SlideShare uma empresa Scribd logo
Centro Cirurgico
PROFª ANDRESSA SILVA
Orientações para Estudo!
Para refletir
Sugestão de leitura
Saber mais
Importante
Síntese
Aula 3
TEMAS:
-RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA (RPA)
Recuperação Pós-Anestésica (RPA)
Recuperação Anestésica
❖A Sala de Recuperação Pós-Anestésica (SRPA) é um ambiente especialmente projetado para o cuidado de
pacientes que acabaram de passar por uma cirurgia e que estão se recuperando da anestesia.
❖O principal objetivo da SRPA é monitorar e tratar possíveis complicações que possam surgir
no Pós-Operatório Imediato, como dor, náusea, vômitos e problemas respiratórios.
❖A SRPA permite que os pacientes sejam avaliados quanto ao seu estado de saúde geral, garantindo que
eles estejam aptos a voltar para o quarto ou receber alta hospitalar com segurança.
Neste setor a equipe é composta por técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos anestesiologistas
e outros profissionais de saúde treinados em cuidados pós-operatórios, que trabalham em conjunto para
garantir a recuperação adequada e rápida dos pacientes.
❖A SRPA é geralmente dividida em
blocos privados ou semi-privados,
cada um equipado com um sistema
de chamada de enfermagem para os
pacientes poderem receber atenção
imediata, se necessário.
❖Em alguns casos, o setor,
pode oferecer suporte a
familiares, permitindo que
eles acompanhem o
paciente durante o período
de recuperação.
❖Ex: a mãe fica junto com a
criança na sala de RPA.
Cuidados de Enfermagem na SRPA segundo o Programa
Nacional de Segurança do Paciente (PNSP)
1- Identificação do paciente: Verificar pelo menos dois identificadores, como nome completo e data de
nascimento, antes de administrar qualquer medicação ou realizar qualquer procedimento.
2- Prevenção de quedas: Avaliar o risco de queda e implementar medidas de prevenção, como o uso de grades
laterais na cama e a assistência para o paciente se levantar e andar.
3- Prevenção de infecções: Seguir as precauções padrão para prevenir infecções, como a lavagem adequada
das mãos, a utilização de equipamentos de proteção individual e a desinfecção de superfícies e equipamentos.
4- Prevenção de lesões por pressão: Avaliar o risco de lesões por pressão do paciente e implementar medidas
preventivas, como a mudança de posição frequente e o uso de colchões especiais.
Cuidados de Enfermagem na SRPA segundo o Programa
Nacional de Segurança do Paciente (PNSP)
5- Administração segura de medicamentos: Os técnicos de enfermagem, devem seguir as regras de
administração de medicamentos, verificando a prescrição médica, a dose e a via de administração correta.
6- Comunicação efetiva: Fornecer informações claras e precisas ao paciente e à família sobre o estado de
saúde, o tratamento e os cuidados necessários.
7- Monitorização e resposta a eventos adversos: Monitorar a eventos adversos, como hipotensão,
hipoxemia, dor intensa e náusea e vômito pós-operatório.
8- Prevenção de quedas de extensão de tubos e drenos: Fixar corretamente os tubos e drenos do paciente
para evitar quedas e desconexões acidentais.
9- Identificação de alergias e reações adversas: verificar a presença de alergias e reações adversas antes
da administração de qualquer medicamento e notificar a equipe médica imediatamente.
Competências do Técnico de Enfermagem
Competências do Técnico de
Enfermagem
1- Auxiliar na monitorização dos sinais vitais: deve realizar a monitorização dos
sinais vitais dos pacientes, incluindo a saturação de oxigênio no sangue.
2- Observar o estado geral do paciente: observar o estado geral do paciente,
verificando se há alterações nos sinais vitais, no nível de consciência ou na aparência
geral.
3- Auxiliar no controle da dor: realizar medicação e administração de analgésicos
conforme prescrito pelo médico, para controlar a dor e o desconforto dos pacientes.
4- Auxiliar no cuidado com as feridas: realizar a troca de curativos
e observando o local da incisão para detectar sinais de infecção ou
hemorragia no pós- operatório.
5- Auxiliar no gerenciamento de fluidos e eletrólitos: realizar o
monitoramento dos níveis de fluidos e eletrólitos dos pacientes,
ajudando na administração de líquidos e eletrólitos, conforme
necessário.
6- Realizar medidas de higiene e conforto: realizar medidas de
higiene, ajudando na limpeza e troca de roupas de cama se necessário.
Competências do Técnico de
Enfermagem
Complicaçõe
s na RPA
Complicações na RPA
1.Náuseas e vômitos: podem ocorrer devido aos efeitos da anestesia no sistema nervoso e gastrointestinal.
2.Dor: pode ser causada pela cirurgia, pela posição em que o paciente foi colocado durante a cirurgia ou por procedimentos invasivos
realizados durante a operação.
3.Complicações respiratórias: as complicações respiratórias podem incluir hipoxemia (baixa oxigenação do sangue), atelectasia
(colapso do tecido pulmonar) e pneumonia.
4.Complicações cardiovasculares: pode ocorrer complicações como hipotensão (pressão arterial baixa), hipertensão (pressão
arterial alta) ou arritmias cardíacas.
5.Complicações neurológicas: pode ocorrer complicações como dor de cabeça, confusão, tontura, visão turva ou perda de memória
temporária.
6.Complicações de feridas cirúrgicas: pode ocorrer um hematoma ou sangramento através da incisão).
7.Reações alérgicas: os pacientes podem desenvolver uma reação alérgica à anestesia, o que pode causar sintomas como urticária,
coceira, inchaço ou dificuldade para respirar.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula recuperação pos anestesica.pdf

1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
ssuser51d27c1
 
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Dario Barbosa
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
Aline Ferreira
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Uti
UtiUti
Uti
UtiUti
cirurgia..................................................
cirurgia..................................................cirurgia..................................................
cirurgia..................................................
joseantoniodesouza72
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
César Müller
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
Rodrigo Abreu
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Karolina Azevedo
 
enfermagem perioperatoria [Salvo automaticamente].pptx
enfermagem perioperatoria [Salvo automaticamente].pptxenfermagem perioperatoria [Salvo automaticamente].pptx
enfermagem perioperatoria [Salvo automaticamente].pptx
anabeltrao4
 
cirurgia urologica.pptx.........................
cirurgia urologica.pptx.........................cirurgia urologica.pptx.........................
cirurgia urologica.pptx.........................
joseantoniodesouza72
 
Cirurgias gástricas
Cirurgias gástricasCirurgias gástricas
Cirurgias gástricas
Cintia da Cruz Silva
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
doriene
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
contatofelipearaujos
 
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02   avaliação pré-anestésicaAnestesiologia 02   avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
Jucie Vasconcelos
 
Ações Do Técnico de Enfermagem na UTI (1).pptx
Ações Do Técnico de Enfermagem na UTI (1).pptxAções Do Técnico de Enfermagem na UTI (1).pptx
Ações Do Técnico de Enfermagem na UTI (1).pptx
THIALYMARIASILVADACU
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 

Semelhante a aula recuperação pos anestesica.pdf (20)

1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
1 ENCONTRO CONCEITOS UTI.pptx
 
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
Ead enfermagem a distância-material do curso[procedimentos técnicos em uti] (1)
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Uti
UtiUti
Uti
 
cirurgia..................................................
cirurgia..................................................cirurgia..................................................
cirurgia..................................................
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Ciclo iii 03
Ciclo iii 03Ciclo iii 03
Ciclo iii 03
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
 
enfermagem perioperatoria [Salvo automaticamente].pptx
enfermagem perioperatoria [Salvo automaticamente].pptxenfermagem perioperatoria [Salvo automaticamente].pptx
enfermagem perioperatoria [Salvo automaticamente].pptx
 
cirurgia urologica.pptx.........................
cirurgia urologica.pptx.........................cirurgia urologica.pptx.........................
cirurgia urologica.pptx.........................
 
Cirurgias gástricas
Cirurgias gástricasCirurgias gástricas
Cirurgias gástricas
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02   avaliação pré-anestésicaAnestesiologia 02   avaliação pré-anestésica
Anestesiologia 02 avaliação pré-anestésica
 
Ações Do Técnico de Enfermagem na UTI (1).pptx
Ações Do Técnico de Enfermagem na UTI (1).pptxAções Do Técnico de Enfermagem na UTI (1).pptx
Ações Do Técnico de Enfermagem na UTI (1).pptx
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 

Mais de luciaitsp

Introdutorio_Trabalho_em_equipe. em eticapptx
Introdutorio_Trabalho_em_equipe. em eticapptxIntrodutorio_Trabalho_em_equipe. em eticapptx
Introdutorio_Trabalho_em_equipe. em eticapptx
luciaitsp
 
AULA DE ENFERMAGEM: TRABALHO EM EQUIPE PPT
AULA DE ENFERMAGEM: TRABALHO EM EQUIPE PPTAULA DE ENFERMAGEM: TRABALHO EM EQUIPE PPT
AULA DE ENFERMAGEM: TRABALHO EM EQUIPE PPT
luciaitsp
 
AULA BACTÉRIA 2 Tenf 10.pptx
AULA BACTÉRIA 2 Tenf 10.pptxAULA BACTÉRIA 2 Tenf 10.pptx
AULA BACTÉRIA 2 Tenf 10.pptx
luciaitsp
 
CANAL EMPATIA.pptx
CANAL EMPATIA.pptxCANAL EMPATIA.pptx
CANAL EMPATIA.pptx
luciaitsp
 
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6183_1569529018395_KComissaoPermanenteCDH20190926EXT107_...
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6183_1569529018395_KComissaoPermanenteCDH20190926EXT107_...DOC_PARTICIPANTE_EVT_6183_1569529018395_KComissaoPermanenteCDH20190926EXT107_...
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6183_1569529018395_KComissaoPermanenteCDH20190926EXT107_...
luciaitsp
 
tipo3.pptx
tipo3.pptxtipo3.pptx
tipo3.pptx
luciaitsp
 
anotação ITSP.pptx
anotação ITSP.pptxanotação ITSP.pptx
anotação ITSP.pptx
luciaitsp
 
arrumação de leito.pptx
arrumação de leito.pptxarrumação de leito.pptx
arrumação de leito.pptx
luciaitsp
 
AULA ESSENCIA DO SER.pptx
AULA ESSENCIA DO SER.pptxAULA ESSENCIA DO SER.pptx
AULA ESSENCIA DO SER.pptx
luciaitsp
 
SONHOS
SONHOSSONHOS
SONHOS
luciaitsp
 
ADOLESCENCIA.pptx
ADOLESCENCIA.pptxADOLESCENCIA.pptx
ADOLESCENCIA.pptx
luciaitsp
 
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptxDOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
luciaitsp
 
aula seringa e agulha.pptx
aula seringa e agulha.pptxaula seringa e agulha.pptx
aula seringa e agulha.pptx
luciaitsp
 

Mais de luciaitsp (13)

Introdutorio_Trabalho_em_equipe. em eticapptx
Introdutorio_Trabalho_em_equipe. em eticapptxIntrodutorio_Trabalho_em_equipe. em eticapptx
Introdutorio_Trabalho_em_equipe. em eticapptx
 
AULA DE ENFERMAGEM: TRABALHO EM EQUIPE PPT
AULA DE ENFERMAGEM: TRABALHO EM EQUIPE PPTAULA DE ENFERMAGEM: TRABALHO EM EQUIPE PPT
AULA DE ENFERMAGEM: TRABALHO EM EQUIPE PPT
 
AULA BACTÉRIA 2 Tenf 10.pptx
AULA BACTÉRIA 2 Tenf 10.pptxAULA BACTÉRIA 2 Tenf 10.pptx
AULA BACTÉRIA 2 Tenf 10.pptx
 
CANAL EMPATIA.pptx
CANAL EMPATIA.pptxCANAL EMPATIA.pptx
CANAL EMPATIA.pptx
 
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6183_1569529018395_KComissaoPermanenteCDH20190926EXT107_...
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6183_1569529018395_KComissaoPermanenteCDH20190926EXT107_...DOC_PARTICIPANTE_EVT_6183_1569529018395_KComissaoPermanenteCDH20190926EXT107_...
DOC_PARTICIPANTE_EVT_6183_1569529018395_KComissaoPermanenteCDH20190926EXT107_...
 
tipo3.pptx
tipo3.pptxtipo3.pptx
tipo3.pptx
 
anotação ITSP.pptx
anotação ITSP.pptxanotação ITSP.pptx
anotação ITSP.pptx
 
arrumação de leito.pptx
arrumação de leito.pptxarrumação de leito.pptx
arrumação de leito.pptx
 
AULA ESSENCIA DO SER.pptx
AULA ESSENCIA DO SER.pptxAULA ESSENCIA DO SER.pptx
AULA ESSENCIA DO SER.pptx
 
SONHOS
SONHOSSONHOS
SONHOS
 
ADOLESCENCIA.pptx
ADOLESCENCIA.pptxADOLESCENCIA.pptx
ADOLESCENCIA.pptx
 
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptxDOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
DOENÇAS INFECCIOSAS TÍPICAS DA INFÂNCIA.pptx
 
aula seringa e agulha.pptx
aula seringa e agulha.pptxaula seringa e agulha.pptx
aula seringa e agulha.pptx
 

aula recuperação pos anestesica.pdf

  • 2. Orientações para Estudo! Para refletir Sugestão de leitura Saber mais Importante Síntese
  • 5. Recuperação Anestésica ❖A Sala de Recuperação Pós-Anestésica (SRPA) é um ambiente especialmente projetado para o cuidado de pacientes que acabaram de passar por uma cirurgia e que estão se recuperando da anestesia. ❖O principal objetivo da SRPA é monitorar e tratar possíveis complicações que possam surgir no Pós-Operatório Imediato, como dor, náusea, vômitos e problemas respiratórios. ❖A SRPA permite que os pacientes sejam avaliados quanto ao seu estado de saúde geral, garantindo que eles estejam aptos a voltar para o quarto ou receber alta hospitalar com segurança. Neste setor a equipe é composta por técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos anestesiologistas e outros profissionais de saúde treinados em cuidados pós-operatórios, que trabalham em conjunto para garantir a recuperação adequada e rápida dos pacientes.
  • 6. ❖A SRPA é geralmente dividida em blocos privados ou semi-privados, cada um equipado com um sistema de chamada de enfermagem para os pacientes poderem receber atenção imediata, se necessário.
  • 7. ❖Em alguns casos, o setor, pode oferecer suporte a familiares, permitindo que eles acompanhem o paciente durante o período de recuperação. ❖Ex: a mãe fica junto com a criança na sala de RPA.
  • 8. Cuidados de Enfermagem na SRPA segundo o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) 1- Identificação do paciente: Verificar pelo menos dois identificadores, como nome completo e data de nascimento, antes de administrar qualquer medicação ou realizar qualquer procedimento. 2- Prevenção de quedas: Avaliar o risco de queda e implementar medidas de prevenção, como o uso de grades laterais na cama e a assistência para o paciente se levantar e andar. 3- Prevenção de infecções: Seguir as precauções padrão para prevenir infecções, como a lavagem adequada das mãos, a utilização de equipamentos de proteção individual e a desinfecção de superfícies e equipamentos. 4- Prevenção de lesões por pressão: Avaliar o risco de lesões por pressão do paciente e implementar medidas preventivas, como a mudança de posição frequente e o uso de colchões especiais.
  • 9. Cuidados de Enfermagem na SRPA segundo o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP) 5- Administração segura de medicamentos: Os técnicos de enfermagem, devem seguir as regras de administração de medicamentos, verificando a prescrição médica, a dose e a via de administração correta. 6- Comunicação efetiva: Fornecer informações claras e precisas ao paciente e à família sobre o estado de saúde, o tratamento e os cuidados necessários. 7- Monitorização e resposta a eventos adversos: Monitorar a eventos adversos, como hipotensão, hipoxemia, dor intensa e náusea e vômito pós-operatório. 8- Prevenção de quedas de extensão de tubos e drenos: Fixar corretamente os tubos e drenos do paciente para evitar quedas e desconexões acidentais. 9- Identificação de alergias e reações adversas: verificar a presença de alergias e reações adversas antes da administração de qualquer medicamento e notificar a equipe médica imediatamente.
  • 10. Competências do Técnico de Enfermagem
  • 11. Competências do Técnico de Enfermagem 1- Auxiliar na monitorização dos sinais vitais: deve realizar a monitorização dos sinais vitais dos pacientes, incluindo a saturação de oxigênio no sangue. 2- Observar o estado geral do paciente: observar o estado geral do paciente, verificando se há alterações nos sinais vitais, no nível de consciência ou na aparência geral. 3- Auxiliar no controle da dor: realizar medicação e administração de analgésicos conforme prescrito pelo médico, para controlar a dor e o desconforto dos pacientes.
  • 12. 4- Auxiliar no cuidado com as feridas: realizar a troca de curativos e observando o local da incisão para detectar sinais de infecção ou hemorragia no pós- operatório. 5- Auxiliar no gerenciamento de fluidos e eletrólitos: realizar o monitoramento dos níveis de fluidos e eletrólitos dos pacientes, ajudando na administração de líquidos e eletrólitos, conforme necessário. 6- Realizar medidas de higiene e conforto: realizar medidas de higiene, ajudando na limpeza e troca de roupas de cama se necessário. Competências do Técnico de Enfermagem
  • 14. Complicações na RPA 1.Náuseas e vômitos: podem ocorrer devido aos efeitos da anestesia no sistema nervoso e gastrointestinal. 2.Dor: pode ser causada pela cirurgia, pela posição em que o paciente foi colocado durante a cirurgia ou por procedimentos invasivos realizados durante a operação. 3.Complicações respiratórias: as complicações respiratórias podem incluir hipoxemia (baixa oxigenação do sangue), atelectasia (colapso do tecido pulmonar) e pneumonia. 4.Complicações cardiovasculares: pode ocorrer complicações como hipotensão (pressão arterial baixa), hipertensão (pressão arterial alta) ou arritmias cardíacas. 5.Complicações neurológicas: pode ocorrer complicações como dor de cabeça, confusão, tontura, visão turva ou perda de memória temporária. 6.Complicações de feridas cirúrgicas: pode ocorrer um hematoma ou sangramento através da incisão). 7.Reações alérgicas: os pacientes podem desenvolver uma reação alérgica à anestesia, o que pode causar sintomas como urticária, coceira, inchaço ou dificuldade para respirar.