SlideShare uma empresa Scribd logo
Crise do Feudalismo: As Transformações no
Sistema Feudal Prof. Douglas Barraqui
SÉC. XIII – XIV
 Pessoas saiam do campo para
cidade;
 Gradativa centralização do
poder;
 O comércio renasceu;
 As cidades renasceram;
 População sofria com doenças,
fome e as guerras;
As transformações
SÉC. XI
 “Paz de Deus” e “Trégua de
Deus” (proibia as guerras nos
domingos e dias santos);
 Arroteamento (tornar as áreas
improdutivas do feudo em
locais apropriados para cultivo
agrícola);
As transformações
INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS
 Charrua;
 Cangalha;
 Rotação trienal de culturas,
 Moinho de Vento e Água;
As transformações
Charrua (arado de ferro)Charrua (arado de ferro)
 Possibilitou escavar solos mais
resistentes e com uma maior
profundidade.
 Aumento da produção agrícola.
As transformações
Cangalha
1- canzil;
2- fura da canga;
3- tamoeiro
4- brocha.
As transformações
As transformações
Rotação de Culturas
O trigo, por exemplo, que rendia
em média dois grãos por
espiga, passou a render cin-co
grãos. Isso resultou em um
aumento total de 150% na
quantidade de trigo
disponível. Atualmente, cada
espiga gera, em média, 40
grãos.
As transformações
Os moinhos acionados por rodas-d’água
ou por cata-ventos, que foram aprimorados
e tiveram seu uso amplamente difundido.
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
As Mudanças no Feudalismo
Séc. XI
MELHORIAS E AVANÇOS
TÉCNICOS
ARADO DE FERRO CANGALHA MOINHOS ROTAÇÃO DE CULTURAS
Aumento da produtividade
Crescimento demográfico
RENASCIMENTO
COMERCIAL
RENASCIMENTO
URBNO
“[...] Façamos que aqueles que estão promovendo a guerra
entre fieis marchem agora a combater contra os infiéis e
conclua em vitória uma guerra que deveria ter se iniciado há
muito tempo. Que aqueles que por muito tempo tem sido
foragidos, que agora sejam cavaleiros. Que aqueles que
estão pelejando com seus irmãos e parentes, que agora
lutem de maneira apropriada contra os bárbaros. Que
aqueles que estão servindo de mercenários por pequena
quantia, ganhem agora a recompensa eterna. Que aqueles
que hoje se malograram em corpo tanto como em alma, se
dispunham a lutar por uma honra em dobro. [...]”
POVO GRITOU: "Deus vult! Deus
vult!" ( Deus quer!)
Trecho do discurso de
Urbano II Concílio de Clermont (França)
As Cruzadas e as
Ordens Militares
 Cruzadas: expedições religiosas e militares
que, entre os séculos XI e XIII, se dirigiram
contra aqueles considerados inimigos da
cristandade;
 Objetivo: reconquista da cidade de
Jerusalém, tomada pelos turcos em 1076.
 Papa Urbano II – 1095 Concílio de
Clermont (França)
As Cruzadas e as
Ordens Militares
CAUSAS:
 Causa religiosa: libertar Jerusalém;
 Causa econômica: abrir Mediterrâneo;
 Causa política: questão da primogenitura;
 Causa social: crescimento populacional;
As Cruzadas e as
Ordens Militares
CONSEQUÊNCIAS DAS CRUZADAS:CONSEQUÊNCIAS DAS CRUZADAS:
Crise do sistema feudal, com o enfraquecimento dos
senhores que se endividaram para montar exércitos e
perderam camponeses;
 Despovoamento das terras do norte da Europa;
Criação de rotas comerciais pelo mar Mediterrâneo;
Revigoramento do comércio entre o Oriente e o Ocidente;
Chegada das especiarias do oriente na Europa;
O estabelecimento de contatos culturais entre a Europa e o
Oriente;
Os cruzados contribuíram para a abertura e a recuperação
de estradas;
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
O Renascimento Comercial
O Renascimento Comercial
 No início as cidades eram locais onde os camponeses trocavam suas
colheitas por produtos artesanais;
 Com o aumento populacional e a chegada das especiarias do oriente o
comércio monetário se fortaleceu;
 Surge a burguesia;
O Renascimento Comercial
 Nas cidades os artesões
de um mesmo ofício
formavam associações –
corporações de ofício;
 Corporações protegiam
artesãos de uma cidade
da concorrência de
outras;
O Renascimento Comercial
A Europa, a partir do século XI, passou a ser cortada por rotas comerciais terrestres, que ligavam
Gênova e Veneza – cidades que monopolizavam as rotas mediterrânicas provenientes da Ásia – à
região de Flandres e às cidades da Liga Hanseática, no mar do Norte. Existiam ainda rotas marítimas
que contornavam a península Ibérica e chegavam a Bremen, Lübeck e Hamburgo, grandes centros
da Liga Hanseática.
 As novas rotas comerciais –
comércio de longa distância – gerou
maior circulação de mercadorias
e exigiu novas formas de
pagamento.
 Surge a Letra de Cambio;
 Para agilizar o comércio,
surgiram os primeiros
bancos oferecendo as
cartas de crédito;
O Renascimento Comercial
Crise do século XIV
Guerras, doenças e aumento na cobrança
de tributos –, levaram ao surgimento de
violentas revoltas no campo e nas cidades.
A Guerra dos Cem Anos (1337-1453)
destruiu os campos cultivados e aumentou
a fome, especialmente nos territórios da
atual França.
Peste Negra
CIDADES MEDIEVAIS
Ruas
tortuosas
Sem coleta
de lixo
Sem
banheiros
Favoreceu
aparecimento e
transmissão
de doenças
VARÍOLA
CÓLERA
LEPRA
TIFO
PESTE
NEGRA
• Entre 1340 e 1350
matou 25 milhões
de pessoas
Sintomas da peste bubônica:
calafrios,
febre,
indisposição,
dor de cabeça,
dor muscular,
convulsões,
glândula linfática dolorosa.
A dor pode ocorrer na área
antes de o inchaço aparece
Peste Negra
Peste Negra
As lutas dos camponeses
Famintos, cansados e sem a proteção
dos senhores, os camponeses deram
início, em 1358, às Jacqueries:
Revoltas que ocorreram nas
regiões francesas da Picardia e da
Provença, e nas áreas em torno de
Paris.
A expressão jacquerie deriva de
“Jacques Bonhomme” (equivalente a
“joão-ninguém”, em português),
apelido que os nobres deram aos
camponeses para ridicularizá-los.
As lutas dos camponeses
Inglaterra - século XIV, também
ocorreram revoltas campo-nesas.
Wat Tyler, um dos principais líderes
dos revoltosos, era um soldado que
tinha combatido nos territórios
franceses. Ele liderou um grupo de
10 mil camponeses que foram a
Londres em 1381 exigir uma
audiência com o rei, pois se opunham
a pagar o imposto exigido com a
finalidade de financiar a Guerra
dos Cem Anos. Esse grupo sofreu a
oposição da Igreja e dos nobres. Os
manifestantes acabaram matando um
bispo e queimando um grande
castelo. O líder Wat Tyler foi
morto pelo prefeito de Londres e a
revolta fracassou.
A principal motivação dos jacques
a exploração a que estavam
submetidos.
Os rebelados queimaram castelos
e assassinaram senhores.
Apesar de toda a mobilização
popular, a revolta foi reprimida e
mais de 20 mil camponeses foram
massacrados pelos exércitos dos
reis e seus aliados
As lutas dos camponeses
As lutas urbanas
Paris - 1356 e 1358.
Étienne Marcel, membro da alta
burguesia e uma espécie de prefeito,
foi o líder do movimento. Afastado da
corte por motivos familiares, Étienne
armou o povo para a revolta. O líder
tentou unir a rebelião às Jacqueries,
porém os dois movimentos foram
reprimidos
A imagem representa a morte de Étienne
Marcel, líder da revolta pela abolição das
obrigações feudais para tornar Paris
independente.
Crise do século XIV
FATORES DA CERISE DO SÉC. XIV
Instabilidade Climática;
Queda na produção agrícola;
Falta de cereais;
FOME
Doenças;
Falta de higiene;
Guerras (cruzadas);
Baixa taxa de natalidade;
Alta taxa de mortalidade (peste
negra)
Revoltas
MORTES
Queda na produção agrícola;
Aumento dos preços dos
alimentos;
MISÉRIA
CRISE
AGRÁRIA
CRISE
SOCIAL
CRISE
ECONÔMICA
O CLERO
perdeu parte de seus poderes, pois estava menos ligado
à aristocracia;
As leis de Deus passaram a ser questionadas;
Perdeu terras e influência;
As Mudanças sociais na Baixa
Idade Média
As Mudanças sociais na Baixa
Idade Média
A NOBREZA
Em razão dos problemas
econômicos, a aristocracia teve seu
poder diminuído;
 Muitos nobres perderam suas
terras e tiveram de se deslocar para
as cidades ou para as cortes reais;
Outros procuravam casar as filhas
com burgueses ricos.
OS CAMPONESES
Depois da peste, das revoltas e do
declínio demográfico, muitos
conseguiram suas próprias terras e se
livraram da servidão.
Outros migraram para as cidades,
tornando-se trabalhadores livres.
As Mudanças sociais na Baixa
Idade Média
A BURGUESIA
em geral, o grupo mais favorecido, pois,
apesar das dificuldades, muitos burgueses
compraram terras dos nobres,
Passaram a participar e a influenciar
cada vez mais do governo das cidades e
da administração real.
As Mudanças sociais na Baixa
Idade Média
Referências
CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes.
História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo:
SM. 2010.
COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino
Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005.
Projeto Araribá: História – 6º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora
Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani.
AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris: história
6º ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Douglas Barraqui
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
harlissoncarvalho
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Douglas Barraqui
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
Alexandre Protásio
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
Douglas Barraqui
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
Daniel Alves Bronstrup
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Paulo Alexandre
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
Edenilson Morais
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
Geová da Silva
 

Mais procurados (20)

Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução IndustrialDas Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
Das Revoluções Inglesa à Revolução Industrial
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Tempo e história
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
Idade Media
Idade MediaIdade Media
Idade Media
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
Era Napoleônica
Era NapoleônicaEra Napoleônica
Era Napoleônica
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
Republica Romana -  Prof.Altair AguilarRepublica Romana -  Prof.Altair Aguilar
Republica Romana - Prof.Altair Aguilar
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 

Semelhante a Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal

Baixa idade media 7º anos
Baixa idade media   7º anosBaixa idade media   7º anos
Baixa idade media 7º anos
Íris Ferreira
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Feudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaFeudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade Média
Valeria Kosicki
 
Baixa idade média i
Baixa idade média   iBaixa idade média   i
Baixa idade média i
Auxiliadora
 
Baixa idade média i
Baixa idade média   iBaixa idade média   i
Baixa idade média i
Auxiliadora
 
Mudanças no Feudalismo
Mudanças no FeudalismoMudanças no Feudalismo
Mudanças no Feudalismo
Dalton Lopes Reis Jr.
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade Média
Edenilson Morais
 
O fim da idade media e o renascimento comercial e urbano.
O fim da idade media e o renascimento comercial e urbano.O fim da idade media e o renascimento comercial e urbano.
O fim da idade media e o renascimento comercial e urbano.
Charles Rogers Souza Da Silva (Messer)
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
Lemos de Castro
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
Carla Cristina
 
juju
jujujuju
Slide cruzadas
Slide cruzadasSlide cruzadas
Slide cruzadas
Isabel Aguiar
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
Claudenilson da Silva
 
Final da idade média
Final da idade médiaFinal da idade média
Final da idade média
caldarte
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
CEF Arapoanga
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbano
Adriana Gomes Messias
 
Historia do brasil pg188
Historia do brasil pg188Historia do brasil pg188
Historia do brasil pg188
kisb1337
 
Apostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasilApostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasil
Direito2012sl08
 
Apostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasilApostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasil
Direito2012sl08
 
Aula 2 - A crise do feudalismo
Aula 2 -  A crise do feudalismoAula 2 -  A crise do feudalismo
Aula 2 - A crise do feudalismo
profnelton
 

Semelhante a Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal (20)

Baixa idade media 7º anos
Baixa idade media   7º anosBaixa idade media   7º anos
Baixa idade media 7º anos
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
 
Feudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade MédiaFeudalismo- Baixa Idade Média
Feudalismo- Baixa Idade Média
 
Baixa idade média i
Baixa idade média   iBaixa idade média   i
Baixa idade média i
 
Baixa idade média i
Baixa idade média   iBaixa idade média   i
Baixa idade média i
 
Mudanças no Feudalismo
Mudanças no FeudalismoMudanças no Feudalismo
Mudanças no Feudalismo
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade Média
 
O fim da idade media e o renascimento comercial e urbano.
O fim da idade media e o renascimento comercial e urbano.O fim da idade media e o renascimento comercial e urbano.
O fim da idade media e o renascimento comercial e urbano.
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
 
juju
jujujuju
juju
 
Slide cruzadas
Slide cruzadasSlide cruzadas
Slide cruzadas
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
 
Final da idade média
Final da idade médiaFinal da idade média
Final da idade média
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbano
 
Historia do brasil pg188
Historia do brasil pg188Historia do brasil pg188
Historia do brasil pg188
 
Apostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasilApostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasil
 
Apostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasilApostila de historia direito do brasil
Apostila de historia direito do brasil
 
Aula 2 - A crise do feudalismo
Aula 2 -  A crise do feudalismoAula 2 -  A crise do feudalismo
Aula 2 - A crise do feudalismo
 

Mais de Douglas Barraqui

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
Douglas Barraqui
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
Douglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
Douglas Barraqui
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
Douglas Barraqui
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
Douglas Barraqui
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
Douglas Barraqui
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
Douglas Barraqui
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Douglas Barraqui
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Douglas Barraqui
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
Douglas Barraqui
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
Douglas Barraqui
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
Douglas Barraqui
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
Douglas Barraqui
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Douglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
Douglas Barraqui
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Douglas Barraqui
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
Douglas Barraqui
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Douglas Barraqui
 
As Reformas Protestantes e a Contra-reforma
As Reformas Protestantes e a Contra-reformaAs Reformas Protestantes e a Contra-reforma
As Reformas Protestantes e a Contra-reforma
Douglas Barraqui
 

Mais de Douglas Barraqui (20)

FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - MÓDULO 01 - O QUE É O SER HUMANO?
 
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA
 
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADESOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
SOCIOLOGIA: CONSTRUÇÃO DA MODERNIDADE
 
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃOA BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
A BUSCA PELA VERDADE: SÓCRATES E PLATÃO
 
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGAOS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
OS PRIMÓRDIOS DA FILOSOFIA GREGA
 
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTASFORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS
 
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBERSOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
SOCIOLOGIA - DURKHEIM E WEBER
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIALMÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
MÓDULO 01 – POSITIVISMO E REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
FILOSOFIA - O QUE É O SER HUMANO?
 
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINAHIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
HIROSHIMA - BIANCA REIS - DARWIN COLATINA
 
SEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRASEGUNDA GRANDE GUERRA
SEGUNDA GRANDE GUERRA
 
História da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônicaHistória da américa anglo saxônica
História da américa anglo saxônica
 
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do VietnãRevolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
Revolução Socialista na China e a Guerra do Vietnã
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento AvanzaReleitura das obras de Nice Nascimento Avanza
Releitura das obras de Nice Nascimento Avanza
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda GuerraPeríodo Entre Guerras e Segunda Guerra
Período Entre Guerras e Segunda Guerra
 
As Reformas Protestantes e a Contra-reforma
As Reformas Protestantes e a Contra-reformaAs Reformas Protestantes e a Contra-reforma
As Reformas Protestantes e a Contra-reforma
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 

Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal

  • 1. Crise do Feudalismo: As Transformações no Sistema Feudal Prof. Douglas Barraqui
  • 2. SÉC. XIII – XIV  Pessoas saiam do campo para cidade;  Gradativa centralização do poder;  O comércio renasceu;  As cidades renasceram;  População sofria com doenças, fome e as guerras; As transformações
  • 3. SÉC. XI  “Paz de Deus” e “Trégua de Deus” (proibia as guerras nos domingos e dias santos);  Arroteamento (tornar as áreas improdutivas do feudo em locais apropriados para cultivo agrícola); As transformações
  • 4. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS  Charrua;  Cangalha;  Rotação trienal de culturas,  Moinho de Vento e Água; As transformações
  • 5. Charrua (arado de ferro)Charrua (arado de ferro)  Possibilitou escavar solos mais resistentes e com uma maior profundidade.  Aumento da produção agrícola. As transformações
  • 6. Cangalha 1- canzil; 2- fura da canga; 3- tamoeiro 4- brocha. As transformações
  • 7. As transformações Rotação de Culturas O trigo, por exemplo, que rendia em média dois grãos por espiga, passou a render cin-co grãos. Isso resultou em um aumento total de 150% na quantidade de trigo disponível. Atualmente, cada espiga gera, em média, 40 grãos.
  • 8. As transformações Os moinhos acionados por rodas-d’água ou por cata-ventos, que foram aprimorados e tiveram seu uso amplamente difundido.
  • 10. As Mudanças no Feudalismo Séc. XI MELHORIAS E AVANÇOS TÉCNICOS ARADO DE FERRO CANGALHA MOINHOS ROTAÇÃO DE CULTURAS Aumento da produtividade Crescimento demográfico RENASCIMENTO COMERCIAL RENASCIMENTO URBNO
  • 11. “[...] Façamos que aqueles que estão promovendo a guerra entre fieis marchem agora a combater contra os infiéis e conclua em vitória uma guerra que deveria ter se iniciado há muito tempo. Que aqueles que por muito tempo tem sido foragidos, que agora sejam cavaleiros. Que aqueles que estão pelejando com seus irmãos e parentes, que agora lutem de maneira apropriada contra os bárbaros. Que aqueles que estão servindo de mercenários por pequena quantia, ganhem agora a recompensa eterna. Que aqueles que hoje se malograram em corpo tanto como em alma, se dispunham a lutar por uma honra em dobro. [...]” POVO GRITOU: "Deus vult! Deus vult!" ( Deus quer!) Trecho do discurso de Urbano II Concílio de Clermont (França) As Cruzadas e as Ordens Militares
  • 12.  Cruzadas: expedições religiosas e militares que, entre os séculos XI e XIII, se dirigiram contra aqueles considerados inimigos da cristandade;  Objetivo: reconquista da cidade de Jerusalém, tomada pelos turcos em 1076.  Papa Urbano II – 1095 Concílio de Clermont (França) As Cruzadas e as Ordens Militares CAUSAS:  Causa religiosa: libertar Jerusalém;  Causa econômica: abrir Mediterrâneo;  Causa política: questão da primogenitura;  Causa social: crescimento populacional;
  • 13. As Cruzadas e as Ordens Militares CONSEQUÊNCIAS DAS CRUZADAS:CONSEQUÊNCIAS DAS CRUZADAS: Crise do sistema feudal, com o enfraquecimento dos senhores que se endividaram para montar exércitos e perderam camponeses;  Despovoamento das terras do norte da Europa; Criação de rotas comerciais pelo mar Mediterrâneo; Revigoramento do comércio entre o Oriente e o Ocidente; Chegada das especiarias do oriente na Europa; O estabelecimento de contatos culturais entre a Europa e o Oriente; Os cruzados contribuíram para a abertura e a recuperação de estradas;
  • 17.  No início as cidades eram locais onde os camponeses trocavam suas colheitas por produtos artesanais;  Com o aumento populacional e a chegada das especiarias do oriente o comércio monetário se fortaleceu;  Surge a burguesia; O Renascimento Comercial
  • 18.  Nas cidades os artesões de um mesmo ofício formavam associações – corporações de ofício;  Corporações protegiam artesãos de uma cidade da concorrência de outras; O Renascimento Comercial
  • 19. A Europa, a partir do século XI, passou a ser cortada por rotas comerciais terrestres, que ligavam Gênova e Veneza – cidades que monopolizavam as rotas mediterrânicas provenientes da Ásia – à região de Flandres e às cidades da Liga Hanseática, no mar do Norte. Existiam ainda rotas marítimas que contornavam a península Ibérica e chegavam a Bremen, Lübeck e Hamburgo, grandes centros da Liga Hanseática.
  • 20.  As novas rotas comerciais – comércio de longa distância – gerou maior circulação de mercadorias e exigiu novas formas de pagamento.  Surge a Letra de Cambio;  Para agilizar o comércio, surgiram os primeiros bancos oferecendo as cartas de crédito; O Renascimento Comercial
  • 21. Crise do século XIV Guerras, doenças e aumento na cobrança de tributos –, levaram ao surgimento de violentas revoltas no campo e nas cidades. A Guerra dos Cem Anos (1337-1453) destruiu os campos cultivados e aumentou a fome, especialmente nos territórios da atual França.
  • 22. Peste Negra CIDADES MEDIEVAIS Ruas tortuosas Sem coleta de lixo Sem banheiros Favoreceu aparecimento e transmissão de doenças VARÍOLA CÓLERA LEPRA TIFO PESTE NEGRA • Entre 1340 e 1350 matou 25 milhões de pessoas
  • 23. Sintomas da peste bubônica: calafrios, febre, indisposição, dor de cabeça, dor muscular, convulsões, glândula linfática dolorosa. A dor pode ocorrer na área antes de o inchaço aparece Peste Negra
  • 25. As lutas dos camponeses Famintos, cansados e sem a proteção dos senhores, os camponeses deram início, em 1358, às Jacqueries: Revoltas que ocorreram nas regiões francesas da Picardia e da Provença, e nas áreas em torno de Paris. A expressão jacquerie deriva de “Jacques Bonhomme” (equivalente a “joão-ninguém”, em português), apelido que os nobres deram aos camponeses para ridicularizá-los.
  • 26. As lutas dos camponeses Inglaterra - século XIV, também ocorreram revoltas campo-nesas. Wat Tyler, um dos principais líderes dos revoltosos, era um soldado que tinha combatido nos territórios franceses. Ele liderou um grupo de 10 mil camponeses que foram a Londres em 1381 exigir uma audiência com o rei, pois se opunham a pagar o imposto exigido com a finalidade de financiar a Guerra dos Cem Anos. Esse grupo sofreu a oposição da Igreja e dos nobres. Os manifestantes acabaram matando um bispo e queimando um grande castelo. O líder Wat Tyler foi morto pelo prefeito de Londres e a revolta fracassou.
  • 27. A principal motivação dos jacques a exploração a que estavam submetidos. Os rebelados queimaram castelos e assassinaram senhores. Apesar de toda a mobilização popular, a revolta foi reprimida e mais de 20 mil camponeses foram massacrados pelos exércitos dos reis e seus aliados As lutas dos camponeses
  • 28. As lutas urbanas Paris - 1356 e 1358. Étienne Marcel, membro da alta burguesia e uma espécie de prefeito, foi o líder do movimento. Afastado da corte por motivos familiares, Étienne armou o povo para a revolta. O líder tentou unir a rebelião às Jacqueries, porém os dois movimentos foram reprimidos A imagem representa a morte de Étienne Marcel, líder da revolta pela abolição das obrigações feudais para tornar Paris independente.
  • 29. Crise do século XIV FATORES DA CERISE DO SÉC. XIV Instabilidade Climática; Queda na produção agrícola; Falta de cereais; FOME Doenças; Falta de higiene; Guerras (cruzadas); Baixa taxa de natalidade; Alta taxa de mortalidade (peste negra) Revoltas MORTES Queda na produção agrícola; Aumento dos preços dos alimentos; MISÉRIA CRISE AGRÁRIA CRISE SOCIAL CRISE ECONÔMICA
  • 30. O CLERO perdeu parte de seus poderes, pois estava menos ligado à aristocracia; As leis de Deus passaram a ser questionadas; Perdeu terras e influência; As Mudanças sociais na Baixa Idade Média
  • 31. As Mudanças sociais na Baixa Idade Média A NOBREZA Em razão dos problemas econômicos, a aristocracia teve seu poder diminuído;  Muitos nobres perderam suas terras e tiveram de se deslocar para as cidades ou para as cortes reais; Outros procuravam casar as filhas com burgueses ricos.
  • 32. OS CAMPONESES Depois da peste, das revoltas e do declínio demográfico, muitos conseguiram suas próprias terras e se livraram da servidão. Outros migraram para as cidades, tornando-se trabalhadores livres. As Mudanças sociais na Baixa Idade Média
  • 33. A BURGUESIA em geral, o grupo mais favorecido, pois, apesar das dificuldades, muitos burgueses compraram terras dos nobres, Passaram a participar e a influenciar cada vez mais do governo das cidades e da administração real. As Mudanças sociais na Baixa Idade Média
  • 34. Referências CAPELLARI, Marcos Alexandre; NOGUEIRA, Fausto Henrique Gomes. História: ser protagonista - Volume único. Ensino Médio. 1ª Ed. São Paulo: SM. 2010. COTRIM, Gilberto. História Global – Brasil e Geral. Volume Único. Ensino Médio. 8ª Ed. São Paulo: Saraiva 2005. Projeto Araribá: História – 6º ano. /Obra coletiva/ São Paulo: Editora Moderna, 2010. Editora Responsável: Maria Raquel Apolinário Melani. AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Projeto Teláris: história 6º ano. São Paulo: Ática, 1º ed., 2012.