SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Sarampo 
Vinicius Monteiro e Brena Paixão
Sarampo/Caxum 
bAagente Causador 
• Família: 
Paramyxoviridae 
• Gêneros: Morbillivirus 
(Sarampo), 
Paramyxovirus 
(Caxumba) 
Estrutura e Replicação 
 Ácido Ribonucleico Fita 
Simples Sentido Negativo; 
(nucleocapsídeo helicoidal 
envolto por um envelope 
contendo as proteínas virais 
de ligação) 
 Proteínas Virais de Ligação: 
Hemaglutininaneuramnidase 
[HN], nos vírus parainfluenza e 
vírus da caxumba; 
hemaglutinina [H], no vírus do 
sarampo;
 O vírus tem sua replicação no 
citoplasma 
 A replicação inicia-se pela ligação 
da proteína HN, H ou G do envelope 
viral ao ácido siálico dos 
glicolipídeos da superfície celular. 
 O vírus do SARAMPO pode se ligar a 
CD46 e/ou CD50 SLAM. 
 Proteína F – Promove fusão do 
envelope e membrana plasmática. 
 REPLICÃÇÃO 
 NOVOS GENOMAS SE ASSOCIAM A 
PROTEÍNAS L, N E NP. + PROTEÍNA M. – 
ASSOCIADOS COM A MEMBRANA 
FORMA AS GLICOPROTEÍNAS VÍRAIS.
Sarampo
Sarampo 
•Agente Causador 
•Família: Paramyxoviridae 
•Gênero: Morbillivirus 
•Produz fusão celular, levando à 
formação de células gigantes. 
•O vírus é capaz de atravessar diretamente a célula e escapar da 
ação dos anticorpos. 
•As inclusões ocorrem geralmente no citoplasma e são compostas 
de partículas virais incompletas 
•A infecção normalmente leva à lise celular, porém as infecções 
persistentes sem a ocorrência de lise podem ser descritas em 
alguns tipos celulares (p. ex., células do cérebro humano).
Sarampo 
•A imunidade celular é responsável pela maioria dos 
sintomas, mas também é essencial no controle da infecção 
do sarampo. 
Crianças deficientes em células T que foram 
infectadas com o sarampo produzem de forma atípica 
uma pneumonia por células gigantes sem exantema.
Epidemiologia 
• Em áreas onde não existe programa de vacinação, as 
epidemias tendem a ocorrer em um ciclo de 1 a 3 anos, quando um 
número de pessoas susceptíveis é acumulado. 
• A incidência da infecção tem picos nos meses de inverno e 
primavera. 
• Países desenvolvidos 
• Principal causa de morte em crianças de 1 a 5 anos de idade em 
muitos países. 
• Pacientes imunocomprometidos e desnutridos com sarampo 
podem não conseguir superar a infecção que pode resultar em morte.
Epidemiologia 
• Em domicílio familiar, cerca de 85% das pessoas 
suscetíveis expostas são infectadas, e 95% dessas 
desenvolvem a doença clínica.
o O sarampo é altamente contagioso e é transmitido de pessoa a 
pessoa através de gotículas respiratórias 
A ampla 
disseminação do 
vírus causa 
infecção da 
conjuntiva, do 
trato respiratório, 
do trato urinário, 
de capilares 
sanguíneos, do 
sistema linfático e 
do sistema 
nervoso central.
Síndrome Clínica 
O sarampo é uma doença febril grave. O período de incubação 
dura de 7 a 13 dias, e o pródomo inicia por febre alta, tosse, 
coriza, conjuntivite e fotofobia. Essa fase da doença é a mais 
infecciosa.
Síndrome Clínica 
Após 2 dias do início da doença, lesões na membrana da 
mucosa típicas e conhecidas como manchas de Koplik 
aparecem.
Dentro de 12 a 24 horas do aparecimento das manchas de 
Koplik, o exantema do sarampo começa atrás das orelhas 
e se espalha por todo o corpo.
O característico exantema maculopapular de sarampo é causado 
pelas células T do sistema imune que foram direcionadas às células 
endoteliais infectadas pelo sarampo e que revestem os capilares 
sanguíneos.
Síndrome Clínica 
• Pneumonia 
• Encefalite 
• Sarampo Atípico 
• Panencefalite esclerosante subaguda
o O sarampo pode levar à encefalite de três 
maneiras: 
1. infecção direta dos neurônios; 
2. uma encefalite pós-infecção, na qual se acredita que seja 
mediada pelo sistema imune; 
3. uma panencefalite esclerosante subaguda (subacute 
sclerosing panencephalitis –; SSPE) 
Causada por uma variante defeituosa do sarampo que 
foi gerada na fase aguda da doença. O vírus da SSPE 
age como um vírus lento e causa sintomas e efeitos 
citopatológicos em neurônios muitos anos após a fase 
aguda da doença.
Diagnóstico 
• Diagnóstico Laboratorial 
• As manifestações clínicas do sarampo são normalmente muito características e 
raramente se faz necessário a realização de testes laboratoriais para estabelecer um 
diagnóstico. 
• As secreções do trato respiratório, urina, sangue e tecido 
cerebral são as espécimes recomendadas. 
• É melhor que sejam coletados espécimes sanguíneos e 
respiratórios durante o pródomo e até 1 a 2 dias depois do 
surgimento do exantema. 
• Os anticorpos, especialmente a imunoglobulina M (IgM), 
podem ser detectados quando o exantema está presente.
Efeitos 
Citopatológicos 
 Células gigantes 
multinucleadas 
 Sedimentos da urina corados 
com Giemsa.
O antígeno de sarampo pode ser detectado em células da faringe ou 
em sedimentos da urina utilizando imunofluorescência; o genoma do 
sarampo pode ser identificado através da reação em cadeia da 
polimerase precedida de transcrição reversa (RT-PCR) em quaisquer 
dos espécimes acima citados. 
A infecção por sarampo pode ser 
confirmada quando se observa a 
soroconversão ou pelo aumento 
de até quatro vezes do título de 
anticorpos específicos para 
sarampo obtidos do soro entre a 
fase aguda e a fase 
convalescente.
Tratamento, Prevenção e Controle 
o Vacina viva e atenuada de sarampo em uso nos Estados Unidos 
desde 1963 tem sido responsável por uma redução significativa 
na incidência de sarampo.
Tríplice Viral
Sarampo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Sarampo e catapora
Sarampo e cataporaSarampo e catapora
Sarampo e catapora
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e TratamentosSífilis- Sintomas e Tratamentos
Sífilis- Sintomas e Tratamentos
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP) A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Sarampo - Patogênese, Profilaxia, Tratamento e Epidemiologia
Sarampo - Patogênese, Profilaxia, Tratamento e EpidemiologiaSarampo - Patogênese, Profilaxia, Tratamento e Epidemiologia
Sarampo - Patogênese, Profilaxia, Tratamento e Epidemiologia
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 

Semelhante a Sarampo

Questões doenças exantemáticas professor robson
Questões doenças exantemáticas   professor robsonQuestões doenças exantemáticas   professor robson
Questões doenças exantemáticas professor robsonProfessor Robson
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAAula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAJaqueline Almeida
 
Caxumba apresentação Iepam alunos informativo
Caxumba apresentação Iepam alunos informativoCaxumba apresentação Iepam alunos informativo
Caxumba apresentação Iepam alunos informativoClaryMonteiro2
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialguestfced19
 
Doenças exantemáticas em pediatria
Doenças exantemáticas em pediatriaDoenças exantemáticas em pediatria
Doenças exantemáticas em pediatriaVicktor Soares
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresLaíz Coutinho
 
Resumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasResumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasLívia Zadra
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariapHrOzEn HeLL
 
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Hosana maniero
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaFranciskelly
 
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicasMicoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicasManzelio Cavazzana
 
Doenças
DoençasDoenças
Doençaseld09
 

Semelhante a Sarampo (20)

Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
 
Questões doenças exantemáticas professor robson
Questões doenças exantemáticas   professor robsonQuestões doenças exantemáticas   professor robson
Questões doenças exantemáticas professor robson
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAAula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
 
Caxumba apresentação Iepam alunos informativo
Caxumba apresentação Iepam alunos informativoCaxumba apresentação Iepam alunos informativo
Caxumba apresentação Iepam alunos informativo
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficial
 
Doenças exantemáticas em pediatria
Doenças exantemáticas em pediatriaDoenças exantemáticas em pediatria
Doenças exantemáticas em pediatria
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
 
Tutoria 3 varicela
Tutoria 3   varicelaTutoria 3   varicela
Tutoria 3 varicela
 
Resumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticasResumo doenças exantemáticas
Resumo doenças exantemáticas
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - Malaria
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
76211504 doencas-exantematicas
76211504 doencas-exantematicas76211504 doencas-exantematicas
76211504 doencas-exantematicas
 
Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012Apresentação rubeola cve capacita 2012
Apresentação rubeola cve capacita 2012
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicasMicoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
 
Doenças
DoençasDoenças
Doenças
 
Sida Parte 1
Sida Parte 1Sida Parte 1
Sida Parte 1
 
Pneumococo na Pediatria
Pneumococo na PediatriaPneumococo na Pediatria
Pneumococo na Pediatria
 

Mais de Vinicius Monteirobarreto (8)

Doença celíaca
Doença celíacaDoença celíaca
Doença celíaca
 
Como o álcool afeta o fígado ?
Como o álcool afeta o fígado ?Como o álcool afeta o fígado ?
Como o álcool afeta o fígado ?
 
Mal de Parkinson(fisiopatologia)
Mal de Parkinson(fisiopatologia)Mal de Parkinson(fisiopatologia)
Mal de Parkinson(fisiopatologia)
 
Tuberculose slide
Tuberculose slideTuberculose slide
Tuberculose slide
 
Fármacos para tratamento das dislipidemias
Fármacos para tratamento das dislipidemiasFármacos para tratamento das dislipidemias
Fármacos para tratamento das dislipidemias
 
As miopatias do colágeno vi
As miopatias do colágeno viAs miopatias do colágeno vi
As miopatias do colágeno vi
 
Mediadores inflamatórios
Mediadores inflamatóriosMediadores inflamatórios
Mediadores inflamatórios
 
Fisiopatologia Anemia Hemolítica(Pre-Hpatica)
Fisiopatologia Anemia Hemolítica(Pre-Hpatica)Fisiopatologia Anemia Hemolítica(Pre-Hpatica)
Fisiopatologia Anemia Hemolítica(Pre-Hpatica)
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMayaraStefanydaSilva1
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfqualidadediagnostico
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfClaudiaAraujo428025
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDiegoFernandes857616
 

Último (8)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 

Sarampo

  • 1. Sarampo Vinicius Monteiro e Brena Paixão
  • 2. Sarampo/Caxum bAagente Causador • Família: Paramyxoviridae • Gêneros: Morbillivirus (Sarampo), Paramyxovirus (Caxumba) Estrutura e Replicação  Ácido Ribonucleico Fita Simples Sentido Negativo; (nucleocapsídeo helicoidal envolto por um envelope contendo as proteínas virais de ligação)  Proteínas Virais de Ligação: Hemaglutininaneuramnidase [HN], nos vírus parainfluenza e vírus da caxumba; hemaglutinina [H], no vírus do sarampo;
  • 3.  O vírus tem sua replicação no citoplasma  A replicação inicia-se pela ligação da proteína HN, H ou G do envelope viral ao ácido siálico dos glicolipídeos da superfície celular.  O vírus do SARAMPO pode se ligar a CD46 e/ou CD50 SLAM.  Proteína F – Promove fusão do envelope e membrana plasmática.  REPLICÃÇÃO  NOVOS GENOMAS SE ASSOCIAM A PROTEÍNAS L, N E NP. + PROTEÍNA M. – ASSOCIADOS COM A MEMBRANA FORMA AS GLICOPROTEÍNAS VÍRAIS.
  • 5. Sarampo •Agente Causador •Família: Paramyxoviridae •Gênero: Morbillivirus •Produz fusão celular, levando à formação de células gigantes. •O vírus é capaz de atravessar diretamente a célula e escapar da ação dos anticorpos. •As inclusões ocorrem geralmente no citoplasma e são compostas de partículas virais incompletas •A infecção normalmente leva à lise celular, porém as infecções persistentes sem a ocorrência de lise podem ser descritas em alguns tipos celulares (p. ex., células do cérebro humano).
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Sarampo •A imunidade celular é responsável pela maioria dos sintomas, mas também é essencial no controle da infecção do sarampo. Crianças deficientes em células T que foram infectadas com o sarampo produzem de forma atípica uma pneumonia por células gigantes sem exantema.
  • 10. Epidemiologia • Em áreas onde não existe programa de vacinação, as epidemias tendem a ocorrer em um ciclo de 1 a 3 anos, quando um número de pessoas susceptíveis é acumulado. • A incidência da infecção tem picos nos meses de inverno e primavera. • Países desenvolvidos • Principal causa de morte em crianças de 1 a 5 anos de idade em muitos países. • Pacientes imunocomprometidos e desnutridos com sarampo podem não conseguir superar a infecção que pode resultar em morte.
  • 11. Epidemiologia • Em domicílio familiar, cerca de 85% das pessoas suscetíveis expostas são infectadas, e 95% dessas desenvolvem a doença clínica.
  • 12.
  • 13. o O sarampo é altamente contagioso e é transmitido de pessoa a pessoa através de gotículas respiratórias A ampla disseminação do vírus causa infecção da conjuntiva, do trato respiratório, do trato urinário, de capilares sanguíneos, do sistema linfático e do sistema nervoso central.
  • 14.
  • 15. Síndrome Clínica O sarampo é uma doença febril grave. O período de incubação dura de 7 a 13 dias, e o pródomo inicia por febre alta, tosse, coriza, conjuntivite e fotofobia. Essa fase da doença é a mais infecciosa.
  • 16. Síndrome Clínica Após 2 dias do início da doença, lesões na membrana da mucosa típicas e conhecidas como manchas de Koplik aparecem.
  • 17. Dentro de 12 a 24 horas do aparecimento das manchas de Koplik, o exantema do sarampo começa atrás das orelhas e se espalha por todo o corpo.
  • 18. O característico exantema maculopapular de sarampo é causado pelas células T do sistema imune que foram direcionadas às células endoteliais infectadas pelo sarampo e que revestem os capilares sanguíneos.
  • 19.
  • 20.
  • 21. Síndrome Clínica • Pneumonia • Encefalite • Sarampo Atípico • Panencefalite esclerosante subaguda
  • 22.
  • 23. o O sarampo pode levar à encefalite de três maneiras: 1. infecção direta dos neurônios; 2. uma encefalite pós-infecção, na qual se acredita que seja mediada pelo sistema imune; 3. uma panencefalite esclerosante subaguda (subacute sclerosing panencephalitis –; SSPE) Causada por uma variante defeituosa do sarampo que foi gerada na fase aguda da doença. O vírus da SSPE age como um vírus lento e causa sintomas e efeitos citopatológicos em neurônios muitos anos após a fase aguda da doença.
  • 24.
  • 25. Diagnóstico • Diagnóstico Laboratorial • As manifestações clínicas do sarampo são normalmente muito características e raramente se faz necessário a realização de testes laboratoriais para estabelecer um diagnóstico. • As secreções do trato respiratório, urina, sangue e tecido cerebral são as espécimes recomendadas. • É melhor que sejam coletados espécimes sanguíneos e respiratórios durante o pródomo e até 1 a 2 dias depois do surgimento do exantema. • Os anticorpos, especialmente a imunoglobulina M (IgM), podem ser detectados quando o exantema está presente.
  • 26. Efeitos Citopatológicos  Células gigantes multinucleadas  Sedimentos da urina corados com Giemsa.
  • 27. O antígeno de sarampo pode ser detectado em células da faringe ou em sedimentos da urina utilizando imunofluorescência; o genoma do sarampo pode ser identificado através da reação em cadeia da polimerase precedida de transcrição reversa (RT-PCR) em quaisquer dos espécimes acima citados. A infecção por sarampo pode ser confirmada quando se observa a soroconversão ou pelo aumento de até quatro vezes do título de anticorpos específicos para sarampo obtidos do soro entre a fase aguda e a fase convalescente.
  • 28. Tratamento, Prevenção e Controle o Vacina viva e atenuada de sarampo em uso nos Estados Unidos desde 1963 tem sido responsável por uma redução significativa na incidência de sarampo.