SlideShare uma empresa Scribd logo
É uma doença conhecida há mais de 2.000 anos.
Foi descrita pela primeira vez no Século V A.C. por Hipócrates, que observou o surto
de uma doença caracterizada por inchaço e dores no pescoço, abaixo das orelhas,
unilateral ou bilateral - alguns pacientes também apresentavam dor e edema dos
testículos.
Em 1790, Robert Hamilton descreveu casos de caxumba com a presença de
inflamação dos testículos e manifestações neurológicas.
O vírus da caxumba foi identificado em 1945, Em 1948, uma vacina inativada foi
desenvolvida.
Em 1951 foi testada a primeira vacina no homem. Esta vacina produzia apenas uma
imunidade de curta duração, e seu uso foi interrompido na metade da década de
1970.
Atualmente, é utilizada uma vacina com vírus vivo atenuado, que pode ser
administrada de forma individual ou em combinação com o vírus do sarampo e da
rubéola - vacina tríplice viral.
É uma doença infecciosa aguda, também chamada de papeira ou parotidite é uma
infecção causada por um vírus RNA (Vírus da família Paramyxoviridae, gênero
paramyxovirus) transmissível.
Caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares,
geralmente a parótida e, às vezes, glândulas sublinguais ou submandibulares.Em
30% dos casos não há hipertrofia glandular aparente.
http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http%3A%2F%2F3.bp.blogspot.com%2F_pMxMXFn7L-
4%2FTNq2yQrwACI%2FAAAAAAAARAs%2F8O8xpVcJliQ%2Fs1600%2Fpar%252525C3%252525B3tida.jpg&i
mgrefurl=http%3A%2F%2Feducacaocontinuadanaenfermagem.blogspot.com%2F2013%2F03%2Fsarampo-
sintomas-e-vacina-posted-
mar.html&h=202&w=460&tbnid=wgZ_6Hos20UdhM%3A&zoom=1&docid=LFQd2QPlHccurM&ei=FOhXU_eZKM-
lyATf74KgCg&tbm=isch&ved=0CHYQMygQMBA&iact=rc&uact=3&dur=1760&page=1&start=0&ndsp=19
O homem doente é o único reservatório. As pessoas oligossintomáticas ou com
forma não clássica da infecção podem transmitir o vírus.
A transmissão se dá pela via aéreas, através de disseminação de gotículas no ar ou
por contato direto com saliva de pessoas infectadas.
Período de Incubação é de 12 a 25 dias, em média 16 a 18 dias.
O período de Transmissibilidade,varia entre 6 a 7 dias antes da manifestação
clínicas até 9 dias após o surgimento dos sintomas. O vírus também pode ser
encontrado na urina do indivíduo infectado até 14 dias após o início da doença.
A imunidade é de caráter permanente, sendo adquirida após infecções inaparentes,
aparentes, ou após imunização ativa.
O Diagnóstico Laboratorial é predominantemente clínico, observando-se os sinais e
sintomas apresentados. A amilase, que durante a fase aguda da doença apresenta-
se em altos níveis, normaliza-se com a regressão clínica do quadro, pode ser
utilizada como marcador de comprometimento de parótidas.
Provas específicas – sorologia (Elisa) e isolamento viral (neutralização, inibição da
hemaglutinação) - podem ser utilizadas esporadicamente quando se requer a
confirmação etiológica.
Curiosidade
A sabedoria popularafirma que se pular e não ficar quieto, a caxumba pode descer
para os testículos. Mas será que isso é verdadeiramente possível?
O fato de ficar em repouso ou não, não tem ligação com o comprometimento
escrotal dos homens nesse caso.O quadro que compromete os testículos pode
acontecer com qualquer um.
Quando a caxumba, desce das glândulas parótidas, no pescoço, para os testículos.
O órgão entra em processo inflamatório. (Orquite)
Isso acontece pois as glândulas dos testículos muito se parecem com as parótidas,
fazendo com que sejam alvo também do vírus.
Complicações
A orquite é a complicação mais comum na fase pré-puberal dos adolescentes,
chegando a 50% dos casos, podendo também acometer cerca de 20% dos homens
adultos infectados, como sequelas podem ocorrer atrofia testicular, sendo de
ocorrência rara a esterilidade.
Outras complicações frequentes são pancreatite, tireoidite, neurite e meningite
asséptica, que na maioria das vezes não deixam sequelas.
A caxumba na gestação não acarreta prematuridade ou malformações fetais, porém
um número significativo de abortos espontâneos está associado à infecção durante
o primeiro trimestre gestacional.
Tratamento
Como não há medicamentos específicos para a doença, são indicados alguns
cuidados, como repouso, uso de analgésicos e observação de possíveis
complicações.
Se houver encefalite, tratar o edema cerebral e mantiver as funções vitais.
No caso de ocorrência de orquite, deve ser feito um tratamento de apoio com
aplicação de bolsas de gelo, suspensório escrotal e analgésicos ou anti-
inflamatórios,podendo ser utilizado Prednisona, um ml/kg/dia, via oral, com redução
gradual semanal, outros anti-inflamatórios não hormonais também podem ser
indicados.
Para a meningite asséptica e pancreatite,apenas tratamento sintomático e
hidratação parenteral, caso necessária.
Aspectos Epidemiológicos
Estima-se que, na ausência da imunização, 85% dos adultos têm Parotidite
Infecciosa e 1/3 dos infectados não apresentam sintomas. A doença é mais severa
em adultos.
A estação com maior ocorrênciade casos são o inverno e a primavera. Costuma
apresentar-se sob a forma de surtos, que acometem mais as crianças.
Vigilância Epidemiológica
Objetivos: Investigar surtos para a adoção de medidas de controle.
Reduzir as taxas de incidência pela vacinação de rotina com a vacina tríplice viral
(sarampo, rubéola e caxumba).
Notificação: Não é obrigatória a notificação compulsória, mas os surtos devem ser
notificados para que se possam adotar medidas de controle epidemiológico.
Definição de caso:
Suspeito: Paciente com febre e aumento de glândulas salivares, principalmente
parótidas.
Confirmado: Caso suspeito, com história de contato com indivíduos doentes por
caxumba, nos 15 dias anteriores ao surgimento dos primeiros sintomas.
Descartado: Caso suspeito, em que se confirma outra doença.
Primeiras Medidas a Serem Adotadas
Assistência Médica ao Paciente: O atendimento é ambulatorial e o tratamento é feito
no domicílio. A hospitalização dos pacientes só é indicada para os casos que
apresentem complicações graves, como meningites e encefalites.
Confirmação Diagnóstica: Em geral, não se indica a realização de exames
laboratoriais. A grande maioria dos casos tem diagnóstico clínico-epidemiológico.
Proteção da População: A administração da vacina está indicada antes da
exposição. Assim, diante da ocorrência de surtos, deve-se verificar a cobertura
vacinal da área, para avaliar a indicação de vacinação dos indivíduos susceptíveis.
Isolamento do tipo respiratório: A criança ou adulto doente não deve comparecer à
escola ou ao trabalho, durante nove dias após início da doença.
Desinfecção: Concorrente de objetos contaminados com secreção nasofaringe.
Vacinação de bloqueio: Apesar da vacinação de expostos não prevenir a doença,
recomenda-se vacinação seletiva dos contatos diretos dos casos.
Investigação: Não é doença de investigação obrigatória. Em situação de surto,
avaliar a necessidade de bloqueio vacinal.
Imunização
Esquema Vacinal Básico: Vacina tríplice viral (sarampo, rubéola, caxumba), aos 12
meses de idade. O reforço deve ser administrado entre quatro e seis anos de
idade. Conforme o calendário vacinal nacional, todas as crianças e adolescentes até
19 anos de idade devem ter as duas doses da vacina tríplice viral.
Eventos Adversos: os eventos adversos são raros, consistindo predominantemente
em manifestações locais. As reações sistêmicas mais associadas ao componente
caxumba são febre, parotidite, orquite, meningite e, mais raramente,
meningoencefalite, encefalite, surdez e reação anafilática.
Contraindicações: Antecedentes de reação anafilática sistêmica; Uso recente de
imunoglobulinas ou de transfusão sanguínea nos últimos 3 meses; pacientes com
imunodeficiência (leucemia e linfoma); uso de corticosteroide e gravidez,
recomenda-se às mulheres vacinadas evitar a gravidez por 30 dias após a
aplicação. No entanto, se alguma grávida for inadvertidamente vacinada, não há
indicação de interrupção da gravidez.
Pacientes com infecção sintomática HIV, mas que não estejam gravemente
imunocomprometidosdeve ser vacinado.
Referências:
POLIOMIELITE
http:/www.cve.saude.sp.gov.br/htm/resp/Planosar.htm
http://drauziovarella.com.br/crianca-2/poliomielite/
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=32092
http://www.fciencias.com/2013/01/20/poliomielite-conversas-de-hipocondriacos/
CAXUMBA
http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/caxumba.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Parotidite_infecciosa
http://drauziovarella.com.br/crianca-2/caxumba/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
Renan Matos
 
Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticasDoenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
João Silva
 
Coqueluxe remergência
Coqueluxe remergênciaCoqueluxe remergência
Coqueluxe remergência
Sidnei Rodrigues de Faria
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Adriana Bonadia dos Santos
 
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
Guilherme Ferrari
 
1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas
Luciano Rodrigues
 
Poliomelite
PoliomelitePoliomelite
Poliomelite
kilidin
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubeóla
RubeólaRubeóla
Rubeóla
Caio Sanches
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
fergwen
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
IVORASSWEILER
 
Síndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênitaSíndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênita
Pietro de Azevedo
 
Doenças exantemáticas
 Doenças exantemáticas Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
Karina Pereira
 
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP) A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
Ana Paula Ribeiro da Fonseca Lopes
 
Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
Jonathan Sampaio
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
Fernanda Dias
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Clebson Reinaldo
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
Junior Scalise
 
Novo Trabalho De CiêNcias
Novo Trabalho De CiêNciasNovo Trabalho De CiêNcias
Novo Trabalho De CiêNcias
Gládis L. Santos
 

Mais procurados (20)

Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticasDoenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
 
Coqueluxe remergência
Coqueluxe remergênciaCoqueluxe remergência
Coqueluxe remergência
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
 
Slides rubéola
Slides rubéolaSlides rubéola
Slides rubéola
 
1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas
 
Poliomelite
PoliomelitePoliomelite
Poliomelite
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Rubeóla
RubeólaRubeóla
Rubeóla
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
Síndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênitaSíndrome da rubéola congênita
Síndrome da rubéola congênita
 
Doenças exantemáticas
 Doenças exantemáticas Doenças exantemáticas
Doenças exantemáticas
 
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP) A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
A DOENÇA POLIOMIELITE: Vacinas (VIP) e (VOP)
 
Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
Novo Trabalho De CiêNcias
Novo Trabalho De CiêNciasNovo Trabalho De CiêNcias
Novo Trabalho De CiêNcias
 

Semelhante a Cachumba

Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
jaqueeandradeh
 
Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola
Sthefany71
 
Varicela.pptx
Varicela.pptxVaricela.pptx
Varicela.pptx
JosefaFelix
 
Conceitos Básicos em Vacinação I - Simples
Conceitos Básicos em Vacinação I - SimplesConceitos Básicos em Vacinação I - Simples
Conceitos Básicos em Vacinação I - Simples
EduardoFerroCabral
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
Rafael Serafim
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Gustavo Henrique
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
Laíz Coutinho
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
JoanaPaiva16
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
escola
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
Franciskelly
 
viroses
virosesviroses
Varicela 4
Varicela 4Varicela 4
Varicela 4
Mateus Mendes
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
Nathy Oliveira
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
profalicebolelli
 
A poliomielite
A poliomieliteA poliomielite
A poliomielite
Filipe Simão Kembo
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Adriana Bonadia dos Santos
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
ecsette
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdfAula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Giza Carla Nitz
 
FEBRE PELO ZIKA VÍRUS
FEBRE PELO ZIKA VÍRUSFEBRE PELO ZIKA VÍRUS
FEBRE PELO ZIKA VÍRUS
Centro Universitário Ages
 

Semelhante a Cachumba (20)

Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola Slide sobre rubéola
Slide sobre rubéola
 
Varicela.pptx
Varicela.pptxVaricela.pptx
Varicela.pptx
 
Conceitos Básicos em Vacinação I - Simples
Conceitos Básicos em Vacinação I - SimplesConceitos Básicos em Vacinação I - Simples
Conceitos Básicos em Vacinação I - Simples
 
Doenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por VírusDoenças Causadas por Vírus
Doenças Causadas por Vírus
 
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
 
Cuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higieneCuidados basicos de higiene
Cuidados basicos de higiene
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Esquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologiaEsquema conceitual de imunologia
Esquema conceitual de imunologia
 
viroses
virosesviroses
viroses
 
Varicela 4
Varicela 4Varicela 4
Varicela 4
 
Febre amarela
Febre amarelaFebre amarela
Febre amarela
 
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do susDoenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
Doenças preveníveis por vacina no âmbito do sus
 
A poliomielite
A poliomieliteA poliomielite
A poliomielite
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdfAula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
Aula 6 - Doenças Previníveis por Vacinação - Parte I.pdf
 
FEBRE PELO ZIKA VÍRUS
FEBRE PELO ZIKA VÍRUSFEBRE PELO ZIKA VÍRUS
FEBRE PELO ZIKA VÍRUS
 

Último

Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 

Último (9)

Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 

Cachumba

  • 1. É uma doença conhecida há mais de 2.000 anos. Foi descrita pela primeira vez no Século V A.C. por Hipócrates, que observou o surto de uma doença caracterizada por inchaço e dores no pescoço, abaixo das orelhas, unilateral ou bilateral - alguns pacientes também apresentavam dor e edema dos testículos. Em 1790, Robert Hamilton descreveu casos de caxumba com a presença de inflamação dos testículos e manifestações neurológicas. O vírus da caxumba foi identificado em 1945, Em 1948, uma vacina inativada foi desenvolvida. Em 1951 foi testada a primeira vacina no homem. Esta vacina produzia apenas uma imunidade de curta duração, e seu uso foi interrompido na metade da década de 1970. Atualmente, é utilizada uma vacina com vírus vivo atenuado, que pode ser administrada de forma individual ou em combinação com o vírus do sarampo e da rubéola - vacina tríplice viral. É uma doença infecciosa aguda, também chamada de papeira ou parotidite é uma infecção causada por um vírus RNA (Vírus da família Paramyxoviridae, gênero paramyxovirus) transmissível. Caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares, geralmente a parótida e, às vezes, glândulas sublinguais ou submandibulares.Em 30% dos casos não há hipertrofia glandular aparente. http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http%3A%2F%2F3.bp.blogspot.com%2F_pMxMXFn7L- 4%2FTNq2yQrwACI%2FAAAAAAAARAs%2F8O8xpVcJliQ%2Fs1600%2Fpar%252525C3%252525B3tida.jpg&i mgrefurl=http%3A%2F%2Feducacaocontinuadanaenfermagem.blogspot.com%2F2013%2F03%2Fsarampo- sintomas-e-vacina-posted- mar.html&h=202&w=460&tbnid=wgZ_6Hos20UdhM%3A&zoom=1&docid=LFQd2QPlHccurM&ei=FOhXU_eZKM- lyATf74KgCg&tbm=isch&ved=0CHYQMygQMBA&iact=rc&uact=3&dur=1760&page=1&start=0&ndsp=19
  • 2. O homem doente é o único reservatório. As pessoas oligossintomáticas ou com forma não clássica da infecção podem transmitir o vírus. A transmissão se dá pela via aéreas, através de disseminação de gotículas no ar ou por contato direto com saliva de pessoas infectadas. Período de Incubação é de 12 a 25 dias, em média 16 a 18 dias. O período de Transmissibilidade,varia entre 6 a 7 dias antes da manifestação clínicas até 9 dias após o surgimento dos sintomas. O vírus também pode ser encontrado na urina do indivíduo infectado até 14 dias após o início da doença. A imunidade é de caráter permanente, sendo adquirida após infecções inaparentes, aparentes, ou após imunização ativa. O Diagnóstico Laboratorial é predominantemente clínico, observando-se os sinais e sintomas apresentados. A amilase, que durante a fase aguda da doença apresenta- se em altos níveis, normaliza-se com a regressão clínica do quadro, pode ser utilizada como marcador de comprometimento de parótidas. Provas específicas – sorologia (Elisa) e isolamento viral (neutralização, inibição da hemaglutinação) - podem ser utilizadas esporadicamente quando se requer a confirmação etiológica. Curiosidade A sabedoria popularafirma que se pular e não ficar quieto, a caxumba pode descer para os testículos. Mas será que isso é verdadeiramente possível? O fato de ficar em repouso ou não, não tem ligação com o comprometimento escrotal dos homens nesse caso.O quadro que compromete os testículos pode acontecer com qualquer um. Quando a caxumba, desce das glândulas parótidas, no pescoço, para os testículos. O órgão entra em processo inflamatório. (Orquite) Isso acontece pois as glândulas dos testículos muito se parecem com as parótidas, fazendo com que sejam alvo também do vírus. Complicações A orquite é a complicação mais comum na fase pré-puberal dos adolescentes, chegando a 50% dos casos, podendo também acometer cerca de 20% dos homens adultos infectados, como sequelas podem ocorrer atrofia testicular, sendo de ocorrência rara a esterilidade. Outras complicações frequentes são pancreatite, tireoidite, neurite e meningite asséptica, que na maioria das vezes não deixam sequelas.
  • 3. A caxumba na gestação não acarreta prematuridade ou malformações fetais, porém um número significativo de abortos espontâneos está associado à infecção durante o primeiro trimestre gestacional. Tratamento Como não há medicamentos específicos para a doença, são indicados alguns cuidados, como repouso, uso de analgésicos e observação de possíveis complicações. Se houver encefalite, tratar o edema cerebral e mantiver as funções vitais. No caso de ocorrência de orquite, deve ser feito um tratamento de apoio com aplicação de bolsas de gelo, suspensório escrotal e analgésicos ou anti- inflamatórios,podendo ser utilizado Prednisona, um ml/kg/dia, via oral, com redução gradual semanal, outros anti-inflamatórios não hormonais também podem ser indicados. Para a meningite asséptica e pancreatite,apenas tratamento sintomático e hidratação parenteral, caso necessária. Aspectos Epidemiológicos Estima-se que, na ausência da imunização, 85% dos adultos têm Parotidite Infecciosa e 1/3 dos infectados não apresentam sintomas. A doença é mais severa em adultos. A estação com maior ocorrênciade casos são o inverno e a primavera. Costuma apresentar-se sob a forma de surtos, que acometem mais as crianças. Vigilância Epidemiológica Objetivos: Investigar surtos para a adoção de medidas de controle. Reduzir as taxas de incidência pela vacinação de rotina com a vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba). Notificação: Não é obrigatória a notificação compulsória, mas os surtos devem ser notificados para que se possam adotar medidas de controle epidemiológico. Definição de caso: Suspeito: Paciente com febre e aumento de glândulas salivares, principalmente parótidas. Confirmado: Caso suspeito, com história de contato com indivíduos doentes por caxumba, nos 15 dias anteriores ao surgimento dos primeiros sintomas. Descartado: Caso suspeito, em que se confirma outra doença.
  • 4. Primeiras Medidas a Serem Adotadas Assistência Médica ao Paciente: O atendimento é ambulatorial e o tratamento é feito no domicílio. A hospitalização dos pacientes só é indicada para os casos que apresentem complicações graves, como meningites e encefalites. Confirmação Diagnóstica: Em geral, não se indica a realização de exames laboratoriais. A grande maioria dos casos tem diagnóstico clínico-epidemiológico. Proteção da População: A administração da vacina está indicada antes da exposição. Assim, diante da ocorrência de surtos, deve-se verificar a cobertura vacinal da área, para avaliar a indicação de vacinação dos indivíduos susceptíveis. Isolamento do tipo respiratório: A criança ou adulto doente não deve comparecer à escola ou ao trabalho, durante nove dias após início da doença. Desinfecção: Concorrente de objetos contaminados com secreção nasofaringe. Vacinação de bloqueio: Apesar da vacinação de expostos não prevenir a doença, recomenda-se vacinação seletiva dos contatos diretos dos casos. Investigação: Não é doença de investigação obrigatória. Em situação de surto, avaliar a necessidade de bloqueio vacinal. Imunização Esquema Vacinal Básico: Vacina tríplice viral (sarampo, rubéola, caxumba), aos 12 meses de idade. O reforço deve ser administrado entre quatro e seis anos de idade. Conforme o calendário vacinal nacional, todas as crianças e adolescentes até 19 anos de idade devem ter as duas doses da vacina tríplice viral. Eventos Adversos: os eventos adversos são raros, consistindo predominantemente em manifestações locais. As reações sistêmicas mais associadas ao componente caxumba são febre, parotidite, orquite, meningite e, mais raramente, meningoencefalite, encefalite, surdez e reação anafilática. Contraindicações: Antecedentes de reação anafilática sistêmica; Uso recente de imunoglobulinas ou de transfusão sanguínea nos últimos 3 meses; pacientes com imunodeficiência (leucemia e linfoma); uso de corticosteroide e gravidez, recomenda-se às mulheres vacinadas evitar a gravidez por 30 dias após a aplicação. No entanto, se alguma grávida for inadvertidamente vacinada, não há indicação de interrupção da gravidez. Pacientes com infecção sintomática HIV, mas que não estejam gravemente imunocomprometidosdeve ser vacinado.