SlideShare uma empresa Scribd logo
Fisiologia da Ingestão
Disciplina:
Fisiologia Aplicada à Odontologia II
Profa. Dra. Glauce Crivelaro
Ribeirão Preto, 12 de junho de 2022
FOME
A fome é a sensação fisiológica que se sente
quando o organismo necessita de reposição
nutricional
Resulta da complexa interação
de sistemas de controle fisiológico
e influências comportamentais
OrganizaçãoMundial de Saúde, 2014
Determinantes fisiológicos do controle
do fome e saciedade
Fatores Neurais
Fatores Endócrinos
Fatores Adipocitários
Fatores Intestinais
Fatores Comportamentais
Fatores Psicológicos
Determinantes fisiológicos do controle
do fome e saciedade
BALANÇO ENERGÉTICO
FATORES OREXÍGENOS
(estimulam o consumo alimentar)
FATORES ANOREXÍGENOS
(inibem o consumo alimentar)
Via Anabólica Via Catabólica
Determinantes fisiológicos do controle
do fome e saciedade
Sistema Complexo: Sinais periféricos e centrais
Hipotálamo informa sobre o estado nutricional e
energético do organismo
Núcleo arqueado: principal núcleo envolvido no controle do
consumo alimentar. Ele integra o controle central ao
controle periférico recebendo e transmitindo informações
referentes ao estado metabólico.
TGI: hormônios que são produzidos quando
há ingestão ou ausência de alimento.
Tecido Adiposo: produz hormônio para
sinalização da quantidade de gordura.
Determinantes fisiológicos do controle
do fome e saciedade
Distensão gástrica, níveis de hormônios e
ácidos graxos
Quimioreceptores e
mecanorreceptoresdo intestino,
fígado, estômago
Tronco Cerebral
Nervo Vago
HIPOTÁLAMO
Nervo Vago
Determinantes fisiológicos do controle
do fome e saciedade
Curto prazo Longo prazo
Os sinais importantes
para esse sistema
regulatórioda
homeostase
energéticaincluem,
primeiramente,os
sinais a curto prazo
que indicam a
ingestão de uma
refeição, uma função
coordenada
principalmente pelo
“eixo intestino-
cérebro”.
Em segundo lugar, a
regulação dos estoques
de energia a longo prazo
é feita principalmente
pela insulina e leptina
que sinalizam para o
cérebro o balanço
energético
RECEPTORES
MECANORRECEPTORES: Receptores de curto prazo que são ativados pela
contração do estômago vazio ou por distensão
GLICORRECEPTORES: Receptores de curto prazo que são ativados pela
diminuição ou aumento da disponibilidade de glicose
LIPORRECEPTORES: Receptores de longo prazo que são ativados pela
diminuição ou aumento do metabolismoquebra de gordura
TERMORRECEPTORES: Receptores de curto e longo prazo que são ativados
pela diminuição ou aumento da produção de calor
HORMÔNIOS PERIFÉRICOS
Curto Prazo
Os hormônios intestinais envolvidos no controle do apetite
podem ser orexígenos ou anorexígenos.
Esses hormônios parecem agir como iniciadores ou
fnalizadores de uma refeição, dessa forma tendo influência
sobre a ingestão energética a curto-prazo.
Hormônio Oregíxeno
Grelina: “hormônio da fome”: produzida no estômago
Os níveis circulantes de grelina aumentam quase duas vezes antes de uma refeição
e rapidamente diminuem após essa, sendo tal diminuição proporcional ao aporte
calórico da refeição.
Os níveis plasmáticos de grelina são altos em pacientes com anorexia nervosa e em
pacientes com dieta para perda de peso.
HORMÔNIOS PERIFÉRICOS
Curto Prazo Hormônios Anoregíxenos
POLIPETÍDEO PANCREÁTICO (PP): produzida no pâncreas
Os níveis circulantes de PP aumentam após uma refeição de modo dependente do
aporte calórico e continuam elevados por bastante tempo após o término da
refeição, sugerindo que esse peptídeo pode exercer seu principal efeito na
alimentação pela indução de saciedade.
Colecistoquinina (CCK): produzida no intestino delgado
Seus níveis aumentam rapidamente com um pico de 15 minutos após uma refeição.
Os efeitos da CCK no trato gastrointestinal inclui a estimulação da contração da
vesícula biliar, secreção de enzimas pancreáticas e inibição do esvaziamento gástrico.
HORMÔNIOS PERIFÉRICOS
Longo Prazo Hormônios Anoregíxenos
Leptina: secretada pelos adipócitos
De acordo com as investigações mais recentes, atua como um sinal nutricional que se
dirige ao sistema nervoso central e se encarrega de modular os mecanismos
neuroendócrinos que medeiam diversas repostas adaptativas e do comportamento. A
leptina circula pelo sangue e os seus níveis plasmáticos correlacionam-se com a massa
gorda total.
HORMÔNIOS PERIFÉRICOS
Longo Prazo Hormônios Anoregíxenos
Insulina: secretada pelo pâncreas
A insulina é produzida pelas células beta do pâncreas, e a sua concentração sérica
também é proporcional à adiposidade. Com seu efeito anabólico, a insulina aumenta
a captação de glicose, e a queda da glicemia é um estímulo para o aumento do
apetite.
Indivíduos obesos têm elevadas concentrações de insulina e leptina.
HORMÔNIOS PERIFÉRICOS
HORMÔNIOS PERIFÉRICOS: Obesidade
Nas pessoas obesas a
secreção de leptina
está aumentada,
chegando a alcançar
um valor cerca de
quatro vezes superior
ao dos não obesos.
No entanto, estes
indivíduos
geralmente
apresentam um
estado de resistência
à leptina
HORMÔNIOS PERIFÉRICOS: Obesidade
Nas pessoas obesas a
secreção de leptina
está aumentada,
chegando a alcançar
um valor cerca de
quatro vezes superior
ao dos não obesos.
No entanto, estes
indivíduos
geralmente
apresentam um
estado de resistência
à leptina
HORMÔNIOS PERIFÉRICOS: Leptina x
Sono
Privação do Sono: Aumenta
fome e massa corporal
Crispim, 2007, Arq Bras Endocrinol Metab, v. 51, n. 7, p. 1041-1049
Determinantes fisiológicos do controle
do fome e saciedade: Hipotálamo
Neurônios que expressam
neuropeptídios orexígenos:
NPY - Neuropeptídeo Y
AgRP - Proteína relacionada à
Agouti
Neurônios que expressam
neuropeptídios anorexígenos:
CART – transcrito relacionado à
cocaína e anfetamina
POMC - próopiomelanocortina
O hipotálamo recebe inervação de diversas áreas,
especialmente do
núcleo do trato solitário e na área postrema no tronco
encefálico. Estas áreas liberam vários sinais neurais e
hormonais vindos do trato gastrointestinal
Determinantes fisiológicos do controle
do fome e saciedade
Alvarez-Leite, cap 16, Sistema digestório:integração básico-clínica
NPY/AgRP
Grelina:
Leptina:
POMC/CART
NPY/AgRP POMC/CART
Determinantes fisiológicos e
psicológicos do controle do fome e
saciedade
O apetite e a ingestão alimentar também são influenciados por estímulos sensoriais
provenientes do sistema nervoso. O simples ato de mastigar e deglutir o alimento
ajuda a criar uma sensação de saciedade. A visão, o cheiro e o gosto da comida
podem estimular ou suprimir o apetite.
Fatores psicológicos, como o estresse, também podem participar de forma
significativa na regulação da ingestão alimentar.
O distúrbio alimentar anorexia
nervosa possui ambos os
componentes, psicológicos e
fisiológicos, o que torna o seu
tratamentomais complicado.
Fisiologia da Sede
Disciplina:
Fisiologia Aplicada à Odontologia II
Profa. Dra. Glauce Crivelaro
Ribeirão Preto, 12 de junho de 2022
SEDE
As manifestações de sede são definidas como um
conjunto de sensações que aumentam com a
desidratação e diminuem com a reidratação
Resulta da complexa interação
de sistemas de controle fisiológico
e influências comportamentais
SEDE X FOME
- A sede e a fome não são independentes uma da outra, parecendo existir um rácio do
peso da comida sobre o peso da água que o indivíduo mantém no estômago.
- A sede e a fome também interagem porque muitos alimentos contêm água e muitos
líquidos contêm alguns nutrientes.
- Assim, comer pode ajudar a satisfazer a sede e beber pode ajudar a satisfazer a
fome.
Diminuição do volume
Aumento da osmolaridade
Diminuição da perda
Aumento na ingestão de líquidos
A quantidade de água excretada tem que ser equivalente a
quantidade de água ingerida e produzida pelo organismo
Balanço Hídrico
Balanço Hídrico
Respostas integradas:
O sistema circulatório responde a mudanças no volume sanguíneo, e os rins
respondem a mudanças no volume ou na osmolaridade do sangue.
Manter o equilíbrio hídrico é como dirigir um carro por uma autoestrada e fazer
pequenos ajustes para manter o carro no centro da pista. Entretanto, da mesma forma
que filmes emocionantes se caracterizam por perseguições desenfreadas de carro, e
não por passeios calmos, a parte emocionante da homeostasia hídrica é a resposta do
corpo a situações de crise, como desidratação ou hemorragias graves.
Sede Fisiológica
A regulação do volume e da osmolaridade dos líquidos corporais é
fundamental para sobrevivência dos organismos vivos. O controle do volume e osmolaridade
dos líquidos corporais, assim como da homeostase cardiovascular, depende de mecanismos
comportamentais e endócrinos e de efetores autonômicos atuando cooperativamente sob
comando de uma extensa rede neural distribuída por todo o cérebro.
Sede Fisiológica - Hipotálamo
Centro da Sede:
Parede ântero-ventral do terceiro ventrículo
Núcleo pré-óptico
▪ Rotas comuns para a perda de líquido incluem sudorese excessiva, vômito, diarreia
e hemorragia. Todas essas situações podem necessitar de intervenção médica.
▪ Por outro lado, o ganho de líquido raramente constitui uma emergência médica, a
não ser que essa adição de água reduza a osmolalidade abaixo de um limite
aceitável.
O volume e a osmolalidade do LEC podem apresentar três
estados possíveis: normal, aumentado ou diminuído.
▪ Em todos os casos, a resposta homeostática apropriada
para a alteração atua de acordo com o princípio do balanço de
massa: todo líquido ou solutos adicionados ao corpo precisam ser
removidos, assim como tudo que é perdido necessita ser reposto.
Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
Nenhuma mudança no volume,
osmolalidade aumentada.
Esta alteração (linha do meio, quadrado à
direita) pode ocorrer se você comeu pipoca
salgada sem beber nada. A ingestão de sal
sem água aumenta a osmolalidade do LEC e
causa a saída de parte da água das células
para o LEC. A resposta homeostática é a sede
intensa, a qual estimula a ingestão de água
para diluir o soluto adicionado. Os rins
ajudam, produzindo urina extremamente
concentrada e com volume mínimo,
conservando a água enquanto removem o
excesso de NaCl.
Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
Nenhuma mudança no volume,
osmolalidade aumentada.
Este cenário (linha do meio, quadrado à
esquerda) pode ocorrer quando uma pessoa
que está desidratada repõe a perda de
líquido com água pura. A diminuição de
volume resultante da desidratação é corrigida,
porém a reposição de líquido não possui
solutos para repor os solutos perdidos. Como
resultado, um novo desequilíbrio é criado.
Essa situação levou ao desenvolvimento de
bebidas esportivas contendo eletrólitos.
Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
Volume diminuído, osmolalidade aumentada.
A desidratação é uma causa comum deste distúrbio.
Durante exercício intenso prolongado, a quantidade de
água perdida pelos pulmões pode dobrar, ao passo que a
perda de suor pode aumentar de 0,1 L para até 5 L.
A diarreia, a produção de fezes excessivamente líquidas,
é uma condição patológica que envolve grande perda de
água e solutos, dessa vez pelo trato digestório.
Em ambos, no suor e na diarreia, perde-se muito líquido
do sistema circulatório, e o volume sanguíneo diminui a
ponto de o coração não poder bombear o sangue de
forma eficaz para o encéfalo. Além disso, o encolhimento
da célula, causado pelo aumento da osmolalidade, altera
as funções celulares.
Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
Volume diminuído, sem mudança na osmolalidade.
Esta situação ocorre na hemorragia.
A perda de sangue representa a perda de líquido
isosmótico do compartimento extracelular,semelhante a
tirar uma xícara de água do mar do conteúdo de um
balde grande. Se uma transfusão de sangue não está
imediatamente disponível, a melhor solução para
reposição é uma que seja isosmótica e permaneça no
LEC, como uma solução isotônica de NaCl.
Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
Um aumento da osmolaridade do compartimento extracelular(p. ex.
aumento da concentração de sódio originada por refeiçãohipersalina)
conduz a uma transferência de água do espaço intracelularde modo a
restabelecero equilíbrio osmótico entre os dois espaços, ocorrendo assim
uma desidrataçãointracelular
Sede Intracelular
A sede fisiológica resulta da desidratação e é estimulada por dois mecanismos
principais:
• aumento da tonicidade celular (desidratação celular) e
• diminuição do volume de fluido extracelular (desidratação extracelular).
O primeiro é percepcionado por osmoreceptores no sistema nervoso central
enquanto o último é monitorizado por barorreceptores no
compartimento vascular.
Simultaneamente ao início desta procura de água e
provavelmente mais importante no caso de a água não ser
rapidamente encontrada, os osmoreceptores estimulam
neurônios nos núcleos supraóptico e paraventricular do
hipotálamo de modo a ser liberada vasopressina (ou
ADH) pelos terminais axónicos da neurohipófise para a
corrente sanguínea.
• Uma vez estimulados, os osmoreceptores alertam outras zonas do
cérebro para iniciarem a procura de água.
• A água ingerida é absorvida em 30 a 60 min e deverá reduzir a osmolalidade para o
set point fisiológico (entre 280 e 300 mOsm/L).
a nível renal há acúmulo de aquaporinas na
membrana exterior do ducto colector facilitando a
passagem de água para o interior da medula renal e
integração na corrente sanguínea
Sede Intracelular
A sensação de sede pode igualmente ter uma “origem” extracelular,
ou seja, a desidratação que lhe está subjacente ocorre devido a uma
perda de fluidos vasculares (p.ex. hemorragia) e consequente
diminuição do volume sanguíneo.
Sede Extracelular
Barorreceptores do arco aórtico e seio carotídeo detectam a diminuição de volume
sanguíneo e sinalizam o centro da sede no cérebro de modo a iniciar a procura de água
e a liberação de ADH.
• Para além destes processos em tudo idênticos à “sede intracelular”, os
barorreceptores do aparelho justaglomerular renal estimulam a produção de renina
em resposta a esta diminuição da pressão arterial.
• A renina converte o angiotensinogênio produzido pelo fígado em angiotensina I,
dando esta origem a angiotensina II nos pulmões.
• Esta promove a vasoconstrição e estimula igualmente a sede e a liberação da
aldosterona pelas glândulas suprarrenais.
• A aldosterona aumenta reabsorção renal de sódio e também sensibiliza o
hipotálamo para os níveis circulantes de angiotensina II, sendo esta ação conjunta a
responsável pelo aumento da procura simultânea de água e sódio de modo a
restaurar os níveis iniciais de volume sanguíneo.
Sede Extracelular
Estímulos para a Sede
Controle da Sede
Guyton, 2006
Aumento da Osmolalidade: a ingestão de água ajuda a diluir os
líquidos extracelulares e retorna a osmolalidade ao normal
Guyton, 2006
Queda do volume do líquido extracelular e na pressão
arterial: hemorragiaestimula sensação de sede embora nenhuma
alteração de osmolalidade pode ser observada.
Estímulos para a Sede
Controle da Sede
Angiotensina II estimulada: auxilia no restabelecimento
da pressão e do volume sanguíneos e age sobre os rins para
diminuir a excreção de líquidos.
Guyton, 2006
Estímulos para a Sede
Controle da Sede
Ressecamento da boca e mucosas: Ainda que a água
não tenha sido absorvida, o indivíduo pode aliviar a
sensação de sede logo após a ingestão de líquidos.
Guyton, 2006
Estímulos para a Sede
Controle da Sede
Consumo primário: ingestão de água que resulta da perda de
compartimento específico do organismo
Secundario: ingestão de água por necessidade geral do organismo
Sede clínica: associada a algum tipo de disfunção (Ex: diabetes,
cólera)
Classificação do consumo de água
Obrigada

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf

OBESIDADE SEM CONTROLE ATUALIZAÇÃO RECENTE
OBESIDADE SEM CONTROLE ATUALIZAÇÃO RECENTEOBESIDADE SEM CONTROLE ATUALIZAÇÃO RECENTE
OBESIDADE SEM CONTROLE ATUALIZAÇÃO RECENTE
Van Der Häägen Brazil
 
Dietas da moda
Dietas da modaDietas da moda
Dietas da moda
Saúde Hervalense
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Caio Maximino
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Aula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãO
themis dovera
 
Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6
adrianomedico
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Peptídeo Tirosina Tirosina (pyy) – Funciona como Anorexígeno
Peptídeo Tirosina Tirosina (pyy) – Funciona como AnorexígenoPeptídeo Tirosina Tirosina (pyy) – Funciona como Anorexígeno
Peptídeo Tirosina Tirosina (pyy) – Funciona como Anorexígeno
Van Der Häägen Brazil
 
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentarA fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
Caio Maximino
 
Anorexia e bulimia atualizado
Anorexia e bulimia atualizadoAnorexia e bulimia atualizado
Anorexia e bulimia atualizado
ananiasdoamaral
 
Apostila de Educação Física 2013
Apostila de Educação Física 2013Apostila de Educação Física 2013
Apostila de Educação Física 2013
bgripp
 
Bruno Gripp - Educação Física
Bruno Gripp - Educação FísicaBruno Gripp - Educação Física
Bruno Gripp - Educação Física
bgripp
 
Tratamento farmacológico de obesidade
Tratamento farmacológico de obesidadeTratamento farmacológico de obesidade
Tratamento farmacológico de obesidade
washington carlos vieira
 
Obesidade 01
Obesidade 01Obesidade 01
Obesidade - apresentação.ppsx
Obesidade - apresentação.ppsxObesidade - apresentação.ppsx
Obesidade - apresentação.ppsx
ErikaeAlexandre
 
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase EnergéticaPapel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
MAURILIO LUIELE
 
Obesidade abdominal é considerada um órgão facilitador de doenças graves e de...
Obesidade abdominal é considerada um órgão facilitador de doenças graves e de...Obesidade abdominal é considerada um órgão facilitador de doenças graves e de...
Obesidade abdominal é considerada um órgão facilitador de doenças graves e de...
Van Der Häägen Brazil
 
Coaching Nutrition - Alimentação saudável com suporte que você precisa
Coaching Nutrition - Alimentação saudável com suporte que você precisaCoaching Nutrition - Alimentação saudável com suporte que você precisa
Coaching Nutrition - Alimentação saudável com suporte que você precisa
CoachingNutrition
 
O Peptídeo YY que é Liberado pelas Células do Ìleo e do Cólon
O Peptídeo YY que é Liberado pelas Células do Ìleo e do CólonO Peptídeo YY que é Liberado pelas Células do Ìleo e do Cólon
O Peptídeo YY que é Liberado pelas Células do Ìleo e do Cólon
Van Der Häägen Brazil
 
Apostila 2013- Bruno Gripp
Apostila 2013- Bruno GrippApostila 2013- Bruno Gripp
Apostila 2013- Bruno Gripp
bgripp
 

Semelhante a aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf (20)

OBESIDADE SEM CONTROLE ATUALIZAÇÃO RECENTE
OBESIDADE SEM CONTROLE ATUALIZAÇÃO RECENTEOBESIDADE SEM CONTROLE ATUALIZAÇÃO RECENTE
OBESIDADE SEM CONTROLE ATUALIZAÇÃO RECENTE
 
Dietas da moda
Dietas da modaDietas da moda
Dietas da moda
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Aula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãOAula De NutriçãO IntroduçãO
Aula De NutriçãO IntroduçãO
 
Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6Manual de nutrição cap.6
Manual de nutrição cap.6
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Peptídeo Tirosina Tirosina (pyy) – Funciona como Anorexígeno
Peptídeo Tirosina Tirosina (pyy) – Funciona como AnorexígenoPeptídeo Tirosina Tirosina (pyy) – Funciona como Anorexígeno
Peptídeo Tirosina Tirosina (pyy) – Funciona como Anorexígeno
 
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentarA fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
A fome está na sua cabeça: Bases biológicas do comportamento alimentar
 
Anorexia e bulimia atualizado
Anorexia e bulimia atualizadoAnorexia e bulimia atualizado
Anorexia e bulimia atualizado
 
Apostila de Educação Física 2013
Apostila de Educação Física 2013Apostila de Educação Física 2013
Apostila de Educação Física 2013
 
Bruno Gripp - Educação Física
Bruno Gripp - Educação FísicaBruno Gripp - Educação Física
Bruno Gripp - Educação Física
 
Tratamento farmacológico de obesidade
Tratamento farmacológico de obesidadeTratamento farmacológico de obesidade
Tratamento farmacológico de obesidade
 
Obesidade 01
Obesidade 01Obesidade 01
Obesidade 01
 
Obesidade - apresentação.ppsx
Obesidade - apresentação.ppsxObesidade - apresentação.ppsx
Obesidade - apresentação.ppsx
 
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase EnergéticaPapel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
Papel da Leptina, Adiponectina e Grelina na Homeostase Energética
 
Obesidade abdominal é considerada um órgão facilitador de doenças graves e de...
Obesidade abdominal é considerada um órgão facilitador de doenças graves e de...Obesidade abdominal é considerada um órgão facilitador de doenças graves e de...
Obesidade abdominal é considerada um órgão facilitador de doenças graves e de...
 
Coaching Nutrition - Alimentação saudável com suporte que você precisa
Coaching Nutrition - Alimentação saudável com suporte que você precisaCoaching Nutrition - Alimentação saudável com suporte que você precisa
Coaching Nutrition - Alimentação saudável com suporte que você precisa
 
O Peptídeo YY que é Liberado pelas Células do Ìleo e do Cólon
O Peptídeo YY que é Liberado pelas Células do Ìleo e do CólonO Peptídeo YY que é Liberado pelas Células do Ìleo e do Cólon
O Peptídeo YY que é Liberado pelas Células do Ìleo e do Cólon
 
Apostila 2013- Bruno Gripp
Apostila 2013- Bruno GrippApostila 2013- Bruno Gripp
Apostila 2013- Bruno Gripp
 

Mais de HerminioMendes3

identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptxidentification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
HerminioMendes3
 
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.pptAULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
HerminioMendes3
 
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptx
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptxOs Padrões e os Processos da Evolução.pptx
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptx
HerminioMendes3
 
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptxFORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
HerminioMendes3
 
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptgenetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
HerminioMendes3
 
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptAula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
HerminioMendes3
 
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIASSaúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
HerminioMendes3
 
celulas do sistema imune e suas principais características de
celulas do sistema imune e suas principais características decelulas do sistema imune e suas principais características de
celulas do sistema imune e suas principais características de
HerminioMendes3
 
Introdução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas característicasIntrodução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas características
HerminioMendes3
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
HerminioMendes3
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
HerminioMendes3
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
HerminioMendes3
 
mapa e mapeamento de riscos ambientais aula
mapa e mapeamento de riscos ambientais aulamapa e mapeamento de riscos ambientais aula
mapa e mapeamento de riscos ambientais aula
HerminioMendes3
 
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdfCONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
HerminioMendes3
 
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeaula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
HerminioMendes3
 

Mais de HerminioMendes3 (15)

identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptxidentification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
 
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.pptAULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
 
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptx
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptxOs Padrões e os Processos da Evolução.pptx
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptx
 
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptxFORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
 
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptgenetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
 
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptAula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
 
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIASSaúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
 
celulas do sistema imune e suas principais características de
celulas do sistema imune e suas principais características decelulas do sistema imune e suas principais características de
celulas do sistema imune e suas principais características de
 
Introdução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas característicasIntrodução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas características
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
 
mapa e mapeamento de riscos ambientais aula
mapa e mapeamento de riscos ambientais aulamapa e mapeamento de riscos ambientais aula
mapa e mapeamento de riscos ambientais aula
 
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdfCONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
 
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeaula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 

aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf

  • 1. Fisiologia da Ingestão Disciplina: Fisiologia Aplicada à Odontologia II Profa. Dra. Glauce Crivelaro Ribeirão Preto, 12 de junho de 2022
  • 2. FOME A fome é a sensação fisiológica que se sente quando o organismo necessita de reposição nutricional Resulta da complexa interação de sistemas de controle fisiológico e influências comportamentais
  • 3.
  • 5. Determinantes fisiológicos do controle do fome e saciedade Fatores Neurais Fatores Endócrinos Fatores Adipocitários Fatores Intestinais Fatores Comportamentais Fatores Psicológicos
  • 6. Determinantes fisiológicos do controle do fome e saciedade BALANÇO ENERGÉTICO FATORES OREXÍGENOS (estimulam o consumo alimentar) FATORES ANOREXÍGENOS (inibem o consumo alimentar) Via Anabólica Via Catabólica
  • 7. Determinantes fisiológicos do controle do fome e saciedade Sistema Complexo: Sinais periféricos e centrais Hipotálamo informa sobre o estado nutricional e energético do organismo Núcleo arqueado: principal núcleo envolvido no controle do consumo alimentar. Ele integra o controle central ao controle periférico recebendo e transmitindo informações referentes ao estado metabólico. TGI: hormônios que são produzidos quando há ingestão ou ausência de alimento. Tecido Adiposo: produz hormônio para sinalização da quantidade de gordura.
  • 8. Determinantes fisiológicos do controle do fome e saciedade Distensão gástrica, níveis de hormônios e ácidos graxos Quimioreceptores e mecanorreceptoresdo intestino, fígado, estômago Tronco Cerebral Nervo Vago HIPOTÁLAMO Nervo Vago
  • 9. Determinantes fisiológicos do controle do fome e saciedade Curto prazo Longo prazo Os sinais importantes para esse sistema regulatórioda homeostase energéticaincluem, primeiramente,os sinais a curto prazo que indicam a ingestão de uma refeição, uma função coordenada principalmente pelo “eixo intestino- cérebro”. Em segundo lugar, a regulação dos estoques de energia a longo prazo é feita principalmente pela insulina e leptina que sinalizam para o cérebro o balanço energético
  • 10. RECEPTORES MECANORRECEPTORES: Receptores de curto prazo que são ativados pela contração do estômago vazio ou por distensão GLICORRECEPTORES: Receptores de curto prazo que são ativados pela diminuição ou aumento da disponibilidade de glicose LIPORRECEPTORES: Receptores de longo prazo que são ativados pela diminuição ou aumento do metabolismoquebra de gordura TERMORRECEPTORES: Receptores de curto e longo prazo que são ativados pela diminuição ou aumento da produção de calor
  • 11. HORMÔNIOS PERIFÉRICOS Curto Prazo Os hormônios intestinais envolvidos no controle do apetite podem ser orexígenos ou anorexígenos. Esses hormônios parecem agir como iniciadores ou fnalizadores de uma refeição, dessa forma tendo influência sobre a ingestão energética a curto-prazo. Hormônio Oregíxeno Grelina: “hormônio da fome”: produzida no estômago Os níveis circulantes de grelina aumentam quase duas vezes antes de uma refeição e rapidamente diminuem após essa, sendo tal diminuição proporcional ao aporte calórico da refeição. Os níveis plasmáticos de grelina são altos em pacientes com anorexia nervosa e em pacientes com dieta para perda de peso.
  • 12. HORMÔNIOS PERIFÉRICOS Curto Prazo Hormônios Anoregíxenos POLIPETÍDEO PANCREÁTICO (PP): produzida no pâncreas Os níveis circulantes de PP aumentam após uma refeição de modo dependente do aporte calórico e continuam elevados por bastante tempo após o término da refeição, sugerindo que esse peptídeo pode exercer seu principal efeito na alimentação pela indução de saciedade. Colecistoquinina (CCK): produzida no intestino delgado Seus níveis aumentam rapidamente com um pico de 15 minutos após uma refeição. Os efeitos da CCK no trato gastrointestinal inclui a estimulação da contração da vesícula biliar, secreção de enzimas pancreáticas e inibição do esvaziamento gástrico.
  • 13. HORMÔNIOS PERIFÉRICOS Longo Prazo Hormônios Anoregíxenos Leptina: secretada pelos adipócitos De acordo com as investigações mais recentes, atua como um sinal nutricional que se dirige ao sistema nervoso central e se encarrega de modular os mecanismos neuroendócrinos que medeiam diversas repostas adaptativas e do comportamento. A leptina circula pelo sangue e os seus níveis plasmáticos correlacionam-se com a massa gorda total.
  • 14. HORMÔNIOS PERIFÉRICOS Longo Prazo Hormônios Anoregíxenos Insulina: secretada pelo pâncreas A insulina é produzida pelas células beta do pâncreas, e a sua concentração sérica também é proporcional à adiposidade. Com seu efeito anabólico, a insulina aumenta a captação de glicose, e a queda da glicemia é um estímulo para o aumento do apetite. Indivíduos obesos têm elevadas concentrações de insulina e leptina.
  • 16. HORMÔNIOS PERIFÉRICOS: Obesidade Nas pessoas obesas a secreção de leptina está aumentada, chegando a alcançar um valor cerca de quatro vezes superior ao dos não obesos. No entanto, estes indivíduos geralmente apresentam um estado de resistência à leptina
  • 17. HORMÔNIOS PERIFÉRICOS: Obesidade Nas pessoas obesas a secreção de leptina está aumentada, chegando a alcançar um valor cerca de quatro vezes superior ao dos não obesos. No entanto, estes indivíduos geralmente apresentam um estado de resistência à leptina
  • 18. HORMÔNIOS PERIFÉRICOS: Leptina x Sono Privação do Sono: Aumenta fome e massa corporal Crispim, 2007, Arq Bras Endocrinol Metab, v. 51, n. 7, p. 1041-1049
  • 19. Determinantes fisiológicos do controle do fome e saciedade: Hipotálamo Neurônios que expressam neuropeptídios orexígenos: NPY - Neuropeptídeo Y AgRP - Proteína relacionada à Agouti Neurônios que expressam neuropeptídios anorexígenos: CART – transcrito relacionado à cocaína e anfetamina POMC - próopiomelanocortina O hipotálamo recebe inervação de diversas áreas, especialmente do núcleo do trato solitário e na área postrema no tronco encefálico. Estas áreas liberam vários sinais neurais e hormonais vindos do trato gastrointestinal
  • 20. Determinantes fisiológicos do controle do fome e saciedade Alvarez-Leite, cap 16, Sistema digestório:integração básico-clínica NPY/AgRP Grelina: Leptina: POMC/CART NPY/AgRP POMC/CART
  • 21. Determinantes fisiológicos e psicológicos do controle do fome e saciedade O apetite e a ingestão alimentar também são influenciados por estímulos sensoriais provenientes do sistema nervoso. O simples ato de mastigar e deglutir o alimento ajuda a criar uma sensação de saciedade. A visão, o cheiro e o gosto da comida podem estimular ou suprimir o apetite. Fatores psicológicos, como o estresse, também podem participar de forma significativa na regulação da ingestão alimentar. O distúrbio alimentar anorexia nervosa possui ambos os componentes, psicológicos e fisiológicos, o que torna o seu tratamentomais complicado.
  • 22. Fisiologia da Sede Disciplina: Fisiologia Aplicada à Odontologia II Profa. Dra. Glauce Crivelaro Ribeirão Preto, 12 de junho de 2022
  • 23. SEDE As manifestações de sede são definidas como um conjunto de sensações que aumentam com a desidratação e diminuem com a reidratação Resulta da complexa interação de sistemas de controle fisiológico e influências comportamentais
  • 24. SEDE X FOME - A sede e a fome não são independentes uma da outra, parecendo existir um rácio do peso da comida sobre o peso da água que o indivíduo mantém no estômago. - A sede e a fome também interagem porque muitos alimentos contêm água e muitos líquidos contêm alguns nutrientes. - Assim, comer pode ajudar a satisfazer a sede e beber pode ajudar a satisfazer a fome.
  • 25. Diminuição do volume Aumento da osmolaridade Diminuição da perda Aumento na ingestão de líquidos A quantidade de água excretada tem que ser equivalente a quantidade de água ingerida e produzida pelo organismo Balanço Hídrico
  • 26. Balanço Hídrico Respostas integradas: O sistema circulatório responde a mudanças no volume sanguíneo, e os rins respondem a mudanças no volume ou na osmolaridade do sangue. Manter o equilíbrio hídrico é como dirigir um carro por uma autoestrada e fazer pequenos ajustes para manter o carro no centro da pista. Entretanto, da mesma forma que filmes emocionantes se caracterizam por perseguições desenfreadas de carro, e não por passeios calmos, a parte emocionante da homeostasia hídrica é a resposta do corpo a situações de crise, como desidratação ou hemorragias graves.
  • 27. Sede Fisiológica A regulação do volume e da osmolaridade dos líquidos corporais é fundamental para sobrevivência dos organismos vivos. O controle do volume e osmolaridade dos líquidos corporais, assim como da homeostase cardiovascular, depende de mecanismos comportamentais e endócrinos e de efetores autonômicos atuando cooperativamente sob comando de uma extensa rede neural distribuída por todo o cérebro.
  • 28. Sede Fisiológica - Hipotálamo Centro da Sede: Parede ântero-ventral do terceiro ventrículo Núcleo pré-óptico
  • 29. ▪ Rotas comuns para a perda de líquido incluem sudorese excessiva, vômito, diarreia e hemorragia. Todas essas situações podem necessitar de intervenção médica. ▪ Por outro lado, o ganho de líquido raramente constitui uma emergência médica, a não ser que essa adição de água reduza a osmolalidade abaixo de um limite aceitável. O volume e a osmolalidade do LEC podem apresentar três estados possíveis: normal, aumentado ou diminuído. ▪ Em todos os casos, a resposta homeostática apropriada para a alteração atua de acordo com o princípio do balanço de massa: todo líquido ou solutos adicionados ao corpo precisam ser removidos, assim como tudo que é perdido necessita ser reposto. Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
  • 30. Nenhuma mudança no volume, osmolalidade aumentada. Esta alteração (linha do meio, quadrado à direita) pode ocorrer se você comeu pipoca salgada sem beber nada. A ingestão de sal sem água aumenta a osmolalidade do LEC e causa a saída de parte da água das células para o LEC. A resposta homeostática é a sede intensa, a qual estimula a ingestão de água para diluir o soluto adicionado. Os rins ajudam, produzindo urina extremamente concentrada e com volume mínimo, conservando a água enquanto removem o excesso de NaCl. Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
  • 31. Nenhuma mudança no volume, osmolalidade aumentada. Este cenário (linha do meio, quadrado à esquerda) pode ocorrer quando uma pessoa que está desidratada repõe a perda de líquido com água pura. A diminuição de volume resultante da desidratação é corrigida, porém a reposição de líquido não possui solutos para repor os solutos perdidos. Como resultado, um novo desequilíbrio é criado. Essa situação levou ao desenvolvimento de bebidas esportivas contendo eletrólitos. Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
  • 32. Volume diminuído, osmolalidade aumentada. A desidratação é uma causa comum deste distúrbio. Durante exercício intenso prolongado, a quantidade de água perdida pelos pulmões pode dobrar, ao passo que a perda de suor pode aumentar de 0,1 L para até 5 L. A diarreia, a produção de fezes excessivamente líquidas, é uma condição patológica que envolve grande perda de água e solutos, dessa vez pelo trato digestório. Em ambos, no suor e na diarreia, perde-se muito líquido do sistema circulatório, e o volume sanguíneo diminui a ponto de o coração não poder bombear o sangue de forma eficaz para o encéfalo. Além disso, o encolhimento da célula, causado pelo aumento da osmolalidade, altera as funções celulares. Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
  • 33. Volume diminuído, sem mudança na osmolalidade. Esta situação ocorre na hemorragia. A perda de sangue representa a perda de líquido isosmótico do compartimento extracelular,semelhante a tirar uma xícara de água do mar do conteúdo de um balde grande. Se uma transfusão de sangue não está imediatamente disponível, a melhor solução para reposição é uma que seja isosmótica e permaneça no LEC, como uma solução isotônica de NaCl. Balanço Hídrico – Osmolalidade x Volume
  • 34. Um aumento da osmolaridade do compartimento extracelular(p. ex. aumento da concentração de sódio originada por refeiçãohipersalina) conduz a uma transferência de água do espaço intracelularde modo a restabelecero equilíbrio osmótico entre os dois espaços, ocorrendo assim uma desidrataçãointracelular Sede Intracelular A sede fisiológica resulta da desidratação e é estimulada por dois mecanismos principais: • aumento da tonicidade celular (desidratação celular) e • diminuição do volume de fluido extracelular (desidratação extracelular). O primeiro é percepcionado por osmoreceptores no sistema nervoso central enquanto o último é monitorizado por barorreceptores no compartimento vascular.
  • 35. Simultaneamente ao início desta procura de água e provavelmente mais importante no caso de a água não ser rapidamente encontrada, os osmoreceptores estimulam neurônios nos núcleos supraóptico e paraventricular do hipotálamo de modo a ser liberada vasopressina (ou ADH) pelos terminais axónicos da neurohipófise para a corrente sanguínea. • Uma vez estimulados, os osmoreceptores alertam outras zonas do cérebro para iniciarem a procura de água. • A água ingerida é absorvida em 30 a 60 min e deverá reduzir a osmolalidade para o set point fisiológico (entre 280 e 300 mOsm/L). a nível renal há acúmulo de aquaporinas na membrana exterior do ducto colector facilitando a passagem de água para o interior da medula renal e integração na corrente sanguínea Sede Intracelular
  • 36. A sensação de sede pode igualmente ter uma “origem” extracelular, ou seja, a desidratação que lhe está subjacente ocorre devido a uma perda de fluidos vasculares (p.ex. hemorragia) e consequente diminuição do volume sanguíneo. Sede Extracelular
  • 37. Barorreceptores do arco aórtico e seio carotídeo detectam a diminuição de volume sanguíneo e sinalizam o centro da sede no cérebro de modo a iniciar a procura de água e a liberação de ADH. • Para além destes processos em tudo idênticos à “sede intracelular”, os barorreceptores do aparelho justaglomerular renal estimulam a produção de renina em resposta a esta diminuição da pressão arterial. • A renina converte o angiotensinogênio produzido pelo fígado em angiotensina I, dando esta origem a angiotensina II nos pulmões. • Esta promove a vasoconstrição e estimula igualmente a sede e a liberação da aldosterona pelas glândulas suprarrenais. • A aldosterona aumenta reabsorção renal de sódio e também sensibiliza o hipotálamo para os níveis circulantes de angiotensina II, sendo esta ação conjunta a responsável pelo aumento da procura simultânea de água e sódio de modo a restaurar os níveis iniciais de volume sanguíneo. Sede Extracelular
  • 38. Estímulos para a Sede Controle da Sede Guyton, 2006 Aumento da Osmolalidade: a ingestão de água ajuda a diluir os líquidos extracelulares e retorna a osmolalidade ao normal
  • 39. Guyton, 2006 Queda do volume do líquido extracelular e na pressão arterial: hemorragiaestimula sensação de sede embora nenhuma alteração de osmolalidade pode ser observada. Estímulos para a Sede Controle da Sede
  • 40. Angiotensina II estimulada: auxilia no restabelecimento da pressão e do volume sanguíneos e age sobre os rins para diminuir a excreção de líquidos. Guyton, 2006 Estímulos para a Sede Controle da Sede
  • 41. Ressecamento da boca e mucosas: Ainda que a água não tenha sido absorvida, o indivíduo pode aliviar a sensação de sede logo após a ingestão de líquidos. Guyton, 2006 Estímulos para a Sede Controle da Sede
  • 42. Consumo primário: ingestão de água que resulta da perda de compartimento específico do organismo Secundario: ingestão de água por necessidade geral do organismo Sede clínica: associada a algum tipo de disfunção (Ex: diabetes, cólera) Classificação do consumo de água