SlideShare uma empresa Scribd logo
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO
Pós-operatório inicia-se a partir da saída do cliente da sala de
operação e perdura até sua total recuperação.
Subdivide-se :
 Pós-operatório imediato (POI): até às 24 horas posteriores à cirurgia;
 Pós-operatório mediato: após as 24 horas e até 7 dias depois;
 Pós-operatório tardio: após 7 dias do recebimento da alta.
Objetivos: identificar, prevenir e tratar os problemas comuns aos
procedimentos anestésicos e cirúrgicos, tais como dor, laringite
pós- entubação traqueal, náuseas, vômitos, retenção urinária,
flebite pós-venóclise e outros, com a finalidade de restabelecer o
seu equilíbrio.
TIPOS DE ANESTESIA
Objetivo: Promover estado de relaxamento, perda da sensibilidade e dos
reflexos, de forma parcial ou total. Provocada pela ação de drogas anestésicas,
é evitar a dor e facilitar o ato operatório pela equipe cirúrgica.
Anestesia geral ( inconsciência.)
Anestesia geral: administra-se o anestésico por via inalatória, endovenosa ou
combinado (inalatória e endovenosa), com o objetivo de promover um estado
reversível de ausência de sensibilidade, relaxamento muscular, perda de
reflexos e inconsciência devido à ação de uma ou mais drogas no sistema
nervoso.
Raquianestesia é indicada para as cirurgias na região abdominal e de membros
inferiores, porque o anestésico é depositado no espaço subaracnóide da região
lombar, produzindo insensibilidade aos estímulos dolorosos por bloqueio da
condução nervosa.
FIOS CIRÚRGICOS:
Com ou sem agulhas. Sua numeração varia de 1 a 5 e de 0 - 0 a 12 - 0
(doze-zero).
CLASSIFICADOS:
 Fios absorvíveis : Aqueles que são absorvidos pelo organismo após
determinado período. O catgut é de origem animal (do intestino delgado
dos bovinos), podendo ser simples ( 2 a 3 semanas) ou cromado (6
meses).
 Fios não-absorvíveis: São aqueles que permanecem encapsulados
(envolvidos por tecido fibroso) nas estruturas internas e nas suturas de
pele se não forem removidos;Normalmente devem ser removidos entre
o 7° e o 10° dia de pós-operatório.
O sangramento de capilares pode ser estancado pela aplicação de
substância hemostática no local. (exemplo: a cera para osso - utilizada para
estancar o sangramento ósseo nas cirurgias ortopédicas e neurocirurgias).
Outro recurso é o bisturi elétrico, que pode ser utilizado com a função de
coagulação e secção (corte) dos tecidos, através da aplicação local de
descargas elétricas.
PERÍODO TRANSOPERATÓRIO
Compreende desde o momento em que o paciente é recebido no CC até o
momento de seu encaminhamento para a sala de recuperação anestésica
(SRA).
PERÍODO INTRA-OPERATÓRIO
Compreende desde o início até o final da anestesia.
As ações assistenciais desenvolvidas nessa fase devem atender não só as
atividades técnicas mas também as expectativas do paciente. Toda equipe
deve estar atenta no sentido de oferecer ao paciente apoio, atenção,
respeitando sua crenças, seus valores, seus medos, suas necessidades,
atendendo-o com segurança, presteza e eficácia.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
 TRANSOPERATÓRIO
Receber o paciente no CC e apresentar-se ao paciente;
Verificar a pulseira de identificação e o prontuário;
Confirmar informações sobre o horário de jejum, alergias, doenças
anteriores como condutas de segurança;
Encaminhar o paciente à sala de operações;
Colocar o paciente na mesa cirúrgica de modo confortável e seguro;
Monitorizar o paciente e mantê-lo aquecido
Auxiliar a equipe cirúrgica a posicionar o paciente para a cirurgia
Realizar o cateterismo vesical do paciente, quando necessário
Proteger a pele do paciente durante a anti-sepsia com produtos
químicos aquecê-lo promover o massageamento ou realizar
enfaixamento .
 INTRA-OPERATÓRIO
Auxiliar o anestesista durante a indução anestésica
Movimentar membros, evitando a formação de trombos vasculares
Registrar todos os cuidados prestados
 PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO
DIVIDE-SE EM MEDIATO E IMEDIATO:
Pré-operatório mediato: o cliente é submetido a exames que
auxiliam na confirmação do diagnóstico e que auxiliarão o planejamento
cirúrgico, o tratamento clínico para diminuir os sintomas e as precauções
necessárias para evitar complicações pós-operatórias ,ou seja, abrange o
período desde a indicação para a cirurgia até o dia anterior à mesma;
Pré-operatório imediato: corresponde às 24 horas anteriores à cirurgia e
tem por objetivo preparar o cliente para o ato cirúrgico mediante os
seguintes procedimentos: jejum, limpeza intestinal, esvaziamento
vesical, preparo da pele e aplicação de medicação pré-anestésica.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
 PRÉ-OPERATÓRIO MEDIATO
Preparo emocional do paciente
Orientar quanto a dor e náusea
Orientar quanto a deambulação precoce, ensinar movimentos ativos dos
MMII
Mensurar dados Antropométricos(peso e altura), sinais vitais, para
posteriores comparações.
Encaminhar para realizar exames de sangue, raio-X, ECG, TC e outros.
Preparo do intestino quando indicado dias antes ou na noite anterior a
cirurgia.
PRÉ-OPERATÓRIO IMEDIATO
Prevenindo complicações anestésicas: Jejum de 6 a 12 horas antes da
cirurgia .
Objetivo: Evitar vômitos e prevenir a aspiração de resíduos alimentares por
ocasião da anestesia.
CENTRO CIRÚRGICO
DEFINIÇÃO
É uma unidade hospitalar assistencial , onde são realizadas intervenções
cirúrgicas, visando a atender intercorrências clínicas, com suporte da ação de
uma equipe de profissionais integrada.
Devido à realização de procedimentos invasivos, é considerado uma unidade
de alerta máximo.
FINALIDADES
 Realizar intervenções cirúrgicas e encaminhar o paciente à unidade de
origem na melhor condição possível de integridade;
 Servir campo de estágio para a formação e aprimoramento de recursos
humanos;
 Desenvolver programas e projetos de pesquisa, voltados especialmente
para o desenvolvimento científico e tecnológico de ponta.
LOCALIZAÇÃO
O centro cirúrgico deve ter localização especial no hospital atendendo os
seguintes requisitos:
 Área independente da circulação geral
 Local de pouco ruído para reduzir os estímulos sonoros que possam
interferir na concentração da equipe cirúrgica e desencadear estresse do
paciente;
 Próxima das unidades de internação cirúrgica,pronto socorro e UTI.
ORGANIZAÇÃO
Estrutura Física
O centro cirúrgico se divide em três setores:
 Centro cirúrgico propriamente dito : Salas operatórias - SO, lavabos,
vestuários, sala para acondicionamento de órgãos e sangue, sala de
depósito, secretaria, sala de estar, copa, expurgo, repousos, sala de
equipamentos e materiais.
 Sala de recuperação pós-anestésica (SRPA): Destina-se a receber e
prestar assistência à paciente sob ação anestésica. Localiza-se próximo
às SOs, permitindo fácil acesso ao atendimento dos cirurgiões,
anestesiologistas e também da enfermagem.
 Central de material de esterilização (CME): Destina-se ao preparo e
esterilização do material e equipamentos usados no CC e nas unidades
do hospital. Pode ser centralizada quando presta serviço a todo hospital
ou descentralizada, apenas vinculada ao CC.
SALA OPERATÓRIA – SO
ESTRUTURA FÍSICA
 Forma : Retangulares, quadradas ou circulares;
 Paredes: Revestimento resistente, de fácil limpeza, de cor neutra
e com cantos arredondados;
 Piso: Escuro para evitar reflexos, não poroso, não condutor,resistente e
de fácil limpeza;
 Portas: Largas, de fácil manuseio, com visores, do tipo vai- vem e com
cantos protegidos com aço inoxidável;
 Janelas: Atualmente são substituídas por sistema de ar condicionado ou
por tijolos de vidros;
 Tomadas e interruptores: Com pinos de retenção, em número de seis,
distribuídas por toda a sala.
 Rede de gases: Entradas individuais para: oxigênio, óxido nitroso e
nitrogênio.
 Sistema de vácuo canalizado e portátil.
 Iluminação feita por luz fria, focos cirúrgicos e podendo aproveitar a
iluminação natural.
EQUIPAMENTOS
FIXOS:
 Negatoscópio;
 Canalização de gases;
 Foco cirúrgico central.
MÓVEIS:
 Hamper;
 Carro ou mesa de soluções e materiais
 Mesa cirúrgica;
 Aparelho de anestesia;
 Materiais esterilizados;
 Mesa para medicamentos e material de consumo;
 Balde de inox;
 Escada;
 Bisturi elétrico ou eletrocautério;
 Materiais para posicionar o paciente.
 Aspirador de secreções;
 Foco auxiliar;
 Suporte de soro;
 Suporte de braço;
 Balança para pesar compressas e gazes;
 Mesas auxiliares: de Mayo,
 Mesa de instrumentação e de roupas;
NOMECLATURA CIRÚRGICA
O nome composto de raiz (que identifica a parte do corpo a ser
submetida à cirurgia), somada ao prefixo ou ao sufixo :
 Orqui (testículo),
 Atro (articulação),
 Gastro (estômago),
 Angio (vasos sanguíneos )
 Flebo (veia)
 Traqueo ( traquéia )
 Entero (intestino),
 Salpinge ( trompas de falópio),
 Mamo ( mamas)
 Espleno ( baço),
 Nefro ( rim)
 Rino (nariz)
 Oto (ouvido)
 Oftalmo (olhos)
 Hister(o) (útero)
 Laparo (parede abdominal),

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx

AULA 4A (1).pptx
AULA 4A (1).pptxAULA 4A (1).pptx
AULA 4A (1).pptx
FabianaRomoGuimares
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
Regis Valentim
 
Katia02
Katia02Katia02
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfCLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
Inara Lima
 
Katia
KatiaKatia
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
bianca375788
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
gizaraposo
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
Josele Matos
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
Nome Sobrenome
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Raniery Penha
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ssuser80ae40
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
Centro cirrgico-2012 (1)
Centro cirrgico-2012 (1)Centro cirrgico-2012 (1)
Centro cirrgico-2012 (1)
GeaneSilva33
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
ThiagoCunha93
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
TARCIA1
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
Clinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdfClinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdf
MuryelleBatista
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Giza Carla Nitz
 

Semelhante a O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx (20)

AULA 4A (1).pptx
AULA 4A (1).pptxAULA 4A (1).pptx
AULA 4A (1).pptx
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
 
Katia02
Katia02Katia02
Katia02
 
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfCLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
 
Katia
KatiaKatia
Katia
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Aula 1.ppt
Aula 1.pptAula 1.ppt
Aula 1.ppt
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Centro cirrgico-2012 (1)
Centro cirrgico-2012 (1)Centro cirrgico-2012 (1)
Centro cirrgico-2012 (1)
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdfaula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
aula1-assistenciaaopacientegrave-230207030238-09f60602.pdf
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Clinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdfClinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdf
 
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Cirurgica -organização, estrutura, funcionamento.pdf
 

Último

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 

Último (9)

A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 

O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx

  • 1. O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO Pós-operatório inicia-se a partir da saída do cliente da sala de operação e perdura até sua total recuperação. Subdivide-se :  Pós-operatório imediato (POI): até às 24 horas posteriores à cirurgia;  Pós-operatório mediato: após as 24 horas e até 7 dias depois;  Pós-operatório tardio: após 7 dias do recebimento da alta. Objetivos: identificar, prevenir e tratar os problemas comuns aos procedimentos anestésicos e cirúrgicos, tais como dor, laringite pós- entubação traqueal, náuseas, vômitos, retenção urinária, flebite pós-venóclise e outros, com a finalidade de restabelecer o seu equilíbrio. TIPOS DE ANESTESIA Objetivo: Promover estado de relaxamento, perda da sensibilidade e dos reflexos, de forma parcial ou total. Provocada pela ação de drogas anestésicas, é evitar a dor e facilitar o ato operatório pela equipe cirúrgica. Anestesia geral ( inconsciência.) Anestesia geral: administra-se o anestésico por via inalatória, endovenosa ou combinado (inalatória e endovenosa), com o objetivo de promover um estado reversível de ausência de sensibilidade, relaxamento muscular, perda de reflexos e inconsciência devido à ação de uma ou mais drogas no sistema nervoso. Raquianestesia é indicada para as cirurgias na região abdominal e de membros inferiores, porque o anestésico é depositado no espaço subaracnóide da região lombar, produzindo insensibilidade aos estímulos dolorosos por bloqueio da condução nervosa. FIOS CIRÚRGICOS: Com ou sem agulhas. Sua numeração varia de 1 a 5 e de 0 - 0 a 12 - 0 (doze-zero). CLASSIFICADOS:  Fios absorvíveis : Aqueles que são absorvidos pelo organismo após determinado período. O catgut é de origem animal (do intestino delgado dos bovinos), podendo ser simples ( 2 a 3 semanas) ou cromado (6 meses).
  • 2.  Fios não-absorvíveis: São aqueles que permanecem encapsulados (envolvidos por tecido fibroso) nas estruturas internas e nas suturas de pele se não forem removidos;Normalmente devem ser removidos entre o 7° e o 10° dia de pós-operatório. O sangramento de capilares pode ser estancado pela aplicação de substância hemostática no local. (exemplo: a cera para osso - utilizada para estancar o sangramento ósseo nas cirurgias ortopédicas e neurocirurgias). Outro recurso é o bisturi elétrico, que pode ser utilizado com a função de coagulação e secção (corte) dos tecidos, através da aplicação local de descargas elétricas. PERÍODO TRANSOPERATÓRIO Compreende desde o momento em que o paciente é recebido no CC até o momento de seu encaminhamento para a sala de recuperação anestésica (SRA). PERÍODO INTRA-OPERATÓRIO Compreende desde o início até o final da anestesia. As ações assistenciais desenvolvidas nessa fase devem atender não só as atividades técnicas mas também as expectativas do paciente. Toda equipe deve estar atenta no sentido de oferecer ao paciente apoio, atenção, respeitando sua crenças, seus valores, seus medos, suas necessidades, atendendo-o com segurança, presteza e eficácia. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM  TRANSOPERATÓRIO Receber o paciente no CC e apresentar-se ao paciente; Verificar a pulseira de identificação e o prontuário; Confirmar informações sobre o horário de jejum, alergias, doenças anteriores como condutas de segurança; Encaminhar o paciente à sala de operações; Colocar o paciente na mesa cirúrgica de modo confortável e seguro; Monitorizar o paciente e mantê-lo aquecido Auxiliar a equipe cirúrgica a posicionar o paciente para a cirurgia Realizar o cateterismo vesical do paciente, quando necessário Proteger a pele do paciente durante a anti-sepsia com produtos químicos aquecê-lo promover o massageamento ou realizar enfaixamento .  INTRA-OPERATÓRIO Auxiliar o anestesista durante a indução anestésica Movimentar membros, evitando a formação de trombos vasculares Registrar todos os cuidados prestados
  • 3.  PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DIVIDE-SE EM MEDIATO E IMEDIATO: Pré-operatório mediato: o cliente é submetido a exames que auxiliam na confirmação do diagnóstico e que auxiliarão o planejamento cirúrgico, o tratamento clínico para diminuir os sintomas e as precauções necessárias para evitar complicações pós-operatórias ,ou seja, abrange o período desde a indicação para a cirurgia até o dia anterior à mesma; Pré-operatório imediato: corresponde às 24 horas anteriores à cirurgia e tem por objetivo preparar o cliente para o ato cirúrgico mediante os seguintes procedimentos: jejum, limpeza intestinal, esvaziamento vesical, preparo da pele e aplicação de medicação pré-anestésica. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM  PRÉ-OPERATÓRIO MEDIATO Preparo emocional do paciente Orientar quanto a dor e náusea Orientar quanto a deambulação precoce, ensinar movimentos ativos dos MMII Mensurar dados Antropométricos(peso e altura), sinais vitais, para posteriores comparações. Encaminhar para realizar exames de sangue, raio-X, ECG, TC e outros. Preparo do intestino quando indicado dias antes ou na noite anterior a cirurgia. PRÉ-OPERATÓRIO IMEDIATO Prevenindo complicações anestésicas: Jejum de 6 a 12 horas antes da cirurgia . Objetivo: Evitar vômitos e prevenir a aspiração de resíduos alimentares por ocasião da anestesia.
  • 4. CENTRO CIRÚRGICO DEFINIÇÃO É uma unidade hospitalar assistencial , onde são realizadas intervenções cirúrgicas, visando a atender intercorrências clínicas, com suporte da ação de uma equipe de profissionais integrada. Devido à realização de procedimentos invasivos, é considerado uma unidade de alerta máximo. FINALIDADES  Realizar intervenções cirúrgicas e encaminhar o paciente à unidade de origem na melhor condição possível de integridade;  Servir campo de estágio para a formação e aprimoramento de recursos humanos;  Desenvolver programas e projetos de pesquisa, voltados especialmente para o desenvolvimento científico e tecnológico de ponta. LOCALIZAÇÃO O centro cirúrgico deve ter localização especial no hospital atendendo os seguintes requisitos:  Área independente da circulação geral  Local de pouco ruído para reduzir os estímulos sonoros que possam interferir na concentração da equipe cirúrgica e desencadear estresse do paciente;  Próxima das unidades de internação cirúrgica,pronto socorro e UTI. ORGANIZAÇÃO Estrutura Física O centro cirúrgico se divide em três setores:  Centro cirúrgico propriamente dito : Salas operatórias - SO, lavabos, vestuários, sala para acondicionamento de órgãos e sangue, sala de depósito, secretaria, sala de estar, copa, expurgo, repousos, sala de equipamentos e materiais.  Sala de recuperação pós-anestésica (SRPA): Destina-se a receber e prestar assistência à paciente sob ação anestésica. Localiza-se próximo às SOs, permitindo fácil acesso ao atendimento dos cirurgiões, anestesiologistas e também da enfermagem.  Central de material de esterilização (CME): Destina-se ao preparo e esterilização do material e equipamentos usados no CC e nas unidades do hospital. Pode ser centralizada quando presta serviço a todo hospital ou descentralizada, apenas vinculada ao CC.
  • 5. SALA OPERATÓRIA – SO ESTRUTURA FÍSICA  Forma : Retangulares, quadradas ou circulares;  Paredes: Revestimento resistente, de fácil limpeza, de cor neutra e com cantos arredondados;  Piso: Escuro para evitar reflexos, não poroso, não condutor,resistente e de fácil limpeza;  Portas: Largas, de fácil manuseio, com visores, do tipo vai- vem e com cantos protegidos com aço inoxidável;  Janelas: Atualmente são substituídas por sistema de ar condicionado ou por tijolos de vidros;  Tomadas e interruptores: Com pinos de retenção, em número de seis, distribuídas por toda a sala.  Rede de gases: Entradas individuais para: oxigênio, óxido nitroso e nitrogênio.  Sistema de vácuo canalizado e portátil.  Iluminação feita por luz fria, focos cirúrgicos e podendo aproveitar a iluminação natural. EQUIPAMENTOS FIXOS:  Negatoscópio;  Canalização de gases;  Foco cirúrgico central. MÓVEIS:  Hamper;  Carro ou mesa de soluções e materiais  Mesa cirúrgica;  Aparelho de anestesia;  Materiais esterilizados;  Mesa para medicamentos e material de consumo;  Balde de inox;  Escada;  Bisturi elétrico ou eletrocautério;  Materiais para posicionar o paciente.  Aspirador de secreções;  Foco auxiliar;  Suporte de soro;  Suporte de braço;
  • 6.  Balança para pesar compressas e gazes;  Mesas auxiliares: de Mayo,  Mesa de instrumentação e de roupas; NOMECLATURA CIRÚRGICA O nome composto de raiz (que identifica a parte do corpo a ser submetida à cirurgia), somada ao prefixo ou ao sufixo :  Orqui (testículo),  Atro (articulação),  Gastro (estômago),  Angio (vasos sanguíneos )  Flebo (veia)  Traqueo ( traquéia )  Entero (intestino),  Salpinge ( trompas de falópio),  Mamo ( mamas)  Espleno ( baço),  Nefro ( rim)  Rino (nariz)  Oto (ouvido)  Oftalmo (olhos)  Hister(o) (útero)  Laparo (parede abdominal),