SlideShare uma empresa Scribd logo
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● NEUROANATOMIA
1
www.medresumos.com.br
ESTRUTURA DO MESENCÉFALO - MICROSCOPIA
O mesencéfalo é constituído por uma porção dorsal, o tecto do mesencéfalo, e outra ventral muito maior, o pedúnculo
cerebral, separados pelo aqueduto cerebral (aqueduto do mesencéfalo), canal que percorre longitudinalmente o mesencéfalo e que é
circundado por uma espessa camada de substância cinzenta central ou periaquedutal. Em cada pedúnculo cerebral distingue-se, a
partir da substância negra, uma parte ventral, a base do pedúnculo (formada de fibras longitudinais) e uma parte dorsal, o tegmento
do mesencéfalo, cuja estrutura assemelha-se à parte correspondente na ponte.
TECTO DO MESENCÉFALO
O tecto do mesencéfalo, nos mamíferos, é constituído de
quatro eminências, os colículos superiores (relacionados com os
órgãos da visão por meio dos corpos geniculados laterais do
diencéfalo) e os colículos inferiores (relacionados com a audição
por meio dos corpos geniculados mediais). Além deles, existe a
chamada área pré-tectal.
 Colículo superior: é formado por uma série de camadas
superpostas constituídas alternadamente por substância
branca e cinzenta. Suas conexões são complexas,
destacando-se, entre elas:
 Fibras oriundas da retina, que atingem o corpo geniculado lateral por meio do tracto óptico e por fim, por meio do
braço do colículo superior, chegam impulsos ao colículo superior.
 Fibras oriundas do córtex occipital, que chegam ao colículo pela radiação óptica e braço do colículo superior.
 Fibras que formam o tracto tecto-espinhal e terminam fazendo sinapse com neurônios motores da medula cervical.
OBS
1
: O colículo superior é importante para certos reflexos que regulam o movimento dos olhos no sentido vertical. Para esta função,
existem fibras que ligam o colículo superior ao núcleo do nervo oculomotor, situado ventralmente no tegmento do mesencéfalo, bem
ao nível do colículo. Tumores do corpo pineal podem comprimir os colículos e causar a perda da capacidade de mover os olhos no
sentido vertical voluntária ou reflexamente.
 Colículo inferior: constituído por uma massa bem delimitada de substância cinzenta, o núcleo do colículo inferior
(bilateralmente à substância cinzenta central). Esse núcleo recebe fibras auditivas dos núcleos cocleares que sobem pelo
lemnisco lateral e manda fibras ao corpo geniculado medial através do braço do colículo inferior. Algumas fibras cruzam de
um colículo para outro, formando a comissura do colículo inferior. Esse colículo é, portanto, um importante relé (interruptor de
seleção) das vias auditivas.
OBS
2
: Não confundir lemnisco lateral (fibras que levam impulsos de núcleos cocleares da ponte ao colículo inferior) com lemnisco
medial (formado a partir das fibras arqueadas internas que derivam dos núcleos grácil e cuneiforme, ainda no bulbo). Devemos
perceber também que o braço do colículo superior é responsável por trazer informações do corpo geniculado lateral para o próprio
colículo. Enquanto que o braço do colículo inferior leva, do colículo inferior ao corpo geniculado medial, impulsos relacionados com a
via auditiva.
 Área pré-tectal: também chamada de núcleo pré-tectal, é uma área de limites pouco definidos, situada na extremidade
rostral dos colículos superiores, no limite do mesencéfalo com o diencéfalo. Relaciona-se com o controle reflexo das pupilas
por se comunicar com o núcleo acessório do oculomotor (Edinger-Westphal) dos dois lados, estabelecendo conexões entre
eles e fibras oriundas da retina.
Arlindo Ugulino Netto.
NEUROANATOMIA 2016
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● NEUROANATOMIA
2
www.medresumos.com.br
BASE DO PEDÚNCULO CEREBRAL
A base do pedúnculo é formada por fibras descendentes dos tractos córtico-espinhal, córtico-nuclear e córtico-pontino, que
formam um conjunto compacto nessa região (diferentemente do que ocorre quando estes passam na base da ponte). Em vista do
grande numero de fibras descendentes que percorrem a base dos pedúnculos cerebrais, lesões aí localizadas causam paralisias que
se manifestam do lado oposto da lesão.
SUBSTÂNCIA CINZENTA
SUBSTÂNCIA CINZENTA HOMÓLOGA (NÚCLEOS DOS NERVOS CRANIANOS)
No tegmento do mesencéfalo estão os núcleos dos pares cranianos III (oculomotor), IV (troclear) e V (trigêmeo). Desse
último, está apenas o núcleo do tracto mesencefálico, que continua da ponte e recebe informações proprioceptivas que entram pelo
nervo trigêmeo (informações estas que chegam, por exemplo, pelo nervo oftálmico, trazendo informações proprioceptivas da
conjuntiva do olho).
 Núcleo do Nervo Troclear: situa-se ao nível do colículo inferior, em posição imediatamente ventral à substância cinzenta
central e dorsal ao fascículo longitudinal medial. Suas fibras saem de sua face dorsal, contornam lateralmente a substância
cinzenta central, cruzam (posteriormente a ela) e emergem na porção caudal do colículo inferior. Este nervo – o N. troclear
(IV) – apresenta, pois, duas peculiaridades: suas fibras são as únicas que saem da face dorsal do encéfalo e trata-se do
único nervo cujas fibras decussam antes de emergirem do sistema nervoso central. O nervo troclear inerva o músculo
oblíquo superior do olho.
 Núcleo do Nervo Oculomotor (Complexo óculo-motor): localiza-se ao nível do colículo superior e aparece nos cortes
transversais em forma de V, estando intimamente relacionado com o fascículo longitudinal medial (com quem faz
comunicações com os outros nervos que controlam o bulbo ocular: IV e VI; e com o controle do movimento da cabeça: raiz
espinhal do nervo acessório). O complexo oculomotor pode ser funcionalmente dividido em uma parte somática e outra
visceral.
 A parte somática contém neurônios motores responsáveis pela inervação dos músculos reto superior, reto inferior,
reto medial do olho e levantador da pálpebra. Na realidade, a parte somática do complexo oculomotor é constituída
de vários subnúcleos, cada um dos quais destina fibras motoras para inervação de um dos músculos acima
relacionados. Essas fibras – depois de um certo trajeto curvo em direção ventral, no qual muitas atravessam o
próprio núcleo rubro – emergem na fossa interpeduncular (no sulco medial do pedúnculo cerebral), constituindo o
nervo oculomotor.
 A parte visceral do complexo oculomotor é chamado de núcleo de Edinger-Westphal. Esse núcleo contém
neurônios pré-ganglionares, cujas fibras fazem sinapses no gânglio ciliar e que estão relacionadas com a inervação
do músculo ciliar e músculo esfíncter da pupila, pertencendo então, ao sistema nervoso parassimpático.
SUBSTÂNCIA CINZENTA PRÓPRIA DO MESENCÉFALO
Nessa categoria, situam-se dois núcleos importantes, ambos relacionados com a atividade motora somática: o núcleo rubro
e a substância negra.
 Núcleo Rubro (núcleo vermelho): é assim denominado em virtude da tonalidade ligeiramente rósea que apresenta nas
preparações a fresco. Cada núcleo rubro é abordado na sua extremidade caudal pelas fibras do pedúnculo cerebelar superior
que o envolve. Essas fibras vão penetrando no núcleo à medida que sobem, mas grande parte delas termina no tálamo. O
núcleo rubro participa do controle da motricidade somática. Recebe fibras do cerebelo e das áreas motoras do córtex
cerebral e dá origem ao tracto rubro-espinhal, através do qual influencia neurônios motores na medula, responsáveis pela
inervação da musculatura distal dos membros (realizando movimentos finos e delicados). O núcleo rubro liga-se também ao
complexo olivar inferior através das fibras rubro-olivares, que integram o circuito rubro-olivo-cerebelar.
 Substância Negra: situada entre o tegmento e a base do pedúnculo cerebral, a substância negra é um núcleo compacto
formado por neurônios que apresentam a peculiaridade de conter inclusões de melanina (produto derivado da tirosina e
fenilalanina). Isso faz com que esse núcleo apresente nas preparações a fresco uma coloração escura. Uma característica
importante da maioria dos neurônios da substância negra é que eles utilizam como neurotransmissor a dopamina (também
derivada da tirosina e fenilalanina), ou seja, são neurônios dopaminérgicos. A substância negra faz conexões com o corpo
estriado, através das fibras nigro-estriatais e estriato-nigrais, sendo as primeiras dopaminérgicas. Degenerações dos
neurônios dopaminérgicos da substância negra casam uma diminuição de dopamina no corpo estriado, provocando as
graves perturbações motoras que caracterizam a chamada Síndrome de Parkinson.
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● NEUROANATOMIA
3
www.medresumos.com.br
SUBSTÂNCIA BRANCA
Assim como na ponte, a maioria dos feixes de fibras descendentes do mesencéfalo não passa pelo tegmento, mas pela base
do pedúnculo cerebral, o qual já estudamos. Já as fibras ascendentes percorrem o tegmento e representam a continuação dos
segmentos que sobem da ponte: os quatro lemniscos e o pedúnculo cerebelar superior. Este, ao nível do colículo inferior, cruza com o
lado oposto na decussação do pedúnculo cerebelar superior e sobe envolvendo o núcleo rubro.
Ao nível do colículo inferior, os quatro lemniscos aparecem agrupados em uma só faixa na parte lateral do tegmento, em uma
sequência médio-lateral, se dispõem os lemniscos medial, espinhal, trigeminal e lateral. Este último, pertencente às vias auditivas,
termina no núcleo do colículo inferior, enquanto os demais sobem e aparecem ao nível do colículo superior em uma faixa disposta
lateralmente ao núcleo rubro. Nesse nível, nota-se também o braço do colículo inferior, cujas fibras sobem para terminar no corpo
geniculado medial.
Em toda extensão do tegmento mesencefálico, nota-se, próximo ao plano mediano, o fascículo longitudinal medial, que
constitui o feixe de associação do tronco encefálico.
CORRELAÇÕES CLÍNICAS
Lesões da base do pedúnculo cerebral (Síndrome de Weber)
Uma lesão da base do pedúnculo cerebral geralmente compromete o tracto córtico-espinhal e as fibras do nervo oculomotor.
Da lesão do nervo oculomotor, resultam os seguintes sintomas do mesmo lado da lesão:
 Impossibilidade de mover o bulbo ocular para cima, para baixo ou em direção medial por paralisia dos músculos retos
superior, inferior e medial;
 Diplopia: visualização de dois campos visuais distintos;
 Desvio do bulbo ocular em direção lateral (estrabismo divergente), por ação do músculo reto lateral (inervado pelo N.
abducente) não contrabalanceada pelo reto medial;
 Ptose palpebral (queda da pálpebra), decorrente da paralisia do músculo levantador da pálpebra;
 Dilatação da pupila (midríase) por ação do músculo dilatador da pupila (inervado pelo SN simpático), não contrabalanceado
pelo M. constrictor da pupila cuja inervação parassimpática foi lesada.
Lesão do tegmento do mesencéfalo (Síndrome de Benedikt)
Uma lesão no tegmento do mesencéfalo pode facilmente acometer o nervo oculomotor, o núcleo rubro e os lemniscos
medial, espinhal e trigeminal, resultando nos sintomas descritos a seguir:
 Lesão do oculomotor: estrabismo divergente;
 Lesão dos lemniscos medial, espinhal e trigeminal: anestesia da metade oposta do corpo, inclusive da cabeça (por
acometimento do lemnisco trigeminal);
 Lesão do núcleo rubro: tremores e movimentos anormais do lado oposto à lesão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Jucie Vasconcelos
 
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares CranianosNervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Dr. Peterson Xavier @drpetersonxavier
 
Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebralMedresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianosMedresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Jucie Vasconcelos
 
Meninges e liquor
Meninges e liquorMeninges e liquor
Meninges e liquor
Michele Sousa
 
rmacao Aula de formação reticular
rmacao Aula de formação reticularrmacao Aula de formação reticular
rmacao Aula de formação reticular
André Mahmoud
 
Pares cranianos.
Pares cranianos.Pares cranianos.
Pares cranianos.
Rafaella
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
Janderson Physios
 
Tronco encefalico
Tronco encefalicoTronco encefalico
Aula 4
Aula 4Aula 4
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Cleanto Santos Vieira
 
Telencéfalo
Telencéfalo Telencéfalo
Telencéfalo
M3Direciona
 
Cerebelo
CerebeloCerebelo
Medula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos EspinhaisMedula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos Espinhais
Vânia Caldeira
 
anatomia sistema nervoso - telencéfalo
anatomia   sistema nervoso - telencéfaloanatomia   sistema nervoso - telencéfalo
anatomia sistema nervoso - telencéfalo
AlexandreDesSaints
 
medula espinhal
 medula espinhal  medula espinhal
medula espinhal
Daniela Oliva
 
Nervos Cranianos
Nervos CranianosNervos Cranianos
Nervos Cranianos
pauloalambert
 

Mais procurados (20)

Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 13 - anatomia macroscópia do telencéfalo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfaloMedresumos 2016   neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
Medresumos 2016 neuroanatomia 10 - macroscopia do diencéfalo
 
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares CranianosNervos Cranianos - Pares Cranianos
Nervos Cranianos - Pares Cranianos
 
Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Tronco encefálico
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 21 - grandes vias eferentes
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebralMedresumos 2016   neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
Medresumos 2016 neuroanatomia 14 - aspectos funcionais do córtex cerebral
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianosMedresumos 2016   neuroanatomia 08 - nervos cranianos
Medresumos 2016 neuroanatomia 08 - nervos cranianos
 
Meninges e liquor
Meninges e liquorMeninges e liquor
Meninges e liquor
 
rmacao Aula de formação reticular
rmacao Aula de formação reticularrmacao Aula de formação reticular
rmacao Aula de formação reticular
 
Pares cranianos.
Pares cranianos.Pares cranianos.
Pares cranianos.
 
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARESMEDULA ESPINHAL  JANDERSON SOARES
MEDULA ESPINHAL JANDERSON SOARES
 
Tronco encefalico
Tronco encefalicoTronco encefalico
Tronco encefalico
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Telencéfalo
Telencéfalo Telencéfalo
Telencéfalo
 
Cerebelo
CerebeloCerebelo
Cerebelo
 
Medula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos EspinhaisMedula e Nervos Espinhais
Medula e Nervos Espinhais
 
anatomia sistema nervoso - telencéfalo
anatomia   sistema nervoso - telencéfaloanatomia   sistema nervoso - telencéfalo
anatomia sistema nervoso - telencéfalo
 
medula espinhal
 medula espinhal  medula espinhal
medula espinhal
 
Nervos Cranianos
Nervos CranianosNervos Cranianos
Nervos Cranianos
 

Destaque

Medresumos 2016 neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Medresumos 2016   neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhalMedresumos 2016   neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Medresumos 2016 neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - pescoço
Medresumos 2016   anatomia topográfica - pescoçoMedresumos 2016   anatomia topográfica - pescoço
Medresumos 2016 anatomia topográfica - pescoço
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - abdome
Medresumos 2016   anatomia topográfica - abdomeMedresumos 2016   anatomia topográfica - abdome
Medresumos 2016 anatomia topográfica - abdome
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 03 - microscopia da medula espinhal
Medresumos 2016   neuroanatomia 03 - microscopia da medula espinhalMedresumos 2016   neuroanatomia 03 - microscopia da medula espinhal
Medresumos 2016 neuroanatomia 03 - microscopia da medula espinhal
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - dorso
Medresumos 2016   anatomia topográfica - dorsoMedresumos 2016   anatomia topográfica - dorso
Medresumos 2016 anatomia topográfica - dorso
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - membro inferior
Medresumos 2016   anatomia topográfica - membro inferiorMedresumos 2016   anatomia topográfica - membro inferior
Medresumos 2016 anatomia topográfica - membro inferior
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Medresumos 2016   neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomiaMedresumos 2016   neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Medresumos 2016 neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - tórax
Medresumos 2016   anatomia topográfica - tóraxMedresumos 2016   anatomia topográfica - tórax
Medresumos 2016 anatomia topográfica - tórax
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - membro superior
Medresumos 2016   anatomia topográfica - membro superiorMedresumos 2016   anatomia topográfica - membro superior
Medresumos 2016 anatomia topográfica - membro superior
Jucie Vasconcelos
 

Destaque (9)

Medresumos 2016 neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Medresumos 2016   neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhalMedresumos 2016   neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
Medresumos 2016 neuroanatomia 02 - macroscopia da medula espinhal
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - pescoço
Medresumos 2016   anatomia topográfica - pescoçoMedresumos 2016   anatomia topográfica - pescoço
Medresumos 2016 anatomia topográfica - pescoço
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - abdome
Medresumos 2016   anatomia topográfica - abdomeMedresumos 2016   anatomia topográfica - abdome
Medresumos 2016 anatomia topográfica - abdome
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 03 - microscopia da medula espinhal
Medresumos 2016   neuroanatomia 03 - microscopia da medula espinhalMedresumos 2016   neuroanatomia 03 - microscopia da medula espinhal
Medresumos 2016 neuroanatomia 03 - microscopia da medula espinhal
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - dorso
Medresumos 2016   anatomia topográfica - dorsoMedresumos 2016   anatomia topográfica - dorso
Medresumos 2016 anatomia topográfica - dorso
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - membro inferior
Medresumos 2016   anatomia topográfica - membro inferiorMedresumos 2016   anatomia topográfica - membro inferior
Medresumos 2016 anatomia topográfica - membro inferior
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Medresumos 2016   neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomiaMedresumos 2016   neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
Medresumos 2016 neuroanatomia 01 - introdução à neuroanatomia
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - tórax
Medresumos 2016   anatomia topográfica - tóraxMedresumos 2016   anatomia topográfica - tórax
Medresumos 2016 anatomia topográfica - tórax
 
Medresumos 2016 anatomia topográfica - membro superior
Medresumos 2016   anatomia topográfica - membro superiorMedresumos 2016   anatomia topográfica - membro superior
Medresumos 2016 anatomia topográfica - membro superior
 

Semelhante a Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo

Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
Ana Carolina Andrade
 
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFaloAula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
kazumialexandre
 
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdfaulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
AyrttonAnacleto2
 
Documento trabalho de Neuroanatomia
Documento trabalho de NeuroanatomiaDocumento trabalho de Neuroanatomia
Documento trabalho de Neuroanatomia
Anderson Santana
 
introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
 introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
MarliaSousa8
 
SIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptxSIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptx
MayaraKaroliny1
 
Resumo Medula Espinhal
Resumo Medula EspinhalResumo Medula Espinhal
Resumo Medula Espinhal
guest96d46e1
 
Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Tronco encefálico
Olavo Valente
 
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
Joao Luiz Macedo
 
Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Sistema nervoso2
Sistema nervoso2
mariabraz
 
Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
Liga de neurociências
 
Macroscopia do snc
Macroscopia do sncMacroscopia do snc
Neuroanatomia nervos
Neuroanatomia   nervosNeuroanatomia   nervos
Macroscopia do snc
Macroscopia do sncMacroscopia do snc
Tronco Cerebral
Tronco CerebralTronco Cerebral
Tronco Cerebral
kazumialexandre
 
Sistemanervoso1
Sistemanervoso1Sistemanervoso1
Sistemanervoso1
miguelcmartins
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
AnailtOn Silva Jr.
 
Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)
AnailtOn Silva Jr.
 
Material de apoio
Material de apoioMaterial de apoio
Material de apoio
Suzana Fernandes
 
cerebelo funcional.pptx
cerebelo funcional.pptxcerebelo funcional.pptx
cerebelo funcional.pptx
GabrielPintoMalowa
 

Semelhante a Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo (20)

Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
 
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFaloAula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
Aula Microscopia Da Ponte E MesencéFalo
 
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdfaulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
 
Documento trabalho de Neuroanatomia
Documento trabalho de NeuroanatomiaDocumento trabalho de Neuroanatomia
Documento trabalho de Neuroanatomia
 
introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
 introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
introd a neuro, filogenese, embriologia e divisão do Sistema Nervosos
 
SIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptxSIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptx
 
Resumo Medula Espinhal
Resumo Medula EspinhalResumo Medula Espinhal
Resumo Medula Espinhal
 
Tronco encefálico
Tronco encefálicoTronco encefálico
Tronco encefálico
 
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
04 EMBRIOLOGIA SN.ppt
 
Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Sistema nervoso2
Sistema nervoso2
 
Filogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema NervosoFilogenese do Sistema Nervoso
Filogenese do Sistema Nervoso
 
Macroscopia do snc
Macroscopia do sncMacroscopia do snc
Macroscopia do snc
 
Neuroanatomia nervos
Neuroanatomia   nervosNeuroanatomia   nervos
Neuroanatomia nervos
 
Macroscopia do snc
Macroscopia do sncMacroscopia do snc
Macroscopia do snc
 
Tronco Cerebral
Tronco CerebralTronco Cerebral
Tronco Cerebral
 
Sistemanervoso1
Sistemanervoso1Sistemanervoso1
Sistemanervoso1
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)Sistemanervoso1 (2)
Sistemanervoso1 (2)
 
Material de apoio
Material de apoioMaterial de apoio
Material de apoio
 
cerebelo funcional.pptx
cerebelo funcional.pptxcerebelo funcional.pptx
cerebelo funcional.pptx
 

Mais de Jucie Vasconcelos

Medresumos 2016 omf - digestório
Medresumos 2016   omf - digestórioMedresumos 2016   omf - digestório
Medresumos 2016 omf - digestório
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Medresumos 2016   omf - cardiovascularMedresumos 2016   omf - cardiovascular
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânioMedresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomoMedresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticularMedresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 mad i
Medresumos 2016   mad iMedresumos 2016   mad i
Medresumos 2016 mad i
Jucie Vasconcelos
 
Medresumos 2016 cef
Medresumos 2016   cefMedresumos 2016   cef
Medresumos 2016 cef
Jucie Vasconcelos
 

Mais de Jucie Vasconcelos (12)

Medresumos 2016 omf - digestório
Medresumos 2016   omf - digestórioMedresumos 2016   omf - digestório
Medresumos 2016 omf - digestório
 
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
Medresumos 2016   omf - cardiovascularMedresumos 2016   omf - cardiovascular
Medresumos 2016 omf - cardiovascular
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânioMedresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomoMedresumos 2016   neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
Medresumos 2016 neuroanatomia 19 - sistema nervoso autônomo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticularMedresumos 2016   neuroanatomia 17 - formação reticular
Medresumos 2016 neuroanatomia 17 - formação reticular
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...Medresumos 2016   neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
Medresumos 2016 neuroanatomia 16 - vascularização do sistema nervoso centra...
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 12 - hipotálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 12 - hipotálamo
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamoMedresumos 2016   neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
Medresumos 2016 neuroanatomia 11 - subtálamo, epitálamo e tálamo
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
 
Medresumos 2016 mad i
Medresumos 2016   mad iMedresumos 2016   mad i
Medresumos 2016 mad i
 
Medresumos 2016 cef
Medresumos 2016   cefMedresumos 2016   cef
Medresumos 2016 cef
 

Medresumos 2016 neuroanatomia 07 - microscopia do mesencéfalo

  • 1. Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● NEUROANATOMIA 1 www.medresumos.com.br ESTRUTURA DO MESENCÉFALO - MICROSCOPIA O mesencéfalo é constituído por uma porção dorsal, o tecto do mesencéfalo, e outra ventral muito maior, o pedúnculo cerebral, separados pelo aqueduto cerebral (aqueduto do mesencéfalo), canal que percorre longitudinalmente o mesencéfalo e que é circundado por uma espessa camada de substância cinzenta central ou periaquedutal. Em cada pedúnculo cerebral distingue-se, a partir da substância negra, uma parte ventral, a base do pedúnculo (formada de fibras longitudinais) e uma parte dorsal, o tegmento do mesencéfalo, cuja estrutura assemelha-se à parte correspondente na ponte. TECTO DO MESENCÉFALO O tecto do mesencéfalo, nos mamíferos, é constituído de quatro eminências, os colículos superiores (relacionados com os órgãos da visão por meio dos corpos geniculados laterais do diencéfalo) e os colículos inferiores (relacionados com a audição por meio dos corpos geniculados mediais). Além deles, existe a chamada área pré-tectal.  Colículo superior: é formado por uma série de camadas superpostas constituídas alternadamente por substância branca e cinzenta. Suas conexões são complexas, destacando-se, entre elas:  Fibras oriundas da retina, que atingem o corpo geniculado lateral por meio do tracto óptico e por fim, por meio do braço do colículo superior, chegam impulsos ao colículo superior.  Fibras oriundas do córtex occipital, que chegam ao colículo pela radiação óptica e braço do colículo superior.  Fibras que formam o tracto tecto-espinhal e terminam fazendo sinapse com neurônios motores da medula cervical. OBS 1 : O colículo superior é importante para certos reflexos que regulam o movimento dos olhos no sentido vertical. Para esta função, existem fibras que ligam o colículo superior ao núcleo do nervo oculomotor, situado ventralmente no tegmento do mesencéfalo, bem ao nível do colículo. Tumores do corpo pineal podem comprimir os colículos e causar a perda da capacidade de mover os olhos no sentido vertical voluntária ou reflexamente.  Colículo inferior: constituído por uma massa bem delimitada de substância cinzenta, o núcleo do colículo inferior (bilateralmente à substância cinzenta central). Esse núcleo recebe fibras auditivas dos núcleos cocleares que sobem pelo lemnisco lateral e manda fibras ao corpo geniculado medial através do braço do colículo inferior. Algumas fibras cruzam de um colículo para outro, formando a comissura do colículo inferior. Esse colículo é, portanto, um importante relé (interruptor de seleção) das vias auditivas. OBS 2 : Não confundir lemnisco lateral (fibras que levam impulsos de núcleos cocleares da ponte ao colículo inferior) com lemnisco medial (formado a partir das fibras arqueadas internas que derivam dos núcleos grácil e cuneiforme, ainda no bulbo). Devemos perceber também que o braço do colículo superior é responsável por trazer informações do corpo geniculado lateral para o próprio colículo. Enquanto que o braço do colículo inferior leva, do colículo inferior ao corpo geniculado medial, impulsos relacionados com a via auditiva.  Área pré-tectal: também chamada de núcleo pré-tectal, é uma área de limites pouco definidos, situada na extremidade rostral dos colículos superiores, no limite do mesencéfalo com o diencéfalo. Relaciona-se com o controle reflexo das pupilas por se comunicar com o núcleo acessório do oculomotor (Edinger-Westphal) dos dois lados, estabelecendo conexões entre eles e fibras oriundas da retina. Arlindo Ugulino Netto. NEUROANATOMIA 2016
  • 2. Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● NEUROANATOMIA 2 www.medresumos.com.br BASE DO PEDÚNCULO CEREBRAL A base do pedúnculo é formada por fibras descendentes dos tractos córtico-espinhal, córtico-nuclear e córtico-pontino, que formam um conjunto compacto nessa região (diferentemente do que ocorre quando estes passam na base da ponte). Em vista do grande numero de fibras descendentes que percorrem a base dos pedúnculos cerebrais, lesões aí localizadas causam paralisias que se manifestam do lado oposto da lesão. SUBSTÂNCIA CINZENTA SUBSTÂNCIA CINZENTA HOMÓLOGA (NÚCLEOS DOS NERVOS CRANIANOS) No tegmento do mesencéfalo estão os núcleos dos pares cranianos III (oculomotor), IV (troclear) e V (trigêmeo). Desse último, está apenas o núcleo do tracto mesencefálico, que continua da ponte e recebe informações proprioceptivas que entram pelo nervo trigêmeo (informações estas que chegam, por exemplo, pelo nervo oftálmico, trazendo informações proprioceptivas da conjuntiva do olho).  Núcleo do Nervo Troclear: situa-se ao nível do colículo inferior, em posição imediatamente ventral à substância cinzenta central e dorsal ao fascículo longitudinal medial. Suas fibras saem de sua face dorsal, contornam lateralmente a substância cinzenta central, cruzam (posteriormente a ela) e emergem na porção caudal do colículo inferior. Este nervo – o N. troclear (IV) – apresenta, pois, duas peculiaridades: suas fibras são as únicas que saem da face dorsal do encéfalo e trata-se do único nervo cujas fibras decussam antes de emergirem do sistema nervoso central. O nervo troclear inerva o músculo oblíquo superior do olho.  Núcleo do Nervo Oculomotor (Complexo óculo-motor): localiza-se ao nível do colículo superior e aparece nos cortes transversais em forma de V, estando intimamente relacionado com o fascículo longitudinal medial (com quem faz comunicações com os outros nervos que controlam o bulbo ocular: IV e VI; e com o controle do movimento da cabeça: raiz espinhal do nervo acessório). O complexo oculomotor pode ser funcionalmente dividido em uma parte somática e outra visceral.  A parte somática contém neurônios motores responsáveis pela inervação dos músculos reto superior, reto inferior, reto medial do olho e levantador da pálpebra. Na realidade, a parte somática do complexo oculomotor é constituída de vários subnúcleos, cada um dos quais destina fibras motoras para inervação de um dos músculos acima relacionados. Essas fibras – depois de um certo trajeto curvo em direção ventral, no qual muitas atravessam o próprio núcleo rubro – emergem na fossa interpeduncular (no sulco medial do pedúnculo cerebral), constituindo o nervo oculomotor.  A parte visceral do complexo oculomotor é chamado de núcleo de Edinger-Westphal. Esse núcleo contém neurônios pré-ganglionares, cujas fibras fazem sinapses no gânglio ciliar e que estão relacionadas com a inervação do músculo ciliar e músculo esfíncter da pupila, pertencendo então, ao sistema nervoso parassimpático. SUBSTÂNCIA CINZENTA PRÓPRIA DO MESENCÉFALO Nessa categoria, situam-se dois núcleos importantes, ambos relacionados com a atividade motora somática: o núcleo rubro e a substância negra.  Núcleo Rubro (núcleo vermelho): é assim denominado em virtude da tonalidade ligeiramente rósea que apresenta nas preparações a fresco. Cada núcleo rubro é abordado na sua extremidade caudal pelas fibras do pedúnculo cerebelar superior que o envolve. Essas fibras vão penetrando no núcleo à medida que sobem, mas grande parte delas termina no tálamo. O núcleo rubro participa do controle da motricidade somática. Recebe fibras do cerebelo e das áreas motoras do córtex cerebral e dá origem ao tracto rubro-espinhal, através do qual influencia neurônios motores na medula, responsáveis pela inervação da musculatura distal dos membros (realizando movimentos finos e delicados). O núcleo rubro liga-se também ao complexo olivar inferior através das fibras rubro-olivares, que integram o circuito rubro-olivo-cerebelar.  Substância Negra: situada entre o tegmento e a base do pedúnculo cerebral, a substância negra é um núcleo compacto formado por neurônios que apresentam a peculiaridade de conter inclusões de melanina (produto derivado da tirosina e fenilalanina). Isso faz com que esse núcleo apresente nas preparações a fresco uma coloração escura. Uma característica importante da maioria dos neurônios da substância negra é que eles utilizam como neurotransmissor a dopamina (também derivada da tirosina e fenilalanina), ou seja, são neurônios dopaminérgicos. A substância negra faz conexões com o corpo estriado, através das fibras nigro-estriatais e estriato-nigrais, sendo as primeiras dopaminérgicas. Degenerações dos neurônios dopaminérgicos da substância negra casam uma diminuição de dopamina no corpo estriado, provocando as graves perturbações motoras que caracterizam a chamada Síndrome de Parkinson.
  • 3. Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● NEUROANATOMIA 3 www.medresumos.com.br SUBSTÂNCIA BRANCA Assim como na ponte, a maioria dos feixes de fibras descendentes do mesencéfalo não passa pelo tegmento, mas pela base do pedúnculo cerebral, o qual já estudamos. Já as fibras ascendentes percorrem o tegmento e representam a continuação dos segmentos que sobem da ponte: os quatro lemniscos e o pedúnculo cerebelar superior. Este, ao nível do colículo inferior, cruza com o lado oposto na decussação do pedúnculo cerebelar superior e sobe envolvendo o núcleo rubro. Ao nível do colículo inferior, os quatro lemniscos aparecem agrupados em uma só faixa na parte lateral do tegmento, em uma sequência médio-lateral, se dispõem os lemniscos medial, espinhal, trigeminal e lateral. Este último, pertencente às vias auditivas, termina no núcleo do colículo inferior, enquanto os demais sobem e aparecem ao nível do colículo superior em uma faixa disposta lateralmente ao núcleo rubro. Nesse nível, nota-se também o braço do colículo inferior, cujas fibras sobem para terminar no corpo geniculado medial. Em toda extensão do tegmento mesencefálico, nota-se, próximo ao plano mediano, o fascículo longitudinal medial, que constitui o feixe de associação do tronco encefálico. CORRELAÇÕES CLÍNICAS Lesões da base do pedúnculo cerebral (Síndrome de Weber) Uma lesão da base do pedúnculo cerebral geralmente compromete o tracto córtico-espinhal e as fibras do nervo oculomotor. Da lesão do nervo oculomotor, resultam os seguintes sintomas do mesmo lado da lesão:  Impossibilidade de mover o bulbo ocular para cima, para baixo ou em direção medial por paralisia dos músculos retos superior, inferior e medial;  Diplopia: visualização de dois campos visuais distintos;  Desvio do bulbo ocular em direção lateral (estrabismo divergente), por ação do músculo reto lateral (inervado pelo N. abducente) não contrabalanceada pelo reto medial;  Ptose palpebral (queda da pálpebra), decorrente da paralisia do músculo levantador da pálpebra;  Dilatação da pupila (midríase) por ação do músculo dilatador da pupila (inervado pelo SN simpático), não contrabalanceado pelo M. constrictor da pupila cuja inervação parassimpática foi lesada. Lesão do tegmento do mesencéfalo (Síndrome de Benedikt) Uma lesão no tegmento do mesencéfalo pode facilmente acometer o nervo oculomotor, o núcleo rubro e os lemniscos medial, espinhal e trigeminal, resultando nos sintomas descritos a seguir:  Lesão do oculomotor: estrabismo divergente;  Lesão dos lemniscos medial, espinhal e trigeminal: anestesia da metade oposta do corpo, inclusive da cabeça (por acometimento do lemnisco trigeminal);  Lesão do núcleo rubro: tremores e movimentos anormais do lado oposto à lesão.