SlideShare uma empresa Scribd logo
3


                  CAPÍTULO 2 – A MORFOLOGIA URBANA

A MORFOLOGIA URBANA
        O termo morfologia utiliza-se para designar o estudo da configuração e da estrutura
exterior de um objecto. É a ciência que estuda as formas, interligando-as com os fenómenos
que lhes deram origem. O conhecimento do meio urbano implica necessariamente a
existência de instrumentos de leitura que permitam organizar e estruturar os elementos
apreendidos, e uma relação objecto-observador.

       Portanto, podemos clarificar três pontos: - a morfologia urbana é o estudo da forma
do meio urbano nas suas partes físicas exteriores, ou elementos morfológicos, e na sua
produção e transformação no tempo; - um estudo da morfologia urbana ocupa-se da divisão
do meio urbano em partes e da articulação destes entre si com o conjunto que definem. O
que remete para a necessidade de identificação e clarificação dos elementos morfológicos,
quer em ordem à leitura ou análise do espaço quer em ordem à sua concepção ou produção;
- um estudo do morfológico deve ter em conta os níveis ou momentos de produção do
espaço urbano.

A FORMA URBANA
         Então a noção de “forma urbana” corresponderia ao meio urbano como arquitectura,
ou seja, um conjunto de objectos arquitectónicos ligados entre si por relações espaciais, a
arquitectura será assim a chave da interpretação correcta e global da cidade como estrutura
espacial.
         Pode-se definir a forma urbana como: aspecto de realidade ou modo como se
organizam os elementos morfológicos que constituem e definem o espaço urbano,
relativamente à materialidade dos aspectos de organização funcional quantitativa e dos
aspectos qualitativos e figurativos.
         - Aspectos quantitativos: todos os aspectos da realidade urbana que podem ser
quantificáveis e que se referem a uma organização quantitativa: densidades, superfícies,
fluxos etc.
         - Aspectos de organização funcional: relacionam-se com as actividades humanas:
habitar, instruir-se, tratar-se, comerciar, etc, e também com o uso de uma área, espaço ou
edifício, ouseja, o tipo de uso do solo.
         - Aspectos qualitativos: referem-se ao tratamento dos espaços, ao conforto e à
comodidade do utilizador. Nos edifícios poderão ser a insonorização, o isolamento térmico, a
correcta insolação, e no meio urbano pode ser o estado dos pavimentos, a adaptação ao
clima, a acessibilidade, etc.
         - Aspectos figurativos: os aspectos figurativos relacionam-se essencialmente com a
comunicação estética.
         Nos vários contextos históricos os elementos morfológicos são semelhantes: rua e
praça, edifícios, fachadas e planos marginais, monumentos isolados. As diferenças resultam
do modo como esses elementos se posicionam, se organizam e se articulam entre si para
constituir o espaço urbano.
         A forma terá de se relacionar com a função de modo a permitir o desenvolvimento
eficaz das actividades que nela se processam.
         Se os três princípios básicos da arquitectura – função, construção e arte – estão
sempre presentes na arquitectura e na cidade, já o peso que cada um deles assume no
processo criativo pode sofrer alterações entre duas posições extremas. Uma posição
“funcionalista”, segundo a qual uma forma física que corresponde logicamente aos problemas
funcionais do contexto é bela, uma vez que a beleza é uma qualidade inerente a todo o
sistema bem resolvido, “FORM FOLLOWS FUNCTION”. Ou então o “antifuncionalismo”, que
aceita que a concepção da forma seja ditada de modo independe por outros objectivos, para
criar a emoção ou o embelezamento da estrutura. Ou seja, a própria função também se




                                RESUMO DE MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE, JOSÉ LAMAS
4


adapta à forma, ou a mesma função pode coexistir e processar-se em formas diferentes,
“FUNCTION FOLLOWS FORM”.
         Por exemplo, qualquer equipamento, como os cinemas ou os teatros, deve antes do
mais, funcionar, ou seja, centram-se no funcionamento do programa. A estética funcionalista
estende-se ao desenho de interiores, à decoração, ao desenho industrial, à moda e ao
vestiário, o bom funcionamento torna-se por si só um item de qualidade. A organização
funcionalista das cidades anulou as considerações morfológicas. O zonamento e a atribuição
de uma função exclusiva a cada parcela do território tornaram-se métodos universais do
urbanismo, produzindo cidades monótonas e pouco estimulantes, sem lugar para a surpresa,
a complexidade e a emoção. O funcionalismo foi, sem dúvida, uma teoria urbanística e
arquitectónica, mas foi, antes do mais, uma estratégia de representação desenhada e
construída, traduziu-se mais pela imagem estética, gráfica e espacial do que por uma
correlação exacta da forma com a função. Por outro lado uma mesma função pode existir
convenientemente em formas distintas, a reutilização de antigos edifícios tem permitido
obter excelentes resultados no grau de utilização, significado estético e quantidade
ambiental. A concepção da forma não se esgota na correspondência a uma ou mais funções,
tem também motivações mais complexas e profundas. A forma arquitectónica é a maneira
como as partes ou estratos se encontram dispostos no objecto e também o poder de
explicitar e evidenciar esta disposição. É unicamente através da figura que podemos
descobrir o sentido do fenómeno e reconstruir a totalidade, a pluralidade dos seus elementos
construtivos e das suas proposições. O que caracteriza a obra arquitectural é de natureza
eminentemente figurativa. Entende-se por aspectos figurativos, os aspectos da forma que
são comunicáveis através dos sentidos. E “figura”, ao poder de comunicação estética da
forma, ou seja, ao modo como se organizam as diferentes partes que constituem a forma,
com objectivos de comunicação. Os valores estéticos só são comunicáveis através dos
sentidos e que, apesar das características da forma não se resumirem aos aspectos
sensoriais, estes são determinados na sua compreensão.
         - Sistema de orientação: respeita o esquilíbrio vertical e também as cimas de
cima/baixo, esquerda/direita, etc., que permitem ao homem orientar-se na cidade. É como
um “sexto sentido”, que numa cidade dependerá fundamentalmente dos sistemas de
referência: marcas ou monumentos, zonas ou bairros, etc.
         - Sistema visual: É através da visão que se constrói a parte mais importante da
imagem da cidade, no entanto, o sistema de observação do espaço urbano, pressupõe o
movimento e a apreensão do espaço em sequência visual.
         - Sistema táctil: Aqui se incluem todas as percepções térmicas e de fricção com a
atmosfera: o vento, as correntes de ar, o calor, o frio, que também são importantes na
vivência, compreensão e caracterização da cidade.
         - Sistema olfactivo: Este sistema pertence essexncialmente à experiência da cidade,
embora seja um factor de menor controlo e incidência no desenho da forma urbana, tal como
tem sido analisada.

PRODUÇÃO E FORMA DA CIDADE E PRODUÇÃO FORMA DO TERRITÓRIO
        A expressão território designa a extensão da superfície terrestre na qual vive um
grupo humano, ou melhor, o espaço construido pelo homem, em oposição ao que
poderíamos designar por espaço natural, e que não terá sido humanizado. A forma humana
não pode ser desligada do seu suporte geográfico, ou seja, o território preexistente constitui
sempre um elemento determinante na criação arquitectónica.
        A paisagem humanizada e a paisagem natural adquiriram qualidades figurativas,
foram carregadas com atributos de beleza, capazes de provocar a emoção estética, permite
então considerar que as operações sobre a paisagem são também do domínio arquitectónico-
urbanístico.




                                RESUMO DE MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE, JOSÉ LAMAS
5


DIMENSÕES ESPACIAIS NA MORFOLOGIA URBANA
         A compreensão e concepção das formas urbanas ou do território coloca-se a
diferentes níveis, diferenciados pelas unidades de leitura e de concepção.
         Dimensão sectorial: É a mais pequena unidade, ou porção de espaço urbano, com
forma própria. Uma infinidade de elementos que organizados entre si, definem a forma
urbana (edifícios, o traçado, estrutura verde, mobiliário urbano).
         Dimensão urbana: Pressupõe uma estrutura de ruas, praças ou formas de escalas
inferiores. Os elementos morfológicos têm de ser identificados com as formas a escalas
diferentes e a análise da forma necessita do movimento e dos vários percursos (traçados e
praças, quarteirões e monumentos, jardins e áreas verdes).
         Dimensão territorial: A forma estrutura-se através da articulação de diferentes
formas à dimensão urbana. A forma das cidades define-se pela distribuição dos seus
elementos primários ou estruturantes (bairros, grande infra-estruturas viárias e grandes
zonas verdes). Tricart define três escalas principais na paisagem urbana: escala da rua,
escala do bairro e a escala da cidade inteira. Estas categorias estabelecidas permitem
sistematizar o conhecimento do espaço urbano. O desenho urbano – por necessidades da
estrutura mental e operativa humana organiza a forma pela adição e composição dos
elementos morfológicos, ou formas de escalas inferiores. Esta classificação pretende clarificar
a leitura do território, articulando-a com os diferentes níveis de produção do espaço.

OS ELEMENTOS MORFOLÓGICOS DO ESPAÇO URBANO
         Solo: É a partir do território existente e da sua topografia que se desenha ou
constrói a cidade. O pavimento é um elemento de grande importância no espaço urbano,
contudo de uma grande fragilidade e sujeito a inúmeras mudanças.
         Os edifícios: É através dos edifícios que se constitui o espaço urbano e se
organizam os diferentes espaços identificáveis e com “forma própria”: a rua, a praça, o beco,
a avenida, etc. Os edifícios agrupam-se em diferentes tipos, decorrentes da sua função e
forma. Esta interdependência é um dos campos mais sólidos em que se colocam as relações
entre cidade e arquitectura.
         O lote: O edifício não pode ser desligado do lote ou da superfície do solo que ocupa,
este é a génese e fundamento do edificado. A forma do lote é condicionante da forma do
edifício e consequentemente, da forma da cidade.
         O quarteirão: O quarteirão é um contínuo d edifícios agrupados entre si em anel, ou
sistema fechado e separado dos demais, é o espaço delimitado pelo cruzamento de três ou
mais vias e subdivisível em lotes para construção de edifícios. O quarteirão agrega e
organiza os outros elementos da estrutura urbana: o lote e o edifício, o traçado e a rua, e as
relações que estabelecem com os espaços públicos, semipúblicos e privados.
         A fachada: A relação do edifício com o espaço urbano processa-se pela fachada. São
as fachadas que exprimem as características distributivas, o tipo de edificado, as
características e linguagem arquitectónica, um conjunto de elementos que irão moldar a
imagem da cidade.
         O logradouro: O logradouro constitui o espaço privado do lote não ocupado por
construção, as traseiras, o espaço privado separado do espaço público pelo contínuo
edificado. É através da utilização do desenho do logradouro que se faz parcialmente a
evolução das formas urbanas do quarteirão até ao bloco construído.
         O traçado da rua: Assenta num suporte geográfico preexistente, regula a
disposição dos edifícios e quarteirões, liga os vários espaços e partes da cidade, e confunde-
se com o gesto criador. O traçado estabelece a relação mais directa de assentamento entre a
cidade e o território. É o traçado que define o plano, intervindo na organização da forma
urbana a diferentes dimensões.
         A praça: A praça é um elemento morfológico das cidades ocidentais e distingue-se
de outros espaços, que são resultado acidental de alargamento ou confluência de traçados. A
praça pressupõe a vontade e o desenho de uma forma e de um programa. É um elemento
morfológico identificável na forma da cidade e utilizável no desenho urbano na concepção
arquitectónica.



                                 RESUMO DE MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE, JOSÉ LAMAS
6


         O monumento: O monumento é um facto urbano singular, elemento morfológico
individualizado pela sua presença, configuração e posicionamento na cidade e pelo seu
significado. O monumento desempenha um papel essencial no desenho urbano, caracteriza a
área ou bairro e torna-se pólo estruturante da cidade.
         A árvore e a vegetação: Caracterizam a imagem da cidade, têm individualidade
própria, desempenham funções precisas: são elementos de composição e do desenho
urbano, servem para organizar, definir e conter espaços.
         O mobiliário urbano: Situa-se na dimensão sectorial, na escala da rua, não
podendo ser considerado de ordem secundária, dado as suas implicações na forma e
equipamento da cidade. É também de grande importância para o desenho da cidade e a sua
organização, para a qualidade do espaço e comodidade.

Evolução do Território
         A cidade como qualquer organismo vivo, encontra-se em contínua modificação. O
tempo é fundamental para compreender o território como objecto físico e também para
posicionar a intervenção do arquitecto. A evolução das formas urbanas põe duas ordens de
questões: a primeira relacionada com o desenvolvimento urbano, o estudo morfológico
pressupõe a consideração do crescimento urbano, que é indissociável ao estudo das cidades;
e a segunda relativamente à reutilização de partes da cidade, as políticas de recuperação,
reabilitação e restauro de áreas urbanas pressupõe diferentes usos e consequentes
modificações da imagem e da forma.
         A disciplina do urbanismo tem como objectivo dominar o território e os seus
mecanismos de transformação: construir, adaptar ou conservar o espaço. O espaço já não
pode ser construído sem planos e projectos da sua implementação.
         Poète estabelece o conceito de persistência, que afirma que a análise histórica da
cidade revela existirem elementos em contínua transformação e elementos que não se
modificam totalmente e persistem, como os monumentos, traçados, vias e a estrutura
fundiária. À escala da rua, as transformações são facilmente visíveis, desde a montra da loja
ao mobiliário urbano, já à dimensão urbana, o tipo de modificações é mais lento e de maior
profundidade, novas ruas, novos edifícios, etc.

NÍVEIS DE PRODUÇÃO DO ESPAÇO
        A prática do planeamento organiza-se em níveis de actuação determinados pela
própria natureza dos métodos, objectivos e conteúdos, e escala dos problemas e dimensão
geográfica das intervenções. Podemos distinguir três níveis de produção do espaço:
        - Nível de Planeamento – Programação – Planificação: O arranque de todo o
planeamento é uma fase de determinação de objectivos socioeconómicos, a programação
aparece como etapa preliminar das acções do urbanismo, na qual se fixa o programa a ser
executado no futuro.
        - Nível urbanístico – O plano: Trata-se de precisar os objectivos no espaço e no
tempo e de espacializar com maior pormenor a execução dos propósitos anteriores, implica a
definição das morfologias urbanas e a consideração das possibilidades físicas do território.
        -Nível de construção – O projecto: Executa-se a construção do território de
acordo com os objectivos e programa definidos, é a fase de construção, preparada pelo
projecto e concretizada na obra.

URBANISMO E ARQUITECTURA
        O que diferencia o urbanismo da arquitectura não é a dimensão espacial nem o
escalão da intervenção, mas a acção político-administrativa a conduzir no tempo e no jogo
de forças económicas e sociais. O urbanismo implica a condução de um plano no tempo e no
jogo de agentes e actores políticos, económicos e sociais, também tem como objectivo a
mediação e resolução dos conflitos entre os interesses públicos e privados que disputam a
fruição do espaço urbano. O desenho urbano e o desenho de edifícios não são mais que dois
momentos de uma mesma disciplina: a arquitectura, intervindo em diferentes momentos e
com distintos processos, mas com um único instrumento fundamental: o desenho.



                                RESUMO DE MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE, JOSÉ LAMAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-ConstruirPlantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
danilosaccomori
 
Projeto arquitetonico 1
Projeto  arquitetonico 1Projeto  arquitetonico 1
Projeto arquitetonico 1
João Batista
 
Planejamento urbano
Planejamento urbanoPlanejamento urbano
Planejamento urbano
Paulo Orlando
 
10. planejamento urbano
10. planejamento urbano10. planejamento urbano
10. planejamento urbano
Ana Cunha
 
Aula zoneamento
Aula zoneamentoAula zoneamento
Aula zoneamento
Ivan Cardoso Martineli
 
Aula Zoneamento
Aula ZoneamentoAula Zoneamento
Aula Zoneamento
Renato Saboya
 
Fundamentos de arquitetura
Fundamentos de arquiteturaFundamentos de arquitetura
Fundamentos de arquitetura
Heldio Carneiro
 
Estatuto da cidade e instrumentos
Estatuto da cidade e instrumentosEstatuto da cidade e instrumentos
Estatuto da cidade e instrumentos
Mayara Virgulino de Oliveira
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquitetura
Viviane Marques
 
Apostila formatada paisagismo
Apostila formatada paisagismoApostila formatada paisagismo
Apostila formatada paisagismo
Beatriz Goulart
 
Introducao ao planejamento_urbano
Introducao ao planejamento_urbanoIntroducao ao planejamento_urbano
Introducao ao planejamento_urbano
Patricia Fraga
 
3. Paisagismo - Evolução Histórica II
3. Paisagismo - Evolução Histórica II3. Paisagismo - Evolução Histórica II
3. Paisagismo - Evolução Histórica II
Ana Cunha
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
Dieli Alves
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Caliandra Desenhos
 
Aula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquiteturaAula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquitetura
UNAERP
 
Saber ver a arquitetura - Bruno Zevi
Saber ver a arquitetura - Bruno ZeviSaber ver a arquitetura - Bruno Zevi
Saber ver a arquitetura - Bruno Zevi
Ana Leticia Cunha
 
Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
Isa Guerreiro
 
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosPlanejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Marcos
 
Analise urbana
Analise urbanaAnalise urbana
Analise urbana
Anderson Vieira
 
O urbanismo (Resumo)
O urbanismo (Resumo)O urbanismo (Resumo)
O urbanismo (Resumo)
Adriana Araujo
 

Mais procurados (20)

Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-ConstruirPlantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
Plantas Técnicas de Piso, Teto e Demolir-Construir
 
Projeto arquitetonico 1
Projeto  arquitetonico 1Projeto  arquitetonico 1
Projeto arquitetonico 1
 
Planejamento urbano
Planejamento urbanoPlanejamento urbano
Planejamento urbano
 
10. planejamento urbano
10. planejamento urbano10. planejamento urbano
10. planejamento urbano
 
Aula zoneamento
Aula zoneamentoAula zoneamento
Aula zoneamento
 
Aula Zoneamento
Aula ZoneamentoAula Zoneamento
Aula Zoneamento
 
Fundamentos de arquitetura
Fundamentos de arquiteturaFundamentos de arquitetura
Fundamentos de arquitetura
 
Estatuto da cidade e instrumentos
Estatuto da cidade e instrumentosEstatuto da cidade e instrumentos
Estatuto da cidade e instrumentos
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquitetura
 
Apostila formatada paisagismo
Apostila formatada paisagismoApostila formatada paisagismo
Apostila formatada paisagismo
 
Introducao ao planejamento_urbano
Introducao ao planejamento_urbanoIntroducao ao planejamento_urbano
Introducao ao planejamento_urbano
 
3. Paisagismo - Evolução Histórica II
3. Paisagismo - Evolução Histórica II3. Paisagismo - Evolução Histórica II
3. Paisagismo - Evolução Histórica II
 
Projeto arquitetônico
Projeto arquitetônicoProjeto arquitetônico
Projeto arquitetônico
 
Aula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbanaAula03 apreensaopaisagemurbana
Aula03 apreensaopaisagemurbana
 
Aula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquiteturaAula projeto de arquitetura
Aula projeto de arquitetura
 
Saber ver a arquitetura - Bruno Zevi
Saber ver a arquitetura - Bruno ZeviSaber ver a arquitetura - Bruno Zevi
Saber ver a arquitetura - Bruno Zevi
 
Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
 
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos TeóricosPlanejamento Urbano - Aspectos Teóricos
Planejamento Urbano - Aspectos Teóricos
 
Analise urbana
Analise urbanaAnalise urbana
Analise urbana
 
O urbanismo (Resumo)
O urbanismo (Resumo)O urbanismo (Resumo)
O urbanismo (Resumo)
 

Semelhante a Morfologia Urbana e Desenho da Cidade

53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
Brunna Pereira
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
ladraoalmas11
 
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
LeandroLetti1
 
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
Leticia Jorge
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobato
Juliana Costa
 
Kevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidadeKevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidade
Safra Brasileira
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
Elise Pio
 
Morfologia Urbana
Morfologia UrbanaMorfologia Urbana
Morfologia Urbana
Cassius Baumgarten
 
Conceito cidade
Conceito cidadeConceito cidade
Conceito cidade
ManoelaR
 
Artigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismoArtigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismo
RaquelNery
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
vpcsilva
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
Lucy Donegan
 
Geo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptxGeo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptx
vpcsilva
 
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Luis Neto
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
SILVIA G. FERNANDES
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
Vinicius Gomes
 
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãoProcesso de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
helio vaz
 
artigo saúde e medicina publicado análise interpretação
artigo saúde e medicina publicado análise interpretaçãoartigo saúde e medicina publicado análise interpretação
artigo saúde e medicina publicado análise interpretação
SamaraMendes51
 
Design nos espacos publicos - Um presente para a cidade
Design nos espacos publicos - Um presente para a cidadeDesign nos espacos publicos - Um presente para a cidade
Design nos espacos publicos - Um presente para a cidade
Leticia Jorge
 
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Safra Brasileira
 

Semelhante a Morfologia Urbana e Desenho da Cidade (20)

53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp0253302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
53302086 resumo-lamas-parte-2-1-120509103218-phpapp02
 
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdfCOIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
COIMBRA AOS PEDAÇOS.pdf
 
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
Araujo et al formas e usos de dois espaços públicos do centro de poços de cal...
 
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
O design urbano no contexto da interdisciplinaridade.
 
Espaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobatoEspaço urban - roberto lobato
Espaço urban - roberto lobato
 
Kevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidadeKevin lynch e a imagem da cidade
Kevin lynch e a imagem da cidade
 
Urbanismo
UrbanismoUrbanismo
Urbanismo
 
Morfologia Urbana
Morfologia UrbanaMorfologia Urbana
Morfologia Urbana
 
Conceito cidade
Conceito cidadeConceito cidade
Conceito cidade
 
Artigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismoArtigo os outros nomes do urbanismo
Artigo os outros nomes do urbanismo
 
Geo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptxGeo Urb 1.pptx
Geo Urb 1.pptx
 
Aula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gisAula1 forma arq_gis
Aula1 forma arq_gis
 
Geo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptxGeo Urb 8.pptx
Geo Urb 8.pptx
 
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
Identificação Tipo Morfológica de uma Zona e Avaliação da Tipologia e Edifica...
 
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandesClc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
Clc 6 cultura_de_ urbanismo_e_mobilidade_reflexão_sílvia_fernandes
 
Imaginários urbanos
Imaginários urbanosImaginários urbanos
Imaginários urbanos
 
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificaçãoProcesso de concepção dos espaços livres de edificação
Processo de concepção dos espaços livres de edificação
 
artigo saúde e medicina publicado análise interpretação
artigo saúde e medicina publicado análise interpretaçãoartigo saúde e medicina publicado análise interpretação
artigo saúde e medicina publicado análise interpretação
 
Design nos espacos publicos - Um presente para a cidade
Design nos espacos publicos - Um presente para a cidadeDesign nos espacos publicos - Um presente para a cidade
Design nos espacos publicos - Um presente para a cidade
 
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
Introdução ao desenho urbano del rio, vicente. introdução ao desenho urbano n...
 

Mais de ARQ210AN

Bobigny2
Bobigny2Bobigny2
Bobigny2
ARQ210AN
 
Zuidas- Amsterdã
Zuidas- AmsterdãZuidas- Amsterdã
Zuidas- Amsterdã
ARQ210AN
 
La Sagrera _barcelona_Fausto+Muara+Vinicius
La Sagrera _barcelona_Fausto+Muara+ViniciusLa Sagrera _barcelona_Fausto+Muara+Vinicius
La Sagrera _barcelona_Fausto+Muara+Vinicius
ARQ210AN
 
Vale do anhangabaú
Vale do anhangabaúVale do anhangabaú
Vale do anhangabaú
ARQ210AN
 
Londres 2012
Londres 2012 Londres 2012
Londres 2012
ARQ210AN
 
PROJETO URBANO DE MEDELLÍN - Raissa e Muara
PROJETO URBANO DE MEDELLÍN - Raissa e MuaraPROJETO URBANO DE MEDELLÍN - Raissa e Muara
PROJETO URBANO DE MEDELLÍN - Raissa e Muara
ARQ210AN
 
Caminho Niemeyer - RJ
Caminho Niemeyer - RJCaminho Niemeyer - RJ
Caminho Niemeyer - RJ
ARQ210AN
 
03:. Conjunto Residencial Pedregulho
03:. Conjunto Residencial Pedregulho03:. Conjunto Residencial Pedregulho
03:. Conjunto Residencial Pedregulho
ARQ210AN
 
01:. Unidade de Habitação de Marselha
01:. Unidade de Habitação de Marselha01:. Unidade de Habitação de Marselha
01:. Unidade de Habitação de Marselha
ARQ210AN
 
06:. WoZoCo Housing
06:. WoZoCo Housing06:. WoZoCo Housing
06:. WoZoCo Housing
ARQ210AN
 
06 :. Plano de Expansão Amsterdã
06 :. Plano de Expansão Amsterdã06 :. Plano de Expansão Amsterdã
06 :. Plano de Expansão Amsterdã
ARQ210AN
 
05:. Plano de Paris
05:. Plano de Paris05:. Plano de Paris
05:. Plano de Paris
ARQ210AN
 
05:. Paris
05:. Paris05:. Paris
05:. Paris
ARQ210AN
 
07:. Reconstrução de Berlim
07:. Reconstrução de Berlim07:. Reconstrução de Berlim
07:. Reconstrução de Berlim
ARQ210AN
 
12:. Fidalga 727
12:. Fidalga 72712:. Fidalga 727
12:. Fidalga 727
ARQ210AN
 
08:. 3 manzanas
08:. 3 manzanas08:. 3 manzanas
08:. 3 manzanas
ARQ210AN
 
07:. Conjunto Residencial Cotia/SP
07:. Conjunto Residencial Cotia/SP07:. Conjunto Residencial Cotia/SP
07:. Conjunto Residencial Cotia/SP
ARQ210AN
 
03:. Barcelona
03:. Barcelona03:. Barcelona
03:. Barcelona
ARQ210AN
 
09:. Double House
09:. Double House 09:. Double House
09:. Double House
ARQ210AN
 
02:. Plano de Expansão Urbana de Barcelona
02:. Plano de Expansão Urbana de Barcelona02:. Plano de Expansão Urbana de Barcelona
02:. Plano de Expansão Urbana de Barcelona
ARQ210AN
 

Mais de ARQ210AN (20)

Bobigny2
Bobigny2Bobigny2
Bobigny2
 
Zuidas- Amsterdã
Zuidas- AmsterdãZuidas- Amsterdã
Zuidas- Amsterdã
 
La Sagrera _barcelona_Fausto+Muara+Vinicius
La Sagrera _barcelona_Fausto+Muara+ViniciusLa Sagrera _barcelona_Fausto+Muara+Vinicius
La Sagrera _barcelona_Fausto+Muara+Vinicius
 
Vale do anhangabaú
Vale do anhangabaúVale do anhangabaú
Vale do anhangabaú
 
Londres 2012
Londres 2012 Londres 2012
Londres 2012
 
PROJETO URBANO DE MEDELLÍN - Raissa e Muara
PROJETO URBANO DE MEDELLÍN - Raissa e MuaraPROJETO URBANO DE MEDELLÍN - Raissa e Muara
PROJETO URBANO DE MEDELLÍN - Raissa e Muara
 
Caminho Niemeyer - RJ
Caminho Niemeyer - RJCaminho Niemeyer - RJ
Caminho Niemeyer - RJ
 
03:. Conjunto Residencial Pedregulho
03:. Conjunto Residencial Pedregulho03:. Conjunto Residencial Pedregulho
03:. Conjunto Residencial Pedregulho
 
01:. Unidade de Habitação de Marselha
01:. Unidade de Habitação de Marselha01:. Unidade de Habitação de Marselha
01:. Unidade de Habitação de Marselha
 
06:. WoZoCo Housing
06:. WoZoCo Housing06:. WoZoCo Housing
06:. WoZoCo Housing
 
06 :. Plano de Expansão Amsterdã
06 :. Plano de Expansão Amsterdã06 :. Plano de Expansão Amsterdã
06 :. Plano de Expansão Amsterdã
 
05:. Plano de Paris
05:. Plano de Paris05:. Plano de Paris
05:. Plano de Paris
 
05:. Paris
05:. Paris05:. Paris
05:. Paris
 
07:. Reconstrução de Berlim
07:. Reconstrução de Berlim07:. Reconstrução de Berlim
07:. Reconstrução de Berlim
 
12:. Fidalga 727
12:. Fidalga 72712:. Fidalga 727
12:. Fidalga 727
 
08:. 3 manzanas
08:. 3 manzanas08:. 3 manzanas
08:. 3 manzanas
 
07:. Conjunto Residencial Cotia/SP
07:. Conjunto Residencial Cotia/SP07:. Conjunto Residencial Cotia/SP
07:. Conjunto Residencial Cotia/SP
 
03:. Barcelona
03:. Barcelona03:. Barcelona
03:. Barcelona
 
09:. Double House
09:. Double House 09:. Double House
09:. Double House
 
02:. Plano de Expansão Urbana de Barcelona
02:. Plano de Expansão Urbana de Barcelona02:. Plano de Expansão Urbana de Barcelona
02:. Plano de Expansão Urbana de Barcelona
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 

Morfologia Urbana e Desenho da Cidade

  • 1. 3 CAPÍTULO 2 – A MORFOLOGIA URBANA A MORFOLOGIA URBANA O termo morfologia utiliza-se para designar o estudo da configuração e da estrutura exterior de um objecto. É a ciência que estuda as formas, interligando-as com os fenómenos que lhes deram origem. O conhecimento do meio urbano implica necessariamente a existência de instrumentos de leitura que permitam organizar e estruturar os elementos apreendidos, e uma relação objecto-observador. Portanto, podemos clarificar três pontos: - a morfologia urbana é o estudo da forma do meio urbano nas suas partes físicas exteriores, ou elementos morfológicos, e na sua produção e transformação no tempo; - um estudo da morfologia urbana ocupa-se da divisão do meio urbano em partes e da articulação destes entre si com o conjunto que definem. O que remete para a necessidade de identificação e clarificação dos elementos morfológicos, quer em ordem à leitura ou análise do espaço quer em ordem à sua concepção ou produção; - um estudo do morfológico deve ter em conta os níveis ou momentos de produção do espaço urbano. A FORMA URBANA Então a noção de “forma urbana” corresponderia ao meio urbano como arquitectura, ou seja, um conjunto de objectos arquitectónicos ligados entre si por relações espaciais, a arquitectura será assim a chave da interpretação correcta e global da cidade como estrutura espacial. Pode-se definir a forma urbana como: aspecto de realidade ou modo como se organizam os elementos morfológicos que constituem e definem o espaço urbano, relativamente à materialidade dos aspectos de organização funcional quantitativa e dos aspectos qualitativos e figurativos. - Aspectos quantitativos: todos os aspectos da realidade urbana que podem ser quantificáveis e que se referem a uma organização quantitativa: densidades, superfícies, fluxos etc. - Aspectos de organização funcional: relacionam-se com as actividades humanas: habitar, instruir-se, tratar-se, comerciar, etc, e também com o uso de uma área, espaço ou edifício, ouseja, o tipo de uso do solo. - Aspectos qualitativos: referem-se ao tratamento dos espaços, ao conforto e à comodidade do utilizador. Nos edifícios poderão ser a insonorização, o isolamento térmico, a correcta insolação, e no meio urbano pode ser o estado dos pavimentos, a adaptação ao clima, a acessibilidade, etc. - Aspectos figurativos: os aspectos figurativos relacionam-se essencialmente com a comunicação estética. Nos vários contextos históricos os elementos morfológicos são semelhantes: rua e praça, edifícios, fachadas e planos marginais, monumentos isolados. As diferenças resultam do modo como esses elementos se posicionam, se organizam e se articulam entre si para constituir o espaço urbano. A forma terá de se relacionar com a função de modo a permitir o desenvolvimento eficaz das actividades que nela se processam. Se os três princípios básicos da arquitectura – função, construção e arte – estão sempre presentes na arquitectura e na cidade, já o peso que cada um deles assume no processo criativo pode sofrer alterações entre duas posições extremas. Uma posição “funcionalista”, segundo a qual uma forma física que corresponde logicamente aos problemas funcionais do contexto é bela, uma vez que a beleza é uma qualidade inerente a todo o sistema bem resolvido, “FORM FOLLOWS FUNCTION”. Ou então o “antifuncionalismo”, que aceita que a concepção da forma seja ditada de modo independe por outros objectivos, para criar a emoção ou o embelezamento da estrutura. Ou seja, a própria função também se RESUMO DE MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE, JOSÉ LAMAS
  • 2. 4 adapta à forma, ou a mesma função pode coexistir e processar-se em formas diferentes, “FUNCTION FOLLOWS FORM”. Por exemplo, qualquer equipamento, como os cinemas ou os teatros, deve antes do mais, funcionar, ou seja, centram-se no funcionamento do programa. A estética funcionalista estende-se ao desenho de interiores, à decoração, ao desenho industrial, à moda e ao vestiário, o bom funcionamento torna-se por si só um item de qualidade. A organização funcionalista das cidades anulou as considerações morfológicas. O zonamento e a atribuição de uma função exclusiva a cada parcela do território tornaram-se métodos universais do urbanismo, produzindo cidades monótonas e pouco estimulantes, sem lugar para a surpresa, a complexidade e a emoção. O funcionalismo foi, sem dúvida, uma teoria urbanística e arquitectónica, mas foi, antes do mais, uma estratégia de representação desenhada e construída, traduziu-se mais pela imagem estética, gráfica e espacial do que por uma correlação exacta da forma com a função. Por outro lado uma mesma função pode existir convenientemente em formas distintas, a reutilização de antigos edifícios tem permitido obter excelentes resultados no grau de utilização, significado estético e quantidade ambiental. A concepção da forma não se esgota na correspondência a uma ou mais funções, tem também motivações mais complexas e profundas. A forma arquitectónica é a maneira como as partes ou estratos se encontram dispostos no objecto e também o poder de explicitar e evidenciar esta disposição. É unicamente através da figura que podemos descobrir o sentido do fenómeno e reconstruir a totalidade, a pluralidade dos seus elementos construtivos e das suas proposições. O que caracteriza a obra arquitectural é de natureza eminentemente figurativa. Entende-se por aspectos figurativos, os aspectos da forma que são comunicáveis através dos sentidos. E “figura”, ao poder de comunicação estética da forma, ou seja, ao modo como se organizam as diferentes partes que constituem a forma, com objectivos de comunicação. Os valores estéticos só são comunicáveis através dos sentidos e que, apesar das características da forma não se resumirem aos aspectos sensoriais, estes são determinados na sua compreensão. - Sistema de orientação: respeita o esquilíbrio vertical e também as cimas de cima/baixo, esquerda/direita, etc., que permitem ao homem orientar-se na cidade. É como um “sexto sentido”, que numa cidade dependerá fundamentalmente dos sistemas de referência: marcas ou monumentos, zonas ou bairros, etc. - Sistema visual: É através da visão que se constrói a parte mais importante da imagem da cidade, no entanto, o sistema de observação do espaço urbano, pressupõe o movimento e a apreensão do espaço em sequência visual. - Sistema táctil: Aqui se incluem todas as percepções térmicas e de fricção com a atmosfera: o vento, as correntes de ar, o calor, o frio, que também são importantes na vivência, compreensão e caracterização da cidade. - Sistema olfactivo: Este sistema pertence essexncialmente à experiência da cidade, embora seja um factor de menor controlo e incidência no desenho da forma urbana, tal como tem sido analisada. PRODUÇÃO E FORMA DA CIDADE E PRODUÇÃO FORMA DO TERRITÓRIO A expressão território designa a extensão da superfície terrestre na qual vive um grupo humano, ou melhor, o espaço construido pelo homem, em oposição ao que poderíamos designar por espaço natural, e que não terá sido humanizado. A forma humana não pode ser desligada do seu suporte geográfico, ou seja, o território preexistente constitui sempre um elemento determinante na criação arquitectónica. A paisagem humanizada e a paisagem natural adquiriram qualidades figurativas, foram carregadas com atributos de beleza, capazes de provocar a emoção estética, permite então considerar que as operações sobre a paisagem são também do domínio arquitectónico- urbanístico. RESUMO DE MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE, JOSÉ LAMAS
  • 3. 5 DIMENSÕES ESPACIAIS NA MORFOLOGIA URBANA A compreensão e concepção das formas urbanas ou do território coloca-se a diferentes níveis, diferenciados pelas unidades de leitura e de concepção. Dimensão sectorial: É a mais pequena unidade, ou porção de espaço urbano, com forma própria. Uma infinidade de elementos que organizados entre si, definem a forma urbana (edifícios, o traçado, estrutura verde, mobiliário urbano). Dimensão urbana: Pressupõe uma estrutura de ruas, praças ou formas de escalas inferiores. Os elementos morfológicos têm de ser identificados com as formas a escalas diferentes e a análise da forma necessita do movimento e dos vários percursos (traçados e praças, quarteirões e monumentos, jardins e áreas verdes). Dimensão territorial: A forma estrutura-se através da articulação de diferentes formas à dimensão urbana. A forma das cidades define-se pela distribuição dos seus elementos primários ou estruturantes (bairros, grande infra-estruturas viárias e grandes zonas verdes). Tricart define três escalas principais na paisagem urbana: escala da rua, escala do bairro e a escala da cidade inteira. Estas categorias estabelecidas permitem sistematizar o conhecimento do espaço urbano. O desenho urbano – por necessidades da estrutura mental e operativa humana organiza a forma pela adição e composição dos elementos morfológicos, ou formas de escalas inferiores. Esta classificação pretende clarificar a leitura do território, articulando-a com os diferentes níveis de produção do espaço. OS ELEMENTOS MORFOLÓGICOS DO ESPAÇO URBANO Solo: É a partir do território existente e da sua topografia que se desenha ou constrói a cidade. O pavimento é um elemento de grande importância no espaço urbano, contudo de uma grande fragilidade e sujeito a inúmeras mudanças. Os edifícios: É através dos edifícios que se constitui o espaço urbano e se organizam os diferentes espaços identificáveis e com “forma própria”: a rua, a praça, o beco, a avenida, etc. Os edifícios agrupam-se em diferentes tipos, decorrentes da sua função e forma. Esta interdependência é um dos campos mais sólidos em que se colocam as relações entre cidade e arquitectura. O lote: O edifício não pode ser desligado do lote ou da superfície do solo que ocupa, este é a génese e fundamento do edificado. A forma do lote é condicionante da forma do edifício e consequentemente, da forma da cidade. O quarteirão: O quarteirão é um contínuo d edifícios agrupados entre si em anel, ou sistema fechado e separado dos demais, é o espaço delimitado pelo cruzamento de três ou mais vias e subdivisível em lotes para construção de edifícios. O quarteirão agrega e organiza os outros elementos da estrutura urbana: o lote e o edifício, o traçado e a rua, e as relações que estabelecem com os espaços públicos, semipúblicos e privados. A fachada: A relação do edifício com o espaço urbano processa-se pela fachada. São as fachadas que exprimem as características distributivas, o tipo de edificado, as características e linguagem arquitectónica, um conjunto de elementos que irão moldar a imagem da cidade. O logradouro: O logradouro constitui o espaço privado do lote não ocupado por construção, as traseiras, o espaço privado separado do espaço público pelo contínuo edificado. É através da utilização do desenho do logradouro que se faz parcialmente a evolução das formas urbanas do quarteirão até ao bloco construído. O traçado da rua: Assenta num suporte geográfico preexistente, regula a disposição dos edifícios e quarteirões, liga os vários espaços e partes da cidade, e confunde- se com o gesto criador. O traçado estabelece a relação mais directa de assentamento entre a cidade e o território. É o traçado que define o plano, intervindo na organização da forma urbana a diferentes dimensões. A praça: A praça é um elemento morfológico das cidades ocidentais e distingue-se de outros espaços, que são resultado acidental de alargamento ou confluência de traçados. A praça pressupõe a vontade e o desenho de uma forma e de um programa. É um elemento morfológico identificável na forma da cidade e utilizável no desenho urbano na concepção arquitectónica. RESUMO DE MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE, JOSÉ LAMAS
  • 4. 6 O monumento: O monumento é um facto urbano singular, elemento morfológico individualizado pela sua presença, configuração e posicionamento na cidade e pelo seu significado. O monumento desempenha um papel essencial no desenho urbano, caracteriza a área ou bairro e torna-se pólo estruturante da cidade. A árvore e a vegetação: Caracterizam a imagem da cidade, têm individualidade própria, desempenham funções precisas: são elementos de composição e do desenho urbano, servem para organizar, definir e conter espaços. O mobiliário urbano: Situa-se na dimensão sectorial, na escala da rua, não podendo ser considerado de ordem secundária, dado as suas implicações na forma e equipamento da cidade. É também de grande importância para o desenho da cidade e a sua organização, para a qualidade do espaço e comodidade. Evolução do Território A cidade como qualquer organismo vivo, encontra-se em contínua modificação. O tempo é fundamental para compreender o território como objecto físico e também para posicionar a intervenção do arquitecto. A evolução das formas urbanas põe duas ordens de questões: a primeira relacionada com o desenvolvimento urbano, o estudo morfológico pressupõe a consideração do crescimento urbano, que é indissociável ao estudo das cidades; e a segunda relativamente à reutilização de partes da cidade, as políticas de recuperação, reabilitação e restauro de áreas urbanas pressupõe diferentes usos e consequentes modificações da imagem e da forma. A disciplina do urbanismo tem como objectivo dominar o território e os seus mecanismos de transformação: construir, adaptar ou conservar o espaço. O espaço já não pode ser construído sem planos e projectos da sua implementação. Poète estabelece o conceito de persistência, que afirma que a análise histórica da cidade revela existirem elementos em contínua transformação e elementos que não se modificam totalmente e persistem, como os monumentos, traçados, vias e a estrutura fundiária. À escala da rua, as transformações são facilmente visíveis, desde a montra da loja ao mobiliário urbano, já à dimensão urbana, o tipo de modificações é mais lento e de maior profundidade, novas ruas, novos edifícios, etc. NÍVEIS DE PRODUÇÃO DO ESPAÇO A prática do planeamento organiza-se em níveis de actuação determinados pela própria natureza dos métodos, objectivos e conteúdos, e escala dos problemas e dimensão geográfica das intervenções. Podemos distinguir três níveis de produção do espaço: - Nível de Planeamento – Programação – Planificação: O arranque de todo o planeamento é uma fase de determinação de objectivos socioeconómicos, a programação aparece como etapa preliminar das acções do urbanismo, na qual se fixa o programa a ser executado no futuro. - Nível urbanístico – O plano: Trata-se de precisar os objectivos no espaço e no tempo e de espacializar com maior pormenor a execução dos propósitos anteriores, implica a definição das morfologias urbanas e a consideração das possibilidades físicas do território. -Nível de construção – O projecto: Executa-se a construção do território de acordo com os objectivos e programa definidos, é a fase de construção, preparada pelo projecto e concretizada na obra. URBANISMO E ARQUITECTURA O que diferencia o urbanismo da arquitectura não é a dimensão espacial nem o escalão da intervenção, mas a acção político-administrativa a conduzir no tempo e no jogo de forças económicas e sociais. O urbanismo implica a condução de um plano no tempo e no jogo de agentes e actores políticos, económicos e sociais, também tem como objectivo a mediação e resolução dos conflitos entre os interesses públicos e privados que disputam a fruição do espaço urbano. O desenho urbano e o desenho de edifícios não são mais que dois momentos de uma mesma disciplina: a arquitectura, intervindo em diferentes momentos e com distintos processos, mas com um único instrumento fundamental: o desenho. RESUMO DE MORFOLOGIA URBANA E DESENHO DA CIDADE, JOSÉ LAMAS