SlideShare uma empresa Scribd logo
Arlindo Ugulino Netto; Luiz Gustavo Barros; Yuri Leite Eloy – GERIATRIA – MEDICINA P8 – 2011.1


MED RESUMOS 2011
NETTO, Arlindo Ugulino.
SEMIOLOGIA

                                           AVALIAÇÃO CLÍNICA DO IDOSO
                                      (Professora Januária Medeiros de Queiroga)

        A avaliação clínica do idoso difere das outras especialidades, pois ela não se restringe somente a realização de
um exame voltada para um grupo de patologias específicas; na Geriatria, espera-se realizar uma avaliação completa da
função orgânica e ainda avaliação do estado mental do paciente.
        Além disso, é importante salientar que a avaliação clínica do paciente idoso deve ser multidisciplinar, envolvendo
diversos outros profissionais da saúde tais como: Psicólogos, Fisioterapeutas, Terapeuta Ocupacional, Fonoaudiólogos.
        Com isso, podemos dizer que a avaliação completa do Idoso é feita através da abordagem de uma equipe
multidisciplinar, tendo como intenção avaliar todas as funções físicas e mentais desse paciente. A forma com que o
médico geriatra faz a avaliação desses pacientes é denominada de Avaliação Geriátrica Ampla (AGA), que se
diferencia das demais abordagens semiológicas por ser complementada por Escalas de Avaliação voltadas para o idoso.
        Em resumo, a AGA consiste, basicamente, na análise dos seguintes parâmetros:
    I.  Anamnese
   II.  Exame físico
  III.  Escalas de Avaliação: complementam a anamnese
              Finalidades: diagnosticar patologias utilizando como base critérios pré-estabelecidos na literatura.
              Avaliar as funções:
                        Física
                        Cognitiva
                        Emocional
                        Social

ANAMNESE
         A anamnese não difere dos conceitos básicos da semiologia médica e, portanto, é composta pelos seguintes
tópicos:
  1.     Identificação: Nome; Idade; Sexo; Estado civil; Naturalidade.

  2.    Queixa principal (QP) e duração: é a principal queixa que levou o paciente a procurar o médico.

  3.    História da doença atual (HDA): é a parte principal da anamnese e costuma ser a chave-mestra para se chegar
        ao diagnóstico de certas patologias. Neste momento, devemos determinar o início do sintoma (época, modo,
        causa desencadeante), duração, características do sintoma na época em que teve início (caráter do sintoma;
        localização corporal e irradiação; intensidade; fatores desencadeantes, de piora ou de melhora; relação da
        queixa com funções do organismo), evolução, repercussões do problema sobre a vida do paciente, relação com
        outras queixas, situação do sintoma no momento atual; etc.

  4.    Interrogatório sistemático: constitui um complemento da história da doença atual. Permite levantar
        possibilidades e reconhecer enfermidades que não guardam relação com o quadro sintomatológico registrado na
        HDA. Também ajuda a confirmar ou afastar possibilidades diagnósticas sugeridas pelos sintomas presentes.
        Sugere-se a sistematização proposta a seguir: Sintomas gerais; Cabeça e pescoço; Tórax; Sistema
        gastrintestinal; Sistema genitourinário; Sistema hemolinfopoiético; Sistema endócrino e metabólico; Sistema
        musculoesquelético; Sistema nervoso; Exame psíquico e avaliação das condições emocionais.

  5.    Antecedentes pessoais fisiológicos
            Antecedentes de quedas no último ano
            Independência para atividades de vida diária (AVD): banho, alimentação, deambulação;
            Queixa de solidão;
            Antecedente de viuvez
            Aposentadoria

  6.    Antecedentes Pessoais Patológicos
            Doenças da Infância (embora geralmente não se lembram).
            Doenças apresentadas na vida adulta
            Cirurgias
            Hospitalizações: época, diagnóstico
            Medicações atuais e passadas

                                                                                                                                 1
Arlindo Ugulino Netto; Luiz Gustavo Barros; Yuri Leite Eloy – GERIATRIA – MEDICINA P8 – 2011.1



  7.       Antecedentes Familiares
               Hist€ria de Dem•ncia na fam‚lia
               Hipertensƒo
               Diabetes
               Depressƒo

  8.       Hábitos e costumes
               Tabagismo
               Alcoolismo
               Depend•ncia de drogas ou f„rmacos


       1
OBS : Na HDA geri„trica percebe-se uma dificuldade maior para se estabelecer uma cronologia correta da doen…a atual,
uma vez que, na maioria das vezes, os pacientes t•m uma tend•ncia de fugir da queixa principal, correlacionando com
hist€rias paralelas muitas vezes sem import†ncia cl‚nica. Entretanto, nos pacientes idosos, esse fato tem grande
import†ncia, pois geralmente pode indicar dist‡rbios mentais, ou algumas vezes, a “dor” pode ser somente um motivo
para aten…ƒo.


EXAME F•SICO G ERAL
        A avalia…ƒo do estado geral do paciente, da hidrata…ƒo, dos sinais de insufici•ncia de €rgƒos ou sistemas Š
fundamental para a correta interpreta…ƒo das patologias na faixa et„ria idosa.
        Durante o exame f‚sico geral do paciente idoso, devemos proceder, pelo menos, com a avalia…ƒo cardiovascular,
respirat€ria, abdominal e neurol€gica. Os dados obtidos ao exame f‚sico devem ser complementadas com os achados as
escalas.


ESCALAS DE AVALIA‚ƒO
         Essas escalas sƒo utilizadas principalmente para realiza…ƒo de pesquisas cient‚ficas, ou ainda, para avalia…ƒo se
o idoso necessita ou nƒo de um cuidador. AlŠm disso, elas podem servir como critŠrios diagn€sticos de certas
patologias.
         Dessa forma, podemos dizer
que as escalas de avalia…ƒo t•m
como inten…ƒo principal avaliar a
capacidade funcional do idoso. As
duas escalas de avalia…ƒo geral mais
utilizadas sƒo as de Katz e Barthel.
         O ‹ndice de Katz, por
exemplo, foi utilizado para avalia…ƒo
das AVDs relacionadas com os
cuidados pessoais. composto por 06
atividades b„sicas: banho, vestir-se,
higiene      pessoal,    transfer•ncia,
contin•ncia e alimenta…ƒo. Uma
pontua…ƒo 6 indica que o idoso Š
independente,     ou    seja,    possui
habilidade para desempenhar tarefas
cotidianas. Uma pontua…ƒo 4 indica
uma depend•ncia parcial, podendo o
idoso requerer ou nƒo aux‚lio. Uma
pontua…ƒo igual ou inferior a 2 implica
na necessidade de assist•ncia,
indicando       uma       depend•ncia
importante.
         Outras escalas mais espec‚ficas sƒo utilizadas na geriatria com o intuito de diagnosticar certas condi…Œes de
an„lise subjetiva, como a depressƒo, a dem•ncia de Alzheimer, a dem•ncia vascular, alŠm do Mini Exame do Estado
Mental, que consiste em um teste neurol€gico e de cogni…ƒo bastante simples, tanto na sua aplica…ƒo quanto na sua
interpreta…ƒo.




                                                                                                                                 2
Arlindo Ugulino Netto; Luiz Gustavo Barros; Yuri Leite Eloy – GERIATRIA – MEDICINA P8 – 2011.1



ESCALA DE DEPRESSÃO GERIÁTRICA (YESAVAGE)
       É uma escala de fácil aplicação, podendo ser executada em cerca de 5 a 15 minutos, sendo ela aplicada pelo
médico e direcionada ao paciente. Ela consta de 30 perguntas com respostas de Sim ou Não. As perguntas devem ser
respondidas de acordo com os acontecimentos da última semana.




       De acordo com os resultados, podemos interpretá-los da seguinte forma:
      Normal: 5 (±4)
      Leve: 14 (±6).
      Intensa: 23 (±5).


MINI EXAME DO ESTADO MENTAL (MEEM)
        O MEEM consiste em um teste padronizado que pode ser utilizado durante a anamnese para uma avaliação um
pouco mais profunda do paciente. É um teste bastante simples, tanto na sua aplicação quanto na sua interpretação.
        O Miniexame do Estado Mental, frequentemente usado para quantificar a função cognitiva, é limitado pela falta
de um elemento de linguagem verdadeiro e pela incapacidade de teste para a maioria das disfunções do lobo frontal, por
exemplo. Além disto, o nível de escolaridade, evidentemente, interfere nos resultados do exame, sendo sempre o bom
senso levado em consideração.
        Tem, portanto, como intenção avaliar o estado mental do paciente, baseando-se na realização de perguntas e
testes pré-determinados. O total possível é de 30 pontos; dizemos que o paciente está dentro do padrão de normalidade
quando possui uma pontuação entre 24 a 30 pontos e anormal com pontuação inferior a 24, devendo-se assim iniciar
uma investigação mais específica.




                                                                                                                                3
Arlindo Ugulino Netto; Luiz Gustavo Barros; Yuri Leite Eloy – GERIATRIA – MEDICINA P8 – 2011.1




       Esta escala tem, entretanto, algumas limita…Œes, como o nível de escolaridade, o que pode variar a pontua…ƒo
obtida mesmo na aus•ncia de patologias espec‚ficas. Desta forma, atualmente, faz-se algumas corre…Œes quanto aos
seus pontos de corte. Observe:
      Total de 30 pontos poss‚veis
      26 – 30: normal
      Pontuação < 25: investigar
      Limita…Œes:
         Corre…ƒo do ponto de corte segundo o n‚vel de escolaridade:
            - 13 pontos para analfabetos
            - 18 pontos para indiv‚duos entre 1-7 anos
            - 26 pontos para indiv‚duos com 8 ou mais anos
         Tem baixa sensibilidade para pacientes com dŠficits discretos




                                                                                                                               4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
Inaiara Bragante
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
Natha Fisioterapia
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Keylla Tayne
 
AVC
AVCAVC
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Demências
DemênciasDemências
Demências
Inaiara Bragante
 
Geriatria completa
Geriatria   completaGeriatria   completa
Geriatria completa
Jucie Vasconcelos
 
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
MAIQUELE SANTANA
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
Paulo Alambert
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
SMS - Petrópolis
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
Marcos Figueiredo
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
pauloalambert
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
João Paulo França
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
Professor Robson
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
Márcio Borges
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
Ana Hollanders
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
luzienne moraes
 
TCE
TCETCE

Mais procurados (20)

Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 
AVC
AVCAVC
AVC
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Demências
DemênciasDemências
Demências
 
Geriatria completa
Geriatria   completaGeriatria   completa
Geriatria completa
 
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - AdrianaAula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
Aula sobre a Síndrome de guillain barré (sgb) - Adriana
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
 
Aula Diabetes
Aula  DiabetesAula  Diabetes
Aula Diabetes
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
TCE
TCETCE
TCE
 

Destaque

Fichade avaliação geriatria
Fichade avaliação geriatriaFichade avaliação geriatria
Fichade avaliação geriatria
Lindalva Araujo
 
Semiologia completa
Semiologia completaSemiologia completa
Semiologia completa
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdfSemiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 14 neonatologia - semiologia do recém-nascido pdf
Semiologia 14   neonatologia - semiologia do recém-nascido pdfSemiologia 14   neonatologia - semiologia do recém-nascido pdf
Semiologia 14 neonatologia - semiologia do recém-nascido pdf
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 13 ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Semiologia 13   ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdfSemiologia 13   ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Semiologia 13 ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 18 cirurgia abdominal - abdome agudo pdf
Semiologia 18   cirurgia abdominal - abdome agudo pdfSemiologia 18   cirurgia abdominal - abdome agudo pdf
Semiologia 18 cirurgia abdominal - abdome agudo pdf
Jucie Vasconcelos
 
Anestesiologia Completa
Anestesiologia CompletaAnestesiologia Completa
Anestesiologia Completa
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 12 nefrologia - diagnóstico sindrômico em nefrologia pdf
Semiologia 12   nefrologia - diagnóstico sindrômico em nefrologia pdfSemiologia 12   nefrologia - diagnóstico sindrômico em nefrologia pdf
Semiologia 12 nefrologia - diagnóstico sindrômico em nefrologia pdf
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdfSemiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdfSemiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 11 urologia - semiologia urológica pdf
Semiologia 11   urologia - semiologia urológica pdfSemiologia 11   urologia - semiologia urológica pdf
Semiologia 11 urologia - semiologia urológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Jucie Vasconcelos
 
Avaliação do Idoso
Avaliação do IdosoAvaliação do Idoso
Avaliação do Idoso
Katia Cristina
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Semiologia 01   anamnese e ectoscopiaSemiologia 01   anamnese e ectoscopia
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 06 neurologia - semiologia neurológica pdf
Semiologia 06   neurologia - semiologia neurológica pdfSemiologia 06   neurologia - semiologia neurológica pdf
Semiologia 06 neurologia - semiologia neurológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 05 semiologia abdominal aplicada
Semiologia 05   semiologia abdominal aplicadaSemiologia 05   semiologia abdominal aplicada
Semiologia 05 semiologia abdominal aplicada
Jucie Vasconcelos
 
Parasitologia ii completo
Parasitologia ii   completoParasitologia ii   completo
Parasitologia ii completo
Jucie Vasconcelos
 
Patologia 11 neoplasias
Patologia 11   neoplasiasPatologia 11   neoplasias
Patologia 11 neoplasias
Jucie Vasconcelos
 
Semiologia 19 psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Semiologia 19   psiquiatria - anamnese psiquiátricaSemiologia 19   psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Semiologia 19 psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Jucie Vasconcelos
 

Destaque (20)

Fichade avaliação geriatria
Fichade avaliação geriatriaFichade avaliação geriatria
Fichade avaliação geriatria
 
Semiologia completa
Semiologia completaSemiologia completa
Semiologia completa
 
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdfSemiologia 17   cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
Semiologia 17 cirurgia de cabeça e pescoço - fundamentos pdf
 
Semiologia 14 neonatologia - semiologia do recém-nascido pdf
Semiologia 14   neonatologia - semiologia do recém-nascido pdfSemiologia 14   neonatologia - semiologia do recém-nascido pdf
Semiologia 14 neonatologia - semiologia do recém-nascido pdf
 
Semiologia 13 ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Semiologia 13   ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdfSemiologia 13   ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
Semiologia 13 ginecologia e obstetrícia - semiologia da mulher pdf
 
Semiologia 18 cirurgia abdominal - abdome agudo pdf
Semiologia 18   cirurgia abdominal - abdome agudo pdfSemiologia 18   cirurgia abdominal - abdome agudo pdf
Semiologia 18 cirurgia abdominal - abdome agudo pdf
 
Anestesiologia Completa
Anestesiologia CompletaAnestesiologia Completa
Anestesiologia Completa
 
Semiologia 12 nefrologia - diagnóstico sindrômico em nefrologia pdf
Semiologia 12   nefrologia - diagnóstico sindrômico em nefrologia pdfSemiologia 12   nefrologia - diagnóstico sindrômico em nefrologia pdf
Semiologia 12 nefrologia - diagnóstico sindrômico em nefrologia pdf
 
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdfSemiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
 
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdfSemiologia 10   dermatologia - semiologia dermatológica pdf
Semiologia 10 dermatologia - semiologia dermatológica pdf
 
Semiologia 11 urologia - semiologia urológica pdf
Semiologia 11   urologia - semiologia urológica pdfSemiologia 11   urologia - semiologia urológica pdf
Semiologia 11 urologia - semiologia urológica pdf
 
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físicoSemiologia 02   roteiro prático de anamnese e exame físico
Semiologia 02 roteiro prático de anamnese e exame físico
 
Avaliação do Idoso
Avaliação do IdosoAvaliação do Idoso
Avaliação do Idoso
 
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicadaSemiologia 03   semiologia do aparelho respiratório aplicada
Semiologia 03 semiologia do aparelho respiratório aplicada
 
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
Semiologia 01   anamnese e ectoscopiaSemiologia 01   anamnese e ectoscopia
Semiologia 01 anamnese e ectoscopia
 
Semiologia 06 neurologia - semiologia neurológica pdf
Semiologia 06   neurologia - semiologia neurológica pdfSemiologia 06   neurologia - semiologia neurológica pdf
Semiologia 06 neurologia - semiologia neurológica pdf
 
Semiologia 05 semiologia abdominal aplicada
Semiologia 05   semiologia abdominal aplicadaSemiologia 05   semiologia abdominal aplicada
Semiologia 05 semiologia abdominal aplicada
 
Parasitologia ii completo
Parasitologia ii   completoParasitologia ii   completo
Parasitologia ii completo
 
Patologia 11 neoplasias
Patologia 11   neoplasiasPatologia 11   neoplasias
Patologia 11 neoplasias
 
Semiologia 19 psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Semiologia 19   psiquiatria - anamnese psiquiátricaSemiologia 19   psiquiatria - anamnese psiquiátrica
Semiologia 19 psiquiatria - anamnese psiquiátrica
 

Semelhante a Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf

Anorexia nervosa diagnostico_e_prognostico
Anorexia nervosa diagnostico_e_prognosticoAnorexia nervosa diagnostico_e_prognostico
Anorexia nervosa diagnostico_e_prognostico
Arquivo-FClinico
 
Aula31 07 2014
Aula31 07 2014Aula31 07 2014
Aula31 07 2014
Inaiara Bragante
 
A Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) é uma das principais ferramentas na relaçã...
A Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) é uma das principais ferramentas na relaçã...A Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) é uma das principais ferramentas na relaçã...
A Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) é uma das principais ferramentas na relaçã...
SinicleySouza2
 
Demencia idoso 2009
Demencia idoso 2009Demencia idoso 2009
Demencia idoso 2009
Arquivo-FClinico
 
Demência do idoso
Demência do idosoDemência do idoso
Demência do idoso
Cândida Lopes Alves
 
Capítulo 89- Saúde do Idoso - (TMFC -Gusso).pdf
Capítulo 89- Saúde do Idoso - (TMFC -Gusso).pdfCapítulo 89- Saúde do Idoso - (TMFC -Gusso).pdf
Capítulo 89- Saúde do Idoso - (TMFC -Gusso).pdf
ssuser1c7b51
 
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
Liga Acadêmica de Neurociências da Universidade Federal do Tocantins
 
Alzheimer cognitiva, comportamental e funcional
Alzheimer   cognitiva, comportamental e funcionalAlzheimer   cognitiva, comportamental e funcional
Alzheimer cognitiva, comportamental e funcional
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
Carla Couto
 
Artigo ii
Artigo iiArtigo ii
Artigo ii
abraci
 
Diagnosticando autismo
Diagnosticando autismoDiagnosticando autismo
Diagnosticando autismo
DanielaLopes637668
 
Psicofarmaco com crs e adolesc
Psicofarmaco com crs e adolescPsicofarmaco com crs e adolesc
Psicofarmaco com crs e adolesc
Cláudio Costa
 
Ansiedade generalizada.pdf
Ansiedade generalizada.pdfAnsiedade generalizada.pdf
Ansiedade generalizada.pdf
Eraldo Carlos
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Amanda Amate
 
Obesidade infantil e depressão critérios diagnósticos pediátricos para a depr...
Obesidade infantil e depressão critérios diagnósticos pediátricos para a depr...Obesidade infantil e depressão critérios diagnósticos pediátricos para a depr...
Obesidade infantil e depressão critérios diagnósticos pediátricos para a depr...
Van Der Häägen Brazil
 
C:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCDC:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCD
ygoraf
 
C:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCDC:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCD
ygoraf
 
Ata
AtaAta
COGNIÇÃO, ASPECTOS PSICOLÓGICOS E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM COMPROMET...
COGNIÇÃO, ASPECTOS PSICOLÓGICOS  E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS  COM COMPROMET...COGNIÇÃO, ASPECTOS PSICOLÓGICOS  E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS  COM COMPROMET...
COGNIÇÃO, ASPECTOS PSICOLÓGICOS E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM COMPROMET...
Amanda de Oliveira Ferreira Leite
 
depressao em jovens.pdf
depressao em jovens.pdfdepressao em jovens.pdf
depressao em jovens.pdf
MarcioHenriqueMarcio
 

Semelhante a Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf (20)

Anorexia nervosa diagnostico_e_prognostico
Anorexia nervosa diagnostico_e_prognosticoAnorexia nervosa diagnostico_e_prognostico
Anorexia nervosa diagnostico_e_prognostico
 
Aula31 07 2014
Aula31 07 2014Aula31 07 2014
Aula31 07 2014
 
A Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) é uma das principais ferramentas na relaçã...
A Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) é uma das principais ferramentas na relaçã...A Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) é uma das principais ferramentas na relaçã...
A Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) é uma das principais ferramentas na relaçã...
 
Demencia idoso 2009
Demencia idoso 2009Demencia idoso 2009
Demencia idoso 2009
 
Demência do idoso
Demência do idosoDemência do idoso
Demência do idoso
 
Capítulo 89- Saúde do Idoso - (TMFC -Gusso).pdf
Capítulo 89- Saúde do Idoso - (TMFC -Gusso).pdfCapítulo 89- Saúde do Idoso - (TMFC -Gusso).pdf
Capítulo 89- Saúde do Idoso - (TMFC -Gusso).pdf
 
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
Consciência da doença na doença de Alzheimer: resultados preliminares de um e...
 
Alzheimer cognitiva, comportamental e funcional
Alzheimer   cognitiva, comportamental e funcionalAlzheimer   cognitiva, comportamental e funcional
Alzheimer cognitiva, comportamental e funcional
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
Artigo ii
Artigo iiArtigo ii
Artigo ii
 
Diagnosticando autismo
Diagnosticando autismoDiagnosticando autismo
Diagnosticando autismo
 
Psicofarmaco com crs e adolesc
Psicofarmaco com crs e adolescPsicofarmaco com crs e adolesc
Psicofarmaco com crs e adolesc
 
Ansiedade generalizada.pdf
Ansiedade generalizada.pdfAnsiedade generalizada.pdf
Ansiedade generalizada.pdf
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
 
Obesidade infantil e depressão critérios diagnósticos pediátricos para a depr...
Obesidade infantil e depressão critérios diagnósticos pediátricos para a depr...Obesidade infantil e depressão critérios diagnósticos pediátricos para a depr...
Obesidade infantil e depressão critérios diagnósticos pediátricos para a depr...
 
C:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCDC:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCD
 
C:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCDC:\Fakepath\Refractory OCD
C:\Fakepath\Refractory OCD
 
Ata
AtaAta
Ata
 
COGNIÇÃO, ASPECTOS PSICOLÓGICOS E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM COMPROMET...
COGNIÇÃO, ASPECTOS PSICOLÓGICOS  E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS  COM COMPROMET...COGNIÇÃO, ASPECTOS PSICOLÓGICOS  E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS  COM COMPROMET...
COGNIÇÃO, ASPECTOS PSICOLÓGICOS E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS COM COMPROMET...
 
depressao em jovens.pdf
depressao em jovens.pdfdepressao em jovens.pdf
depressao em jovens.pdf
 

Mais de Jucie Vasconcelos

Medresumos 2016 omf - digestório
Medresumos 2016   omf - digestórioMedresumos 2016   omf - digestório
Medresumos 2016 omf - digestório
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Medresumos 2016   omf - cardiovascularMedresumos 2016   omf - cardiovascular
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânioMedresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomoMedresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticularMedresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularMedresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebralMedresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebeloMedresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianosMedresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponteMedresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulboMedresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálicoMedresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Jucie Vasconcelos
 

Mais de Jucie Vasconcelos (20)

Medresumos 2016 omf - digestório
Medresumos 2016   omf - digestórioMedresumos 2016   omf - digestório
Medresumos 2016 omf - digestório
 
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Medresumos 2016   omf - cardiovascularMedresumos 2016   omf - cardiovascular
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânioMedresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomoMedresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticularMedresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularMedresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebralMedresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebeloMedresumos 2016   neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
Medresumos 2016 neuroanatomia 09 - estrutura e funções do cerebelo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianosMedresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponteMedresumos 2016   neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
Medresumos 2016 neuroanatomia 06 - microscopia da ponte
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulboMedresumos 2016   neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
Medresumos 2016 neuroanatomia 05 - microscopia do bulbo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálicoMedresumos 2016   neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
Medresumos 2016 neuroanatomia 04 - macroscopia do tronco encefálico
 

Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf

  • 1. Arlindo Ugulino Netto; Luiz Gustavo Barros; Yuri Leite Eloy – GERIATRIA – MEDICINA P8 – 2011.1 MED RESUMOS 2011 NETTO, Arlindo Ugulino. SEMIOLOGIA AVALIAÇÃO CLÍNICA DO IDOSO (Professora Januária Medeiros de Queiroga) A avaliação clínica do idoso difere das outras especialidades, pois ela não se restringe somente a realização de um exame voltada para um grupo de patologias específicas; na Geriatria, espera-se realizar uma avaliação completa da função orgânica e ainda avaliação do estado mental do paciente. Além disso, é importante salientar que a avaliação clínica do paciente idoso deve ser multidisciplinar, envolvendo diversos outros profissionais da saúde tais como: Psicólogos, Fisioterapeutas, Terapeuta Ocupacional, Fonoaudiólogos. Com isso, podemos dizer que a avaliação completa do Idoso é feita através da abordagem de uma equipe multidisciplinar, tendo como intenção avaliar todas as funções físicas e mentais desse paciente. A forma com que o médico geriatra faz a avaliação desses pacientes é denominada de Avaliação Geriátrica Ampla (AGA), que se diferencia das demais abordagens semiológicas por ser complementada por Escalas de Avaliação voltadas para o idoso. Em resumo, a AGA consiste, basicamente, na análise dos seguintes parâmetros: I. Anamnese II. Exame físico III. Escalas de Avaliação: complementam a anamnese  Finalidades: diagnosticar patologias utilizando como base critérios pré-estabelecidos na literatura.  Avaliar as funções:  Física  Cognitiva  Emocional  Social ANAMNESE A anamnese não difere dos conceitos básicos da semiologia médica e, portanto, é composta pelos seguintes tópicos: 1. Identificação: Nome; Idade; Sexo; Estado civil; Naturalidade. 2. Queixa principal (QP) e duração: é a principal queixa que levou o paciente a procurar o médico. 3. História da doença atual (HDA): é a parte principal da anamnese e costuma ser a chave-mestra para se chegar ao diagnóstico de certas patologias. Neste momento, devemos determinar o início do sintoma (época, modo, causa desencadeante), duração, características do sintoma na época em que teve início (caráter do sintoma; localização corporal e irradiação; intensidade; fatores desencadeantes, de piora ou de melhora; relação da queixa com funções do organismo), evolução, repercussões do problema sobre a vida do paciente, relação com outras queixas, situação do sintoma no momento atual; etc. 4. Interrogatório sistemático: constitui um complemento da história da doença atual. Permite levantar possibilidades e reconhecer enfermidades que não guardam relação com o quadro sintomatológico registrado na HDA. Também ajuda a confirmar ou afastar possibilidades diagnósticas sugeridas pelos sintomas presentes. Sugere-se a sistematização proposta a seguir: Sintomas gerais; Cabeça e pescoço; Tórax; Sistema gastrintestinal; Sistema genitourinário; Sistema hemolinfopoiético; Sistema endócrino e metabólico; Sistema musculoesquelético; Sistema nervoso; Exame psíquico e avaliação das condições emocionais. 5. Antecedentes pessoais fisiológicos  Antecedentes de quedas no último ano  Independência para atividades de vida diária (AVD): banho, alimentação, deambulação;  Queixa de solidão;  Antecedente de viuvez  Aposentadoria 6. Antecedentes Pessoais Patológicos  Doenças da Infância (embora geralmente não se lembram).  Doenças apresentadas na vida adulta  Cirurgias  Hospitalizações: época, diagnóstico  Medicações atuais e passadas 1
  • 2. Arlindo Ugulino Netto; Luiz Gustavo Barros; Yuri Leite Eloy – GERIATRIA – MEDICINA P8 – 2011.1 7. Antecedentes Familiares  Hist€ria de Dem•ncia na fam‚lia  Hipertensƒo  Diabetes  Depressƒo 8. Hábitos e costumes  Tabagismo  Alcoolismo  Depend•ncia de drogas ou f„rmacos 1 OBS : Na HDA geri„trica percebe-se uma dificuldade maior para se estabelecer uma cronologia correta da doen…a atual, uma vez que, na maioria das vezes, os pacientes t•m uma tend•ncia de fugir da queixa principal, correlacionando com hist€rias paralelas muitas vezes sem import†ncia cl‚nica. Entretanto, nos pacientes idosos, esse fato tem grande import†ncia, pois geralmente pode indicar dist‡rbios mentais, ou algumas vezes, a “dor” pode ser somente um motivo para aten…ƒo. EXAME F•SICO G ERAL A avalia…ƒo do estado geral do paciente, da hidrata…ƒo, dos sinais de insufici•ncia de €rgƒos ou sistemas Š fundamental para a correta interpreta…ƒo das patologias na faixa et„ria idosa. Durante o exame f‚sico geral do paciente idoso, devemos proceder, pelo menos, com a avalia…ƒo cardiovascular, respirat€ria, abdominal e neurol€gica. Os dados obtidos ao exame f‚sico devem ser complementadas com os achados as escalas. ESCALAS DE AVALIA‚ƒO Essas escalas sƒo utilizadas principalmente para realiza…ƒo de pesquisas cient‚ficas, ou ainda, para avalia…ƒo se o idoso necessita ou nƒo de um cuidador. AlŠm disso, elas podem servir como critŠrios diagn€sticos de certas patologias. Dessa forma, podemos dizer que as escalas de avalia…ƒo t•m como inten…ƒo principal avaliar a capacidade funcional do idoso. As duas escalas de avalia…ƒo geral mais utilizadas sƒo as de Katz e Barthel. O ‹ndice de Katz, por exemplo, foi utilizado para avalia…ƒo das AVDs relacionadas com os cuidados pessoais. composto por 06 atividades b„sicas: banho, vestir-se, higiene pessoal, transfer•ncia, contin•ncia e alimenta…ƒo. Uma pontua…ƒo 6 indica que o idoso Š independente, ou seja, possui habilidade para desempenhar tarefas cotidianas. Uma pontua…ƒo 4 indica uma depend•ncia parcial, podendo o idoso requerer ou nƒo aux‚lio. Uma pontua…ƒo igual ou inferior a 2 implica na necessidade de assist•ncia, indicando uma depend•ncia importante. Outras escalas mais espec‚ficas sƒo utilizadas na geriatria com o intuito de diagnosticar certas condi…Œes de an„lise subjetiva, como a depressƒo, a dem•ncia de Alzheimer, a dem•ncia vascular, alŠm do Mini Exame do Estado Mental, que consiste em um teste neurol€gico e de cogni…ƒo bastante simples, tanto na sua aplica…ƒo quanto na sua interpreta…ƒo. 2
  • 3. Arlindo Ugulino Netto; Luiz Gustavo Barros; Yuri Leite Eloy – GERIATRIA – MEDICINA P8 – 2011.1 ESCALA DE DEPRESSÃO GERIÁTRICA (YESAVAGE) É uma escala de fácil aplicação, podendo ser executada em cerca de 5 a 15 minutos, sendo ela aplicada pelo médico e direcionada ao paciente. Ela consta de 30 perguntas com respostas de Sim ou Não. As perguntas devem ser respondidas de acordo com os acontecimentos da última semana. De acordo com os resultados, podemos interpretá-los da seguinte forma:  Normal: 5 (±4)  Leve: 14 (±6).  Intensa: 23 (±5). MINI EXAME DO ESTADO MENTAL (MEEM) O MEEM consiste em um teste padronizado que pode ser utilizado durante a anamnese para uma avaliação um pouco mais profunda do paciente. É um teste bastante simples, tanto na sua aplicação quanto na sua interpretação. O Miniexame do Estado Mental, frequentemente usado para quantificar a função cognitiva, é limitado pela falta de um elemento de linguagem verdadeiro e pela incapacidade de teste para a maioria das disfunções do lobo frontal, por exemplo. Além disto, o nível de escolaridade, evidentemente, interfere nos resultados do exame, sendo sempre o bom senso levado em consideração. Tem, portanto, como intenção avaliar o estado mental do paciente, baseando-se na realização de perguntas e testes pré-determinados. O total possível é de 30 pontos; dizemos que o paciente está dentro do padrão de normalidade quando possui uma pontuação entre 24 a 30 pontos e anormal com pontuação inferior a 24, devendo-se assim iniciar uma investigação mais específica. 3
  • 4. Arlindo Ugulino Netto; Luiz Gustavo Barros; Yuri Leite Eloy – GERIATRIA – MEDICINA P8 – 2011.1 Esta escala tem, entretanto, algumas limita…Œes, como o nível de escolaridade, o que pode variar a pontua…ƒo obtida mesmo na aus•ncia de patologias espec‚ficas. Desta forma, atualmente, faz-se algumas corre…Œes quanto aos seus pontos de corte. Observe:  Total de 30 pontos poss‚veis  26 – 30: normal  Pontuação < 25: investigar  Limita…Œes:  Corre…ƒo do ponto de corte segundo o n‚vel de escolaridade: - 13 pontos para analfabetos - 18 pontos para indiv‚duos entre 1-7 anos - 26 pontos para indiv‚duos com 8 ou mais anos  Tem baixa sensibilidade para pacientes com dŠficits discretos 4