SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade Maurício de Nassau
Enfermagem – 7º Período
Disciplina: Tópicos Integradores I
Profº: Glaubert
Teresina – Pi
Componentes:
 Aline Nayra
 Ana Carla
 Camila Beatrice
 Elanny Santos
 Fernanda Sávia
 Flaviana Mutran
 Joana Carolina
 Kamyla Sávia
 Laíz Alves
 Lídia Viana
1.Introdução
 Sarampo, rubéola e coqueluche são viroses de transmissão
respiratória, contra as quais existem vacinas eficazes.
 Estas viroses comumente são incluídas entre as doenças comuns da
infância (ocorrem geralmente nessa faixa etária), mas também podem
ocorrer em adultos não vacinados ou que não foram infectados quando
crianças.
 Essas doenças eram consideradas eliminadas, já que o último caso
havia sido documentado no ano 2000. Algumas incidências pontuais,
principalmente de sarampo, eram resultado de doentes que vinham de
outros países onde as doenças ainda existem, como Estados Unidos,
Ásia, África e Europa.
O QUE É?
O SARAMPO É UMA DOENÇA INFECTOCONTAGIOSA
CAUSADA POR UM VÍRUS CHAMADO MORBILLIVIRUS.
TRANSMISSÃO?
A TRANSMISSÃO É DIRETAMENTE DE PESSOA A
PESSOA, POR MEIO DAS SECREÇÕES DO NARIZ E DA
BOCA EXPELIDAS PELO DOENTE AO TOSSIR, RESPIRAR
OU FALAR.
Sintomas
 Dor local: músculos
 Tosse: forte ou seca
 No corpo: fadiga, febre, mal-estar ou perda de apetite
 No nariz: nariz escorrendo, vermelhidão ou espirros
 Na pele: erupções ou manchas vermelhas
 Também comum: conjuntivite, dor de cabeça, dor de garganta, irritação
dos olhos, linfonodos aumentados ou olhos sensíveis à luz
Período de Infecção
 Dura cerca de sete dias, iniciando com período prodrômico, onde
surge a febre, acompanhada de tosse produtiva, coriza, conjuntivite e
fotofobia.
 Do 2° ao 4° dia desse período, surge o exantema, quando se
acentuam os sintomas iniciais.
 O paciente apresenta prostração e lesões características de Sarampo:
exantema cutâneo maculopapular de coloração vermelha, iniciando na
região retroauricular.
Remissão
 Caracteriza-se pela diminuição dos sintomas, com declínio da febre. O
exantema torna-se escurecido e, em alguns casos, surge descamação
fina, lembrando farinha, daí o nome de furfurácea.
Período Toxêmico
 O Sarampo é uma doença que compromete a resistência do
hospedeiro, facilitando a ocorrência de superinfecção viral ou
bacteriana. Por isso, são frequentes as complicações, principalmente
nas crianças até os dois anos de idade, em especial as desnutridas e
adultos jovens.
 A ocorrência de febre, por mais de três dias, após o aparecimento do
exantema, é um sinal de alerta, podendo indicar o aparecimento de
complicações.
 As complicações mais comuns são: infecções respiratórias; otites;
doenças diarreicas e neurológicas.
 É durante o período exantemático que, geralmente, se instalam as
complicações sistêmicas, embora a encefalite possa aparecer após o
20º dia.
Diagnóstico Laboratorial
 É realizado mediante detecção de anticorpos IgM no sangue na fase aguda
da doença, desde os primeiros dias até quatro semanas após o
aparecimento do exantema.
 Os anticorpos específicos da classe IgG podem eventualmente aparecer
na fase aguda da doença e, geralmente, são detectados muitos anos após
a infecção.
 Para detecção de anticorpos podem ser utilizadas as seguintes técnicas:
 Ensaio imunoenzimático (EIE/ELISA) para dosagem de IgM e IgG.
 Inibição de hemoaglutinação (HI) para dosagem de anticorpos totais.
 Imunofluorescência para dosagem de IgM e IgG; e
 Neutralização em placas.
 Todos os testes têm sensibilidade e especificidade entre 85 a 98
No Brasil, a rede laboratorial de saúde pública de referência para o
sarampo utiliza a técnica de ELISA para detecção de IgM e IgG.
Tratamento
 Não existe tratamento específico para o sarampo, apenas para os
sintomas.
Prevenção
• A doença torna-se mais grave quando atinge mães em período de
amamentação, crianças desnutridas e adultos.
• Vacinar é o meio mais eficaz de prevenção contra o sarampo. A vacina
tetraviral é indicada para prevenção do sarampo e está disponível nos
postos de saúde para crianças a partir de 12 meses de idade.
• Outra opção é a vacina tríplice viral.
A R UB É O LA É T R A NS M I T I D A PE L O V Í R U S D O G Ê N E R O R U B IV Í R US ,
D A FA M Í L I A TO G AV I R I D A E .
N O C A M P O D A S D O E N Ç A S I N F E C T O - C O N T A G I O S A S , A
I M P O R T Â N C I A E P I D E M I O L Ó G I C A D A R U B É O L A E S T Á
R E P R E S E N T A D A P E L A O C O R R Ê N C I A D A S Í N D R O M E D A R U B É O L A
C O N G Ê N I T A ( S R C ) Q U E A T I N G E O F E T O O U O R E C É M - N A S C I D O
C U J A S M Ã E S S E I N F E C T A R A M D U R A N T E A G E S T A Ç Ã O ,
P R I N C I P A L M E N T E N O P R I M E I R O T R I M E S T R E D A G E S T A Ç Ã O .
 A I N F E C Ç Ã O N A G R A V I D E Z A C A R R E T A I N Ú M E R A S
C O M P L I C A Ç Õ E S P A R A A M Ã E ( A B O R T O E N A T I M O R T O ) E P A R A O S
R E C É M - N A S C I D O S , C O M O M A L F O R M A Ç Õ E S C O N G Ê N I T A S ( S U R D E Z ,
M A L F O R M A Ç Õ E S C A R D Í A C A S , L E S Õ E S O C U L A R E S E O U T R A S ) .
Sinais e sintomas
 Febre, exantema máculo-papular, acompanhado de linfoadenopatia
retro auricular, occipital e cervical, independente da idade ou situação
vacinal.
Período de incubação
 O período de incubação médio é de 17 dias, variando de 14 a 21 dias.
Modo de transmissão
 O período de transmissibilidade é de cinco a sete dias antes e depois
do início do exantema. A maior transmissibilidade ocorre dois dias
antes e depois do início do exantema.
.
Diagnóstico
 Exames laboratoriais para ter certeza de que se trata de uma infecção
por rubéola.
 Um esfregaço nasal ou da garganta pode ser enviado para cultura.
 Também pode ser feito um exame de sangue para verificar se a
pessoa está protegida contra a rubéola.
 Todas as mulheres com possibilidade de engravidar devem fazer esse
exame. Se o exame der negativo, elas receberão a vacina.
Tratamento
 Não há tratamento específico para a rubéola. Os sinais e sintomas
apresentados devem ser tratados de acordo com a sintomatologia e
terapêutica adequada.
Prevenção
 Vacinação é o meio mais seguro e eficaz de se prevenir rubéola.
 A vacina da rubéola é recomendada para todas as crianças.
 Normalmente, é aplicada em bebês de 12 a 15 meses, mas algumas
vezes é administrada antes e durante epidemias.
 Uma segunda vacinação (reforço) é aplicada rotineiramente em
crianças entre quatro e seis anos.
 A tríplice viral é uma vacina combinada que protege contra sarampo,
caxumba e rubéola. Já a vacina tetra viral protege também
contra catapora.
DOENÇA INFECCIOSA AGUDA, TRANSMISSÍVEL, DE
DISTRIBUIÇÃO UNIVERSAL.
COMPROMETE ESPECIFICAMENTE O APARELHO
RESPIRATÓRIO (TRAQUEIA E BRÔNQUIOS) E SE
CARACTERIZA POR PAROXISMOS DE TOSSE SECA.
OCORRE SOB AS FORMAS ENDÊMICA E EPIDÊMICA. EM
LACTENTES, PODE RESULTAR EM NÚMERO ELEVADO DE
COMPLICAÇÕES E ATÉ A MORTE.
AGENTE ETIOLÓGICO
BORDETELLA PERTUSSIS
Modo de transmissão
 A transmissão ocorre, principalmente, pelo contato direto de
pessoa doente com pessoa suscetível, através de gotículas de
secreção da orofaringe eliminadas por tosse, espirro ou ao falar.
Em casos raros, pode ocorrer a transmissão por objetos
recentemente contaminados com secreções do doente, porém é
pouco frequente, pela dificuldade do agente sobreviver fora do
hospedeiro.
Período de incubação
 Em média, de 5 a 10 dias, podendo variar de 1 a 3 semanas e,
raramente, até 42 dias.
Período de transmissibilidade
 Para efeito de controle, considera-se que o período de transmissão se
estende de 5 dias após o contato com um doente (período de incubação)
até 3 semanas após o início dos acessos de tosse típicos da doença (fase
paroxística). Em lactentes menores de 6 meses, o período de
transmissibilidade pode prolongar-se por até 4 ou 6 semanas após o início
da tosse. A maior transmissibilidade da doença ocorre na fase catarral.
Suscetibilidade e imunidade
 A suscetibilidade é geral. O indivíduo torna-se imune nas seguintes
situações:
 Após adquirir a doença: imunidade duradoura, mas não permanente;
 Após receber vacinação básica, mínimo de 3 doses com a Pentavalente
(DTP+Hib+Hepatite B) e mais 2 reforços com a Tríplice Bacteriana (DTP).
Essa imunidade não é permanente. Em média de 5 a 10 anos após a
última dose da vacina a proteção pode ser pouca ou inexistente.
Manifestações Clínicas
A coqueluche evolui em três fases sucessivas:
 Fase catarral – com duração de 1 ou 2 semanas; inicia com
manifestações respiratórias e sintomas leves (febre pouco intensa, mal-
estar geral, coriza e tosse seca), seguidos pela instalação gradual de
surtos de tosse, cada vez mais intensos e frequentes, até que passam a
ocorrer as crises de tosses paroxísticas.
Fase paroxística – geralmente afebril ou com febre baixa. Em alguns
casos, ocorrem vários picos de febre no decorrer do dia.
 Apresenta como manifestação típica os paroxismos de tosse seca, que
se caracterizam por crise de tosse súbita incontrolável, rápida e curta
(cerca de 5 a 10 tossidas, em uma única expiração).
 Durante esses acessos, o paciente não consegue inspirar, apresenta
protusão da língua, congestão facial e, eventualmente, cianose que
pode ser seguida de apneia e vômitos.
 A seguir, ocorre uma inspiração profunda através da glote estreitada,
que pode dar origem ao som denominado de “guincho”. O número de
episódios de tosse paroxística pode chegar a 30 em 24 horas,
manifestando-se mais frequentemente à noite.
 A frequência e a intensidade dos episódios de tosse paroxística
aumentam nas 2 primeiras semanas; depois, diminuem
paulatinamente. Esta fase dura de 2 a 6 semanas.
 Fase de convalescença – os paroxismos de tosse desaparecem e dão
lugar a episódios de tosse comum.
 Esta fase persiste por 2 a 6 semanas e, em alguns casos, pode se
prolongar por até 3 meses.
 Infecções respiratórias de outra natureza, que se instalam durante a
convalescença da coqueluche, podem provocar o reaparecimento
transitório dos paroxismos.
Complicações
 Respiratórias – pneumonia por B. pertussis, pneumonias por outras
etiologias, ativação de tuberculose latente, atelectasia, bronquiectasia,
enfisema, pneumotórax, ruptura de diafragma.
 Neurológicas – encefalopatia aguda, convulsões, coma, hemorragias
intra-cerebrais, hemorragia subdural, estrabismo e surdez.
 Outras – hemorragias subconjuntivais, otite média por B. pertussis,
epistaxe, edema de face, úlcera do frênulo lingual, hérnias (umbilicais,
inguinais e diafragmáticas), conjuntivite, desidratação e/ou desnutrição.
Diagnóstico
 Às vezes, médicos podem diagnosticar coqueluche simplesmente
perguntando sobre os sintomas ou ouvindo o som da tosse. Em outros
casos, o médico pode pedir alguns exames:
 Espirometria
 Exames de sorologia
 Raio-x do tórax.
Prevenção
• A melhor forma de prevenir a coqueluche é a vacinação. No Brasil, a
vacina que previne coqueluche é a tríplice bacteriana – que protege
também contra difteria e tétano.
Conclusão
 Como regra geral, as infecções por estes vírus produzem imunidade
permanente, ou seja, ocorrem apenas uma vez na vida.
 Embora acredite-se que seja possível o controle efetivo destas
doenças virais, e até mesmo a erradicação, com a vacinação em larga
escala, estas doenças ainda representam importante agravo de saúde
pública em várias partes do mundo, especialmente em áreas onde
aliam-se condições precárias de subsistência e cobertura vacinal
inadequada.
Referências
Disponível em: <http://portalsaude.saude.gov.br/> Acesso em:
30.abr.2016
Seminário tópicos integradores

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

Apresentação tétano
Apresentação tétanoApresentação tétano
Apresentação tétano
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
A construção do sus
A construção do susA construção do sus
A construção do sus
 
Privacidade e segredo profissional
Privacidade e segredo profissional Privacidade e segredo profissional
Privacidade e segredo profissional
 
Pgrss grupo c radioativo
Pgrss grupo c radioativoPgrss grupo c radioativo
Pgrss grupo c radioativo
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
Modelo de pre projeto tcc
Modelo de pre projeto tccModelo de pre projeto tcc
Modelo de pre projeto tcc
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
 
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnabPortaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
Portaria 2.436 21 de setembro 2017 nova pnab
 
Apresentaçao PNPIC e PICs
Apresentaçao PNPIC e PICsApresentaçao PNPIC e PICs
Apresentaçao PNPIC e PICs
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Síndrome De Burnout Seminário
Síndrome De Burnout   SeminárioSíndrome De Burnout   Seminário
Síndrome De Burnout Seminário
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
 
Introdução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhadorIntrodução à saúde do trabalhador
Introdução à saúde do trabalhador
 
Curativo
CurativoCurativo
Curativo
 

Destaque

Psicologia experimental psicologia humanista
Psicologia experimental   psicologia humanistaPsicologia experimental   psicologia humanista
Psicologia experimental psicologia humanista
Nallely Sandoval
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
Hélia
 
Planejamento em saúde
Planejamento em saúdePlanejamento em saúde
Planejamento em saúde
Laíz Coutinho
 
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E TransdisciplinaridadeMultidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
silsiane
 

Destaque (20)

Sarampo.
Sarampo.Sarampo.
Sarampo.
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
O Mundo é Plano, Thomas Friedman
O Mundo é Plano, Thomas FriedmanO Mundo é Plano, Thomas Friedman
O Mundo é Plano, Thomas Friedman
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
 
Psicologia experimental psicologia humanista
Psicologia experimental   psicologia humanistaPsicologia experimental   psicologia humanista
Psicologia experimental psicologia humanista
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
6 fases evolução - apresentação 01
6 fases   evolução - apresentação 016 fases   evolução - apresentação 01
6 fases evolução - apresentação 01
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
 
Rubeóla
RubeólaRubeóla
Rubeóla
 
Introdução à Psicologia Experimental
Introdução à Psicologia ExperimentalIntrodução à Psicologia Experimental
Introdução à Psicologia Experimental
 
Sarampo e catapora
Sarampo e cataporaSarampo e catapora
Sarampo e catapora
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
 
Sifilis
SifilisSifilis
Sifilis
 
Planejamento em saúde
Planejamento em saúdePlanejamento em saúde
Planejamento em saúde
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Rubeola
RubeolaRubeola
Rubeola
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E TransdisciplinaridadeMultidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
Multidiciplinariedade, Interdisciplinaridade E Transdisciplinaridade
 

Semelhante a Seminário tópicos integradores

Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
Renan Matos
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
fergwen
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
ecsette
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
eld09
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
escola
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
Raqueli Viecili
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
Eliene Meira
 

Semelhante a Seminário tópicos integradores (20)

Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Coqueluche doença
Coqueluche doença Coqueluche doença
Coqueluche doença
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
 
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012
 
O Sarampo
O SarampoO Sarampo
O Sarampo
 
Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Doenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactériasDoenças causadas por bactérias
Doenças causadas por bactérias
 
Patologias Virais III
Patologias Virais IIIPatologias Virais III
Patologias Virais III
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdffisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pdf
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 

Mais de Laíz Coutinho

Seminário de filosofia
Seminário de filosofiaSeminário de filosofia
Seminário de filosofia
Laíz Coutinho
 
Hpv seminário de microbiologia
Hpv  seminário de microbiologiaHpv  seminário de microbiologia
Hpv seminário de microbiologia
Laíz Coutinho
 
A conotação moral dos cuidados de enfermagem
A conotação moral dos cuidados de enfermagemA conotação moral dos cuidados de enfermagem
A conotação moral dos cuidados de enfermagem
Laíz Coutinho
 

Mais de Laíz Coutinho (17)

Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
Distúrbios pancreáticos
Distúrbios pancreáticosDistúrbios pancreáticos
Distúrbios pancreáticos
 
Seminário doenças ocupacionais
Seminário  doenças ocupacionaisSeminário  doenças ocupacionais
Seminário doenças ocupacionais
 
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
 
Tracoma
TracomaTracoma
Tracoma
 
SAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO ISAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO I
 
Seminário cuidado ao idoso
Seminário cuidado ao idosoSeminário cuidado ao idoso
Seminário cuidado ao idoso
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
 
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco seminário
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco  seminárioAdolescência, cultura, vulnerabilidade e risco  seminário
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco seminário
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
 
Seminário de filosofia
Seminário de filosofiaSeminário de filosofia
Seminário de filosofia
 
Hpv seminário de microbiologia
Hpv  seminário de microbiologiaHpv  seminário de microbiologia
Hpv seminário de microbiologia
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Antivirais
AntiviraisAntivirais
Antivirais
 
Bioética e religião
Bioética e religiãoBioética e religião
Bioética e religião
 
A conotação moral dos cuidados de enfermagem
A conotação moral dos cuidados de enfermagemA conotação moral dos cuidados de enfermagem
A conotação moral dos cuidados de enfermagem
 

Último

Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
AdivaldoSantosRibeir
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
wilkaccb
 

Último (10)

Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdfRelação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
Relação de Medicos Edital 13 - Coparticipação (1).pdf
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
 

Seminário tópicos integradores

  • 1. Faculdade Maurício de Nassau Enfermagem – 7º Período Disciplina: Tópicos Integradores I Profº: Glaubert Teresina – Pi
  • 2. Componentes:  Aline Nayra  Ana Carla  Camila Beatrice  Elanny Santos  Fernanda Sávia  Flaviana Mutran  Joana Carolina  Kamyla Sávia  Laíz Alves  Lídia Viana
  • 3. 1.Introdução  Sarampo, rubéola e coqueluche são viroses de transmissão respiratória, contra as quais existem vacinas eficazes.  Estas viroses comumente são incluídas entre as doenças comuns da infância (ocorrem geralmente nessa faixa etária), mas também podem ocorrer em adultos não vacinados ou que não foram infectados quando crianças.  Essas doenças eram consideradas eliminadas, já que o último caso havia sido documentado no ano 2000. Algumas incidências pontuais, principalmente de sarampo, eram resultado de doentes que vinham de outros países onde as doenças ainda existem, como Estados Unidos, Ásia, África e Europa.
  • 4. O QUE É? O SARAMPO É UMA DOENÇA INFECTOCONTAGIOSA CAUSADA POR UM VÍRUS CHAMADO MORBILLIVIRUS. TRANSMISSÃO? A TRANSMISSÃO É DIRETAMENTE DE PESSOA A PESSOA, POR MEIO DAS SECREÇÕES DO NARIZ E DA BOCA EXPELIDAS PELO DOENTE AO TOSSIR, RESPIRAR OU FALAR.
  • 5. Sintomas  Dor local: músculos  Tosse: forte ou seca  No corpo: fadiga, febre, mal-estar ou perda de apetite  No nariz: nariz escorrendo, vermelhidão ou espirros  Na pele: erupções ou manchas vermelhas  Também comum: conjuntivite, dor de cabeça, dor de garganta, irritação dos olhos, linfonodos aumentados ou olhos sensíveis à luz
  • 6. Período de Infecção  Dura cerca de sete dias, iniciando com período prodrômico, onde surge a febre, acompanhada de tosse produtiva, coriza, conjuntivite e fotofobia.  Do 2° ao 4° dia desse período, surge o exantema, quando se acentuam os sintomas iniciais.  O paciente apresenta prostração e lesões características de Sarampo: exantema cutâneo maculopapular de coloração vermelha, iniciando na região retroauricular.
  • 7. Remissão  Caracteriza-se pela diminuição dos sintomas, com declínio da febre. O exantema torna-se escurecido e, em alguns casos, surge descamação fina, lembrando farinha, daí o nome de furfurácea.
  • 8. Período Toxêmico  O Sarampo é uma doença que compromete a resistência do hospedeiro, facilitando a ocorrência de superinfecção viral ou bacteriana. Por isso, são frequentes as complicações, principalmente nas crianças até os dois anos de idade, em especial as desnutridas e adultos jovens.  A ocorrência de febre, por mais de três dias, após o aparecimento do exantema, é um sinal de alerta, podendo indicar o aparecimento de complicações.  As complicações mais comuns são: infecções respiratórias; otites; doenças diarreicas e neurológicas.  É durante o período exantemático que, geralmente, se instalam as complicações sistêmicas, embora a encefalite possa aparecer após o 20º dia.
  • 9. Diagnóstico Laboratorial  É realizado mediante detecção de anticorpos IgM no sangue na fase aguda da doença, desde os primeiros dias até quatro semanas após o aparecimento do exantema.  Os anticorpos específicos da classe IgG podem eventualmente aparecer na fase aguda da doença e, geralmente, são detectados muitos anos após a infecção.  Para detecção de anticorpos podem ser utilizadas as seguintes técnicas:  Ensaio imunoenzimático (EIE/ELISA) para dosagem de IgM e IgG.  Inibição de hemoaglutinação (HI) para dosagem de anticorpos totais.  Imunofluorescência para dosagem de IgM e IgG; e  Neutralização em placas.  Todos os testes têm sensibilidade e especificidade entre 85 a 98 No Brasil, a rede laboratorial de saúde pública de referência para o sarampo utiliza a técnica de ELISA para detecção de IgM e IgG.
  • 10. Tratamento  Não existe tratamento específico para o sarampo, apenas para os sintomas. Prevenção • A doença torna-se mais grave quando atinge mães em período de amamentação, crianças desnutridas e adultos. • Vacinar é o meio mais eficaz de prevenção contra o sarampo. A vacina tetraviral é indicada para prevenção do sarampo e está disponível nos postos de saúde para crianças a partir de 12 meses de idade. • Outra opção é a vacina tríplice viral.
  • 11. A R UB É O LA É T R A NS M I T I D A PE L O V Í R U S D O G Ê N E R O R U B IV Í R US , D A FA M Í L I A TO G AV I R I D A E . N O C A M P O D A S D O E N Ç A S I N F E C T O - C O N T A G I O S A S , A I M P O R T Â N C I A E P I D E M I O L Ó G I C A D A R U B É O L A E S T Á R E P R E S E N T A D A P E L A O C O R R Ê N C I A D A S Í N D R O M E D A R U B É O L A C O N G Ê N I T A ( S R C ) Q U E A T I N G E O F E T O O U O R E C É M - N A S C I D O C U J A S M Ã E S S E I N F E C T A R A M D U R A N T E A G E S T A Ç Ã O , P R I N C I P A L M E N T E N O P R I M E I R O T R I M E S T R E D A G E S T A Ç Ã O .  A I N F E C Ç Ã O N A G R A V I D E Z A C A R R E T A I N Ú M E R A S C O M P L I C A Ç Õ E S P A R A A M Ã E ( A B O R T O E N A T I M O R T O ) E P A R A O S R E C É M - N A S C I D O S , C O M O M A L F O R M A Ç Õ E S C O N G Ê N I T A S ( S U R D E Z , M A L F O R M A Ç Õ E S C A R D Í A C A S , L E S Õ E S O C U L A R E S E O U T R A S ) .
  • 12.
  • 13. Sinais e sintomas  Febre, exantema máculo-papular, acompanhado de linfoadenopatia retro auricular, occipital e cervical, independente da idade ou situação vacinal. Período de incubação  O período de incubação médio é de 17 dias, variando de 14 a 21 dias. Modo de transmissão  O período de transmissibilidade é de cinco a sete dias antes e depois do início do exantema. A maior transmissibilidade ocorre dois dias antes e depois do início do exantema. .
  • 14. Diagnóstico  Exames laboratoriais para ter certeza de que se trata de uma infecção por rubéola.  Um esfregaço nasal ou da garganta pode ser enviado para cultura.  Também pode ser feito um exame de sangue para verificar se a pessoa está protegida contra a rubéola.  Todas as mulheres com possibilidade de engravidar devem fazer esse exame. Se o exame der negativo, elas receberão a vacina.
  • 15. Tratamento  Não há tratamento específico para a rubéola. Os sinais e sintomas apresentados devem ser tratados de acordo com a sintomatologia e terapêutica adequada.
  • 16. Prevenção  Vacinação é o meio mais seguro e eficaz de se prevenir rubéola.  A vacina da rubéola é recomendada para todas as crianças.  Normalmente, é aplicada em bebês de 12 a 15 meses, mas algumas vezes é administrada antes e durante epidemias.  Uma segunda vacinação (reforço) é aplicada rotineiramente em crianças entre quatro e seis anos.  A tríplice viral é uma vacina combinada que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Já a vacina tetra viral protege também contra catapora.
  • 17. DOENÇA INFECCIOSA AGUDA, TRANSMISSÍVEL, DE DISTRIBUIÇÃO UNIVERSAL. COMPROMETE ESPECIFICAMENTE O APARELHO RESPIRATÓRIO (TRAQUEIA E BRÔNQUIOS) E SE CARACTERIZA POR PAROXISMOS DE TOSSE SECA. OCORRE SOB AS FORMAS ENDÊMICA E EPIDÊMICA. EM LACTENTES, PODE RESULTAR EM NÚMERO ELEVADO DE COMPLICAÇÕES E ATÉ A MORTE. AGENTE ETIOLÓGICO BORDETELLA PERTUSSIS
  • 18. Modo de transmissão  A transmissão ocorre, principalmente, pelo contato direto de pessoa doente com pessoa suscetível, através de gotículas de secreção da orofaringe eliminadas por tosse, espirro ou ao falar. Em casos raros, pode ocorrer a transmissão por objetos recentemente contaminados com secreções do doente, porém é pouco frequente, pela dificuldade do agente sobreviver fora do hospedeiro. Período de incubação  Em média, de 5 a 10 dias, podendo variar de 1 a 3 semanas e, raramente, até 42 dias.
  • 19. Período de transmissibilidade  Para efeito de controle, considera-se que o período de transmissão se estende de 5 dias após o contato com um doente (período de incubação) até 3 semanas após o início dos acessos de tosse típicos da doença (fase paroxística). Em lactentes menores de 6 meses, o período de transmissibilidade pode prolongar-se por até 4 ou 6 semanas após o início da tosse. A maior transmissibilidade da doença ocorre na fase catarral. Suscetibilidade e imunidade  A suscetibilidade é geral. O indivíduo torna-se imune nas seguintes situações:  Após adquirir a doença: imunidade duradoura, mas não permanente;  Após receber vacinação básica, mínimo de 3 doses com a Pentavalente (DTP+Hib+Hepatite B) e mais 2 reforços com a Tríplice Bacteriana (DTP). Essa imunidade não é permanente. Em média de 5 a 10 anos após a última dose da vacina a proteção pode ser pouca ou inexistente.
  • 20. Manifestações Clínicas A coqueluche evolui em três fases sucessivas:  Fase catarral – com duração de 1 ou 2 semanas; inicia com manifestações respiratórias e sintomas leves (febre pouco intensa, mal- estar geral, coriza e tosse seca), seguidos pela instalação gradual de surtos de tosse, cada vez mais intensos e frequentes, até que passam a ocorrer as crises de tosses paroxísticas.
  • 21. Fase paroxística – geralmente afebril ou com febre baixa. Em alguns casos, ocorrem vários picos de febre no decorrer do dia.  Apresenta como manifestação típica os paroxismos de tosse seca, que se caracterizam por crise de tosse súbita incontrolável, rápida e curta (cerca de 5 a 10 tossidas, em uma única expiração).  Durante esses acessos, o paciente não consegue inspirar, apresenta protusão da língua, congestão facial e, eventualmente, cianose que pode ser seguida de apneia e vômitos.  A seguir, ocorre uma inspiração profunda através da glote estreitada, que pode dar origem ao som denominado de “guincho”. O número de episódios de tosse paroxística pode chegar a 30 em 24 horas, manifestando-se mais frequentemente à noite.  A frequência e a intensidade dos episódios de tosse paroxística aumentam nas 2 primeiras semanas; depois, diminuem paulatinamente. Esta fase dura de 2 a 6 semanas.
  • 22.  Fase de convalescença – os paroxismos de tosse desaparecem e dão lugar a episódios de tosse comum.  Esta fase persiste por 2 a 6 semanas e, em alguns casos, pode se prolongar por até 3 meses.  Infecções respiratórias de outra natureza, que se instalam durante a convalescença da coqueluche, podem provocar o reaparecimento transitório dos paroxismos.
  • 23. Complicações  Respiratórias – pneumonia por B. pertussis, pneumonias por outras etiologias, ativação de tuberculose latente, atelectasia, bronquiectasia, enfisema, pneumotórax, ruptura de diafragma.  Neurológicas – encefalopatia aguda, convulsões, coma, hemorragias intra-cerebrais, hemorragia subdural, estrabismo e surdez.  Outras – hemorragias subconjuntivais, otite média por B. pertussis, epistaxe, edema de face, úlcera do frênulo lingual, hérnias (umbilicais, inguinais e diafragmáticas), conjuntivite, desidratação e/ou desnutrição.
  • 24. Diagnóstico  Às vezes, médicos podem diagnosticar coqueluche simplesmente perguntando sobre os sintomas ou ouvindo o som da tosse. Em outros casos, o médico pode pedir alguns exames:  Espirometria  Exames de sorologia  Raio-x do tórax. Prevenção • A melhor forma de prevenir a coqueluche é a vacinação. No Brasil, a vacina que previne coqueluche é a tríplice bacteriana – que protege também contra difteria e tétano.
  • 25. Conclusão  Como regra geral, as infecções por estes vírus produzem imunidade permanente, ou seja, ocorrem apenas uma vez na vida.  Embora acredite-se que seja possível o controle efetivo destas doenças virais, e até mesmo a erradicação, com a vacinação em larga escala, estas doenças ainda representam importante agravo de saúde pública em várias partes do mundo, especialmente em áreas onde aliam-se condições precárias de subsistência e cobertura vacinal inadequada.