SlideShare uma empresa Scribd logo
Portfólio Reflexivo
Caroline dos Santos Costa 2° semestre  pedagogia e licenciatura
Um pouquinho de mim...
♥  C a r o l ♥ Nasci no interior, em uma cidade pequena onde não existem muitas opções de trabalho e de estudo. No final do meu Ensino Fundamental ainda não sabia o que queria para minha vida profissional, então minha mãe aconselhou-me a ir para o magistério. Admito que não era o que queria na época, mas mesmo assim comecei o curso. No decorrer dos 4 anos de meu curso fui descobrindo como era maravilho o convívio com as crianças, percebi que o ato de ensinar  era algo muito gratificante, pois o carinho, o amor, a confiança que as crianças depositam em nós é algo incrível, e esses pequenos atos foram me cativando e me motivando cada vez mais pela profissão de professora. Formei-me em magistério no dia 25/12/2007, e hoje tenho a certeza de que é isso que quero fazer, quero ensinar e aprender ao mesmo tempo com as crianças, pois nós como educadores acabamos aprendendo muito nesse convívio com elas. Por ter me identificado tanto  com essa profissão, hoje moro em Porto Alegre, faço o curso  de Pedagogia e trabalho como auxiliar em uma escolinha. Tudo isso com a meta de aprender cada vez mais sobre como trabalhar com as crianças e como atender suas necessidades e limitações dentro de uma sala de aula. Um verdadeiro professor nunca deve deixar de se aperfeiçoar e se qualificar para melhorar sempre em seu modo de mediar o conhecimento para os alunos.
Neste portfólio iremos relatar os conteúdos vistos até agora fazendo uma reflexão crítica do que aprendemos. Fazem parte deste trabalho, as seguintes temas: ~>   quai os diferentes tipos de educação ? ~ >  Quem foi Paulo Freire ? E o que ele fez ? ~>   relato de algumas observação  ~>   alguns livros trabalhados em aula  ~>  atividades realizadas em aula
O que é educação ?
A educação se da de várias maneiras , e não acontece somente dentro das instituições de ensino  que é  a educação que chamamos de educação formal . Que é aquela que esta presente no ensino escolar institucionalizado,cronologicamente gradual e hierarquicamente  estruturado. Podemos citar outros tipo de educações como a  educação não formal, e a educação informal. A educação não formal é aquela que defini-se como qualquer tentativa  educacional organizada e sistemática que , normalmente se realiza fora dos quadros de ensino. Já a educação informal é considerada aquela que qualquer pessoa  adquire e acumula conhecimentos,através de experiencias  diárias em casa, no trabalho ou no lazer. Mas já que o nosso foco neste semestre foi falarmos sobre a educação popular também chamada de educação não formal, vamos nos deter mais em relação a ela . Tendo já uma base do  que é a  educação popular vamos mostrar a seguir  uma pratica que fizemos  na instituição MURIALDO para entendermos melhor o que seria na prática uma educação popular.
Centro Leonardo Murialdo
Centro Infantil Murialdo ,[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
 
 
 
 
 
 
“ Não é no silêncio que os homens se fazem,  mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão” Paulo Freire
Afinal o que é educação popular ?
Confesso que antes de realizar a  prática no Centro Murialdo a minha visão sobre educação popular era totalmente equivocada. A  observação serviu para que eu percebe-se que a educação não formal que é aquela que é realizada fora do espaço escolar das instituições de ensino, também  tem um valor muito significativo na vida das crianças. Pois esta observação foi realizada com a intenção de analisar a pratica pedagógica que caracterizam a gestão e o trabalho docente  do centro Murialdo.  Levando em consideração as aulas e os livros trabalhados, conclui que o centro  é uma organização não formal que abre as suas portas para a comunidade  oferecendo cursos ,programas e projetos muito significativas para a vida dos moradores. A grande maioria dos trabalhadores e voluntários da casa são pessoas moradores da comunidade que já  participaram de  algum projeto do centro. Mesmo este  tendo suas dificuldades sócio econômicas, é um lugar bem organizado, e que as pessoas que ali estão fazem o seu trabalho com carinho e amor pelas crianças. Em nossa visita na creche, que foi o foco da nossa observação,  entrevistamos algumas educadoras para saber  um poco mais  sobre como acontece o processo de ensino e  aprendizagem  dos alunos.
Grande parte das educadoras foram alunos do próprio Centro e não tem a formação adequada para trabalhar na área. O que percebe-se  é que a educação é mediada pelos próprios membros da comunidade, e isso  não significa que não seja produtivo e significativo para os alunos , muito pelo contrario pois o centro visa a formação de um cidadão crítico e reflexivo, capacitado para a vida em sociedade; tentando sempre fazer com que a comunidade principalmente jovem se sinta atraída pelo ensino para que assim fiquem longe das ruas e do tráfico.  Não podemos deixar de comentar que mesmos as educadoras  tendo somente o curso de educadora assistente , elas estão sempre recebendo apoio e incentivo do centro e da SMED para fazerem  qualificações. A  educação popular de fato é um ato de ensinar de pessoas que tem mais experiencias e conhecimentos de determinados assuntos ; que acabam por ensinar os outros que não sabem. Para ser um educador popular não precisa-se ter um diploma como um professor , mas nem por isso como disse antes , não significa que tenha um valor significativo menos importante na vida das crianças. Pois sabemos muito bem que hoje em dia existem crianças que nunca frequentaram uma escola, e que a formação mais próxima que algumas crianças chegaram é a de uma educação não formal.
Acredito que a  educação popular deve ser mais reconhecida e investida por parte do governo pois é muito importante dentro de comunidades, bairros e favelas. Mesmo a maioria dos educadores populares  não tendo a qualificação de magistério ou  de pedagogos,  importam-se com a aprendizado das crianças e como no caso do Murialdo tem um planejamento e uma estrutura organizada. Quando falamos em relação a educação popular não podemos deixar de lembrar de Paulo Freire que foi um grande educador popular  que teve uma enorme importância dentro da educação. Eu acreditava que os educadores populares eram incapazes de oferecer um ensino de qualidade as crianças. Mas no decorrer do semestre com a ajuda das aulas que tivemos  comecei a mudar a minha concepção  estabelecida  sobre o assunto. Percebi que a educação popular  é um ensino oferecido  pelo educador  que visa  primeiramente o  seu publico alvo que é o povo. Ele tenta trazer o mundo do aluno para dentro da sala de aula, pois acredita que as experiencias  que o aluno traz consigo é muito rica para o processo de ensino e aprendizagem.
Tanto a educação formal, quanto a popular  acreditam e visão a formação de um aluno critico e reflexivo, que seja capaz de executar aquilo que aprende na sua vida. Um grande exemplo de educador popular que  temos é Paulo Freire que foi quem iniciou a proposta de educação popular que hoje em dia é referencia para as instituições e espaços não escolares . Na visão de Paulo Freire  o  mediador é alguem que deve problematizar  a realidade junto aos educandos, sendo  ao mesmo tempo, mediado pelo movimento de ação,reflexão e ação. Assim todos os sujeitos se transformam, porque tanto os educandos, quanto os educadores compartilham seus saberes e suas realidades.
“  a obra de quem faz cadeiras e constrói paredes é cultura, e geralmente  quem faz  nunca foi a escola para aprender isso”
Quem foi  Paulo Freire ?
 
Paulo Freire juntamente com sua família nos anos 30 passou muita dificuldade , na época com  apenas 10 anos de idades, chegou ate mesmo a  passar fome.  Ele morava na cidade de recife, e ja percebia  as diferenças sociais existentes,depois crescendo um pouco mais começou a refletir como o mundo poderia ser menos feio,isso começará lá na sua meninice quando este já refletia sobre a ética e estética que o  meio social transmitia . A Importância do Ato de Ler”, de Paulo Freire, com o qual trabalhamos no 1° semestre  e voltamos a reler no 2° no mostra  um pouco sobre como foi alfabetizado, levando em consideração suas vivências anteriores, e o mundo em que vivia.: “ A decifração da palavra fluía naturalmente da  “ leitura” do mundo particular. Não era algo que se estivesse  dando superpostamente a ele. Fui alfabetizado no chão do  quintal de minha casa, à sombra das mangueiras, com palavras  do meu mundo e não do mundo maior dos meus pais. O chão foi  o meu quadro-negro; gravetos, o meu giz. [...] Eunice continuou e aprofundou o trabalho de meus  pais. Com ela, a leitura da palavra, da frase, da sentença,  jamais significou uma ruptura com a “leitura” do mundo. Com  ela, a leitura da palavra foi a leitura da “palavramundo”.”
No anos 50 formou-se  em graduação de direito e filósofia na universidade federal de Pernambuco, só que Paulo Freire teve uma experiência frustada  no setor do direito que o levou a ser educador, mas ele nunca se disse como tal sim como educador , pois ele tinha a convicção de que professor ensinava  e educador educava . Paulo Freire como educador  foi alfabetizador de jovens e adultos, onde nesta vivência construiu um método  de alfabetização que  alfabetizaria em 45 dias ,método este que recebeu o nome de paulo freire . MÉTODO :  Neste método os alunos não sentariam mais um atrás do outro, sim em círculos,onde começa-se contando a sua história de vida, e dessa história tira-se as  palavras geradoras  . O que seriam estas palavras geradoras ?  São palavras que surgiram do cotidiano de cada um, palavras que tenham significados para o aluno, estas palavras serão trabalhadas em nível de fonética e a partir daí  a um nível de significação como disse anteriormente  da escrita. O QUE É FUNDAMENTAL NO MÉTODO : * universo fonético  * consciência fonológica  * significação  * alfabetização
Neste método de Paulo Freire  decompõem-se a palavra em silabas para que destas silabas forme-se outras palavras. Para começarmos a falar sobre Paulo Freire ,  iremos apresentar a seguir  algumas considerações dos dvds assistido em aula sobre  um documentário da vida de Paulo Freire  e o legado de Paulo Freire,  para que assim possamos entender melhor o que  é o método utilizado por ele  que  foi qualificado pelo CENPA. Na  realidade não existe um método, sim uma metodologia, uma atitude geral sobre o mundo ,que é o olhar o mundo como nosso problema, há um processo organizado  pelo qual as pessoas percorrem. Através disto Paulo Freire tenta  fazer com que os educadores  e instituições de ensino percebam o quanto isso é importante para um projeto politico pedagógica  de transformação.
Tijolo dinheiro cadeiras sinal escada trabalho mercadoria chefe papelão
DVD:  Documentario da vida de Paulo Freire
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
DVD: Paulo Freire o legado
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object]
DVD:  A invenção  da infância
O filme a Invenção da infância da autora Liliane  Sulzbach nos traz a fazer uma reflexão do que é a infância hoje em dia . Neste filme não fala-se sobre Paulo freire, mas podemos tirar exemplos claro de sua  visão em relação a educação. Freire era a favor de uma educação para as pessoas menos favorecidas ou melhor os oprimidos e sabemos que a infância foi adotada recentemente, pois até o seculo XVII (18) a definição de crianças era :  “ crianças perdidas”, poque eles acreditavam que as crianças serviam para fazerem favores para os mais velhos tanto é que elas eram tratada como adultos em miniaturas. A partir do século dezoito começou a se discutir a importância de se ter uma infância, pois a cinquenta anos atrás as crianças ainda trabalhavam no Brasil. Claro que esta realidade ainda é existente em nossa pais ,pois temos milhares de crianças trabalhando em pedreiras, plantações e outros trabalhos que são uma exploração infantil onde elas trabalhas mais de 12 horas para ganharem muito pouca. No filme aparece um relato de um menino que conta como começou a trabalhar na plantação, que na época quando iniciou não sabia nada , nem como começar, e que este aprendeu na prática com os adultos, Paulo Freire fala muito sobre as aprendizagens que temos fora das instituições e que estas aprendizagem devem ser levadas em contas pois como diz freire :
“  a obra de quem faz cadeiras e constrói paredes é cultura, e geralmente  quem faz  nunca foi a escola para aprender isso” Com o avanço em relação a alguns teóricos da época que começaram a interessar-se pela infância  percebeu-se que era importante a criança brincar . Mas infelizmente as pessoas da nossa sociedade acabaram por esquecer esta etapa tão importante para s crianças também, muitos pais por terem meso da violência  ocupam os seus filhos dando-os varis atividades ao dia para cumprirem e outros pais fazem o mesmo por acharem que seus filhos tem que se prepara desde pequenos para a vida profissional que os espera. Se pararmos para analisar tanto as crianças de nível social econômico baixo quantos as crianças de nível social econômico elevados , foram provadas de ter uma infância CLASSE MEDIA :  crianças saturadas de atividades, e sem tempo para brincarem , sem tempo de ser crianças. CLASSE BAIXA:  trabalho infantil, trabalhar para ajudar a família, para comer, sem tempo para  ser criança e estudar.
Além desde problema, temos outros, que é em relação aos recursos áudios visuais, as injustiças sociais e etc... Percebemos então que tanto a crianças pobre como a criança rica não são crianças pois levam vidas de gente grande, as crianças da  época contemporânea estão ameaçadas em perder a infância Para finalizar o comentário sobre este filme gostaria de finalizar com uma frase de um menino  que aparece no filme que diz :
“  eu acho que não estou na idade de ser adulto, mas também não sou criança !”
Nos como futuras pedagogas  devemos nos preocupar em como atender nossos alunos ,  de maneira que consigamos atender a todos, com suas experiencias e vivências distintas, e com sua limitações. Pois o educador tem o compromisso de fazer com que o aluno reflita sobre seu papel e sua posição dentro do processo histórico que estamos vivendo. Fazendo assim atividades que os educandos sejam estimulados a  pensar , eis ai a marca principal de um professor freiriano, fazer o aluno pensar.
Reportagem da revista veja
Lendo a reportagem publicada pela revista veja, notei que está nos apresenta um perfil de um professor totalmente esquerdista e desinteressado em faze com que o aluno torne-se um cidadãs com as capacidades, habilidades e competências necessárias. As autoras  desta reportagem diz que o professor não leva em conta  as vivências dos alunos,mas que se importa em criar uma ideologia que ele acha “ a melhor “ na cabeça das crianças. E que muitas vezes acaba por esquecer dos conteudos para ficar fazendo politicagem dentro da sala de aula. Não esquecendo que as autoras comentam que Paulo Freire foi um esquerdista, doutrinador das sociedades que disfarçava-se de alfabetizador, e que os professores dessas escolas citadas no texto da revista veja, muita vezes nem qualificação adequada teriam para ali exercer a profisão. Ao terminar a leitura dest reportagem, a primeira reação que tive foi em discordar com o que acabava de ler, pois sabemos que Paulo Freire não foi um doutrinador como diz a revista,mas um homem que trouxe um grande avanço para a educação, pois através da metodologia de alfabetização de Freire pode-se criar outras maneiras para se analisar o processo de alfabetização. Como educadora e futura pedagoga sei que os professores de hoje  estão preocupados em criar alunos críticos e reflexivos, que sejam capazes de pensar e analisar as situações  que os cercam, e  com  certeza era esta a intenção dos professores criticos nessa reportagem.
Entretanto podemos podemos  confirmar isto logo abaixo com a LDB, que jamais um professor será admitido para trabalhar dentro de uma escola sem qualificação e formação. *Formação preferencial do professor do professor para o ensino de 1°grau, da 1° a 4° série, em habilitação específica no 2° grau ( art. 30 e 77 ) * Formação preferencial do professor para o ensino de 1° e 2° grau em curo de nível superior ao nível de graduação ( art. 30 e 77 ) * F ormação preferencial dos especialistas da educação em curso superior de graduiação ou pos- graduação ( art. 33 ) Outro ponto da LDB que eu acho extremamente importante para que possamos entender o porque do professor querer um cidadão  critico e reflevivo é o art. I paragrafo 2 que diz: A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e a prática social,.
Livros lidos no semestre  *  A  importância  do ato de ler;  *  Professora sim, tia não;  *   Medo e ousad ia- o cotidiano do professor; *  Como se faz analise de conjuntura, *  Educação Popular de Rua   *  Po r uma pedagogia da pergunta; *  Peda gogia da autonomia; *  Peda gogia da esperança; *  Peda gogia do oprimido, *  Que  fazer teoria e pratica;
A importância do ato de ler  No livro “A Importância do Ato de Ler”, Paulo Freire afirma que a leitura da palavra é precedida pela leitura do mundo e também enfatiza a importância crítica da leitura na alfabetização. Nessa perspectiva, insere o papel do educador no seio de uma educação na qual o seu fazer deve ser vivenciado, dentro de uma prática concreta de libertação e construção de história, inserindo o alfabetizando num processo criador, de que ele é também um sujeito; pois, de acordo com Freire, a leitura do mundo foi sempre fundamental para a compreensão da importância do ato de ler, de escrever ou de reescrevê-lo, e transformá-lo através de uma prática consciente. ~>  Quais as implicações desse pensamento no processo de alfabetização? Ou seja, como deveria ocorrer, na prática e a partir das idéias de Paulo freire, “o ato de ensinar a ler”?  Baseando-me nas experiências que tive com as crianças na fase de alfabetização acredito que se o professor não levar em consideração aquilo que o aluno já sabe e de que forma ele sabe, jamais fará com que o aluno se alfabetize com o gosto pela leitura e escrita. Pois a alfabetização deve se dar a partir das experiências, vivências que as crianças já tiveram.
Partindo disso, o professor fará com que o aluno entenda e avance na decifração do código linguístico. Aliás, podemos perceber isso no capítulo 1 “A Importância do Ato de Ler” do livro de Paulo Freire na página 15 quando ele diz por exemplo: “ ... Fui alfabetizado no chão do quintal de minha casa, à sombra das mangueiras, com palavras do meu mundo e não do mundo maior dos meus pais...” Realmente é isso que acontece, é em casa com seus pais, avós, que a linguagem, as palavras, começam a aparecer, a tomar um significado. E cabe aos pais ajudá-los a decifrar esse código inicialmente; para que depois na escola a criança possa ampliar aquilo que já tem, com o novo, e é claro que sabemos que esse processo de ler e ampliar o nosso vocabulário nunca irá acabar, pois ele nos acompanhará por toda  nossa vida. Para a aprendizagem ser prazerosa, os meios utilizados têm que fazer parte do mundo do aluno. E, tornando-se prazerosa, torna-se mais significativa. Assim, concluo que o melhor método de ensino é ensinar utilizando o que o aluno traz do seu mundo, da sua realidade.
 
Professora sim, tia não  ?  Freire tenta mudar o pensamento dos professores em relação a serem chamados de tias e tios, não quer dizer que ele esteja desvalorizando a tia nem o professor, mas ele explica em seu livro que o professor tem o ato, um compromisso em ensinar de maneira prazerosa e significativa para o aluno, e para isto deve-se estar sempre buscando informaçoes, conhecimentos e qualificação para a realização deste  processo. Processo este que é realizado com carinho amor e afeto, mas o ato de ser tia é um elo de parentesco, pois não se pode ser tia por profissão. Ressalta-se também nesse livro a grande dificuldade que os educadores encontram em colocar na pratica a teoria que dizem seguir, freire relata  casos de alguns professores que se dizem querer formar pessoas criticas reflexivas e criativas, mas que ao colocar isto em pratica com os alunos dentro da sala de aula, no seu convívio pedagógico acabam por se contradisser, pois não executam o que tanto pragam. Sabemos que em alguns casos por  serem desmotivadas pela própria escola que ainda  adota a concepção tradicional,  e em outros  por serem tradicionais na elaboração de seus planejamentos.  É  por estes  fatos que Paulo Freire diz que o educador deve sempre ousar., ser um educador é ousar, já que sabemos  que muitas vezes este não é incentivado e nem apoiado pelo sua escola a  praticar suas praticas  com os docentes de forma verdadeiramente  significativa e prazerosa para a formação de um cidadão critico e reflexivo.
Não poderíamos deixar de comentar sobre a questão da avaliação  que é discutida, sabemos como futuras pedagogas que a avaliação é algo muito importante, mas não aquela avaliação que  é utilizada como  instrumento de nota, ou de punir, Sim a avaliação que tem o objetivo de identificar onde esta o problema, de que forma este problema esta acontecendo , qual a realidade deste aluno para que tal situação esteja acontecendo, o que este aluno já sabe, o que ele e ainda não sabe ? De que forma ele poderá avançar no seu processo de ensino aprendizagem? A avaliação no ponto de visto de Freire  e no eu serve como um instrumento de reflexão e auxilo do professor onde deve haver partcipaçao, tanto é que freire diz em seu texto que uma professora sabe como  alcançar sua metas esperadas  quando tem um planejamento uma metodologia ,tem orgulho em ser chamada de PROFESSORA, e aquelas educadoras que fazem de conta que ensinam  não se importam em serem chamadas de TIA pois nem elas acreditam que sejam realmente professoras. Sitação do livro importantíssima:  E entre o  testemunho de dizer  e o  de fazer,  o mais forte é o do fazer porque este tem ou pode ter efeitos imediatos  Discuti-se também a confusão que os educadores fazem em relação ao termo autoridade, ser um professore construtivista não significa que ele tenha que deixar os alunos fazer o que quiserem, muito pelo contrario  , quer nos dizer que o educador deve ser um ser que escuta e leva em considerações as opiniões do educando mas nunca deixando de  exercer sua autoridade quando preciso. Para finalizar a reflexão deste livro gostaria de dizer que ficou claro o que Freire quer nos  passar,  que não adianta  termos embasamento teorico se não colocamos em pratica e não  adianta colocar na pratica se não a  á teoria. Gera  uma contradição entra as partes  mas que na  realidade não se pode realizar uma sem ter a outra .
 
Medo e ousadia (o cotidiano do professor) Este livro nos fala sobre a educação libertadora e transformadora  , freire optou por fazer este livro de forma diferente,  ou seja em forma de dialogo, por achar que o dialogo é muito importante na formação e no aprendizado do der humano. Pois assim como o dialogo o ato de aprender nunca se dara sozinho e individual sim  com a presença de outro para que assim tenhamos a troca  que é fundamental em qualquer processo . Durante anos a educação foi algo imposta pelas professoras e sociedade que vivemos, educação esta que era  dada de uma maneira  simplificada, melhor ainda de um modo pronto, onde não se precisa-se pensar , simplesmente  decorar para ir bem em uma prova. Sabemos que estas medidas que ainda  vem sido adotadas pelas escolas vem fazendo com que os alunos desmotivem-se e desistam da escolarização , e não é isso que queremos. Freire fala que a educação deve se dar através de um processo dinâmico onde o aluno tenha curiosidade de conhecer, que este seja incentivado a aprender a pesquisar a querer cada vez mais o saber.  E isso acontece porque, o comnhecimento ,a aprendizagem não é dada de uma maneira pronta “mastigada”  . Os alunos não tem motivação para frequentarem a escola por o currículo que esta oferece ser algo militante e fechado,  sabemos que fora das instituição eles tem outras coisas que o motivam. Para chamar a atenção dos educandos deve-se utilizar destas coisa que chama a atenção do aluno como a tecnologia por exemplo  para que eles se interessem em participar das atividade que são oferecidas aos docentes.  Em relação ao currículo deve ser algo participativo, um currículo que vise  atender as necessidade e interesse de quem  vai executar e participar deste.
~>  Algumas virtudes para um sujeito cognoscente( aluno ) : *   ação; *   reflexão critica ; *  a curiosidade ; *  o questionamento ; *   a inquietação ; *  a incerteza ; Estas virtudes citadas a cima quem constrói no aluno e o professor , que muitas vezes por não saber como passar o conhecimento acaba por queimar estas etapas . Pois quando se pretende ensinar algo novo deve-se começar pelo o que o aluno sabe, pelas suas experiencia, seu senso comum para que depois posasse apresentar o conhecimento novo. Mas muitos professores por não terem isto claro acabam por impor sem querer este conhecimento novo de modo que não levam em conta algumas reações indispensáveis no processo de produção de conhecimento  de cada ser humano . O papel do professor no processo de produção do conhecimento é de alguem que convida os alunos a serem curiosos, questionadores, críticos e reflexivos. Outro grave problema existente na atualidade é que as instituições acabam por se transformarem em espaços de venda de conhecimento, o que corresponde a ideologia capitalista . Ideologia esta que infelizmente tem dominado a nossa sociedade, pois as escolas não estão mais importadas em preparar cuidadões e sim oferecer uma educação para a vida profissional de cada um , e  por isto acabam por se transformar em uma industria de quem vendera o ensino mais  qualificado que consiga atender estas  necessidades  existentes no nosso cotidiano.
Levando estas e outras situações que vem acontecendo me pergunto : como ser um professor libertador ? para nos responder esta pergunta Ira comeca nos contando como começou a dar aula em uma faculdade onde os estudante eram todos trabalhadores. Não eram estudante da elite sim marginalizados por nao terem uma condicao econômica favorecida, ele relata a sua  insatisfação em ver que suas aulas n'ao estavam chegando ao mundo de seus alunos e que estes n'ao conseguiam entender o que ele tentava passar.   Chegou ate mesmo confessar que no comeco da carreira dele como professor foi um dos que adotou a concepção tradicional, mas que com o tempo começo a refletir como mudar aquela educação para que fosse significativa para seus alunos para que estes se interessassem por ela. Então criou  encontro com os outros professores para discutirem e pensarem como mudar como oferecer uma educa;'ao de qualidade e participativa para os alunos, e foi através destes encontros desta troca com os outros professores que ele conseguiu depois de anos se transformar em um professor libertador pois ele come;ou a valiar e refletir sobre suas praticas . Frei fala também como come;ou a se transformar em um professor libertador , ele relata algumas dinâmicas que fazia dentro da sala como pedir para que os alunos escreve-se texto e a partir destes texto utilizava para dar sua aula e explicar a gramatica, ele dizia que todos eram capazes de aprender. Freira começou a lecionar usando um pouco das duas concepcoes tradicional e libertadora, mas o que  entendo por uma educação libertadora e, uma educação onde o professor não tenha medo de ousar  pois [e preciso ousar para aprender a ser um professor libertador.  O professor deve fazer de suas praticas  pedagógicas algo significativo e interessante para o aluno que envolva as suas praticas sociais também porque n'ao há aprendizagem se não houver cultura.
 
Como se faz analise  de conjuntura  A analise é uma mistura de conhecimento e descobertas, que estará sempre relacionada com determinada visão do sentido e do rumo dos acontecimentos.  Existem alguns ferramentas próprias para que se fazer analise de conjuntura que são as seguintes  categorias: ~>  acontecimentos; ~>  cenários; ~> atores; ~>  relação de forças; ~>  articulação entra estrutura e conjuntura; Em todas as situações são tomadas, e baseadas em uma avaliação de uma situação, vista sob a otica  de nossos interesses e necesidades, quando fazemos este processo estamos fazendo uma analize .  A  seguir iremos tentar intentes quais são os papaeis de cada categoria que é utilizada  para realização de uma conjuntura.
ACONTECIMETOS:  como diz no livro devemos distinguir fatos de acontecimentos, pois fatos  ocorrem todos os dia e  somente alguns destes  fatos são considerados acontecimentos. Acontecimentos são aqueles que adquirem um sentido importante e especial para um  país,uma classe social ou uma pessoa . Um exemplo: uma pessoa negra  que era  fachineira  em uma escola, vira cozinheira da mesma, isso  é um acontecimento para a vida da pessoa, mas não para a sociedade, para a sociedade é apenas um fato . Já agora os estados unido ter o primeiro presidente negro da história do pais sim é um acontecimento.  Segundo Herbet de Souza  identificar os principais acontecimentos num determinado momento ou periodo de tempo é fundamental para se caracterizar  a análise de conjuntura. CENÁRIOS:  Cada cenário apresenta particularidades  que influenciam o desenvolvimeto da luta, e muitas vezes o simples fato de mudar de cenário é uma indicação de mudança no processo. Por isso a importância de se identificar os cenários e as particularidades dos diferentes cenários ATORES:  É alguem que enfrenta um papel dentro de um enredo de uma trama de relaçães,  mas também pode ser  grupos sociais, jornais, igrejas, partidos políticos e etc... RELAÇÕE DE FORÇA:  Seria fazer um levantamento, uma investigação sobre determinados assuntos ou  acontecimentos, pode-se dizer ate mesmo que seria se questionar sobre  o assunto em questão. A relação  de forças não é  um dado imutável, ela sofre alterações e mudanças permanentes. Deve-se buscar  formas de verificação menos  visíveis Para que consigamos fazer uma analise de conjuntura deve-se primeiramente analisar a época e o momento histórico que se esta  ou seja qual o cenário que se encontra. Após isto  ver quais os acontecimentos  mais marcantes  do ator desta contexto. Pois tanto o autor e os acontecimentos tem uma inter -relação direta. Para que assim consigamos achar as resposta de nossas perguntas  e  entender qual a real conjuntura do  momento e da situação em questão.
Com base neste livro que lemos no decorrer do semestre e  com as  explicações e debates que tivemos sobre este assunto , a professora Simone nos propôs que fizéssemos um trabalho  para ver se realmente  teríamos  entendido o assunto trabalhado  nos foi oferecidos dois filmes  cujo os nomes são: * quanto vale é por quilo? * radio favela  Onde deveríamos fazer a seguinte tarefa : PRÁTICA PEDAGÓGICA II: GESTÃO E DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO  POPULAR ATIVIDADE DE REFLEXÃO:  Análise de conjuntura de uma prática social. Filme: Quanto Vale é por Quilo : mais valem pobres na mão do que pobres roubando. Relato ficcional sobre os empreendimentos do terceiro setor no pais, na cidade do Rio de Janeiro . Acontecimento: fato social Cenário : estrutura e conjuntura  Atores Sociais  Quais os abjetivos da ONG
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
RÁDIO FAVELA
Foi proposto para a turma que assitisse o filme como 'uma onda no ar”, filme este que acontece em uma época de pós-ditadura podemos dizer assim, o filme enfatiza a vida de quatro garotos moradores de uma favela de Minas Gerais . O cenário que acontece o filme e na década de 80, quando tivemos a primeira eleição depois da ditadura, foi uma época que estavam saindo do autoritarismo da ditadura e voltando para uma sociedade com direitos e deveres, onde todos são cidadães e tem o direito de expressão.  O filme mostra a dificuldade que ocorreu nessa época para que a redemocratização acontece-se; e os atores sociais que lutavam por este processo dentro da favela eram alguns dos amigos. Mas foi Jorge, um dos quatro amigos que estudava em uma escola particular por causa de sua mães que era funcionária do local, que resolveu criar uma rádio, rádio esta que começou sendo pirata. A rádio tinha o objetivo de expressar a opinião das pessoas sobre a realidade, Jorge  estava cansado de injustiças e preconceitos, e  queria lutar pelos direitos  dos cidadães; a rádio foi um acontecimento  para os moradores da comunidade, pois através desta os trabalhos  artísticos da favela eram valorizados.
Ainda existe programas onde havia uma educação popular por trás, como o programa de prevenção dos jovens a respeito da AIDS; programa este que fez com que a rádio ganha-se um prêmio da UNESCO e assim ,abriu novas portas para que a rádio fosse reconhecida pelos que tanto tentaram destruí-la. Um dos mais importantes acontecimentos levando em conta a leitura do livro do Herbet foi a prisão de Jorge e o prêmio .  Para finalizar o texto gostaria de dizer como á educação popular é importante, principalmente na vida de pessoas como a da favela que o filme nos mostra.
QUANTO VALE  É POR QUILO ?
O filme Quanto Vale é por Quilo é  do diretor Sérgio Bianchi, que fez uma adaptação  do conto "Pai Contra Mãe", de Machado de Assis. A seguir erei relatar onde acontece os pontos pedidos acima no filme . *CENÁRIO :  O cenário que o filme nos passa é de uma época atual  que ainda acontece descriminação ,o próprio autor nos mostra  trazendo  à tona nosso passado escravista, deixando clara a impossibilidade de olhar o presente sem levar esse passado em conta, assim como as persistentes desigualdades econômicas, sociais e de direitos no país.  *ATORES SOCIAIS :  são os moradores da favela, a população pobre e miserável  que ainda continua sofrendo desigualdades e injustiça, que apesar de ter acabado a escravidão ainda hoje vivem como escravos . *ACONTECIMENTOS :   Um dos acontecimentos marcantes foi  quando as ongs começam a ser questionadas, se realmente estão fazendo, cumprindo o papel que deveriam ter, papel este que assumiram.  Mas então descobre-se que na verdade as ONGS não estão cumprindo o papel dela, mas sim  aproveitando  do estado de pobreza das pessoas para tirarem lucros em cima. As ONGS viraram  industrias que investem na miséria e desigualdade para conseguirem  ser reconhecidas e assim cada vez mais conseguirem dinheiro. *QUAIS OS OBJETIVOSDAS ONGS :  na realidade a as ONGS se comprometeram a cumprir os objetivos em prol da comunidade mas infelizmente isto não ocorre, pois ela acaba esquecendo porque  foi fundada  e  passa a  fazer  desta uma industria para adquirir dinheiro. Mas sabemos que é muito dificil que a comunidade perceba e faça algo para que isto mude podemos perceber isto na sema em que :  os “empresários” de uma ONG atolam o carro na favela. Logo à frente há um corpo no chão: um assassinato acontecera ainda pouco, os ânimos dos favelados ainda estão no alto. Os engravatados, diríamos nós, agora passariam por uma rapagem. Mas não.  Os favelado e negros ajudam a tirar o carro da lama.
Educação popular de rua  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
No seu livro Educação Popular de Rua  Walter Oliveira nos fala sobre a aprendizagem social das crianças de rua.  Ele comenta como começou a interagir com esse publico, pois ele observava o cotidiano dos moradores de rua e  ouvia o o relato que cada um fazia a respeito de sua realidade. Para que então pode-se a partir disso fazer com que os jovens tivessem  uma reação de retorno , para que assim ,fossem aceitos e inseridos na sociedade para conviver com esta sem convergências . Ele nos fala sobre alguns projetos que fez para conseguir trabalhar com este publico, analisando  o livro com os dois filmes assistidos pela turma, que foram , crianças invisíveis e invenção da infância, percebemos que, em ambos nos mostra crianças que são obrigadas a trabalhar desde muito cedo para ajudar a família, e assim acabam por não estudar. As crianças que passam a maioria do tempo na rua ou mora na mesma, acabam por aprender muitas coisas com suas vivencias, que por  incrível que pareça não foram a escola para  aprender.
No filme a invenção da infância, nos mostra um menino que trabalhava em uma plantação, e que aprendeu o oficio com a vivencias com os mais velhos que ali estavam. Já no filme crianças invisíveis nos mostra o caso de Bilu e João que sabem fazer contas  sem nenhum recurso para o auxilio. Por este e outros motivos que é muito importante sempre levar em conta aquilo que o aluno nos traz, pois é de muito significado para o processo de ensino e aprendizagem do educando. Nos como futuros pedagogos e educadores devemos analisar muito bem como iremos fazer este processo de construção do conhecimento com os alunos de diversas realidades, para que estes sintam-se motivados ao saber. Ao meu ver deve-se oferecer e investir nos programas com  horários acessivos as crianças , para que estas tenham acesso ao ensino.
 
Pedagogia do oprimido  Neste livro fala sobre a realidade do oprimo, sendo este qualquer pessoa que sofra  algum tipo de descriminação ou preconceito. Freire nos fala de como o opressor pode vir a fazer mau na contrição da identidade do oprimido. Acredito que nos como futuros pedagogos  deveríamos ter  o dever de ler este livro pois ele nos mostra uma visão muito interessante, que acabamos muita vezes cometendo sem perceber. O opressor geralmente é alguem que é autoritário, que quer colocar sua visão acima de tudo e de qualquer outra opinião sobre o assunto, fazendo assim com que o oprimido se sinta cada vez mais incapaz de executar sua autonomia . No livro nos fala também sobre  um assunto já muito discutido aqui no portfolio, que é a questão da educação bancaria.  Nessa visão os professores acreditavam que, os alunos eram incapazes de ter algum conhecimentos antes da escola, ou seja que eram umas tabua rasas . Paulo Freire discorda disso, e luta para que esta realidade mude, através dele começasse a pensar em  uma educação libertadora, infelizmente nem todos na época concordavam com as  ideias de Freire, tanto que o mesmo acabou ate sendo ezilhado por não pensar como a  época  mandava  .
Isso ocorreu na época da ditadura , após a ditadura ter passado e Freire  voltado para o Brasil, começou-se a falar-se mais na questão da educação libertadora, que seria uma educação onde o professor tentaria globalizar a aprendizagem com o contexto do aluno, com a finalidade de preparar este para a vida em sociedade de maneira crítica e reflexiva. Infelizmente por mais que os educadores tente  fazer uma educação libertadora eles sempre terão alguns aspectos que se depararam como a ,politica, religião, mercado de trabalho e varias outras coisas que interferem diretamente na educação. Para concluir a sintase deste livro, podemos dizer que Paulo Freire nos fala basicamente em levar em consideração as diferenças, limitações e conhecimentos prévios de cada um para que assim não se faça oprimidos dentro das escolas, instituições e espaços não formais. E que este oprimido tenha o direito de manifestar-se e demonstrar seus conhecimento perante os outros, para que assim através da troca, e do dialogo se construa um processo educacional.
 
Pedagogia da autonomia  Paulo Freire no fala sobre a critica que deve se ter em relação a teoria e pratica, pois se não estas acabam por serem algo não utilizado como deveriam ser.  O professore deve ter claro que ele não ira transmitir para o aluno o conhecimento que tem, mas sim ajuda-lo como um problematizador a construir este conhecimento. Quando Freire nos fala que não há docência sem discência ele esta se referindo que : '' quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender '' Um professor compromissado com o processo de ensino e aprendizagem do seu aluno deve estar constantemente buscando, pesquisando, pois não há ensino sem pesquisa e nem pesquisa sem ensino. O professor deve ser investigativo e questionador, deve estar sempre buscando aprender para que assim consiga ajudar os educando dentro da construção do conhecimento. Freire nos fala a respeito da  curiosidade ingênua  ou  saber ingênuo  que não passa de ser o senso comum que cada um de nos adquiriu com sua vivencias, mas para o professor não basta apenas a  curiosidade ingenua para executar o ato de mediar , o educador deve saber o que vai  ensina com certeza, e baseando-se em algo.
Pois muitas pessoas, principalmente da classe popular acabam por não estudarem ou se aprofundarem em determinados assuntos por pensarem  que sabem, mas com o tempo acabam por perceber que na verdade o que sabiam não sabiam de fato. Em relação a este assunto é bastante discutido o ato de  analisar e refletir sobre as praticas  realizadas , para que na próxima pratica isto não ocorra. O ato de refletir sobre as  práticas serve tanto para o professor quanto para o aluno. Para que o aluno tenha sucesso na aprendizagem, ele deve sentir que o professor confia no seu potencial, pois o educador deve mostrar para o aluno que este é capaz de  produzir. O professor alem de um mediador deve ser um educador que estimula os seus alunos  e da a certeza de que todos são capazes indiferente de  cor, idade, estado sócio-econômico  ou cultura. O professor ao ensinar deve ter respeito pelos seus alunos, assim como este pelo professor. Pois sabemos que independente do educador que você seja , sua marca vai ficar marcada para sempre na vida dos alunos. E caberá a você  ter a certeza que você foi um professor que ajudou o aluno na construção de ser um cidadão critico, reflexivo,que leva em considerações seus valores com os dos outros.  Pois a nossa sociedade é muito diversa e cabe a  cada um saber respeitar a diversidade de cada ser humano, e isso acontece  fundamentalmente através da educação. Educação esta que Paulo Freire luta para  que todos tenham dirito  principalmente os excluídos.
 
Pedagogia da esperança  O interesse geral desta obra é fornecer saberes necessários a prática educativa de professores formados ou em formação, mesmo que alguns destes professores não sejam críticos ou progressistas porque são pontos aprovados pela prática, não considerando posições políticas. Cabe ao professor observar qual prática é apropriada para sua comunidade Não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino. E cabe ao professor continuar pesquisando para que seu ensino seja propício ao debate e a novos questionamentos. A pesquisa se faz importante também, pois nela se cria o estímulo e o respeito à capacidade criadora do educando. A escola e os professores precisam respeitar os saberes dos educandos e sempre que possível, trabalhar seu conhecimento empírico, sua experiência anterior. Aconselha-se a discussão sobre os problemas sociais que as comunidades carentes enfrentam e a desigualdade que as cercam.  Aconselha que os educadores se posicionem criticamente, questionando, orientando e incentivando aos educandos a pensar e reivindicar seus direitos, influindo na sociedade. Todavia sugere que ao assumir este compromisso, o educador o assuma com ética, amor e alegria por ensinar, porque  será das criança  que  educamos hoje que partirão as mudanças que renovarão a sociedade  brasileira.
Segundo Freire, "o educador que 'castra' a curiosidade do educando em nome da eficácia da memorização mecânica do ensino dos conteúdos, tolhe a liberdade do educando, a sua capacidade de aventurar-se. Não forma, domestica"(p.63). A autonomia, a dignidade e a identidade do educando tem de ser respeitada, caso contrário, o ensino tornar-se-á "inautêntico, palavreado vazio e inoperante"(p.69). E isto só é possível tendo em conta os conhecimentos adquiridos de experiência feitos" pelas crianças e adultos antes de chegarem à escola. Para Freire, o homem e a mulher são os únicos seres capazes de aprender com alegria e esperança, na convicção de que a mudança é possível. Aprender é uma descoberta criadora, com abertura ao risco e a aventura do ser, pois ensinando se aprende e aprendendo se ensina.
 
Educação & amor  ( Içami Tiba)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL IIESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
Fábio Ribeiro Silva
 
Tendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicionalTendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicional
Sérgio Guilherme Gomes De Almeida Alves
 
24 Quadro Síntese das Tendências Pedagógicas.pdf
24 Quadro Síntese das Tendências Pedagógicas.pdf24 Quadro Síntese das Tendências Pedagógicas.pdf
24 Quadro Síntese das Tendências Pedagógicas.pdf
Michélle Barreto
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
Profissão Professor
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópia
Larissa Soares
 
Modelo relatorio de estágio
Modelo relatorio de estágioModelo relatorio de estágio
Modelo relatorio de estágio
Reginaldo Nobrega
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL IESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I
Fábio Ribeiro Silva
 
Estágio nos anos iniciais
Estágio nos anos iniciaisEstágio nos anos iniciais
Estágio nos anos iniciais
Rosinara Azeredo
 
Gestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola públicaGestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola pública
Ulisses Vakirtzis
 
Quadro síntese tendências pedagógicas
Quadro síntese tendências pedagógicasQuadro síntese tendências pedagógicas
Quadro síntese tendências pedagógicas
LEONARDO RODRIGUES DA SILVA
 
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
renatalguterres
 
Avaliação inicial na educação infantil
Avaliação inicial na educação infantilAvaliação inicial na educação infantil
Avaliação inicial na educação infantil
Meire Moura
 
Plano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escolaPlano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escola
Polivalente Linhares
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
renatalguterres
 
RELATORIO - FORMAÇÃO - III - PNAIC
RELATORIO - FORMAÇÃO - III - PNAICRELATORIO - FORMAÇÃO - III - PNAIC
RELATORIO - FORMAÇÃO - III - PNAIC
Serviço público
 
Guia para professor de NEE
Guia para professor de NEEGuia para professor de NEE
Guia para professor de NEE
Maria « Andrade
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
Camilla Follador
 
TCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA
TCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLATCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA
TCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA
JJOAOPAULO7
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionado Estagio supervisionado
Estagio supervisionado
Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Apresentação do portfólio
Apresentação do portfólioApresentação do portfólio
Apresentação do portfólio
Aline Correia Pereira
 

Mais procurados (20)

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL IIESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL II
 
Tendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicionalTendência liberal tradicional
Tendência liberal tradicional
 
24 Quadro Síntese das Tendências Pedagógicas.pdf
24 Quadro Síntese das Tendências Pedagógicas.pdf24 Quadro Síntese das Tendências Pedagógicas.pdf
24 Quadro Síntese das Tendências Pedagógicas.pdf
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópia
 
Modelo relatorio de estágio
Modelo relatorio de estágioModelo relatorio de estágio
Modelo relatorio de estágio
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL IESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL I
 
Estágio nos anos iniciais
Estágio nos anos iniciaisEstágio nos anos iniciais
Estágio nos anos iniciais
 
Gestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola públicaGestão democrática na escola pública
Gestão democrática na escola pública
 
Quadro síntese tendências pedagógicas
Quadro síntese tendências pedagógicasQuadro síntese tendências pedagógicas
Quadro síntese tendências pedagógicas
 
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
 
Avaliação inicial na educação infantil
Avaliação inicial na educação infantilAvaliação inicial na educação infantil
Avaliação inicial na educação infantil
 
Plano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escolaPlano de ação 2014 escola
Plano de ação 2014 escola
 
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.Artigo relatório de estágio na educação infantil.
Artigo relatório de estágio na educação infantil.
 
RELATORIO - FORMAÇÃO - III - PNAIC
RELATORIO - FORMAÇÃO - III - PNAICRELATORIO - FORMAÇÃO - III - PNAIC
RELATORIO - FORMAÇÃO - III - PNAIC
 
Guia para professor de NEE
Guia para professor de NEEGuia para professor de NEE
Guia para professor de NEE
 
Slide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogiaSlide introduçao a pedagogia
Slide introduçao a pedagogia
 
TCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA
TCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLATCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA
TCC - RELAÇÃO FAMÍLIA E ESCOLA
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionado Estagio supervisionado
Estagio supervisionado
 
Apresentação do portfólio
Apresentação do portfólioApresentação do portfólio
Apresentação do portfólio
 

Destaque

Portfolio Virtual Mini-Grupo Manhã
Portfolio Virtual Mini-Grupo ManhãPortfolio Virtual Mini-Grupo Manhã
Portfolio Virtual Mini-Grupo Manhã
EscolaPedrita
 
A criança do berçario e maternal
A criança do berçario e maternalA criança do berçario e maternal
A criança do berçario e maternal
SimoneHelenDrumond
 
Meu album do berçario simone helen drumond
Meu album do berçario simone helen drumondMeu album do berçario simone helen drumond
Meu album do berçario simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Portfolio Sensações- 2012
Portfolio Sensações- 2012Portfolio Sensações- 2012
Portfolio Sensações- 2012
Ivone Moreira
 
Apresentação Berçário II
Apresentação Berçário IIApresentação Berçário II
Apresentação Berçário II
danielabonetti
 
Berçario e maternal atvidades 2 simone helen drumond
Berçario e maternal atvidades 2 simone helen drumondBerçario e maternal atvidades 2 simone helen drumond
Berçario e maternal atvidades 2 simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
SimoneHelenDrumond
 
Atividades de alfabetização com adivinhas-TM
Atividades  de  alfabetização  com adivinhas-TMAtividades  de  alfabetização  com adivinhas-TM
Atividades de alfabetização com adivinhas-TM
Graça Sousa
 
Atividades para o berçario e maternal por simone helen drumond
Atividades para o berçario e maternal por simone helen  drumondAtividades para o berçario e maternal por simone helen  drumond
Atividades para o berçario e maternal por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
A criança do berçario e maternal 50 atividades
A criança do berçario e maternal 50 atividadesA criança do berçario e maternal 50 atividades
A criança do berçario e maternal 50 atividades
SimoneHelenDrumond
 

Destaque (10)

Portfolio Virtual Mini-Grupo Manhã
Portfolio Virtual Mini-Grupo ManhãPortfolio Virtual Mini-Grupo Manhã
Portfolio Virtual Mini-Grupo Manhã
 
A criança do berçario e maternal
A criança do berçario e maternalA criança do berçario e maternal
A criança do berçario e maternal
 
Meu album do berçario simone helen drumond
Meu album do berçario simone helen drumondMeu album do berçario simone helen drumond
Meu album do berçario simone helen drumond
 
Portfolio Sensações- 2012
Portfolio Sensações- 2012Portfolio Sensações- 2012
Portfolio Sensações- 2012
 
Apresentação Berçário II
Apresentação Berçário IIApresentação Berçário II
Apresentação Berçário II
 
Berçario e maternal atvidades 2 simone helen drumond
Berçario e maternal atvidades 2 simone helen drumondBerçario e maternal atvidades 2 simone helen drumond
Berçario e maternal atvidades 2 simone helen drumond
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
 
Atividades de alfabetização com adivinhas-TM
Atividades  de  alfabetização  com adivinhas-TMAtividades  de  alfabetização  com adivinhas-TM
Atividades de alfabetização com adivinhas-TM
 
Atividades para o berçario e maternal por simone helen drumond
Atividades para o berçario e maternal por simone helen  drumondAtividades para o berçario e maternal por simone helen  drumond
Atividades para o berçario e maternal por simone helen drumond
 
A criança do berçario e maternal 50 atividades
A criança do berçario e maternal 50 atividadesA criança do berçario e maternal 50 atividades
A criança do berçario e maternal 50 atividades
 

Semelhante a Portfolio simone

Ad1 Didática - Paulo Freire (1).pdf
Ad1 Didática - Paulo Freire (1).pdfAd1 Didática - Paulo Freire (1).pdf
Ad1 Didática - Paulo Freire (1).pdf
CamillyJorgeTrindade
 
Textos de paulo freire (1) (1)
Textos de paulo freire (1) (1)Textos de paulo freire (1) (1)
Textos de paulo freire (1) (1)
Maria Vieira
 
Trabalho luana
Trabalho luanaTrabalho luana
Trabalho luana
Jane Ribeiro
 
Portifolio
PortifolioPortifolio
Portifolio
lislieribeiro
 
Projeto 2015
Projeto 2015Projeto 2015
Projeto 2015
Projeto 2015Projeto 2015
Técnicas de redação e arquivo
Técnicas de redação e arquivoTécnicas de redação e arquivo
Técnicas de redação e arquivo
Cristiano Lima
 
Apresentação lisliê
Apresentação lisliêApresentação lisliê
Apresentação lisliê
lislieribeiro
 
Adoleta professor
Adoleta professorAdoleta professor
Adoleta professor
Elaine Chica
 
Temas Geradores na Educação Infantil Segundo Paulo Freire
Temas Geradores na Educação Infantil Segundo Paulo FreireTemas Geradores na Educação Infantil Segundo Paulo Freire
Temas Geradores na Educação Infantil Segundo Paulo Freire
Liany Avila
 
Trabalho vocacional
Trabalho vocacionalTrabalho vocacional
Trabalho vocacional
Priscila Pettine
 
Weisz
WeiszWeisz
Trabalho Paulo Freire
Trabalho  Paulo FreireTrabalho  Paulo Freire
Trabalho Paulo Freire
Marcos Paulo Odone
 
Trabalho Paulo Freire
Trabalho  Paulo FreireTrabalho  Paulo Freire
Trabalho Paulo Freire
CamilaTeixeira98
 
Ensino fundamental de 9 anos
Ensino fundamental de 9 anosEnsino fundamental de 9 anos
Ensino fundamental de 9 anos
Naysa Taboada
 
Portfoliofinal2009 2marta
Portfoliofinal2009 2martaPortfoliofinal2009 2marta
Portfoliofinal2009 2marta
Marta Silva
 
Estágio Curricular
Estágio CurricularEstágio Curricular
Estágio Curricular
Letícia Cristina
 
Memorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia MaiaMemorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia Maia
Lúcia Maia
 
Universidade virtual do estado de são paulo
Universidade virtual do estado de são pauloUniversidade virtual do estado de são paulo
Universidade virtual do estado de são paulo
Belmeri Cagnoni Silva
 
Trabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aulaTrabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aula
Greisomar
 

Semelhante a Portfolio simone (20)

Ad1 Didática - Paulo Freire (1).pdf
Ad1 Didática - Paulo Freire (1).pdfAd1 Didática - Paulo Freire (1).pdf
Ad1 Didática - Paulo Freire (1).pdf
 
Textos de paulo freire (1) (1)
Textos de paulo freire (1) (1)Textos de paulo freire (1) (1)
Textos de paulo freire (1) (1)
 
Trabalho luana
Trabalho luanaTrabalho luana
Trabalho luana
 
Portifolio
PortifolioPortifolio
Portifolio
 
Projeto 2015
Projeto 2015Projeto 2015
Projeto 2015
 
Projeto 2015
Projeto 2015Projeto 2015
Projeto 2015
 
Técnicas de redação e arquivo
Técnicas de redação e arquivoTécnicas de redação e arquivo
Técnicas de redação e arquivo
 
Apresentação lisliê
Apresentação lisliêApresentação lisliê
Apresentação lisliê
 
Adoleta professor
Adoleta professorAdoleta professor
Adoleta professor
 
Temas Geradores na Educação Infantil Segundo Paulo Freire
Temas Geradores na Educação Infantil Segundo Paulo FreireTemas Geradores na Educação Infantil Segundo Paulo Freire
Temas Geradores na Educação Infantil Segundo Paulo Freire
 
Trabalho vocacional
Trabalho vocacionalTrabalho vocacional
Trabalho vocacional
 
Weisz
WeiszWeisz
Weisz
 
Trabalho Paulo Freire
Trabalho  Paulo FreireTrabalho  Paulo Freire
Trabalho Paulo Freire
 
Trabalho Paulo Freire
Trabalho  Paulo FreireTrabalho  Paulo Freire
Trabalho Paulo Freire
 
Ensino fundamental de 9 anos
Ensino fundamental de 9 anosEnsino fundamental de 9 anos
Ensino fundamental de 9 anos
 
Portfoliofinal2009 2marta
Portfoliofinal2009 2martaPortfoliofinal2009 2marta
Portfoliofinal2009 2marta
 
Estágio Curricular
Estágio CurricularEstágio Curricular
Estágio Curricular
 
Memorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia MaiaMemorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia Maia
 
Universidade virtual do estado de são paulo
Universidade virtual do estado de são pauloUniversidade virtual do estado de são paulo
Universidade virtual do estado de são paulo
 
Trabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aulaTrabalhar com projetos em sala de aula
Trabalhar com projetos em sala de aula
 

Mais de Carol Costa

Eja
EjaEja
Power poi..
Power poi..Power poi..
Power poi..
Carol Costa
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
Carol Costa
 
Slides mostra 2010 carla a e carol n
Slides mostra 2010 carla a e carol nSlides mostra 2010 carla a e carol n
Slides mostra 2010 carla a e carol n
Carol Costa
 
Espaço
 Espaço Espaço
Espaço
Carol Costa
 
Resumo carla e carol
Resumo carla e carolResumo carla e carol
Resumo carla e carol
Carol Costa
 
Pratica e gestão
Pratica e gestãoPratica e gestão
Pratica e gestão
Carol Costa
 
Projeto generos[1]carol e patric ia
Projeto generos[1]carol e patric iaProjeto generos[1]carol e patric ia
Projeto generos[1]carol e patric ia
Carol Costa
 
Relatorio EJA
Relatorio  EJARelatorio  EJA
Relatorio EJA
Carol Costa
 
Eslaide
EslaideEslaide
Eslaide
Carol Costa
 
Power point quarta
Power point quartaPower point quarta
Power point quarta
Carol Costa
 
Power point quarta
Power point quartaPower point quarta
Power point quarta
Carol Costa
 
Plano de aula.
Plano de aula.Plano de aula.
Plano de aula.
Carol Costa
 
Aula de ciencias
Aula de cienciasAula de ciencias
Aula de ciencias
Carol Costa
 
Aula de ciencias
Aula de cienciasAula de ciencias
Aula de ciencias
Carol Costa
 
Aula de ciencias
Aula de cienciasAula de ciencias
Aula de ciencias
Carol Costa
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Carol Costa
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Carol Costa
 

Mais de Carol Costa (18)

Eja
EjaEja
Eja
 
Power poi..
Power poi..Power poi..
Power poi..
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Slides mostra 2010 carla a e carol n
Slides mostra 2010 carla a e carol nSlides mostra 2010 carla a e carol n
Slides mostra 2010 carla a e carol n
 
Espaço
 Espaço Espaço
Espaço
 
Resumo carla e carol
Resumo carla e carolResumo carla e carol
Resumo carla e carol
 
Pratica e gestão
Pratica e gestãoPratica e gestão
Pratica e gestão
 
Projeto generos[1]carol e patric ia
Projeto generos[1]carol e patric iaProjeto generos[1]carol e patric ia
Projeto generos[1]carol e patric ia
 
Relatorio EJA
Relatorio  EJARelatorio  EJA
Relatorio EJA
 
Eslaide
EslaideEslaide
Eslaide
 
Power point quarta
Power point quartaPower point quarta
Power point quarta
 
Power point quarta
Power point quartaPower point quarta
Power point quarta
 
Plano de aula.
Plano de aula.Plano de aula.
Plano de aula.
 
Aula de ciencias
Aula de cienciasAula de ciencias
Aula de ciencias
 
Aula de ciencias
Aula de cienciasAula de ciencias
Aula de ciencias
 
Aula de ciencias
Aula de cienciasAula de ciencias
Aula de ciencias
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 

Último

Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 

Último (8)

Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 

Portfolio simone

  • 2. Caroline dos Santos Costa 2° semestre pedagogia e licenciatura
  • 4. ♥ C a r o l ♥ Nasci no interior, em uma cidade pequena onde não existem muitas opções de trabalho e de estudo. No final do meu Ensino Fundamental ainda não sabia o que queria para minha vida profissional, então minha mãe aconselhou-me a ir para o magistério. Admito que não era o que queria na época, mas mesmo assim comecei o curso. No decorrer dos 4 anos de meu curso fui descobrindo como era maravilho o convívio com as crianças, percebi que o ato de ensinar era algo muito gratificante, pois o carinho, o amor, a confiança que as crianças depositam em nós é algo incrível, e esses pequenos atos foram me cativando e me motivando cada vez mais pela profissão de professora. Formei-me em magistério no dia 25/12/2007, e hoje tenho a certeza de que é isso que quero fazer, quero ensinar e aprender ao mesmo tempo com as crianças, pois nós como educadores acabamos aprendendo muito nesse convívio com elas. Por ter me identificado tanto com essa profissão, hoje moro em Porto Alegre, faço o curso de Pedagogia e trabalho como auxiliar em uma escolinha. Tudo isso com a meta de aprender cada vez mais sobre como trabalhar com as crianças e como atender suas necessidades e limitações dentro de uma sala de aula. Um verdadeiro professor nunca deve deixar de se aperfeiçoar e se qualificar para melhorar sempre em seu modo de mediar o conhecimento para os alunos.
  • 5. Neste portfólio iremos relatar os conteúdos vistos até agora fazendo uma reflexão crítica do que aprendemos. Fazem parte deste trabalho, as seguintes temas: ~> quai os diferentes tipos de educação ? ~ > Quem foi Paulo Freire ? E o que ele fez ? ~> relato de algumas observação ~> alguns livros trabalhados em aula ~> atividades realizadas em aula
  • 6. O que é educação ?
  • 7. A educação se da de várias maneiras , e não acontece somente dentro das instituições de ensino que é a educação que chamamos de educação formal . Que é aquela que esta presente no ensino escolar institucionalizado,cronologicamente gradual e hierarquicamente estruturado. Podemos citar outros tipo de educações como a educação não formal, e a educação informal. A educação não formal é aquela que defini-se como qualquer tentativa educacional organizada e sistemática que , normalmente se realiza fora dos quadros de ensino. Já a educação informal é considerada aquela que qualquer pessoa adquire e acumula conhecimentos,através de experiencias diárias em casa, no trabalho ou no lazer. Mas já que o nosso foco neste semestre foi falarmos sobre a educação popular também chamada de educação não formal, vamos nos deter mais em relação a ela . Tendo já uma base do que é a educação popular vamos mostrar a seguir uma pratica que fizemos na instituição MURIALDO para entendermos melhor o que seria na prática uma educação popular.
  • 9.
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15.  
  • 16.  
  • 17.  
  • 18. “ Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão” Paulo Freire
  • 19. Afinal o que é educação popular ?
  • 20. Confesso que antes de realizar a prática no Centro Murialdo a minha visão sobre educação popular era totalmente equivocada. A observação serviu para que eu percebe-se que a educação não formal que é aquela que é realizada fora do espaço escolar das instituições de ensino, também tem um valor muito significativo na vida das crianças. Pois esta observação foi realizada com a intenção de analisar a pratica pedagógica que caracterizam a gestão e o trabalho docente do centro Murialdo. Levando em consideração as aulas e os livros trabalhados, conclui que o centro é uma organização não formal que abre as suas portas para a comunidade oferecendo cursos ,programas e projetos muito significativas para a vida dos moradores. A grande maioria dos trabalhadores e voluntários da casa são pessoas moradores da comunidade que já participaram de algum projeto do centro. Mesmo este tendo suas dificuldades sócio econômicas, é um lugar bem organizado, e que as pessoas que ali estão fazem o seu trabalho com carinho e amor pelas crianças. Em nossa visita na creche, que foi o foco da nossa observação, entrevistamos algumas educadoras para saber um poco mais sobre como acontece o processo de ensino e aprendizagem dos alunos.
  • 21. Grande parte das educadoras foram alunos do próprio Centro e não tem a formação adequada para trabalhar na área. O que percebe-se é que a educação é mediada pelos próprios membros da comunidade, e isso não significa que não seja produtivo e significativo para os alunos , muito pelo contrario pois o centro visa a formação de um cidadão crítico e reflexivo, capacitado para a vida em sociedade; tentando sempre fazer com que a comunidade principalmente jovem se sinta atraída pelo ensino para que assim fiquem longe das ruas e do tráfico. Não podemos deixar de comentar que mesmos as educadoras tendo somente o curso de educadora assistente , elas estão sempre recebendo apoio e incentivo do centro e da SMED para fazerem qualificações. A educação popular de fato é um ato de ensinar de pessoas que tem mais experiencias e conhecimentos de determinados assuntos ; que acabam por ensinar os outros que não sabem. Para ser um educador popular não precisa-se ter um diploma como um professor , mas nem por isso como disse antes , não significa que tenha um valor significativo menos importante na vida das crianças. Pois sabemos muito bem que hoje em dia existem crianças que nunca frequentaram uma escola, e que a formação mais próxima que algumas crianças chegaram é a de uma educação não formal.
  • 22. Acredito que a educação popular deve ser mais reconhecida e investida por parte do governo pois é muito importante dentro de comunidades, bairros e favelas. Mesmo a maioria dos educadores populares não tendo a qualificação de magistério ou de pedagogos, importam-se com a aprendizado das crianças e como no caso do Murialdo tem um planejamento e uma estrutura organizada. Quando falamos em relação a educação popular não podemos deixar de lembrar de Paulo Freire que foi um grande educador popular que teve uma enorme importância dentro da educação. Eu acreditava que os educadores populares eram incapazes de oferecer um ensino de qualidade as crianças. Mas no decorrer do semestre com a ajuda das aulas que tivemos comecei a mudar a minha concepção estabelecida sobre o assunto. Percebi que a educação popular é um ensino oferecido pelo educador que visa primeiramente o seu publico alvo que é o povo. Ele tenta trazer o mundo do aluno para dentro da sala de aula, pois acredita que as experiencias que o aluno traz consigo é muito rica para o processo de ensino e aprendizagem.
  • 23. Tanto a educação formal, quanto a popular acreditam e visão a formação de um aluno critico e reflexivo, que seja capaz de executar aquilo que aprende na sua vida. Um grande exemplo de educador popular que temos é Paulo Freire que foi quem iniciou a proposta de educação popular que hoje em dia é referencia para as instituições e espaços não escolares . Na visão de Paulo Freire o mediador é alguem que deve problematizar a realidade junto aos educandos, sendo ao mesmo tempo, mediado pelo movimento de ação,reflexão e ação. Assim todos os sujeitos se transformam, porque tanto os educandos, quanto os educadores compartilham seus saberes e suas realidades.
  • 24. “ a obra de quem faz cadeiras e constrói paredes é cultura, e geralmente quem faz nunca foi a escola para aprender isso”
  • 25. Quem foi Paulo Freire ?
  • 26.  
  • 27. Paulo Freire juntamente com sua família nos anos 30 passou muita dificuldade , na época com apenas 10 anos de idades, chegou ate mesmo a passar fome. Ele morava na cidade de recife, e ja percebia as diferenças sociais existentes,depois crescendo um pouco mais começou a refletir como o mundo poderia ser menos feio,isso começará lá na sua meninice quando este já refletia sobre a ética e estética que o meio social transmitia . A Importância do Ato de Ler”, de Paulo Freire, com o qual trabalhamos no 1° semestre e voltamos a reler no 2° no mostra um pouco sobre como foi alfabetizado, levando em consideração suas vivências anteriores, e o mundo em que vivia.: “ A decifração da palavra fluía naturalmente da “ leitura” do mundo particular. Não era algo que se estivesse dando superpostamente a ele. Fui alfabetizado no chão do quintal de minha casa, à sombra das mangueiras, com palavras do meu mundo e não do mundo maior dos meus pais. O chão foi o meu quadro-negro; gravetos, o meu giz. [...] Eunice continuou e aprofundou o trabalho de meus pais. Com ela, a leitura da palavra, da frase, da sentença, jamais significou uma ruptura com a “leitura” do mundo. Com ela, a leitura da palavra foi a leitura da “palavramundo”.”
  • 28. No anos 50 formou-se em graduação de direito e filósofia na universidade federal de Pernambuco, só que Paulo Freire teve uma experiência frustada no setor do direito que o levou a ser educador, mas ele nunca se disse como tal sim como educador , pois ele tinha a convicção de que professor ensinava e educador educava . Paulo Freire como educador foi alfabetizador de jovens e adultos, onde nesta vivência construiu um método de alfabetização que alfabetizaria em 45 dias ,método este que recebeu o nome de paulo freire . MÉTODO : Neste método os alunos não sentariam mais um atrás do outro, sim em círculos,onde começa-se contando a sua história de vida, e dessa história tira-se as palavras geradoras . O que seriam estas palavras geradoras ? São palavras que surgiram do cotidiano de cada um, palavras que tenham significados para o aluno, estas palavras serão trabalhadas em nível de fonética e a partir daí a um nível de significação como disse anteriormente da escrita. O QUE É FUNDAMENTAL NO MÉTODO : * universo fonético * consciência fonológica * significação * alfabetização
  • 29. Neste método de Paulo Freire decompõem-se a palavra em silabas para que destas silabas forme-se outras palavras. Para começarmos a falar sobre Paulo Freire , iremos apresentar a seguir algumas considerações dos dvds assistido em aula sobre um documentário da vida de Paulo Freire e o legado de Paulo Freire, para que assim possamos entender melhor o que é o método utilizado por ele que foi qualificado pelo CENPA. Na realidade não existe um método, sim uma metodologia, uma atitude geral sobre o mundo ,que é o olhar o mundo como nosso problema, há um processo organizado pelo qual as pessoas percorrem. Através disto Paulo Freire tenta fazer com que os educadores e instituições de ensino percebam o quanto isso é importante para um projeto politico pedagógica de transformação.
  • 30. Tijolo dinheiro cadeiras sinal escada trabalho mercadoria chefe papelão
  • 31. DVD: Documentario da vida de Paulo Freire
  • 32.
  • 33.
  • 34. DVD: Paulo Freire o legado
  • 35.
  • 36.
  • 37. DVD: A invenção da infância
  • 38. O filme a Invenção da infância da autora Liliane Sulzbach nos traz a fazer uma reflexão do que é a infância hoje em dia . Neste filme não fala-se sobre Paulo freire, mas podemos tirar exemplos claro de sua visão em relação a educação. Freire era a favor de uma educação para as pessoas menos favorecidas ou melhor os oprimidos e sabemos que a infância foi adotada recentemente, pois até o seculo XVII (18) a definição de crianças era : “ crianças perdidas”, poque eles acreditavam que as crianças serviam para fazerem favores para os mais velhos tanto é que elas eram tratada como adultos em miniaturas. A partir do século dezoito começou a se discutir a importância de se ter uma infância, pois a cinquenta anos atrás as crianças ainda trabalhavam no Brasil. Claro que esta realidade ainda é existente em nossa pais ,pois temos milhares de crianças trabalhando em pedreiras, plantações e outros trabalhos que são uma exploração infantil onde elas trabalhas mais de 12 horas para ganharem muito pouca. No filme aparece um relato de um menino que conta como começou a trabalhar na plantação, que na época quando iniciou não sabia nada , nem como começar, e que este aprendeu na prática com os adultos, Paulo Freire fala muito sobre as aprendizagens que temos fora das instituições e que estas aprendizagem devem ser levadas em contas pois como diz freire :
  • 39. “ a obra de quem faz cadeiras e constrói paredes é cultura, e geralmente quem faz nunca foi a escola para aprender isso” Com o avanço em relação a alguns teóricos da época que começaram a interessar-se pela infância percebeu-se que era importante a criança brincar . Mas infelizmente as pessoas da nossa sociedade acabaram por esquecer esta etapa tão importante para s crianças também, muitos pais por terem meso da violência ocupam os seus filhos dando-os varis atividades ao dia para cumprirem e outros pais fazem o mesmo por acharem que seus filhos tem que se prepara desde pequenos para a vida profissional que os espera. Se pararmos para analisar tanto as crianças de nível social econômico baixo quantos as crianças de nível social econômico elevados , foram provadas de ter uma infância CLASSE MEDIA : crianças saturadas de atividades, e sem tempo para brincarem , sem tempo de ser crianças. CLASSE BAIXA: trabalho infantil, trabalhar para ajudar a família, para comer, sem tempo para ser criança e estudar.
  • 40. Além desde problema, temos outros, que é em relação aos recursos áudios visuais, as injustiças sociais e etc... Percebemos então que tanto a crianças pobre como a criança rica não são crianças pois levam vidas de gente grande, as crianças da época contemporânea estão ameaçadas em perder a infância Para finalizar o comentário sobre este filme gostaria de finalizar com uma frase de um menino que aparece no filme que diz :
  • 41. “ eu acho que não estou na idade de ser adulto, mas também não sou criança !”
  • 42. Nos como futuras pedagogas devemos nos preocupar em como atender nossos alunos , de maneira que consigamos atender a todos, com suas experiencias e vivências distintas, e com sua limitações. Pois o educador tem o compromisso de fazer com que o aluno reflita sobre seu papel e sua posição dentro do processo histórico que estamos vivendo. Fazendo assim atividades que os educandos sejam estimulados a pensar , eis ai a marca principal de um professor freiriano, fazer o aluno pensar.
  • 44. Lendo a reportagem publicada pela revista veja, notei que está nos apresenta um perfil de um professor totalmente esquerdista e desinteressado em faze com que o aluno torne-se um cidadãs com as capacidades, habilidades e competências necessárias. As autoras desta reportagem diz que o professor não leva em conta as vivências dos alunos,mas que se importa em criar uma ideologia que ele acha “ a melhor “ na cabeça das crianças. E que muitas vezes acaba por esquecer dos conteudos para ficar fazendo politicagem dentro da sala de aula. Não esquecendo que as autoras comentam que Paulo Freire foi um esquerdista, doutrinador das sociedades que disfarçava-se de alfabetizador, e que os professores dessas escolas citadas no texto da revista veja, muita vezes nem qualificação adequada teriam para ali exercer a profisão. Ao terminar a leitura dest reportagem, a primeira reação que tive foi em discordar com o que acabava de ler, pois sabemos que Paulo Freire não foi um doutrinador como diz a revista,mas um homem que trouxe um grande avanço para a educação, pois através da metodologia de alfabetização de Freire pode-se criar outras maneiras para se analisar o processo de alfabetização. Como educadora e futura pedagoga sei que os professores de hoje estão preocupados em criar alunos críticos e reflexivos, que sejam capazes de pensar e analisar as situações que os cercam, e com certeza era esta a intenção dos professores criticos nessa reportagem.
  • 45. Entretanto podemos podemos confirmar isto logo abaixo com a LDB, que jamais um professor será admitido para trabalhar dentro de uma escola sem qualificação e formação. *Formação preferencial do professor do professor para o ensino de 1°grau, da 1° a 4° série, em habilitação específica no 2° grau ( art. 30 e 77 ) * Formação preferencial do professor para o ensino de 1° e 2° grau em curo de nível superior ao nível de graduação ( art. 30 e 77 ) * F ormação preferencial dos especialistas da educação em curso superior de graduiação ou pos- graduação ( art. 33 ) Outro ponto da LDB que eu acho extremamente importante para que possamos entender o porque do professor querer um cidadão critico e reflevivo é o art. I paragrafo 2 que diz: A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e a prática social,.
  • 46. Livros lidos no semestre * A importância do ato de ler; * Professora sim, tia não; * Medo e ousad ia- o cotidiano do professor; * Como se faz analise de conjuntura, * Educação Popular de Rua * Po r uma pedagogia da pergunta; * Peda gogia da autonomia; * Peda gogia da esperança; * Peda gogia do oprimido, * Que fazer teoria e pratica;
  • 47. A importância do ato de ler No livro “A Importância do Ato de Ler”, Paulo Freire afirma que a leitura da palavra é precedida pela leitura do mundo e também enfatiza a importância crítica da leitura na alfabetização. Nessa perspectiva, insere o papel do educador no seio de uma educação na qual o seu fazer deve ser vivenciado, dentro de uma prática concreta de libertação e construção de história, inserindo o alfabetizando num processo criador, de que ele é também um sujeito; pois, de acordo com Freire, a leitura do mundo foi sempre fundamental para a compreensão da importância do ato de ler, de escrever ou de reescrevê-lo, e transformá-lo através de uma prática consciente. ~> Quais as implicações desse pensamento no processo de alfabetização? Ou seja, como deveria ocorrer, na prática e a partir das idéias de Paulo freire, “o ato de ensinar a ler”? Baseando-me nas experiências que tive com as crianças na fase de alfabetização acredito que se o professor não levar em consideração aquilo que o aluno já sabe e de que forma ele sabe, jamais fará com que o aluno se alfabetize com o gosto pela leitura e escrita. Pois a alfabetização deve se dar a partir das experiências, vivências que as crianças já tiveram.
  • 48. Partindo disso, o professor fará com que o aluno entenda e avance na decifração do código linguístico. Aliás, podemos perceber isso no capítulo 1 “A Importância do Ato de Ler” do livro de Paulo Freire na página 15 quando ele diz por exemplo: “ ... Fui alfabetizado no chão do quintal de minha casa, à sombra das mangueiras, com palavras do meu mundo e não do mundo maior dos meus pais...” Realmente é isso que acontece, é em casa com seus pais, avós, que a linguagem, as palavras, começam a aparecer, a tomar um significado. E cabe aos pais ajudá-los a decifrar esse código inicialmente; para que depois na escola a criança possa ampliar aquilo que já tem, com o novo, e é claro que sabemos que esse processo de ler e ampliar o nosso vocabulário nunca irá acabar, pois ele nos acompanhará por toda nossa vida. Para a aprendizagem ser prazerosa, os meios utilizados têm que fazer parte do mundo do aluno. E, tornando-se prazerosa, torna-se mais significativa. Assim, concluo que o melhor método de ensino é ensinar utilizando o que o aluno traz do seu mundo, da sua realidade.
  • 49.  
  • 50. Professora sim, tia não ? Freire tenta mudar o pensamento dos professores em relação a serem chamados de tias e tios, não quer dizer que ele esteja desvalorizando a tia nem o professor, mas ele explica em seu livro que o professor tem o ato, um compromisso em ensinar de maneira prazerosa e significativa para o aluno, e para isto deve-se estar sempre buscando informaçoes, conhecimentos e qualificação para a realização deste processo. Processo este que é realizado com carinho amor e afeto, mas o ato de ser tia é um elo de parentesco, pois não se pode ser tia por profissão. Ressalta-se também nesse livro a grande dificuldade que os educadores encontram em colocar na pratica a teoria que dizem seguir, freire relata casos de alguns professores que se dizem querer formar pessoas criticas reflexivas e criativas, mas que ao colocar isto em pratica com os alunos dentro da sala de aula, no seu convívio pedagógico acabam por se contradisser, pois não executam o que tanto pragam. Sabemos que em alguns casos por serem desmotivadas pela própria escola que ainda adota a concepção tradicional, e em outros por serem tradicionais na elaboração de seus planejamentos. É por estes fatos que Paulo Freire diz que o educador deve sempre ousar., ser um educador é ousar, já que sabemos que muitas vezes este não é incentivado e nem apoiado pelo sua escola a praticar suas praticas com os docentes de forma verdadeiramente significativa e prazerosa para a formação de um cidadão critico e reflexivo.
  • 51. Não poderíamos deixar de comentar sobre a questão da avaliação que é discutida, sabemos como futuras pedagogas que a avaliação é algo muito importante, mas não aquela avaliação que é utilizada como instrumento de nota, ou de punir, Sim a avaliação que tem o objetivo de identificar onde esta o problema, de que forma este problema esta acontecendo , qual a realidade deste aluno para que tal situação esteja acontecendo, o que este aluno já sabe, o que ele e ainda não sabe ? De que forma ele poderá avançar no seu processo de ensino aprendizagem? A avaliação no ponto de visto de Freire e no eu serve como um instrumento de reflexão e auxilo do professor onde deve haver partcipaçao, tanto é que freire diz em seu texto que uma professora sabe como alcançar sua metas esperadas quando tem um planejamento uma metodologia ,tem orgulho em ser chamada de PROFESSORA, e aquelas educadoras que fazem de conta que ensinam não se importam em serem chamadas de TIA pois nem elas acreditam que sejam realmente professoras. Sitação do livro importantíssima: E entre o testemunho de dizer e o de fazer, o mais forte é o do fazer porque este tem ou pode ter efeitos imediatos Discuti-se também a confusão que os educadores fazem em relação ao termo autoridade, ser um professore construtivista não significa que ele tenha que deixar os alunos fazer o que quiserem, muito pelo contrario , quer nos dizer que o educador deve ser um ser que escuta e leva em considerações as opiniões do educando mas nunca deixando de exercer sua autoridade quando preciso. Para finalizar a reflexão deste livro gostaria de dizer que ficou claro o que Freire quer nos passar, que não adianta termos embasamento teorico se não colocamos em pratica e não adianta colocar na pratica se não a á teoria. Gera uma contradição entra as partes mas que na realidade não se pode realizar uma sem ter a outra .
  • 52.  
  • 53. Medo e ousadia (o cotidiano do professor) Este livro nos fala sobre a educação libertadora e transformadora , freire optou por fazer este livro de forma diferente, ou seja em forma de dialogo, por achar que o dialogo é muito importante na formação e no aprendizado do der humano. Pois assim como o dialogo o ato de aprender nunca se dara sozinho e individual sim com a presença de outro para que assim tenhamos a troca que é fundamental em qualquer processo . Durante anos a educação foi algo imposta pelas professoras e sociedade que vivemos, educação esta que era dada de uma maneira simplificada, melhor ainda de um modo pronto, onde não se precisa-se pensar , simplesmente decorar para ir bem em uma prova. Sabemos que estas medidas que ainda vem sido adotadas pelas escolas vem fazendo com que os alunos desmotivem-se e desistam da escolarização , e não é isso que queremos. Freire fala que a educação deve se dar através de um processo dinâmico onde o aluno tenha curiosidade de conhecer, que este seja incentivado a aprender a pesquisar a querer cada vez mais o saber. E isso acontece porque, o comnhecimento ,a aprendizagem não é dada de uma maneira pronta “mastigada” . Os alunos não tem motivação para frequentarem a escola por o currículo que esta oferece ser algo militante e fechado, sabemos que fora das instituição eles tem outras coisas que o motivam. Para chamar a atenção dos educandos deve-se utilizar destas coisa que chama a atenção do aluno como a tecnologia por exemplo para que eles se interessem em participar das atividade que são oferecidas aos docentes. Em relação ao currículo deve ser algo participativo, um currículo que vise atender as necessidade e interesse de quem vai executar e participar deste.
  • 54. ~> Algumas virtudes para um sujeito cognoscente( aluno ) : * ação; * reflexão critica ; * a curiosidade ; * o questionamento ; * a inquietação ; * a incerteza ; Estas virtudes citadas a cima quem constrói no aluno e o professor , que muitas vezes por não saber como passar o conhecimento acaba por queimar estas etapas . Pois quando se pretende ensinar algo novo deve-se começar pelo o que o aluno sabe, pelas suas experiencia, seu senso comum para que depois posasse apresentar o conhecimento novo. Mas muitos professores por não terem isto claro acabam por impor sem querer este conhecimento novo de modo que não levam em conta algumas reações indispensáveis no processo de produção de conhecimento de cada ser humano . O papel do professor no processo de produção do conhecimento é de alguem que convida os alunos a serem curiosos, questionadores, críticos e reflexivos. Outro grave problema existente na atualidade é que as instituições acabam por se transformarem em espaços de venda de conhecimento, o que corresponde a ideologia capitalista . Ideologia esta que infelizmente tem dominado a nossa sociedade, pois as escolas não estão mais importadas em preparar cuidadões e sim oferecer uma educação para a vida profissional de cada um , e por isto acabam por se transformar em uma industria de quem vendera o ensino mais qualificado que consiga atender estas necessidades existentes no nosso cotidiano.
  • 55. Levando estas e outras situações que vem acontecendo me pergunto : como ser um professor libertador ? para nos responder esta pergunta Ira comeca nos contando como começou a dar aula em uma faculdade onde os estudante eram todos trabalhadores. Não eram estudante da elite sim marginalizados por nao terem uma condicao econômica favorecida, ele relata a sua insatisfação em ver que suas aulas n'ao estavam chegando ao mundo de seus alunos e que estes n'ao conseguiam entender o que ele tentava passar. Chegou ate mesmo confessar que no comeco da carreira dele como professor foi um dos que adotou a concepção tradicional, mas que com o tempo começo a refletir como mudar aquela educação para que fosse significativa para seus alunos para que estes se interessassem por ela. Então criou encontro com os outros professores para discutirem e pensarem como mudar como oferecer uma educa;'ao de qualidade e participativa para os alunos, e foi através destes encontros desta troca com os outros professores que ele conseguiu depois de anos se transformar em um professor libertador pois ele come;ou a valiar e refletir sobre suas praticas . Frei fala também como come;ou a se transformar em um professor libertador , ele relata algumas dinâmicas que fazia dentro da sala como pedir para que os alunos escreve-se texto e a partir destes texto utilizava para dar sua aula e explicar a gramatica, ele dizia que todos eram capazes de aprender. Freira começou a lecionar usando um pouco das duas concepcoes tradicional e libertadora, mas o que entendo por uma educação libertadora e, uma educação onde o professor não tenha medo de ousar pois [e preciso ousar para aprender a ser um professor libertador. O professor deve fazer de suas praticas pedagógicas algo significativo e interessante para o aluno que envolva as suas praticas sociais também porque n'ao há aprendizagem se não houver cultura.
  • 56.  
  • 57. Como se faz analise de conjuntura A analise é uma mistura de conhecimento e descobertas, que estará sempre relacionada com determinada visão do sentido e do rumo dos acontecimentos. Existem alguns ferramentas próprias para que se fazer analise de conjuntura que são as seguintes categorias: ~> acontecimentos; ~> cenários; ~> atores; ~> relação de forças; ~> articulação entra estrutura e conjuntura; Em todas as situações são tomadas, e baseadas em uma avaliação de uma situação, vista sob a otica de nossos interesses e necesidades, quando fazemos este processo estamos fazendo uma analize . A seguir iremos tentar intentes quais são os papaeis de cada categoria que é utilizada para realização de uma conjuntura.
  • 58. ACONTECIMETOS: como diz no livro devemos distinguir fatos de acontecimentos, pois fatos ocorrem todos os dia e somente alguns destes fatos são considerados acontecimentos. Acontecimentos são aqueles que adquirem um sentido importante e especial para um país,uma classe social ou uma pessoa . Um exemplo: uma pessoa negra que era fachineira em uma escola, vira cozinheira da mesma, isso é um acontecimento para a vida da pessoa, mas não para a sociedade, para a sociedade é apenas um fato . Já agora os estados unido ter o primeiro presidente negro da história do pais sim é um acontecimento. Segundo Herbet de Souza identificar os principais acontecimentos num determinado momento ou periodo de tempo é fundamental para se caracterizar a análise de conjuntura. CENÁRIOS: Cada cenário apresenta particularidades que influenciam o desenvolvimeto da luta, e muitas vezes o simples fato de mudar de cenário é uma indicação de mudança no processo. Por isso a importância de se identificar os cenários e as particularidades dos diferentes cenários ATORES: É alguem que enfrenta um papel dentro de um enredo de uma trama de relaçães, mas também pode ser grupos sociais, jornais, igrejas, partidos políticos e etc... RELAÇÕE DE FORÇA: Seria fazer um levantamento, uma investigação sobre determinados assuntos ou acontecimentos, pode-se dizer ate mesmo que seria se questionar sobre o assunto em questão. A relação de forças não é um dado imutável, ela sofre alterações e mudanças permanentes. Deve-se buscar formas de verificação menos visíveis Para que consigamos fazer uma analise de conjuntura deve-se primeiramente analisar a época e o momento histórico que se esta ou seja qual o cenário que se encontra. Após isto ver quais os acontecimentos mais marcantes do ator desta contexto. Pois tanto o autor e os acontecimentos tem uma inter -relação direta. Para que assim consigamos achar as resposta de nossas perguntas e entender qual a real conjuntura do momento e da situação em questão.
  • 59. Com base neste livro que lemos no decorrer do semestre e com as explicações e debates que tivemos sobre este assunto , a professora Simone nos propôs que fizéssemos um trabalho para ver se realmente teríamos entendido o assunto trabalhado nos foi oferecidos dois filmes cujo os nomes são: * quanto vale é por quilo? * radio favela Onde deveríamos fazer a seguinte tarefa : PRÁTICA PEDAGÓGICA II: GESTÃO E DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO POPULAR ATIVIDADE DE REFLEXÃO: Análise de conjuntura de uma prática social. Filme: Quanto Vale é por Quilo : mais valem pobres na mão do que pobres roubando. Relato ficcional sobre os empreendimentos do terceiro setor no pais, na cidade do Rio de Janeiro . Acontecimento: fato social Cenário : estrutura e conjuntura Atores Sociais Quais os abjetivos da ONG
  • 60.
  • 62. Foi proposto para a turma que assitisse o filme como 'uma onda no ar”, filme este que acontece em uma época de pós-ditadura podemos dizer assim, o filme enfatiza a vida de quatro garotos moradores de uma favela de Minas Gerais . O cenário que acontece o filme e na década de 80, quando tivemos a primeira eleição depois da ditadura, foi uma época que estavam saindo do autoritarismo da ditadura e voltando para uma sociedade com direitos e deveres, onde todos são cidadães e tem o direito de expressão. O filme mostra a dificuldade que ocorreu nessa época para que a redemocratização acontece-se; e os atores sociais que lutavam por este processo dentro da favela eram alguns dos amigos. Mas foi Jorge, um dos quatro amigos que estudava em uma escola particular por causa de sua mães que era funcionária do local, que resolveu criar uma rádio, rádio esta que começou sendo pirata. A rádio tinha o objetivo de expressar a opinião das pessoas sobre a realidade, Jorge estava cansado de injustiças e preconceitos, e queria lutar pelos direitos dos cidadães; a rádio foi um acontecimento para os moradores da comunidade, pois através desta os trabalhos artísticos da favela eram valorizados.
  • 63. Ainda existe programas onde havia uma educação popular por trás, como o programa de prevenção dos jovens a respeito da AIDS; programa este que fez com que a rádio ganha-se um prêmio da UNESCO e assim ,abriu novas portas para que a rádio fosse reconhecida pelos que tanto tentaram destruí-la. Um dos mais importantes acontecimentos levando em conta a leitura do livro do Herbet foi a prisão de Jorge e o prêmio . Para finalizar o texto gostaria de dizer como á educação popular é importante, principalmente na vida de pessoas como a da favela que o filme nos mostra.
  • 64. QUANTO VALE É POR QUILO ?
  • 65. O filme Quanto Vale é por Quilo é do diretor Sérgio Bianchi, que fez uma adaptação do conto "Pai Contra Mãe", de Machado de Assis. A seguir erei relatar onde acontece os pontos pedidos acima no filme . *CENÁRIO : O cenário que o filme nos passa é de uma época atual que ainda acontece descriminação ,o próprio autor nos mostra trazendo à tona nosso passado escravista, deixando clara a impossibilidade de olhar o presente sem levar esse passado em conta, assim como as persistentes desigualdades econômicas, sociais e de direitos no país. *ATORES SOCIAIS : são os moradores da favela, a população pobre e miserável que ainda continua sofrendo desigualdades e injustiça, que apesar de ter acabado a escravidão ainda hoje vivem como escravos . *ACONTECIMENTOS : Um dos acontecimentos marcantes foi quando as ongs começam a ser questionadas, se realmente estão fazendo, cumprindo o papel que deveriam ter, papel este que assumiram. Mas então descobre-se que na verdade as ONGS não estão cumprindo o papel dela, mas sim aproveitando do estado de pobreza das pessoas para tirarem lucros em cima. As ONGS viraram industrias que investem na miséria e desigualdade para conseguirem ser reconhecidas e assim cada vez mais conseguirem dinheiro. *QUAIS OS OBJETIVOSDAS ONGS : na realidade a as ONGS se comprometeram a cumprir os objetivos em prol da comunidade mas infelizmente isto não ocorre, pois ela acaba esquecendo porque foi fundada e passa a fazer desta uma industria para adquirir dinheiro. Mas sabemos que é muito dificil que a comunidade perceba e faça algo para que isto mude podemos perceber isto na sema em que : os “empresários” de uma ONG atolam o carro na favela. Logo à frente há um corpo no chão: um assassinato acontecera ainda pouco, os ânimos dos favelados ainda estão no alto. Os engravatados, diríamos nós, agora passariam por uma rapagem. Mas não. Os favelado e negros ajudam a tirar o carro da lama.
  • 66.
  • 67. No seu livro Educação Popular de Rua Walter Oliveira nos fala sobre a aprendizagem social das crianças de rua. Ele comenta como começou a interagir com esse publico, pois ele observava o cotidiano dos moradores de rua e ouvia o o relato que cada um fazia a respeito de sua realidade. Para que então pode-se a partir disso fazer com que os jovens tivessem uma reação de retorno , para que assim ,fossem aceitos e inseridos na sociedade para conviver com esta sem convergências . Ele nos fala sobre alguns projetos que fez para conseguir trabalhar com este publico, analisando o livro com os dois filmes assistidos pela turma, que foram , crianças invisíveis e invenção da infância, percebemos que, em ambos nos mostra crianças que são obrigadas a trabalhar desde muito cedo para ajudar a família, e assim acabam por não estudar. As crianças que passam a maioria do tempo na rua ou mora na mesma, acabam por aprender muitas coisas com suas vivencias, que por incrível que pareça não foram a escola para aprender.
  • 68. No filme a invenção da infância, nos mostra um menino que trabalhava em uma plantação, e que aprendeu o oficio com a vivencias com os mais velhos que ali estavam. Já no filme crianças invisíveis nos mostra o caso de Bilu e João que sabem fazer contas sem nenhum recurso para o auxilio. Por este e outros motivos que é muito importante sempre levar em conta aquilo que o aluno nos traz, pois é de muito significado para o processo de ensino e aprendizagem do educando. Nos como futuros pedagogos e educadores devemos analisar muito bem como iremos fazer este processo de construção do conhecimento com os alunos de diversas realidades, para que estes sintam-se motivados ao saber. Ao meu ver deve-se oferecer e investir nos programas com horários acessivos as crianças , para que estas tenham acesso ao ensino.
  • 69.  
  • 70. Pedagogia do oprimido Neste livro fala sobre a realidade do oprimo, sendo este qualquer pessoa que sofra algum tipo de descriminação ou preconceito. Freire nos fala de como o opressor pode vir a fazer mau na contrição da identidade do oprimido. Acredito que nos como futuros pedagogos deveríamos ter o dever de ler este livro pois ele nos mostra uma visão muito interessante, que acabamos muita vezes cometendo sem perceber. O opressor geralmente é alguem que é autoritário, que quer colocar sua visão acima de tudo e de qualquer outra opinião sobre o assunto, fazendo assim com que o oprimido se sinta cada vez mais incapaz de executar sua autonomia . No livro nos fala também sobre um assunto já muito discutido aqui no portfolio, que é a questão da educação bancaria. Nessa visão os professores acreditavam que, os alunos eram incapazes de ter algum conhecimentos antes da escola, ou seja que eram umas tabua rasas . Paulo Freire discorda disso, e luta para que esta realidade mude, através dele começasse a pensar em uma educação libertadora, infelizmente nem todos na época concordavam com as ideias de Freire, tanto que o mesmo acabou ate sendo ezilhado por não pensar como a época mandava .
  • 71. Isso ocorreu na época da ditadura , após a ditadura ter passado e Freire voltado para o Brasil, começou-se a falar-se mais na questão da educação libertadora, que seria uma educação onde o professor tentaria globalizar a aprendizagem com o contexto do aluno, com a finalidade de preparar este para a vida em sociedade de maneira crítica e reflexiva. Infelizmente por mais que os educadores tente fazer uma educação libertadora eles sempre terão alguns aspectos que se depararam como a ,politica, religião, mercado de trabalho e varias outras coisas que interferem diretamente na educação. Para concluir a sintase deste livro, podemos dizer que Paulo Freire nos fala basicamente em levar em consideração as diferenças, limitações e conhecimentos prévios de cada um para que assim não se faça oprimidos dentro das escolas, instituições e espaços não formais. E que este oprimido tenha o direito de manifestar-se e demonstrar seus conhecimento perante os outros, para que assim através da troca, e do dialogo se construa um processo educacional.
  • 72.  
  • 73. Pedagogia da autonomia Paulo Freire no fala sobre a critica que deve se ter em relação a teoria e pratica, pois se não estas acabam por serem algo não utilizado como deveriam ser. O professore deve ter claro que ele não ira transmitir para o aluno o conhecimento que tem, mas sim ajuda-lo como um problematizador a construir este conhecimento. Quando Freire nos fala que não há docência sem discência ele esta se referindo que : '' quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender '' Um professor compromissado com o processo de ensino e aprendizagem do seu aluno deve estar constantemente buscando, pesquisando, pois não há ensino sem pesquisa e nem pesquisa sem ensino. O professor deve ser investigativo e questionador, deve estar sempre buscando aprender para que assim consiga ajudar os educando dentro da construção do conhecimento. Freire nos fala a respeito da curiosidade ingênua ou saber ingênuo que não passa de ser o senso comum que cada um de nos adquiriu com sua vivencias, mas para o professor não basta apenas a curiosidade ingenua para executar o ato de mediar , o educador deve saber o que vai ensina com certeza, e baseando-se em algo.
  • 74. Pois muitas pessoas, principalmente da classe popular acabam por não estudarem ou se aprofundarem em determinados assuntos por pensarem que sabem, mas com o tempo acabam por perceber que na verdade o que sabiam não sabiam de fato. Em relação a este assunto é bastante discutido o ato de analisar e refletir sobre as praticas realizadas , para que na próxima pratica isto não ocorra. O ato de refletir sobre as práticas serve tanto para o professor quanto para o aluno. Para que o aluno tenha sucesso na aprendizagem, ele deve sentir que o professor confia no seu potencial, pois o educador deve mostrar para o aluno que este é capaz de produzir. O professor alem de um mediador deve ser um educador que estimula os seus alunos e da a certeza de que todos são capazes indiferente de cor, idade, estado sócio-econômico ou cultura. O professor ao ensinar deve ter respeito pelos seus alunos, assim como este pelo professor. Pois sabemos que independente do educador que você seja , sua marca vai ficar marcada para sempre na vida dos alunos. E caberá a você ter a certeza que você foi um professor que ajudou o aluno na construção de ser um cidadão critico, reflexivo,que leva em considerações seus valores com os dos outros. Pois a nossa sociedade é muito diversa e cabe a cada um saber respeitar a diversidade de cada ser humano, e isso acontece fundamentalmente através da educação. Educação esta que Paulo Freire luta para que todos tenham dirito principalmente os excluídos.
  • 75.  
  • 76. Pedagogia da esperança O interesse geral desta obra é fornecer saberes necessários a prática educativa de professores formados ou em formação, mesmo que alguns destes professores não sejam críticos ou progressistas porque são pontos aprovados pela prática, não considerando posições políticas. Cabe ao professor observar qual prática é apropriada para sua comunidade Não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino. E cabe ao professor continuar pesquisando para que seu ensino seja propício ao debate e a novos questionamentos. A pesquisa se faz importante também, pois nela se cria o estímulo e o respeito à capacidade criadora do educando. A escola e os professores precisam respeitar os saberes dos educandos e sempre que possível, trabalhar seu conhecimento empírico, sua experiência anterior. Aconselha-se a discussão sobre os problemas sociais que as comunidades carentes enfrentam e a desigualdade que as cercam. Aconselha que os educadores se posicionem criticamente, questionando, orientando e incentivando aos educandos a pensar e reivindicar seus direitos, influindo na sociedade. Todavia sugere que ao assumir este compromisso, o educador o assuma com ética, amor e alegria por ensinar, porque será das criança que educamos hoje que partirão as mudanças que renovarão a sociedade brasileira.
  • 77. Segundo Freire, "o educador que 'castra' a curiosidade do educando em nome da eficácia da memorização mecânica do ensino dos conteúdos, tolhe a liberdade do educando, a sua capacidade de aventurar-se. Não forma, domestica"(p.63). A autonomia, a dignidade e a identidade do educando tem de ser respeitada, caso contrário, o ensino tornar-se-á "inautêntico, palavreado vazio e inoperante"(p.69). E isto só é possível tendo em conta os conhecimentos adquiridos de experiência feitos" pelas crianças e adultos antes de chegarem à escola. Para Freire, o homem e a mulher são os únicos seres capazes de aprender com alegria e esperança, na convicção de que a mudança é possível. Aprender é uma descoberta criadora, com abertura ao risco e a aventura do ser, pois ensinando se aprende e aprendendo se ensina.
  • 78.  
  • 79. Educação & amor ( Içami Tiba)
  • 80.
  • 81.
  • 82. fim