SlideShare uma empresa Scribd logo
História A - Módulo 6
A civilização industrial – economia e sociedade;
nacionalismos e choques imperialistas
Unidade 1
As transformações económicas na Europa e no
Mundo
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
Módulo 6, História A 2
A Expansão da Revolução Industrial
A expansão da Revolução Industrial é muitas vezes chamada de 2ª
Revolução Industrial, desenrola-se na segunda metade do século XIX,
na Europa, EUA e Japão;
Corresponde a um conjunto de transformações rápidas na indústria:
novas fontes de energia (petróleo e eletricidade); novas máquinas
(motor de explosão, lâmpada), novos setores industriais de ponta
(siderurgia e química), novos métodos de trabalho e
estandardização da produção.
Módulo 6, História A 3
Inicia-se uma estreita ligação entre as Universidades e as
indústrias, as escolas formam os técnicos que trabalham na
investigação e nas fábricas;
As grandes empresas investem na investigação para
ultrapassarem a concorrência com novos produtos ou novas
máquinas que permitam aumentar ou melhorar a produção;
Módulo 6, História A 4
Os laboratórios tornam-se fundamentais para o progresso;
A investigação torna-se um trabalho de equipa;
Cada avanço coloca novos desafios pelo que começa uma
época de progressos cumulativos;
As grandes inovações na indústria vão afetar toda a sociedade;
Módulo 6, História A 5
Novos inventos e novas formas de energia
A siderurgia torna-se a indústria de ponta da 2ª Revolução Industrial
na segunda metade do século XIX;
Bessemer, em 1856, inventou um processo de transformar o ferro
em aço mais rápido e barato;
Outros inventos permitiram aumentar a produção;
Módulo 6, História A 6
As necessidades de aço não paravam de aumentar: caminhos de
ferro, pontes, edifícios, construção naval, armamento, etc.;
Entre 1870 e 1914, a produção mundial de aço aumentou mais de
cinco vezes;
O aço substituiu o ferro;
Módulo 6, História A 7
Outro setor industrial que, nesta época, conheceu um grande
desenvolvimento foi a indústria química;
W. H. Perkin, em 1856, sintetiza matérias corantes que
revolucionam a industria têxtil;
Surgem novos medicamentos, como a aspirina criada pela Bayer,
em 1899;
Módulo 6, História A 8
Produzem-se novos inseticidas e fertilizantes;
Goodyear, em 1884, descobre o processo de vulcanização da
borracha, dando origem à indústria dos pneus;
A indústria química, ligada à inovação e investigação, criou novos
produtos que vão desenvolver vários setores industriais;
Módulo 6, História A 9
Novas formas de energia
A primeira Revolução Industrial utilizou o carvão como a principal
forma de energia, nas vésperas da 1ª Guerra Mundial (1914), a
maior parte (90%) da energia produzida na Europa dependia do
carvão;
Nas últimas décadas do século XIX desenvolvem-se duas outras
formas de energia: eletricidade e petróleo;
Em 1859, na Pensilvânia (EUA) perfura-se o primeiro poço de
petróleo;
Surge a indústria petroquímica (petróleo e derivados);
Módulo 6, História A 10
Em 1886, Daimler inventa o motor de explosão que
funciona a gasolina;
Em 1897, Diesel, inventa um motor que funciona com
óleo pesado (diesel);
Os derivados do petróleo são também utilizados em
lubrificantes e outros produtos;
Módulo 6, História A 11
Outra forma de energia que se desenvolveu foi a eletricidade;
Edison inventou a lâmpada elétrica, que nas cidades permitiu
substituir o gás pela eletricidade quer na iluminação pública quer
na privada;
A eletricidade vai levar a outros inventos: comboio elétrico
(Siemens, 1897); telefone (Bell, 1876); telégrafo, cinema (irmãos
Lumière, 1895), rádio (1887), metropolitanos e carros elétricos,
etc.;
Todas estas invenções contribuíram para o desenvolvimento da
vida moderna dos inícios do século XX;
Módulo 6, História A 12
A aceleração dos transportes
O desenvolvimento dos transportes foi fundamental para o sucesso
da Revolução Industrial;
Era necessário transportar pessoas, matérias-primas e produtos a
velocidades e distâncias cada vez maiores;
Em 1830 surgiu o comboio, George Stephenson inaugurou a linha
Liverpool-Manchester;
Em 1914, existiam um milhão de km de linhas construídas em todo o
mundo;
Módulo 6, História A 13
Módulo 6, História A 14
Módulo 6, História A 15
O comboio modificou a vida das pessoas, permitiu o crescimento
das cidades e tornou possível a circulação rápida dos produtos;
Os navios a vapor tiveram uma ascensão mais lenta;
Na segunda década do século XIX começam a ser mais utilizados;
O desenvolvimento das rotas comerciais marítimas levou à
realização de grandes obras de engenharia como os canais do Suez
(1869) e do Panamá (1914);
Módulo 6, História A 16
O êxito do vapor levou a algumas tentativas de conseguir um
transporte viável por estrada;
Foi o motor de explosão que resolveu o problema da deslocação por
estrada;
Surge uma nova indústria, a automóvel, que movimenta imensos
capitais e emprega milhares de operários;
Os irmãos Wright, em 1903, criam o primeiro avião, que
rapidamente vai desenvolver a indústria da aeronáutica e
revolucionar os transportes de longa distância;
https://www.youtube.com/watch?v=RriKI7u72Xs
Módulo 6, História A 17
Todo o desenvolvimento económico do século XIX tem por base a
interligação que esse estabeleceu entre ciência e técnica;
Foi o desenvolvimento da investigação científica que permitiu os
novos inventos;
A concorrência obrigava as empresas a investir na investigação e na
modernização da produção;
Os novos inventos criavam novas necessidades que estimulavam
novas investigações;
O objetivo era produzir a maior quantidade, no menor espaço de
tempo e o mais barato possível;
Módulo 6, História A 18
A partir do último quartel do século XIX podemos falar de uma
“civilização industrial”;
As pequenas oficinas cederam o seu lugar às grandes empresas
industriais;
Significa que no Mundo Ocidental (EUA e Europa) a vida económica
é dominada pela grande indústria;
As grandes empresas dominam do ponto de vista económico mas
também condicionam a tomada de decisões políticas;
Concentração industrial e bancária
Módulo 6, História A 19
A necessidade de investir em investigação, as máquinas cada vez
mais complexas exigiam grandes investimentos e a construção de
grandes espaços (fábricas) onde trabalham, por vezes, milhares de
operários;
As empresas ramificam-se e constroem sucursais, muitas vezes
noutros países;
Esta necessidade de investir avultados capitais levou ao
desenvolvimento das sociedades por ações, o investimento era
dividido pelos acionistas;
Módulo 6, História A 20
A concentração empresarial aumenta na segunda
metade do século XIX:
Devido à necessidade de grandes investimentos;
As grandes empresas tinham mais capacidade de
financiar a investigação e desenvolver novos projetos;
As grandes empresas resistem melhor às crises cíclicas da
economia;
As grandes empresas vão absorvendo as mais pequenas e
muitas vezes fundem-se entre si;
Módulo 6, História A 21
Surgem dois tipos de concentração empresarial:
Concentração vertical: a empresa controla as várias etapas da
produção desde a matéria-prima até à comercialização do produto;
Este tipo de concentração foi muito comum na indústria siderúrgica;
As concentrações verticais podem ser de dois tipos:
Trusts: uma sociedade única;
Holdings: cada empresa mantém a sua autonomia mas existe uma
gestão centralizada;
Módulo 6, História A 22
Concentração horizontal: agrupamento de empresas de um mesmo
ramo de produção, o que lhes permite dominar a concorrência;
Cartel: forma mais comum de concentração horizontal. As
empresas não perdem a sua autonomia, mas combinam os preços,
a quantidade a produzir, a colocação no mercado, de modo a
aniquilar a concorrência;
Combinando, por vezes estes dois tipos de associação surgem
gigantescos grupos económicos que vão dar origem às
multinacionais;
Módulo 6, História A 23
Devido ao crescimento gigantesco da indústria e das
necessidades de investimentos, na segunda metade do século
XIX, surgiram várias formas de criar monopólios de modo a
garantir e domínio dos mercados e por conseguinte, melhores
lucros;
Há uma clara divisão entre os proprietários (alta burguesia)
e os operários (proletariado);
Módulo 6, História A 24
O sistema bancário foi uma peça fundamental deste
desenvolvimento económico:
Os bancos mais pequenos foram absorvidos pelos maiores;
As grandes instituições bancárias dominam o mundo das finanças e
abrem um grande número de sucursais, muitas delas em países
estrangeiros;
Os bancos também investem no desenvolvimento industrial
fomentando o crédito, surgem bancos especializados nesse tipo de
negócios, os bancos de negócios ou investimento;
Módulo 6, História A 25
A racionalização do trabalho
A necessidade de produzir com qualidade e ao mais baixo preço
possível levou a Frederick Taylor publicasse um livro onde expunha
os seus métodos para racionalizar o trabalho, esse método ficou
conhecido por taylorismo:
A produção é dividida num séria de movimentos essenciais que cada
operário executa;
O tempo para executar essa tarefa é predefinido e articulado com os
outros operários constituindo uma cadeia de produção ;
Os objetos produzidos eram todos iguais, a estandardização;
Módulo 6, História A 26
Henry Ford foi o primeiro a aplicar estas ideias;
Em 1913, o seu carro Ford, Modelo T, é produzido numa linha de
montagem. O produto é que se desloca e não os operários. Estes
tinham de trabalhar ao ritmo imposto pelas máquinas;
Foram introduzidos sucessivos melhoramentos;
O Modelo T foi o primeiro carro de massas, só existia na cor preta;
O tempo de montagem do carro foi reduzido das 12 horas iniciais
para 1,5 horas;
O preço do carro foi diminuído para um terço;
Módulo 6, História A 27
De modo a compensar a dureza do trabalho os salários foram
elevados para o dobro do corrente na indústria;
A empresa permitia que os operários comprassem um carros,
proporcionando-lhes suaves prestações, era uma forma de
recuperar uma parte do investimento no aumento dos salários;
Os métodos empresarias de Henry Ford ficaram conhecidos como
fordismo;
https://www.youtube.com/w
atch?v=Gi9zUU3FsdU
Módulo 6, História A 28
Estes novos métodos de trabalho foram contestados por sindicatos
e numerosos intelectuais;
Apontavam a estes métodos o facto de serem desumanos e terem
transformado os antigos artesãos num proletários que executava
uma tarefa repetitiva sem qualquer criatividade, uma espécie de
autómato;
Charlie Chaplin, entre outros, no seu filme, “Os Tempos Modernos”,
satirizou esta situação;
Este método de trabalho veio acentuar as desigualdades entre os
proprietários e os trabalhadores;
Tempos modernos, filme completo: http://www.youtube.com/watch?v=pkf5vZFb6E8
Módulo 6, História A 29
A geografia da industrialização
Nos meados do século XIX a Inglaterra detém a hegemonia da
industrialização. Mostra um claro avanço sobre os restantes
países;
Iniciou a sua Revolução Industrial mais cedo do que os restantes
países;
O desenvolvimento da sua economia tem como alicerces as ideias
do liberalismo económico;
Módulo 6, História A 30
Era a primeira a nível mundial nos têxteis e metalurgia e o país com
maior densidade de caminhos de ferro;
Maior crescimento demográfico e urbano;
Utilizava, em larga escala, a força do vapor;
Dominava o comércio internacional;
Módulo 6, História A 31
Tinha um sistema financeiro extremamente avançado;
A libra esterlina (a moeda inglesa) é a moeda-padrão, a referência
nas trocas internacionais;
A realização da primeira Exposição Universal, em 1851, em Londres
foi uma exibição do seu poderio industrial e tecnológico;
https://www.youtube.com/watch?v=ecPR-W5CRmQ
Módulo 6, História A 32
Todavia na segunda metade do século XIX, a Inglaterra começa a
sentir dificuldades;
A sua tecnologia que tinha sido a mais avançada do Mundo começa a
ser ultrapassada;
A Alemanha, com uma industrialização mais recente, apresenta um
parque industrial mais moderno e, por conseguinte, mais produtivo;
No início do século XX, a economia inglesa é ultrapassada pelos
Estados Unidos da América;
Terminavam 150 anos de supremacia económica;
Módulo 6, História A 33
A afirmação de novas potências
Durante o século XIX, vários países iniciaram a sua industrialização:
Europa: França, Alemanha, Bélgica e Suíça;
América: EUA
Ásia: Japão
Módulo 6, História A 34
Módulo 6, História A 35
Módulo 6, História A 36
A França foi o segundo país, após a Inglaterra, a iniciar a sua
industrialização;
Mas o ritmo da sua industrialização foi lento, tinha poucas minas de
carvão, e por isso tinha de importar;
Outro problema residia no elevado número de pequenos
agricultores que se mantiveram apegados aos seus modos de vida;
Só na primeira década do século XX a França conheceu um grande
dinamismo;
Os setores mais evoluídos foram a eletricidade, automóvel,
construção civil e cinema;
Apesar deste surto, a França não conseguiu alcançar os países mais
evoluídos;
Módulo 6, História A 37
A Alemanha só iniciou o seu arranque industrial em meados do
século XIX mas demonstrou um grande dinamismo;
Não investiram nos têxteis e passaram diretamente para a grande
indústria, carvão, aço e caminhos de ferro;
Mais tarde desenvolveram as indústrias químicas, construção naval
e eletricidade;
A Alemanha, entretanto unificada, compete diretamente com a
Inglaterra, desenvolvendo uma forte competitividade e rivalidade
que vai originar conflitos;
Módulo 6, História A 38
Nos Estados Unidos da América as matérias-primas e recursos
naturais eram abundantes, como carvão, petróleo, rios (produção
de eletricidade), e minerais variados;
O arranque industrial data de 1830 e inicia-se no setor têxtil;
O grande dinamismo provém da siderurgia, entre 1870 e 1890,
neste setor deram-se grandes concentrações empresariais, e a
United States Steel Corporation, tornou-se a principal empresa
mundial no setor da metalurgia;
Módulo 6, História A 39
A indústria automóvel, com Henry Ford, conhece um significativo
arranque;
Adotaram uma política protecionista e beneficiaram de enorme
crescimento demográfico (mercado interno);
No início do século XX, lideravam a economia mundial;
Eram os primeiros na produção de carvão, petróleo, ferro, aço,
cobre, zinco, chumbo e alumínio e o segundo no têxtil;
A destruição na Europa provocada pela Primeira Guerra Mundial
vai acentuar o domínio económico americano;
Módulo 6, História A 40
O Japão iniciou a sua industrialização com a era Meiji;
Depois de muitos anos fechados ao Mundo, a partir de 1868, com o
imperador Mutsu-Hito, abriram-se ao progresso;
O Japão era um país agrícola e atrasado que rapidamente se
industrializou;
Módulo 6, História A 41
O dinamismo da industrialização foi promovido pelo Estado que
financiou industrias, concedeu monopólios e outros privilégios e
promoveu a entrada de capitais e técnicos estrangeiros;
Verificou-se um intenso crescimento demográfico (mercado
nacional);
Criou-se um espírito nacional de superioridade dos japoneses em
relação aos outros povos;
Os setores de maior desenvolvimento foram a siderurgia, a
construção naval e as sedas;
Módulo 6, História A 42
A permanência de formas de economia tradicional
A História do século XIX foi marcada pelo desenvolvimento
industrial;
O aumento da produção conseguiu acompanhar o crescimento
populacional e, nos países industrializados, um número cada vez
maior de pessoas usufruíam de uma melhor qualidade de vida;
Neste séculos todos os setores da atividade económica (agricultura,
indústria, comércio, sistema financeiro, comunicações, transportes)
sofreram profundas alterações que provocam mudanças
irreversíveis no modo de vida das populações;
Módulo 6, História A 43
No entanto, a par desta industrialização continua a existir um
mundo atrasado, onde permaneciam as técnicas e modos de
produção antigos;
Países como o Império Austro-Húngaro, Império Russo, a
Europa do Sul (Portugal, Espanha, Itália, Grécia), o tempo
permanecia imóvel, mantinham modos de produção
medievais e conheceram um arranque industrial muito
tardio;
Módulo 6, História A 44
Existiam ainda regiões, sobretudo em África e na América Latina que
eram colónias e estavam dependentes das decisões tomadas nas
metrópoles;
Na Ásia o Japão foi o único país a industrializar-se;
Nos próprios países mais desenvolvidos coexistiam formas de
produção tradicional, sobretudo na agricultura, com as forma mais
modernas de produção;
A industrialização desenrolou-se a ritmos muito diferentes,
consoante as regiões.
Módulo 6, História A 45
A agudização das diferenças
No século XIX, a maior parte dos países permanece
subdesenvolvida, com exceção da Europa, EUA e Japão;
A baixa produtividade agrícola criava poucos lucros e por isso não
existiam capitais para investir na indústria, impossibilitando o
desenvolvimento dessas regiões;
As diferenças entre países ricos e pobres aumenta;
Módulo 6, História A 46
A confiança nos mecanismos autorreguladores do mercado
Nos séculos XVI, XVII e XVIII, vários países adotaram medidas
protecionistas, sobretudo com base nas ideias mercantilistas;
Proteger a produção nacional da concorrência estrangeira era a
ideia central;
O Estado intervinha na economia fomentando determinados
setores e criando regras e tabelando preços;
No entanto a Revolução Industrial foi suportada por um sistema
económico livre-cambista;
Módulo 6, História A 47
O livre-cambismo tinha por base as ideias de Adam Smith (1720-
1790) e foi desenvolvido por outros teóricos como David Ricardo
(1772-1823), Thomas Malthus e Jean Baptiste Say;
Defendiam a total liberdade da iniciativa privada, sem qualquer
atuação por parte do Estado, porque segundo a sua opinião, através
da lei da oferta e da procura e da livre concorrência o mercado
autorregulava-se;
Segundo as suas ideias seria o livre-cambismo que iria assegurar o
desenvolvimento do Mundo;
Módulo 6, História A 48
Na Inglaterra estas ideias são executas pelo Governo de Sir Robert
Peel, que assumiu o poder em 1841, e em 1860 só 48 produtos
pagavam taxas alfandegárias para entrar em Inglaterra contrastando
com os 1150 produtos em 1840;
A adoção do livre-cambismo pela Inglaterra vai influenciar outros
países e entre 1850 e 1870, o livre-cambismo dominou as políticas
económicas europeias;
Mesmo os EUA que sempre mantiveram uma atitude protecionista
baixaram as suas taxas alfandegárias;
Módulo 6, História A 49
As debilidades do livre-cambismo. As crises cíclicas do capitalismo
O livre-cambismo apresentava um problema intrínseco ao sistema,
com uma periocidade de 6 a 10 anos existiam crises, estas crises
eram de um novo tipo, não eram originadas por falta de produtos
mas pelo excesso de produtos no mercado, eram crises de
superprodução;
Eram resultado da concorrência e da necessidade de produzirem
mais e mais barato;
Módulo 6, História A 50
O economista Clément Juglar (1824-1905) foi o primeiro a estudar
estes ciclos económicos que por isso foram denominados ciclos de
Juglar, duram aproximadamente 10 anos:
Módulo 6, História A 51
Módulo 6, História A 52
Na fase de crescimento económico, a procura é maior do que a
oferta, os preços sobem;
A perspetiva de grandes lucros levam ao aumento do investimento,
a especulação na Bolsa aumenta;
Esta situação gera um aumento da produção que leva a que a
oferta seja maior do que a procura;
Módulo 6, História A 53
Os produtos acumulam-se nos armazéns, os preços baixam, para
reduzir a produção os salários baixam e recorre-se ao
despedimento de trabalhadores;
Muitas empresas não resistem e abrem falência, arrastando
consigo alguns Bancos (que tinham emprestado dinheiro);
Muitos investidores perdem dinheiro na Bolsa;
Os despedimentos fazem diminuir o consumo que leva a produção
a diminuir ainda mais;
Módulo 6, História A 54
Estas crises iniciam-se num ou em vários países e propagam-se
rapidamente;
Em 1810 regista-se a primeira crise, em 1929 a mais grave;
Entre essas datas verificara-se 15 períodos de recessão económica
que provocaram o aumento da miséria e agitação política e social;
Os teóricos do liberalismo consideram estas crises cíclicas como
simples ajustamentos económicos;
Módulo 6, História A 55
Módulo 6, História A 56
Outros veem nas crises os sinais de que o mercado não é
capaz de se autorregular;
No final do século XIX, muitos países adotaram medidas
protecionistas para proteger a sua economia da
concorrência estrangeira;
Estas crises suscitaram protestos;
Após a crise de 1929, ficou patente a necessidade dos
Estados intervirem na vida económica;
Módulo 6, História A 57
O mercado internacional e a divisão do trabalho
Durante o século XIX e até à Primeira Guerra Mundial o comércio
registou um crescimento acelerado;
Devido ao aumento da produção agrícola e industrial, ao
crescimento demográfico e ao desenvolvimento dos transportes e
das comunicações;
Este comércio é dominado pela Europa, no início do século XX detém
2/3 do comércio mundial;
Inglaterra, EUA, França e Alemanha são responsáveis por cerca de
50% do comércio mundial;
Módulo 6, História A 58
No século XIX surgem zonas económicas especializadas e a
repartição mundial do trabalho;
O surgir de zonas especializadas teve que ver com as potencialidades
naturais e humanas de cada região;
A especialização de uma região num determinado produto
conseguia gerar muitos lucros que compensavam a necessidade de
importar outros produtos;
Módulo 6, História A 59
Módulo 6, História A 60
A Revolução Industrial agudizou as diferenças na divisão
internacional do trabalho;
Inglaterra, EUA, Alemanha e França produziam cerca de 70% de
toda a produção industrial mundial;
Estes fornecem os países mais atrasados da Europa e dos outros
continentes com os produtos industrializados e adquirem a estes
produtos agrícolas e matérias-primas;
Módulo 6, História A 61
Este sistema de trocas favorecia os países mais ricos;
Apesar de alguns países em vias de desenvolvimento terem sido
estimulados na procura de diminuírem as suas dependências
económicas, ao longo do século XIX, estas diferenças, entre “países
pobres e países ricos”, foram aumentando;
O capitalismo industrial contribuiu para criar um mundo desigual;
Um grupo muito restrito de países controla a economia mundial;
Módulo 6, História A 62
Nos finais do século XIX, e como forma de defender os países
menos desenvolvidos da livre concorrência, desenvolveram-se
novas medidas protecionistas, de modo a tornar possível a
industrialização desses países;
Módulo 6, História A 63
Esquema in “Preparação para o
Exame Nacional, História A 11,
Porto Editora
Módulo 6, História A 64
Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte
bibliografia:
FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da
História 11, Areal Editores, 2014
COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo
da História 11, Porto Editora, 2011
SANCHES, Mário, História A, Edições ASA, 2006
2018/2019

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
Vítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
Vítor Santos
 
6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura
Vítor Santos
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
Vítor Santos
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
Vítor Santos
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
helenaimendes
 
Evolução democrática e nacionalismos
Evolução democrática e nacionalismosEvolução democrática e nacionalismos
Evolução democrática e nacionalismos
cattonia
 
As transformações económicas da europa
As transformações económicas da europaAs transformações económicas da europa
As transformações económicas da europa
Susana Simões
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
luisant
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
Vítor Santos
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
Vítor Santos
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
diariohistoria
 
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
Vítor Santos
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
Evolução democrática e nacionalismos
Evolução democrática e nacionalismosEvolução democrática e nacionalismos
Evolução democrática e nacionalismos
 
As transformações económicas da europa
As transformações económicas da europaAs transformações económicas da europa
As transformações económicas da europa
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
06 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_606 historia a _revisoes_modulo_6
06 historia a _revisoes_modulo_6
 
O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
 
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
 

Semelhante a 6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo

A civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºanoA civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºano
RaQuel Oliveira
 
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
PauloNilber
 
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
maria aparecida coelho lira
 
A segunda revolução industrial expansão do capitalismo e concentração de ca...
A segunda revolução industrial   expansão do capitalismo e concentração de ca...A segunda revolução industrial   expansão do capitalismo e concentração de ca...
A segunda revolução industrial expansão do capitalismo e concentração de ca...
GilbertoDeAquino
 
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
Antonio Gilberto De Aquino e Silva
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
cattonia
 
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
Diego Avendaño
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Claudenilson da Silva
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Paulo Alexandre
 
Paradigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicosParadigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicos
Vinicius Wenning Koboldt
 
Paradigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicosParadigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicos
Vinicius Wenning Koboldt
 
Segunda fase da Revolução Industrial.pdf
Segunda fase da Revolução Industrial.pdfSegunda fase da Revolução Industrial.pdf
Segunda fase da Revolução Industrial.pdf
geovana586875
 
SLIDES_ A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentraç...
SLIDES_ A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentraç...SLIDES_ A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentraç...
SLIDES_ A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentraç...
JULIOCARVALHO47
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Rose Vital
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
Fabio Salvari
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
HitaloSantos8
 
Revolução industrial - exercícios.pdf
Revolução industrial - exercícios.pdfRevolução industrial - exercícios.pdf
Revolução industrial - exercícios.pdf
RAFAELASCARI1
 
Md ind
Md indMd ind
Md ind
cattonia
 
Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013
Déborah Guedes
 

Semelhante a 6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo (20)

A civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºanoA civilização industrial - História 11ºano
A civilização industrial - História 11ºano
 
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
 
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
 
A segunda revolução industrial expansão do capitalismo e concentração de ca...
A segunda revolução industrial   expansão do capitalismo e concentração de ca...A segunda revolução industrial   expansão do capitalismo e concentração de ca...
A segunda revolução industrial expansão do capitalismo e concentração de ca...
 
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
 
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentração de Ca...
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Paradigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicosParadigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicos
 
Paradigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicosParadigmas tecnologicos
Paradigmas tecnologicos
 
Segunda fase da Revolução Industrial.pdf
Segunda fase da Revolução Industrial.pdfSegunda fase da Revolução Industrial.pdf
Segunda fase da Revolução Industrial.pdf
 
SLIDES_ A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentraç...
SLIDES_ A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentraç...SLIDES_ A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentraç...
SLIDES_ A Segunda Revolução Industrial - Expansão do Capitalismo e Concentraç...
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 2014
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
Revolução industrial - exercícios.pdf
Revolução industrial - exercícios.pdfRevolução industrial - exercícios.pdf
Revolução industrial - exercícios.pdf
 
Md ind
Md indMd ind
Md ind
 
Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013Guia de Estudos CB SIA 2013
Guia de Estudos CB SIA 2013
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 

Último (20)

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 

6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo

  • 1. História A - Módulo 6 A civilização industrial – economia e sociedade; nacionalismos e choques imperialistas Unidade 1 As transformações económicas na Europa e no Mundo http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  • 2. Módulo 6, História A 2 A Expansão da Revolução Industrial A expansão da Revolução Industrial é muitas vezes chamada de 2ª Revolução Industrial, desenrola-se na segunda metade do século XIX, na Europa, EUA e Japão; Corresponde a um conjunto de transformações rápidas na indústria: novas fontes de energia (petróleo e eletricidade); novas máquinas (motor de explosão, lâmpada), novos setores industriais de ponta (siderurgia e química), novos métodos de trabalho e estandardização da produção.
  • 3. Módulo 6, História A 3 Inicia-se uma estreita ligação entre as Universidades e as indústrias, as escolas formam os técnicos que trabalham na investigação e nas fábricas; As grandes empresas investem na investigação para ultrapassarem a concorrência com novos produtos ou novas máquinas que permitam aumentar ou melhorar a produção;
  • 4. Módulo 6, História A 4 Os laboratórios tornam-se fundamentais para o progresso; A investigação torna-se um trabalho de equipa; Cada avanço coloca novos desafios pelo que começa uma época de progressos cumulativos; As grandes inovações na indústria vão afetar toda a sociedade;
  • 5. Módulo 6, História A 5 Novos inventos e novas formas de energia A siderurgia torna-se a indústria de ponta da 2ª Revolução Industrial na segunda metade do século XIX; Bessemer, em 1856, inventou um processo de transformar o ferro em aço mais rápido e barato; Outros inventos permitiram aumentar a produção;
  • 6. Módulo 6, História A 6 As necessidades de aço não paravam de aumentar: caminhos de ferro, pontes, edifícios, construção naval, armamento, etc.; Entre 1870 e 1914, a produção mundial de aço aumentou mais de cinco vezes; O aço substituiu o ferro;
  • 7. Módulo 6, História A 7 Outro setor industrial que, nesta época, conheceu um grande desenvolvimento foi a indústria química; W. H. Perkin, em 1856, sintetiza matérias corantes que revolucionam a industria têxtil; Surgem novos medicamentos, como a aspirina criada pela Bayer, em 1899;
  • 8. Módulo 6, História A 8 Produzem-se novos inseticidas e fertilizantes; Goodyear, em 1884, descobre o processo de vulcanização da borracha, dando origem à indústria dos pneus; A indústria química, ligada à inovação e investigação, criou novos produtos que vão desenvolver vários setores industriais;
  • 9. Módulo 6, História A 9 Novas formas de energia A primeira Revolução Industrial utilizou o carvão como a principal forma de energia, nas vésperas da 1ª Guerra Mundial (1914), a maior parte (90%) da energia produzida na Europa dependia do carvão; Nas últimas décadas do século XIX desenvolvem-se duas outras formas de energia: eletricidade e petróleo; Em 1859, na Pensilvânia (EUA) perfura-se o primeiro poço de petróleo; Surge a indústria petroquímica (petróleo e derivados);
  • 10. Módulo 6, História A 10 Em 1886, Daimler inventa o motor de explosão que funciona a gasolina; Em 1897, Diesel, inventa um motor que funciona com óleo pesado (diesel); Os derivados do petróleo são também utilizados em lubrificantes e outros produtos;
  • 11. Módulo 6, História A 11 Outra forma de energia que se desenvolveu foi a eletricidade; Edison inventou a lâmpada elétrica, que nas cidades permitiu substituir o gás pela eletricidade quer na iluminação pública quer na privada; A eletricidade vai levar a outros inventos: comboio elétrico (Siemens, 1897); telefone (Bell, 1876); telégrafo, cinema (irmãos Lumière, 1895), rádio (1887), metropolitanos e carros elétricos, etc.; Todas estas invenções contribuíram para o desenvolvimento da vida moderna dos inícios do século XX;
  • 12. Módulo 6, História A 12 A aceleração dos transportes O desenvolvimento dos transportes foi fundamental para o sucesso da Revolução Industrial; Era necessário transportar pessoas, matérias-primas e produtos a velocidades e distâncias cada vez maiores; Em 1830 surgiu o comboio, George Stephenson inaugurou a linha Liverpool-Manchester; Em 1914, existiam um milhão de km de linhas construídas em todo o mundo;
  • 15. Módulo 6, História A 15 O comboio modificou a vida das pessoas, permitiu o crescimento das cidades e tornou possível a circulação rápida dos produtos; Os navios a vapor tiveram uma ascensão mais lenta; Na segunda década do século XIX começam a ser mais utilizados; O desenvolvimento das rotas comerciais marítimas levou à realização de grandes obras de engenharia como os canais do Suez (1869) e do Panamá (1914);
  • 16. Módulo 6, História A 16 O êxito do vapor levou a algumas tentativas de conseguir um transporte viável por estrada; Foi o motor de explosão que resolveu o problema da deslocação por estrada; Surge uma nova indústria, a automóvel, que movimenta imensos capitais e emprega milhares de operários; Os irmãos Wright, em 1903, criam o primeiro avião, que rapidamente vai desenvolver a indústria da aeronáutica e revolucionar os transportes de longa distância; https://www.youtube.com/watch?v=RriKI7u72Xs
  • 17. Módulo 6, História A 17 Todo o desenvolvimento económico do século XIX tem por base a interligação que esse estabeleceu entre ciência e técnica; Foi o desenvolvimento da investigação científica que permitiu os novos inventos; A concorrência obrigava as empresas a investir na investigação e na modernização da produção; Os novos inventos criavam novas necessidades que estimulavam novas investigações; O objetivo era produzir a maior quantidade, no menor espaço de tempo e o mais barato possível;
  • 18. Módulo 6, História A 18 A partir do último quartel do século XIX podemos falar de uma “civilização industrial”; As pequenas oficinas cederam o seu lugar às grandes empresas industriais; Significa que no Mundo Ocidental (EUA e Europa) a vida económica é dominada pela grande indústria; As grandes empresas dominam do ponto de vista económico mas também condicionam a tomada de decisões políticas; Concentração industrial e bancária
  • 19. Módulo 6, História A 19 A necessidade de investir em investigação, as máquinas cada vez mais complexas exigiam grandes investimentos e a construção de grandes espaços (fábricas) onde trabalham, por vezes, milhares de operários; As empresas ramificam-se e constroem sucursais, muitas vezes noutros países; Esta necessidade de investir avultados capitais levou ao desenvolvimento das sociedades por ações, o investimento era dividido pelos acionistas;
  • 20. Módulo 6, História A 20 A concentração empresarial aumenta na segunda metade do século XIX: Devido à necessidade de grandes investimentos; As grandes empresas tinham mais capacidade de financiar a investigação e desenvolver novos projetos; As grandes empresas resistem melhor às crises cíclicas da economia; As grandes empresas vão absorvendo as mais pequenas e muitas vezes fundem-se entre si;
  • 21. Módulo 6, História A 21 Surgem dois tipos de concentração empresarial: Concentração vertical: a empresa controla as várias etapas da produção desde a matéria-prima até à comercialização do produto; Este tipo de concentração foi muito comum na indústria siderúrgica; As concentrações verticais podem ser de dois tipos: Trusts: uma sociedade única; Holdings: cada empresa mantém a sua autonomia mas existe uma gestão centralizada;
  • 22. Módulo 6, História A 22 Concentração horizontal: agrupamento de empresas de um mesmo ramo de produção, o que lhes permite dominar a concorrência; Cartel: forma mais comum de concentração horizontal. As empresas não perdem a sua autonomia, mas combinam os preços, a quantidade a produzir, a colocação no mercado, de modo a aniquilar a concorrência; Combinando, por vezes estes dois tipos de associação surgem gigantescos grupos económicos que vão dar origem às multinacionais;
  • 23. Módulo 6, História A 23 Devido ao crescimento gigantesco da indústria e das necessidades de investimentos, na segunda metade do século XIX, surgiram várias formas de criar monopólios de modo a garantir e domínio dos mercados e por conseguinte, melhores lucros; Há uma clara divisão entre os proprietários (alta burguesia) e os operários (proletariado);
  • 24. Módulo 6, História A 24 O sistema bancário foi uma peça fundamental deste desenvolvimento económico: Os bancos mais pequenos foram absorvidos pelos maiores; As grandes instituições bancárias dominam o mundo das finanças e abrem um grande número de sucursais, muitas delas em países estrangeiros; Os bancos também investem no desenvolvimento industrial fomentando o crédito, surgem bancos especializados nesse tipo de negócios, os bancos de negócios ou investimento;
  • 25. Módulo 6, História A 25 A racionalização do trabalho A necessidade de produzir com qualidade e ao mais baixo preço possível levou a Frederick Taylor publicasse um livro onde expunha os seus métodos para racionalizar o trabalho, esse método ficou conhecido por taylorismo: A produção é dividida num séria de movimentos essenciais que cada operário executa; O tempo para executar essa tarefa é predefinido e articulado com os outros operários constituindo uma cadeia de produção ; Os objetos produzidos eram todos iguais, a estandardização;
  • 26. Módulo 6, História A 26 Henry Ford foi o primeiro a aplicar estas ideias; Em 1913, o seu carro Ford, Modelo T, é produzido numa linha de montagem. O produto é que se desloca e não os operários. Estes tinham de trabalhar ao ritmo imposto pelas máquinas; Foram introduzidos sucessivos melhoramentos; O Modelo T foi o primeiro carro de massas, só existia na cor preta; O tempo de montagem do carro foi reduzido das 12 horas iniciais para 1,5 horas; O preço do carro foi diminuído para um terço;
  • 27. Módulo 6, História A 27 De modo a compensar a dureza do trabalho os salários foram elevados para o dobro do corrente na indústria; A empresa permitia que os operários comprassem um carros, proporcionando-lhes suaves prestações, era uma forma de recuperar uma parte do investimento no aumento dos salários; Os métodos empresarias de Henry Ford ficaram conhecidos como fordismo; https://www.youtube.com/w atch?v=Gi9zUU3FsdU
  • 28. Módulo 6, História A 28 Estes novos métodos de trabalho foram contestados por sindicatos e numerosos intelectuais; Apontavam a estes métodos o facto de serem desumanos e terem transformado os antigos artesãos num proletários que executava uma tarefa repetitiva sem qualquer criatividade, uma espécie de autómato; Charlie Chaplin, entre outros, no seu filme, “Os Tempos Modernos”, satirizou esta situação; Este método de trabalho veio acentuar as desigualdades entre os proprietários e os trabalhadores; Tempos modernos, filme completo: http://www.youtube.com/watch?v=pkf5vZFb6E8
  • 29. Módulo 6, História A 29 A geografia da industrialização Nos meados do século XIX a Inglaterra detém a hegemonia da industrialização. Mostra um claro avanço sobre os restantes países; Iniciou a sua Revolução Industrial mais cedo do que os restantes países; O desenvolvimento da sua economia tem como alicerces as ideias do liberalismo económico;
  • 30. Módulo 6, História A 30 Era a primeira a nível mundial nos têxteis e metalurgia e o país com maior densidade de caminhos de ferro; Maior crescimento demográfico e urbano; Utilizava, em larga escala, a força do vapor; Dominava o comércio internacional;
  • 31. Módulo 6, História A 31 Tinha um sistema financeiro extremamente avançado; A libra esterlina (a moeda inglesa) é a moeda-padrão, a referência nas trocas internacionais; A realização da primeira Exposição Universal, em 1851, em Londres foi uma exibição do seu poderio industrial e tecnológico; https://www.youtube.com/watch?v=ecPR-W5CRmQ
  • 32. Módulo 6, História A 32 Todavia na segunda metade do século XIX, a Inglaterra começa a sentir dificuldades; A sua tecnologia que tinha sido a mais avançada do Mundo começa a ser ultrapassada; A Alemanha, com uma industrialização mais recente, apresenta um parque industrial mais moderno e, por conseguinte, mais produtivo; No início do século XX, a economia inglesa é ultrapassada pelos Estados Unidos da América; Terminavam 150 anos de supremacia económica;
  • 33. Módulo 6, História A 33 A afirmação de novas potências Durante o século XIX, vários países iniciaram a sua industrialização: Europa: França, Alemanha, Bélgica e Suíça; América: EUA Ásia: Japão
  • 36. Módulo 6, História A 36 A França foi o segundo país, após a Inglaterra, a iniciar a sua industrialização; Mas o ritmo da sua industrialização foi lento, tinha poucas minas de carvão, e por isso tinha de importar; Outro problema residia no elevado número de pequenos agricultores que se mantiveram apegados aos seus modos de vida; Só na primeira década do século XX a França conheceu um grande dinamismo; Os setores mais evoluídos foram a eletricidade, automóvel, construção civil e cinema; Apesar deste surto, a França não conseguiu alcançar os países mais evoluídos;
  • 37. Módulo 6, História A 37 A Alemanha só iniciou o seu arranque industrial em meados do século XIX mas demonstrou um grande dinamismo; Não investiram nos têxteis e passaram diretamente para a grande indústria, carvão, aço e caminhos de ferro; Mais tarde desenvolveram as indústrias químicas, construção naval e eletricidade; A Alemanha, entretanto unificada, compete diretamente com a Inglaterra, desenvolvendo uma forte competitividade e rivalidade que vai originar conflitos;
  • 38. Módulo 6, História A 38 Nos Estados Unidos da América as matérias-primas e recursos naturais eram abundantes, como carvão, petróleo, rios (produção de eletricidade), e minerais variados; O arranque industrial data de 1830 e inicia-se no setor têxtil; O grande dinamismo provém da siderurgia, entre 1870 e 1890, neste setor deram-se grandes concentrações empresariais, e a United States Steel Corporation, tornou-se a principal empresa mundial no setor da metalurgia;
  • 39. Módulo 6, História A 39 A indústria automóvel, com Henry Ford, conhece um significativo arranque; Adotaram uma política protecionista e beneficiaram de enorme crescimento demográfico (mercado interno); No início do século XX, lideravam a economia mundial; Eram os primeiros na produção de carvão, petróleo, ferro, aço, cobre, zinco, chumbo e alumínio e o segundo no têxtil; A destruição na Europa provocada pela Primeira Guerra Mundial vai acentuar o domínio económico americano;
  • 40. Módulo 6, História A 40 O Japão iniciou a sua industrialização com a era Meiji; Depois de muitos anos fechados ao Mundo, a partir de 1868, com o imperador Mutsu-Hito, abriram-se ao progresso; O Japão era um país agrícola e atrasado que rapidamente se industrializou;
  • 41. Módulo 6, História A 41 O dinamismo da industrialização foi promovido pelo Estado que financiou industrias, concedeu monopólios e outros privilégios e promoveu a entrada de capitais e técnicos estrangeiros; Verificou-se um intenso crescimento demográfico (mercado nacional); Criou-se um espírito nacional de superioridade dos japoneses em relação aos outros povos; Os setores de maior desenvolvimento foram a siderurgia, a construção naval e as sedas;
  • 42. Módulo 6, História A 42 A permanência de formas de economia tradicional A História do século XIX foi marcada pelo desenvolvimento industrial; O aumento da produção conseguiu acompanhar o crescimento populacional e, nos países industrializados, um número cada vez maior de pessoas usufruíam de uma melhor qualidade de vida; Neste séculos todos os setores da atividade económica (agricultura, indústria, comércio, sistema financeiro, comunicações, transportes) sofreram profundas alterações que provocam mudanças irreversíveis no modo de vida das populações;
  • 43. Módulo 6, História A 43 No entanto, a par desta industrialização continua a existir um mundo atrasado, onde permaneciam as técnicas e modos de produção antigos; Países como o Império Austro-Húngaro, Império Russo, a Europa do Sul (Portugal, Espanha, Itália, Grécia), o tempo permanecia imóvel, mantinham modos de produção medievais e conheceram um arranque industrial muito tardio;
  • 44. Módulo 6, História A 44 Existiam ainda regiões, sobretudo em África e na América Latina que eram colónias e estavam dependentes das decisões tomadas nas metrópoles; Na Ásia o Japão foi o único país a industrializar-se; Nos próprios países mais desenvolvidos coexistiam formas de produção tradicional, sobretudo na agricultura, com as forma mais modernas de produção; A industrialização desenrolou-se a ritmos muito diferentes, consoante as regiões.
  • 45. Módulo 6, História A 45 A agudização das diferenças No século XIX, a maior parte dos países permanece subdesenvolvida, com exceção da Europa, EUA e Japão; A baixa produtividade agrícola criava poucos lucros e por isso não existiam capitais para investir na indústria, impossibilitando o desenvolvimento dessas regiões; As diferenças entre países ricos e pobres aumenta;
  • 46. Módulo 6, História A 46 A confiança nos mecanismos autorreguladores do mercado Nos séculos XVI, XVII e XVIII, vários países adotaram medidas protecionistas, sobretudo com base nas ideias mercantilistas; Proteger a produção nacional da concorrência estrangeira era a ideia central; O Estado intervinha na economia fomentando determinados setores e criando regras e tabelando preços; No entanto a Revolução Industrial foi suportada por um sistema económico livre-cambista;
  • 47. Módulo 6, História A 47 O livre-cambismo tinha por base as ideias de Adam Smith (1720- 1790) e foi desenvolvido por outros teóricos como David Ricardo (1772-1823), Thomas Malthus e Jean Baptiste Say; Defendiam a total liberdade da iniciativa privada, sem qualquer atuação por parte do Estado, porque segundo a sua opinião, através da lei da oferta e da procura e da livre concorrência o mercado autorregulava-se; Segundo as suas ideias seria o livre-cambismo que iria assegurar o desenvolvimento do Mundo;
  • 48. Módulo 6, História A 48 Na Inglaterra estas ideias são executas pelo Governo de Sir Robert Peel, que assumiu o poder em 1841, e em 1860 só 48 produtos pagavam taxas alfandegárias para entrar em Inglaterra contrastando com os 1150 produtos em 1840; A adoção do livre-cambismo pela Inglaterra vai influenciar outros países e entre 1850 e 1870, o livre-cambismo dominou as políticas económicas europeias; Mesmo os EUA que sempre mantiveram uma atitude protecionista baixaram as suas taxas alfandegárias;
  • 49. Módulo 6, História A 49 As debilidades do livre-cambismo. As crises cíclicas do capitalismo O livre-cambismo apresentava um problema intrínseco ao sistema, com uma periocidade de 6 a 10 anos existiam crises, estas crises eram de um novo tipo, não eram originadas por falta de produtos mas pelo excesso de produtos no mercado, eram crises de superprodução; Eram resultado da concorrência e da necessidade de produzirem mais e mais barato;
  • 50. Módulo 6, História A 50 O economista Clément Juglar (1824-1905) foi o primeiro a estudar estes ciclos económicos que por isso foram denominados ciclos de Juglar, duram aproximadamente 10 anos:
  • 52. Módulo 6, História A 52 Na fase de crescimento económico, a procura é maior do que a oferta, os preços sobem; A perspetiva de grandes lucros levam ao aumento do investimento, a especulação na Bolsa aumenta; Esta situação gera um aumento da produção que leva a que a oferta seja maior do que a procura;
  • 53. Módulo 6, História A 53 Os produtos acumulam-se nos armazéns, os preços baixam, para reduzir a produção os salários baixam e recorre-se ao despedimento de trabalhadores; Muitas empresas não resistem e abrem falência, arrastando consigo alguns Bancos (que tinham emprestado dinheiro); Muitos investidores perdem dinheiro na Bolsa; Os despedimentos fazem diminuir o consumo que leva a produção a diminuir ainda mais;
  • 54. Módulo 6, História A 54 Estas crises iniciam-se num ou em vários países e propagam-se rapidamente; Em 1810 regista-se a primeira crise, em 1929 a mais grave; Entre essas datas verificara-se 15 períodos de recessão económica que provocaram o aumento da miséria e agitação política e social; Os teóricos do liberalismo consideram estas crises cíclicas como simples ajustamentos económicos;
  • 56. Módulo 6, História A 56 Outros veem nas crises os sinais de que o mercado não é capaz de se autorregular; No final do século XIX, muitos países adotaram medidas protecionistas para proteger a sua economia da concorrência estrangeira; Estas crises suscitaram protestos; Após a crise de 1929, ficou patente a necessidade dos Estados intervirem na vida económica;
  • 57. Módulo 6, História A 57 O mercado internacional e a divisão do trabalho Durante o século XIX e até à Primeira Guerra Mundial o comércio registou um crescimento acelerado; Devido ao aumento da produção agrícola e industrial, ao crescimento demográfico e ao desenvolvimento dos transportes e das comunicações; Este comércio é dominado pela Europa, no início do século XX detém 2/3 do comércio mundial; Inglaterra, EUA, França e Alemanha são responsáveis por cerca de 50% do comércio mundial;
  • 58. Módulo 6, História A 58 No século XIX surgem zonas económicas especializadas e a repartição mundial do trabalho; O surgir de zonas especializadas teve que ver com as potencialidades naturais e humanas de cada região; A especialização de uma região num determinado produto conseguia gerar muitos lucros que compensavam a necessidade de importar outros produtos;
  • 60. Módulo 6, História A 60 A Revolução Industrial agudizou as diferenças na divisão internacional do trabalho; Inglaterra, EUA, Alemanha e França produziam cerca de 70% de toda a produção industrial mundial; Estes fornecem os países mais atrasados da Europa e dos outros continentes com os produtos industrializados e adquirem a estes produtos agrícolas e matérias-primas;
  • 61. Módulo 6, História A 61 Este sistema de trocas favorecia os países mais ricos; Apesar de alguns países em vias de desenvolvimento terem sido estimulados na procura de diminuírem as suas dependências económicas, ao longo do século XIX, estas diferenças, entre “países pobres e países ricos”, foram aumentando; O capitalismo industrial contribuiu para criar um mundo desigual; Um grupo muito restrito de países controla a economia mundial;
  • 62. Módulo 6, História A 62 Nos finais do século XIX, e como forma de defender os países menos desenvolvidos da livre concorrência, desenvolveram-se novas medidas protecionistas, de modo a tornar possível a industrialização desses países;
  • 63. Módulo 6, História A 63 Esquema in “Preparação para o Exame Nacional, História A 11, Porto Editora
  • 64. Módulo 6, História A 64 Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte bibliografia: FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da História 11, Areal Editores, 2014 COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo da História 11, Porto Editora, 2011 SANCHES, Mário, História A, Edições ASA, 2006 2018/2019