SlideShare uma empresa Scribd logo
INTEGRAÇÃO METABÓLICA

Leptina, adiponectina e Grelina na Homeostase
Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
A manutenção do peso corporal é objecto de um complexo sistema neuroendócrino
de regulação que compreende alças de regulação com retroinibição negativa que
incluem neuromoduladores e efectores que permitem uma rígida regulação do
balanço energético.
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Há três componentes primários nesse sistema neuroendócrino :
• O sistema aferente (leptina e outros sinais de saciedade e de apetite

actuando no curto prazo).
• A unidade de processamento do sistema nervoso central (localizada no

hipotálamo ventro-medial e constituída pelos núcleos arqueado e ventromedial e núcleo paraventricular do hipotálamo).
• O sistema eferente, um complexo de apetite/saciedade, efeitos
autonómicos, termogênicos e motores.
O sistema aferente – Integra uma série de sinais gerados tanto em jejum como durante
a refeição, que podem actuar a curto ou a longo prazo, podem sinalizar saciedade ou
fome, podem informar sobre as reservas de tecido adiposo e podem ser gerados na
periferia ou a nível central.
• Sinais para ingestão alimentar: hipoglicemia, a baixa taxa de cortisol e a elevação dos
níveis da hormona gástrica Ghrelin.
• Sinais aferentes de saciedade: macro nutrientes (particularmente proteínas) e
colecistocinina, bombesina, glucagon, amilina, peptídeo glucagon-like (GLP-1) e
insulina.
• A leptina é uma proteína de 167 aminoácidos cujo papel neuroendócrino primário é
sinalizar ao hipotálamo ventro-medial, a quantidade de tecido adiposo depositado na
periferia.
A unidade de processamento central, basicamente constituída pelo hipotálamo
coordena o gasto energético em relação as reservas.
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
O sistema eferente: Mais complexo e disperso podemos considerar
como estando organizado nos seguintes componentes:
• Centro do apetite e seus componentes motores;
• Sistema nervoso autónomo (simpático e parassimpático);
• Os três componentes do gasto energético diário (gasto energético em
repouso, efeito térmico do alimento e o gasto energético voluntário).
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
O Sistema Nervoso Simpático agindo poor meio de vários neurotransmissores é a
principal via eferente implicada na homeostase do peso coorporal.
• As monoaminas tais como norepinefrina, dopamina e serotonina, amplamente
distribuídas no SNC funcionam como um " regulador de volume" numa variedade
de sistemas, aumentando ou diminuindo a atuação de diversas vias mas não
provocando efeitos em nenhum comportamento específico.
• A dopamina não parece estar envolvida no apetite propriamente dito
• A norepinefrina e a serotonina parecem ter importantes efeitos na regulação do peso
corporal e por isso têm sido alvo de manipulação medicamentosa (Ex:sibutramina,
que inibe a recaptação de serotonina e, com isso, proporciona sensação de saciedade)
Os neuropeptídeos - apresentam efeitos mais específicos nos
comportamentos individuais e nas funções corporais. Muito de
nosso conhecimento recente sobre neuropeptídeos específicos
vem da clonagem de genes que causam obesidade monogênica
em modelos de roedores : leptina, neuropeptídeo Y,
melanocortinas, orexígenos A e B, transcritos relacionados a
cocaína e anfetamina (CART), hormônio concentrador de melanina
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
LEPTINA,

É uma proteína de 167 aminoácidos sintetizada
essencialmente pelo tecido adiposo cujo papel neuroendócrino primário é
sinalizar ao hipotálamo ventro-medial, a quantidade de tecido adiposo
depositado na periferia.
• Foi demonstrado o que a produção de leptina ocorre após aumento da
insulinna em resposta à alimentação e diminuição na concentração de
leptina quando diminui a concentração de insulina.
• A leptina e as orexinas parecem ser os mediadores químicos responsáveis
cerebrais pela hipertensão associada a condições de desequilíbrio
energético como a obesidade.
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
• Ghrelina é uma hormonna secretada predominantemente pela mucosa gástrica
com intensas propriedades orexigenicas, adipogénicas e somatotrópicas,
favorecendo a ingestão de alimentos e o aumento de peso.
•

É o ligante natural dos receptors GHS, da hipófise sendo por conseguinte um
péptido cerebro-intestinal.

• O eixo cérebro-intestinal é o efector do anabolismo pela regulação do
crescimento, alimentação e metabolism via aferente vagal mediada pela sinalização
da Ghrelina.
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
• Ghrelina active os GHS-Rs localizados na hipófise e os neurónios que contêm
Hormona Libertadora da GH no núcleo arqueado do hipótalamo estimulando a
liberrtação de GH par a corrente sanguínea.
• A activação pella GRHELINA dos GHS-Rs nos neurónios que produzem NPY e AGRP
localizados no nucleo arqueado estimula a ingestão de alimentos.
• A Ghrelina aumenta o tecido adiposo diminuendo a oxidação de ácidos gordos.
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
ADIPONECTINA
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
• Adiponectina diminui a síntese lipídica e a produção de glucose no fígado e,
por essa via diminui a concentração de glucose e ácidos gordos livres no
sangue.
• Diminui a síntese de triglicéridos e aumenta a oxidação de ácidos gordos e
a dissipação de energia no músculo.
• Concentrações diminuídas de adiponectina estão associadas à
resistência à insulina e hiperinsulinémia e doentes com diabetes tipo II
têm níveis baixos de adiponectina circulante.
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
MUITO OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Composiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celulaComposiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celula
Pedro Lopes
 
Heranca ligada sexo
Heranca ligada sexoHeranca ligada sexo
Heranca ligada sexo
Iuri Fretta Wiggers
 
Respiraçao celular
Respiraçao celularRespiraçao celular
Respiraçao celular
Clovis Gurski
 
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e FermentaçãoAula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Fernando Mori Miyazawa
 
áGua e sais minerais
áGua e sais mineraisáGua e sais minerais
áGua e sais minerais
Guellity Marcel
 
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNAAula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Fernando Mori Miyazawa
 
Aula 4 protozoários
Aula 4   protozoáriosAula 4   protozoários
Aula 4 protozoários
Sergio Tullio Cassinni
 
FUNDAMENTOS EM EVOLUÇÃO BIOLÓGICA.......
FUNDAMENTOS EM EVOLUÇÃO BIOLÓGICA.......FUNDAMENTOS EM EVOLUÇÃO BIOLÓGICA.......
FUNDAMENTOS EM EVOLUÇÃO BIOLÓGICA.......
profleticiasantosbio
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
Fabiano Reis
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
Sara Moraes
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
Jean Carlos Wittaczik
 
Aula 04 ventilação e respiração
Aula 04   ventilação e respiraçãoAula 04   ventilação e respiração
Aula 04 ventilação e respiração
Felipe Beijamini
 
Fundamentos da classificação_biológica_
Fundamentos da classificação_biológica_Fundamentos da classificação_biológica_
Fundamentos da classificação_biológica_
isbrebou
 
Fisiologia celular
Fisiologia celularFisiologia celular
Fisiologia celular
Tenobio T. Coelho
 
Aula10 respiração celular
Aula10 respiração celularAula10 respiração celular
Aula10 respiração celular
Barbara Samartini Queiroz Alves
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Marcia Azevedo
 
A genética molecular 1 e
A genética molecular   1 eA genética molecular   1 e
A genética molecular 1 e
César Milani
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
Wesley Germano Otávio
 
Ácidos Nucleicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucleicos (DNA e RNA)Ácidos Nucleicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucleicos (DNA e RNA)
João Paulo jp
 
Fotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celularFotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celular
gil junior
 

Mais procurados (20)

Composiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celulaComposiçao quimica da celula
Composiçao quimica da celula
 
Heranca ligada sexo
Heranca ligada sexoHeranca ligada sexo
Heranca ligada sexo
 
Respiraçao celular
Respiraçao celularRespiraçao celular
Respiraçao celular
 
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e FermentaçãoAula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
 
áGua e sais minerais
áGua e sais mineraisáGua e sais minerais
áGua e sais minerais
 
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNAAula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
Aula 11 - Ácidos nucleicos - DNA e RNA
 
Aula 4 protozoários
Aula 4   protozoáriosAula 4   protozoários
Aula 4 protozoários
 
FUNDAMENTOS EM EVOLUÇÃO BIOLÓGICA.......
FUNDAMENTOS EM EVOLUÇÃO BIOLÓGICA.......FUNDAMENTOS EM EVOLUÇÃO BIOLÓGICA.......
FUNDAMENTOS EM EVOLUÇÃO BIOLÓGICA.......
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Aula 04 ventilação e respiração
Aula 04   ventilação e respiraçãoAula 04   ventilação e respiração
Aula 04 ventilação e respiração
 
Fundamentos da classificação_biológica_
Fundamentos da classificação_biológica_Fundamentos da classificação_biológica_
Fundamentos da classificação_biológica_
 
Fisiologia celular
Fisiologia celularFisiologia celular
Fisiologia celular
 
Aula10 respiração celular
Aula10 respiração celularAula10 respiração celular
Aula10 respiração celular
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 
A genética molecular 1 e
A genética molecular   1 eA genética molecular   1 e
A genética molecular 1 e
 
Origem da vida
Origem da vidaOrigem da vida
Origem da vida
 
Ácidos Nucleicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucleicos (DNA e RNA)Ácidos Nucleicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucleicos (DNA e RNA)
 
Fotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celularFotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celular
 

Destaque

Artigo 2 leptina e grelina na obesidade
Artigo 2 leptina e grelina na obesidadeArtigo 2 leptina e grelina na obesidade
Artigo 2 leptina e grelina na obesidade
renata_dos_santos
 
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológicoNh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Eric Liberato
 
Aula insulina e glucagon
Aula insulina e glucagonAula insulina e glucagon
Aula insulina e glucagon
Rhomelio Anderson
 
Controle hormonal do metabolismo
Controle hormonal do metabolismoControle hormonal do metabolismo
Controle hormonal do metabolismo
washington carlos vieira
 
15bioquimica metabolismo de_lipideos
15bioquimica metabolismo de_lipideos15bioquimica metabolismo de_lipideos
15bioquimica metabolismo de_lipideos
Renata Dantas
 
Sistema Endocrino
Sistema EndocrinoSistema Endocrino
Sistema Endocrino
Digux
 
Pâncreas 2011
Pâncreas 2011Pâncreas 2011
Pâncreas 2011
Norberto Werle
 
Insulina
InsulinaInsulina
Insulina
gesicerebro
 
A base da pirâmide
A base da pirâmideA base da pirâmide
A base da pirâmide
washington carlos vieira
 
2o Ano.Bioquimica.Seminario De Pratica Glicemia
2o Ano.Bioquimica.Seminario De Pratica   Glicemia2o Ano.Bioquimica.Seminario De Pratica   Glicemia
2o Ano.Bioquimica.Seminario De Pratica Glicemia
Jose Eduardo
 
Tejido adiposo
Tejido adiposoTejido adiposo
Tejido adiposo
Angela Becerril Delgado
 
Controle neuroendócrino da fome
Controle neuroendócrino da fomeControle neuroendócrino da fome
Controle neuroendócrino da fome
Student
 
Leptina e Grelina
Leptina e GrelinaLeptina e Grelina
Leptina e Grelina
Bruno Pinhata
 
Trabalho sobre Insulina
Trabalho sobre InsulinaTrabalho sobre Insulina
Trabalho sobre Insulina
gilsonfagundesreis
 
Fisiologia sistema endócrino
Fisiologia sistema endócrinoFisiologia sistema endócrino
Fisiologia sistema endócrino
Raul Tomé
 
Obesidade
Obesidade Obesidade
Obesidade
Ieda Dorneles
 
Tejido Adiposo
Tejido AdiposoTejido Adiposo
Tejido Adiposo
Oswaldo A. Garibay
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
Sérgio Franco - CDPI
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Mel Medina
 
Tejido adiposo
Tejido adiposo Tejido adiposo
Tejido adiposo
Aldhair Alvarez Uchuya
 

Destaque (20)

Artigo 2 leptina e grelina na obesidade
Artigo 2 leptina e grelina na obesidadeArtigo 2 leptina e grelina na obesidade
Artigo 2 leptina e grelina na obesidade
 
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológicoNh   aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
Nh aula 4 - metabolismo integrado fisiopatológico
 
Aula insulina e glucagon
Aula insulina e glucagonAula insulina e glucagon
Aula insulina e glucagon
 
Controle hormonal do metabolismo
Controle hormonal do metabolismoControle hormonal do metabolismo
Controle hormonal do metabolismo
 
15bioquimica metabolismo de_lipideos
15bioquimica metabolismo de_lipideos15bioquimica metabolismo de_lipideos
15bioquimica metabolismo de_lipideos
 
Sistema Endocrino
Sistema EndocrinoSistema Endocrino
Sistema Endocrino
 
Pâncreas 2011
Pâncreas 2011Pâncreas 2011
Pâncreas 2011
 
Insulina
InsulinaInsulina
Insulina
 
A base da pirâmide
A base da pirâmideA base da pirâmide
A base da pirâmide
 
2o Ano.Bioquimica.Seminario De Pratica Glicemia
2o Ano.Bioquimica.Seminario De Pratica   Glicemia2o Ano.Bioquimica.Seminario De Pratica   Glicemia
2o Ano.Bioquimica.Seminario De Pratica Glicemia
 
Tejido adiposo
Tejido adiposoTejido adiposo
Tejido adiposo
 
Controle neuroendócrino da fome
Controle neuroendócrino da fomeControle neuroendócrino da fome
Controle neuroendócrino da fome
 
Leptina e Grelina
Leptina e GrelinaLeptina e Grelina
Leptina e Grelina
 
Trabalho sobre Insulina
Trabalho sobre InsulinaTrabalho sobre Insulina
Trabalho sobre Insulina
 
Fisiologia sistema endócrino
Fisiologia sistema endócrinoFisiologia sistema endócrino
Fisiologia sistema endócrino
 
Obesidade
Obesidade Obesidade
Obesidade
 
Tejido Adiposo
Tejido AdiposoTejido Adiposo
Tejido Adiposo
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Tejido adiposo
Tejido adiposo Tejido adiposo
Tejido adiposo
 

Semelhante a Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética

Controle Neuroendócrino do Comportamento Alimentar novo.pdf
Controle Neuroendócrino do Comportamento Alimentar novo.pdfControle Neuroendócrino do Comportamento Alimentar novo.pdf
Controle Neuroendócrino do Comportamento Alimentar novo.pdf
laiscastro123
 
A obesidade
A obesidadeA obesidade
A obesidade
Ludmila Brando
 
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentarA fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
Caio Maximino
 
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdfaula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
HerminioMendes3
 
IM09-SNA.ppt Material de apoio Curso integração metabólica
IM09-SNA.ppt Material de apoio Curso integração metabólicaIM09-SNA.ppt Material de apoio Curso integração metabólica
IM09-SNA.ppt Material de apoio Curso integração metabólica
alexandrevipper04
 
Integração metabólica sistema nervoso autônomo IM09-SNA.ppt
Integração metabólica sistema nervoso autônomo IM09-SNA.pptIntegração metabólica sistema nervoso autônomo IM09-SNA.ppt
Integração metabólica sistema nervoso autônomo IM09-SNA.ppt
harthmannjuliana
 
A obesidade é influenciada por hormônios gastrointestinais peptídeos
A obesidade é influenciada por hormônios gastrointestinais peptídeosA obesidade é influenciada por hormônios gastrointestinais peptídeos
A obesidade é influenciada por hormônios gastrointestinais peptídeos
Van Der Häägen Brazil
 
Introdução ao aparelho digestivo
Introdução ao aparelho digestivoIntrodução ao aparelho digestivo
Introdução ao aparelho digestivo
Prof. Paulo Alves
 
Morfofisiologia sistema endócrino
Morfofisiologia sistema endócrinoMorfofisiologia sistema endócrino
Morfofisiologia sistema endócrino
bioalvarenga
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
Ingrid Bispo
 
farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
 farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
Lisiane Welzel
 
Um quebra-cabeça chamado Obesidade
Um quebra-cabeça chamado ObesidadeUm quebra-cabeça chamado Obesidade
Um quebra-cabeça chamado Obesidade
Daniela Souza
 
Sinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetiteSinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetite
Thais Benicio
 
Músculo e Sistema nervoso entérico (1).pptx
Músculo e Sistema nervoso entérico (1).pptxMúsculo e Sistema nervoso entérico (1).pptx
Músculo e Sistema nervoso entérico (1).pptx
Dallianesoares1
 
Fármacos e drogas c ação no sistema nervoso central 14-10-20 (1).ppt
Fármacos e drogas c ação no sistema nervoso central 14-10-20 (1).pptFármacos e drogas c ação no sistema nervoso central 14-10-20 (1).ppt
Fármacos e drogas c ação no sistema nervoso central 14-10-20 (1).ppt
debora747620
 
Aula 9 Hormonios fisioex primeiro (1).pptx
Aula 9 Hormonios fisioex  primeiro (1).pptxAula 9 Hormonios fisioex  primeiro (1).pptx
Aula 9 Hormonios fisioex primeiro (1).pptx
johnjesus068
 
Funorte endocrinologia
Funorte endocrinologiaFunorte endocrinologia
Funorte endocrinologia
antoniodida
 
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Karen Zanferrari
 
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Pedro Miguel
 
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptxAULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
PolianaPaiva9
 

Semelhante a Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética (20)

Controle Neuroendócrino do Comportamento Alimentar novo.pdf
Controle Neuroendócrino do Comportamento Alimentar novo.pdfControle Neuroendócrino do Comportamento Alimentar novo.pdf
Controle Neuroendócrino do Comportamento Alimentar novo.pdf
 
A obesidade
A obesidadeA obesidade
A obesidade
 
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentarA fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
 
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdfaula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
 
IM09-SNA.ppt Material de apoio Curso integração metabólica
IM09-SNA.ppt Material de apoio Curso integração metabólicaIM09-SNA.ppt Material de apoio Curso integração metabólica
IM09-SNA.ppt Material de apoio Curso integração metabólica
 
Integração metabólica sistema nervoso autônomo IM09-SNA.ppt
Integração metabólica sistema nervoso autônomo IM09-SNA.pptIntegração metabólica sistema nervoso autônomo IM09-SNA.ppt
Integração metabólica sistema nervoso autônomo IM09-SNA.ppt
 
A obesidade é influenciada por hormônios gastrointestinais peptídeos
A obesidade é influenciada por hormônios gastrointestinais peptídeosA obesidade é influenciada por hormônios gastrointestinais peptídeos
A obesidade é influenciada por hormônios gastrointestinais peptídeos
 
Introdução ao aparelho digestivo
Introdução ao aparelho digestivoIntrodução ao aparelho digestivo
Introdução ao aparelho digestivo
 
Morfofisiologia sistema endócrino
Morfofisiologia sistema endócrinoMorfofisiologia sistema endócrino
Morfofisiologia sistema endócrino
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
 
farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
 farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
 
Um quebra-cabeça chamado Obesidade
Um quebra-cabeça chamado ObesidadeUm quebra-cabeça chamado Obesidade
Um quebra-cabeça chamado Obesidade
 
Sinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetiteSinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetite
 
Músculo e Sistema nervoso entérico (1).pptx
Músculo e Sistema nervoso entérico (1).pptxMúsculo e Sistema nervoso entérico (1).pptx
Músculo e Sistema nervoso entérico (1).pptx
 
Fármacos e drogas c ação no sistema nervoso central 14-10-20 (1).ppt
Fármacos e drogas c ação no sistema nervoso central 14-10-20 (1).pptFármacos e drogas c ação no sistema nervoso central 14-10-20 (1).ppt
Fármacos e drogas c ação no sistema nervoso central 14-10-20 (1).ppt
 
Aula 9 Hormonios fisioex primeiro (1).pptx
Aula 9 Hormonios fisioex  primeiro (1).pptxAula 9 Hormonios fisioex  primeiro (1).pptx
Aula 9 Hormonios fisioex primeiro (1).pptx
 
Funorte endocrinologia
Funorte endocrinologiaFunorte endocrinologia
Funorte endocrinologia
 
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
 
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1Fisiologia - Sistema Endócrino 1
Fisiologia - Sistema Endócrino 1
 
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptxAULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
AULA SISTEMA ENDOCRINO.pptx
 

Mais de MAURILIO LUIELE

Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do MelanomaSíntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
MAURILIO LUIELE
 
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINAEDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
MAURILIO LUIELE
 
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITANOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
MAURILIO LUIELE
 
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIAO PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
MAURILIO LUIELE
 
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITADIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
MAURILIO LUIELE
 
Publico privado saude_angola
Publico privado saude_angolaPublico privado saude_angola
Publico privado saude_angola
MAURILIO LUIELE
 
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
MAURILIO LUIELE
 
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerraColóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
MAURILIO LUIELE
 
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - ObesidadeTranstornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
MAURILIO LUIELE
 
Educação Online e Formação Contínua em Medicina
Educação Online e Formação Contínua em MedicinaEducação Online e Formação Contínua em Medicina
Educação Online e Formação Contínua em Medicina
MAURILIO LUIELE
 
Saude unita visao
Saude unita visaoSaude unita visao
Saude unita visao
MAURILIO LUIELE
 
Fluxo energia materia_ecossistemas
Fluxo energia materia_ecossistemasFluxo energia materia_ecossistemas
Fluxo energia materia_ecossistemas
MAURILIO LUIELE
 
Saude unita visa_opp
Saude unita visa_oppSaude unita visa_opp
Saude unita visa_opp
MAURILIO LUIELE
 
INTERATIVIDADE
INTERATIVIDADEINTERATIVIDADE
INTERATIVIDADE
MAURILIO LUIELE
 
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
MAURILIO LUIELE
 
Educação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
Educação Online e a Formação do Sujeito da IncertezaEducação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
Educação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
MAURILIO LUIELE
 
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - DesafiosCibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
MAURILIO LUIELE
 
Construção de Conhecimento em Educação Online
Construção de Conhecimento em Educação OnlineConstrução de Conhecimento em Educação Online
Construção de Conhecimento em Educação Online
MAURILIO LUIELE
 
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITAPromoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
MAURILIO LUIELE
 
Estilos atividade1 maurilio
Estilos atividade1 maurilioEstilos atividade1 maurilio
Estilos atividade1 maurilio
MAURILIO LUIELE
 

Mais de MAURILIO LUIELE (20)

Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do MelanomaSíntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
Síntese de Melanina e o Desenvolvimento do Melanoma
 
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINAEDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
EDUCAÇÃO ONLINE E FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MEDICINA
 
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITANOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA
 
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIAO PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
O PERIGO DE UMA ÚNICA HISTÓRIA
 
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITADIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
DIA MUNDIAL DA MALÁRIA - VISÃO DA UNITA
 
Publico privado saude_angola
Publico privado saude_angolaPublico privado saude_angola
Publico privado saude_angola
 
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
Pedagogia da Mudança: revisitando a Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire par...
 
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerraColóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
Colóquio sobreReflexões Multidisciplinares no Contexto Angolano do Pós-guerra
 
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - ObesidadeTranstornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
Transtornos do Metaabolismo Energético - Obesidade
 
Educação Online e Formação Contínua em Medicina
Educação Online e Formação Contínua em MedicinaEducação Online e Formação Contínua em Medicina
Educação Online e Formação Contínua em Medicina
 
Saude unita visao
Saude unita visaoSaude unita visao
Saude unita visao
 
Fluxo energia materia_ecossistemas
Fluxo energia materia_ecossistemasFluxo energia materia_ecossistemas
Fluxo energia materia_ecossistemas
 
Saude unita visa_opp
Saude unita visa_oppSaude unita visa_opp
Saude unita visa_opp
 
INTERATIVIDADE
INTERATIVIDADEINTERATIVIDADE
INTERATIVIDADE
 
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
Desenvolvimento e Avaliação da Página de Internet "ENZIMAS"
 
Educação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
Educação Online e a Formação do Sujeito da IncertezaEducação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
Educação Online e a Formação do Sujeito da Incerteza
 
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - DesafiosCibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
 
Construção de Conhecimento em Educação Online
Construção de Conhecimento em Educação OnlineConstrução de Conhecimento em Educação Online
Construção de Conhecimento em Educação Online
 
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITAPromoção da saúde na perspectiva da UNITA
Promoção da saúde na perspectiva da UNITA
 
Estilos atividade1 maurilio
Estilos atividade1 maurilioEstilos atividade1 maurilio
Estilos atividade1 maurilio
 

Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética

  • 1. INTEGRAÇÃO METABÓLICA Leptina, adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
  • 3. A manutenção do peso corporal é objecto de um complexo sistema neuroendócrino de regulação que compreende alças de regulação com retroinibição negativa que incluem neuromoduladores e efectores que permitem uma rígida regulação do balanço energético.
  • 5. Há três componentes primários nesse sistema neuroendócrino : • O sistema aferente (leptina e outros sinais de saciedade e de apetite actuando no curto prazo). • A unidade de processamento do sistema nervoso central (localizada no hipotálamo ventro-medial e constituída pelos núcleos arqueado e ventromedial e núcleo paraventricular do hipotálamo). • O sistema eferente, um complexo de apetite/saciedade, efeitos autonómicos, termogênicos e motores.
  • 6. O sistema aferente – Integra uma série de sinais gerados tanto em jejum como durante a refeição, que podem actuar a curto ou a longo prazo, podem sinalizar saciedade ou fome, podem informar sobre as reservas de tecido adiposo e podem ser gerados na periferia ou a nível central. • Sinais para ingestão alimentar: hipoglicemia, a baixa taxa de cortisol e a elevação dos níveis da hormona gástrica Ghrelin. • Sinais aferentes de saciedade: macro nutrientes (particularmente proteínas) e colecistocinina, bombesina, glucagon, amilina, peptídeo glucagon-like (GLP-1) e insulina. • A leptina é uma proteína de 167 aminoácidos cujo papel neuroendócrino primário é sinalizar ao hipotálamo ventro-medial, a quantidade de tecido adiposo depositado na periferia.
  • 7. A unidade de processamento central, basicamente constituída pelo hipotálamo coordena o gasto energético em relação as reservas.
  • 9. O sistema eferente: Mais complexo e disperso podemos considerar como estando organizado nos seguintes componentes: • Centro do apetite e seus componentes motores; • Sistema nervoso autónomo (simpático e parassimpático); • Os três componentes do gasto energético diário (gasto energético em repouso, efeito térmico do alimento e o gasto energético voluntário).
  • 11. O Sistema Nervoso Simpático agindo poor meio de vários neurotransmissores é a principal via eferente implicada na homeostase do peso coorporal. • As monoaminas tais como norepinefrina, dopamina e serotonina, amplamente distribuídas no SNC funcionam como um " regulador de volume" numa variedade de sistemas, aumentando ou diminuindo a atuação de diversas vias mas não provocando efeitos em nenhum comportamento específico. • A dopamina não parece estar envolvida no apetite propriamente dito • A norepinefrina e a serotonina parecem ter importantes efeitos na regulação do peso corporal e por isso têm sido alvo de manipulação medicamentosa (Ex:sibutramina, que inibe a recaptação de serotonina e, com isso, proporciona sensação de saciedade)
  • 12. Os neuropeptídeos - apresentam efeitos mais específicos nos comportamentos individuais e nas funções corporais. Muito de nosso conhecimento recente sobre neuropeptídeos específicos vem da clonagem de genes que causam obesidade monogênica em modelos de roedores : leptina, neuropeptídeo Y, melanocortinas, orexígenos A e B, transcritos relacionados a cocaína e anfetamina (CART), hormônio concentrador de melanina
  • 15. LEPTINA, É uma proteína de 167 aminoácidos sintetizada essencialmente pelo tecido adiposo cujo papel neuroendócrino primário é sinalizar ao hipotálamo ventro-medial, a quantidade de tecido adiposo depositado na periferia. • Foi demonstrado o que a produção de leptina ocorre após aumento da insulinna em resposta à alimentação e diminuição na concentração de leptina quando diminui a concentração de insulina. • A leptina e as orexinas parecem ser os mediadores químicos responsáveis cerebrais pela hipertensão associada a condições de desequilíbrio energético como a obesidade.
  • 23. • Ghrelina é uma hormonna secretada predominantemente pela mucosa gástrica com intensas propriedades orexigenicas, adipogénicas e somatotrópicas, favorecendo a ingestão de alimentos e o aumento de peso. • É o ligante natural dos receptors GHS, da hipófise sendo por conseguinte um péptido cerebro-intestinal. • O eixo cérebro-intestinal é o efector do anabolismo pela regulação do crescimento, alimentação e metabolism via aferente vagal mediada pela sinalização da Ghrelina.
  • 25. • Ghrelina active os GHS-Rs localizados na hipófise e os neurónios que contêm Hormona Libertadora da GH no núcleo arqueado do hipótalamo estimulando a liberrtação de GH par a corrente sanguínea. • A activação pella GRHELINA dos GHS-Rs nos neurónios que produzem NPY e AGRP localizados no nucleo arqueado estimula a ingestão de alimentos. • A Ghrelina aumenta o tecido adiposo diminuendo a oxidação de ácidos gordos.
  • 30. • Adiponectina diminui a síntese lipídica e a produção de glucose no fígado e, por essa via diminui a concentração de glucose e ácidos gordos livres no sangue. • Diminui a síntese de triglicéridos e aumenta a oxidação de ácidos gordos e a dissipação de energia no músculo. • Concentrações diminuídas de adiponectina estão associadas à resistência à insulina e hiperinsulinémia e doentes com diabetes tipo II têm níveis baixos de adiponectina circulante.