SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
• Também conhecida como sarampo alemão, a rubéola é uma virose ou
doença infectocontagiosa muito comum no período da infância, mas
que também pode ocorrer em adultos não vacinados ou que não
tiveram a doença quando crianças.
• Normalmente, as infecções por estes vírus produzem imunidade
permanente, ou seja, ocorre apenas uma vez na vida. É caracterizada
por erupções vermelhas na pele.
INTRODUÇÃO
• Causada pelo Togavírus.
• Sua característica mais marcante são as manchas vermelhas que
aparecem primeiro na face e atrás da orelha e depois se espalham pelo
corpo inteiro.
• O contágio ocorre comumente pelas vias respiratórias com a aspiração
de gotículas de saliva ou secreção nasal.
CAUSAS
• O período de incubação do vírus é de cerca de 15 dias e os sintomas
são parecidos com os da gripe:
• Dor de cabeça;
• Dor ao engolir;
• Dores no corpo (articulações e músculos);
• Coriza;
• Aparecimento de gânglios (ínguas);
• Febre;
• Exantemas (manchas avermelhadas) inicialmente no rosto que depois
se espalham pelo corpo todo.
SINTOMAS
• A transmissão acontece de uma pessoa a outra.
• Geralmente pela emissão de gotículas das secreções respiratórias dos
doentes.
• É pouco frequente a transmissão através do contato com objetos
recém-contaminados por secreções de nariz, boca e garganta ou por
sangue, urina ou fezes dos doentes.
• A rubéola congênita acontece quando a mulher grávida adquire
rubéola e infecta o feto porque o vírus atravessa a placenta.
TRANSMISSÃO
• A imunidade é adquirida pela infecção natural ou por vacinação, sendo
duradoura após infecção natural e permanecendo por quase toda a vida
após a vacinação.
• Filhos de mães imunes geralmente permanecem protegidos por
anticorpos maternos em torno de seis a nove meses após o nascimento.
• Gestantes não podem ser vacinadas.
• As mulheres em idade fértil devem evitar a gestação por 30 dias após a
vacinação.
• No caso de infecção, recomenda-se que a pessoa com rubéola (criança
ou adulto) fique afastada de quem não contraiu a doença.
PREVENÇÃO
• Não há tratamento disponível para interromper a infecção por rubéola.
• Para evitar a transmissão do vírus para outras pessoas que
eventualmente não foram vacinadas ou estão precisando tomar o
reforço da vacina, os pacientes devem permanecer em casa durante o
período de altas chances de contágio.
TRATAMENTO
FIM
CAIO SANCHES DAVI AZEVÊDO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
Renan Matos
 

Mais procurados (20)

Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do SarampoEpidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Slide sarampo
Slide sarampoSlide sarampo
Slide sarampo
 
Gripe influenza
Gripe influenza Gripe influenza
Gripe influenza
 
Sarampo e catapora
Sarampo e cataporaSarampo e catapora
Sarampo e catapora
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
Catapora
CataporaCatapora
Catapora
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Tuberculose
Tuberculose  Tuberculose
Tuberculose
 

Semelhante a Rubeóla

Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
Natália Maciel
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
Eliene Meira
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
fergwen
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
escola
 

Semelhante a Rubeóla (20)

Febre amarela e Rubéola
Febre amarela e RubéolaFebre amarela e Rubéola
Febre amarela e Rubéola
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
 
Rubéola descrição
Rubéola descriçãoRubéola descrição
Rubéola descrição
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
 
Patologias Virais III
Patologias Virais IIIPatologias Virais III
Patologias Virais III
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Daniela
DanielaDaniela
Daniela
 
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxOBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
 
Viroses
VirosesViroses
Viroses
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Vacina triviral
Vacina triviralVacina triviral
Vacina triviral
 
Doenças infantis importantes
Doenças infantis importantes Doenças infantis importantes
Doenças infantis importantes
 
saude publica.pdf
saude publica.pdfsaude publica.pdf
saude publica.pdf
 
Catapora slide tarba
Catapora slide tarbaCatapora slide tarba
Catapora slide tarba
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
 
Cachumba
Cachumba Cachumba
Cachumba
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohannaLepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
Lepra 8 b kathleen kesia jennyfer lohanna
 

Rubeóla

  • 1.
  • 2. • Também conhecida como sarampo alemão, a rubéola é uma virose ou doença infectocontagiosa muito comum no período da infância, mas que também pode ocorrer em adultos não vacinados ou que não tiveram a doença quando crianças. • Normalmente, as infecções por estes vírus produzem imunidade permanente, ou seja, ocorre apenas uma vez na vida. É caracterizada por erupções vermelhas na pele. INTRODUÇÃO
  • 3.
  • 4. • Causada pelo Togavírus. • Sua característica mais marcante são as manchas vermelhas que aparecem primeiro na face e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo inteiro. • O contágio ocorre comumente pelas vias respiratórias com a aspiração de gotículas de saliva ou secreção nasal. CAUSAS
  • 5. • O período de incubação do vírus é de cerca de 15 dias e os sintomas são parecidos com os da gripe: • Dor de cabeça; • Dor ao engolir; • Dores no corpo (articulações e músculos); • Coriza; • Aparecimento de gânglios (ínguas); • Febre; • Exantemas (manchas avermelhadas) inicialmente no rosto que depois se espalham pelo corpo todo. SINTOMAS
  • 6. • A transmissão acontece de uma pessoa a outra. • Geralmente pela emissão de gotículas das secreções respiratórias dos doentes. • É pouco frequente a transmissão através do contato com objetos recém-contaminados por secreções de nariz, boca e garganta ou por sangue, urina ou fezes dos doentes. • A rubéola congênita acontece quando a mulher grávida adquire rubéola e infecta o feto porque o vírus atravessa a placenta. TRANSMISSÃO
  • 7. • A imunidade é adquirida pela infecção natural ou por vacinação, sendo duradoura após infecção natural e permanecendo por quase toda a vida após a vacinação. • Filhos de mães imunes geralmente permanecem protegidos por anticorpos maternos em torno de seis a nove meses após o nascimento. • Gestantes não podem ser vacinadas. • As mulheres em idade fértil devem evitar a gestação por 30 dias após a vacinação. • No caso de infecção, recomenda-se que a pessoa com rubéola (criança ou adulto) fique afastada de quem não contraiu a doença. PREVENÇÃO
  • 8. • Não há tratamento disponível para interromper a infecção por rubéola. • Para evitar a transmissão do vírus para outras pessoas que eventualmente não foram vacinadas ou estão precisando tomar o reforço da vacina, os pacientes devem permanecer em casa durante o período de altas chances de contágio. TRATAMENTO