SlideShare uma empresa Scribd logo
REGÊNCIA REBELDES EM COMBATE NA REVOLUÇÃO FARROUPILHA 1831 1840
DESAPARECERAM COM A MORTE DE D. PEDRO, EM 1834. OLIGARQUIAS DA REGIÃO SUDESTE. DEFENDIAM A SUA RIQUEZA . OLIGARQUIAS DAS REGIÕES FORA DO EIXO SUDESTE. DEFENDIAM O FEDERALISMO LIBERAIS MODERADOS LIBERAIS EXALTADOS PARTIDO PORTUGUÊS Nova Arrumação Política
JURAMENTO DE POSSE DA REGÊNCIA TRINA PERMANENTE O GOVERNO REGENCIAL CONCENTROU O PODER NA  REGIÃO   SUDESTE  E DESCONTENTOU AS OUTRAS OLIGARQUIAS. APESAR DA REGÊNCIA O  CENTRALISMO  CONTINUAVA. Regência Trina  1831 - 1835
EM 1834 FOI APROVADO O  ATO ADICIONAL  QUE IMPLANTAVA A  AUTONOMIA DAS PROVÍNCIAS .  ATENÇÃO :  ESSA  AUTONOMIA ERA PARCIAL E  NÃO ATENDIA OS ANSEIOS DOS LIBERAIS EXALTADOS. A REGÊNCIA TRINA SE TORNOU  REGÊNCIA UNA . EM  1835 , FOI ELEITO DIOGO FEIJÓ QUE ERA EXPOENTE DOS CONSERVADORES. FOI O ESTOPIM DAS  REVOLTAS REGENCIAS . UNITARISMO  OU  CENTRALISMO X   FEDERALISMO
CABANAGEM NO PARÁ BALAIADA NO MARANHÃO SABINADA  NA BAHIA FARROUPILHA OU FARRAPOS NO RIO GRANDE DO SUL FORAM  SEPARATISTAS  E  REPUBLICANAS , TIVERAM  PARTICIPAÇÃO POPULAR  E FORAM VIOLENTAMENTE REPRIMIDAS.  NENHUMA QUERIA O FIM DA ESCRAVIDÃO .
O NOME CABANAGEM DERIVA DESSAS HABITAÇÕES - PALAFITAS QUE ERAM PREDOMINANTES NA REGIÃO DO PARÁ Cabanagem – 1835 / 1840 NESSA ÉPOCA  A PROVÍNCIA DO GRÃO PARÁ TINHA 80.000 HABITANTES.  FOI  A MAIS POPULAR , EMBORA COM A PRESENÇA DAS OLIGARQUIAS. CHEGARAM A CRIAR UM GOVERNO, MAS SEU PROJETO NÃO ERA CONSISTENTE. A REPRESSÃO CAUSOU A MORTE DE 1/2 DA POPULAÇÃO.
ENTRE 1838 E 1840. SOCIALMENTE, A  BALAIADA  FOI A MAIS CONFUSA . OLIGARQUIAS CONTRA O GOVERNO REGENCIAL E ESCRAVOS CONTRA AS OLIGARQUIAS. NA ÉPOCA, O MARANHÃO ERA GRANDE PRODUTOR DE  ALGODÃO , MAS SOFRIA COM A MÁ QUALIDADE DO PRODUTO.
ALÉM DO CONFRONTO COM A REGÊNCIA, HAVIA O PROBLEMA ESPECÍFICO DO  CHARQUE  PLATINO QUE  DISPUTAVA COM A  PRODUÇÃO GAÚCHA E ERA BENEFICIADO PELA ISENÇÃO DE IMPOSTOS.  Revolução Farroupilha 1835 - 1845
A MINI SÉRIE MOSTRA ESSA REVOLTA FOI A REVOLTA QUE MOSTROU MAIOR PODER MILITAR. PROCLAMARAM A  REPÚBLICA RIOGRANDENSE  E DURANTE  DOIS ANOS LUTARAM DE IGUAL PARA IGUAL. SÓ ACABARIA EM 1845, QUANDO RESOLVERAM A QUESTÃO DO  CHARQUE .
Sabinada - 1837 A REVOLTA SE RESTRINGIU A SALVADOR,  NÃO TEVE ADESÃO DO RECÔNCAVO,  PEQUENA PARTICIPAÇÃO POPULAR E  SEPARATISMO  E  REPUBLICANISMO DE OCASIÃO .  A PRETENSÃO ERA SEPARAR A BAHIA ATÉ QUANDO D. PEDRO II COMPLETASSE A MAIORIDADE. OBSERVE NO MAPA QUE A REVOLTA SE RESTRINGIU A SALVADOR.
1835 revolta dos OS MALÊS ERAM DISCRIMINADOS PELA COR NEGRA E PELA RELIGIÃO ISLÂMICA. SE ORIGINAVAM DO BÊNIN E DA NIGÉRIA. HAUSSÁS OU NAGÔS
OS REBELDES QUERIAM IMPLANTAR UM  CALIFADO  NOS   MOLDES ISLÂMICOS . PRETENDIAM MATAR OS BRANCOS E  ESCRAVIZAR OS MULATOS. A REPRESSÃO VIOLENTA EXTINGUIU  A REVOLTA. 70 MALÊS FORAM MORTOS E DEZENAS FORAM DEPORTADOS. DOCUMENTO MALÊ
2 – MALÊS FOI A ÚNICA REVOLTA DESSA ÉPOCA? 1 – QUAL A SUA GRANDE IMPORTÂNCIA? 3 – ALGUMA REVOLTA INFLUENCIOU MALÊS? NÃO, VÁRIAS REVOLTAS SE DERAM ANTES. FOI A MAIOR REVOLTA  URBANA  DE ESCRAVOS. SIM, A REVOLTA NEGRA DO HAITI.
O Golpe da Maioridade COM O DESGASTE DA REGÊNCIA FOI APROVADA EM 1840, A  ANTECIPAÇÃO DA MAIORIDADE  DE D. PEDRO II. COMEÇAVA ENTÃO O  II REINADO . ACLAMAÇÃO DE D. PEDRO II ATENÇÃO: ESSE EPISÓDIO FOI DENOMINADO GOLPE PORQUE A LEI FOI APROVADA NO PARLAMENTO SEM A PRESENÇA DOS CONSERVADORES, MAS NÃO SIGNIFICANDO UTILIZAÇÃO DE FORÇA, O QUE DENOTA EXAGERO NA EXPRESSÃO.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República BrasileiraTransição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República Brasileira
alinemaiahistoria
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
Daniel Alves Bronstrup
 
Século xix ideologias
Século xix ideologiasSéculo xix ideologias
Século xix ideologias
Daniele Lino
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Douglas Barraqui
 
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
luizmourao23
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
Rose Vital
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
Aulas de História
 
Independência América Espanhola
Independência América EspanholaIndependência América Espanhola
Independência América Espanhola
dmflores21
 
Juscelino kubitschek
Juscelino kubitschekJuscelino kubitschek
Juscelino kubitschek
Adriana Gomes Messias
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Portal do Vestibulando
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Pérysson Nogueira
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
professordehistoria
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
A Nova República (1985-)
A Nova República (1985-)A Nova República (1985-)
A Nova República (1985-)
Isaquel Silva
 
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Marcos Mamute
 
O segundo governo vargas
O segundo governo vargasO segundo governo vargas
O segundo governo vargas
Edenilson Morais
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
Edenilson Morais
 
O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)
Alex Ferreira dos Santos
 
Formação e desenvolvimento dos EUA (PDF)
Formação e desenvolvimento dos EUA (PDF)Formação e desenvolvimento dos EUA (PDF)
Formação e desenvolvimento dos EUA (PDF)
Paulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Transição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República BrasileiraTransição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República Brasileira
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Século xix ideologias
Século xix ideologiasSéculo xix ideologias
Século xix ideologias
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
O Primeiro Reinado e as Regências - (Apresentação em Grupo)
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução Russa
Revolução Russa Revolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Independência América Espanhola
Independência América EspanholaIndependência América Espanhola
Independência América Espanhola
 
Juscelino kubitschek
Juscelino kubitschekJuscelino kubitschek
Juscelino kubitschek
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
A Nova República (1985-)
A Nova República (1985-)A Nova República (1985-)
A Nova República (1985-)
 
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIXRevoluções Liberais na Europa no Século XIX
Revoluções Liberais na Europa no Século XIX
 
O segundo governo vargas
O segundo governo vargasO segundo governo vargas
O segundo governo vargas
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
 
O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)
 
Formação e desenvolvimento dos EUA (PDF)
Formação e desenvolvimento dos EUA (PDF)Formação e desenvolvimento dos EUA (PDF)
Formação e desenvolvimento dos EUA (PDF)
 

Destaque

Música na ditadura militar
Música na ditadura militarMúsica na ditadura militar
Música na ditadura militar
liea
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Lucas Cardoso
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Marlon Novaes
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
Adeilsa Ferreira
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
Fatima Freitas
 
Apresentação Anita Garibaldi
 Apresentação Anita Garibaldi Apresentação Anita Garibaldi
Apresentação Anita Garibaldi
Dayanne de Menezes
 
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof MedeirosHistória de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
João Medeiros
 
Ditadura militar disma
Ditadura militar dismaDitadura militar disma
Ditadura militar disma
Dismael Sagás
 
Músicas na ditadura militar
Músicas na ditadura militarMúsicas na ditadura militar
Músicas na ditadura militar
Edson Alves
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
Edenilson Morais
 
Felicidade 3 ano
Felicidade 3 anoFelicidade 3 ano
Felicidade 3 ano
Over Lane
 
Desenrolando o Egito
Desenrolando o EgitoDesenrolando o Egito
Desenrolando o Egito
Carlos Zaranza
 
Cinema e educação
Cinema e educaçãoCinema e educação
Cinema e educação
Eddieuepg
 
CEGH 12 - O Período Regencial
CEGH 12 - O Período RegencialCEGH 12 - O Período Regencial
CEGH 12 - O Período Regencial
Prof Vaguito Sobrenome
 
Aula ditadura militar
Aula ditadura militarAula ditadura militar
Aula ditadura militar
Cristiano Santana
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Edenilson Morais
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
Tatiana Rezende
 
07. brasil aula sobre período regencial
07. brasil aula sobre período regencial07. brasil aula sobre período regencial
07. brasil aula sobre período regencial
Darlan Campos
 
Imperio periodoregencial
Imperio periodoregencialImperio periodoregencial
Imperio periodoregencial
Carlos Zaranza
 
Geo Mt
Geo MtGeo Mt

Destaque (20)

Música na ditadura militar
Música na ditadura militarMúsica na ditadura militar
Música na ditadura militar
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
Apresentação Anita Garibaldi
 Apresentação Anita Garibaldi Apresentação Anita Garibaldi
Apresentação Anita Garibaldi
 
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof MedeirosHistória de Mato Grosso - Prof Medeiros
História de Mato Grosso - Prof Medeiros
 
Ditadura militar disma
Ditadura militar dismaDitadura militar disma
Ditadura militar disma
 
Músicas na ditadura militar
Músicas na ditadura militarMúsicas na ditadura militar
Músicas na ditadura militar
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
 
Felicidade 3 ano
Felicidade 3 anoFelicidade 3 ano
Felicidade 3 ano
 
Desenrolando o Egito
Desenrolando o EgitoDesenrolando o Egito
Desenrolando o Egito
 
Cinema e educação
Cinema e educaçãoCinema e educação
Cinema e educação
 
CEGH 12 - O Período Regencial
CEGH 12 - O Período RegencialCEGH 12 - O Período Regencial
CEGH 12 - O Período Regencial
 
Aula ditadura militar
Aula ditadura militarAula ditadura militar
Aula ditadura militar
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
 
07. brasil aula sobre período regencial
07. brasil aula sobre período regencial07. brasil aula sobre período regencial
07. brasil aula sobre período regencial
 
Imperio periodoregencial
Imperio periodoregencialImperio periodoregencial
Imperio periodoregencial
 
Geo Mt
Geo MtGeo Mt
Geo Mt
 

Semelhante a Regência

Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 
Revisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptxRevisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptx
Elaine Bogo Pavani
 
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Zeze Silva
 
Periodo regencial
Periodo regencialPeriodo regencial
Periodo regencial
Zeze Silva
 
Brasil monárquico
Brasil monárquicoBrasil monárquico
Brasil monárquico
Marcela Marangon Ribeiro
 
Regência e reinado
Regência e reinadoRegência e reinado
Regência e reinado
Estude Mais
 
culturas pre-colombianas
culturas pre-colombianasculturas pre-colombianas
culturas pre-colombianas
Izaac Erder
 
Culturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianasCulturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianas
Privada
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
Hallan de Oliveira
 
Culturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianasCulturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianas
dmflores21
 
Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República Velha
Rose Vital
 
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da RepúblicaO café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
Alinnie Moreira
 
Brasil império segundo reinado
Brasil império segundo reinadoBrasil império segundo reinado
Brasil império segundo reinado
Murilo Cisalpino
 
Historia revoluçoes nativistas
Historia revoluçoes nativistasHistoria revoluçoes nativistas
Historia revoluçoes nativistas
Slides de Tudo
 
2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt
HelderHenrique8
 
Brasil Regencial
Brasil RegencialBrasil Regencial
Brasil Regencial
eduardodemiranda
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
Marcelo Freitas
 
Lola
LolaLola
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
Juliana_hst
 

Semelhante a Regência (20)

Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 
Revisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptxRevisão pas.2pptx
Revisão pas.2pptx
 
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
Revisopas 2pptx-101126170357-phpapp01
 
Periodo regencial
Periodo regencialPeriodo regencial
Periodo regencial
 
Brasil monárquico
Brasil monárquicoBrasil monárquico
Brasil monárquico
 
Regência e reinado
Regência e reinadoRegência e reinado
Regência e reinado
 
culturas pre-colombianas
culturas pre-colombianasculturas pre-colombianas
culturas pre-colombianas
 
Culturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianasCulturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianas
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
Culturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianasCulturas indigenas-pre-colombianas
Culturas indigenas-pre-colombianas
 
Revoltas República Velha
Revoltas República VelhaRevoltas República Velha
Revoltas República Velha
 
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da RepúblicaO café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
 
Brasil império segundo reinado
Brasil império segundo reinadoBrasil império segundo reinado
Brasil império segundo reinado
 
Historia revoluçoes nativistas
Historia revoluçoes nativistasHistoria revoluçoes nativistas
Historia revoluçoes nativistas
 
2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt2º SEGUNDO REINADO.ppt
2º SEGUNDO REINADO.ppt
 
Brasil Regencial
Brasil RegencialBrasil Regencial
Brasil Regencial
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Lola
LolaLola
Lola
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 

Mais de Aulas de História

Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
Aulas de História
 
Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
Aulas de História
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
Aulas de História
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
Aulas de História
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
Aulas de História
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Aulas de História
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Aulas de História
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
Aulas de História
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
Aulas de História
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
Aulas de História
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
Aulas de História
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
Aulas de História
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Aulas de História
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
Aulas de História
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
Aulas de História
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
Aulas de História
 
Mineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIIIMineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIII
Aulas de História
 
Bloqueio de Berlim e Guerra da Coreia
Bloqueio de Berlim e Guerra da CoreiaBloqueio de Berlim e Guerra da Coreia
Bloqueio de Berlim e Guerra da Coreia
Aulas de História
 

Mais de Aulas de História (20)

Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
 
Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
 
Mineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIIIMineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIII
 
Bloqueio de Berlim e Guerra da Coreia
Bloqueio de Berlim e Guerra da CoreiaBloqueio de Berlim e Guerra da Coreia
Bloqueio de Berlim e Guerra da Coreia
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 

Regência

  • 1. REGÊNCIA REBELDES EM COMBATE NA REVOLUÇÃO FARROUPILHA 1831 1840
  • 2. DESAPARECERAM COM A MORTE DE D. PEDRO, EM 1834. OLIGARQUIAS DA REGIÃO SUDESTE. DEFENDIAM A SUA RIQUEZA . OLIGARQUIAS DAS REGIÕES FORA DO EIXO SUDESTE. DEFENDIAM O FEDERALISMO LIBERAIS MODERADOS LIBERAIS EXALTADOS PARTIDO PORTUGUÊS Nova Arrumação Política
  • 3. JURAMENTO DE POSSE DA REGÊNCIA TRINA PERMANENTE O GOVERNO REGENCIAL CONCENTROU O PODER NA REGIÃO SUDESTE E DESCONTENTOU AS OUTRAS OLIGARQUIAS. APESAR DA REGÊNCIA O CENTRALISMO CONTINUAVA. Regência Trina 1831 - 1835
  • 4. EM 1834 FOI APROVADO O ATO ADICIONAL QUE IMPLANTAVA A AUTONOMIA DAS PROVÍNCIAS . ATENÇÃO : ESSA AUTONOMIA ERA PARCIAL E NÃO ATENDIA OS ANSEIOS DOS LIBERAIS EXALTADOS. A REGÊNCIA TRINA SE TORNOU REGÊNCIA UNA . EM 1835 , FOI ELEITO DIOGO FEIJÓ QUE ERA EXPOENTE DOS CONSERVADORES. FOI O ESTOPIM DAS REVOLTAS REGENCIAS . UNITARISMO OU CENTRALISMO X FEDERALISMO
  • 5. CABANAGEM NO PARÁ BALAIADA NO MARANHÃO SABINADA NA BAHIA FARROUPILHA OU FARRAPOS NO RIO GRANDE DO SUL FORAM SEPARATISTAS E REPUBLICANAS , TIVERAM PARTICIPAÇÃO POPULAR E FORAM VIOLENTAMENTE REPRIMIDAS. NENHUMA QUERIA O FIM DA ESCRAVIDÃO .
  • 6. O NOME CABANAGEM DERIVA DESSAS HABITAÇÕES - PALAFITAS QUE ERAM PREDOMINANTES NA REGIÃO DO PARÁ Cabanagem – 1835 / 1840 NESSA ÉPOCA A PROVÍNCIA DO GRÃO PARÁ TINHA 80.000 HABITANTES. FOI A MAIS POPULAR , EMBORA COM A PRESENÇA DAS OLIGARQUIAS. CHEGARAM A CRIAR UM GOVERNO, MAS SEU PROJETO NÃO ERA CONSISTENTE. A REPRESSÃO CAUSOU A MORTE DE 1/2 DA POPULAÇÃO.
  • 7. ENTRE 1838 E 1840. SOCIALMENTE, A BALAIADA FOI A MAIS CONFUSA . OLIGARQUIAS CONTRA O GOVERNO REGENCIAL E ESCRAVOS CONTRA AS OLIGARQUIAS. NA ÉPOCA, O MARANHÃO ERA GRANDE PRODUTOR DE ALGODÃO , MAS SOFRIA COM A MÁ QUALIDADE DO PRODUTO.
  • 8. ALÉM DO CONFRONTO COM A REGÊNCIA, HAVIA O PROBLEMA ESPECÍFICO DO CHARQUE PLATINO QUE DISPUTAVA COM A PRODUÇÃO GAÚCHA E ERA BENEFICIADO PELA ISENÇÃO DE IMPOSTOS. Revolução Farroupilha 1835 - 1845
  • 9. A MINI SÉRIE MOSTRA ESSA REVOLTA FOI A REVOLTA QUE MOSTROU MAIOR PODER MILITAR. PROCLAMARAM A REPÚBLICA RIOGRANDENSE E DURANTE DOIS ANOS LUTARAM DE IGUAL PARA IGUAL. SÓ ACABARIA EM 1845, QUANDO RESOLVERAM A QUESTÃO DO CHARQUE .
  • 10. Sabinada - 1837 A REVOLTA SE RESTRINGIU A SALVADOR, NÃO TEVE ADESÃO DO RECÔNCAVO, PEQUENA PARTICIPAÇÃO POPULAR E SEPARATISMO E REPUBLICANISMO DE OCASIÃO . A PRETENSÃO ERA SEPARAR A BAHIA ATÉ QUANDO D. PEDRO II COMPLETASSE A MAIORIDADE. OBSERVE NO MAPA QUE A REVOLTA SE RESTRINGIU A SALVADOR.
  • 11. 1835 revolta dos OS MALÊS ERAM DISCRIMINADOS PELA COR NEGRA E PELA RELIGIÃO ISLÂMICA. SE ORIGINAVAM DO BÊNIN E DA NIGÉRIA. HAUSSÁS OU NAGÔS
  • 12. OS REBELDES QUERIAM IMPLANTAR UM CALIFADO NOS MOLDES ISLÂMICOS . PRETENDIAM MATAR OS BRANCOS E ESCRAVIZAR OS MULATOS. A REPRESSÃO VIOLENTA EXTINGUIU A REVOLTA. 70 MALÊS FORAM MORTOS E DEZENAS FORAM DEPORTADOS. DOCUMENTO MALÊ
  • 13. 2 – MALÊS FOI A ÚNICA REVOLTA DESSA ÉPOCA? 1 – QUAL A SUA GRANDE IMPORTÂNCIA? 3 – ALGUMA REVOLTA INFLUENCIOU MALÊS? NÃO, VÁRIAS REVOLTAS SE DERAM ANTES. FOI A MAIOR REVOLTA URBANA DE ESCRAVOS. SIM, A REVOLTA NEGRA DO HAITI.
  • 14. O Golpe da Maioridade COM O DESGASTE DA REGÊNCIA FOI APROVADA EM 1840, A ANTECIPAÇÃO DA MAIORIDADE DE D. PEDRO II. COMEÇAVA ENTÃO O II REINADO . ACLAMAÇÃO DE D. PEDRO II ATENÇÃO: ESSE EPISÓDIO FOI DENOMINADO GOLPE PORQUE A LEI FOI APROVADA NO PARLAMENTO SEM A PRESENÇA DOS CONSERVADORES, MAS NÃO SIGNIFICANDO UTILIZAÇÃO DE FORÇA, O QUE DENOTA EXAGERO NA EXPRESSÃO.