SlideShare uma empresa Scribd logo
O Despotismo Esclarecido ou Iluminado


 No século XVIII, desenvolveu-se na Europa (Áustria, Prússia e Rússia) uma nova
concepção do absolutismo, o chamado despotismo esclarecido ou iluminado:




       Nova concepção do absolutismo, segundo a qual o rei, cujo poder era
       “esclarecido” ou “iluminado” pela Razão, deveria reforçar e centralizar o
       seu poder de modo a governar em favor do bem-estar e do progresso do
       povo.




 Em Portugal, o despotismo esclarecido ou iluminado foi aplicado no reinado de D. José
I (1750-1777), por intermédio de Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de
Pombal.
O reforço do poder do Estado



 O grande objectivo do Marquês de Pombal era fortalecer o poder do Estado e
modernizar a administração. Nesse sentido, Pombal:

    - criou o Erário Régio (organismo que superintendia as finanças do Reino);

    - criou a Real Mesa Censória (substituta da Inquisição na censura à imprensa);

    - criou a Intendência-Geral da Polícia;

    - reorganizou o exército;

    - reorganizou os impostos;

    - reformou o ensino e a Inquisição;

    - aboliu a distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos.
A submissão dos grupos privilegiados e a promoção da burguesia


 Para fortalecer o poder do Estado e modernizar a administração, Pombal teve que
proceder, por um lado, à submissão da alta nobreza e da Companhia de Jesus e, por
outro, à promoção da burguesia e da pequena nobreza:

    - Vários membros da alta nobreza foram perseguidos, presos e condenados à morte
    (ex: a família dos Távoras, acusados de tentarem assassinar o rei D. José I em
    1758), outros viram os seus bens confiscados;

    - Os Jesuítas foram expulsos de Portugal e dos territórios ultramarinos, em 1759,
    devido a resistirem à autoridade do Estado e ao facto de constituírem um obstáculo
    às reformas do ensino, que estava nas suas mãos;

    - À burguesia (ligada às companhias comerciais, ao comércio com o Brasil e aos
    vinhos do Douro) e a uma parte da pequena nobreza concedeu muitos privilégios e
    foi com eles que constituiu uma elite social que o ajudou na sua política de
    centralização do poder e de modernização da administração e da economia.
A política económica: o desenvolvimento comercial e manufactureiro


 Para resolver a crise económica que afectava Portugal, apesar do grande afluxo de ouro
brasileiro no reinado de D. João V, o Marquês de Pombal retomou a política mercantilista
e tomou uma série de medidas para desenvolver o comércio e as manufacturas nacionais
e para libertar o país da dependência económica em relação à Inglaterra:



 Medidas para o desenvolvimento comercial (1753 a 1759):
• Fundou a Junta do Comércio (organismo que controlava o comércio e as indústrias);
• Criou grandes companhias de comércio, às quais concedeu o monopólio do comércio
em determinadas zonas ou de determinados produtos:
      Companhia da Ásia Portuguesa (1753);
      Companhia do Grão-Pará e Maranhão (1755);
      Companhia do Pernambuco e Paraíba (1759);
      Companhia Real da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756);
      Companhia de Pescas do Algarve (1773);
• Proibiu a cultura da vinha em terras próprias para os cereais.
 Medidas para o desenvolvimento das manufacturas (1764 a 1775):
• Concedeu às manufacturas o monopólio da produção de determinados artigos;
• Baixou as taxas alfandegárias sobre as importações de matérias-primas;
• Criou e renovou oficinas e manufacturas;
• Reorganizou as fábricas reais de lanifícios e a Real Fábrica da Seda;
• Financiou a criação de fábricas de vidros (Marinha Grande), louças, cutelarias, fundição,
papel e outras;
• Fundou a primeira fábrica de refinação de açúcar.
A cidade como imagem do poder: o urbanismo pombalino

O Terramoto de 1755


    Data: ________________________________________________________________
            1 de Novembro de 1755, cerca das 9h30m.



    Acontecimento: _________________________________________________________
                    Terramoto, seguido de um maremoto (Tsunami), que atingiu principalmente
                     Lisboa, Setúbal e várias localidades do Algarve.
                    _________________________________________________________


    Consequências: ________________________________________________________
                   Morte de mais de 10 mil pessoas (numa população de 260 mil) e destruição de
                    ________________________________________________________
                    muitos edifícios, monumentos, tesouros e obras de arte.



    A acção do Marquês de Pombal:
      ▪ _________________________________________________________________
        Mandou enterrar os mortos e socorrer os feridos;
      ▪ _________________________________________________________________
        Mandou policiar as ruas e os edifícios mais importantes para evitar os roubos;
      ▪ _________________________________________________________________
        Mandou elaborar um plano de reconstrução de Lisboa:
          - ruas largas e geométricas com passeios calcetados;
            ______________________________________________________________
          - casas com fachadas iguais, da mesma altura e com estrutura anti-sismo (sistema de gaiola);
            ______________________________________________________________
          - rede geral de esgotos;
            ______________________________________________________________
          - reconstrução do Terreiro do Paço que passou a chamar-se Praça do Comércio.
            ______________________________________________________________
FIM




Rui Manuel da Costa Neto
A execução dos Távoras (alguns membros desta família foram executados publicamente, em
1759, sob a acusação de terem participado na tentativa de assassinato do rei D. José I).
A expulsão dos Jesuítas de Portugal.
Interior do Convento do Carmo após o terramoto de 1755.




O terramoto destruiu o Paço Real da Ribeira, os armazéns da Casa da Índia e cerca de 15 000
casas (das 20 mil existentes), 35 igrejas (antes eram 40), todos os 6 hospitais e 33 palácios.
Os principais responsáveis pelo plano de
reconstrução de Lisboa foram Carlos Mardel,
Eugénio dos Santos e Manuel da Maia.
Edifícios com fachadas iguais
                                 e da mesma altura na Rua
                                           Augusta.




Estrutura anti-sismo: sistema
          de gaiola.
O  Despotismo  Pombalino

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
JoanaRitaSilva
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
PAFB
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
Carla Freitas
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
diariohistoria
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Laboratório de História
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
Carina Vale
 
Absolutismo joanino
Absolutismo joaninoAbsolutismo joanino
Absolutismo joanino
patriciafrocha
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
Teresa Maia
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
Carla Freitas
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de Pombal
guest985edebc
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no Ensino
RaQuel Oliveira
 
Reformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educaçãoReformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educação
Maria Gomes
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
Vítor Santos
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 

Mais procurados (20)

Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
Absolutismo joanino
Absolutismo joaninoAbsolutismo joanino
Absolutismo joanino
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
Marquês de Pombal
Marquês de PombalMarquês de Pombal
Marquês de Pombal
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no Ensino
 
Reformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educaçãoReformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educação
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 

Semelhante a O Despotismo Pombalino

32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
Carla Freitas
 
Lisboa Pombalina
Lisboa PombalinaLisboa Pombalina
Lisboa Pombalina
Beatriz Moscatel
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
borgia
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
borgia
 
Reinado D.José I
Reinado D.José IReinado D.José I
Reinado D.José I
Miguel Jorge
 
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
cristianoperinpissolato
 
Apresentação1 terramoto
Apresentação1 terramotoApresentação1 terramoto
Apresentação1 terramoto
Carla Teixeira
 
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIIIPortugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Ana Beatriz Gonçalves
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
Carlos Pinheiro
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
Marques de pombal
Marques de pombalMarques de pombal
Marques de pombal
Luã Lança
 
O projecto pombalino de inspiração iluminista
O projecto pombalino de inspiração iluministaO projecto pombalino de inspiração iluminista
O projecto pombalino de inspiração iluminista
Carla Teixeira
 
O iluminismo pombalino
O iluminismo pombalinoO iluminismo pombalino
O iluminismo pombalino
cattonia
 
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptxCrise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Alex Fonte
 
Resumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo RegimeResumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo Regime
Maria Catarina Santos
 
Resumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo RegimeResumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo Regime
Maria Catarina Santos
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluminista
Stelian Ravas
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
Maria Luiza
 
O império colonial português do séc
O império colonial português do sécO império colonial português do séc
O império colonial português do séc
Silvia Lino
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 

Semelhante a O Despotismo Pombalino (20)

32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
 
Lisboa Pombalina
Lisboa PombalinaLisboa Pombalina
Lisboa Pombalina
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
 
O despotismo pombalino
O despotismo pombalinoO despotismo pombalino
O despotismo pombalino
 
Reinado D.José I
Reinado D.José IReinado D.José I
Reinado D.José I
 
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
 
Apresentação1 terramoto
Apresentação1 terramotoApresentação1 terramoto
Apresentação1 terramoto
 
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIIIPortugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
Portugal na Segunda Metade do Sé.XVIII
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
Marques de pombal
Marques de pombalMarques de pombal
Marques de pombal
 
O projecto pombalino de inspiração iluminista
O projecto pombalino de inspiração iluministaO projecto pombalino de inspiração iluminista
O projecto pombalino de inspiração iluminista
 
O iluminismo pombalino
O iluminismo pombalinoO iluminismo pombalino
O iluminismo pombalino
 
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptxCrise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
Crise do Antigo Regime Colonial Revoltas Nativistas e Período Pombalino.pptx
 
Resumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo RegimeResumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo Regime
 
Resumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo RegimeResumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo Regime
 
O projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluministaO projeto pombalino de inspiração iluminista
O projeto pombalino de inspiração iluminista
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
O império colonial português do séc
O império colonial português do sécO império colonial português do séc
O império colonial português do séc
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 

Mais de Rui Neto

Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
Rui Neto
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
Rui Neto
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
Rui Neto
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Rui Neto
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Rui Neto
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
Rui Neto
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Rui Neto
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
Rui Neto
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
Rui Neto
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Rui Neto
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da Independência
Rui Neto
 

Mais de Rui Neto (11)

Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
A 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlicaA 1ª RepúBlica
A 1ª RepúBlica
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
A Revolução Científica
A Revolução CientíficaA Revolução Científica
A Revolução Científica
 
O Barroco
O BarrocoO Barroco
O Barroco
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
A Restauração Da Independência
A Restauração Da IndependênciaA Restauração Da Independência
A Restauração Da Independência
 

O Despotismo Pombalino

  • 1.
  • 2. O Despotismo Esclarecido ou Iluminado  No século XVIII, desenvolveu-se na Europa (Áustria, Prússia e Rússia) uma nova concepção do absolutismo, o chamado despotismo esclarecido ou iluminado: Nova concepção do absolutismo, segundo a qual o rei, cujo poder era “esclarecido” ou “iluminado” pela Razão, deveria reforçar e centralizar o seu poder de modo a governar em favor do bem-estar e do progresso do povo.  Em Portugal, o despotismo esclarecido ou iluminado foi aplicado no reinado de D. José I (1750-1777), por intermédio de Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal.
  • 3. O reforço do poder do Estado  O grande objectivo do Marquês de Pombal era fortalecer o poder do Estado e modernizar a administração. Nesse sentido, Pombal: - criou o Erário Régio (organismo que superintendia as finanças do Reino); - criou a Real Mesa Censória (substituta da Inquisição na censura à imprensa); - criou a Intendência-Geral da Polícia; - reorganizou o exército; - reorganizou os impostos; - reformou o ensino e a Inquisição; - aboliu a distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos.
  • 4. A submissão dos grupos privilegiados e a promoção da burguesia  Para fortalecer o poder do Estado e modernizar a administração, Pombal teve que proceder, por um lado, à submissão da alta nobreza e da Companhia de Jesus e, por outro, à promoção da burguesia e da pequena nobreza: - Vários membros da alta nobreza foram perseguidos, presos e condenados à morte (ex: a família dos Távoras, acusados de tentarem assassinar o rei D. José I em 1758), outros viram os seus bens confiscados; - Os Jesuítas foram expulsos de Portugal e dos territórios ultramarinos, em 1759, devido a resistirem à autoridade do Estado e ao facto de constituírem um obstáculo às reformas do ensino, que estava nas suas mãos; - À burguesia (ligada às companhias comerciais, ao comércio com o Brasil e aos vinhos do Douro) e a uma parte da pequena nobreza concedeu muitos privilégios e foi com eles que constituiu uma elite social que o ajudou na sua política de centralização do poder e de modernização da administração e da economia.
  • 5. A política económica: o desenvolvimento comercial e manufactureiro  Para resolver a crise económica que afectava Portugal, apesar do grande afluxo de ouro brasileiro no reinado de D. João V, o Marquês de Pombal retomou a política mercantilista e tomou uma série de medidas para desenvolver o comércio e as manufacturas nacionais e para libertar o país da dependência económica em relação à Inglaterra:  Medidas para o desenvolvimento comercial (1753 a 1759): • Fundou a Junta do Comércio (organismo que controlava o comércio e as indústrias); • Criou grandes companhias de comércio, às quais concedeu o monopólio do comércio em determinadas zonas ou de determinados produtos:  Companhia da Ásia Portuguesa (1753);  Companhia do Grão-Pará e Maranhão (1755);  Companhia do Pernambuco e Paraíba (1759);  Companhia Real da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756);  Companhia de Pescas do Algarve (1773); • Proibiu a cultura da vinha em terras próprias para os cereais.
  • 6.  Medidas para o desenvolvimento das manufacturas (1764 a 1775): • Concedeu às manufacturas o monopólio da produção de determinados artigos; • Baixou as taxas alfandegárias sobre as importações de matérias-primas; • Criou e renovou oficinas e manufacturas; • Reorganizou as fábricas reais de lanifícios e a Real Fábrica da Seda; • Financiou a criação de fábricas de vidros (Marinha Grande), louças, cutelarias, fundição, papel e outras; • Fundou a primeira fábrica de refinação de açúcar.
  • 7. A cidade como imagem do poder: o urbanismo pombalino O Terramoto de 1755 Data: ________________________________________________________________ 1 de Novembro de 1755, cerca das 9h30m. Acontecimento: _________________________________________________________ Terramoto, seguido de um maremoto (Tsunami), que atingiu principalmente Lisboa, Setúbal e várias localidades do Algarve. _________________________________________________________ Consequências: ________________________________________________________ Morte de mais de 10 mil pessoas (numa população de 260 mil) e destruição de ________________________________________________________ muitos edifícios, monumentos, tesouros e obras de arte. A acção do Marquês de Pombal: ▪ _________________________________________________________________ Mandou enterrar os mortos e socorrer os feridos; ▪ _________________________________________________________________ Mandou policiar as ruas e os edifícios mais importantes para evitar os roubos; ▪ _________________________________________________________________ Mandou elaborar um plano de reconstrução de Lisboa: - ruas largas e geométricas com passeios calcetados; ______________________________________________________________ - casas com fachadas iguais, da mesma altura e com estrutura anti-sismo (sistema de gaiola); ______________________________________________________________ - rede geral de esgotos; ______________________________________________________________ - reconstrução do Terreiro do Paço que passou a chamar-se Praça do Comércio. ______________________________________________________________
  • 8. FIM Rui Manuel da Costa Neto
  • 9. A execução dos Távoras (alguns membros desta família foram executados publicamente, em 1759, sob a acusação de terem participado na tentativa de assassinato do rei D. José I).
  • 10. A expulsão dos Jesuítas de Portugal.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Interior do Convento do Carmo após o terramoto de 1755. O terramoto destruiu o Paço Real da Ribeira, os armazéns da Casa da Índia e cerca de 15 000 casas (das 20 mil existentes), 35 igrejas (antes eram 40), todos os 6 hospitais e 33 palácios.
  • 14. Os principais responsáveis pelo plano de reconstrução de Lisboa foram Carlos Mardel, Eugénio dos Santos e Manuel da Maia.
  • 15. Edifícios com fachadas iguais e da mesma altura na Rua Augusta. Estrutura anti-sismo: sistema de gaiola.