SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Autor: Lisliê Lúcia Lima Pereira Ribeiro
Instituição: Faculdade Mário Schenberg – Grupo
Lusófona Brasil - Cotia SP - 2011
Pós-Graduação em Supervisão Pedagógica e
Formação de Formadores com acesso ao
Mestrado Europeu em Ciências da Educação
Docente Responsável - Profª Dra. Maria Regina
Peres
O estudo sobre a formação de professores me
lançou o desafio de refletir sobre os anseios e as
razões que me conduziram ao magistério. Desfio
que me fez reportar, de modo reflexivo, as minhas
origens.




Nasci no estado de Minas
Gerais, na cidade de Belo
Horizonte, no dia 22 de janeiro de
1.984, numa família relativamente
numerosa.        Tenho        seis
irmãos, dentre os quais sou a
quarta filha.
Entrei para a escola aos sete anos de idade, não
fiz a pré-escola, pois, não era oferecido pelo
governo como atualmente. Sempre estudei em
escola pública, num primeiro momento foi à
municipal e num segundo momento a estadual.
            Lembro-me de que ainda criança, tinha muita
            vontade de aprender a ler e a escrever, porque
            meus três irmãos mais velhos já sabiam, e eu
            não conseguia entender o significado daqueles
            símbolos.
Quando cheguei à escola estava eufórica
para conhecer a minha professora e a
turma, confesso que me assustei, estava
matriculada em uma turma de “repetentes” da
1ª série, todos os outros alunos eram mais
velhos, só eu tinha sete anos.


 A professora foi muito importante para minha
 adaptação, o nome dela era Realina. Gostei do nome
 dela, por ser diferente como o meu, mas além do nome
 ela também era diferente das demais professoras que
 via passando pelo corredor, ela sorria, brincava e nos
 abraçava.
 E assim mesmo, fazendo parte de uma turma tão
 heterogênea, consegui me sobressair e passar de ano.
Em casa sempre fomos incentivados a estudar. Meu
pai, todo fim de semana fazia a mesma coisa: escolhia
um texto e chamava cada um dos filhos para
ler, depois fazia a mesma coisa com a tabuada.
O tempo foi passando, e eu tinha certeza de que queria ser
professora. Até o momento que iniciei o ensino médio. Nessa
época surgiu uma interrogação enorme em minha cabeça: E
agora, vou ser mesmo professora? E a resposta foi negativa.




Almejava       uma       profissão      que       fosse
respeitada, valorizada e que o retorno financeiro fosse
significativo. Os professores do ensino médio
demonstravam justamente o contrário.
Durante os três anos do ensino médio, a escola que
estudava, realizou testes vocacionais com os alunos, todos
os que eu fiz apontava para a área de Humanas, mais
especificamente a Pedagogia.
Mesmo assim, prestei vestibular para enfermagem, não
deu certo e precisei ir para o mercado de trabalho sem
uma formação.




    Neste tempo, comecei a dar aulas de reforço para
    crianças perto da minha casa e gostei, meu pai
    ficou orgulhoso e dizia para as pessoas que tinha
    uma filha professora.
O tempo passou, em 2005 me casei e vim morar no
estado de São Paulo, na cidade de Cotia e, surgiu à
oportunidade de cursar o Magistério. Foi um curso em
EAD, oferecido em parceria pela Secretaria Municipal de
Educação de Cotia e o IESDE – Inteligência Educacional
e Sistema de Ensino, todo ministrado por vídeo-
aulas, com atividades presenciais e a distancia.
Por ser um curso na modalidade EAD, foi
muito criticado, as pessoas não confiavam que
se pudesse aprender com vídeos-aula, eu até
entendo, mas felizmente não é o meu caso.




Iniciei o curso e me apaixonei pelas disciplinas.
Percebi quanto tempo perdera tentando realizar
outras atividades as quais não me identificava.
Quando realizei o estágio fiquei apreensiva com o
número de alunos, as condições de trabalho, a
valorização, o respeito, mas como tinha me
decidido resolvi correr o risco.
Antes de terminar o magistério iniciei a graduação em
Pedagogia. Em 2007 ingressei por concurso público na
rede municipal de Cotia. Comecei a lecionar e me senti
perdida, só tinha a prática do estágio. Que desafio!
Nesta época conheci duas professoras: Ângela e
Viviane, que ingressaram comigo e por coincidência fomos
para a mesma escola. Alguns meses depois para completar
a “nossa turma”, chamada carinhosamente de “Isabetes”
chegou a Nilde. Acabamos nos tornando companheiras de
trabalho,   por     semelhança   em     nossos     ideais
e, consequentemente amigas.
Foi junto com elas que aprendi a por em prática a teoria
estudada no magistério e na graduação, e a realizar o
projeto “Roda de Leitura”, que faz toda a diferença em
minha prática pedagógica.
Em 2008 me formei, que sensação boa! Porém, percebi
que faltava algo em minha formação. Queria algumas
respostas que a graduação não tinha fornecido. Minhas
indagações eram diferentes daquelas que me levaram a
realizar a graduação.




Desejava saber como trabalhar com alunos especiais;
como favorecer o processo ensino aprendizagem dos
alunos; como trabalhar com os alunos indisciplinados;
como relacionar a teoria e a prática; dentro do meu
contexto, da minha realidade de sala de aula.
Dentre essas questões que me afligiam, busquei a Pós-
Graduação     em    Psicopedagogia.  O    atendimento
psicopedagógico foi essencial para responder algumas
dessas questões e também para embaralhar outras, por
exemplo, como favorecer os alunos com problemas de
aprendizagem em uma sala de aula com 35 alunos, se
eles precisam de um acompanhamento individualizado?



                            Novamente, vem a questão
                             da teoria e da prática. Na
                                 teoria tudo parece
                             possível, mas a prática é
                             complexa e desafiadora.
Terminei a especialização e decidi dar um tempo em
meus estudos acadêmicos para realizar meu anseio
de ser mãe e dedicar-me ao meu filho.
Em agosto de 2010, surgiu uma oportunidade
única, realizar o curso de Pós-Graduação com acesso
ao mestrado europeu, juntamente com meu marido e
minhas amigas. Relutei, porque agora não teria mais
todo o tempo para dedicar-me aos estudos, visto que
agora tenho um filho que requer minha atenção.




No entanto, por ser uma oportunidade única, aceitei
o desafio e hoje estou aqui persistindo nessa jornada
para melhor compreender minha prática em sala de
aula e, assim aperfeiçoá-la.
Decidir iniciar o curso foi desafiador, permanecer nele está
sendo mais ainda.
Durante o módulo de Modelos e Práticas de Formação de
Professores, pude refletir sobre a minha formação, desde
a mais tenra idade e, percebi que desde os primeiros anos
escolares até a graduação, minha formação foi
tradicional, ou seja, transmissão de conhecimentos, os
quais seriam cobrados em avaliações.
Neste módulo, além de refletir sobre minha
formação, refleti também sobre a formação dos
professores no Brasil e em Portugal, tendo em vista a
contextualização      histórica da     formação    de
professores, suas incumbências e o desafio de formar
professores crítico-reflexivo.
Partindo    da     contextualização   histórica,  Tanuri
(2000), refaz o percurso histórico da formação
docente, no Brasil, em seu artigo “História da Formação
de Professores”. A autora percorre os diversos períodos
históricos do país, desde a colonização, onde as escolas
normais fizeram parte do sistema provincial com o
modelo europeu, devido a nossa colonização; até chegar
a atual LBD 9394/96, onde estabelece a formação em
nível superior para os professores, porém, admitindo a
formação em nível médio.
Nóvoa (1995 ), em seu texto “Os professores e sua
formação”, refaz o percurso histórico da formação
docente em Portugal, citando as principais mudanças
ocorridas, dentre elas:


 a substituição da igreja, que até o final do século
  XVIII era responsável pela educação, pelo professor;
 investimento na formação de professores, devido ao
  último lugar nas estatísticas europeias;
 a profissionalização dos professores, devido ao excesso
  de professores sem formação especifica;
 e a formação continuada, para assegurar o sucesso da
  Reforma do Sistema Educacional
Em decorrência do contexto histórico, a profissão
docente, ao longo século XIX, é associada ao
apostolado e ao sacerdócio, como uma vocação. Neste
mesmo período, a profissão docente vive uma
ambigüidade,
segundo Nóvoa (1995), o professor “não deve saber
demais, nem de menos; não deve se misturar com o
povo, nem com a burguesia; não devem ser pobres, nem
ricos...” (p.16)

   Portugal foi impelido a realizar mudanças, uma
   vez que o país estava em desenvolvimento, e a
   educação não poderia ficar em último plano.
Penso que estas questões colocadas por Nóvoa estão
acontecendo na atualidade do nosso país, uma vez que
não se tem claro quem é o professor, qual sua formação e
sua incumbência, citando Nóvoa ainda, “a tendência no
sentido da intensificação do trabalho dos professores, com
uma inflação de tarefas diárias e uma sobrecarga
permanente de actividades.”(p.24).
Hoje o professor em vez de dedicar-se ao processo ensino
aprendizagem do aluno, fica tão ocupado com a
burocracia, o preenchimento de papelada, que na maioria
das vezes ficam engavetadas, que o essencial na
profissão docente se perde que é a dedicação ao processo
ensino aprendizagem.

     Se formos olhar o que a Lei de Diretrizes e Bases da
     Educação Nacional, (LDBEN) nº 9394/96, nos diz
     sobre          as        incumbências             dos
     professores, encontraremos no artigo 13, o seguinte:

Os docentes incumbir-se-ão de:
I - participar da elaboração da proposta pedagógica do
estabelecimento de ensino;
II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a
proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;

III - zelar pela aprendizagem dos alunos;

IV - estabelecer estratégias de recuperação para os
alunos de menor rendimento;

V - ministrar os dias letivos e horas-aula
estabelecidos, além de participar integralmente dos
períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao
desenvolvimento profissional;

VI - colaborar com as atividades de articulação da escola
com as famílias e a comunidade.
Assim, de acordo com minha experiência profissional, é
possível afirmar que a teoria muitas vezes não tem
relação com a prática vivenciada no cotidiano
escolar, justamente por conseqüência da inflação de
tarefas delegadas ao professor.

Paralelamente as incumbências do professor, temos a
sua formação, que atualmente fala-se em professor
crítico-reflexivo, inspirado na proposta de Schon (1990).
A formação do professor
crítico-reflexivo inicia-se na
graduação, tendo seqüência
nos cursos de formação
continuada e não tem um
fim, visto que uma formação
crítico-reflexivo deve estimular
a autoformação, o pensamento
autônomo, havendo trocas e
partilhas, pois, o professor é
simultaneamente formado e
formando.
O grande desafio atual na formação de professores, é
conceber a escola como um espaço educativo, onde
todos os envolvidos possam aprender e ensinar, tendo
objetivos comuns entre o grupo de docentes
pertencentes à escola.



              “A inteligência se alimenta de
             desafios. Diante de desafios, ela
                  cresce e floresce. Sem
             desafios, ela murcha e encolhe”.

                                 Rubem Alves
REFERÊNCIAS
Nóvoa, A. Os profesores na virada do milênio: do
excesso dos discursos à pobreza das práticas.
Cuadernos de Pedagogía, Barcelona, n. 286, p. 102-108.
1999.

Nóvoa, A. Os professores e sua formação. Lisboa:
D.Quixote, 1995.

Tanuri, L. M. História da formação de professores.
Revista Brasileira de Educação, nº14, Mai/Jun/Jul/Ago:
2000.

Zeichner, K. A formação reflexiva de professores:
idéias e práticas. Lisboa:Educa, 1993.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemviviprof
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antoniojapquimica
 
Relato memorial sobre a minha educação
Relato memorial sobre a minha educaçãoRelato memorial sobre a minha educação
Relato memorial sobre a minha educaçãoCélia Tavares
 
Memorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia MaiaMemorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia MaiaLúcia Maia
 
Pibid apresentação diagnóstico
Pibid apresentação diagnósticoPibid apresentação diagnóstico
Pibid apresentação diagnósticoFabricio Lemos
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antoniojapquimica
 
Portfolio disciplina planejamento e avaliação
Portfolio disciplina planejamento e avaliaçãoPortfolio disciplina planejamento e avaliação
Portfolio disciplina planejamento e avaliaçãoJOAO AURELIANO
 
Relatório 2011 acompanhamento
Relatório 2011 acompanhamentoRelatório 2011 acompanhamento
Relatório 2011 acompanhamentoWendel Matos
 
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesaO papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesaUNEB
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Giselle Coutinho
 
Promoção da leitura e da escrita no pré escolar-prevenção da
Promoção da leitura e da escrita no pré escolar-prevenção daPromoção da leitura e da escrita no pré escolar-prevenção da
Promoção da leitura e da escrita no pré escolar-prevenção daRita Cabaço
 
Exemplo de atividades do curso. memorial
Exemplo de atividades do curso. memorialExemplo de atividades do curso. memorial
Exemplo de atividades do curso. memorialrmarangon07
 
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTEA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTEProfessorPrincipiante
 
Slides tcc ediani-
Slides tcc ediani-Slides tcc ediani-
Slides tcc ediani-Ediani85
 

Mais procurados (17)

Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagem
 
Gilvanete
GilvaneteGilvanete
Gilvanete
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonio
 
Relato memorial sobre a minha educação
Relato memorial sobre a minha educaçãoRelato memorial sobre a minha educação
Relato memorial sobre a minha educação
 
Memorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia MaiaMemorial Lúcia Maia
Memorial Lúcia Maia
 
Pibid apresentação diagnóstico
Pibid apresentação diagnósticoPibid apresentação diagnóstico
Pibid apresentação diagnóstico
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonio
 
Portfolio disciplina planejamento e avaliação
Portfolio disciplina planejamento e avaliaçãoPortfolio disciplina planejamento e avaliação
Portfolio disciplina planejamento e avaliação
 
Relatório 2011 acompanhamento
Relatório 2011 acompanhamentoRelatório 2011 acompanhamento
Relatório 2011 acompanhamento
 
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesaO papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
 
Promoção da leitura e da escrita no pré escolar-prevenção da
Promoção da leitura e da escrita no pré escolar-prevenção daPromoção da leitura e da escrita no pré escolar-prevenção da
Promoção da leitura e da escrita no pré escolar-prevenção da
 
Memorial acadêmico
Memorial acadêmicoMemorial acadêmico
Memorial acadêmico
 
Portfólio..
Portfólio..Portfólio..
Portfólio..
 
Exemplo de atividades do curso. memorial
Exemplo de atividades do curso. memorialExemplo de atividades do curso. memorial
Exemplo de atividades do curso. memorial
 
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTEA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES E PRÁTICA DOCENTE
 
Slides tcc ediani-
Slides tcc ediani-Slides tcc ediani-
Slides tcc ediani-
 

Destaque

Megan- Constructivism theory
Megan- Constructivism theoryMegan- Constructivism theory
Megan- Constructivism theoryTechforEd
 
Reu1final Sperling+Lundy
Reu1final Sperling+LundyReu1final Sperling+Lundy
Reu1final Sperling+LundyMark Lundy
 
Tamara Presentation
Tamara PresentationTamara Presentation
Tamara Presentationbalhawk23
 
Monitoring Motor Function in Children with Stroke Combining a Computer Game w...
Monitoring Motor Function in Children with Stroke Combining a Computer Game w...Monitoring Motor Function in Children with Stroke Combining a Computer Game w...
Monitoring Motor Function in Children with Stroke Combining a Computer Game w...Virtual Sensei
 
Agricultural Growth and Poverty Reduction in Ethiopia: A General Equilibrium ...
Agricultural Growth and Poverty Reduction in Ethiopia: A General Equilibrium ...Agricultural Growth and Poverty Reduction in Ethiopia: A General Equilibrium ...
Agricultural Growth and Poverty Reduction in Ethiopia: A General Equilibrium ...essp2
 
Logistic in a milk process plant
Logistic in a milk process plantLogistic in a milk process plant
Logistic in a milk process plantandresrodas
 
Solidarius
SolidariusSolidarius
SolidariusASOCAM
 
teaching 6
teaching 6teaching 6
teaching 6sangkom
 

Destaque (9)

Megan- Constructivism theory
Megan- Constructivism theoryMegan- Constructivism theory
Megan- Constructivism theory
 
Reu1final Sperling+Lundy
Reu1final Sperling+LundyReu1final Sperling+Lundy
Reu1final Sperling+Lundy
 
Evaluacion Sistema Educ Vasco
Evaluacion Sistema Educ VascoEvaluacion Sistema Educ Vasco
Evaluacion Sistema Educ Vasco
 
Tamara Presentation
Tamara PresentationTamara Presentation
Tamara Presentation
 
Monitoring Motor Function in Children with Stroke Combining a Computer Game w...
Monitoring Motor Function in Children with Stroke Combining a Computer Game w...Monitoring Motor Function in Children with Stroke Combining a Computer Game w...
Monitoring Motor Function in Children with Stroke Combining a Computer Game w...
 
Agricultural Growth and Poverty Reduction in Ethiopia: A General Equilibrium ...
Agricultural Growth and Poverty Reduction in Ethiopia: A General Equilibrium ...Agricultural Growth and Poverty Reduction in Ethiopia: A General Equilibrium ...
Agricultural Growth and Poverty Reduction in Ethiopia: A General Equilibrium ...
 
Logistic in a milk process plant
Logistic in a milk process plantLogistic in a milk process plant
Logistic in a milk process plant
 
Solidarius
SolidariusSolidarius
Solidarius
 
teaching 6
teaching 6teaching 6
teaching 6
 

Semelhante a A formação de uma professora: reflexões sobre minha trajetória

Pnaic caderno 1_inclusão
Pnaic caderno 1_inclusãoPnaic caderno 1_inclusão
Pnaic caderno 1_inclusãoClaudio Pessoa
 
Entrevista trabalho renildo
Entrevista trabalho renildoEntrevista trabalho renildo
Entrevista trabalho renildojugegi
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antoniojapquimica
 
Memorial profissional do josé antônio pereira
Memorial profissional do josé antônio pereiraMemorial profissional do josé antônio pereira
Memorial profissional do josé antônio pereirajapquimica
 
Memorial profissional do josé antônio pereira
Memorial profissional do josé antônio pereiraMemorial profissional do josé antônio pereira
Memorial profissional do josé antônio pereirajapquimica
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antoniojapquimica
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antoniojapquimica
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólioviviprof
 
A INSERÇÃO NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES QUE ATUAM COMO FORMADORES DE LÍNGUA POR...
A INSERÇÃO NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES QUE ATUAM COMO FORMADORES DE LÍNGUA POR...A INSERÇÃO NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES QUE ATUAM COMO FORMADORES DE LÍNGUA POR...
A INSERÇÃO NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES QUE ATUAM COMO FORMADORES DE LÍNGUA POR...ProfessorPrincipiante
 
Relatório final miro
Relatório final miroRelatório final miro
Relatório final miroNeuzy Quadros
 
Elisabeteribeiro andreia santos_micheleazevedo
Elisabeteribeiro andreia santos_micheleazevedoElisabeteribeiro andreia santos_micheleazevedo
Elisabeteribeiro andreia santos_micheleazevedoBebeti05
 

Semelhante a A formação de uma professora: reflexões sobre minha trajetória (20)

Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
Pnaic caderno 1_inclusão
Pnaic caderno 1_inclusãoPnaic caderno 1_inclusão
Pnaic caderno 1_inclusão
 
Trabalho vocacional
Trabalho vocacionalTrabalho vocacional
Trabalho vocacional
 
Portifólio Reflexivo de Aprendizagem
Portifólio Reflexivo de AprendizagemPortifólio Reflexivo de Aprendizagem
Portifólio Reflexivo de Aprendizagem
 
Trabalho luana
Trabalho luanaTrabalho luana
Trabalho luana
 
Entrevista trabalho renildo
Entrevista trabalho renildoEntrevista trabalho renildo
Entrevista trabalho renildo
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonio
 
Memorial profissional do josé antônio pereira
Memorial profissional do josé antônio pereiraMemorial profissional do josé antônio pereira
Memorial profissional do josé antônio pereira
 
Memorial profissional do josé antônio pereira
Memorial profissional do josé antônio pereiraMemorial profissional do josé antônio pereira
Memorial profissional do josé antônio pereira
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonio
 
Memorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonioMemorial profissional do josé antonio
Memorial profissional do josé antonio
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
A INSERÇÃO NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES QUE ATUAM COMO FORMADORES DE LÍNGUA POR...
A INSERÇÃO NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES QUE ATUAM COMO FORMADORES DE LÍNGUA POR...A INSERÇÃO NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES QUE ATUAM COMO FORMADORES DE LÍNGUA POR...
A INSERÇÃO NA DOCÊNCIA DE PROFESSORES QUE ATUAM COMO FORMADORES DE LÍNGUA POR...
 
Portfólio tais
Portfólio taisPortfólio tais
Portfólio tais
 
Portfólio tais
Portfólio taisPortfólio tais
Portfólio tais
 
Relatório final miro
Relatório final miroRelatório final miro
Relatório final miro
 
Compartilhando conhecimentos
Compartilhando conhecimentosCompartilhando conhecimentos
Compartilhando conhecimentos
 
Elisabeteribeiro andreia santos_micheleazevedo
Elisabeteribeiro andreia santos_micheleazevedoElisabeteribeiro andreia santos_micheleazevedo
Elisabeteribeiro andreia santos_micheleazevedo
 
Pdf maria edlene correia
Pdf   maria edlene correiaPdf   maria edlene correia
Pdf maria edlene correia
 
Pdf maria edlene correia
Pdf   maria edlene correiaPdf   maria edlene correia
Pdf maria edlene correia
 

Mais de lislieribeiro

Hipertexto apresentação
Hipertexto apresentaçãoHipertexto apresentação
Hipertexto apresentaçãolislieribeiro
 
Hipertexto apresentação
Hipertexto apresentaçãoHipertexto apresentação
Hipertexto apresentaçãolislieribeiro
 
M.s. mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
M.s.   mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3M.s.   mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
M.s. mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3lislieribeiro
 
Avaliação unidade curricular
Avaliação unidade curricularAvaliação unidade curricular
Avaliação unidade curricularlislieribeiro
 
As TICs na Formação Contínua do Professor
As TICs na Formação Contínua do ProfessorAs TICs na Formação Contínua do Professor
As TICs na Formação Contínua do Professorlislieribeiro
 
Caso problema supervisor
Caso problema  supervisorCaso problema  supervisor
Caso problema supervisorlislieribeiro
 
éTica e moral versão ampliada
éTica e moral  versão ampliadaéTica e moral  versão ampliada
éTica e moral versão ampliadalislieribeiro
 
Teorias e mod. de superv. aula 2
Teorias e mod. de superv.   aula 2Teorias e mod. de superv.   aula 2
Teorias e mod. de superv. aula 2lislieribeiro
 
Análise do artigo_científico
Análise do artigo_científicoAnálise do artigo_científico
Análise do artigo_científicolislieribeiro
 

Mais de lislieribeiro (18)

Hipertexto apresentação
Hipertexto apresentaçãoHipertexto apresentação
Hipertexto apresentação
 
Hipertexto apresentação
Hipertexto apresentaçãoHipertexto apresentação
Hipertexto apresentação
 
M.s. mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
M.s.   mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3M.s.   mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
M.s. mod. e prática de form. de profs. - avaliação - aula 3
 
Relação Família
Relação FamíliaRelação Família
Relação Família
 
Avaliação unidade curricular
Avaliação unidade curricularAvaliação unidade curricular
Avaliação unidade curricular
 
Avaliação docente
Avaliação docenteAvaliação docente
Avaliação docente
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
As TICs na Formação Contínua do Professor
As TICs na Formação Contínua do ProfessorAs TICs na Formação Contínua do Professor
As TICs na Formação Contínua do Professor
 
Resenha
ResenhaResenha
Resenha
 
Aula1arquivoalunos
Aula1arquivoalunosAula1arquivoalunos
Aula1arquivoalunos
 
Cidadão quem
Cidadão quemCidadão quem
Cidadão quem
 
Caso problema supervisor
Caso problema  supervisorCaso problema  supervisor
Caso problema supervisor
 
éTica e moral versão ampliada
éTica e moral  versão ampliadaéTica e moral  versão ampliada
éTica e moral versão ampliada
 
Teorias e mod. de superv. aula 2
Teorias e mod. de superv.   aula 2Teorias e mod. de superv.   aula 2
Teorias e mod. de superv. aula 2
 
Addtm
AddtmAddtm
Addtm
 
Análise do artigo_científico
Análise do artigo_científicoAnálise do artigo_científico
Análise do artigo_científico
 
Pré projeto
Pré projetoPré projeto
Pré projeto
 
Suê
SuêSuê
Suê
 

Último

Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 

Último (20)

Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 

A formação de uma professora: reflexões sobre minha trajetória

  • 1. Autor: Lisliê Lúcia Lima Pereira Ribeiro Instituição: Faculdade Mário Schenberg – Grupo Lusófona Brasil - Cotia SP - 2011 Pós-Graduação em Supervisão Pedagógica e Formação de Formadores com acesso ao Mestrado Europeu em Ciências da Educação Docente Responsável - Profª Dra. Maria Regina Peres
  • 2. O estudo sobre a formação de professores me lançou o desafio de refletir sobre os anseios e as razões que me conduziram ao magistério. Desfio que me fez reportar, de modo reflexivo, as minhas origens. Nasci no estado de Minas Gerais, na cidade de Belo Horizonte, no dia 22 de janeiro de 1.984, numa família relativamente numerosa. Tenho seis irmãos, dentre os quais sou a quarta filha.
  • 3. Entrei para a escola aos sete anos de idade, não fiz a pré-escola, pois, não era oferecido pelo governo como atualmente. Sempre estudei em escola pública, num primeiro momento foi à municipal e num segundo momento a estadual. Lembro-me de que ainda criança, tinha muita vontade de aprender a ler e a escrever, porque meus três irmãos mais velhos já sabiam, e eu não conseguia entender o significado daqueles símbolos.
  • 4. Quando cheguei à escola estava eufórica para conhecer a minha professora e a turma, confesso que me assustei, estava matriculada em uma turma de “repetentes” da 1ª série, todos os outros alunos eram mais velhos, só eu tinha sete anos. A professora foi muito importante para minha adaptação, o nome dela era Realina. Gostei do nome dela, por ser diferente como o meu, mas além do nome ela também era diferente das demais professoras que via passando pelo corredor, ela sorria, brincava e nos abraçava. E assim mesmo, fazendo parte de uma turma tão heterogênea, consegui me sobressair e passar de ano.
  • 5. Em casa sempre fomos incentivados a estudar. Meu pai, todo fim de semana fazia a mesma coisa: escolhia um texto e chamava cada um dos filhos para ler, depois fazia a mesma coisa com a tabuada.
  • 6. O tempo foi passando, e eu tinha certeza de que queria ser professora. Até o momento que iniciei o ensino médio. Nessa época surgiu uma interrogação enorme em minha cabeça: E agora, vou ser mesmo professora? E a resposta foi negativa. Almejava uma profissão que fosse respeitada, valorizada e que o retorno financeiro fosse significativo. Os professores do ensino médio demonstravam justamente o contrário.
  • 7. Durante os três anos do ensino médio, a escola que estudava, realizou testes vocacionais com os alunos, todos os que eu fiz apontava para a área de Humanas, mais especificamente a Pedagogia. Mesmo assim, prestei vestibular para enfermagem, não deu certo e precisei ir para o mercado de trabalho sem uma formação. Neste tempo, comecei a dar aulas de reforço para crianças perto da minha casa e gostei, meu pai ficou orgulhoso e dizia para as pessoas que tinha uma filha professora.
  • 8. O tempo passou, em 2005 me casei e vim morar no estado de São Paulo, na cidade de Cotia e, surgiu à oportunidade de cursar o Magistério. Foi um curso em EAD, oferecido em parceria pela Secretaria Municipal de Educação de Cotia e o IESDE – Inteligência Educacional e Sistema de Ensino, todo ministrado por vídeo- aulas, com atividades presenciais e a distancia.
  • 9. Por ser um curso na modalidade EAD, foi muito criticado, as pessoas não confiavam que se pudesse aprender com vídeos-aula, eu até entendo, mas felizmente não é o meu caso. Iniciei o curso e me apaixonei pelas disciplinas. Percebi quanto tempo perdera tentando realizar outras atividades as quais não me identificava. Quando realizei o estágio fiquei apreensiva com o número de alunos, as condições de trabalho, a valorização, o respeito, mas como tinha me decidido resolvi correr o risco.
  • 10. Antes de terminar o magistério iniciei a graduação em Pedagogia. Em 2007 ingressei por concurso público na rede municipal de Cotia. Comecei a lecionar e me senti perdida, só tinha a prática do estágio. Que desafio!
  • 11. Nesta época conheci duas professoras: Ângela e Viviane, que ingressaram comigo e por coincidência fomos para a mesma escola. Alguns meses depois para completar a “nossa turma”, chamada carinhosamente de “Isabetes” chegou a Nilde. Acabamos nos tornando companheiras de trabalho, por semelhança em nossos ideais e, consequentemente amigas.
  • 12. Foi junto com elas que aprendi a por em prática a teoria estudada no magistério e na graduação, e a realizar o projeto “Roda de Leitura”, que faz toda a diferença em minha prática pedagógica.
  • 13. Em 2008 me formei, que sensação boa! Porém, percebi que faltava algo em minha formação. Queria algumas respostas que a graduação não tinha fornecido. Minhas indagações eram diferentes daquelas que me levaram a realizar a graduação. Desejava saber como trabalhar com alunos especiais; como favorecer o processo ensino aprendizagem dos alunos; como trabalhar com os alunos indisciplinados; como relacionar a teoria e a prática; dentro do meu contexto, da minha realidade de sala de aula.
  • 14. Dentre essas questões que me afligiam, busquei a Pós- Graduação em Psicopedagogia. O atendimento psicopedagógico foi essencial para responder algumas dessas questões e também para embaralhar outras, por exemplo, como favorecer os alunos com problemas de aprendizagem em uma sala de aula com 35 alunos, se eles precisam de um acompanhamento individualizado? Novamente, vem a questão da teoria e da prática. Na teoria tudo parece possível, mas a prática é complexa e desafiadora.
  • 15. Terminei a especialização e decidi dar um tempo em meus estudos acadêmicos para realizar meu anseio de ser mãe e dedicar-me ao meu filho.
  • 16. Em agosto de 2010, surgiu uma oportunidade única, realizar o curso de Pós-Graduação com acesso ao mestrado europeu, juntamente com meu marido e minhas amigas. Relutei, porque agora não teria mais todo o tempo para dedicar-me aos estudos, visto que agora tenho um filho que requer minha atenção. No entanto, por ser uma oportunidade única, aceitei o desafio e hoje estou aqui persistindo nessa jornada para melhor compreender minha prática em sala de aula e, assim aperfeiçoá-la.
  • 17. Decidir iniciar o curso foi desafiador, permanecer nele está sendo mais ainda. Durante o módulo de Modelos e Práticas de Formação de Professores, pude refletir sobre a minha formação, desde a mais tenra idade e, percebi que desde os primeiros anos escolares até a graduação, minha formação foi tradicional, ou seja, transmissão de conhecimentos, os quais seriam cobrados em avaliações.
  • 18. Neste módulo, além de refletir sobre minha formação, refleti também sobre a formação dos professores no Brasil e em Portugal, tendo em vista a contextualização histórica da formação de professores, suas incumbências e o desafio de formar professores crítico-reflexivo.
  • 19. Partindo da contextualização histórica, Tanuri (2000), refaz o percurso histórico da formação docente, no Brasil, em seu artigo “História da Formação de Professores”. A autora percorre os diversos períodos históricos do país, desde a colonização, onde as escolas normais fizeram parte do sistema provincial com o modelo europeu, devido a nossa colonização; até chegar a atual LBD 9394/96, onde estabelece a formação em nível superior para os professores, porém, admitindo a formação em nível médio.
  • 20. Nóvoa (1995 ), em seu texto “Os professores e sua formação”, refaz o percurso histórico da formação docente em Portugal, citando as principais mudanças ocorridas, dentre elas:  a substituição da igreja, que até o final do século XVIII era responsável pela educação, pelo professor;  investimento na formação de professores, devido ao último lugar nas estatísticas europeias;  a profissionalização dos professores, devido ao excesso de professores sem formação especifica;  e a formação continuada, para assegurar o sucesso da Reforma do Sistema Educacional
  • 21. Em decorrência do contexto histórico, a profissão docente, ao longo século XIX, é associada ao apostolado e ao sacerdócio, como uma vocação. Neste mesmo período, a profissão docente vive uma ambigüidade, segundo Nóvoa (1995), o professor “não deve saber demais, nem de menos; não deve se misturar com o povo, nem com a burguesia; não devem ser pobres, nem ricos...” (p.16) Portugal foi impelido a realizar mudanças, uma vez que o país estava em desenvolvimento, e a educação não poderia ficar em último plano.
  • 22. Penso que estas questões colocadas por Nóvoa estão acontecendo na atualidade do nosso país, uma vez que não se tem claro quem é o professor, qual sua formação e sua incumbência, citando Nóvoa ainda, “a tendência no sentido da intensificação do trabalho dos professores, com uma inflação de tarefas diárias e uma sobrecarga permanente de actividades.”(p.24).
  • 23. Hoje o professor em vez de dedicar-se ao processo ensino aprendizagem do aluno, fica tão ocupado com a burocracia, o preenchimento de papelada, que na maioria das vezes ficam engavetadas, que o essencial na profissão docente se perde que é a dedicação ao processo ensino aprendizagem. Se formos olhar o que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, (LDBEN) nº 9394/96, nos diz sobre as incumbências dos professores, encontraremos no artigo 13, o seguinte: Os docentes incumbir-se-ão de: I - participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;
  • 24. II - elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino; III - zelar pela aprendizagem dos alunos; IV - estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento; V - ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional; VI - colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade.
  • 25. Assim, de acordo com minha experiência profissional, é possível afirmar que a teoria muitas vezes não tem relação com a prática vivenciada no cotidiano escolar, justamente por conseqüência da inflação de tarefas delegadas ao professor. Paralelamente as incumbências do professor, temos a sua formação, que atualmente fala-se em professor crítico-reflexivo, inspirado na proposta de Schon (1990).
  • 26. A formação do professor crítico-reflexivo inicia-se na graduação, tendo seqüência nos cursos de formação continuada e não tem um fim, visto que uma formação crítico-reflexivo deve estimular a autoformação, o pensamento autônomo, havendo trocas e partilhas, pois, o professor é simultaneamente formado e formando.
  • 27. O grande desafio atual na formação de professores, é conceber a escola como um espaço educativo, onde todos os envolvidos possam aprender e ensinar, tendo objetivos comuns entre o grupo de docentes pertencentes à escola. “A inteligência se alimenta de desafios. Diante de desafios, ela cresce e floresce. Sem desafios, ela murcha e encolhe”. Rubem Alves
  • 28. REFERÊNCIAS Nóvoa, A. Os profesores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Cuadernos de Pedagogía, Barcelona, n. 286, p. 102-108. 1999. Nóvoa, A. Os professores e sua formação. Lisboa: D.Quixote, 1995. Tanuri, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, nº14, Mai/Jun/Jul/Ago: 2000. Zeichner, K. A formação reflexiva de professores: idéias e práticas. Lisboa:Educa, 1993.