SlideShare uma empresa Scribd logo
Tecido muscular
Tecido muscular
Prof. Dr. Caio Maximino
Marabá/PA – 2015
Tecido muscular
Definição
● Originado do mesoderma, o tecido muscular é altamente especializado por
apresentar as características de contratilidade e condutibilidade. Para isso,
ocorre um enorme desenvolvimento do citoesqueleto durante a diferenciação
celular.
● Por sua forma alongada, a célula muscular é chamada de fibra e é o componente
contrátil.
● O tecido muscular relaciona-se intimamente com o tecido conjuntivo, que o
envolve para trazer a vascularização e inervação, formando envoltórios como o
endomísio, o perimísio e o epimísio.
●
O tecido muscular divide-se em liso, estriado esquelético e estriado
cardíaco.
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Funções do tecido muscular
●
Propriedades
– Excitabilidade
– Contratibilidade
– Extensibilidade
– Elasticidade
●
Funções
– Produção dos movimentos
– Estabilização das posições do corpo
– Armazenamento e movimentação de substâncias dentro do corpo
– Termogênese
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Tipos de células musculares
● Músculo estriado esquelético: feixes de células
cilíndricas longas e multinucleadas com estrias transversais.
Contração rápida e vigorosa sujeita ao controle voluntário.
● Músculo estriado cardíaco: células alongadas, com
estrias transversais e ramificadas que se unem através dos
discos intercalares. Contração involuntária, vigorosa e
rítmica.
● Músculo liso: aglomerados de células fusiformes sem
estrias. Contração lenta e involuntária.
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Tipos de células musculares
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Músculo esquelético
●
Feixes de células longas, cilíndricas, multinucleadas e contendo
miofibrilas.
●
Nas fibras musculares estriadas esqueléticas os numerosos
núcleos se localizam na periferia.
●
Fibras organizadas em grupos de feixes envolvidos por uma
camada de tecido conjuntivo que recobre o músculo inteiro.
– Epimísio – Recobre todo o músculo
– Perimísio – Envolve feixes de firbas
– Endomísio – Envolve cada fibra muscular individualmente
(lâmina basal)
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Organização da fibra muscular
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Envoltórios
●
Mantém as fibras unidas e
– permitem que a força de contração, gerada por cada fibra, atue sobre o músculo
inteiro;
– permitem que a força de contração do músculo seja transmitida a outras
estruturas, tendões e ossos.
– permitem que vasos sanguíneos penetrem no músculo entre as fibras.
– possuem vasos linfáticos e nervos.
●
Epimísio: tecido conjuntivo denso não-modelado. Envolve o músculo.
●
Perimísio: tecido conjuntivo menos denso. Envolve os feixes.
●
Endomísio: fibras reticulares + GAGs. Envolve cada fibra.
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Envoltórios
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Envoltórios
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Fibras musculares esqueléticas
●
Fibras musculares esqueléticas mostram estriações transversais
(alternância de faixas claras e escuras).
– Faixa escura – anisotrópica; banda A
– Faixa clara – isotrópica; banda I
●
Estriações da miofibrila se devem à repetição de unidades iguais –
sarcômeros.
– Cada sarcômero é formado pela parte da miofibrila que fica entre duas
linhas Z e contém uma banda A separando duas semibandas I.
●
A banda A apresenta uma zona mais clara no seu centro, a banda
H.
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Fibras musculares esqueléticas
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
CORTE TRANSVERSAL
CORTE LONGITUDINAL
Lâmina 100x e 400x
Língua
(Hematoxilina-Eosina)
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Bandeamento de fibras
musculares esqueléticas
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Microanatomia do
músculo esquelético
Túbulos T
Núcleo
Sarcoplasma
R.
sarcoplasmático
Sarcolema
Miofibrila
Linha Z Linha Z
SarcômeroMader, 2004
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Sarcômeros e a contração
Mader, 2004
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
A placa motora
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Ultraestrutura da
junção neuromuscular
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Acoplamento excitação-contração
●
Túbulos T
– Canais de cálcio dependentes
de voltagem – influxo de Ca2+
●
Retículo sarcoplasmático
– Receptores rianodínicos –
efluxo de Ca2+ para o citosol
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
TroponinaActina
Tropomiosina
Ca2+
Ca2+
Sítios de ligação
da miosina
ADP + PO
4
2-
ligado à
ponte cruzada
Complexo ADP + PO
4
2-
+
ponte cruzada se liga à
actina
Liberação do ADP +
PO
4
2-
faz com que a
miosina se movimente,
deslocando a actina
Ligação do ATP leva a
miosina de volta ao
estado de repouso
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Músculo estriado cardíaco
●
Contração involuntária e rítmica correntes de cálcio e potássio,→
corrente If
●
Fibras alongadas, com estriações transversais. São mono ou binucleadas
(o núcleo é mais centralizado), rodeado por um halo de glicogênio
bastante evidente. São ramificadas e comunicam-se entre si.
●
Discos intercalares = aparecem como linhas transversais nas fibras e são
complexos juncionais, contendo, em sua ultra-estrutura, desmossomos,
zonas de adesão e junções comunicantes.
●
As junções comunicantes permitem as trocas iônicas entre fibras que
fazem com que o coração trabalhe como um sincício.
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
400x
Coração
(Hematoxilina-Eosina)
As fibras de Purkinje são
facilmente diferenciáveis das
outras fibras cardíacas pelo
tamanho visivelmente maior,
pela quantidade de glicogênio
e pelas miofibrilas dispostas
na periferia celular. São as
células responsáveis por
levar o estímulo a todas as
células do miocárdio.
Junções
comunicantes

Trocas iônicas
Desmossomos e Zonas
de Adesão  aderência
entre as fibras
ESQUEMA DE DISCO
INTERCALAR
CORTE LONGITUDINAL
CORTE TRANSVERSAL
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Músculo liso
●
Citoesqueleto não apresenta a delicada organização do
músculo estriado, portanto não se vê estriações transversais.
●
Sua contração é involuntária. A ação é mais vagarosa, porém
mais constante e ritmada.
●
As células do músculo liso são fusiformes e de tamanho
variável de acordo com sua localização, sendo decididamente
menores que as fibras estriadas. São mononucleadas, com
núcleo mediano e excêntrico, de forma cilíndrica porém com
as extremidades afiladas, podendo ter vários nucléolos.
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
Músculo liso
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso
Tecido muscular
O Plexo mioentérico
(Auerbach) localiza-
se entre as duas
camadas musculares
e é responsável por
coordenar os
estímulos da cadeia
simpática no trato
gastrointestinal.
CORTE LONGITUDINAL
CORTE TRANSVERSAL
Lâmina J7.3 100x e 400x
Intestino Delgado
(Hematoxilina-Eosina)
Corpos de
Neurônios
Tipos de células
Definições
e funções
Fibras
M. esquelético
Envoltórios
Contração
M. cardíaco
M. liso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
Caio Maximino
 
Histologia humana
Histologia humanaHistologia humana
Histologia humana
César Milani
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
Ana Beatriz Cargnin
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
profatatiana
 
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11   Sistema urinário/excretor - anatomiaAula 11   Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Hamilton Nobrega
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
César Milani
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
Fernando Dias
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Herbert Santana
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
César Milani
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
Natalianeto
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
Catir
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
Marcionedes De Souza
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
Lilia Nascimento
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Cintia Colotoni
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
isabelalexandrapinto
 
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Tecido Muscular
Tecido MuscularTecido Muscular
Tecido Muscular
Natalianeto
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Catir
 

Mais procurados (20)

Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
 
Histologia humana
Histologia humanaHistologia humana
Histologia humana
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11   Sistema urinário/excretor - anatomiaAula 11   Sistema urinário/excretor - anatomia
Aula 11 Sistema urinário/excretor - anatomia
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
 
SISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSOSISTEMA NERVOSO
SISTEMA NERVOSO
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
Aula sobre histologia
Aula sobre   histologiaAula sobre   histologia
Aula sobre histologia
 
Tecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humanoTecidos do corpo humano
Tecidos do corpo humano
 
Aula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologiaAula 1.1 noções básicas de histologia
Aula 1.1 noções básicas de histologia
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
 
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
 
Tecido Muscular
Tecido MuscularTecido Muscular
Tecido Muscular
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Destaque

Fisiologia do músculo estriado
Fisiologia do músculo estriadoFisiologia do músculo estriado
Fisiologia do músculo estriado
Caio Maximino
 
Fisiologia do músculo estriado II
Fisiologia do músculo estriado IIFisiologia do músculo estriado II
Fisiologia do músculo estriado II
Caio Maximino
 
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosPsicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Caio Maximino
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Operações estabelecedoras
Operações estabelecedorasOperações estabelecedoras
Operações estabelecedoras
Caio Maximino
 
Microanatomia das glândulas endócrinas
Microanatomia das glândulas endócrinasMicroanatomia das glândulas endócrinas
Microanatomia das glândulas endócrinas
Caio Maximino
 
Base celular da morfogênese
Base celular da morfogêneseBase celular da morfogênese
Base celular da morfogênese
Caio Maximino
 
Introdução ao estudo da fisiologia
Introdução ao estudo da fisiologiaIntrodução ao estudo da fisiologia
Introdução ao estudo da fisiologia
Caio Maximino
 
História das neurociências
História das neurociênciasHistória das neurociências
História das neurociências
Caio Maximino
 
Comportamento motivado/Funções superiores
Comportamento motivado/Funções superioresComportamento motivado/Funções superiores
Comportamento motivado/Funções superiores
Caio Maximino
 
Neurofisiologia do controle motor espinhal
Neurofisiologia do controle motor espinhalNeurofisiologia do controle motor espinhal
Neurofisiologia do controle motor espinhal
Caio Maximino
 
Funções do encéfalo - Comportamento motivado - Funções superiores
Funções do encéfalo - Comportamento motivado - Funções superioresFunções do encéfalo - Comportamento motivado - Funções superiores
Funções do encéfalo - Comportamento motivado - Funções superiores
Caio Maximino
 
Aula 11
Aula 11Aula 11
Aula 11
Caio Maximino
 
Introdução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaIntrodução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomia
Caio Maximino
 
Anatomia do rombencéfalo e mesencéfalo
Anatomia do rombencéfalo e mesencéfaloAnatomia do rombencéfalo e mesencéfalo
Anatomia do rombencéfalo e mesencéfalo
Caio Maximino
 
1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular
Professô Kyoshi
 
Histologia do tecido nervoso
Histologia do tecido nervosoHistologia do tecido nervoso
Histologia do tecido nervoso
Caio Maximino
 
Potencial de membrana e potencial de ação
Potencial de membrana e potencial de açãoPotencial de membrana e potencial de ação
Potencial de membrana e potencial de ação
Caio Maximino
 
Tecido conjuntivo e adiposo
Tecido conjuntivo e adiposoTecido conjuntivo e adiposo
Tecido conjuntivo e adiposo
Caio Maximino
 
Anatomia do sistema nervoso periférico
Anatomia do sistema nervoso periféricoAnatomia do sistema nervoso periférico
Anatomia do sistema nervoso periférico
Caio Maximino
 

Destaque (20)

Fisiologia do músculo estriado
Fisiologia do músculo estriadoFisiologia do músculo estriado
Fisiologia do músculo estriado
 
Fisiologia do músculo estriado II
Fisiologia do músculo estriado IIFisiologia do músculo estriado II
Fisiologia do músculo estriado II
 
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticosPsicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
Psicofarmacologia e psicoterapia dos transtornos psicóticos
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Operações estabelecedoras
Operações estabelecedorasOperações estabelecedoras
Operações estabelecedoras
 
Microanatomia das glândulas endócrinas
Microanatomia das glândulas endócrinasMicroanatomia das glândulas endócrinas
Microanatomia das glândulas endócrinas
 
Base celular da morfogênese
Base celular da morfogêneseBase celular da morfogênese
Base celular da morfogênese
 
Introdução ao estudo da fisiologia
Introdução ao estudo da fisiologiaIntrodução ao estudo da fisiologia
Introdução ao estudo da fisiologia
 
História das neurociências
História das neurociênciasHistória das neurociências
História das neurociências
 
Comportamento motivado/Funções superiores
Comportamento motivado/Funções superioresComportamento motivado/Funções superiores
Comportamento motivado/Funções superiores
 
Neurofisiologia do controle motor espinhal
Neurofisiologia do controle motor espinhalNeurofisiologia do controle motor espinhal
Neurofisiologia do controle motor espinhal
 
Funções do encéfalo - Comportamento motivado - Funções superiores
Funções do encéfalo - Comportamento motivado - Funções superioresFunções do encéfalo - Comportamento motivado - Funções superiores
Funções do encéfalo - Comportamento motivado - Funções superiores
 
Aula 11
Aula 11Aula 11
Aula 11
 
Introdução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomiaIntrodução à neuroanatomia
Introdução à neuroanatomia
 
Anatomia do rombencéfalo e mesencéfalo
Anatomia do rombencéfalo e mesencéfaloAnatomia do rombencéfalo e mesencéfalo
Anatomia do rombencéfalo e mesencéfalo
 
1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular1EM #34 Tecido muscular
1EM #34 Tecido muscular
 
Histologia do tecido nervoso
Histologia do tecido nervosoHistologia do tecido nervoso
Histologia do tecido nervoso
 
Potencial de membrana e potencial de ação
Potencial de membrana e potencial de açãoPotencial de membrana e potencial de ação
Potencial de membrana e potencial de ação
 
Tecido conjuntivo e adiposo
Tecido conjuntivo e adiposoTecido conjuntivo e adiposo
Tecido conjuntivo e adiposo
 
Anatomia do sistema nervoso periférico
Anatomia do sistema nervoso periféricoAnatomia do sistema nervoso periférico
Anatomia do sistema nervoso periférico
 

Semelhante a Tecido muscular

99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares
Maria Jaqueline Mesquita
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
Taioana Santos Cindy
 
Biologia - Tecido muscular.pptx
Biologia - Tecido muscular.pptxBiologia - Tecido muscular.pptx
Biologia - Tecido muscular.pptx
AlvaroRossettoDemarc
 
Conferencia de tecidos musculat e nervoso
Conferencia de tecidos musculat e nervosoConferencia de tecidos musculat e nervoso
Conferencia de tecidos musculat e nervoso
Raimundo Bany
 
Tecidos musculares
Tecidos muscularesTecidos musculares
Tecidos musculares
ANA LUCIA FARIAS
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
Mano BO
 
4,1 - TECIDOS HUMANOS (ARIVELTON)-1.pdf
4,1 - TECIDOS HUMANOS (ARIVELTON)-1.pdf4,1 - TECIDOS HUMANOS (ARIVELTON)-1.pdf
4,1 - TECIDOS HUMANOS (ARIVELTON)-1.pdf
SergioLucas24
 
12333
1233312333
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe GustavopptxPalestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Filipe Francisco
 
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICAAULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
MasterClassFITCursos
 
Aula 1 musculos esqueléticos
Aula 1 musculos esqueléticosAula 1 musculos esqueléticos
Aula 1 musculos esqueléticos
danieltoreta
 
Conferência no. 14 histologia
Conferência no. 14 histologiaConferência no. 14 histologia
Conferência no. 14 histologia
Raimundo Bany
 
Histol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivosHistol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivos
ANA LUCIA FARIAS
 
célula- tecido- órgãos e sistemas
célula- tecido- órgãos e sistemascélula- tecido- órgãos e sistemas
célula- tecido- órgãos e sistemas
Regina E Franck
 
Seminário de histologia
Seminário de histologiaSeminário de histologia
Seminário de histologia
Suzana Ribeiro
 
Atividade de Biologia Tecidual .pdf
Atividade de Biologia Tecidual .pdfAtividade de Biologia Tecidual .pdf
Atividade de Biologia Tecidual .pdf
ManoelaLorentzen
 
Anatomia do Aparelho Locomotor e Sistema Muscular.ppt
Anatomia do Aparelho Locomotor e Sistema Muscular.pptAnatomia do Aparelho Locomotor e Sistema Muscular.ppt
Anatomia do Aparelho Locomotor e Sistema Muscular.ppt
RenataMarinho31
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
ArtthurPereira2
 
Aula tecidos simplificado
Aula tecidos   simplificadoAula tecidos   simplificado
Aula tecidos simplificado
Myrian Reis
 
Aula 4 de Histologia - Tecido muscular
Aula 4 de Histologia - Tecido muscularAula 4 de Histologia - Tecido muscular
Aula 4 de Histologia - Tecido muscular
Julia Berardo
 

Semelhante a Tecido muscular (20)

99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares99257151 tecidos-musculares
99257151 tecidos-musculares
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Biologia - Tecido muscular.pptx
Biologia - Tecido muscular.pptxBiologia - Tecido muscular.pptx
Biologia - Tecido muscular.pptx
 
Conferencia de tecidos musculat e nervoso
Conferencia de tecidos musculat e nervosoConferencia de tecidos musculat e nervoso
Conferencia de tecidos musculat e nervoso
 
Tecidos musculares
Tecidos muscularesTecidos musculares
Tecidos musculares
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
4,1 - TECIDOS HUMANOS (ARIVELTON)-1.pdf
4,1 - TECIDOS HUMANOS (ARIVELTON)-1.pdf4,1 - TECIDOS HUMANOS (ARIVELTON)-1.pdf
4,1 - TECIDOS HUMANOS (ARIVELTON)-1.pdf
 
12333
1233312333
12333
 
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe GustavopptxPalestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
Palestra: Anatomia muscular.-Filipe Gustavopptx
 
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICAAULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
AULA 7 - HISTOLOGIA PARA EDUCAÇÃO FÍSICA
 
Aula 1 musculos esqueléticos
Aula 1 musculos esqueléticosAula 1 musculos esqueléticos
Aula 1 musculos esqueléticos
 
Conferência no. 14 histologia
Conferência no. 14 histologiaConferência no. 14 histologia
Conferência no. 14 histologia
 
Histol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivosHistol tecidos conjuntivos
Histol tecidos conjuntivos
 
célula- tecido- órgãos e sistemas
célula- tecido- órgãos e sistemascélula- tecido- órgãos e sistemas
célula- tecido- órgãos e sistemas
 
Seminário de histologia
Seminário de histologiaSeminário de histologia
Seminário de histologia
 
Atividade de Biologia Tecidual .pdf
Atividade de Biologia Tecidual .pdfAtividade de Biologia Tecidual .pdf
Atividade de Biologia Tecidual .pdf
 
Anatomia do Aparelho Locomotor e Sistema Muscular.ppt
Anatomia do Aparelho Locomotor e Sistema Muscular.pptAnatomia do Aparelho Locomotor e Sistema Muscular.ppt
Anatomia do Aparelho Locomotor e Sistema Muscular.ppt
 
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptxMIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
MIOLOGIA-ANATOMMIA HUMANA.pDRDRDDDDDDDptx
 
Aula tecidos simplificado
Aula tecidos   simplificadoAula tecidos   simplificado
Aula tecidos simplificado
 
Aula 4 de Histologia - Tecido muscular
Aula 4 de Histologia - Tecido muscularAula 4 de Histologia - Tecido muscular
Aula 4 de Histologia - Tecido muscular
 

Mais de Caio Maximino

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Caio Maximino
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Caio Maximino
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Caio Maximino
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
Caio Maximino
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Caio Maximino
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
Caio Maximino
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Caio Maximino
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
Caio Maximino
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
Caio Maximino
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
Caio Maximino
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Caio Maximino
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Caio Maximino
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Caio Maximino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Caio Maximino
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
Caio Maximino
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Caio Maximino
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
Caio Maximino
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
Caio Maximino
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Caio Maximino
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
Caio Maximino
 

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 

Último

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

Tecido muscular

  • 1. Tecido muscular Tecido muscular Prof. Dr. Caio Maximino Marabá/PA – 2015
  • 2. Tecido muscular Definição ● Originado do mesoderma, o tecido muscular é altamente especializado por apresentar as características de contratilidade e condutibilidade. Para isso, ocorre um enorme desenvolvimento do citoesqueleto durante a diferenciação celular. ● Por sua forma alongada, a célula muscular é chamada de fibra e é o componente contrátil. ● O tecido muscular relaciona-se intimamente com o tecido conjuntivo, que o envolve para trazer a vascularização e inervação, formando envoltórios como o endomísio, o perimísio e o epimísio. ● O tecido muscular divide-se em liso, estriado esquelético e estriado cardíaco. Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 3. Tecido muscular Funções do tecido muscular ● Propriedades – Excitabilidade – Contratibilidade – Extensibilidade – Elasticidade ● Funções – Produção dos movimentos – Estabilização das posições do corpo – Armazenamento e movimentação de substâncias dentro do corpo – Termogênese Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 4. Tecido muscular Tipos de células musculares ● Músculo estriado esquelético: feixes de células cilíndricas longas e multinucleadas com estrias transversais. Contração rápida e vigorosa sujeita ao controle voluntário. ● Músculo estriado cardíaco: células alongadas, com estrias transversais e ramificadas que se unem através dos discos intercalares. Contração involuntária, vigorosa e rítmica. ● Músculo liso: aglomerados de células fusiformes sem estrias. Contração lenta e involuntária. Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 5. Tecido muscular Tipos de células musculares Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 6. Tecido muscular Músculo esquelético ● Feixes de células longas, cilíndricas, multinucleadas e contendo miofibrilas. ● Nas fibras musculares estriadas esqueléticas os numerosos núcleos se localizam na periferia. ● Fibras organizadas em grupos de feixes envolvidos por uma camada de tecido conjuntivo que recobre o músculo inteiro. – Epimísio – Recobre todo o músculo – Perimísio – Envolve feixes de firbas – Endomísio – Envolve cada fibra muscular individualmente (lâmina basal) Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 7. Tecido muscular Organização da fibra muscular Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 8. Tecido muscular Envoltórios ● Mantém as fibras unidas e – permitem que a força de contração, gerada por cada fibra, atue sobre o músculo inteiro; – permitem que a força de contração do músculo seja transmitida a outras estruturas, tendões e ossos. – permitem que vasos sanguíneos penetrem no músculo entre as fibras. – possuem vasos linfáticos e nervos. ● Epimísio: tecido conjuntivo denso não-modelado. Envolve o músculo. ● Perimísio: tecido conjuntivo menos denso. Envolve os feixes. ● Endomísio: fibras reticulares + GAGs. Envolve cada fibra. Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 9. Tecido muscular Envoltórios Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 10. Tecido muscular Envoltórios Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 11. Tecido muscular Fibras musculares esqueléticas ● Fibras musculares esqueléticas mostram estriações transversais (alternância de faixas claras e escuras). – Faixa escura – anisotrópica; banda A – Faixa clara – isotrópica; banda I ● Estriações da miofibrila se devem à repetição de unidades iguais – sarcômeros. – Cada sarcômero é formado pela parte da miofibrila que fica entre duas linhas Z e contém uma banda A separando duas semibandas I. ● A banda A apresenta uma zona mais clara no seu centro, a banda H. Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 12. Tecido muscular Fibras musculares esqueléticas Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 13. Tecido muscular CORTE TRANSVERSAL CORTE LONGITUDINAL Lâmina 100x e 400x Língua (Hematoxilina-Eosina) Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 14. Tecido muscular Bandeamento de fibras musculares esqueléticas Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 15. Tecido muscular Microanatomia do músculo esquelético Túbulos T Núcleo Sarcoplasma R. sarcoplasmático Sarcolema Miofibrila Linha Z Linha Z SarcômeroMader, 2004 Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 16. Tecido muscular Sarcômeros e a contração Mader, 2004 Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 17. Tecido muscular A placa motora Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 18. Tecido muscular Ultraestrutura da junção neuromuscular Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 19. Tecido muscular Acoplamento excitação-contração ● Túbulos T – Canais de cálcio dependentes de voltagem – influxo de Ca2+ ● Retículo sarcoplasmático – Receptores rianodínicos – efluxo de Ca2+ para o citosol Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 20. Tecido muscular TroponinaActina Tropomiosina Ca2+ Ca2+ Sítios de ligação da miosina ADP + PO 4 2- ligado à ponte cruzada Complexo ADP + PO 4 2- + ponte cruzada se liga à actina Liberação do ADP + PO 4 2- faz com que a miosina se movimente, deslocando a actina Ligação do ATP leva a miosina de volta ao estado de repouso Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 21. Tecido muscular Músculo estriado cardíaco ● Contração involuntária e rítmica correntes de cálcio e potássio,→ corrente If ● Fibras alongadas, com estriações transversais. São mono ou binucleadas (o núcleo é mais centralizado), rodeado por um halo de glicogênio bastante evidente. São ramificadas e comunicam-se entre si. ● Discos intercalares = aparecem como linhas transversais nas fibras e são complexos juncionais, contendo, em sua ultra-estrutura, desmossomos, zonas de adesão e junções comunicantes. ● As junções comunicantes permitem as trocas iônicas entre fibras que fazem com que o coração trabalhe como um sincício. Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 22. Tecido muscular Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 23. Tecido muscular 400x Coração (Hematoxilina-Eosina) As fibras de Purkinje são facilmente diferenciáveis das outras fibras cardíacas pelo tamanho visivelmente maior, pela quantidade de glicogênio e pelas miofibrilas dispostas na periferia celular. São as células responsáveis por levar o estímulo a todas as células do miocárdio. Junções comunicantes  Trocas iônicas Desmossomos e Zonas de Adesão  aderência entre as fibras ESQUEMA DE DISCO INTERCALAR CORTE LONGITUDINAL CORTE TRANSVERSAL Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 24. Tecido muscular Músculo liso ● Citoesqueleto não apresenta a delicada organização do músculo estriado, portanto não se vê estriações transversais. ● Sua contração é involuntária. A ação é mais vagarosa, porém mais constante e ritmada. ● As células do músculo liso são fusiformes e de tamanho variável de acordo com sua localização, sendo decididamente menores que as fibras estriadas. São mononucleadas, com núcleo mediano e excêntrico, de forma cilíndrica porém com as extremidades afiladas, podendo ter vários nucléolos. Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 25. Tecido muscular Músculo liso Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso
  • 26. Tecido muscular O Plexo mioentérico (Auerbach) localiza- se entre as duas camadas musculares e é responsável por coordenar os estímulos da cadeia simpática no trato gastrointestinal. CORTE LONGITUDINAL CORTE TRANSVERSAL Lâmina J7.3 100x e 400x Intestino Delgado (Hematoxilina-Eosina) Corpos de Neurônios Tipos de células Definições e funções Fibras M. esquelético Envoltórios Contração M. cardíaco M. liso