SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCEPÇÕES DE LÍNGUA,
LINGUAGEM, NORMA E
FALA E A RELAÇÃO COM
A DIVERSIDADE
LINGUÍSTICA
Professora Andréa Beatriz Hack de Góes
CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM.CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM.
LÍNGUA E FALALÍNGUA E FALA
Segundo Saussure:
LINGUAGEM: “heteróclita e
multifacetada” – abrange vários domínios
– é social e individual ao mesmo tempo
LÍNGUA: produto social da linguagem,
sistema de signos, “parte social da
linguagem”.
FALA: ato individual, resultado das
combinações feitas pelo sujeito falante
utilizando o código da língua.
Distinção “langue X parole” – “língua e
fala” – dentro do contexto da linguagem
Foco na língua enquanto estrutura –
teoria do Estruturalismo
Segundo Chomsky (linguista
americano):
LINGUAGEM: “conjunto de sentenças
(...)construídas a partir de um conjunto
finito de elementos” – representação
limitada de sons (fala) e letras (sinais
gráficos – escrita). – capacidade inata e
específica da espécie humana, transmitida
geneticamente.
LÍNGUA: competência e desempenho
COMPETÊNCIA LINGUÍSTICA:
conhecimento linguístico do falante que
lhe permite produzir sentenças em uma
língua;
DESEMPENHO LINGUÍSTICO:
comportamento linguístico que considera
fatores não linguísticos (convenções
sociais, crenças, emoções, interlocutor,
mecanismos psicológicos e fisiológicos
envolvidos na produção de enunciados.
Foco nas propriedades fundamentais da
linguagem – teoria do Gerativismo
CONCEPÇÃO INTERACIONISTA DECONCEPÇÃO INTERACIONISTA DE
LINGUAGEMLINGUAGEM
Segundo Bakhtin (linguista russo):
LINGUAGEM: fenômeno de interlocução
via pautado na relação indissociável entre
o ser humano, a sociedade e a linguagem.
LÍNGUA: atividade de interação verbal
entre dois ou mais interlocutores que se
dá por meio de práticas discursivas
materializadas em textos orais e escritos.
Bakhtin:
“A utilização da língua efetua-se em forma
de enunciados (orais e escritos),
concretos e únicos, que emanam dos
integrantes duma ou outra esfera da
atividade humana(…). Qualquer
enunciado considerado isoladamente é,
claro, individual, mas cada esfera de
utilização da língua elabora seus tipos
relativamente estáveis de enunciados,
sendo isso que denominamos gêneros do
discurso.
COMPARAÇÃO FALA X ESCRITACOMPARAÇÃO FALA X ESCRITA
FALA
Não-planejada
Fragmentária
Incompleta
Pouco elaborada
Predominância de
frases curtas, simples
ou coordenadas
Pouco uso de
passivas
ESCRITA
Planejada
Não-fragmentada
Completa
Elaborada
Predominância de
frases complexas,
com subordinação
abundante
Emprego frequente
de passivas.
NORMA: PRECEITO x USONORMA: PRECEITO x USO
As duas faces da NORMA: objetiva e
subjetiva.
NORMA OBJETIVA: padrões observáveis
na atividade linguística de um grupo
determinado.
NORMA SUBJETIVA: sistema de valores
(políticos e ideológicos, mas NÃO
linguísticos!) que norteia o julgamento
subjetivo do desempenho linguístico.
(Dante Lucchesi).
NORMA: O “NORMAL” E ONORMA: O “NORMAL” E O
NORMATIVONORMATIVO
NORMAL
Uso corrente
Real
Comportamento
Observação
Situação objetivoa
Média estatística
Frequência
Tendência geral e
habitual
NORMATIVO
Preceitos
Ideal
Reflexão consciente
Elaboração
Intenções subjetivas
Conformidade
Juízos de valor
Finalidade designada
DIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICA
NO BRASILNO BRASIL
Realidade linguística brasileira: variável,
heterogênea e PLURAL – POLARIZADA
NORMA CULTA X VERNÁCULA OU
POPULAR (D. Lucchesi)
Padrão da língua escrita (modelo de
correção) – desvalorização da fala –
Gramática Tradicional – prescritiva -
excludente
Variedade – diferença linguística não deve
ser vista como ERRO.
“todo falante nativo compreende sua
língua materna e é sobre essa base que o
educador deverá construir sua aula.”
(LUFT, 1985)
“está provado e comprovado que uma
criança entre os 3 e 4 anos de idade já
domina perfeitamente as normas
gramaticais de sua língua.” (BAGNO,
1999)
NORMA CULTA X NORMANORMA CULTA X NORMA
CULTACULTA Prescritiva (normativa)
 “língua” prescrita nas
gramáticas normativas
(modelo literário)
 Preconceito linguístico
 Doutrinária –
enunciados categóricos
 Pretensamente
homogênea
 Elitista
 Escrita literária – separa
fala e escrita
 Venerada como eterna,
imutável
 Descritiva (normal)
 Atividade linguística dos
falantes “cultos” –
escolaridade superior e
vivência urbana
 Conceito – termo
técnico – considera
fatores sociais
 Científica
 Heterogênea
 Socialmente variável
 Se manifesta tanto na
fala quanto na escrita
 Sujeita a transformações
Não há língua mais lógica, melhor ou pior
do que outras, tampouco variedades.
Todas as línguas naturais possuem os
recursos necessários para a comunicação
entre seus falantes.
O trabalho (pedagógico) com o complexo
fenômeno da linguagem precisa considerar o
contexto, a sociedade, a história – para não
servir a interesses políticos, ideológicos
preconceituosos e excludentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fonética & fonologia
Fonética & fonologiaFonética & fonologia
Fonética & fonologia
Fernanda Câmara
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
jayarruda
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Dicotomias de saussure gabarito comentado
Dicotomias de saussure   gabarito comentadoDicotomias de saussure   gabarito comentado
Dicotomias de saussure gabarito comentado
Vilmar Vilaça
 
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas. Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Ailton Moreira
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
Maninho Walker
 
Linguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação ILinguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação I
Jose Arnaldo Silva
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Thiago Soares
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
Andreia Jaqueline Bach
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
Pré Master
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Semântica
SemânticaSemântica
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Ricardo Leandro Flores Ricalde
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
Marcia Simone
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschi
Sonia Nudelman
 

Mais procurados (20)

Fonética & fonologia
Fonética & fonologiaFonética & fonologia
Fonética & fonologia
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
 
Dicotomias de saussure gabarito comentado
Dicotomias de saussure   gabarito comentadoDicotomias de saussure   gabarito comentado
Dicotomias de saussure gabarito comentado
 
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas. Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
Linguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação ILinguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação I
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
 
Linguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbalLinguagem verbal e não verbal
Linguagem verbal e não verbal
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschi
 

Destaque

Linguagem e língua
Linguagem e línguaLinguagem e língua
Linguagem e língua
Maninho Walker
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
Kelly Moraes
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
Fatima Andreia Tamanini
 
Concepções de linguagem (2)
Concepções de linguagem (2)Concepções de linguagem (2)
Concepções de linguagem (2)
bbibiano
 
Lingua e fala
Lingua e falaLingua e fala
Lingua e fala
Jamille Rabelo
 
Diferença não é deficiência
Diferença não é deficiênciaDiferença não é deficiência
Diferença não é deficiência
pedagogosdesucesso
 
Diferença não é deficiência
Diferença não é deficiência Diferença não é deficiência
Diferença não é deficiência
Alan Santos
 
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
LIVROS PSI
 
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
Joyce Nascimento
 
Soares, magda linguagem e escola
Soares, magda   linguagem e escolaSoares, magda   linguagem e escola
Soares, magda linguagem e escola
marcaocampos
 
Semiótica
SemióticaSemiótica
Semiótica
DAC UFS
 
Introdução à Semiótica Peirceana _ Signo como relação triádica
Introdução à Semiótica Peirceana _ Signo como relação triádicaIntrodução à Semiótica Peirceana _ Signo como relação triádica
Introdução à Semiótica Peirceana _ Signo como relação triádica
Gabrielle Grimm
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
7 de Setembro
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Da sala de aula para o (meu) mundo e vice-versa: O papel da Língua Estrangeir...
Da sala de aula para o (meu) mundo e vice-versa: O papel da Língua Estrangeir...Da sala de aula para o (meu) mundo e vice-versa: O papel da Língua Estrangeir...
Da sala de aula para o (meu) mundo e vice-versa: O papel da Língua Estrangeir...
Raquel Salcedo Gomes
 
5 encontro
5 encontro5 encontro
5 encontro
pri_alquimim
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
Armazém Do Educador
 
Cloze
ClozeCloze
Soares magda -_linguagem_e_esc
Soares magda -_linguagem_e_escSoares magda -_linguagem_e_esc
Soares magda -_linguagem_e_esc
Paula Naranjo
 
Realismo
RealismoRealismo

Destaque (20)

Linguagem e língua
Linguagem e línguaLinguagem e língua
Linguagem e língua
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
 
Concepções de linguagem (2)
Concepções de linguagem (2)Concepções de linguagem (2)
Concepções de linguagem (2)
 
Lingua e fala
Lingua e falaLingua e fala
Lingua e fala
 
Diferença não é deficiência
Diferença não é deficiênciaDiferença não é deficiência
Diferença não é deficiência
 
Diferença não é deficiência
Diferença não é deficiência Diferença não é deficiência
Diferença não é deficiência
 
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
Texto o uso da linguagem. a linguagem (capítulo 5 – unidade 4) chaui, marilen...
 
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
 
Soares, magda linguagem e escola
Soares, magda   linguagem e escolaSoares, magda   linguagem e escola
Soares, magda linguagem e escola
 
Semiótica
SemióticaSemiótica
Semiótica
 
Introdução à Semiótica Peirceana _ Signo como relação triádica
Introdução à Semiótica Peirceana _ Signo como relação triádicaIntrodução à Semiótica Peirceana _ Signo como relação triádica
Introdução à Semiótica Peirceana _ Signo como relação triádica
 
Linguagem e Comunicação
Linguagem e ComunicaçãoLinguagem e Comunicação
Linguagem e Comunicação
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Da sala de aula para o (meu) mundo e vice-versa: O papel da Língua Estrangeir...
Da sala de aula para o (meu) mundo e vice-versa: O papel da Língua Estrangeir...Da sala de aula para o (meu) mundo e vice-versa: O papel da Língua Estrangeir...
Da sala de aula para o (meu) mundo e vice-versa: O papel da Língua Estrangeir...
 
5 encontro
5 encontro5 encontro
5 encontro
 
Revista peb1
Revista peb1Revista peb1
Revista peb1
 
Cloze
ClozeCloze
Cloze
 
Soares magda -_linguagem_e_esc
Soares magda -_linguagem_e_escSoares magda -_linguagem_e_esc
Soares magda -_linguagem_e_esc
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 

Semelhante a Concepões de língua, linguagem, norma e fala

Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptxSlide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Paola Barbosa Dias
 
Ibet tgd - 2012 teoria da linguagem ii - dra clarice araújo
Ibet   tgd - 2012 teoria da linguagem ii - dra clarice araújoIbet   tgd - 2012 teoria da linguagem ii - dra clarice araújo
Ibet tgd - 2012 teoria da linguagem ii - dra clarice araújo
Tacio Lacerda Gama
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
Jairo Carvalhais
 
18029 aula 1 conceitos básicos
18029 aula 1 conceitos básicos18029 aula 1 conceitos básicos
18029 aula 1 conceitos básicos
Jonedson Souza
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Eveline Sol
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
Raquel Salcedo Gomes
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
Karen Olivan
 
AULA 6 - GERATIVISMO - Chomisky_Noam.pdf
AULA 6 - GERATIVISMO - Chomisky_Noam.pdfAULA 6 - GERATIVISMO - Chomisky_Noam.pdf
AULA 6 - GERATIVISMO - Chomisky_Noam.pdf
felixmeloeu
 
Redação
 Redação Redação
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
Luciane Lucyk
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Ewerton Gindri
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Mariana Correia
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Ianka Targino
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Mariana Correia
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
AlexandreFerrari26
 
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
DiinhaCavalcanteDiin
 
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdfAula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
lucasicm
 
Dlp em ação 2012 aula 1
Dlp em ação 2012   aula 1Dlp em ação 2012   aula 1
Dlp em ação 2012 aula 1
dlpemacao
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Espaço da Criatividade Encantado
 
Tp1
Tp1Tp1

Semelhante a Concepões de língua, linguagem, norma e fala (20)

Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptxSlide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
Slide 2 - Estudos Linguísticos Scheme.pptx
 
Ibet tgd - 2012 teoria da linguagem ii - dra clarice araújo
Ibet   tgd - 2012 teoria da linguagem ii - dra clarice araújoIbet   tgd - 2012 teoria da linguagem ii - dra clarice araújo
Ibet tgd - 2012 teoria da linguagem ii - dra clarice araújo
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
18029 aula 1 conceitos básicos
18029 aula 1 conceitos básicos18029 aula 1 conceitos básicos
18029 aula 1 conceitos básicos
 
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti cslEsquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
Esquema de estudo sobre leitura e produçaõ de textos e as novas ti csl
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
AULA 6 - GERATIVISMO - Chomisky_Noam.pdf
AULA 6 - GERATIVISMO - Chomisky_Noam.pdfAULA 6 - GERATIVISMO - Chomisky_Noam.pdf
AULA 6 - GERATIVISMO - Chomisky_Noam.pdf
 
Redação
 Redação Redação
Redação
 
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
1 GRAMTICA GERATIVA DE CHOMSKY 2021-2.pdf
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012Parte 2   linguística geral saussure - apresentação 2012
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação 2012
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
 
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
04.PALESTRA_I_SIC_URCA________UNILAB.ppt
 
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdfAula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
 
Dlp em ação 2012 aula 1
Dlp em ação 2012   aula 1Dlp em ação 2012   aula 1
Dlp em ação 2012 aula 1
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
 
Tp1
Tp1Tp1
Tp1
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 

Concepões de língua, linguagem, norma e fala

  • 1. CONCEPÇÕES DE LÍNGUA, LINGUAGEM, NORMA E FALA E A RELAÇÃO COM A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA Professora Andréa Beatriz Hack de Góes
  • 2. CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM.CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM. LÍNGUA E FALALÍNGUA E FALA Segundo Saussure: LINGUAGEM: “heteróclita e multifacetada” – abrange vários domínios – é social e individual ao mesmo tempo LÍNGUA: produto social da linguagem, sistema de signos, “parte social da linguagem”.
  • 3. FALA: ato individual, resultado das combinações feitas pelo sujeito falante utilizando o código da língua. Distinção “langue X parole” – “língua e fala” – dentro do contexto da linguagem Foco na língua enquanto estrutura – teoria do Estruturalismo
  • 4. Segundo Chomsky (linguista americano): LINGUAGEM: “conjunto de sentenças (...)construídas a partir de um conjunto finito de elementos” – representação limitada de sons (fala) e letras (sinais gráficos – escrita). – capacidade inata e específica da espécie humana, transmitida geneticamente. LÍNGUA: competência e desempenho
  • 5. COMPETÊNCIA LINGUÍSTICA: conhecimento linguístico do falante que lhe permite produzir sentenças em uma língua; DESEMPENHO LINGUÍSTICO: comportamento linguístico que considera fatores não linguísticos (convenções sociais, crenças, emoções, interlocutor, mecanismos psicológicos e fisiológicos envolvidos na produção de enunciados. Foco nas propriedades fundamentais da linguagem – teoria do Gerativismo
  • 6. CONCEPÇÃO INTERACIONISTA DECONCEPÇÃO INTERACIONISTA DE LINGUAGEMLINGUAGEM Segundo Bakhtin (linguista russo): LINGUAGEM: fenômeno de interlocução via pautado na relação indissociável entre o ser humano, a sociedade e a linguagem. LÍNGUA: atividade de interação verbal entre dois ou mais interlocutores que se dá por meio de práticas discursivas materializadas em textos orais e escritos.
  • 7. Bakhtin: “A utilização da língua efetua-se em forma de enunciados (orais e escritos), concretos e únicos, que emanam dos integrantes duma ou outra esfera da atividade humana(…). Qualquer enunciado considerado isoladamente é, claro, individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, sendo isso que denominamos gêneros do discurso.
  • 8. COMPARAÇÃO FALA X ESCRITACOMPARAÇÃO FALA X ESCRITA FALA Não-planejada Fragmentária Incompleta Pouco elaborada Predominância de frases curtas, simples ou coordenadas Pouco uso de passivas ESCRITA Planejada Não-fragmentada Completa Elaborada Predominância de frases complexas, com subordinação abundante Emprego frequente de passivas.
  • 9. NORMA: PRECEITO x USONORMA: PRECEITO x USO As duas faces da NORMA: objetiva e subjetiva. NORMA OBJETIVA: padrões observáveis na atividade linguística de um grupo determinado. NORMA SUBJETIVA: sistema de valores (políticos e ideológicos, mas NÃO linguísticos!) que norteia o julgamento subjetivo do desempenho linguístico. (Dante Lucchesi).
  • 10. NORMA: O “NORMAL” E ONORMA: O “NORMAL” E O NORMATIVONORMATIVO NORMAL Uso corrente Real Comportamento Observação Situação objetivoa Média estatística Frequência Tendência geral e habitual NORMATIVO Preceitos Ideal Reflexão consciente Elaboração Intenções subjetivas Conformidade Juízos de valor Finalidade designada
  • 11. DIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NO BRASILNO BRASIL Realidade linguística brasileira: variável, heterogênea e PLURAL – POLARIZADA NORMA CULTA X VERNÁCULA OU POPULAR (D. Lucchesi) Padrão da língua escrita (modelo de correção) – desvalorização da fala – Gramática Tradicional – prescritiva - excludente
  • 12. Variedade – diferença linguística não deve ser vista como ERRO. “todo falante nativo compreende sua língua materna e é sobre essa base que o educador deverá construir sua aula.” (LUFT, 1985) “está provado e comprovado que uma criança entre os 3 e 4 anos de idade já domina perfeitamente as normas gramaticais de sua língua.” (BAGNO, 1999)
  • 13. NORMA CULTA X NORMANORMA CULTA X NORMA CULTACULTA Prescritiva (normativa)  “língua” prescrita nas gramáticas normativas (modelo literário)  Preconceito linguístico  Doutrinária – enunciados categóricos  Pretensamente homogênea  Elitista  Escrita literária – separa fala e escrita  Venerada como eterna, imutável  Descritiva (normal)  Atividade linguística dos falantes “cultos” – escolaridade superior e vivência urbana  Conceito – termo técnico – considera fatores sociais  Científica  Heterogênea  Socialmente variável  Se manifesta tanto na fala quanto na escrita  Sujeita a transformações
  • 14. Não há língua mais lógica, melhor ou pior do que outras, tampouco variedades. Todas as línguas naturais possuem os recursos necessários para a comunicação entre seus falantes. O trabalho (pedagógico) com o complexo fenômeno da linguagem precisa considerar o contexto, a sociedade, a história – para não servir a interesses políticos, ideológicos preconceituosos e excludentes.