SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
D. Dinis
Filipa Dias nº12
Sara Guerra nº30
12ºL2
Escola Secundária Ferreira Dias
Ano letivo 2016/2017
Disciplina de Português
Professora Alice Malato
Relação Intertextual: Mensagem e Os Lusíadas
Na noite escreve um seu Cantar de Amigo
O plantador de naus a haver,
E ouve um silêncio múrmuro consigo:
É o rumor dos pinhais que, como um trigo
De Império, ondulam sem se poder ver.
Arroio, esse cantar, jovem e puro,
Busca o oceano por achar;
E a fala dos pinhais, marulho obscuro,
É o som presente desse mar futuro,
É a voz da terra ansiando pelo mar.
Fernando Pessoa, Mensagem.
Pág.144 do Manual
Localização do poema na obra
• Primeira parte: Brasão
▫ II Os Castelos
 Sexto Poema
O Herói
• D. Dinis, “Rei Lavrador” ou “Rei Poeta”
• Sexto rei de Portugal
• Grande amante das artes e letras, era trovador
• Conhecido por mandar plantar o Pinhal de
Leiria
• Fundador da Universidade de Coimbra
Relação do Herói com o poema
• Sendo um rei multifacetado, é associado a 3 atos
criativos:
Lavrador:
Dedicou-se á
agricultura
Trovador:
“Cantar de
amigo”
Plantador:
Mandou plantar
o pinhal de
Leiria
Partes Lógicas do Poema
• Duas partes lógicas
▫ 1ª parte lógica: Ações distinguidas de D. Dinis, não só como rei,
mas como de trovador (poeta) e como de grande impulsionador
da expansão do Pinhal de Leiria (Pinhal de El-Rei)
▫ 2ª parte lógica: Em relação à pátria e ao que ela enfrenta com
os descobrimentos. Como um regato “jovem e puro” que “Busca o
oceano por achar”, e de como D. Dinis (com o pinhal) teve
influência nesse “mar futuro”.
• Estrofe 1
“Cantar de Amigo”
“plantador de naus”
“De Império, ondulam”
• Estrofe 2
Análise das estrofes
“Arroio”
“Busca o oceano por
achar”
“pinhais … som presente
desse mar futuro”
“terra ansiando pelo mar”
Valores Simbólicos
• Número 7:
▫ Número de “Os Castelos” conquistados aos
mouros;
▫ Número de poemas de “Os Castelos”
▫ 7 dias da criação 7 figuras da nacionalidade
D.Dinis: Uma cultura
• Dualidade Terra/Mar:
▫ Terra: passado
 Plantação do Pinhal de Leiria
▫ Mar: futuro
 Utilização da madeira do pinhal para construir as
naus dos Descobrimentos
Predestinação da expansão marítima
• Rei visionário
▫ Lança as sementes dos descobrimentos (Pinhal de
Leiria)
▫ Aproxima os elementos terra/mar
▫ O “silêncio múrmuro consigo” vem do “rumor dos
pinhais”, que predestinam o resultado da plantação
deste pinhal.
• Donzela/Terra e Amigo/Mar
▫ Cantar de Amigo
▫ A donzela (Terra Pinhal) canta na ânsia de ver o seu
amigo (Mar Descobrimentos).
• Pinheiro
▫ Pinhal de Leiria
▫ Símbolo do avanço de Portugal
 Semente (Pinhal) Árvore (Descobrimentos)
Recursos Expressivos
• Metáfora: “O plantador de naus a haver” (est.1, v.2)
• Paradoxo/oxímoro: “ ouve um múrmuro silêncio
consigo” (est.1, v.3), “marulho obscuro” (est.2, v.3)
• Personificação: “ o rumor dos pinhais que, como um
trigo de Império, ondulam sem se poder ver.” (est.1,
v.4/5), “fala dos pinhais” (est.2, v.3), “voz da terra
ansiando pelo mar” (est.2, v.5)
• Comparação: “pinhais/trigo” (est.1, v.4)
• Metomínia: “ondulam sem se poder ver” (est.1,
v.5),“Arroio, esse cantar” (est.2, v.1)
• Animismo: “rumor dos pinhais” (est.1, v.4)
• Paralelismo anafórico: “É o som/É a voz” (est.2,
v.4/5)
Análise morfossintática e semântica
• Campo lexical
Canto: “escreve”,
“cantar de amigo”,
“arroio”, “cantar”.
Campo:
“plantador”,
“pinhais”, “trigo”,
”Terra”.
Mar: “naus”,
“oceano”, “mar
futuro”,
“ondulam”.
• Classes de palavras predominantes
Nomes:
• Noite, amigo, naus,
silêncio (…)
Verbos:
• Escreve, haver, ouve,
ondulam, ver (…)
• Relações entre palavras:
▫ Relações semânticas:
 Sinonímia: “rumor dos pinhais” (est.1, v.4) “fala dos
pinhais” (est.2, v.3)
• Tipos de orações:
▫ Est.1
v.1 a v.3: oração sub. adverbial consecutiva
v.4 a v.5: oração sub. adjetiva relativa explicativa
▫ Est. 2
v.1 a v.2: oração sub. adjetiva relativa explicativa
v.3 a v.5: oração sub. adjetiva relativa explicativa
• Tempos verbais
▫ Presente do indicativo:
 Escreve, ouve, ondulam (…)
▫ Infinitivo
 Haver, poder, ver (…)
▫ Gerúndio
 Ansiando
Análise Formal
• Duas estrofes
• Ambas as estrofes são quintilhas (5 versos)
• Rima interpolada e cruzada
• Os versos são irregulares
predominando os versos
decassilábicos
• Sílabas métricas
Na |noi|te escre|ve um| seu| Can|tar |de A|mi|go 9 - Eneassílabo
O| plan|ta|dor |de| naus| a ha|ver, 8 - Octossílabo
E ou|ve| um| si|lên|cio |múr|um|ro| con|si|go: 11 - Hendecassílabo
É |o |ru|mor |dos |pin|hais| que, |co|mo um| tri|go 11 - Hendecassílabo
De Impé|rio, on|du|lam| sem |se| po|der |ver. 9 - Eneassílabo
A|rroio, e|sse |can|tar,| jo|vem| e |pu|ro, 9 - Eneassílabo
Bus|ca o |o|cea|no| por| a|char; 8 - Octossílabo
E a |fa|la |dos| pin|hais,| ma|ru|lho obs|cu|ro, 11 - Hendecassílabo
É| o |som |pre|sem|te| des|se |mar| fu|tu|ro, 11 - Hendecassílabo
É| a |voz |da |te|rra ansian|do|pe|lo |mar. 10 - Decassílabo
Conclusão
Este poema fala de um dos heróis da obra Mensagem, por,
também, ser considerado um herói português.
Não só por ter sido um rei que sempre procurou a cultura,
e sempre esteve ligado às artes, mas também por se
tratar do rei que impulsionou a plantação do Pinhal de
Leiria, de onde seria ,mais tarde, extraído material para
a construção naval. Assim, sendo contribuiu para a
expansão portuguesa, fazendo de si um rei visionário.
Os Lusíadas sobre D. Dinis
«Eis depois vem Dinis, que bem parece
Do bravo Afonso estirpe nobre e dina,
Com quem a fama grande se escurece
Da liberalidade Alexandrina.
Com este o Reino próspero florece
(Alcançada já a paz áurea divina)
Em constituições, leis e costumes,
Na terra já tranquila claros lumes.
«Fez primeiro em Coimbra exercitar-se
O valeroso ofício de Minerva;
E de Helicona as Musas fez passar-se
A pisar do Monde-o a fértil erva.
Quanto pode de Atenas desejar-se,
Tudo o soberbo Apolo aqui reserva.
Aqui as capelas dá tecidas de ouro,
Do bácaro e do sempre verde louro.
"Nobres vilas de novo edificou
Fortalezas, castelos mui seguros,
E quase o Reino todo reformou
Com edifícios grandes, e altos muros.
Mas depois que a dura Átropos cortou
O fio de seus dias já maduros,
Ficou-lhe o filho pouco obediente,
Quarto Afonso, mas forte e excelente.
Luís de Camões, Os Lusíadas, Canto III
Intertextualidade do poema entre a
Mensagem e Os Lusíadas
• Mensagem
▫ Visão mítica, visionária
▫ Centra-se no futuro e divide os dois ciclos da
nossa história, revelando de novo a dualidade
terra/mar.
▫ Faceta de lavrador, plantador e trovador
• Os Lusíadas
▫ Visão histórica
 Fundou o ensino em Coimbra
 Fundou várias vilas
 Construiu fortalezas
▫ Faceta de povoador e fundador da universidade
▫ D.Afonso IV

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Mariana Domingues
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceSamuel Neves
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãSofia_Afonso
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...FilipaFonseca
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauMaria Freitas
 
Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"InsdeCastro7
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMaria Teixiera
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesGijasilvelitz 2
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textualgracacruz
 

Mais procurados (20)

Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Horizonte
HorizonteHorizonte
Horizonte
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Ricardo reis
Ricardo reisRicardo reis
Ricardo reis
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 

Destaque

D dinis
D dinisD dinis
D dinis20014
 
D.Dinis - Rei Trovador
D.Dinis - Rei TrovadorD.Dinis - Rei Trovador
D.Dinis - Rei TrovadorMaria Pereira
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 
D. Nuno Alvares Pereira
D. Nuno Alvares PereiraD. Nuno Alvares Pereira
D. Nuno Alvares Pereirablog-eic
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolossin3stesia
 
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoMemorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoAntónio Teixeira
 
Biografia de d.dinis
Biografia de d.dinisBiografia de d.dinis
Biografia de d.dinisBrunoLopes8a
 
Vicente Abate, presidente da ABIFER
Vicente Abate, presidente da ABIFERVicente Abate, presidente da ABIFER
Vicente Abate, presidente da ABIFERJornal GGN
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoVai Totó
 

Destaque (20)

D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
 
D dinis
D dinisD dinis
D dinis
 
D.Dinis - Rei Trovador
D.Dinis - Rei TrovadorD.Dinis - Rei Trovador
D.Dinis - Rei Trovador
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Mensagem poema D. Dinis
Mensagem   poema D. DinisMensagem   poema D. Dinis
Mensagem poema D. Dinis
 
Apresentação d.dinis
Apresentação d.dinisApresentação d.dinis
Apresentação d.dinis
 
A Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
A Vida Na Corte Do Rei D. DinisA Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
A Vida Na Corte Do Rei D. Dinis
 
D. Dinis
D. DinisD. Dinis
D. Dinis
 
D. Nuno Alvares Pereira
D. Nuno Alvares PereiraD. Nuno Alvares Pereira
D. Nuno Alvares Pereira
 
D. Sebastião2
D. Sebastião2D. Sebastião2
D. Sebastião2
 
Mensagem elementos simbólicos
Mensagem  elementos simbólicosMensagem  elementos simbólicos
Mensagem elementos simbólicos
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
 
Recursos Estilísticos
Recursos EstilísticosRecursos Estilísticos
Recursos Estilísticos
 
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempoMemorial do Convento narrador, espaço e tempo
Memorial do Convento narrador, espaço e tempo
 
D. dinis
D. dinisD. dinis
D. dinis
 
Biografia de d.dinis
Biografia de d.dinisBiografia de d.dinis
Biografia de d.dinis
 
Carna uol
Carna uolCarna uol
Carna uol
 
Vicente Abate, presidente da ABIFER
Vicente Abate, presidente da ABIFERVicente Abate, presidente da ABIFER
Vicente Abate, presidente da ABIFER
 
Sicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! ComunicaçãoSicredi Justiça Age! Comunicação
Sicredi Justiça Age! Comunicação
 

Semelhante a D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)

Semelhante a D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa) (20)

d.dINIS
d.dINIS d.dINIS
d.dINIS
 
Marés d’@prender
Marés d’@prenderMarés d’@prender
Marés d’@prender
 
Ficha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativaFicha de avaliação formativa
Ficha de avaliação formativa
 
Os Lusíadas canto I
Os Lusíadas   canto IOs Lusíadas   canto I
Os Lusíadas canto I
 
Aula 5 - Pablo Neruda
Aula 5 -  Pablo NerudaAula 5 -  Pablo Neruda
Aula 5 - Pablo Neruda
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
 
Material de apoio 1º ano
Material de apoio 1º anoMaterial de apoio 1º ano
Material de apoio 1º ano
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Uso da virgula
Uso da virgulaUso da virgula
Uso da virgula
 
Ok
OkOk
Ok
 
02 traducao -_pound_-_villa
02 traducao -_pound_-_villa02 traducao -_pound_-_villa
02 traducao -_pound_-_villa
 
Lusiadas
LusiadasLusiadas
Lusiadas
 
1 sermão de santo antónio aos peixes
1  sermão de santo antónio aos peixes1  sermão de santo antónio aos peixes
1 sermão de santo antónio aos peixes
 
Marcos históricos do Trovadorismo Português. Forma Pará (2022)..pdf
Marcos históricos do Trovadorismo Português. Forma Pará (2022)..pdfMarcos históricos do Trovadorismo Português. Forma Pará (2022)..pdf
Marcos históricos do Trovadorismo Português. Forma Pará (2022)..pdf
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão cat
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
Os Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto XOs Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto X
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
 
Expr
ExprExpr
Expr
 
Palestra 4 - Influência judaica na cultura brasileira.pptx
Palestra 4 - Influência judaica na cultura brasileira.pptxPalestra 4 - Influência judaica na cultura brasileira.pptx
Palestra 4 - Influência judaica na cultura brasileira.pptx
 
Book saga
Book sagaBook saga
Book saga
 

Mais de Sara Guerra

Movimentos sociais
Movimentos sociais Movimentos sociais
Movimentos sociais Sara Guerra
 
Consumo e estilos de vida - Sociologia
Consumo e estilos de vida - Sociologia Consumo e estilos de vida - Sociologia
Consumo e estilos de vida - Sociologia Sara Guerra
 
Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12Sara Guerra
 
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e MadeiraIntinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e MadeiraSara Guerra
 
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: HistóriasCesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: HistóriasSara Guerra
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoSara Guerra
 
Tributos, encargos e rendas medievais
Tributos, encargos e rendas medievaisTributos, encargos e rendas medievais
Tributos, encargos e rendas medievaisSara Guerra
 
Declaração e requerimento - tipos de texto
Declaração e requerimento - tipos de texto Declaração e requerimento - tipos de texto
Declaração e requerimento - tipos de texto Sara Guerra
 
Vinicius de Moraes - Vida e Obra
Vinicius de Moraes - Vida e ObraVinicius de Moraes - Vida e Obra
Vinicius de Moraes - Vida e ObraSara Guerra
 

Mais de Sara Guerra (11)

Movimentos sociais
Movimentos sociais Movimentos sociais
Movimentos sociais
 
Canal do Suez
Canal do SuezCanal do Suez
Canal do Suez
 
Consumo e estilos de vida - Sociologia
Consumo e estilos de vida - Sociologia Consumo e estilos de vida - Sociologia
Consumo e estilos de vida - Sociologia
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
 
Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12Os Maias | Capítulo 12
Os Maias | Capítulo 12
 
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e MadeiraIntinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
Intinerário em espaço rural | São Miguel - Açores e Madeira
 
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: HistóriasCesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
Cesário Verde | Em Petiz - III Parte: Histórias
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
Tributos, encargos e rendas medievais
Tributos, encargos e rendas medievaisTributos, encargos e rendas medievais
Tributos, encargos e rendas medievais
 
Declaração e requerimento - tipos de texto
Declaração e requerimento - tipos de texto Declaração e requerimento - tipos de texto
Declaração e requerimento - tipos de texto
 
Vinicius de Moraes - Vida e Obra
Vinicius de Moraes - Vida e ObraVinicius de Moraes - Vida e Obra
Vinicius de Moraes - Vida e Obra
 

Último

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 

Último (20)

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 

D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)

  • 1. D. Dinis Filipa Dias nº12 Sara Guerra nº30 12ºL2 Escola Secundária Ferreira Dias Ano letivo 2016/2017 Disciplina de Português Professora Alice Malato Relação Intertextual: Mensagem e Os Lusíadas
  • 2. Na noite escreve um seu Cantar de Amigo O plantador de naus a haver, E ouve um silêncio múrmuro consigo: É o rumor dos pinhais que, como um trigo De Império, ondulam sem se poder ver. Arroio, esse cantar, jovem e puro, Busca o oceano por achar; E a fala dos pinhais, marulho obscuro, É o som presente desse mar futuro, É a voz da terra ansiando pelo mar. Fernando Pessoa, Mensagem. Pág.144 do Manual
  • 3. Localização do poema na obra • Primeira parte: Brasão ▫ II Os Castelos  Sexto Poema
  • 4. O Herói • D. Dinis, “Rei Lavrador” ou “Rei Poeta” • Sexto rei de Portugal • Grande amante das artes e letras, era trovador • Conhecido por mandar plantar o Pinhal de Leiria • Fundador da Universidade de Coimbra
  • 5. Relação do Herói com o poema • Sendo um rei multifacetado, é associado a 3 atos criativos: Lavrador: Dedicou-se á agricultura Trovador: “Cantar de amigo” Plantador: Mandou plantar o pinhal de Leiria
  • 6. Partes Lógicas do Poema • Duas partes lógicas ▫ 1ª parte lógica: Ações distinguidas de D. Dinis, não só como rei, mas como de trovador (poeta) e como de grande impulsionador da expansão do Pinhal de Leiria (Pinhal de El-Rei) ▫ 2ª parte lógica: Em relação à pátria e ao que ela enfrenta com os descobrimentos. Como um regato “jovem e puro” que “Busca o oceano por achar”, e de como D. Dinis (com o pinhal) teve influência nesse “mar futuro”.
  • 7. • Estrofe 1 “Cantar de Amigo” “plantador de naus” “De Império, ondulam” • Estrofe 2 Análise das estrofes “Arroio” “Busca o oceano por achar” “pinhais … som presente desse mar futuro” “terra ansiando pelo mar”
  • 8. Valores Simbólicos • Número 7: ▫ Número de “Os Castelos” conquistados aos mouros; ▫ Número de poemas de “Os Castelos” ▫ 7 dias da criação 7 figuras da nacionalidade D.Dinis: Uma cultura
  • 9. • Dualidade Terra/Mar: ▫ Terra: passado  Plantação do Pinhal de Leiria ▫ Mar: futuro  Utilização da madeira do pinhal para construir as naus dos Descobrimentos Predestinação da expansão marítima
  • 10. • Rei visionário ▫ Lança as sementes dos descobrimentos (Pinhal de Leiria) ▫ Aproxima os elementos terra/mar ▫ O “silêncio múrmuro consigo” vem do “rumor dos pinhais”, que predestinam o resultado da plantação deste pinhal. • Donzela/Terra e Amigo/Mar ▫ Cantar de Amigo ▫ A donzela (Terra Pinhal) canta na ânsia de ver o seu amigo (Mar Descobrimentos).
  • 11. • Pinheiro ▫ Pinhal de Leiria ▫ Símbolo do avanço de Portugal  Semente (Pinhal) Árvore (Descobrimentos)
  • 12. Recursos Expressivos • Metáfora: “O plantador de naus a haver” (est.1, v.2) • Paradoxo/oxímoro: “ ouve um múrmuro silêncio consigo” (est.1, v.3), “marulho obscuro” (est.2, v.3) • Personificação: “ o rumor dos pinhais que, como um trigo de Império, ondulam sem se poder ver.” (est.1, v.4/5), “fala dos pinhais” (est.2, v.3), “voz da terra ansiando pelo mar” (est.2, v.5)
  • 13. • Comparação: “pinhais/trigo” (est.1, v.4) • Metomínia: “ondulam sem se poder ver” (est.1, v.5),“Arroio, esse cantar” (est.2, v.1) • Animismo: “rumor dos pinhais” (est.1, v.4) • Paralelismo anafórico: “É o som/É a voz” (est.2, v.4/5)
  • 14. Análise morfossintática e semântica • Campo lexical Canto: “escreve”, “cantar de amigo”, “arroio”, “cantar”. Campo: “plantador”, “pinhais”, “trigo”, ”Terra”. Mar: “naus”, “oceano”, “mar futuro”, “ondulam”. • Classes de palavras predominantes Nomes: • Noite, amigo, naus, silêncio (…) Verbos: • Escreve, haver, ouve, ondulam, ver (…)
  • 15. • Relações entre palavras: ▫ Relações semânticas:  Sinonímia: “rumor dos pinhais” (est.1, v.4) “fala dos pinhais” (est.2, v.3) • Tipos de orações: ▫ Est.1 v.1 a v.3: oração sub. adverbial consecutiva v.4 a v.5: oração sub. adjetiva relativa explicativa ▫ Est. 2 v.1 a v.2: oração sub. adjetiva relativa explicativa v.3 a v.5: oração sub. adjetiva relativa explicativa
  • 16. • Tempos verbais ▫ Presente do indicativo:  Escreve, ouve, ondulam (…) ▫ Infinitivo  Haver, poder, ver (…) ▫ Gerúndio  Ansiando
  • 17. Análise Formal • Duas estrofes • Ambas as estrofes são quintilhas (5 versos) • Rima interpolada e cruzada • Os versos são irregulares predominando os versos decassilábicos
  • 18. • Sílabas métricas Na |noi|te escre|ve um| seu| Can|tar |de A|mi|go 9 - Eneassílabo O| plan|ta|dor |de| naus| a ha|ver, 8 - Octossílabo E ou|ve| um| si|lên|cio |múr|um|ro| con|si|go: 11 - Hendecassílabo É |o |ru|mor |dos |pin|hais| que, |co|mo um| tri|go 11 - Hendecassílabo De Impé|rio, on|du|lam| sem |se| po|der |ver. 9 - Eneassílabo A|rroio, e|sse |can|tar,| jo|vem| e |pu|ro, 9 - Eneassílabo Bus|ca o |o|cea|no| por| a|char; 8 - Octossílabo E a |fa|la |dos| pin|hais,| ma|ru|lho obs|cu|ro, 11 - Hendecassílabo É| o |som |pre|sem|te| des|se |mar| fu|tu|ro, 11 - Hendecassílabo É| a |voz |da |te|rra ansian|do|pe|lo |mar. 10 - Decassílabo
  • 19. Conclusão Este poema fala de um dos heróis da obra Mensagem, por, também, ser considerado um herói português. Não só por ter sido um rei que sempre procurou a cultura, e sempre esteve ligado às artes, mas também por se tratar do rei que impulsionou a plantação do Pinhal de Leiria, de onde seria ,mais tarde, extraído material para a construção naval. Assim, sendo contribuiu para a expansão portuguesa, fazendo de si um rei visionário.
  • 20. Os Lusíadas sobre D. Dinis «Eis depois vem Dinis, que bem parece Do bravo Afonso estirpe nobre e dina, Com quem a fama grande se escurece Da liberalidade Alexandrina. Com este o Reino próspero florece (Alcançada já a paz áurea divina) Em constituições, leis e costumes, Na terra já tranquila claros lumes. «Fez primeiro em Coimbra exercitar-se O valeroso ofício de Minerva; E de Helicona as Musas fez passar-se A pisar do Monde-o a fértil erva. Quanto pode de Atenas desejar-se, Tudo o soberbo Apolo aqui reserva. Aqui as capelas dá tecidas de ouro, Do bácaro e do sempre verde louro.
  • 21. "Nobres vilas de novo edificou Fortalezas, castelos mui seguros, E quase o Reino todo reformou Com edifícios grandes, e altos muros. Mas depois que a dura Átropos cortou O fio de seus dias já maduros, Ficou-lhe o filho pouco obediente, Quarto Afonso, mas forte e excelente. Luís de Camões, Os Lusíadas, Canto III
  • 22. Intertextualidade do poema entre a Mensagem e Os Lusíadas • Mensagem ▫ Visão mítica, visionária ▫ Centra-se no futuro e divide os dois ciclos da nossa história, revelando de novo a dualidade terra/mar. ▫ Faceta de lavrador, plantador e trovador
  • 23. • Os Lusíadas ▫ Visão histórica  Fundou o ensino em Coimbra  Fundou várias vilas  Construiu fortalezas ▫ Faceta de povoador e fundador da universidade ▫ D.Afonso IV