SlideShare uma empresa Scribd logo
A Revolução Francesa
Enquanto na América se afirmavam os
novos valores da Liberdade , na Europa,
particularmente em França, o Antigo
Regime mantinha-se firme e resistia aos
ventos da mudança.
Retrato de Luís XVI com os trajes da coroação
Museu do Palácio de Versalhes (1777)
- Sociedade tripartida e desigual: uma minoria
repleta de privilégios (clero e nobreza) e o
Terceiro Estado sobrecarregado com impostos,
rendas e serviços;
Antecedentes
Sociais:
- A fome e a miséria provocaram
descontentamento e revoltas populares um
pouco por toda a França.
A imagem da realeza era muito negativa, porque:
‐ A rainha, Maria Antonieta, era considerada
gastadora e inimiga dos franceses;
- O monarca, Luís XVI, não
tomava as decisões que o
Terceiro estado desejava;
Políticos:
A população francesa estava descontente com o Antigo Regime e com o governo
absolutista do Rei;
Culturais:
O Iluminismo tinha como princípios:
- A rejeição do absolutismo;
- A defesa de princípios, como a liberdade e a
igualdade;
- A valorização da dignidade do indivíduo e da
soberania popular;
- O desejo de um modelo político assente na divisão
de poderes.
Económico-financeiros:
Crise económica:
- Maus anos agrícolas e resistência às inovações introduzidas pela Revolução
Agrícola;
- Concorrência dos produtos ingleses (particularmente os têxteis);
- O comércio externo e colonial ajuda a manter aparência de riqueza ;
- Elevadas despesas com a Corte, obras públicas e com as guerras;
Os vários ministros do rei propuseram soluções para a crise económica e financeira, mas
encontraram resistência por parte dos grupos privilegiados.
Para resolver o problema das contas públicas, o rei Luís XVI decidiu convocar os Estados Gerais
(assembleia onde estavam representados o Clero, a Nobreza e o Terceiro Estado).
Nas primeiras sessões, os representantes do Terceiro
Estado recusaram o sistema tradicional de voto - a
regra era um voto por ordem social (que favorecia a
nobreza e o clero)- e defendem que seja um voto por
pessoa (o que beneficiava o Terceiro Estado que tinha
mais representantes nos Estados Gerais – 578 contra
561).
Representantes nos Estados Gerais.
Abertura a 5 de maio de 1789.
No dia 20 de junho de 1789, os deputados do Terceiro Estado juram não se
separar até elaborarem uma Constituição.
Na rua, o povo destrói a
prisão da Bastilha, a 14 de
julho de 1789: é o início da
Revolução Francesa.
A tomada da Bastilha.
Como o rei não tomava uma posição sobre o assunto, os deputados do clero e da nobreza
rejeitavam o voto por cabeça, os representantes do 3º Estado, reúnem-se, declaram-se Assembleia
Nacional Constituinte e juram não se separar enquanto não elaborarem uma Constituição para
França.
 Abolição dos direitos senhoriais e dos
privilégios particulares.
 Declaração dos Direitos do Homem e do
Cidadão.
 Nacionalização dos bens do clero e extinção
das ordens religiosas.
 Constituição de 1791 que consagrou o
princípio da separação dos poderes, da
soberania da nação, do sufrágio censitário e o
fim da monarquia absoluta.
Medidas da Assembleia Constituinte
O rei fugiu de França, mas depois de
parar em Varennes, na fronteira da
Bélgica, o rei foi detido e obrigado a
voltar a Paris.
Os sans-culottes, dirigidos pelos
jacobinos, tomaram o poder e
marcaram eleições por sufrágio
universal.
Reúne-se uma nova Assembleia
(designada Convenção) que decide a
instauração da República.
Os sans-culottes
eram artesãos e
trabalhadores da
cidade.
Apesar das medidas tomadas, a maioria da população continuava a viver miseravelmente e sem
direito de voto. França vivia uma forte instabilidade política e o povo tinha perdido a confiança no rei.
O rei e centenas de nobres,
clérigos e partidários da
realeza foram acusados de
traição à nação e executados.
As fases da Revolução Francesa
Principais
fases
1792-1794 – República
popular – período do
«Terror»
1795-1799 – República
burguesa – Diretório
1799-1804 –
Consulado
O governo foi centralizado,
chefiado por Robespierre
que mandou executar todos
os que forma considerados
inimigos do seu governo,
incluindo o rei e a rainha.
Os interesses da alta burguesia são
salvaguardados. O governo passou a
ser exercido por um Diretório
composto por 5 diretores.
Napoleão dirigiu um golpe de Estado que,
em 1799, derrubou o Diretório e instituiu o
Consulado. O governo passou a ser exercido
por si e por mais 2 cônsules.
Execução do rei Luís XVI.
O período do «Terror» (1792-1794)
Em 1804 Napoleão intitula-se imperador dos franceses.
A coroação de Napoleão
A coroação de Napoleão.
 Em 1807 Napoleão, apesar de não ter conseguido vencer a Inglaterra, tinha conquistado um
vasto império.
A Europa em 1807.
 Na sequência da derrota militar
em 1812 durante a invasão da
Rússia, Napoleão foi obrigado a
render-se, em 1814.
 Escapou do exílio na ilha de
Elba, em Itália, e voltou a tomar
o poder; foi definitivamente
derrotado na batalha de
Waterloo, em junho de 1815.
A política externa de Napoleão Bonaparte
A herança da revolução
 O absolutismo foi substituído por monarquias constitucionais ou por repúblicas;
A política passou a assentar no voto e nas eleições;
 Pôs-se fim à sociedade de ordens e instituiu-se a sociedade de classes;
Foi instituída a separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial);
A burguesia ganhou poder político;
Foram defendidos os ideais de LIBERDADE, IGUALDADE e FRATERNIDADE;
Passou a dar-se importância aos direitos dos cidadãos.
A Revolução Francesa influenciou outras revoluções
liberais na Europa e foi decisiva para a construção
dos regimes democráticos atuais e para a valorização
e respeito pelos Direitos Humanos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
Carla Teixeira
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Historia2000
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
Daniela Paiva
 
1ª Republica
1ª Republica1ª Republica
1ª Republica
Carlos Vieira
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
Antecedentes da 1ª Guerra Mundial
Antecedentes da 1ª Guerra Mundial Antecedentes da 1ª Guerra Mundial
Antecedentes da 1ª Guerra Mundial
Maria Gomes
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
cattonia
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
Joana Filipa Rodrigues
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
Andreia Regina Moura Mendes
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
Maria Gomes
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
Susana Simões
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
cattonia
 
Modulo
ModuloModulo

Mais procurados (20)

5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
História A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das LuzesHistória A - Filosofia das Luzes
História A - Filosofia das Luzes
 
1ª Republica
1ª Republica1ª Republica
1ª Republica
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
Antecedentes da 1ª Guerra Mundial
Antecedentes da 1ª Guerra Mundial Antecedentes da 1ª Guerra Mundial
Antecedentes da 1ª Guerra Mundial
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Modulo
ModuloModulo
Modulo
 

Semelhante a Revolução Francesa

Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
Julia Selistre
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
alunoitv
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
borgia
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptxRevolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
KarinedeParisGaspari
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Lutero Ramos
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
alunoitv
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
seixasmarianas
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
OAB (Brazilian Order of Advocates)
 
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
MarlenePrado7
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
alunoitv
 
_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa
Lela Leite
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
AmandaKikuti
 
Julia e Ana Vitória
Julia e Ana VitóriaJulia e Ana Vitória
Julia e Ana Vitória
alunoitv
 
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
alunoitv
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
Fernando Alcoforado
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
josafaslima
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
mesmoeumesmo
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Luiz Henrique Ferreira
 
Resumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaResumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesa
David Muniz
 

Semelhante a Revolução Francesa (20)

Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
 
8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptxRevolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
Revolução Francesa e Império Napoleônico M2.pptx
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
 
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)Revol 130802122944-phpapp02 (1)
Revol 130802122944-phpapp02 (1)
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
 
_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa_Resumo Revolução Francesa
_Resumo Revolução Francesa
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
 
Julia e Ana Vitória
Julia e Ana VitóriaJulia e Ana Vitória
Julia e Ana Vitória
 
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
 
A grande revolução francesa
A grande revolução francesaA grande revolução francesa
A grande revolução francesa
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Resumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesaResumo revolucao francesa
Resumo revolucao francesa
 

Mais de Susana Simões

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
Susana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Susana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
Susana Simões
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
Susana Simões
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
Susana Simões
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
Susana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
Susana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
Susana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
Susana Simões
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
Susana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
Susana Simões
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Susana Simões
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Susana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
Susana Simões
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 

Último

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Revolução Francesa

  • 2. Enquanto na América se afirmavam os novos valores da Liberdade , na Europa, particularmente em França, o Antigo Regime mantinha-se firme e resistia aos ventos da mudança. Retrato de Luís XVI com os trajes da coroação Museu do Palácio de Versalhes (1777)
  • 3. - Sociedade tripartida e desigual: uma minoria repleta de privilégios (clero e nobreza) e o Terceiro Estado sobrecarregado com impostos, rendas e serviços; Antecedentes Sociais: - A fome e a miséria provocaram descontentamento e revoltas populares um pouco por toda a França.
  • 4. A imagem da realeza era muito negativa, porque: ‐ A rainha, Maria Antonieta, era considerada gastadora e inimiga dos franceses; - O monarca, Luís XVI, não tomava as decisões que o Terceiro estado desejava; Políticos: A população francesa estava descontente com o Antigo Regime e com o governo absolutista do Rei;
  • 5. Culturais: O Iluminismo tinha como princípios: - A rejeição do absolutismo; - A defesa de princípios, como a liberdade e a igualdade; - A valorização da dignidade do indivíduo e da soberania popular; - O desejo de um modelo político assente na divisão de poderes.
  • 6. Económico-financeiros: Crise económica: - Maus anos agrícolas e resistência às inovações introduzidas pela Revolução Agrícola; - Concorrência dos produtos ingleses (particularmente os têxteis); - O comércio externo e colonial ajuda a manter aparência de riqueza ; - Elevadas despesas com a Corte, obras públicas e com as guerras; Os vários ministros do rei propuseram soluções para a crise económica e financeira, mas encontraram resistência por parte dos grupos privilegiados.
  • 7. Para resolver o problema das contas públicas, o rei Luís XVI decidiu convocar os Estados Gerais (assembleia onde estavam representados o Clero, a Nobreza e o Terceiro Estado). Nas primeiras sessões, os representantes do Terceiro Estado recusaram o sistema tradicional de voto - a regra era um voto por ordem social (que favorecia a nobreza e o clero)- e defendem que seja um voto por pessoa (o que beneficiava o Terceiro Estado que tinha mais representantes nos Estados Gerais – 578 contra 561). Representantes nos Estados Gerais. Abertura a 5 de maio de 1789.
  • 8. No dia 20 de junho de 1789, os deputados do Terceiro Estado juram não se separar até elaborarem uma Constituição. Na rua, o povo destrói a prisão da Bastilha, a 14 de julho de 1789: é o início da Revolução Francesa. A tomada da Bastilha. Como o rei não tomava uma posição sobre o assunto, os deputados do clero e da nobreza rejeitavam o voto por cabeça, os representantes do 3º Estado, reúnem-se, declaram-se Assembleia Nacional Constituinte e juram não se separar enquanto não elaborarem uma Constituição para França.
  • 9.  Abolição dos direitos senhoriais e dos privilégios particulares.  Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.  Nacionalização dos bens do clero e extinção das ordens religiosas.  Constituição de 1791 que consagrou o princípio da separação dos poderes, da soberania da nação, do sufrágio censitário e o fim da monarquia absoluta. Medidas da Assembleia Constituinte
  • 10. O rei fugiu de França, mas depois de parar em Varennes, na fronteira da Bélgica, o rei foi detido e obrigado a voltar a Paris. Os sans-culottes, dirigidos pelos jacobinos, tomaram o poder e marcaram eleições por sufrágio universal. Reúne-se uma nova Assembleia (designada Convenção) que decide a instauração da República. Os sans-culottes eram artesãos e trabalhadores da cidade. Apesar das medidas tomadas, a maioria da população continuava a viver miseravelmente e sem direito de voto. França vivia uma forte instabilidade política e o povo tinha perdido a confiança no rei. O rei e centenas de nobres, clérigos e partidários da realeza foram acusados de traição à nação e executados. As fases da Revolução Francesa
  • 11. Principais fases 1792-1794 – República popular – período do «Terror» 1795-1799 – República burguesa – Diretório 1799-1804 – Consulado O governo foi centralizado, chefiado por Robespierre que mandou executar todos os que forma considerados inimigos do seu governo, incluindo o rei e a rainha. Os interesses da alta burguesia são salvaguardados. O governo passou a ser exercido por um Diretório composto por 5 diretores. Napoleão dirigiu um golpe de Estado que, em 1799, derrubou o Diretório e instituiu o Consulado. O governo passou a ser exercido por si e por mais 2 cônsules.
  • 12. Execução do rei Luís XVI. O período do «Terror» (1792-1794)
  • 13. Em 1804 Napoleão intitula-se imperador dos franceses. A coroação de Napoleão A coroação de Napoleão.
  • 14.  Em 1807 Napoleão, apesar de não ter conseguido vencer a Inglaterra, tinha conquistado um vasto império. A Europa em 1807.  Na sequência da derrota militar em 1812 durante a invasão da Rússia, Napoleão foi obrigado a render-se, em 1814.  Escapou do exílio na ilha de Elba, em Itália, e voltou a tomar o poder; foi definitivamente derrotado na batalha de Waterloo, em junho de 1815. A política externa de Napoleão Bonaparte
  • 15. A herança da revolução  O absolutismo foi substituído por monarquias constitucionais ou por repúblicas; A política passou a assentar no voto e nas eleições;  Pôs-se fim à sociedade de ordens e instituiu-se a sociedade de classes; Foi instituída a separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial); A burguesia ganhou poder político; Foram defendidos os ideais de LIBERDADE, IGUALDADE e FRATERNIDADE; Passou a dar-se importância aos direitos dos cidadãos. A Revolução Francesa influenciou outras revoluções liberais na Europa e foi decisiva para a construção dos regimes democráticos atuais e para a valorização e respeito pelos Direitos Humanos.