SlideShare uma empresa Scribd logo
PROJETO DE PRODUTOS, SERVIÇOS
         E PROCESSOS



                        Disciplina: PP1F8
                            Prof. Luciana
                     luciana@ifsp.edu.br
O que é um projeto?

    Segundo Slack, não existe uma definição de projeto reconhecida
    universalmente.
                                             (SLACK, N et all, 2002)


    “Projeto é um empreendimento não repetitivo (único),
    caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com
    início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e
    definido, sendo conduzido por pessoas dentro de parâmetros
    predefinidos de tempo, custo, recursos envolvidos e qualidade.”-
                                                    (Vargas, R. ,2002)
2
O que é um projeto?
• Os pontos importantes sobre projetos são os
  seguintes.
  – O objetivo da atividade de projeto é satisfazer às
    necessidades dos consumidores.
  – A atividade de projeto aplica-se tanto a produtos
    (bens ou serviços) como a sistemas (que chamamos
    processos).
  – A atividade de projeto é em si mesma um processo de
    transformação.
  – O projeto começa com um conceito e termina na
    tradução desse conceito em uma especificação de
    algo que pode ser produzido.

                                                      3
O que é um projeto?
• Produtos individuais que satisfazem a uma
  necessidade pública ou de mercado: o
  automóvel, a televisão, o rádio, a geladeira,
  sapatos, meias, mas também a pintura, a
  escultura, a música e as muitas outras
  manifestações de expressão do artista.
• Sistemas: o telefone, a ferrovia, a rodovia, o
  supermercado, a orquestra, o fornecimento de
  utilidades (gás, água e eletricidade), etc.

                                               4
Atividade de um Projeto em Produção
• Prover produtos, serviços e processos que satisfarão os
  consumidores.
• Projetos de produto/serviço X processo
                        Inter-relacionados


• No início da atividade de projeto, antes que demasiadas
  decisões fundamentais tenham sido tomadas, os custos de
  mudança são relativamente baixos.
• A medida que o projeto progride, as mudanças tornam-se
  cada vez mais dispendiosas.
• Criatividade e inovação são essenciais.
                                                            5
Atenção e Influência da ação gerencial,
         impacto no tempo




  Fonte: Foster e Gluck (1979 appud HAYES; WHEELWRIGHT; CLARK, 1988)


                                                                       6
Projeto significa satisfazer às
    necessidades dos consumidores
• A atividade de um projeto em produção tem como
  objetivo mais importante: prover produtos, serviços
  e processos que satisfarão aos consumidores.

• Um processo implantado no local errado, com
  capacidade insuficiente, com um arranjo físico
  confuso ou desordenado, com tecnologia
  inadequada, ou com pessoal incapaz, não pode
  satisfazer aos consumidores, porque pode não
  desempenhar eficiente ou eficazmente.
                                                    7
Impacto do projeto de produto/ serviço e
  processo nos objetivos de desempenho
Objetivo de        Influência de bom projeto de              Influência de bom projeto de processo
desempenho         produto/serviço
                   Pode eliminar tanto falhas potenciais     Pode prover os recursos adequados para
    Qualidade      como aspectos "propensos a erros" do      produzir o produto ou serviço conforme suas
                   produto ou serviço                        especificações de projeto
                   Pode especificar produtos que podem       Pode movimentar materiais, informações ou
                   ser feitos rapidamente (por exemplo,      clientes por meio de cada estágio do processo
     Rapidez       usando princípios de projeto modular)     sem demoras
                   ou serviços que evitam demoras
                   desnecessárias
                   Pode ajudar a tornar previsível cada      Pode fornecer tecnologia e pessoal que são
  Confiabilidade   estágio do processo ao exigir processos   intrinsecarnente confiáveis
                   padronizados e previsíveis
                   Pode permitir variações que               Pode prover recursos que podem ser
  Flexibilidade    proporcionam uma gama de produtos ou      modificados rapidamente de forma a criar uma
                   serviços oferecidos aos clientes          gama de produtos ou serviços
                   Pode reduzir custos de cada peça          Pode assegurar alta utilização de recursos e,
      Custo        componente do produto ou serviço e        portanto, processos eficientes e de baixo custo
                   também reduzir o custo de combiná-los

                                                                                                          10
Projeto
                   Definição

• Conjunto único e finito de atividades.

• Para produzir um resultado definido.

• Dentro de um prazo determinado.

• Utilizando recursos específicos.
11
Gestão de Projetos

• É o processo de tomada de decisão.
• Baseado em dados sistemáticos e objetivos.
• Com a finalidade de maximizar a eficácia
  destas decisões .
• Considerando os trade-offs.



12
Trade-off

• Trade-off ou tradeoff - É uma expressão que
  define uma situação em que há um conflito de
  escolha.
• Ele se caracteriza em uma ação econômica que
  visa à resolução de problema mas acarreta outro,
  obrigando uma escolha.
• Ocorre quando se abre mão de algum bem ou
  serviço distinto para se obter outro bem ou
  serviço distinto.
13
CENÁRIO




14
Definição e Organização do Projeto
        Fatores de Sucesso do Projeto


 •Conhecer seus objetivos.

 •Conhecer as pessoas que irão colaborar para
 alcançá-los.

 •A forma através da qual elas interagirão.


                                              15
Organização do Projeto

• Assegurar que todos os papéis            e
  responsabilidades sejam compreendidos.

• Assegurar que todos os membros da equipe
  estejam identificados e comprometidos com o
  esforço de projeto.


                                            16
Definição dos Parâmetros do Projeto

• Assegura que as energias sejam empregadas
  no projeto certo.
• Definido em termos de resultados esperados.
• Escopo, cronograma e recursos alocados.
• Utiliza linguagem simples.
• É clara e concisa.
• Idealmente, é visionária, criando um desafio.
                                                  17
Planejamento do Projeto
                           Subetapas
                         Planejamento do Projeto

                                          Análise de   Desenvolvimento
Desenvolvimento   Desenvolvimento
                                          Recursos e      de Planos
    do WBS         do Cronograma
                                          Trade-offs   Gestão de Riscos




                                                                   18
Desenvolvimento do WBS

• Work Breakdown Structure ou Estrutura
  Analítica do Trabalho.
• É uma estrutura hierárquica de todo o
  trabalho requerido para alcançar o escopo do
  projeto.
• Evita o esquecimento ou omissão de uma
  tarefa.

                                             19
Desenvolvimento do Cronograma

• Quando as tarefas deverão ser feitas.

• Qual a sequência das tarefas.

• Métodos Pert e CPM e gráficos de Gantt são
  ferramentas.


                                           20
Análise de Recursos e Trade-offs

• Fornece aos gerentes de projeto melhores
  informações sobre a situação de recursos.

• É um elemento chave para o sucesso do
  projeto.

• Formaliza e legitima o processo decisório.

                                               21
Desenvolvimento de Planos
               Gestão de Riscos

• Chama a atenção para os riscos.

• Necessidade de administrar os riscos.




                                          22
A Boeing traz seus passageiros a
bordo no processo de projetar
aeronaves.
Inter-relação Produto X Processo
• Frequentemente, tratamos o projeto de produtos e
  serviços por um lado e o projeto dos processos que os
  produzem por outro, como se fossem atividades
  separadas.
• Entretanto, eles são claramente inter-relacionados.
• Pequenas mudanças no projeto de produtos e serviços
  podem ter conseqüências profundas para o modo
  como a produção deve fazê-los.
• Analogamente, o projeto de um processo pode
  restringir a liberdade dos projetistas de produto e
  serviço de operarem como desejam.
Inter-relação Produto X Processo
A atividade de projeto é em si um
   processo de transformação
A atividade de projeto é em si um
      processo de transformação
• Os recursos de input a serem transformados
  consistirão principalmente em informações na forma
  de previsões e preferências de mercado, dados
  técnicos e assim por diante.
• Os recursos de input transformadores na atividade
  de projeto incluem pessoal administrativo, de
  escritório e técnico, equipamentos de projeto como
  sistema de CAD e talvez equipamentos de
  desenvolvimento e teste.
A atividade de projeto é em si um
      processo de transformação
• Um projeto inicia-se como uma idéia mais geral do
  que poderia ser uma solução adequada para uma
  necessidade sentida.

• Com o tempo, essa idéia ou "concepção", é refinada
  e detalhada até que contenha informação suficiente
  para ser transformada no produto, serviço ou
  processo real.

• Isso tem duas conseqüências importantes.
A atividade de projeto é em si um
     processo de transformação
• A primeira é que a cada etapa as decisões de
  projeto reduzem o número de opções que
  continuarão disponíveis na atividade de projeto.
• Por exemplo, decidir fazer a carcaça externa de
  uma câmera fotográfica em alumínio em vez de
  plástico limita decisões posteriores, como o
  tamanho e a forma geral da carcaça, o modo
  como o corpo é montado e o modo como a
  camada exterior é ligada à carcaça.
A atividade de projeto é em si um
      processo de transformação
• Isso significa que a incerteza em torno do projeto reduz-se à
  medida que diminui o número de alternativas consideradas.

• Na realidade, a atividade de projeto pode ser considerada
  uma atividade que reduz progressivamente a incerteza com
  relação ao produto, serviço ou processo.

• A figura a seguir indica o que é, algumas vezes, chamado de
  funil do projeto, ilustrando a redução progressiva de opções
  de projeto de muitas para uma.
A atividade de projeto é em si um
   processo de transformação
A atividade de projeto é em si um
      processo de transformação
• A segunda consequência da evolução da concepção à
  especificação detalhada diz respeito ao custo de mudar-se a
  concepção de alguém a respeito de algum detalhe do projeto.
• Na maior parte das etapas de projeto, o custo de mudar uma
  decisão implica a necessidade de algum modo de repensar e
  recalcular os custos da consequência da mudança.
• Ainda no início da atividade de projeto, antes que demasiadas
  decisões fundamentais tenham sido tomadas, os custos de
  mudança são relativamente baixos.
• Rapidamente, entretanto, à medida que o projeto progride,
  as decisões inter-relacionadas e cumulativas que são tomadas
  tornam-se cada vez mais dispendiosas para serem mudadas.
Criatividade e opções de projeto
• Cada vez mais, a criatividade é vista como um
  ingrediente essencial, não somente em
  projeto de produtos e serviços, mas também
  em projeto de processos de produção.
• Devido parcialmente à natureza de mudanças
  rápidas de muitas indústrias, a falta de
  criatividade (e, consequentemente, de
  inovação) é vista como um sério risco.
Criatividade e opções de projeto
• Algumas organizações estão reconhecendo os
  ganhos crescentes obtidos da criatividade e
  inovação.
• Isso é especialmente verdadeiro para o
  crescente número de empresas baseadas em
  tecnologia.
Criatividade e opções de projeto
• É claro que a criatividade pode ser muito cara.
• Por sua natureza, envolve explorar
  possibilidades muitas vezes improváveis.
• Muitas delas vão morrer quando provarem ser
  inadequadas.
• Ainda assim, o processo de criatividade
  depende dessas investigações aparentemente
  inúteis.
Criatividade e opções de projeto
• Como salientou Art Fry, o inventor do Post-it
  da 3M:

• "Você precisa beijar muitos sapos para achar
  um príncipe, mas lembre-se: um príncipe pode
  pagar por muitos sapos."
Balanceando criatividade com
            avaliação
• Criatividade é um elemento vital para um projeto
  eficaz, mas necessita ser balanceada por um
  processo de avaliação mais sistemático.
• Avaliação em projeto significa avaliar o valor ou a
  importância de cada opção do projeto, de forma que
  possa ser escolhida uma.
• Isso inclui avaliar cada opção em relação a alguns
  critérios de projeto.
Balanceando criatividade com
              avaliação
• Os critérios usados em cada projeto dependem da natureza e
  das circunstâncias, mas é útil pensar em termos de três
  categorias de critérios de projeto.
   1. A viabilidade da opção de projeto - podemos fazê-la?
   2. A aceitabilidade da opção de projeto - queremos fazê-
      la?
   3. A vulnerabilidade de cada opção de projeto - queremos
      correr o risco?
Balanceando criatividade com
         avaliação
Balanceando criatividade com avaliação –
           Questões-chave:




                                       40
Simulação do projeto
• O projeto envolve a tomada de decisões antes de o
  produto, serviço ou processo real ser criado.
• Isso significa que frequentemente o projetista não
  está totalmente seguro das consequências de sua
  decisão.
• Por exemplo, um projetista de sapatilha de corrida
  pode decidir sobre a construção da sapatilha ou um
  arquiteto sobre o arranjo físico de um edifício
  público, baseado na experiência prévia e nas teorias
  básicas.
Simulação do projeto
• Para aumentar sua própria confiança na decisão de
  projeto, entretanto, provavelmente tentarão simular
  como a sapatilha e o arranjo físico funcionariam na
  prática.
• De algumas formas, a simulação é uma das
  abordagens mais fundamentais para a tomada de
  decisões.
Simulação do projeto
• O "modelo" de simulação pode tomar muitas
  formas.
• No caso do projeto da sapatilha de corrida, o
  "modelo" poderia ser quase idêntico ao
  produto pretendido, exceto que teria sido
  feita uma única sapatilha-protótipo, em vez
  de produzido no sistema de manufatura que
  seria usado para o produto real.
Simulação do projeto
• A sapatilha-protótipo seria então flexionada vários
  milhões de vezes para simular uso prolongado.
• No caso do edifício público, o arquiteto poderia
  projetar um "modelo" em computador que simularia
  o movimento de pessoas pelo edifício conforme a
  distribuição aleatória de probabilidades que
  descreve sua chegada e movimentação.
• Isso poderia ser usado para prever onde o espaço
  físico poderia ficar demasiado cheio de gente ou
  onde o espaço excessivo poderia ser reduzido.
Prototipagem
• Outra forma de avaliar o produto antes de colocá-lo em
  produção é a geração de protótipos.
• Antigamente, a geração de um protótipo era um processo
  lento e caro, pois envolvia verdadeiros artistas, que através
  de moldagem em argila ou material similar, “esculpiam” os
  protótipos.
• Hoje, com o auxilio da tecnologia, já é possível criar
  protótipos por meio de impressoras 3D.




                                                             45
A Realidade Virtual de Projeto
• A realidade virtual, uma vez vista somente
  como meio de entretenimento de alta
  tecnologia, está estabelecendo-se como uma
  ferramenta poderosa, de projeto profissional
  tridimensional, com aplicações que incluem
  arquitetura, projetos de carros e o
  planejamento de operações cirúrgicas
  delicadas.
A Realidade Virtual de Projeto
• Proporciona ao projetista uma noção muito mais
  clara das posições relativas das partes individuais
  detalhadas do que é possível com representações
  bidimensionais estáticas.
• Talvez mais importante, também permite que
  outros, especialmente o cliente ou usuário sem
  treinamento técnico, possam visualizar e sugerir
  modificações para o projeto antes que seja
  realizado algum trabalho na entidade física em
  questão.
Projeto ecológico
• Com os temas de proteção ambiental tornando-se cada vez
  mais importantes, os projetistas devem considerar cada vez
  mais as questões "verdes" em seu trabalho.
• Em muitos países desenvolvidos, a legislação já providenciou
  alguns padrões básicos que restringem o uso de materiais
  tóxicos, limitam descargas poluentes no ar e na água e
  protegem os funcionários e o público de prejuízos de curto e
  longo prazo.
• A maior parte dessas restrições afeta tanto o projeto e a
  operação de processos como o projeto dos próprios produtos.
• O interesse focalizou alguns assuntos fundamentais:
Projeto ecológico
• As fontes de materiais usadas em um produto.
   – Danificarão as florestas?
   – Usarão minerais escassos?
   – Explorarão o pobre ou usarão trabalho infantil?

• Quantidades e fontes de energia consumidas no processo.
   – As garrafas de plásticos para bebidas consomem mais
     energia do que as de vidro?
   – O calor rejeitado deve ser recuperado e usado na criação
     de peixes?
Projeto ecológico
•   A quantidade e o tipo de material rejeitado que é gerado nos processos de
    manufatura.
     – Esse rejeito pode ser reciclado eficientemente ou deve ser queimado ou
       enterrado em aterros?
     – O rejeito terá impacto de longo prazo no ambiente à medida que se
       decompõe e se libera?

•   O tempo de vida do próprio produto.
     – Um produto com vida útil de 20 anos, consumirá menos recursos do que
        um que dura 5 anos, que será substituído 4 vezes no mesmo período.
     – O produto de longa vida, entretanto, pode exigir investimentos iniciais
        maiores e pode mostrar-se ineficiente na parte final de seu uso, quando os
        últimos produtos usam menos energia ou manutenção para funcionar.
Projeto ecológico
• O descarte do produto após sua vida útil.
   – O produto supérfluo será difícil de descartar de forma
     ecológica?
   – Poderia ser reciclado ou usado como fonte de energia?
   – Ainda poderia ser útil em condições de Terceiro Mundo?
   – Poderia ser usado para beneficiar o ambiente, assim como
     carros velhos que são usados para fazer arrecifes artificiais
     para a vida marítima?
Projeto ecológico
• Os projetistas confrontam-se com compromissos complexos
  entre esses fatores, embora não seja sempre fácil obter toda a
  informação necessária para fazer as "melhores" escolhas.
• Por exemplo, é relativamente fácil projetar um produto de longa
  vida, usando material forte, componentes superdimensionados,
  ampla proteção contra corrosão e assim por diante.
• Sua produção, entretanto, usa mais materiais e energia e poderia
  gerar mais rejeitos.
• Para ajudar a tomar decisões mais racionais no processo de
  projeto, alguns setores estão experimentando a análise do ciclo
  de vida.
Projeto ecológico
• Essa técnica analisa todos os investimentos iniciais
  da produção, o ciclo de vida, o uso do produto e
  seu descarte final, em termos da energia total
  usada (e, mais recentemente, de todos os rejeitos
  emitidos, como dióxido de carbono, gases
  sulfurosos e nitrosos, solventes orgânicos, rejeitos
  sólidos etc.).
• As entradas e rejeitos são avaliados em cada etapa
  de sua produção, começando com a extração ou
  produção das matérias-primas básicas.
TIPOS DE PROCESSOS EM
 MANUFATURA E SERVIÇOS


Cada tipo de processo em manufatura ou
serviços implica em uma forma diferente
de organizar as atividades das operações
com diferentes características de volume
variedade, variação de demanda e
contato com o consumidor
Tipos de Processos de Manufatura
                 Projeto          Baixo grau de repetição

                                                     cada produto deve compartilhar
                                Jobbing            os recursos da operação com outros

                                           Lote ou Bateladas

            Cada parte da operação tem
                 períodos em que se                         Em Massa
              está repetindo, enquanto o                         Contínuo
            “lote” está sendo processado
Variedade




                         Nas operações em massa as
                          diferentes variantes de um
                        produto não afetam o processo     Tecnologias inflexíveis, de capital
                              básico de produção      intensivo, com fluxo altamente previsível
            Volume
                                                                                              57
PROJETOS
ESTALEIRO
JOBBING
LOTES
MASSA
CONTÍNUO
64
65
66
Tipos de Processos de Serviço
Ênfase em:
   pessoas
   front office
Alto grau de:
  contato
  personalização
   autonomia
                                         Loja de Serviços
                                          banco ( pessoa física)
                                          restaurantes
                                          hotelaria
Ênfase em:                                varejo em geral
                    Variedade




   equipamentos
                                                     Serviços de Massa
   back room
                                                      transporte urbano
Baixo grau de:                                        cartão de crédito
   contato                                            comunicações
   personalização                                     varejo de revistas
   autonomia                    Volume

                                                                           67
Tipos de Processos em
    SERVIÇOS - PROFISSIONAIS



Alto contato;
Customização

Ex: Advogado, Consultor,
  Arquiteto, Cirurgião,
  etc...
Tipos de Processos em
  SERVIÇOS – Lojas de Serviços


Ex: Restaurantes,
  Escolas, Locadoras
  de Automóveis,
  Hotéis...
Tipos de Processos em
              SERVIÇOS -MASSA

• muitas     transações    de
  clientes;
• tempo de contato limitado;
• pouca customização;
• baseado em equipamentos;
• orientados      para       o
  “produto”.
•   Ex:   Supermercado, Aeroporto,
    Ônibus, Metrô, Trem, Livraria,
    Emissora de TV, serviços de
    telecomunicação...
Padronização e modularização
• As operações muitas vezes tentam vencer as penalidades
  de custos de uma alta variedade por meio da padronização
  de seus produtos, serviços ou processos.

• Isso permite que as operações restrinjam a variedade até a
  medida que representa valor real para o consumidor final.
  Na verdade, a padronização é uma forma de movimentar
  as operações para baixo na escala volume-variedade.




                                                           71
Padronização e modularização
• Geralmente, são os outputs das operações que são padronizados.
  Exemplos disso são os restaurantes de comida fastfood. Muitas
  empresas melhoraram significativamente sua lucratividade por
  meio de uma cautelosa redução da variedade.
• A padronização de inputs para uma operação pode também reduzir
  sua complexidade e, portanto, seus custos.
• A padronização de componentes, por exemplo, em um produto
  manufaturado, pode simplificar as tarefas de compras, manufatura
  e manutenção.
• A padronização do formato de inputs da informação em um
  processo pode ser alcançada ao usar formulários projetados ou
  formatos de tela.
                                                                   72
Padronização e modularização
• Modularização:
   – O uso de princípios de projeto modular envolve o projeto
     de subcomponentes padronizados de um produto ou
     serviço, que podem ser montados de diferentes formas.
   – Esses módulos padronizados, ou submontagens, podem
     ser produzidos em volume maior, dessa forma reduzindo
     seus custos.
   – Ex: Hamburgueres do Burguer King, Sorvetes do
     McDonald’s, Maçaneta dos carros, Computadores...



                                                                73

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Correios
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Unidade 4 - Projeto em gestão da produção
Unidade 4 - Projeto em gestão da produçãoUnidade 4 - Projeto em gestão da produção
Unidade 4 - Projeto em gestão da produção
Daniel Moura
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
ELAINESILVEIRA
 
Função Produção
Função ProduçãoFunção Produção
Função Produção
Mauro Enrique
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Mauro Enrique
 
Fluxograma & Layout
Fluxograma & LayoutFluxograma & Layout
Fluxograma & Layout
Marden Rodrigues
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
Kris Podovec
 
Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
Mauricio de Castro
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda I
Mauro Enrique
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gerisval Pessoa
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
Willian dos Santos Abreu
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Wilian Gatti Jr
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
Maritta Barbosa
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
Fernanda Paola Butarelli
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
Mauro Enrique
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
Hélio Diniz
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
Homero Alves de Lima
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
Raylson Rabelo
 

Mais procurados (20)

Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Administração da producao
 
Unidade 4 - Projeto em gestão da produção
Unidade 4 - Projeto em gestão da produçãoUnidade 4 - Projeto em gestão da produção
Unidade 4 - Projeto em gestão da produção
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
Função Produção
Função ProduçãoFunção Produção
Função Produção
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
Fluxograma & Layout
Fluxograma & LayoutFluxograma & Layout
Fluxograma & Layout
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
 
Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda I
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de SuprimentosGestão da Cadeia de Suprimentos
Gestão da Cadeia de Suprimentos
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
 
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)1   slides - planejamento e controle da produção (pcp)
1 slides - planejamento e controle da produção (pcp)
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
 

Destaque

Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processosTppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Luciana C. L. Silva
 
Produtos e serviços - definições e processo de desenvolvimento
Produtos e serviços - definições e processo de desenvolvimentoProdutos e serviços - definições e processo de desenvolvimento
Produtos e serviços - definições e processo de desenvolvimento
Marcel Gois
 
Objetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho provaObjetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho prova
nigr0 s
 
Aula 5 - Projeto de Produto
Aula 5 - Projeto de ProdutoAula 5 - Projeto de Produto
Aula 5 - Projeto de Produto
Tiago Cruz
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
gdomingues
 
APRESENTAÇÃO SOBRE PROJETOS DE PROCESSOS
APRESENTAÇÃO SOBRE PROJETOS DE PROCESSOSAPRESENTAÇÃO SOBRE PROJETOS DE PROCESSOS
APRESENTAÇÃO SOBRE PROJETOS DE PROCESSOS
Daniel Pereira
 
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
Philippe Elias
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
BWS Contabilidade, Consultoria e Perícias
 
Gestão de Processo - Layout
Gestão de Processo - LayoutGestão de Processo - Layout
Gestão de Processo - Layout
Eliézer Knob de Souza
 
Aula1 - Introdução à disciplina Projeto de Produto
Aula1 - Introdução à disciplina Projeto de ProdutoAula1 - Introdução à disciplina Projeto de Produto
Aula1 - Introdução à disciplina Projeto de Produto
Tiago Cruz
 
Aula1 - Projeto de Produto
Aula1 - Projeto de ProdutoAula1 - Projeto de Produto
Aula1 - Projeto de Produto
Tiago Cruz
 
Modelo do Processo de Desenvolvimento de Produtos
Modelo do Processo de Desenvolvimento de ProdutosModelo do Processo de Desenvolvimento de Produtos
Modelo do Processo de Desenvolvimento de Produtos
Marcel Gois
 
Apresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviçosApresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviços
Marcel Gois
 
Gestão de Serviços
Gestão de ServiçosGestão de Serviços
Gestão de Serviços
Wagner Gonsalez
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Enef8 03 séries não uni
Enef8 03   séries não uniEnef8 03   séries não uni
Enef8 03 séries não uni
Luciana C. L. Silva
 
Arte em vez de produção em massa
Arte em vez de produção em massaArte em vez de produção em massa
Arte em vez de produção em massa
Carlos da Cruz
 
Administração de Operações - Projeto Redes E Instalações
Administração de Operações - Projeto Redes E InstalaçõesAdministração de Operações - Projeto Redes E Instalações
Administração de Operações - Projeto Redes E Instalações
WeNova Consulting
 
Aula4 - Design de Produto 2
Aula4 - Design de Produto 2Aula4 - Design de Produto 2
Aula4 - Design de Produto 2
Tiago Cruz
 
Comparison ts16949 2002_qs9000
Comparison ts16949 2002_qs9000Comparison ts16949 2002_qs9000
Comparison ts16949 2002_qs9000
Omnex Inc.
 

Destaque (20)

Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processosTppp5   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Tppp5 02 - projeto de produtos, serviços e processos
 
Produtos e serviços - definições e processo de desenvolvimento
Produtos e serviços - definições e processo de desenvolvimentoProdutos e serviços - definições e processo de desenvolvimento
Produtos e serviços - definições e processo de desenvolvimento
 
Objetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho provaObjetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho prova
 
Aula 5 - Projeto de Produto
Aula 5 - Projeto de ProdutoAula 5 - Projeto de Produto
Aula 5 - Projeto de Produto
 
Gestão da Produção
Gestão da ProduçãoGestão da Produção
Gestão da Produção
 
APRESENTAÇÃO SOBRE PROJETOS DE PROCESSOS
APRESENTAÇÃO SOBRE PROJETOS DE PROCESSOSAPRESENTAÇÃO SOBRE PROJETOS DE PROCESSOS
APRESENTAÇÃO SOBRE PROJETOS DE PROCESSOS
 
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
 
Gestão de Processo - Layout
Gestão de Processo - LayoutGestão de Processo - Layout
Gestão de Processo - Layout
 
Aula1 - Introdução à disciplina Projeto de Produto
Aula1 - Introdução à disciplina Projeto de ProdutoAula1 - Introdução à disciplina Projeto de Produto
Aula1 - Introdução à disciplina Projeto de Produto
 
Aula1 - Projeto de Produto
Aula1 - Projeto de ProdutoAula1 - Projeto de Produto
Aula1 - Projeto de Produto
 
Modelo do Processo de Desenvolvimento de Produtos
Modelo do Processo de Desenvolvimento de ProdutosModelo do Processo de Desenvolvimento de Produtos
Modelo do Processo de Desenvolvimento de Produtos
 
Apresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviçosApresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviços
 
Gestão de Serviços
Gestão de ServiçosGestão de Serviços
Gestão de Serviços
 
Gestao De Projetos
Gestao De ProjetosGestao De Projetos
Gestao De Projetos
 
Enef8 03 séries não uni
Enef8 03   séries não uniEnef8 03   séries não uni
Enef8 03 séries não uni
 
Arte em vez de produção em massa
Arte em vez de produção em massaArte em vez de produção em massa
Arte em vez de produção em massa
 
Administração de Operações - Projeto Redes E Instalações
Administração de Operações - Projeto Redes E InstalaçõesAdministração de Operações - Projeto Redes E Instalações
Administração de Operações - Projeto Redes E Instalações
 
Aula4 - Design de Produto 2
Aula4 - Design de Produto 2Aula4 - Design de Produto 2
Aula4 - Design de Produto 2
 
Comparison ts16949 2002_qs9000
Comparison ts16949 2002_qs9000Comparison ts16949 2002_qs9000
Comparison ts16949 2002_qs9000
 

Semelhante a Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos

PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
Aragon Vieira
 
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROOElaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Jeovan Figueiredo
 
Treinamento de Introdução ao Gerenciamento de Projetos
Treinamento de Introdução ao Gerenciamento de ProjetosTreinamento de Introdução ao Gerenciamento de Projetos
Treinamento de Introdução ao Gerenciamento de Projetos
Cleiton Gomes Xavier
 
Desenvolvimento e gerenciamento de projetos aula 2022-1.pptx
Desenvolvimento e gerenciamento de projetos aula 2022-1.pptxDesenvolvimento e gerenciamento de projetos aula 2022-1.pptx
Desenvolvimento e gerenciamento de projetos aula 2022-1.pptx
AndersonSousa494049
 
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Ricardo Wagner De Farias
 
Aula_02_Frameworks_de_Gestao_de_Projetos.pptx
Aula_02_Frameworks_de_Gestao_de_Projetos.pptxAula_02_Frameworks_de_Gestao_de_Projetos.pptx
Aula_02_Frameworks_de_Gestao_de_Projetos.pptx
GeorgeoNocera2
 
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
Claudia Hofart Guzzo
 
Introdução a Gerência de Projetos_V0.ppt
Introdução a Gerência de Projetos_V0.pptIntrodução a Gerência de Projetos_V0.ppt
Introdução a Gerência de Projetos_V0.ppt
FrancielAmorim3
 
Tes ii aula 1 - unis
Tes ii   aula 1 - unisTes ii   aula 1 - unis
Tes ii aula 1 - unis
Andrea Alves
 
Gestão de Projetos e Ferramentas
Gestão de Projetos e FerramentasGestão de Projetos e Ferramentas
Gestão de Projetos e Ferramentas
Nei Grando
 
Conceitos basicos
Conceitos basicosConceitos basicos
Conceitos basicos
Wescley Sena
 
Aula01 Gerência de Projetos - Conceitos e áreas de conhecimento do PMBOK
Aula01 Gerência de Projetos - Conceitos e áreas de conhecimento do PMBOKAula01 Gerência de Projetos - Conceitos e áreas de conhecimento do PMBOK
Aula01 Gerência de Projetos - Conceitos e áreas de conhecimento do PMBOK
Daniela Brauner
 
Aula 1 - Introdução
Aula 1 - IntroduçãoAula 1 - Introdução
Aula 1 - Introdução
Matheus de Lara Calache
 
Aula 1 Analise e Projeto
Aula 1   Analise e ProjetoAula 1   Analise e Projeto
Aula 1 Analise e Projeto
Sergio Silva
 
Aula 1 analise e projeto
Aula 1   analise e projetoAula 1   analise e projeto
Aula 1 analise e projeto
Sergio Luiz da Silveira
 
Visão geral sobre gerenciamento de projetos
Visão geral sobre gerenciamento de projetosVisão geral sobre gerenciamento de projetos
Visão geral sobre gerenciamento de projetos
Marcos Sousa
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
Gilda Almeida Sandes
 
Engenharia do produto aula 1
Engenharia do produto   aula 1Engenharia do produto   aula 1
Engenharia do produto aula 1
Sara Marques
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
Gilda Almeida Sandes
 
Gestão projetos
Gestão projetosGestão projetos
Gestão projetos
Paulo Santos
 

Semelhante a Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos (20)

PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
 
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROOElaboração de Projetos Inovadores - ROO
Elaboração de Projetos Inovadores - ROO
 
Treinamento de Introdução ao Gerenciamento de Projetos
Treinamento de Introdução ao Gerenciamento de ProjetosTreinamento de Introdução ao Gerenciamento de Projetos
Treinamento de Introdução ao Gerenciamento de Projetos
 
Desenvolvimento e gerenciamento de projetos aula 2022-1.pptx
Desenvolvimento e gerenciamento de projetos aula 2022-1.pptxDesenvolvimento e gerenciamento de projetos aula 2022-1.pptx
Desenvolvimento e gerenciamento de projetos aula 2022-1.pptx
 
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
Gestão do Projeto de Design de Interação - Aula 6
 
Aula_02_Frameworks_de_Gestao_de_Projetos.pptx
Aula_02_Frameworks_de_Gestao_de_Projetos.pptxAula_02_Frameworks_de_Gestao_de_Projetos.pptx
Aula_02_Frameworks_de_Gestao_de_Projetos.pptx
 
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
Boas práticas de gerenciamento de projetos como estratégia para alcançar a in...
 
Introdução a Gerência de Projetos_V0.ppt
Introdução a Gerência de Projetos_V0.pptIntrodução a Gerência de Projetos_V0.ppt
Introdução a Gerência de Projetos_V0.ppt
 
Tes ii aula 1 - unis
Tes ii   aula 1 - unisTes ii   aula 1 - unis
Tes ii aula 1 - unis
 
Gestão de Projetos e Ferramentas
Gestão de Projetos e FerramentasGestão de Projetos e Ferramentas
Gestão de Projetos e Ferramentas
 
Conceitos basicos
Conceitos basicosConceitos basicos
Conceitos basicos
 
Aula01 Gerência de Projetos - Conceitos e áreas de conhecimento do PMBOK
Aula01 Gerência de Projetos - Conceitos e áreas de conhecimento do PMBOKAula01 Gerência de Projetos - Conceitos e áreas de conhecimento do PMBOK
Aula01 Gerência de Projetos - Conceitos e áreas de conhecimento do PMBOK
 
Aula 1 - Introdução
Aula 1 - IntroduçãoAula 1 - Introdução
Aula 1 - Introdução
 
Aula 1 Analise e Projeto
Aula 1   Analise e ProjetoAula 1   Analise e Projeto
Aula 1 Analise e Projeto
 
Aula 1 analise e projeto
Aula 1   analise e projetoAula 1   analise e projeto
Aula 1 analise e projeto
 
Visão geral sobre gerenciamento de projetos
Visão geral sobre gerenciamento de projetosVisão geral sobre gerenciamento de projetos
Visão geral sobre gerenciamento de projetos
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
 
Engenharia do produto aula 1
Engenharia do produto   aula 1Engenharia do produto   aula 1
Engenharia do produto aula 1
 
Gestão e gerência de projetos 2010
Gestão e gerência de projetos   2010Gestão e gerência de projetos   2010
Gestão e gerência de projetos 2010
 
Gestão projetos
Gestão projetosGestão projetos
Gestão projetos
 

Mais de Luciana C. L. Silva

Enef8 02 séries uni
Enef8 02   séries uniEnef8 02   séries uni
Enef8 02 séries uni
Luciana C. L. Silva
 
Enef8 01 introdução
Enef8 01  introduçãoEnef8 01  introdução
Enef8 01 introdução
Luciana C. L. Silva
 
Aula 4 pro5803 ref-teorico_parte21
Aula 4   pro5803 ref-teorico_parte21Aula 4   pro5803 ref-teorico_parte21
Aula 4 pro5803 ref-teorico_parte21
Luciana C. L. Silva
 
Aula 4 pro5803 filippini om research
Aula 4   pro5803 filippini om researchAula 4   pro5803 filippini om research
Aula 4 pro5803 filippini om research
Luciana C. L. Silva
 
Aula 3 pro5803 ref-teorico
Aula 3   pro5803 ref-teoricoAula 3   pro5803 ref-teorico
Aula 3 pro5803 ref-teorico
Luciana C. L. Silva
 
Aula 2 pro5803 problema-pesquisa
Aula 2   pro5803 problema-pesquisaAula 2   pro5803 problema-pesquisa
Aula 2 pro5803 problema-pesquisa
Luciana C. L. Silva
 
Aula 1 pro5803 introdução[1]
Aula 1   pro5803 introdução[1]Aula 1   pro5803 introdução[1]
Aula 1 pro5803 introdução[1]
Luciana C. L. Silva
 
Aula 5 pro5803 tipos-abordagenspesq
Aula 5   pro5803 tipos-abordagenspesqAula 5   pro5803 tipos-abordagenspesq
Aula 5 pro5803 tipos-abordagenspesq
Luciana C. L. Silva
 
Apostila metodologia
Apostila metodologiaApostila metodologia
Apostila metodologia
Luciana C. L. Silva
 
Aula 1 opt - estudo de caso 2
Aula 1   opt - estudo de caso 2Aula 1   opt - estudo de caso 2
Aula 1 opt - estudo de caso 2
Luciana C. L. Silva
 
Aula 1 473 - as funções da empresa
Aula 1   473 - as funções da empresaAula 1   473 - as funções da empresa
Aula 1 473 - as funções da empresa
Luciana C. L. Silva
 
Aula 1 opt - estudo de caso 3
Aula 1   opt - estudo de caso 3Aula 1   opt - estudo de caso 3
Aula 1 opt - estudo de caso 3
Luciana C. L. Silva
 
Aula 1 opt - estudo de caso 1
Aula 1   opt - estudo de caso 1Aula 1   opt - estudo de caso 1
Aula 1 opt - estudo de caso 1
Luciana C. L. Silva
 
Aula 1 opt - conceitos e princípios de ética
Aula 1   opt - conceitos e princípios de éticaAula 1   opt - conceitos e princípios de ética
Aula 1 opt - conceitos e princípios de ética
Luciana C. L. Silva
 
Cepp5 aula 01 - fundamentos de estatística
Cepp5   aula 01 - fundamentos de estatísticaCepp5   aula 01 - fundamentos de estatística
Cepp5 aula 01 - fundamentos de estatística
Luciana C. L. Silva
 
Tppp5 estudo de caso 1
Tppp5   estudo de caso 1Tppp5   estudo de caso 1
Tppp5 estudo de caso 1
Luciana C. L. Silva
 
Pp1 f8 estudo de caso 1
Pp1 f8   estudo de caso 1Pp1 f8   estudo de caso 1
Pp1 f8 estudo de caso 1
Luciana C. L. Silva
 
Apresentação 473
Apresentação 473Apresentação 473
Apresentação 473
Luciana C. L. Silva
 
Apresentação F8
Apresentação F8Apresentação F8
Apresentação F8
Luciana C. L. Silva
 
Apresentação F4
Apresentação F4Apresentação F4
Apresentação F4
Luciana C. L. Silva
 

Mais de Luciana C. L. Silva (20)

Enef8 02 séries uni
Enef8 02   séries uniEnef8 02   séries uni
Enef8 02 séries uni
 
Enef8 01 introdução
Enef8 01  introduçãoEnef8 01  introdução
Enef8 01 introdução
 
Aula 4 pro5803 ref-teorico_parte21
Aula 4   pro5803 ref-teorico_parte21Aula 4   pro5803 ref-teorico_parte21
Aula 4 pro5803 ref-teorico_parte21
 
Aula 4 pro5803 filippini om research
Aula 4   pro5803 filippini om researchAula 4   pro5803 filippini om research
Aula 4 pro5803 filippini om research
 
Aula 3 pro5803 ref-teorico
Aula 3   pro5803 ref-teoricoAula 3   pro5803 ref-teorico
Aula 3 pro5803 ref-teorico
 
Aula 2 pro5803 problema-pesquisa
Aula 2   pro5803 problema-pesquisaAula 2   pro5803 problema-pesquisa
Aula 2 pro5803 problema-pesquisa
 
Aula 1 pro5803 introdução[1]
Aula 1   pro5803 introdução[1]Aula 1   pro5803 introdução[1]
Aula 1 pro5803 introdução[1]
 
Aula 5 pro5803 tipos-abordagenspesq
Aula 5   pro5803 tipos-abordagenspesqAula 5   pro5803 tipos-abordagenspesq
Aula 5 pro5803 tipos-abordagenspesq
 
Apostila metodologia
Apostila metodologiaApostila metodologia
Apostila metodologia
 
Aula 1 opt - estudo de caso 2
Aula 1   opt - estudo de caso 2Aula 1   opt - estudo de caso 2
Aula 1 opt - estudo de caso 2
 
Aula 1 473 - as funções da empresa
Aula 1   473 - as funções da empresaAula 1   473 - as funções da empresa
Aula 1 473 - as funções da empresa
 
Aula 1 opt - estudo de caso 3
Aula 1   opt - estudo de caso 3Aula 1   opt - estudo de caso 3
Aula 1 opt - estudo de caso 3
 
Aula 1 opt - estudo de caso 1
Aula 1   opt - estudo de caso 1Aula 1   opt - estudo de caso 1
Aula 1 opt - estudo de caso 1
 
Aula 1 opt - conceitos e princípios de ética
Aula 1   opt - conceitos e princípios de éticaAula 1   opt - conceitos e princípios de ética
Aula 1 opt - conceitos e princípios de ética
 
Cepp5 aula 01 - fundamentos de estatística
Cepp5   aula 01 - fundamentos de estatísticaCepp5   aula 01 - fundamentos de estatística
Cepp5 aula 01 - fundamentos de estatística
 
Tppp5 estudo de caso 1
Tppp5   estudo de caso 1Tppp5   estudo de caso 1
Tppp5 estudo de caso 1
 
Pp1 f8 estudo de caso 1
Pp1 f8   estudo de caso 1Pp1 f8   estudo de caso 1
Pp1 f8 estudo de caso 1
 
Apresentação 473
Apresentação 473Apresentação 473
Apresentação 473
 
Apresentação F8
Apresentação F8Apresentação F8
Apresentação F8
 
Apresentação F4
Apresentação F4Apresentação F4
Apresentação F4
 

Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos

  • 1. PROJETO DE PRODUTOS, SERVIÇOS E PROCESSOS Disciplina: PP1F8 Prof. Luciana luciana@ifsp.edu.br
  • 2. O que é um projeto? Segundo Slack, não existe uma definição de projeto reconhecida universalmente. (SLACK, N et all, 2002) “Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido, sendo conduzido por pessoas dentro de parâmetros predefinidos de tempo, custo, recursos envolvidos e qualidade.”- (Vargas, R. ,2002) 2
  • 3. O que é um projeto? • Os pontos importantes sobre projetos são os seguintes. – O objetivo da atividade de projeto é satisfazer às necessidades dos consumidores. – A atividade de projeto aplica-se tanto a produtos (bens ou serviços) como a sistemas (que chamamos processos). – A atividade de projeto é em si mesma um processo de transformação. – O projeto começa com um conceito e termina na tradução desse conceito em uma especificação de algo que pode ser produzido. 3
  • 4. O que é um projeto? • Produtos individuais que satisfazem a uma necessidade pública ou de mercado: o automóvel, a televisão, o rádio, a geladeira, sapatos, meias, mas também a pintura, a escultura, a música e as muitas outras manifestações de expressão do artista. • Sistemas: o telefone, a ferrovia, a rodovia, o supermercado, a orquestra, o fornecimento de utilidades (gás, água e eletricidade), etc. 4
  • 5. Atividade de um Projeto em Produção • Prover produtos, serviços e processos que satisfarão os consumidores. • Projetos de produto/serviço X processo Inter-relacionados • No início da atividade de projeto, antes que demasiadas decisões fundamentais tenham sido tomadas, os custos de mudança são relativamente baixos. • A medida que o projeto progride, as mudanças tornam-se cada vez mais dispendiosas. • Criatividade e inovação são essenciais. 5
  • 6. Atenção e Influência da ação gerencial, impacto no tempo Fonte: Foster e Gluck (1979 appud HAYES; WHEELWRIGHT; CLARK, 1988) 6
  • 7. Projeto significa satisfazer às necessidades dos consumidores • A atividade de um projeto em produção tem como objetivo mais importante: prover produtos, serviços e processos que satisfarão aos consumidores. • Um processo implantado no local errado, com capacidade insuficiente, com um arranjo físico confuso ou desordenado, com tecnologia inadequada, ou com pessoal incapaz, não pode satisfazer aos consumidores, porque pode não desempenhar eficiente ou eficazmente. 7
  • 8. Impacto do projeto de produto/ serviço e processo nos objetivos de desempenho Objetivo de Influência de bom projeto de Influência de bom projeto de processo desempenho produto/serviço Pode eliminar tanto falhas potenciais Pode prover os recursos adequados para Qualidade como aspectos "propensos a erros" do produzir o produto ou serviço conforme suas produto ou serviço especificações de projeto Pode especificar produtos que podem Pode movimentar materiais, informações ou ser feitos rapidamente (por exemplo, clientes por meio de cada estágio do processo Rapidez usando princípios de projeto modular) sem demoras ou serviços que evitam demoras desnecessárias Pode ajudar a tornar previsível cada Pode fornecer tecnologia e pessoal que são Confiabilidade estágio do processo ao exigir processos intrinsecarnente confiáveis padronizados e previsíveis Pode permitir variações que Pode prover recursos que podem ser Flexibilidade proporcionam uma gama de produtos ou modificados rapidamente de forma a criar uma serviços oferecidos aos clientes gama de produtos ou serviços Pode reduzir custos de cada peça Pode assegurar alta utilização de recursos e, Custo componente do produto ou serviço e portanto, processos eficientes e de baixo custo também reduzir o custo de combiná-los 10
  • 9. Projeto Definição • Conjunto único e finito de atividades. • Para produzir um resultado definido. • Dentro de um prazo determinado. • Utilizando recursos específicos. 11
  • 10. Gestão de Projetos • É o processo de tomada de decisão. • Baseado em dados sistemáticos e objetivos. • Com a finalidade de maximizar a eficácia destas decisões . • Considerando os trade-offs. 12
  • 11. Trade-off • Trade-off ou tradeoff - É uma expressão que define uma situação em que há um conflito de escolha. • Ele se caracteriza em uma ação econômica que visa à resolução de problema mas acarreta outro, obrigando uma escolha. • Ocorre quando se abre mão de algum bem ou serviço distinto para se obter outro bem ou serviço distinto. 13
  • 13. Definição e Organização do Projeto Fatores de Sucesso do Projeto •Conhecer seus objetivos. •Conhecer as pessoas que irão colaborar para alcançá-los. •A forma através da qual elas interagirão. 15
  • 14. Organização do Projeto • Assegurar que todos os papéis e responsabilidades sejam compreendidos. • Assegurar que todos os membros da equipe estejam identificados e comprometidos com o esforço de projeto. 16
  • 15. Definição dos Parâmetros do Projeto • Assegura que as energias sejam empregadas no projeto certo. • Definido em termos de resultados esperados. • Escopo, cronograma e recursos alocados. • Utiliza linguagem simples. • É clara e concisa. • Idealmente, é visionária, criando um desafio. 17
  • 16. Planejamento do Projeto Subetapas Planejamento do Projeto Análise de Desenvolvimento Desenvolvimento Desenvolvimento Recursos e de Planos do WBS do Cronograma Trade-offs Gestão de Riscos 18
  • 17. Desenvolvimento do WBS • Work Breakdown Structure ou Estrutura Analítica do Trabalho. • É uma estrutura hierárquica de todo o trabalho requerido para alcançar o escopo do projeto. • Evita o esquecimento ou omissão de uma tarefa. 19
  • 18. Desenvolvimento do Cronograma • Quando as tarefas deverão ser feitas. • Qual a sequência das tarefas. • Métodos Pert e CPM e gráficos de Gantt são ferramentas. 20
  • 19. Análise de Recursos e Trade-offs • Fornece aos gerentes de projeto melhores informações sobre a situação de recursos. • É um elemento chave para o sucesso do projeto. • Formaliza e legitima o processo decisório. 21
  • 20. Desenvolvimento de Planos Gestão de Riscos • Chama a atenção para os riscos. • Necessidade de administrar os riscos. 22
  • 21. A Boeing traz seus passageiros a bordo no processo de projetar aeronaves.
  • 22. Inter-relação Produto X Processo • Frequentemente, tratamos o projeto de produtos e serviços por um lado e o projeto dos processos que os produzem por outro, como se fossem atividades separadas. • Entretanto, eles são claramente inter-relacionados. • Pequenas mudanças no projeto de produtos e serviços podem ter conseqüências profundas para o modo como a produção deve fazê-los. • Analogamente, o projeto de um processo pode restringir a liberdade dos projetistas de produto e serviço de operarem como desejam.
  • 24. A atividade de projeto é em si um processo de transformação
  • 25. A atividade de projeto é em si um processo de transformação • Os recursos de input a serem transformados consistirão principalmente em informações na forma de previsões e preferências de mercado, dados técnicos e assim por diante. • Os recursos de input transformadores na atividade de projeto incluem pessoal administrativo, de escritório e técnico, equipamentos de projeto como sistema de CAD e talvez equipamentos de desenvolvimento e teste.
  • 26. A atividade de projeto é em si um processo de transformação • Um projeto inicia-se como uma idéia mais geral do que poderia ser uma solução adequada para uma necessidade sentida. • Com o tempo, essa idéia ou "concepção", é refinada e detalhada até que contenha informação suficiente para ser transformada no produto, serviço ou processo real. • Isso tem duas conseqüências importantes.
  • 27. A atividade de projeto é em si um processo de transformação • A primeira é que a cada etapa as decisões de projeto reduzem o número de opções que continuarão disponíveis na atividade de projeto. • Por exemplo, decidir fazer a carcaça externa de uma câmera fotográfica em alumínio em vez de plástico limita decisões posteriores, como o tamanho e a forma geral da carcaça, o modo como o corpo é montado e o modo como a camada exterior é ligada à carcaça.
  • 28. A atividade de projeto é em si um processo de transformação • Isso significa que a incerteza em torno do projeto reduz-se à medida que diminui o número de alternativas consideradas. • Na realidade, a atividade de projeto pode ser considerada uma atividade que reduz progressivamente a incerteza com relação ao produto, serviço ou processo. • A figura a seguir indica o que é, algumas vezes, chamado de funil do projeto, ilustrando a redução progressiva de opções de projeto de muitas para uma.
  • 29. A atividade de projeto é em si um processo de transformação
  • 30. A atividade de projeto é em si um processo de transformação • A segunda consequência da evolução da concepção à especificação detalhada diz respeito ao custo de mudar-se a concepção de alguém a respeito de algum detalhe do projeto. • Na maior parte das etapas de projeto, o custo de mudar uma decisão implica a necessidade de algum modo de repensar e recalcular os custos da consequência da mudança. • Ainda no início da atividade de projeto, antes que demasiadas decisões fundamentais tenham sido tomadas, os custos de mudança são relativamente baixos. • Rapidamente, entretanto, à medida que o projeto progride, as decisões inter-relacionadas e cumulativas que são tomadas tornam-se cada vez mais dispendiosas para serem mudadas.
  • 31. Criatividade e opções de projeto • Cada vez mais, a criatividade é vista como um ingrediente essencial, não somente em projeto de produtos e serviços, mas também em projeto de processos de produção. • Devido parcialmente à natureza de mudanças rápidas de muitas indústrias, a falta de criatividade (e, consequentemente, de inovação) é vista como um sério risco.
  • 32. Criatividade e opções de projeto • Algumas organizações estão reconhecendo os ganhos crescentes obtidos da criatividade e inovação. • Isso é especialmente verdadeiro para o crescente número de empresas baseadas em tecnologia.
  • 33. Criatividade e opções de projeto • É claro que a criatividade pode ser muito cara. • Por sua natureza, envolve explorar possibilidades muitas vezes improváveis. • Muitas delas vão morrer quando provarem ser inadequadas. • Ainda assim, o processo de criatividade depende dessas investigações aparentemente inúteis.
  • 34. Criatividade e opções de projeto • Como salientou Art Fry, o inventor do Post-it da 3M: • "Você precisa beijar muitos sapos para achar um príncipe, mas lembre-se: um príncipe pode pagar por muitos sapos."
  • 35. Balanceando criatividade com avaliação • Criatividade é um elemento vital para um projeto eficaz, mas necessita ser balanceada por um processo de avaliação mais sistemático. • Avaliação em projeto significa avaliar o valor ou a importância de cada opção do projeto, de forma que possa ser escolhida uma. • Isso inclui avaliar cada opção em relação a alguns critérios de projeto.
  • 36. Balanceando criatividade com avaliação • Os critérios usados em cada projeto dependem da natureza e das circunstâncias, mas é útil pensar em termos de três categorias de critérios de projeto. 1. A viabilidade da opção de projeto - podemos fazê-la? 2. A aceitabilidade da opção de projeto - queremos fazê- la? 3. A vulnerabilidade de cada opção de projeto - queremos correr o risco?
  • 38. Balanceando criatividade com avaliação – Questões-chave: 40
  • 39. Simulação do projeto • O projeto envolve a tomada de decisões antes de o produto, serviço ou processo real ser criado. • Isso significa que frequentemente o projetista não está totalmente seguro das consequências de sua decisão. • Por exemplo, um projetista de sapatilha de corrida pode decidir sobre a construção da sapatilha ou um arquiteto sobre o arranjo físico de um edifício público, baseado na experiência prévia e nas teorias básicas.
  • 40. Simulação do projeto • Para aumentar sua própria confiança na decisão de projeto, entretanto, provavelmente tentarão simular como a sapatilha e o arranjo físico funcionariam na prática. • De algumas formas, a simulação é uma das abordagens mais fundamentais para a tomada de decisões.
  • 41. Simulação do projeto • O "modelo" de simulação pode tomar muitas formas. • No caso do projeto da sapatilha de corrida, o "modelo" poderia ser quase idêntico ao produto pretendido, exceto que teria sido feita uma única sapatilha-protótipo, em vez de produzido no sistema de manufatura que seria usado para o produto real.
  • 42. Simulação do projeto • A sapatilha-protótipo seria então flexionada vários milhões de vezes para simular uso prolongado. • No caso do edifício público, o arquiteto poderia projetar um "modelo" em computador que simularia o movimento de pessoas pelo edifício conforme a distribuição aleatória de probabilidades que descreve sua chegada e movimentação. • Isso poderia ser usado para prever onde o espaço físico poderia ficar demasiado cheio de gente ou onde o espaço excessivo poderia ser reduzido.
  • 43. Prototipagem • Outra forma de avaliar o produto antes de colocá-lo em produção é a geração de protótipos. • Antigamente, a geração de um protótipo era um processo lento e caro, pois envolvia verdadeiros artistas, que através de moldagem em argila ou material similar, “esculpiam” os protótipos. • Hoje, com o auxilio da tecnologia, já é possível criar protótipos por meio de impressoras 3D. 45
  • 44. A Realidade Virtual de Projeto • A realidade virtual, uma vez vista somente como meio de entretenimento de alta tecnologia, está estabelecendo-se como uma ferramenta poderosa, de projeto profissional tridimensional, com aplicações que incluem arquitetura, projetos de carros e o planejamento de operações cirúrgicas delicadas.
  • 45. A Realidade Virtual de Projeto • Proporciona ao projetista uma noção muito mais clara das posições relativas das partes individuais detalhadas do que é possível com representações bidimensionais estáticas. • Talvez mais importante, também permite que outros, especialmente o cliente ou usuário sem treinamento técnico, possam visualizar e sugerir modificações para o projeto antes que seja realizado algum trabalho na entidade física em questão.
  • 46. Projeto ecológico • Com os temas de proteção ambiental tornando-se cada vez mais importantes, os projetistas devem considerar cada vez mais as questões "verdes" em seu trabalho. • Em muitos países desenvolvidos, a legislação já providenciou alguns padrões básicos que restringem o uso de materiais tóxicos, limitam descargas poluentes no ar e na água e protegem os funcionários e o público de prejuízos de curto e longo prazo. • A maior parte dessas restrições afeta tanto o projeto e a operação de processos como o projeto dos próprios produtos. • O interesse focalizou alguns assuntos fundamentais:
  • 47. Projeto ecológico • As fontes de materiais usadas em um produto. – Danificarão as florestas? – Usarão minerais escassos? – Explorarão o pobre ou usarão trabalho infantil? • Quantidades e fontes de energia consumidas no processo. – As garrafas de plásticos para bebidas consomem mais energia do que as de vidro? – O calor rejeitado deve ser recuperado e usado na criação de peixes?
  • 48. Projeto ecológico • A quantidade e o tipo de material rejeitado que é gerado nos processos de manufatura. – Esse rejeito pode ser reciclado eficientemente ou deve ser queimado ou enterrado em aterros? – O rejeito terá impacto de longo prazo no ambiente à medida que se decompõe e se libera? • O tempo de vida do próprio produto. – Um produto com vida útil de 20 anos, consumirá menos recursos do que um que dura 5 anos, que será substituído 4 vezes no mesmo período. – O produto de longa vida, entretanto, pode exigir investimentos iniciais maiores e pode mostrar-se ineficiente na parte final de seu uso, quando os últimos produtos usam menos energia ou manutenção para funcionar.
  • 49. Projeto ecológico • O descarte do produto após sua vida útil. – O produto supérfluo será difícil de descartar de forma ecológica? – Poderia ser reciclado ou usado como fonte de energia? – Ainda poderia ser útil em condições de Terceiro Mundo? – Poderia ser usado para beneficiar o ambiente, assim como carros velhos que são usados para fazer arrecifes artificiais para a vida marítima?
  • 50. Projeto ecológico • Os projetistas confrontam-se com compromissos complexos entre esses fatores, embora não seja sempre fácil obter toda a informação necessária para fazer as "melhores" escolhas. • Por exemplo, é relativamente fácil projetar um produto de longa vida, usando material forte, componentes superdimensionados, ampla proteção contra corrosão e assim por diante. • Sua produção, entretanto, usa mais materiais e energia e poderia gerar mais rejeitos. • Para ajudar a tomar decisões mais racionais no processo de projeto, alguns setores estão experimentando a análise do ciclo de vida.
  • 51. Projeto ecológico • Essa técnica analisa todos os investimentos iniciais da produção, o ciclo de vida, o uso do produto e seu descarte final, em termos da energia total usada (e, mais recentemente, de todos os rejeitos emitidos, como dióxido de carbono, gases sulfurosos e nitrosos, solventes orgânicos, rejeitos sólidos etc.). • As entradas e rejeitos são avaliados em cada etapa de sua produção, começando com a extração ou produção das matérias-primas básicas.
  • 52. TIPOS DE PROCESSOS EM MANUFATURA E SERVIÇOS Cada tipo de processo em manufatura ou serviços implica em uma forma diferente de organizar as atividades das operações com diferentes características de volume variedade, variação de demanda e contato com o consumidor
  • 53. Tipos de Processos de Manufatura Projeto Baixo grau de repetição cada produto deve compartilhar Jobbing os recursos da operação com outros Lote ou Bateladas Cada parte da operação tem períodos em que se Em Massa está repetindo, enquanto o Contínuo “lote” está sendo processado Variedade Nas operações em massa as diferentes variantes de um produto não afetam o processo Tecnologias inflexíveis, de capital básico de produção intensivo, com fluxo altamente previsível Volume 57
  • 57. LOTES
  • 58. MASSA
  • 60. 64
  • 61. 65
  • 62. 66
  • 63. Tipos de Processos de Serviço Ênfase em: pessoas front office Alto grau de: contato personalização autonomia Loja de Serviços banco ( pessoa física) restaurantes hotelaria Ênfase em: varejo em geral Variedade equipamentos Serviços de Massa back room transporte urbano Baixo grau de: cartão de crédito contato comunicações personalização varejo de revistas autonomia Volume 67
  • 64. Tipos de Processos em SERVIÇOS - PROFISSIONAIS Alto contato; Customização Ex: Advogado, Consultor, Arquiteto, Cirurgião, etc...
  • 65. Tipos de Processos em SERVIÇOS – Lojas de Serviços Ex: Restaurantes, Escolas, Locadoras de Automóveis, Hotéis...
  • 66. Tipos de Processos em SERVIÇOS -MASSA • muitas transações de clientes; • tempo de contato limitado; • pouca customização; • baseado em equipamentos; • orientados para o “produto”. • Ex: Supermercado, Aeroporto, Ônibus, Metrô, Trem, Livraria, Emissora de TV, serviços de telecomunicação...
  • 67. Padronização e modularização • As operações muitas vezes tentam vencer as penalidades de custos de uma alta variedade por meio da padronização de seus produtos, serviços ou processos. • Isso permite que as operações restrinjam a variedade até a medida que representa valor real para o consumidor final. Na verdade, a padronização é uma forma de movimentar as operações para baixo na escala volume-variedade. 71
  • 68. Padronização e modularização • Geralmente, são os outputs das operações que são padronizados. Exemplos disso são os restaurantes de comida fastfood. Muitas empresas melhoraram significativamente sua lucratividade por meio de uma cautelosa redução da variedade. • A padronização de inputs para uma operação pode também reduzir sua complexidade e, portanto, seus custos. • A padronização de componentes, por exemplo, em um produto manufaturado, pode simplificar as tarefas de compras, manufatura e manutenção. • A padronização do formato de inputs da informação em um processo pode ser alcançada ao usar formulários projetados ou formatos de tela. 72
  • 69. Padronização e modularização • Modularização: – O uso de princípios de projeto modular envolve o projeto de subcomponentes padronizados de um produto ou serviço, que podem ser montados de diferentes formas. – Esses módulos padronizados, ou submontagens, podem ser produzidos em volume maior, dessa forma reduzindo seus custos. – Ex: Hamburgueres do Burguer King, Sorvetes do McDonald’s, Maçaneta dos carros, Computadores... 73

Notas do Editor

  1. Explicações nas páginas 129 e 130 do livro texto.
  2. Explicações nas páginas 131 e 132 do livro texto.