SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
ENFERMAGEM
PERIOPERATÓRIA
Hello!
Aline Bandeira
Enfermeira Especialista em Saúde da Família e das
comunidades.
Desliguem os
celulares
PERÍODOS CIRÚRGICOS4
Períodos
Cirúrgicos
Pré
Operatório
Intra
Operatório
Pós
Operatório
PÓS
OPERATÓRIO
6
Pós
Operatório
Começa com a admissão
do paciente na SRPA e
termina com uma avaliação
de acompanhamento
clínico ou em casa.
7
8
”
▹ Pós-operatório imediato (POI):
até às 24 horas posteriores à
cirurgia;
▹ Pós-operatório mediato: após
as 24 horas e até 7 dias depois;
▹Tardio: após 7 dias do
recebimento da alta.
9
Unidade de recuperação pós-anestésica
▹As metas do cuidado de enfermagem na recuperação
anestésica consistem em fornecer cuidado até que o
paciente esteja recuperado da anestesia, esteja
orientado, apresente sinais vitais estáveis e não mostre
evidências de hemorragia ou outras complicações.
10
”
▹O período de recuperação
anestésica é considerado crítico,
pois os pacientes encontram-se
muitas vezes inconscientes,
entorpecidos e com diminuição
dos reflexos protetores. A
enfermagem deve estar voltada
para a individualidade de cada
paciente, desde a admissão, até a
alta da unidade. (prestando também
informações aos familiares que
aguarda notícias).
11
12
”
▹O paciente admitido da recuperação
anestésica revê as seguintes informações:
▹Diagnóstico médico e tipo de cirurgia
▹Histórico médico e alergias pertinentes
▹Idade e condição geral do paciente
▹Anestésicos e medicamentos usados
▹Problemas ocorridos no intra-operatório
▹Patologia encontrada
▹Líquidos administrados/perdidos e perda
sanguínea
▹Dispositivos como drenos e cateteres
▹- Qualquer anormalidade ocorrida no intra-
operatório.
13
▹1º lugar
Função respiratória:
profundidade e
natureza das
respirações,
permeabilidade das
vias aéreas, nível de
saturação do
oxigênio.
14 Avaliação Inicial
15 Avaliação Inicial
▹2º lugar
Função circulatória:
avaliação da pressão
arterial; coloração da
pele, pulsos:
frequência e
regularidade.
16 Avaliação Inicial
▹3º lugar
Sítio cirúrgico.
17 Avaliação Inicial
▹4º lugar
Nível de consciência:
capacidade de
responder aos
comandos.
18 Avaliação Inicial
▹5º lugar
Temperatura
Valores
hemodinâmicos
Drenos e cateteres.
-Avaliação dos sinais vitais de 15/15 minutos na
primeira hora;
- 30 minutos nas duas horas subsequentes.
-Depois disso, caso se mantenham estáveis, serão
verificados a cada 4 horas durante as primeiras 24
horas.
19 Seguindo os Cuidados
Cuidados de
Enfermagem
20
Manter a via aérea
Permeável21
Administrando
oxigênio
suplementar;
Avaliar sons
respiratórios;
Avaliar frequência e
profundidade das
respirações;
Avaliar saturação
de oxigênio;
▹Observar obstrução
hipofaríngea (mandíbula e
língua caem para trás e
obstruem a passagem de ar) -
utilizar cânula de guedel e
inclinar a cabeça para trás;
Decúbito lateral (caso a
cirurgia não contra-indicar)
em casos de
hipersecreção de muco e
vómitos;
Manter a cabeceira a
15/30° , exceto quando
contra-indicado e
Aspirar vias aéreas.
22
Manter estabilidade
cardiovascular
▹Avaliar estado mental;
▹Avaliar sinais vitais;
▹Avaliar ritmos cardíacos;
▹Avaliar temperatura;
▹Avaliar Coloração da pele e
umidade;
▹ Avaliar débito urinário;
▹ Monitorar PVC;
▹ Monitorar pressão da artéria
pulmonar.
23
Sonolência e Soluço
▹Sonolência
▹Ações :avaliação do nível de consciência deve ser
sempre verificada mediante alguns estímulos,
alterações podem indicar complicações graves – como,
por exemplo, hemorragia interna.
▹Soluço Os soluços são espasmos intermitentes do
diafragma, provocados pela irritação do nervo frênico.
▹ No pós-operatório, suas causas mais comuns são a
distensão abdominal e a hipotermia.
▹Ações: aspiração ou lavagem gástrica (na distensão
abdominal), deambulação, aquecimento do cliente
hipotérmico e mudança de decúbito. (Plasil) de acordo
com a prescrição médica.
24
Aliviando dor e ansiedade
▹ Administrar analgésicos prescritos, sempre atentando
para os opióides que deprimem o sistema respiratório;
▹Controlando náuseas e vômitos;
▹Manter em decúbito lateral, caso a cirurgia não
contraindicar, para promover a drenagem da boca e evitar
broncoaspiração;
▹Administrar antiemético prescrito.
25
”
▹Geralmente na região da
cirurgia;
▹Cefaléia pós Raquianestesia;
26
Dor
27
28
29
Determinando alta da
recuperação anestésica
▹Orientação para pessoa,
local, eventos, tempo;
▹Função pulmonar
íntegra;
▹Leituras de oximetria e
pulso indicando saturação
adequada;
▹Débito urinário de pelo
menos 30ml/hora;
▹Náuseas e vômitos
ausentes ou sob controle;
▹Dor mínima
▹O escore necessário no
índice de Aldrete Kroulik7-
30
Índice de Aldrete KROULIK
▹Determina a condição geral do paciente e sua
condição de alta da recuperação anestésica.
▹A escala de Aldrete, possui critérios objetivos que
através de pontuação, possibilitará a condição de
permanência ou alta do paciente.
31
▹ O escore necessário para alta do paciente na
recuperação anestésica é de 7-8 pontos.
32
Complicações no
Pós-operatório
33
Complicações respiratórias
▹Atelectasia: Expansão incompleta
do pulmão.
▹Causa: Falta de mobilidade, de
exercícios respiratórios e tosse e
ainda não está de deambulação.
▹Sinais e sintomas: sons
respiratórios diminuídos, estertores
e tosse
34
35
36
Pneumonia
▹Infecção respiratória.
▹Causa:procedimentos invasivos como intubação,
aspiração e assistência ventilatória.
▹Sinais e sintomas: calafrios, febre, taquicardia e
taquipnéia; tosse pode estar ou não presente, estertores
na base do pulmão.
37
38
39
40
41
Hipoxemia
▹Diminuição de oxigênio
circulante no sangue.
▹Causa: Obesidade, cirurgias
abdominais, problemas
pulmonares pré-existentes.
▹Sinais e sintomas: Baixa
saturação de oxigênio, membros
frios, tremores, fibrilação atrial.
42
Condutas de Enfermagem
▹Exercícios respiratórios (uso espirômetro,
respirações profundas, incentivar a tosse)
▹Imobilizar sítios de incisão abdominal ou torácica
(diminuir a dor)
▹Administrar oxigênio, se prescrito
▹Deambulação precoce
▹Obs.: O incentivo a tosse pode ser evitado em
casos de pacientes que apresentam lesão
Intracraniana ou realizaram cirurgia
intracraniana (por causa do aumento da PIC),
bem como nos pacientes que se submeteram à
cirurgia ocular (risco de aumentar a pressão
intraocular) e que realizaram cirurgias plásticas,
devido ao risco de tensão nos tecidos.
43
Trombose Venosa
Profunda
▹Causas: Estresse (resposta hipotalâmica ao estresse,
leva ao aumento da viscosidade do sangue e aumento
da agregação plaquetária), desidratação, baixo débito
cardíaco, represamento sanguíneo dos membros e
repouso no leito.
▹Sinais e sintomas: Dor ou cãibra em panturrilha
provocada por dorsoflexão de panturrilha (sinal de
Homan), edema em perna, febre, calafrios e diaforese.
▹Heparina de baixo peso molecular profilática em
baixas compressão pneumática externa e meias
elásticas altas (até a coxa), evitar pernas pendentes.
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
Hematoma
▹Causas: Sangramento que
forma um coágulo abaixo da
pele.
▹Sinais e sintomas:
Abaulamento da ferida quando
for de grande tamanho
▹Condutas: Quando grande a
remoção do coágulo é feita pelo
médico; quando pequeno,
aguardar reabsorção.
54
Infecção do sítio cirúrgico
▹Causas:
▹Fatores endógenos associados (obesidade, diabetes,
estresse, idade, estado nutricional, tabagismo, resposta
imune alterada;
▹Duração da internação pré-operatória e gravidade da
doença);
▹Preparação de pele, duração da cirurgia, método de
colocação de campos, técnica asséptica;
▹ Técnica operatória (suturas apertadas, hematomas,
uso exagerado de bisturi elétrico);
▹ Ventilação da sala de cirurgia, entre outros.
55
Infecção do sítio cirúrgico
▹Sinais e sintomas: Elevação da
temperatura e do pulso, leucocitose,
sinais flogísticos na incisão
cirúrgica.
▹Condutas: Remover suturas e
permitir a drenagem da ferida,
inserir um dreno caso seja
necessário (condutas médicas),
antibioticoterapia e cuidados com a
ferida.
56 A maior causa
de leucocitose são
as infecções
57
▹Quando ocorre um processo inflamatório, normalmente
os sintomas se manifestam entre 36 e 48 horas após a
cirurgia, mas podem passar desapercebidos devido à
antibioticoterapia.
58 Infecção do sítio cirúrgico
59
Prevenção: preparo pré-operatório
adequado, utilização de técnicas
assépticas, observação dos
princípios da técnica de curativo e
alerta aos sinais que caracterizam a
infecção. Os clientes devem ser
orientados quanto aos cuidados,
durante o banho, como curativo
fechado.
Nas instituições que têm por
rotina trocar o curativos
somente após o 2o dia pós-
operatório (DPO), o mesmo
deve ser coberto com
plástico, como proteção à
água do chuveiro - caso
molhe-se acidentalmente, isto
deve ser notificado.
Nas instituições onde os
curativos são trocados
diariamente, o curativo
pode ser retirado antes
do banho, para que o
cliente possa lavar o
local com água e sabão, e
refeito logo após.
”
▹ÓBITO CIRURGICO
60
”
▹São infecções que ocorrem relacionadas à
manipulação cirúrgica acometendo tecido
subcutâneo, tecidos moles profundos (fáscia e
músculo), órgão e cavidades com incisão.
Enquadra-se como aquelas que ocorrem até o
30º dia de pós-operatório ou até 01 ano nos
casos de cirurgias com implante de órteses e
próteses.
61
ISC
▹Os patógenos causadores
de ISC podem ser
provenientes de três fontes:
▹microbiota do próprio
paciente,
▹da equipe de saúde e
▹do ambiente inanimado,
incluindo material cirúrgico.
62
Deiscência da ferida
▹(ruptura da ferida) e evisceração (protusão do conteúdo
da ferida)
▹Causas: Afrouxamento das suturas, infecção do sítio
cirúrgico, distensão, abdominal e tosse acentuada, idade
avançada, estado nutricional deficiente.
▹Sinais e sintomas: Separação das bordas da ferida é
protusão dos intestinos, esguicho de líquido peritoneal
sanguinolento, dor intensa.
▹Condutas: Manter o paciente em fowler baixa, cobrir
alças intestinas com curativos estéreis embebidos de
solução salina a 0,9%, notificar cirurgião imediatamente.
63
Todos os curativos com saída de secreções
(purulenta, sanguinolenta) devem ser do tipo
fechado; nos casos de sangramento, indica-se
o curativo compressivo
64
65
Hipotensão e Choque
▹Causas: Perda sanguínea(mais comum no choque
hipovolêmico), hipoventilação, alteração da posição,
efeitos colaterais de medicamentos e anestésicos.
▹Sinais e sintomas (choque hipovolêmico): Diminui
PVC e PA, aumenta resistência periférica, taquicardia,
palidez, pele fria e úmida, respiração rápida,
cianose, pulso fraco, filiforme e rápido, diminuição
do débito urinário .
▹Condutas: Reposição volumétrica (ringer lactado ou
produtos sanguíneos), oxigênio(máscara ou cateter),
medicamentos (cardiotônicos, vasodilatadores e
corticosteróides),aquecimento moderado, decúbito
dorsal e as pernas elevadas.
66
”
Bons Estudos
67

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasJéssica Ferreira
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemIvanete Dias
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data showCésar Müller
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosHeberth Macedo
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Will Nunes
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005Rodrigo Abreu
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoSou Enfermagem
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem universitária
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Heraldo Maia
 

Mais procurados (20)

Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Classificação das cirurgias
Classificação das cirurgiasClassificação das cirurgias
Classificação das cirurgias
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativosAnotacoes de enfermagem_em_curativos
Anotacoes de enfermagem_em_curativos
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)Sae aula .. (1)
Sae aula .. (1)
 

Semelhante a Período Pós Operatório AULA 7

CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxEvelineMachado3
 
Assistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POIAssistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POIRaquelzinha Vales
 
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVARPRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVARIngrid789856
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoEduardo Bernardino
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasBruno Cavalcante Costa
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais CirurgiasZeca Ribeiro
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjElainneChrisFerreira
 
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica DiegoAugusto86
 
Histerectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagemHisterectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagemRoberto Moreira Silva
 
aula 03 - assistencia cirurgica [Salvo automaticamente].pptx
aula 03 - assistencia cirurgica [Salvo automaticamente].pptxaula 03 - assistencia cirurgica [Salvo automaticamente].pptx
aula 03 - assistencia cirurgica [Salvo automaticamente].pptxvanessa270433
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxEduardoSilva185439
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxEnfermagemUniavan
 
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularneenahshare
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfRodolfoFreitas21
 
aula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfaula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfluciaitsp
 

Semelhante a Período Pós Operatório AULA 7 (20)

CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
Assistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POIAssistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POI
 
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVARPRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
PRIMEIROS SOCORROS AULA CAPACITAR PARA SALVAR
 
APH.ppt
APH.pptAPH.ppt
APH.ppt
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
AULA UTI.pptx
AULA UTI.pptxAULA UTI.pptx
AULA UTI.pptx
 
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigjAULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
AULA UTI SEXTA 13.pdf w,dwej,.jgpogipigj
 
Primeiros Socorros
Primeiros Socorros Primeiros Socorros
Primeiros Socorros
 
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica Primeiros socorros - Brigada Orgânica
Primeiros socorros - Brigada Orgânica
 
Histerectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagemHisterectomia cuidados de enfermagem
Histerectomia cuidados de enfermagem
 
aula 03 - assistencia cirurgica [Salvo automaticamente].pptx
aula 03 - assistencia cirurgica [Salvo automaticamente].pptxaula 03 - assistencia cirurgica [Salvo automaticamente].pptx
aula 03 - assistencia cirurgica [Salvo automaticamente].pptx
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
Pre-Operatorio
Pre-OperatorioPre-Operatorio
Pre-Operatorio
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
aula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdfaula recuperação pos anestesica.pdf
aula recuperação pos anestesica.pdf
 

Último

SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasIANAHAAS
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaJoyceDamasio2
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorIvaneSales
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesIANAHAAS
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesVanessaXLncolis
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxjhordana1
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosIANAHAAS
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.FabioCorreia46
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 

Último (9)

SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 

Período Pós Operatório AULA 7

  • 2. Hello! Aline Bandeira Enfermeira Especialista em Saúde da Família e das comunidades.
  • 6. 6 Pós Operatório Começa com a admissão do paciente na SRPA e termina com uma avaliação de acompanhamento clínico ou em casa.
  • 7. 7
  • 8. 8
  • 9. ” ▹ Pós-operatório imediato (POI): até às 24 horas posteriores à cirurgia; ▹ Pós-operatório mediato: após as 24 horas e até 7 dias depois; ▹Tardio: após 7 dias do recebimento da alta. 9
  • 10. Unidade de recuperação pós-anestésica ▹As metas do cuidado de enfermagem na recuperação anestésica consistem em fornecer cuidado até que o paciente esteja recuperado da anestesia, esteja orientado, apresente sinais vitais estáveis e não mostre evidências de hemorragia ou outras complicações. 10
  • 11. ” ▹O período de recuperação anestésica é considerado crítico, pois os pacientes encontram-se muitas vezes inconscientes, entorpecidos e com diminuição dos reflexos protetores. A enfermagem deve estar voltada para a individualidade de cada paciente, desde a admissão, até a alta da unidade. (prestando também informações aos familiares que aguarda notícias). 11
  • 12. 12
  • 13. ” ▹O paciente admitido da recuperação anestésica revê as seguintes informações: ▹Diagnóstico médico e tipo de cirurgia ▹Histórico médico e alergias pertinentes ▹Idade e condição geral do paciente ▹Anestésicos e medicamentos usados ▹Problemas ocorridos no intra-operatório ▹Patologia encontrada ▹Líquidos administrados/perdidos e perda sanguínea ▹Dispositivos como drenos e cateteres ▹- Qualquer anormalidade ocorrida no intra- operatório. 13
  • 14. ▹1º lugar Função respiratória: profundidade e natureza das respirações, permeabilidade das vias aéreas, nível de saturação do oxigênio. 14 Avaliação Inicial
  • 15. 15 Avaliação Inicial ▹2º lugar Função circulatória: avaliação da pressão arterial; coloração da pele, pulsos: frequência e regularidade.
  • 16. 16 Avaliação Inicial ▹3º lugar Sítio cirúrgico.
  • 17. 17 Avaliação Inicial ▹4º lugar Nível de consciência: capacidade de responder aos comandos.
  • 18. 18 Avaliação Inicial ▹5º lugar Temperatura Valores hemodinâmicos Drenos e cateteres.
  • 19. -Avaliação dos sinais vitais de 15/15 minutos na primeira hora; - 30 minutos nas duas horas subsequentes. -Depois disso, caso se mantenham estáveis, serão verificados a cada 4 horas durante as primeiras 24 horas. 19 Seguindo os Cuidados
  • 21. Manter a via aérea Permeável21 Administrando oxigênio suplementar; Avaliar sons respiratórios; Avaliar frequência e profundidade das respirações; Avaliar saturação de oxigênio; ▹Observar obstrução hipofaríngea (mandíbula e língua caem para trás e obstruem a passagem de ar) - utilizar cânula de guedel e inclinar a cabeça para trás; Decúbito lateral (caso a cirurgia não contra-indicar) em casos de hipersecreção de muco e vómitos; Manter a cabeceira a 15/30° , exceto quando contra-indicado e Aspirar vias aéreas.
  • 22. 22
  • 23. Manter estabilidade cardiovascular ▹Avaliar estado mental; ▹Avaliar sinais vitais; ▹Avaliar ritmos cardíacos; ▹Avaliar temperatura; ▹Avaliar Coloração da pele e umidade; ▹ Avaliar débito urinário; ▹ Monitorar PVC; ▹ Monitorar pressão da artéria pulmonar. 23
  • 24. Sonolência e Soluço ▹Sonolência ▹Ações :avaliação do nível de consciência deve ser sempre verificada mediante alguns estímulos, alterações podem indicar complicações graves – como, por exemplo, hemorragia interna. ▹Soluço Os soluços são espasmos intermitentes do diafragma, provocados pela irritação do nervo frênico. ▹ No pós-operatório, suas causas mais comuns são a distensão abdominal e a hipotermia. ▹Ações: aspiração ou lavagem gástrica (na distensão abdominal), deambulação, aquecimento do cliente hipotérmico e mudança de decúbito. (Plasil) de acordo com a prescrição médica. 24
  • 25. Aliviando dor e ansiedade ▹ Administrar analgésicos prescritos, sempre atentando para os opióides que deprimem o sistema respiratório; ▹Controlando náuseas e vômitos; ▹Manter em decúbito lateral, caso a cirurgia não contraindicar, para promover a drenagem da boca e evitar broncoaspiração; ▹Administrar antiemético prescrito. 25
  • 26. ” ▹Geralmente na região da cirurgia; ▹Cefaléia pós Raquianestesia; 26 Dor
  • 27. 27
  • 28. 28
  • 29. 29
  • 30. Determinando alta da recuperação anestésica ▹Orientação para pessoa, local, eventos, tempo; ▹Função pulmonar íntegra; ▹Leituras de oximetria e pulso indicando saturação adequada; ▹Débito urinário de pelo menos 30ml/hora; ▹Náuseas e vômitos ausentes ou sob controle; ▹Dor mínima ▹O escore necessário no índice de Aldrete Kroulik7- 30
  • 31. Índice de Aldrete KROULIK ▹Determina a condição geral do paciente e sua condição de alta da recuperação anestésica. ▹A escala de Aldrete, possui critérios objetivos que através de pontuação, possibilitará a condição de permanência ou alta do paciente. 31 ▹ O escore necessário para alta do paciente na recuperação anestésica é de 7-8 pontos.
  • 32. 32
  • 34. Complicações respiratórias ▹Atelectasia: Expansão incompleta do pulmão. ▹Causa: Falta de mobilidade, de exercícios respiratórios e tosse e ainda não está de deambulação. ▹Sinais e sintomas: sons respiratórios diminuídos, estertores e tosse 34
  • 35. 35
  • 36. 36
  • 37. Pneumonia ▹Infecção respiratória. ▹Causa:procedimentos invasivos como intubação, aspiração e assistência ventilatória. ▹Sinais e sintomas: calafrios, febre, taquicardia e taquipnéia; tosse pode estar ou não presente, estertores na base do pulmão. 37
  • 38. 38
  • 39. 39
  • 40. 40
  • 41. 41
  • 42. Hipoxemia ▹Diminuição de oxigênio circulante no sangue. ▹Causa: Obesidade, cirurgias abdominais, problemas pulmonares pré-existentes. ▹Sinais e sintomas: Baixa saturação de oxigênio, membros frios, tremores, fibrilação atrial. 42
  • 43. Condutas de Enfermagem ▹Exercícios respiratórios (uso espirômetro, respirações profundas, incentivar a tosse) ▹Imobilizar sítios de incisão abdominal ou torácica (diminuir a dor) ▹Administrar oxigênio, se prescrito ▹Deambulação precoce ▹Obs.: O incentivo a tosse pode ser evitado em casos de pacientes que apresentam lesão Intracraniana ou realizaram cirurgia intracraniana (por causa do aumento da PIC), bem como nos pacientes que se submeteram à cirurgia ocular (risco de aumentar a pressão intraocular) e que realizaram cirurgias plásticas, devido ao risco de tensão nos tecidos. 43
  • 44. Trombose Venosa Profunda ▹Causas: Estresse (resposta hipotalâmica ao estresse, leva ao aumento da viscosidade do sangue e aumento da agregação plaquetária), desidratação, baixo débito cardíaco, represamento sanguíneo dos membros e repouso no leito. ▹Sinais e sintomas: Dor ou cãibra em panturrilha provocada por dorsoflexão de panturrilha (sinal de Homan), edema em perna, febre, calafrios e diaforese. ▹Heparina de baixo peso molecular profilática em baixas compressão pneumática externa e meias elásticas altas (até a coxa), evitar pernas pendentes. 44
  • 45. 45
  • 46. 46
  • 47. 47
  • 48. 48
  • 49. 49
  • 50. 50
  • 51. 51
  • 52. 52
  • 53. 53
  • 54. Hematoma ▹Causas: Sangramento que forma um coágulo abaixo da pele. ▹Sinais e sintomas: Abaulamento da ferida quando for de grande tamanho ▹Condutas: Quando grande a remoção do coágulo é feita pelo médico; quando pequeno, aguardar reabsorção. 54
  • 55. Infecção do sítio cirúrgico ▹Causas: ▹Fatores endógenos associados (obesidade, diabetes, estresse, idade, estado nutricional, tabagismo, resposta imune alterada; ▹Duração da internação pré-operatória e gravidade da doença); ▹Preparação de pele, duração da cirurgia, método de colocação de campos, técnica asséptica; ▹ Técnica operatória (suturas apertadas, hematomas, uso exagerado de bisturi elétrico); ▹ Ventilação da sala de cirurgia, entre outros. 55
  • 56. Infecção do sítio cirúrgico ▹Sinais e sintomas: Elevação da temperatura e do pulso, leucocitose, sinais flogísticos na incisão cirúrgica. ▹Condutas: Remover suturas e permitir a drenagem da ferida, inserir um dreno caso seja necessário (condutas médicas), antibioticoterapia e cuidados com a ferida. 56 A maior causa de leucocitose são as infecções
  • 57. 57
  • 58. ▹Quando ocorre um processo inflamatório, normalmente os sintomas se manifestam entre 36 e 48 horas após a cirurgia, mas podem passar desapercebidos devido à antibioticoterapia. 58 Infecção do sítio cirúrgico
  • 59. 59 Prevenção: preparo pré-operatório adequado, utilização de técnicas assépticas, observação dos princípios da técnica de curativo e alerta aos sinais que caracterizam a infecção. Os clientes devem ser orientados quanto aos cuidados, durante o banho, como curativo fechado. Nas instituições que têm por rotina trocar o curativos somente após o 2o dia pós- operatório (DPO), o mesmo deve ser coberto com plástico, como proteção à água do chuveiro - caso molhe-se acidentalmente, isto deve ser notificado. Nas instituições onde os curativos são trocados diariamente, o curativo pode ser retirado antes do banho, para que o cliente possa lavar o local com água e sabão, e refeito logo após.
  • 61. ” ▹São infecções que ocorrem relacionadas à manipulação cirúrgica acometendo tecido subcutâneo, tecidos moles profundos (fáscia e músculo), órgão e cavidades com incisão. Enquadra-se como aquelas que ocorrem até o 30º dia de pós-operatório ou até 01 ano nos casos de cirurgias com implante de órteses e próteses. 61
  • 62. ISC ▹Os patógenos causadores de ISC podem ser provenientes de três fontes: ▹microbiota do próprio paciente, ▹da equipe de saúde e ▹do ambiente inanimado, incluindo material cirúrgico. 62
  • 63. Deiscência da ferida ▹(ruptura da ferida) e evisceração (protusão do conteúdo da ferida) ▹Causas: Afrouxamento das suturas, infecção do sítio cirúrgico, distensão, abdominal e tosse acentuada, idade avançada, estado nutricional deficiente. ▹Sinais e sintomas: Separação das bordas da ferida é protusão dos intestinos, esguicho de líquido peritoneal sanguinolento, dor intensa. ▹Condutas: Manter o paciente em fowler baixa, cobrir alças intestinas com curativos estéreis embebidos de solução salina a 0,9%, notificar cirurgião imediatamente. 63 Todos os curativos com saída de secreções (purulenta, sanguinolenta) devem ser do tipo fechado; nos casos de sangramento, indica-se o curativo compressivo
  • 64. 64
  • 65. 65
  • 66. Hipotensão e Choque ▹Causas: Perda sanguínea(mais comum no choque hipovolêmico), hipoventilação, alteração da posição, efeitos colaterais de medicamentos e anestésicos. ▹Sinais e sintomas (choque hipovolêmico): Diminui PVC e PA, aumenta resistência periférica, taquicardia, palidez, pele fria e úmida, respiração rápida, cianose, pulso fraco, filiforme e rápido, diminuição do débito urinário . ▹Condutas: Reposição volumétrica (ringer lactado ou produtos sanguíneos), oxigênio(máscara ou cateter), medicamentos (cardiotônicos, vasodilatadores e corticosteróides),aquecimento moderado, decúbito dorsal e as pernas elevadas. 66

Notas do Editor

  1. Lesão ao endotélio vascular Estase venosa (Diminuição no fluxo sanguíneo) Alterações na constituição do sangue (hipercoagulabilidade)
  2. LIQUEMINE
  3. . Segundo Ferraz, estima-se que a ISC ocorra após 11% das operações no Brasil. Essa ocorrência varia de acordo com o tipo de procedimento cirúrgico e a imunidade do paciente