SlideShare uma empresa Scribd logo
Produção
Simbólica e
Diversidade
   Cultural
              (EIXO I)
algumas idéias avulsas
CLÁUDIO MANOEL DUARTE/
                  Bahia
Por onde circula a arte?


Se cultura é toda produção material e imaterial do ser humano, onde podemos detectar sua
presença?
E a arte, em meio à cultura, em que espaços circula?
Idade Média e Renascimento: vida intelectual e artística sob a tutela do poder. Artistas e
Intelectuais produziam para atender demandas éticas e estéticas da aristocracia e da Igreja.
Libertação da produção intelectual e artística: correlata à formação de uma categoria que foi
tornando-se socialmente distinta - os de artistas ou de intelectuais profissionais.
Esses produtores foram ganhando distância da tutela do poder ao ir liberando sua
produção de toda e qualquer dependência social - "seja das censuras morais e
programas estéticos de uma Igreja (...), seja dos controles acadêmicos e das
encomendas de um poder político propenso a tomar a arte como um instrumento de
propaganda". (Pierre Bourdieu)

Florença do século XV: O artista passa a legislar sobre sua arte. Seu compromisso
agora é com os demais artistas e principalmente com os não-artistas (públicos).

Ao artista, "o direito de legislar com exclusividade em seu próprio campo: o campo
da forma e do estilo" (Bourdieu)
Foram se firmando outros campos, não tão pertencentes aos artistas: o campo da
circulação e consumo.

- Campo de produção erudita - público de produtores de bens culturais
(intelectuais e,m geral, críticos, os artistas). Um público mais reduzido, pois a
recepção exige repertório cultural, depende do nível de instrução dos receptores
(capacidade de litura dos códigos)

- Campo da indústria cultural - público de não-produtores de bens culturais,
população consumidora da cultura massiva. Esses bens simbólicos da e para a
indústria cultural está submisso aos imperativos da concorrência pela conquista
de mercado (ampliar o público), além de buscar a rentabilidade dos investimentos.
Não é demarcador o nível de instrução dos receptores.
Falar de bens simbólicos e diversidade é acentuar a atenção para
os espaços de fluxos.

Diversidade cultural ou interculturalidade só poderá acontecer com
espaços de circulação para o encontro dessas diversidades, e para que
elas ganhem visibilidade e dialoguem na direção da pluralidade
cultural.
Produção de arte e bens simbólicos

Os seres humanos veem o mesmo mundo a partir de diferentes olhares.
Se a arte é uma das formas de conhecer e interpretar o mundo, as expressões
artísticas são resultantes da diversidade de concepções, das diferentes
interpretações.
As instituições culturais devem reconhecer essa diversidade.


- como compreender as especificidades de cada uma?
- como identificar suas carências e potencialidades?
-como instituir políticas de fomento de bens simbólicos diversos?
- como buscar financiamento em parceria com a iniciativa privada e não governamental?
-como promover a sustentação dos processos de criação, produção e consumo?
- como preservar os bens simbólicos?
Como promover os diálogos
 interculturais?
A diversidade em si não é diversa, somente ao encontrar com as outras expressões. É
preciso pensar, então, em ações de intercâmbio para que a intercuturalidade
aconteça.

“Considerando que o processo de globalização, facilitado pela rápida evolução das
novas tecnologias da informação e da comunicação, apesar de constituir um
desafio para a diversidade cultural, cria condições de um diálogo renovado entre
as culturas e as civilizações” - Declaração Universal sobre diversidade
cultural (Unesco, 2002)

Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões
Culturais (UNESCO, 2005):
- Respeito mútuo e o reconhecimento da dignidade inerente a todas as culturas
no mundo
- Reafirmação do direito soberano dos Estados para implantar políticas e medidas para
proteger e promover a diversidade das expressões culturais
- Proteção especial aos grupos mais vulneráveis às dinâmicas excludentes da
globalização.
Se a cultura se encontra no centro dos debates contemporâneos sobre o
desenvolvimento de uma economia fundada no saber e a diversidade cultural é o
patrimônio comum da humanidade, quanto mais diversa essa cultura mais
expandida e mais expansível é a economia baseada no saber.

Reconhecer e dar visibilidade à diversidade cultural é promover o saber, é
promover o desenvolvimento.

Então, devemos pensar:

-Quais maneiras para reconhecer, dar visibilidade e promover o intercâmbio entre
os diferentes saberes, promover o diálogo intercultural?
O artesão ou
o artesanato?
um exemplo

Em que sentido o mercado (produção,circulação e consumo) está diretamente
ligado à difusão do bem simbólico, contribuindo com sua interlocução com
outros produtos e mercados?

“Uma política cultural que pretenda servir às classes populares deve partir de
uma resposta insuspeita a esta pergunta: o que se deve defender: o artesanato ou
o artesão?” (professor Clovis Dias)
O artesão? - incentivá-lo a reinventar a sua prática material agindo
como sujeito ativo na confecção dos artesanatos, uma vez que a prerrogativa
do seu oficio consiste na capacidade de participar livremente de todas as
etapas da fabricação do artefato, aliando o propor e o fazer.
O artesanato? - medidas engendradas por técnicos na área do design,
marketing, administração que o transformam em mercadorias “exóticas”. Temor:
possibilidade do artesão ficar refém, ou melhor, passar a não dominar mais o
processo integral de seu trabalho e depender eternamente dos auxílios de
terceiros desvirtuando dessa maneira o valor agregado de seu produto que está
associado ao modo simbólico de expressão.

“Quando os bens simbólicos são envolvidos na lógica de produção industrial
passam a ser fruto de uma ininterrupta fabricação de signos baseados em velhos
clichês para o consumo (por exemplo, o artesanato: nostalgia, rusticidade,
tipicidade etc)”. Alfredo Bosi (1987)
E se pensarmos nos dois – artesão e artesanato - ao mesmo tempo, como exige
o mundo global, diante da constante reformulação da tríade mercadológica de
produção, circulação e consumo? Qual o encaminhamento?
Cultura, Educação e Criatividade

Se o desenvolvimento econômico e social contemporâneo está diretamente
associado à capacidade que o ser humano possui de simbolizar, da
capacidade criativa dos indivíduos e dos grupos.
Assim, é estratégico o investimento conjunto em educação e cultura, visando o estímulo à
interação entre as expressões culturais e o sistema educativo.
- Promover o reencontro entre as políticas culturais e da Educação para que
seja construída uma agenda comum e colaborativa?
- Qualificar a educação artística, implantando a educação patrimonial e incentivar o
livro e a leitura e à produção artística em escolas?


- Leis 10.639/2003 e 11.645/2008: obrigatoriedade das temáticas da história e da cultura
afro-brasileira e indígena nas escolas
Cultura, Comunicação e Democracia


MÍDIAS TRADICIONAIS

O monopólio dos meios de comunicação no Brasil tem focado na indústria
cultural de retorno lucrativo imediato, com pouca atenção à qualidade
cultural da programação
A televisão e o rádio são os equipamentos de produção e distribuição de bens simbólicos
mais disseminados, e por isso cumprem função relevante na vida cultural.


Agremiações de cultura e comunicação devem unir-se na luta pela regulamentação
dos artigos da CF/88 (Capítulo V-
Da Comunicação Social) que:

- Obriga as emissoras de rádio e televisão a adaptar sua programação ao principio da
regionalização da produção cultural, artísticas e jornalísticas
- Estabelece a preferência que deve ser dada às finalidades educativas,
artísticas, culturais e informativas
- Estabelece a preferência à promoção da cultura nacional e regional e à
produção independente.
Cultura, Comunicação e Democracia




NOVAS MÍDIAS
O cenário da Cibercultura (Cultura Contemporânea produzida a partir da
apropriação das tecnologias) nos trouxe três leis fundadoras (André Lemos):
1. A liberação do pólo da emissão: “Pode tudo na internet”, “tem de tudo
na internet”; 2. O princípio de conexão em rede: “a rede está em todos os
lugares”, conectividade generalizada; 3. Reconfiguração de formatos
midiáticos e práticas sociais.
Somos emissores de conteúdos, não apenas receptores.
Participamos de comunidades ativas (redes sociais) e compondo
inteligências coletivas
Cultura, Comunicação e Democracia




NOVAS MÍDIAS


Qual o público frequentador dos eventos culturais na Bahia? Qual a principal
faixa etária?


Qual a classe social predominante? Para qual tipo de atividade?


Quais os 2 principais meios de comunicação nos quais o público da Cultura se
informa?
Cultura, Comunicação e Democracia



NOVAS MÍDIAS


A jovem faixa etária 17 a 27 lê jornais? Assiste tv, ouve rádio? Acessa a internet
para se informar?


A tv é mais importante que o jornal impresso? Para que perfil de público? Para
que tipo de evento?


As redes sociais virtuais e as novas mídias são ferramentas de comunicação mais
ou menos poderosas para que targer público?


Estamos elegendo as mídias corretas para informar e formar públicos?
produção simbólica
Cultura, Comunicação e Democracia




NOVAS MÍDIAS

As novas TICs e a Globalização redimensionaram o espaço público. Há um novo
mercado da informação com outra rede de produção/circulação/consumo – uma
nova tríade reconfigurada pelo cidadão, inclusive (e não pelas empresas tradicionais
de comunicação)

Uma outra tríade de comunicação originada pela liberação do pólo de emissão e pela
web 2.0 (interatividade/formação de comunidade).
Cultura, Comunicação e Democracia




NOVAS MÍDIAS/NOVAS TECNOLOGIAS



As novas tecnologias e as novas mídias são instrumentos libertadores
para a produção, circulação e consumo de conteúdos, contribuindo
com a diversidade a partir dos próprios produtores de bens simbólicos.

-De que forma podemos nos apropriar desses instrumentos para colaborar com a
diversidade?
vídeo

Bernardo Machado aborda o primeiro eixo de debates da Conferência
Nacional de Cultura (Produção Simbólica e Diversidade Cultural),
em vídeo, disponível em


http://vimeo.com/6936827
SUGESTÕES (Minc) PARA NORTEAR A DISCUSSÃO DO EIXO TEMÁTICO




1) Existem iniciativas de fomento que contemplem a produção simbólica e a diversidade
   cultural no seu município (incluindo a área rural, comunidades quilombolas e
   indígenas )?

2) Quais espaços culturais existem em seu município?

3) Vocês conhecem todas as expressões artísticas e simbólicas do seu município? Elas
    estão ameaçadas? Estão sendo preservadas?

4) Como interagem cultura e educação em seu município?

5) Existe algum meio de comunicação cuja programação seja voltada para sua região?
    Como você toma conhecimento dos eventos culturais de sua cidade? E onde são
    divulgadas as ações e eventos culturais do município e região?

6) Que ações de formação e utilização de novas tecnologias e novas mídias existem para
   a produção de conteúdos culturais em redes digitais? Para a comunicação pública?
REFERÊNCIAS:

-DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL (UNESCO)
-TEXTO-BASE DA CONFERÊNCIA NACIONAL DE CULTURA (Minc)
-PRODUÇAO, DISTRIBUIÇÃO E CONSUMO DOS BENS SIMBÓLICOS: UMA REFLEXÃO SOBRE
OS PROGRAMAS DE APOIO AO ARTESANATO (Clovis dos Santos Dias Filho)
-O MERCADO DE BENS SIMBÓLICOS (Pierre Bourdieu)
-AS CULTURA POPULARES NO CAPITALISMO (Canclini)
-EIXO I - Produção Simbólica e Diversidade Cultural (MinC)




               http://blogdaconferencia.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Descodificação do CLC.Cozinha.pptx
Descodificação do CLC.Cozinha.pptxDescodificação do CLC.Cozinha.pptx
Descodificação do CLC.Cozinha.pptx
Manuela Isidro
 
jurisprudência
jurisprudênciajurisprudência
jurisprudência
Netosaimon Silva
 
Ng4, 5, 6, 7
Ng4, 5, 6, 7Ng4, 5, 6, 7
Ng4, 5, 6, 7
escola
 
Aula 1 políticas comerciais
Aula 1   políticas comerciaisAula 1   políticas comerciais
Aula 1 políticas comerciais
efcamargo1968
 
Cidadania moderna
Cidadania modernaCidadania moderna
Cidadania moderna
Maira Conde
 
Absolutismo inglês 2019
Absolutismo inglês 2019Absolutismo inglês 2019
STC - NG3 - DR1
STC - NG3 - DR1STC - NG3 - DR1
STC - NG3 - DR1
Alberto Casaca
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
SILVIA G. FERNANDES
 
Cultura de Massas
Cultura de MassasCultura de Massas
Cultura de Massas
Margarida Moreira
 
Cp ng3 dr4
Cp ng3 dr4 Cp ng3 dr4
Cp ng3 dr4
xavelhinha
 
A radio
A radioA radio
A radio
Rui Teixeira
 
História da Universidade do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
História da Universidade do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do PortoHistória da Universidade do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
História da Universidade do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Artur Filipe dos Santos
 
Urbanismo e mobilidade
Urbanismo e mobilidadeUrbanismo e mobilidade
Urbanismo e mobilidade
efaturmag2011
 
A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeia
geografia114
 
ApresentaçãO Final Referencial Stc Clc Nov
ApresentaçãO Final Referencial Stc  Clc NovApresentaçãO Final Referencial Stc  Clc Nov
ApresentaçãO Final Referencial Stc Clc Nov
Pedro Félix
 
Ng3 dr3
Ng3 dr3Ng3 dr3
Ng3 dr3
Gasparzinha
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
Edenilson Morais
 
A sociologia marxista
A sociologia marxistaA sociologia marxista
A sociologia marxista
richard_romancini
 
3 Karl Marx.pptx
3 Karl Marx.pptx3 Karl Marx.pptx
3 Karl Marx.pptx
osmarioTV
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
Maria Gomes
 

Mais procurados (20)

Descodificação do CLC.Cozinha.pptx
Descodificação do CLC.Cozinha.pptxDescodificação do CLC.Cozinha.pptx
Descodificação do CLC.Cozinha.pptx
 
jurisprudência
jurisprudênciajurisprudência
jurisprudência
 
Ng4, 5, 6, 7
Ng4, 5, 6, 7Ng4, 5, 6, 7
Ng4, 5, 6, 7
 
Aula 1 políticas comerciais
Aula 1   políticas comerciaisAula 1   políticas comerciais
Aula 1 políticas comerciais
 
Cidadania moderna
Cidadania modernaCidadania moderna
Cidadania moderna
 
Absolutismo inglês 2019
Absolutismo inglês 2019Absolutismo inglês 2019
Absolutismo inglês 2019
 
STC - NG3 - DR1
STC - NG3 - DR1STC - NG3 - DR1
STC - NG3 - DR1
 
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
Cp 5 ética_deontologia_reflexão_sílvia_f[1]
 
Cultura de Massas
Cultura de MassasCultura de Massas
Cultura de Massas
 
Cp ng3 dr4
Cp ng3 dr4 Cp ng3 dr4
Cp ng3 dr4
 
A radio
A radioA radio
A radio
 
História da Universidade do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
História da Universidade do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do PortoHistória da Universidade do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
História da Universidade do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
 
Urbanismo e mobilidade
Urbanismo e mobilidadeUrbanismo e mobilidade
Urbanismo e mobilidade
 
A integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeiaA integração de portugal na união europeia
A integração de portugal na união europeia
 
ApresentaçãO Final Referencial Stc Clc Nov
ApresentaçãO Final Referencial Stc  Clc NovApresentaçãO Final Referencial Stc  Clc Nov
ApresentaçãO Final Referencial Stc Clc Nov
 
Ng3 dr3
Ng3 dr3Ng3 dr3
Ng3 dr3
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
 
A sociologia marxista
A sociologia marxistaA sociologia marxista
A sociologia marxista
 
3 Karl Marx.pptx
3 Karl Marx.pptx3 Karl Marx.pptx
3 Karl Marx.pptx
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
 

Destaque

Pierre Bourdieu: Mercado de Bens Simbólicos
Pierre Bourdieu: Mercado de Bens SimbólicosPierre Bourdieu: Mercado de Bens Simbólicos
Pierre Bourdieu: Mercado de Bens Simbólicos
Rodrigo
 
Projeto de Interface de Usuário
Projeto de Interface de UsuárioProjeto de Interface de Usuário
Projeto de Interface de Usuário
Tatiana Tavares
 
Fibonacci
FibonacciFibonacci
Fibonacci
brunoxaier
 
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder SimbólicoPierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Zeca B.
 
Bourdieu o poder simbólico
Bourdieu   o poder simbólicoBourdieu   o poder simbólico
Bourdieu o poder simbólico
Ronan Tocafundo
 
Documentação de software
Documentação de softwareDocumentação de software
Documentação de software
Wienekee Nau Kroon
 
Apresentação do Software Sophia
Apresentação do Software SophiaApresentação do Software Sophia
Apresentação do Software Sophia
daianadelima
 
Biblioterapia
BiblioterapiaBiblioterapia
Biblioterapia
daianadelima
 
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
Rafaella Cavalcante
 
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 
Documentação do software
Documentação do softwareDocumentação do software
Documentação do software
cifjovo02
 
Trabalho de fim de curso final 2014
Trabalho de fim de curso final 2014Trabalho de fim de curso final 2014
Trabalho de fim de curso final 2014
Mariano Liunda
 
Documentos de software
Documentos de softwareDocumentos de software
Documentos de software
Júlio Fernandes
 
Apresentação Final Projeto de Software
Apresentação Final Projeto de SoftwareApresentação Final Projeto de Software
Apresentação Final Projeto de Software
iltonsdaniel
 
Apresentação Software de Gestão - Mais ERP - Micro e Pequenas Empresas
Apresentação Software de Gestão - Mais ERP - Micro e Pequenas EmpresasApresentação Software de Gestão - Mais ERP - Micro e Pequenas Empresas
Apresentação Software de Gestão - Mais ERP - Micro e Pequenas Empresas
Octavio Yoshio Hozawa
 
História da Matemática: Fibonacci
História da Matemática: FibonacciHistória da Matemática: Fibonacci
História da Matemática: Fibonacci
Eduardo Cursino
 
Plano de projeto de software
Plano de projeto de softwarePlano de projeto de software
Plano de projeto de software
Sigelman Araujo
 
Classes sociais em Bourdieu
Classes sociais em BourdieuClasses sociais em Bourdieu
Classes sociais em Bourdieu
Felipe Correa de Mello
 
Franz Joseph Haydn
Franz Joseph HaydnFranz Joseph Haydn
Franz Joseph Haydn
John Peter Holly
 
8 fibonacci-7ºa
8 fibonacci-7ºa8 fibonacci-7ºa
8 fibonacci-7ºa
rukka
 

Destaque (20)

Pierre Bourdieu: Mercado de Bens Simbólicos
Pierre Bourdieu: Mercado de Bens SimbólicosPierre Bourdieu: Mercado de Bens Simbólicos
Pierre Bourdieu: Mercado de Bens Simbólicos
 
Projeto de Interface de Usuário
Projeto de Interface de UsuárioProjeto de Interface de Usuário
Projeto de Interface de Usuário
 
Fibonacci
FibonacciFibonacci
Fibonacci
 
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder SimbólicoPierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
 
Bourdieu o poder simbólico
Bourdieu   o poder simbólicoBourdieu   o poder simbólico
Bourdieu o poder simbólico
 
Documentação de software
Documentação de softwareDocumentação de software
Documentação de software
 
Apresentação do Software Sophia
Apresentação do Software SophiaApresentação do Software Sophia
Apresentação do Software Sophia
 
Biblioterapia
BiblioterapiaBiblioterapia
Biblioterapia
 
Pierre bourdieu
Pierre bourdieuPierre bourdieu
Pierre bourdieu
 
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
A Visão Empreendedora na Sociedade do Espetáculo: As Estratégias Empregadas p...
 
Documentação do software
Documentação do softwareDocumentação do software
Documentação do software
 
Trabalho de fim de curso final 2014
Trabalho de fim de curso final 2014Trabalho de fim de curso final 2014
Trabalho de fim de curso final 2014
 
Documentos de software
Documentos de softwareDocumentos de software
Documentos de software
 
Apresentação Final Projeto de Software
Apresentação Final Projeto de SoftwareApresentação Final Projeto de Software
Apresentação Final Projeto de Software
 
Apresentação Software de Gestão - Mais ERP - Micro e Pequenas Empresas
Apresentação Software de Gestão - Mais ERP - Micro e Pequenas EmpresasApresentação Software de Gestão - Mais ERP - Micro e Pequenas Empresas
Apresentação Software de Gestão - Mais ERP - Micro e Pequenas Empresas
 
História da Matemática: Fibonacci
História da Matemática: FibonacciHistória da Matemática: Fibonacci
História da Matemática: Fibonacci
 
Plano de projeto de software
Plano de projeto de softwarePlano de projeto de software
Plano de projeto de software
 
Classes sociais em Bourdieu
Classes sociais em BourdieuClasses sociais em Bourdieu
Classes sociais em Bourdieu
 
Franz Joseph Haydn
Franz Joseph HaydnFranz Joseph Haydn
Franz Joseph Haydn
 
8 fibonacci-7ºa
8 fibonacci-7ºa8 fibonacci-7ºa
8 fibonacci-7ºa
 

Semelhante a produção simbólica

Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
licasoler
 
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massaAlta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Aline Corso
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
Aline Corso
 
Sociologia v
Sociologia vSociologia v
Sociologia v
andrea almeida
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
ritabonadio
 
Cultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptxCultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptx
EDUARDOSOARESGUIA1
 
Design gráfico
Design  gráficoDesign  gráfico
Design gráfico
Unip e Uniplan
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
aulasgege
 
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
leonardofsales
 
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
Carla Guizelini
 
Cultura e Humanização
Cultura e HumanizaçãoCultura e Humanização
Cultura e Humanização
Wendell Santos
 
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Roseli Sousa
 
[NITRO] FAQ - DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
[NITRO] FAQ -  DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf[NITRO] FAQ -  DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
[NITRO] FAQ - DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
BrunoCosta364836
 
O Caminho do simbólico ao mercado cultural
O Caminho do simbólico ao mercado culturalO Caminho do simbólico ao mercado cultural
O Caminho do simbólico ao mercado cultural
BabiBrasileiro
 
Diversidade cultural unesco
Diversidade cultural unescoDiversidade cultural unesco
Diversidade cultural unesco
Secretaria da Cultura de Araçatuba-SP
 
Direitos universal sobre a diversidade cultural
Direitos universal sobre a diversidade culturalDireitos universal sobre a diversidade cultural
Direitos universal sobre a diversidade cultural
Catia Elousia Araujo
 
Diversidcultural declaração
Diversidcultural declaraçãoDiversidcultural declaração
Diversidcultural declaração
malex86
 
Experienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latinaExperienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latina
CBD0282 - Estados e Formas da Cultura na Atualidade
 
O que se entende por cultura
O que se entende por culturaO que se entende por cultura
O que se entende por cultura
Ivon Rodrigues
 

Semelhante a produção simbólica (20)

Conceito de cultura
Conceito de culturaConceito de cultura
Conceito de cultura
 
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massaAlta cultura, cultura popular, cultura de massa
Alta cultura, cultura popular, cultura de massa
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Sociologia v
Sociologia vSociologia v
Sociologia v
 
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSi sobre cultura popular tradicional e música folclórica
Si sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclóricaSI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
SI sobre cultura popular tradicional e música folclórica
 
Cultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptxCultura de Massa.pptx
Cultura de Massa.pptx
 
Design gráfico
Design  gráficoDesign  gráfico
Design gráfico
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
Conferênia Nacional de Cultura: Eixo 1
 
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
A necessidade de um centro cultural à população de Maringá.
 
Cultura e Humanização
Cultura e HumanizaçãoCultura e Humanização
Cultura e Humanização
 
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
 
[NITRO] FAQ - DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
[NITRO] FAQ -  DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf[NITRO] FAQ -  DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
[NITRO] FAQ - DIRH08F01 - Direito e Humanidades.pdf
 
O Caminho do simbólico ao mercado cultural
O Caminho do simbólico ao mercado culturalO Caminho do simbólico ao mercado cultural
O Caminho do simbólico ao mercado cultural
 
Diversidade cultural unesco
Diversidade cultural unescoDiversidade cultural unesco
Diversidade cultural unesco
 
Direitos universal sobre a diversidade cultural
Direitos universal sobre a diversidade culturalDireitos universal sobre a diversidade cultural
Direitos universal sobre a diversidade cultural
 
Diversidcultural declaração
Diversidcultural declaraçãoDiversidcultural declaração
Diversidcultural declaração
 
Experienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latinaExperienciando a modernidade na américa latina
Experienciando a modernidade na américa latina
 
O que se entende por cultura
O que se entende por culturaO que se entende por cultura
O que se entende por cultura
 

Mais de UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Direitos Culturais
Direitos CulturaisDireitos Culturais
david bowie e a trilogia de berlim
david bowie e a trilogia de berlimdavid bowie e a trilogia de berlim
david bowie e a trilogia de berlim
UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
 
Odium - anotações sobre o preconceito
Odium - anotações sobre o preconceitoOdium - anotações sobre o preconceito
Odium - anotações sobre o preconceito
UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
 
Em torno da cultura do DJ
Em torno da cultura do DJEm torno da cultura do DJ
Newsmedia
NewsmediaNewsmedia
Cuceta palestra
Cuceta palestraCuceta palestra
Cibersexoexpandido
CibersexoexpandidoCibersexoexpandido
Panico moral
Panico moralPanico moral
Pl1162010
Pl1162010Pl1162010
Tecnologiaeeducacao
TecnologiaeeducacaoTecnologiaeeducacao
Bases da economia - o valor
Bases da economia - o valorBases da economia - o valor
Musicamidiamercado
MusicamidiamercadoMusicamidiamercado
Musica tecnologia
Musica tecnologiaMusica tecnologia
Videoformatos
VideoformatosVideoformatos
Palestracomposicaocamera
PalestracomposicaocameraPalestracomposicaocamera
Terminologias
TerminologiasTerminologias
Aula 6 estudo de caso secult
Aula 6 estudo de caso secultAula 6 estudo de caso secult
Aula 5 exemplodesergipe
Aula 5 exemplodesergipeAula 5 exemplodesergipe
Aula 2 3 4 redes perfil e mensuracao
Aula 2 3 4 redes perfil e mensuracaoAula 2 3 4 redes perfil e mensuracao
Aula 2 3 4 redes perfil e mensuracao
UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
 
Aula 1 comunicacao organizacional
Aula 1 comunicacao organizacionalAula 1 comunicacao organizacional
Aula 1 comunicacao organizacional
UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
 

Mais de UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (20)

Direitos Culturais
Direitos CulturaisDireitos Culturais
Direitos Culturais
 
david bowie e a trilogia de berlim
david bowie e a trilogia de berlimdavid bowie e a trilogia de berlim
david bowie e a trilogia de berlim
 
Odium - anotações sobre o preconceito
Odium - anotações sobre o preconceitoOdium - anotações sobre o preconceito
Odium - anotações sobre o preconceito
 
Em torno da cultura do DJ
Em torno da cultura do DJEm torno da cultura do DJ
Em torno da cultura do DJ
 
Newsmedia
NewsmediaNewsmedia
Newsmedia
 
Cuceta palestra
Cuceta palestraCuceta palestra
Cuceta palestra
 
Cibersexoexpandido
CibersexoexpandidoCibersexoexpandido
Cibersexoexpandido
 
Panico moral
Panico moralPanico moral
Panico moral
 
Pl1162010
Pl1162010Pl1162010
Pl1162010
 
Tecnologiaeeducacao
TecnologiaeeducacaoTecnologiaeeducacao
Tecnologiaeeducacao
 
Bases da economia - o valor
Bases da economia - o valorBases da economia - o valor
Bases da economia - o valor
 
Musicamidiamercado
MusicamidiamercadoMusicamidiamercado
Musicamidiamercado
 
Musica tecnologia
Musica tecnologiaMusica tecnologia
Musica tecnologia
 
Videoformatos
VideoformatosVideoformatos
Videoformatos
 
Palestracomposicaocamera
PalestracomposicaocameraPalestracomposicaocamera
Palestracomposicaocamera
 
Terminologias
TerminologiasTerminologias
Terminologias
 
Aula 6 estudo de caso secult
Aula 6 estudo de caso secultAula 6 estudo de caso secult
Aula 6 estudo de caso secult
 
Aula 5 exemplodesergipe
Aula 5 exemplodesergipeAula 5 exemplodesergipe
Aula 5 exemplodesergipe
 
Aula 2 3 4 redes perfil e mensuracao
Aula 2 3 4 redes perfil e mensuracaoAula 2 3 4 redes perfil e mensuracao
Aula 2 3 4 redes perfil e mensuracao
 
Aula 1 comunicacao organizacional
Aula 1 comunicacao organizacionalAula 1 comunicacao organizacional
Aula 1 comunicacao organizacional
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 

produção simbólica

  • 1. Produção Simbólica e Diversidade Cultural (EIXO I) algumas idéias avulsas CLÁUDIO MANOEL DUARTE/ Bahia
  • 2. Por onde circula a arte? Se cultura é toda produção material e imaterial do ser humano, onde podemos detectar sua presença? E a arte, em meio à cultura, em que espaços circula? Idade Média e Renascimento: vida intelectual e artística sob a tutela do poder. Artistas e Intelectuais produziam para atender demandas éticas e estéticas da aristocracia e da Igreja. Libertação da produção intelectual e artística: correlata à formação de uma categoria que foi tornando-se socialmente distinta - os de artistas ou de intelectuais profissionais.
  • 3. Esses produtores foram ganhando distância da tutela do poder ao ir liberando sua produção de toda e qualquer dependência social - "seja das censuras morais e programas estéticos de uma Igreja (...), seja dos controles acadêmicos e das encomendas de um poder político propenso a tomar a arte como um instrumento de propaganda". (Pierre Bourdieu) Florença do século XV: O artista passa a legislar sobre sua arte. Seu compromisso agora é com os demais artistas e principalmente com os não-artistas (públicos). Ao artista, "o direito de legislar com exclusividade em seu próprio campo: o campo da forma e do estilo" (Bourdieu)
  • 4. Foram se firmando outros campos, não tão pertencentes aos artistas: o campo da circulação e consumo. - Campo de produção erudita - público de produtores de bens culturais (intelectuais e,m geral, críticos, os artistas). Um público mais reduzido, pois a recepção exige repertório cultural, depende do nível de instrução dos receptores (capacidade de litura dos códigos) - Campo da indústria cultural - público de não-produtores de bens culturais, população consumidora da cultura massiva. Esses bens simbólicos da e para a indústria cultural está submisso aos imperativos da concorrência pela conquista de mercado (ampliar o público), além de buscar a rentabilidade dos investimentos. Não é demarcador o nível de instrução dos receptores.
  • 5. Falar de bens simbólicos e diversidade é acentuar a atenção para os espaços de fluxos. Diversidade cultural ou interculturalidade só poderá acontecer com espaços de circulação para o encontro dessas diversidades, e para que elas ganhem visibilidade e dialoguem na direção da pluralidade cultural.
  • 6. Produção de arte e bens simbólicos Os seres humanos veem o mesmo mundo a partir de diferentes olhares. Se a arte é uma das formas de conhecer e interpretar o mundo, as expressões artísticas são resultantes da diversidade de concepções, das diferentes interpretações. As instituições culturais devem reconhecer essa diversidade. - como compreender as especificidades de cada uma? - como identificar suas carências e potencialidades? -como instituir políticas de fomento de bens simbólicos diversos? - como buscar financiamento em parceria com a iniciativa privada e não governamental? -como promover a sustentação dos processos de criação, produção e consumo? - como preservar os bens simbólicos?
  • 7. Como promover os diálogos interculturais? A diversidade em si não é diversa, somente ao encontrar com as outras expressões. É preciso pensar, então, em ações de intercâmbio para que a intercuturalidade aconteça. “Considerando que o processo de globalização, facilitado pela rápida evolução das novas tecnologias da informação e da comunicação, apesar de constituir um desafio para a diversidade cultural, cria condições de um diálogo renovado entre as culturas e as civilizações” - Declaração Universal sobre diversidade cultural (Unesco, 2002) Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (UNESCO, 2005): - Respeito mútuo e o reconhecimento da dignidade inerente a todas as culturas no mundo - Reafirmação do direito soberano dos Estados para implantar políticas e medidas para proteger e promover a diversidade das expressões culturais - Proteção especial aos grupos mais vulneráveis às dinâmicas excludentes da globalização.
  • 8. Se a cultura se encontra no centro dos debates contemporâneos sobre o desenvolvimento de uma economia fundada no saber e a diversidade cultural é o patrimônio comum da humanidade, quanto mais diversa essa cultura mais expandida e mais expansível é a economia baseada no saber. Reconhecer e dar visibilidade à diversidade cultural é promover o saber, é promover o desenvolvimento. Então, devemos pensar: -Quais maneiras para reconhecer, dar visibilidade e promover o intercâmbio entre os diferentes saberes, promover o diálogo intercultural?
  • 9. O artesão ou o artesanato? um exemplo Em que sentido o mercado (produção,circulação e consumo) está diretamente ligado à difusão do bem simbólico, contribuindo com sua interlocução com outros produtos e mercados? “Uma política cultural que pretenda servir às classes populares deve partir de uma resposta insuspeita a esta pergunta: o que se deve defender: o artesanato ou o artesão?” (professor Clovis Dias)
  • 10. O artesão? - incentivá-lo a reinventar a sua prática material agindo como sujeito ativo na confecção dos artesanatos, uma vez que a prerrogativa do seu oficio consiste na capacidade de participar livremente de todas as etapas da fabricação do artefato, aliando o propor e o fazer.
  • 11. O artesanato? - medidas engendradas por técnicos na área do design, marketing, administração que o transformam em mercadorias “exóticas”. Temor: possibilidade do artesão ficar refém, ou melhor, passar a não dominar mais o processo integral de seu trabalho e depender eternamente dos auxílios de terceiros desvirtuando dessa maneira o valor agregado de seu produto que está associado ao modo simbólico de expressão. “Quando os bens simbólicos são envolvidos na lógica de produção industrial passam a ser fruto de uma ininterrupta fabricação de signos baseados em velhos clichês para o consumo (por exemplo, o artesanato: nostalgia, rusticidade, tipicidade etc)”. Alfredo Bosi (1987)
  • 12. E se pensarmos nos dois – artesão e artesanato - ao mesmo tempo, como exige o mundo global, diante da constante reformulação da tríade mercadológica de produção, circulação e consumo? Qual o encaminhamento?
  • 13. Cultura, Educação e Criatividade Se o desenvolvimento econômico e social contemporâneo está diretamente associado à capacidade que o ser humano possui de simbolizar, da capacidade criativa dos indivíduos e dos grupos. Assim, é estratégico o investimento conjunto em educação e cultura, visando o estímulo à interação entre as expressões culturais e o sistema educativo. - Promover o reencontro entre as políticas culturais e da Educação para que seja construída uma agenda comum e colaborativa? - Qualificar a educação artística, implantando a educação patrimonial e incentivar o livro e a leitura e à produção artística em escolas? - Leis 10.639/2003 e 11.645/2008: obrigatoriedade das temáticas da história e da cultura afro-brasileira e indígena nas escolas
  • 14. Cultura, Comunicação e Democracia MÍDIAS TRADICIONAIS O monopólio dos meios de comunicação no Brasil tem focado na indústria cultural de retorno lucrativo imediato, com pouca atenção à qualidade cultural da programação A televisão e o rádio são os equipamentos de produção e distribuição de bens simbólicos mais disseminados, e por isso cumprem função relevante na vida cultural. Agremiações de cultura e comunicação devem unir-se na luta pela regulamentação dos artigos da CF/88 (Capítulo V- Da Comunicação Social) que: - Obriga as emissoras de rádio e televisão a adaptar sua programação ao principio da regionalização da produção cultural, artísticas e jornalísticas - Estabelece a preferência que deve ser dada às finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas - Estabelece a preferência à promoção da cultura nacional e regional e à produção independente.
  • 15. Cultura, Comunicação e Democracia NOVAS MÍDIAS O cenário da Cibercultura (Cultura Contemporânea produzida a partir da apropriação das tecnologias) nos trouxe três leis fundadoras (André Lemos): 1. A liberação do pólo da emissão: “Pode tudo na internet”, “tem de tudo na internet”; 2. O princípio de conexão em rede: “a rede está em todos os lugares”, conectividade generalizada; 3. Reconfiguração de formatos midiáticos e práticas sociais. Somos emissores de conteúdos, não apenas receptores. Participamos de comunidades ativas (redes sociais) e compondo inteligências coletivas
  • 16. Cultura, Comunicação e Democracia NOVAS MÍDIAS Qual o público frequentador dos eventos culturais na Bahia? Qual a principal faixa etária? Qual a classe social predominante? Para qual tipo de atividade? Quais os 2 principais meios de comunicação nos quais o público da Cultura se informa?
  • 17. Cultura, Comunicação e Democracia NOVAS MÍDIAS A jovem faixa etária 17 a 27 lê jornais? Assiste tv, ouve rádio? Acessa a internet para se informar? A tv é mais importante que o jornal impresso? Para que perfil de público? Para que tipo de evento? As redes sociais virtuais e as novas mídias são ferramentas de comunicação mais ou menos poderosas para que targer público? Estamos elegendo as mídias corretas para informar e formar públicos?
  • 19. Cultura, Comunicação e Democracia NOVAS MÍDIAS As novas TICs e a Globalização redimensionaram o espaço público. Há um novo mercado da informação com outra rede de produção/circulação/consumo – uma nova tríade reconfigurada pelo cidadão, inclusive (e não pelas empresas tradicionais de comunicação) Uma outra tríade de comunicação originada pela liberação do pólo de emissão e pela web 2.0 (interatividade/formação de comunidade).
  • 20. Cultura, Comunicação e Democracia NOVAS MÍDIAS/NOVAS TECNOLOGIAS As novas tecnologias e as novas mídias são instrumentos libertadores para a produção, circulação e consumo de conteúdos, contribuindo com a diversidade a partir dos próprios produtores de bens simbólicos. -De que forma podemos nos apropriar desses instrumentos para colaborar com a diversidade?
  • 21. vídeo Bernardo Machado aborda o primeiro eixo de debates da Conferência Nacional de Cultura (Produção Simbólica e Diversidade Cultural), em vídeo, disponível em http://vimeo.com/6936827
  • 22. SUGESTÕES (Minc) PARA NORTEAR A DISCUSSÃO DO EIXO TEMÁTICO 1) Existem iniciativas de fomento que contemplem a produção simbólica e a diversidade cultural no seu município (incluindo a área rural, comunidades quilombolas e indígenas )? 2) Quais espaços culturais existem em seu município? 3) Vocês conhecem todas as expressões artísticas e simbólicas do seu município? Elas estão ameaçadas? Estão sendo preservadas? 4) Como interagem cultura e educação em seu município? 5) Existe algum meio de comunicação cuja programação seja voltada para sua região? Como você toma conhecimento dos eventos culturais de sua cidade? E onde são divulgadas as ações e eventos culturais do município e região? 6) Que ações de formação e utilização de novas tecnologias e novas mídias existem para a produção de conteúdos culturais em redes digitais? Para a comunicação pública?
  • 23. REFERÊNCIAS: -DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL (UNESCO) -TEXTO-BASE DA CONFERÊNCIA NACIONAL DE CULTURA (Minc) -PRODUÇAO, DISTRIBUIÇÃO E CONSUMO DOS BENS SIMBÓLICOS: UMA REFLEXÃO SOBRE OS PROGRAMAS DE APOIO AO ARTESANATO (Clovis dos Santos Dias Filho) -O MERCADO DE BENS SIMBÓLICOS (Pierre Bourdieu) -AS CULTURA POPULARES NO CAPITALISMO (Canclini) -EIXO I - Produção Simbólica e Diversidade Cultural (MinC) http://blogdaconferencia.com