SlideShare uma empresa Scribd logo
A POLÍTICA ECONÓMICA POMBALINA
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Em 1750, a conjuntura
económica era adversa:
excessiva dependência da economia
nacional face à Inglaterra;
elevado défice da balança comercial;
diminuição do afluxo do ouro e dos
diamantes;
dificuldade de colocação dos produtos
coloniais no mercado internacional;
produção manufatureira reduzida e de
fraca qualidade, asfixiada pela
concorrência inglesa;
comércio colonial sujeito à concorrência
e aos interesses estrangeiros;
agricultura atrasada e pouco produtiva;
perda de qualidade, baixa de preço e
recuo das exportações dos vinhos;
D. José I
Reformas económicas com o objetivo de:
Diminuir as importações e reduzir a dependência face aos ingleses;
Desenvolver a produção manufatureira;
Retirar o controlo do comércio nacional aos estrangeiros;
Aumentar a produção agrícola;
Tornar o comércio colonial mais rentável;
Equilibrar a balança comercial, promovendo a criação de riqueza.
Marquês de Pombal
Medidas de cariz mercantilista
Criou companhias comerciais monopolistas na metrópole, apoiadas pelo Estado:
Companhia para a Agricultura das
Vinhas do Alto Douro (assegurar a
produção e qualidade do vinho);
Companhia Geral das Reais
Pescas do Algarve (controlar a pesca
da sardinha, corvina e atum);
Companhia da Ásia (comércio com o Oriente);
Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão (desenvolvimento do
comércio e da agricultura; controla o tráfico negreiro);
Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba
(promoção da agricultura, construção de embarcações comerciais e de guerra);
Para o comércio:
Reforçar e centrar no Reino os interesses comerciais;
Articular o comércio da metrópole com o ultramar;
Enfrentar a concorrência estrangeira;
O sucesso das companhias comerciais monopolistas dependeu da criação, em 1755, da Junta do Comércio
Regular e fiscalizar as práticas mercantilistas
e o comércio do ultramar;
garantia e supervisionava a atividade
mercantil;
Fiscalizar as importações e impedir o
contrabando;
Melhorou a organização do comércio;
Possibilitou o aumento da produção e
das exportações;
Fez crescer as exportações e equilibrar
a balança comercial;
Funções: Resultados:
Para a indústria:
fomentou o desenvolvimento de manufaturas;
criou novas fábricas, com o apoio estatal;
concedeu privilégios e subsídios a privados;
recorreu a mão de obra estrangeira
especializada;
reformou as corporações que resistiam
à inovação.
Política social:
Valorização da alta burguesia, considerada a base social
do desenvolvimento económico;
Defesa dos interesses dos grandes comerciantes,
concedendo-lhes privilégios;
Reconhecimento do comércio como atividade nobre;
Concessão de um estatuto social elevado à alta
burguesia;
Promoção e criação de uma nova nobreza (a
nobreza pombalina oriunda da alta burguesia);
Consolidação da situação da alta burguesia, no
domínio
do comércio e nas profissões liberais;
Abolição da distinção entre cristãos-novos e
cristãos-velhos;
Nova nobreza fica ao serviço do Estado:
• Recebe uma educação própria (Real Colégio dos Nobres);
• Exerce novas funções (incentivo à prática das atividades comerciais);
• Melhora a sua situação económica (casamento com famílias ricas originárias dos cristãos-novos;
Perseguição à alta nobreza (que viu os seus poderes limitados) e ao clero (que foi
subordinado à vontade régia)
Controlo social e repressão nos setores populares
A prosperidade comercial nos finais do século XVIII
As políticas económicas do marquês de Pombal
produziram efeitos positivos, mesmo para além
do seu afastamento do governo:
O saldo da balança comercial melhorou;
1780: pela primeira vez, em cerca de um século,
Portugal vendeu à Inglaterra mais do que
comprou;
O saldo positivo teve tendência a manter-se, de
forma irregular, até ao início do século XIX.
O saldo positivo na balança comercial foi consequência:
do fomento manufatureiro;
do aumento da produção agrícola com a
introdução
de novos produtos (milho, arroz e batata);
do incremento da indústria do sal e das pescas;
do exclusivo colonial que protegeu o comércio
português;
de uma conjuntura externa que fragilizou as principais
economias europeias (Guerra da Independência Americana; Revolução Francesa).
A prosperidade comercial de finais do século XVIII assentou:
no Brasil, que manteve acrescida importância na
economia portuguesa, não devido ao ouro ou diamantes,
mas aos produtos agrícolas e matérias-primas;
no comércio com África, nomeadamente Angola,
base do tráfico de escravos que aumentou a partir de 1790.
A reanimação da Rota do cabo (enquanto durou o conflito entre Inglaterra e as
colónias americanas);
Créditos: Areal Ed.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
Catarina Castro
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Susana Simões
 
1ª RepúBlica
1ª RepúBlica1ª RepúBlica
1ª RepúBlica
crie_historia9
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
Rui Neto
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
Vítor Santos
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
Vítor Santos
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
home
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 
Portugal: Da 1ª república à ditadura militar
Portugal: Da 1ª república à ditadura militarPortugal: Da 1ª república à ditadura militar
Portugal: Da 1ª república à ditadura militar
AnaM187
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
Salazarismo
SalazarismoSalazarismo
Salazarismo
Inês Oliveira
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
Maria Gomes
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
1ª RepúBlica
1ª RepúBlica1ª RepúBlica
1ª RepúBlica
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
O Despotismo Pombalino
O  Despotismo  PombalinoO  Despotismo  Pombalino
O Despotismo Pombalino
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
 
Portugal: Da 1ª república à ditadura militar
Portugal: Da 1ª república à ditadura militarPortugal: Da 1ª república à ditadura militar
Portugal: Da 1ª república à ditadura militar
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
Salazarismo
SalazarismoSalazarismo
Salazarismo
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
 

Semelhante a Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.

História- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escolaHistória- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escola
MariaCaneira1
 
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºjO mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
slidjuu
 
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºjO mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
slidjuu
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- ResumosTriunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Nome Sobrenome
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptxTriunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
JoanaPiresFernandes
 
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18)  e os sistemas económicos.Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18)  e os sistemas económicos.
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.
Pedro Rocha Da Silva
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Susana Simões
 
Absolutismo 8
Absolutismo 8Absolutismo 8
Absolutismo 8
Jorge Basílio
 
portugal 1850.pptx
portugal 1850.pptxportugal 1850.pptx
portugal 1850.pptx
CarlosAraujo428034
 
Revoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonialRevoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonial
Fatima Freitas
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
História - Da crise à descoberta do ouro no Brasil. Conde da Ericeira
História -  Da crise à descoberta do ouro no Brasil. Conde da EriceiraHistória -  Da crise à descoberta do ouro no Brasil. Conde da Ericeira
História - Da crise à descoberta do ouro no Brasil. Conde da Ericeira
Sara Silva
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
ssuser09e9db
 

Semelhante a Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista. (20)

História- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escolaHistória- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escola
 
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºjO mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
O mercantilismo historia A joana aleida 11ºj
 
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºjO mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
O mercantilismo histopria a joana aleida 11ºj
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- ResumosTriunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos séculos XVII e XVIII- Resumos
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptxTriunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
Triunfo dos Estados e dinâmicas económicas nos século XVII e XVIII.pptx
 
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18)  e os sistemas económicos.Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18)  e os sistemas económicos.
Os Estados dos séculos XVII(17) e XVIII(18) e os sistemas económicos.
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
Absolutismo 8
Absolutismo 8Absolutismo 8
Absolutismo 8
 
portugal 1850.pptx
portugal 1850.pptxportugal 1850.pptx
portugal 1850.pptx
 
Revoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonialRevoltas no brasil colonial
Revoltas no brasil colonial
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
História - Da crise à descoberta do ouro no Brasil. Conde da Ericeira
História -  Da crise à descoberta do ouro no Brasil. Conde da EriceiraHistória -  Da crise à descoberta do ouro no Brasil. Conde da Ericeira
História - Da crise à descoberta do ouro no Brasil. Conde da Ericeira
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
6.Economia europeia e portuguesa - mercantilismo (1).pdf
 

Mais de Susana Simões

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
Susana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Susana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
Susana Simões
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
Susana Simões
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
Susana Simões
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
Susana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
Susana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
Susana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
Susana Simões
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
Susana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
Susana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
Susana Simões
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.

  • 3. Em 1750, a conjuntura económica era adversa: excessiva dependência da economia nacional face à Inglaterra; elevado défice da balança comercial; diminuição do afluxo do ouro e dos diamantes; dificuldade de colocação dos produtos coloniais no mercado internacional; produção manufatureira reduzida e de fraca qualidade, asfixiada pela concorrência inglesa; comércio colonial sujeito à concorrência e aos interesses estrangeiros; agricultura atrasada e pouco produtiva; perda de qualidade, baixa de preço e recuo das exportações dos vinhos;
  • 4. D. José I Reformas económicas com o objetivo de: Diminuir as importações e reduzir a dependência face aos ingleses; Desenvolver a produção manufatureira; Retirar o controlo do comércio nacional aos estrangeiros; Aumentar a produção agrícola; Tornar o comércio colonial mais rentável; Equilibrar a balança comercial, promovendo a criação de riqueza.
  • 5. Marquês de Pombal Medidas de cariz mercantilista
  • 6. Criou companhias comerciais monopolistas na metrópole, apoiadas pelo Estado: Companhia para a Agricultura das Vinhas do Alto Douro (assegurar a produção e qualidade do vinho); Companhia Geral das Reais Pescas do Algarve (controlar a pesca da sardinha, corvina e atum); Companhia da Ásia (comércio com o Oriente); Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão (desenvolvimento do comércio e da agricultura; controla o tráfico negreiro); Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba (promoção da agricultura, construção de embarcações comerciais e de guerra); Para o comércio: Reforçar e centrar no Reino os interesses comerciais; Articular o comércio da metrópole com o ultramar; Enfrentar a concorrência estrangeira;
  • 7. O sucesso das companhias comerciais monopolistas dependeu da criação, em 1755, da Junta do Comércio Regular e fiscalizar as práticas mercantilistas e o comércio do ultramar; garantia e supervisionava a atividade mercantil; Fiscalizar as importações e impedir o contrabando; Melhorou a organização do comércio; Possibilitou o aumento da produção e das exportações; Fez crescer as exportações e equilibrar a balança comercial; Funções: Resultados:
  • 8. Para a indústria: fomentou o desenvolvimento de manufaturas; criou novas fábricas, com o apoio estatal; concedeu privilégios e subsídios a privados; recorreu a mão de obra estrangeira especializada; reformou as corporações que resistiam à inovação.
  • 9. Política social: Valorização da alta burguesia, considerada a base social do desenvolvimento económico; Defesa dos interesses dos grandes comerciantes, concedendo-lhes privilégios; Reconhecimento do comércio como atividade nobre; Concessão de um estatuto social elevado à alta burguesia; Promoção e criação de uma nova nobreza (a nobreza pombalina oriunda da alta burguesia); Consolidação da situação da alta burguesia, no domínio do comércio e nas profissões liberais; Abolição da distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos;
  • 10. Nova nobreza fica ao serviço do Estado: • Recebe uma educação própria (Real Colégio dos Nobres); • Exerce novas funções (incentivo à prática das atividades comerciais); • Melhora a sua situação económica (casamento com famílias ricas originárias dos cristãos-novos; Perseguição à alta nobreza (que viu os seus poderes limitados) e ao clero (que foi subordinado à vontade régia) Controlo social e repressão nos setores populares
  • 11. A prosperidade comercial nos finais do século XVIII As políticas económicas do marquês de Pombal produziram efeitos positivos, mesmo para além do seu afastamento do governo: O saldo da balança comercial melhorou; 1780: pela primeira vez, em cerca de um século, Portugal vendeu à Inglaterra mais do que comprou; O saldo positivo teve tendência a manter-se, de forma irregular, até ao início do século XIX.
  • 12. O saldo positivo na balança comercial foi consequência: do fomento manufatureiro; do aumento da produção agrícola com a introdução de novos produtos (milho, arroz e batata); do incremento da indústria do sal e das pescas; do exclusivo colonial que protegeu o comércio português; de uma conjuntura externa que fragilizou as principais economias europeias (Guerra da Independência Americana; Revolução Francesa).
  • 13. A prosperidade comercial de finais do século XVIII assentou: no Brasil, que manteve acrescida importância na economia portuguesa, não devido ao ouro ou diamantes, mas aos produtos agrícolas e matérias-primas; no comércio com África, nomeadamente Angola, base do tráfico de escravos que aumentou a partir de 1790. A reanimação da Rota do cabo (enquanto durou o conflito entre Inglaterra e as colónias americanas);