SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Os Lusíadas
Narrativaépicaque faz umaleituramíticada Históriade Portugal.Emestiloelevado,cantaumaação heróica
passadae analisaosacontecimentosfuturos,cujavisãoosdeusessãocapazesde antecipar.
 Herói coletivo- o povo português, osseusfeitosgloriosose acontecimentos históricosmais
significativos;
 Epopeiado iníciodo Império(séculosXVI,1572) - narrativa emverso,com característicasclássicasa
nível da estruturae do estilo,que narraos feitosgrandiososde umherói com interesse paratodaa
Humanidade;
1) Proposição: poeta propõe-se a exaltar os feitos dos portugueses;
2) Invocação: poeta pede ajuda às ninfas;
3) Dedicatória: poeta dedica a sua obra a D. Sebastião;
4) Narração: poeta relata a descoberta do caminho marítimo para a Índia pelos navegadores
portugueses liderados por Vasco da Gama
 Fontesliterárias:“Odisseia”de Homeroe “Eneida”de Virgílio
 Sebastianismoinicial - exaltaçãode D.Sebastião,paraquemse anunciaum destinoglorioso;
 A recompensa- os heróistêmacessoàIlha dosAmores,prémiosimbólicodaheroicidade
conquistada;
 o tom didáticodopoemapresente nasreflexõesdoPoeta:
1) a efemeridade davidae os limitesdacondiçãohumana
2) a crítica ao menosprezodasArtese dasLetras
3) o valorda virtude e da honra conseguidasporméritopróprio
4) a ingratidãoda Pátriaque,nãoreconhecendooméritodoPoeta,inviabilizaoaparecimentode
futurosescritores
5) a denúnciadoefeitocorruptordodinheiro
6) a confiançanas capacidadeshumanasparaatingira verdadeiravirtude
Traduz as façanhase o espíritodopovoportuguês(capazde trazer ao conhecimentodaEuropae da
Humanidade povosdesconhecidos,lugaresignoradose inóspitose oscaminhosmarítimosparaligaros cinco
continentes). OsLusíadasnãocontam apenasa viagemmarítimae a Históriaportuguesa,masrevelam
também,oespíritodo homemdaRenascençaque acreditana experiênciae narazão.A Ilhados Amoresé,
no fimda obra,o símboloda capacidade dosPortuguesesnaexploraçãodosmares,graçasàs experiências
marítimase ao seuespíritode aventura,masigualmente,àsuavontade indómitade conhecere estabelecer
harmoniano planeta,aproximandooOriente e oOcidente.
O poetapretende conceder,atravésdestaobra,odireitoà imortalidadedosnautasportuguesespelosseus
feitoshistóricos.
Estrutura externa:
 10 cantos; Oitavas; Versos decassilábicos; Esquema rimático: ABABABCC
 4 Planos: do poeta; da viagem; da mitologia; da história de Portugal
Estrutura interna
Introdução
 Proposição
 Invocaçãoàs Tágides,a Calíope,àsninfasdoTejoe do Mondego e de novoa Calíope
 DedicatóriaaD. Sebastião
Desenvolvimento
 A viagem;Osdeuses/Omitológico - açãocentral (narrada pelopoetaemalternância)
 A Históriade Portugal - ação secundária(encaixadanaViageme narradapor Vascoda Gama/Paulo
Gama) - Discursosque relatamepisódiospassadosrelativamente ao cursoda viagem
 Consideraçõesdopoeta- (normalmente nofinal de cadacanto)
Plano da viagem: constitui aação central relacionadacoma descobertadocaminhomarítimopara a Índia,
chefiadaporVascoda Gama.
Plano mitológico:intervençõesdosdeusesdoOlimponaviagem, emalternânciacoma ação principal.
O destinoprofético:
 Profeciasde Júpiter(cantosIe II)
 ProfeciasnoConsíliodosDeusesmarítimos (c.VI)
 ProfeciasnaIlhados Amores (c.X)
O destinoprofético (entre ovividoe oimaginário):
 SonhoProféticode D.Manuel (c. IV)
 Maldiçãodo Adamastor(c. V)
Génerolírico:
 a fragilidade davidahumana(c.I)
 as lamentaçõesdopoeta- face aos que desprezamapoesia(c.V)
 o valorda glória(c. VI) e o poderdo ouro (c.VIII)
 a exortaçãoaos que aspiramà imortalidade (c.IX),aorei e às futurasglórias(c. X)
 a crítica à sociedade doseutempo - materialismo,corrupção,injustiça...
Plano da História de Portugal: encaixadonoplanodaviagem.
Plano das reflexõesdopoeta: consideraçõesde Camões,normalmentenofinal de cadacanto,fazendo
váriascríticas (nomeadamenteàignorância,desprezopelacultura,ambiçãodesmensurada,podertirânico,
hipocrisia,exploraçãodospobres,podercorruptodoouro),e defendendoummodelode homemideal que
ganhará o direitoaser recebidonaIlhade Vénus.
Episódios
Episódio- é uma pequenanarrativa,comintrodução,desenvolvimentoe conclusão,que se relaciona
diretamente comatrama principal,contribuindoparaenriquecê-laouaté mesmoexplicá-la.
Surgeminseridosnanarrativacentral comoformade embelezarotexto,quebraramonotonia,dar
dinamismoe enriqueceraobra.
1) EpisódiosMitológicos
 ConsíliodosDeusesno Olimpo – os deusesreúnem-senoOlimpoparadecidirodestinodos
portugueses.
 Pedidode Vénusa Júpiter– Vénusintercede juntode Júpiter,a favordosportugueses.
 ConsíliodosDeusesmarinhos – Baco consegue convencerosdeusesmarinhosaprovocaremuma
tempestade paraafundara armada portuguesa.
 Váriasintervençõesde Vénuse Baco
2) EpisódiosBélicos
 Batalha de Ourique – relatohistóricodaBatalha de Ourique,travadacontraos mouros,durante o
reinadode D. AfonsoHenriques.
 Batalha do Salado – D. AfonsoIV intercedeafavorde Castela,que haviasidoinvadidapelosMouros.
 Batalha de Aljubarrota – Batalha travadacontra o Rei de Castela, que pretendiatomaroreino
português.Portugal sai vencedorgraçasà bravurade D. João,Mestre de Avise de D. NunoÁlvares
Pereira.
3) EpisódiosLíricos
 FormosíssimaMaria – filhade D. AfonsoIV e rainhade Castela,apelaa seupai que auxilie Castela,
na lutacontra os Mouros.
 Inêsde Castro – relatoda morte de D. Inêsde Castro, amante de D. Pedro,que é condenadaà morte
por D. AfonsoIV.
4) EpisódiosNaturalistas/Descritivo-pictóricos
 Fogo de Santelmo – relatode um fenómenometeorológiconatural, que ocorre durante aviagem.
Consiste numadescargaelétricaluminosa.
 Tromba Marítima – relatode umfenómenometeorológicosemelhanteaumtornado,mas de
menordimensão.
 O escorbuto – relatoda doençaque assolaa tripulação,matandoumnúmeromuitoelevadode
marinheiros.
 A Tempestade – relatoda tempestade que se abate sobre aarmada de Vasco da Gama, durante o
ConsíliodosDeusesMarinhos.A tempestade terminagraçasà intervençãode Vénus,que solicitaa
ajudadas "ninfasamorosas".
5) Episódios Simbólicos
 Sonho proféticode D. Manuel – D. Manuel temum sonhoproféticocomossucessose perigosdos
portuguesesnoOriente.Este sonhoincentivaD.Manuel a enviarVascoda Gama e a sua armada em
busca docaminhomarítimo para a Índia.
 Velhodo Restelo– No diada partidada armada, um velhosurge nocaise falasobre os
Descobrimentos.Éa voz dobom senso,que adverte parao perigode tal empreendimento.
 O Gigante Adamastor – na passagempeloCabodas Tormentas(posteriormente apelidadode Cabo
da Boa Esperança),osportuguesessãoconfrontadoscomo Gigante Adamastor,que ameaçaa
continuaçãoda viagem.OGigante simbolizaomedododesconhecido.
 A Ilha dos Amores – noregressoa Portugal,Vascoda Gama e a sua armada são conduzidosàIlha
dos Amores.Estaé uma ilhade deleitese consideradaarecompensapeloesforçoe coragemde um
povo.Aqui,Tétismostraa Gama a Grande Máquinado Mundo e o futurodopovoportuguês.
Simbolizaosonho,arecompensa,aimortalidade (oHomemascende aolugardosdeuses).
As personagens:
 do planoda viagem:VascodaGama
 do planomitológico:Júpiter,Vénus,Baco
 do planoda História:D.AfonsoHenriques,D.AfonsoIV,Inêsde Castro,D.Manuel,Adamastor,
VelhodoRestelo
A Mensagem
FernandoPessoa,no poemaépico-lírico,canta,de formafragmentáriae numaatitude introspetiva,o
impérioterritorial,masretratao Portugal que "faltacumprir-se",que se encontraemdeclínioanecessitar
de uma força anímica. Projeta-nosnumadimensãocíclicacentradana esperançade um novorecomeço.
Características:
 Nas duasprimeiraspartesdaMensagem é possível umdiálogocom OsLusíadas;emO Encoberto,
Pessoasitua-se nomomentoemque oImpérioPortuguêsparece desmoronar-seporcompletoe,
assume,então,ocargo de anunciadorde umnovociclo que se anuncia,o QuintoImpério,que não
precisade ser material,mascivilizacional.
 Procura anunciarum novoimpériocivilizacional.O“intensosofrimentopatriótico”leva-oaantever
um impérioque se encontraparaalémdo material.
Estrutura tripartida da Mensagem:
 Nascimento
 Vida
 Morte/renascimento
Os 44 poemasque constituema Mensagem encontram-se agrupadosemtrêspartes:
1ª Parte – Brasão (construtoresdo Império) - Corresponde aonascimento,comreferência aosmitose
figurashistóricasaté D. Sebastião,identificadasnoselementosdosbrasões.Dá-noscontadoPortugal
erguidopeloesforçodosheróise destinadoagrandesfeitos.
2ª Parte – Mar Português(o sonho marítimo e a obra das descobertas) - Surge a realizaçãoe a vida;refere
personalidadese acontecimentosdosDescobrimentosque exigiramumalutacontrao desconhecidoe os
elementosnaturais.Expansãode Portugal nomundo,passandopelosDescobrimentose terminandocomo
declínio.
3ª Parte – O Encoberto (encobrimentoresultante damorte e ligação ao messianismo) - Representaa
esperançanumfuturoassociadoa um messiase aomitosebastianista,atravésdaressurreição,que nos
impulsionaparaum QuintoImpérionumdomínioespiritual - antecipaçãoproféticade umacontecimento
grandiosoque estáescritonodestinoportuguês.
Os Lusíadas e a Mensagem
 Cantam de perspetivasdiferentesagrandezade Portugal e o sentimentoportuguês;
 Camõesprocura perpetuaramemóriade todosos heróisque construíramo ImpérioPortuguês;
FernandoPessoadescobre apredestinaçãodessesheróis,paraencontrarumnovo heroísmoque
exige grandezade almae capacidade de sonhar,quandoo mesmoImpériose mostramoribundo.;
 Em Lusíadas,Camõesconsegui fazerasíntese entre omundopagãoe o mundocristão;na
Mensagem,Pessoaprocuraaharmoniaentre o mundopagão,o mundocristãoe o mundo
esotérico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoericahomemmelo
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castroQuezia Neves
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoquintaldasletras
 
D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalGonaloNuno2
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasclaudiarmarques
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemInesa M
 

Mais procurados (20)

Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 anoEsquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
Esquema de Frei Luís de Sousa - Português 11 ano
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Episódio de inês de castro
Episódio de inês de castroEpisódio de inês de castro
Episódio de inês de castro
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugal
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 

Destaque

Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Raffaella Ergün
 
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)Raffaella Ergün
 
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaRaffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Raffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasRaffaella Ergün
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeRaffaella Ergün
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Raffaella Ergün
 
resumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoresumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoLia Treacy
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaRaffaella Ergün
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalRaffaella Ergün
 
Material introdução a economia 11º ano ii ciclo ensino geral angola
Material introdução a economia 11º ano   ii ciclo ensino geral angolaMaterial introdução a economia 11º ano   ii ciclo ensino geral angola
Material introdução a economia 11º ano ii ciclo ensino geral angolaJanísio Salomao
 

Destaque (20)

U.E em 12 lições
U.E em 12 liçõesU.E em 12 lições
U.E em 12 lições
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (2ª parte)
 
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
Resumos 10ºano - Economia A (1ª parte)
 
Central Business District
Central Business DistrictCentral Business District
Central Business District
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos PeixesResumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
Resumos de Português: Sermão de Santo António aos Peixes
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Camões lírico teoria
Camões lírico teoriaCamões lírico teoria
Camões lírico teoria
 
Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!Resumos de Português: Felizmente há luar!
Resumos de Português: Felizmente há luar!
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
 
Resumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os MaiasResumos de Português: Os Maias
Resumos de Português: Os Maias
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (1ª parte)
 
resumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º períodoresumo 12º ano economia c 1º período
resumo 12º ano economia c 1º período
 
Como funciona a União Europeia
Como funciona a União EuropeiaComo funciona a União Europeia
Como funciona a União Europeia
 
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacionalResumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
Resumos Economia A 11º ano: Contabilidade nacional
 
Material introdução a economia 11º ano ii ciclo ensino geral angola
Material introdução a economia 11º ano   ii ciclo ensino geral angolaMaterial introdução a economia 11º ano   ii ciclo ensino geral angola
Material introdução a economia 11º ano ii ciclo ensino geral angola
 

Semelhante a Resumos de Português: Os Lusíadas

Lusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisLusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisMariaGuida
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasCarla Ribeiro
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte ALurdes Augusto
 
Os Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesGijasilvelitz 2
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFernanda Soares
 
A estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasA estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasquintaldasletras
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfPaula Vieira
 
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2  bim - ENSINO MÉDIOProva 2  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIOJomari
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasAntónio Teixeira
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesAntónio Fraga
 

Semelhante a Resumos de Português: Os Lusíadas (20)

Estrutura d'Os Lusíadas
Estrutura d'Os LusíadasEstrutura d'Os Lusíadas
Estrutura d'Os Lusíadas
 
Lusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciaisLusiadas pontosessenciais
Lusiadas pontosessenciais
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
Os Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de CamõesOs Lusíadas de Luís de Camões
Os Lusíadas de Luís de Camões
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos IntrodutoriosFt21 Lusiadas Textos Introdutorios
Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios
 
A estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadasA estrutura d` os lusíadas
A estrutura d` os lusíadas
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
 
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2  bim - ENSINO MÉDIOProva 2  bim - ENSINO MÉDIO
Prova 2 bim - ENSINO MÉDIO
 
OS Lusíadas
OS LusíadasOS Lusíadas
OS Lusíadas
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
Os lusiadas resumo
Os lusiadas resumoOs lusiadas resumo
Os lusiadas resumo
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camões
 

Mais de Raffaella Ergün

Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaRaffaella Ergün
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Raffaella Ergün
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaRaffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesRaffaella Ergün
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasRaffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosRaffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloRaffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarRaffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoRaffaella Ergün
 

Mais de Raffaella Ergün (9)

Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
 
Economia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União EuropeiaEconomia A 11º ano - União Europeia
Economia A 11º ano - União Europeia
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 

Último

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 

Último (20)

Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 

Resumos de Português: Os Lusíadas

  • 1. Os Lusíadas Narrativaépicaque faz umaleituramíticada Históriade Portugal.Emestiloelevado,cantaumaação heróica passadae analisaosacontecimentosfuturos,cujavisãoosdeusessãocapazesde antecipar.  Herói coletivo- o povo português, osseusfeitosgloriosose acontecimentos históricosmais significativos;  Epopeiado iníciodo Império(séculosXVI,1572) - narrativa emverso,com característicasclássicasa nível da estruturae do estilo,que narraos feitosgrandiososde umherói com interesse paratodaa Humanidade; 1) Proposição: poeta propõe-se a exaltar os feitos dos portugueses; 2) Invocação: poeta pede ajuda às ninfas; 3) Dedicatória: poeta dedica a sua obra a D. Sebastião; 4) Narração: poeta relata a descoberta do caminho marítimo para a Índia pelos navegadores portugueses liderados por Vasco da Gama  Fontesliterárias:“Odisseia”de Homeroe “Eneida”de Virgílio  Sebastianismoinicial - exaltaçãode D.Sebastião,paraquemse anunciaum destinoglorioso;  A recompensa- os heróistêmacessoàIlha dosAmores,prémiosimbólicodaheroicidade conquistada;  o tom didáticodopoemapresente nasreflexõesdoPoeta: 1) a efemeridade davidae os limitesdacondiçãohumana 2) a crítica ao menosprezodasArtese dasLetras 3) o valorda virtude e da honra conseguidasporméritopróprio 4) a ingratidãoda Pátriaque,nãoreconhecendooméritodoPoeta,inviabilizaoaparecimentode futurosescritores 5) a denúnciadoefeitocorruptordodinheiro 6) a confiançanas capacidadeshumanasparaatingira verdadeiravirtude Traduz as façanhase o espíritodopovoportuguês(capazde trazer ao conhecimentodaEuropae da Humanidade povosdesconhecidos,lugaresignoradose inóspitose oscaminhosmarítimosparaligaros cinco continentes). OsLusíadasnãocontam apenasa viagemmarítimae a Históriaportuguesa,masrevelam também,oespíritodo homemdaRenascençaque acreditana experiênciae narazão.A Ilhados Amoresé, no fimda obra,o símboloda capacidade dosPortuguesesnaexploraçãodosmares,graçasàs experiências marítimase ao seuespíritode aventura,masigualmente,àsuavontade indómitade conhecere estabelecer harmoniano planeta,aproximandooOriente e oOcidente. O poetapretende conceder,atravésdestaobra,odireitoà imortalidadedosnautasportuguesespelosseus feitoshistóricos.
  • 2. Estrutura externa:  10 cantos; Oitavas; Versos decassilábicos; Esquema rimático: ABABABCC  4 Planos: do poeta; da viagem; da mitologia; da história de Portugal Estrutura interna Introdução  Proposição  Invocaçãoàs Tágides,a Calíope,àsninfasdoTejoe do Mondego e de novoa Calíope  DedicatóriaaD. Sebastião Desenvolvimento  A viagem;Osdeuses/Omitológico - açãocentral (narrada pelopoetaemalternância)  A Históriade Portugal - ação secundária(encaixadanaViageme narradapor Vascoda Gama/Paulo Gama) - Discursosque relatamepisódiospassadosrelativamente ao cursoda viagem  Consideraçõesdopoeta- (normalmente nofinal de cadacanto) Plano da viagem: constitui aação central relacionadacoma descobertadocaminhomarítimopara a Índia, chefiadaporVascoda Gama. Plano mitológico:intervençõesdosdeusesdoOlimponaviagem, emalternânciacoma ação principal. O destinoprofético:  Profeciasde Júpiter(cantosIe II)  ProfeciasnoConsíliodosDeusesmarítimos (c.VI)  ProfeciasnaIlhados Amores (c.X) O destinoprofético (entre ovividoe oimaginário):  SonhoProféticode D.Manuel (c. IV)  Maldiçãodo Adamastor(c. V) Génerolírico:  a fragilidade davidahumana(c.I)  as lamentaçõesdopoeta- face aos que desprezamapoesia(c.V)  o valorda glória(c. VI) e o poderdo ouro (c.VIII)  a exortaçãoaos que aspiramà imortalidade (c.IX),aorei e às futurasglórias(c. X)  a crítica à sociedade doseutempo - materialismo,corrupção,injustiça...
  • 3. Plano da História de Portugal: encaixadonoplanodaviagem. Plano das reflexõesdopoeta: consideraçõesde Camões,normalmentenofinal de cadacanto,fazendo váriascríticas (nomeadamenteàignorância,desprezopelacultura,ambiçãodesmensurada,podertirânico, hipocrisia,exploraçãodospobres,podercorruptodoouro),e defendendoummodelode homemideal que ganhará o direitoaser recebidonaIlhade Vénus. Episódios Episódio- é uma pequenanarrativa,comintrodução,desenvolvimentoe conclusão,que se relaciona diretamente comatrama principal,contribuindoparaenriquecê-laouaté mesmoexplicá-la. Surgeminseridosnanarrativacentral comoformade embelezarotexto,quebraramonotonia,dar dinamismoe enriqueceraobra. 1) EpisódiosMitológicos  ConsíliodosDeusesno Olimpo – os deusesreúnem-senoOlimpoparadecidirodestinodos portugueses.  Pedidode Vénusa Júpiter– Vénusintercede juntode Júpiter,a favordosportugueses.  ConsíliodosDeusesmarinhos – Baco consegue convencerosdeusesmarinhosaprovocaremuma tempestade paraafundara armada portuguesa.  Váriasintervençõesde Vénuse Baco 2) EpisódiosBélicos  Batalha de Ourique – relatohistóricodaBatalha de Ourique,travadacontraos mouros,durante o reinadode D. AfonsoHenriques.  Batalha do Salado – D. AfonsoIV intercedeafavorde Castela,que haviasidoinvadidapelosMouros.  Batalha de Aljubarrota – Batalha travadacontra o Rei de Castela, que pretendiatomaroreino português.Portugal sai vencedorgraçasà bravurade D. João,Mestre de Avise de D. NunoÁlvares Pereira. 3) EpisódiosLíricos  FormosíssimaMaria – filhade D. AfonsoIV e rainhade Castela,apelaa seupai que auxilie Castela, na lutacontra os Mouros.  Inêsde Castro – relatoda morte de D. Inêsde Castro, amante de D. Pedro,que é condenadaà morte por D. AfonsoIV. 4) EpisódiosNaturalistas/Descritivo-pictóricos  Fogo de Santelmo – relatode um fenómenometeorológiconatural, que ocorre durante aviagem. Consiste numadescargaelétricaluminosa.  Tromba Marítima – relatode umfenómenometeorológicosemelhanteaumtornado,mas de menordimensão.  O escorbuto – relatoda doençaque assolaa tripulação,matandoumnúmeromuitoelevadode marinheiros.  A Tempestade – relatoda tempestade que se abate sobre aarmada de Vasco da Gama, durante o ConsíliodosDeusesMarinhos.A tempestade terminagraçasà intervençãode Vénus,que solicitaa ajudadas "ninfasamorosas".
  • 4. 5) Episódios Simbólicos  Sonho proféticode D. Manuel – D. Manuel temum sonhoproféticocomossucessose perigosdos portuguesesnoOriente.Este sonhoincentivaD.Manuel a enviarVascoda Gama e a sua armada em busca docaminhomarítimo para a Índia.  Velhodo Restelo– No diada partidada armada, um velhosurge nocaise falasobre os Descobrimentos.Éa voz dobom senso,que adverte parao perigode tal empreendimento.  O Gigante Adamastor – na passagempeloCabodas Tormentas(posteriormente apelidadode Cabo da Boa Esperança),osportuguesessãoconfrontadoscomo Gigante Adamastor,que ameaçaa continuaçãoda viagem.OGigante simbolizaomedododesconhecido.  A Ilha dos Amores – noregressoa Portugal,Vascoda Gama e a sua armada são conduzidosàIlha dos Amores.Estaé uma ilhade deleitese consideradaarecompensapeloesforçoe coragemde um povo.Aqui,Tétismostraa Gama a Grande Máquinado Mundo e o futurodopovoportuguês. Simbolizaosonho,arecompensa,aimortalidade (oHomemascende aolugardosdeuses). As personagens:  do planoda viagem:VascodaGama  do planomitológico:Júpiter,Vénus,Baco  do planoda História:D.AfonsoHenriques,D.AfonsoIV,Inêsde Castro,D.Manuel,Adamastor, VelhodoRestelo
  • 5. A Mensagem FernandoPessoa,no poemaépico-lírico,canta,de formafragmentáriae numaatitude introspetiva,o impérioterritorial,masretratao Portugal que "faltacumprir-se",que se encontraemdeclínioanecessitar de uma força anímica. Projeta-nosnumadimensãocíclicacentradana esperançade um novorecomeço. Características:  Nas duasprimeiraspartesdaMensagem é possível umdiálogocom OsLusíadas;emO Encoberto, Pessoasitua-se nomomentoemque oImpérioPortuguêsparece desmoronar-seporcompletoe, assume,então,ocargo de anunciadorde umnovociclo que se anuncia,o QuintoImpério,que não precisade ser material,mascivilizacional.  Procura anunciarum novoimpériocivilizacional.O“intensosofrimentopatriótico”leva-oaantever um impérioque se encontraparaalémdo material. Estrutura tripartida da Mensagem:  Nascimento  Vida  Morte/renascimento Os 44 poemasque constituema Mensagem encontram-se agrupadosemtrêspartes: 1ª Parte – Brasão (construtoresdo Império) - Corresponde aonascimento,comreferência aosmitose figurashistóricasaté D. Sebastião,identificadasnoselementosdosbrasões.Dá-noscontadoPortugal erguidopeloesforçodosheróise destinadoagrandesfeitos. 2ª Parte – Mar Português(o sonho marítimo e a obra das descobertas) - Surge a realizaçãoe a vida;refere personalidadese acontecimentosdosDescobrimentosque exigiramumalutacontrao desconhecidoe os elementosnaturais.Expansãode Portugal nomundo,passandopelosDescobrimentose terminandocomo declínio. 3ª Parte – O Encoberto (encobrimentoresultante damorte e ligação ao messianismo) - Representaa esperançanumfuturoassociadoa um messiase aomitosebastianista,atravésdaressurreição,que nos impulsionaparaum QuintoImpérionumdomínioespiritual - antecipaçãoproféticade umacontecimento grandiosoque estáescritonodestinoportuguês.
  • 6. Os Lusíadas e a Mensagem  Cantam de perspetivasdiferentesagrandezade Portugal e o sentimentoportuguês;  Camõesprocura perpetuaramemóriade todosos heróisque construíramo ImpérioPortuguês; FernandoPessoadescobre apredestinaçãodessesheróis,paraencontrarumnovo heroísmoque exige grandezade almae capacidade de sonhar,quandoo mesmoImpériose mostramoribundo.;  Em Lusíadas,Camõesconsegui fazerasíntese entre omundopagãoe o mundocristão;na Mensagem,Pessoaprocuraaharmoniaentre o mundopagão,o mundocristãoe o mundo esotérico.