SlideShare uma empresa Scribd logo
Assistência de enfermagem
ao paciente cirúrgico
Enfermeira Carina Gheno
Introdução
Cirurgia ou operação é o tratamento de doença,
lesão ou deformidade externa e/ou interna com
o objetivo de reparar, corrigir ou aliviar um
problema físico.
Classificação por finalidades
Diagnóstica: Para se visualizar as partes
internas laparotomia exploratória, ou realizar
biópsias.
Curativa: Correção de alterações orgânicas.
Classificação por FINALIDADES
Reconstrutora ou cosmética: Reconstituição,
plástica.
Paliativa: Corrigir algum problema, aliviando os
sintomas da enfermidade, não havendo cura.
Classificação por URGÊNCIA
Emergência: Atenção imediata. O distúrbio
pode ser ameaçador a vida ( sem demora).
Urgência: O paciente precisa de atenção
rápida, (dentro de 24-30hs).
Classificação por URGÊNCIA
 Requerida: O paciente precisa realizar a cirurgia (
planejada dentro de algumas semanas ou meses)
 Eletiva: o paciente pode ser operado, (a não
realização da cirurgia não e catastrófica)
 Opcional: De preferência pessoal.
O cuidado de enfermagem no pré-
operatório
o Abrange desde o momento pela decisão
cirúrgica até a transferência do cliente para a
mesa cirúrgica.
Período pré-operatório
Mediato x Imediato
• Mediato: O cliente é submetido a exames que
auxiliam na confirmação do diagnóstico e que
auxiliarão o planejamento cirúrgico, abrange o
período desde a indicação para a cirurgia até o
dia anterior à mesma.
• Imediato: Corresponde às 24 horas anteriores à
cirurgia, tem por objetivo preparar o cliente para
o ato cirúrgico.
Pré-operatório mediato
Assistência de enfermagem
 Orientar o Jejum de 6-12 horas
antes da cirurgia, com objetivo de
evitar vômitos e prevenir a
aspiração de resíduos alimentares
por ocasião da anestesia.
 Preparo físico e emocional.
 Mensurar dados antropométricos
(peso e altura), sinais vitais para
posteriores comparações,
presença de alergias.
 Encaminhar para realizar
hemograma, raio-x, ECG, TC e
outros.
Pré-operatório imediato
Assistência de enfermagem
 Verificar o prontuário, exames,
consentimento livre informado,
prescrição e registro de
enfermagem e encaminhamento
junto ao paciente
 Certificar do jejum do paciente;
 Administrar medicamento pré-
anestésico (45 a 60 minutos antes
do início da anestesia);
 Banho com antissépticos
específicos na noite anterior e no
dia da cirurgia, tricotomia,
lavagem intestinal, retirada de
objetos pessoais, próteses e outros;
 Vestir o paciente (camisola, gorro,
prope)
Período intra-operatório
o Compreende desde o momento em que o
paciente é recebido na mesa cirúrgica até o
momento de seu encaminhamento para a sala de
pós-recuperação anestésica (SRA), Compreende
desde o início até o final da anestesia.
Sala cirúrgica
Período intra-operatório
Assistência de enfermagem
 Receber o paciente no CC,
apresentar-se ao paciente,
verificar a pulseira de
identificação e o prontuário.
 Confirmar informações sobre
o horário de jejum, alergias,
doenças anteriores como
condutas de segurança;
 Encaminhar o paciente à sala
de operações
 Colocar o paciente na mesa
cirúrgica de modo
confortável e seguro.
Período intra-operatório
Assistência de enfermagem
 Inclui o inicio da infusão venosa, administra
medicamentos endovenosos, a realização de uma
ampla monitorização fisiológica ao longo do
procedimento cirúrgico.
 Auxiliar a equipe cirúrgica a posicionar o paciente
para a cirurgia.
 Auxiliar o anestesiologista durante a indução
anestésica.
Período intra-operatório
Assistência de enfermagem
Realizar o cateterismo vesical do paciente,
quando necessário.
Proteger a pele do paciente durante a anti-sepsia
com produtos químicos, aquecê-lo, promover o
massageamento ou realizar enfaixamento dos
membros, evitando a formação de trombos
vasculares.
Registrar todos os cuidados prestados.
Não podemos esquecer...
o As ações assistenciais desenvolvidas nessa fase
devem atender não só as atividades técnicas mas
também as expectativas do paciente. Toda equipe
deve estar atenta no sentido de oferecer ao
paciente apoio, atenção, respeitando sua crenças,
seus valores, seus medos, suas necessidades,
atendendo-o com segurança, presteza e eficácia.
Cuidado de enfermagem
Pós-operatório
Inicia-se a partir da saída do cliente da sala de
operação e perdura até sua total recuperação.
Pós-operatório imediato (POI): Até às 24
horas posteriores à cirurgia.
Pós-operatório mediato: Após as 24 horas e
até 7 dias depois; e tardio, após 7 dias do
recebimento da alta.
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem
Recuperação pós-anestésica
 O período de recuperação anestésica é considerado
crítico, pois os pacientes encontram-se muitas vezes
inconscientes, entorpecidos e com diminuição dos
reflexos protetores.
 A enfermagem deve estar voltada para a
individualidade de cada paciente, desde a admissão,
até a alta da unidade. (prestando também
informações aos familiares).
Assistência de enfermagem
Pós-operatório imediato
Transferir o paciente da maca para cama,
mantendo o leito na posição horizontal, de
acordo com tipo de cirurgia e anestesia.
Estabilidade hemodinâmica.
Amplitude respiratória normalizadas.
Saturação de O2 nos limites normais.
Estabilidade da temperatura corporal.
Assistência de enfermagem
Pós-operatório imediato
 Verificar sinais de choque, palidez,
pulso rápido e filiforme , pele fria
e úmida, hipotensão, registrar os
valores pressão arterial,
frequência, força e ritmo cardíaco.
 Frequência e profundidade das
respirações, saturação de
oxigênio, coloração da pele e
temperatura, nível consciência.
 Avaliação da permeabilidade da
via aérea , aplicar oxigênio
umidificado através de cânula
nasal ou máscara facial.
Assistência de enfermagem
Pós-operatório imediato
Avaliar condição do local
da cirurgia.
Administrar analgesia
conforme prescrição a
fim de evitar estresse
cirúrgico.
Manter o ambiente calmo
e silencioso.
Atentar para
anormalidades e
complicações pós
operatórias.
Avaliação de enfermagem na alta
SRPA
Recuperação completa da consciência.
Estabilidade cardiovascular.
Função respiratória normal.
Função motora recuperada.
Dor operatória controlada.
Debito urinário de pelo menos 30ml/h.
Saturação oxigênio adequada.
Curativos limpos.
Ausência de sangramentos.
Pós-operatório tardio
 Se relaciona com o desaparecimento dos achados
clínicos (dor, mal estar, instabilidade dos sistemas
ôrganicos).
 Evolução da cicatrização do processo cirúrgico.
 As ações de enfermagem se baseam nas
manifestações do cliente após a cirurgia.
 Orientação do auto cuidado.
OBRIGADO!
Referências
• POTTER, P.A; PERRY, A.G. Fundamentos de Enfermagem. 5.
ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2004.
• NETTINA, S.M. Prática de Enfermagem. 8. Ed. Rio de
Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2007.
• SMELTZER; S.C; BARE, B.G. Brunner & Suddarth: Tratado de
Enfermagem Médico-Cirúrgica. 10ª ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
Rivanilcede
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Clinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdfClinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdf
MuryelleBatista
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
shaxa
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
ClaudenicePereiraPer
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
Wylla Katherine
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Sou Enfermagem
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Raniery Penha
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
Wilmar Ribeiro
 
Posicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdfPosicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdf
Cintia da Cruz Silva
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
Telma Justa Freitas
 
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptxESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
MariaTeresaDaCunha1
 
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptxCENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
AdrianoCosta696471
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
Zeca Ribeiro
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
Luana Santos
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Aline Bandeira
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Francisco da silva Torres
 

Mais procurados (20)

Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Clinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdfClinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdf
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
Posicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdfPosicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdf
 
Apresentação cc
Apresentação ccApresentação cc
Apresentação cc
 
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptxESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
ESTRUTURA DO CME - ALTERADO.pptx
 
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptxCENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
CENTRAL DE MATERIAL ESTERILIZADO - CME AULA 01.pptx
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
 

Semelhante a Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx

Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
Josele Matos
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
RodolfoFreitas21
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
bianca375788
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
gizaraposo
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
Zeca Ribeiro
 
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
Helino Junior
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
Aline Ferreira
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
Eliane Pereira
 
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docxAssistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
carine69
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Karolina Azevedo
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
Eduardo Bernardino
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
EvelineMachado3
 
Pre operativo
Pre operativoPre operativo
Pre operativo
Nelio Dinis
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
Regis Valentim
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
ssuser51d27c1
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
RosaSantos738119
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
ElainneChrisFerreira
 
Clínica Cirúrgica.pdf
Clínica Cirúrgica.pdfClínica Cirúrgica.pdf
Clínica Cirúrgica.pdf
IsabelaVarjo
 

Semelhante a Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx (20)

Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docxAssistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
Pre operativo
Pre operativoPre operativo
Pre operativo
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
 
Clínica Cirúrgica.pdf
Clínica Cirúrgica.pdfClínica Cirúrgica.pdf
Clínica Cirúrgica.pdf
 

Mais de EnfermagemUniavan

SAÚDE DO IDOSO.pptx
SAÚDE DO IDOSO.pptxSAÚDE DO IDOSO.pptx
SAÚDE DO IDOSO.pptx
EnfermagemUniavan
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
EnfermagemUniavan
 
Saude do Homem.ppt
Saude do Homem.pptSaude do Homem.ppt
Saude do Homem.ppt
EnfermagemUniavan
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
EnfermagemUniavan
 
Apresentação para a ESF.pptx
Apresentação para a ESF.pptxApresentação para a ESF.pptx
Apresentação para a ESF.pptx
EnfermagemUniavan
 
RADIOTERAPIA.pdf
RADIOTERAPIA.pdfRADIOTERAPIA.pdf
RADIOTERAPIA.pdf
EnfermagemUniavan
 
Câncer_tratamento-quimiterápico (1).pdf
Câncer_tratamento-quimiterápico (1).pdfCâncer_tratamento-quimiterápico (1).pdf
Câncer_tratamento-quimiterápico (1).pdf
EnfermagemUniavan
 
Aula de cateteres.pdf
Aula de cateteres.pdfAula de cateteres.pdf
Aula de cateteres.pdf
EnfermagemUniavan
 
H1N1.pdf
H1N1.pdfH1N1.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfAULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
EnfermagemUniavan
 
AULA 1 CURATIVOS.pdf
AULA 1 CURATIVOS.pdfAULA 1 CURATIVOS.pdf
AULA 1 CURATIVOS.pdf
EnfermagemUniavan
 
Assistência de enfermagem na Saúde da Mulher (1).pdf
Assistência de enfermagem na Saúde da Mulher (1).pdfAssistência de enfermagem na Saúde da Mulher (1).pdf
Assistência de enfermagem na Saúde da Mulher (1).pdf
EnfermagemUniavan
 
slide amanda 1.ppt
slide amanda 1.pptslide amanda 1.ppt
slide amanda 1.ppt
EnfermagemUniavan
 
Aula feridas.pptx
Aula feridas.pptxAula feridas.pptx
Aula feridas.pptx
EnfermagemUniavan
 

Mais de EnfermagemUniavan (14)

SAÚDE DO IDOSO.pptx
SAÚDE DO IDOSO.pptxSAÚDE DO IDOSO.pptx
SAÚDE DO IDOSO.pptx
 
acessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptxacessos vasculare 2.pptx
acessos vasculare 2.pptx
 
Saude do Homem.ppt
Saude do Homem.pptSaude do Homem.ppt
Saude do Homem.ppt
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Apresentação para a ESF.pptx
Apresentação para a ESF.pptxApresentação para a ESF.pptx
Apresentação para a ESF.pptx
 
RADIOTERAPIA.pdf
RADIOTERAPIA.pdfRADIOTERAPIA.pdf
RADIOTERAPIA.pdf
 
Câncer_tratamento-quimiterápico (1).pdf
Câncer_tratamento-quimiterápico (1).pdfCâncer_tratamento-quimiterápico (1).pdf
Câncer_tratamento-quimiterápico (1).pdf
 
Aula de cateteres.pdf
Aula de cateteres.pdfAula de cateteres.pdf
Aula de cateteres.pdf
 
H1N1.pdf
H1N1.pdfH1N1.pdf
H1N1.pdf
 
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdfAULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
AULA ENFERMAGEM PERIOP 03-03-23.pdf
 
AULA 1 CURATIVOS.pdf
AULA 1 CURATIVOS.pdfAULA 1 CURATIVOS.pdf
AULA 1 CURATIVOS.pdf
 
Assistência de enfermagem na Saúde da Mulher (1).pdf
Assistência de enfermagem na Saúde da Mulher (1).pdfAssistência de enfermagem na Saúde da Mulher (1).pdf
Assistência de enfermagem na Saúde da Mulher (1).pdf
 
slide amanda 1.ppt
slide amanda 1.pptslide amanda 1.ppt
slide amanda 1.ppt
 
Aula feridas.pptx
Aula feridas.pptxAula feridas.pptx
Aula feridas.pptx
 

Último

A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
João de Paula Ribeiro Neto
 

Último (8)

A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxFoi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Foi por amor.pptx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applicationsIntroduction to EFFECTUATION concepts and applications
Introduction to EFFECTUATION concepts and applications
 

Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx

  • 1. Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico Enfermeira Carina Gheno
  • 2. Introdução Cirurgia ou operação é o tratamento de doença, lesão ou deformidade externa e/ou interna com o objetivo de reparar, corrigir ou aliviar um problema físico.
  • 3. Classificação por finalidades Diagnóstica: Para se visualizar as partes internas laparotomia exploratória, ou realizar biópsias. Curativa: Correção de alterações orgânicas.
  • 4. Classificação por FINALIDADES Reconstrutora ou cosmética: Reconstituição, plástica. Paliativa: Corrigir algum problema, aliviando os sintomas da enfermidade, não havendo cura.
  • 5. Classificação por URGÊNCIA Emergência: Atenção imediata. O distúrbio pode ser ameaçador a vida ( sem demora). Urgência: O paciente precisa de atenção rápida, (dentro de 24-30hs).
  • 6. Classificação por URGÊNCIA  Requerida: O paciente precisa realizar a cirurgia ( planejada dentro de algumas semanas ou meses)  Eletiva: o paciente pode ser operado, (a não realização da cirurgia não e catastrófica)  Opcional: De preferência pessoal.
  • 7. O cuidado de enfermagem no pré- operatório o Abrange desde o momento pela decisão cirúrgica até a transferência do cliente para a mesa cirúrgica.
  • 8. Período pré-operatório Mediato x Imediato • Mediato: O cliente é submetido a exames que auxiliam na confirmação do diagnóstico e que auxiliarão o planejamento cirúrgico, abrange o período desde a indicação para a cirurgia até o dia anterior à mesma. • Imediato: Corresponde às 24 horas anteriores à cirurgia, tem por objetivo preparar o cliente para o ato cirúrgico.
  • 9. Pré-operatório mediato Assistência de enfermagem  Orientar o Jejum de 6-12 horas antes da cirurgia, com objetivo de evitar vômitos e prevenir a aspiração de resíduos alimentares por ocasião da anestesia.  Preparo físico e emocional.  Mensurar dados antropométricos (peso e altura), sinais vitais para posteriores comparações, presença de alergias.  Encaminhar para realizar hemograma, raio-x, ECG, TC e outros.
  • 10. Pré-operatório imediato Assistência de enfermagem  Verificar o prontuário, exames, consentimento livre informado, prescrição e registro de enfermagem e encaminhamento junto ao paciente  Certificar do jejum do paciente;  Administrar medicamento pré- anestésico (45 a 60 minutos antes do início da anestesia);  Banho com antissépticos específicos na noite anterior e no dia da cirurgia, tricotomia, lavagem intestinal, retirada de objetos pessoais, próteses e outros;  Vestir o paciente (camisola, gorro, prope)
  • 11. Período intra-operatório o Compreende desde o momento em que o paciente é recebido na mesa cirúrgica até o momento de seu encaminhamento para a sala de pós-recuperação anestésica (SRA), Compreende desde o início até o final da anestesia.
  • 13. Período intra-operatório Assistência de enfermagem  Receber o paciente no CC, apresentar-se ao paciente, verificar a pulseira de identificação e o prontuário.  Confirmar informações sobre o horário de jejum, alergias, doenças anteriores como condutas de segurança;  Encaminhar o paciente à sala de operações  Colocar o paciente na mesa cirúrgica de modo confortável e seguro.
  • 14. Período intra-operatório Assistência de enfermagem  Inclui o inicio da infusão venosa, administra medicamentos endovenosos, a realização de uma ampla monitorização fisiológica ao longo do procedimento cirúrgico.  Auxiliar a equipe cirúrgica a posicionar o paciente para a cirurgia.  Auxiliar o anestesiologista durante a indução anestésica.
  • 15. Período intra-operatório Assistência de enfermagem Realizar o cateterismo vesical do paciente, quando necessário. Proteger a pele do paciente durante a anti-sepsia com produtos químicos, aquecê-lo, promover o massageamento ou realizar enfaixamento dos membros, evitando a formação de trombos vasculares. Registrar todos os cuidados prestados.
  • 16. Não podemos esquecer... o As ações assistenciais desenvolvidas nessa fase devem atender não só as atividades técnicas mas também as expectativas do paciente. Toda equipe deve estar atenta no sentido de oferecer ao paciente apoio, atenção, respeitando sua crenças, seus valores, seus medos, suas necessidades, atendendo-o com segurança, presteza e eficácia.
  • 17. Cuidado de enfermagem Pós-operatório Inicia-se a partir da saída do cliente da sala de operação e perdura até sua total recuperação. Pós-operatório imediato (POI): Até às 24 horas posteriores à cirurgia. Pós-operatório mediato: Após as 24 horas e até 7 dias depois; e tardio, após 7 dias do recebimento da alta.
  • 19. Assistência de enfermagem Recuperação pós-anestésica  O período de recuperação anestésica é considerado crítico, pois os pacientes encontram-se muitas vezes inconscientes, entorpecidos e com diminuição dos reflexos protetores.  A enfermagem deve estar voltada para a individualidade de cada paciente, desde a admissão, até a alta da unidade. (prestando também informações aos familiares).
  • 20. Assistência de enfermagem Pós-operatório imediato Transferir o paciente da maca para cama, mantendo o leito na posição horizontal, de acordo com tipo de cirurgia e anestesia. Estabilidade hemodinâmica. Amplitude respiratória normalizadas. Saturação de O2 nos limites normais. Estabilidade da temperatura corporal.
  • 21. Assistência de enfermagem Pós-operatório imediato  Verificar sinais de choque, palidez, pulso rápido e filiforme , pele fria e úmida, hipotensão, registrar os valores pressão arterial, frequência, força e ritmo cardíaco.  Frequência e profundidade das respirações, saturação de oxigênio, coloração da pele e temperatura, nível consciência.  Avaliação da permeabilidade da via aérea , aplicar oxigênio umidificado através de cânula nasal ou máscara facial.
  • 22. Assistência de enfermagem Pós-operatório imediato Avaliar condição do local da cirurgia. Administrar analgesia conforme prescrição a fim de evitar estresse cirúrgico. Manter o ambiente calmo e silencioso. Atentar para anormalidades e complicações pós operatórias.
  • 23. Avaliação de enfermagem na alta SRPA Recuperação completa da consciência. Estabilidade cardiovascular. Função respiratória normal. Função motora recuperada. Dor operatória controlada. Debito urinário de pelo menos 30ml/h. Saturação oxigênio adequada. Curativos limpos. Ausência de sangramentos.
  • 24. Pós-operatório tardio  Se relaciona com o desaparecimento dos achados clínicos (dor, mal estar, instabilidade dos sistemas ôrganicos).  Evolução da cicatrização do processo cirúrgico.  As ações de enfermagem se baseam nas manifestações do cliente após a cirurgia.  Orientação do auto cuidado.
  • 26. Referências • POTTER, P.A; PERRY, A.G. Fundamentos de Enfermagem. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2004. • NETTINA, S.M. Prática de Enfermagem. 8. Ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2007. • SMELTZER; S.C; BARE, B.G. Brunner & Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

Notas do Editor

  1. A primeira imagem mostra uma biópsia de pele, representando a cirurgia diagnóstica. Já a segunda retrata a cirurgia de câncer de mama.