO sobre E-CommerceApresentação das palestras da FECOMÉRCIO sobre E-Commerce
Apresentação das palestras da FECOMÉRCIO sobre E-Commerce
 
Apostila ms project 2007 - pet eng. civil ufpr
Apostila   ms project 2007 - pet eng. civil ufprApostila   ms project 2007 - pet eng. civil ufpr
Apostila ms project 2007 - pet eng. civil ufpr
 
Servicios Integrales de Salud para Adolescentes (referencia y contrareferencia)
Servicios Integrales de Salud para Adolescentes (referencia y contrareferencia)Servicios Integrales de Salud para Adolescentes (referencia y contrareferencia)
Servicios Integrales de Salud para Adolescentes (referencia y contrareferencia)
 
Boletim Dezembro 2012
Boletim Dezembro 2012Boletim Dezembro 2012
Boletim Dezembro 2012
 
Campaña Nacional de Salud en Planificación Familiar. Paquetes de Clínica Central
Campaña Nacional de Salud en Planificación Familiar. Paquetes de Clínica CentralCampaña Nacional de Salud en Planificación Familiar. Paquetes de Clínica Central
Campaña Nacional de Salud en Planificación Familiar. Paquetes de Clínica Central
 
Boletim Janeiro 2013
Boletim Janeiro 2013Boletim Janeiro 2013
Boletim Janeiro 2013
 
InternPosterPresent
InternPosterPresentInternPosterPresent
InternPosterPresent
 
Descenso del rio sella y el deva
Descenso del rio sella y el devaDescenso del rio sella y el deva
Descenso del rio sella y el deva
 
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - ObesidadeTranstornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
 
Tafseerefuraat1
Tafseerefuraat1Tafseerefuraat1
Tafseerefuraat1
 
Género y Respuesta al VIH - Sra. Terhi Aaltonen (ONUSIDA - Perú)
Género y Respuesta al VIH - Sra. Terhi Aaltonen (ONUSIDA - Perú)Género y Respuesta al VIH - Sra. Terhi Aaltonen (ONUSIDA - Perú)
Género y Respuesta al VIH - Sra. Terhi Aaltonen (ONUSIDA - Perú)
 
Boletim Abril 2014
Boletim Abril 2014Boletim Abril 2014
Boletim Abril 2014
 
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerraColóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
 
Anti amemia drug
Anti amemia drugAnti amemia drug
Anti amemia drug
 
Sesión 5
Sesión 5Sesión 5
Sesión 5
 
Sheikh sadooq ilalul sharaie - volume i
Sheikh sadooq   ilalul sharaie - volume iSheikh sadooq   ilalul sharaie - volume i
Sheikh sadooq ilalul sharaie - volume i
 
Cracking Biz PowerPoint
Cracking Biz PowerPointCracking Biz PowerPoint
Cracking Biz PowerPoint
 
SOPHIE&SAM 14AW LOOKBOOK
SOPHIE&SAM 14AW LOOKBOOKSOPHIE&SAM 14AW LOOKBOOK
SOPHIE&SAM 14AW LOOKBOOK
 
Syene Corporate - O Primeiro Green Building Corporativo do Norte e Nordeste.
Syene Corporate - O Primeiro Green Building Corporativo do Norte e Nordeste.Syene Corporate - O Primeiro Green Building Corporativo do Norte e Nordeste.
Syene Corporate - O Primeiro Green Building Corporativo do Norte e Nordeste.
 

Semelhante a Promoção da saúde na perspectiva da UNITA

Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
triagemneonatalce
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
DboraCatarina3
 
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxAULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
CarlaAlves362153
 
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúdeGeoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Josi Iparraguirre
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
JessiellyGuimares
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Juliana Cavalcante
 
Genética na atenção primária à saúde
Genética na atenção primária à saúdeGenética na atenção primária à saúde
Genética na atenção primária à saúde
Hector Wanderley
 
Cartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministaCartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feminista
deborawilbert
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
AlinneFreitas4
 
Joaomachado9.3
Joaomachado9.3Joaomachado9.3
Joaomachado9.3
Mayjö .
 
Bases legais na saúde pública
Bases legais na saúde públicaBases legais na saúde pública
Bases legais na saúde pública
bel_c
 
Sus pas-2013
Sus pas-2013Sus pas-2013
Sus pas-2013
Fabio Junqueira
 
1679067885334.pptxxcmz bcmzmbzbzbbzbbzbzbz
1679067885334.pptxxcmz bcmzmbzbzbbzbbzbzbz1679067885334.pptxxcmz bcmzmbzbzbbzbbzbzbz
1679067885334.pptxxcmz bcmzmbzbzbbzbbzbzbz
pamelacastro71
 
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da SaúdeManual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Ministério Público de Santa Catarina
 
Alma ata[1]
Alma ata[1]Alma ata[1]
Alma ata[1]
Larissa Araújo
 
A0 declaração de alma ata
A0 declaração de alma ataA0 declaração de alma ata
A0 declaração de alma ata
Cepedoc FSP USP
 
TextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdfTextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdf
MarrhySilvaSantos
 
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptxPOLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
VivianePereira485260
 
O sistema de saúde brasileiro_ história, avanços e desafios.pdf
O sistema de saúde brasileiro_ história, avanços e desafios.pdfO sistema de saúde brasileiro_ história, avanços e desafios.pdf
O sistema de saúde brasileiro_ história, avanços e desafios.pdf
BrenodeOliveiraFerre
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
Rayanethaynarasantos2
 

Semelhante a Promoção da saúde na perspectiva da UNITA (20)

Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxAULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
 
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúdeGeoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
Geoci mari iparraguirre martins rodrigues trabalho promoção em saúde
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
 
Genética na atenção primária à saúde
Genética na atenção primária à saúdeGenética na atenção primária à saúde
Genética na atenção primária à saúde
 
Cartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feministaCartilha saude-materna-rede-feminista
Cartilha saude-materna-rede-feminista
 
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdfSAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
SAÚDE COLETIVA AULA1.pdf
 
Joaomachado9.3
Joaomachado9.3Joaomachado9.3
Joaomachado9.3
 
Bases legais na saúde pública
Bases legais na saúde públicaBases legais na saúde pública
Bases legais na saúde pública
 
Sus pas-2013
Sus pas-2013Sus pas-2013
Sus pas-2013
 
1679067885334.pptxxcmz bcmzmbzbzbbzbbzbzbz
1679067885334.pptxxcmz bcmzmbzbzbbzbbzbzbz1679067885334.pptxxcmz bcmzmbzbzbbzbbzbzbz
1679067885334.pptxxcmz bcmzmbzbzbbzbbzbzbz
 
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da SaúdeManual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
 
Alma ata[1]
Alma ata[1]Alma ata[1]
Alma ata[1]
 
A0 declaração de alma ata
A0 declaração de alma ataA0 declaração de alma ata
A0 declaração de alma ata
 
TextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdfTextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdf
 
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptxPOLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
POLÍTICA NACIONAL DA SAÚDE DO IDOSO CERTO.pptx
 
O sistema de saúde brasileiro_ história, avanços e desafios.pdf
O sistema de saúde brasileiro_ história, avanços e desafios.pdfO sistema de saúde brasileiro_ história, avanços e desafios.pdf
O sistema de saúde brasileiro_ história, avanços e desafios.pdf
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
 

Mais de MAURILIO LUIELE

Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do MelanomaSíntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
MAURILIO LUIELE
 
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINAEDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
MAURILIO LUIELE
 
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITANOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
MAURILIO LUIELE
 
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIAO PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
MAURILIO LUIELE
 
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITADIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
MAURILIO LUIELE
 
Publico privado saude_angola
Publico privado saude_angolaPublico privado saude_angola
Publico privado saude_angola
MAURILIO LUIELE
 
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
MAURILIO LUIELE
 
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase EnergéticaPapel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
MAURILIO LUIELE
 
Educação Online e Formação Contínua em Medicina
Educação Online e Formação Contínua em MedicinaEducação Online e Formação Contínua em Medicina
Educação Online e Formação Contínua em Medicina
MAURILIO LUIELE
 
Saude unita visao
Saude unita visaoSaude unita visao
Saude unita visao
MAURILIO LUIELE
 
Fluxo energia materia_ecossistemas
Fluxo energia materia_ecossistemasFluxo energia materia_ecossistemas
Fluxo energia materia_ecossistemas
MAURILIO LUIELE
 
Saude unita visa_opp
Saude unita visa_oppSaude unita visa_opp
Saude unita visa_opp
MAURILIO LUIELE
 
INTERATIVIDADE
INTERATIVIDADEINTERATIVIDADE
INTERATIVIDADE
MAURILIO LUIELE
 
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
MAURILIO LUIELE
 
Educação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
Educação Online e a Formação do Sujeito da IncertezaEducação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
Educação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
MAURILIO LUIELE
 
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - DesafiosCibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
MAURILIO LUIELE
 
Construção de Conhecimento em Educação Online
Construção de Conhecimento em Educação OnlineConstrução de Conhecimento em Educação Online
Construção de Conhecimento em Educação Online
MAURILIO LUIELE
 
Estilos atividade1 maurilio
Estilos atividade1 maurilioEstilos atividade1 maurilio
Estilos atividade1 maurilio
MAURILIO LUIELE
 

Mais de MAURILIO LUIELE (18)

Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do MelanomaSíntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
 
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINAEDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
 
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITANOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
 
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIAO PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
 
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITADIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
 
Publico privado saude_angola
Publico privado saude_angolaPublico privado saude_angola
Publico privado saude_angola
 
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
 
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase EnergéticaPapel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
 
Educação Online e Formação Contínua em Medicina
Educação Online e Formação Contínua em MedicinaEducação Online e Formação Contínua em Medicina
Educação Online e Formação Contínua em Medicina
 
Saude unita visao
Saude unita visaoSaude unita visao
Saude unita visao
 
Fluxo energia materia_ecossistemas
Fluxo energia materia_ecossistemasFluxo energia materia_ecossistemas
Fluxo energia materia_ecossistemas
 
Saude unita visa_opp
Saude unita visa_oppSaude unita visa_opp
Saude unita visa_opp
 
INTERATIVIDADE
INTERATIVIDADEINTERATIVIDADE
INTERATIVIDADE
 
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
 
Educação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
Educação Online e a Formação do Sujeito da IncertezaEducação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
Educação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
 
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - DesafiosCibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
 
Construção de Conhecimento em Educação Online
Construção de Conhecimento em Educação OnlineConstrução de Conhecimento em Educação Online
Construção de Conhecimento em Educação Online
 
Estilos atividade1 maurilio
Estilos atividade1 maurilioEstilos atividade1 maurilio
Estilos atividade1 maurilio
 

Promoção da saúde na perspectiva da UNITA

  • 1. SAÚDE DE QUALIDADE: A PROMOÇÃO DA SAÚDE NA PERSPECTIVA DA UNITA
  • 2. Artigo 25° 1. Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e tem direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade. 2. A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozam da mesma proteção social. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS
  • 3. Artigo 12 §1. Os Estados-partes no presente Pacto reconhecem o direito de toda pessoa de desfrutar o mais elevado nível de saúde física e mental. §2. As medidas que os Estados-partes no presente Pacto deverão adotar, com o fim de assegurar o pleno exercício desse direito, incluirão as medidas que se faç am necessárias para assegurar: 1. A diminuiç ão da mortinatalidade e da mortalidade infantil, bem como o desenvolvimento são das crianç as. 2. A melhoria de todos os aspectos de higiene do trabalho e do meio ambiente. 3. A prevenç ão e o tratamento das doenç as epidêmicas, endêmicas, profissionais e outras, bem como a luta contra essas doenç as. 4. A criaç ão de condiç ões que assegurem a todos assistência médica e serviç os médicos em caso de enfermidade. Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais
  • 4. A Conferência de Alma-Ata (1978)reafirmou enfaticamente que a saúde – estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não simplesmente a ausência de doença ou enfermidade – é um direito humano fundamental, e a consecução do mais elevado nível de saúde é a mais importante meta social mundial, e conclamou os Estados a juntos trabalharem no sentido de assegurar SAÚDE PARA TODOS NO ANO 2000
  • 5. A promoção e protecção da saúde dos povos é essencial para o contínuo desenvolvimento económico e social e contribui para a melhor qualidade da vida e para a paz mundial.
  • 6. Os governos têm responsabilidade pela saúde da sua população, implicando a adopção de medidas sanitárias e sociais adequadas para alcançar um nível de saúde que lhes permita levar uma vida social e economicamente produtiva. Os cuidados de saúde primários constituem a chave para que essa meta seja atingida, através do desenvolvimento e do espírito da justiça social. DECLARAÇÃO DE ALMA - ATA
  • 7. Os cuidados primários de saúde : Reflectem, e a partir delas evoluem, as condições económicas e as características socioculturais e políticas do país e suas comunidades, e baseiam-se na aplicação de resultados relevantes de pesquisa social, biomédica e de serviços da saúde, e da experiência em saúde pública. Têm em vista os problemas de saúde da comunidade, proporcionando serviços de promoção, prevenção, cura e reabilitação, conforme as necessidades.
  • 8. Os Cuidados Primários incluem: ● Educação em relação a problemas prevalecentes de saúde e a métodos para sua prevenção e controlo, ● Promoção da distribuição de alimentos e da nutrição apropriada, ● Provisão adequada de água de boa qualidade e saneamento básico, ● Cuidados de saúde materna e infantil, incluindo o planeamento familiar, ● Imunização contra as principais doenças infecciosas, prevenção e ● Controlo de doenças endémicas, tratamento adequado de doenças e lesões comuns, e fornecimento de medicamentos essenciais. CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE
  • 9. Todos os governos devem formular políticas, estratégias e planos nacionais de acção, para lançar e sustentar os cuidados de saúde primários em coordenação com outros sectores. Isso implica, acima de tudo, agir com vontade política, mobilizar os recursos do país e utilizar racionalmente os recursos externos disponíveis.
  • 10. A saúde é um recurso da maior importância para o desenvolvimento social, económico e pessoal e uma dimensão importante da qualidade de vida. No seu conjunto, os factores políticos, económicos, sociais, culturais, ambientais, comportamentais e biológicos podem ser favoráveis ou nocivos à saúde. A promoção da saúde visa tornar estes factores favoráveis à saúde, por meio da advocacia da saúde. CARTA DE OTTAWA, 1986
  • 11. A promoção da saúde centra-se na procura da equidade em saúde. A promoção da saúde pretende reduzir as desigualdades existentes nos níveis de saúde das populações e assegurar a igualdade de oportunidades e recursos, com vista a capacitá-las para a completa realização do seu potencial de saúde. Para atingir este objectivo, torna-se necessária uma sólida implantação num meio favorável, acesso à informação, estilos de vida e oportunidades que permitam opções saudáveis. As populações não podem realizar totalmente o seu potencial de saúde sem que sejam capazes de controlar os factores que a determinam
  • 12. Artigo 77.º (Saúde e protecção social) 1. O Estado promove e garante as medidas necessárias para assegurar a todos o direito à assistência médica e sanitária, bem como o direito à assistência na infância, na maternidade, na invalidez, na deficiência, na velhice e em qualquer situação de incapacidade para o trabalho, nos termos da lei. 2. Para garantir o direito à assistência médica e sanitária incumbe ao Estado: a) Desenvolver e assegurar a funcionalidade de um serviço de saúde em todo o território nacional; b) Regular a produção, distribuição, comércio e o uso dos produtos químicos, biológicos, farmacêuticos e outros meios de tratamento e diagnóstico; c) Incentivar o desenvolvimento do ensino médico-cirúrgico e da investigação médica e de saúde. 3. A iniciativa particular e cooperativa nos domínios da saúde, previdência e segurança social é fiscalizada pelo Estado e exerce-se nas condições previstas por lei. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA 2010
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. • Elevada taxa de mortalidade infantil, impulsionada, na maior parte dos casos, por doenças passíveis de prevenção como as doenças diarreicas agudas e doenças respiratórias agudas. • Elevada taxa de mortalidade materna, por inadequada assistência à gravidez e ao parto. O parto domiciliar é ainda muito comum e as consultas pré-natais não são acessíveis a muitas mulheres, por ineficácia do programa de saúde reprodutiva. • Elevada morbilidade e mortalidade por doenças infecciosas, em especial a malária, fruto, sobretudo, do deficiente saneamento básico e acesso à água potável. Grandes Questões de Saúde em Angola
  • 17. Grandes Questões de Saúde em Angola • O número de doentes com HIV/SIDA continua a crescer sugerindo uma inadequação do Programa Nacional de Luta contra o SIDA (PNLS). • As doenças não infecciosas como a Hipertensão Arterial e outras doenças cardiovasculares, Diabetes Mellitus e doenças cancerígenas, afectam um número cada vez maior de angolanos provocando mortes e incapacidades que representam um peso enorme para a sociedade. • Não existe um programa específico para abordagem destas patologias como problema de saúde pública.
  • 18.
  • 19.
  • 20. • A rede sanitária do país (postos médicos, centros de saúde, hospitais) é limitada do ponto de vista estrutural e funcional e está mal distribuída do ponto de vista geográfico. Isto dificulta o acesso à saúde para a maioria da população que dela necessita. • A ineficácia da rede faz com que o recurso ao estrangeiro para tratamento e diagnóstico seja frequente, acarretando elevados custos para os cofres públicos. O recurso ao estrangeiro levanta sérias questões de equidade, pois, poucas pessoas têm acesso à Junta de Saúde para o efeito. • O modelo de gestão das unidades hospitalares é arcaico, favorece a ineficácia e a corrupção e deve, por isso, ser repensado. Grandes Questões de Saúde em Angola
  • 21. • Recursos humanos insuficientes e a carecerem de formação especializada. Existem ainda sérios problemas na definição das carreiras em saúde, sobretudo no que diz respeito à enfermagem e outras carreiras técnicas em saúde. • Além da escassez de quadros técnicos, observa-se uma distribuição desigual destes pelo território nacional. Por exemplo, em relação aos médicos sabe-se que 85% estão colocados em Luanda e nas capitais de província e só 15% norestante território. • A política remuneratória do sector é ainda ineficaz obrigando os profissionais a prestarem serviço simultaneamente no sector privado, o que compromete, em muitos casos, o seu desempenho. Grandes Questões de Saúde em Angola
  • 22.
  • 23. Financiamento da Saúde: Angola gasta aproximadamente US$ 72 per capita em saúde, o que é mais ou menos igual à média regional. Diferentemente do resto da região o financiamento público domina com 80% e Angola depende menos do financiamento de doadores (apenas 7% dos gastos totais na saúde, enquanto que a média regional é de 22%). O financiamento público da atenção primária à saúde aumentou dramaticamente (415%) de 2000 a 2005. Porém o gasto público na saúde em geral ainda encontra-se a níveis baixos, 5% do gasto público, muito inferior à média regional de 9.6%.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. Abordagem holística no âmbito do combate à pobreza, aperfeiçoamento dos sistemas de previdência e segurança social e ampliação e massificação do acesso à saúde. É necessário ampliar significativamente a actual taxa de cobertura dos serviços de saúde que anda a volta de 45% A estratégia deve privilegiar os cuidados primários de saúde tal como preconiza a Declaração de Alma Ata Propostas de Solução das Questões em Saúde
  • 31. • É necessário repensar o Sistema Nacional de Saúde de maneira a tornar a rede primária, secundária e terciária do sector público eficiente e, sobretudo facilmente acessível a todos os cidadãos angolanos. (As melhores clínicas devem ser os hospitais públicos) • Deve ser considerada a necessidade de elevação da quota orçamental para o sector de saúde assim como a criação de fundos especializados para o fomento da saúde. A meta de 15% assumida em Abuja tem que ser alcançada. • No âmbito da reforma do sistema de segurança social, conceber formas de coparticipação dos cidadãos nos custos com a saúde sem que isso represente um peso adicional ao orçamento familiar. Propostas de Solução das Questões em Saúde
  • 32. • Investir na ampliação da rede sanitária do país numa perspectiva geográfica que permita o acesso a serviços diferenciados de saúde a todos os cidadãos angolanos. • É possível reduzir gastos com a saúde no exterior operacionalizando a abertura de serviços diferenciados nas unidades hospitalares públicas. Um exemplo disso é a hemodiálise. Com a abertura de serviços de hemodiálise em Luanda reduziram-se, com certeza, os gastos com saúde no exterior. É possível abrir outros serviços e estendê-los as províncias. • Uma das questões a ter em conta é o modelo de gestão das unidades hospitalares. Será necessário optar por modelos que garantam eficácia e evitem a corrupção. • Investir fortemente na formação de pessoal diferenciado e estabelecer um sistema remuneratório especial que dignifique e estimule as diferentes carreiras em saúde. • Aperfeiçoar o sistema de formação, particularmente a formação continuada Propostas de Solução das Questões em Saúde
  • 33. • Incentivar a investigação científica em problemas de saúde reforçando programas especializados e estimulando as instituições académicas. • Definir como prioridade nacional o combate às grandes endemias particularmente a malária, a tuberculose e a tripanossomíase (doença do sono) alocando os recursos necessários para alcançar este objectivo. • Definir como prioridade nacional o combate ao VIH/SIDA reavaliando o programa nacional de luta contra o SIDA (PNLS) com vista a torná-lo mais eficaz e abrangente. • Implantar um programa de abordagem de doenças crónicas não infecciosas, devendo considerar-se a possibilidade de subsídios aos medicamentos necessários para o tratamento dessas doenças. Propostas de Solução das Questões em Saúde
  • 34. • Definir como prioridade a assistência materna e infantil, implantando um programa eficaz de saúde reprodutiva e assistência à infância. • Reforçar os programas de vacinação ampliando a cobertura e introduzindo algumas novas vacinas, como por exemplo a hepatite B e C Propostas de Solução das Questões em Saúde
  • 35. A UNITA entende que as reformas urgentes que o sector de saúde reclama só podem ser conduzidas com sucesso no âmbito de uma mudança mais ampla que inclui o regime político vigente e que seja capaz de resgatar o processo democrático em Angola que assiste presentemente graves retrocessos. As reformas com as quais a UNITA se compromete para reverter a crise actual que o sector de saúde experimenta devem ser vistas nesta perspectiva mais ampla de mudança e/ou alternância de poder, pois só desse modo se pode repor nos carris o processo democrático.
  • 36. A democratização efectiva do país é condição imprescendível para ampliação da participação cidadã nos problemas comunitários, incisivamente defendida pela filosofia dos cuidados de saúde primários. Particularmmente, o estabelecimento das autarquias, se concebidas de forma genuína, permitiria uma descentralização administrativa mais ampla e uma autonomização mais alargada das comunidades em aspectos fulcrais de saúde pública o que ajudaria a debelar a presente crise do sector.
  • 37. Assim, em nosso entender, as propostas aqui resumidas só podem ser eficazes se implementadas em ambiente político apropriado, isto é, num clima em que o pluralismo político seja uma realidade insofismável, de plena participação dos cidadãos na abordagem das questões que lhes dizem respeito o que pressupõe, desde já, a afirmação do poder local consubstanciado nas autarquias.