SlideShare uma empresa Scribd logo
Equipe:
Daynara Rayelle
Michelle Sousa
Ildener Chags
Simone Lobato
Tatyanne Fernandes
Teresa Oliveira
Viviane Moura
O equilíbrio hidroeletrolítico é um
processo dinâmico crucial para a vida e
para a homeostasia(manutenção de
um equilíbrio interno constante em um
sistema    biológico    que    envolve
mecanismos de feedback positivo e
negativo).
• Aproximadamente 60% do peso de um adulto típico
  consistem em líquido(água e eletrólitos).
• Os fatores que influenciam a quantidade de líquido
  orgânico são idade, sexo e gordura corporal.
• O líquido orgânico localiza-se nos compartimentos
  hídricos: o espaço intracelular(líquido nas células) e o
  espaço extracelular(líquido externo ás células).
• O       LEC        é        dividido     nos        espaços
  intravasculares,intersticial(líquido que      envolve    as
  células,linfa)e                              transcelulares
  (cefalorraquidiano,pericárdico,sinovial,pleural...)
• Os líquidos orgânicos deslocam-se
  normalmente entres os dois principais
  compartimentos ou espaços em um
  esforço para manter um equilíbrio entre os
  espaços. A perda de líquido pelo
  organismo pode romper esse equilíbrio.
• Os eletrólitos nos líquidos orgânicos são
  substâncias     químicas     ativas(cátions     que
  carregam carga positivas e ânions que carregam
  cargas negativas).Os principais cátions no
  líquido orgânico são os íons sódio, potássio,
  magnésio e hidrogênio. Os ânions são os íons
  cloreto, bicarbonato, fosfato, sulfato e proteinato.
• As concentrações eletrolíticas no organismo é
  expressa em termos de miliequivalentes(mEq)
  por litro,uma medida de atividade química.
Líquido Intracelular:
  Sódio(Na)           10mEq/L
  Potássio(K)            150mEq/L
  Magnésio(Mg)          40mEq/L
  Total de cátions:    200mEq/L
  Bicarbonato(HCO3)     10mEq/L
  Fosfato (HPO4) e Sulfato (SO4)

   150mEq/L
  Proteinato           40mEq/L
  Total de ânions:      200mEq
• Os íons de sódio, que são carregados
  positivamente, superam em muito os outros
  cátions no LEC.
• Como a concentração de sódio afeta a
  concentração do LEC, o sódio é importante na
  regulação do volume dos líquidos orgânicos.A
  retenção de sódio está associada a retenção de
  líquido, e a perda excessiva de sódio está
  usualmente associada ao volume diminuído de
  líquido orgânico.
• Os principais eletrólitos no LIC são o potássio e
  o fosfato.
• O organismo despende grande parte da
  sua energia mantendo a alta concentração
  extracelular   de   sódio     e   a    alta
  concentração intracelular de potássio.
• Ele opera por meio de bombas de
  membrana celular que trocam os íons de
  sódio e potássio.
Osmose e Osmolalidade:
Quando duas soluções diferentes são separadas por uma
membrana impermeável ás substâncias dissolvidas, os
líquidos deslocam-se através da membrana a partir da
região de baixa concentração de soluto para a região de
alta concentração de soluto, até que a solução tenham a
mesma concentração.Essa difusão da água por um
gradiente de concentração de líquidos é conhecida como
osmose.
líquido




Alta concentração         Baixa
do soluto e baixa de      concentração
líquido                   de soluto e
                          altade liquido.
soluto
                s



               líquido
                  s


Alta concentração        Baixa
de soluto                concentração
                         de soluto
Filtração:A pressão hidrostática nos capilares
tende a filtrar o líquido para fora do compartimento
intravascular transferindo-o para dentro do líquido
intersticial.

Bomba de Sódio-Potássio: localizada na
membrana celular que move ativamente o sódio
da célula para dentro do LEC.Em contrapartida,a
alta concentração de potássio intracelular é
mantida pelo bombeamento do potássio para
dentro da célula.
Uma pessoa saudável ganha líquidos ao
beber e se alimentar.
Perdas:
•Rins
•Pele
•Pulmões
•Trato Gastrointestinal
Osmalalidade; concentração de liquido que afeta o
movimento da água entre os compartimentos de líquidos
por osmose.Mede a concentração de soluto no sangue e
urina.

    A osmolalidade sérica reflete principalmente a
concentração de sódio,embora ureia e a glicose também
desempenham um papel importante na determinação
osmolalidade.

     A osmolalidade urinária      é   determinada   pela
uréia,creatinina e ácido úrico.
• A osmolalidade normal é de 275 a 300 mOsm/kg,sendo a
  osmolalidade urinária de 250 a 900mOsm/kg.
• Densidade específica da urina.
• Uréia: normal é de 10 a 20 mg/dL.
• A creatinina: é o produto final do metabolismo muscular. Ela
  é melhor indicador de função renal que a uréia. A creatinina
  sérica normal é de aprox. 0,7 a 1,4 mg/dL. Os níveis séricos
  aumentam quando a função renal diminui.
• O hematrócito: percentual do volume dos eritrócitos no
  sangue.
Trabalho de equilíbrio hidroeletrolítico
Os mecanismos homeostáticos são responsáveis para
manter a composição e volume dos líquidos orgânicos
dentro dos estreitos limites da normalidade.
Funções Renais:         Eles agem tanto de maneira
autônoma quanto em resposta de mensageiros
transportados pelo sangue, como aldosterona e o
hormônio antidiurético(ADH). As principais funções
incluem:
•Regulação do volume e osmolalidade do LEC través da
retenção e excreção seletivas dos líquidos orgânicos.
•Regulação do PH do LEC através da retenção dos íons de
hidrogênio.
Funções Cardíaca e dos Vasos Sanguíneos:
A ação de bombeamento do coração circula o sangue
através dos rins sob pressão suficiente para permitir a
formação da urina.

Funções                                      Pulmonares:
Através da expiração os pulmões removem aprox. 300 mL
de água por dia no adulto normal. Eles desempenham um
papel importante no equilíbrio ácido-básico.

Função Hipofisária:
O hipotálamo fabrica o ADH, que é armazenado na
hipófise posterior e liberado quando necessário.
Funções da supra-renal:
 A aldosterona,um mineralocorticóide secretado pela zona
  glomerulosa(zona externa) do córtex da supra-
  renal,possui um efeito profundo sobre o balanço hídrico.



Funções da Paratireóide:
         As glândulas paratireóides,embebidas            na
  tireóide,regulam o equilíbrio de cálcio e fosfato por meio
  do hormônio paratireódeo(PTH)
• Barorreceptores:
  Os barorreceptores são pequenos receptores nervosos
  que detectam alterações na pressão dentro dos vasos
  sanguíneos.Eles são responsáveis por monitorar o
  volume circulante.
• Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona:A renina é
  uma enzima que converte o angiotensinogenio,uma
  substancia inativa pelo figado,em angiotensina I. A ECA
  converte a angiotensina I em II. A II com suas
  propriedades vasoconstritoras,aumentam a pressão de
  perfusão arterial e estimula a sede.
• Hormônio antidiurético e a sede.
• Liberação de peptídio natriurético atrial
Trabalho de equilíbrio hidroeletrolítico
Produção
 de ADH
• As enfermeiras precisam compreender a
  fisiologia do equilíbrio hidroeletrolítico e do
  equilíbrio-ácido básico para prevenir,identificar e
  sanar os possíveis desequilíbrios em cada um
  deles.

• As enfermeiras também devem usar as
  habilidades de ensino e comunicacao efetivas
  para ajudar a evitar e tratar vários distúrbios de
  líquidos e eletrolíticos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
Elyda Santos
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
cuidadoaoadulto
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
Alexandra Caetano
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
blogped1
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
Sonara Pereira
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
Fábio Falcão
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Wekanan Moura
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
Patricia Nunes
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
Fernanda Marinho
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
karol_ribeiro
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Choque
Choque   Choque
Choque
ivanaferraz
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
UEA - Universidade do Estado do Amazonas
 

Mais procurados (20)

NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica) Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
Seminário (Insuficiência Renal Aguda e Crônica)
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
 
Hemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritonealHemodiálise e diálise peritoneal
Hemodiálise e diálise peritoneal
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof grazielaAssistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
Assistência de enfermagem nas doenças do sistema digestivo prof graziela
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Insuficiência Renal
Insuficiência Renal Insuficiência Renal
Insuficiência Renal
 
CIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICACIRROSE HEPÁTICA
CIRROSE HEPÁTICA
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologiaAula 10   sistema circulatório - anatomia e fisiologia
Aula 10 sistema circulatório - anatomia e fisiologia
 
Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Choque
Choque   Choque
Choque
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
 

Semelhante a Trabalho de equilíbrio hidroeletrolítico

Osmorregulação
OsmorregulaçãoOsmorregulação
Osmorregulação
Isabel Lopes
 
Fisiologia Cap 25 Guyton
Fisiologia Cap 25 GuytonFisiologia Cap 25 Guyton
Fisiologia Cap 25 Guyton
Andressa Rondon
 
18 regul osmolaridade
18 regul osmolaridade18 regul osmolaridade
18 regul osmolaridade
Ana Karoline Costa
 
Aula completa sobre Água, Ácidos, Bases e Tampões
Aula completa sobre Água, Ácidos, Bases e TampõesAula completa sobre Água, Ácidos, Bases e Tampões
Aula completa sobre Água, Ácidos, Bases e Tampões
antoniohenriquedesou2
 
Sistema excretor novo
Sistema excretor   novoSistema excretor   novo
Sistema excretor novo
Luciano Mendes
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
brow123
 
Gases e eletrólitos
Gases e eletrólitosGases e eletrólitos
Gases e eletrólitos
Raqueline Marques
 
Água, estrutura química, funções, regulação térmica
Água, estrutura química, funções, regulação térmicaÁgua, estrutura química, funções, regulação térmica
Água, estrutura química, funções, regulação térmica
antoniohenriquedesou2
 
Suprarenais.pptx
Suprarenais.pptxSuprarenais.pptx
Suprarenais.pptx
emanuelleribeiro15
 
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
Janaina Alves
 
Biofisica da função renal
Biofisica da função renalBiofisica da função renal
Biofisica da função renal
Filipe Simão Kembo
 
Aula - Água e Eletrólitos (Engenharia de Alimentos).pdf
Aula - Água e Eletrólitos (Engenharia de Alimentos).pdfAula - Água e Eletrólitos (Engenharia de Alimentos).pdf
Aula - Água e Eletrólitos (Engenharia de Alimentos).pdf
FabianaFarias43
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
jhonifer washington
 
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção HumanaFrente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
Colégio Batista de Mantena
 
MEU RESUMO FISIOLOGIA, contiene resumos de varios capitulos del libro guyton,...
MEU RESUMO FISIOLOGIA, contiene resumos de varios capitulos del libro guyton,...MEU RESUMO FISIOLOGIA, contiene resumos de varios capitulos del libro guyton,...
MEU RESUMO FISIOLOGIA, contiene resumos de varios capitulos del libro guyton,...
DaniFernandes22
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
edu.biologia
 
Osmorregulação
OsmorregulaçãoOsmorregulação
Osmorregulação
Cristina Vitória
 
O sistema urinário
O sistema urinárioO sistema urinário
O sistema urinário
Fernando Moreira
 
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Pelo Siro
 
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Pelo Siro
 

Semelhante a Trabalho de equilíbrio hidroeletrolítico (20)

Osmorregulação
OsmorregulaçãoOsmorregulação
Osmorregulação
 
Fisiologia Cap 25 Guyton
Fisiologia Cap 25 GuytonFisiologia Cap 25 Guyton
Fisiologia Cap 25 Guyton
 
18 regul osmolaridade
18 regul osmolaridade18 regul osmolaridade
18 regul osmolaridade
 
Aula completa sobre Água, Ácidos, Bases e Tampões
Aula completa sobre Água, Ácidos, Bases e TampõesAula completa sobre Água, Ácidos, Bases e Tampões
Aula completa sobre Água, Ácidos, Bases e Tampões
 
Sistema excretor novo
Sistema excretor   novoSistema excretor   novo
Sistema excretor novo
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 
Gases e eletrólitos
Gases e eletrólitosGases e eletrólitos
Gases e eletrólitos
 
Água, estrutura química, funções, regulação térmica
Água, estrutura química, funções, regulação térmicaÁgua, estrutura química, funções, regulação térmica
Água, estrutura química, funções, regulação térmica
 
Suprarenais.pptx
Suprarenais.pptxSuprarenais.pptx
Suprarenais.pptx
 
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
51940043 anatomia-e-fisiologia-humana-portugues
 
Biofisica da função renal
Biofisica da função renalBiofisica da função renal
Biofisica da função renal
 
Aula - Água e Eletrólitos (Engenharia de Alimentos).pdf
Aula - Água e Eletrólitos (Engenharia de Alimentos).pdfAula - Água e Eletrólitos (Engenharia de Alimentos).pdf
Aula - Água e Eletrólitos (Engenharia de Alimentos).pdf
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção HumanaFrente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
 
MEU RESUMO FISIOLOGIA, contiene resumos de varios capitulos del libro guyton,...
MEU RESUMO FISIOLOGIA, contiene resumos de varios capitulos del libro guyton,...MEU RESUMO FISIOLOGIA, contiene resumos de varios capitulos del libro guyton,...
MEU RESUMO FISIOLOGIA, contiene resumos de varios capitulos del libro guyton,...
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Osmorregulação
OsmorregulaçãoOsmorregulação
Osmorregulação
 
O sistema urinário
O sistema urinárioO sistema urinário
O sistema urinário
 
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
 
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
 

Trabalho de equilíbrio hidroeletrolítico

  • 1. Equipe: Daynara Rayelle Michelle Sousa Ildener Chags Simone Lobato Tatyanne Fernandes Teresa Oliveira Viviane Moura
  • 2. O equilíbrio hidroeletrolítico é um processo dinâmico crucial para a vida e para a homeostasia(manutenção de um equilíbrio interno constante em um sistema biológico que envolve mecanismos de feedback positivo e negativo).
  • 3. • Aproximadamente 60% do peso de um adulto típico consistem em líquido(água e eletrólitos). • Os fatores que influenciam a quantidade de líquido orgânico são idade, sexo e gordura corporal. • O líquido orgânico localiza-se nos compartimentos hídricos: o espaço intracelular(líquido nas células) e o espaço extracelular(líquido externo ás células). • O LEC é dividido nos espaços intravasculares,intersticial(líquido que envolve as células,linfa)e transcelulares (cefalorraquidiano,pericárdico,sinovial,pleural...)
  • 4. • Os líquidos orgânicos deslocam-se normalmente entres os dois principais compartimentos ou espaços em um esforço para manter um equilíbrio entre os espaços. A perda de líquido pelo organismo pode romper esse equilíbrio.
  • 5. • Os eletrólitos nos líquidos orgânicos são substâncias químicas ativas(cátions que carregam carga positivas e ânions que carregam cargas negativas).Os principais cátions no líquido orgânico são os íons sódio, potássio, magnésio e hidrogênio. Os ânions são os íons cloreto, bicarbonato, fosfato, sulfato e proteinato. • As concentrações eletrolíticas no organismo é expressa em termos de miliequivalentes(mEq) por litro,uma medida de atividade química.
  • 6. Líquido Intracelular: Sódio(Na) 10mEq/L Potássio(K) 150mEq/L Magnésio(Mg) 40mEq/L Total de cátions: 200mEq/L Bicarbonato(HCO3) 10mEq/L Fosfato (HPO4) e Sulfato (SO4) 150mEq/L Proteinato 40mEq/L Total de ânions: 200mEq
  • 7. • Os íons de sódio, que são carregados positivamente, superam em muito os outros cátions no LEC. • Como a concentração de sódio afeta a concentração do LEC, o sódio é importante na regulação do volume dos líquidos orgânicos.A retenção de sódio está associada a retenção de líquido, e a perda excessiva de sódio está usualmente associada ao volume diminuído de líquido orgânico. • Os principais eletrólitos no LIC são o potássio e o fosfato.
  • 8. • O organismo despende grande parte da sua energia mantendo a alta concentração extracelular de sódio e a alta concentração intracelular de potássio. • Ele opera por meio de bombas de membrana celular que trocam os íons de sódio e potássio.
  • 9. Osmose e Osmolalidade: Quando duas soluções diferentes são separadas por uma membrana impermeável ás substâncias dissolvidas, os líquidos deslocam-se através da membrana a partir da região de baixa concentração de soluto para a região de alta concentração de soluto, até que a solução tenham a mesma concentração.Essa difusão da água por um gradiente de concentração de líquidos é conhecida como osmose.
  • 10. líquido Alta concentração Baixa do soluto e baixa de concentração líquido de soluto e altade liquido.
  • 11. soluto s líquido s Alta concentração Baixa de soluto concentração de soluto
  • 12. Filtração:A pressão hidrostática nos capilares tende a filtrar o líquido para fora do compartimento intravascular transferindo-o para dentro do líquido intersticial. Bomba de Sódio-Potássio: localizada na membrana celular que move ativamente o sódio da célula para dentro do LEC.Em contrapartida,a alta concentração de potássio intracelular é mantida pelo bombeamento do potássio para dentro da célula.
  • 13. Uma pessoa saudável ganha líquidos ao beber e se alimentar. Perdas: •Rins •Pele •Pulmões •Trato Gastrointestinal
  • 14. Osmalalidade; concentração de liquido que afeta o movimento da água entre os compartimentos de líquidos por osmose.Mede a concentração de soluto no sangue e urina. A osmolalidade sérica reflete principalmente a concentração de sódio,embora ureia e a glicose também desempenham um papel importante na determinação osmolalidade. A osmolalidade urinária é determinada pela uréia,creatinina e ácido úrico.
  • 15. • A osmolalidade normal é de 275 a 300 mOsm/kg,sendo a osmolalidade urinária de 250 a 900mOsm/kg. • Densidade específica da urina. • Uréia: normal é de 10 a 20 mg/dL. • A creatinina: é o produto final do metabolismo muscular. Ela é melhor indicador de função renal que a uréia. A creatinina sérica normal é de aprox. 0,7 a 1,4 mg/dL. Os níveis séricos aumentam quando a função renal diminui. • O hematrócito: percentual do volume dos eritrócitos no sangue.
  • 17. Os mecanismos homeostáticos são responsáveis para manter a composição e volume dos líquidos orgânicos dentro dos estreitos limites da normalidade. Funções Renais: Eles agem tanto de maneira autônoma quanto em resposta de mensageiros transportados pelo sangue, como aldosterona e o hormônio antidiurético(ADH). As principais funções incluem: •Regulação do volume e osmolalidade do LEC través da retenção e excreção seletivas dos líquidos orgânicos. •Regulação do PH do LEC através da retenção dos íons de hidrogênio.
  • 18. Funções Cardíaca e dos Vasos Sanguíneos: A ação de bombeamento do coração circula o sangue através dos rins sob pressão suficiente para permitir a formação da urina. Funções Pulmonares: Através da expiração os pulmões removem aprox. 300 mL de água por dia no adulto normal. Eles desempenham um papel importante no equilíbrio ácido-básico. Função Hipofisária: O hipotálamo fabrica o ADH, que é armazenado na hipófise posterior e liberado quando necessário.
  • 19. Funções da supra-renal: A aldosterona,um mineralocorticóide secretado pela zona glomerulosa(zona externa) do córtex da supra- renal,possui um efeito profundo sobre o balanço hídrico. Funções da Paratireóide: As glândulas paratireóides,embebidas na tireóide,regulam o equilíbrio de cálcio e fosfato por meio do hormônio paratireódeo(PTH)
  • 20. • Barorreceptores: Os barorreceptores são pequenos receptores nervosos que detectam alterações na pressão dentro dos vasos sanguíneos.Eles são responsáveis por monitorar o volume circulante. • Sistema Renina-Angiotensina-Aldosterona:A renina é uma enzima que converte o angiotensinogenio,uma substancia inativa pelo figado,em angiotensina I. A ECA converte a angiotensina I em II. A II com suas propriedades vasoconstritoras,aumentam a pressão de perfusão arterial e estimula a sede. • Hormônio antidiurético e a sede. • Liberação de peptídio natriurético atrial
  • 23. • As enfermeiras precisam compreender a fisiologia do equilíbrio hidroeletrolítico e do equilíbrio-ácido básico para prevenir,identificar e sanar os possíveis desequilíbrios em cada um deles. • As enfermeiras também devem usar as habilidades de ensino e comunicacao efetivas para ajudar a evitar e tratar vários distúrbios de líquidos e eletrolíticos.