SlideShare uma empresa Scribd logo
O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e
também um fator chave no desempenho do procedimento
seguro e eficiente, por meio da aplicação de
conhecimentos relacionados à anatomia, fisiologia e
patologia.
 Deverá expor somente a área cirúrgica, de modo que permita
uma boa visibilidade e movimentação do cirurgião e da
equipe;
 Deverá oferecer o mínimo de desconforto possível ao
paciente;
 Deverá seguir os princípios do alinhamento corporal;
 Deverá permitir a desobstrução do suprimento vascular;
 Proporcionar acesso para a administração de soluções
endovenosas, drogas, agentes anestésicos.
 Não deverá ter interferência na respiração;
 Deverá proteger os nervos, músculos, pele contra pressão
indevida;
 Deverá ser observada a precaução quanto à segurança do
paciente em relação ao peso, à idade, à altura e à
deformidade física, respeitando seus limites anatômicos e
fisiológicos.
Mesas cirúrgicas
Treinamento da equipe de enfermagem
Parceria com a equipe médica
a. Colchonetes
b. Braçadeiras
c. Travesseiros
d. Perneiras
e. Fixadores de braços e pernas
f. Colchão piramidal (caixa de ovo)
g. Protetores de calcâneo
h. Protetores crânio – faciais.
Posição em que o paciente
fica deitado de costas com os
braços e pernas estendidas ao
longo da mesa.
O paciente fica deitado com
abdome para baixo. Indicada
para cirurgias da região dorsal,
lombar, sacrococcígea e
occipital.
Paciente colocado em DD, com
cabeça e tronco em níveis mais
baixos que os membros inferiores.
Paciente estará em decúbito dorsal
com elevação da cabeça e tórax e
abaixamento do MMII.
O paciente é colocado sobre uma mesa cirúrgica na posição
head up, pés para baixo.
Paciente permanece parcialmente
sentado na mesa.
Essa é a posição sentada propriamente
dita, isto é, em ângulo de 90º. Flexiona-
se a parte dos MMII para prevenção de
quedas.
Paciente em DD com as pernas flexionadas, afastadas, e apoiadas em
perneiras acolchoada e os braços apoiados em talas.
Paciente em DV na qual são levemente inclinadas, ficando os braços e pernas
em posição oposta. Com os braços apoiados em talas. É a posição derivada
da ventral, na qual os MMII, tórax e MMSS são abaixados de forma que o
corpo fique fletido sobre a mesa, mantendo-se a região a ser operada em
plano mais elevado.
Paciente permanece em decúbito lateral, esquerdo ou direito, com a
perna que esta do lado de cima flexionada, afastada e apoiada.
As úlceras de pressão podem ser descritas como qualquer lesão
causada por pressão não aliviada que resulta em danos aos tecidos
adjacentes (subcutâneo, músculos, articulações e ossos), ocorrem
geralmente nas regiões de proeminências ósseas e são graduadas
em estágios I, II, III e IV. para classificar o grau de dano observado
nos tecidos. A incidência do desenvolvimento dessas lesões, durante
o período perioperatório, foi determinada como sendo entre 12 e
25% por autores que avaliaram esse evento.
As queimaduras elétricas consistem em outra forma de lesão que
pode acometer o paciente cirúrgico, principalmente pelo uso da
unidade de eletrocirurgia, apesar de os riscos terem sido reduzidos
com o avanço tecnológico, não se pode esquecer que o corpo do
paciente é parte integrante do circuito elétrico e, portanto, falhas
nesse circuito poderão causar danos variados.
A Lei 272/2002 diz que a implementação da SAE constitui de
melhoria para a qualidade da assistência, e incumbem todas suas
etapas ao enfermeiro, devido ao seu conhecimento técnico e
científico. Privativamente cabe ao enfermeiro:
1 – Histórico de Enfermagem;
2 – Diagnóstico de Enfermagem;
3 – Plano Assistencial;
4 – Plano de Cuidados ou Prescrição de Enfermagem;
5 – Evolução;
6 – Prognóstico.
J.A.A. 45 anos, sexo Fem., Cor negra, Divorciada, 4 filhos, Natural de Belo
Horizonte - MG, Residente em São Paulo – SP. Há 20 anos. Evangélica
Pentecostal, Ensino Fundamental, Auxiliar de Produção em Metalúrgica.
Hipertensa, nega vícios, pais falecidos devido AVE, Nega alergias, 70 kg,
1,67cm. Chega a esta unidade na presente data para cirurgia eletiva de
Hemorroidectomia. Achados: BEG, corada, afebril, PA 130x80, deambula
sem dificuldades, orientada, refere fazer uso do hipertensivo captopril 25mg
e Atenolol (não lembra a miligramagem) uma vez ao dia em uso continuo e
dieta hipossódica segundo prescrição de profissional médico em UBS.
Queixa-se de angina anal devido quadro clínico, sendo neste momento
admitida nesta unidade de clínica médica.
Paciente admitida no Centro Cirúrgico para cirurgia eletiva de
Hemorroidectomia encontra-se em jejum, BEG, corada, afebril, orientada, PA
140x100, FR 23 rpm, tricotomizada, com AVP em MMSS E+, Escala de
ELPO 21 (Risco de Úlcera por pressão), posicionada inicialmente sentada
para realização de procedimento anestésico seguindo com o auxilio de
técnica de Enfermagem para a posição Ginecológica de forma a prevenir o
risco de lesões amparado por suportes e acolchoamentos, onde se dará
segmento aos procedimentos de antissepsia e seguido dos procedimentos
cirúrgicos. Paciente admitida na Unidade de Recuperação Pós-Anestésica
após cirurgia de Hemorroidectomia encontra-se BEG, corada, afebril,
consciente, PA 130x90, com AVP em MMSS E+, infusão de antibioticoterapia,
FR 21 rpm, posicionada em decúbito lateral, sem queixas, encontra-se com
incisão estéril em região anal, SVD, aguardando para avaliações de exame
físico pós-anestésico.
Diagnóstico:
 Risco de infeção;
 Risco de úlcera por pressão;
 Risco de Trombose Venosa Periférica (TVP) em MMII;
 Risco de queda;
 Integridade da pele prejudicada;
 Integridade tissular prejudicada;
 Paciente com risco de infecção caracterizada pela incisão em região anal
e AVP secundaria a realização de cirurgia de Hemorroidectomia.
 Risco de úlcera por pressão caracterizada por posição ginecológica
secundaria a realização de cirurgia de Hemorroidectomia.
 Risco de TVP caracterizado por uso prolongado de AVP e posicionamento
cirúrgico e pós-cirúrgico, secundário a Cirurgia de Hemorroidectomia.
 Integridade da pele prejudicada caracterizada por AVP e secundaria a
procedimentos cirúrgicos.
 Integridade tissular prejudicada caracterizada por incisão estéril
secundaria a procedimentos cirúrgicos.
Cuidados de Enfermagem
 Manter grades elevadas;
 Promover conforto ao paciente;
 Atentar SEMPRE a queixa de dores;
 Realizar mudança de decúbito a CADA 30 MINUTOS;
 Verificar SSVV SEGUNDO PROTOCOLO INSTITUCIONAL;
 OBSERVAR eliminação;
 REALIZAR Balanço Hídrico;
 OBSERVAR sangramentos no local operado.
O Enfermeiro deve sempre observar, preparar e
promover uma melhor condição ao paciente no momento
da realização de todo e qualquer procedimento
independente de seu tempo de permanência na unidade.
Cabe a unidade sempre procurar de forma lógica e
inovadora focar ao conforto e prevenção de lesões, pois
existem casos que se tornam irreversíveis, trazendo dor
e constrangimento ao paciente. O Enfermeiro e sua
equipe unidos são capazes de realizar uma prevenção
louvável.
Posicionamento cirurgico pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Aline Bandeira
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Sou Enfermagem
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
Luana Santos
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
Rivanilcede
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
Fernando de Oliveira Dutra
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
Wylla Katherine
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
EnfermagemUniavan
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
shaxa
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
Marci Oliveira
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
Marci Oliveira
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Karina Pereira
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
Eliane Pereira
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
Trabalho centro cirúrgico 3
Trabalho centro cirúrgico  3Trabalho centro cirúrgico  3
Trabalho centro cirúrgico 3
Sthefanie Vieira
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
4523ppp
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
ThiagoCunha93
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
Wilmar Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
 
Posicionamento paciente
Posicionamento pacientePosicionamento paciente
Posicionamento paciente
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
 
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Trabalho centro cirúrgico 3
Trabalho centro cirúrgico  3Trabalho centro cirúrgico  3
Trabalho centro cirúrgico 3
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 

Destaque

Cuidados no Posicionamento Cirúrgico
Cuidados no Posicionamento CirúrgicoCuidados no Posicionamento Cirúrgico
Cuidados no Posicionamento Cirúrgico
crisenf
 
Posições Cirúrgicas
Posições CirúrgicasPosições Cirúrgicas
Posições Cirúrgicas
Andressa Macena
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
Fernando de Oliveira Dutra
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
UPA Fortaleza
 
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de InstrumentaçãoMateriais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Eduardo Bernardino
 
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson SamoriIntrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Vanilson UEA
 
Diérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e sínteseDiérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e síntese
Danilo Modesto
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
Guilherme Sicuto
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
Mario Santos Aguiar
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
latnep
 
Enfermagem cirurgica livro
Enfermagem cirurgica livroEnfermagem cirurgica livro
Enfermagem cirurgica livro
Mauricio Rodrigo
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
Safia Naser
 
Caracteres propedêuticos
Caracteres propedêuticosCaracteres propedêuticos
Caracteres propedêuticos
pauloalambert
 
Instrumental cirúrgico
Instrumental cirúrgicoInstrumental cirúrgico
Instrumental cirúrgico
tarisson clisman santos
 
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Teresa Oliveira
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
Alexandra Caetano
 
Fios e suturas
Fios e suturasFios e suturas
Fios e suturas
Danilo Modesto
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
Jéssica Ferreira
 

Destaque (20)

Cuidados no Posicionamento Cirúrgico
Cuidados no Posicionamento CirúrgicoCuidados no Posicionamento Cirúrgico
Cuidados no Posicionamento Cirúrgico
 
Posições Cirúrgicas
Posições CirúrgicasPosições Cirúrgicas
Posições Cirúrgicas
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
 
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de InstrumentaçãoMateriais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
Materiais Cirurgicos e Tecnicas de Instrumentação
 
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson SamoriIntrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
Intrumentos cirúrgicos - Vanilson Samori
 
Diérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e sínteseDiérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e síntese
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
 
Aula esterilizacao
Aula esterilizacaoAula esterilizacao
Aula esterilizacao
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e ParenteralTerapia Nutricional Enteral e Parenteral
Terapia Nutricional Enteral e Parenteral
 
Enfermagem cirurgica livro
Enfermagem cirurgica livroEnfermagem cirurgica livro
Enfermagem cirurgica livro
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
Vias de acesso NE
 
Nutrição Parenteral
Nutrição ParenteralNutrição Parenteral
Nutrição Parenteral
 
Caracteres propedêuticos
Caracteres propedêuticosCaracteres propedêuticos
Caracteres propedêuticos
 
Instrumental cirúrgico
Instrumental cirúrgicoInstrumental cirúrgico
Instrumental cirúrgico
 
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
Limpeza e preparo de materiais para esterilização - Central de Material Ester...
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Fios e suturas
Fios e suturasFios e suturas
Fios e suturas
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
 

Semelhante a Posicionamento cirurgico pdf

013 tratamento de_feridas_hospitalares_i
013 tratamento de_feridas_hospitalares_i013 tratamento de_feridas_hospitalares_i
013 tratamento de_feridas_hospitalares_i
tatinurse
 
ORTOPEDIA.pptx
ORTOPEDIA.pptxORTOPEDIA.pptx
ORTOPEDIA.pptx
luana352083
 
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxClinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
EduardoMachado69756
 
A (complex) decision making in critical patient with wound
A (complex) decision making in critical patient with woundA (complex) decision making in critical patient with wound
A (complex) decision making in critical patient with wound
António José Lopes de Almeida
 
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdfAula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
RaquelOlimpio1
 
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptxCópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Maycon Duarte
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
RonanAlmeidaMacedo
 
Apostila para estud1
Apostila para estud1Apostila para estud1
Apostila para estud1
regina oliveira de assis de brito
 
Resumo risco cirurgico e pré anestesico
Resumo risco cirurgico e pré anestesicoResumo risco cirurgico e pré anestesico
Resumo risco cirurgico e pré anestesico
Talita Marques
 
6 ccsdftmt05.
6 ccsdftmt05.6 ccsdftmt05.
6 ccsdftmt05.
Aj-power-people
 
002 atendimento ao_paciente_vitima_de_traumatismo_abdominal
002 atendimento ao_paciente_vitima_de_traumatismo_abdominal002 atendimento ao_paciente_vitima_de_traumatismo_abdominal
002 atendimento ao_paciente_vitima_de_traumatismo_abdominal
GeorgeWillianCezar1
 
Endo 2018 1
Endo 2018 1Endo 2018 1
Endo 2018 1
Ademir Do Vale
 
Uerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritoUerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabarito
tatysants
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
Urovideo.org
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptx
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptxassistencia-enfermagem-cirurgica.pptx
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptx
Cristina Leite
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
EvelineMachado3
 
Risco operatóro
Risco operatóroRisco operatóro
Risco operatóro
Tassia Lemos
 
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptxTRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
Priscila Cunha
 
AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO PÉ PROPOSTO PELO GRUPO DE T...
AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO PÉ PROPOSTO PELO GRUPO DE T...AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO PÉ PROPOSTO PELO GRUPO DE T...
AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO PÉ PROPOSTO PELO GRUPO DE T...
Câmara de Vereadores
 

Semelhante a Posicionamento cirurgico pdf (20)

013 tratamento de_feridas_hospitalares_i
013 tratamento de_feridas_hospitalares_i013 tratamento de_feridas_hospitalares_i
013 tratamento de_feridas_hospitalares_i
 
ORTOPEDIA.pptx
ORTOPEDIA.pptxORTOPEDIA.pptx
ORTOPEDIA.pptx
 
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxClinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
 
A (complex) decision making in critical patient with wound
A (complex) decision making in critical patient with woundA (complex) decision making in critical patient with wound
A (complex) decision making in critical patient with wound
 
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdfAula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
 
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptxCópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
 
Apostila para estud1
Apostila para estud1Apostila para estud1
Apostila para estud1
 
Resumo risco cirurgico e pré anestesico
Resumo risco cirurgico e pré anestesicoResumo risco cirurgico e pré anestesico
Resumo risco cirurgico e pré anestesico
 
6 ccsdftmt05.
6 ccsdftmt05.6 ccsdftmt05.
6 ccsdftmt05.
 
002 atendimento ao_paciente_vitima_de_traumatismo_abdominal
002 atendimento ao_paciente_vitima_de_traumatismo_abdominal002 atendimento ao_paciente_vitima_de_traumatismo_abdominal
002 atendimento ao_paciente_vitima_de_traumatismo_abdominal
 
Endo 2018 1
Endo 2018 1Endo 2018 1
Endo 2018 1
 
Uerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabaritoUerj res enferm discursiva gabarito
Uerj res enferm discursiva gabarito
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptx
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptxassistencia-enfermagem-cirurgica.pptx
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptx
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
Risco operatóro
Risco operatóroRisco operatóro
Risco operatóro
 
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptxTRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
TRAUMATISMO ABDOMINAL E PE_LVICO.pptx
 
AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO PÉ PROPOSTO PELO GRUPO DE T...
AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO PÉ PROPOSTO PELO GRUPO DE T...AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO PÉ PROPOSTO PELO GRUPO DE T...
AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DO PÉ PROPOSTO PELO GRUPO DE T...
 

Mais de Cintia da Cruz Silva

Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Cintia da Cruz Silva
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Doenças emergentes
Doenças emergentesDoenças emergentes
Doenças emergentes
Cintia da Cruz Silva
 
Cirurgias gástricas
Cirurgias gástricasCirurgias gástricas
Cirurgias gástricas
Cintia da Cruz Silva
 
Diabetes melitus
Diabetes melitusDiabetes melitus
Diabetes melitus
Cintia da Cruz Silva
 
Choques
ChoquesChoques

Mais de Cintia da Cruz Silva (6)

Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Doenças emergentes
Doenças emergentesDoenças emergentes
Doenças emergentes
 
Cirurgias gástricas
Cirurgias gástricasCirurgias gástricas
Cirurgias gástricas
 
Diabetes melitus
Diabetes melitusDiabetes melitus
Diabetes melitus
 
Choques
ChoquesChoques
Choques
 

Posicionamento cirurgico pdf

  • 1.
  • 2.
  • 3. O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados à anatomia, fisiologia e patologia.
  • 4.  Deverá expor somente a área cirúrgica, de modo que permita uma boa visibilidade e movimentação do cirurgião e da equipe;  Deverá oferecer o mínimo de desconforto possível ao paciente;  Deverá seguir os princípios do alinhamento corporal;  Deverá permitir a desobstrução do suprimento vascular;  Proporcionar acesso para a administração de soluções endovenosas, drogas, agentes anestésicos.  Não deverá ter interferência na respiração;  Deverá proteger os nervos, músculos, pele contra pressão indevida;  Deverá ser observada a precaução quanto à segurança do paciente em relação ao peso, à idade, à altura e à deformidade física, respeitando seus limites anatômicos e fisiológicos.
  • 5. Mesas cirúrgicas Treinamento da equipe de enfermagem Parceria com a equipe médica
  • 6. a. Colchonetes b. Braçadeiras c. Travesseiros d. Perneiras e. Fixadores de braços e pernas f. Colchão piramidal (caixa de ovo) g. Protetores de calcâneo h. Protetores crânio – faciais.
  • 7. Posição em que o paciente fica deitado de costas com os braços e pernas estendidas ao longo da mesa. O paciente fica deitado com abdome para baixo. Indicada para cirurgias da região dorsal, lombar, sacrococcígea e occipital.
  • 8. Paciente colocado em DD, com cabeça e tronco em níveis mais baixos que os membros inferiores. Paciente estará em decúbito dorsal com elevação da cabeça e tórax e abaixamento do MMII.
  • 9. O paciente é colocado sobre uma mesa cirúrgica na posição head up, pés para baixo.
  • 10. Paciente permanece parcialmente sentado na mesa. Essa é a posição sentada propriamente dita, isto é, em ângulo de 90º. Flexiona- se a parte dos MMII para prevenção de quedas.
  • 11. Paciente em DD com as pernas flexionadas, afastadas, e apoiadas em perneiras acolchoada e os braços apoiados em talas.
  • 12. Paciente em DV na qual são levemente inclinadas, ficando os braços e pernas em posição oposta. Com os braços apoiados em talas. É a posição derivada da ventral, na qual os MMII, tórax e MMSS são abaixados de forma que o corpo fique fletido sobre a mesa, mantendo-se a região a ser operada em plano mais elevado.
  • 13. Paciente permanece em decúbito lateral, esquerdo ou direito, com a perna que esta do lado de cima flexionada, afastada e apoiada.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. As úlceras de pressão podem ser descritas como qualquer lesão causada por pressão não aliviada que resulta em danos aos tecidos adjacentes (subcutâneo, músculos, articulações e ossos), ocorrem geralmente nas regiões de proeminências ósseas e são graduadas em estágios I, II, III e IV. para classificar o grau de dano observado nos tecidos. A incidência do desenvolvimento dessas lesões, durante o período perioperatório, foi determinada como sendo entre 12 e 25% por autores que avaliaram esse evento. As queimaduras elétricas consistem em outra forma de lesão que pode acometer o paciente cirúrgico, principalmente pelo uso da unidade de eletrocirurgia, apesar de os riscos terem sido reduzidos com o avanço tecnológico, não se pode esquecer que o corpo do paciente é parte integrante do circuito elétrico e, portanto, falhas nesse circuito poderão causar danos variados.
  • 20.
  • 21. A Lei 272/2002 diz que a implementação da SAE constitui de melhoria para a qualidade da assistência, e incumbem todas suas etapas ao enfermeiro, devido ao seu conhecimento técnico e científico. Privativamente cabe ao enfermeiro: 1 – Histórico de Enfermagem; 2 – Diagnóstico de Enfermagem; 3 – Plano Assistencial; 4 – Plano de Cuidados ou Prescrição de Enfermagem; 5 – Evolução; 6 – Prognóstico.
  • 22. J.A.A. 45 anos, sexo Fem., Cor negra, Divorciada, 4 filhos, Natural de Belo Horizonte - MG, Residente em São Paulo – SP. Há 20 anos. Evangélica Pentecostal, Ensino Fundamental, Auxiliar de Produção em Metalúrgica. Hipertensa, nega vícios, pais falecidos devido AVE, Nega alergias, 70 kg, 1,67cm. Chega a esta unidade na presente data para cirurgia eletiva de Hemorroidectomia. Achados: BEG, corada, afebril, PA 130x80, deambula sem dificuldades, orientada, refere fazer uso do hipertensivo captopril 25mg e Atenolol (não lembra a miligramagem) uma vez ao dia em uso continuo e dieta hipossódica segundo prescrição de profissional médico em UBS. Queixa-se de angina anal devido quadro clínico, sendo neste momento admitida nesta unidade de clínica médica.
  • 23. Paciente admitida no Centro Cirúrgico para cirurgia eletiva de Hemorroidectomia encontra-se em jejum, BEG, corada, afebril, orientada, PA 140x100, FR 23 rpm, tricotomizada, com AVP em MMSS E+, Escala de ELPO 21 (Risco de Úlcera por pressão), posicionada inicialmente sentada para realização de procedimento anestésico seguindo com o auxilio de técnica de Enfermagem para a posição Ginecológica de forma a prevenir o risco de lesões amparado por suportes e acolchoamentos, onde se dará segmento aos procedimentos de antissepsia e seguido dos procedimentos cirúrgicos. Paciente admitida na Unidade de Recuperação Pós-Anestésica após cirurgia de Hemorroidectomia encontra-se BEG, corada, afebril, consciente, PA 130x90, com AVP em MMSS E+, infusão de antibioticoterapia, FR 21 rpm, posicionada em decúbito lateral, sem queixas, encontra-se com incisão estéril em região anal, SVD, aguardando para avaliações de exame físico pós-anestésico.
  • 24. Diagnóstico:  Risco de infeção;  Risco de úlcera por pressão;  Risco de Trombose Venosa Periférica (TVP) em MMII;  Risco de queda;  Integridade da pele prejudicada;  Integridade tissular prejudicada;  Paciente com risco de infecção caracterizada pela incisão em região anal e AVP secundaria a realização de cirurgia de Hemorroidectomia.  Risco de úlcera por pressão caracterizada por posição ginecológica secundaria a realização de cirurgia de Hemorroidectomia.  Risco de TVP caracterizado por uso prolongado de AVP e posicionamento cirúrgico e pós-cirúrgico, secundário a Cirurgia de Hemorroidectomia.  Integridade da pele prejudicada caracterizada por AVP e secundaria a procedimentos cirúrgicos.  Integridade tissular prejudicada caracterizada por incisão estéril secundaria a procedimentos cirúrgicos.
  • 25. Cuidados de Enfermagem  Manter grades elevadas;  Promover conforto ao paciente;  Atentar SEMPRE a queixa de dores;  Realizar mudança de decúbito a CADA 30 MINUTOS;  Verificar SSVV SEGUNDO PROTOCOLO INSTITUCIONAL;  OBSERVAR eliminação;  REALIZAR Balanço Hídrico;  OBSERVAR sangramentos no local operado.
  • 26. O Enfermeiro deve sempre observar, preparar e promover uma melhor condição ao paciente no momento da realização de todo e qualquer procedimento independente de seu tempo de permanência na unidade. Cabe a unidade sempre procurar de forma lógica e inovadora focar ao conforto e prevenção de lesões, pois existem casos que se tornam irreversíveis, trazendo dor e constrangimento ao paciente. O Enfermeiro e sua equipe unidos são capazes de realizar uma prevenção louvável.