SlideShare uma empresa Scribd logo
- Século XVII e XVIII-
› Caracterizava-se
   Por uma economia baseada na agricultura e no tráfego
    comercial;
   Por uma sociedade fortemente estratificada, onde
    dominavam os grupos privilegiados;
   Pelo poder absoluto do rei.
Círculo
vicioso da
agricultura
durante o
  Antigo
 Regime
AS ORDENS SOCIAIS –         Pág. 108-109 – Doc. 1



A sociedade de Antigo é
uma             sociedade
estratificada em ordens
ou         estados.     É
Hierarquizada

Uma ordem social é um
grupo social fechado a
que se pertence pelo
nascimento.

Cada ordem social tem
uma função e um
estatuto jurídico próprio.

Na sociedade de Antigo
Regime existem 3 ordens
sociais: o    clero,  a
nobreza e o terceiro
estado.
5
   CLERO                           NOBREZA
    › Possuía cerca     de 1/3       › Isenção da maior parte
      das terras do país e             dos impostos.
      recebia os Dízimos de
                                     › Regime penal favorável.
      todos do reino.
                                     › Acesso exclusivo aos
    › Não pagavam impostos.
                                       cargos superiores de
    › Dispunham de tribunais           governação e da Igreja.
      próprios.
                                     › Direitos  senhoriais  e
    › Estavam      isentos da          tenças que o Rei lhes
      justiça régia.                   concedia.
   O POVO, engloba situações
    distintas:
    ›   Jornaleiros
    ›   Grandes mercadores
    ›   Rendeiros
    ›   Vendedores ambulantes
    ›   Pescadores
    ›   Artesãos
    ›   Camponeses
   Asseguram as actividades
    produtivas da nação            No       terceiro      estado
                                    destacou-se      um     grupo
                                    social a Burguesia.
                                   Olhada com desconfiança
                                    pelo clero e pela nobreza,
                                    foi-se afirmando pelo seu
                                    poder económico.
                                   Os reis recorreram muitas
                                    vezes       aos      grandes
                                    burgueses         para      a
                                    obtenção de empréstimos.
   Segundo Luís (XIV)
    › O rei tinha recebido o seu
      poder de Deus (poder divino
      Doc. 2, pág. 111) e era o seu
      representante na terra para
      poder governar sem
      contestação – Concentra em si
      todo o poder;
    › O rei centralizava em si os três
      poderes políticos:
       Poder legislativo – faz as leis;
       Poder executivo – executa as
        leis;
       Poder Judicial - julga.
                                           Luís XIV . O Estado sou eu
Luís XIV – O Rei Sol
Poderes do Rei absoluto




Poder Absoluto
17
   Reinado de D. João V (O
    Magnânimo)
    › Regime fundamentado no ouro e
      diamantes do Brasil (doc.5 p. 115).

    › Projecção de uma imagem de
      grandeza e esplendor:
       Construção do Convento de Mafra;
       Construção do Aqueduto das Águas
        Livres.

                                            19
Palácio Convento de Mafra
Aqueduto das Águas Livres
A política económica de Colbert
- Identifica o objectivo de Colbert
O objectivo de Colbert é tornar a França o país mais
  importante do mundo, sem depender dos outros
-   Para atingir esse objectivo, refere as medidas
    que ele tomou (são 4)
Instalou as melhores indústrias; impede que produto de
   outros países entrem na França; medidas para
   desenvolver o comércio marítimo e fundou
   Companhias comerciais.
-   Retira do texto uma frase que demonstre a
    importância do Ouro para o mercantilismo.
Sua Excelência entusiasma-se tanto com a entrada em
  França de ouro dos outros países, como se preocupa
                                                  24
   Mercantilismo
    › Política económica desenvolvida por Colbert;
       Ministro do rei Luís XIV


    › Estabelecimento de um conjunto de medidas


                 Fomentar a Industrialização

                 Desenvolvimento comercial
                                                     25
• Para Colbert:                              Mercantilismo
  – A riqueza de um pais
    estava na quantidade de
    ouro    que      o    pais
    conseguisse fazer entrar;
  – Assim, as exportações
    deveriam aumentar e as                          Manufacturas
    importações diminuir.        Taxas              Monopólios
                                 alfandegárias      Exploração colonial
                                 Leis Pragmáticas
Balança comercial positiva
     Conde de Ericeira – D. Luís Meneses (Colbert Português)
       › Promoção da industrialização do País
          Dependência das manufacturas estrangeiras (inglesas)
          Poucas indústrias

       › Medidas Mercantilistas
       - Pragmáticas – leis que proibiam peças de vestuário estrangeiras
       - Apoio às manufacturas nacionais – criação de fábricas e monopólios
       - Mandou vir do estrangeiro novos equipamentos e técnicos
         experientes
                                                         Os produtos
      Os ingleses vão                                portugueses eram de
      comprar menos                                  fraca qualidade e os
    vinhos portugueses      Descontentamento         portugueses furavam
                             da nobreza rural           essa proibição

                     Tratado de Methuen – 1703
         Fim do Mercantilismo e do processo de industrialização
                                                                     28
TRATADO DE METHUEN
                                    1703
                             Portugal e Inglaterra



    Obrigava Portugal a deixar entrar a lã inglesa, no seu mercado
                                 Vs
  A exportação de vinhos Portugueses para a Inglaterra foi facilitada



    Desvantagens                                          Vantagens



                                                     Desenvolvimento da
     Condenou ao
                                                     vinicultura – aumento
insucesso/destruição a
                                                         da produção e
 incipiente indústria de
                                                     exportação do Vinho
  lanifícios portuguesa
                                                        do Porto para a
                                                           Inglaterra
D. José I - convida para
Ministro Sebastião José de
Carvalho e Melo (1750) –
Marquês de Pombal
O Despotismo Pombalino

     Despotismo esclarecido ou iluminado: Regime
     político do absolutismo, onde o rei é iluminado
     pelos princípios da razão.

     Este despotismo associava ao poder absoluto do
     rei ideias de progresso, reforma e modernização.

     Este regime defendia um reforço do poder régio
     (do rei), de forma a que este pudesse governar a
     favor do bem estar e progresso do seu povo

     O Estado introduz reformas administrativas e
     jurídicas, dirigindo a economia e orientando a
     educação.
Terreiro do Paço
  Século XVIII
34
   A acção do Marquês de Pombal:
    › 1755 – Terramoto de Lisboa
       Novo tipo de Construção:
           Planta rectilínea e geométrica;
           Projecto igual para todos os edifícios;
           Proibição de marcas exteriores de riqueza;
           Alinhamento das fachadas das igrejas pela altura dos
            restantes edifícios.




                                                               35
   Reformas pombalinas
    › Reforma do Estado:
       Junta de Comércio (1755)
           Para controlar a actividade e subsidiar a indústria;
       Real Mesa Censória (1758)
           Censurava livros e publicações que de alguma
            forma estavam contra o regime
       Intendência-Geral da Polícia (1760)
           Separou as funções judicias (dos tribunais) das da
            polícia
       Erário Régio (1761)
           Organizava a aplicação e cobrança dos impostos.

        -Reforma Ensino:
            Criação do ensino primário e secundário;
            Reforma da Universidade;
            Cria o Real Colégio dos Nobres

                                                                   36
   Reformas pombalinas
    › Reforma Social:
       Controlo da Nobreza:
           Processo dos Távoras.
         Expulsão dos Jesuítas de Portugal;
         Fim da distinção entre Cristão-Velho e Cristão-Novo.
         Ascensão/promoção da Burguesia
         Fim da Inquisição.




                                                          37

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Absolutismo 7
Absolutismo 7Absolutismo 7
Absolutismo 7
Jorge Basílio
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Absolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoAbsolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e Mercantilismo
Thiago Bro
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
profcacocardozo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
luizmourao23
 
O estado moderno e exp. marítima intensivo
O estado moderno e exp. marítima   intensivoO estado moderno e exp. marítima   intensivo
O estado moderno e exp. marítima intensivo
Murilo Cisalpino
 
Formação dos estados nacionais europeus
Formação dos estados nacionais europeusFormação dos estados nacionais europeus
Formação dos estados nacionais europeus
Vagner Roberto
 
Idade Moderna - Absolutismo
Idade Moderna - AbsolutismoIdade Moderna - Absolutismo
Idade Moderna - Absolutismo
Edenilson Morais
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
Marcelo Ferreira Boia
 
Absolutismo europeu
Absolutismo europeuAbsolutismo europeu
Absolutismo europeu
Valeria Kosicki
 
Mercantilismo reforma - teóricos absolutistas
Mercantilismo   reforma - teóricos absolutistasMercantilismo   reforma - teóricos absolutistas
Mercantilismo reforma - teóricos absolutistas
Auxiliadora
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
vr1a2011
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
Juray Castro
 
Formação dos estados nacionais 2
Formação dos estados nacionais 2Formação dos estados nacionais 2
Formação dos estados nacionais 2
Jorge Basílio
 
14° formação das monarquias
14° formação das monarquias14° formação das monarquias
14° formação das monarquias
Ajudar Pessoas
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
Eduard Henry
 
Absolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismoAbsolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismo
edna2
 
Resumo absolutismo monárquico
Resumo   absolutismo monárquicoResumo   absolutismo monárquico
Resumo absolutismo monárquico
Claudenilson da Silva
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
Isabel Aguiar
 

Mais procurados (20)

Absolutismo 7
Absolutismo 7Absolutismo 7
Absolutismo 7
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
Absolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoAbsolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e Mercantilismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
O estado moderno e exp. marítima intensivo
O estado moderno e exp. marítima   intensivoO estado moderno e exp. marítima   intensivo
O estado moderno e exp. marítima intensivo
 
Formação dos estados nacionais europeus
Formação dos estados nacionais europeusFormação dos estados nacionais europeus
Formação dos estados nacionais europeus
 
Idade Moderna - Absolutismo
Idade Moderna - AbsolutismoIdade Moderna - Absolutismo
Idade Moderna - Absolutismo
 
A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais A formacao das monarquias nacionais
A formacao das monarquias nacionais
 
Absolutismo europeu
Absolutismo europeuAbsolutismo europeu
Absolutismo europeu
 
Mercantilismo reforma - teóricos absolutistas
Mercantilismo   reforma - teóricos absolutistasMercantilismo   reforma - teóricos absolutistas
Mercantilismo reforma - teóricos absolutistas
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
 
Estado Moderno
Estado ModernoEstado Moderno
Estado Moderno
 
Formação dos estados nacionais 2
Formação dos estados nacionais 2Formação dos estados nacionais 2
Formação dos estados nacionais 2
 
14° formação das monarquias
14° formação das monarquias14° formação das monarquias
14° formação das monarquias
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
Absolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismoAbsolutismo mercatilismo
Absolutismo mercatilismo
 
Resumo absolutismo monárquico
Resumo   absolutismo monárquicoResumo   absolutismo monárquico
Resumo absolutismo monárquico
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 

Semelhante a Absolutismo 8

Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
helenacompleto
 
Absolutismomercantilismo 120509173330-phpapp02(1)
Absolutismomercantilismo 120509173330-phpapp02(1)Absolutismomercantilismo 120509173330-phpapp02(1)
Absolutismomercantilismo 120509173330-phpapp02(1)
Mario Conde
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Nelson Faustino
 
Resumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoResumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º Ano
Denis Best
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Ana Batista
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
Carlos Pinheiro
 
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptxO Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
RosianneRaimundo
 
O antigo regime
O antigo regime O antigo regime
O antigo regime
Marcelo Ferreira Boia
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Marcela Marangon Ribeiro
 
História- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escolaHistória- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escola
MariaCaneira1
 
Resumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo RegimeResumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo Regime
Maria Catarina Santos
 
Resumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo RegimeResumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo Regime
Maria Catarina Santos
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
Maria Luiza
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
inessalgado
 
32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
Carla Freitas
 
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
cristianoperinpissolato
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
cursinhoembu
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
dmflores21
 

Semelhante a Absolutismo 8 (20)

Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Absolutismomercantilismo 120509173330-phpapp02(1)
Absolutismomercantilismo 120509173330-phpapp02(1)Absolutismomercantilismo 120509173330-phpapp02(1)
Absolutismomercantilismo 120509173330-phpapp02(1)
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Resumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º AnoResumo De História do 8º Ano
Resumo De História do 8º Ano
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptxO Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
O Antigo Regime em Portugal - Raquel Bruno nº25; Rosianne Raimundo nº28.pptx
 
O antigo regime
O antigo regime O antigo regime
O antigo regime
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
História- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escolaHistória- trabalho realizado pelo uma escola
História- trabalho realizado pelo uma escola
 
Resumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo RegimeResumo História Antigo Regime
Resumo História Antigo Regime
 
Resumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo RegimeResumo de História Antigo Regime
Resumo de História Antigo Regime
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo Antigo regime e iluminismo
Antigo regime e iluminismo
 
32 despotismo pombalino
32   despotismo pombalino32   despotismo pombalino
32 despotismo pombalino
 
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
175 abcdefghi brasil colonial 1750 1801 crise na produção aurifera e do siste...
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 

Mais de Jorge Basílio

Questão de equação polinomial afa 97
Questão de equação polinomial   afa 97Questão de equação polinomial   afa 97
Questão de equação polinomial afa 97
Jorge Basílio
 
2 questão de conjuntos afa 97
2 questão de conjuntos   afa 972 questão de conjuntos   afa 97
2 questão de conjuntos afa 97
Jorge Basílio
 
Questão de conjuntos afa 97
Questão de conjuntos   afa 97Questão de conjuntos   afa 97
Questão de conjuntos afa 97
Jorge Basílio
 
Foe 2 ano - 1º bimestre
Foe 2 ano - 1º bimestreFoe 2 ano - 1º bimestre
Foe 2 ano - 1º bimestre
Jorge Basílio
 
Potenciacao 1
Potenciacao 1Potenciacao 1
Potenciacao 1
Jorge Basílio
 
2 lista exercicios_complementares
2 lista exercicios_complementares2 lista exercicios_complementares
2 lista exercicios_complementares
Jorge Basílio
 
Banco de-atividades-de-matematica-7c2ba-ano
Banco de-atividades-de-matematica-7c2ba-anoBanco de-atividades-de-matematica-7c2ba-ano
Banco de-atividades-de-matematica-7c2ba-ano
Jorge Basílio
 
Calendario
CalendarioCalendario
Calendario
Jorge Basílio
 

Mais de Jorge Basílio (20)

Questão de equação polinomial afa 97
Questão de equação polinomial   afa 97Questão de equação polinomial   afa 97
Questão de equação polinomial afa 97
 
2 questão de conjuntos afa 97
2 questão de conjuntos   afa 972 questão de conjuntos   afa 97
2 questão de conjuntos afa 97
 
Questão de conjuntos afa 97
Questão de conjuntos   afa 97Questão de conjuntos   afa 97
Questão de conjuntos afa 97
 
Foe 2 ano - 1º bimestre
Foe 2 ano - 1º bimestreFoe 2 ano - 1º bimestre
Foe 2 ano - 1º bimestre
 
Potenciacao 1
Potenciacao 1Potenciacao 1
Potenciacao 1
 
2 lista exercicios_complementares
2 lista exercicios_complementares2 lista exercicios_complementares
2 lista exercicios_complementares
 
Banco de-atividades-de-matematica-7c2ba-ano
Banco de-atividades-de-matematica-7c2ba-anoBanco de-atividades-de-matematica-7c2ba-ano
Banco de-atividades-de-matematica-7c2ba-ano
 
Calendario
CalendarioCalendario
Calendario
 
File1 16
File1 16File1 16
File1 16
 
File1 15
File1 15File1 15
File1 15
 
File1 1
File1 1File1 1
File1 1
 
File1 14
File1 14File1 14
File1 14
 
File1 13
File1 13File1 13
File1 13
 
File1 12
File1 12File1 12
File1 12
 
File1 11
File1 11File1 11
File1 11
 
File1 10
File1 10File1 10
File1 10
 
File1 9
File1 9File1 9
File1 9
 
File1 8
File1 8File1 8
File1 8
 
File1 7
File1 7File1 7
File1 7
 
File1 6
File1 6File1 6
File1 6
 

Absolutismo 8

  • 1.
  • 2. - Século XVII e XVIII- › Caracterizava-se  Por uma economia baseada na agricultura e no tráfego comercial;  Por uma sociedade fortemente estratificada, onde dominavam os grupos privilegiados;  Pelo poder absoluto do rei.
  • 4. AS ORDENS SOCIAIS – Pág. 108-109 – Doc. 1 A sociedade de Antigo é uma sociedade estratificada em ordens ou estados. É Hierarquizada Uma ordem social é um grupo social fechado a que se pertence pelo nascimento. Cada ordem social tem uma função e um estatuto jurídico próprio. Na sociedade de Antigo Regime existem 3 ordens sociais: o clero, a nobreza e o terceiro estado.
  • 5. 5
  • 6. CLERO  NOBREZA › Possuía cerca de 1/3 › Isenção da maior parte das terras do país e dos impostos. recebia os Dízimos de › Regime penal favorável. todos do reino. › Acesso exclusivo aos › Não pagavam impostos. cargos superiores de › Dispunham de tribunais governação e da Igreja. próprios. › Direitos senhoriais e › Estavam isentos da tenças que o Rei lhes justiça régia. concedia.
  • 7. O POVO, engloba situações distintas: › Jornaleiros › Grandes mercadores › Rendeiros › Vendedores ambulantes › Pescadores › Artesãos › Camponeses  Asseguram as actividades produtivas da nação  No terceiro estado destacou-se um grupo social a Burguesia.  Olhada com desconfiança pelo clero e pela nobreza, foi-se afirmando pelo seu poder económico.  Os reis recorreram muitas vezes aos grandes burgueses para a obtenção de empréstimos.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Segundo Luís (XIV) › O rei tinha recebido o seu poder de Deus (poder divino Doc. 2, pág. 111) e era o seu representante na terra para poder governar sem contestação – Concentra em si todo o poder; › O rei centralizava em si os três poderes políticos:  Poder legislativo – faz as leis;  Poder executivo – executa as leis;  Poder Judicial - julga. Luís XIV . O Estado sou eu
  • 11.
  • 12. Luís XIV – O Rei Sol
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Poderes do Rei absoluto Poder Absoluto
  • 17. 17
  • 18.
  • 19. Reinado de D. João V (O Magnânimo) › Regime fundamentado no ouro e diamantes do Brasil (doc.5 p. 115). › Projecção de uma imagem de grandeza e esplendor:  Construção do Convento de Mafra;  Construção do Aqueduto das Águas Livres. 19
  • 20.
  • 23.
  • 24. A política económica de Colbert - Identifica o objectivo de Colbert O objectivo de Colbert é tornar a França o país mais importante do mundo, sem depender dos outros - Para atingir esse objectivo, refere as medidas que ele tomou (são 4) Instalou as melhores indústrias; impede que produto de outros países entrem na França; medidas para desenvolver o comércio marítimo e fundou Companhias comerciais. - Retira do texto uma frase que demonstre a importância do Ouro para o mercantilismo. Sua Excelência entusiasma-se tanto com a entrada em França de ouro dos outros países, como se preocupa 24
  • 25. Mercantilismo › Política económica desenvolvida por Colbert;  Ministro do rei Luís XIV › Estabelecimento de um conjunto de medidas Fomentar a Industrialização Desenvolvimento comercial 25
  • 26. • Para Colbert: Mercantilismo – A riqueza de um pais estava na quantidade de ouro que o pais conseguisse fazer entrar; – Assim, as exportações deveriam aumentar e as Manufacturas importações diminuir. Taxas Monopólios alfandegárias Exploração colonial Leis Pragmáticas
  • 28. Conde de Ericeira – D. Luís Meneses (Colbert Português) › Promoção da industrialização do País  Dependência das manufacturas estrangeiras (inglesas)  Poucas indústrias › Medidas Mercantilistas - Pragmáticas – leis que proibiam peças de vestuário estrangeiras - Apoio às manufacturas nacionais – criação de fábricas e monopólios - Mandou vir do estrangeiro novos equipamentos e técnicos experientes Os produtos Os ingleses vão portugueses eram de comprar menos fraca qualidade e os vinhos portugueses Descontentamento portugueses furavam da nobreza rural essa proibição Tratado de Methuen – 1703 Fim do Mercantilismo e do processo de industrialização 28
  • 29. TRATADO DE METHUEN 1703 Portugal e Inglaterra Obrigava Portugal a deixar entrar a lã inglesa, no seu mercado Vs A exportação de vinhos Portugueses para a Inglaterra foi facilitada Desvantagens Vantagens Desenvolvimento da Condenou ao vinicultura – aumento insucesso/destruição a da produção e incipiente indústria de exportação do Vinho lanifícios portuguesa do Porto para a Inglaterra
  • 30.
  • 31.
  • 32. D. José I - convida para Ministro Sebastião José de Carvalho e Melo (1750) – Marquês de Pombal
  • 33. O Despotismo Pombalino Despotismo esclarecido ou iluminado: Regime político do absolutismo, onde o rei é iluminado pelos princípios da razão. Este despotismo associava ao poder absoluto do rei ideias de progresso, reforma e modernização. Este regime defendia um reforço do poder régio (do rei), de forma a que este pudesse governar a favor do bem estar e progresso do seu povo O Estado introduz reformas administrativas e jurídicas, dirigindo a economia e orientando a educação. Terreiro do Paço Século XVIII
  • 34. 34
  • 35. A acção do Marquês de Pombal: › 1755 – Terramoto de Lisboa  Novo tipo de Construção:  Planta rectilínea e geométrica;  Projecto igual para todos os edifícios;  Proibição de marcas exteriores de riqueza;  Alinhamento das fachadas das igrejas pela altura dos restantes edifícios. 35
  • 36. Reformas pombalinas › Reforma do Estado:  Junta de Comércio (1755)  Para controlar a actividade e subsidiar a indústria;  Real Mesa Censória (1758)  Censurava livros e publicações que de alguma forma estavam contra o regime  Intendência-Geral da Polícia (1760)  Separou as funções judicias (dos tribunais) das da polícia  Erário Régio (1761)  Organizava a aplicação e cobrança dos impostos. -Reforma Ensino: Criação do ensino primário e secundário; Reforma da Universidade; Cria o Real Colégio dos Nobres 36
  • 37. Reformas pombalinas › Reforma Social:  Controlo da Nobreza:  Processo dos Távoras.  Expulsão dos Jesuítas de Portugal;  Fim da distinção entre Cristão-Velho e Cristão-Novo.  Ascensão/promoção da Burguesia  Fim da Inquisição. 37

Notas do Editor

  1. Diz-se que uma ordem é fechada pois existe uma fraca mobilidade social.