SlideShare uma empresa Scribd logo
OS LUSIADAS
            Luis de camoes
 Presentacion hecha por: Ronald Simoes
LUIS DE CAMOES

 Luís Vaz de Camões o Camoens- Lisboa - 1524 - 1580

 fue escritor y poeta portugues , considerado como uno de los
mayores poetas en lengua portuguesa ; también escribió algunos
sonetos en castellano.
LA OBRA
LA ESTRUCTURA EXTERNA
 Se refiere al análisis formal del poema: el número de estrofas, el número de líneas por estrofa,
número de sílabas métricas, tipos de rima, el ritmo, las figuras de dicción:


   * Los Lusiadas consta de diez partes, llamadas las canciones líricas;
       Cada rincón tiene un número variable de versos (promedio 110);
        Las estaciones se encuentran en la octava, lo que tiene ocho versos, la rima se cruza en los
primeros seis versos y vinculado en los últimos dos (AB AB AB CC)
        Cada línea se compone de diez sílabas métricas (decasílabo), en su mayoría heroicos (sílabas
acentuadas en el 6 º y 10 º )
INÍCIO DO DISCURSO DE JUPITER.
                    CANTO I, ESTROFE 24.

 “Eternos moradores do luzente A           8 versos
Estelífero pólo, e claro assento, B
Se do grande valor da forte gente A
De Luso não perdeis o pensamento, B
Deveis de ter sabido claramente, A
Como é dos fados grandes certo intento, B
Que por ela se esqueçam os humanos C
De Assírios, Persas, Gregos e Romanos.” C
ESTRUTURA INTERNA
 Este trabajo muestra que es una epopeya clásica divide en cuatro partes:
1) Propuesta - introducción, presentación del tema y los héroes (1-3 estrofas del
Canto I);
2) Invocación - el poeta invoca a las ninfas del Tajo y les pide que la inspiración para
escribir (versos 4 y 5 del Canto I);
3) Dedicación - el poeta dedica la obra al rey Sebastián (versículos 6-18 del Canto I);
4) Narrativa - el relato de la travesía, comenzando por el centro de la acción de ir atrás
en el tiempo para explicar lo sucedido hasta ahora en el viaje de Vasco de Gama y la
historia de Portugal, y luego proceder a la línea de tiempo.
VASCO DE GAMA
LA EPOPEYA

 La epopeya es un subgénero épico, escrito la mayor parte de las
veces en verso largo (hexámetro), o prosa, consiste en la narración
extensa de acciones trascendentales o dignas de memoria para un
pueblo en torno a la figura de un héroe que representa sus virtudes de
más estima; en ella intervienen muchas veces los dioses y existen
elementos fantásticos
LA EPICA

 La épica leyenda perpetúa un texto en prosa que le da su mensaje
acerca de las tradiciones centenarias y preservarlas en el tiempo por la
tradición oral o escrita. La primera gran epopeya de los modelos
occidentales son los poemas homéricos de la Ilíada y la Odisea, que
tienen su origen en las leyendas sobre la guerra de Troya.
 La Epica es un poema narrativo extenso heroica, una colección de
eventos, hechos históricos, de una o varias personas, reales,
legendarios o mitológicos.

 Asi en los Lusiadas hay una comparación constante con los
romanos, acerca de la evolución, el conocimiento y la verdadera
lengua Latina: el portugues.
TEMAS

 El vaije de Vasco da Gama a las Indias.
LOS DIOSES
BACO

 Enemigo de los portugueses
LA TORMENTA DE LOS DIOSES

 “O céu fere com gritos nisto a gente,
 Com súbito temor e desacordo,
 Que, no romper da vela, a nau pendente
 Toma grã suma d'água pelo bordo:
 "Alija, disse o mestre rijamente,
 Alija tudo ao mar; não falte acordo.
 Vão outros dar à bomba, não cessando;
 A bomba, que nos imos alagando!"”
 — A tempestade, Canto VI, estrofe 72
VENUS

 Amiga de los Portugueses

 Ayuda a Vasco da Gama y les lleva a las isla de las

Ninfas.
VENUS

 Ahora viendo la flota con seguridad a su regreso a Portugal, Venus
pide la ayuda de su hijo Cupido a unirse al amor y el dolor de las
Nereidas con las flechas del amor. Con las ninfas Tetis y bajo esta
influencia, se pone una isla mística en la ruta de los portugueses, y ella
trae a los amantes.
“Ó que famintos beijos na floresta,
E que mimoso choro que soava!
Que afagos tão suaves, que ira honesta,
Que em risinhos alegres se tornava!
O que mais passam na manhã, e na sesta,
Que Vénus com prazeres inflamava,
Melhor é experimentá-lo que julgá-lo,
Mas julgue-o quem não pode experimentá-lo.”
— A Ilha dos Amores. Canto IX, estrofe 83
 Canto I
 O poeta indica o assunto global da obra, pede inspiração às ninfas do Tejo e dedica
o poema ao Rei D. Sebastião. Na estrofe 19 inicia a narração de viagem de Vasco da
Gama, referindo brevemente que a Armada já se encontra no Oceano Índico, no
momento em que os deuses do Olimpo se reúnem em Concílio convocado por Júpiter,
para decidirem se os Portugueses deverão chegar à Índia.
 Com o apoio de Vénus e Marte e apesar da oposição de Baco, a decisão é favorável
aos Portugueses que, entretanto, chegam à Ilha de Moçambique. Aí Baco prepara-lhes
várias ciladas que culminam com o fornecimento de um piloto por ele instruído para os
conduzir ao perigoso porto de Quíloa. Vénus intervém, afastando a armada do perigo
e fazendo-a retomar o caminho certo até Mombaça. No final do Canto, o poeta
reflecte acerca dos perigos que em toda a parte espreitam o Homem.
 Canto II
 O rei de Mombaça, influenciado por Baco, convida os Portugueses a entrar no porto para os destruir. Vasco da
Gama, ignorando as intenções, aceita o convite, pois os dois condenados que mandara a terra colher informações
tinham regressado com uma boa notícia de ser aquela uma terra de cristãos. Na verdade, tinham sido enganados
por Baco, disfarçado de sacerdote. Vénus, ajudada pelas Nereidas, afasta a Armada, da qual se põem em fuga os
emissários do Rei de Mombaça e o falso piloto.
 Vasco da Gama, apercebendo-se do perigo que corria, dirige uma prece a Deus. Vénus comove-se e vai pedir a
Júpiter que proteja os Portugueses, ao que ele acede e, para a consolar, profetiza futuras glórias aos Lusitanos. Na
sequência do pedido, Mercúrio é enviado a terra e, em sonhos, indica a Vasco da Gama o caminho até Melinde
onde, entretanto, lhe prepara uma calorosa recepção. A chegada dos Portugueses a Melinde é efectivamente
saudada com festejos e o Rei desta cidade visita a Armada, pedindo a Vasco da Gama que lhe conte a história do
seu país.
 Canto III
 Após uma invocação do poeta a Calíope, Vasco da Gama inicia a narrativa da
História de Portugal. Começa por referir a situação de Portugal na Europa e a
lendária história de Luso a Viriato. Segue-se a formação da nacionalidade e depois a
enumeração dos feitos guerreiros dos Reis da 1.ª Dinastia, de D. Afonso Henriques
a D. Fernando.
 Destacam-se os episódios de Egas Moniz e da Batalha de Ourique, no reinado
de D. Afonso Henriques, e o da Formosíssima Maria, da Batalha do Salado e de Inês
de Castro, no reinado de D. Afonso IV.
    Canto IV
    Vasco da Gama prossegue a narrativa da História de Portugal. Conta agora a história da 2.ª Dinastia, desde a
revolução de 1383-85, até ao momento, do reinado de D. Manuel, em que a Armada de Vasco da Gama parte para
a Índia.
    Após a narrativa da Revolução de 1383-85 que incide fundamentalmente na figura de Nuno Álvares Pereira e
na Batalha de Aljubarrota, seguem-se os acontecimentos dos reinados de D. João II, sobretudo os relacionados
com a expansão para África.
    É assim que surge a narração dos preparativos da viagem à Índia, desejo que D. João II não conseguiu
concretizar antes de morrer e que iria ser realizado por D. Manuel, a quem os rios Indo e Ganges apareceram em
sonhos, profetizando as futuras glórias do Oriente. Este canto termina com a partida da Armada, cujos navegantes
são surpreendidos pelas palavras profeticamente pessimistas de um velho que estava na praia, entre a multidão. É
o episódio do Velho do Restelo.
 Canto V
 Vasco da Gama prossegue a sua narrativa ao Rei de Melinde, contando agora a viagem da
Armada, de Lisboa a Melinde.
 É a narrativa da grande aventura marítima, em que os marinheiros observaram
maravilhados ou inquietos o Cruzeiro do Sul, o Fogo de Santelmo ou a Tromba Marítima e
enfrentaram perigos e obstáculos enormes como a hostilidade dos nativos, no episódio de
Fernão Veloso, a fúria de um monstro, no episódio do Gigante Adamastor, a doença e a morte
provocadas pelo escorbuto.
 O canto termina com a censura do poeta aos seus contemporâneos que desprezam a
poesia.
    Canto VI
    Finda a narrativa de Vasco da Gama, a Armada sai de Melinde guiada por um piloto que deverá ensinar-lhe o
caminho até Calecut.
    Baco, vendo que os portugueses estão prestes a chegar à Índia, resolve pedir ajuda a Neptuno, que convoca um
Concílio dos Deuses Marinhos cuja decisão é apoiar Baco e soltar os ventos para fazer afundar a Armada. É então que,
enquanto os marinheiros matam despreocupadamente o tempo ouvindo Fernão Veloso contar o episódio lendário e
cavaleiresco de Os Doze de Inglaterra, surge uma violenta tempestade.
    Vasco da Gama vendo as suas caravelas quase perdidas, dirige uma prece a Deus e, mais uma vez, é Vénus que ajuda
os Portugueses, mandando as Ninfas seduzir os ventos para os acalmar.
    Dissipada a tempestade, a Armada avista Calecut e Vasco da Gama agradece a Deus. O canto termina com
considerações do Poeta sobre o valor da fama e da glória conseguidas através dos grandes feitos.
 Canto VII
 A Armada chega a Calecut. O poeta elogia a expansão portuguesa como cruzada,
criticando as nações europeias que não seguem o exemplo português. Após a descrição da
Índia, conta os primeiros contactos entre os portugueses e os indianos, através de um
mensageiro enviado por Vasco da Gama a anunciar a sua chegada.
 O mouro Monçaíde visita a nau de Vasco da Gama e descreve Malabar, após o que o
Capitão e outros nobres portugueses desembarcam e são recebidos pelo Catual e depois
pelo Samorim. O Catual visita a Armada e pede a Paulo da Gama que lhe explique o
significado das figuras das bandeiras portuguesas. O poeta invoca as Ninfas do Tejo e do
Mondego, ao mesmo tempo que critica duramente os opressores e exploradores do povo.
 Canto VIII
 Paulo da Gama explica ao Catual o significado dos símbolos das bandeiras
portuguesas, contando-lhe episódios da História de Portugal nelas representados. Baco
intervém de novo contra os portugueses, aparecendo em sonhos a um sacerdote brâmane
e instigando-o através da informação de que vêm com o intuito da pilhagem.
 O Samorim interroga Vasco da Gama, que acaba por regressar às naus, mas é retido
no caminho pelo Catual subornado, que apenas deixa partir os portugueses depois destes
lhes entregarem as fazendas que traziam. O poeta tece considerações sobre o vil poder do
ouro.
 Canto IX
 Após vencerem algumas dificuldades, os portugueses saem de Calecut, iniciando a viagem de
regresso à Pátria. Vénus decide preparar uma recompensa para os marinheiros, fazendo-os
chegar à Ilha dos Amores. Para isso, manda o seu filho cúpido desfechar setas sobre as Ninfas
que, feridas de Amor e pela Deusa instruídas, receberão apaixonadas os Portugueses.
 A Armada avista a Ilha dos Amores e, quando os marinheiros desembarcam para caçar,
vêem as ninfas que se deixam perseguir e depois seduzir. Tétis explica a Vasco da Gama a razão
daquele encontro (prémio merecido pelos “longos trabalhos”), referindo as futuras glórias que lhe
serão dadas a conhecer. Após a explicação da simbologia da Ilha, o poeta termina, tecendo
considerações sobre a forma de alcançar a Fama.
 Canto X
 As Ninfas oferecem um banquete aos portugueses. Após uma invocação do
poeta a Calíope, uma ninfa faz profecias sobre as futuras vitórias dos portugueses
no Oriente. Tétis conduz Vasco da Gama ao cume de um monte para lhe mostrar a
Máquina do Mundo e indicar nela os lugares onde chegará o império português. Os
portugueses despedem-se e regressam a Portugal.
 O poeta termina, lamentando-se pelo seu destino infeliz de poeta
incompreendido por aqueles a quem canta e exortando o Rei D. Sebastião a
continuar a glória dos Portugueses.
UNA RELECTURA

 http://www.youtube.com/watch?v=fL0EaIRVJB0&feature=relate
d
GRACIAS

 Preguntas

 ?Cual la importancia de la obra para la sociedad portuguesa?

 ?Cuales son los elementos que caracterizan una Epopeya?

 ?Porque hay elementos de la tradición greco-romana dentro de la
obra?

 ?Porque Cervantes cita a la obra de Luis de Camoes?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
Rosalina Simão Nunes
 
Resumo Português (Rimas de Camões).pdf
Resumo Português (Rimas de Camões).pdfResumo Português (Rimas de Camões).pdf
Resumo Português (Rimas de Camões).pdf
LumaFigueiredo1
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
Paula Oliveira Cruz
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
DanielaMoreira84
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
sin3stesia
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
balolas
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
Maria Góis
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
Maria Gois
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
André Cerqueira
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando PessoaTexto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Diogo Reis
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
Célia Gonçalves
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
Rosalina Simão Nunes
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 

Mais procurados (20)

Os Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os LusíadasOs Planos d'Os Lusíadas
Os Planos d'Os Lusíadas
 
Resumo Português (Rimas de Camões).pdf
Resumo Português (Rimas de Camões).pdfResumo Português (Rimas de Camões).pdf
Resumo Português (Rimas de Camões).pdf
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Mudam-se os tempos
Mudam-se os temposMudam-se os tempos
Mudam-se os tempos
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando PessoaTexto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
Texto de apoio sobre os heterónimos Fernando Pessoa
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 

Destaque

Ilha dos amores
Ilha dos amoresIlha dos amores
Ilha dos amores
Susana Sobrenome
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
Vanda Marques
 
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
sin3stesia
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Melancholia, identification, and the question of masculine psychosis in reina...
Melancholia, identification, and the question of masculine psychosis in reina...Melancholia, identification, and the question of masculine psychosis in reina...
Melancholia, identification, and the question of masculine psychosis in reina...
Ronald Simoes
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
Tony Abreu
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
Anderson Silva
 
Lusiadas 8 b 3p
Lusiadas 8 b 3pLusiadas 8 b 3p
Lusiadas 8 b 3p
Profmaria
 
Mitologia griega
Mitologia griegaMitologia griega
Mitologia griega
LoOre Bermúdez G
 
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
Os Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto XOs Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto X
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Horizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amoresHorizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amores
antoniosampaio11
 
Lusiadas
LusiadasLusiadas
Lusiadas
Cátia Morgado
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
julykathy
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
Karyn XP
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Teresa Pombo
 

Destaque (16)

Ilha dos amores
Ilha dos amoresIlha dos amores
Ilha dos amores
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologiaIlha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
Ilha dos Amores- Os Lusíadas: simbologia
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Melancholia, identification, and the question of masculine psychosis in reina...
Melancholia, identification, and the question of masculine psychosis in reina...Melancholia, identification, and the question of masculine psychosis in reina...
Melancholia, identification, and the question of masculine psychosis in reina...
 
Lusíadas
LusíadasLusíadas
Lusíadas
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Lusiadas 8 b 3p
Lusiadas 8 b 3pLusiadas 8 b 3p
Lusiadas 8 b 3p
 
Mitologia griega
Mitologia griegaMitologia griega
Mitologia griega
 
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
Os Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto XOs Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto X
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
 
Horizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amoresHorizonte + ilha amores
Horizonte + ilha amores
 
Lusiadas
LusiadasLusiadas
Lusiadas
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 

Semelhante a Os lusiadas

Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeia
maria.j.fontes
 
Os lusiadas resumo
Os lusiadas resumoOs lusiadas resumo
Os lusiadas resumo
Jonatham Siqueira
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Maria Gomes
 
lusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docxlusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docx
FamIndisciplinadAA
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
NunoNelasOliveira
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
Inês Santos
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Jonatas Carlos
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
caioberes
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Paula Vieira
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
José Ricardo Lima
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
Angela Santos
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
Mirceya Lima
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Amanda Assenza Fratucci
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
MargaridaMendona10
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
Inês Barão
 
O mar na literatura port.
O mar na literatura port.O mar na literatura port.
O mar na literatura port.
becastanheiradepera
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
Andriane Cursino
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
isabeldovaletrabucho
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
teresakashino
 

Semelhante a Os lusiadas (20)

Camões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeiaCamões, vida e epopeia
Camões, vida e epopeia
 
Os lusiadas resumo
Os lusiadas resumoOs lusiadas resumo
Os lusiadas resumo
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
 
lusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docxlusiadas_lexicoenarradores.docx
lusiadas_lexicoenarradores.docx
 
Os-lusiadas - resumo
 Os-lusiadas - resumo Os-lusiadas - resumo
Os-lusiadas - resumo
 
Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"Tudo sobre "Os lusíadas"
Tudo sobre "Os lusíadas"
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdfOs Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
Os Lusíadas - Estrutura e resumo.pdf
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
2 os lusiadas_resumos_episodios.docx
 
Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2Lusiadas resumo2
Lusiadas resumo2
 
O mar na literatura port.
O mar na literatura port.O mar na literatura port.
O mar na literatura port.
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Camões e a epopeia
Camões e a epopeiaCamões e a epopeia
Camões e a epopeia
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 

Mais de Ronald Simoes

El burlador de sevilla
El burlador de sevilla El burlador de sevilla
El burlador de sevilla
Ronald Simoes
 
Negative feedback as regulation and second language learning
Negative feedback as regulation and second language learningNegative feedback as regulation and second language learning
Negative feedback as regulation and second language learning
Ronald Simoes
 
La obra "A hora da estrela" de Clarice Lispector
La obra "A hora da estrela" de Clarice LispectorLa obra "A hora da estrela" de Clarice Lispector
La obra "A hora da estrela" de Clarice Lispector
Ronald Simoes
 
Modernismo en brasil
Modernismo en brasilModernismo en brasil
Modernismo en brasil
Ronald Simoes
 
Psychoanalysis freud
Psychoanalysis   freudPsychoanalysis   freud
Psychoanalysis freud
Ronald Simoes
 
Gender trouble
Gender troubleGender trouble
Gender trouble
Ronald Simoes
 
Bestiarios en la edad media
Bestiarios en la edad mediaBestiarios en la edad media
Bestiarios en la edad media
Ronald Simoes
 

Mais de Ronald Simoes (7)

El burlador de sevilla
El burlador de sevilla El burlador de sevilla
El burlador de sevilla
 
Negative feedback as regulation and second language learning
Negative feedback as regulation and second language learningNegative feedback as regulation and second language learning
Negative feedback as regulation and second language learning
 
La obra "A hora da estrela" de Clarice Lispector
La obra "A hora da estrela" de Clarice LispectorLa obra "A hora da estrela" de Clarice Lispector
La obra "A hora da estrela" de Clarice Lispector
 
Modernismo en brasil
Modernismo en brasilModernismo en brasil
Modernismo en brasil
 
Psychoanalysis freud
Psychoanalysis   freudPsychoanalysis   freud
Psychoanalysis freud
 
Gender trouble
Gender troubleGender trouble
Gender trouble
 
Bestiarios en la edad media
Bestiarios en la edad mediaBestiarios en la edad media
Bestiarios en la edad media
 

Os lusiadas

  • 1. OS LUSIADAS Luis de camoes Presentacion hecha por: Ronald Simoes
  • 2. LUIS DE CAMOES  Luís Vaz de Camões o Camoens- Lisboa - 1524 - 1580  fue escritor y poeta portugues , considerado como uno de los mayores poetas en lengua portuguesa ; también escribió algunos sonetos en castellano.
  • 4. LA ESTRUCTURA EXTERNA  Se refiere al análisis formal del poema: el número de estrofas, el número de líneas por estrofa, número de sílabas métricas, tipos de rima, el ritmo, las figuras de dicción: * Los Lusiadas consta de diez partes, llamadas las canciones líricas; Cada rincón tiene un número variable de versos (promedio 110); Las estaciones se encuentran en la octava, lo que tiene ocho versos, la rima se cruza en los primeros seis versos y vinculado en los últimos dos (AB AB AB CC) Cada línea se compone de diez sílabas métricas (decasílabo), en su mayoría heroicos (sílabas acentuadas en el 6 º y 10 º )
  • 5. INÍCIO DO DISCURSO DE JUPITER. CANTO I, ESTROFE 24.  “Eternos moradores do luzente A 8 versos Estelífero pólo, e claro assento, B Se do grande valor da forte gente A De Luso não perdeis o pensamento, B Deveis de ter sabido claramente, A Como é dos fados grandes certo intento, B Que por ela se esqueçam os humanos C De Assírios, Persas, Gregos e Romanos.” C
  • 6. ESTRUTURA INTERNA  Este trabajo muestra que es una epopeya clásica divide en cuatro partes: 1) Propuesta - introducción, presentación del tema y los héroes (1-3 estrofas del Canto I); 2) Invocación - el poeta invoca a las ninfas del Tajo y les pide que la inspiración para escribir (versos 4 y 5 del Canto I); 3) Dedicación - el poeta dedica la obra al rey Sebastián (versículos 6-18 del Canto I); 4) Narrativa - el relato de la travesía, comenzando por el centro de la acción de ir atrás en el tiempo para explicar lo sucedido hasta ahora en el viaje de Vasco de Gama y la historia de Portugal, y luego proceder a la línea de tiempo.
  • 8. LA EPOPEYA  La epopeya es un subgénero épico, escrito la mayor parte de las veces en verso largo (hexámetro), o prosa, consiste en la narración extensa de acciones trascendentales o dignas de memoria para un pueblo en torno a la figura de un héroe que representa sus virtudes de más estima; en ella intervienen muchas veces los dioses y existen elementos fantásticos
  • 9. LA EPICA  La épica leyenda perpetúa un texto en prosa que le da su mensaje acerca de las tradiciones centenarias y preservarlas en el tiempo por la tradición oral o escrita. La primera gran epopeya de los modelos occidentales son los poemas homéricos de la Ilíada y la Odisea, que tienen su origen en las leyendas sobre la guerra de Troya.
  • 10.  La Epica es un poema narrativo extenso heroica, una colección de eventos, hechos históricos, de una o varias personas, reales, legendarios o mitológicos.  Asi en los Lusiadas hay una comparación constante con los romanos, acerca de la evolución, el conocimiento y la verdadera lengua Latina: el portugues.
  • 11. TEMAS  El vaije de Vasco da Gama a las Indias.
  • 13. BACO  Enemigo de los portugueses
  • 14. LA TORMENTA DE LOS DIOSES “O céu fere com gritos nisto a gente, Com súbito temor e desacordo, Que, no romper da vela, a nau pendente Toma grã suma d'água pelo bordo: "Alija, disse o mestre rijamente, Alija tudo ao mar; não falte acordo. Vão outros dar à bomba, não cessando; A bomba, que nos imos alagando!"” — A tempestade, Canto VI, estrofe 72
  • 15. VENUS  Amiga de los Portugueses  Ayuda a Vasco da Gama y les lleva a las isla de las Ninfas.
  • 16. VENUS  Ahora viendo la flota con seguridad a su regreso a Portugal, Venus pide la ayuda de su hijo Cupido a unirse al amor y el dolor de las Nereidas con las flechas del amor. Con las ninfas Tetis y bajo esta influencia, se pone una isla mística en la ruta de los portugueses, y ella trae a los amantes.
  • 17. “Ó que famintos beijos na floresta, E que mimoso choro que soava! Que afagos tão suaves, que ira honesta, Que em risinhos alegres se tornava! O que mais passam na manhã, e na sesta, Que Vénus com prazeres inflamava, Melhor é experimentá-lo que julgá-lo, Mas julgue-o quem não pode experimentá-lo.” — A Ilha dos Amores. Canto IX, estrofe 83
  • 18.  Canto I  O poeta indica o assunto global da obra, pede inspiração às ninfas do Tejo e dedica o poema ao Rei D. Sebastião. Na estrofe 19 inicia a narração de viagem de Vasco da Gama, referindo brevemente que a Armada já se encontra no Oceano Índico, no momento em que os deuses do Olimpo se reúnem em Concílio convocado por Júpiter, para decidirem se os Portugueses deverão chegar à Índia.  Com o apoio de Vénus e Marte e apesar da oposição de Baco, a decisão é favorável aos Portugueses que, entretanto, chegam à Ilha de Moçambique. Aí Baco prepara-lhes várias ciladas que culminam com o fornecimento de um piloto por ele instruído para os conduzir ao perigoso porto de Quíloa. Vénus intervém, afastando a armada do perigo e fazendo-a retomar o caminho certo até Mombaça. No final do Canto, o poeta reflecte acerca dos perigos que em toda a parte espreitam o Homem.
  • 19.  Canto II  O rei de Mombaça, influenciado por Baco, convida os Portugueses a entrar no porto para os destruir. Vasco da Gama, ignorando as intenções, aceita o convite, pois os dois condenados que mandara a terra colher informações tinham regressado com uma boa notícia de ser aquela uma terra de cristãos. Na verdade, tinham sido enganados por Baco, disfarçado de sacerdote. Vénus, ajudada pelas Nereidas, afasta a Armada, da qual se põem em fuga os emissários do Rei de Mombaça e o falso piloto.  Vasco da Gama, apercebendo-se do perigo que corria, dirige uma prece a Deus. Vénus comove-se e vai pedir a Júpiter que proteja os Portugueses, ao que ele acede e, para a consolar, profetiza futuras glórias aos Lusitanos. Na sequência do pedido, Mercúrio é enviado a terra e, em sonhos, indica a Vasco da Gama o caminho até Melinde onde, entretanto, lhe prepara uma calorosa recepção. A chegada dos Portugueses a Melinde é efectivamente saudada com festejos e o Rei desta cidade visita a Armada, pedindo a Vasco da Gama que lhe conte a história do seu país.
  • 20.  Canto III  Após uma invocação do poeta a Calíope, Vasco da Gama inicia a narrativa da História de Portugal. Começa por referir a situação de Portugal na Europa e a lendária história de Luso a Viriato. Segue-se a formação da nacionalidade e depois a enumeração dos feitos guerreiros dos Reis da 1.ª Dinastia, de D. Afonso Henriques a D. Fernando.  Destacam-se os episódios de Egas Moniz e da Batalha de Ourique, no reinado de D. Afonso Henriques, e o da Formosíssima Maria, da Batalha do Salado e de Inês de Castro, no reinado de D. Afonso IV.
  • 21. Canto IV  Vasco da Gama prossegue a narrativa da História de Portugal. Conta agora a história da 2.ª Dinastia, desde a revolução de 1383-85, até ao momento, do reinado de D. Manuel, em que a Armada de Vasco da Gama parte para a Índia.  Após a narrativa da Revolução de 1383-85 que incide fundamentalmente na figura de Nuno Álvares Pereira e na Batalha de Aljubarrota, seguem-se os acontecimentos dos reinados de D. João II, sobretudo os relacionados com a expansão para África.  É assim que surge a narração dos preparativos da viagem à Índia, desejo que D. João II não conseguiu concretizar antes de morrer e que iria ser realizado por D. Manuel, a quem os rios Indo e Ganges apareceram em sonhos, profetizando as futuras glórias do Oriente. Este canto termina com a partida da Armada, cujos navegantes são surpreendidos pelas palavras profeticamente pessimistas de um velho que estava na praia, entre a multidão. É o episódio do Velho do Restelo.
  • 22.  Canto V  Vasco da Gama prossegue a sua narrativa ao Rei de Melinde, contando agora a viagem da Armada, de Lisboa a Melinde.  É a narrativa da grande aventura marítima, em que os marinheiros observaram maravilhados ou inquietos o Cruzeiro do Sul, o Fogo de Santelmo ou a Tromba Marítima e enfrentaram perigos e obstáculos enormes como a hostilidade dos nativos, no episódio de Fernão Veloso, a fúria de um monstro, no episódio do Gigante Adamastor, a doença e a morte provocadas pelo escorbuto.  O canto termina com a censura do poeta aos seus contemporâneos que desprezam a poesia.
  • 23. Canto VI  Finda a narrativa de Vasco da Gama, a Armada sai de Melinde guiada por um piloto que deverá ensinar-lhe o caminho até Calecut.  Baco, vendo que os portugueses estão prestes a chegar à Índia, resolve pedir ajuda a Neptuno, que convoca um Concílio dos Deuses Marinhos cuja decisão é apoiar Baco e soltar os ventos para fazer afundar a Armada. É então que, enquanto os marinheiros matam despreocupadamente o tempo ouvindo Fernão Veloso contar o episódio lendário e cavaleiresco de Os Doze de Inglaterra, surge uma violenta tempestade.  Vasco da Gama vendo as suas caravelas quase perdidas, dirige uma prece a Deus e, mais uma vez, é Vénus que ajuda os Portugueses, mandando as Ninfas seduzir os ventos para os acalmar.  Dissipada a tempestade, a Armada avista Calecut e Vasco da Gama agradece a Deus. O canto termina com considerações do Poeta sobre o valor da fama e da glória conseguidas através dos grandes feitos.
  • 24.  Canto VII  A Armada chega a Calecut. O poeta elogia a expansão portuguesa como cruzada, criticando as nações europeias que não seguem o exemplo português. Após a descrição da Índia, conta os primeiros contactos entre os portugueses e os indianos, através de um mensageiro enviado por Vasco da Gama a anunciar a sua chegada.  O mouro Monçaíde visita a nau de Vasco da Gama e descreve Malabar, após o que o Capitão e outros nobres portugueses desembarcam e são recebidos pelo Catual e depois pelo Samorim. O Catual visita a Armada e pede a Paulo da Gama que lhe explique o significado das figuras das bandeiras portuguesas. O poeta invoca as Ninfas do Tejo e do Mondego, ao mesmo tempo que critica duramente os opressores e exploradores do povo.
  • 25.  Canto VIII  Paulo da Gama explica ao Catual o significado dos símbolos das bandeiras portuguesas, contando-lhe episódios da História de Portugal nelas representados. Baco intervém de novo contra os portugueses, aparecendo em sonhos a um sacerdote brâmane e instigando-o através da informação de que vêm com o intuito da pilhagem.  O Samorim interroga Vasco da Gama, que acaba por regressar às naus, mas é retido no caminho pelo Catual subornado, que apenas deixa partir os portugueses depois destes lhes entregarem as fazendas que traziam. O poeta tece considerações sobre o vil poder do ouro.
  • 26.  Canto IX  Após vencerem algumas dificuldades, os portugueses saem de Calecut, iniciando a viagem de regresso à Pátria. Vénus decide preparar uma recompensa para os marinheiros, fazendo-os chegar à Ilha dos Amores. Para isso, manda o seu filho cúpido desfechar setas sobre as Ninfas que, feridas de Amor e pela Deusa instruídas, receberão apaixonadas os Portugueses.  A Armada avista a Ilha dos Amores e, quando os marinheiros desembarcam para caçar, vêem as ninfas que se deixam perseguir e depois seduzir. Tétis explica a Vasco da Gama a razão daquele encontro (prémio merecido pelos “longos trabalhos”), referindo as futuras glórias que lhe serão dadas a conhecer. Após a explicação da simbologia da Ilha, o poeta termina, tecendo considerações sobre a forma de alcançar a Fama.
  • 27.  Canto X  As Ninfas oferecem um banquete aos portugueses. Após uma invocação do poeta a Calíope, uma ninfa faz profecias sobre as futuras vitórias dos portugueses no Oriente. Tétis conduz Vasco da Gama ao cume de um monte para lhe mostrar a Máquina do Mundo e indicar nela os lugares onde chegará o império português. Os portugueses despedem-se e regressam a Portugal.  O poeta termina, lamentando-se pelo seu destino infeliz de poeta incompreendido por aqueles a quem canta e exortando o Rei D. Sebastião a continuar a glória dos Portugueses.
  • 29. GRACIAS  Preguntas  ?Cual la importancia de la obra para la sociedad portuguesa?  ?Cuales son los elementos que caracterizan una Epopeya?  ?Porque hay elementos de la tradición greco-romana dentro de la obra?  ?Porque Cervantes cita a la obra de Luis de Camoes?