SlideShare uma empresa Scribd logo
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Infância
Carlos Drummond
Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre mangueiras Lia a história de Robinson Crusoé.
Comprida história que não acabava mais.
No meio-dia branco de luz uma voz que aprendeu a ninar nos longes da senzala – e
nunca se esqueceu chamava para o café
Café preto que nem a preta velha café gostoso café bom.
Minha mãe ficava sentada cosendo olhando para mim: - Psiu...
Não acorde o menino.
Para o berço onde pousou um mosquito.
E dava um suspiro... que fundo!
Lá longe meu pai campeava no mato sem fim da fazenda.
E eu não sabia que minha história era mais bonita que a de Robson Crusoé.
AVALIAÇÃO GERIÁTRICA
AMPLA
Avaliação Geriátrica Ampla
• Reino Unido - Dra Marjory Warren “mãe da geriatria”:
– Em 1936 assume a chefia do hospital
londrino de doentes crônicos,
– cria a avaliação geriátrica especializada e
– introduz a reabilitação, objetivando
melhora da qualidade de vida.

• Atualmente e estabelecida como:
– Avaliação Multidimensional e
frequentemente interdisciplinar que utiliza
escalas e testes
Avaliação Geriátrica Ampla
• DEFINICÃO:
– Método multidimensional de avaliação do idoso.
– Aborda os aspectos clínico, funcional, psicológico

• OBJETIVO
– Planejamento do cuidado
– Acompanhamento a longo-prazo

• AGA ≠ Exame Clinico Padrão
– Enfatizar a avaliação da capacidade funcional e da
qualidade de vida
– Basea-se em escalas e testes quantitativos
BENEFÍCIOS E UTILIDADES DA
AGA:

NÍVEL INDIVIDUAL:
 complementa o ex. clinico tradicional e melhora
a precisão diagnostica;
 determina o grau e a extensão da incapacidade;
 identifica risco de declínio funcional;
 permite avaliação de riscos no estado
nutricional;
 serve de guia para a escolha de medidas que
visam restaurar e preservar a saúde
(farmacoterapia, fisioterapia, TO,psicoterapia);
 identifica fatores que predispõem a iatrogenia e
permite estabelecer medidas para sua
prevenção;
 serve de orientação para mudanças e
adaptações no ambiente em que o paciente vive
para preservar sua independência;
 estabelece critérios para a indicação de
internação hospitalar ou em ILP.

NÍVEL POPULACIONAL
 serve como uma medida precisa em estudos
clínicos onde se avalia a capacidade funcional e
a qualidade de vida;
 identifica populações de risco;
 permite um investimento em saúde, qualidade
de vida e bem-estar;
 serve para planejamento de ações e políticas de
saúde.
Avaliação Geriátrica Ampla

Decisão
Decisão

Execução
Execução
Avaliação Geriátrica Ampla
Os “Is” da geriatria
ncapacidade
cognitiva
nstabilidade
postural
mobilidade
ncapacidade Comunicativa
ncontinência
urinaria
atrogênia
nsuficiência familiar
Avaliação Geriátrica Ampla
•
•
•
•
•

Equilíbrio e mobilidade
Função cognitiva
Deficiências sensoriais
Condições emocionais/sintomas depressivos
Disponibilidade e adequacão de suporte familiar
e social
• Condições ambientais
• Capacidade funcional – AVD
• Estado e risco nutricional
EQUILIBRIO E MOBILIDADE
O envelhecimento altera equilíbrio e mobilidade
provocando instabilidade postural, alterações da
marcha e risco aumentado de quedas.
• Instrumento:
– “Timed up and go test” (levantar e andar 3metros).
– ≥20 segundos indica instabilidade postural e alto risco
de quedas.
FUNCAO COGNITIVA
POR QUE RASTREAR DEFICIT COGNITIVO?
• Alta Prevalência de Doença de Alzheimer 10% daqueles com 65 anos ou mais e quase
50% daqueles com 85 anos ou mais
• A maioria das pessoas com demência não
apresenta queixa de perda de memória
• Déficit cognitivo aumenta o risco de acidentes,
não aderência ao tratamento e incapacidade
FUNCAO COGNITIVA
Mini-Exame do Estado Mental (Folstein et
al., 1975)
 usado largamente
 avalia orientação, fixação, evocação,
atenção, calculo, linguagem, habilidades
visuo-espaciais
Testes de funções executivas
 teste do relógio
 fluência verbal
Teste do relógio
•

Avalia melhor a função visuo-espacial e a função executiva, mas
sofre influência de todas as funções cognitivas. Outra grande
vantagem é a menor influência do grau de alfabetização na
realização do teste, aumentando a fidedignidade do teste em
pacientes com baixo nível de escolaridade. É um teste
eminentemente qualitativo e, portanto, não necessita de score.
Consiste em solicitar ao paciente desenhar os números do relógio,
marcando determinada hora (2:40), sem mencionar a necessidade
de ponteiros. O círculo pode ou não ser oferecido previamente. O
teste é considerado completo quando o paciente desenha todos os
números do relógio, espacialmente bem distribuídos, e os ponteiros
marcando 2:40. O teste não é cronometrado e pode ser repetido
quantas vezes forem necessárias.
Teste do relógio
Interpretação do teste segundo Shulman:
1. Inabilidade absoluta de representar o relógio;
2. O desenho tem algo a ver com o relógio mas com
desorganização visuo-espacial grave;

3. Desorganização visuo-espacial moderada que leva a uma marcação
de hora incorreta, perseveração, confusão esquerda-direita,
números faltando, números repetidos, sem ponteiros, com
ponteiros em excesso;
4. Distribuição visuo-espacial correta
com marcação errada da hora;
5. Pequenos erros espaciais com
dígitos e hora corretos;
6. Relógio perfeito;
Teste de Fluência Verbal (Brucki e
col, 2004)
Instruções
“Agora o(a) Sr.(a) vai me falar nomes de animais, o
máximo de nomes possíveis. Pode ser qualquer tipo
de animal (bicho). Fale o mais rápido que puder.
Pode começar.” (Marque um minuto)
Pontuação de acordo com a escolaridade
–
–
–
–
–

*Analfabetos: 12 palavras
*1-4 anos: 13 palavras
*5-8 anos: 14 palavras
*9-11 anos: 16 palavras
*>11 anos: 18 palavras
Mini Exame do Estado Mental
(MEEM)
Folstein, Folstein & McHugh, 1975 – Bertolucci e col., 1994 –
ORIENTAÇÃO NO TEMPO: e col., 2003
Brucki
( ) ANO ( ) SEMESTRE ( ) MES ( ) DIA DO MES ( ) DIA DA SEMANA
ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO:
( ) ESTADO ( ) CIDADE ( ) BAIRRO ( ) LOCAL (nome, função) ( ) ANDAR
MEMÓRIA IMEDIATA:
Repita as palavras: (um segundo para dizer cada ima, depois pergunte ao
idoso todas as três)
( ) CANECA ( ) TIJOLO ( ) TAPETE
ATENÇÃO E CÁLCULO:
O Sr. Faz cálculos? ( ) Sim ( ) Não
Se “sim” faca cinco contas de subtrações de “7” seriadas.
( ) 100-7 ( ) 93-7 ( ) 86-7 ( ) 79-7 ( ) 72-7
Se “não” peca para soletrar a palavra “MUNDO” de tras para frente.
( ) O ( ) D ( ) N ( ) U ( )M
MEMÓRIA DE EVOCAÇÃO:
Repita as três palavras que disse há pouco
( ) CANECA ( ) TIJOLO ( ) TAPETE
Mini Exame do Estado Mental
(MEEM)
Folstein, Folstein & McHugh, 1975 – Bertolucci e col., 1994 –
LINGUAGEM:
Brucki e col., 2003

Mostre um relógio de pulso e pergunte: O que e isto? Repita com uma
caneta
( ) RELOGIO ( ) CANETA
Repita o seguinte:
( ) “NEM AQUI, NEM ALI, NEM LA”
Realize uma tarefa em três estágios:
( ) “PEGUE ESTE PAPEL COM SUA MAO DIREITA...,
( ) ...COM AS DUAS MAOS DOBRE-O AO MEIO...,
( ) ...EM SEGUIDA PONHA-O AO CHAO.”
Leia e faça o que esta escrito no papel:
( ) FECHE OS OLHOS (Mostrar a folha com o comando)
Escreva uma frase:
( ) Dar uma folha em branco (Verso)
Copiar os pentágonos:
( ) Mostrar a folha com os pentágonos que se cruzam
Mini Exame do Estado Mental
(MEEM)
Folstein, Folstein & McHugh, 1975 – Bertolucci e col., 1994 –
Brucki e col., 2003
PONTUACÃO PELA ESCOLARIDADE:
 Analfabetos: 20 pontos
 1-4 anos: 25 pontos
 5-8 anos: 26 pontos
 9-11 anos: 28 pontos
 ≥12 anos: 29 pontos
DEFICIENCIAS SENSORIAIS
• 50% dos idosos tem deficiência
auditiva/visual que comprometem sua
capacidade para AVD e aumentam o
risco de declínio funcional.
DEFICIENCIAS SENSORIAIS
AVALIACAO AUDITIVA
–
–
–
–

A perda auditiva e comum entre idosos
O déficit auditivo provoca depressão e isolamento
A principio, devemos sempre descartar cerume
Encaminhar para audiometria se necessário

• Rastreamento anual
• Teste do susurro:
– Avalia a compreensão de sons de baixa intensidade e alta freqüência.
O examinador permanece de pé, fora do alcance do campo visual do
paciente, a uma distancia equivalente ao comprimento do braço do
paciente estendido (60cm). O examinador susurra um conjunto de 3
letras/números,enquanto massageia o tragus da orelha contralateral. O
teste e considerado positivo, caso o paciente não consiga repetir
corretamente o conjunto de letras/palavras.
DEFICIENCIAS SENSORIAIS
HHIE - Percepção do prejuízo Auditivo (Wieselberg)
O sr(a) escuta bem? (

) Sim

(

) Não

01 - A dificuldade em ouvir faz o sr(a) se sentir constrangido (a) ou sem jeito
quando é apresentado as pessoas desconhecidas?
02 - A dificuldade em ouvir faz o sr(a) se sentir frustrado ou insatisfeito quando
conversa com as pessoas da sua família?
03 - O sr sente dificuldade em ouvir quando alguém fala cochichando?
04 - O sr. se sente prejudicado em função do seu problema auditivo?
05 - A diminuição da audição lhe causa dificuldades quando visita amigos,
parentes ou vizinhos?
06 - A dificuldade em ouvir faz com que o sr. freqüente menos o ambiente
religioso?
07 - O sr. acha que a dificuldade em ouvir limita de alguma forma a sua vida
pessoal ou social?
08 - A dificuldade em ouvir faz o sr. ter discussões ou brigas com a família?
09 - A dificuldade da audição lhe causa problema para assistir TV ou ouvir
rádio?
10 - A diminuição da audição lhe causa dificuldade quando o sr. está num
restaurante com familiares ou amigos?

( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes

( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes
( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes
( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes
( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes
( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes
( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes
( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes
( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes
( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes

Resultado: 0 0 a 9: normal; 10 a 23: percepção moderada; 24 a 40: percepção significativa
Resultado: a 9: normal; 10 a 23: percepção moderada; 24 a 40: percepção significativa
DEFICIENCIAS SENSORIAIS
AVALIACAO VISUAL
– Catarata, Glaucoma, Degeneração Macular
aumentam com a idade
– Perguntar sobre dificuldades no dia-a-dia,
dirigir, assistir a TV, ler

• Se necessário, usar instrumentos para
avaliação
– Pedir para ler uma revista ou jornal
– Quadro de Snellen
Pacientes que lêem ate 20/40 são
Pacientes que lêem ate 20/40 são
considerados sem disfunção visual
considerados sem disfunção visual
CONDICOES
EMOCIONAIS/SINTOMAS
DEPRESSIVOS

• Os idosos tem alto risco de apresentar
depressão.
• Manifesta-se de forma atípica, o que
dificulta o seu reconhecimento
• Importante pesquisar depressão em todos
os idosos
• Escala de Depressão Geriátrica de
Yesavage (GDS) completa e/ou
abreviada.
ESCALA DE DEPRESSAO
GERIATRICA (abreviada de Yesavage)
01 - Está satisfeito com a sua vida?

(

) Sim

(

02 - Interrompeu muitas de suas atividades?

(

) Sim (

) Não

03 - Acha a sua vida vazia?

(

) Sim (

) Não

04 - Aborrece-se com freqüência?

(

) Sim (

) Não

05 - Sente-se bem com a vida na maior parte do tempo?

(

) Sim

06 - Teme que algo de ruim lhe aconteça?

(

) Sim (

) Não

07 - Sente-se alegre na maior parte do tempo?

(

) Sim

) Não

08 - Sente-se desamparado com freqüência?

(

) Sim (

) Não

09 - Prefere ficar em casa a sair e fazer coisas novas?

(

) Sim (

) Não

10 - Acha que tem mais problemas de memória que outras pessoas? (

) Sim (

) Não

11 - Acha que é maravilhoso estar vivo?

(

) Sim

) Não

12 - Sente-se inútil?

(

) Sim (

) Não

13 - Sente-se cheio de energia?

(

) Sim

) Não

14 - Sente-se sem esperança?

(

) Sim (

) Não

15 - Acha que os outros tem mais sorte que você?

(

) Sim (

) Não

(

(

(

(

) Não

) Não

Resultado: 00a a5: normal; 66a a10: depressão leve; 11 a a15 depressão severa
Resultado:
5: normal;
10: depressão leve; 11 15 depressão severa
CAPACIDADE FUNCIONAL
• Capacidade do idoso para executar
atividades que lhe permitem cuidar de si
próprio e viver independente em seu
meio.
• Medida através de instrumentos de
avaliação para executar as Atividades da
Vida Diária (AVD) e Atividades
Instrumentais da Vida Diária (AIVD)
CAPACIDADE FUNCIONAL
AVD – englobam todas as tarefas que uma
pessoa precisa realizar para o autocuidado.
• Escalas que avaliam AVDs :
– Índice de Barthel
– Índice de Katz
– Outras

AIVD – compreendem a habilidade do idoso
para administrar o ambiente onde vive.
• Escalas que avaliam AIVDs :
Atividades Básicas da Vida Diária
(AVD)
Modifacado por Katz S, Downs TD, Cash HR et al.
Gerontologist, 1970; 10:20-30

ATIVIDADE

1. Banho: Não recebe ajuda ou somente recebe ajuda para uma parte
do corpo
2. Vestir-se: Pega as roupas e se veste sem qualquer ajuda, exceto p/
amarrar os sapatos
3. Hig. Pessoal: Vai e usa o banheiro, veste-se e retorna sem qq ajuda
(andador ou bengala)
4. Transferência: Consegue deitar na cama, sentar na cadeira e
levantar-se sem ajuda (andador ou bengala)
5. Continência: Controla completamente urina e fezes
6. Alimentação: Come sem ajuda (exceto p/ cortar carne e passar
manteiga no pão).

SOMATÓRA DE SIMS: 66––INDEPENDENCIA; 44––DEPENDENCIA PARCIAL; 22––DEPENDENCIA TOTAL
SOMATÓRA DE SIMS:
INDEPENDENCIA;
DEPENDENCIA PARCIAL;
DEPENDENCIA TOTAL
Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD)
Escala de Lawton
Lawton et al, 1982

01 - O senhor consegue usar o telefone?

( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
02 - O senhor consegue ir a locais distantes, usando algum transporte, sem necessidade de planejamento
especiais?
( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
03 - O Sr. consegue fazer compras?
( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
04 - O Sr. consegue preparar suas próprias refeições?
( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
05 - O Sr. consegue arrumar a casa?
( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
06 - O Sr. consegue fazer trabalhos manuais domésticos, como pequenos reparos?
( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
07 - O Sr consegue lavar e passar sua roupa?
( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
08 - O Sr. consegue tomar seus remédios na dose e horários corretos?
( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
09 - O Sr. consegue cuidar de suas finanças?
( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
Atividades Instrumentais da Vida
Diária (AIVD) Lawton et al, 1982
ESCORE
9 – TOTALMENTE DEPENDENTE;
21 a 25 – DEPENDENCIA LEVE;
10 a 15 – DEPENDENCIA GRAVE;
16 a 20 – DEPENDENCIA MODERADA
26 a 27 – INDEPENDENCIA
Estado e Risco Nutricional
Avaliação nos idosos deve ser feita em 2 grupos:
• Idosos de 60-69 anos apresentam perfil epidemiológico
semelhante aos adultos jovens com alta prevalência de
sobrepeso.
• Idosos de 70 anos e mais apresentam perfil nutricional
diferenciado com alta prevalência de baixo peso;
• A avaliação e feita pelos seguintes itens:
–
–
–
–

Analise dos fatores de risco
Antropometria
Mini avaliação nutricional
Avaliação laboratorial
Estado e Risco Nutricional
Antropometria : representa as medidas das dimensões
corporais usadas para avaliação do estado nutricional.
Não ha consenso do uso no idoso.
As medidas avaliadas são:
–
–
–
–
–
–

Peso e altura
Índice de Massa Corporal (IMC=peso(Kg)/altura(m)2
Circunferência abdominal – cintura
Circunferência do braço
Pregas cutâneas
Altura do joelho - estimar altura dos idosos acamados
(calcanhar ate a rotula do joelho)
– Outros
•

•
•

•

DISPONIBILIDADE E
ADEQUACAO DE SUPORTE
FAMILIAR E SOCIAL e social
A falta de suporte e de adequação do idoso a vida familiar
e um dos fatores que contribuem negativamente para as suas
condições clinicas e seu estado funcional.
Atenção aos indicadores de violência domiciliar, abuso e maus
tratos contra o idoso.
Lesões corporais inexplicadas, descuido com a higiene pessoal,
demora na busca de atenção medica, internações freqüentes por
não adesão ao tratamento de doenças crônicas, ausência do
familiar na consulta são extremante sugestivos de violência familiar.
O suporte social e decisivo para o envelhecimento saudável. A
capacidade de socialização e integração social e considerada fator
protetor de saúde e bem-estar.
DISPONIBILIDADE E ADEQUACAO
DE SUPORTE FAMILIAR E SOCIAL
Avaliar se o idoso:

– sente-se satisfeito e pode contar com familiares para ajudar
a resolver seus problemas;
– participa da vida familiar e oferece seu apoio quando os
outros membros tem problemas;
– apresenta conflitos com as gerações que compõem a
família; tem suas opiniões acatadas e respeitadas pelos
membros que compõem o núcleo familiar;
– aceita e respeita as opiniões dos demais membros da
família;
– participa da vida comunitária e da sociedade em que vive;
– tem amigos e pode contar com eles;
– apóia seus amigos quando eles tem problemas;
Apgar da Família
Estou satisfeito (a) pois posso recorrer à minha família em busca de ajuda quando alguma coisa
está me incomodando ou preocupando.
Estou satisfeito com a maneira pela qual minha família e eu conversamos e compartilhamos
problemas
Estou satisfeito com a maneira pela qual minha família aceita e apóia meus desejos de iniciar ou
•
buscar novas atividades e procurar novos caminho e direções.

Sempre
•

•

Estou satisfeito com a maneira pela qual minha família demonstra afeição e reage às minhas
emoções, tais como raiva, mágoa ou amor.

2
As vezes

•
• •

2
1
1
Nunca

•
•

2

•

1

•

Estou satisfeito com a maneira pela qual minha família e eu compartilhamos o tempo juntos

0

0

•

2

•

1

•

0

Resultados:
Resultados:
00aa44==elevada disfunção familiar
elevada disfunção familiar
55ee66==moderada disfunção familiar
moderada disfunção familiar
77aa10 ==boa funcionalidade familiar
10 boa funcionalidade familiar
CONDICOES AMBIENTAIS
• Ambiente inadequados contribuem para a
diminuição da capacidade funcional do
idoso.
• Avaliar a possibilidade de introduzir
modificações físicas que possam tornar a
casa mais convenientes as suas
limitações, para garantir o Maximo de
independência possível.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
luzienne moraes
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
Renan Malaquias
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
Tainá Martins
 
A fisioterapia na Doença de Alzheimer
A fisioterapia na Doença de AlzheimerA fisioterapia na Doença de Alzheimer
A fisioterapia na Doença de Alzheimer
Janielle Chaves
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
Natha Fisioterapia
 
SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM
Carla Brochi
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
Stefane Rayane
 
Epidemiologia do envelhecimento
Epidemiologia do envelhecimentoEpidemiologia do envelhecimento
Epidemiologia do envelhecimento
Alessandra Paranhos
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
Nome Sobrenome
 
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela NeurológicaAtenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
resenfe2013
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
André Fidelis
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
Márcio Borges
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Amanda Amate
 
Conceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatriaConceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatria
Madaisa Sousa
 
Gigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaGigantes da Geriatria
Gigantes da Geriatria
Dany Romeira
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Vinicius Lopes
 
Saúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaSaúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A Queda
Marina Sousa
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
idaval_1
 
Parkinson
ParkinsonParkinson

Mais procurados (20)

Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
 
A fisioterapia na Doença de Alzheimer
A fisioterapia na Doença de AlzheimerA fisioterapia na Doença de Alzheimer
A fisioterapia na Doença de Alzheimer
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
SAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEMSAÚDE DO HOMEM
SAÚDE DO HOMEM
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 
Epidemiologia do envelhecimento
Epidemiologia do envelhecimentoEpidemiologia do envelhecimento
Epidemiologia do envelhecimento
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
 
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela NeurológicaAtenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
 
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
Avaliação Global da pessoa idosa na Atenção Básica
 
Conceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatriaConceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatria
 
Gigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaGigantes da Geriatria
Gigantes da Geriatria
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Saúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaSaúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A Queda
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 

Destaque

12 graus-de_dependencia
12  graus-de_dependencia12  graus-de_dependencia
12 graus-de_dependencia
Johnny Martins
 
Testes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para DemênciaTestes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para Demência
Andrea Dircksen
 
Avaliação Neuropsicológica
Avaliação NeuropsicológicaAvaliação Neuropsicológica
Avaliação Neuropsicológica
Gisele Cortoni Calia
 
Aplicação da medida de independência funcional mif
Aplicação da medida de independência funcional   mifAplicação da medida de independência funcional   mif
Aplicação da medida de independência funcional mif
∆ Érika Cristina Diniz Mortati
 
Avaliação funcional
Avaliação funcionalAvaliação funcional
Avaliação funcional
Hugo Almeida
 
Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Semiologia 16   geriatria - avaliação geriátrica ampla pdfSemiologia 16   geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Jucie Vasconcelos
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
João Paulo França
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
Ismael Costa
 
Avalação do idoso
Avalação do idosoAvalação do idoso
Avalação do idoso
jorge luiz dos santos de souza
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Fichade avaliação geriatria
Fichade avaliação geriatriaFichade avaliação geriatria
Fichade avaliação geriatria
Lindalva Araujo
 
Avaliação cinesiológica funcional
Avaliação cinesiológica funcionalAvaliação cinesiológica funcional
Avaliação cinesiológica funcional
Fabio Mazzola
 
Figura Complexa de Rey
Figura Complexa de ReyFigura Complexa de Rey
Figura Complexa de Rey
Ana Sofia Costa
 
Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
Natha Fisioterapia
 
Escalas Geriátricas
Escalas GeriátricasEscalas Geriátricas
Escalas Geriátricas
Oswaldo A. Garibay
 
Avaliação multidimensional do idoso (1)
Avaliação multidimensional do idoso (1)Avaliação multidimensional do idoso (1)
Avaliação multidimensional do idoso (1)
Acqua Blue Fitnnes
 

Destaque (16)

12 graus-de_dependencia
12  graus-de_dependencia12  graus-de_dependencia
12 graus-de_dependencia
 
Testes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para DemênciaTestes De Rastreio para Demência
Testes De Rastreio para Demência
 
Avaliação Neuropsicológica
Avaliação NeuropsicológicaAvaliação Neuropsicológica
Avaliação Neuropsicológica
 
Aplicação da medida de independência funcional mif
Aplicação da medida de independência funcional   mifAplicação da medida de independência funcional   mif
Aplicação da medida de independência funcional mif
 
Avaliação funcional
Avaliação funcionalAvaliação funcional
Avaliação funcional
 
Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Semiologia 16   geriatria - avaliação geriátrica ampla pdfSemiologia 16   geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
Semiologia 16 geriatria - avaliação geriátrica ampla pdf
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Avalação do idoso
Avalação do idosoAvalação do idoso
Avalação do idoso
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Enfermagem do idoso
 
Fichade avaliação geriatria
Fichade avaliação geriatriaFichade avaliação geriatria
Fichade avaliação geriatria
 
Avaliação cinesiológica funcional
Avaliação cinesiológica funcionalAvaliação cinesiológica funcional
Avaliação cinesiológica funcional
 
Figura Complexa de Rey
Figura Complexa de ReyFigura Complexa de Rey
Figura Complexa de Rey
 
Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
 
Escalas Geriátricas
Escalas GeriátricasEscalas Geriátricas
Escalas Geriátricas
 
Avaliação multidimensional do idoso (1)
Avaliação multidimensional do idoso (1)Avaliação multidimensional do idoso (1)
Avaliação multidimensional do idoso (1)
 

Semelhante a Avaliação do Idoso

Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdfMod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
DevilsoNEnoque1
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
Luciane Santana
 
E book em português - psicologia das cores
E book em português - psicologia das coresE book em português - psicologia das cores
E book em português - psicologia das cores
Sergio Rezende
 
Pesquisa De Marketing Cesmac Jornalismo E Publicidade
Pesquisa De Marketing   Cesmac   Jornalismo E PublicidadePesquisa De Marketing   Cesmac   Jornalismo E Publicidade
Pesquisa De Marketing Cesmac Jornalismo E Publicidade
Dawison Calheiros
 
Demências
DemênciasDemências
Demências
Inaiara Bragante
 
Dislexia Adulta(o que é e como pode causar).pdf
Dislexia Adulta(o que é e como pode causar).pdfDislexia Adulta(o que é e como pode causar).pdf
Dislexia Adulta(o que é e como pode causar).pdf
diamonhexclusivo
 
Quebra gelo
Quebra geloQuebra gelo
2007 impacto da doença e do transplante hepático na qualidade de vida de doen...
2007 impacto da doença e do transplante hepático na qualidade de vida de doen...2007 impacto da doença e do transplante hepático na qualidade de vida de doen...
2007 impacto da doença e do transplante hepático na qualidade de vida de doen...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Linguagem do corpo 3 cristina cairo - a cura pelo amor
Linguagem do corpo 3   cristina cairo - a cura pelo amorLinguagem do corpo 3   cristina cairo - a cura pelo amor
Linguagem do corpo 3 cristina cairo - a cura pelo amor
Cátia Pilger
 
L i b r a s contexto escolar 2016
L i b r a s contexto escolar 2016L i b r a s contexto escolar 2016
L i b r a s contexto escolar 2016
Classe Especial SZ Inclusão
 
CONFUSÃO MENTAL NO IDOSO
CONFUSÃO MENTAL NO IDOSOCONFUSÃO MENTAL NO IDOSO
CONFUSÃO MENTAL NO IDOSO
Rubens Junior
 
Do Processamento Auditivo a Demência
Do Processamento Auditivo a DemênciaDo Processamento Auditivo a Demência
Do Processamento Auditivo a Demência
ADEMEC Ambulatório de Desordens da Memória e do
 
Family problems questionnaire
Family problems questionnaireFamily problems questionnaire
Family problems questionnaire
Marta Gaspar
 
nutrição Funcional (1).pptx
nutrição Funcional (1).pptxnutrição Funcional (1).pptx
nutrição Funcional (1).pptx
jeniferyasmin1
 
Caderneta da Saúde
Caderneta da SaúdeCaderneta da Saúde
Caderneta da Saúde
Iva Pavan
 
Changing the world by changing yourself (with Alchemy song slides) [EMMAP - I...
Changing the world by changing yourself (with Alchemy song slides) [EMMAP - I...Changing the world by changing yourself (with Alchemy song slides) [EMMAP - I...
Changing the world by changing yourself (with Alchemy song slides) [EMMAP - I...
Vasco Gaspar
 
Tcc_rita sorriso_revisado
Tcc_rita sorriso_revisadoTcc_rita sorriso_revisado
Tcc_rita sorriso_revisado
RitaSorriso
 
Diga me onde dói e eu te direi por que - michael odoul
Diga me onde dói e eu te direi por que - michael odoulDiga me onde dói e eu te direi por que - michael odoul
Diga me onde dói e eu te direi por que - michael odoul
picardi
 
Consecuencias pérdidas leves
Consecuencias pérdidas levesConsecuencias pérdidas leves
Consecuencias pérdidas leves
Manuel Monsalve
 
Texto semana 2
Texto semana 2Texto semana 2
Texto semana 2
Cleicy Cunha
 

Semelhante a Avaliação do Idoso (20)

Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdfMod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
Mod 1- Introdução à surdez e à Libras.pdf
 
Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen) Mini exame estado mental (Meen)
Mini exame estado mental (Meen)
 
E book em português - psicologia das cores
E book em português - psicologia das coresE book em português - psicologia das cores
E book em português - psicologia das cores
 
Pesquisa De Marketing Cesmac Jornalismo E Publicidade
Pesquisa De Marketing   Cesmac   Jornalismo E PublicidadePesquisa De Marketing   Cesmac   Jornalismo E Publicidade
Pesquisa De Marketing Cesmac Jornalismo E Publicidade
 
Demências
DemênciasDemências
Demências
 
Dislexia Adulta(o que é e como pode causar).pdf
Dislexia Adulta(o que é e como pode causar).pdfDislexia Adulta(o que é e como pode causar).pdf
Dislexia Adulta(o que é e como pode causar).pdf
 
Quebra gelo
Quebra geloQuebra gelo
Quebra gelo
 
2007 impacto da doença e do transplante hepático na qualidade de vida de doen...
2007 impacto da doença e do transplante hepático na qualidade de vida de doen...2007 impacto da doença e do transplante hepático na qualidade de vida de doen...
2007 impacto da doença e do transplante hepático na qualidade de vida de doen...
 
Linguagem do corpo 3 cristina cairo - a cura pelo amor
Linguagem do corpo 3   cristina cairo - a cura pelo amorLinguagem do corpo 3   cristina cairo - a cura pelo amor
Linguagem do corpo 3 cristina cairo - a cura pelo amor
 
L i b r a s contexto escolar 2016
L i b r a s contexto escolar 2016L i b r a s contexto escolar 2016
L i b r a s contexto escolar 2016
 
CONFUSÃO MENTAL NO IDOSO
CONFUSÃO MENTAL NO IDOSOCONFUSÃO MENTAL NO IDOSO
CONFUSÃO MENTAL NO IDOSO
 
Do Processamento Auditivo a Demência
Do Processamento Auditivo a DemênciaDo Processamento Auditivo a Demência
Do Processamento Auditivo a Demência
 
Family problems questionnaire
Family problems questionnaireFamily problems questionnaire
Family problems questionnaire
 
nutrição Funcional (1).pptx
nutrição Funcional (1).pptxnutrição Funcional (1).pptx
nutrição Funcional (1).pptx
 
Caderneta da Saúde
Caderneta da SaúdeCaderneta da Saúde
Caderneta da Saúde
 
Changing the world by changing yourself (with Alchemy song slides) [EMMAP - I...
Changing the world by changing yourself (with Alchemy song slides) [EMMAP - I...Changing the world by changing yourself (with Alchemy song slides) [EMMAP - I...
Changing the world by changing yourself (with Alchemy song slides) [EMMAP - I...
 
Tcc_rita sorriso_revisado
Tcc_rita sorriso_revisadoTcc_rita sorriso_revisado
Tcc_rita sorriso_revisado
 
Diga me onde dói e eu te direi por que - michael odoul
Diga me onde dói e eu te direi por que - michael odoulDiga me onde dói e eu te direi por que - michael odoul
Diga me onde dói e eu te direi por que - michael odoul
 
Consecuencias pérdidas leves
Consecuencias pérdidas levesConsecuencias pérdidas leves
Consecuencias pérdidas leves
 
Texto semana 2
Texto semana 2Texto semana 2
Texto semana 2
 

Avaliação do Idoso

  • 1.
  • 2. • • • • • • • • • • • • • • • • Infância Carlos Drummond Meu pai montava a cavalo, ia para o campo. Minha mãe ficava sentada cosendo. Meu irmão pequeno dormia. Eu sozinho menino entre mangueiras Lia a história de Robinson Crusoé. Comprida história que não acabava mais. No meio-dia branco de luz uma voz que aprendeu a ninar nos longes da senzala – e nunca se esqueceu chamava para o café Café preto que nem a preta velha café gostoso café bom. Minha mãe ficava sentada cosendo olhando para mim: - Psiu... Não acorde o menino. Para o berço onde pousou um mosquito. E dava um suspiro... que fundo! Lá longe meu pai campeava no mato sem fim da fazenda. E eu não sabia que minha história era mais bonita que a de Robson Crusoé.
  • 4. Avaliação Geriátrica Ampla • Reino Unido - Dra Marjory Warren “mãe da geriatria”: – Em 1936 assume a chefia do hospital londrino de doentes crônicos, – cria a avaliação geriátrica especializada e – introduz a reabilitação, objetivando melhora da qualidade de vida. • Atualmente e estabelecida como: – Avaliação Multidimensional e frequentemente interdisciplinar que utiliza escalas e testes
  • 5. Avaliação Geriátrica Ampla • DEFINICÃO: – Método multidimensional de avaliação do idoso. – Aborda os aspectos clínico, funcional, psicológico • OBJETIVO – Planejamento do cuidado – Acompanhamento a longo-prazo • AGA ≠ Exame Clinico Padrão – Enfatizar a avaliação da capacidade funcional e da qualidade de vida – Basea-se em escalas e testes quantitativos
  • 6. BENEFÍCIOS E UTILIDADES DA AGA: NÍVEL INDIVIDUAL:  complementa o ex. clinico tradicional e melhora a precisão diagnostica;  determina o grau e a extensão da incapacidade;  identifica risco de declínio funcional;  permite avaliação de riscos no estado nutricional;  serve de guia para a escolha de medidas que visam restaurar e preservar a saúde (farmacoterapia, fisioterapia, TO,psicoterapia);  identifica fatores que predispõem a iatrogenia e permite estabelecer medidas para sua prevenção;  serve de orientação para mudanças e adaptações no ambiente em que o paciente vive para preservar sua independência;  estabelece critérios para a indicação de internação hospitalar ou em ILP. NÍVEL POPULACIONAL  serve como uma medida precisa em estudos clínicos onde se avalia a capacidade funcional e a qualidade de vida;  identifica populações de risco;  permite um investimento em saúde, qualidade de vida e bem-estar;  serve para planejamento de ações e políticas de saúde.
  • 9. Os “Is” da geriatria ncapacidade cognitiva nstabilidade postural mobilidade ncapacidade Comunicativa ncontinência urinaria atrogênia nsuficiência familiar
  • 10. Avaliação Geriátrica Ampla • • • • • Equilíbrio e mobilidade Função cognitiva Deficiências sensoriais Condições emocionais/sintomas depressivos Disponibilidade e adequacão de suporte familiar e social • Condições ambientais • Capacidade funcional – AVD • Estado e risco nutricional
  • 11. EQUILIBRIO E MOBILIDADE O envelhecimento altera equilíbrio e mobilidade provocando instabilidade postural, alterações da marcha e risco aumentado de quedas. • Instrumento: – “Timed up and go test” (levantar e andar 3metros). – ≥20 segundos indica instabilidade postural e alto risco de quedas.
  • 12. FUNCAO COGNITIVA POR QUE RASTREAR DEFICIT COGNITIVO? • Alta Prevalência de Doença de Alzheimer 10% daqueles com 65 anos ou mais e quase 50% daqueles com 85 anos ou mais • A maioria das pessoas com demência não apresenta queixa de perda de memória • Déficit cognitivo aumenta o risco de acidentes, não aderência ao tratamento e incapacidade
  • 13. FUNCAO COGNITIVA Mini-Exame do Estado Mental (Folstein et al., 1975)  usado largamente  avalia orientação, fixação, evocação, atenção, calculo, linguagem, habilidades visuo-espaciais Testes de funções executivas  teste do relógio  fluência verbal
  • 14. Teste do relógio • Avalia melhor a função visuo-espacial e a função executiva, mas sofre influência de todas as funções cognitivas. Outra grande vantagem é a menor influência do grau de alfabetização na realização do teste, aumentando a fidedignidade do teste em pacientes com baixo nível de escolaridade. É um teste eminentemente qualitativo e, portanto, não necessita de score. Consiste em solicitar ao paciente desenhar os números do relógio, marcando determinada hora (2:40), sem mencionar a necessidade de ponteiros. O círculo pode ou não ser oferecido previamente. O teste é considerado completo quando o paciente desenha todos os números do relógio, espacialmente bem distribuídos, e os ponteiros marcando 2:40. O teste não é cronometrado e pode ser repetido quantas vezes forem necessárias.
  • 15. Teste do relógio Interpretação do teste segundo Shulman: 1. Inabilidade absoluta de representar o relógio; 2. O desenho tem algo a ver com o relógio mas com desorganização visuo-espacial grave; 3. Desorganização visuo-espacial moderada que leva a uma marcação de hora incorreta, perseveração, confusão esquerda-direita, números faltando, números repetidos, sem ponteiros, com ponteiros em excesso; 4. Distribuição visuo-espacial correta com marcação errada da hora; 5. Pequenos erros espaciais com dígitos e hora corretos; 6. Relógio perfeito;
  • 16. Teste de Fluência Verbal (Brucki e col, 2004) Instruções “Agora o(a) Sr.(a) vai me falar nomes de animais, o máximo de nomes possíveis. Pode ser qualquer tipo de animal (bicho). Fale o mais rápido que puder. Pode começar.” (Marque um minuto) Pontuação de acordo com a escolaridade – – – – – *Analfabetos: 12 palavras *1-4 anos: 13 palavras *5-8 anos: 14 palavras *9-11 anos: 16 palavras *>11 anos: 18 palavras
  • 17. Mini Exame do Estado Mental (MEEM) Folstein, Folstein & McHugh, 1975 – Bertolucci e col., 1994 – ORIENTAÇÃO NO TEMPO: e col., 2003 Brucki ( ) ANO ( ) SEMESTRE ( ) MES ( ) DIA DO MES ( ) DIA DA SEMANA ORIENTAÇÃO NO ESPAÇO: ( ) ESTADO ( ) CIDADE ( ) BAIRRO ( ) LOCAL (nome, função) ( ) ANDAR MEMÓRIA IMEDIATA: Repita as palavras: (um segundo para dizer cada ima, depois pergunte ao idoso todas as três) ( ) CANECA ( ) TIJOLO ( ) TAPETE ATENÇÃO E CÁLCULO: O Sr. Faz cálculos? ( ) Sim ( ) Não Se “sim” faca cinco contas de subtrações de “7” seriadas. ( ) 100-7 ( ) 93-7 ( ) 86-7 ( ) 79-7 ( ) 72-7 Se “não” peca para soletrar a palavra “MUNDO” de tras para frente. ( ) O ( ) D ( ) N ( ) U ( )M MEMÓRIA DE EVOCAÇÃO: Repita as três palavras que disse há pouco ( ) CANECA ( ) TIJOLO ( ) TAPETE
  • 18. Mini Exame do Estado Mental (MEEM) Folstein, Folstein & McHugh, 1975 – Bertolucci e col., 1994 – LINGUAGEM: Brucki e col., 2003 Mostre um relógio de pulso e pergunte: O que e isto? Repita com uma caneta ( ) RELOGIO ( ) CANETA Repita o seguinte: ( ) “NEM AQUI, NEM ALI, NEM LA” Realize uma tarefa em três estágios: ( ) “PEGUE ESTE PAPEL COM SUA MAO DIREITA..., ( ) ...COM AS DUAS MAOS DOBRE-O AO MEIO..., ( ) ...EM SEGUIDA PONHA-O AO CHAO.” Leia e faça o que esta escrito no papel: ( ) FECHE OS OLHOS (Mostrar a folha com o comando) Escreva uma frase: ( ) Dar uma folha em branco (Verso) Copiar os pentágonos: ( ) Mostrar a folha com os pentágonos que se cruzam
  • 19. Mini Exame do Estado Mental (MEEM) Folstein, Folstein & McHugh, 1975 – Bertolucci e col., 1994 – Brucki e col., 2003 PONTUACÃO PELA ESCOLARIDADE:  Analfabetos: 20 pontos  1-4 anos: 25 pontos  5-8 anos: 26 pontos  9-11 anos: 28 pontos  ≥12 anos: 29 pontos
  • 20. DEFICIENCIAS SENSORIAIS • 50% dos idosos tem deficiência auditiva/visual que comprometem sua capacidade para AVD e aumentam o risco de declínio funcional.
  • 21. DEFICIENCIAS SENSORIAIS AVALIACAO AUDITIVA – – – – A perda auditiva e comum entre idosos O déficit auditivo provoca depressão e isolamento A principio, devemos sempre descartar cerume Encaminhar para audiometria se necessário • Rastreamento anual • Teste do susurro: – Avalia a compreensão de sons de baixa intensidade e alta freqüência. O examinador permanece de pé, fora do alcance do campo visual do paciente, a uma distancia equivalente ao comprimento do braço do paciente estendido (60cm). O examinador susurra um conjunto de 3 letras/números,enquanto massageia o tragus da orelha contralateral. O teste e considerado positivo, caso o paciente não consiga repetir corretamente o conjunto de letras/palavras.
  • 22. DEFICIENCIAS SENSORIAIS HHIE - Percepção do prejuízo Auditivo (Wieselberg) O sr(a) escuta bem? ( ) Sim ( ) Não 01 - A dificuldade em ouvir faz o sr(a) se sentir constrangido (a) ou sem jeito quando é apresentado as pessoas desconhecidas? 02 - A dificuldade em ouvir faz o sr(a) se sentir frustrado ou insatisfeito quando conversa com as pessoas da sua família? 03 - O sr sente dificuldade em ouvir quando alguém fala cochichando? 04 - O sr. se sente prejudicado em função do seu problema auditivo? 05 - A diminuição da audição lhe causa dificuldades quando visita amigos, parentes ou vizinhos? 06 - A dificuldade em ouvir faz com que o sr. freqüente menos o ambiente religioso? 07 - O sr. acha que a dificuldade em ouvir limita de alguma forma a sua vida pessoal ou social? 08 - A dificuldade em ouvir faz o sr. ter discussões ou brigas com a família? 09 - A dificuldade da audição lhe causa problema para assistir TV ou ouvir rádio? 10 - A diminuição da audição lhe causa dificuldade quando o sr. está num restaurante com familiares ou amigos? ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes ( 4 ) Sim ( 0) Não( 2 ) As vezes Resultado: 0 0 a 9: normal; 10 a 23: percepção moderada; 24 a 40: percepção significativa Resultado: a 9: normal; 10 a 23: percepção moderada; 24 a 40: percepção significativa
  • 23. DEFICIENCIAS SENSORIAIS AVALIACAO VISUAL – Catarata, Glaucoma, Degeneração Macular aumentam com a idade – Perguntar sobre dificuldades no dia-a-dia, dirigir, assistir a TV, ler • Se necessário, usar instrumentos para avaliação – Pedir para ler uma revista ou jornal – Quadro de Snellen Pacientes que lêem ate 20/40 são Pacientes que lêem ate 20/40 são considerados sem disfunção visual considerados sem disfunção visual
  • 24. CONDICOES EMOCIONAIS/SINTOMAS DEPRESSIVOS • Os idosos tem alto risco de apresentar depressão. • Manifesta-se de forma atípica, o que dificulta o seu reconhecimento • Importante pesquisar depressão em todos os idosos • Escala de Depressão Geriátrica de Yesavage (GDS) completa e/ou abreviada.
  • 25. ESCALA DE DEPRESSAO GERIATRICA (abreviada de Yesavage) 01 - Está satisfeito com a sua vida? ( ) Sim ( 02 - Interrompeu muitas de suas atividades? ( ) Sim ( ) Não 03 - Acha a sua vida vazia? ( ) Sim ( ) Não 04 - Aborrece-se com freqüência? ( ) Sim ( ) Não 05 - Sente-se bem com a vida na maior parte do tempo? ( ) Sim 06 - Teme que algo de ruim lhe aconteça? ( ) Sim ( ) Não 07 - Sente-se alegre na maior parte do tempo? ( ) Sim ) Não 08 - Sente-se desamparado com freqüência? ( ) Sim ( ) Não 09 - Prefere ficar em casa a sair e fazer coisas novas? ( ) Sim ( ) Não 10 - Acha que tem mais problemas de memória que outras pessoas? ( ) Sim ( ) Não 11 - Acha que é maravilhoso estar vivo? ( ) Sim ) Não 12 - Sente-se inútil? ( ) Sim ( ) Não 13 - Sente-se cheio de energia? ( ) Sim ) Não 14 - Sente-se sem esperança? ( ) Sim ( ) Não 15 - Acha que os outros tem mais sorte que você? ( ) Sim ( ) Não ( ( ( ( ) Não ) Não Resultado: 00a a5: normal; 66a a10: depressão leve; 11 a a15 depressão severa Resultado: 5: normal; 10: depressão leve; 11 15 depressão severa
  • 26. CAPACIDADE FUNCIONAL • Capacidade do idoso para executar atividades que lhe permitem cuidar de si próprio e viver independente em seu meio. • Medida através de instrumentos de avaliação para executar as Atividades da Vida Diária (AVD) e Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD)
  • 27. CAPACIDADE FUNCIONAL AVD – englobam todas as tarefas que uma pessoa precisa realizar para o autocuidado. • Escalas que avaliam AVDs : – Índice de Barthel – Índice de Katz – Outras AIVD – compreendem a habilidade do idoso para administrar o ambiente onde vive. • Escalas que avaliam AIVDs :
  • 28. Atividades Básicas da Vida Diária (AVD) Modifacado por Katz S, Downs TD, Cash HR et al. Gerontologist, 1970; 10:20-30 ATIVIDADE 1. Banho: Não recebe ajuda ou somente recebe ajuda para uma parte do corpo 2. Vestir-se: Pega as roupas e se veste sem qualquer ajuda, exceto p/ amarrar os sapatos 3. Hig. Pessoal: Vai e usa o banheiro, veste-se e retorna sem qq ajuda (andador ou bengala) 4. Transferência: Consegue deitar na cama, sentar na cadeira e levantar-se sem ajuda (andador ou bengala) 5. Continência: Controla completamente urina e fezes 6. Alimentação: Come sem ajuda (exceto p/ cortar carne e passar manteiga no pão). SOMATÓRA DE SIMS: 66––INDEPENDENCIA; 44––DEPENDENCIA PARCIAL; 22––DEPENDENCIA TOTAL SOMATÓRA DE SIMS: INDEPENDENCIA; DEPENDENCIA PARCIAL; DEPENDENCIA TOTAL
  • 29. Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD) Escala de Lawton Lawton et al, 1982 01 - O senhor consegue usar o telefone? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue 02 - O senhor consegue ir a locais distantes, usando algum transporte, sem necessidade de planejamento especiais? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue 03 - O Sr. consegue fazer compras? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue 04 - O Sr. consegue preparar suas próprias refeições? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue 05 - O Sr. consegue arrumar a casa? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue 06 - O Sr. consegue fazer trabalhos manuais domésticos, como pequenos reparos? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue 07 - O Sr consegue lavar e passar sua roupa? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue 08 - O Sr. consegue tomar seus remédios na dose e horários corretos? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue 09 - O Sr. consegue cuidar de suas finanças? ( 3 ) Sem ajuda; ( 2) Com ajuda parcial; ( 1 ) Não consegue
  • 30. Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD) Lawton et al, 1982 ESCORE 9 – TOTALMENTE DEPENDENTE; 21 a 25 – DEPENDENCIA LEVE; 10 a 15 – DEPENDENCIA GRAVE; 16 a 20 – DEPENDENCIA MODERADA 26 a 27 – INDEPENDENCIA
  • 31. Estado e Risco Nutricional Avaliação nos idosos deve ser feita em 2 grupos: • Idosos de 60-69 anos apresentam perfil epidemiológico semelhante aos adultos jovens com alta prevalência de sobrepeso. • Idosos de 70 anos e mais apresentam perfil nutricional diferenciado com alta prevalência de baixo peso; • A avaliação e feita pelos seguintes itens: – – – – Analise dos fatores de risco Antropometria Mini avaliação nutricional Avaliação laboratorial
  • 32. Estado e Risco Nutricional Antropometria : representa as medidas das dimensões corporais usadas para avaliação do estado nutricional. Não ha consenso do uso no idoso. As medidas avaliadas são: – – – – – – Peso e altura Índice de Massa Corporal (IMC=peso(Kg)/altura(m)2 Circunferência abdominal – cintura Circunferência do braço Pregas cutâneas Altura do joelho - estimar altura dos idosos acamados (calcanhar ate a rotula do joelho) – Outros
  • 33.
  • 34. • • • • DISPONIBILIDADE E ADEQUACAO DE SUPORTE FAMILIAR E SOCIAL e social A falta de suporte e de adequação do idoso a vida familiar e um dos fatores que contribuem negativamente para as suas condições clinicas e seu estado funcional. Atenção aos indicadores de violência domiciliar, abuso e maus tratos contra o idoso. Lesões corporais inexplicadas, descuido com a higiene pessoal, demora na busca de atenção medica, internações freqüentes por não adesão ao tratamento de doenças crônicas, ausência do familiar na consulta são extremante sugestivos de violência familiar. O suporte social e decisivo para o envelhecimento saudável. A capacidade de socialização e integração social e considerada fator protetor de saúde e bem-estar.
  • 35. DISPONIBILIDADE E ADEQUACAO DE SUPORTE FAMILIAR E SOCIAL Avaliar se o idoso: – sente-se satisfeito e pode contar com familiares para ajudar a resolver seus problemas; – participa da vida familiar e oferece seu apoio quando os outros membros tem problemas; – apresenta conflitos com as gerações que compõem a família; tem suas opiniões acatadas e respeitadas pelos membros que compõem o núcleo familiar; – aceita e respeita as opiniões dos demais membros da família; – participa da vida comunitária e da sociedade em que vive; – tem amigos e pode contar com eles; – apóia seus amigos quando eles tem problemas;
  • 36. Apgar da Família Estou satisfeito (a) pois posso recorrer à minha família em busca de ajuda quando alguma coisa está me incomodando ou preocupando. Estou satisfeito com a maneira pela qual minha família e eu conversamos e compartilhamos problemas Estou satisfeito com a maneira pela qual minha família aceita e apóia meus desejos de iniciar ou • buscar novas atividades e procurar novos caminho e direções. Sempre • • Estou satisfeito com a maneira pela qual minha família demonstra afeição e reage às minhas emoções, tais como raiva, mágoa ou amor. 2 As vezes • • • 2 1 1 Nunca • • 2 • 1 • Estou satisfeito com a maneira pela qual minha família e eu compartilhamos o tempo juntos 0 0 • 2 • 1 • 0 Resultados: Resultados: 00aa44==elevada disfunção familiar elevada disfunção familiar 55ee66==moderada disfunção familiar moderada disfunção familiar 77aa10 ==boa funcionalidade familiar 10 boa funcionalidade familiar
  • 37. CONDICOES AMBIENTAIS • Ambiente inadequados contribuem para a diminuição da capacidade funcional do idoso. • Avaliar a possibilidade de introduzir modificações físicas que possam tornar a casa mais convenientes as suas limitações, para garantir o Maximo de independência possível.