SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 107
CENTROCENTRO
CIRÚRGICOCIRÚRGICO
Prof. MarceloProf. Marcelo
BorgesBorges
CENTROCENTRO
CIRÚRGICOCIRÚRGICO
DEFINIÇÃO DE CENTRO CIRÚRGICODEFINIÇÃO DE CENTRO CIRÚRGICO
►É a unidade do hospital constituídaÉ a unidade do hospital constituída
de várias salas cirúrgicas destinada àde várias salas cirúrgicas destinada à
realização de procedimentosrealização de procedimentos
(partos,drenagens,cirurgias).(partos,drenagens,cirurgias).
►Deve estar situado em localDeve estar situado em local
estratégico de maneira a facilitar oestratégico de maneira a facilitar o
acesso a UTI e setores deacesso a UTI e setores de
emergências.emergências.
►Local privativo,não existe visitasLocal privativo,não existe visitas..
Estrutura da unidadeEstrutura da unidade
► Composto de vestiáriosComposto de vestiários
masculinos e femininosmasculinos e femininos
► Salas de enfermagem,Salas de enfermagem,
posto, medicação.posto, medicação.
► Arsenal, materiais.Arsenal, materiais.
► Equipamentos.Equipamentos.
► Expurgo,copa,sala deExpurgo,copa,sala de
estudo,repouso médico.estudo,repouso médico.
► Recuperação pósRecuperação pós
anestésicaanestésica
► Porta de entrada doPorta de entrada do
pacientepaciente
PORTA DE ENTRADA/ ÚNICA EPORTA DE ENTRADA/ ÚNICA E
EXCLUSIVA DO PACIENTEEXCLUSIVA DO PACIENTE
► CorredorCorredor
► PortasPortas
► MateriaisMateriais
► MóveisMóveis
A equipeA equipe
► Os profissionais queOs profissionais que
atuam no Centroatuam no Centro
Cirúrgico são: asCirúrgico são: as
equipes médicasequipes médicas
(cirúrgica e(cirúrgica e
anestesiologia), deanestesiologia), de
enfermagem,enfermagem,
administrativa e deadministrativa e de
higiene, que têm comohigiene, que têm como
objetivo assistirobjetivo assistir
adequadamente àsadequadamente às
necessidades donecessidades do
paciente.paciente.
► Em uma equipe, todosEm uma equipe, todos
os seus membros têmos seus membros têm
suas responsabilidadessuas responsabilidades
e funções definidas,e funções definidas,
assim como devem serassim como devem ser
habilitados para ashabilitados para as
atividades queatividades que
desempenham. Asdesempenham. As
funções do enfermeirofunções do enfermeiro
coordenador, docoordenador, do
enfermeiro assistencial,enfermeiro assistencial,
dos técnicos emdos técnicos em
enfermagem, dosenfermagem, dos
auxiliares deauxiliares de
enfermagem e dosenfermagem e dos
auxiliaresauxiliares
administrativosadministrativos
Trabalhando no centroTrabalhando no centro
cirúrgico.cirúrgico.
► Importância da roupaImportância da roupa
privativa .privativa .
► Uso de equipamentosUso de equipamentos
de proteçãode proteção
individual.individual.
► ComprometimentoComprometimento
da equipe.da equipe.
► Uso de anéis,Uso de anéis,
brincos.brincos.
► Roupa de frio.Roupa de frio.
O PREPARO,O PREPARO,
VESTIMENTA,DEGERMAÇÃOVESTIMENTA,DEGERMAÇÃO
LOCAL PRIVATIVO(vestimenta)LOCAL PRIVATIVO(vestimenta)
Trabalhando em centro cirúrgicoTrabalhando em centro cirúrgico
vestiário femininovestiário feminino
► Degermação das mãosDegermação das mãos
► Lavagem básicaLavagem básica
► Uso de anti-sépticosUso de anti-sépticos
► Atenção no pré operatórioAtenção no pré operatório
no centro cirúrgico.no centro cirúrgico.
► Sala de enfermagem.Sala de enfermagem.
Degermação mãos atéDegermação mãos até
cotoveloscotovelos
► USO DEUSO DE
ANTISSÉPTICOSANTISSÉPTICOS
► ESCOVA EXCLUSIVAESCOVA EXCLUSIVA
► TORNEIRAS COMTORNEIRAS COM
SENSORSENSOR
DEGERMAÇÃDEGERMAÇÃ
O,O,
►APÓS SECARAPÓS SECAR
BEMBEM
►CALÇAR LUVASCALÇAR LUVAS
NOMENCLATURNOMENCLATUR
A EM CIRURGIAA EM CIRURGIA
PREFIXOSPREFIXOS SUFIXOSSUFIXOS
ORGÃO OUORGÃO OU
TECIDOTECIDO
FINALIDADE EFINALIDADE E
PROCEDIMENTOPROCEDIMENTO
SUFIXOSSUFIXOS
TOMIATOMIA PLASTIAPLASTIA
CENTESECENTESE DESEDESE
ECTOMIAECTOMIA PEXIAPEXIA
STASIASTASIA SINTESESINTESE
ANASTOMOSANASTOMOS
EE
RAFIARAFIA
STOMIASTOMIA TRIPSIATRIPSIA
EXEMPLOS:EXEMPLOS:
►TOMIA = LAPAROTOMIATOMIA = LAPAROTOMIA
►CENTESE= TORACOCENTESECENTESE= TORACOCENTESE
►ECTOMIA= HEMORROIDECTOMIAECTOMIA= HEMORROIDECTOMIA
►STASIA= HEMOSTASIASTASIA= HEMOSTASIA
►RAFIA =HERNIORRAFIARAFIA =HERNIORRAFIA
►PLASTIA =COLPOPERINEOPLASTIAPLASTIA =COLPOPERINEOPLASTIA
►STOMIA = COLOSTOMIASTOMIA = COLOSTOMIA
ATO CIRÚRGICOATO CIRÚRGICO
►INTERVENÇÃO SANGRENTAINTERVENÇÃO SANGRENTA
►ORGANISMO VIVOORGANISMO VIVO
►VIA DE ACESSOVIA DE ACESSO
CONCEITOCONCEITO
►PREVENTIVAPREVENTIVA
►TERAPÊUTICATERAPÊUTICA
►ESTÉTICAESTÉTICA
► EXPERIMENTALEXPERIMENTAL
FINALIDADEFINALIDADE
TEMPOSTEMPOS
FUNDAMENTAISFUNDAMENTAIS
►DIERÉSEDIERÉSE
►HEMOSTASIAHEMOSTASIA
►OPERAÇÃO PROPOSTAOPERAÇÃO PROPOSTA
►SÍNTESESÍNTESE
Definições.Definições.
► Cirurgia: método utilizado para remoção,Cirurgia: método utilizado para remoção,
reparo,ou substituição de uma partereparo,ou substituição de uma parte
► ClassificaçãoClassificação:Emergência:Emergência-- risco de morte.-- risco de morte.
► UrgênciaUrgência--,precisa ser feita dentro de 24 horas .--,precisa ser feita dentro de 24 horas .
► EletivaEletiva-- programada.-- programada.
► PaliativaPaliativa– qualidade de vida– qualidade de vida
► PlásticaPlástica—finalidade estética,corretiva.—finalidade estética,corretiva.
► RadicalRadical—retirada parcial ou total.—retirada parcial ou total.
► DiagnósticaDiagnóstica—finalidade de exames.—finalidade de exames.
Cirurgia, comCirurgia, com
finalidade diagnósticafinalidade diagnóstica
► PunçãoPunção
► IncisãoIncisão
BIÓPSIAS ===POR PUNÇÃOBIÓPSIAS ===POR PUNÇÃO
PLÁSTICA PARA AUMENTO DEPLÁSTICA PARA AUMENTO DE
VOLUME DE MAMAVOLUME DE MAMA
►FINALIDADFINALIDAD
EE
ESTÉTICAESTÉTICA
Cirurgia radical ou parcialCirurgia radical ou parcial
TOTAL OU PARCIALTOTAL OU PARCIAL
OS MILAGRES DA CIRURGIAOS MILAGRES DA CIRURGIA
PLÁSTICAPLÁSTICA
A cirurgia de remoção da pele durouA cirurgia de remoção da pele durou
várias horas e os cirurgiõesvárias horas e os cirurgiões
retiraram cerca de 57 kg.retiraram cerca de 57 kg.
► Natalya tornou-se obesaNatalya tornou-se obesa
por causa de problemaspor causa de problemas
hormonais. Desde os 13hormonais. Desde os 13
anos ela sofre com oanos ela sofre com o
aumento de peso. Elaaumento de peso. Ela
tentou todas as dietastentou todas as dietas
existentes, visitouexistentes, visitou
centenas de médicos,centenas de médicos,
mas sem nenhummas sem nenhum
resultado. Enquanto isso,resultado. Enquanto isso,
sua barriga continuavasua barriga continuava
crescendo.crescendo.
Cirurgia eletivaCirurgia eletiva
FERIMENTOS ABERTOS/ emergênciaFERIMENTOS ABERTOS/ emergência
PROVOCADO POR VIDRO COLOCADO SOBRE MURO
DE RESIDÊNCIA
Atendimento de emergênciaAtendimento de emergência
Potencial dePotencial de
contaminação:contaminação:
► Cirurgia limpaCirurgia limpa
► Cirurgia contaminadaCirurgia contaminada
► CirurgiaCirurgia
potencialmentepotencialmente
contaminada.contaminada.
► Cirurgia infectada.Cirurgia infectada.
CIRURGIA INFECTADA OCIRURGIA INFECTADA O
CUIDADO COM A SALACUIDADO COM A SALA
CIRURGIA INFECTADACIRURGIA INFECTADA
POTENCIALMENTEPOTENCIALMENTE
CONTAMINADACONTAMINADA
► CISTOCISTO
PILONIDALPILONIDAL
► CIRURGIACIRURGIA
BÁRIATRICABÁRIATRICA
► COMPLICAÇÃOCOMPLICAÇÃO
► APÓS MESES DAPÓS MESES D
TRATAMENTOTRATAMENTO
► CIRURGIACIRURGIA
CONTAMINADACONTAMINADA
►CIRURGIACIRURGIA
LIMPALIMPA
►CURATIVOCURATIVO
►ALTAALTA
BREVEBREVE
CIRURGIA LIMPACIRURGIA LIMPA
ACESSO AO BANCO DEACESSO AO BANCO DE
SANGUESANGUE
► ESTOQUE PRÉVIOESTOQUE PRÉVIO
► SOLICITAÇÃOSOLICITAÇÃO
PRÉVIAPRÉVIA
► PROCESSOPROCESSO
RELIGIOSORELIGIOSO
SALA CIRÚRGICASALA CIRÚRGICA
POSIÇÕESPOSIÇÕES
CIRÚRGICASCIRÚRGICAS
SALAS CIRÚRGICASSALAS CIRÚRGICAS
► AmplasAmplas
► Pelo menos 36m2Pelo menos 36m2
► Exceções: ORL, oftalmo, cardíaca, neuroExceções: ORL, oftalmo, cardíaca, neuro
► JanelasJanelas
► Vidro duploVidro duplo
► Proteção de telaProteção de tela
► PortasPortas
► Portas de correr, trilho, postigo de vidroPortas de correr, trilho, postigo de vidro
► Revestimento liso, não poroso, sem relevosRevestimento liso, não poroso, sem relevos
MATERIAIS FIXOS EMATERIAIS FIXOS E
MÓVEISMÓVEIS
► MobiliárioMobiliário
► Mínimo necessárioMínimo necessário
► Peça central: mesa dePeça central: mesa de
operaçõesoperações
 BaseBase
 Segmentos articuladosSegmentos articulados
► Mesas auxiliaresMesas auxiliares
 Colocação do instrumentalColocação do instrumental
cirúrgicocirúrgico
 50 x 90 x 85 cm50 x 90 x 85 cm
 RodíziosRodízios
 Cabides na borda distalCabides na borda distal
►MobiliárioMobiliário
►Carrinho de anestesiaCarrinho de anestesia + monitores+ monitores
►Cestos (Cestos (HampersHampers))
►Bacias + SuportesBacias + Suportes
►Bisturi elétricoBisturi elétrico
►Armários (embutidos)Armários (embutidos)
ILUMINAÇÃOILUMINAÇÃO
► FocosFocos
 TetoTeto
►Cúpula com revestimento de espelhosCúpula com revestimento de espelhos
refletores x múltiplas lâmpadasrefletores x múltiplas lâmpadas
conjugadasconjugadas
►Filtro atérmicoFiltro atérmico
►Vareta externa e braços articulados paraVareta externa e braços articulados para
mobilidademobilidade
►FocalizaçãoFocalização
►Preferência atualPreferência atual
 Focos auxiliaresFocos auxiliares
►Bases sobre rodízios + bateriasBases sobre rodízios + baterias
► Ar como via de transmissão deAr como via de transmissão de
bactérias e fonte debactérias e fonte de
contaminaçãocontaminação
► Lister, 1867Lister, 1867
► Wells, 1936Wells, 1936
► Fonte de microrganismos:Fonte de microrganismos:
pessoas na sala cirúrgicapessoas na sala cirúrgica
 Gotículas de ar expiradoGotículas de ar expirado
 Descamação de cels. da peleDescamação de cels. da pele
 Partículas transportadas nosPartículas transportadas nos
sapatossapatos
► 30000-60000 microrganismos 30000-60000 microrganismos 
podem depositar-se no podem depositar-se no 
campo operatório por horacampo operatório por hora
VENTILAÇÃOVENTILAÇÃO
► Função de exaustão: remoção deFunção de exaustão: remoção de
odores, calor e gases anestésicosodores, calor e gases anestésicos
voláteisvoláteis
► Controle bacteriológicoControle bacteriológico
► Filtragem do ar:Filtragem do ar:
 Retirar e impedir entrada deRetirar e impedir entrada de
partículas contaminantespartículas contaminantes
 Partículas > 5µPartículas > 5µ
 Troca de ar a cada 10-20 x /Troca de ar a cada 10-20 x /
horahora
 Pressão positiva no interior daPressão positiva no interior da
salasala
► Fluxos laminares – alto custoFluxos laminares – alto custo
Rede gasesRede gases
EQUIPAMENTOS ESPECIAISEQUIPAMENTOS ESPECIAIS
VESTUÁRIOVESTUÁRIO
►PropésPropés
 Diminuir contaminação vinda  Diminuir contaminação vinda  
dos sapatosdos sapatos
 Tecido, papel ou plásticoTecido, papel ou plástico
 Uso restrito aoUso restrito ao centrocentro cirúrgicocirúrgico
 Abolido em alguns lugaresAbolido em alguns lugares
►Troca de gorro, máscara e propés a cadaTroca de gorro, máscara e propés a cada
operaçãooperação
►Cirurgias infectadasCirurgias infectadas
ETIQUETA NO CENTROETIQUETA NO CENTRO
CIRÚRGICOCIRÚRGICO
►Hierarquia na equipeHierarquia na equipe
►SilêncioSilêncio
►Falar baixo, somente o necessárioFalar baixo, somente o necessário
►Música somente se adequadaMúsica somente se adequada
►Respeito aos pacientesRespeito aos pacientes
►Respeito ao pudor do pacienteRespeito ao pudor do paciente
►Respeito àRespeito à psiquepsique do pacientedo paciente
►Nunca deixá-lo só na sala de operaçõesNunca deixá-lo só na sala de operações
AtribuiçõesAtribuições
MédicasMédicas
► DEFINIÇÕES DEDEFINIÇÕES DE
TRATAMENTOTRATAMENTO
► OPÇÃOOPÇÃO
► TRATAMENTOTRATAMENTO
CIRÚRGICOCIRÚRGICO
► ORIENTAÇÕESORIENTAÇÕES
► PLANEJAMENTOPLANEJAMENTO
► SOLICITAÇÃO DESOLICITAÇÃO DE
EXAMESEXAMES
► RISCOSRISCOS
OPERATÓRIOSOPERATÓRIOS
ORIENTAÇÕESORIENTAÇÕES
► PERGUNTAS ?PERGUNTAS ?
► JEJUM?JEJUM?
► TRICOTOMIA?TRICOTOMIA?
► USO DE PROTESESUSO DE PROTESES
► ALERGIAS?ALERGIAS?
► SANGRAMENTO?SANGRAMENTO?
► EXAMESEXAMES
SOLICITADOS ?SOLICITADOS ?
► ANSIEDADES,MEDOANSIEDADES,MEDO
► TERMO DETERMO DE
RESPOSABILIDADERESPOSABILIDADE
Preparada para entrar no C.C.Preparada para entrar no C.C.
►TudoTudo
começa nacomeça na
enfermaria,enfermaria,
o controle deo controle de
sinais vitais,sinais vitais,
o uso dao uso da
camisola, ecamisola, e
o transporteo transporte
até o centroaté o centro
cirúrgico.cirúrgico.
MACAS TRANSFERMACAS TRANSFER
TransporteTransporte
do pacientedo paciente
operado.operado.
► Cuidados com drenos, cateteresCuidados com drenos, cateteres
sondas,soros,sanguesondas,soros,sangue
► PadrãoPadrão
respiratório,temperatura,anestesiarespiratório,temperatura,anestesia
► Obs: A cama de operado.Obs: A cama de operado.
DENTRO DA SALADENTRO DA SALA
► POSIÇÃOPOSIÇÃO
CIRÚRGICACIRÚRGICA
► CONTROLESCONTROLES
► MATERIAIS FIXOS EMATERIAIS FIXOS E
MÓVEISMÓVEIS
► INSTRUMENTOSINSTRUMENTOS
► PRONTRUÁRIOPRONTRUÁRIO
► ACESSO VENOSOACESSO VENOSO
Uso de materiais e perfuroUso de materiais e perfuro
cortante.cortante.
A Sistematização deA Sistematização de
EnfermagemEnfermagem
PerioperatóriaPerioperatória
► A (SAEP) deve ser realizada para todoA (SAEP) deve ser realizada para todo
paciente que for submetido a umpaciente que for submetido a um
procedimento anestésico-cirúrgico seráprocedimento anestésico-cirúrgico será
avaliado pelo enfermeiro de Centro Cirúrgicoavaliado pelo enfermeiro de Centro Cirúrgico
com a aplicação da SAEP, que deverá sercom a aplicação da SAEP, que deverá ser
desenvolvida dentro das regras do SAE,desenvolvida dentro das regras do SAE,
porém com um enfoque específico aoporém com um enfoque específico ao
paciente cirúrgico.paciente cirúrgico.
OBJETIVOS DA SAEPOBJETIVOS DA SAEP
► Implantar a assistência de enfermagem integral,Implantar a assistência de enfermagem integral,
individualizada e documentada nas fases pré, trans e pós-individualizada e documentada nas fases pré, trans e pós-
operatórias;operatórias;
► • •  Levantar e analisar as necessidades individuais doLevantar e analisar as necessidades individuais do
paciente a ser submetido ao procedimento anestésico-paciente a ser submetido ao procedimento anestésico-
cirúrgico;cirúrgico;
► • •  Ajudar o paciente e sua família a compreender seuAjudar o paciente e sua família a compreender seu
problema de saúde, preparando-os para o procedimentoproblema de saúde, preparando-os para o procedimento
cirúrgico;cirúrgico;
► • •  Diminuir ao máximo os riscos inerentes ao ambienteDiminuir ao máximo os riscos inerentes ao ambiente
cirúrgico;cirúrgico;
► • •  Diminuir a inquietação e a ansiedade do paciente,Diminuir a inquietação e a ansiedade do paciente,
contribuindo para sua recuperação.contribuindo para sua recuperação.
ASSISTÊNCIA DEASSISTÊNCIA DE
ENFERMAGEMENFERMAGEM► • •  Manter o paciente aquecido, com cobertor ou mantaManter o paciente aquecido, com cobertor ou manta
térmica (a manta térmica propicia um aquecimentotérmica (a manta térmica propicia um aquecimento
controlado e mais eficaz);controlado e mais eficaz);
► • •  Colocar o massageador e/ou meia elástica nos membrosColocar o massageador e/ou meia elástica nos membros
inferiores, como profilático para Trombose venosainferiores, como profilático para Trombose venosa
profunda (TVP);profunda (TVP);
► • •  Realizar o cateterismo vesical, quando necessário;Realizar o cateterismo vesical, quando necessário;
► • •  Registrar todos os cuidados de enfermagem prestadosRegistrar todos os cuidados de enfermagem prestados
diretamente ao paciente e a evolução;diretamente ao paciente e a evolução;
► • •  Preservar a segurança física e emocional do paciente;Preservar a segurança física e emocional do paciente;
► • •  Rever prescrição de enfermagem e alterando-a, seRever prescrição de enfermagem e alterando-a, se
necessário;necessário;
► • •  Realizar prescrição de enfermagem para o pósRealizar prescrição de enfermagem para o pós
operatório no final do procedimento.operatório no final do procedimento.
► • •  Manter a família informada sobre o andamento daManter a família informada sobre o andamento da
cirurgia.cirurgia.
► Receber o paciente no CC, apresentar-se, verificar aReceber o paciente no CC, apresentar-se, verificar a
pulseira de identificação e o prontuário;pulseira de identificação e o prontuário;
► • •  Como condutas de segurança, confirmar informaçõesComo condutas de segurança, confirmar informações
sobre o jejum (a partir de que horário), as alergias, assobre o jejum (a partir de que horário), as alergias, as
doenças anteriores;doenças anteriores;
► • •  Encaminhar o paciente à sala de cirurgia;Encaminhar o paciente à sala de cirurgia;
► • •  Colocar o paciente na mesa cirúrgica de modoColocar o paciente na mesa cirúrgica de modo
confortável e seguro;confortável e seguro;
► • •  Monitorizar o paciente e mantê-lo aquecido;Monitorizar o paciente e mantê-lo aquecido;
► • •  Auxiliar o anestesiologista durante a indução anestésica;Auxiliar o anestesiologista durante a indução anestésica;
► • •  Auxiliar a equipe cirúrgica a posicionar o paciente paraAuxiliar a equipe cirúrgica a posicionar o paciente para
cirurgia;cirurgia;
► • •  Proteger a pele do paciente durante a anti-sepsia comProteger a pele do paciente durante a anti-sepsia com
produtos químicos,produtos químicos,
► • •  Manter o paciente aquecido, com cobertor ou mantaManter o paciente aquecido, com cobertor ou manta
térmica (a manta térmica propicia um aquecimentotérmica (a manta térmica propicia um aquecimento
controlado e mais eficaz);controlado e mais eficaz);
Trabalhando em centro cirúrgicoTrabalhando em centro cirúrgico
                 OO OftalmocenterOftalmocenter oferece aos oftalmologistasoferece aos oftalmologistas
sócios e não sócios um centro cirúrgico capacitado asócios e não sócios um centro cirúrgico capacitado a
realizar cirurgias com anestesia local ou geral dentrorealizar cirurgias com anestesia local ou geral dentro
dos mais rigorosos padrões internacionais, possuindodos mais rigorosos padrões internacionais, possuindo
os seguintes equipamentos:os seguintes equipamentos:
CIRURGIA DE MAMACIRURGIA DE MAMA
CENTRO CIRÚRGICOCENTRO CIRÚRGICO
► Pequeno portePequeno porte
► Cirurgia plásticaCirurgia plástica
►AnestesiasAnestesias
Anestesia local.Anestesia local.
►
É indicada para operações simples, queÉ indicada para operações simples, que
envolvem pequenas áreas, como algumasenvolvem pequenas áreas, como algumas
cirurgias plásticas ou para suturar cortescirurgias plásticas ou para suturar cortes
(dar pontos).(dar pontos).
►
Área de atuaçãoÁrea de atuação
► Torna insensíveis pequenas áreas emTorna insensíveis pequenas áreas em
qualquer parte do corpoqualquer parte do corpo
►(1) A aplicação é feita na região onde a(1) A aplicação é feita na região onde a
pequena cirurgia será efetuada.pequena cirurgia será efetuada.
(2) A agulha penetra na pele, indo até a(2) A agulha penetra na pele, indo até a
camada sub-cutânea.camada sub-cutânea.
(3) O anestésico não atinge o nervo(3) O anestésico não atinge o nervo
propriamente dito, mas terminaçõespropriamente dito, mas terminações
nervosas da pelenervosas da pele
Anestesia regionalAnestesia regional
► Podem ser de três tipos: bloqueioPodem ser de três tipos: bloqueio
de plexo (grupo de nervos),de plexo (grupo de nervos),
peridural ou raquianestesiaperidural ou raquianestesia
► Bloqueio de plexo (exemplo noBloqueio de plexo (exemplo no
plexo braquial)plexo braquial)
Anestesia por bloqueio (Plexo)Anestesia por bloqueio (Plexo)
Anestesia de PLEXO braquialAnestesia de PLEXO braquial
► (1) A pessoa recebe uma anestesia local na(1) A pessoa recebe uma anestesia local na
região cervical.região cervical.
(2) A agulha penetra na pele, passando pelo(2) A agulha penetra na pele, passando pelo
músculo até atingir o grupo de nervosmúsculo até atingir o grupo de nervos
(plexo braquial).(plexo braquial).
(3) O anestésico é injetado e absorvido por(3) O anestésico é injetado e absorvido por
todos os nervos.todos os nervos.
►
Área de atuaçãoÁrea de atuação
Deprime todas as funções do braço,Deprime todas as funções do braço,
eliminando a sensibilidade e movimentos.eliminando a sensibilidade e movimentos.
.
ANESTESIA /RaquianestesiaANESTESIA /Raquianestesia
► De origem grega, a palavra quer dizerDe origem grega, a palavra quer dizer
"sem sensibilidade". É o estado de total"sem sensibilidade". É o estado de total
ausência de dor durante uma operação,ausência de dor durante uma operação,
exame ou curativo.exame ou curativo.
► São indicadas para operações nasSão indicadas para operações nas
pernas, abdômen inferior (apendicite,pernas, abdômen inferior (apendicite,
útero, ovário, bexiga) e cesarianas. Nosútero, ovário, bexiga) e cesarianas. Nos
dois procedimentos, o paciente podedois procedimentos, o paciente pode
receber a aplicação deitado, de lado oureceber a aplicação deitado, de lado ou
sentado.sentado.
► 3) O anestésico é3) O anestésico é
injetado no espaçoinjetado no espaço
periduralperidural (camada de(camada de
gordura anterior àgordura anterior à
duramáter-membranaduramáter-membrana
que envolve a medulaque envolve a medula
vertebral).vertebral).
► Cuidados com aCuidados com a
punçãopunção
► AgulhaAgulha
► CefaléiaCefaléia
► segurançasegurança
Anestesia periduralAnestesia peridural
►consiste na injeção de anestésico local aoconsiste na injeção de anestésico local ao
redor de uma membrana chamadaredor de uma membrana chamada
duramáter que envolve o sistema nervosoduramáter que envolve o sistema nervoso
central, através de uma punção ao nívelcentral, através de uma punção ao nível
da região lombar mais freqüentemente.da região lombar mais freqüentemente.
Este tipo de anestesia bloqueiaEste tipo de anestesia bloqueia
completamente a sensibilidade dolorosa,completamente a sensibilidade dolorosa,
porém apenas parcialmente o tato e osporém apenas parcialmente o tato e os
movimentos de uma determinada região.movimentos de uma determinada região.
O paciente permanece lúcidoO paciente permanece lúcido
Anestesia periduralAnestesia peridural
►Obtém-se a anestesia peridural injetandoObtém-se a anestesia peridural injetando
uma solução de anestésico local no espaçouma solução de anestésico local no espaço
epidural. São indicadas para cirurgiasepidural. São indicadas para cirurgias
abdominais, parto vaginal, cesáreas,abdominais, parto vaginal, cesáreas,
cirurgias ginecológicas, urológicas, plásticacirurgias ginecológicas, urológicas, plástica
de abdômen e outras da extremidadede abdômen e outras da extremidade
inferior. Também podem ser indicadas eminferior. Também podem ser indicadas em
associação com anestesia geral para aassociação com anestesia geral para a
realização de cirurgias torácicas.realização de cirurgias torácicas.
► Preparando aPreparando a
medicaçãomedicação
anestésicaanestésica
► MédicoMédico
anestesistaanestesista
► Controles deControles de
sinais vitaissinais vitais
► Atuação tempoAtuação tempo
integralintegral
ANESTESIA RAQUIANESTESIA RAQUI
► Com a introdução deCom a introdução de
agulhas mais finas,agulhas mais finas,
descartáveis e menosdescartáveis e menos
traumáticas, estatraumáticas, esta
técnica novamentetécnica novamente
ganhou grandeganhou grande
impulso. Porquê aimpulso. Porquê a
incidência de cefaléiaincidência de cefaléia
diminuiu tanto comdiminuiu tanto com
este novoeste novo
material ??? Amaterial ??? A
resposta é simples:resposta é simples:
agulhas melhoresagulhas melhores
fazem "furinhos"fazem "furinhos"
menores nasmenores nas
meninges,meninges,
ocasionando menorocasionando menor
escape de líquor eescape de líquor e
menor probablidademenor probablidade
de cefaléia.de cefaléia.
Anestesias:geralAnestesias:geral
Área de atuação Atua no
corpo inteiro, deprimindo
todas as funções da pessoa
(consciência, dor e
reflexos).
Anestesia geralAnestesia geral
► Carro deCarro de
anestesiaanestesia
RECUPERAÇÃO PÓS-RECUPERAÇÃO PÓS-
ANESTÉSICAANESTÉSICA
► Destina-se àsDestina-se às
pacientes que sepacientes que se
submeteram asubmeteram a
procedimentosprocedimentos
cirúrgicos comcirúrgicos com
anestesia tipoanestesia tipo
Raque, PeriduralRaque, Peridural
e ou Anestesiae ou Anestesia
Geral.Geral.
Posto enfermagem de recuperaçãoPosto enfermagem de recuperação
pós anestésicapós anestésica
SRPASRPA
FUNÇÕES DO TÉCNICO NAFUNÇÕES DO TÉCNICO NA
RPARPA► Receber as informações de como transcorreu o ato anestésico-Receber as informações de como transcorreu o ato anestésico-
cirurgico do técnico ou auxiliar de enfermagem e do Conjunto com ocirurgico do técnico ou auxiliar de enfermagem e do Conjunto com o
anestesiologista;anestesiologista;
► • •  Fazer exame físico dos pacientes na admissão e na alta daFazer exame físico dos pacientes na admissão e na alta da
recuperação anestésica;recuperação anestésica;
► • •  Elaborar o plano de cuidados, supervisionar sua execução e realizarElaborar o plano de cuidados, supervisionar sua execução e realizar
os cuidados complexos de Enfermagem com a utilização daos cuidados complexos de Enfermagem com a utilização da
Sistematização da Assistência Perioperatória de Enfermagem, desdeSistematização da Assistência Perioperatória de Enfermagem, desde
admissão até a alta do paciente na RA;admissão até a alta do paciente na RA;
► • •  Prestar o cuidado de Enfermagem ao paciente, conformePrestar o cuidado de Enfermagem ao paciente, conforme
planejamento;planejamento;
► • •  Aplicar o índice de Aldrete e Kroulik, para a avaliar as condições doAplicar o índice de Aldrete e Kroulik, para a avaliar as condições do
paciente ao longo de sua permanência;paciente ao longo de sua permanência;
► • •  Avaliar e registrar a evolução clínica do paciente em recuperaçãoAvaliar e registrar a evolução clínica do paciente em recuperação
anestésicaanestésica;;
►    Colaborar com o enfermeiro-coordenador na elaboraçãoColaborar com o enfermeiro-coordenador na elaboração
de escalas de folgas e férias;de escalas de folgas e férias;
► • •  Elaborar e supervisionar a confecção de escalasElaborar e supervisionar a confecção de escalas
mensais, semanais e diárias de trabalho;mensais, semanais e diárias de trabalho;
► • •  Controlar os entorpecentes quanto ao uso nos pacientesControlar os entorpecentes quanto ao uso nos pacientes
da unidade e solicitação de reposição;da unidade e solicitação de reposição;
► • •  Participar da educação de pacientes e familiares;Participar da educação de pacientes e familiares;
► • •  Informar e orientar os familiares sobre as condiçõesInformar e orientar os familiares sobre as condições
clínicas dos pacientes sob sua responsabilidade;clínicas dos pacientes sob sua responsabilidade;
► • •  Realizar a educação continuada e a capacitação doRealizar a educação continuada e a capacitação do
pessoal auxiliar;pessoal auxiliar;
► • •  Ser responsável pelo dimensionamento do seu grupo deSer responsável pelo dimensionamento do seu grupo de
trabalho, conforme as necessidades da unidade e o grautrabalho, conforme as necessidades da unidade e o grau
de dependência dos pacientes (crianças, idosos, etc);de dependência dos pacientes (crianças, idosos, etc);
► • •  Avaliar e registrar a evolução clínica do paciente emAvaliar e registrar a evolução clínica do paciente em
recuperação anestésica;recuperação anestésica;
► • •  Avaliar e registrar as condições clínicas de alta doAvaliar e registrar as condições clínicas de alta do
paciente e encaminhar à unidade de origem compaciente e encaminhar à unidade de origem com
segurança;segurança;
► • •  Realizar e registrar a avaliação pós-operatória daRealizar e registrar a avaliação pós-operatória da
assistência prestada;assistência prestada;
► • •  Participar de estudos e pesquisas como colaborador ouParticipar de estudos e pesquisas como colaborador ou
como pesquisador responsável;como pesquisador responsável;
► • •  Identificar, quantitativa e qualitativamente, aIdentificar, quantitativa e qualitativamente, a
necessidade de materiais e equipamentos, observando enecessidade de materiais e equipamentos, observando e
fazendo observar seus princípios de conservaçãofazendo observar seus princípios de conservação
OBRIGADO E SUCESSO!!!OBRIGADO E SUCESSO!!!
PROF: MARCELOPROF: MARCELO BORGESBORGES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoZeca Ribeiro
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoConceição Quirino
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoSou Enfermagem
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Heraldo Maia
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)Francisco da silva Torres
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data showCésar Müller
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaFatianeSantos
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Carine Silvestrini
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico4523ppp
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelizaçãoGilson Betta Sevilha
 
Enfermagem centro cirurgico
Enfermagem centro cirurgicoEnfermagem centro cirurgico
Enfermagem centro cirurgicoCaroline Almeida
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Aline Bandeira
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosEduardo Bernardino
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosEliane Pereira
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgicoshaxa
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Aline Bandeira
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoNayara Dávilla
 

Mais procurados (20)

Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Enfermagem centro cirurgico
Enfermagem centro cirurgicoEnfermagem centro cirurgico
Enfermagem centro cirurgico
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 

Semelhante a Centro cirurgico

AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfAULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfEnfermagemUniavan
 
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptxAssistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptxvaniceandrade1
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptbianca375788
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptgizaraposo
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxEvelineMachado3
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfTARCIA1
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfThiagoCunha93
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Rosimeyre Lira
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxMilkaPassos1
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxRaianePereira17
 
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICOUti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICOGibran Neves
 
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI  (1jj).pptxIntrodução Enfermagem na UTI  (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptxPedroRobertoCostaLob
 
Modelos de ensino em cirurgia experimental
Modelos de ensino em cirurgia experimentalModelos de ensino em cirurgia experimental
Modelos de ensino em cirurgia experimentalPaolo Salvalaggio
 
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfRonanAlmeidaMacedo
 
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfCLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfInara Lima
 

Semelhante a Centro cirurgico (20)

Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
Intraoperatórios
IntraoperatóriosIntraoperatórios
Intraoperatórios
 
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfAULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
 
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptxAssistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
Assistência enfermagem em centro cirúrgico.pptx
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
 
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICOUti - PLANEJAMENTO FÍSICO
Uti - PLANEJAMENTO FÍSICO
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI  (1jj).pptxIntrodução Enfermagem na UTI  (1jj).pptx
Introdução Enfermagem na UTI (1jj).pptx
 
Modelos de ensino em cirurgia experimental
Modelos de ensino em cirurgia experimentalModelos de ensino em cirurgia experimental
Modelos de ensino em cirurgia experimental
 
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfCLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
 

Último

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

Centro cirurgico

  • 3. DEFINIÇÃO DE CENTRO CIRÚRGICODEFINIÇÃO DE CENTRO CIRÚRGICO ►É a unidade do hospital constituídaÉ a unidade do hospital constituída de várias salas cirúrgicas destinada àde várias salas cirúrgicas destinada à realização de procedimentosrealização de procedimentos (partos,drenagens,cirurgias).(partos,drenagens,cirurgias). ►Deve estar situado em localDeve estar situado em local estratégico de maneira a facilitar oestratégico de maneira a facilitar o acesso a UTI e setores deacesso a UTI e setores de emergências.emergências. ►Local privativo,não existe visitasLocal privativo,não existe visitas..
  • 4. Estrutura da unidadeEstrutura da unidade ► Composto de vestiáriosComposto de vestiários masculinos e femininosmasculinos e femininos ► Salas de enfermagem,Salas de enfermagem, posto, medicação.posto, medicação. ► Arsenal, materiais.Arsenal, materiais. ► Equipamentos.Equipamentos. ► Expurgo,copa,sala deExpurgo,copa,sala de estudo,repouso médico.estudo,repouso médico. ► Recuperação pósRecuperação pós anestésicaanestésica ► Porta de entrada doPorta de entrada do pacientepaciente
  • 5. PORTA DE ENTRADA/ ÚNICA EPORTA DE ENTRADA/ ÚNICA E EXCLUSIVA DO PACIENTEEXCLUSIVA DO PACIENTE
  • 6. ► CorredorCorredor ► PortasPortas ► MateriaisMateriais ► MóveisMóveis
  • 7. A equipeA equipe ► Os profissionais queOs profissionais que atuam no Centroatuam no Centro Cirúrgico são: asCirúrgico são: as equipes médicasequipes médicas (cirúrgica e(cirúrgica e anestesiologia), deanestesiologia), de enfermagem,enfermagem, administrativa e deadministrativa e de higiene, que têm comohigiene, que têm como objetivo assistirobjetivo assistir adequadamente àsadequadamente às necessidades donecessidades do paciente.paciente.
  • 8. ► Em uma equipe, todosEm uma equipe, todos os seus membros têmos seus membros têm suas responsabilidadessuas responsabilidades e funções definidas,e funções definidas, assim como devem serassim como devem ser habilitados para ashabilitados para as atividades queatividades que desempenham. Asdesempenham. As funções do enfermeirofunções do enfermeiro coordenador, docoordenador, do enfermeiro assistencial,enfermeiro assistencial, dos técnicos emdos técnicos em enfermagem, dosenfermagem, dos auxiliares deauxiliares de enfermagem e dosenfermagem e dos auxiliaresauxiliares administrativosadministrativos
  • 9. Trabalhando no centroTrabalhando no centro cirúrgico.cirúrgico. ► Importância da roupaImportância da roupa privativa .privativa . ► Uso de equipamentosUso de equipamentos de proteçãode proteção individual.individual. ► ComprometimentoComprometimento da equipe.da equipe. ► Uso de anéis,Uso de anéis, brincos.brincos. ► Roupa de frio.Roupa de frio.
  • 12. Trabalhando em centro cirúrgicoTrabalhando em centro cirúrgico vestiário femininovestiário feminino
  • 13. ► Degermação das mãosDegermação das mãos ► Lavagem básicaLavagem básica ► Uso de anti-sépticosUso de anti-sépticos ► Atenção no pré operatórioAtenção no pré operatório no centro cirúrgico.no centro cirúrgico. ► Sala de enfermagem.Sala de enfermagem.
  • 14. Degermação mãos atéDegermação mãos até cotoveloscotovelos
  • 15. ► USO DEUSO DE ANTISSÉPTICOSANTISSÉPTICOS ► ESCOVA EXCLUSIVAESCOVA EXCLUSIVA ► TORNEIRAS COMTORNEIRAS COM SENSORSENSOR
  • 18. PREFIXOSPREFIXOS SUFIXOSSUFIXOS ORGÃO OUORGÃO OU TECIDOTECIDO FINALIDADE EFINALIDADE E PROCEDIMENTOPROCEDIMENTO
  • 19. SUFIXOSSUFIXOS TOMIATOMIA PLASTIAPLASTIA CENTESECENTESE DESEDESE ECTOMIAECTOMIA PEXIAPEXIA STASIASTASIA SINTESESINTESE ANASTOMOSANASTOMOS EE RAFIARAFIA STOMIASTOMIA TRIPSIATRIPSIA
  • 20. EXEMPLOS:EXEMPLOS: ►TOMIA = LAPAROTOMIATOMIA = LAPAROTOMIA ►CENTESE= TORACOCENTESECENTESE= TORACOCENTESE ►ECTOMIA= HEMORROIDECTOMIAECTOMIA= HEMORROIDECTOMIA ►STASIA= HEMOSTASIASTASIA= HEMOSTASIA ►RAFIA =HERNIORRAFIARAFIA =HERNIORRAFIA ►PLASTIA =COLPOPERINEOPLASTIAPLASTIA =COLPOPERINEOPLASTIA ►STOMIA = COLOSTOMIASTOMIA = COLOSTOMIA
  • 21. ATO CIRÚRGICOATO CIRÚRGICO ►INTERVENÇÃO SANGRENTAINTERVENÇÃO SANGRENTA ►ORGANISMO VIVOORGANISMO VIVO ►VIA DE ACESSOVIA DE ACESSO CONCEITOCONCEITO
  • 24. Definições.Definições. ► Cirurgia: método utilizado para remoção,Cirurgia: método utilizado para remoção, reparo,ou substituição de uma partereparo,ou substituição de uma parte ► ClassificaçãoClassificação:Emergência:Emergência-- risco de morte.-- risco de morte. ► UrgênciaUrgência--,precisa ser feita dentro de 24 horas .--,precisa ser feita dentro de 24 horas . ► EletivaEletiva-- programada.-- programada. ► PaliativaPaliativa– qualidade de vida– qualidade de vida ► PlásticaPlástica—finalidade estética,corretiva.—finalidade estética,corretiva. ► RadicalRadical—retirada parcial ou total.—retirada parcial ou total. ► DiagnósticaDiagnóstica—finalidade de exames.—finalidade de exames.
  • 25. Cirurgia, comCirurgia, com finalidade diagnósticafinalidade diagnóstica ► PunçãoPunção ► IncisãoIncisão
  • 27. PLÁSTICA PARA AUMENTO DEPLÁSTICA PARA AUMENTO DE VOLUME DE MAMAVOLUME DE MAMA
  • 29. Cirurgia radical ou parcialCirurgia radical ou parcial
  • 30. TOTAL OU PARCIALTOTAL OU PARCIAL
  • 31. OS MILAGRES DA CIRURGIAOS MILAGRES DA CIRURGIA PLÁSTICAPLÁSTICA
  • 32. A cirurgia de remoção da pele durouA cirurgia de remoção da pele durou várias horas e os cirurgiõesvárias horas e os cirurgiões retiraram cerca de 57 kg.retiraram cerca de 57 kg. ► Natalya tornou-se obesaNatalya tornou-se obesa por causa de problemaspor causa de problemas hormonais. Desde os 13hormonais. Desde os 13 anos ela sofre com oanos ela sofre com o aumento de peso. Elaaumento de peso. Ela tentou todas as dietastentou todas as dietas existentes, visitouexistentes, visitou centenas de médicos,centenas de médicos, mas sem nenhummas sem nenhum resultado. Enquanto isso,resultado. Enquanto isso, sua barriga continuavasua barriga continuava crescendo.crescendo.
  • 34. FERIMENTOS ABERTOS/ emergênciaFERIMENTOS ABERTOS/ emergência PROVOCADO POR VIDRO COLOCADO SOBRE MURO DE RESIDÊNCIA
  • 36. Potencial dePotencial de contaminação:contaminação: ► Cirurgia limpaCirurgia limpa ► Cirurgia contaminadaCirurgia contaminada ► CirurgiaCirurgia potencialmentepotencialmente contaminada.contaminada. ► Cirurgia infectada.Cirurgia infectada.
  • 37. CIRURGIA INFECTADA OCIRURGIA INFECTADA O CUIDADO COM A SALACUIDADO COM A SALA
  • 40. ► CIRURGIACIRURGIA BÁRIATRICABÁRIATRICA ► COMPLICAÇÃOCOMPLICAÇÃO ► APÓS MESES DAPÓS MESES D TRATAMENTOTRATAMENTO ► CIRURGIACIRURGIA CONTAMINADACONTAMINADA
  • 43. ACESSO AO BANCO DEACESSO AO BANCO DE SANGUESANGUE ► ESTOQUE PRÉVIOESTOQUE PRÉVIO ► SOLICITAÇÃOSOLICITAÇÃO PRÉVIAPRÉVIA ► PROCESSOPROCESSO RELIGIOSORELIGIOSO
  • 46. SALAS CIRÚRGICASSALAS CIRÚRGICAS ► AmplasAmplas ► Pelo menos 36m2Pelo menos 36m2 ► Exceções: ORL, oftalmo, cardíaca, neuroExceções: ORL, oftalmo, cardíaca, neuro ► JanelasJanelas ► Vidro duploVidro duplo ► Proteção de telaProteção de tela ► PortasPortas ► Portas de correr, trilho, postigo de vidroPortas de correr, trilho, postigo de vidro ► Revestimento liso, não poroso, sem relevosRevestimento liso, não poroso, sem relevos
  • 47. MATERIAIS FIXOS EMATERIAIS FIXOS E MÓVEISMÓVEIS ► MobiliárioMobiliário ► Mínimo necessárioMínimo necessário ► Peça central: mesa dePeça central: mesa de operaçõesoperações  BaseBase  Segmentos articuladosSegmentos articulados ► Mesas auxiliaresMesas auxiliares  Colocação do instrumentalColocação do instrumental cirúrgicocirúrgico  50 x 90 x 85 cm50 x 90 x 85 cm  RodíziosRodízios  Cabides na borda distalCabides na borda distal
  • 48. ►MobiliárioMobiliário ►Carrinho de anestesiaCarrinho de anestesia + monitores+ monitores ►Cestos (Cestos (HampersHampers)) ►Bacias + SuportesBacias + Suportes ►Bisturi elétricoBisturi elétrico ►Armários (embutidos)Armários (embutidos)
  • 49. ILUMINAÇÃOILUMINAÇÃO ► FocosFocos  TetoTeto ►Cúpula com revestimento de espelhosCúpula com revestimento de espelhos refletores x múltiplas lâmpadasrefletores x múltiplas lâmpadas conjugadasconjugadas ►Filtro atérmicoFiltro atérmico ►Vareta externa e braços articulados paraVareta externa e braços articulados para mobilidademobilidade ►FocalizaçãoFocalização ►Preferência atualPreferência atual  Focos auxiliaresFocos auxiliares ►Bases sobre rodízios + bateriasBases sobre rodízios + baterias
  • 50. ► Ar como via de transmissão deAr como via de transmissão de bactérias e fonte debactérias e fonte de contaminaçãocontaminação ► Lister, 1867Lister, 1867 ► Wells, 1936Wells, 1936 ► Fonte de microrganismos:Fonte de microrganismos: pessoas na sala cirúrgicapessoas na sala cirúrgica  Gotículas de ar expiradoGotículas de ar expirado  Descamação de cels. da peleDescamação de cels. da pele  Partículas transportadas nosPartículas transportadas nos sapatossapatos ► 30000-60000 microrganismos 30000-60000 microrganismos  podem depositar-se no podem depositar-se no  campo operatório por horacampo operatório por hora
  • 51. VENTILAÇÃOVENTILAÇÃO ► Função de exaustão: remoção deFunção de exaustão: remoção de odores, calor e gases anestésicosodores, calor e gases anestésicos voláteisvoláteis ► Controle bacteriológicoControle bacteriológico ► Filtragem do ar:Filtragem do ar:  Retirar e impedir entrada deRetirar e impedir entrada de partículas contaminantespartículas contaminantes  Partículas > 5µPartículas > 5µ  Troca de ar a cada 10-20 x /Troca de ar a cada 10-20 x / horahora  Pressão positiva no interior daPressão positiva no interior da salasala ► Fluxos laminares – alto custoFluxos laminares – alto custo
  • 54. VESTUÁRIOVESTUÁRIO ►PropésPropés  Diminuir contaminação vinda  Diminuir contaminação vinda   dos sapatosdos sapatos  Tecido, papel ou plásticoTecido, papel ou plástico  Uso restrito aoUso restrito ao centrocentro cirúrgicocirúrgico  Abolido em alguns lugaresAbolido em alguns lugares ►Troca de gorro, máscara e propés a cadaTroca de gorro, máscara e propés a cada operaçãooperação ►Cirurgias infectadasCirurgias infectadas
  • 55. ETIQUETA NO CENTROETIQUETA NO CENTRO CIRÚRGICOCIRÚRGICO ►Hierarquia na equipeHierarquia na equipe ►SilêncioSilêncio ►Falar baixo, somente o necessárioFalar baixo, somente o necessário ►Música somente se adequadaMúsica somente se adequada ►Respeito aos pacientesRespeito aos pacientes ►Respeito ao pudor do pacienteRespeito ao pudor do paciente ►Respeito àRespeito à psiquepsique do pacientedo paciente ►Nunca deixá-lo só na sala de operaçõesNunca deixá-lo só na sala de operações
  • 56. AtribuiçõesAtribuições MédicasMédicas ► DEFINIÇÕES DEDEFINIÇÕES DE TRATAMENTOTRATAMENTO ► OPÇÃOOPÇÃO ► TRATAMENTOTRATAMENTO CIRÚRGICOCIRÚRGICO ► ORIENTAÇÕESORIENTAÇÕES ► PLANEJAMENTOPLANEJAMENTO ► SOLICITAÇÃO DESOLICITAÇÃO DE EXAMESEXAMES ► RISCOSRISCOS OPERATÓRIOSOPERATÓRIOS
  • 57. ORIENTAÇÕESORIENTAÇÕES ► PERGUNTAS ?PERGUNTAS ? ► JEJUM?JEJUM? ► TRICOTOMIA?TRICOTOMIA? ► USO DE PROTESESUSO DE PROTESES ► ALERGIAS?ALERGIAS? ► SANGRAMENTO?SANGRAMENTO? ► EXAMESEXAMES SOLICITADOS ?SOLICITADOS ? ► ANSIEDADES,MEDOANSIEDADES,MEDO ► TERMO DETERMO DE RESPOSABILIDADERESPOSABILIDADE
  • 58. Preparada para entrar no C.C.Preparada para entrar no C.C. ►TudoTudo começa nacomeça na enfermaria,enfermaria, o controle deo controle de sinais vitais,sinais vitais, o uso dao uso da camisola, ecamisola, e o transporteo transporte até o centroaté o centro cirúrgico.cirúrgico.
  • 60. TransporteTransporte do pacientedo paciente operado.operado. ► Cuidados com drenos, cateteresCuidados com drenos, cateteres sondas,soros,sanguesondas,soros,sangue ► PadrãoPadrão respiratório,temperatura,anestesiarespiratório,temperatura,anestesia ► Obs: A cama de operado.Obs: A cama de operado.
  • 61. DENTRO DA SALADENTRO DA SALA ► POSIÇÃOPOSIÇÃO CIRÚRGICACIRÚRGICA ► CONTROLESCONTROLES ► MATERIAIS FIXOS EMATERIAIS FIXOS E MÓVEISMÓVEIS ► INSTRUMENTOSINSTRUMENTOS ► PRONTRUÁRIOPRONTRUÁRIO ► ACESSO VENOSOACESSO VENOSO
  • 62. Uso de materiais e perfuroUso de materiais e perfuro cortante.cortante.
  • 63. A Sistematização deA Sistematização de EnfermagemEnfermagem PerioperatóriaPerioperatória ► A (SAEP) deve ser realizada para todoA (SAEP) deve ser realizada para todo paciente que for submetido a umpaciente que for submetido a um procedimento anestésico-cirúrgico seráprocedimento anestésico-cirúrgico será avaliado pelo enfermeiro de Centro Cirúrgicoavaliado pelo enfermeiro de Centro Cirúrgico com a aplicação da SAEP, que deverá sercom a aplicação da SAEP, que deverá ser desenvolvida dentro das regras do SAE,desenvolvida dentro das regras do SAE, porém com um enfoque específico aoporém com um enfoque específico ao paciente cirúrgico.paciente cirúrgico.
  • 64. OBJETIVOS DA SAEPOBJETIVOS DA SAEP ► Implantar a assistência de enfermagem integral,Implantar a assistência de enfermagem integral, individualizada e documentada nas fases pré, trans e pós-individualizada e documentada nas fases pré, trans e pós- operatórias;operatórias; ► • •  Levantar e analisar as necessidades individuais doLevantar e analisar as necessidades individuais do paciente a ser submetido ao procedimento anestésico-paciente a ser submetido ao procedimento anestésico- cirúrgico;cirúrgico; ► • •  Ajudar o paciente e sua família a compreender seuAjudar o paciente e sua família a compreender seu problema de saúde, preparando-os para o procedimentoproblema de saúde, preparando-os para o procedimento cirúrgico;cirúrgico; ► • •  Diminuir ao máximo os riscos inerentes ao ambienteDiminuir ao máximo os riscos inerentes ao ambiente cirúrgico;cirúrgico; ► • •  Diminuir a inquietação e a ansiedade do paciente,Diminuir a inquietação e a ansiedade do paciente, contribuindo para sua recuperação.contribuindo para sua recuperação.
  • 65. ASSISTÊNCIA DEASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEMENFERMAGEM► • •  Manter o paciente aquecido, com cobertor ou mantaManter o paciente aquecido, com cobertor ou manta térmica (a manta térmica propicia um aquecimentotérmica (a manta térmica propicia um aquecimento controlado e mais eficaz);controlado e mais eficaz); ► • •  Colocar o massageador e/ou meia elástica nos membrosColocar o massageador e/ou meia elástica nos membros inferiores, como profilático para Trombose venosainferiores, como profilático para Trombose venosa profunda (TVP);profunda (TVP); ► • •  Realizar o cateterismo vesical, quando necessário;Realizar o cateterismo vesical, quando necessário; ► • •  Registrar todos os cuidados de enfermagem prestadosRegistrar todos os cuidados de enfermagem prestados diretamente ao paciente e a evolução;diretamente ao paciente e a evolução; ► • •  Preservar a segurança física e emocional do paciente;Preservar a segurança física e emocional do paciente; ► • •  Rever prescrição de enfermagem e alterando-a, seRever prescrição de enfermagem e alterando-a, se necessário;necessário; ► • •  Realizar prescrição de enfermagem para o pósRealizar prescrição de enfermagem para o pós operatório no final do procedimento.operatório no final do procedimento. ► • •  Manter a família informada sobre o andamento daManter a família informada sobre o andamento da cirurgia.cirurgia.
  • 66. ► Receber o paciente no CC, apresentar-se, verificar aReceber o paciente no CC, apresentar-se, verificar a pulseira de identificação e o prontuário;pulseira de identificação e o prontuário; ► • •  Como condutas de segurança, confirmar informaçõesComo condutas de segurança, confirmar informações sobre o jejum (a partir de que horário), as alergias, assobre o jejum (a partir de que horário), as alergias, as doenças anteriores;doenças anteriores; ► • •  Encaminhar o paciente à sala de cirurgia;Encaminhar o paciente à sala de cirurgia; ► • •  Colocar o paciente na mesa cirúrgica de modoColocar o paciente na mesa cirúrgica de modo confortável e seguro;confortável e seguro; ► • •  Monitorizar o paciente e mantê-lo aquecido;Monitorizar o paciente e mantê-lo aquecido; ► • •  Auxiliar o anestesiologista durante a indução anestésica;Auxiliar o anestesiologista durante a indução anestésica; ► • •  Auxiliar a equipe cirúrgica a posicionar o paciente paraAuxiliar a equipe cirúrgica a posicionar o paciente para cirurgia;cirurgia; ► • •  Proteger a pele do paciente durante a anti-sepsia comProteger a pele do paciente durante a anti-sepsia com produtos químicos,produtos químicos, ► • •  Manter o paciente aquecido, com cobertor ou mantaManter o paciente aquecido, com cobertor ou manta térmica (a manta térmica propicia um aquecimentotérmica (a manta térmica propicia um aquecimento controlado e mais eficaz);controlado e mais eficaz);
  • 67. Trabalhando em centro cirúrgicoTrabalhando em centro cirúrgico
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.                  OO OftalmocenterOftalmocenter oferece aos oftalmologistasoferece aos oftalmologistas sócios e não sócios um centro cirúrgico capacitado asócios e não sócios um centro cirúrgico capacitado a realizar cirurgias com anestesia local ou geral dentrorealizar cirurgias com anestesia local ou geral dentro dos mais rigorosos padrões internacionais, possuindodos mais rigorosos padrões internacionais, possuindo os seguintes equipamentos:os seguintes equipamentos:
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 79. CENTRO CIRÚRGICOCENTRO CIRÚRGICO ► Pequeno portePequeno porte ► Cirurgia plásticaCirurgia plástica
  • 81. Anestesia local.Anestesia local. ► É indicada para operações simples, queÉ indicada para operações simples, que envolvem pequenas áreas, como algumasenvolvem pequenas áreas, como algumas cirurgias plásticas ou para suturar cortescirurgias plásticas ou para suturar cortes (dar pontos).(dar pontos). ► Área de atuaçãoÁrea de atuação ► Torna insensíveis pequenas áreas emTorna insensíveis pequenas áreas em qualquer parte do corpoqualquer parte do corpo
  • 82. ►(1) A aplicação é feita na região onde a(1) A aplicação é feita na região onde a pequena cirurgia será efetuada.pequena cirurgia será efetuada. (2) A agulha penetra na pele, indo até a(2) A agulha penetra na pele, indo até a camada sub-cutânea.camada sub-cutânea. (3) O anestésico não atinge o nervo(3) O anestésico não atinge o nervo propriamente dito, mas terminaçõespropriamente dito, mas terminações nervosas da pelenervosas da pele
  • 83. Anestesia regionalAnestesia regional ► Podem ser de três tipos: bloqueioPodem ser de três tipos: bloqueio de plexo (grupo de nervos),de plexo (grupo de nervos), peridural ou raquianestesiaperidural ou raquianestesia ► Bloqueio de plexo (exemplo noBloqueio de plexo (exemplo no plexo braquial)plexo braquial)
  • 84. Anestesia por bloqueio (Plexo)Anestesia por bloqueio (Plexo)
  • 85. Anestesia de PLEXO braquialAnestesia de PLEXO braquial ► (1) A pessoa recebe uma anestesia local na(1) A pessoa recebe uma anestesia local na região cervical.região cervical. (2) A agulha penetra na pele, passando pelo(2) A agulha penetra na pele, passando pelo músculo até atingir o grupo de nervosmúsculo até atingir o grupo de nervos (plexo braquial).(plexo braquial). (3) O anestésico é injetado e absorvido por(3) O anestésico é injetado e absorvido por todos os nervos.todos os nervos. ► Área de atuaçãoÁrea de atuação Deprime todas as funções do braço,Deprime todas as funções do braço, eliminando a sensibilidade e movimentos.eliminando a sensibilidade e movimentos. .
  • 86. ANESTESIA /RaquianestesiaANESTESIA /Raquianestesia ► De origem grega, a palavra quer dizerDe origem grega, a palavra quer dizer "sem sensibilidade". É o estado de total"sem sensibilidade". É o estado de total ausência de dor durante uma operação,ausência de dor durante uma operação, exame ou curativo.exame ou curativo. ► São indicadas para operações nasSão indicadas para operações nas pernas, abdômen inferior (apendicite,pernas, abdômen inferior (apendicite, útero, ovário, bexiga) e cesarianas. Nosútero, ovário, bexiga) e cesarianas. Nos dois procedimentos, o paciente podedois procedimentos, o paciente pode receber a aplicação deitado, de lado oureceber a aplicação deitado, de lado ou sentado.sentado.
  • 87. ► 3) O anestésico é3) O anestésico é injetado no espaçoinjetado no espaço periduralperidural (camada de(camada de gordura anterior àgordura anterior à duramáter-membranaduramáter-membrana que envolve a medulaque envolve a medula vertebral).vertebral).
  • 88.
  • 89. ► Cuidados com aCuidados com a punçãopunção ► AgulhaAgulha ► CefaléiaCefaléia ► segurançasegurança
  • 90. Anestesia periduralAnestesia peridural ►consiste na injeção de anestésico local aoconsiste na injeção de anestésico local ao redor de uma membrana chamadaredor de uma membrana chamada duramáter que envolve o sistema nervosoduramáter que envolve o sistema nervoso central, através de uma punção ao nívelcentral, através de uma punção ao nível da região lombar mais freqüentemente.da região lombar mais freqüentemente. Este tipo de anestesia bloqueiaEste tipo de anestesia bloqueia completamente a sensibilidade dolorosa,completamente a sensibilidade dolorosa, porém apenas parcialmente o tato e osporém apenas parcialmente o tato e os movimentos de uma determinada região.movimentos de uma determinada região. O paciente permanece lúcidoO paciente permanece lúcido
  • 91. Anestesia periduralAnestesia peridural ►Obtém-se a anestesia peridural injetandoObtém-se a anestesia peridural injetando uma solução de anestésico local no espaçouma solução de anestésico local no espaço epidural. São indicadas para cirurgiasepidural. São indicadas para cirurgias abdominais, parto vaginal, cesáreas,abdominais, parto vaginal, cesáreas, cirurgias ginecológicas, urológicas, plásticacirurgias ginecológicas, urológicas, plástica de abdômen e outras da extremidadede abdômen e outras da extremidade inferior. Também podem ser indicadas eminferior. Também podem ser indicadas em associação com anestesia geral para aassociação com anestesia geral para a realização de cirurgias torácicas.realização de cirurgias torácicas.
  • 92. ► Preparando aPreparando a medicaçãomedicação anestésicaanestésica ► MédicoMédico anestesistaanestesista ► Controles deControles de sinais vitaissinais vitais ► Atuação tempoAtuação tempo integralintegral
  • 93.
  • 95. ► Com a introdução deCom a introdução de agulhas mais finas,agulhas mais finas, descartáveis e menosdescartáveis e menos traumáticas, estatraumáticas, esta técnica novamentetécnica novamente ganhou grandeganhou grande impulso. Porquê aimpulso. Porquê a incidência de cefaléiaincidência de cefaléia diminuiu tanto comdiminuiu tanto com este novoeste novo material ??? Amaterial ??? A resposta é simples:resposta é simples: agulhas melhoresagulhas melhores fazem "furinhos"fazem "furinhos" menores nasmenores nas meninges,meninges, ocasionando menorocasionando menor escape de líquor eescape de líquor e menor probablidademenor probablidade de cefaléia.de cefaléia.
  • 96. Anestesias:geralAnestesias:geral Área de atuação Atua no corpo inteiro, deprimindo todas as funções da pessoa (consciência, dor e reflexos).
  • 98. ► Carro deCarro de anestesiaanestesia
  • 99. RECUPERAÇÃO PÓS-RECUPERAÇÃO PÓS- ANESTÉSICAANESTÉSICA ► Destina-se àsDestina-se às pacientes que sepacientes que se submeteram asubmeteram a procedimentosprocedimentos cirúrgicos comcirúrgicos com anestesia tipoanestesia tipo Raque, PeriduralRaque, Peridural e ou Anestesiae ou Anestesia Geral.Geral.
  • 100. Posto enfermagem de recuperaçãoPosto enfermagem de recuperação pós anestésicapós anestésica
  • 101.
  • 102.
  • 104. FUNÇÕES DO TÉCNICO NAFUNÇÕES DO TÉCNICO NA RPARPA► Receber as informações de como transcorreu o ato anestésico-Receber as informações de como transcorreu o ato anestésico- cirurgico do técnico ou auxiliar de enfermagem e do Conjunto com ocirurgico do técnico ou auxiliar de enfermagem e do Conjunto com o anestesiologista;anestesiologista; ► • •  Fazer exame físico dos pacientes na admissão e na alta daFazer exame físico dos pacientes na admissão e na alta da recuperação anestésica;recuperação anestésica; ► • •  Elaborar o plano de cuidados, supervisionar sua execução e realizarElaborar o plano de cuidados, supervisionar sua execução e realizar os cuidados complexos de Enfermagem com a utilização daos cuidados complexos de Enfermagem com a utilização da Sistematização da Assistência Perioperatória de Enfermagem, desdeSistematização da Assistência Perioperatória de Enfermagem, desde admissão até a alta do paciente na RA;admissão até a alta do paciente na RA; ► • •  Prestar o cuidado de Enfermagem ao paciente, conformePrestar o cuidado de Enfermagem ao paciente, conforme planejamento;planejamento; ► • •  Aplicar o índice de Aldrete e Kroulik, para a avaliar as condições doAplicar o índice de Aldrete e Kroulik, para a avaliar as condições do paciente ao longo de sua permanência;paciente ao longo de sua permanência; ► • •  Avaliar e registrar a evolução clínica do paciente em recuperaçãoAvaliar e registrar a evolução clínica do paciente em recuperação anestésicaanestésica;;
  • 105. ►    Colaborar com o enfermeiro-coordenador na elaboraçãoColaborar com o enfermeiro-coordenador na elaboração de escalas de folgas e férias;de escalas de folgas e férias; ► • •  Elaborar e supervisionar a confecção de escalasElaborar e supervisionar a confecção de escalas mensais, semanais e diárias de trabalho;mensais, semanais e diárias de trabalho; ► • •  Controlar os entorpecentes quanto ao uso nos pacientesControlar os entorpecentes quanto ao uso nos pacientes da unidade e solicitação de reposição;da unidade e solicitação de reposição; ► • •  Participar da educação de pacientes e familiares;Participar da educação de pacientes e familiares; ► • •  Informar e orientar os familiares sobre as condiçõesInformar e orientar os familiares sobre as condições clínicas dos pacientes sob sua responsabilidade;clínicas dos pacientes sob sua responsabilidade; ► • •  Realizar a educação continuada e a capacitação doRealizar a educação continuada e a capacitação do pessoal auxiliar;pessoal auxiliar; ► • •  Ser responsável pelo dimensionamento do seu grupo deSer responsável pelo dimensionamento do seu grupo de trabalho, conforme as necessidades da unidade e o grautrabalho, conforme as necessidades da unidade e o grau de dependência dos pacientes (crianças, idosos, etc);de dependência dos pacientes (crianças, idosos, etc);
  • 106. ► • •  Avaliar e registrar a evolução clínica do paciente emAvaliar e registrar a evolução clínica do paciente em recuperação anestésica;recuperação anestésica; ► • •  Avaliar e registrar as condições clínicas de alta doAvaliar e registrar as condições clínicas de alta do paciente e encaminhar à unidade de origem compaciente e encaminhar à unidade de origem com segurança;segurança; ► • •  Realizar e registrar a avaliação pós-operatória daRealizar e registrar a avaliação pós-operatória da assistência prestada;assistência prestada; ► • •  Participar de estudos e pesquisas como colaborador ouParticipar de estudos e pesquisas como colaborador ou como pesquisador responsável;como pesquisador responsável; ► • •  Identificar, quantitativa e qualitativamente, aIdentificar, quantitativa e qualitativamente, a necessidade de materiais e equipamentos, observando enecessidade de materiais e equipamentos, observando e fazendo observar seus princípios de conservaçãofazendo observar seus princípios de conservação
  • 107. OBRIGADO E SUCESSO!!!OBRIGADO E SUCESSO!!! PROF: MARCELOPROF: MARCELO BORGESBORGES