SlideShare uma empresa Scribd logo
PROPEDÊUTICA - FEPAR                                                       CARDIOVASCULAR




                        Coração
Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes


O Exame Físico do Coração
Neste módulo estudaremos o exame físico do sistema cardiovascular, estabelecendo relações com
a fisiologia, anatomia e clínica. Enfatizaremos nesta apostila a ausculta cardíaca.


CONSIDERAÇÕES GERAIS

Focos Cardíacos: As áreas mitral e tricúspide são denominadas focos apicais e as regiões
aórtica e pulmonar focos da base.
    a)      Foco aórtico = 2o EID junto ao esterno
    b)      Foco aórtico acessório = 3º EIE junto ao esterno
    c)      Foco pulmonar = 2o EIE junto ao esterno
    d)      Foco mitral = 5o EIE em LHCE
    e)      Foco tricúspide = 5º EID junto ao esterno

Uso do Estetoscópio:
   •
 Ausculta cardíaca apresenta acurácia diagnóstica de 70 a 97%
   •
 Inventado por Laenec em 1816.
   •
 Diafragma = útil para sons agudos (ex: B1, B2, sopros de regurgitação aórtica e mi-
      tral, atrito pericárdico).
   •
 Campânula = útil para sons graves
      (ex: B3, B4, sopro de estenose mi-
      tral).

As 4 perguntas que devem ser feitas ao se
realizar a ausculta cardíaca:
   •
 Quantas são as bulhas?
   •
 Como são as bulhas?
   •
 Existem ruídos?
   •
 Qual é a relação entre as bulhas e os
       ruídos com o ciclo cardíaco?




GESEP                                                                                 PÁGINA 1
PROPEDÊUTICA - FEPAR                                     PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR


BULHAS CARDÍACAS
  a)   B1 (TUM-TÁ) = Os sons são gerados pela vibração dos folhetos valvares após o seu fe-
       chamento, causado pela movimentação de sangue no interior dos ventrículos. O seu primei-
       ro componente é secundário ao fechamento da válvula mitral (M1) e seu segundo compo-
       nente secundário ao fechamento da válvula tricúspide (T1). Coincide com o ictus cordis e o
       pulso carotídeo, sendo mais intenso em foco mitral. A duração é pouco maior do que a B2 e
       o timbre é grave (TUM). Indica o início da sístole ventricular.
  b)   B2 (TUM-TÁ) = É gerada pela desaceleração da coluna líquida sobre as valvas aórtica e
       pulmonar já fechadas, provocando assim vibrações da coluna líquida e das estruturas adja-
       centes, como aparelho valvar, paredes vasculares e via de saída dos ventrículos. Coincide
       com o início da diástole, sendo composto inicialmente pelo fechamento da válvula aórtica
       (A2) e depois da pulmonar (P2). É mais intenso em foco aórtico e pulmonar, sendo o timbre
       mais agudo e seco (TÁ). A duração é menor do que B1. Pode sofrer desdobramento inspira-
       tório (TUM-TRÁ).
  c)   B3 (TUM-TÁ--TÁ) = Som que ocorre entre a proto e mesodiástole, sendo gerado pela
       brusca desaceleração da coluna de sangue contra as paredes ventriculares no final da fase de
       enchimento rápido. Melhor audível em área mitral em decúbito lateral esquerdo. Ocorre na
       insuficiência cardíaca, sendo um indicador da sua gravidade Pode ser fisiológico em crian-
       ças e adolescentes.
  d)   B4 (TRRUM-TÁ) = Ocorre na telediástole e é gerado pela desaceleração da coluna san-
       güínea que é impulsionada pelos átrios na fase de contração atrial contra a massa sangüínea
       existente no interior do ventrículo esquerdo, no final da diástole. Representa uma contração

   Alterações de B1:
      a)     B1 hipofonético = BAV de 1º grau, regurgitação mitral, diminuição da contratilidade de
             VE (insuficiência cardíaca).
      b)     B1 hiperfonético = Taquicardia e estados de alto débito cardíaco (ex: anemia, exercício,
             hipertireoidismo), estenose mitral.
      c)     Desdobramento de B1 = Se muito amplo, suspeitar de bloqueio de ramo direito, acarre-
             tando atraso no fachamento da válvula tricúspide (trum-tá).

   Alterações de B2:
      a)     A2 hipofonético = Estenose aórtica calcificada e regurgitação aórtica.
      b)     A2 hiperfonético = HAS, dilatação aórtica e coarctação de aorta.
      c)     P2 hipofonético = Aumento do diâmetro ântero-posterior do tórax e estenose pulmonar.
      d)     P2 hiperfonético = Hipertensão pulmonar, dilatação da artéria pulmonar e comunicação
             interatrial.
      e)     Desdobramento de B2 (auscultado em foco pulmonar) = Podemos observar no sujeito
             normal um desdobramento fisiológico de B2 durante a inspiração. Em situações patoló-
             gicas ocorre um amplo desdobramento de B2 (bloqueio de ramo direito, estenose pulmo-
             nar, dilatação aguda ou crônica do VD). Pode ser constante e variável, acentuando-se na
             inspiração (bloqueio de ramo direito) ou constante e fixo, permanecendo inalterado du-
             rante o ciclo respiratório (CIA, estenose pulmonar). O desdobramento pode ser parado-
             xal, surgindo na expiração, por um retardo na formação de A2 (bloqueio de ramo esquer-
             do).



GESEP 
    
    
     
     
     
    
     
     
     
    
     
     
     
      PÁGINA 2
PROPEDÊUTICA - FEPAR                                        PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR


Outros Sons Cardíacos:
  a)     Clique de Ejeção Sistólica = Som que acompanha a abertura da válvula aórtica durante a
         sístole.
  b)     Clique Mesosistólico = Pode ocorrer no polapso de válvula mitral.
  c)     Estalido de Abertura Mitral = Som que acompanha a abertura da valva mitral, durante a
         diástole, podendo ocorrer nas estenoses desta válvula..

Ritmos de Galope: Ocorre em disfunção miocárdica por súbita desaceleração do fluxo sanguíneo ao
penetrar nos ventrículos. Indica sofrimento miocárdico ou insuficiência cardíaca. Podemos ter os se-
guintes ritmos:
   a)       Ritmo de galope ventricular (TUM-TÁ--TÁ) = Sempre associado à taquicardia, formado
            por B3 patológica, sendo indicativo de ICC.
   b)       Ritmo de galope atrial (TRRUM-TÁ) = Formado por B4, indicando crise hipertensiva,
            cardiopatia isquêmica, estenose aórtica e miocardiopatia hipertrófica.
   c)       Ritmo de galope de soma = Ritmo de galope ventricular + ritmo de galope atrial (B3 +
            B4).

SOPROS CARDÍACOS

Ao se constatar um sopro, o mesmo deve ser descrito baseando-se nos seguintes parâmetros:
   1. Localização no ciclo cardíaco
   2. Formato
   3. localização
   4. Irradiação
   5. Timbre e frequência
   6. Intensidade
   7. Efeitos de manobras sobre o sopro

Localização no ciclo cardíaco = Caracterizar se é sistólico ou diastólico.

Formato dos Sopros = Existem sopros diastólicos (ruflar e aspirativo) e sopros sistólicos (de regurgi-
tação e ejeção), abaixo descritos.

a.     Sopro sistólico de regurgitação = Ocorre na insuficiência das valvas atrioventriculares (mitral
       e tricúspide), sendo de intensidade constante, suave e associado a hipofonese de B1.
b.     Sopro sistólico de ejeção = Geralmente com formato em diamante ou crescendo e decrescen-
       do, rude, causado por turbulência na via de saída (estenose de válvula aórtica ou pulmonar) ou
       nos vasos da base durante a ejeção.
c.     Sopro diastólico aspirativo = Ocorre pela regurgitação das valvas semilunares (insuficiência
       aórtica ou pulmonar) na diástole, iniciando-se logo após B2.
d.     Sopro diastólico em ruflar = É característico da estenose das válvulas atrioventriculares (mi-
       tral e tricúspide), sendo granuloso e ocorrendo na protodiástole.
e.     Sopros sistodiastólicos (em maquinaria) = São contínuos, em vaivém, ocorrendo, por exem-
       plo, na persistência do canal arterial.



GESEP              
    
     
     
     
     
     
     
    
      
    
    
      PÁGINA 3
PROPEDÊUTICA - GESEP - FEPAR                                 PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR



Tipos de Sopros Sistólicos:
   •     Sopro Mesossistólico = Formado pelo fluxo sanguíneo que atravessa as válvulas semiluna-
            res (aórtica e pulmonar).
   •     Sopro Pansistólico ou Holossistólico = Formado por fluxos regurgitantes que atravessam as
            válvulas atrioventriculares (mitral e tricúspide).
   •     Sopro Telessistólico = Ocorre no prolapso da válvula mitral e é precedido de um clique sis-
            tólico.

Tipos de Sopros Diastólicos:
   •
 Sopro Protodiastólico = Formado pelo fluxo regurgitante através das valvas semilunares in-
       competentes.
   •
 Sopros Mesodiastólicos e Pressistólicos = Formado pelo fluxo turbulento que atravessa as
       valvas atrioventriculares.

Irradiação dos Sopros:
   a) Estenose aórtica = vasos do pescoço
   b) Estenose mitral = axila
   c) Insuficiência mitral = axila
   d) Insuficiência tricúspide = raio de roda de bicicleta

Posições de Ausculta:
   •
 Decúbito lateral esquerdo = Melhora ausculta do sopro da estenose mitral e de B3 e B4 de
       câmaras esquerdas. Pode-se utilizar a campânula do estetoscópio.
   •
 Sentado e inclinado para frente, com expiração do ar = Com o diafragma pode-se auscultar os
       sopros aórticos.

Causas de Sopro:
  a)    Aumento da velocidade da corrente sanguínea.
  b)    Diminuição da viscosidade sanguínea.
  c)    Passagem de sangue através de uma área estreita.
  d)    Passagem de sangue através de zona dilatada.
  e)    Passagem de sangue por uma membrana de borda livre.

Intensidade dos Sopros:
   a) Grau 1= Muito tênue, devendo-se concentrar durante vários ciclos para ouvi-lo.
   b) Grau 2 = Um leve murmúrio pode ser ouvido logo após iniciar a ausculta.
   c) Grau 3 = Maior do que o grau 2, porém não pode ser palpado.
   d) Grau 4 = Murmúrio alto, associado a frêmito palpável.
   e) Grau 5 = Murmúrio muito alto, que requer contato parcial do estetoscópio com a pele, mas
       que não é audível além da parede torácica.
   f) Grau 6 = Murmúrio alto o suficiente para ser ouvido com o estetoscópio sem tocar a parede
         torácica.




GESEP 
    
     
     
     
     
     
     
     
       
   
   
    
     
      PÁGINA 4
PROPEDÊUTICA - FEPAR                       PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR



CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS SOPROS




GESEP 
   
   
   
    
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   PÁGINA 5
PROPEDÊUTICA - FEPAR                                    PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR



PULSOS

   1. Pulso de amplitude aumentada (magnus celere) = Pulso amplo de fácil palpação. Ocorre em
      insuficiência aórtica ou em situações de alto débito cardíaco (sepse, anemia, tireotoxicose).
   2. Pulso de amplitude diminuída (parvus et tardus) = Ocorre na estenose aórtica e na insuficiên-
      cia cardíaca, por diminuição do débito cardíaco.
   3. Pulso bisferens = São palpados dois picos sistólicos por sístole, ocorrendo em situações na
      qual um grande volume sistólico é ejetado na aorta, como na insuficiência aórtica grave.
   4. Pulso alternante = Os batimentos são rítmicos mas a intensidade do pulso varia entre os bati-
      mentos, ocorrendo devido a variações no enchimento e na contratilidade miocárdica nas disfun-
      ções de ventrículo esquerdo. Ocorre quando existe grave comprometimento da função ventricu-
      lar esquerda.
   5. Pulso paradoxal = É um exagero na diminuição da pressão arterial sistólica durante a inspira-
      ção, sendo percebido na palpação como uma diminuição do pulso à inspiração (é uma redução
      superior a 10mmHg na pressão sistólica durante a inspiração). Ocorre em situações como tam-
      ponamento cardíaco, pericardite constritiva, doenças das vias aéreas ou embolia pulmonar.
   6. Pulso arrítmico (delirium cordis) = Quando totalmente arrítmico e de intensidade variável
      pode significar fibrilação atrial.

CONSIDERAÇÕES GERAIS

Manobra de Rivero-Carvalho = Diferencia entre o sopro da insuficiência mitral e tricúspide (o sopro
tricúspide é mais intenso na inspiração).

Sopro de Grahan-Steel = É um sopro diastólico precoce, que ocorre na insuficiência da válvula pul-
monar secundário a hipertensão pulmonar.

Sopro de Austin Flint = É um ruflar diastólico, por fechamento funcional da válvula mitral em decor-
rência de insuficiência da válvula aórtica.

Sopro de Still = É um sopro mesosistólico suave, não estando associado a doenças.

Sopro de Carey Coombs = É um sopro protomesodiastólico precedido de B3 que ocorre na insufici-
ência mitral decorrente de moléstia reumática aguda, devido ao grande fluxo de sangue pela artéria
pulmonar ressoando no átrio esquerdo, criando assim este sopro de fluxo diastólico.

Sopros “Inocentes” = Sem frêmito; nunca são diastólicos ou holossistólicos; suaves; sem alteração de
bulhas e com irradiação restrita.




GESEP
    
     
     
     
    
     
     
     
    
     
     
    
     
      PÁGINA 6
PROPEDÊUTICA - FEPAR                       PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR


ACHADOS CLÍNICOS NA DOENÇA CARDIOVASCULAR




GESEP
   
   
   
     
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   PÁGINA 6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
resenfe2013
 
Exame físico do abdome l
Exame físico do abdome lExame físico do abdome l
Exame físico do abdome l
pauloalambert
 
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-baseGasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Flávia Salame
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Alexandre Naime Barbosa
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
Eduardo Santana Cordeiro
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
pauloalambert
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
Ana Hollanders
 
Síndromes respiratórias
Síndromes respiratórias Síndromes respiratórias
Síndromes respiratórias
Paulo Alambert
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
Jucie Vasconcelos
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho DigestivoAula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Gastromed Garanhuns
 
Propedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal lPropedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal l
pauloalambert
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Davyson Sampaio
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
Wesley Lima de Oliveira
 
Aula de gasometria
Aula de gasometriaAula de gasometria
Aula de gasometria
ThatyanaMugica
 
Síndromes respiratórias 2017
Síndromes respiratórias 2017Síndromes respiratórias 2017
Síndromes respiratórias 2017
pauloalambert
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
pauloalambert
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Bulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasBulhas Cardíacas
Bulhas Cardíacas
Kelvia Dias
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Mauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais procurados (20)

Gasometria arterial
Gasometria arterialGasometria arterial
Gasometria arterial
 
Exame físico do abdome l
Exame físico do abdome lExame físico do abdome l
Exame físico do abdome l
 
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-baseGasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tóraxExame físico do tórax
Exame físico do tórax
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
 
Síndromes respiratórias
Síndromes respiratórias Síndromes respiratórias
Síndromes respiratórias
 
Cópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tóraxCópia de semiologia do tórax
Cópia de semiologia do tórax
 
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico do Aparelho Respiratório (Davyson Sampaio Braga)
 
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho DigestivoAula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
Aula sobre Semiologia do Aparelho Digestivo
 
Propedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal lPropedeutica abdominal l
Propedeutica abdominal l
 
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Cardiologia (Davyson Sampaio Braga)
 
Exame fisico abdome
Exame fisico abdomeExame fisico abdome
Exame fisico abdome
 
Aula de gasometria
Aula de gasometriaAula de gasometria
Aula de gasometria
 
Síndromes respiratórias 2017
Síndromes respiratórias 2017Síndromes respiratórias 2017
Síndromes respiratórias 2017
 
Propedêutica torácica
Propedêutica torácicaPropedêutica torácica
Propedêutica torácica
 
Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonar
 
Bulhas Cardíacas
Bulhas CardíacasBulhas Cardíacas
Bulhas Cardíacas
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
 

Destaque

História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infânciaHistória ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
gisa_legal
 
O papel do pediatra no diag e tto cardiopatia na infância
O papel do pediatra no diag e tto cardiopatia na infânciaO papel do pediatra no diag e tto cardiopatia na infância
O papel do pediatra no diag e tto cardiopatia na infância
gisa_legal
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
gisa_legal
 
Quando suspeitar cardiopatia congenita rn
Quando suspeitar  cardiopatia congenita rnQuando suspeitar  cardiopatia congenita rn
Quando suspeitar cardiopatia congenita rn
gisa_legal
 
Distúrbios cardiológicos
Distúrbios cardiológicosDistúrbios cardiológicos
Distúrbios cardiológicos
gisa_legal
 
Avaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatoAvaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonato
gisa_legal
 
Ausculta cardiaca bases fisiopatológicas (2)
Ausculta cardiaca bases fisiopatológicas (2)Ausculta cardiaca bases fisiopatológicas (2)
Ausculta cardiaca bases fisiopatológicas (2)
gisa_legal
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
gisa_legal
 
Avaliação do sc na infância
Avaliação do sc na infânciaAvaliação do sc na infância
Avaliação do sc na infância
gisa_legal
 
Bibliografia para o ambulatório de cardiologia pediátrica
Bibliografia para o ambulatório de cardiologia pediátricaBibliografia para o ambulatório de cardiologia pediátrica
Bibliografia para o ambulatório de cardiologia pediátrica
gisa_legal
 
A alimentação das gestantes
A alimentação das gestantesA alimentação das gestantes
A alimentação das gestantes
gisa_legal
 
Yagel2007
Yagel2007Yagel2007
Yagel2007
gisa_legal
 
Golf ball para gestantes
Golf ball para gestantes Golf ball para gestantes
Golf ball para gestantes
gisa_legal
 
Diagnostico precoce-oximetria
Diagnostico precoce-oximetriaDiagnostico precoce-oximetria
Diagnostico precoce-oximetria
gisa_legal
 
Estrategias cuidado doenca_cronica_obesidade_cab38 - 2014
Estrategias cuidado doenca_cronica_obesidade_cab38 - 2014Estrategias cuidado doenca_cronica_obesidade_cab38 - 2014
Estrategias cuidado doenca_cronica_obesidade_cab38 - 2014
gisa_legal
 
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-2014
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-2014Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-2014
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-2014
gisa_legal
 
Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08
gisa_legal
 
Minist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguruMinist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguru
gisa_legal
 
Estrategias cuidado pessoa_diabetes_mellitus_cab36 - 2013
Estrategias cuidado pessoa_diabetes_mellitus_cab36 - 2013Estrategias cuidado pessoa_diabetes_mellitus_cab36 - 2013
Estrategias cuidado pessoa_diabetes_mellitus_cab36 - 2013
gisa_legal
 
Plano acoes enfrent_dcnt_2011
Plano acoes enfrent_dcnt_2011Plano acoes enfrent_dcnt_2011
Plano acoes enfrent_dcnt_2011
gisa_legal
 

Destaque (20)

História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infânciaHistória ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
História ex e diag diferencial das cardiopatias na infância
 
O papel do pediatra no diag e tto cardiopatia na infância
O papel do pediatra no diag e tto cardiopatia na infânciaO papel do pediatra no diag e tto cardiopatia na infância
O papel do pediatra no diag e tto cardiopatia na infância
 
P cardiopatia congenita
P cardiopatia congenitaP cardiopatia congenita
P cardiopatia congenita
 
Quando suspeitar cardiopatia congenita rn
Quando suspeitar  cardiopatia congenita rnQuando suspeitar  cardiopatia congenita rn
Quando suspeitar cardiopatia congenita rn
 
Distúrbios cardiológicos
Distúrbios cardiológicosDistúrbios cardiológicos
Distúrbios cardiológicos
 
Avaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonatoAvaliação cardiovascular do neonato
Avaliação cardiovascular do neonato
 
Ausculta cardiaca bases fisiopatológicas (2)
Ausculta cardiaca bases fisiopatológicas (2)Ausculta cardiaca bases fisiopatológicas (2)
Ausculta cardiaca bases fisiopatológicas (2)
 
Exame físico do coração
Exame físico do coraçãoExame físico do coração
Exame físico do coração
 
Avaliação do sc na infância
Avaliação do sc na infânciaAvaliação do sc na infância
Avaliação do sc na infância
 
Bibliografia para o ambulatório de cardiologia pediátrica
Bibliografia para o ambulatório de cardiologia pediátricaBibliografia para o ambulatório de cardiologia pediátrica
Bibliografia para o ambulatório de cardiologia pediátrica
 
A alimentação das gestantes
A alimentação das gestantesA alimentação das gestantes
A alimentação das gestantes
 
Yagel2007
Yagel2007Yagel2007
Yagel2007
 
Golf ball para gestantes
Golf ball para gestantes Golf ball para gestantes
Golf ball para gestantes
 
Diagnostico precoce-oximetria
Diagnostico precoce-oximetriaDiagnostico precoce-oximetria
Diagnostico precoce-oximetria
 
Estrategias cuidado doenca_cronica_obesidade_cab38 - 2014
Estrategias cuidado doenca_cronica_obesidade_cab38 - 2014Estrategias cuidado doenca_cronica_obesidade_cab38 - 2014
Estrategias cuidado doenca_cronica_obesidade_cab38 - 2014
 
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-2014
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-2014Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-2014
Guia alimentar-para-a-pop-brasiliera-2014
 
Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08Cartilha agsaude08
Cartilha agsaude08
 
Minist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguruMinist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguru
 
Estrategias cuidado pessoa_diabetes_mellitus_cab36 - 2013
Estrategias cuidado pessoa_diabetes_mellitus_cab36 - 2013Estrategias cuidado pessoa_diabetes_mellitus_cab36 - 2013
Estrategias cuidado pessoa_diabetes_mellitus_cab36 - 2013
 
Plano acoes enfrent_dcnt_2011
Plano acoes enfrent_dcnt_2011Plano acoes enfrent_dcnt_2011
Plano acoes enfrent_dcnt_2011
 

Semelhante a Exame físico do coração

Resumo exame do aparelho cardiovascular
Resumo   exame do aparelho cardiovascularResumo   exame do aparelho cardiovascular
Resumo exame do aparelho cardiovascular
Ana Olívia Marinho
 
Dtp9 sp
Dtp9 spDtp9 sp
Dtp9 sp
pauloalambert
 
Ciclo cardíaco
Ciclo cardíacoCiclo cardíaco
Ciclo cardíaco
pauloalambert
 
Ausc card
Ausc cardAusc card
Ausc card
gisa_legal
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
pauloalambert
 
Semiologia cardiaca
Semiologia cardiacaSemiologia cardiaca
Semiologia cardiaca
pauloalambert
 
Semiologia cardiológica
Semiologia cardiológicaSemiologia cardiológica
Semiologia cardiológica
pauloalambert
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
pauloalambert
 
Ausculta cardíaca e suas bases fisiológicas fisiopatológicas
Ausculta cardíaca e suas bases fisiológicas fisiopatológicasAusculta cardíaca e suas bases fisiológicas fisiopatológicas
Ausculta cardíaca e suas bases fisiológicas fisiopatológicas
Níris Stéfany
 
3ausculta cardiaca
3ausculta cardiaca3ausculta cardiaca
3ausculta cardiaca
Fabiano Marins Ferreira
 
Insuficiencia aortica
Insuficiencia aorticaInsuficiencia aortica
Insuficiencia aortica
LionelGama
 
Sopros cardíacos
Sopros cardíacosSopros cardíacos
Sopros cardíacos
gisa_legal
 
Cardiopatias erm valvulas
Cardiopatias erm valvulasCardiopatias erm valvulas
Cardiopatias erm valvulas
Janderson Rodrigues
 
Coarctação de Aorta
Coarctação de AortaCoarctação de Aorta
Coarctação de Aorta
Brenda Lahlou
 
RADIOGRAFIA DE TORÁX.pptx
RADIOGRAFIA DE TORÁX.pptxRADIOGRAFIA DE TORÁX.pptx
RADIOGRAFIA DE TORÁX.pptx
Samyr Domingos
 
Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019
pauloalambert
 
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia HumanaAula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Clovis Gurski
 
Aparelho cardiovascula
Aparelho cardiovasculaAparelho cardiovascula
Aparelho cardiovascula
Pedro Cury
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
Paulo Alambert
 

Semelhante a Exame físico do coração (20)

Resumo exame do aparelho cardiovascular
Resumo   exame do aparelho cardiovascularResumo   exame do aparelho cardiovascular
Resumo exame do aparelho cardiovascular
 
Dtp9 sp
Dtp9 spDtp9 sp
Dtp9 sp
 
Ciclo cardíaco
Ciclo cardíacoCiclo cardíaco
Ciclo cardíaco
 
Ausc card
Ausc cardAusc card
Ausc card
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
Semiologia cardiaca
Semiologia cardiacaSemiologia cardiaca
Semiologia cardiaca
 
Semiologia cardiológica
Semiologia cardiológicaSemiologia cardiológica
Semiologia cardiológica
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
Ausculta cardíaca e suas bases fisiológicas fisiopatológicas
Ausculta cardíaca e suas bases fisiológicas fisiopatológicasAusculta cardíaca e suas bases fisiológicas fisiopatológicas
Ausculta cardíaca e suas bases fisiológicas fisiopatológicas
 
3ausculta cardiaca
3ausculta cardiaca3ausculta cardiaca
3ausculta cardiaca
 
Insuficiencia aortica
Insuficiencia aorticaInsuficiencia aortica
Insuficiencia aortica
 
Sopros cardíacos
Sopros cardíacosSopros cardíacos
Sopros cardíacos
 
Cardiopatias erm valvulas
Cardiopatias erm valvulasCardiopatias erm valvulas
Cardiopatias erm valvulas
 
Coarctação de Aorta
Coarctação de AortaCoarctação de Aorta
Coarctação de Aorta
 
RADIOGRAFIA DE TORÁX.pptx
RADIOGRAFIA DE TORÁX.pptxRADIOGRAFIA DE TORÁX.pptx
RADIOGRAFIA DE TORÁX.pptx
 
Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019
 
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia HumanaAula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
 
Aparelho cardiovascula
Aparelho cardiovasculaAparelho cardiovascula
Aparelho cardiovascula
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 

Exame físico do coração

  • 1. PROPEDÊUTICA - FEPAR CARDIOVASCULAR Coração Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes O Exame Físico do Coração Neste módulo estudaremos o exame físico do sistema cardiovascular, estabelecendo relações com a fisiologia, anatomia e clínica. Enfatizaremos nesta apostila a ausculta cardíaca. CONSIDERAÇÕES GERAIS Focos Cardíacos: As áreas mitral e tricúspide são denominadas focos apicais e as regiões aórtica e pulmonar focos da base. a) Foco aórtico = 2o EID junto ao esterno b) Foco aórtico acessório = 3º EIE junto ao esterno c) Foco pulmonar = 2o EIE junto ao esterno d) Foco mitral = 5o EIE em LHCE e) Foco tricúspide = 5º EID junto ao esterno Uso do Estetoscópio: • Ausculta cardíaca apresenta acurácia diagnóstica de 70 a 97% • Inventado por Laenec em 1816. • Diafragma = útil para sons agudos (ex: B1, B2, sopros de regurgitação aórtica e mi- tral, atrito pericárdico). • Campânula = útil para sons graves (ex: B3, B4, sopro de estenose mi- tral). As 4 perguntas que devem ser feitas ao se realizar a ausculta cardíaca: • Quantas são as bulhas? • Como são as bulhas? • Existem ruídos? • Qual é a relação entre as bulhas e os ruídos com o ciclo cardíaco? GESEP PÁGINA 1
  • 2. PROPEDÊUTICA - FEPAR PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR BULHAS CARDÍACAS a) B1 (TUM-TÁ) = Os sons são gerados pela vibração dos folhetos valvares após o seu fe- chamento, causado pela movimentação de sangue no interior dos ventrículos. O seu primei- ro componente é secundário ao fechamento da válvula mitral (M1) e seu segundo compo- nente secundário ao fechamento da válvula tricúspide (T1). Coincide com o ictus cordis e o pulso carotídeo, sendo mais intenso em foco mitral. A duração é pouco maior do que a B2 e o timbre é grave (TUM). Indica o início da sístole ventricular. b) B2 (TUM-TÁ) = É gerada pela desaceleração da coluna líquida sobre as valvas aórtica e pulmonar já fechadas, provocando assim vibrações da coluna líquida e das estruturas adja- centes, como aparelho valvar, paredes vasculares e via de saída dos ventrículos. Coincide com o início da diástole, sendo composto inicialmente pelo fechamento da válvula aórtica (A2) e depois da pulmonar (P2). É mais intenso em foco aórtico e pulmonar, sendo o timbre mais agudo e seco (TÁ). A duração é menor do que B1. Pode sofrer desdobramento inspira- tório (TUM-TRÁ). c) B3 (TUM-TÁ--TÁ) = Som que ocorre entre a proto e mesodiástole, sendo gerado pela brusca desaceleração da coluna de sangue contra as paredes ventriculares no final da fase de enchimento rápido. Melhor audível em área mitral em decúbito lateral esquerdo. Ocorre na insuficiência cardíaca, sendo um indicador da sua gravidade Pode ser fisiológico em crian- ças e adolescentes. d) B4 (TRRUM-TÁ) = Ocorre na telediástole e é gerado pela desaceleração da coluna san- güínea que é impulsionada pelos átrios na fase de contração atrial contra a massa sangüínea existente no interior do ventrículo esquerdo, no final da diástole. Representa uma contração Alterações de B1: a) B1 hipofonético = BAV de 1º grau, regurgitação mitral, diminuição da contratilidade de VE (insuficiência cardíaca). b) B1 hiperfonético = Taquicardia e estados de alto débito cardíaco (ex: anemia, exercício, hipertireoidismo), estenose mitral. c) Desdobramento de B1 = Se muito amplo, suspeitar de bloqueio de ramo direito, acarre- tando atraso no fachamento da válvula tricúspide (trum-tá). Alterações de B2: a) A2 hipofonético = Estenose aórtica calcificada e regurgitação aórtica. b) A2 hiperfonético = HAS, dilatação aórtica e coarctação de aorta. c) P2 hipofonético = Aumento do diâmetro ântero-posterior do tórax e estenose pulmonar. d) P2 hiperfonético = Hipertensão pulmonar, dilatação da artéria pulmonar e comunicação interatrial. e) Desdobramento de B2 (auscultado em foco pulmonar) = Podemos observar no sujeito normal um desdobramento fisiológico de B2 durante a inspiração. Em situações patoló- gicas ocorre um amplo desdobramento de B2 (bloqueio de ramo direito, estenose pulmo- nar, dilatação aguda ou crônica do VD). Pode ser constante e variável, acentuando-se na inspiração (bloqueio de ramo direito) ou constante e fixo, permanecendo inalterado du- rante o ciclo respiratório (CIA, estenose pulmonar). O desdobramento pode ser parado- xal, surgindo na expiração, por um retardo na formação de A2 (bloqueio de ramo esquer- do). GESEP PÁGINA 2
  • 3. PROPEDÊUTICA - FEPAR PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR Outros Sons Cardíacos: a) Clique de Ejeção Sistólica = Som que acompanha a abertura da válvula aórtica durante a sístole. b) Clique Mesosistólico = Pode ocorrer no polapso de válvula mitral. c) Estalido de Abertura Mitral = Som que acompanha a abertura da valva mitral, durante a diástole, podendo ocorrer nas estenoses desta válvula.. Ritmos de Galope: Ocorre em disfunção miocárdica por súbita desaceleração do fluxo sanguíneo ao penetrar nos ventrículos. Indica sofrimento miocárdico ou insuficiência cardíaca. Podemos ter os se- guintes ritmos: a) Ritmo de galope ventricular (TUM-TÁ--TÁ) = Sempre associado à taquicardia, formado por B3 patológica, sendo indicativo de ICC. b) Ritmo de galope atrial (TRRUM-TÁ) = Formado por B4, indicando crise hipertensiva, cardiopatia isquêmica, estenose aórtica e miocardiopatia hipertrófica. c) Ritmo de galope de soma = Ritmo de galope ventricular + ritmo de galope atrial (B3 + B4). SOPROS CARDÍACOS Ao se constatar um sopro, o mesmo deve ser descrito baseando-se nos seguintes parâmetros: 1. Localização no ciclo cardíaco 2. Formato 3. localização 4. Irradiação 5. Timbre e frequência 6. Intensidade 7. Efeitos de manobras sobre o sopro Localização no ciclo cardíaco = Caracterizar se é sistólico ou diastólico. Formato dos Sopros = Existem sopros diastólicos (ruflar e aspirativo) e sopros sistólicos (de regurgi- tação e ejeção), abaixo descritos. a. Sopro sistólico de regurgitação = Ocorre na insuficiência das valvas atrioventriculares (mitral e tricúspide), sendo de intensidade constante, suave e associado a hipofonese de B1. b. Sopro sistólico de ejeção = Geralmente com formato em diamante ou crescendo e decrescen- do, rude, causado por turbulência na via de saída (estenose de válvula aórtica ou pulmonar) ou nos vasos da base durante a ejeção. c. Sopro diastólico aspirativo = Ocorre pela regurgitação das valvas semilunares (insuficiência aórtica ou pulmonar) na diástole, iniciando-se logo após B2. d. Sopro diastólico em ruflar = É característico da estenose das válvulas atrioventriculares (mi- tral e tricúspide), sendo granuloso e ocorrendo na protodiástole. e. Sopros sistodiastólicos (em maquinaria) = São contínuos, em vaivém, ocorrendo, por exem- plo, na persistência do canal arterial. GESEP PÁGINA 3
  • 4. PROPEDÊUTICA - GESEP - FEPAR PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR Tipos de Sopros Sistólicos: • Sopro Mesossistólico = Formado pelo fluxo sanguíneo que atravessa as válvulas semiluna- res (aórtica e pulmonar). • Sopro Pansistólico ou Holossistólico = Formado por fluxos regurgitantes que atravessam as válvulas atrioventriculares (mitral e tricúspide). • Sopro Telessistólico = Ocorre no prolapso da válvula mitral e é precedido de um clique sis- tólico. Tipos de Sopros Diastólicos: • Sopro Protodiastólico = Formado pelo fluxo regurgitante através das valvas semilunares in- competentes. • Sopros Mesodiastólicos e Pressistólicos = Formado pelo fluxo turbulento que atravessa as valvas atrioventriculares. Irradiação dos Sopros: a) Estenose aórtica = vasos do pescoço b) Estenose mitral = axila c) Insuficiência mitral = axila d) Insuficiência tricúspide = raio de roda de bicicleta Posições de Ausculta: • Decúbito lateral esquerdo = Melhora ausculta do sopro da estenose mitral e de B3 e B4 de câmaras esquerdas. Pode-se utilizar a campânula do estetoscópio. • Sentado e inclinado para frente, com expiração do ar = Com o diafragma pode-se auscultar os sopros aórticos. Causas de Sopro: a) Aumento da velocidade da corrente sanguínea. b) Diminuição da viscosidade sanguínea. c) Passagem de sangue através de uma área estreita. d) Passagem de sangue através de zona dilatada. e) Passagem de sangue por uma membrana de borda livre. Intensidade dos Sopros: a) Grau 1= Muito tênue, devendo-se concentrar durante vários ciclos para ouvi-lo. b) Grau 2 = Um leve murmúrio pode ser ouvido logo após iniciar a ausculta. c) Grau 3 = Maior do que o grau 2, porém não pode ser palpado. d) Grau 4 = Murmúrio alto, associado a frêmito palpável. e) Grau 5 = Murmúrio muito alto, que requer contato parcial do estetoscópio com a pele, mas que não é audível além da parede torácica. f) Grau 6 = Murmúrio alto o suficiente para ser ouvido com o estetoscópio sem tocar a parede torácica. GESEP PÁGINA 4
  • 5. PROPEDÊUTICA - FEPAR PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS SOPROS GESEP PÁGINA 5
  • 6. PROPEDÊUTICA - FEPAR PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR PULSOS 1. Pulso de amplitude aumentada (magnus celere) = Pulso amplo de fácil palpação. Ocorre em insuficiência aórtica ou em situações de alto débito cardíaco (sepse, anemia, tireotoxicose). 2. Pulso de amplitude diminuída (parvus et tardus) = Ocorre na estenose aórtica e na insuficiên- cia cardíaca, por diminuição do débito cardíaco. 3. Pulso bisferens = São palpados dois picos sistólicos por sístole, ocorrendo em situações na qual um grande volume sistólico é ejetado na aorta, como na insuficiência aórtica grave. 4. Pulso alternante = Os batimentos são rítmicos mas a intensidade do pulso varia entre os bati- mentos, ocorrendo devido a variações no enchimento e na contratilidade miocárdica nas disfun- ções de ventrículo esquerdo. Ocorre quando existe grave comprometimento da função ventricu- lar esquerda. 5. Pulso paradoxal = É um exagero na diminuição da pressão arterial sistólica durante a inspira- ção, sendo percebido na palpação como uma diminuição do pulso à inspiração (é uma redução superior a 10mmHg na pressão sistólica durante a inspiração). Ocorre em situações como tam- ponamento cardíaco, pericardite constritiva, doenças das vias aéreas ou embolia pulmonar. 6. Pulso arrítmico (delirium cordis) = Quando totalmente arrítmico e de intensidade variável pode significar fibrilação atrial. CONSIDERAÇÕES GERAIS Manobra de Rivero-Carvalho = Diferencia entre o sopro da insuficiência mitral e tricúspide (o sopro tricúspide é mais intenso na inspiração). Sopro de Grahan-Steel = É um sopro diastólico precoce, que ocorre na insuficiência da válvula pul- monar secundário a hipertensão pulmonar. Sopro de Austin Flint = É um ruflar diastólico, por fechamento funcional da válvula mitral em decor- rência de insuficiência da válvula aórtica. Sopro de Still = É um sopro mesosistólico suave, não estando associado a doenças. Sopro de Carey Coombs = É um sopro protomesodiastólico precedido de B3 que ocorre na insufici- ência mitral decorrente de moléstia reumática aguda, devido ao grande fluxo de sangue pela artéria pulmonar ressoando no átrio esquerdo, criando assim este sopro de fluxo diastólico. Sopros “Inocentes” = Sem frêmito; nunca são diastólicos ou holossistólicos; suaves; sem alteração de bulhas e com irradiação restrita. GESEP PÁGINA 6
  • 7. PROPEDÊUTICA - FEPAR PROPEDÊUTICA CARDIOVASCULAR ACHADOS CLÍNICOS NA DOENÇA CARDIOVASCULAR GESEP PÁGINA 6