SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Sociolinguística
Profª Maria Glalcy Fequetia Dalcim
mariaglalcy@gmail.com
maria.dalcim@ifsp.edu.br
https://lingualem.wordpress.com
CEZÁRIO, M.M.; VOTRE, S. Sociolinguística. In:
MARTELOTTA, Mário Eduardo (Org.). Manual de
linguística. São Paulo: Contexto, 2016.
ALKMIM, T. Sociolinguística (parte I).In:
MUSSALIN, F.; BENTES, A. N. Introdução à
linguística: domínios e fronteiras. São Paulo:
Cortez, 2012.
CAMACHO, R. G. Sociolinguística(parte II).In:
MUSSALIN, F.; BENTES, A. N. Introdução à
linguística: domínios e fronteiras. São Paulo:
Cortez, 2012.
Sociolinguística
 Linguagem e sociedade – ligação inquestionável – base da
constituição do ser humano.
 Sociolinguística – relações entre linguagem e sociedade – natureza
histórica, contexto social de inserção do homem – concepções
particulares dos fenômenos linguísticos e compreensões distintas do
papel deste na vida social.
 A relação entre linguagem e sociedade encontra-se diretamente
ligada à questão da determinação do objeto de estudo da Linguística,
no entanto, é possível privilegiar uma determinada óptica.
Sociolinguística
 Augusto Schleicher – XIX – o desenvolvimento da
linguagem era comparável ao de uma planta que nasce,
cresce e morre segundo leis físicas. A linguagem é vista
como um organismo natural ao qual se aplica, portanto, o
conceito de evolução, desenvolvido por Darwin.
Século XX:
Ferdinand Saussure
Sociolinguística
Ferdinand Saussure: - a língua é o sistema invariante que pode
ser abstraído das múltiplas variações observáveis da fala. A
linguística terá como tarefa descrever o sistema formal, a língua
– abordagem imanente da língua, “tudo o que lhe seja estranho
ao organismo, ao seu sistema”. Língua – “produto social da
faculdade da linguagem” – sistema convencional adquirido
pelos indivíduos no convívio social. Privilegia o caráter formal e
estrutural do fenômeno linguístico. Saussure institucionaliza a
distinção entre Linguística Externa e Linguística Interna –
orientações formais se opõem a orientações contextuais.
Sociolinguística
Antonie Meillet – aluno de Saussure – a história das línguas é
inseparável da história da cultura e da sociedade – “não há
razões para lhes atribuir uma existência autônoma, um ser
particular. Esta é uma constatação óbvia, mas sem força, como a
maior parte das proposições evidentes. Pois, se a realidade de
uma língua não é algo de substancial, isto não significa que não
seja real. Esta realidade é, ao mesmo tempo, linguística e social”.
Sociolinguística
Mikhail Bakhtin – crítica a Saussure – “ A verdadeira substância
da língua não é constituída por um sistema abstrato de formas
linguísticas, nem pela enunciação monológica isolada, nem pelo
ato psico-fisiológico de sua produção, mas pelo fenômeno
social da interação verbal realizada através da enunciação ou
das enunciações. A interação verbal, constitui assim a realidade
fundamental da língua”.
Sociolinguística
 Roman Jakobson – relação entre linguagem e contexto social –
comunicação tem também um papel central. Critica Saussure e seu
princípio da homogeneidade do código linguístico – “não passa de uma
ficção desconcertante”, pois todo indivíduo participa de diferentes
comunidades linguísticas e todo código linguístico é “multiforme e
compreende uma hierarquia de subcódigos diversos, livremente
escolhidos pelo sujeito falante” – o ponto de partida é o processo
comunicativo amplo – destaque para o artigo “Linguística e Poética”, em
que o autor identifica os fatores constitutivos de todo ato de comunicação
verbal: o remetente, a mensagem, o destinatário, o contexto, o canal e o
código, determinando cada um, uma função de linguagem.
Sociolinguística
 Marcel Cohen – diálogo entre as ciências humanas – “os fenômenos
linguísticos se realizam no contexto variável dos acontecimentos sociais”,
no entanto assume o postulado saussuriano de que é preciso separar os
aspectos internos e externos dos estudos das línguas. Cohen assume a
questão das relações entre linguagem e sociedade a partir da
consideração de fatores externos, o que propicia estudos das relações
entre as divisões sociais e as variedades da linguagem – variedades rurais,
urbanas e de classes sociais, os estilos de linguagem (variedades formais e
informais), as formas de tratamento, a linguagem de grupos segregados
(jargão de estudantes, de marginais,, de profissionais, etc.)
Sociolinguística
 Émile Benveniste – linguística francesa – Análise do Discurso – para
Benveniste (1963), “é dentro da, e pela língua, que indivíduo e sociedade
se determinam mutuamente” – para o autor, a língua é a manifestação
concreta da faculdade humana da linguagem, isto é da faculdade humana
de simbolizar, construindo assim, a relação do homem com a natureza e
com os outros homens – “a linguagem sempre se realiza dentro de uma
língua, de uma estrutura linguística definida e particular, inseparável de
uma sociedade definida e particular”, logo, a língua e sociedade não
podem ser concebidas uma sem a outra.
Sociolinguística
 Émile Benveniste - defende que a questão da relação entre língua e
sociedade se resolve pela consideração da língua como instrumento de
análise da sociedade – a língua contem a sociedade e por isto é o
interpretante da sociedade: “a língua é necessariamente o instrumento
próprio para descrever, para conceitualizar, para interpretar tanto a
natureza quanto a experiência” – semantismo social – a língua permite que
o homem se situe na natureza e na sociedade, seja em uma classe de
autoridade ou de produção.
Sociolinguística
 O termo Sociolinguística – Congresso organizado por Willian Bright
(1964) na UCLA – John Gumperz, Einar Haugen Willian Labov, Dell Hymes,
John Fisher, José Pedro Rona. Desse congresso, em 1966, Bright publica o
texto introdutório “As dimensões da Sociolinguística” – “demonstrar a
covariação sistemática das variações linguísticas e social. Ou seja,
relacionar as variações linguísticas observáveis em uma comunidade ás
diferenciações existentes na estrutura social desta mesma sociedade”.
Sociolinguística
 Willian Bright - O autor destaca também uma conjunto de fatores
socialmente definidos que relaciona-se com a diversidade linguística:
a) a identidade social do emissor ou falante – no estudo dos dialetos de
classes sociais e das diferenças entre falas femininas e masculinas;
b) identidade social do receptor ou ouvinte – estudo das formas de
tratamento, baby talk;
c) o contexto social – estudo das diferenças entre a forma e a função dos
estilos formal e informal, existentes na grande maioria das línguas;
d) o julgamento social distinto que os falantes fazem do próprio
comportamento linguístico sobre o dos outros, isto é, as atitudes
linguísticas
Sociolinguística
 A Sociolinguística se constitui e floresce no momento em que o
formalismo, representado pela gramática de Chomsky, alcança enorme
repercussão. A constituição da Sociolinguística se fez a partir da atividade
de vários estudiosos e pesquisadores da chamada Antropologia Linguística
– linguagem, cultura e sociedade são considerados fenômenos
inseparáveis – acentuando seu caráter interdisciplinar.
Sociolinguística
 Dell Hymes (1962) – Etnografia da Fala – rebatizada como – Etnografia
da Comunicação – tem seu caráter interdisciplinar buscando contribuições
na Etnologia, Psicologia e Linguística – procura descrever e interpretar o
comportamento linguístico no contexto cultural. Em 1972, publica o artigo
“Models of the interaction of language and social life”- estabelecendo
princípios teóricos e metodológicos da Etnografia da Comunicação.
Sociolinguística
 Willian Labov (1963) – trabalho sobre a comunidade da ilha de Martha´s
Vineyard, no litoral de Massachusetts – relaciona fatores como idade, sexo,
ocupação, origem étnica e atitude e fixa um modelo de descrição e
interpretação – Sociolinguística Variacionaista ou Teoria da Variação.
Sociolinguística
 Joshua Aaron Fishman - (1972) “ uma situação é definida pela
coocorrência de dois (ou mais) interlocutores mutuamente relacionados
de uma maneira determinada, comunicando sobre um determinado
tópico, num contexto determinado”. Aprende-se falar na convivência –
“adquirem lenta e inconscientemente as competências comunicativas e
sociolinguísticas, como respeito ao uso apropriado da língua”. Fishman
(1970) discute da definição de uma variedade padrão como um ideal da
homogeneidade em meio á realidade concreta da variação linguística. As
línguas mudam incessantemente, e a definição de “certo”, do “agradável” e
do “adequado” também – o que é padrão pode tornar-se não padrão e o
que é considerado não padrão pode ser estabelecido como padrão.
Sociolinguística
 Sociolinguística – objeto, conceitos e pressupostos: o objeto da
Sociolinguística é o estudo da língua falada, observada, descrita e
analisada em seu contexto social, isto é, em situações reais de uso. Seu
ponto de partida é a comunidade linguística e ao estuda-la a constatação
mais imediata é a existência de diversidade ou da variação – Variedades
Linguísticas – o conjunto dessas variedades é chamado de Repertório
Verbal. Língua e Variação são inseparáveis: a Sociolinguística encara a
diversidade linguística não como um problema, mas como uma qualidade
constitutiva do fenômeno linguístico.
Sociolinguística
 Variação linguística - um recorte: todas as línguas do mundo são
sempre continuações históricas. No plano sincrônico, as variações
observadas nas línguas são relacionáveis a fatores diversos: geográfica, de
idade, sexo, etc. Três parâmetros básicos de variação:
a) Variação Geográfica ou Diatópica
b) Variação Social ou Diastrática
c) Variações Estilísticas ou Registros,
Sociolinguística
 Variação Geográfica ou Diatópica - está relacionada ás diferenças
linguísticas distribuídas no espaço físico, observáveis entre falantes de
origens geográficas distintas
 Variação Social ou Diastrática - está relacionada a um conjunto de fatores
que têm a ver com a identidade dos falantes e também com a organização
sociocultural da comunidade da fala – a) classe social; b) idade; c) sexo; d)
situação ou contexto social.
 Variações Estilísticas ou Registros - falantes diversificam sua fala – isto é,
usam estilos ou registros distintos em função das circunstâncias em que
ocorrem suas interações verbais. A terminologia para se referir aos
diferentes estilos de fala não é nada precisa. Utiliza-se expressões como
estilos formal, informal, coloquial, familiar, pessoal, etc.
Sociolinguística
 Há sempre uma ordenação valorativa das variedades linguísticas em suo,
que reflete a hierarquia dos grupos sociais. Constata-se, de modo muito
evidente, a existência de variedades de prestígio e de variedades não
prestigiadas na sociedade geral. A variedade padrão é a variedade
linguística socialmente mais valorizada, de reconhecido prestígio dentro
de uma comunidade, cujo uso é, normalmente, requerido em situações de
interação determinadas, definidas pela comunidade como próprias, em
função da formalidade da situação, do assunto tratado, da relação entre os
interlocutores, etc.
Sociolinguística
 Podemos afirmar que os julgamentos sociais ante a língua – ou melhor as
atitudes sociais – se baseiam em critérios não linguísticos: são julgamentos
de natureza política e não sócia – julgamos não a fala, mas o falante, e o
fazemos em função de sua inserção na estrutura social. A intolerância
linguística é um dos comportamentos sociais mais facilmente observáveis,
seja na mídia, nas relações sociais cotidianas, nos espaços institucionais,
etc. Aprende-se a variedade a que se é exposto, e não há nada de errado
com essas variedades.
Sociolinguística
 “Se as línguas naturais humanas consistem em sistemas organizados de
forma e conteúdo, seria estranho que a variação não fosse uma de suas
propriedades mais marcantes e significativas. Na realidade, a diversidade é
uma propriedade funcional e inerente dos sistemas linguísticos, e o papel
da sociolinguística é exatamente enfocá-la como objeto de estudo, em
suas determinações linguísticas e não linguísticas”. (CAMANHO, p.60)
Sociolinguística
 “Vale lembrar a forte correlação entre variação e mudança. Toda mudança
é o resultado de algum processo de variação, em que ainda coexistam a
substituta e a substituída, embora o inverso não seja verdadeiro, isto é,
nem todo processo de variação resulta necessariamente numa mudança
diacrônica, caso me que a variação e estável e funciona como indicador de
diferenças sociais” (CAMACHO, p. 61)
 Variantes e variáveis linguísticas representam duas ou mais formas
alternativas de dizer a mesma coisa no mesmo contexto.
 Tarallo (1985) – a variação consiste numa espécie de caos organizado,
cujos princípios merecem ser escrutinados.
Sociolinguística
 “O problema da relação entre norma padrão e diversidade linguística,
aparentemente pedagógico, cruza linhas com a questão social e linguística
da adequação de variedades não cultas como sistemas de comunicação.
Para um sociolinguista, variações linguísticas podem classificar-se com
base numa oposição entre um modelo da diferença verbal e um modelo
da deficiência verbal. O modelo da deficiência considera diferenças
verbais como desvios da norma padrão, que, como vimos, está mais
próxima das classes mais privilegiadas. O modelo da diferença considera
que as variedades populares constituem um sistema linguístico nem
deficiente, nem inerentemente inferior ao de variedades cultas.”
(CAMACHO, p. 78)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Apresentaçao variação linguística
Apresentaçao variação linguísticaApresentaçao variação linguística
Apresentaçao variação linguística
 
Aula iv introdução ao pensamento de bakhtin
Aula iv   introdução ao pensamento de bakhtinAula iv   introdução ao pensamento de bakhtin
Aula iv introdução ao pensamento de bakhtin
 
Lingua e fala
Lingua e falaLingua e fala
Lingua e fala
 
Língua port. ii sociolinguística
Língua port. ii   sociolinguísticaLíngua port. ii   sociolinguística
Língua port. ii sociolinguística
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
Benveniste e a noção de pessoa
Benveniste e a noção de pessoaBenveniste e a noção de pessoa
Benveniste e a noção de pessoa
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
O funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguísticaO funcionalismo em linguística
O funcionalismo em linguística
 
Mudança linguística
Mudança linguísticaMudança linguística
Mudança linguística
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussure
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
 
Variação Lingüística
Variação Lingüística Variação Lingüística
Variação Lingüística
 
Concepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática eConcepções de linguagem, língua, gramática e
Concepções de linguagem, língua, gramática e
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Teoria da enunciação
Teoria da enunciaçãoTeoria da enunciação
Teoria da enunciação
 

Destaque (8)

Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
 
Teoría sociolingüística
Teoría sociolingüística Teoría sociolingüística
Teoría sociolingüística
 
Linguistica, mapas conceptuales
Linguistica, mapas conceptualesLinguistica, mapas conceptuales
Linguistica, mapas conceptuales
 
Ramas de la lingüística
Ramas de la lingüísticaRamas de la lingüística
Ramas de la lingüística
 
SociolingüíStica 4
SociolingüíStica 4SociolingüíStica 4
SociolingüíStica 4
 
Variantes linguisticas
Variantes linguisticasVariantes linguisticas
Variantes linguisticas
 
Sociolingüística
SociolingüísticaSociolingüística
Sociolingüística
 
Sociolingüística
SociolingüísticaSociolingüística
Sociolingüística
 

Semelhante a Sociolinguística

A língua como sistema diferenciado
A língua como sistema diferenciadoA língua como sistema diferenciado
A língua como sistema diferenciadoAna Vogeley
 
A Sociolinguística - uma nova maneira de ler o mundo BORTONI-RICARDO (2014).pdf
A Sociolinguística - uma nova maneira de ler o mundo BORTONI-RICARDO (2014).pdfA Sociolinguística - uma nova maneira de ler o mundo BORTONI-RICARDO (2014).pdf
A Sociolinguística - uma nova maneira de ler o mundo BORTONI-RICARDO (2014).pdfThiagoAmorim82
 
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptanlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptadrianomcosta3
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1Danone
 
Sociolinguística - Tânia Maria Alkmin
Sociolinguística - Tânia Maria AlkminSociolinguística - Tânia Maria Alkmin
Sociolinguística - Tânia Maria AlkminRaquel Benaion
 
Enunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptxEnunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptxElymarTargino1
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaEspaço da Criatividade Encantado
 
Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discursoBronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discursoRaquel Salcedo Gomes
 
5. gramatica x_sociolinguistic
5. gramatica x_sociolinguistic5. gramatica x_sociolinguistic
5. gramatica x_sociolinguisticAna Maria Machado
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaMaria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Análise sobre os signos, significados e significantes
Análise sobre os signos, significados e significantesAnálise sobre os signos, significados e significantes
Análise sobre os signos, significados e significantesJean Michel Gallo Soldatelli
 
Aula 2 constituição do campo sociolinguístico
Aula 2   constituição do campo sociolinguísticoAula 2   constituição do campo sociolinguístico
Aula 2 constituição do campo sociolinguísticoMarina Panciarelli
 

Semelhante a Sociolinguística (20)

A língua como sistema diferenciado
A língua como sistema diferenciadoA língua como sistema diferenciado
A língua como sistema diferenciado
 
A Sociolinguística - uma nova maneira de ler o mundo BORTONI-RICARDO (2014).pdf
A Sociolinguística - uma nova maneira de ler o mundo BORTONI-RICARDO (2014).pdfA Sociolinguística - uma nova maneira de ler o mundo BORTONI-RICARDO (2014).pdf
A Sociolinguística - uma nova maneira de ler o mundo BORTONI-RICARDO (2014).pdf
 
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptanlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1
 
Sociolinguística - Tânia Maria Alkmin
Sociolinguística - Tânia Maria AlkminSociolinguística - Tânia Maria Alkmin
Sociolinguística - Tânia Maria Alkmin
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
 
Sociolinguistica
SociolinguisticaSociolinguistica
Sociolinguistica
 
Enunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptxEnunciação em Bakthin.pptx
Enunciação em Bakthin.pptx
 
Slide ivan generos2
Slide ivan generos2Slide ivan generos2
Slide ivan generos2
 
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística AplicadaResumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
Resumo da Disciplina Prática Profissional: Linguística Aplicada
 
Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discursoBronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
 
5. gramatica x_sociolinguistic
5. gramatica x_sociolinguistic5. gramatica x_sociolinguistic
5. gramatica x_sociolinguistic
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
 
Análise sobre os signos, significados e significantes
Análise sobre os signos, significados e significantesAnálise sobre os signos, significados e significantes
Análise sobre os signos, significados e significantes
 
Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
Palestrabronckart Inplatraduzido[1]Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
 
Aula 2 constituição do campo sociolinguístico
Aula 2   constituição do campo sociolinguísticoAula 2   constituição do campo sociolinguístico
Aula 2 constituição do campo sociolinguístico
 
LÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEMLÍNGUA & LINGUAGEM
LÍNGUA & LINGUAGEM
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 

Mais de Maria Glalcy Fequetia Dalcim

A comunicação humana - Introdução à Linguística
A comunicação humana - Introdução à LinguísticaA comunicação humana - Introdução à Linguística
A comunicação humana - Introdução à LinguísticaMaria Glalcy Fequetia Dalcim
 
"Oficina de Argumentação e Redação" - Relato de Experiência
"Oficina de Argumentação e Redação" - Relato de Experiência"Oficina de Argumentação e Redação" - Relato de Experiência
"Oficina de Argumentação e Redação" - Relato de ExperiênciaMaria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Blended Learning: potencialidades no ensino e aprendizagem de línguas
Blended Learning: potencialidades no ensino e aprendizagem de línguas Blended Learning: potencialidades no ensino e aprendizagem de línguas
Blended Learning: potencialidades no ensino e aprendizagem de línguas Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 

Mais de Maria Glalcy Fequetia Dalcim (20)

Revisão - ENEM 2020 - PPT
Revisão - ENEM 2020 - PPTRevisão - ENEM 2020 - PPT
Revisão - ENEM 2020 - PPT
 
Revisão ENEM 2020 - PDF
Revisão ENEM 2020 - PDFRevisão ENEM 2020 - PDF
Revisão ENEM 2020 - PDF
 
Pragmática
PragmáticaPragmática
Pragmática
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Fonética fonologia
Fonética fonologiaFonética fonologia
Fonética fonologia
 
Simple Past - Review
Simple Past - ReviewSimple Past - Review
Simple Past - Review
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Estruturalismo - Introdução à Linguística
Estruturalismo - Introdução à LinguísticaEstruturalismo - Introdução à Linguística
Estruturalismo - Introdução à Linguística
 
A comunicação humana - Introdução à Linguística
A comunicação humana - Introdução à LinguísticaA comunicação humana - Introdução à Linguística
A comunicação humana - Introdução à Linguística
 
Prepositions - IN / AT / ON
Prepositions - IN / AT / ONPrepositions - IN / AT / ON
Prepositions - IN / AT / ON
 
Review - Simple Present and Personal Pronouns
Review - Simple Present and Personal PronounsReview - Simple Present and Personal Pronouns
Review - Simple Present and Personal Pronouns
 
Aula 2 - Poetry in Exams
Aula 2 - Poetry in ExamsAula 2 - Poetry in Exams
Aula 2 - Poetry in Exams
 
Poetry in Exams - 1st Class - 3rd year
Poetry in Exams - 1st Class - 3rd yearPoetry in Exams - 1st Class - 3rd year
Poetry in Exams - 1st Class - 3rd year
 
Back to school 2017
Back to school 2017Back to school 2017
Back to school 2017
 
Apresentação JEALAV 2016_dalcim_hoyos_vieira
Apresentação JEALAV 2016_dalcim_hoyos_vieiraApresentação JEALAV 2016_dalcim_hoyos_vieira
Apresentação JEALAV 2016_dalcim_hoyos_vieira
 
Revisão- Inglês - Enem 2016
Revisão- Inglês - Enem 2016Revisão- Inglês - Enem 2016
Revisão- Inglês - Enem 2016
 
"Oficina de Argumentação e Redação" - Relato de Experiência
"Oficina de Argumentação e Redação" - Relato de Experiência"Oficina de Argumentação e Redação" - Relato de Experiência
"Oficina de Argumentação e Redação" - Relato de Experiência
 
Blended Learning: potencialidades no ensino e aprendizagem de línguas
Blended Learning: potencialidades no ensino e aprendizagem de línguas Blended Learning: potencialidades no ensino e aprendizagem de línguas
Blended Learning: potencialidades no ensino e aprendizagem de línguas
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 

Sociolinguística

  • 1. Sociolinguística Profª Maria Glalcy Fequetia Dalcim mariaglalcy@gmail.com maria.dalcim@ifsp.edu.br https://lingualem.wordpress.com
  • 2. CEZÁRIO, M.M.; VOTRE, S. Sociolinguística. In: MARTELOTTA, Mário Eduardo (Org.). Manual de linguística. São Paulo: Contexto, 2016. ALKMIM, T. Sociolinguística (parte I).In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. N. Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2012. CAMACHO, R. G. Sociolinguística(parte II).In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. N. Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2012.
  • 3. Sociolinguística  Linguagem e sociedade – ligação inquestionável – base da constituição do ser humano.  Sociolinguística – relações entre linguagem e sociedade – natureza histórica, contexto social de inserção do homem – concepções particulares dos fenômenos linguísticos e compreensões distintas do papel deste na vida social.  A relação entre linguagem e sociedade encontra-se diretamente ligada à questão da determinação do objeto de estudo da Linguística, no entanto, é possível privilegiar uma determinada óptica.
  • 4. Sociolinguística  Augusto Schleicher – XIX – o desenvolvimento da linguagem era comparável ao de uma planta que nasce, cresce e morre segundo leis físicas. A linguagem é vista como um organismo natural ao qual se aplica, portanto, o conceito de evolução, desenvolvido por Darwin. Século XX: Ferdinand Saussure
  • 5. Sociolinguística Ferdinand Saussure: - a língua é o sistema invariante que pode ser abstraído das múltiplas variações observáveis da fala. A linguística terá como tarefa descrever o sistema formal, a língua – abordagem imanente da língua, “tudo o que lhe seja estranho ao organismo, ao seu sistema”. Língua – “produto social da faculdade da linguagem” – sistema convencional adquirido pelos indivíduos no convívio social. Privilegia o caráter formal e estrutural do fenômeno linguístico. Saussure institucionaliza a distinção entre Linguística Externa e Linguística Interna – orientações formais se opõem a orientações contextuais.
  • 6. Sociolinguística Antonie Meillet – aluno de Saussure – a história das línguas é inseparável da história da cultura e da sociedade – “não há razões para lhes atribuir uma existência autônoma, um ser particular. Esta é uma constatação óbvia, mas sem força, como a maior parte das proposições evidentes. Pois, se a realidade de uma língua não é algo de substancial, isto não significa que não seja real. Esta realidade é, ao mesmo tempo, linguística e social”.
  • 7. Sociolinguística Mikhail Bakhtin – crítica a Saussure – “ A verdadeira substância da língua não é constituída por um sistema abstrato de formas linguísticas, nem pela enunciação monológica isolada, nem pelo ato psico-fisiológico de sua produção, mas pelo fenômeno social da interação verbal realizada através da enunciação ou das enunciações. A interação verbal, constitui assim a realidade fundamental da língua”.
  • 8. Sociolinguística  Roman Jakobson – relação entre linguagem e contexto social – comunicação tem também um papel central. Critica Saussure e seu princípio da homogeneidade do código linguístico – “não passa de uma ficção desconcertante”, pois todo indivíduo participa de diferentes comunidades linguísticas e todo código linguístico é “multiforme e compreende uma hierarquia de subcódigos diversos, livremente escolhidos pelo sujeito falante” – o ponto de partida é o processo comunicativo amplo – destaque para o artigo “Linguística e Poética”, em que o autor identifica os fatores constitutivos de todo ato de comunicação verbal: o remetente, a mensagem, o destinatário, o contexto, o canal e o código, determinando cada um, uma função de linguagem.
  • 9. Sociolinguística  Marcel Cohen – diálogo entre as ciências humanas – “os fenômenos linguísticos se realizam no contexto variável dos acontecimentos sociais”, no entanto assume o postulado saussuriano de que é preciso separar os aspectos internos e externos dos estudos das línguas. Cohen assume a questão das relações entre linguagem e sociedade a partir da consideração de fatores externos, o que propicia estudos das relações entre as divisões sociais e as variedades da linguagem – variedades rurais, urbanas e de classes sociais, os estilos de linguagem (variedades formais e informais), as formas de tratamento, a linguagem de grupos segregados (jargão de estudantes, de marginais,, de profissionais, etc.)
  • 10. Sociolinguística  Émile Benveniste – linguística francesa – Análise do Discurso – para Benveniste (1963), “é dentro da, e pela língua, que indivíduo e sociedade se determinam mutuamente” – para o autor, a língua é a manifestação concreta da faculdade humana da linguagem, isto é da faculdade humana de simbolizar, construindo assim, a relação do homem com a natureza e com os outros homens – “a linguagem sempre se realiza dentro de uma língua, de uma estrutura linguística definida e particular, inseparável de uma sociedade definida e particular”, logo, a língua e sociedade não podem ser concebidas uma sem a outra.
  • 11. Sociolinguística  Émile Benveniste - defende que a questão da relação entre língua e sociedade se resolve pela consideração da língua como instrumento de análise da sociedade – a língua contem a sociedade e por isto é o interpretante da sociedade: “a língua é necessariamente o instrumento próprio para descrever, para conceitualizar, para interpretar tanto a natureza quanto a experiência” – semantismo social – a língua permite que o homem se situe na natureza e na sociedade, seja em uma classe de autoridade ou de produção.
  • 12. Sociolinguística  O termo Sociolinguística – Congresso organizado por Willian Bright (1964) na UCLA – John Gumperz, Einar Haugen Willian Labov, Dell Hymes, John Fisher, José Pedro Rona. Desse congresso, em 1966, Bright publica o texto introdutório “As dimensões da Sociolinguística” – “demonstrar a covariação sistemática das variações linguísticas e social. Ou seja, relacionar as variações linguísticas observáveis em uma comunidade ás diferenciações existentes na estrutura social desta mesma sociedade”.
  • 13. Sociolinguística  Willian Bright - O autor destaca também uma conjunto de fatores socialmente definidos que relaciona-se com a diversidade linguística: a) a identidade social do emissor ou falante – no estudo dos dialetos de classes sociais e das diferenças entre falas femininas e masculinas; b) identidade social do receptor ou ouvinte – estudo das formas de tratamento, baby talk; c) o contexto social – estudo das diferenças entre a forma e a função dos estilos formal e informal, existentes na grande maioria das línguas; d) o julgamento social distinto que os falantes fazem do próprio comportamento linguístico sobre o dos outros, isto é, as atitudes linguísticas
  • 14. Sociolinguística  A Sociolinguística se constitui e floresce no momento em que o formalismo, representado pela gramática de Chomsky, alcança enorme repercussão. A constituição da Sociolinguística se fez a partir da atividade de vários estudiosos e pesquisadores da chamada Antropologia Linguística – linguagem, cultura e sociedade são considerados fenômenos inseparáveis – acentuando seu caráter interdisciplinar.
  • 15. Sociolinguística  Dell Hymes (1962) – Etnografia da Fala – rebatizada como – Etnografia da Comunicação – tem seu caráter interdisciplinar buscando contribuições na Etnologia, Psicologia e Linguística – procura descrever e interpretar o comportamento linguístico no contexto cultural. Em 1972, publica o artigo “Models of the interaction of language and social life”- estabelecendo princípios teóricos e metodológicos da Etnografia da Comunicação.
  • 16. Sociolinguística  Willian Labov (1963) – trabalho sobre a comunidade da ilha de Martha´s Vineyard, no litoral de Massachusetts – relaciona fatores como idade, sexo, ocupação, origem étnica e atitude e fixa um modelo de descrição e interpretação – Sociolinguística Variacionaista ou Teoria da Variação.
  • 17. Sociolinguística  Joshua Aaron Fishman - (1972) “ uma situação é definida pela coocorrência de dois (ou mais) interlocutores mutuamente relacionados de uma maneira determinada, comunicando sobre um determinado tópico, num contexto determinado”. Aprende-se falar na convivência – “adquirem lenta e inconscientemente as competências comunicativas e sociolinguísticas, como respeito ao uso apropriado da língua”. Fishman (1970) discute da definição de uma variedade padrão como um ideal da homogeneidade em meio á realidade concreta da variação linguística. As línguas mudam incessantemente, e a definição de “certo”, do “agradável” e do “adequado” também – o que é padrão pode tornar-se não padrão e o que é considerado não padrão pode ser estabelecido como padrão.
  • 18. Sociolinguística  Sociolinguística – objeto, conceitos e pressupostos: o objeto da Sociolinguística é o estudo da língua falada, observada, descrita e analisada em seu contexto social, isto é, em situações reais de uso. Seu ponto de partida é a comunidade linguística e ao estuda-la a constatação mais imediata é a existência de diversidade ou da variação – Variedades Linguísticas – o conjunto dessas variedades é chamado de Repertório Verbal. Língua e Variação são inseparáveis: a Sociolinguística encara a diversidade linguística não como um problema, mas como uma qualidade constitutiva do fenômeno linguístico.
  • 19. Sociolinguística  Variação linguística - um recorte: todas as línguas do mundo são sempre continuações históricas. No plano sincrônico, as variações observadas nas línguas são relacionáveis a fatores diversos: geográfica, de idade, sexo, etc. Três parâmetros básicos de variação: a) Variação Geográfica ou Diatópica b) Variação Social ou Diastrática c) Variações Estilísticas ou Registros,
  • 20. Sociolinguística  Variação Geográfica ou Diatópica - está relacionada ás diferenças linguísticas distribuídas no espaço físico, observáveis entre falantes de origens geográficas distintas  Variação Social ou Diastrática - está relacionada a um conjunto de fatores que têm a ver com a identidade dos falantes e também com a organização sociocultural da comunidade da fala – a) classe social; b) idade; c) sexo; d) situação ou contexto social.  Variações Estilísticas ou Registros - falantes diversificam sua fala – isto é, usam estilos ou registros distintos em função das circunstâncias em que ocorrem suas interações verbais. A terminologia para se referir aos diferentes estilos de fala não é nada precisa. Utiliza-se expressões como estilos formal, informal, coloquial, familiar, pessoal, etc.
  • 21. Sociolinguística  Há sempre uma ordenação valorativa das variedades linguísticas em suo, que reflete a hierarquia dos grupos sociais. Constata-se, de modo muito evidente, a existência de variedades de prestígio e de variedades não prestigiadas na sociedade geral. A variedade padrão é a variedade linguística socialmente mais valorizada, de reconhecido prestígio dentro de uma comunidade, cujo uso é, normalmente, requerido em situações de interação determinadas, definidas pela comunidade como próprias, em função da formalidade da situação, do assunto tratado, da relação entre os interlocutores, etc.
  • 22. Sociolinguística  Podemos afirmar que os julgamentos sociais ante a língua – ou melhor as atitudes sociais – se baseiam em critérios não linguísticos: são julgamentos de natureza política e não sócia – julgamos não a fala, mas o falante, e o fazemos em função de sua inserção na estrutura social. A intolerância linguística é um dos comportamentos sociais mais facilmente observáveis, seja na mídia, nas relações sociais cotidianas, nos espaços institucionais, etc. Aprende-se a variedade a que se é exposto, e não há nada de errado com essas variedades.
  • 23. Sociolinguística  “Se as línguas naturais humanas consistem em sistemas organizados de forma e conteúdo, seria estranho que a variação não fosse uma de suas propriedades mais marcantes e significativas. Na realidade, a diversidade é uma propriedade funcional e inerente dos sistemas linguísticos, e o papel da sociolinguística é exatamente enfocá-la como objeto de estudo, em suas determinações linguísticas e não linguísticas”. (CAMANHO, p.60)
  • 24. Sociolinguística  “Vale lembrar a forte correlação entre variação e mudança. Toda mudança é o resultado de algum processo de variação, em que ainda coexistam a substituta e a substituída, embora o inverso não seja verdadeiro, isto é, nem todo processo de variação resulta necessariamente numa mudança diacrônica, caso me que a variação e estável e funciona como indicador de diferenças sociais” (CAMACHO, p. 61)  Variantes e variáveis linguísticas representam duas ou mais formas alternativas de dizer a mesma coisa no mesmo contexto.  Tarallo (1985) – a variação consiste numa espécie de caos organizado, cujos princípios merecem ser escrutinados.
  • 25. Sociolinguística  “O problema da relação entre norma padrão e diversidade linguística, aparentemente pedagógico, cruza linhas com a questão social e linguística da adequação de variedades não cultas como sistemas de comunicação. Para um sociolinguista, variações linguísticas podem classificar-se com base numa oposição entre um modelo da diferença verbal e um modelo da deficiência verbal. O modelo da deficiência considera diferenças verbais como desvios da norma padrão, que, como vimos, está mais próxima das classes mais privilegiadas. O modelo da diferença considera que as variedades populares constituem um sistema linguístico nem deficiente, nem inerentemente inferior ao de variedades cultas.” (CAMACHO, p. 78)