SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Marco Antonio
Acadêmico de Enfermagem
Sistema Nervoso
Conteúdo:
 Anatomia SN;
 Histologia SN;
 SNC e SNP;
 Sistema nervoso autônomo;
 Sistema nervoso simpático e parassimpático;
 Neurotransmissores;
 Potencial de ação;
CORPO CALOSO
HIPÓFISE
HIPOTÁLAMO
TÁLAMO
PONTE
MEDULA
CEREBELO
CORPO CALOSO
TÁLAMO
Hipotálamo
 O hipotálamo detecta alterações no corpo, libera
neurotransmissores que atuam na hipófise que
produz hormônios
Cérebro
 Parte mais desenvolvida do encéfalo
 Relacionado com o pensamento, memória, fala,
inteligência, sentidos, emoções.
 Cerebelo: manutenção do equilíbrio corporal e do
tônus muscular
 Mesencéfalo: coordenação das informações referentes
ao estado de contração dos músculos e postura
corporal
 Bulbo: presença de centro nervosos relacionados com
batimentos cardíacos, movimentos respiratórios e do
tubo digestivo
Medula espinhal
 Liga o encéfalo aos nervos espinhais
 Relacionada com os atos reflexos – respostas rápidas
sem participação do encéfalo.
Divisão do Sistema Nervoso
 Sistema nervoso central (SNC)
 Encéfalo - Cérebro
Cerebelo
Mesencéfalo
Ponte
Bulbo
 Medula
Divisão do Sistema Nervoso
 Sistema Nervoso Periférico (SNP) - Nervos
Gânglios
Função SNC
 Processamento e integração de Informações
Função SNP
• Condução de informações entre órgãos receptores
de estímulos e órgãos efetuadores.
Função Do Sistema Nervoso
 Executa um conjunto complexo de tarefas. Permite a
percepção de diversos odores, a produção de fala e
lembrança de eventos passado; além disso, transmite
sinais que controlam os movimentos do corpo e
regulam o funcionamento de órgãos internos. São
agrupados em 3 funções básicas:
 Função Sensorial
 Função Integrativa
 Função Motora
Histologia Sistema Nervoso Central
Neuroglia ou Glia
 Constitui aproximadamente metade do volume do
SNC.
 Existem 6 tipos de células da glia
 Os tumores encefálicos derivados da glia são
chamados de gliomas e tendem a ser extremamente
malignos e de crescimento rápido.
1- Astrócitos
 Tem forma de estrela. São maiores e mais numerosas
da glia.
 Tem como funções suporte aos neurônios;
 Isolam os neurônios de substâncias prejudiciais;
2- Oligodendrócitos
 São menores e contêm menos processos. São
responsáveis pela formação e manutenção da bainha de
mielina no SNC.
3- Micróglia
4- Células Ependimárias
 Possuem cílios e microvilosidades.
 Protege e nutre o encéfalo e a medula espinal.
5- Células de Schwann
 Envolvem os neurônios do SNP.
 Forma a bainha de mielina em torno dos axônios. Uma
única célula de Schwann é capaz de envolver até 20
axônios não mielinizados.
 Os oligodendrócitos mieliniza diversos axônios,
enquanto que cada célula de schwann mieliniza 1
axônio.
6- Célula-Satélite
 Células planas que envolvem os corpos celulares dos
neurônios dos gânglios do SNP. Fornecem suporte
estrutural, regulam as trocas de substâncias entre os
corpos das células neuronais e líquido intersticial.
Neurônio
 Possuem excitabilidade elétrica, a capacidade de
responder à um estímulo e converte-lo em potencial de
ação.
Organização do SN
Sistema Nervoso
Periférico
Sistema Nervoso
Voluntário
Sistema Nervoso
Autônomo
Simpático Parassimpático
Entérico
Sistema Nervoso Autônomo
 O SNA controla:
- musculatura lisa (visceral e vascular).
- secreções exócrinas (e algumas endócrinas).
- a freqüência cardíaca.
- alguns processos metabólicos ( utilização de glicose).
Simpático
 Principal neurotransmissor é a adrenalina e
noradrenalina.
 Nervos Partem da região torácica e lombar.
Parassimpático
•Principal neurotransmissor é a acetilcolina.
•Nervos cranianos e região sacral.
Sistema Nervoso Entérico
 O sistema nervoso entérico consiste em
neurônios situados nos plexos intramurais do
TGI.
 Recebe influxos dos sistemas simpático e
parassimpático, mas pode atuar de modo
independente no controle das funções motoras e
secretoras do intestino.
Arco Reflexo
interneurônio
Substância cinzenta
Substância branca
corpo celular localizado
no gânglio
Receptor
Corpúsculo de Paccini
neurônio motor
Músculo efetor
MEDULA
neurônio sensitivo
Sinais Elétricos nos Neurônios
Introdução
 Como as fibras musculares, os neurônios são
eletricamente excitáveis. Comunicam-se, uns com os
outros, usando dois tipos de sinais elétricos:
 1- Potencias Graduados, que é utilizado para
comunicação apenas por curtas distâncias.
 2- Potencias de Ação, que permitem a comunicação
por grandes distâncias no interior do corpo.
Lembre-se
 Potencial de ação em uma fibra muscular é chamado
de potencial de ação muscular.
 O potencial de ação que ocorre em um neurônio, é
chamado de potencial de ação nervoso ou impulso
nervoso.
 Na+ = sódio Ca²+ = Cálcio
 K+ = Potássio
 Cl = cloro
Revisão
Neurônios
 Neurônios aferentes ou sensoriais – conduzem os
impulsos dos órgãos receptores para o SNC.
 Interneurônios ou neurônios de associação –
estabelecem a ligação entre os neurônios sensitivos e
motores.
 Neurônios eferentes ou motores – conduzem os
impulsos nervosos do SNC para os órgão efetores.
Potencial de Membrana em Repouso
 Existe em razão de um pequeno acúmulo de íons
negativos no citosol, ao longo da face interna da
membrana, e de um acúmulo igual de íons positivos no
líquido extracelular, ao longo da superfícies externa da
membrana.
 Essa separação elétricas de cargas positivas e negativas
é uma forma de energia potencial medida em volts ou
em milivolts (1 mV = 0,001 V). Quanto maior a
diferença entre as cargas pela membrana, maior o
potencial (voltagem) de membrana.
Potencial de Membrana em Repouso
 Nos neurônios o potencial de membrana em repouso
oscila entre -40 mV e -90 mV. Um valor comum é o de
-70 mV.
 O sinal negativo indica que o interior das células é
mais negativo em relação ao exterior.
 A célula que apresenta um potencial de membrana é
considerada polarizada.
Potencial de Ação (PA) ou Impulso
 É uma sequência de eventos ocorrendo rapidamente,
que diminui e inverte o potencial de membranae, em
seguida, finalmente o restauram ao seu valor de
repouso (-70 mV).
 Possui duas fases principais:
 1- Despolarização
 2- Repolarização
Despolarização
 Nesta fase o potencial de membrana se torna menos
negativo, chega a zero e, em seguida, se torna positivo.
 Os canais controlados por voltagem se abrem e
permitem que o Na+ entre rapidamente na célula, isso
causa a despolarização.
 Tanto gradiente elétrico quanto químico favorecem o
movimento de Na+ para o interior da célula.
Repolarização
 O potencial de membrana é restaurado ao seu estado
de repouso -70 mV.
 Os canais de K+ controlados por voltagem se abrem,
permitindo que o K+ saia, o que produz a fase de
repolarização.
 Existe uma fase de pós-hiperpolarização, em que o
potencial de membrana, temporariamente, se torna
mais negativo do que o nível de repouso -90 mV.
Quando os canais de K+ se fecham, o potencial volta
ao seu nível de -70 mV.
Transmissão dos sinais pelas
Sinapses
 As sinapses são essenciais para homeostasia, por
permitirem que a informação seja filtrada e integrada.
 Nas sinapses entre neurônios, o neurônio que envia o
sinal é chamado de neurônio pré-ganglionar (pré-
sináptico), e o que recebe a mensagem é chamado de
neurônio pós-ganglionar (pós-sináptico).
 Existem 2 tipos de sinapses:
Sinapses Elétricas
 Os potencias de ação passam diretamente entre as
células adjacentes, por meio das junções comunicantes.
 Cada junção comunicante contém centenas de
conexonas tubulares ou mais, que atuam como túneis,
conectando o citosol das duas células diretamente.
 As sinapses elétricas possuem vantagens como:
 1- Comunicação mais rápida;
 2- Sincronização;
Sinapses Químicas
 Embora as membranas plasmáticas dos neurônios pré e
pós ganglionares, na sinapse química, estejam muito
próximas, elas não se tocam. As membranas são
separadas pela fenda sináptica, que é um espaço de
20-50 nm, preenchido por líquido intersticial.
 Os impulsos nervos não se propagam pela fenda
sináptica, portanto ocorre uma forma alternativa
indireta de comunicação.
 Em resposta ao PA, o neurônio pré-ganglionar libera
um neurotransmissor que se difunde pelo líquido na
fenda sináptica e se liga aos receptores situados na
membrana plasmática do neurônio pós-ganglionar.
Sinapses Químicas
 O neurônio pré-ganglionar converte um sinal elétrico
em um sinal químico (neurotransmissor). O neurônio
pós-ganglionar recebe um sinal químico e, por sua vez,
gera um sinal elétrico. O tempo necessário para esses
processos na sinapses química, o retardo sináptico de
aproximadamente 0,5 ms, é a razão pela qual as
sinapses químicas transmitem sinais mais lentamente
que as sinapses elétricas.
Aula 7 Sistema Nervoso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaMarília Gomes
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularPedro Miguel
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologiaIeda Dorneles
 
Fisiologia Muscular
Fisiologia MuscularFisiologia Muscular
Fisiologia MuscularHugo Pedrosa
 
Homeostase e integração
Homeostase e integraçãoHomeostase e integração
Homeostase e integraçãoCaio Maximino
 
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologiaAula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularHerbert Santana
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Hamilton Nobrega
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIALeonardo Delgado
 
02 sistema esquelético
02   sistema esquelético02   sistema esquelético
02 sistema esqueléticoMaxsuell Lopes
 
Slides osteomioarticular
Slides osteomioarticularSlides osteomioarticular
Slides osteomioarticularAna Lucia Costa
 

Mais procurados (20)

Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
 
Sistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humanaSistema sensorial - anatomia humana
Sistema sensorial - anatomia humana
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
 
1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia1. aula 1 anatomia e fisiologia
1. aula 1 anatomia e fisiologia
 
Fisiologia Muscular
Fisiologia MuscularFisiologia Muscular
Fisiologia Muscular
 
Homeostase e integração
Homeostase e integraçãoHomeostase e integração
Homeostase e integração
 
Aula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIAAula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIA
 
Sistema nervoso central
Sistema nervoso centralSistema nervoso central
Sistema nervoso central
 
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologiaAula 07   sistema endócrino - anatomia e fisiologia
Aula 07 sistema endócrino - anatomia e fisiologia
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
 
Anatomia - Sistema nervoso
Anatomia - Sistema nervosoAnatomia - Sistema nervoso
Anatomia - Sistema nervoso
 
02 sistema esquelético
02   sistema esquelético02   sistema esquelético
02 sistema esquelético
 
Slides osteomioarticular
Slides osteomioarticularSlides osteomioarticular
Slides osteomioarticular
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Aula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervosoAula 03 sitema nervoso
Aula 03 sitema nervoso
 

Semelhante a Aula 7 Sistema Nervoso

Semelhante a Aula 7 Sistema Nervoso (20)

Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!Célula nervosa pronto mesmo!
Célula nervosa pronto mesmo!
 
Sistema nervoso
Sistema nervoso Sistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Neuronio
NeuronioNeuronio
Neuronio
 
Histo II - Sist. Nervoso
Histo II - Sist. NervosoHisto II - Sist. Nervoso
Histo II - Sist. Nervoso
 
TECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSOTECIDO NERVOSO
TECIDO NERVOSO
 
693153
693153693153
693153
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
Tecidonervoso 110518130840-phpapp02
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
anatomia_ii
anatomia_iianatomia_ii
anatomia_ii
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
CoordenaçãO Nos Animais
CoordenaçãO Nos AnimaisCoordenaçãO Nos Animais
CoordenaçãO Nos Animais
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Tecido Nervoso Pris
Tecido Nervoso PrisTecido Nervoso Pris
Tecido Nervoso Pris
 
Regulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animaisRegulação nervosa e hormonal nos animais
Regulação nervosa e hormonal nos animais
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
36804136 10-biologia-e-geologia-10º-ano-regulacao-nos-seres-vivos
 

Último

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 

Aula 7 Sistema Nervoso

  • 1. Marco Antonio Acadêmico de Enfermagem Sistema Nervoso
  • 2. Conteúdo:  Anatomia SN;  Histologia SN;  SNC e SNP;  Sistema nervoso autônomo;  Sistema nervoso simpático e parassimpático;  Neurotransmissores;  Potencial de ação;
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 7. Hipotálamo  O hipotálamo detecta alterações no corpo, libera neurotransmissores que atuam na hipófise que produz hormônios
  • 8. Cérebro  Parte mais desenvolvida do encéfalo  Relacionado com o pensamento, memória, fala, inteligência, sentidos, emoções.
  • 9.
  • 10.  Cerebelo: manutenção do equilíbrio corporal e do tônus muscular  Mesencéfalo: coordenação das informações referentes ao estado de contração dos músculos e postura corporal  Bulbo: presença de centro nervosos relacionados com batimentos cardíacos, movimentos respiratórios e do tubo digestivo
  • 11. Medula espinhal  Liga o encéfalo aos nervos espinhais  Relacionada com os atos reflexos – respostas rápidas sem participação do encéfalo.
  • 12. Divisão do Sistema Nervoso  Sistema nervoso central (SNC)  Encéfalo - Cérebro Cerebelo Mesencéfalo Ponte Bulbo  Medula
  • 13. Divisão do Sistema Nervoso  Sistema Nervoso Periférico (SNP) - Nervos Gânglios
  • 14. Função SNC  Processamento e integração de Informações Função SNP • Condução de informações entre órgãos receptores de estímulos e órgãos efetuadores.
  • 15. Função Do Sistema Nervoso  Executa um conjunto complexo de tarefas. Permite a percepção de diversos odores, a produção de fala e lembrança de eventos passado; além disso, transmite sinais que controlam os movimentos do corpo e regulam o funcionamento de órgãos internos. São agrupados em 3 funções básicas:  Função Sensorial  Função Integrativa  Função Motora
  • 17. Neuroglia ou Glia  Constitui aproximadamente metade do volume do SNC.  Existem 6 tipos de células da glia  Os tumores encefálicos derivados da glia são chamados de gliomas e tendem a ser extremamente malignos e de crescimento rápido.
  • 18. 1- Astrócitos  Tem forma de estrela. São maiores e mais numerosas da glia.  Tem como funções suporte aos neurônios;  Isolam os neurônios de substâncias prejudiciais;
  • 19. 2- Oligodendrócitos  São menores e contêm menos processos. São responsáveis pela formação e manutenção da bainha de mielina no SNC.
  • 20.
  • 22. 4- Células Ependimárias  Possuem cílios e microvilosidades.  Protege e nutre o encéfalo e a medula espinal.
  • 23.
  • 24. 5- Células de Schwann  Envolvem os neurônios do SNP.  Forma a bainha de mielina em torno dos axônios. Uma única célula de Schwann é capaz de envolver até 20 axônios não mielinizados.  Os oligodendrócitos mieliniza diversos axônios, enquanto que cada célula de schwann mieliniza 1 axônio.
  • 25.
  • 26. 6- Célula-Satélite  Células planas que envolvem os corpos celulares dos neurônios dos gânglios do SNP. Fornecem suporte estrutural, regulam as trocas de substâncias entre os corpos das células neuronais e líquido intersticial.
  • 27. Neurônio  Possuem excitabilidade elétrica, a capacidade de responder à um estímulo e converte-lo em potencial de ação.
  • 29. Sistema Nervoso Periférico Sistema Nervoso Voluntário Sistema Nervoso Autônomo Simpático Parassimpático Entérico
  • 30.
  • 31. Sistema Nervoso Autônomo  O SNA controla: - musculatura lisa (visceral e vascular). - secreções exócrinas (e algumas endócrinas). - a freqüência cardíaca. - alguns processos metabólicos ( utilização de glicose).
  • 32.
  • 33. Simpático  Principal neurotransmissor é a adrenalina e noradrenalina.  Nervos Partem da região torácica e lombar. Parassimpático •Principal neurotransmissor é a acetilcolina. •Nervos cranianos e região sacral.
  • 34.
  • 35.
  • 36. Sistema Nervoso Entérico  O sistema nervoso entérico consiste em neurônios situados nos plexos intramurais do TGI.  Recebe influxos dos sistemas simpático e parassimpático, mas pode atuar de modo independente no controle das funções motoras e secretoras do intestino.
  • 37.
  • 38. Arco Reflexo interneurônio Substância cinzenta Substância branca corpo celular localizado no gânglio Receptor Corpúsculo de Paccini neurônio motor Músculo efetor MEDULA neurônio sensitivo
  • 39. Sinais Elétricos nos Neurônios
  • 40. Introdução  Como as fibras musculares, os neurônios são eletricamente excitáveis. Comunicam-se, uns com os outros, usando dois tipos de sinais elétricos:  1- Potencias Graduados, que é utilizado para comunicação apenas por curtas distâncias.  2- Potencias de Ação, que permitem a comunicação por grandes distâncias no interior do corpo.
  • 41. Lembre-se  Potencial de ação em uma fibra muscular é chamado de potencial de ação muscular.  O potencial de ação que ocorre em um neurônio, é chamado de potencial de ação nervoso ou impulso nervoso.  Na+ = sódio Ca²+ = Cálcio  K+ = Potássio  Cl = cloro
  • 43. Neurônios  Neurônios aferentes ou sensoriais – conduzem os impulsos dos órgãos receptores para o SNC.  Interneurônios ou neurônios de associação – estabelecem a ligação entre os neurônios sensitivos e motores.  Neurônios eferentes ou motores – conduzem os impulsos nervosos do SNC para os órgão efetores.
  • 44. Potencial de Membrana em Repouso  Existe em razão de um pequeno acúmulo de íons negativos no citosol, ao longo da face interna da membrana, e de um acúmulo igual de íons positivos no líquido extracelular, ao longo da superfícies externa da membrana.  Essa separação elétricas de cargas positivas e negativas é uma forma de energia potencial medida em volts ou em milivolts (1 mV = 0,001 V). Quanto maior a diferença entre as cargas pela membrana, maior o potencial (voltagem) de membrana.
  • 45.
  • 46. Potencial de Membrana em Repouso  Nos neurônios o potencial de membrana em repouso oscila entre -40 mV e -90 mV. Um valor comum é o de -70 mV.  O sinal negativo indica que o interior das células é mais negativo em relação ao exterior.  A célula que apresenta um potencial de membrana é considerada polarizada.
  • 47. Potencial de Ação (PA) ou Impulso  É uma sequência de eventos ocorrendo rapidamente, que diminui e inverte o potencial de membranae, em seguida, finalmente o restauram ao seu valor de repouso (-70 mV).  Possui duas fases principais:  1- Despolarização  2- Repolarização
  • 48. Despolarização  Nesta fase o potencial de membrana se torna menos negativo, chega a zero e, em seguida, se torna positivo.  Os canais controlados por voltagem se abrem e permitem que o Na+ entre rapidamente na célula, isso causa a despolarização.  Tanto gradiente elétrico quanto químico favorecem o movimento de Na+ para o interior da célula.
  • 49. Repolarização  O potencial de membrana é restaurado ao seu estado de repouso -70 mV.  Os canais de K+ controlados por voltagem se abrem, permitindo que o K+ saia, o que produz a fase de repolarização.  Existe uma fase de pós-hiperpolarização, em que o potencial de membrana, temporariamente, se torna mais negativo do que o nível de repouso -90 mV. Quando os canais de K+ se fecham, o potencial volta ao seu nível de -70 mV.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53. Transmissão dos sinais pelas Sinapses  As sinapses são essenciais para homeostasia, por permitirem que a informação seja filtrada e integrada.  Nas sinapses entre neurônios, o neurônio que envia o sinal é chamado de neurônio pré-ganglionar (pré- sináptico), e o que recebe a mensagem é chamado de neurônio pós-ganglionar (pós-sináptico).  Existem 2 tipos de sinapses:
  • 54. Sinapses Elétricas  Os potencias de ação passam diretamente entre as células adjacentes, por meio das junções comunicantes.  Cada junção comunicante contém centenas de conexonas tubulares ou mais, que atuam como túneis, conectando o citosol das duas células diretamente.  As sinapses elétricas possuem vantagens como:  1- Comunicação mais rápida;  2- Sincronização;
  • 55. Sinapses Químicas  Embora as membranas plasmáticas dos neurônios pré e pós ganglionares, na sinapse química, estejam muito próximas, elas não se tocam. As membranas são separadas pela fenda sináptica, que é um espaço de 20-50 nm, preenchido por líquido intersticial.  Os impulsos nervos não se propagam pela fenda sináptica, portanto ocorre uma forma alternativa indireta de comunicação.  Em resposta ao PA, o neurônio pré-ganglionar libera um neurotransmissor que se difunde pelo líquido na fenda sináptica e se liga aos receptores situados na membrana plasmática do neurônio pós-ganglionar.
  • 56. Sinapses Químicas  O neurônio pré-ganglionar converte um sinal elétrico em um sinal químico (neurotransmissor). O neurônio pós-ganglionar recebe um sinal químico e, por sua vez, gera um sinal elétrico. O tempo necessário para esses processos na sinapses química, o retardo sináptico de aproximadamente 0,5 ms, é a razão pela qual as sinapses químicas transmitem sinais mais lentamente que as sinapses elétricas.