SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOFÍSICA DA VISÃO
COMPONENTES:
ALINE NAYRA
ANA CAROLINA
ANDREZA RAVENA
EVA MARIA
FRANCISCA JÉSSICA
JOANA CAROLINA
JOÃO DA CRUZ
LAÍZ ALVES
LENYSE FONTINELE
RENATA AMANDA
Biofísica da visão
ILUSÃO DE ÓPTICA
 São imagens que enganam
momentaneamente o cérebro deixando o
inconsciente confuso e fazendo com que este
capte ideias falsas, preenchendo espaços que
não ficam claros à primeira vista. Podem
ser fisiológicas quando surgem naturalmente
ou cognitivas quando se cria com artifícios
visuais.
Biofísica da visão
Biofísica da visão
ANATOMIA DO
OLHO
Biofísica da visão
PRINCIPAIS ELEMENTOS DO OLHO
HUMANO
 O BULBO OCULAR:
 Túnica Fibrosa; a mais externa
 Túnica Vascular; a média
 Túnica interna; é a retina onde se localiza os
fotorreceptores
Túnica fibrosa
 Compreende a esclera e a córnea.
 A córnea é a parte anterior do olho,uma
camada curva e transparente,responsável por
2/3 da focalização da luz na retina e funciona
como meio dióptico, isto é como meio de
refração para os raios luminosos.
 A esclera é a parte opaca, posterior, tendo
uma coloração esbranquiçada e servindo
como meio de proteção e para inserção de
tendões dos músculos motores do olho.
Biofísica da visão
Túnica Vascular
 Compreende três partes: coroide, corpo ciliar
e Iris.
 A coroide é a parte posterior, marrom e forma
a maior parte da esclera.
 O corpo ciliar é um espessamento da túnica
vascular e une a coroide com a iris; e a lente
(cristalino) que está preso ao corpo ciliar.
 A iris é um diafragma circular, pigmentado.
Túnica Interna
 É a porção receptora da retina, contém células
especiais, fotorreceptoras, os cones e os
bastonetes.
 Cones: São sensíveis as cores primárias(azul,
verde e vermelho). São responsáveis pela visão
detalhada à luz do dia.
 Bastonetes: Funcionam mais eficientes que os
cones quando se está sob luz fraca, são pouco
sensíveis as cores
 Os impulsos luminosos captados na retina,
onde ocorre a conversão da imagem luminosa
em impulsos elétricos nervosos, são levados ao
Biofísica da visão
Índice de Refração do Olho
Formação de Imagem no Olho
 A luz incide na córnea e converge até a retina,
formando as imagens.
 Para esta formação de imagem acontecem vários
fenômenos fisiológicos, no entanto, para o estudo
da óptica podemos considerar o olho como uma
lente convergente, com distância focal variável.
 Tal representação é chamada olho reduzido, e
traz a representação das distâncias entre a
córnea e a lente e entre a lente e a retina, sendo
a última a distância da imagem produzida em
relação a lente (p').
CRISTALINO
RETINA
1,5 mm
p p’
i- A imagem
retiniana é real,
invertida e menor.
Músculos Ciliares
O
Adaptação Visual
 Chama-se adaptação visual a capacidade
apresentada pela pupila de se adequar a
luminosidade de cada ambiente, comprimindo-se
ou dilatando-se.
 Em ambientes com grande luminosidade a pupila
pode atingir um diâmetro de até 1,5mm, fazendo
com que entre menos luz no globo ocular,
protegendo a retina de um possível ofuscamento.
 Já em ambientes mais escuros, a pupila se dilata,
atingindo diâmetro de até 10mm. Assim a
incidência de luminosidade aumenta no globo
ocular, possibilitando a visão em tais ambientes.
Acomodação Visual
 As pessoas que tem visão considerada
normal, emétropes, têm a capacidade de
acomodar objetos de distâncias de 25 cm em
média, até distâncias no infinito visual.
 Ponto próximo: A primeira distância (25cm)
corresponde ao ponto próximo, que é a
mínima distância que um pessoa pode
enxergar corretamente. O que caracteriza esta
situação é que os músculos ciliares
encontram-se totalmente contraídos.
Equação de Gauss
Considerando o olho com distância entre a lente e a retina de 15mm,
ou seja, p'=15mm:
Neste caso, o foco da imagem será encontrado 14,1mm distante
da lente.
Ponto Remoto
 Quanto a distância infinita, corresponde
ao ponto remoto, que a distância máxima
alcançada para uma imagem focada. Nesta
situação os músculos ciliares encontram-se
totalmente relaxados.
 Da mesma forma que para o ponto próximo,
podemos utilizar a equação de Gauss, para
determinar o foco da imagem.
No entanto , é um valor indeterminado, mas se
pensarmos que infinito corresponde a um valor muito alto,
veremos que esta divisão resultará em um valor muito
pequeno, podendo ser desprezado.
Assim, teremos que:
Ametropias da Visão
 Miopia:é um defeito da visão que consiste em
um alongamento do globo ocular na direção do
eixo óptico. A distância cristalino-retina é superior
a 1,5 cm, fazendo com que a imagem de um
objeto impróprio se forme na retina.
 Hipermetropia: é um defeito da visão que
consiste em um alongamento do globo ocular na
direção perpendicular ao eixo óptico. A distância
cristalino-retina é inferior a 1,5 cm , fazendo com
que a imagem de um objeto impróprio se forme
além da retina.
Biofísica da visão
 Astigmatismo: A córnea normal é
arredondada, com a mesma curvatura em
todas as direções, o que favorece uma visão
clara e uniforme dos objetos.
 O astigmatismo ocorre quando a córnea
apresenta uma maior curvatura em uma
direção, o que distorce e nubla a visão para
perto como para longe.
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Estrabismo
 Desequilíbrio na função dos músculos oculares,
fazendo com que os olhos não fiquem paralelos.
No estrabismo, ou “vesgueira”, enquanto um
dos olhos olha em frente, o outro está desviado.
 Tipos: Existem diversos tipos de estrabismo; o
olho afetado pode estar desviado em direção ao
nariz (estrabismo convergente), para o lado
(estrabismo divergente), para cima ou para baixo
(estrabismo vertical). Pode haver uma
combinação de desvio horizontal e vertical num
mesmo paciente, como, por exemplo, em direção
ao nariz e para cima.
Biofísica da visão
Biofísica da visão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
grazy luz
 
Princípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica GeométricaPrincípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica Geométrica
laizdiniz
 
Óptica da visão
Óptica da visãoÓptica da visão
Óptica da visão
Marco Antonio Sanches
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
x.x Costa
 
Visão
VisãoVisão
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
Microscopia
Catir
 
Sistema Esqueletico
Sistema EsqueleticoSistema Esqueletico
Sistema Esqueletico
Fernando Dias
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
Rebeca Vale
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
fisicaatual
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
UERGS
 
Óptica - O olho humano
Óptica - O olho humanoÓptica - O olho humano
Óptica - O olho humano
Gabriela G.
 
Aula 04 espelhos esféricos
Aula 04   espelhos esféricosAula 04   espelhos esféricos
Aula 04 espelhos esféricos
Cris Oliveira
 
Radiações- tipos de radiação e suas aplicações
Radiações- tipos de radiação e suas aplicaçõesRadiações- tipos de radiação e suas aplicações
Radiações- tipos de radiação e suas aplicações
Marco Casquinha
 
Luz
LuzLuz
Espelhos Esféricos
Espelhos EsféricosEspelhos Esféricos
Espelhos Esféricos
Ph Neves
 
Introdução à biofísica
Introdução à biofísicaIntrodução à biofísica
Introdução à biofísica
Caio Maximino
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
A Luz Powerpoint
A Luz PowerpointA Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
8ºC
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
César Milani
 
Sistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpointSistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpoint
isabelalexandrapinto
 

Mais procurados (20)

Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Princípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica GeométricaPrincípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica Geométrica
 
Óptica da visão
Óptica da visãoÓptica da visão
Óptica da visão
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Visão
VisãoVisão
Visão
 
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
Microscopia
 
Sistema Esqueletico
Sistema EsqueleticoSistema Esqueletico
Sistema Esqueletico
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
Instrumentos óticos
Instrumentos óticosInstrumentos óticos
Instrumentos óticos
 
Óptica - O olho humano
Óptica - O olho humanoÓptica - O olho humano
Óptica - O olho humano
 
Aula 04 espelhos esféricos
Aula 04   espelhos esféricosAula 04   espelhos esféricos
Aula 04 espelhos esféricos
 
Radiações- tipos de radiação e suas aplicações
Radiações- tipos de radiação e suas aplicaçõesRadiações- tipos de radiação e suas aplicações
Radiações- tipos de radiação e suas aplicações
 
Luz
LuzLuz
Luz
 
Espelhos Esféricos
Espelhos EsféricosEspelhos Esféricos
Espelhos Esféricos
 
Introdução à biofísica
Introdução à biofísicaIntrodução à biofísica
Introdução à biofísica
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
 
A Luz Powerpoint
A Luz PowerpointA Luz Powerpoint
A Luz Powerpoint
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpointSistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpoint
 

Semelhante a Biofísica da visão

Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2
Yasmin Amorim
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
Marco Antonio Sanches
 
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Moises Maciel
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
Alberto Campos
 
ametropias.ppt
ametropias.pptametropias.ppt
ametropias.ppt
SadyDanyelevczDeBrit
 
Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo
Marcelo Silva
 
1 disturbios da visao
1 disturbios da  visao1 disturbios da  visao
1 disturbios da visao
Latife Frota
 
Visão - NEUROANATOMIA
Visão - NEUROANATOMIAVisão - NEUROANATOMIA
Visão - NEUROANATOMIA
edhyelem
 
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
hinacioaulas
 
Óptica da visão professor waldir montenegro
Óptica da visão professor  waldir montenegroÓptica da visão professor  waldir montenegro
Óptica da visão professor waldir montenegro
Waldir Montenegro
 
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Pedro Gonçalves Parson
 
Anatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdfAnatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdf
asnsdt
 
Aula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptxAula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptx
MuriloMartins47
 
Como funciona o olho
Como funciona o olhoComo funciona o olho
Como funciona o olho
Franfisik Fisica
 
Visao
VisaoVisao
Optica Fisiologia _ Profº Paulo Angelim.pptx
Optica Fisiologia _ Profº Paulo Angelim.pptxOptica Fisiologia _ Profº Paulo Angelim.pptx
Optica Fisiologia _ Profº Paulo Angelim.pptx
PauloAngelim2
 
O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1
Herman Ramos
 
Cie51b
Cie51bCie51b
olho humano-defeitos_visao
olho humano-defeitos_visaoolho humano-defeitos_visao
olho humano-defeitos_visao
nunofq
 
óptica da visão
óptica da visãoóptica da visão
óptica da visão
rosana_maia
 

Semelhante a Biofísica da visão (20)

Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2Lentes marista parte 2
Lentes marista parte 2
 
Óptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostilaÓptica da visão - apostila
Óptica da visão - apostila
 
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
Óptica Física - Miopia (problemas de visão)
 
Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)Trabalho de óptica (unip)
Trabalho de óptica (unip)
 
ametropias.ppt
ametropias.pptametropias.ppt
ametropias.ppt
 
Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo Biofísica da Visãƒo
Biofísica da Visãƒo
 
1 disturbios da visao
1 disturbios da  visao1 disturbios da  visao
1 disturbios da visao
 
Visão - NEUROANATOMIA
Visão - NEUROANATOMIAVisão - NEUROANATOMIA
Visão - NEUROANATOMIA
 
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
olho humano -  caracterísicas básica do olho humanoolho humano -  caracterísicas básica do olho humano
olho humano - caracterísicas básica do olho humano
 
Óptica da visão professor waldir montenegro
Óptica da visão professor  waldir montenegroÓptica da visão professor  waldir montenegro
Óptica da visão professor waldir montenegro
 
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
Trabalho de física médica que fala sobre o olho humano e a sua importância bi...
 
Anatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdfAnatomia ocular.pdf
Anatomia ocular.pdf
 
Aula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptxAula 6-optica-da-visao.pptx
Aula 6-optica-da-visao.pptx
 
Como funciona o olho
Como funciona o olhoComo funciona o olho
Como funciona o olho
 
Visao
VisaoVisao
Visao
 
Optica Fisiologia _ Profº Paulo Angelim.pptx
Optica Fisiologia _ Profº Paulo Angelim.pptxOptica Fisiologia _ Profº Paulo Angelim.pptx
Optica Fisiologia _ Profº Paulo Angelim.pptx
 
O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1O Olho Humano. slideshare 1
O Olho Humano. slideshare 1
 
Cie51b
Cie51bCie51b
Cie51b
 
olho humano-defeitos_visao
olho humano-defeitos_visaoolho humano-defeitos_visao
olho humano-defeitos_visao
 
óptica da visão
óptica da visãoóptica da visão
óptica da visão
 

Mais de Laíz Coutinho

Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
Laíz Coutinho
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Laíz Coutinho
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
Laíz Coutinho
 
Distúrbios pancreáticos
Distúrbios pancreáticosDistúrbios pancreáticos
Distúrbios pancreáticos
Laíz Coutinho
 
Seminário doenças ocupacionais
Seminário  doenças ocupacionaisSeminário  doenças ocupacionais
Seminário doenças ocupacionais
Laíz Coutinho
 
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Laíz Coutinho
 
Tracoma
TracomaTracoma
SAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO ISAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO I
Laíz Coutinho
 
Seminário cuidado ao idoso
Seminário cuidado ao idosoSeminário cuidado ao idoso
Seminário cuidado ao idoso
Laíz Coutinho
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Laíz Coutinho
 
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco seminário
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco  seminárioAdolescência, cultura, vulnerabilidade e risco  seminário
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco seminário
Laíz Coutinho
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
Laíz Coutinho
 
Seminário de filosofia
Seminário de filosofiaSeminário de filosofia
Seminário de filosofia
Laíz Coutinho
 
Hpv seminário de microbiologia
Hpv  seminário de microbiologiaHpv  seminário de microbiologia
Hpv seminário de microbiologia
Laíz Coutinho
 
Antivirais
AntiviraisAntivirais
Antivirais
Laíz Coutinho
 
Planejamento em saúde
Planejamento em saúdePlanejamento em saúde
Planejamento em saúde
Laíz Coutinho
 
Bioética e religião
Bioética e religiãoBioética e religião
Bioética e religião
Laíz Coutinho
 
A conotação moral dos cuidados de enfermagem
A conotação moral dos cuidados de enfermagemA conotação moral dos cuidados de enfermagem
A conotação moral dos cuidados de enfermagem
Laíz Coutinho
 

Mais de Laíz Coutinho (18)

Seminário métodos e técnicas do ensino
Seminário  métodos e técnicas do ensinoSeminário  métodos e técnicas do ensino
Seminário métodos e técnicas do ensino
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
 
Distúrbios pancreáticos
Distúrbios pancreáticosDistúrbios pancreáticos
Distúrbios pancreáticos
 
Seminário doenças ocupacionais
Seminário  doenças ocupacionaisSeminário  doenças ocupacionais
Seminário doenças ocupacionais
 
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
 
Tracoma
TracomaTracoma
Tracoma
 
SAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO ISAÚDE DO ADULTO I
SAÚDE DO ADULTO I
 
Seminário cuidado ao idoso
Seminário cuidado ao idosoSeminário cuidado ao idoso
Seminário cuidado ao idoso
 
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia ePrevenção e controle de infecções em neonatologia e
Prevenção e controle de infecções em neonatologia e
 
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco seminário
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco  seminárioAdolescência, cultura, vulnerabilidade e risco  seminário
Adolescência, cultura, vulnerabilidade e risco seminário
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
 
Seminário de filosofia
Seminário de filosofiaSeminário de filosofia
Seminário de filosofia
 
Hpv seminário de microbiologia
Hpv  seminário de microbiologiaHpv  seminário de microbiologia
Hpv seminário de microbiologia
 
Antivirais
AntiviraisAntivirais
Antivirais
 
Planejamento em saúde
Planejamento em saúdePlanejamento em saúde
Planejamento em saúde
 
Bioética e religião
Bioética e religiãoBioética e religião
Bioética e religião
 
A conotação moral dos cuidados de enfermagem
A conotação moral dos cuidados de enfermagemA conotação moral dos cuidados de enfermagem
A conotação moral dos cuidados de enfermagem
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Biofísica da visão

  • 1. BIOFÍSICA DA VISÃO COMPONENTES: ALINE NAYRA ANA CAROLINA ANDREZA RAVENA EVA MARIA FRANCISCA JÉSSICA JOANA CAROLINA JOÃO DA CRUZ LAÍZ ALVES LENYSE FONTINELE RENATA AMANDA
  • 3. ILUSÃO DE ÓPTICA  São imagens que enganam momentaneamente o cérebro deixando o inconsciente confuso e fazendo com que este capte ideias falsas, preenchendo espaços que não ficam claros à primeira vista. Podem ser fisiológicas quando surgem naturalmente ou cognitivas quando se cria com artifícios visuais.
  • 8. PRINCIPAIS ELEMENTOS DO OLHO HUMANO  O BULBO OCULAR:  Túnica Fibrosa; a mais externa  Túnica Vascular; a média  Túnica interna; é a retina onde se localiza os fotorreceptores
  • 9. Túnica fibrosa  Compreende a esclera e a córnea.  A córnea é a parte anterior do olho,uma camada curva e transparente,responsável por 2/3 da focalização da luz na retina e funciona como meio dióptico, isto é como meio de refração para os raios luminosos.  A esclera é a parte opaca, posterior, tendo uma coloração esbranquiçada e servindo como meio de proteção e para inserção de tendões dos músculos motores do olho.
  • 11. Túnica Vascular  Compreende três partes: coroide, corpo ciliar e Iris.  A coroide é a parte posterior, marrom e forma a maior parte da esclera.  O corpo ciliar é um espessamento da túnica vascular e une a coroide com a iris; e a lente (cristalino) que está preso ao corpo ciliar.  A iris é um diafragma circular, pigmentado.
  • 12. Túnica Interna  É a porção receptora da retina, contém células especiais, fotorreceptoras, os cones e os bastonetes.  Cones: São sensíveis as cores primárias(azul, verde e vermelho). São responsáveis pela visão detalhada à luz do dia.  Bastonetes: Funcionam mais eficientes que os cones quando se está sob luz fraca, são pouco sensíveis as cores  Os impulsos luminosos captados na retina, onde ocorre a conversão da imagem luminosa em impulsos elétricos nervosos, são levados ao
  • 15. Formação de Imagem no Olho  A luz incide na córnea e converge até a retina, formando as imagens.  Para esta formação de imagem acontecem vários fenômenos fisiológicos, no entanto, para o estudo da óptica podemos considerar o olho como uma lente convergente, com distância focal variável.  Tal representação é chamada olho reduzido, e traz a representação das distâncias entre a córnea e a lente e entre a lente e a retina, sendo a última a distância da imagem produzida em relação a lente (p').
  • 16. CRISTALINO RETINA 1,5 mm p p’ i- A imagem retiniana é real, invertida e menor. Músculos Ciliares O
  • 17. Adaptação Visual  Chama-se adaptação visual a capacidade apresentada pela pupila de se adequar a luminosidade de cada ambiente, comprimindo-se ou dilatando-se.  Em ambientes com grande luminosidade a pupila pode atingir um diâmetro de até 1,5mm, fazendo com que entre menos luz no globo ocular, protegendo a retina de um possível ofuscamento.  Já em ambientes mais escuros, a pupila se dilata, atingindo diâmetro de até 10mm. Assim a incidência de luminosidade aumenta no globo ocular, possibilitando a visão em tais ambientes.
  • 18. Acomodação Visual  As pessoas que tem visão considerada normal, emétropes, têm a capacidade de acomodar objetos de distâncias de 25 cm em média, até distâncias no infinito visual.  Ponto próximo: A primeira distância (25cm) corresponde ao ponto próximo, que é a mínima distância que um pessoa pode enxergar corretamente. O que caracteriza esta situação é que os músculos ciliares encontram-se totalmente contraídos.
  • 19. Equação de Gauss Considerando o olho com distância entre a lente e a retina de 15mm, ou seja, p'=15mm: Neste caso, o foco da imagem será encontrado 14,1mm distante da lente.
  • 20. Ponto Remoto  Quanto a distância infinita, corresponde ao ponto remoto, que a distância máxima alcançada para uma imagem focada. Nesta situação os músculos ciliares encontram-se totalmente relaxados.  Da mesma forma que para o ponto próximo, podemos utilizar a equação de Gauss, para determinar o foco da imagem.
  • 21. No entanto , é um valor indeterminado, mas se pensarmos que infinito corresponde a um valor muito alto, veremos que esta divisão resultará em um valor muito pequeno, podendo ser desprezado. Assim, teremos que:
  • 22. Ametropias da Visão  Miopia:é um defeito da visão que consiste em um alongamento do globo ocular na direção do eixo óptico. A distância cristalino-retina é superior a 1,5 cm, fazendo com que a imagem de um objeto impróprio se forme na retina.  Hipermetropia: é um defeito da visão que consiste em um alongamento do globo ocular na direção perpendicular ao eixo óptico. A distância cristalino-retina é inferior a 1,5 cm , fazendo com que a imagem de um objeto impróprio se forme além da retina.
  • 24.  Astigmatismo: A córnea normal é arredondada, com a mesma curvatura em todas as direções, o que favorece uma visão clara e uniforme dos objetos.  O astigmatismo ocorre quando a córnea apresenta uma maior curvatura em uma direção, o que distorce e nubla a visão para perto como para longe.
  • 28. Estrabismo  Desequilíbrio na função dos músculos oculares, fazendo com que os olhos não fiquem paralelos. No estrabismo, ou “vesgueira”, enquanto um dos olhos olha em frente, o outro está desviado.  Tipos: Existem diversos tipos de estrabismo; o olho afetado pode estar desviado em direção ao nariz (estrabismo convergente), para o lado (estrabismo divergente), para cima ou para baixo (estrabismo vertical). Pode haver uma combinação de desvio horizontal e vertical num mesmo paciente, como, por exemplo, em direção ao nariz e para cima.