SlideShare uma empresa Scribd logo
ANESTESIA E RECUPERAÇÃO PÓS-
ANESTÉSICA
Profª Esp. Dayse Flores G. D’Ângelo
Prof. Jhone Braga
ANESTESIA perda total ou parcial da sensibilidade,
especialmente tátil.
ANALGESIA perda da sensibilidade à dor com
conservação das demais sensações.
ESCOLHA DO TIPO DE ANESTESIA
 O anestesiologista leva em conta alguns fatores:
- Condições fisiológicas do paciente;
- Doenças pré-existentes;
- Recuperação pós-operatória;
- Opções de manuseio da dor pós-operatória;
- Tipo e duração do procedimento cirúrgico;
- Posição do paciente durante a cirurgia;
- Solicitação do cirurgião.
OBJETIVOS DA ANESTESIA
 Os principais objetivos são:
- Suprir a sensibilidade dolorosa durante a
cirurgia, com manutenção ou não da
consciência;
- Relaxamento muscular;
- Proporcionar condições ideais para a ação
da equipe cirúrgica.
MEDICAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA
 Consiste na administração de uma ou
mais drogas antes do ato anestésico, para:
- produzir amnésia e sedação,
- abolir ou diminuir dor eventualmente existente,
- potencializar os agentes anestésicos,
- diminuir secreções de vias aéreas,
- reduzir a ansiedade.
Obs.: as medicações pré-anestésicas devem ser
administradas 45 a 75 minutos antes de começar
a anestesia.
ANESTESIOLOGIA
Os anestesiologistas vem ampliando sua área de atuação
além do intraoperatório, atuando também no pré-operatório
e pós-operatório
Verificam a segurança do paciente de acordo com a
classificação das condições físicas desenvolvidas
pela Sociedade Americana de Anestesiologia.
SOCIEDADE AMERICANA DE ANESTESIOLOGIA - ASA
§ ASA I - Paciente sadio normal;
§ ASA II - Paciente com doença sistêmica leve;
§ ASA III - Paciente com doença sistêmica severa;
§ ASA IV - Paciente com doença sistêmica severa,
que é um constante risco para a vida;
§ ASA V - Moribundo que não se espera sobreviver
sem a cirurgia;
§ ASA VI - Paciente com morte cerebral declarada /
doação de orgãos.
TIPOS DE ANESTESIA
Anestesia geral  estado de inconsciência reversível,
obtido por inalação ou por via endovenosa, que é
caracterizado por:
- amnésia (perda temporária da memória)
- inconsciência (hipnose),
- analgesia (ausência de dor),
- relaxamento muscular e
- bloqueio dos reflexos autônomos obtidos pela administração
de fármacos específicos.
DIVIDIDA EM 4 FASES:
• Desintubação
• Reversão
• Manutenção
• Indução
BLOQUEIOS REGIONAIS
Anestesia regional  é definida como a perda
reversível da sensibilidade, decorrente a
administração de um agente anestésico para
bloquear ou anestesiar a condução nervosa a
uma extremidade ou região do corpo.
ANESTESIA RAQUIDIANA, PERIDURAL E
BLOQUEIO DE PLEXO
BLOQUEIO DE PLEXO: o anestésico é
administrado na extensão de um plexo nervoso.
ex.: plexo braquial para anestesiar o braço.
ANESTESIA PERIDURAL: o anestésico se
difunde no espaço peridural, e se fixa no tecido
nervoso, bloqueando as raízes nervosas
reversivelmente.
ANESTESIA RAQUIDIANA: ocorre o bloqueio
nervoso reversível das raízes nervosas, levando à
perda da atividade autonômica, sensitiva e motora.
ANESTESIA LOCAL: pode ser por infiltração ou tópica.
INFILTRAÇÃO: utilizam-se anestésicos associados com a
adrenalina, com o objetivo de aumentar a ação do bloqueio
por vasoconstrição e prevenir sua rápida absorção para a
corrente circulatória.
TÓPICA: utiliza-se em mucosas do nariz, boca, árvore
traqueobrônquica, esôfago, trato genitourinário para
produzir anestesia em loco.
SALA DE RECUPERAÇÃO PÓS-
ANESTÉSICA - SRPA
SRPA
 É a área destinada à permanência do paciente
logo após o término do ato anestésico cirúrgico
até a recuperação da consciência, eliminação
de anestésicos e estabilização dos sinais vitais;
 Deve estar instalada dentro do CC ou nas suas
proximidades, favorecendo o transporte rápido
do paciente anestesiado para este local;
SRPA
 Dimensionamento
 Varia de acordo com o porte e complexidade do
bloco cirúrgico;
 Nº de macas = nº SO + 1 (cirurgia de alta
complexidade a recuperação pode se dar na
UTI);
Distância entre leitos = 0,8m
Distância entre leitos e parede (exceto
cabeceira) = 0,6m
SRPA
Sistemas de Abastecimento,
Instalações e Equipamentos básicos:
 Oxigênio com fluxômetro
 Ar comprimido
 Vácuo clínico
 Sinalização de enfermagem
 Tomadas 110 e 220w
 Foco de luz
 Monitor cardíaco
 Oxímetro de pulso
 Esfigmomanômetro
SRPA
Equipamentos e materiais de suporte
respiratório:
 Ventiladores mecânicos (em geral não tem);
 Máscaras e cateteres (O2);
 Sondas de aspiração
 Carrinho emergência (com material para intubação e ventilação
manual);
Equipamentos e materiais de suporte
cardiovascular
 Para soro e transfusão, catereres, seringas e agulhas;
SRPA – CAMAS
 Devem ser do tipo cama-maca,
 Providas de grades laterais (segurança),
 Manivelas (posições proclive e trendelemburg),
 Encaixes para adaptar suportes de soro
 Cabeceira removível (facilita atendimento em
situações de emergência).
Durante o transporte, o anestesiologista
permanece na cabeceira da maca (para manter as vias
aéreas do paciente) e um membro da equipe cirúrgica
permanece na outra extremidade.
A transferência do paciente da SO para a
SRPA é responsabilidade do
anestesiologista.
SRPA
 Quando o paciente chegar à SRPA, o anestesista passa
informações ao enfermeiro da SRPA sobre:
 Nome do paciente
 Idade
 Procedimento cirúrgico e complicações
 Tipo de anestesia
 Medicamentos pré-operatórios
 Drogas anestésicas
 Sinais vitais pré e pós-operatórios
 Perda estimada de sangue
 Ingestão e eliminação hídrica intra-operatórias
 Alergias
 Prescrição de analgesia durante a recuperação
Todos os sedativos,
analgésicos, ou
outras drogas dadas
na SRPA geralmente
são prescritos pelos
anestesista..
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA RECUPERAÇÃO
PÓS-ANESTÉSICA
deve estar voltada para a individualidade de cada paciente,
desde a admissão, até a alta da unidade (prestando também
informações aos familiares que aguardam notícias).
VIGILÂNCIA CONSTANTE ATÉ SUA
COMPLETA RECUPERAÇÃO
Movimento
respiratório
Estabilidade
hemodinâmica
Saturação de O²
Consciência
Temperatura
corporal
Avaliar incisão
cirúrgica
SRPA
 Em relação a frequência das avaliações é
recomendado que durante a permanência do
paciente na SRPA, a sua avaliação seja a cada 15
minutos na primeira hora, caso se apresente
estável, a cada 30 minutos na segunda hora e a
após, de hora em hora. Esta frequência varia de
acordo com a situação do paciente podendo ter
intervalos menores do que o recomendado.
 São utilizadas escalas para facilitar esta
avaliação do estado fisiológico dos pacientes
submetidos ao procedimento anestésico-cirúrgico.
Escala de Aldrete e Kroulik
Atividade Capaz de mover 4 membros voluntariamente ou sob comando
Capaz de mover 2 membros voluntariamente ou sob comando
Incapaz de mover os membros voluntariamente ou sob comando
2
1
0
Respiração Capaz de respirar profundamente ou tossir livremente
Dispnéia ou limitação da respiração
Apnéia
2
1
0
Circulação PA 20% do nível pré-anestésico
PA 20-49% do nível pré-anestésico
PA 50% do nível pré-anestésico
2
1
0
Consciência Lúcido, orientado no tempo e espaço
Desperta, se solicitado
Não responde
2
1
0
Saturação Capaz de manter sat de O² maior que 92% respirando em ar ambiente
Necessita de O² para manter sat de O² maior que 90%
Saturação de O² menor que 90% com O² suplementar
2
1
0
Em geral, o paciente recebe alta da
recuperação anestésica quando o Índice
de Aldrete e Kroulik for 9 ou 10.
Este índice utiliza apenas três itens sendo mais fácil
sua utilização em pediatria tendo como objetivo de
verificar os estágios de recuperação de crianças
submetidas a procedimentos sob anestesia geral,
pontuando os itens acima de zero a dois.
Alta quando o índice for 5 ou 6
 O médico é responsável pela alta do paciente.
Porém, deve haver consonância entre o
anestesista e o enfermeiro da SRPA.
 Quando um escore de alta é utilizado na SRPA,
este tem que ser aprovado pelo departamento
de anestesiologia da instituição. A pontuação
pode variar dependendo se o paciente receberá
alta para o quarto do hospital, para a UTI ou
para outra unidade de curto prazo ou casa.
SRPA
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO
TRANSPORTE
 Quando o paciente estiver pronto para
receber alta da SRPA, o enfermeiro do CC
entra em contato com a clínica cirúrgica
para buscá-lo.
 A alta também se dá através da avaliação do enfermeiro quando
detecta a estabilidade das condições orgânicas do paciente, como:
 Saturação de oxigênio normal;
 Paciente orientado no tempo e no espaço;
 Ausência de sangramento ativo na ferida operatória;
 Ausência de retenção urinária;
 Inexistência de queixa álgica ou manutenção de dor sob controle;
 Sinais vitais estáveis;
 Sinais de volemia adequada, como volume urinário de 30ml/h e PA
estabilizada no nível de normalidade do paciente;
 Ausência de náuseas e vômitos;
 Presença de atividade e força muscular;
 Presença de sensibilidade cutânea após bloqueio motor;
 Valor de Aldrete e Kroulik for 9 ou 10, quando utilizado no serviço.
SRPA
O ENFERMEIRO AO PASSAR O PACIENTE,
FORNECE AINDA INFORMAÇÕES SOBRE:
• Sinais vitais;
• Tipo de anestesia e cirurgia realizada;
• Perda sanguínea;
• Nível de consciência;
• Condição física geral;
• Presença de equipos intravenosos, tubos de secreção e
curativos;
• Administração de medicação realizada na SRPA;
• E qualquer tipo de intercorrência durante o
transoperatório e o POI na SRPA.
ANTES DE TRANSFERIR O PACIENTE O
ENFERMEIRO DEVE:
 Conferir o prontuário
 Curativos
 Drenos
 Registros de Enfermagem
CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO POI
 O enfermeiro deve avaliar:
 Respiração – permeabilidade das vias aéreas.
 Circulação – SSVV e perfusão nas extremidades.
 Sistema nervoso – nível de consciência, reflexos.
 Drenagem – drenos, avaliar curativo (sangramento,
sujidade, sinais flogísticos ao redor).
 Conforto – tipo e localização da dor.
 Estado psicológico – natureza das perguntas do paciente,
necessidade de sono e repouso, disponibilidade de
campainha ou luz para chamada.
 Segurança – necessidades de grades laterais, tubos de
drenagens desobstruídos.
 Equipamentos – examinar quanto ao seu funcionamento
adequado.
COMPLICAÇÕES NO PÓS-
OPERATÓRIO
IMEDIATO
 FEBRE, no Pré-Operatório – relacionada a infecção
pré-existente, reação a drogas, reações
transfusionais ou hipertermia maligna.
A HIPERTERMIA MALIGNA OCORRE NA EXPOSIÇÃO A BLOQUEADORES
NEUROMUSCULARES E A ANESTÉSICOS INALATÓRIOS, DEFLAGRANDO UM
INFLUXO SIGNIFICATIVO DE CA²+ PARA O MÚSCULO, GERANDO CONTRATURA
E CALOR. PODE OCORRER NOS PRIMEIROS 30 MIN DO INÍCIO DA ANESTESIA
ATÉ AS PRIMEIRAS 24H.
 A SONOLÊNCIA é uma característica
frequente no cliente cirúrgico.
Cuidado de enfermagem – certificar quanto ao
nível de consciência, as alterações devem ser
imediatamente comunicadas.
 SEDE, a atropina, utilizada durante a
anestesia diminui as secreções, ocasionando a
secura da mucosa oral.
Cuidado de enfermagem - Umedecer os lábios do
paciente com algodão ou gaze embebidos em
água.
 A DOR mais comum é aquela que ocorre na
região alvo da cirurgia, a qual diminui
gradativamente com o passar do tempo. Esta
pode variar quanto à localização, intensidade,
duração e tipo.
Cuidado de enfermagem - Ouvir a queixa.
Administrar analgésicos e sedativos prescritos e
observar o efeito das mediadas aplicadas.
 NÁUSEAS / VÔMITOS - Os efeitos colaterais dos
anestésicos e a diminuição do peristaltismo
ocasionam distensão abdominal, acúmulo de
líquidos e restos alimentares no trato digestório,
podendo apresentar náuseas e vômito.
Cuidados de Enfermagem - Posicionar o paciente,
em decúbito lateral ou com a cabeça lateralizada;
Administrar antiemético. Realizar higiene oral para
eliminar o mau hálito/ gosto da boca.
 RETENCÃO URINÁRIA - medo da dor,
traumatismo intraoperatório, infecção anterior à
cirurgia, bloqueio emocional e impossibilidade de
urinar por estar deitado ou em posição
desconfortável.
Cuidados de Enfermagem - Estimular micção: abrir
torneira, aplicar calor supra púbico, se não houver
incisão nessa área. Medir e anotar diurese.
Cateterismo vesical se necessário.
 DISTENSÃO ABDOMINAL - É o acúmulo de
gases e fezes, no trato gastrintestinal.
Cuidados de Enfermagem – observar sinais e
sintomas, pois pode ocasionar: dispneia devido a
pressão abdominal sobre o diafragma, náuseas,
vômitos, dor e desconforto abdominal.
 COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS – frequentes
no POI, principalmente em clientes obesos,
fumantes, idosos.
Cuidados de Enfermagem - observar se há aumento
de temperatura, queixa de dispnéia ou dor aos
movimentos respiratórios, ensinar e estimular os
exercícios respiratórios; manter posição de Fowler;
verificar a indicação de nebulização/oxigenoterapia;
aspirar secreções orofaríngeas.
 EMBOLIA PULMONAR - coágulos que se
formam devido a longos períodos de estase
venosa e podem percorrer a circulação
sanguínea e parar nos pulmões, obstruindo
uma ou mais artérias pulmonares.
Cuidados de Enfermagem - observar se há queixa
de dor torácica ou forte dispneia, cianose.
Controlar rigorosamente os SSVV.
 COMPLICAÇÕES CIRCULATÓRIAS –
alterações em vasos, principalmente dos MMII,
comuns no POI de cirurgias abdominais, pélvicas
e vasculares.
Cuidados de Enfermagem - observar se as
extremidades estão edemaciadas, dolorosas,
quentes e avermelhadas, se estiver realizar
elevação, administrar anticoagulante conforme
prescrição, atentar para possível compressão dos
MMII por tempo prolongado (gesso, ataduras e
talas) ou posições viciosas e pacientes com
deficiência circulatória (varizes).
 HEMORRAGIA - É a perda anormal de
sangue. A gravidade depende da localização do
sangramento e do volume perdido. No POI é
comum ocorrer na ferida operatória ou
internamente (local operado).
Cuidados de enfermagem – estar atento se houver
hipotensão, palidez cutânea, taquicardia,
sudorese e dispneia, verificar sangramento,
observar sinais e sintomas de choque, infundir
rapidamente soluções endovenosas, mudar, se
possível, a posição do paciente (Trendlemburg
para facilitar a irrigação dos pulmões, rins e
coração, se hemorragia intracraniana manter o
paciente em posição de Fowler), verificar SSVV,
especialmente PA e pulso, manter paciente
aquecido, providenciar tipagem sanguínea,
anotar o local e volume de sangue.
 CHOQUE - É a consequência de um
suprimento insuficiente de sangue e
oxigênio aos tecidos. No paciente cirúrgico
o mais comum é o Hipovolêmico.
Cuidados de Enfermagem - identificar sinais e
sintomas de choque (diminuição da pressão
arterial, pulso rápido e filiforme, taquipneia,
palidez, pele fria, úmida e pegajosa), infundir
líquidos endovenosos, controlar e registrar SSVV,
manter o paciente aquecido e vias aéreas livres,
elevar as extremidades inferiores (se possível),
mantendo posição de Trendlemburg.
DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM NO
PÓS-OPERATÓRIO
 Risco para infecção relacionado a...
 Risco para lesão perioperatória de posicionamento cirúrgico
relacionado a...
 Risco para injúria relacionado a...
 Dor relacionada a...
 Risco para aspiração relacionado a...
 Risco para integridade da pele prejudicada relacionado a...
 Risco para temperatura corporal alterada relacionado a...
 Risco de hipotermia relacionada a...
 Permeabilidade ineficaz de vias aéreas relacionada a...
 Troca gasosa prejudicada relacionada a...
Aula SPRA e Cuidados POI.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

eliminação intestinal.pptx
eliminação intestinal.pptxeliminação intestinal.pptx
eliminação intestinal.pptx
MatheusAC3
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
Jéssica Ferreira
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
Edilaine Torrecilha
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
bianca375788
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
JulianaMyriamFraga
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
Viviane da Silva
 
enfermagem perioperatório, periodos operatórios
enfermagem perioperatório, periodos operatórios enfermagem perioperatório, periodos operatórios
enfermagem perioperatório, periodos operatórios
Higor Cortez
 
Atividade e mobilidade
Atividade e mobilidadeAtividade e mobilidade
Atividade e mobilidade
Eliane Xavier
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
Guilherme Sicuto
 
ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM.pptx
ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM.pptxANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM.pptx
ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM.pptx
bianca375788
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
Zeca Ribeiro
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
Pinheiropinheironeto
 
Pos anestesico
Pos anestesicoPos anestesico
Pos anestesico
Fernanda Camargo
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Introdução a cirurgia.pptx
Introdução a cirurgia.pptxIntrodução a cirurgia.pptx
Introdução a cirurgia.pptx
gilmaramartins10
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
JoaraSilva1
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
Elayne Nunes
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
EnfermagemUniavan
 

Mais procurados (20)

eliminação intestinal.pptx
eliminação intestinal.pptxeliminação intestinal.pptx
eliminação intestinal.pptx
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptxTipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
Tipos de Sondas Vesical e Retal.pptx
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)Sonda vesical (1)
Sonda vesical (1)
 
higiene e conforto do paciente
higiene e conforto do pacientehigiene e conforto do paciente
higiene e conforto do paciente
 
enfermagem perioperatório, periodos operatórios
enfermagem perioperatório, periodos operatórios enfermagem perioperatório, periodos operatórios
enfermagem perioperatório, periodos operatórios
 
Atividade e mobilidade
Atividade e mobilidadeAtividade e mobilidade
Atividade e mobilidade
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
 
ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM.pptx
ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM.pptxANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM.pptx
ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM.pptx
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Pos anestesico
Pos anestesicoPos anestesico
Pos anestesico
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Introdução a cirurgia.pptx
Introdução a cirurgia.pptxIntrodução a cirurgia.pptx
Introdução a cirurgia.pptx
 
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagemAULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
AULA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES - saúde e enfermagem
 
Feridas e Curativos
Feridas e CurativosFeridas e Curativos
Feridas e Curativos
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 

Semelhante a Aula SPRA e Cuidados POI.pdf

Anestesia em RMN
Anestesia em RMNAnestesia em RMN
Anestesia em RMN
Aline Oliveira
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
Eduardo Bernardino
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
Anestesia veterinária
Anestesia veterináriaAnestesia veterinária
Anestesia veterinária
antoniodida
 
Manual de anestésiologia
Manual de anestésiologiaManual de anestésiologia
Manual de anestésiologia
Morgana De Castro Pedrosa
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
Rivanilcede
 
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdfAula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
principios basicos da anestesia para enfermagem
principios basicos da anestesia para enfermagemprincipios basicos da anestesia para enfermagem
principios basicos da anestesia para enfermagem
MarcelaTessalia
 
Ciclo iii 04
Ciclo iii 04Ciclo iii 04
Ciclo iii 04
Rodrigo Abreu
 
anestesia e curativo cirurgico.pdf
anestesia e curativo cirurgico.pdfanestesia e curativo cirurgico.pdf
anestesia e curativo cirurgico.pdf
YuriFargom1
 
Aula 01.pptx
Aula 01.pptxAula 01.pptx
Aula 01.pptx
THAINALIMA25
 
aula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfaula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdf
luciaitsp
 
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
Helino Junior
 
Apostila natalini completa
Apostila natalini completaApostila natalini completa
Apostila natalini completa
Matheus Carvalho
 
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdfAnestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Brunno Rosique
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
WilliamdaCostaMoreir
 
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptxpowerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
ProfYasminBlanco
 
tipos de anestesias.pptx
tipos de anestesias.pptxtipos de anestesias.pptx
tipos de anestesias.pptx
NayaraAndre
 
ANESTESIAS (1).pdf
ANESTESIAS (1).pdfANESTESIAS (1).pdf
ANESTESIAS (1).pdf
TobiasdSantos1
 

Semelhante a Aula SPRA e Cuidados POI.pdf (20)

Anestesia em RMN
Anestesia em RMNAnestesia em RMN
Anestesia em RMN
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
Anestesia veterinária
Anestesia veterináriaAnestesia veterinária
Anestesia veterinária
 
Manual de anestésiologia
Manual de anestésiologiaManual de anestésiologia
Manual de anestésiologia
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
 
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdfAula_Recuperacao_Anestesica.pdf
Aula_Recuperacao_Anestesica.pdf
 
principios basicos da anestesia para enfermagem
principios basicos da anestesia para enfermagemprincipios basicos da anestesia para enfermagem
principios basicos da anestesia para enfermagem
 
Ciclo iii 04
Ciclo iii 04Ciclo iii 04
Ciclo iii 04
 
anestesia e curativo cirurgico.pdf
anestesia e curativo cirurgico.pdfanestesia e curativo cirurgico.pdf
anestesia e curativo cirurgico.pdf
 
Aula 01.pptx
Aula 01.pptxAula 01.pptx
Aula 01.pptx
 
aula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfaula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdf
 
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
_ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO .pdf
 
Apostila natalini completa
Apostila natalini completaApostila natalini completa
Apostila natalini completa
 
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdfAnestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
Anestesia Local e Bloqueios de Membros e Face.pdf
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptxpowerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
powerpointanestesia11-140308085741-phpapp01.pptx
 
tipos de anestesias.pptx
tipos de anestesias.pptxtipos de anestesias.pptx
tipos de anestesias.pptx
 
ANESTESIAS (1).pdf
ANESTESIAS (1).pdfANESTESIAS (1).pdf
ANESTESIAS (1).pdf
 

Mais de VanessaAlvesDeSouza4

AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptxAULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptxAULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdfAULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdfAula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Hepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdfHepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdf
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
educação em saúde e humanização
educação em saúde e humanizaçãoeducação em saúde e humanização
educação em saúde e humanização
VanessaAlvesDeSouza4
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Patologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptxPatologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptxAULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 

Mais de VanessaAlvesDeSouza4 (16)

AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptxAULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
AULA 03 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 02.pptx
 
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptxAULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
AULA 02 - Sistema Musculoesquelético e suas patologias - PARTE 01.pptx
 
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdfAULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
AULA ENFERMAGEM NO CC.pdf
 
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdfAula Terminologia Cirúrgica.pdf
Aula Terminologia Cirúrgica.pdf
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
 
Hepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdfHepatites Finalizado pdf.pdf
Hepatites Finalizado pdf.pdf
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
Aula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptxAula_CME_Atualizada.pptx
Aula_CME_Atualizada.pptx
 
educação em saúde e humanização
educação em saúde e humanizaçãoeducação em saúde e humanização
educação em saúde e humanização
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 
Patologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptxPatologia Geral.pptx
Patologia Geral.pptx
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
 
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptxAULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
AULA 12 - PROGRANA NACIONAL DE SAUDE MENTAL.pptx
 
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptxAULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
 
SAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptxSAÚDE MENTAL.pptx
SAÚDE MENTAL.pptx
 

Último

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 

Último (20)

Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 

Aula SPRA e Cuidados POI.pdf

  • 1. ANESTESIA E RECUPERAÇÃO PÓS- ANESTÉSICA Profª Esp. Dayse Flores G. D’Ângelo Prof. Jhone Braga
  • 2. ANESTESIA perda total ou parcial da sensibilidade, especialmente tátil. ANALGESIA perda da sensibilidade à dor com conservação das demais sensações.
  • 3. ESCOLHA DO TIPO DE ANESTESIA  O anestesiologista leva em conta alguns fatores: - Condições fisiológicas do paciente; - Doenças pré-existentes; - Recuperação pós-operatória; - Opções de manuseio da dor pós-operatória; - Tipo e duração do procedimento cirúrgico; - Posição do paciente durante a cirurgia; - Solicitação do cirurgião.
  • 4. OBJETIVOS DA ANESTESIA  Os principais objetivos são: - Suprir a sensibilidade dolorosa durante a cirurgia, com manutenção ou não da consciência; - Relaxamento muscular; - Proporcionar condições ideais para a ação da equipe cirúrgica.
  • 5. MEDICAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA  Consiste na administração de uma ou mais drogas antes do ato anestésico, para: - produzir amnésia e sedação, - abolir ou diminuir dor eventualmente existente, - potencializar os agentes anestésicos, - diminuir secreções de vias aéreas, - reduzir a ansiedade. Obs.: as medicações pré-anestésicas devem ser administradas 45 a 75 minutos antes de começar a anestesia.
  • 6. ANESTESIOLOGIA Os anestesiologistas vem ampliando sua área de atuação além do intraoperatório, atuando também no pré-operatório e pós-operatório Verificam a segurança do paciente de acordo com a classificação das condições físicas desenvolvidas pela Sociedade Americana de Anestesiologia.
  • 7. SOCIEDADE AMERICANA DE ANESTESIOLOGIA - ASA § ASA I - Paciente sadio normal; § ASA II - Paciente com doença sistêmica leve; § ASA III - Paciente com doença sistêmica severa; § ASA IV - Paciente com doença sistêmica severa, que é um constante risco para a vida; § ASA V - Moribundo que não se espera sobreviver sem a cirurgia; § ASA VI - Paciente com morte cerebral declarada / doação de orgãos.
  • 8. TIPOS DE ANESTESIA Anestesia geral  estado de inconsciência reversível, obtido por inalação ou por via endovenosa, que é caracterizado por: - amnésia (perda temporária da memória) - inconsciência (hipnose), - analgesia (ausência de dor), - relaxamento muscular e - bloqueio dos reflexos autônomos obtidos pela administração de fármacos específicos. DIVIDIDA EM 4 FASES: • Desintubação • Reversão • Manutenção • Indução
  • 9. BLOQUEIOS REGIONAIS Anestesia regional  é definida como a perda reversível da sensibilidade, decorrente a administração de um agente anestésico para bloquear ou anestesiar a condução nervosa a uma extremidade ou região do corpo. ANESTESIA RAQUIDIANA, PERIDURAL E BLOQUEIO DE PLEXO
  • 10. BLOQUEIO DE PLEXO: o anestésico é administrado na extensão de um plexo nervoso. ex.: plexo braquial para anestesiar o braço. ANESTESIA PERIDURAL: o anestésico se difunde no espaço peridural, e se fixa no tecido nervoso, bloqueando as raízes nervosas reversivelmente. ANESTESIA RAQUIDIANA: ocorre o bloqueio nervoso reversível das raízes nervosas, levando à perda da atividade autonômica, sensitiva e motora.
  • 11.
  • 12.
  • 13. ANESTESIA LOCAL: pode ser por infiltração ou tópica. INFILTRAÇÃO: utilizam-se anestésicos associados com a adrenalina, com o objetivo de aumentar a ação do bloqueio por vasoconstrição e prevenir sua rápida absorção para a corrente circulatória. TÓPICA: utiliza-se em mucosas do nariz, boca, árvore traqueobrônquica, esôfago, trato genitourinário para produzir anestesia em loco.
  • 14. SALA DE RECUPERAÇÃO PÓS- ANESTÉSICA - SRPA
  • 15. SRPA  É a área destinada à permanência do paciente logo após o término do ato anestésico cirúrgico até a recuperação da consciência, eliminação de anestésicos e estabilização dos sinais vitais;  Deve estar instalada dentro do CC ou nas suas proximidades, favorecendo o transporte rápido do paciente anestesiado para este local;
  • 16. SRPA  Dimensionamento  Varia de acordo com o porte e complexidade do bloco cirúrgico;  Nº de macas = nº SO + 1 (cirurgia de alta complexidade a recuperação pode se dar na UTI); Distância entre leitos = 0,8m Distância entre leitos e parede (exceto cabeceira) = 0,6m
  • 17. SRPA Sistemas de Abastecimento, Instalações e Equipamentos básicos:  Oxigênio com fluxômetro  Ar comprimido  Vácuo clínico  Sinalização de enfermagem  Tomadas 110 e 220w  Foco de luz  Monitor cardíaco  Oxímetro de pulso  Esfigmomanômetro
  • 18. SRPA Equipamentos e materiais de suporte respiratório:  Ventiladores mecânicos (em geral não tem);  Máscaras e cateteres (O2);  Sondas de aspiração  Carrinho emergência (com material para intubação e ventilação manual); Equipamentos e materiais de suporte cardiovascular  Para soro e transfusão, catereres, seringas e agulhas;
  • 19. SRPA – CAMAS  Devem ser do tipo cama-maca,  Providas de grades laterais (segurança),  Manivelas (posições proclive e trendelemburg),  Encaixes para adaptar suportes de soro  Cabeceira removível (facilita atendimento em situações de emergência). Durante o transporte, o anestesiologista permanece na cabeceira da maca (para manter as vias aéreas do paciente) e um membro da equipe cirúrgica permanece na outra extremidade. A transferência do paciente da SO para a SRPA é responsabilidade do anestesiologista.
  • 20.
  • 21. SRPA  Quando o paciente chegar à SRPA, o anestesista passa informações ao enfermeiro da SRPA sobre:  Nome do paciente  Idade  Procedimento cirúrgico e complicações  Tipo de anestesia  Medicamentos pré-operatórios  Drogas anestésicas  Sinais vitais pré e pós-operatórios  Perda estimada de sangue  Ingestão e eliminação hídrica intra-operatórias  Alergias  Prescrição de analgesia durante a recuperação Todos os sedativos, analgésicos, ou outras drogas dadas na SRPA geralmente são prescritos pelos anestesista..
  • 22. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA deve estar voltada para a individualidade de cada paciente, desde a admissão, até a alta da unidade (prestando também informações aos familiares que aguardam notícias). VIGILÂNCIA CONSTANTE ATÉ SUA COMPLETA RECUPERAÇÃO Movimento respiratório Estabilidade hemodinâmica Saturação de O² Consciência Temperatura corporal Avaliar incisão cirúrgica
  • 23. SRPA  Em relação a frequência das avaliações é recomendado que durante a permanência do paciente na SRPA, a sua avaliação seja a cada 15 minutos na primeira hora, caso se apresente estável, a cada 30 minutos na segunda hora e a após, de hora em hora. Esta frequência varia de acordo com a situação do paciente podendo ter intervalos menores do que o recomendado.  São utilizadas escalas para facilitar esta avaliação do estado fisiológico dos pacientes submetidos ao procedimento anestésico-cirúrgico.
  • 24. Escala de Aldrete e Kroulik Atividade Capaz de mover 4 membros voluntariamente ou sob comando Capaz de mover 2 membros voluntariamente ou sob comando Incapaz de mover os membros voluntariamente ou sob comando 2 1 0 Respiração Capaz de respirar profundamente ou tossir livremente Dispnéia ou limitação da respiração Apnéia 2 1 0 Circulação PA 20% do nível pré-anestésico PA 20-49% do nível pré-anestésico PA 50% do nível pré-anestésico 2 1 0 Consciência Lúcido, orientado no tempo e espaço Desperta, se solicitado Não responde 2 1 0 Saturação Capaz de manter sat de O² maior que 92% respirando em ar ambiente Necessita de O² para manter sat de O² maior que 90% Saturação de O² menor que 90% com O² suplementar 2 1 0
  • 25. Em geral, o paciente recebe alta da recuperação anestésica quando o Índice de Aldrete e Kroulik for 9 ou 10.
  • 26. Este índice utiliza apenas três itens sendo mais fácil sua utilização em pediatria tendo como objetivo de verificar os estágios de recuperação de crianças submetidas a procedimentos sob anestesia geral, pontuando os itens acima de zero a dois. Alta quando o índice for 5 ou 6
  • 27.  O médico é responsável pela alta do paciente. Porém, deve haver consonância entre o anestesista e o enfermeiro da SRPA.  Quando um escore de alta é utilizado na SRPA, este tem que ser aprovado pelo departamento de anestesiologia da instituição. A pontuação pode variar dependendo se o paciente receberá alta para o quarto do hospital, para a UTI ou para outra unidade de curto prazo ou casa. SRPA
  • 28. CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO
  • 29. TRANSPORTE  Quando o paciente estiver pronto para receber alta da SRPA, o enfermeiro do CC entra em contato com a clínica cirúrgica para buscá-lo.
  • 30.  A alta também se dá através da avaliação do enfermeiro quando detecta a estabilidade das condições orgânicas do paciente, como:  Saturação de oxigênio normal;  Paciente orientado no tempo e no espaço;  Ausência de sangramento ativo na ferida operatória;  Ausência de retenção urinária;  Inexistência de queixa álgica ou manutenção de dor sob controle;  Sinais vitais estáveis;  Sinais de volemia adequada, como volume urinário de 30ml/h e PA estabilizada no nível de normalidade do paciente;  Ausência de náuseas e vômitos;  Presença de atividade e força muscular;  Presença de sensibilidade cutânea após bloqueio motor;  Valor de Aldrete e Kroulik for 9 ou 10, quando utilizado no serviço. SRPA
  • 31. O ENFERMEIRO AO PASSAR O PACIENTE, FORNECE AINDA INFORMAÇÕES SOBRE: • Sinais vitais; • Tipo de anestesia e cirurgia realizada; • Perda sanguínea; • Nível de consciência; • Condição física geral; • Presença de equipos intravenosos, tubos de secreção e curativos; • Administração de medicação realizada na SRPA; • E qualquer tipo de intercorrência durante o transoperatório e o POI na SRPA.
  • 32. ANTES DE TRANSFERIR O PACIENTE O ENFERMEIRO DEVE:  Conferir o prontuário  Curativos  Drenos  Registros de Enfermagem
  • 33. CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO POI  O enfermeiro deve avaliar:  Respiração – permeabilidade das vias aéreas.  Circulação – SSVV e perfusão nas extremidades.  Sistema nervoso – nível de consciência, reflexos.  Drenagem – drenos, avaliar curativo (sangramento, sujidade, sinais flogísticos ao redor).  Conforto – tipo e localização da dor.  Estado psicológico – natureza das perguntas do paciente, necessidade de sono e repouso, disponibilidade de campainha ou luz para chamada.  Segurança – necessidades de grades laterais, tubos de drenagens desobstruídos.  Equipamentos – examinar quanto ao seu funcionamento adequado.
  • 34. COMPLICAÇÕES NO PÓS- OPERATÓRIO IMEDIATO  FEBRE, no Pré-Operatório – relacionada a infecção pré-existente, reação a drogas, reações transfusionais ou hipertermia maligna. A HIPERTERMIA MALIGNA OCORRE NA EXPOSIÇÃO A BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES E A ANESTÉSICOS INALATÓRIOS, DEFLAGRANDO UM INFLUXO SIGNIFICATIVO DE CA²+ PARA O MÚSCULO, GERANDO CONTRATURA E CALOR. PODE OCORRER NOS PRIMEIROS 30 MIN DO INÍCIO DA ANESTESIA ATÉ AS PRIMEIRAS 24H.
  • 35.  A SONOLÊNCIA é uma característica frequente no cliente cirúrgico. Cuidado de enfermagem – certificar quanto ao nível de consciência, as alterações devem ser imediatamente comunicadas.  SEDE, a atropina, utilizada durante a anestesia diminui as secreções, ocasionando a secura da mucosa oral. Cuidado de enfermagem - Umedecer os lábios do paciente com algodão ou gaze embebidos em água.  A DOR mais comum é aquela que ocorre na região alvo da cirurgia, a qual diminui gradativamente com o passar do tempo. Esta pode variar quanto à localização, intensidade, duração e tipo. Cuidado de enfermagem - Ouvir a queixa. Administrar analgésicos e sedativos prescritos e observar o efeito das mediadas aplicadas.
  • 36.  NÁUSEAS / VÔMITOS - Os efeitos colaterais dos anestésicos e a diminuição do peristaltismo ocasionam distensão abdominal, acúmulo de líquidos e restos alimentares no trato digestório, podendo apresentar náuseas e vômito. Cuidados de Enfermagem - Posicionar o paciente, em decúbito lateral ou com a cabeça lateralizada; Administrar antiemético. Realizar higiene oral para eliminar o mau hálito/ gosto da boca.  RETENCÃO URINÁRIA - medo da dor, traumatismo intraoperatório, infecção anterior à cirurgia, bloqueio emocional e impossibilidade de urinar por estar deitado ou em posição desconfortável. Cuidados de Enfermagem - Estimular micção: abrir torneira, aplicar calor supra púbico, se não houver incisão nessa área. Medir e anotar diurese. Cateterismo vesical se necessário.
  • 37.  DISTENSÃO ABDOMINAL - É o acúmulo de gases e fezes, no trato gastrintestinal. Cuidados de Enfermagem – observar sinais e sintomas, pois pode ocasionar: dispneia devido a pressão abdominal sobre o diafragma, náuseas, vômitos, dor e desconforto abdominal.  COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS – frequentes no POI, principalmente em clientes obesos, fumantes, idosos. Cuidados de Enfermagem - observar se há aumento de temperatura, queixa de dispnéia ou dor aos movimentos respiratórios, ensinar e estimular os exercícios respiratórios; manter posição de Fowler; verificar a indicação de nebulização/oxigenoterapia; aspirar secreções orofaríngeas.
  • 38.  EMBOLIA PULMONAR - coágulos que se formam devido a longos períodos de estase venosa e podem percorrer a circulação sanguínea e parar nos pulmões, obstruindo uma ou mais artérias pulmonares. Cuidados de Enfermagem - observar se há queixa de dor torácica ou forte dispneia, cianose. Controlar rigorosamente os SSVV.  COMPLICAÇÕES CIRCULATÓRIAS – alterações em vasos, principalmente dos MMII, comuns no POI de cirurgias abdominais, pélvicas e vasculares. Cuidados de Enfermagem - observar se as extremidades estão edemaciadas, dolorosas, quentes e avermelhadas, se estiver realizar elevação, administrar anticoagulante conforme prescrição, atentar para possível compressão dos MMII por tempo prolongado (gesso, ataduras e talas) ou posições viciosas e pacientes com deficiência circulatória (varizes).
  • 39.  HEMORRAGIA - É a perda anormal de sangue. A gravidade depende da localização do sangramento e do volume perdido. No POI é comum ocorrer na ferida operatória ou internamente (local operado). Cuidados de enfermagem – estar atento se houver hipotensão, palidez cutânea, taquicardia, sudorese e dispneia, verificar sangramento, observar sinais e sintomas de choque, infundir rapidamente soluções endovenosas, mudar, se possível, a posição do paciente (Trendlemburg para facilitar a irrigação dos pulmões, rins e coração, se hemorragia intracraniana manter o paciente em posição de Fowler), verificar SSVV, especialmente PA e pulso, manter paciente aquecido, providenciar tipagem sanguínea, anotar o local e volume de sangue.
  • 40.  CHOQUE - É a consequência de um suprimento insuficiente de sangue e oxigênio aos tecidos. No paciente cirúrgico o mais comum é o Hipovolêmico. Cuidados de Enfermagem - identificar sinais e sintomas de choque (diminuição da pressão arterial, pulso rápido e filiforme, taquipneia, palidez, pele fria, úmida e pegajosa), infundir líquidos endovenosos, controlar e registrar SSVV, manter o paciente aquecido e vias aéreas livres, elevar as extremidades inferiores (se possível), mantendo posição de Trendlemburg.
  • 41. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO  Risco para infecção relacionado a...  Risco para lesão perioperatória de posicionamento cirúrgico relacionado a...  Risco para injúria relacionado a...  Dor relacionada a...  Risco para aspiração relacionado a...  Risco para integridade da pele prejudicada relacionado a...  Risco para temperatura corporal alterada relacionado a...  Risco de hipotermia relacionada a...  Permeabilidade ineficaz de vias aéreas relacionada a...  Troca gasosa prejudicada relacionada a...