SlideShare uma empresa Scribd logo
Sala de Recuperação
anestésica
Sala de Recuperação Anestésica
(SRPA)
É a área que se destina à permanência do paciente
logo após o término do ato anestésico cirúrgico.
Eltringham(1986), a SRPA – é um setor do centro
cirúrgico onde são dispensados cuidados
intensivos após anestesia e cirurgia.
Ministério da Saúde, 1987, a SRPA – é um elemento
onde se concentram os pacientes egressos das
salas de operação para receberem os cuidados pós
anestésicos e ou pós operatórios imediatos.
Cont..
Permanência: 1 a 6h.
Responsabilidade: equipes de enfermagem e
médica, especialmente o anestesista.
Finalidade:
- oferecer suporte ao paciente na fase de
recuperação da anestesia, até que os sinais vitais
voltem à normalidade,
- seja recuperada a consciência e
- os reflexos protetores estejam presentes;
- prevenir ou tratar possíveis complicações
resultantes do ato anestésico ou cirúrgico;
- estabelecer medidas para aliviar a dor pós
operatória;
Cont...
- proporcionar ao paciente:
- atendimento seguro, em se
tratando de um local provido de
recursos materiais específicos e
humanos, preparados para a
prestação da assistência neste
período, considerado crítico.
Localização
Dentro ou nas proximidades do centro
cirúrgico.
- favorecendo o transporte do
paciente anestesiado, ou
- seu retorno rápido à sala de
operação.
- Possibilita o livre acesso dos
componentes da equipe cirúrgica.
Estrutura física
Permitir a visão e a observação constante de todos
os pacientes pelas equipes médicas e de
enfermagem, sendo o estilo “aberto” o que melhor
atende a essas necessidades.
Ministério da Saúde, 1994, preconiza a existência de
uma SRPA, cujo número de leitos deve estar
relacionado com os tipos de cirurgias realizadas.
De modo geral, são estimados dois leitos por sala
cirúrgica.
Área física
Ministério da Saúde, 1994, que
estabelece para uma sala com dois
leitos no mínimo, 8,5m2 por leito,
com distância entre estes e a
parede , de 1.0m; e 6,5m2, quando
houver mais de dois leitos.
Características arquitetônicas
paredes e pisos revestidos de material de fácil limpeza,
portas largas, para permitir a passagem de macas, camas
berços ou aparelhos;
temperatura ambiente e ventilação devem ser iguais a da
sala cirúrgica a fim de proporcionar conforto aos pacientes;
a iluminação deve permitir uma boa avaliação da cor da pele
do paciente(natural ou artificial);
área de posto de enfermagem e serviços, no tamanho de
6m2 para uma SRPA de até 12 leitos, se esta área for
utilizada também como secretaria e prescrição médica, deve
ser acrescida de mais 2,0m2(Brasil, 1994).
Equipamentos e materiais básicos
de uma SRPA
equipamentos básicos: geralmente fixos à parede,
acima da cabeceira de cada leito.
equipamentos e materiais de suporte respiratório
equipamentos e materiais de suporte cardivascular
e outros.
Camas: providas de grades laterais, manivelas para
dar posição ao paciente, encaixes para suportes de
soros e cabeceira removível para facilitar o
atendimento em situações de emergência.
Organização da SRPA
equipe de enfermagem: aux., téc. e enfermeiros
médica: anestesiologistas.
Enfermeiro: líder, possuir conhecimentos e
habilidades para prestar assistência pós operatória
e anestésica, a pacientes submetidos a diversos
tipos de cirurgias e em uso de aparelhos mecânicos
e outros, atuando com presteza nas situações de
emergências
treinamento e supervisão constantes dos demais
membros de sua equipe, visando uma prestação da
assistência segura a todos os pacientes.
Calculo de pessoal: 2 enf. para cada 5 leitos(Drain,
Shipley, 1981).
Assistência de Enfermagem
na SRPA
O período de recuperação é considerado
crítico, portanto necessita de vigilância
contínua das equipes que atuam no setor,
porque além de ter submetidos às
agressos impostas pelo ato cirúrgico,
receberam drogas anestésicas.
A maior incidência de complicações
anestésicas e pós-operatória imediata
acontece neste período(Avelar et
al.1991).
Recepção do paciente na
recuperação anestésica(RA)
cirurgia realizada, duração da cirurgia
intercorrências no trans operatório
dados de identificação
diagnóstico médico
anestesia recebida, drogas utilizadas
posição cirúrgica
uso de bisturí elétrico, e local de colocação da
placa
perdas sanguineas e reposição de líquidos durante
a cirurgia
antecedentes patológicos, alergias a drogas
Cont..
estado geral do paciente
presença de drenos, sondas, cateteres e outros
recomendações especiais sobre o pós-operatório
instalar oxigenioterapia, oxímetro de pulso,
monitorização cardíaca
proceder a avaliação preliminar(função respiratório,
permeabilidade das vias aéreas, sinais vitais, nível
de consciência,perfusão periférica,coloração da
pele, infusões venosas,, condições do
curativo,abertura e posicionamento dos drenos e
sondas, irrigações, função motora e sensitiva
Cont..
posição do paciente no leito, de acordo com a
cirurgia realizada
manter aferição dos sinais vitais de 15 em 15 min,
na primeira hora, 30 em 30 minutos, depois de 1 em
1 hora até o paciente estabilizar
medir débitos dos drenos e características
desprezar e anotar volume urinário se estiver
sondado, se não oferecer a comadre
administrar medicamentos conforme orientação e
prescrição anéstésica(vômitos, dor etc).
Permanência
manter a monitorização do paciente
realizar as intervenções de enfermagem de acordo
com a prescrição dos cuidados de enfermagem
com base no levantamento de dados
anotar as alterações e evolução da anestesia
manter atento aos parâmetros hemodinâmicos do
paciente
manter atento aos sinais de choque(pulso rápido,
hipotensão,palidez, cianose, baixa perfusão, queda
saturação de oxigênio)
Cont..
sinais de depressão respiratória (hipoxemia,
evidência na oximetria de pulso(Sat< 90%;
hipoventilação por bradipnéia, respirações
ruidosas, sufocantes e irregulares(Brunner,
1990,Rose, 1994.)
Máscara de oxigenioterapia (fornecimento de o2), ou
por TOT ou por cateter de O2
posicionamento da cânula de Guedel
aspirar vias aéreas sempre que necessário,
manter cabeça lateralizada para facilitar drenagens
de secreões
Cont..
quando paciente estiver consciente, pedir para
respirar profundamente e tossir com a finalidade de
prevenir atelectasia
manter as medidas de segurança para evitar
quedas do leito e agitação psicomotora após
acordado
quando paciente bem acordado explicar o motivo
de sua permanência na RPA, orientando-o sobre o
ambiente
manter aquecido se estiver com frio, evitando
complicações posteriores
Cont..
realizar balanço hídrico do paciente
observar os epsódios de vômitos e náuseas
também frequentes no pós –operatório, lateralizar a
cabeça do paciente para evitar aspiração do
conteúdo gástrico, e administrar medicamentos
prescritos
em caso de sangramento excessivo pelo curativo,
avisar o cirurgião
realizar mudanças de decúbito conforme indicado
para proporcionar melhor conforto do paciente
reconhecer a dor em pacientes que não possa
acusá-la A agitação psicomotora, hipertensão e nas
crianças também o choro, são sinais de dor no pós
-operatório
Cont..
em bloqueios regionais, solicitar ao
paciente a movimentação do membro e a
estimulação tátil e térmica, avaliando o
retorno da função motora e sensitiva
manter as intervenções de enfermagem
em conjunto com o anestesista
retirar o que for possível do paciente,
preparando-o para a alta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Saep.pdf
Saep.pdfSaep.pdf
Saep.pdf
EvelineMachado3
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Sou Enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Karolina Azevedo
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
Fernando de Oliveira Dutra
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
zoeadas
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Proqualis
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
ClaudenicePereiraPer
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Eduardo Bernardino
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Uti
UtiUti
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
NaraLcia2
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Marco Antonio
 

Mais procurados (20)

Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Saep.pdf
Saep.pdfSaep.pdf
Saep.pdf
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
Aula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto SocorroAula 1_Pronto Socorro
Aula 1_Pronto Socorro
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptxAula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
Aula 1 - UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA-UTI (2).pptx
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 

Semelhante a Sala de recuperação pós anestésica

Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdfAula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
Nome Sobrenome
 
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
Helino Junior
 
aula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfaula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdf
luciaitsp
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docxO CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
Mellissa Castanho
 
Assistência de enfermagem pós operatória.pptx
Assistência de enfermagem pós operatória.pptxAssistência de enfermagem pós operatória.pptx
Assistência de enfermagem pós operatória.pptx
MarcelAzevedo5
 
Pos anestesico
Pos anestesicoPos anestesico
Pos anestesico
Fernanda Camargo
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
WilliamdaCostaMoreir
 
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Jucie Vasconcelos
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
Zeca Ribeiro
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docxAssistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
carine69
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
Eduardo Bernardino
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
FrancielleConstantin
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
T̶i̶a̶g̶o̶ ̶f̶a̶s̶c̶
 
principios basicos da anestesia para enfermagem
principios basicos da anestesia para enfermagemprincipios basicos da anestesia para enfermagem
principios basicos da anestesia para enfermagem
MarcelaTessalia
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
EnfermagemUniavan
 
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02   avaliação pré-anestésicaAnestesiologia 02   avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
Jucie Vasconcelos
 
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptxRRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
JooHenriqueCarvallho
 

Semelhante a Sala de recuperação pós anestésica (20)

Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdfAula SPRA e Cuidados POI.pdf
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
 
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
 
aula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfaula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdf
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docxO CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
 
Assistência de enfermagem pós operatória.pptx
Assistência de enfermagem pós operatória.pptxAssistência de enfermagem pós operatória.pptx
Assistência de enfermagem pós operatória.pptx
 
Pos anestesico
Pos anestesicoPos anestesico
Pos anestesico
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)Anestesiologia 10   anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
Anestesiologia 10 anestesia ambulatorial - med resumos (set-2011)
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docxAssistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
 
Aula PCR.pptx
Aula PCR.pptxAula PCR.pptx
Aula PCR.pptx
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
principios basicos da anestesia para enfermagem
principios basicos da anestesia para enfermagemprincipios basicos da anestesia para enfermagem
principios basicos da anestesia para enfermagem
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02   avaliação pré-anestésicaAnestesiologia 02   avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
 
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptxRRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
 

Último

mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 

Último (9)

mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 

Sala de recuperação pós anestésica

  • 2. Sala de Recuperação Anestésica (SRPA) É a área que se destina à permanência do paciente logo após o término do ato anestésico cirúrgico. Eltringham(1986), a SRPA – é um setor do centro cirúrgico onde são dispensados cuidados intensivos após anestesia e cirurgia. Ministério da Saúde, 1987, a SRPA – é um elemento onde se concentram os pacientes egressos das salas de operação para receberem os cuidados pós anestésicos e ou pós operatórios imediatos.
  • 3. Cont.. Permanência: 1 a 6h. Responsabilidade: equipes de enfermagem e médica, especialmente o anestesista. Finalidade: - oferecer suporte ao paciente na fase de recuperação da anestesia, até que os sinais vitais voltem à normalidade, - seja recuperada a consciência e - os reflexos protetores estejam presentes; - prevenir ou tratar possíveis complicações resultantes do ato anestésico ou cirúrgico; - estabelecer medidas para aliviar a dor pós operatória;
  • 4. Cont... - proporcionar ao paciente: - atendimento seguro, em se tratando de um local provido de recursos materiais específicos e humanos, preparados para a prestação da assistência neste período, considerado crítico.
  • 5. Localização Dentro ou nas proximidades do centro cirúrgico. - favorecendo o transporte do paciente anestesiado, ou - seu retorno rápido à sala de operação. - Possibilita o livre acesso dos componentes da equipe cirúrgica.
  • 6. Estrutura física Permitir a visão e a observação constante de todos os pacientes pelas equipes médicas e de enfermagem, sendo o estilo “aberto” o que melhor atende a essas necessidades. Ministério da Saúde, 1994, preconiza a existência de uma SRPA, cujo número de leitos deve estar relacionado com os tipos de cirurgias realizadas. De modo geral, são estimados dois leitos por sala cirúrgica.
  • 7. Área física Ministério da Saúde, 1994, que estabelece para uma sala com dois leitos no mínimo, 8,5m2 por leito, com distância entre estes e a parede , de 1.0m; e 6,5m2, quando houver mais de dois leitos.
  • 8. Características arquitetônicas paredes e pisos revestidos de material de fácil limpeza, portas largas, para permitir a passagem de macas, camas berços ou aparelhos; temperatura ambiente e ventilação devem ser iguais a da sala cirúrgica a fim de proporcionar conforto aos pacientes; a iluminação deve permitir uma boa avaliação da cor da pele do paciente(natural ou artificial); área de posto de enfermagem e serviços, no tamanho de 6m2 para uma SRPA de até 12 leitos, se esta área for utilizada também como secretaria e prescrição médica, deve ser acrescida de mais 2,0m2(Brasil, 1994).
  • 9. Equipamentos e materiais básicos de uma SRPA equipamentos básicos: geralmente fixos à parede, acima da cabeceira de cada leito. equipamentos e materiais de suporte respiratório equipamentos e materiais de suporte cardivascular e outros. Camas: providas de grades laterais, manivelas para dar posição ao paciente, encaixes para suportes de soros e cabeceira removível para facilitar o atendimento em situações de emergência.
  • 10. Organização da SRPA equipe de enfermagem: aux., téc. e enfermeiros médica: anestesiologistas. Enfermeiro: líder, possuir conhecimentos e habilidades para prestar assistência pós operatória e anestésica, a pacientes submetidos a diversos tipos de cirurgias e em uso de aparelhos mecânicos e outros, atuando com presteza nas situações de emergências treinamento e supervisão constantes dos demais membros de sua equipe, visando uma prestação da assistência segura a todos os pacientes. Calculo de pessoal: 2 enf. para cada 5 leitos(Drain, Shipley, 1981).
  • 11. Assistência de Enfermagem na SRPA O período de recuperação é considerado crítico, portanto necessita de vigilância contínua das equipes que atuam no setor, porque além de ter submetidos às agressos impostas pelo ato cirúrgico, receberam drogas anestésicas. A maior incidência de complicações anestésicas e pós-operatória imediata acontece neste período(Avelar et al.1991).
  • 12. Recepção do paciente na recuperação anestésica(RA) cirurgia realizada, duração da cirurgia intercorrências no trans operatório dados de identificação diagnóstico médico anestesia recebida, drogas utilizadas posição cirúrgica uso de bisturí elétrico, e local de colocação da placa perdas sanguineas e reposição de líquidos durante a cirurgia antecedentes patológicos, alergias a drogas
  • 13. Cont.. estado geral do paciente presença de drenos, sondas, cateteres e outros recomendações especiais sobre o pós-operatório instalar oxigenioterapia, oxímetro de pulso, monitorização cardíaca proceder a avaliação preliminar(função respiratório, permeabilidade das vias aéreas, sinais vitais, nível de consciência,perfusão periférica,coloração da pele, infusões venosas,, condições do curativo,abertura e posicionamento dos drenos e sondas, irrigações, função motora e sensitiva
  • 14. Cont.. posição do paciente no leito, de acordo com a cirurgia realizada manter aferição dos sinais vitais de 15 em 15 min, na primeira hora, 30 em 30 minutos, depois de 1 em 1 hora até o paciente estabilizar medir débitos dos drenos e características desprezar e anotar volume urinário se estiver sondado, se não oferecer a comadre administrar medicamentos conforme orientação e prescrição anéstésica(vômitos, dor etc).
  • 15. Permanência manter a monitorização do paciente realizar as intervenções de enfermagem de acordo com a prescrição dos cuidados de enfermagem com base no levantamento de dados anotar as alterações e evolução da anestesia manter atento aos parâmetros hemodinâmicos do paciente manter atento aos sinais de choque(pulso rápido, hipotensão,palidez, cianose, baixa perfusão, queda saturação de oxigênio)
  • 16. Cont.. sinais de depressão respiratória (hipoxemia, evidência na oximetria de pulso(Sat< 90%; hipoventilação por bradipnéia, respirações ruidosas, sufocantes e irregulares(Brunner, 1990,Rose, 1994.) Máscara de oxigenioterapia (fornecimento de o2), ou por TOT ou por cateter de O2 posicionamento da cânula de Guedel aspirar vias aéreas sempre que necessário, manter cabeça lateralizada para facilitar drenagens de secreões
  • 17. Cont.. quando paciente estiver consciente, pedir para respirar profundamente e tossir com a finalidade de prevenir atelectasia manter as medidas de segurança para evitar quedas do leito e agitação psicomotora após acordado quando paciente bem acordado explicar o motivo de sua permanência na RPA, orientando-o sobre o ambiente manter aquecido se estiver com frio, evitando complicações posteriores
  • 18. Cont.. realizar balanço hídrico do paciente observar os epsódios de vômitos e náuseas também frequentes no pós –operatório, lateralizar a cabeça do paciente para evitar aspiração do conteúdo gástrico, e administrar medicamentos prescritos em caso de sangramento excessivo pelo curativo, avisar o cirurgião realizar mudanças de decúbito conforme indicado para proporcionar melhor conforto do paciente reconhecer a dor em pacientes que não possa acusá-la A agitação psicomotora, hipertensão e nas crianças também o choro, são sinais de dor no pós -operatório
  • 19. Cont.. em bloqueios regionais, solicitar ao paciente a movimentação do membro e a estimulação tátil e térmica, avaliando o retorno da função motora e sensitiva manter as intervenções de enfermagem em conjunto com o anestesista retirar o que for possível do paciente, preparando-o para a alta.