SlideShare uma empresa Scribd logo
As Grandes
Navegações
Nas viagens haviam perigos
reais e imaginários...
Ventos fortes
Ameaça de encalhe
Lugares estranhos
Fome e sede
Doenças
Nas viagens haviam
perigos reais e
imaginários...
Crença que a Terra
era achatada
Que na altura da
linha do
Equador os
barcos iriam se
incendiar
Que o mar
era habitado
por monstros
horríveis
Pág. 193
Na época das Cruzadas os europeus conheceram ainda mais
o Oriente e seus produtos (especiarias e artigos de luxo, como
tecido de algodão da índia, tapetes da Pérsia, porcelana da China e
pérolas do Japão), assim passaram a consumir tornando o seu
mercado algo extremamente rentáveis para os
comerciantes.
Quem
controlava este
comércio era
principalmente
árabes e
italianos.
Leitura
Pág. 195
Para romper o domínio italiano Portugal e Espanha foram
os primeiros países a se lançarem ao mar, no movimento
conhecido como Grandes Navegações, no século XIV.
Países da Península Ibérica
PORTUGAL foi
o primeiro país a
se destacar no
movimento das
Grandes
Navegações. Portugal foi
buscar
mercadorias
diretamente
da fonte além
de querer
expandir a fé
católica.
Muitos foram os fatores que contribuíram
para o PIONEIRISMO PORTUGUÊS, entre
eles, citam-se:
- Centralização político-
administrativa;
- Revolução de Avis (Pág. 197);
- Reis que apoiavam a política
mercantilista, como D. João I da
dinastia de Avis;
- Experiência na navegação em
mar aberto;
- Ausência de guerras;
- O desenvolvimento de técnicas e
de conhecimentos necessário à
navegação (Pág. 197).
A expansão marítima portuguesa teve como marco inaugural
a conquista de Ceuta, no norte da África, em 1415.
Essa cidade era um rico
centro de negócios,
dominada pelos
muçulmanos, onde se
vendiam e compravam
seda, marfim, cera, mel,
ouro e escravos.
Após participar da expedição militar que conquistou Ceuta em
1415 , o infante D. Henrique (filho do rei D. João I) voltou a
Portugal e fundou um centro de estudos náuticos, que ficou
conhecido como ESCOLA DE SAGRES.
Escola de Sagres
Ela reunia astrônomos,
matemáticos e construtores de
instrumentos de navegação.
Ao longo do século XV,
os navegadores
portugueses foram
avançando pouco a
pouco em direção às
ÍNDIAS, sempre
contornando o
CONTINENTE
AFRICANO.
FEITORIAS -
entrepostos comerciais
Cronologia das
Navegações
Portuguesas
Pág. 198
A chegada as Índias por Portugal foi marcada pelo navegador
Bartolomeu Dias que foi o primeiro navegador europeu
a passar pelo Cabo da Boa Esperança (1488), no
extremo sul da África, antes denominado Cabo das
Tormentas, no oceano Atlântico.
.
Portugal chega às Índias
e à América
•A grande aventura marítima
portuguesa culminou com a chegada
de VASCO DA GAMA as ÍNDIAS
(1498). Realizava-se o sonho de
muitos portugueses: DESCOBRIR UM
NOVO CAMINHO PARA O ORIENTE.
Nessa época o clima em Portugal era de grande entusiasmo,
pois a expedição, embora pequena, retornou a Lisboa com um
carregamento de produtos que PAGOU 60 VEZES O
CUSTO DA VIAGEM.
Depois do retorno de Vasco da
Gama a Portugal, o rei D.
Manuel organizar uma
poderosa esquadra para Índias,
a fim de estabelecer sólidas
relações comerciais com o
Oriente.
Em 1500, organizou-se
uma nova expedição para
as Índias. Faziam parte da
esquadra experientes
navegadores, como
Bartolomeu Dias e Gaspar
Lemos, além de padres,
soldados, intérpretes e
comerciantes, contudo o
comando da esquadra foi
entregue a Pedro Álvares
Cabral, nobre português
de 32 anos sem grande
experiência marítima.
A esquadra de Cabral partiu de
Lisboa no dia 9 de março de 1500.
Seu destino principal era a cidade
de Calicute, na Índia.
No decorrer da viagem,
entretanto, a esquadra de
Cabral afastou-se da costa
africana, indo em direção às
terras AMERICANAS.
No dia 22 de abril,
ao cair da tarde, os
portugueses
avistaram um
monte alto e
arredondado e, ao
sul dele, uma
extensa faixa de
terra.
Monte Pascoal
O monte avistado pelos portugueses
recebeu o nome de Monte Pascoal, e a
terra foi batizada com o nome de Ilha
de Vera Cruz e posteriormente
alterado para Terra de Santa Cruz.
O nome atual, Brasil, só
passou a ser adotado a
partir de 1503,
aproximadamente, devido
à grande quantidade da
árvore chamada pau-
brasil, existente no litoral.
Em 2 de maio, a esquadra de
Cabral deixou Porto Seguro e
seguiu viagem em direção à
Índia, a fim de estabelecer
tratados de comércio com os
povos do Oriente.
Página 203
De ponta, a ponta, é tudo praia-
palma, muito chã e muito formosa.
Nela, até agora, não podemos
saber que haja ouro, nem prata,
nem coisa alguma de metal ou
ferro (...). Porém a terra em si é
de muito bons ares (...). Águas
são muitas: infindas. E em tal
maneira é graciosa que,
querendo-a aproveitar, dar-se-á
nela tudo. (...). Porém o melhor
fruto que dela se pode tirar me
parece que será salvar esta gente
(...).
Página
204
Caravelas...
Página 197
Portugal nessa aventura ao
mar formou um imenso
império, O IMPÉRIO
ULTRAMARINO
PORTUGUÊS.
Página
199
ESPANHA
As principais conquistas espanholas
Enquanto a navegação marítima se desenvolvia em Portugal, cujo
comércio se ampliava em novas direções, os espanhóis
enfrentavam o problema de expulsar os muçulmanos que
ainda ocupavam a cidade de Granada (no sul da Península Ibérica).
Guerra da Reconquista
1492
No ano de 1492, os reis
Fernando e Isabel uniram
esforços de seus reinos
(Aragão e Castela) e
conseguiram expulsar os
muçulmanos de Granada.
Depois disso, os reis deram atenção aos planos do navegador
genovês Cristóvão Colombo que lhes apresentou um novo
projeto de navegação para atingir a Índia.
De modo diferente dos portugueses, que pretendiam
chegar à Índia (como foi feito por Vasco da Gama, em
1498), Colombo pretendia atingir o Oriente dando
a volta em torno do mundo, isto é, viajando a partir
da Europa no sentido oeste.
Seu plano
baseava-se na
ideia de que a
Terra era
redonda.
Com três caravelas (Santa
Maria, Pinta e Nina)
concedidas pelos reis
espanhóis, Colombo
partiu do porto de Palos
no dia 3 de agosto de 1492.
Réplica das 3 caravelas
( Pinta, Nina e Santa Maria)do
descobrimento da América.
Dois meses depois, em 12 de
outubro, um tiro de canhão da
caravela Pinta anunciava
festivamente sinais de terra.
Colombo e os homens de sua tripulação
“descobriram” a América, mas pensavam ter
chegado à Índias.
Índios
Colombo comandou mais três
viagens à América, sempre
supondo que tivesse atingido a
América.
Somente com as viagens de
outros navegadores,
sobretudo o italiano
Américo Vespúcio é que se
esclareceu o engano de
Colombo. Em homenagem a
Vespúcio, o continente que os
europeus desconheciam
recebeu o nome de
América.
Depois da viagem de Colombo, sucederam-se outras viagens
e “descobertas” espanholas. Entre elas, destacam-se:
 Vicente Pinzón, que em 1500 chega a foz do rio
Amazonas e o denomina de mar Doce.
 Fernão de Magalhães que em 1519 inicia a primeira
viagem de circunavegação (volta ao mundo) que terminou
em 1521 com o navegador Sebastião Elcano.
Principais Viagens Marítimas de Portugal e Espanha
OS TRATADOS DE DIVISÃO DE TERRAS
A concorrência espanhola nas navegações
preocupou o governo português. Ele
temia pela rota oriental que procurava e
pelas terras que já havia descoberto.
A descoberta de terras ocidentais pelos
espanhóis despertou em Portugal o interesse
em assegurar parcela dessa região.
1492
• A disputa entre os países
ibéricos foi
encaminhada ao papa
Alexandre VI, que, em
maio de 1493, expediu a
BULA INTER
COETERA. Por ela, a
Espanha ficava com a
posse de terras situadas
a ocidente de uma linha
meridiana
imaginária, traçada
de polo a polo, a 100
léguas da ilhas de
Açores e Cabo Verde.
Bula Inter Coetera
Documento
religioso que traz
determinações do
papa.
Antiga medida de
distância equivalente a
cerca de 6,5
quilômetros.
O rei de Portugal, D.
João II, considerando
que seu país fora
prejudicado,
protestou a decisão
do papa.
Diante da reação de
Portugal, os reis da Espanha
aceitaram estabelecer
diretamente outro acordo,
que resultou, em julho de
1494, no TRATADO DE
TORDESILHAS.
O Tratado de Tordesilhas.
Diante da reação de
Portugal, os reis
da Espanha
aceitaram
estabelecer
diretamente
outro acordo, que
resultou, em junho
de 1494, no
Tratado de
Tordesilhas.
Ficava estabelecido um meridiano traçado a 370
léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde e
Açores. As terras situadas a oeste desse meridiano
pertenceriam à Espanha e as terras a leste, a
Portugal.
LESTE
OESTE
Portugal
Espanha
Em 1506, por solicitação do rei português, o papa
Júlio II ratificou o tratado.
Com o Tratado de Tordesilhas, Portugal ficou como domínio
de quase todo o Atlântico Sul, que era importante como
defesa de sua rota para chegar às Índias. Abriu-se também a
possibilidade de tomar posse de terras americanas que já
supunha existirem.
INGLATERRA
Os ingleses entraram no movimento das Grandes
Navegações no final do século XV e contaram inclusive
com a ajuda de navegantes de outras nacionalidades.
Pretendiam chegar ao continente americano por
uma passagem a noroeste da América.
As principais viagens inglesas foram:
 Giovanni Caboto, em 1497, italiano a serviço da
Inglaterra, chegou à América do Norte;
Página
205
 Francis Drake, corsário,
realizou a segunda viagem de
circunavegação.
 Walter Raleigh
tentou fundar, em 1585,
a primeira colônia
inglesa (Carolina do
Norte), porém não
obteve êxito.
FRANÇA
Após se refazer dos efeitos da Guerra dos Cem Anos e completar
o processo de centralização do poder real, a França entrou no
movimento das Grandes Navegações, no caso no início do século
XV. Os franceses, que também estavam interessados nos produtos do
Oriente, pretendiam, como os ingleses, chegar ao continente asiático
por uma passagem pelo noroeste da América.
As principais viagens francesas foram:
 Giovanni de Verazzano, em 1524, italiano a serviço da
França, atingiu a Terra Nova, no Canadá;
 Samuel Champlain iniciou a colonização do Canadá,
fundando a cidade de Quebec.
 Jacques Cartier, em 1434, se aventurou na busca de
uma passagem para o Oriente através do extremo norte.
Página
205
HOLANDA
A Holanda lançou às navegações somente final do século
XVI. Mas em poucas décadas conquistou terras em
diversos continentes, como África, Ásia, América do Norte
e do Sul (nordeste do Brasil).
Página
205
Mudanças no cenários mundial com o
movimento das GRANDES NAVEGAÇÕES:
 O extraordinário crescimento no volume e do
valor do comércio mundial;
 O oceano Atlântico passou a ser o mais
importante via de comércio, antes pertencida ao
Mar Mediterrâneo;
 Os europeus ergueram vastos impérios
coloniais e se apropriaram da riqueza dos povos
africanos, asiáticos e ameríndios;
 A tomada de consciência, pelos europeus, do
tamanho da Terra e da enorme diversidade
cultural entre os povos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
Rogerio Alves
 
O que é historia
O que é historiaO que é historia
O que é historia
alinemaiahistoria
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 
DESCOBRIMENTO DO BRASIL.pptx
DESCOBRIMENTO DO BRASIL.pptxDESCOBRIMENTO DO BRASIL.pptx
DESCOBRIMENTO DO BRASIL.pptx
ANDRÉA FERREIRA
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
edna2
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
Eloy Souza
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
Daniel Alves Bronstrup
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
joana71
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
Fabiana Tonsis
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
Luciano Pessanha
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
Vivihistoria
 
Quiz - Grandes Navegações
Quiz -  Grandes NavegaçõesQuiz -  Grandes Navegações
Quiz - Grandes Navegações
Marcela Marangon Ribeiro
 

Mais procurados (20)

renascimento cultural 7º ano
  renascimento cultural 7º ano  renascimento cultural 7º ano
renascimento cultural 7º ano
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
O que é historia
O que é historiaO que é historia
O que é historia
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 
DESCOBRIMENTO DO BRASIL.pptx
DESCOBRIMENTO DO BRASIL.pptxDESCOBRIMENTO DO BRASIL.pptx
DESCOBRIMENTO DO BRASIL.pptx
 
Primeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da AméricaPrimeiros Povoadores da América
Primeiros Povoadores da América
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
 
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado2° ano  - Brasil Império: Segundo Reinado
2° ano - Brasil Império: Segundo Reinado
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Astecas maias e incas
Astecas maias e incasAstecas maias e incas
Astecas maias e incas
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
 
Quiz - Grandes Navegações
Quiz -  Grandes NavegaçõesQuiz -  Grandes Navegações
Quiz - Grandes Navegações
 

Semelhante a As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)

As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Plano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmpPlano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmp
Péricles Penuel
 
Expansão ultramarina
Expansão ultramarinaExpansão ultramarina
Expansão ultramarina
Fatima Freitas
 
Expansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 anoExpansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 ano
Gilvan Aragão
 
Grandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoesGrandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoes
Dismael Sagás
 
Expansaomaritimaeuropeia
ExpansaomaritimaeuropeiaExpansaomaritimaeuropeia
Expansaomaritimaeuropeia
Alessandro Varela Dos Santos
 
Expansão mapas
Expansão mapasExpansão mapas
Expansão mapas
Julia Selistre
 
Expansão mapas
Expansão mapasExpansão mapas
Expansão mapas
Julia Selistre
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
131121
 
Texto Introdutório - As Grandes Navegações
Texto Introdutório - As Grandes NavegaçõesTexto Introdutório - As Grandes Navegações
Texto Introdutório - As Grandes Navegações
Leonardo Lira
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
Andrea Lemos
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
Glasiely Virgílio Silva
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
Jean Carlos Nunes Paixão
 
Slides - As Grandes Navegações
Slides -  As Grandes NavegaçõesSlides -  As Grandes Navegações
Slides - As Grandes Navegações
Leonardo Lira
 
A india
A indiaA india
A india
cattonia
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
Nilton Sá
 
Sos matéria descobrimentos.
Sos matéria descobrimentos.Sos matéria descobrimentos.
Sos matéria descobrimentos.
Ana Pereira
 
MARCO DE POSSE DO BRASIL
MARCO DE POSSE DO BRASILMARCO DE POSSE DO BRASIL
MARCO DE POSSE DO BRASIL
Jonasblog
 
Apresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpApresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmp
Péricles Penuel
 
1º ano expansão marítima européia e absolutismo
1º ano   expansão marítima européia e absolutismo1º ano   expansão marítima européia e absolutismo
1º ano expansão marítima européia e absolutismo
Daniel Alves Bronstrup
 

Semelhante a As Grandes Navegações - 7º Ano (2018) (20)

As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2017)
 
Plano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmpPlano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmp
 
Expansão ultramarina
Expansão ultramarinaExpansão ultramarina
Expansão ultramarina
 
Expansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 anoExpansão maritima 4 ano
Expansão maritima 4 ano
 
Grandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoesGrandes nvegaçoes
Grandes nvegaçoes
 
Expansaomaritimaeuropeia
ExpansaomaritimaeuropeiaExpansaomaritimaeuropeia
Expansaomaritimaeuropeia
 
Expansão mapas
Expansão mapasExpansão mapas
Expansão mapas
 
Expansão mapas
Expansão mapasExpansão mapas
Expansão mapas
 
Portugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - DescobrimentosPortugal no século XV - Descobrimentos
Portugal no século XV - Descobrimentos
 
Texto Introdutório - As Grandes Navegações
Texto Introdutório - As Grandes NavegaçõesTexto Introdutório - As Grandes Navegações
Texto Introdutório - As Grandes Navegações
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Slides - As Grandes Navegações
Slides -  As Grandes NavegaçõesSlides -  As Grandes Navegações
Slides - As Grandes Navegações
 
A india
A indiaA india
A india
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
Sos matéria descobrimentos.
Sos matéria descobrimentos.Sos matéria descobrimentos.
Sos matéria descobrimentos.
 
MARCO DE POSSE DO BRASIL
MARCO DE POSSE DO BRASILMARCO DE POSSE DO BRASIL
MARCO DE POSSE DO BRASIL
 
Apresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpApresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmp
 
1º ano expansão marítima européia e absolutismo
1º ano   expansão marítima européia e absolutismo1º ano   expansão marítima européia e absolutismo
1º ano expansão marítima européia e absolutismo
 

Mais de Nefer19

China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
Nefer19
 
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Aspectos Populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 3  - 7º Ano (2018)Aspectos Populacionais do Brasil 3  - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Aspectos Populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 2  - 7º Ano (2018)Aspectos Populacionais do Brasil 2  - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2018)
Nefer19
 

Mais de Nefer19 (20)

China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)Os Persas - 6º Ano (2018)
Os Persas - 6º Ano (2018)
 
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)Os Fenícios - 6º Ano (2018)
Os Fenícios - 6º Ano (2018)
 
O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)O Renascimento - 7º Ano (2018)
O Renascimento - 7º Ano (2018)
 
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)Tectonismo e Vulcanismo -  6º Ano (2018)
Tectonismo e Vulcanismo - 6º Ano (2018)
 
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
As Diferentes Regionalizações do Brasil - 7º Ano (2018)
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2018)
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
A Baixa Idade Média - 7º Ano (2018)
 
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
O Espaço Rural no Brasil - 7º Ano (2018)
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2018)
 
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
Os Meios de Orientação - 6º Ano (2018)
 
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
Os Municípios e as Regiões Metropolitanas - 7º Ano (2018)
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2018)
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
 
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
O Sistema Solar - 6º ANO (2018)
 
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
O Brasil no Mundo - 7º Ano (2018)
 
Aspectos Populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 3  - 7º Ano (2018)Aspectos Populacionais do Brasil 3  - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 3 - 7º Ano (2018)
 
Aspectos Populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 2  - 7º Ano (2018)Aspectos Populacionais do Brasil 2  - 7º Ano (2018)
Aspectos Populacionais do Brasil 2 - 7º Ano (2018)
 

Último

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 

As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)

  • 2. Nas viagens haviam perigos reais e imaginários... Ventos fortes Ameaça de encalhe Lugares estranhos Fome e sede Doenças
  • 3. Nas viagens haviam perigos reais e imaginários... Crença que a Terra era achatada Que na altura da linha do Equador os barcos iriam se incendiar Que o mar era habitado por monstros horríveis Pág. 193
  • 4. Na época das Cruzadas os europeus conheceram ainda mais o Oriente e seus produtos (especiarias e artigos de luxo, como tecido de algodão da índia, tapetes da Pérsia, porcelana da China e pérolas do Japão), assim passaram a consumir tornando o seu mercado algo extremamente rentáveis para os comerciantes. Quem controlava este comércio era principalmente árabes e italianos. Leitura Pág. 195
  • 5. Para romper o domínio italiano Portugal e Espanha foram os primeiros países a se lançarem ao mar, no movimento conhecido como Grandes Navegações, no século XIV. Países da Península Ibérica PORTUGAL foi o primeiro país a se destacar no movimento das Grandes Navegações. Portugal foi buscar mercadorias diretamente da fonte além de querer expandir a fé católica.
  • 6. Muitos foram os fatores que contribuíram para o PIONEIRISMO PORTUGUÊS, entre eles, citam-se: - Centralização político- administrativa; - Revolução de Avis (Pág. 197); - Reis que apoiavam a política mercantilista, como D. João I da dinastia de Avis; - Experiência na navegação em mar aberto; - Ausência de guerras; - O desenvolvimento de técnicas e de conhecimentos necessário à navegação (Pág. 197).
  • 7. A expansão marítima portuguesa teve como marco inaugural a conquista de Ceuta, no norte da África, em 1415. Essa cidade era um rico centro de negócios, dominada pelos muçulmanos, onde se vendiam e compravam seda, marfim, cera, mel, ouro e escravos.
  • 8. Após participar da expedição militar que conquistou Ceuta em 1415 , o infante D. Henrique (filho do rei D. João I) voltou a Portugal e fundou um centro de estudos náuticos, que ficou conhecido como ESCOLA DE SAGRES.
  • 9. Escola de Sagres Ela reunia astrônomos, matemáticos e construtores de instrumentos de navegação.
  • 10. Ao longo do século XV, os navegadores portugueses foram avançando pouco a pouco em direção às ÍNDIAS, sempre contornando o CONTINENTE AFRICANO. FEITORIAS - entrepostos comerciais Cronologia das Navegações Portuguesas Pág. 198
  • 11. A chegada as Índias por Portugal foi marcada pelo navegador Bartolomeu Dias que foi o primeiro navegador europeu a passar pelo Cabo da Boa Esperança (1488), no extremo sul da África, antes denominado Cabo das Tormentas, no oceano Atlântico. .
  • 12. Portugal chega às Índias e à América
  • 13. •A grande aventura marítima portuguesa culminou com a chegada de VASCO DA GAMA as ÍNDIAS (1498). Realizava-se o sonho de muitos portugueses: DESCOBRIR UM NOVO CAMINHO PARA O ORIENTE.
  • 14. Nessa época o clima em Portugal era de grande entusiasmo, pois a expedição, embora pequena, retornou a Lisboa com um carregamento de produtos que PAGOU 60 VEZES O CUSTO DA VIAGEM.
  • 15. Depois do retorno de Vasco da Gama a Portugal, o rei D. Manuel organizar uma poderosa esquadra para Índias, a fim de estabelecer sólidas relações comerciais com o Oriente.
  • 16. Em 1500, organizou-se uma nova expedição para as Índias. Faziam parte da esquadra experientes navegadores, como Bartolomeu Dias e Gaspar Lemos, além de padres, soldados, intérpretes e comerciantes, contudo o comando da esquadra foi entregue a Pedro Álvares Cabral, nobre português de 32 anos sem grande experiência marítima.
  • 17. A esquadra de Cabral partiu de Lisboa no dia 9 de março de 1500. Seu destino principal era a cidade de Calicute, na Índia.
  • 18. No decorrer da viagem, entretanto, a esquadra de Cabral afastou-se da costa africana, indo em direção às terras AMERICANAS.
  • 19. No dia 22 de abril, ao cair da tarde, os portugueses avistaram um monte alto e arredondado e, ao sul dele, uma extensa faixa de terra.
  • 21. O monte avistado pelos portugueses recebeu o nome de Monte Pascoal, e a terra foi batizada com o nome de Ilha de Vera Cruz e posteriormente alterado para Terra de Santa Cruz.
  • 22. O nome atual, Brasil, só passou a ser adotado a partir de 1503, aproximadamente, devido à grande quantidade da árvore chamada pau- brasil, existente no litoral. Em 2 de maio, a esquadra de Cabral deixou Porto Seguro e seguiu viagem em direção à Índia, a fim de estabelecer tratados de comércio com os povos do Oriente. Página 203
  • 23. De ponta, a ponta, é tudo praia- palma, muito chã e muito formosa. Nela, até agora, não podemos saber que haja ouro, nem prata, nem coisa alguma de metal ou ferro (...). Porém a terra em si é de muito bons ares (...). Águas são muitas: infindas. E em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo. (...). Porém o melhor fruto que dela se pode tirar me parece que será salvar esta gente (...). Página 204
  • 25. Portugal nessa aventura ao mar formou um imenso império, O IMPÉRIO ULTRAMARINO PORTUGUÊS. Página 199
  • 26. ESPANHA As principais conquistas espanholas Enquanto a navegação marítima se desenvolvia em Portugal, cujo comércio se ampliava em novas direções, os espanhóis enfrentavam o problema de expulsar os muçulmanos que ainda ocupavam a cidade de Granada (no sul da Península Ibérica). Guerra da Reconquista 1492
  • 27. No ano de 1492, os reis Fernando e Isabel uniram esforços de seus reinos (Aragão e Castela) e conseguiram expulsar os muçulmanos de Granada.
  • 28. Depois disso, os reis deram atenção aos planos do navegador genovês Cristóvão Colombo que lhes apresentou um novo projeto de navegação para atingir a Índia.
  • 29. De modo diferente dos portugueses, que pretendiam chegar à Índia (como foi feito por Vasco da Gama, em 1498), Colombo pretendia atingir o Oriente dando a volta em torno do mundo, isto é, viajando a partir da Europa no sentido oeste. Seu plano baseava-se na ideia de que a Terra era redonda.
  • 30. Com três caravelas (Santa Maria, Pinta e Nina) concedidas pelos reis espanhóis, Colombo partiu do porto de Palos no dia 3 de agosto de 1492.
  • 31. Réplica das 3 caravelas ( Pinta, Nina e Santa Maria)do descobrimento da América.
  • 32. Dois meses depois, em 12 de outubro, um tiro de canhão da caravela Pinta anunciava festivamente sinais de terra.
  • 33. Colombo e os homens de sua tripulação “descobriram” a América, mas pensavam ter chegado à Índias. Índios
  • 34. Colombo comandou mais três viagens à América, sempre supondo que tivesse atingido a América.
  • 35. Somente com as viagens de outros navegadores, sobretudo o italiano Américo Vespúcio é que se esclareceu o engano de Colombo. Em homenagem a Vespúcio, o continente que os europeus desconheciam recebeu o nome de América.
  • 36. Depois da viagem de Colombo, sucederam-se outras viagens e “descobertas” espanholas. Entre elas, destacam-se:  Vicente Pinzón, que em 1500 chega a foz do rio Amazonas e o denomina de mar Doce.
  • 37.  Fernão de Magalhães que em 1519 inicia a primeira viagem de circunavegação (volta ao mundo) que terminou em 1521 com o navegador Sebastião Elcano.
  • 38. Principais Viagens Marítimas de Portugal e Espanha
  • 39. OS TRATADOS DE DIVISÃO DE TERRAS
  • 40. A concorrência espanhola nas navegações preocupou o governo português. Ele temia pela rota oriental que procurava e pelas terras que já havia descoberto.
  • 41. A descoberta de terras ocidentais pelos espanhóis despertou em Portugal o interesse em assegurar parcela dessa região. 1492
  • 42. • A disputa entre os países ibéricos foi encaminhada ao papa Alexandre VI, que, em maio de 1493, expediu a BULA INTER COETERA. Por ela, a Espanha ficava com a posse de terras situadas a ocidente de uma linha meridiana imaginária, traçada de polo a polo, a 100 léguas da ilhas de Açores e Cabo Verde. Bula Inter Coetera Documento religioso que traz determinações do papa. Antiga medida de distância equivalente a cerca de 6,5 quilômetros.
  • 43. O rei de Portugal, D. João II, considerando que seu país fora prejudicado, protestou a decisão do papa.
  • 44. Diante da reação de Portugal, os reis da Espanha aceitaram estabelecer diretamente outro acordo, que resultou, em julho de 1494, no TRATADO DE TORDESILHAS. O Tratado de Tordesilhas.
  • 45. Diante da reação de Portugal, os reis da Espanha aceitaram estabelecer diretamente outro acordo, que resultou, em junho de 1494, no Tratado de Tordesilhas.
  • 46. Ficava estabelecido um meridiano traçado a 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde e Açores. As terras situadas a oeste desse meridiano pertenceriam à Espanha e as terras a leste, a Portugal. LESTE OESTE Portugal Espanha
  • 47. Em 1506, por solicitação do rei português, o papa Júlio II ratificou o tratado.
  • 48. Com o Tratado de Tordesilhas, Portugal ficou como domínio de quase todo o Atlântico Sul, que era importante como defesa de sua rota para chegar às Índias. Abriu-se também a possibilidade de tomar posse de terras americanas que já supunha existirem.
  • 49. INGLATERRA Os ingleses entraram no movimento das Grandes Navegações no final do século XV e contaram inclusive com a ajuda de navegantes de outras nacionalidades. Pretendiam chegar ao continente americano por uma passagem a noroeste da América.
  • 50. As principais viagens inglesas foram:  Giovanni Caboto, em 1497, italiano a serviço da Inglaterra, chegou à América do Norte; Página 205
  • 51.  Francis Drake, corsário, realizou a segunda viagem de circunavegação.
  • 52.  Walter Raleigh tentou fundar, em 1585, a primeira colônia inglesa (Carolina do Norte), porém não obteve êxito.
  • 53. FRANÇA Após se refazer dos efeitos da Guerra dos Cem Anos e completar o processo de centralização do poder real, a França entrou no movimento das Grandes Navegações, no caso no início do século XV. Os franceses, que também estavam interessados nos produtos do Oriente, pretendiam, como os ingleses, chegar ao continente asiático por uma passagem pelo noroeste da América.
  • 54. As principais viagens francesas foram:  Giovanni de Verazzano, em 1524, italiano a serviço da França, atingiu a Terra Nova, no Canadá;
  • 55.  Samuel Champlain iniciou a colonização do Canadá, fundando a cidade de Quebec.
  • 56.  Jacques Cartier, em 1434, se aventurou na busca de uma passagem para o Oriente através do extremo norte. Página 205
  • 57. HOLANDA A Holanda lançou às navegações somente final do século XVI. Mas em poucas décadas conquistou terras em diversos continentes, como África, Ásia, América do Norte e do Sul (nordeste do Brasil). Página 205
  • 58. Mudanças no cenários mundial com o movimento das GRANDES NAVEGAÇÕES:  O extraordinário crescimento no volume e do valor do comércio mundial;  O oceano Atlântico passou a ser o mais importante via de comércio, antes pertencida ao Mar Mediterrâneo;  Os europeus ergueram vastos impérios coloniais e se apropriaram da riqueza dos povos africanos, asiáticos e ameríndios;  A tomada de consciência, pelos europeus, do tamanho da Terra e da enorme diversidade cultural entre os povos.