SlideShare uma empresa Scribd logo
O ABSOLUTISMO E O
ESTADO MODERNO

FOI O SISTEMA DE PODER CONSTITUÍDO NA IDADE
MODERNA. TAMBÉM CHAMADO DE ANTIGO REGIME.
NO SÉCULO XVI AS MONARQUIAS FEUDAIS JÁ
       HAVIAM SE TORNADO ABSOLUTISTAS.




 CONTESTAÇÃO À                     PLENA
 AUTORIDADE REAL               AUTORIDADE REAL

REAÇÃO DOS NOBRES               PODER PESSOAL

  INTROMISSÃO DA                SUBMISSÃO DA
      IGREJA                       IGREJA



MONARQUIA FEUDAIS           MONARQUIA ABSOLUTISTAS
A GUERRA DOS CEM ANOS E A GUERRA
   DE RECONQUISTA FORJARAM UM
    SENTIMENTO NACIONALISTA E A
CRIAÇÃO DE EXÉRCITOS PERMANENTES.




                                            GUERRA DOS CEM ANOS




    A PESTE NEGRA E AS REVOLTAS
  CAMPONESAS CRIARAM UM CLIMA DE
  INSEGURANÇA E CRENÇA NO PODER
            AUTORITÁRIO.



                                    QUADRO MOSTRA A PESTE NEGRA
NO OCIDENTE, AS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS FORAM:
    FRANÇA, INGLATERRA, ESPANHA E PORTUGAL.
O DESPOTISMO E O AUTORITARISMO
                                             CARACTERIZAM O PODER REAL
                                            ABSOLUTO QUE ERA EXERCIDO DE
                                                  FORMA PESSOAL.




                                             AS CLASSES DETENTORAS DO
                                              PODER ERAM A NOBREZA E O
                                             CLERO, MAS A BURGUESIA ERA
QUADRO MOSTRA FILIPE II – REI DA ESPANHA
                                               BENEFICIADA ATRAVÉS DO
                                                     COMÉRCIO.
O MAIOR IDEÓLOGO DO PODER ABSOLUTO
  FOI MAQUIAVEL. SUA OBRA É UM MANUAL DE
  CONDUTA DE GOVERNO. ELE FOI O CRIADOR
        DA CIÊNCIA POLÍTICA MODERNA.




“OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS”

OS FINS: A MANUTENÇÃO DA ORDEM.

OS MEIOS: A LEI OU A VIOLÊNCIA.




            O OBJETIVO DE MAQUIAVEL ERA A UNIDADE
            DA ITÁLIA E A FORMAÇÃO DE SEU ESTADO.
JEAN BODIN – “A REPÚBLICA” E
           THOMAS HOBBES – “O LEVIATÔ
             TAMBÉM FORAM AUTORES
           IDEÓLOGOS DO ABSOLUTISMO.




 A OBRA DE HOBBES PODE SER RESUMIDA NA
  FRASE: “O HOMEM É O LOBO DO HOMEM”.


BOSSUET ESCREVEU “A ORIGEM DO PODER NAS
 SAGRADAS ESCRITURAS” E FOI O TEÓRICO DO
    DIREITO DIVINO DOS GOVERNANTES.
“O Estado sou eu”                          A FRANÇA DE LUÍS XIV NO
   Luís XIV
                                            SÉCULO XVII, FOI O MAIOR
                                         EXEMPLO DE PODER ABSOLUTO.
                                          ELE FOI CHAMADO DE REI SOL.




QUADRO MOSTRA LUÍS XIV – REI DA FRANÇA
                                         PALÁCIO DE VERSALHES




           LUÍS XIV FOI UM MESTRE DA PROPAGANDA E REALIZOU VÁRIAS
            OBRAS, DENTRE ELAS O FABULOSO PALÁCIO DE VERSALHES.
NOBREZA         • CARGOS POLÍTICOS
                                  • ISENÇÃO DE IMPOSTOS
ARISTOCRACIA                      • PENSÕES
                       CLERO



                             BURGUESIA

                               POVO (CAMPONESES)
           3º ESTADO
                                   PAGAVAM IMPOSTOS E
                                    ERAM EXCLUÍDOS DO
                                      PODER POLÍTICO


      SOCIEDADE ESTAMENTAL       AS LEIS ERAM SEPARADAS POR
                                  ESTADO, PRIVILEGIANDO A
                                         ARISTOCRACIA
MERCANTILISMO
        CONJUNTO DE PRÁTICAS ECONÔMICAS
         ADOTADAS PELO ESTADO MODERNO



   ENRIQUECIMENTO DO ESTADO
   TOTAL CONTROLE DA ECONOMIA
   ESTADO INTERVENCIONISTA
   ADOÇÃO DE MEDIDAS PROTECIONISTAS
   EXPLORAÇÃO DO PACTO COLONIAL
A RIQUEZA DA ESPANHA NO
                                                   SÉCULO XVI FEZ SURGIR A
                                                   CONCEPÇÃO METALISTA.


                                                  RIQUEZA ASSOCIADA AO ACÚMULO
                                                      DE METAIS PRECIOSOS.
 TONELADAS DE OURO E PRATA FORAM SUBTRAÍDAS DAS
COLÔNIAS ESPANHOLAS, TORNANDO A ESPANHA A NAÇÃO
            MAIS PODEROSA DO MUNDO.




          MAS A SUA DECADÊNCIA DERRUBOU A CRENÇA NO
           METALISMO. ALÉM DISSO, O EXCESSO DE METAIS
             PROVOCOU A DESVALORIZAÇÃO DA MOEDA.
SURGIU ENTÃO NO SÉCULO XVII
 A CONCEPÇÃO DA BALANÇA DE
   COMÉRCIO FAVORÁVEL OU
        COLBERTISMO.


 INCENTIVO A PRODUÇÃO DE
  MANUFATURAS
 APRIMORAMENTO DA MÃO-DE-OBRA
 POLÍTICA PROTECIONISTA
 COMÉRCIO COM AS COLÔNIAS



         QUEM MELHOR APLICOU ESSAS IDEIAS FORAM
       INGLATERRA E HOLANDA QUE ERAM AS POTÊNCIAS
              ECONÔMICAS DA IDADE MODERNA.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Fatima Freitas
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
Edenilson Morais
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história
Daniel Alves Bronstrup
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Daniel Alves Bronstrup
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
Daniel Alves Bronstrup
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Fatima Freitas
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
Daniel Alves Bronstrup
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
Rodrigo Luiz
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Portal do Vestibulando
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
isameucci
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
Paulo Alexandre
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 

Mais procurados (20)

Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.2° ano EM - Revolução Industrial.
2° ano EM - Revolução Industrial.
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da ÁsiaImperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
Imperialismo - Neocolonialismo - Partilha da África e da Ásia
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 

Destaque

Aula 3 a formação dos estados nacionais
Aula 3   a formação dos estados nacionaisAula 3   a formação dos estados nacionais
Aula 3 a formação dos estados nacionais
profnelton
 
Formação do estado moderno - historia das RI
Formação do estado moderno - historia das RIFormação do estado moderno - historia das RI
Formação do estado moderno - historia das RI
Felipe Hiago
 
Formação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeusFormação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeus
davincipatos
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
Alê Maldonado
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
vr1a2011
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
Ramiro Bicca
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
Ramiro Bicca
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
Juray Castro
 
O estado moderno
O estado modernoO estado moderno
O estado moderno
André Augusto da Fonseca
 
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Carlos Glufke
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
Aulas de História
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
João Medeiros
 
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão MarítimaRevisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Janaína Bindá
 
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Resumo   mercantilismo e expansão marítimaResumo   mercantilismo e expansão marítima
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Claudenilson da Silva
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
alinemaiahistoria
 
Formação do estado moderno
Formação do estado modernoFormação do estado moderno
Formação do estado moderno
marcos ursi
 
Formação dos estados nacionais 1
Formação dos estados nacionais 1Formação dos estados nacionais 1
Formação dos estados nacionais 1
Jorge Basílio
 
Formação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisFormação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionais
Leopoldo Galvão
 
Iluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaIluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução Francesa
Paulo Alexandre
 
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
Vídeo Aulas Apoio
 

Destaque (20)

Aula 3 a formação dos estados nacionais
Aula 3   a formação dos estados nacionaisAula 3   a formação dos estados nacionais
Aula 3 a formação dos estados nacionais
 
Formação do estado moderno - historia das RI
Formação do estado moderno - historia das RIFormação do estado moderno - historia das RI
Formação do estado moderno - historia das RI
 
Formação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeusFormação dos estados modernos europeus
Formação dos estados modernos europeus
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
O absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado modernoO absolutismo e a formação do estado moderno
O absolutismo e a formação do estado moderno
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
 
O estado moderno
O estado modernoO estado moderno
O estado moderno
 
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução FrancesaIluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
Iluminismo, Revolução Industrial e Revolução Francesa
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
 
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão MarítimaRevisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
 
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Resumo   mercantilismo e expansão marítimaResumo   mercantilismo e expansão marítima
Resumo mercantilismo e expansão marítima
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
Formação do estado moderno
Formação do estado modernoFormação do estado moderno
Formação do estado moderno
 
Formação dos estados nacionais 1
Formação dos estados nacionais 1Formação dos estados nacionais 1
Formação dos estados nacionais 1
 
Formação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisFormação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionais
 
Iluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaIluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução Francesa
 
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
 

Semelhante a O Estado Moderno

_ Revolução Francesa
_ Revolução Francesa_ Revolução Francesa
_ Revolução Francesa
Lela Leite
 
A Revolução Francesa. Explicação da Revolução.
A Revolução Francesa. Explicação da Revolução.A Revolução Francesa. Explicação da Revolução.
A Revolução Francesa. Explicação da Revolução.
NubyenMarcelaNunesNa1
 
K o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
  K  o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5  K  o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
K o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
Marcia Fernandes
 
Enem 2012
Enem 2012Enem 2012
IV UNIDADE
IV UNIDADEIV UNIDADE
IV UNIDADE
Jackeline Póvoas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Palestra 01 contexto histórico do século xix na europa
Palestra 01 contexto histórico do século xix na europaPalestra 01 contexto histórico do século xix na europa
Palestra 01 contexto histórico do século xix na europa
Jose Ferreira Almeida
 
K exercícios o jogo do poder_centralização e descentralizaçao_cap_5
K exercícios o jogo do poder_centralização e descentralizaçao_cap_5K exercícios o jogo do poder_centralização e descentralizaçao_cap_5
K exercícios o jogo do poder_centralização e descentralizaçao_cap_5
Marcia Fernandes
 
Imperialismos
ImperialismosImperialismos
Imperialismos
Zeze Silva
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1
Daniel Alves Bronstrup
 
Jornadaxviii willian
Jornadaxviii willianJornadaxviii willian
Jornadaxviii willian
Jose Renato Dos Santos
 
Aula 03
Aula 03Aula 03
Aula 03
Patrick Mady
 
A revolução francesa (1789)
A revolução francesa (1789)A revolução francesa (1789)
A revolução francesa (1789)
Vitor Ferreira
 
Revolução francesa 2013
Revolução francesa 2013Revolução francesa 2013
Revolução francesa 2013
Isabel Aguiar
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
O absolutismo monarquico 7
O absolutismo monarquico 7O absolutismo monarquico 7
O absolutismo monarquico 7
Rita Cunha
 
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
SamuelFernando44
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Ana Carolina Martins
 
Nova Ordem Mundial 1850
Nova Ordem Mundial 1850Nova Ordem Mundial 1850
Nova Ordem Mundial 1850
Aulas de História
 

Semelhante a O Estado Moderno (20)

_ Revolução Francesa
_ Revolução Francesa_ Revolução Francesa
_ Revolução Francesa
 
A Revolução Francesa. Explicação da Revolução.
A Revolução Francesa. Explicação da Revolução.A Revolução Francesa. Explicação da Revolução.
A Revolução Francesa. Explicação da Revolução.
 
K o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
  K  o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5  K  o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
K o jogo do poder centralização e descentralizaçao_cap_5
 
Enem 2012
Enem 2012Enem 2012
Enem 2012
 
IV UNIDADE
IV UNIDADEIV UNIDADE
IV UNIDADE
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Palestra 01 contexto histórico do século xix na europa
Palestra 01 contexto histórico do século xix na europaPalestra 01 contexto histórico do século xix na europa
Palestra 01 contexto histórico do século xix na europa
 
K exercícios o jogo do poder_centralização e descentralizaçao_cap_5
K exercícios o jogo do poder_centralização e descentralizaçao_cap_5K exercícios o jogo do poder_centralização e descentralizaçao_cap_5
K exercícios o jogo do poder_centralização e descentralizaçao_cap_5
 
Imperialismos
ImperialismosImperialismos
Imperialismos
 
2º ano revolução francesa - parte 1
2º ano   revolução francesa - parte 12º ano   revolução francesa - parte 1
2º ano revolução francesa - parte 1
 
Jornadaxviii willian
Jornadaxviii willianJornadaxviii willian
Jornadaxviii willian
 
Aula 03
Aula 03Aula 03
Aula 03
 
A revolução francesa (1789)
A revolução francesa (1789)A revolução francesa (1789)
A revolução francesa (1789)
 
Revolução francesa 2013
Revolução francesa 2013Revolução francesa 2013
Revolução francesa 2013
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
O absolutismo monarquico 7
O absolutismo monarquico 7O absolutismo monarquico 7
O absolutismo monarquico 7
 
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
40123_8b227bc4a7182502604d43855c99ae0a.pdf
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
 
Nova Ordem Mundial 1850
Nova Ordem Mundial 1850Nova Ordem Mundial 1850
Nova Ordem Mundial 1850
 

Mais de Aulas de História

Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
Aulas de História
 
Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
Aulas de História
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
Aulas de História
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
Aulas de História
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
Aulas de História
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Aulas de História
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Aulas de História
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
Aulas de História
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
Aulas de História
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
Aulas de História
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
Aulas de História
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
Aulas de História
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Aulas de História
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
Aulas de História
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
Aulas de História
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Aulas de História
 
Regência
RegênciaRegência
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Aulas de História
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
Aulas de História
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
Aulas de História
 

Mais de Aulas de História (20)

Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
 
Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Regência
RegênciaRegência
Regência
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

O Estado Moderno

  • 1. O ABSOLUTISMO E O ESTADO MODERNO FOI O SISTEMA DE PODER CONSTITUÍDO NA IDADE MODERNA. TAMBÉM CHAMADO DE ANTIGO REGIME.
  • 2. NO SÉCULO XVI AS MONARQUIAS FEUDAIS JÁ HAVIAM SE TORNADO ABSOLUTISTAS. CONTESTAÇÃO À PLENA AUTORIDADE REAL AUTORIDADE REAL REAÇÃO DOS NOBRES PODER PESSOAL INTROMISSÃO DA SUBMISSÃO DA IGREJA IGREJA MONARQUIA FEUDAIS MONARQUIA ABSOLUTISTAS
  • 3. A GUERRA DOS CEM ANOS E A GUERRA DE RECONQUISTA FORJARAM UM SENTIMENTO NACIONALISTA E A CRIAÇÃO DE EXÉRCITOS PERMANENTES. GUERRA DOS CEM ANOS A PESTE NEGRA E AS REVOLTAS CAMPONESAS CRIARAM UM CLIMA DE INSEGURANÇA E CRENÇA NO PODER AUTORITÁRIO. QUADRO MOSTRA A PESTE NEGRA
  • 4. NO OCIDENTE, AS MONARQUIAS ABSOLUTISTAS FORAM: FRANÇA, INGLATERRA, ESPANHA E PORTUGAL.
  • 5. O DESPOTISMO E O AUTORITARISMO CARACTERIZAM O PODER REAL ABSOLUTO QUE ERA EXERCIDO DE FORMA PESSOAL. AS CLASSES DETENTORAS DO PODER ERAM A NOBREZA E O CLERO, MAS A BURGUESIA ERA QUADRO MOSTRA FILIPE II – REI DA ESPANHA BENEFICIADA ATRAVÉS DO COMÉRCIO.
  • 6. O MAIOR IDEÓLOGO DO PODER ABSOLUTO FOI MAQUIAVEL. SUA OBRA É UM MANUAL DE CONDUTA DE GOVERNO. ELE FOI O CRIADOR DA CIÊNCIA POLÍTICA MODERNA. “OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS” OS FINS: A MANUTENÇÃO DA ORDEM. OS MEIOS: A LEI OU A VIOLÊNCIA. O OBJETIVO DE MAQUIAVEL ERA A UNIDADE DA ITÁLIA E A FORMAÇÃO DE SEU ESTADO.
  • 7. JEAN BODIN – “A REPÚBLICA” E THOMAS HOBBES – “O LEVIATÔ TAMBÉM FORAM AUTORES IDEÓLOGOS DO ABSOLUTISMO. A OBRA DE HOBBES PODE SER RESUMIDA NA FRASE: “O HOMEM É O LOBO DO HOMEM”. BOSSUET ESCREVEU “A ORIGEM DO PODER NAS SAGRADAS ESCRITURAS” E FOI O TEÓRICO DO DIREITO DIVINO DOS GOVERNANTES.
  • 8. “O Estado sou eu” A FRANÇA DE LUÍS XIV NO Luís XIV SÉCULO XVII, FOI O MAIOR EXEMPLO DE PODER ABSOLUTO. ELE FOI CHAMADO DE REI SOL. QUADRO MOSTRA LUÍS XIV – REI DA FRANÇA PALÁCIO DE VERSALHES LUÍS XIV FOI UM MESTRE DA PROPAGANDA E REALIZOU VÁRIAS OBRAS, DENTRE ELAS O FABULOSO PALÁCIO DE VERSALHES.
  • 9. NOBREZA • CARGOS POLÍTICOS • ISENÇÃO DE IMPOSTOS ARISTOCRACIA • PENSÕES CLERO BURGUESIA POVO (CAMPONESES) 3º ESTADO PAGAVAM IMPOSTOS E ERAM EXCLUÍDOS DO PODER POLÍTICO SOCIEDADE ESTAMENTAL AS LEIS ERAM SEPARADAS POR ESTADO, PRIVILEGIANDO A ARISTOCRACIA
  • 10. MERCANTILISMO CONJUNTO DE PRÁTICAS ECONÔMICAS ADOTADAS PELO ESTADO MODERNO  ENRIQUECIMENTO DO ESTADO  TOTAL CONTROLE DA ECONOMIA  ESTADO INTERVENCIONISTA  ADOÇÃO DE MEDIDAS PROTECIONISTAS  EXPLORAÇÃO DO PACTO COLONIAL
  • 11. A RIQUEZA DA ESPANHA NO SÉCULO XVI FEZ SURGIR A CONCEPÇÃO METALISTA. RIQUEZA ASSOCIADA AO ACÚMULO DE METAIS PRECIOSOS. TONELADAS DE OURO E PRATA FORAM SUBTRAÍDAS DAS COLÔNIAS ESPANHOLAS, TORNANDO A ESPANHA A NAÇÃO MAIS PODEROSA DO MUNDO. MAS A SUA DECADÊNCIA DERRUBOU A CRENÇA NO METALISMO. ALÉM DISSO, O EXCESSO DE METAIS PROVOCOU A DESVALORIZAÇÃO DA MOEDA.
  • 12. SURGIU ENTÃO NO SÉCULO XVII A CONCEPÇÃO DA BALANÇA DE COMÉRCIO FAVORÁVEL OU COLBERTISMO.  INCENTIVO A PRODUÇÃO DE MANUFATURAS  APRIMORAMENTO DA MÃO-DE-OBRA  POLÍTICA PROTECIONISTA  COMÉRCIO COM AS COLÔNIAS QUEM MELHOR APLICOU ESSAS IDEIAS FORAM INGLATERRA E HOLANDA QUE ERAM AS POTÊNCIAS ECONÔMICAS DA IDADE MODERNA.