SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
N
o inicio do século XIX a população
mundial se encontrava em ritmo ace
lerado de crescimento. No planeta já
viviam quase 1 bilhão de habitantes, concentrados na
Eurásia, mas já se espalhando por outras regiões. Os
índices de natalidade aumentavam a cada ano, mas tei-
mosamente, os índices de mortalidade indicavam que
a expectativa de vida era muito curta. Na França, em
1815, a população mais jovem representava 40% do
total de habitantes, enquanto os mais velhos significa-
vam apenas 7%. As doenças endêmicas continuavam
ceifandovidasquenãoconseguiamdriblarosmalefícios
do cólera, do tifo, peste bubônica e outras enfermida-
des.
Na maioria das casas, a umidade era um estí-
mulo à propagação da tuberculose e doenças de ori-
gem pulmonar. De todas as doenças, o cólera parecia
ser a mais devastadora pois os remédios eram inúteis
para combatê-la. A natalidade era bem maior do que
nos séculos anteriores, mas é bem verdade, que nem
todos tinham chance de sobreviver por muito tempo.
A pobreza generalizada acentuava as dificuldades da
população mais humilde, tornando a vida dos mais
pobres, um verdadeiro inferno.
Os cronistas do século XIX deixaram um regis-
tro descrevendo um mundo desigual, aonde poucos ti-
nham muito e muitos não tinham nada. Cientistas fa-
mosos como o pastor Malthus, alegavam que a pobre-
za era responsabilidade dos pobres, que não paravam
de gerar filhos. Sua teoria teve muitos seguidores que
assim podiam justificar a miséria e a desigualdade soci-
al.
As dificuldades sociais forneceram o combustí-
vel para as revoluções de 1830 e 1848, porém aos pou-
cos os homens foram aprendendo a contornar os pro-
blemas, ou pelo menos, diminui-los o que já era grande
coisa. No desenrolar da Revolução Industrial, impor-
tantes descobertas modificaram as estatísticas de mor-
talidade em favor de uma melhoria na qualidade de vida.
Com efeito, as grandes descobertas do século XIX
embora não tenham acabado com a miséria, tornaram a
vida mais fácil com suas inúmeras invenções.
No plano das grandes invenções, em meados do
século XIX, muitas indústrias utilizariam o aço, que era
mais barato, mais maleável e mais resistente que o fer-
ro. No mesmo período, a descoberta da eletricidade
deixaria para trás a energia a vapor, tornando-se a fonte
de energia preponderante nas indústrias.
“Época de 1900, bela época; que
orgulho de ser burguês e que orgulho de
ser europeu. Em redor das mesas de tampo
verde de Londres, de Paris ou de Berlim
decide-se o destino do planeta. Passeiam-
se as árvores da borracha da Amazônia,
Malásia, extinguem-se na miséria os jazigos
enormes do Alto Hoang-Ho, constrói-se em
algumas semanas uma cidade mineira ao
norte do Alto Vaal. Mobilizadas pelo vapor,
as riquezas planetárias são deslocadas,
“dum extremo do mundo ao outro extremo”,
como diz Le Bateauivre, por ordens que o
telégrafo transmite em alguns minutos. De
decisões dos conselhos de administração
de Londres, de Paris ou de Berlim depende
a vida de milhões de seres que não se
apercebem que o seu direito à felicidade se
mede nas cotações das três bolsas mais
ruidosas, recintos no estilo de templos, onde
se travam as grandes batalhas das ambições
financeiras desenfreadas. E as capitais
financeiras da Europa não desdenham
nenhum pormenor, fixam o preço do bonde
no Rio de Janeiro ou da hora de trabalho de
um trabalhador em Hong-Kong. Nunca tal
poderio estivera reunido em tão poucas mãos
num tão limitado canto da Terra. É o apogeu
dos burgueses da Europa” 1
Multidões
invadem o
Palácio de
Cristal em Nova
York na feira
realizada em
1854 para
comemorar a
variedade e
abundâncias dos
bens
manufaturados
na América.
CapitalismoeImperialismo
Telégrafo e telefone encurtaram o mundo, pos-
sibilitando a comunicação mais eficiente entre as na-
ções e os continentes. Na ciência, o
benefício das invenções permitiu a
cura de terríveis doenças
endêmicas.
“Para o próspero mundo
industrial do final do século XIX, o
progresso vinha banhado pelo bri-
lho da luz elétrica. Luzindo nos arcos
voltaicos teatrais, inundando campos de esportes, ilu-
minando os debates parlamentares e acrescentando
prestígio e glamour às lojas de departamentos e resi-
dências, a eletricidade trouxe uma nova força para a
vida das pessoas que prometia mudar o mundo de
maneira jamais sonhada” 2
As ferrovias continuavam sendo a vitrine da in-
dústria. Por onde os trens passavam, o progresso che-
gava logo atrás, com a criação de novos empregos e o
crescimento das cidades. Segundo estimativas, a Euro-
pa possuía 105.000 km construídos, os EUA, 95.000
km. O sistema ferroviário mundial empregava 2 milhões
de pessoas, sem contar os empregos indiretos. No que
diz respeito à oferta de empregos, a indústria ferroviá-
ria representava no final do século XIX, o que a indús-
tria automobilística representa nos dias de hoje. A Re-
volução Industrial preparava-se para um grande salto
se irradiando por outros países, tirando da Inglaterra o
monopólio desfrutado até então.
Com efeito, a Revolução Industrial até 1820-
1830 era um fenômeno restrito à Inglaterra. Nas déca-
das anteriores, os ingleses controlaram a produção
mundial abastecendo até países inimigos. A estrutura
da indústria na primeira fase ainda era tipicamente
familiar, restringindo o crescimento de capital a in-
teresses e riscos individuais.Apesar de enormes
em relação ao período, hoje, as indústrias de
1830 seriam comparadas a galpões de fundo de
quintal.
Mas é lógico que o “boom” representado pela
Revolução Industrial não iria parar, nem estagnar no
tempo. Deve-se levar em conta, que o crescimento
demográfico implicava no aumento da produção, exi-
gindo das máquinas e homens o trabalho em ritmo
acelerado.
OS TRUSTES E OS CARTÉISOS TRUSTES E OS CARTÉISOS TRUSTES E OS CARTÉISOS TRUSTES E OS CARTÉISOS TRUSTES E OS CARTÉIS
Com o avanço das comunicações o mundo fi-
cou bem menor, pois muito rapidamente se cruzava os
cinco oceanos. O desenvolvimento dos transportes
transformou as ferrovias em artérias, que circulavam
o continente europeu e outros países em desenvolvi-
mento, levando o símbolo do progresso. Mudou tam-
bém a natureza da indústria, com a expansão do mer-
cado de ações e a investimento de capital, através das
Bolsas de Valores e das sociedades anônimas.
Na queda de braço da concorrência, as indús-
trias menores foram eliminadas por não terem força
para derrubar o grande capital. Em alguns casos, nem
ao menos entraram na competição. Essa nova realida-
de provocou a formação dos conhecidos trustes e
cartéis, que hoje monopolizam a produção e o comér-
cio mundial. Os trustes assumiram proporções gigan-
tescas, controlando várias fases da produção, desde a
matéria-prima até o produto final. Não se restringiam
a um único país e como observamos na realidade atu-
al, não havia fronteiras para as grandes empresas, que
em sua versão moderna, se materializam nas gigantes-
cas multinacionais.
Em um anúncio
americano do
início do século,
uma senhora
elegante tenta ligar
a imagem da
Coca-Cola aos
padrões da moda.
Bolsa de algodão
em New Orleans,
pintada por de
Degas.
CapitalismoeImperialismo
Arespeito da concorrência John Rockfeller Jr.,
numa conferência nos EUA, dizia “A rosa American
Beauty só pode ser produzida com todo o seu esplen-
dor e fragrância, sacrificando-se os primeiros botões
que nascem à sua volta.”
No mesmo contexto os cartéis desempenharam
uma estrutura de acordo voltada para a barganha, onde
diferentes empresas determinavam o preço igual de
uma mercadoria. Proporcionalmente os preços se man-
tinham iguais, ressalvando-se a peculiaridade de cada
país em custos adicionais de mão-de-obra, impostos
etc. Como afirma Léo Huberman, “com o crescimento
do monopólio, a oferta e a procura não se ajustaram
- foram ajustadas. Com o crescimento do monopólio,
os preços não se estabeleceram através da concor-
rência no mercado livre - o mercado deixou de ser
livre e os preços foram fixados.”
Outro sinal dos novos tempos era a associa-
ção das grandes indústrias com o capital bancário,
visando um lastro seguro para os investimentos. Com
a expansão do mercado de ações, os capitalistas
liberaram expressivas linhas de crédito, disponíveis
apenas nos grandes bancos. Com freqüência os
banqueiros adquiriam ações das empresas em
crescimento, tornando-se co-participantes de próspe-
ros negócios. Por tudo isso, o capitalismo mudou a
nomenclatura de Industrial para Monopolista e Finan-
ceiro.
OS CONCORRENTES DAOS CONCORRENTES DAOS CONCORRENTES DAOS CONCORRENTES DAOS CONCORRENTES DA
INGLATERRAINGLATERRAINGLATERRAINGLATERRAINGLATERRA
A partir da segunda década do século XIX, os
ingleses tiveram novos parceiros na produção industri-
al. A França no começo do século livrou-se do fardo
das restrições feudais e do mercantilismo. Após a Re-
volução de 1830, o país teve sua fase de maior prospe-
ridade, vinculada aos investimentos de poderosos ban-
queiros ligados ao governo. A partir de 1850, adota-
ram-se medidas de proteção à indústria interna visando
o crescimento industrial. Entretanto, apesar das reser-
vas de carvão de Alsácia e Lorena, a França ainda im-
portava boa parte das matérias-primas básicas da in-
dústria
De outro lado, após a unificação em 1870, a Ale-
manha seguiria a Inglaterra em ritmo extremamente
acelerado. Afinal, desde 1830, bem antes da unidade
política, os alemães haviam eliminado as barreiras al-
fandegárias, após a criação do Zollverein, — mercado
comum dos estados germânicos. Com a mudança, as
indústrias alemãs decolaram à todo vapor, contando
com a ajuda das imensas reservas de carvão do vale do
Ruhr, responsáveis por 50% do carvão consumido in-
ternamente. Com a expansão da indústria química, os
alemães deram goleada nos concorrentes e, até hoje,
têm posição de destaque no panorama mundial.
Com a ascensão do ministro Bismarck, em 1860,
a Prússia apostou na articulação de uma política de
exaltação nacionalista, que levou os prussianos a reali-
zarem duas guerras contra o débil reino da Dinamarca e
o fraco império Áustro-Húngaro. As sucessivas vitóri-
as alemãs ressaltaram o ego nacionalista, unindo os
Estados germânicos mais resistentes. Em 1870, no maior
lance de sua carreira de grande líder e diplomata, o gê-
nio Bismarck declarou guerra à França. A vitória alemã
foi obtida com um “passeio” que levou as tropas
germânicas a desfilarem em triunfo pelas ruas de Paris.
A derrota humilhou a França gerando uma série crise
interna, culminando na renúncia de Napoleão III, que
governava o país desde 1848.
“À frente de um grupo de oficiais do exército, o
rei Guilherme i e seu chefe de estado-maior, general
Von Moltke, observam manobras militares. Lingüísta
talentoso, mas taciturno, Moltke foi certa vez descrito
como sendo silencioso em sete línguas.
“A rosa American Beauty
só pode ser produzida com
todo o seu esplendor e fra-
grância, sacrificando-se os
primeiros botões que nascem à
sua volta.”
OTempo da História
1830 - 1848
REVOLUÇÕES
LIBERAIS
NA
FRANÇA
EUA
FIM DA
GUERRA
DE
SECESSÃO
UNIFICAÇÃO
DA
ALEMANHA
E
ITÁLIA
1850
EXPANSÃO
IMPERIALISTA
1878
PARTILHA
DA
ÁFRICA
JAPÃO
REVOLUÇÃO
‘MEIJI
1870
CapitalismoeImperialismo
Percebendo que o uso de ferrovias iria trans-
formar a condição das guerras, permitindo que gran-
des quantidades de tropas fossem rapidamente mobi-
lizadas e supridas. Moltke fez do exército prussiano a
mais eficiente força militar da Europa, coordenada
por uma equipe de estrategistas capazes e equipada
com canhões leves e carregáveis pela culatra”.3
No restante da Europa, Rússia, Itália, Áustria-
Hungria e Holanda tiveram níveis de desenvolvimento
bem inferiores aos de Inglaterra, Alemanha e França.
No geral, dependiam bastante dos investimentos
externos, como é o caso da Rússia. Os russos tiveram a
industrialização bastante dependente do capital francês
além de restrita a pouquíssimas cidades. A Itália tinha
uma vigorosa indústria, porém restrita ao norte, pois o
resto do país estava mergulhado num atraso que
lembrava a época feudal. O império Áustro-Húngaro
era uma colcha de retalhos de várias nacionalidades
distintas.
Fora da Europa, observa-se o crescimento de
EUA e Japão. Os EUA deram a grande arrancada, após
a Guerra de Secessão, quando houve a unificação do
mercado interno e a adoção de medidas de proteção à
indústria. Os EUA eram uma espécie de Eldorado, atra-
indo imigrantes que não paravam de chegar. Boa parte
desses imigrantes era altamente qualificada para o tra-
balho, e fugiam do fantasma do desemprego nas indús-
trias européias. Enquanto a rede ferroviária norte-ame-
ricana, se alastrava em todo o território, a indústria pe-
sada já ostentava o primeiro lugar mundial em produ-
ção de ferro, carvão, cobre, aço e alumínio.
O Japão entrou para o grupo de países
desenvolvidos em 1868 com a Revolução Meiji. Até
essemomento,eradifícilimaginarqueseriaumapotência
industrial. A revolução destruiu a herança feudal e co-
locou um ponto final no controle político dos Shoguns.
A burguesia japonesa com apoio estrangeiro, deu um
golpe derrubando o shogunato substituindo-o pela mo-
narquia parlamentar de perfil autoritário.
Daí em diante, os japoneses combinaram com
muita habilidade: concentração de recursos adminis-
trados pelo Estado; mão-de-obra numerosa e muito
capital disponível. Ajudando o crescimento da econo-
mia, o Estado implementava as indústrias e depois
transferia o controle acionista aos investidores parti-
culares. Na verdade, a transferência de recursos privi-
legiou pouquíssimos grupos, tornando a economia ja-
ponesa monopólio de alguns trustes.
PROTECIONISMO E VÁLVULA DEPROTECIONISMO E VÁLVULA DEPROTECIONISMO E VÁLVULA DEPROTECIONISMO E VÁLVULA DEPROTECIONISMO E VÁLVULA DE
ESCAPEESCAPEESCAPEESCAPEESCAPE.
Voltando ao continente europeu, paradoxalmen-
te, o crescimento do capitalismo veio conjugado com
uma grande crise. A explicação para o fenômeno, se
deve ao modelo de crescimento, pois ocorria grande
acúmulo de capital em prejuízo dos baixíssimos salári-
os da massa trabalhadora. A curto ou médio prazo, as
mercadorias sobravam nas prateleiras, não havendo
quem as comprasse. De outro lado, a concorrência de
vários países no processo produtivo, estrangulou o
mercado europeu tornando-o pequeno para o ritmo
frenético de produção. Era possível encontrar novas
perspectivas para o escoamento do grande capital?
Os monopolistas estavam na situação interna
de regular a oferta para estabelecer a procura, e foi o
que fizeram. Era uma prática comercial inteligente,
que lhes proporcionou altos lucros. Mas deixara uma
boa parte da capacidade produtiva de suas fábricas
parada, e essa situação tende sempre a dar aos capi-
tães da indústria uma dor de cabeça. Não queriam
fazer apenas mercadorias para vender internamente.
Queriam usar suas fábricas permanentemente para
produzir o máximo de mercadorias. Para tanto, ti-
nham de vendê-las fora do país. Tinham de encontrar
mercados estrangeiros que absorvessem os exceden-
tes de suas indústrias.
Onde encontrá-los? Podiam tentar despejar
suas mercadorias noutras nações ricas, como a In-
glaterra fizera durante anos. Mas as altas tarifas pro-
tetoras aumentavam cada vez mais, e atrás delas os
concorrentes haviam podido controlar o mercado dos
respectivos países. Vejamos essa queixa de Jules Ferry,
primeiro-ministro francês em 1885: “O que falta às
nossas indústrias, o que lhes falta cada vez mais, são
mercados. Por quê? Porque... a Alemanha se está pro-
tegendo com barreiras; porque, além do oceano, os
Estados Unidos da América se tornaram protecionis-
tas, e a um grau extremo.”
Nações como a Alemanha e os Estados Uni-
dos já não eram um mercado livre para as mercadori-
as de outros países — elas mesmas estavam concor-
rendo em busca dos mercados mundiais. A situação
era séria. Dentro das grandes indústrias, a capacida-
de de produzir superava a capacidade de consumir.
Todas tinham um excedente de mercadorias manufa-
turadas, para as quais necessitavam encontrar mer-
cados externos. Onde encontrá-los? A resposta é o
Neocolonialismo. 4
Cena de ônibus
(tela de W. Joy):
a humilhação do
pobre ante a
prosperidade e
segurança da
classe média
em ascensão.
CapitalismoeImperialismo
A
lém desses fatores citados por Leo
Huberman, identificamos ainda a ne
cessidade do capital bancário “expor-
tar” o excedente para não gerar uma crise de graves
proporções. Dessa forma, as áreas colonizadas rece-
beriam investimentos em diversos setores, sobretudo
construção de ferrovias, portos e obras de grande por-
te. Esses investimentos criaram um emaranhado de
empréstimos que terminariam arrasando a frágil eco-
nomia das áreas ocupadas.
É bom lembrar que essa difícil situação não atin-
gia apenas as áreas colonizadas, mas também áreas
que haviam obtido sua independência, como é o caso
daAmérica Latina. Por tudo isso, os historiadores dis-
tinguem o colonialismo do século XIX, considerando-
o bem diferente do colonialismo do século XVI, da
época das Grandes Navegações. No século XIX o
Neocolonialismo visava a obtenção de matérias-primas
vitais para o desenvolvimento do capitalismo, como
ferro, cobre, petróleo etc. Além disso, não houve
utilização de mão-de-obra escrava, pois entrava em
choque com a necessidade de mercado consumidor.
Em 1916, Lênin, no livro Imperialismo, Etapa
Superior do Capitalismo, definiu esse processo como
“uma fase do capitalismo em desenvolvimento, con-
solidando a dominação dos monopólios e do capital
financeiro, aumentando a prática de exportação de
capitais, iniciando a partilha do mundo pelos trustes
internacionais repartindo
toda a terra entre os pa-
íses capitalistas mais
importantes”.
Mesmo assim,
vários intelectuais da
época procuraram jus-
tificar o Imperialismo
como algo natural, fruto
da superioridade do homem branco que se impunha
aos homens inferiores. Para justificar essa absurda
teoria recorreu-se a Darwin, alegando-se que a luta
pela sobrevivência no reino animal, também existia na
sociedade e na relação entre os homens. Os mais fortes
naturalmente dominariam os mais fracos, subjugando
os menos aptos. Algumas obras enfatizavam o dever
dos “povos civilizados” explorar as riquezas naturais
das áreas colonizadas em benefício de toda a humani-
dade, tirando-as do monopólio exclusivo dos “povos
inferiores”. Para eles, a dominação imperialista visava
o bem de toda a humanidade!
“Em um livro publicado em 1931, Grandeza y
servidumbres coloniales, Sarrault expôs seus argumen-
tos com fria e cega convicção. Vejamos alguns tre-
chos: “Em nome do direito de viver da humanidade, a
colonização, agenda da civilização, deverá tomar a
seu encargo a valorização e a circulação das rique-
zas que possuidores fracos detenham sem benefício
para eles próprios e para os demais. Age-se, assim,
para o bem de todos. A Europa não abandonará, ab-
solutamente, sua autoridade colonial. Apesar de al-
guns perigos e de algumas servidões que a Europa
deve suportar e de algumas compulsões para abdicar
que recebe, não deve desertar de sua linha colonial.
Ela está no comando e no comando deve permanecer.
Eu nego com todas minhas forças e repúdio com toda
a energia de meu coração
todas as tendências que
procuram, tanto para a
Europa como para meu
país, o despejo da tutela
ocidental nas colônias.”
5
Como não poderia
deixar de ser, religiosos
católicos e protestantes se
engajaramnaexpansãoim-
perialista, funcionando
como suporte ideológico e
moral da colonização.
Atrás das ferrovias e das
expedições colonizadoras,
havia sempre um
missionário cristão para
levar a “palavra de Deus”
aos “povos selvagens e
ateus”. A “vontade divi-
na” impregnou a coloniza-
ção, que foi justificada pela “missão civilizadora e cris-
tã”.
Na colonização existiram diferentes formas de
dominação. Nas colônias de enraizamento as áreas co-
lonizadas ficavam sob controle direto dos países impe-
rialistas. Nessa situação, desaparecia qualquer autono-
mia das regiões conquistadas e o governo era exercido
pelo país dominador, como era o caso da Indochina,
colonizada pelos franceses, Índia, dominada pelos in-
gleses, e de muitas áreas do continente africano. Nas
colônias de enquadramento o governo local perma-
necia sob controle indireto do país dominador, a exemplo
do Egito, que ficou subordinado à Inglaterra após a
construção do canal de Suez.
A Era do
Imperialismo
Pintado por Louis
Sontag em 1895, o
bairro de Bowery
em Nova York,
pulsa de vida, com
as luzes elétricas
banindo a
escuridão das
calçadas lotadas.
CapitalismoeImperialismo
PARTILHA DA ÁFRICAPARTILHA DA ÁFRICAPARTILHA DA ÁFRICAPARTILHA DA ÁFRICAPARTILHA DA ÁFRICA
A ocupação do continente africano teve início
em 1830, quando Carlos X da França, invadiu o território
da atualArgélia, mas foi no final do século que houve a
fase mais acirrada da disputa. Em 1884, a Conferência
de Berlim reuniu todas as potências européias quando
se fez a Partilha da África, com vantagens para ingleses
e franceses, que ocuparam a maior parte do território
africano.
Os franceses se estabeleceram na região noro-
este, oeste e centro da África.Ainda hoje, vários países
desa região estão subordinados às imposições france-
sas. No leste da África, o limite da área francesa fazia
fronteira com o Sudão Anglo-Egípcio. Nessa região,
quase estourou uma guerra em 1898, pois os franceses
procuraram explorar a rebeldia dos muçulmanos do
Sudão, jogando-os contra os ingleses.
A Inglaterra dominou regiões no nordeste e no
sul da África.Aprimeira vítima foi o Egito, que estava
na mira dos europeus para a construção do canal de
Suez. Aobra monumental era impossível de ser reali-
zada com recursos egípcios. Convencido “espontane-
amente” o governo egípcio contraiu empréstimos, que
não teve a menor condição de pagar. As ações da
Companhia do Canal de Suez foram leiloadas e, num
lance ousadíssimo, um consórcio inglês obteve a mai-
or parte dessas ações colocando o Egito na órbita de
influencia inglesa.
Na África do Sul os ingleses enfrentaram a re-
ação dos bôeres – descendentes de holandeses, que há
muitos séculos viviam no local. O problema é que fo-
ram descobertas grandes reservas de ouro e diamante
nas terras dos colonos holandeses, que obviamente não
aceitavam entregar essas riqquezasaos ingleses de
“mão beijada”. Em 1899, as tropas inglesas atacaram
os colonos começando a Guerra dos Bôeres que se
prolongou até 1902.
No meio da confusão, entraram em cena os
temíveis guerreiros zulus impondo baixas nos dois
lados. Como não conseguiu vencer o inimigo, a
Inglaterra foi obrigada a fazer concessões aos brancos
holandeses. No final os brancos (africânderes) conse-
guiram autonomia e preservaram interesses no
comércio do ouro e diamante. Os negros da África do
Sul, tiveram todos os direitos negados, tornando-se
os reais perdedores. Mais tarde foi implantado o regime
de segregação racial - Apartheid - que durante muitas
décadas marginalizou os negros da África do Sul.
O IMPERIALISMO NA ÁSIAO IMPERIALISMO NA ÁSIAO IMPERIALISMO NA ÁSIAO IMPERIALISMO NA ÁSIAO IMPERIALISMO NA ÁSIA
Na Ásia os europeus tiveram grande dificulda-
de em estabelecer o domínio sobre os países da re-
gião. Os obstáculos iniciais fizeram as potências euro-
péias pressionarem por liberdade de comércio nos prin-
cipais portos e privilégios para os cidadãos europeus.
O governo imperial da China conseguia, até 1830, re-
sistir à pressão da Inglaterra. Daí em diante, os ingle-
ses começaram a despejar em território chinês, quanti-
dades exorbitantes de ópio, produzidas na Índia. Numa
reação firme o imperador protestou ameaçando pren-
der os residentes ingleses.
“”Assumi o fardo do homem branco,
Enviai os melhores dos vossos filhos,
Condenai vossos filhos ao exílio
Para que sejam os servidores dos seus cativos,
Para que velem, pesadamente ajezados.
Os povos sublevados e selvagens,
Povos recém-dominados, inquietos. Meio
demônio meio infantis.
Assumi o fardo do homem branco
Tudo que fizerdes ou deixardes
Servirá a esses povos silenciosos e
consumidos,
Para pesar vossas mercadorias e vós mesmos.”
-Rudyard Kipling. Poeta hindu.
A África
colonizada antes
da I Guerra
Mundial
CapitalismoeImperialismo
AInglaterranãodeuame-
nor bola e na primeira chance
invadiram a China com o auxílio
de tropas de outros países. Tra-
vou-seaGuerradoÓpio,emtrês
etapas,de1840a1860.Nofinal,a
China foi derrotada e obrigada a
assinar o Tratado de Nanquim,
permitindo a abertura dos portos
chineses aos países estrangeiros.
Para derrotar a China foi
necessária a união de várias po-
tências. A Inglaterra recebeu o
maior prêmio, que foi o porto de
Hong-Kong, recentemente de-
volvida à China depois de longa
negociação. Mais uma vez a In-
glaterra exercia o papel de rei do
imperialismo, obtendo 70% do comércio e 40% da dívi-
da chinesa. Dessa vez a Alemanha recebeu algumas
regiões, deixando para a França as províncias meridio-
nais.
“Por seu lado, os alemães, apesar do atraso
com que entraram na partilha colonial, haviam con-
seguido firmar solidariamente seu comércio e os in-
vestimentos. Detinham 28% das obrigações do go-
verno chinês e o investimento direto de 17% em 1902;
ocupavam o terceiro lugar depois dos russos e ingle-
ses. Concorriam, com sucesso, no vale do rio Iang-
tsé e os banqueiros alemães agiam em estreita cola-
boração para construir duas ferrovias em Chaotung;
o direito de explorar minas num raio de 17 quilôme-
tros de cada lado destas ferrovias; e a prioridade para
fornecer conhecimentos práticos, capital e arrenda-
mento do porto de Kiaustschau por 99 anos. Para a
Alemanha era importante conservar a integridade do
país e quando decidiu ocupar militarmente este porto
em 1897, para reprimir o assassinato de missionári-
os alemães, o fez para compensar a base britânica de
Hong Kong.” 7
No caso da Índia,
desde o século XVI se esta-
beleceram relações comerci-
ais com os hindus, com base
na venda de especiarias que
tinham alto valor nas feiras
européias. Por muito tempo
os navios fizeram o longo
trajeto, levando para a Eu-
ropa uma quantidade enor-
me de mercadorias. No sé-
culoXIXosinglesesabriram
os olhos para as imensas
possibilidades de exploração
do território hindu. O solo e
o clima eram excelentes para
o plantio do algodão, que
havia se tornado a matéria-
prima essencial da indústria
têxtil inglesa.
Alegando uma suposta ajuda para a contenção
de revoltas das populações insatisfeitas com o domínio
imperial hindu, os ingleses foram entrando de mansinho
e quando os indianos acordaram, havia na Índia um gran-
de contingente militar inglês. O esquema de dominação
se deu com a anuência dos marajás corruptos que se
aproveitaram da parceria com a Inglaterra. A passivi-
dade religiosa hindu serviu de estímulo à aceitação do
domínio imperialista, apesar de alguns nativos reagirem
na Revolta dos Sipaios, em 1857, que foi sufocada bru-
talmente pelas tropas inglesas. Com a derrota dos naci-
onalistas estabeleceu-se a Companhia das Índias Orien-
tais que monopolizou a produção e o comercio do al-
godão.
As manufaturas têxteis que existiam no país fo-
ram proibidas em detrimento da compra de tecidos in-
gleses. Na Índia os ingleses construíram centenas de
quilômetros de ferrovias, estruturando a maior malha
ferroviária do mundo. Implementaram também pontes,
portos, rede elétrica e hospitais maquiando perversa-
mente o sistema de dominação, pois apesar do desen-
volvimento, a dívida com a Inglaterra transfigurou a
Índia tornando-a completamente dependente da econo-
mia inglesa.
...Afirmo (...) que esta política colonial é um sistema concebido, definido e limitado do seguinte modo
repousa sobre uma tríplice base econômica, humanitária e política (...) A questão colonial é, para os países
voltados a uma grande exportação pela própria natureza de sua indústria, como o nosso, uma questão de
salvação. No tempo em que vivemos e na crise que atravessam todas as indústrias européias, a fundação de
uma colônia é a criação de uma válvula de escape (...).
É preciso dizer abertamente que as raças superiores têm direitos sobre as raças inferiores (...) porque
têm um dever para com elas — o dever de civilizá-las (...). Afirmo que a política colonial da França, que nos tem
levado (...) a Saigon, na Cochinchina, à Tunísia e a Madagascar inspira-se numa verdade sobre a qual é preciso
atrair um instante vossa atenção (...).
Senhores, na Europa tal como ela é feita, nessa concorrência de tantos rivais que vemos crescer em
torno de nós, quer pelo aperfeiçoamento militar ou marítimo, quer pelo desenvolvimento prodigioso de uma
população que cresce incessantemente; na Europa, ou antes, num universo assim feito, a política de
recolhimento ou de abstenção é simplesmente o grande caminho da decadência (...).” 6
Guerra dos
Boers na África
do Sul
CapitalismoeImperialismo
“O imperialismo deixou um legado de profun-
da animosidade entre os povos. Os argumentos eco-
nômicos apresentados em favor da expansão imperial
- a necessidade de matérias-primas, mercados e luga-
res de investimento - não resistem à análise. A maior
parte das áreas reivindicadas pelos europeus e ameri-
canos não eram fontes lucrativas de matérias-primas,
nem eram bastante ricas para se constituírem em bom
mercados. Europeus e americanos negociavam e in-
vestiam principalmente entre si. É possível que em-
presas individuais obtivessem lucros, mas é certo que
a maioria das colônias não foi lucrativa para os con-
tribuintes ocidentais.
A maior parte delas não atraiu a população
excedente dos países metropolitanos - as Américas fo-
ram o grande objetivo dos emigrantes europeus. O
nacionalismo agressivo, inclusive a luta pelas conquis-
tas diplomáticas e militares, distantes de perigosos
campos de conflito na Europa, parece ter sido uma
das mais vigorosas forças por trás da atividade impe-
rial. (...) O imperialismo tem sido uma fonte de gran-
de amargura, não só pela exploração econômica mas
pelo racismo e pela brutal indiferença por outras cul-
turas. E hoje, em toda parte onde os europeus e os
americanos gostariam de estabelecer contatos nas áre-
as da economia e da política encontram nações, não
povos, grupos ou indivíduos dispares - nações que o
imperialismo criou ou às quais pelo menos deu a cons-
ciência de serem nações.” 8
1 In. Morazé, Charles - Os Burgueses e a Con-
quista do Mundo - Edições Cosmos. Pág. 7.
2 In. Parker Geoffrey. Op. Cit. Pág. 35.
3 In. Parker, Geoffrey. Op. Cit. Pág. 47.
4 In. Huberman, Léo. História da Riqueza do
Homem. Zahar Editores. Pág. 128.
5 In. Bruit, Hector. O Imperialismo.Atual Edi-
tora. Pág. 11.
6 Discurso de Jules Ferry, citado por Henri
Brunschwig, Mythes et Réalites de L’Impérialisme
Colonial Français — A. Colin, Paris, 1960, pág. 74-
75.
7 In. Bruit, Hector. Op. Cit. Pág. 56.
8 In. Perry, Marvin. Civilização Ocidental.
Uma História Concisa. Martins Fontes Editora. Pág.
608.
Roupas em frangalhos e potes quebrados espalham-se pelo Bibighar,
local em Cawnpore no qual duzentas mulheres e crianças britânicas foram
massacradas pelos amotinados indianos em junho de 1857. Essa atrocidade
inflamou os ingleses que nos estágios finais do motim, vingaram-se dos rebeldes
com igual ferocidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Civilização Chinesa
Civilização ChinesaCivilização Chinesa
Civilização Chinesa
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
 
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Crise do Feudalismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  Crise do Feudalismowww.AulasDeHistoriaApoio.com  - História -  Crise do Feudalismo
www.AulasDeHistoriaApoio.com - História - Crise do Feudalismo
 
O Iluminismo, O Século das Luzes
O Iluminismo, O Século das LuzesO Iluminismo, O Século das Luzes
O Iluminismo, O Século das Luzes
 
Os acadios
Os acadiosOs acadios
Os acadios
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
 
renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
 
Capitalismo industrial
Capitalismo industrialCapitalismo industrial
Capitalismo industrial
 
A china antiga
A china antigaA china antiga
A china antiga
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Invasão Holandesa
Invasão HolandesaInvasão Holandesa
Invasão Holandesa
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 
INTRODUÇÃO A IDADE MODERNA - RENASCIMENTO CULTURAL
INTRODUÇÃO A IDADE MODERNA - RENASCIMENTO CULTURALINTRODUÇÃO A IDADE MODERNA - RENASCIMENTO CULTURAL
INTRODUÇÃO A IDADE MODERNA - RENASCIMENTO CULTURAL
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 

Destaque

A era do imperialismo
A era do imperialismoA era do imperialismo
A era do imperialismoJuliana_hst
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoItalo Colares
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismoeduardodemiranda
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaPortal do Vestibulando
 
A era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-anoA era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-anoLucas Degiovani
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoPaulo Alexandre
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoPaulo Alexandre
 
O imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na ÁfricaO imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na ÁfricaPatrícia Sanches
 
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIXPPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIXjosafaslima
 
Imperialismo e Primeira Guerra
Imperialismo e Primeira GuerraImperialismo e Primeira Guerra
Imperialismo e Primeira GuerraAlan
 
Segunda revolução industrial e imperialismo
Segunda revolução industrial e imperialismoSegunda revolução industrial e imperialismo
Segunda revolução industrial e imperialismoDaniel Correia
 
Segunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e ImperialismoSegunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e Imperialismolouisalvessouza100
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXRodrigo Luiz
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrialMaria Gomes
 
A 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução IndustrialA 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução IndustrialJoão Machado
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialmonica10
 
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - NeocolonialismoImperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - NeocolonialismoAlexandre Protásio
 

Destaque (20)

A era do imperialismo
A era do imperialismoA era do imperialismo
A era do imperialismo
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
A era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-anoA era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-ano
 
O IMPERIALISMO
O IMPERIALISMOO IMPERIALISMO
O IMPERIALISMO
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
O imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na ÁfricaO imperialismo na Ásia e na África
O imperialismo na Ásia e na África
 
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIXPPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
PPT - Imperialismo ou Neocolonialismo do Séc. XIX
 
Imperialismo e Primeira Guerra
Imperialismo e Primeira GuerraImperialismo e Primeira Guerra
Imperialismo e Primeira Guerra
 
Segunda revolução industrial e imperialismo
Segunda revolução industrial e imperialismoSegunda revolução industrial e imperialismo
Segunda revolução industrial e imperialismo
 
Segunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e ImperialismoSegunda revolução industrial e Imperialismo
Segunda revolução industrial e Imperialismo
 
Imperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIXImperialismo do século XIX
Imperialismo do século XIX
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrial
 
A 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução IndustrialA 2ª Revolução Industrial
A 2ª Revolução Industrial
 
Segunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrialSegunda revolucao industrial
Segunda revolucao industrial
 
Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
 
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - NeocolonialismoImperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
Imperialismo do seculo XIX - Neocolonialismo
 
Imperialismo
Imperialismo Imperialismo
Imperialismo
 

Semelhante a A Era do Imperialismo

A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXNuno Eusébio
 
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial Wendell Junior
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoVítor Santos
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrialAna Batista
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrialcattonia
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícolaAna Batista
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXBeatrizMarques25
 
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço GeograficoRevolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço GeograficoGabriel Siqueira
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialAna Batista
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoMaida Marciano
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismoeduardodemiranda
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrialNAPNE
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix Maida Marciano
 
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial Isaquel Silva
 

Semelhante a A Era do Imperialismo (20)

A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIX
 
História contemporânea
História contemporâneaHistória contemporânea
História contemporânea
 
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
 
Trabalho ..
Trabalho ..Trabalho ..
Trabalho ..
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
H1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializadoH1 o mundo industrializado
H1 o mundo industrializado
 
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
 
revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
A civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIXA civilização industrial no século XIX
A civilização industrial no século XIX
 
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço GeograficoRevolução Industrial e o Espaço Geografico
Revolução Industrial e o Espaço Geografico
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 corretoImperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
Imperialismo e neocolonialismo no século xix 1 correto
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix Imperialismo e neocolonialismo no século xix
Imperialismo e neocolonialismo no século xix
 
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
 
Md ind
Md indMd ind
Md ind
 

Mais de Aulas de História (20)

Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Regência
RegênciaRegência
Regência
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 

Último (20)

Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

A Era do Imperialismo

  • 1. N o inicio do século XIX a população mundial se encontrava em ritmo ace lerado de crescimento. No planeta já viviam quase 1 bilhão de habitantes, concentrados na Eurásia, mas já se espalhando por outras regiões. Os índices de natalidade aumentavam a cada ano, mas tei- mosamente, os índices de mortalidade indicavam que a expectativa de vida era muito curta. Na França, em 1815, a população mais jovem representava 40% do total de habitantes, enquanto os mais velhos significa- vam apenas 7%. As doenças endêmicas continuavam ceifandovidasquenãoconseguiamdriblarosmalefícios do cólera, do tifo, peste bubônica e outras enfermida- des. Na maioria das casas, a umidade era um estí- mulo à propagação da tuberculose e doenças de ori- gem pulmonar. De todas as doenças, o cólera parecia ser a mais devastadora pois os remédios eram inúteis para combatê-la. A natalidade era bem maior do que nos séculos anteriores, mas é bem verdade, que nem todos tinham chance de sobreviver por muito tempo. A pobreza generalizada acentuava as dificuldades da população mais humilde, tornando a vida dos mais pobres, um verdadeiro inferno. Os cronistas do século XIX deixaram um regis- tro descrevendo um mundo desigual, aonde poucos ti- nham muito e muitos não tinham nada. Cientistas fa- mosos como o pastor Malthus, alegavam que a pobre- za era responsabilidade dos pobres, que não paravam de gerar filhos. Sua teoria teve muitos seguidores que assim podiam justificar a miséria e a desigualdade soci- al. As dificuldades sociais forneceram o combustí- vel para as revoluções de 1830 e 1848, porém aos pou- cos os homens foram aprendendo a contornar os pro- blemas, ou pelo menos, diminui-los o que já era grande coisa. No desenrolar da Revolução Industrial, impor- tantes descobertas modificaram as estatísticas de mor- talidade em favor de uma melhoria na qualidade de vida. Com efeito, as grandes descobertas do século XIX embora não tenham acabado com a miséria, tornaram a vida mais fácil com suas inúmeras invenções. No plano das grandes invenções, em meados do século XIX, muitas indústrias utilizariam o aço, que era mais barato, mais maleável e mais resistente que o fer- ro. No mesmo período, a descoberta da eletricidade deixaria para trás a energia a vapor, tornando-se a fonte de energia preponderante nas indústrias. “Época de 1900, bela época; que orgulho de ser burguês e que orgulho de ser europeu. Em redor das mesas de tampo verde de Londres, de Paris ou de Berlim decide-se o destino do planeta. Passeiam- se as árvores da borracha da Amazônia, Malásia, extinguem-se na miséria os jazigos enormes do Alto Hoang-Ho, constrói-se em algumas semanas uma cidade mineira ao norte do Alto Vaal. Mobilizadas pelo vapor, as riquezas planetárias são deslocadas, “dum extremo do mundo ao outro extremo”, como diz Le Bateauivre, por ordens que o telégrafo transmite em alguns minutos. De decisões dos conselhos de administração de Londres, de Paris ou de Berlim depende a vida de milhões de seres que não se apercebem que o seu direito à felicidade se mede nas cotações das três bolsas mais ruidosas, recintos no estilo de templos, onde se travam as grandes batalhas das ambições financeiras desenfreadas. E as capitais financeiras da Europa não desdenham nenhum pormenor, fixam o preço do bonde no Rio de Janeiro ou da hora de trabalho de um trabalhador em Hong-Kong. Nunca tal poderio estivera reunido em tão poucas mãos num tão limitado canto da Terra. É o apogeu dos burgueses da Europa” 1 Multidões invadem o Palácio de Cristal em Nova York na feira realizada em 1854 para comemorar a variedade e abundâncias dos bens manufaturados na América.
  • 2. CapitalismoeImperialismo Telégrafo e telefone encurtaram o mundo, pos- sibilitando a comunicação mais eficiente entre as na- ções e os continentes. Na ciência, o benefício das invenções permitiu a cura de terríveis doenças endêmicas. “Para o próspero mundo industrial do final do século XIX, o progresso vinha banhado pelo bri- lho da luz elétrica. Luzindo nos arcos voltaicos teatrais, inundando campos de esportes, ilu- minando os debates parlamentares e acrescentando prestígio e glamour às lojas de departamentos e resi- dências, a eletricidade trouxe uma nova força para a vida das pessoas que prometia mudar o mundo de maneira jamais sonhada” 2 As ferrovias continuavam sendo a vitrine da in- dústria. Por onde os trens passavam, o progresso che- gava logo atrás, com a criação de novos empregos e o crescimento das cidades. Segundo estimativas, a Euro- pa possuía 105.000 km construídos, os EUA, 95.000 km. O sistema ferroviário mundial empregava 2 milhões de pessoas, sem contar os empregos indiretos. No que diz respeito à oferta de empregos, a indústria ferroviá- ria representava no final do século XIX, o que a indús- tria automobilística representa nos dias de hoje. A Re- volução Industrial preparava-se para um grande salto se irradiando por outros países, tirando da Inglaterra o monopólio desfrutado até então. Com efeito, a Revolução Industrial até 1820- 1830 era um fenômeno restrito à Inglaterra. Nas déca- das anteriores, os ingleses controlaram a produção mundial abastecendo até países inimigos. A estrutura da indústria na primeira fase ainda era tipicamente familiar, restringindo o crescimento de capital a in- teresses e riscos individuais.Apesar de enormes em relação ao período, hoje, as indústrias de 1830 seriam comparadas a galpões de fundo de quintal. Mas é lógico que o “boom” representado pela Revolução Industrial não iria parar, nem estagnar no tempo. Deve-se levar em conta, que o crescimento demográfico implicava no aumento da produção, exi- gindo das máquinas e homens o trabalho em ritmo acelerado. OS TRUSTES E OS CARTÉISOS TRUSTES E OS CARTÉISOS TRUSTES E OS CARTÉISOS TRUSTES E OS CARTÉISOS TRUSTES E OS CARTÉIS Com o avanço das comunicações o mundo fi- cou bem menor, pois muito rapidamente se cruzava os cinco oceanos. O desenvolvimento dos transportes transformou as ferrovias em artérias, que circulavam o continente europeu e outros países em desenvolvi- mento, levando o símbolo do progresso. Mudou tam- bém a natureza da indústria, com a expansão do mer- cado de ações e a investimento de capital, através das Bolsas de Valores e das sociedades anônimas. Na queda de braço da concorrência, as indús- trias menores foram eliminadas por não terem força para derrubar o grande capital. Em alguns casos, nem ao menos entraram na competição. Essa nova realida- de provocou a formação dos conhecidos trustes e cartéis, que hoje monopolizam a produção e o comér- cio mundial. Os trustes assumiram proporções gigan- tescas, controlando várias fases da produção, desde a matéria-prima até o produto final. Não se restringiam a um único país e como observamos na realidade atu- al, não havia fronteiras para as grandes empresas, que em sua versão moderna, se materializam nas gigantes- cas multinacionais. Em um anúncio americano do início do século, uma senhora elegante tenta ligar a imagem da Coca-Cola aos padrões da moda. Bolsa de algodão em New Orleans, pintada por de Degas.
  • 3. CapitalismoeImperialismo Arespeito da concorrência John Rockfeller Jr., numa conferência nos EUA, dizia “A rosa American Beauty só pode ser produzida com todo o seu esplen- dor e fragrância, sacrificando-se os primeiros botões que nascem à sua volta.” No mesmo contexto os cartéis desempenharam uma estrutura de acordo voltada para a barganha, onde diferentes empresas determinavam o preço igual de uma mercadoria. Proporcionalmente os preços se man- tinham iguais, ressalvando-se a peculiaridade de cada país em custos adicionais de mão-de-obra, impostos etc. Como afirma Léo Huberman, “com o crescimento do monopólio, a oferta e a procura não se ajustaram - foram ajustadas. Com o crescimento do monopólio, os preços não se estabeleceram através da concor- rência no mercado livre - o mercado deixou de ser livre e os preços foram fixados.” Outro sinal dos novos tempos era a associa- ção das grandes indústrias com o capital bancário, visando um lastro seguro para os investimentos. Com a expansão do mercado de ações, os capitalistas liberaram expressivas linhas de crédito, disponíveis apenas nos grandes bancos. Com freqüência os banqueiros adquiriam ações das empresas em crescimento, tornando-se co-participantes de próspe- ros negócios. Por tudo isso, o capitalismo mudou a nomenclatura de Industrial para Monopolista e Finan- ceiro. OS CONCORRENTES DAOS CONCORRENTES DAOS CONCORRENTES DAOS CONCORRENTES DAOS CONCORRENTES DA INGLATERRAINGLATERRAINGLATERRAINGLATERRAINGLATERRA A partir da segunda década do século XIX, os ingleses tiveram novos parceiros na produção industri- al. A França no começo do século livrou-se do fardo das restrições feudais e do mercantilismo. Após a Re- volução de 1830, o país teve sua fase de maior prospe- ridade, vinculada aos investimentos de poderosos ban- queiros ligados ao governo. A partir de 1850, adota- ram-se medidas de proteção à indústria interna visando o crescimento industrial. Entretanto, apesar das reser- vas de carvão de Alsácia e Lorena, a França ainda im- portava boa parte das matérias-primas básicas da in- dústria De outro lado, após a unificação em 1870, a Ale- manha seguiria a Inglaterra em ritmo extremamente acelerado. Afinal, desde 1830, bem antes da unidade política, os alemães haviam eliminado as barreiras al- fandegárias, após a criação do Zollverein, — mercado comum dos estados germânicos. Com a mudança, as indústrias alemãs decolaram à todo vapor, contando com a ajuda das imensas reservas de carvão do vale do Ruhr, responsáveis por 50% do carvão consumido in- ternamente. Com a expansão da indústria química, os alemães deram goleada nos concorrentes e, até hoje, têm posição de destaque no panorama mundial. Com a ascensão do ministro Bismarck, em 1860, a Prússia apostou na articulação de uma política de exaltação nacionalista, que levou os prussianos a reali- zarem duas guerras contra o débil reino da Dinamarca e o fraco império Áustro-Húngaro. As sucessivas vitóri- as alemãs ressaltaram o ego nacionalista, unindo os Estados germânicos mais resistentes. Em 1870, no maior lance de sua carreira de grande líder e diplomata, o gê- nio Bismarck declarou guerra à França. A vitória alemã foi obtida com um “passeio” que levou as tropas germânicas a desfilarem em triunfo pelas ruas de Paris. A derrota humilhou a França gerando uma série crise interna, culminando na renúncia de Napoleão III, que governava o país desde 1848. “À frente de um grupo de oficiais do exército, o rei Guilherme i e seu chefe de estado-maior, general Von Moltke, observam manobras militares. Lingüísta talentoso, mas taciturno, Moltke foi certa vez descrito como sendo silencioso em sete línguas. “A rosa American Beauty só pode ser produzida com todo o seu esplendor e fra- grância, sacrificando-se os primeiros botões que nascem à sua volta.” OTempo da História 1830 - 1848 REVOLUÇÕES LIBERAIS NA FRANÇA EUA FIM DA GUERRA DE SECESSÃO UNIFICAÇÃO DA ALEMANHA E ITÁLIA 1850 EXPANSÃO IMPERIALISTA 1878 PARTILHA DA ÁFRICA JAPÃO REVOLUÇÃO ‘MEIJI 1870
  • 4. CapitalismoeImperialismo Percebendo que o uso de ferrovias iria trans- formar a condição das guerras, permitindo que gran- des quantidades de tropas fossem rapidamente mobi- lizadas e supridas. Moltke fez do exército prussiano a mais eficiente força militar da Europa, coordenada por uma equipe de estrategistas capazes e equipada com canhões leves e carregáveis pela culatra”.3 No restante da Europa, Rússia, Itália, Áustria- Hungria e Holanda tiveram níveis de desenvolvimento bem inferiores aos de Inglaterra, Alemanha e França. No geral, dependiam bastante dos investimentos externos, como é o caso da Rússia. Os russos tiveram a industrialização bastante dependente do capital francês além de restrita a pouquíssimas cidades. A Itália tinha uma vigorosa indústria, porém restrita ao norte, pois o resto do país estava mergulhado num atraso que lembrava a época feudal. O império Áustro-Húngaro era uma colcha de retalhos de várias nacionalidades distintas. Fora da Europa, observa-se o crescimento de EUA e Japão. Os EUA deram a grande arrancada, após a Guerra de Secessão, quando houve a unificação do mercado interno e a adoção de medidas de proteção à indústria. Os EUA eram uma espécie de Eldorado, atra- indo imigrantes que não paravam de chegar. Boa parte desses imigrantes era altamente qualificada para o tra- balho, e fugiam do fantasma do desemprego nas indús- trias européias. Enquanto a rede ferroviária norte-ame- ricana, se alastrava em todo o território, a indústria pe- sada já ostentava o primeiro lugar mundial em produ- ção de ferro, carvão, cobre, aço e alumínio. O Japão entrou para o grupo de países desenvolvidos em 1868 com a Revolução Meiji. Até essemomento,eradifícilimaginarqueseriaumapotência industrial. A revolução destruiu a herança feudal e co- locou um ponto final no controle político dos Shoguns. A burguesia japonesa com apoio estrangeiro, deu um golpe derrubando o shogunato substituindo-o pela mo- narquia parlamentar de perfil autoritário. Daí em diante, os japoneses combinaram com muita habilidade: concentração de recursos adminis- trados pelo Estado; mão-de-obra numerosa e muito capital disponível. Ajudando o crescimento da econo- mia, o Estado implementava as indústrias e depois transferia o controle acionista aos investidores parti- culares. Na verdade, a transferência de recursos privi- legiou pouquíssimos grupos, tornando a economia ja- ponesa monopólio de alguns trustes. PROTECIONISMO E VÁLVULA DEPROTECIONISMO E VÁLVULA DEPROTECIONISMO E VÁLVULA DEPROTECIONISMO E VÁLVULA DEPROTECIONISMO E VÁLVULA DE ESCAPEESCAPEESCAPEESCAPEESCAPE. Voltando ao continente europeu, paradoxalmen- te, o crescimento do capitalismo veio conjugado com uma grande crise. A explicação para o fenômeno, se deve ao modelo de crescimento, pois ocorria grande acúmulo de capital em prejuízo dos baixíssimos salári- os da massa trabalhadora. A curto ou médio prazo, as mercadorias sobravam nas prateleiras, não havendo quem as comprasse. De outro lado, a concorrência de vários países no processo produtivo, estrangulou o mercado europeu tornando-o pequeno para o ritmo frenético de produção. Era possível encontrar novas perspectivas para o escoamento do grande capital? Os monopolistas estavam na situação interna de regular a oferta para estabelecer a procura, e foi o que fizeram. Era uma prática comercial inteligente, que lhes proporcionou altos lucros. Mas deixara uma boa parte da capacidade produtiva de suas fábricas parada, e essa situação tende sempre a dar aos capi- tães da indústria uma dor de cabeça. Não queriam fazer apenas mercadorias para vender internamente. Queriam usar suas fábricas permanentemente para produzir o máximo de mercadorias. Para tanto, ti- nham de vendê-las fora do país. Tinham de encontrar mercados estrangeiros que absorvessem os exceden- tes de suas indústrias. Onde encontrá-los? Podiam tentar despejar suas mercadorias noutras nações ricas, como a In- glaterra fizera durante anos. Mas as altas tarifas pro- tetoras aumentavam cada vez mais, e atrás delas os concorrentes haviam podido controlar o mercado dos respectivos países. Vejamos essa queixa de Jules Ferry, primeiro-ministro francês em 1885: “O que falta às nossas indústrias, o que lhes falta cada vez mais, são mercados. Por quê? Porque... a Alemanha se está pro- tegendo com barreiras; porque, além do oceano, os Estados Unidos da América se tornaram protecionis- tas, e a um grau extremo.” Nações como a Alemanha e os Estados Uni- dos já não eram um mercado livre para as mercadori- as de outros países — elas mesmas estavam concor- rendo em busca dos mercados mundiais. A situação era séria. Dentro das grandes indústrias, a capacida- de de produzir superava a capacidade de consumir. Todas tinham um excedente de mercadorias manufa- turadas, para as quais necessitavam encontrar mer- cados externos. Onde encontrá-los? A resposta é o Neocolonialismo. 4 Cena de ônibus (tela de W. Joy): a humilhação do pobre ante a prosperidade e segurança da classe média em ascensão.
  • 5. CapitalismoeImperialismo A lém desses fatores citados por Leo Huberman, identificamos ainda a ne cessidade do capital bancário “expor- tar” o excedente para não gerar uma crise de graves proporções. Dessa forma, as áreas colonizadas rece- beriam investimentos em diversos setores, sobretudo construção de ferrovias, portos e obras de grande por- te. Esses investimentos criaram um emaranhado de empréstimos que terminariam arrasando a frágil eco- nomia das áreas ocupadas. É bom lembrar que essa difícil situação não atin- gia apenas as áreas colonizadas, mas também áreas que haviam obtido sua independência, como é o caso daAmérica Latina. Por tudo isso, os historiadores dis- tinguem o colonialismo do século XIX, considerando- o bem diferente do colonialismo do século XVI, da época das Grandes Navegações. No século XIX o Neocolonialismo visava a obtenção de matérias-primas vitais para o desenvolvimento do capitalismo, como ferro, cobre, petróleo etc. Além disso, não houve utilização de mão-de-obra escrava, pois entrava em choque com a necessidade de mercado consumidor. Em 1916, Lênin, no livro Imperialismo, Etapa Superior do Capitalismo, definiu esse processo como “uma fase do capitalismo em desenvolvimento, con- solidando a dominação dos monopólios e do capital financeiro, aumentando a prática de exportação de capitais, iniciando a partilha do mundo pelos trustes internacionais repartindo toda a terra entre os pa- íses capitalistas mais importantes”. Mesmo assim, vários intelectuais da época procuraram jus- tificar o Imperialismo como algo natural, fruto da superioridade do homem branco que se impunha aos homens inferiores. Para justificar essa absurda teoria recorreu-se a Darwin, alegando-se que a luta pela sobrevivência no reino animal, também existia na sociedade e na relação entre os homens. Os mais fortes naturalmente dominariam os mais fracos, subjugando os menos aptos. Algumas obras enfatizavam o dever dos “povos civilizados” explorar as riquezas naturais das áreas colonizadas em benefício de toda a humani- dade, tirando-as do monopólio exclusivo dos “povos inferiores”. Para eles, a dominação imperialista visava o bem de toda a humanidade! “Em um livro publicado em 1931, Grandeza y servidumbres coloniales, Sarrault expôs seus argumen- tos com fria e cega convicção. Vejamos alguns tre- chos: “Em nome do direito de viver da humanidade, a colonização, agenda da civilização, deverá tomar a seu encargo a valorização e a circulação das rique- zas que possuidores fracos detenham sem benefício para eles próprios e para os demais. Age-se, assim, para o bem de todos. A Europa não abandonará, ab- solutamente, sua autoridade colonial. Apesar de al- guns perigos e de algumas servidões que a Europa deve suportar e de algumas compulsões para abdicar que recebe, não deve desertar de sua linha colonial. Ela está no comando e no comando deve permanecer. Eu nego com todas minhas forças e repúdio com toda a energia de meu coração todas as tendências que procuram, tanto para a Europa como para meu país, o despejo da tutela ocidental nas colônias.” 5 Como não poderia deixar de ser, religiosos católicos e protestantes se engajaramnaexpansãoim- perialista, funcionando como suporte ideológico e moral da colonização. Atrás das ferrovias e das expedições colonizadoras, havia sempre um missionário cristão para levar a “palavra de Deus” aos “povos selvagens e ateus”. A “vontade divi- na” impregnou a coloniza- ção, que foi justificada pela “missão civilizadora e cris- tã”. Na colonização existiram diferentes formas de dominação. Nas colônias de enraizamento as áreas co- lonizadas ficavam sob controle direto dos países impe- rialistas. Nessa situação, desaparecia qualquer autono- mia das regiões conquistadas e o governo era exercido pelo país dominador, como era o caso da Indochina, colonizada pelos franceses, Índia, dominada pelos in- gleses, e de muitas áreas do continente africano. Nas colônias de enquadramento o governo local perma- necia sob controle indireto do país dominador, a exemplo do Egito, que ficou subordinado à Inglaterra após a construção do canal de Suez. A Era do Imperialismo Pintado por Louis Sontag em 1895, o bairro de Bowery em Nova York, pulsa de vida, com as luzes elétricas banindo a escuridão das calçadas lotadas.
  • 6. CapitalismoeImperialismo PARTILHA DA ÁFRICAPARTILHA DA ÁFRICAPARTILHA DA ÁFRICAPARTILHA DA ÁFRICAPARTILHA DA ÁFRICA A ocupação do continente africano teve início em 1830, quando Carlos X da França, invadiu o território da atualArgélia, mas foi no final do século que houve a fase mais acirrada da disputa. Em 1884, a Conferência de Berlim reuniu todas as potências européias quando se fez a Partilha da África, com vantagens para ingleses e franceses, que ocuparam a maior parte do território africano. Os franceses se estabeleceram na região noro- este, oeste e centro da África.Ainda hoje, vários países desa região estão subordinados às imposições france- sas. No leste da África, o limite da área francesa fazia fronteira com o Sudão Anglo-Egípcio. Nessa região, quase estourou uma guerra em 1898, pois os franceses procuraram explorar a rebeldia dos muçulmanos do Sudão, jogando-os contra os ingleses. A Inglaterra dominou regiões no nordeste e no sul da África.Aprimeira vítima foi o Egito, que estava na mira dos europeus para a construção do canal de Suez. Aobra monumental era impossível de ser reali- zada com recursos egípcios. Convencido “espontane- amente” o governo egípcio contraiu empréstimos, que não teve a menor condição de pagar. As ações da Companhia do Canal de Suez foram leiloadas e, num lance ousadíssimo, um consórcio inglês obteve a mai- or parte dessas ações colocando o Egito na órbita de influencia inglesa. Na África do Sul os ingleses enfrentaram a re- ação dos bôeres – descendentes de holandeses, que há muitos séculos viviam no local. O problema é que fo- ram descobertas grandes reservas de ouro e diamante nas terras dos colonos holandeses, que obviamente não aceitavam entregar essas riqquezasaos ingleses de “mão beijada”. Em 1899, as tropas inglesas atacaram os colonos começando a Guerra dos Bôeres que se prolongou até 1902. No meio da confusão, entraram em cena os temíveis guerreiros zulus impondo baixas nos dois lados. Como não conseguiu vencer o inimigo, a Inglaterra foi obrigada a fazer concessões aos brancos holandeses. No final os brancos (africânderes) conse- guiram autonomia e preservaram interesses no comércio do ouro e diamante. Os negros da África do Sul, tiveram todos os direitos negados, tornando-se os reais perdedores. Mais tarde foi implantado o regime de segregação racial - Apartheid - que durante muitas décadas marginalizou os negros da África do Sul. O IMPERIALISMO NA ÁSIAO IMPERIALISMO NA ÁSIAO IMPERIALISMO NA ÁSIAO IMPERIALISMO NA ÁSIAO IMPERIALISMO NA ÁSIA Na Ásia os europeus tiveram grande dificulda- de em estabelecer o domínio sobre os países da re- gião. Os obstáculos iniciais fizeram as potências euro- péias pressionarem por liberdade de comércio nos prin- cipais portos e privilégios para os cidadãos europeus. O governo imperial da China conseguia, até 1830, re- sistir à pressão da Inglaterra. Daí em diante, os ingle- ses começaram a despejar em território chinês, quanti- dades exorbitantes de ópio, produzidas na Índia. Numa reação firme o imperador protestou ameaçando pren- der os residentes ingleses. “”Assumi o fardo do homem branco, Enviai os melhores dos vossos filhos, Condenai vossos filhos ao exílio Para que sejam os servidores dos seus cativos, Para que velem, pesadamente ajezados. Os povos sublevados e selvagens, Povos recém-dominados, inquietos. Meio demônio meio infantis. Assumi o fardo do homem branco Tudo que fizerdes ou deixardes Servirá a esses povos silenciosos e consumidos, Para pesar vossas mercadorias e vós mesmos.” -Rudyard Kipling. Poeta hindu. A África colonizada antes da I Guerra Mundial
  • 7. CapitalismoeImperialismo AInglaterranãodeuame- nor bola e na primeira chance invadiram a China com o auxílio de tropas de outros países. Tra- vou-seaGuerradoÓpio,emtrês etapas,de1840a1860.Nofinal,a China foi derrotada e obrigada a assinar o Tratado de Nanquim, permitindo a abertura dos portos chineses aos países estrangeiros. Para derrotar a China foi necessária a união de várias po- tências. A Inglaterra recebeu o maior prêmio, que foi o porto de Hong-Kong, recentemente de- volvida à China depois de longa negociação. Mais uma vez a In- glaterra exercia o papel de rei do imperialismo, obtendo 70% do comércio e 40% da dívi- da chinesa. Dessa vez a Alemanha recebeu algumas regiões, deixando para a França as províncias meridio- nais. “Por seu lado, os alemães, apesar do atraso com que entraram na partilha colonial, haviam con- seguido firmar solidariamente seu comércio e os in- vestimentos. Detinham 28% das obrigações do go- verno chinês e o investimento direto de 17% em 1902; ocupavam o terceiro lugar depois dos russos e ingle- ses. Concorriam, com sucesso, no vale do rio Iang- tsé e os banqueiros alemães agiam em estreita cola- boração para construir duas ferrovias em Chaotung; o direito de explorar minas num raio de 17 quilôme- tros de cada lado destas ferrovias; e a prioridade para fornecer conhecimentos práticos, capital e arrenda- mento do porto de Kiaustschau por 99 anos. Para a Alemanha era importante conservar a integridade do país e quando decidiu ocupar militarmente este porto em 1897, para reprimir o assassinato de missionári- os alemães, o fez para compensar a base britânica de Hong Kong.” 7 No caso da Índia, desde o século XVI se esta- beleceram relações comerci- ais com os hindus, com base na venda de especiarias que tinham alto valor nas feiras européias. Por muito tempo os navios fizeram o longo trajeto, levando para a Eu- ropa uma quantidade enor- me de mercadorias. No sé- culoXIXosinglesesabriram os olhos para as imensas possibilidades de exploração do território hindu. O solo e o clima eram excelentes para o plantio do algodão, que havia se tornado a matéria- prima essencial da indústria têxtil inglesa. Alegando uma suposta ajuda para a contenção de revoltas das populações insatisfeitas com o domínio imperial hindu, os ingleses foram entrando de mansinho e quando os indianos acordaram, havia na Índia um gran- de contingente militar inglês. O esquema de dominação se deu com a anuência dos marajás corruptos que se aproveitaram da parceria com a Inglaterra. A passivi- dade religiosa hindu serviu de estímulo à aceitação do domínio imperialista, apesar de alguns nativos reagirem na Revolta dos Sipaios, em 1857, que foi sufocada bru- talmente pelas tropas inglesas. Com a derrota dos naci- onalistas estabeleceu-se a Companhia das Índias Orien- tais que monopolizou a produção e o comercio do al- godão. As manufaturas têxteis que existiam no país fo- ram proibidas em detrimento da compra de tecidos in- gleses. Na Índia os ingleses construíram centenas de quilômetros de ferrovias, estruturando a maior malha ferroviária do mundo. Implementaram também pontes, portos, rede elétrica e hospitais maquiando perversa- mente o sistema de dominação, pois apesar do desen- volvimento, a dívida com a Inglaterra transfigurou a Índia tornando-a completamente dependente da econo- mia inglesa. ...Afirmo (...) que esta política colonial é um sistema concebido, definido e limitado do seguinte modo repousa sobre uma tríplice base econômica, humanitária e política (...) A questão colonial é, para os países voltados a uma grande exportação pela própria natureza de sua indústria, como o nosso, uma questão de salvação. No tempo em que vivemos e na crise que atravessam todas as indústrias européias, a fundação de uma colônia é a criação de uma válvula de escape (...). É preciso dizer abertamente que as raças superiores têm direitos sobre as raças inferiores (...) porque têm um dever para com elas — o dever de civilizá-las (...). Afirmo que a política colonial da França, que nos tem levado (...) a Saigon, na Cochinchina, à Tunísia e a Madagascar inspira-se numa verdade sobre a qual é preciso atrair um instante vossa atenção (...). Senhores, na Europa tal como ela é feita, nessa concorrência de tantos rivais que vemos crescer em torno de nós, quer pelo aperfeiçoamento militar ou marítimo, quer pelo desenvolvimento prodigioso de uma população que cresce incessantemente; na Europa, ou antes, num universo assim feito, a política de recolhimento ou de abstenção é simplesmente o grande caminho da decadência (...).” 6 Guerra dos Boers na África do Sul
  • 8. CapitalismoeImperialismo “O imperialismo deixou um legado de profun- da animosidade entre os povos. Os argumentos eco- nômicos apresentados em favor da expansão imperial - a necessidade de matérias-primas, mercados e luga- res de investimento - não resistem à análise. A maior parte das áreas reivindicadas pelos europeus e ameri- canos não eram fontes lucrativas de matérias-primas, nem eram bastante ricas para se constituírem em bom mercados. Europeus e americanos negociavam e in- vestiam principalmente entre si. É possível que em- presas individuais obtivessem lucros, mas é certo que a maioria das colônias não foi lucrativa para os con- tribuintes ocidentais. A maior parte delas não atraiu a população excedente dos países metropolitanos - as Américas fo- ram o grande objetivo dos emigrantes europeus. O nacionalismo agressivo, inclusive a luta pelas conquis- tas diplomáticas e militares, distantes de perigosos campos de conflito na Europa, parece ter sido uma das mais vigorosas forças por trás da atividade impe- rial. (...) O imperialismo tem sido uma fonte de gran- de amargura, não só pela exploração econômica mas pelo racismo e pela brutal indiferença por outras cul- turas. E hoje, em toda parte onde os europeus e os americanos gostariam de estabelecer contatos nas áre- as da economia e da política encontram nações, não povos, grupos ou indivíduos dispares - nações que o imperialismo criou ou às quais pelo menos deu a cons- ciência de serem nações.” 8 1 In. Morazé, Charles - Os Burgueses e a Con- quista do Mundo - Edições Cosmos. Pág. 7. 2 In. Parker Geoffrey. Op. Cit. Pág. 35. 3 In. Parker, Geoffrey. Op. Cit. Pág. 47. 4 In. Huberman, Léo. História da Riqueza do Homem. Zahar Editores. Pág. 128. 5 In. Bruit, Hector. O Imperialismo.Atual Edi- tora. Pág. 11. 6 Discurso de Jules Ferry, citado por Henri Brunschwig, Mythes et Réalites de L’Impérialisme Colonial Français — A. Colin, Paris, 1960, pág. 74- 75. 7 In. Bruit, Hector. Op. Cit. Pág. 56. 8 In. Perry, Marvin. Civilização Ocidental. Uma História Concisa. Martins Fontes Editora. Pág. 608. Roupas em frangalhos e potes quebrados espalham-se pelo Bibighar, local em Cawnpore no qual duzentas mulheres e crianças britânicas foram massacradas pelos amotinados indianos em junho de 1857. Essa atrocidade inflamou os ingleses que nos estágios finais do motim, vingaram-se dos rebeldes com igual ferocidade.