SlideShare uma empresa Scribd logo
A Europa dos parlamentos:
sociedade e poder político
Séc. XVII – Províncias Unidas e Inglaterra – a exceção ao modelo absolutista
Próspera república mercantil
na qual os interesses o Estado
funde-se com os interesses
comerciais e onde a
burguesia se impõe à nobreza
que se esforça por controlar o
poder.
O poder régio há muito
que era limitado pelos
direitos dos cidadãos,
que lutavam contra as
ambições absolutistas
dos reis.
Províncias Unidas
1568 – Sete províncias dos Países Baixos do Norte revoltaram-se contra o domínio espanhol;
1581- Nasce a República das Províncias Unidas ( sob a hegemonia da Holanda) que defendia
valores que se opunham à rigidez absolutista, tais como:
Tolerância religiosa
Liberdade de pensamento
Valorização do individuo
Valores que atraíram refugiados europeus, principalmente os cristãos-novos
Analise o documento:
1. Que tipo de regime político é instituído nas Províncias Unidas após a
independência?
2. Como define Johan de Witt esse regime?
3. Quais são as ocupações dos regentes da Holanda? Porquê?
4. Que meios favoráveis ao comércio são definidos nos parlamentos?
5. Quais as vantagens deste tipo de regime político?
Johan de Witt (1625-
1672) - Estadista
holandês, Grande
Pensionário dos Estados
Gerais de 1653 a 1672.
Guiou as províncias
Unidas na 1.ª e 2.ª guerras
contra a Inglaterra (1652-
54 e 1665-67) e
consolidou o poder naval e
comercial da nação.
Entendo pela palavra república um Estado no qual uma assembleia soberana
tem todo o poder para estabelecer as leis e fazer-se obedecer… Os regentes e
magistrados das repúblicas recebem vencimentos muito pequenos pelos seus
cargos (…); isso obriga-os a procurar outras vias, pelo comércio ou outros meios,
para fazer subsistir as suas famílias, como nas Repúblicas de Veneza ou de
Génova (…). É certo que muitos dos regentes da Holanda vivem do comércio, das
manufacturas, da pesca e da navegação (…). Pode pois pensar-se que os
regentes e os magistrados procurarão por todos os meios possíveis, cada um na
sua cidade ou na sua assembleia (parlamento local), conservar pelo seu conselho
e a sua direcção esses meios favoráveis ao comércio que são a liberdade de
religião, uma franquia do direito de burguesia, uma franquia de monopólio [por
exemplo, os monopólios das Companhias das Índias] (…), o estabelecimento de
colónias, e que se esforçarão por garantir a segurança dos mares e a manutenção
da paz e de cidades fortificadas, e de fazer exercitar a burguesia no manejo das
armas.
Johan de Witt, Memórias, 1667 in Gustavo de Freitas, 900 textos e documentos de História
Estrutura político-administrativa
Estrutura descentralizada – federação de estados
Cidades Províncias (7) Rep. das Províncias Unidas
Conselho dos
Regentes:
Governam a cidade
e nomeiam os
deputados aos
estados provinciais
Estados Provinciais
Designam os magistrados
superiores da província:
Stathouder ( que sustem/defende
o Estado)
Pensionário (recebe pensão
enquanto magistrado)
- Votam os impostos
- Elegem os deputados aos
Estados Gerais da República
Conselho dos 12
Controla o exército e administra as
finanças;
Estados Gerais da República:
Stadhouer Geral – nobre com funções
militares;
Grande Pensionário – burguês com
funções administrativas (1º ministro)
Tratam dos assuntos comuns às
províncias, da paz, guerra, diplomacia
e relações externas
Organização social
Nobreza reduzida à qual cabia as funções militares
Próspera burguesia que dominava a vida económica e o aparelho político
População maioritariamente urbana
Princípios da sociedade:
Trabalho
Austeridade
Poupança
investimento
Contraste com a valorização do
nascimento/linhagem, luxo e ostentação que
caracterizava a sociedade dos regimes absolutos
Economia
Grande atividade comercial - a Holanda é uma das principais potências coloniais e marítimas
devido ao:
a) Incremento das atividades produtivas:
- manufaturas têxteis e construção naval;
- agricultura
b) Desenvolvimento do comércio e da banca:
- alargamento das rotas marítimas com transporte de produtos;
- criação de companhias de comércio, bancos bolsa;
República das Províncias Unidas da Holanda constrói um Império colonial ultramarino e disputa as
rotas e mercados com os impérios ibéricos
Hugo Grotius (jurista holandês do séc. XVII), contribuiu para o fim da doutrina do Mare
Clausum e definitiva aceitação do Mare Liberum.
Mare Clausum/ Mare Liberum : Os holandeses não aceitavam o monopólio mercantil
ultramarino dos povos ibéricos e demonstravam-no através dos taques de corso que faziam nas
suas rotas.
Mare Clausum de Spencer, Museu
Marítimo de Amesterdão
1ª página da obra de Hugo Grotius,
Museu Marítimo de Amesterdão
A liberdade de navegação
1. De que injustiça fala Hugo Grócio?
2. O que querem os holandeses?
Analise o documento:
Entre nós e os hispanos está em controvérsia: se o acesso ao imenso e vasto mar pode ser
reservado a um só reino, que por sinal não é o maior de todos; se um povo pode ter o direito de
proibir outros, desejosos de o fazer, e entre si comprarem, venderem, permutarem e comunicarem; se
alguém pode fazer concessões daquilo que nunca foi seu ou adquirir o que já era de outros; e se uma
injustiça prolongada pode criar um direito.
Hugo Grócio
O Mare Liberum legitimou as pretensões holandesas ao comercio colonial e mostrou a
decadência dos países ibéricos.
Inglaterra
Organização social
- Projeção social baseada no mérito e na riqueza alcançada com o
trabalho;
- Classe média alargada (burguesia de negócios e ricos
proprietários rurais) com poder político (apoiam o
parlamentarismo);
- Mobilidade social;
Barreiras sociais esbatidas:
A rejeição do absolutismo
Os diferendos entre o povo e a monarquia remontam à Idade Média (o rei João Sem Terra
aceitou a Magna Carta no séc. XIII que protegia o povo das arbitrariedades do poder
monárquico e lançava as bases para a existência de um Parlamento).
A evolução política em Inglaterra
Carlos I
1625-49
- Assinou a Petição dos
Direitos (que o obriga a
respeitar aa antigas leis e
vontade popular);
- Dissolveu o Parlamento
(tentativa de governo
absolutista) - Guerra Civil;
- Cromwell (líder da oposição ao
rei) consegue a sua condenação
(doc. 32, pág.65)
Abolição da
Monarquia
- Cromwell assume o governo
em 1649;
- Em nome da liberdade
instaura a República inglesa
(Commonwealth and Free
State);
- Desenvolve o comércio;
- Impõe um regime ditatorial e
repressivo (encerra o
Parlamento);
Restauração da
Monarquia após a
morte de
Cromwell (e do
afastamento do
seu filho Richard)
Que nenhum homem livre possa ser preso, nem desapossado do seu feudo, das suas liberdades
ou das suas franquias, nem considerado fora-da-lei ou exilado, nem molestado de alguma
maneira, senão em virtude de uma sentença legal dos seus pares ou das leis deste país.
http://www.nationalarchives.gov.uk/pathways/citizenship/rise_parliament/transcripts/petition_right.htm
Petição dos Direitos, 1628
Que o rei ou os seus herdeiros não imporão nem levantarão
talha ou subsídio neste reino sem o consentimento dos
arcebispos, bispos, condes, barões, cavaleiros, burgueses e
outros homens livres das comunas deste reino (…).
Que ninguém poderá ser obrigado a emprestar dinheiro ao
rei contra sua vontade, porque a obrigação é contrária à
razão e às liberdades do país (…).
O que se estipula na Petição dos Direitos?
A proibição de levantamento de impostos sem o consentimento do clero, da nobreza e do povo.
A proibição de prender ou retirar bens e liberdades a um homem exceto quando decidido por um
tribunal.
A proibição do rei de exigir dinheiro emprestado.
Carlos II
1660-85
- Devolveu ao
Parlamento os
antigos privilégios;
- Reforça as
liberdades individuais
dos cidadãos ingleses
(Habeas Corpus);
Jaime II
1685-88
- Autoritário, conta
com forte oposição
parlamentar;
- Face à pretensão
em restaurar o
catolicismo em
Inglaterra, o
Parlamento solicita a
intervenção do seu
genro Guilherme de
Orange (holandês)
Revolta Gloriosa:
consolidação do
regime
parlamentar após a
derrota e
afastamento de
Jaime II ;
Guilherme de Orange e Maria
1689-1702
Os novos monarcas
juram a Declaração
dos Direitos (Bill of
Rights) que defende as
liberdades individuais
e limita o poder real –
o rei partilha o poder
com o Parlamento
seguindo as leis que
protegiam o país do
poder absoluto.
1689 – Declaração dos Direitos (assinada por Guilherme III e Maria)
Após a leitura do preâmbulo da Declaração dos Direitos responda:
1. Como é constituído o parlamento inglês do século XVII?
2. De que é acusado Jaime II?
2 Câmaras
Os Lordes espirituais e temporais e os Comuns, reunidos em
Westminster, (…) apresentaram no dia 13 de Fevereiro de (…) 1689, a
Suas Majestades, (…) Guilherme e Maria, príncipe e princesa de Orange,
(…) uma declaração escrita (…):
1. Considerando que Jaime II, por influência de maus conselheiros, juízes
e ministros, tentou subverter e extirpar a religião protestante e as leis e
liberdades deste país; (…)
2. Que assumiu e exerceu o poder de dispensar e suspender as leis e a
execução das leis sem o consentimento do Parlamento; (…)
15. Que todas [as medidas que tomou] foram contrárias às leis
conhecidas e aos estatutos e liberdades deste reino.
Doc. 33, pág. 66)
John Locke (filósofo dos sécs. XVII-XVIII) na sua
obra Tratado do Governo Civil, defendia que os
homens encontravam-se naturalmente num
estado de “perfeita liberdade” e num “estado de
igualdade”, por isso, só com o seu consentimento
podia surgir um poder ao qual todos
obedecessem – o poder dependia, assim, da
vontade dos governados.
A obra de Locke foi um importante contributo
para a consolidação do sistema parlamentar.
John Locke, 1632 -1704
Obras mais importantes: “Ensaio sobre o
poder civil “,1689; Ensaio sobre o
Intelecto Humano, 1690; Pensamentos
sobre a Educação, 1693.
Doc. 35, pág. 68)
Absolutismo/ Parlamentarismo inglês?
Rei
Concentra os
poderes
legislativo
executivo
judicial
fiscal
militar
Raramente convoca
as Cortes
Poder de origem
divina
Poder
sagrado e
paternal
Controla as ordens
privilegiadas
Vida de corte
Distribuição
de cargos e
de pensões
Parlamento
Câmara dos
Nobres
Clero
Nobreza
Câmara dos
Comuns
Burguesia*
Divisão de
poderes com o rei
*Pode ocupar cargos
de administração do
Estado
Esbatem-se os critérios sociais
assentes no nascimento
Escolha a opção que permita completar as frases seguintes:
O termo Antigo Regime refere-se ao período entre os séculos XVI e XVIII / XIX em que, na Europa,
o poder político é exercido sob a forma de
a) monarquia absoluta e a sociedade está estruturada em ordens ou estados.
b) monarquia absoluta e a sociedade está estruturada em classes.
c) república e a sociedade está estruturada em ordens ou estados.
d) república e a sociedade está estruturada em classes.
Monarquia absoluta define um regime político em que o rei
a) partilha a soberania da nação com a nobreza, cedendo-lhe o poder executivo.
b) partilha a soberania da nação com a nobreza, cedendo-lhe o poder judicial.
c) detém a soberania da nação, concentra os poderes políticos e ouve as Cortes.
d) detém a soberania da nação, concentra os poderes políticos, não ouvindo Cortes.
Parlamento é uma assembleia
a) legislativa onde se reúnem os representantes de uma Nação.
b) legislativa onde se reúnem os membros do governo de uma Nação.
c) executiva onde se reúnem os membros do governo de uma Nação.
d) executiva onde se reúnem os representantes de uma Nação.
Imagens e exercícios práticos retirados dos recursos do livro História em Perspetiva – 11º ano, Ed.
Asa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
Rita Pontes
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Catarina Castro
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
BarbaraSilveira9
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
Fernando Alvarado
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Laboratório de História
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
EconomicSintese
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
manjosp
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 

Mais procurados (20)

As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo JoaninoD. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
D. João V, o Absolutismo e o Absolutismo Joanino
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 

Destaque

O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
Escultura Romana
Escultura RomanaEscultura Romana
Escultura Romana
Sílvia Mendonça
 
Da formação à fixação do território
Da formação à fixação do territórioDa formação à fixação do território
Da formação à fixação do território
Susana Simões
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
Susana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Susana Simões
 
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
Susana Simões
 
Exame mod 3 2 taar
Exame mod 3  2 taarExame mod 3  2 taar
Exame mod 3 2 taar
teresagoncalves
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
Vítor Santos
 
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira RodriguesApresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Elvira Rodrigues
 
1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora
Vítor Santos
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
Vítor Santos
 
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correçãoExame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
teresagoncalves
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
Ana Barreiros
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
Ana Barreiros
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
Vítor Santos
 

Destaque (18)

O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
Escultura Romana
Escultura RomanaEscultura Romana
Escultura Romana
 
Da formação à fixação do território
Da formação à fixação do territórioDa formação à fixação do território
Da formação à fixação do território
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
 
Exame mod 3 2 taar
Exame mod 3  2 taarExame mod 3  2 taar
Exame mod 3 2 taar
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
01 cultura da catedral
01 cultura da catedral01 cultura da catedral
01 cultura da catedral
 
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira RodriguesApresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
Apresentação 10º L 14 maio 2013_AI_Elvira Rodrigues
 
1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora1 01 a cultura do ágora
1 01 a cultura do ágora
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
 
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correçãoExame mod 2  - 2.ª versão - proposta de correção
Exame mod 2 - 2.ª versão - proposta de correção
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
 
02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado02 1 a_cultura_do_senado
02 1 a_cultura_do_senado
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 

Semelhante a A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político

HOJE_A Europa dos parlamentos- esquema das diferenças entre absolutismo e par...
HOJE_A Europa dos parlamentos- esquema das diferenças entre absolutismo e par...HOJE_A Europa dos parlamentos- esquema das diferenças entre absolutismo e par...
HOJE_A Europa dos parlamentos- esquema das diferenças entre absolutismo e par...
DannySantos45
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
ricardup
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
josepinho
 
A europa dos parlamentos
A europa dos parlamentosA europa dos parlamentos
A europa dos parlamentos
Inácio Vitorino
 
A Europa dos Parlamentos_Províncias Unidas.pptx
A Europa dos Parlamentos_Províncias Unidas.pptxA Europa dos Parlamentos_Províncias Unidas.pptx
A Europa dos Parlamentos_Províncias Unidas.pptx
Manuel Martins
 
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Carla Freitas
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
A europa dos parlamentos holanda
A europa dos parlamentos  holandaA europa dos parlamentos  holanda
A europa dos parlamentos holanda
Carla Teixeira
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
Carla Freitas
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómico
ricardup
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Magnoliviafinalja
MagnoliviafinaljaMagnoliviafinalja
Magnoliviafinalja
carolineborba
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
sabinachourico
 
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Laboratório de História
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
Carla Teixeira
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
Aula 6e 7
Aula 6e 7Aula 6e 7
Aula 6e 7
josepedrosilva
 
O Antigo Regime.
O Antigo Regime.O Antigo Regime.
O Antigo Regime.
MarceloFreitas
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
Susana Simões
 

Semelhante a A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político (20)

HOJE_A Europa dos parlamentos- esquema das diferenças entre absolutismo e par...
HOJE_A Europa dos parlamentos- esquema das diferenças entre absolutismo e par...HOJE_A Europa dos parlamentos- esquema das diferenças entre absolutismo e par...
HOJE_A Europa dos parlamentos- esquema das diferenças entre absolutismo e par...
 
Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820Revolução Liberal de 1820
Revolução Liberal de 1820
 
Revolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesaRevolução liberal portuguesa
Revolução liberal portuguesa
 
A europa dos parlamentos
A europa dos parlamentosA europa dos parlamentos
A europa dos parlamentos
 
A Europa dos Parlamentos_Províncias Unidas.pptx
A Europa dos Parlamentos_Províncias Unidas.pptxA Europa dos Parlamentos_Províncias Unidas.pptx
A Europa dos Parlamentos_Províncias Unidas.pptx
 
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
A europa dos parlamentos holanda
A europa dos parlamentos  holandaA europa dos parlamentos  holanda
A europa dos parlamentos holanda
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 
Novo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómicoNovo ordenamento político e socioeconómico
Novo ordenamento político e socioeconómico
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Magnoliviafinalja
MagnoliviafinaljaMagnoliviafinalja
Magnoliviafinalja
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
 
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314Caderno diário A Revolução Francesa 1314
Caderno diário A Revolução Francesa 1314
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Aula 6e 7
Aula 6e 7Aula 6e 7
Aula 6e 7
 
O Antigo Regime.
O Antigo Regime.O Antigo Regime.
O Antigo Regime.
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
 

Mais de Susana Simões

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
Susana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Susana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
Susana Simões
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
Susana Simões
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
Susana Simões
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
Susana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
Susana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
Susana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
Susana Simões
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
Susana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
Susana Simões
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Susana Simões
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
Susana Simões
 
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Arte e literatura
Susana Simões
 
Jogos Olímpicos
Jogos OlímpicosJogos Olímpicos
Jogos Olímpicos
Susana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
 
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Arte e literatura
 
Jogos Olímpicos
Jogos OlímpicosJogos Olímpicos
Jogos Olímpicos
 

Último

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 

Último (20)

D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 

A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político

  • 1. A Europa dos parlamentos: sociedade e poder político
  • 2. Séc. XVII – Províncias Unidas e Inglaterra – a exceção ao modelo absolutista Próspera república mercantil na qual os interesses o Estado funde-se com os interesses comerciais e onde a burguesia se impõe à nobreza que se esforça por controlar o poder. O poder régio há muito que era limitado pelos direitos dos cidadãos, que lutavam contra as ambições absolutistas dos reis.
  • 3. Províncias Unidas 1568 – Sete províncias dos Países Baixos do Norte revoltaram-se contra o domínio espanhol; 1581- Nasce a República das Províncias Unidas ( sob a hegemonia da Holanda) que defendia valores que se opunham à rigidez absolutista, tais como: Tolerância religiosa Liberdade de pensamento Valorização do individuo Valores que atraíram refugiados europeus, principalmente os cristãos-novos
  • 4. Analise o documento: 1. Que tipo de regime político é instituído nas Províncias Unidas após a independência? 2. Como define Johan de Witt esse regime? 3. Quais são as ocupações dos regentes da Holanda? Porquê? 4. Que meios favoráveis ao comércio são definidos nos parlamentos? 5. Quais as vantagens deste tipo de regime político? Johan de Witt (1625- 1672) - Estadista holandês, Grande Pensionário dos Estados Gerais de 1653 a 1672. Guiou as províncias Unidas na 1.ª e 2.ª guerras contra a Inglaterra (1652- 54 e 1665-67) e consolidou o poder naval e comercial da nação. Entendo pela palavra república um Estado no qual uma assembleia soberana tem todo o poder para estabelecer as leis e fazer-se obedecer… Os regentes e magistrados das repúblicas recebem vencimentos muito pequenos pelos seus cargos (…); isso obriga-os a procurar outras vias, pelo comércio ou outros meios, para fazer subsistir as suas famílias, como nas Repúblicas de Veneza ou de Génova (…). É certo que muitos dos regentes da Holanda vivem do comércio, das manufacturas, da pesca e da navegação (…). Pode pois pensar-se que os regentes e os magistrados procurarão por todos os meios possíveis, cada um na sua cidade ou na sua assembleia (parlamento local), conservar pelo seu conselho e a sua direcção esses meios favoráveis ao comércio que são a liberdade de religião, uma franquia do direito de burguesia, uma franquia de monopólio [por exemplo, os monopólios das Companhias das Índias] (…), o estabelecimento de colónias, e que se esforçarão por garantir a segurança dos mares e a manutenção da paz e de cidades fortificadas, e de fazer exercitar a burguesia no manejo das armas. Johan de Witt, Memórias, 1667 in Gustavo de Freitas, 900 textos e documentos de História
  • 5. Estrutura político-administrativa Estrutura descentralizada – federação de estados Cidades Províncias (7) Rep. das Províncias Unidas Conselho dos Regentes: Governam a cidade e nomeiam os deputados aos estados provinciais Estados Provinciais Designam os magistrados superiores da província: Stathouder ( que sustem/defende o Estado) Pensionário (recebe pensão enquanto magistrado) - Votam os impostos - Elegem os deputados aos Estados Gerais da República Conselho dos 12 Controla o exército e administra as finanças; Estados Gerais da República: Stadhouer Geral – nobre com funções militares; Grande Pensionário – burguês com funções administrativas (1º ministro) Tratam dos assuntos comuns às províncias, da paz, guerra, diplomacia e relações externas
  • 6. Organização social Nobreza reduzida à qual cabia as funções militares Próspera burguesia que dominava a vida económica e o aparelho político População maioritariamente urbana Princípios da sociedade: Trabalho Austeridade Poupança investimento Contraste com a valorização do nascimento/linhagem, luxo e ostentação que caracterizava a sociedade dos regimes absolutos
  • 7. Economia Grande atividade comercial - a Holanda é uma das principais potências coloniais e marítimas devido ao: a) Incremento das atividades produtivas: - manufaturas têxteis e construção naval; - agricultura b) Desenvolvimento do comércio e da banca: - alargamento das rotas marítimas com transporte de produtos; - criação de companhias de comércio, bancos bolsa; República das Províncias Unidas da Holanda constrói um Império colonial ultramarino e disputa as rotas e mercados com os impérios ibéricos
  • 8. Hugo Grotius (jurista holandês do séc. XVII), contribuiu para o fim da doutrina do Mare Clausum e definitiva aceitação do Mare Liberum. Mare Clausum/ Mare Liberum : Os holandeses não aceitavam o monopólio mercantil ultramarino dos povos ibéricos e demonstravam-no através dos taques de corso que faziam nas suas rotas. Mare Clausum de Spencer, Museu Marítimo de Amesterdão 1ª página da obra de Hugo Grotius, Museu Marítimo de Amesterdão
  • 9. A liberdade de navegação 1. De que injustiça fala Hugo Grócio? 2. O que querem os holandeses? Analise o documento: Entre nós e os hispanos está em controvérsia: se o acesso ao imenso e vasto mar pode ser reservado a um só reino, que por sinal não é o maior de todos; se um povo pode ter o direito de proibir outros, desejosos de o fazer, e entre si comprarem, venderem, permutarem e comunicarem; se alguém pode fazer concessões daquilo que nunca foi seu ou adquirir o que já era de outros; e se uma injustiça prolongada pode criar um direito. Hugo Grócio O Mare Liberum legitimou as pretensões holandesas ao comercio colonial e mostrou a decadência dos países ibéricos.
  • 10. Inglaterra Organização social - Projeção social baseada no mérito e na riqueza alcançada com o trabalho; - Classe média alargada (burguesia de negócios e ricos proprietários rurais) com poder político (apoiam o parlamentarismo); - Mobilidade social; Barreiras sociais esbatidas:
  • 11. A rejeição do absolutismo Os diferendos entre o povo e a monarquia remontam à Idade Média (o rei João Sem Terra aceitou a Magna Carta no séc. XIII que protegia o povo das arbitrariedades do poder monárquico e lançava as bases para a existência de um Parlamento). A evolução política em Inglaterra
  • 12. Carlos I 1625-49 - Assinou a Petição dos Direitos (que o obriga a respeitar aa antigas leis e vontade popular); - Dissolveu o Parlamento (tentativa de governo absolutista) - Guerra Civil; - Cromwell (líder da oposição ao rei) consegue a sua condenação (doc. 32, pág.65) Abolição da Monarquia - Cromwell assume o governo em 1649; - Em nome da liberdade instaura a República inglesa (Commonwealth and Free State); - Desenvolve o comércio; - Impõe um regime ditatorial e repressivo (encerra o Parlamento); Restauração da Monarquia após a morte de Cromwell (e do afastamento do seu filho Richard)
  • 13. Que nenhum homem livre possa ser preso, nem desapossado do seu feudo, das suas liberdades ou das suas franquias, nem considerado fora-da-lei ou exilado, nem molestado de alguma maneira, senão em virtude de uma sentença legal dos seus pares ou das leis deste país. http://www.nationalarchives.gov.uk/pathways/citizenship/rise_parliament/transcripts/petition_right.htm Petição dos Direitos, 1628 Que o rei ou os seus herdeiros não imporão nem levantarão talha ou subsídio neste reino sem o consentimento dos arcebispos, bispos, condes, barões, cavaleiros, burgueses e outros homens livres das comunas deste reino (…). Que ninguém poderá ser obrigado a emprestar dinheiro ao rei contra sua vontade, porque a obrigação é contrária à razão e às liberdades do país (…). O que se estipula na Petição dos Direitos? A proibição de levantamento de impostos sem o consentimento do clero, da nobreza e do povo. A proibição de prender ou retirar bens e liberdades a um homem exceto quando decidido por um tribunal. A proibição do rei de exigir dinheiro emprestado.
  • 14. Carlos II 1660-85 - Devolveu ao Parlamento os antigos privilégios; - Reforça as liberdades individuais dos cidadãos ingleses (Habeas Corpus); Jaime II 1685-88 - Autoritário, conta com forte oposição parlamentar; - Face à pretensão em restaurar o catolicismo em Inglaterra, o Parlamento solicita a intervenção do seu genro Guilherme de Orange (holandês) Revolta Gloriosa: consolidação do regime parlamentar após a derrota e afastamento de Jaime II ; Guilherme de Orange e Maria 1689-1702 Os novos monarcas juram a Declaração dos Direitos (Bill of Rights) que defende as liberdades individuais e limita o poder real – o rei partilha o poder com o Parlamento seguindo as leis que protegiam o país do poder absoluto.
  • 15. 1689 – Declaração dos Direitos (assinada por Guilherme III e Maria) Após a leitura do preâmbulo da Declaração dos Direitos responda: 1. Como é constituído o parlamento inglês do século XVII? 2. De que é acusado Jaime II? 2 Câmaras Os Lordes espirituais e temporais e os Comuns, reunidos em Westminster, (…) apresentaram no dia 13 de Fevereiro de (…) 1689, a Suas Majestades, (…) Guilherme e Maria, príncipe e princesa de Orange, (…) uma declaração escrita (…): 1. Considerando que Jaime II, por influência de maus conselheiros, juízes e ministros, tentou subverter e extirpar a religião protestante e as leis e liberdades deste país; (…) 2. Que assumiu e exerceu o poder de dispensar e suspender as leis e a execução das leis sem o consentimento do Parlamento; (…) 15. Que todas [as medidas que tomou] foram contrárias às leis conhecidas e aos estatutos e liberdades deste reino. Doc. 33, pág. 66)
  • 16. John Locke (filósofo dos sécs. XVII-XVIII) na sua obra Tratado do Governo Civil, defendia que os homens encontravam-se naturalmente num estado de “perfeita liberdade” e num “estado de igualdade”, por isso, só com o seu consentimento podia surgir um poder ao qual todos obedecessem – o poder dependia, assim, da vontade dos governados. A obra de Locke foi um importante contributo para a consolidação do sistema parlamentar. John Locke, 1632 -1704 Obras mais importantes: “Ensaio sobre o poder civil “,1689; Ensaio sobre o Intelecto Humano, 1690; Pensamentos sobre a Educação, 1693. Doc. 35, pág. 68)
  • 17. Absolutismo/ Parlamentarismo inglês? Rei Concentra os poderes legislativo executivo judicial fiscal militar Raramente convoca as Cortes Poder de origem divina Poder sagrado e paternal Controla as ordens privilegiadas Vida de corte Distribuição de cargos e de pensões Parlamento Câmara dos Nobres Clero Nobreza Câmara dos Comuns Burguesia* Divisão de poderes com o rei *Pode ocupar cargos de administração do Estado Esbatem-se os critérios sociais assentes no nascimento
  • 18. Escolha a opção que permita completar as frases seguintes: O termo Antigo Regime refere-se ao período entre os séculos XVI e XVIII / XIX em que, na Europa, o poder político é exercido sob a forma de a) monarquia absoluta e a sociedade está estruturada em ordens ou estados. b) monarquia absoluta e a sociedade está estruturada em classes. c) república e a sociedade está estruturada em ordens ou estados. d) república e a sociedade está estruturada em classes. Monarquia absoluta define um regime político em que o rei a) partilha a soberania da nação com a nobreza, cedendo-lhe o poder executivo. b) partilha a soberania da nação com a nobreza, cedendo-lhe o poder judicial. c) detém a soberania da nação, concentra os poderes políticos e ouve as Cortes. d) detém a soberania da nação, concentra os poderes políticos, não ouvindo Cortes. Parlamento é uma assembleia a) legislativa onde se reúnem os representantes de uma Nação. b) legislativa onde se reúnem os membros do governo de uma Nação. c) executiva onde se reúnem os membros do governo de uma Nação. d) executiva onde se reúnem os representantes de uma Nação.
  • 19. Imagens e exercícios práticos retirados dos recursos do livro História em Perspetiva – 11º ano, Ed. Asa